Você está na página 1de 12

pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

Concurso Público

002. Prova Objetiva

Professor de Artes

 Você recebeu sua folha de respostas e este caderno  Transcreva para a folha de respostas, com caneta de
contendo 50 questões objetivas. tinta azul ou preta, todas as respostas anotadas na folha
 Confira seu nome e número de inscrição impressos na intermediária de respostas.
capa deste caderno.  A duração da prova é de 3 horas, já incluído o tempo para
 Quando for permitido abrir o caderno, verifique se ele o preenchimento da folha de respostas.
está completo ou se apresenta imperfeições. Caso haja  Só será permitida a saída definitiva da sala e do prédio
algum problema, informe ao fiscal da sala. após transcorrida a metade do tempo de duração da
 Leia cuidadosamente as questões e escolha a resposta que prova.
você considera correta.  Ao sair, você entregará ao fiscal a folha de respostas e
 Responda a todas as questões. este caderno, podendo destacar esta capa para futura
conferência com o gabarito a ser divulgado.
 Marque, na folha intermediária de respostas, localizada no
verso desta página, a letra correspondente à alternativa  Até que você saia do prédio, todas as proibições e
que você escolheu. orientações continuam válidas.

Aguarde a ordem do fiscal para abrir este caderno de questões.

27.05.2012

w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

Folha Intermediária de Respostas

w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

Conhecimentos pedagógicos 04. É papel do Estado democrático investir na escola, forçando


E LEGISLAÇÃO o acesso à educação de qualidade para todos e à ampliação
de participação social. O ensino de qualidade que a sociedade
demanda atualmente expressa-se com a possibilidade de o
01. A legislação determina que as escolas deverão estabelecer sistema educacional vir a propor
como norteadores de suas ações pedagógicas, dentre outros,
os princípios estéticos da sensibilidade, da criatividade e da (A) uma prática educativa adequada às necessidades sociais,
diversidade de manifestações artísticas e culturais. Assim, a políticas, econômicas e culturais da realidade brasileira.
arte em educação deve constituir-se em
(B) uma escola em tempo integral, ou seja, preocupada com
(A) uma disciplina que tem como preocupação central a
o desenvolvimento pedagógico e social do aluno.
formação de artistas.
(B) o estímulo para que cada um exprima aquilo que sente e (C) uma escola integrada com a comunidade, valorizando
percebe. uma educação saudável voltada para práticas culturais.

(C) um modelo educacional fundado na comunicação da (D) a diversidade e a interdisciplinaridade no currículo


sociedade. escolar e no projeto político-pedagógico.
(D) uma atividade neutra que deve atender a todas as etnias. (E) a transformação na organização escolar, favorecendo uma
educação inclusiva e atendendo às necessidades culturais
(E) uma improvisação de valores e modelos alheios ao edu-
e sociais da realidade brasileira.
cando.

02. O projeto na escola nada mais é do que um processo integrado 05. Concebe-se a educação escolar como uma prática que tem a
de planejamento, acompanhamento e avaliação. Esse processo possibilidade de criar condições para que todos os alunos
busca atingir os objetivos por meio de atividades encadeadas desenvolvam suas capacidades e aprendam os conteúdos
e bem preparadas e de um sistema estruturado de acompanha- necessários para construir instrumentos de compreensão da
mento e avaliação. Cada escola, cada educador deve encontrar realidade e de participação em relações sociais, políticas e
sua maneira particular de aplicar essa proposta, embora exis- culturais diversificadas e cada vez mais amplas. No contexto
tam alguns procedimentos básicos que podem ajudar na sua atual, cabe ao campo educacional propiciar aos alunos as
implantação. Assim, os projetos evidenciam que o trabalho capacidades de vivenciar as diferentes formas de inserção
não precisa ficar limitado ao espaço da escola; quando bem sociopolítica e cultural. Apresenta-se para a escola, hoje mais
encaminhados, do que nunca, a necessidade de
I. valorizam o trabalho de arte;
II. ressignificam o papel da escola na comunidade; (A) manter o status quo como espaço social para o desenvol-
III. ressignificam o papel da arte na educação; vimento do caráter.
IV. promovem o diálogo entre a escola e o agente cultural.
(B) assumir-se como espaço social de construção dos signi-
São verdadeiras as afirmações contidas em ficados éticos de toda e qualquer ação de cidadania.
(A) I e IV, apenas. (C) assumir-se como espaço de desenvolvimento físico,
(B) II e III, apenas. sexual e estético com a finalidade de aprimorar a cria-
tividade.
(C) I, II e III, apenas.
(D) proporcionar um currículo voltado para os conteúdos
(D) II, III e IV, apenas. historicamente construídos pela humanidade e a siste-
(E) I, II, III e IV. matização das regras de conduta.

