Você está na página 1de 8

NOTAS DE INVESTIGAÇÃO

Adaptação à gravidez: Um estudo


biopsicossocial (*)

MARIA DA GRAÇA PEREIRA (**)


ANA CRISTINA SANTOS (***)
VERA RAMALHO (***)

1. INTRODUÇÃO com elevados níveis de stress durante a gestação


ou que carecem de um companheiro confidente
A gravidez é um período de transição onde se são particularmente vulneráveis ao desenvolvi-
verificam enormes mudanças e ajustamentos fí- mento da depressão pós-parto (L. Tavares,
sicos e psicológicos. A sociedade em geral de- 1990).
fende que a gravidez é um momento que pro- Estudos recentes sugerem a existência de um
porciona mais união ao casal, no entanto, estu- declínio na satisfação conjugal associado ao
dos têm revelado que em muitas relações estas período pré-natal (J. Belesky, M. E. Lang, & M.
expectativas não se confirmam. Há uma forte Rovine, 1985). Casais que experienciaram difi-
evidência do facto de o ajustamento psicológico culdades de adaptação ao nascimento do filho,
e afectivo da mulher, antes e durante a gravidez, foram também aqueles que manifestaram pro-
estar associado a perturbações psicológicas. blemas de adaptação à gravidez (Snowden et al.,
A percepção que uma mulher tem do seu re- 1988; F. Grossman, L. Eicher, & S. Winickoff,
lacionamento conjugal, em termos de satisfação, 1980; T. Hotchner, 1988).
proximidade do relacionamento e apoio do côn- Os clínicos gerais têm revelado uma preocu-
juge, está relacionada com a sintomatologia de- pação com o conflito marital devido ao poder
pressiva durante a gravidez e o pós-parto preditivo da qualidade marital, quer no ajusta-
(O’Hara et al., 1983). Na realidade, mulheres mento materno, quer paterno, face ao nascimento
e pós-nascimento de um filho (M. A. Brown,
1994). Neste quadro, encontram-se estudos que
evidenciam que, uma comunicação medíocre
com o companheiro está associada com a severi-
(*) Comunicação apresentada no Congresso de Me- dade de náuseas e vómitos no 1.º trimestre de
dicina Familiar, Viseu; no Congresso de Psicologia da gravidez (Iatrakis et al., 1988). Também, uma
Saúde, Áustria.
(**) Departamento de Psicologia da Universidade
relação conjugal debilitada tem sido associada a
do Minho, Braga. uma hospitalização devido a parto prematuro e a
(***) Psicóloga Clínica e da Saúde. uma maior necessidade de administração de se-

583
dativos e tranquilizantes (P. Richardson, 1983). 2. METODOLOGIA
Além disso, uma relação insatisfatória com o
companheiro pode tornar-se um impedimento
sério na satisfação com a gravidez e adaptação 2.1. Sujeitos
ao papel de mãe (M. A. Brown, 1994).
A amostra é composta por 60 grávidas recru-
Vários estudos sugerem uma associação entre
tadas da unidade de obstetrícia do Hospital São
a qualidade da relação marital, o trabalho de par-
Marcos, clínicas privadas e de um Centro de
to prematuro e duração do trabalho parto (R. P.
Saúde de Braga. Não obstante, a maior percenta-
Lederman, E. Lederman, B. Worse, & D. gem de mulheres no segundo trimestre de gra-
McCannen, 1979). videz, o estudo incluiu grávidas do primeiro e
Estudos sobre suporte social têm revelado terceiro trimestres. A idade média das partici-
que as mulheres com baixo suporte social na pre- pantes era de 29 anos, sendo que, 33% possuíam
sença de stress (e.g., uma relação conflituosa) um grau académico. No que respeita o estado
apresentam três vezes mais probabilidade de ter civil, 88% eram casadas, contra 8% de solteiras e
complicações durante a gravidez quando compa- 2% que viviam em união de facto. Dos ele-
radas com as que têm um elevado suporte social, mentos constituintes da amostra 85% planearam
i.e., 91% comparado com 33% (S. Cobb, 1976). a gravidez e 92% reagiram bem à mesma. De
Os estudos, supracitados, realçam, pois, a realçar o facto de que, 52% das grávidas que par-
pertinência da centralidade da relação conjugal e ticiparam no estudo não tinham filhos (ver Tabe-
suporte social no ajustamento da mulher à gra- la 1).
videz e ao recém-nascido.
2.2. Procedimentos
1.1. Objectivos As grávidas foram convidadas a colaborar no
estudo, enquanto se encontravam na sala de
Neste sentido, a presente investigação preten-
espera das instituições de saúde, acima referidas.
de explorar: Foi fornecida, a cada uma, um envelope que
1) A relação entre o relacionamento conjugal compreendia todos os instrumentos pertinentes
e a saúde física e psicológica da grávida ao estudo. Estes, depois de devidamente preen-
2) A relação entre suporte social e saúde física chidos, eram colocados de novo no envelope e
e psicológica da grávida entregues à enfermeira.
3) A relação entre estilo de coping e saúde Todas as grávidas inquiridas deram consenti-
mento voluntário para participar na investigação.
física e psicológica da grávida, determi-
nando, designadamente, se o sentido de
coerência, tal como foi definido por 2.3. Instrumentos
Antonovsky (1987), é capaz de mediar o Os instrumentos utilizados foram:
impacto dos factores de risco para a saúde
4) Descrever as relações entre estilo de co- - Sentido de Coerência (SOC – Antonovsky,
ping, suporte social, e relacionamento con- 1993, adaptado para a população portuguesa
por Geada, 1992). Este inventário avalia
jugal na grávida.
três dimensões: Compreensão – capacidade
de fazer sentido do mundo; Competência –
No nosso estudo, além das variáveis qualidade sentimento de que a pessoa tem os recursos
da relação e suporte scocial incluimos o estilo de adequados para lidar coma as exigências da
coping por reflectir em que medida o reportório vida; e Significado – sentido de que as
sócio-cognitivo-comportamental do indivíduo, exigências da vida são desafios que valem o
neste caso a grávida, é eficaz na neutralização nosso investimento e envolvimento.
dos efeitos negativos dos factores de risco para a - Escala de Suporte Social (adaptada da Ins-
saúde física e psicológica. trumental-Expressive Social Support Scale,

