Você está na página 1de 4

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA - UNEC

CURSO DE BACHAREL EM FARMÁCIA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA


BROMATOLOGIA

Grupo: Gabriela Teixeira Francisco,


Juliana Elias Rodrigues, Nayara Guedes
Campos, Thaís Cristina Rosado
Carvalho e Thamyres Francielle Zeferino
Mariano

Caratinga-MG
2016
Análise qualitativa de proteína – Método biureto

1- INTRODUÇÃO
As origens do método do biureto podem ser traçadas desde a proposta
inicial de Autenrieth, em 1915; posteriormente diversos autores propuseram
modificações do mesmo, sendo, atualmente, a proposta metodológica de
Gornall e cols. a mais utilizada. O método se baseia na reação do reativo do
biureto, que é constituído de uma mistura de cobre e hidróxido de sódio com
um complexante que estabiliza o cobre em solução, sendo o tartarato de sódio
o recomendado por Gornall e cols. O cobre, em meio alcalino, reage com
proteínas formando um complexo quadrado planar com a ligação peptídica. O
produto de reação apresenta duas bandas de absorção, uma em 270 nm e
outra em 540 nm. Apesar da banda na região de 270 nm aumentar em seis
vezes a sensibilidade do método do biureto14, a banda na região de 540 nm é
a mais utilizada para fins analí- ticos, porque diversas substâncias,
normalmente presentes na maioria dos meios analisados, absorvem na região
de 270 nm causando muita interferência no método.

2- OBJETIVO

Detectar a presença de ligações peptídicas (proteínas e peptídeos).

3- MATERIAIS
 Hidróxido de sódio;
 Sulfato de cobre;
 Tubos de ensaio;
 Água destilada;
 Leite;
 Ovo;
 Caldo de carne;
 Refrigerante;
 Banana;
 Conta gotas;
 Gral e pistilo;
 Becker.

4- METODOLOGIA
Primeiramente, fizemos a identificação dos tubos de ensaio, numerando-os
de 0 a 5. O caldo de carne e o extrato de banana, já haviam sido preparados
anteriormente. Acrescentamos as substâncias em cada tubo como mostra a
Tabela 1, a seguir:
Tubo 0 1ml de água destilada 1ml de NaOH 4 gotas de CuSO4
Tubo 1 1ml de leite 1ml de NaOH 4 gotas de CuSO4
Tubo 2 1ml de clara de ovo 1ml de NaOH 4 gotas de CuSO4
Tubo 3 1ml de caldo de carne 1ml de NaOH 4 gotas de CuSO4
Tubo 4 1ml de refrigerante 1ml de NaOH 4 gotas de CuSO4
Tubo 5 1ml de extrato de banana 1ml de NaOH 4 gotas de CuSO4
Tabela 1: Distribuição das substâncias nos tubos de ensaio.

Feito isso, agitamos todos os tubos para homogeneizar, e observamos os


resultados.
5- RESULTADOS
O reagente do biureto, reage com as proteínas da amostra, formando
um complexo corado de cor violeta, que é proporcional à concentração
proteica da amostra. O reagente de biureto, isoladamente, não reage com
as proteínas. Só após sua alcalinização dá-se o desenvolvimento de
reação corada. Os resultados observados, estão apresentados na Tabela
2.
Cor apresentada Resultado
Tubo 0 Azul Ausência de proteína
Tubo 1 Lilás claro Pouca proteína
Tubo 2 Roxo Muita proteína
Tubo 3 Roxo Muita proteína
Tubo 4 Marrom Ausência de proteína
Tubo 5 Azul escuro Pouca proteína
A figura 1, a seguir, também mostra os resultados obtidos:

Tabela 2: Cores apresentadas nos tubos de ensaio e seus resultados


Figura 1: Resultados nos tubos de ensaio

6 - CONCLUSÕES
Conclui-se que foi possível determinar a presença e ausência de
ligações peptídicas nas amostras em questão, mas não foi feita a análise
colorimétrica para detectar as quantidades. Conclui-se também que é um
método simples e de fácil execução, além de ter baixo custo. O objetivo da
prática foi alcançado com sucesso.

7 - REFERENCIAS BIBLIOGRAFICA
Roteiro de aula prática
Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/qn/v21n6/2914.pdf> acesso em
25/09/2016.
Disponível em
<http://www.doles.com.br/produtos/instrucoes/PROTEINAS_TOTAIS.pdf>
acesso em 25/09/2016.