(E) assumir-se como espaço de desenvolvimento de tec-


03. A educação em arte favorece ao aluno relacionar-se criado- nologias e de capacitação dos estudantes para futuras
ramente com outras disciplinas do currículo, contribuindo habilitações em termos das especializações tradicionais.
para a sua formação humana e crítica. O ensino de Arte é
área de conhecimento com conteúdos específicos e deve ser
consolidada como parte constitutiva dos currículos escolares,
requerendo, portanto,
(A) elaboração de exposições variadas e mostras culturais.
(B) participação em concursos públicos.
(C) capacitação dos professores para orientar a formação dos
alunos.
(D) envolvimento de pais, educadores e agentes comunitários.
(E) envolvimento das autoridades locais e fortalecimento do
diálogo com a comunidade.

3 PEAT1201/002-ProfessorArtes

w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

06. A construção do conhecimento humano alicerça-se nas expe- 08. A análise das tendências pedagógicas no Brasil deixa evidente
riências cultural e social do homem, a partir de sua concepção a influência dos grandes movimentos educacionais interna-
de mundo. Nesse sentido, cabe ao professor mediar o chamado cionais, da mesma forma que expressam as especificidades
“saber elaborado”, acumulado historicamente pela sociedade, de nossa história política, social e cultural, a cada período em
com as vivências do aluno, possibilitando uma aprendizagem que são consideradas. Umas das tendências consideradas é
a chamada pedagogia crítico-social dos conteúdos, apresen-
crítica, para sua atuação como sujeito na sociedade, enfocando
tando como características, entre outras,
o ensino dos conhecimentos do passado, da tradição, para o
entendimento das situações presentes, e formas de se redefinir (A) a sistematização dos conteúdos historicamente acumu-
as ações futuras. Portanto, a educação básica deve capacitar o lados.
aluno para uma educação permanente, garantindo, no processo
(B) a supervalorização da tecnologia programada de ensino.
de ensino e aprendizagem,
(C) uma valorização pelo processo de aprendizagem.
I. a aprendizagem de metodologias capazes de priorizar a
construção de estratégias de verificação e comprovação (D) o domínio de conhecimentos, habilidades e capacidades
de hipóteses na construção do conhecimento; mais amplas.
II. a construção de argumentação capaz de controlar os (E) o domínio da organização lógica das disciplinas e do
resultados desse processo; aprendizado moral.
III. o desenvolvimento do espírito crítico capaz de favorecer
a criatividade;
09. A aprendizagem pela descoberta, aprender fazendo, o pes-
IV. o trabalho coletivo e o descobrimento das potencialidades quisar e o solucionar problemas são orientações centrais para
do trabalho individual. a aprendizagem. A educação é centrada no aluno, e o professor
tem o papel de facilitador da aprendizagem. A palavra de
É verdadeiro o que se afirma em ordem no ensino da Arte era a criatividade, compreendida
como a criação do novo, com ênfase na originalidade, na
(A) I e III, apenas. flexibilidade, na fluência e na iniciativa do aluno. É correto
afirmar que a descrição se refere à tendência pedagógica
(B) I e IV, apenas.
(A) tecnicista.
(C) III e IV, apenas.
(B) crítico-social dos conteúdos.
(D) II, III e IV, apenas.
(C) libertadora.
(E) I, II, III e IV. (D) humanitária.
(E) renovada.

07. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação concedeu à escola 10. Uma escola comprometida com o desenvolvimento das capa­
progressivos graus de autonomia pedagógica, administrativa e cidades dos alunos, que se expressam pela qualidade das
de gestão financeira, significando ter autonomia para construir relações que se estabelecem, encontra, na avaliação, uma
um espaço de liberdade e de responsabilidade para elaborar referência à análise de seus propósitos, que lhe permite redi­
seu próprio plano de trabalho, definindo seus rumos e pla- mensionar investimentos, a fim de que os alunos aprendam
cada vez mais. Esse uso da avaliação só poderá acontecer se
nejando suas atividades de modo a atender às demandas da
for compreendida como
sociedade. Desta forma, toda instituição escolar deve elaborar
sua proposta curricular, contextualizada na discussão de seu I. elemento integrador entre a aprendizagem e o ensino.
projeto educativo. Entende-se por projeto educativo II. conjunto de ações cujo objetivo é o ajuste e a orientação
da intervenção pedagógica para que o aluno aprenda.
(A) a expressão da identidade de cada escola.
III. elemento de reflexão contínua para o professor sobre sua
(B) a determinação de regras e normas de conduta. prática educativa.
IV. instrumento que possibilita ao aluno tomar consciência
(C) o conjunto de sequências didáticas. da sua classificação no grupo.

(D) a relação de conteúdos desenvolvidos nas disciplinas. São corretas as afirmações contidas em
(A) I e II, apenas.
(E) o reflexo do trabalho do diretor da escola.
(B) III e IV, apenas.
(C) I, II e III, apenas.
(D) II, III e IV, apenas.
(E) I, II, III e IV.

PEAT1201/002-ProfessorArtes 4
w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

11. Professores são profissionais essenciais na construção do 14. Os termos “integração” e “inclusão”, embora tenham signi-
conhecimento dos alunos, na mediação pedagógica entre ficados semelhantes, são empregados para expressar situações
conteúdos e formas de expressão, na elaboração e condução de inserção diferentes e se fundamentam em posicionamentos
da experiência educativa, na vivência de situações didáticas teórico-metodológicos divergentes. É correto afirmar que as
e na construção da escola, contribuindo, para isso, com seus escolas inclusivas
valores, saberes e competências. Aos docentes é dada a tarefa
de facilitar as reflexões, discussões e debates sobre as condu- (A) atendem às diferenças sem discriminar ou trabalhar à
tas humanas e questões éticas contemporâneas, contribuindo, parte com alguns alunos.
fundamentalmente, para a formação moral dos alunos, seu
aprimoramento como pessoa humana, desenvolvimento de (B) estabelecem regras específicas para planejamento e ava-
sua autonomia intelectual e de seu pensamento crítico. A liação de currículos, atividades e aprendizagem de alunos
aprendizagem de valores e atitudes é de natureza complexa com deficiência e necessidades educacionais especiais.
e pouco explorada do ponto de vista pedagógico. Para a
aprendizagem de atitudes, é necessário(a) (C) atendem os alunos com deficiência em classes especiais,
ou mesmo regulares.
(A) uma prática em que as regras de conduta são bem explí-
citas no relacionamento entre pessoas. (D) mudam parcialmente, os alunos se adaptam às exigências
da escola.
(B) uma prática constante, coerente e sistemática, em que
valores e atitudes almejados sejam expressos no rela- (E) indicam a individualização dos programas escolares,
cionamento entre as pessoas. os currículos adaptados, as avaliações especiais para
compensar as dificuldades de aprender.
(C) entender de processos psicológicos e emocionais das
pessoas.
(D) esclarecer as consequências dos atos por meio de puni- 15. Em muitos dos casos, a ação docente é vista em paralelo com
ções e sanções. o ambiente em que se trabalha. Fato é que, tanto o ambiente
(E) fortalecer a autoridade do professor por meio de regras quanto o docente estão interligados pelo mesmo objetivo: edu-
bem determinadas. car. A reflexão crítica sobre determinados valores presentes
no comportamento humano em sociedade diz respeito

12. É necessário que o professor deixe de lado certos modelos (A) ao conjunto de normas e regras do trabalho docente.
pedagógicos pré-estabelecidos, adaptando-os às reais necessi- (B) à educação do ponto de vista da antropologia.
dades de seus alunos, de forma que se tornem parceiros ativos,
criativos e cooperativos na construção de seus conhecimen- (C) à educação do ponto de vista da ética.
tos. Para tanto, o professor deve ter propostas claras sobre o
que, quando e como ensinar e avaliar, a fim de possibilitar o (D) à regulação das relações dos indivíduos numa comuni-
planejamento de atividades de ensino. Em síntese, dade social.

(A) a aprendizagem deve se ajustar ao ensino. (E) ao compromisso docente com o código de conduta.

(B) as técnicas de ensino fortalecem o professor.