584
TABELA 1
Características demográficas da amostra

de Lin et al., 1986, por M. Guerra, 1996.) – - Questionário Demográfico – elaborado es-
Este instrumento engloba 5 sub-escalas: (1) pecificamente para a presente investigação,
Suporte Financeiro, (2) Suporte Familiar, avalia as variáveis demográficas.
(3) Suporte Amoroso, (4) Suporte Social e
(5) Ausência de controlo exercido pelos Todos os instrumentos utilizados nesta inves-
outros sobre si próprio. tigação estavam adaptados à população portu-
- Escala de Relacionamento Conjugal (G. Spa- guesa à excepção da escala de Relacionamento
nier, 1976) – Serve como propósito avaliar a Conjugal (Dyadic Adjustment Scale) que foi
qualidade do relacionamento conjugal. É usada na sua versão experimental para os
constituída por quatro sub-escalas: Consen- objectivos deste estudo.
so, Satisfação, Expressão Afectiva e Coesão.
- Inventário de Sintomatologia (Derrogatis,
1982, adaptado por C. Canavarro, 1996) – 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
Avalia os sintomas psicológicos em nove di-
mensões: Somatização, Obsessivo-Compul- Dadas as características da nossa amostra fo-
sividade, Sensibilidade Interpessoal, Ansie- ram utilizadas estatísticas correlacionais não pa-
dade, Ansiedade Fóbica, Hostilidade, Idea- ramétricas para explorar as relações entre qua-
ção Paranóide, Psicoticismo, e por último, lidade da relação conjugal, sintomatologia, su-
Depressão. porte social e coping.

585
TABELA 2
Coefecientes de correlação entre as 9 dimensões do BSI e as restantes variáveis do estudo

3.1. Sintomatologia Psicológica correlação entre suporte social e sentido de coe-


rência (r = .58, p ≤ .05). Quando a variável «com-
Os resultados revelam que, quanto melhor é o plicações durante a gravidez» foi controlada o
relacionamento conjugal menor é a sintomato- coeficiente baixa para .42. Os resultados apon-
logia psicológica. A mesma relação se verifica tam ainda, para uma correlação entre suporte
nas variáveis de suporte social e sentido de social e relacionamento conjugal (r = .59 p ≤ .01).
coerência, i.e., quanto maior o suporte ou o co- Quando a variável «sintomatologia», é contro-
ping, menor a sintomatologia experienciada. lada o coeficiente desce para .52.
A Tabela 2 mostra os coeficientes de correla- Posteriormente, procurou analisar-se se have-
ção entre as nove dimensões BSI (avalia a sinto- ria diferenças, em termos de coping, entre o gru-
matologia psicológica) e o relacionamento con- po de mulheres com complicações durante a
jugal, suporte social e coping (sentido de coe- gravidez e aquelas sem problemas. Gostaríamos
rência). de acrescentar que as complicações na gravidez
incluíam os seguintes sintomas: obstipação, tra-
3.2. Suporte Social, Sentido de Coerência e balho de parto prematuro, náuseas, hemorragias,
Relacionamento Conjugal dores e infecções, que exigiram hospitalização.
Para o efeito, recorreu-se ao Mann-Whitney
A análise dos resultados (Tabela 3) revela uma teste, a partir do qual, foi possível apurar que, as

TABELA 3
Coefecientes de correlação entre o Suporte Social, Coping e Relacionamento Conjugal

586
GRÁFICO 1

mulheres sem complicações durante a gravidez 3.4. Reacção à Gravidez, Sentido de Coerên-
exibiam um sentido de coerência superior cia e Relacionamento Conjugal
(U = .009 p ≤ .01), quando comparadas com
aquelas em cuja gravidez se observaram compli- Os resultados (Gráfico 3) parecem indicar
cações. que no grupo de mulheres com Sentido de Coe-
Como se pode ver no Gráfico 1, o número de rência alto, o relacionamento conjugal deteriora-
grávidas com um Sentido de Coerência baixo é se quando a mulher reage mais ou menos à gra-
videz, i.e., não sabe muito bem como reagir. No
superior no grupo com complicações (colunas
grupo com um Sentido de Coerência baixo, o re-
cinzento claras). Contrariamente, o número de
lacionamento conjugal deteriora-se quando as
mulheres com um Sentido de Coerência elevado
mulheres reagem mal à gravidez.
é superior no grupo sem complicações (colunas
cinzento escuras).
3.5. Complicações durante a Gravidez, Sen-
tido de Coerência e Relacionamento
3.3. Reacção do Companheiro, Sentido de Conjugal
Coerência e Relacionamento Conjugal
Como mostra o Gráfico 4, no grupo com Sen-
A relação entre o Sentido de Coerência, a re- tido de Coerência elevado, o relacionamento
lação conjugal e a reacção do marido/compa- agrava-se na presença de complicações durante a
nheiro à gravidez foram, também, alvo de estu- gravidez, e prospera na sua ausência. Interessan-
do. temente, no grupo com um Sentido de Coerência
Reportando-nos ao Gráfico 2, poder-se-á baixo, a ocorrência de dificuldades durante a
constatar que, no grupo de mulheres com uma gravidez, associa-se a um melhoramento no rela-
boa relação conjugal, o Sentido de Coerência de- cionamento conjugal.
cresce quando o companheiro reage negativa-
mente.
Por outro lado, quando o relacionamento con- 4. CONCLUSÕES
jugal é insatisfatório, a reacção do companheiro
não parece condicionar o Sentido de Coerência Este estudo parece mostrar que a adaptação à
da parceira. gravidez é afectada pela forma como a mulher e