(C) a motivação do aluno fortalece a sequência didática. 16. A escola não está fora da sociedade, com uma autonomia
absoluta diante dos fatores que estimulam as mudanças
(D) o ensino deve potencializar a aprendizagem.
sociais, nem muito menos numa relação de subordinação
(E) o clima da escola é fundamental para a aprendizagem. absoluta, que a converte em mera reprodutora do que ocorre
em nível mais amplo da sociedade. A escola tem como função

13. Os sistemas escolares estão montados a partir de um pensa- (A) manter e, ao mesmo tempo, transformar a cultura.
mento que recorta a realidade, que permite dividir os alunos
(B) organizar os conteúdos de maneira sistemática de modo
em normais e deficientes, as modalidades de ensino em regu-
a transmiti-los aos alunos.
lar e especial, os professores em especialistas nesta e naquela
manifestação das diferenças. A lógica dessa organização é (C) preparar os jovens para o processo seletivo das institui-
marcada, respectivamente, por uma visão ções de ensino superior.
(A) subjetiva, afetiva, criadora e humanista. (D) preparar o indivíduo para que se torne um profissional
(B) humanista, tecnicista, dialógica e renovada. de sucesso.

(C) tecnicista, mecanicista, formalista e conservadora. (E) trabalhar as habilidades imediatamente demandadas pelo
mercado de trabalho.
(D) reducionista, determinista, tecnicista e funcional.
(E) determinista, mecanicista, formalista e reducionista.

5 PEAT1201/002-ProfessorArtes

w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

17. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei Federal 19. A Constituição Federal, em seu art. 208, estabelece que o
n.° 9.394/96) estabelece que os currículos do ensino fun- dever do Estado com a educação será efetivado mediante
damental e médio devem ter uma base nacional comum, a algumas garantias, dentre elas, o (a)
ser complementada, em cada sistema de ensino e estabele-
cimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas I. atendimento educacional especializado aos portadores de
características regionais e locais da sociedade, da cultura, da deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino;
economia e da clientela. Estabelece, ainda, que o ensino de II. educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos
artes, especialmente em suas expressões regionais, constituirá 17 (dezessete) anos de idade, assegurada, inclusive, sua
componente curricular oferta gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso
na idade própria;
(A) optativo nos diversos níveis da educação básica, respei-
tando-se a autonomia da escola. III. educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças de
até 6 (seis) anos de idade.
(B) obrigatório nos diversos níveis da educação básica, de
IV. acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e
forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos. 
da criação artística, segundo a capacidade de cada um.
(C) obrigatório na educação infantil e optativo no ensino É verdadeiro o que se afirma em
fundamental e médio.
(A) I e II, apenas.
(D) obrigatório para as escolas de educação básica, tendo a
música como conteúdo optativo. (B) II e III, apenas.

(E) de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horá- (C) III e IV, apenas.
rios normais das escolas de ensino fundamental.
(D) I, II e IV, apenas.

(E) I, II, III e IV.


18. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação estabelece que a
educação básica poderá organizar-se em séries anuais, perío-
dos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estu-
dos, grupos não seriados, com base na idade, na competência 20. Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei Federal
e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, n.° 8.069, de 13.07.90), deverá haver um Conselho Tutelar
sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim em cada município que corresponde a um órgão permanente
o recomendar. Em relação ao ensino fundamental, é correto e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de
afirmar que zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adoles-
cente. Dentre as atribuições do Conselho Tutelar, encontra-se:
(A) os sistemas de ensino devem desdobrar o ensino funda-
mental em ciclos. (A) realizar busca e apreensão de crianças, adolescentes ou
seus pertences a partir de denúncias recebidas.
(B) poderá ser presencial ou a distância, dependendo da
demanda. (B) expedir autorização para viajar, para desfilar ou participar
de programas de televisão, atendendo a pedidos de seus
(C) incluirá pelo menos três horas de trabalho efetivo em sala pais ou responsáveis.
de aula, sendo progressivamente ampliado o período de
permanência na escola. (C) encaminhar ao Ministério Público notícia de fato que
constitua infração administrativa ou penal contra os
(D) o ensino religioso, como parte integrante da formação direitos da criança ou adolescente.
básica do cidadão, é obrigatório.
(D) conceder, a pessoas previamente cadastradas, autorização
(E) os estabelecimentos que utilizam progressão regular por de guarda de menores em situação de risco.
série podem adotar o regime de progressão continuada.
(E) realizar fiscalização em bares e boates para verificar a
presença e/ou o consumo de bebidas alcoólicas por parte
de crianças e adolescentes.

PEAT1201/002-ProfessorArtes 6
w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

Conhecimentos Específicos 26. Um espaço de representação característico do Renascimento


cuja relação com o público é basicamente frontal, composto
arquitetonicamente também por balcão, frisa e foyer, é
21. A peça O rei da vela, de autoria de Oswald de Andrade, foi
(A) palco italiano.
escrita na década de 1930. No entanto, só foi encenada em
1967, pelo diretor (B) arena.
(A) Augusto Boal. (C) feira.
(B) Ilo Krugli. (D) tablado.
(C) Eugenio Kusnet. (E) palanque.
(D) José Celso Martinez Correa.
(E) Gerald Thomas. 27. A obra de Viola Spolin foi traduzida e divulgada, no Brasil,
por
(A) Ana Mae Barbosa.
22. O auto é um gênero teatral ligado aos temas religiosos. Con-
temporaneamente, o autor brasileiro que se notabilizou por (B) Joana Lopes.
sua produção foi (C) Ingrid D. Koudela.
(A) Ariano Suassuna. (D) Maria Clara Machado.
(B) Gil Vicente. (E) Ligia Cortez.
(C) Oswald de Andrade.
(D) Chico Buarque de Hollanda. 28.
(E) Millôr Fernandes.

23. De modo sistematizado, desde 1897, no Teatro de Arte de


Moscou, Constantin Stalislavski criou um método de inter-
pretação cuja concepção estética era
(A) renascentista.
(B) simbolista.
(C) pós-moderna.
(D) naturalista.
(E) romântica.

24. O autor, profissional com múltiplas funções no teatro, que,


dedicando-se a diferenciados fazeres com a linguagem, escre-
veu dois importantes manifestos: Teatro da crueldade (1932)
e Teatro e seu duplo (1938) foi
(A) Samuel Beckett. A obra Torso/Ritmo foi realizada em pastel e carvão (1915/16)
e é de autoria de
(B) Bertolt Brecht.
(A) Tarsila do Amaral.
(C) Antonin Artaud.
(B) Oswald de Andrade.
(D) Sergei Eisenstein.
(C) Lasar Segall.
(E) Edward Gordon Craig.
(D) Anita Malfatti.
(E) Mario de Andrade.
25. No teatro grego, nas formas da tragédia, comédia ou drama
satírico, havia uma personagem coletiva que representava
o Estado, com um número variável de integrantes, sempre 29. Os “Domingos da Criação” eram atividades oferecidas à
homens. Trata-se população ocasional no parque do
(A) do coral. (A) Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São
Paulo.
(B) do coro.
(B) Museu de Arte Moderna de São Paulo.
(C) da plateia.
(C) Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.
(D) do mimo.
(D) Paço das Artes – São Paulo.
(E) do canto.
(E) Museu Imperial – Rio de Janeiro.
7 PEAT1201/002-ProfessorArtes

w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

30. O olhar do leitor pode ser “comparado com um diagnóstico. 34. “Apreciar, educar os sentidos e avaliar a qualidade das ima-
Ele acrescenta à sua leitura as questões “quem” e “por que”. gens produzidas pelos artistas é uma ampliação necessária à
Para compreender a obra, ele busca tanto as informações livre-expressão, de maneira a possibilitar o desenvolvimento
presentes na própria imagem, suas formas, cores, linhas, contínuo daqueles que, depois de deixar a escola, não se
etc., como informações da história da arte. Este leitor quer tornarão produtores de arte. Através da apreciação e da deco-
compreender a obra, relacionando-a com um contexto de dificação de trabalhos artísticos, desenvolvemos os processos
básicos da criatividade”, que são:
informações. Sua estratégia é procurar dicas informativas,
para decodificá-las e conectá-las ao seu arquivo de dados”. (A) exatidão, flexibilidade, elaboração e originalidade.
A descrição corresponde a um dos estágios de compreensão
(B) fluência, flexibilidade, elaboração e originalidade.
estética formulada por Abigail Housen, que é
(C) repetição, fluência, flexibilidade e tradição.
(A) recriativo.
(D) apropriação, repetição, originalidade e tradição.
(B) interpretativo.
(E) fluência, flexibilidade, invenção e tradição.
(C) construtivo.