587
GRÁFICO 2

GRÁFICO 3

GRÁFICO 4

588
o companheiro reagem à gravidez e pela presen- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ça ou ausência de complicações durante a mes-
ma. Antonovsky, A. (1987). Unraveling the mystery of
A adaptação à gravidez parece estar também health: How people manage stress and stay well.
San Francisco: Jossey Bass.
associada aos recursos de Coping (SOC), Su-
Antonovsky, A. (1993). The structure and properties of
porte Social e à qualidade do Relacionamento the sense of coherence scale. Soc. Sci. Med., 36 (6),
Conjugal das grávidas. 725-733.
Os resultados obtidos sugerem que níveis re- Belesky, J., Lang, M. E., & Rovine, M. (1985). Stability
duzidos nestas variáveis criam, na grávida, uma and change in marriage across the transition to
vulnerabilidade física e psicológica e que o sen- parenthood: A second study: Journal of Marriage
tido de coerência parece ter um efeito mediador and the Family, 47, 855-865.
Canavarro, C. (1996). Avaliação de sintomas psicopato-
nos factores de risco para a saúde física e psico-
lógicos através do BSIi: Estudos de fiabilidade e
lógica da grávida. Contudo este último dado ca- validade do inventário. Provas Psicológicas em
rece de mais investigações neste domínio. Portugal (II).
Cobb, S. (1976). Social support as a moderator of life
4.1. Limitações do Estudo stress. Psychosomatic Medicine, 38, 300-314.
Derogatis, L. (1982). BSI: Brief Symptom Inventory.
Face às limitações do estudo, considera-se a Minneapolis: National Computer Systems.
sua replicação pertinente numa amostra que reu- Geada, M. (1992). Vulnerabilidade psicológica ao con-
sumo ilícito de tóxicos na adolescência. Disser-
na outras características como, por exemplo,
tação de Doutoramento. Universidade de Lisboa.
um menor nível de escolaridade, onde a gravidez Grossman, F., Eichler, L., & Winickoff, S. (1980).
não tenha sido planeada e/ou o parceiro não te- Pregnancy, birth and parenthood: Adaptation of
nha reagido favoravelmente. Seria igualmente mothers, fathers and infants. San Francisco: Jossey
interessante incluir, na amostra, os futuros pais, Bass.
de modo a, determinar se a sua percepção respei- Guerra, M. (1995). Uma escala de avaliação do suporte
tante a qualidade da relação, durante a gravidez, social. Sua aplicação numa população seropositiva
ao virus HIV. Avaliação Psicológica: Formas e
corresponde à das parceiras, bem como, avaliar a
Contextos, 1, 25-34.
sua adaptação em termos de sintomatologia e Hotchner, T. (1988). Childbirth and marriage: The
recursos de coping, ao longo deste período. transition to parenthood. New York: Avon Books.
Iatrakis, G. M., Sakellaropoulus, G. G., Koukoubas, A.
4.2. Implicações para a Medicina Familiar H., & Kabounia, S. E. (1988). Vomiting and nau-
sea in the first twelve weeks of pregnancy. Psycho-
A este estudo estão subjacentes determinadas therapy Psychosomatics, 49, 22-24.
implicações para a Medicina Familiar, nomeada- Lederman, R. P., Lederman, E., Work, B., & McCann,
D. (1979). Relationships of psychological factors
mente, ao nível da 1) Identificação das grávidas
in pregnancy to progress in labor. Nursing Re-
em risco, que seriam aquelas que possuem uma search, 28, 94-97.
relação conjugal insatisfatória, suporte social e Lin, N., Dean, A., & Ensel, W. (1986). Social support,
recursos de coping reduzidos e ao nível da 2) life events and depression. London: Academic
Intervenção precoce, no sentido de evitar com- Press.
plicações no período pré ou pós-parto. O’Hara, M. W., Rehm, L. P., & Campbell, S. B. (1983).
Estas intervenções poderiam ter três modali- Postpartum depression: A role for social network
and life stress variables. Journal of Nervous and
dades:
Mental Diseases, 171, 336-341.
- Terapia de casal breve, para os casos em que Richardson, P. (1983). Women’s perception of change
o relacionamento conjugal é insatisfatório; in relationships shared with their husbands during
pregnancy. Maternal Child Nursing Journal, 12, 1-
- Grupos de suporte, para as grávidas com bai-
-19.
xo suporte social; Spanier, G. (1976). Measuring dyadic adjustment: New
- Terapia individual, nas grávidas com poucos scales for assessing the quality of marriage and
recursos em lidarem com o stress da gravi- similar dyads. Journal of Marriage and the Family,
dez. 38, 15-28.

589
Snowden, L. R., Schott, T. L., Awalt, S. J., & Gillis- limitações do estudo são analisados em função desses
know (1988). Marital satisfaction in pregnancy: objectivos.
Stability and change. Journal of Marriage and the Palavras-chave: Relacionamento conjugal, suporte
Family, 50, 325-333. social, coping, saúde.
Tavares, L. (1990). Depressão e relacionamento con-
jugal durante a gravidez e pós-parto. Análise Psico-
lógica, 8 (4), 389-398. ABSTRACT

This study explored the relationship between the


Couple’s Adjustment, Social Support, Coping and
RESUMO physical/psychological health in pregnant women.
The study also evaluated whether the Sense of
Este estudo explorou a relação entre o Relaciona- Coherence (Antonovsky, 1974) was able to mediate
mento Conjugal, Suporte Social, estilo de Coping e a the impact of risk factors on health.
saúde física e psicológica da grávida. A discussion of the results, implications and limi-
Além disso, pretendeu avaliar se o Sentido de Coe- tations of the study were analised having these goals in
rência (Antonovsky, 1974) era capaz de medir o im- mind.
pacto dos factores de risco para a saúde. Key words: Marital adjustment, social support,
A discussão dos resultados, implicações, bem como coping, health.

590