(D) narrativo. 35. A representação concomitante de várias visões possíveis de


(E) classificativo. um objeto enquanto nos movemos em torno dele indica o
procedimento da pintura de estética
(A) surrealista.
31. A presença marcante – e em alguns casos exclusiva – do
(B) romântica.
desenho geométrico como conteúdo de artes visuais, diz res-
peito a uma tendência em ensino de arte que advém de uma (C) realista.
tradição (D) impressionista.
(A) romântica. (E) cubista.
(B) positivista.

(C) romana. 36. Em relação à produção artística, a distribuição em rede do


trabalho artístico
(D) colonial.
(A) gera disputas jurídicas em virtude da falta de autor defi-
(E) modernista. nido claramente.
(B) permite alteração constante graças às interferências dos
conectados.
32. Para Ana Mae Barbosa, a pós-modernidade remete à cons-
trução do objeto e sua concepção inteligível como elementos (C) oferece produtos finalizados com autores claramente
definidores. Já a modernidade, para a autora, concebia a arte definidos.
como (D) não oferece possibilidades de interlocução entre artista
e público.
(A) expressão.
(E) não pode competir com o circuito de galerias, já que não
(B) montagem.
oferece produtos artísticos.
(C) invenção.

(D) definição. 37. “Em Esparta, em seu sistema de educação para os jovens e
para o povo, Licurgo exigia que a música fizesse parte da edu-
(E) contradição. cação da infância e da juventude, e que fosse supervisionada
pelo Estado. (...) Nenhum espartano, de qualquer idade, sexo
ou classe social era excluído desse exercício, num sistema em
33. Entre os diversos assuntos que abordam o ensino de arte, Ana que cada indivíduo tinha que cumprir sua parte, pelo benefício
Mae Barbosa indica que o objetivo da educação interessada moral, social e político do Estado”. Nesse contexto, era grande
no desenvolvimento cultural deveria ser a o valor atribuído à música, pois acreditava-se que ela

(A) multiculturalidade. (A) poderia educar a elite para ocupar seu espaço no comando
do poder.
(B) pluriculturalidade.
(B) adestrava o corpo e a mente para o comando dos exércitos
(C) disciplinaridade. espartanos.

(D) interculturalidade. (C) adestrava o corpo e a mente para a obediência.

(E) culturalidade. (D) colaborava na formação do caráter e da cidadania.


(E) suavizava as relações do estado militarista de Esparta.

PEAT1201/002-ProfessorArtes 8
w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

38. O homem barroco, mesmo na expressão de sentimentos, 42. Villa-Lobos propôs um projeto educacional para escola
obedece a categorias previamente determinadas e claramente disseminado pela instituição do canto orfeônico em todas
organizadas. Considerada como expressão de sentimentos, a as escolas públicas brasileiras. Seu método incorpora uso
música se une à palavra, utilizando os recursos das de material folclórico e popular nacional, ênfase no ensino
(A) Teoria dos Afetos e Doutrina das Figuras. da música por meio do canto coral e o uso de manossolfa.
Essas são características de outro método ativo de ensino
(B) Teoria das Cordas e Teoria da Composição. que possivelmente influenciou o autor, que é o método
(C) Doutrina das Cordas e Doutrina das Figuras. (A) Orff.
(D) Doutrina das Supercordas e Teoria dos Afetos. (B) Schafer.
(E) Doutrina das Cores e Teoria da Composição. (C) Porena.
(D) Self.
39. “A tonalidade, levada a seus extremos pelos últimos român- (E) Kodály.
ticos, começa a alargar mais ainda suas fronteiras, para muito
além do que já se experimentara até então. Enquanto isso,
outras escolas voltam-se contra a tradição tonal e buscam 43. A integração entre ritmo e atividade motora teve, no meio
construir sistemas harmônicos baseados em outras estruturas, musical, como pioneiro,
não tonais; experimentam-se escalas alternativas, explora-se (A) David Elliot.
o neomodalismo, criam-se acordes construídos a partir de
(B) Keith Swanwick.
organizações não triádicas, abre-se o espaço na orquestra, para
um sem número de instrumentos de percussão. Diluem-se as (C) Bennet Reimer.
fronteiras entre os ruídos e o som músical”. Para Fonterrada, (D) Carl Stumpf.
a descrição identifica
(E) Émile-Jacques Dalcrose.
(A) virada do século XIX para o século XX.
(B) virada do século XX para o século XXI.
44. O trabalho de Mary Wigman surgiu na Alemanha dos anos
(C) primeira década do século XIX. 1920 e representava um movimento coreográfico de tendência
(D) meados do século XVIII. (A) naturalista.
(E) primeira década do século XXI. (B) clássica.
(C) expressionista.
40. “A educação, de algum modo, reflete as tendências contradi- (D) contemporânea.
tórias do romantismo, havendo espaço para ações, abordagens (E) cubista.
e posturas contrastantes”. Em relação ao ensino musical,
surgem as primeiras escolas particulares de caráter profis-
sionalizante. No Brasil, inaugura a tendência 45. Dançava com os pés descalços, rejeitando as sapatilhas de
(A) o Conservatório de São Paulo, em São Paulo, em 1850. ponta usadas no balé, símbolo sagrado da dança clássica.
Sua vestimenta eram túnicas soltas. Considerada uma revo-
(B) o Conservatório Brasileiro de Música, no Rio de Janeiro, lucionária no início do século XX, não dançava com músicas
em 1845. compostas para balé. Trata-se da contribuição de
(C) a Academia Imperial de Belas Artes, no Rio de Janeiro, (A) Marie Taglioni.
em 1859.
(B) Doris Humphrey.
(D) o Conservatório Dramático e Musical, em São Paulo, em
(C) Isadora Duncan.
1906.
(D) Marie Rambert.
(E) O Conservatório Dramático e Musical, no Rio de Janeiro,
em 1850. (E) Margot Fonteyn.

41. Edgar Willems, ex-aluno de Émile-Jacques Dalcroze, estudou 46. As pesquisas de Rudolf Laban geraram um programa de
os modos de escuta. Um desses modos nos permite “tomar trabalho cujo objetivo era fazer do ensino de dança um(a)
consciência do universo sonoro, o qual pode ser empregado (A) meio de desenvolvimento das capacidades humanas de
como elemento artístico, seja como interpretação, seja como expressão e criação.
criação (...). Constitui-se, também, em uma síntese abstrata
das experiências auditivas sensoriais e afetivas, pois se cons- (B) processo de adestramento do corpo feminino para o balé
trói sobre seus dados”. É a denominada clássico.

(A) análise auditiva. (C) oportunidade de confraternização e preparação dos alunos


para a dança de caráter popular.
(B) análise sonora.
(D) maneira de introduzir, nas novas gerações, os rudimentos
(C) inteligência sensorial. das danças europeias.
(D) sensibilidade sonora. (E) adestramento corporal que serviria para a formação de
bailarinos em qualquer área.
(E) inteligência auditiva.
9 PEAT1201/002-ProfessorArtes

w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

47. Maria Duschenes foi a responsável, no Brasil, pela formação


de dançarinos e pela disseminação de procedimentos educa-
cionais a partir da década de 1940, fundamentada nas teorias
e pesquisas realizadas por

(A) Rudolf Laban.

(B) Pina Bausch.

(C) Yvonne Rainer.

(D) Trisha Brown.

(E) John Cranko.

48. Na sistematização da dança educativa, todos os movimentos


são constituídos, em maior ou menor grau de manifestação,
por quatro elementos e/ou fatores: espaço, peso, tempo e

(A) pulsação.

(B) capacidade de síntese.

(C) fluência.

(D) força.

(E) ritmo.

49. Do ponto de vista da proposta triangular para o ensino de


dança, a ida a um espetáculo de dança é elemento importante

(A) do fazer artístico.

(B) de fruição artística.

(C) de historicização do conhecimento.

(D) de expressão.

(E) de montagem e apropriação.

50. A capoeira tem elementos de artes marciais, dança e música.


Como várias manifestações brasileiras, sofreu influências
diversas, porém predomina o elemento cultural

(A) português.

(B) indígena.

(C) africano.

(D) asiático.

(E) eslavo.

PEAT1201/002-ProfessorArtes 10
w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

11 PEAT1201/002-ProfessorArtes

w ww.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MjgwNDowNDMxOmQ3ODM6ZGZlZDo4Yzk4OjI4YTU6YTNjZDo1ODk0:V2VkLCAyNyBKdW4gMjAxOCAxNToxNDoxMCAtMDMwMA==

w ww.pciconcursos.com.br