Você está na página 1de 11

Revista Téchne - Edição 205 - Abril/2014

Tecnologia
Conheça as propriedades dos principais
tipos de plásticos usados nos produtos e
sistemas construtivos
Com aplicações consagradas em instalações hidrossanitárias, as
matérias-primas termoplásticas ganham espaço na construção, inclusive
em aplicações externas
Juliana Nakamura

Edição: Abril/2014

Aprovado pela Caixa Econômica Federal, o sistema construtivo com paredes de PVC vem sendo utilizado na construção de moradias térreas
e em prédios de até quatro pavimentos. Nesses casos, as paredes com o termoplástico são normalmente preenchidas com concreto e
reforçadas com aço, dependendo do tipo de projeto. Em alguns municípios, como São José e Camboriú, ambos em Santa Catarina, a solução
está sendo empregada na construção de creches e postos de saúde
Características como baixo peso, custo competitivo, elevada resistência mecânica e à
corrosão ajudaram os materiais termoplásticos a conquistar espaço na construção de
edificações, em substituição a materiais como madeira e aço. Exemplos clássicos são os
tubos de PVC, que substituíram em grande parte os tubos de ferro fundido para condução
de água fria, e os reservatórios de polietileno, que agora dividem espaço com os
equivalentes de fibra de vidro.

São considerados termoplásticos os polímeros que se tornam mais maleáveis quando


expostos a elevadas temperaturas. Por trás de uma ampla variedade de siglas - PP, PVC,
PEAD etc. - escondem-se materiais com características muito distintas. Só o polietileno,
por exemplo, abriga uma gama de variações que vão do maleável material de baixa
densidade, aproveitado na fabricação de filmes plásticos, ao polietileno de ultra-alto peso
molecular (UHWPE, na sigla em inglês), usado pela indústria pesada.

"Na construção civil, os materiais plásticos, como o PVC, CPVC, PPR e o PEX, vêm se
consolidando para instalações hidrossanitárias como alternativa aos tubos e conexões
metálicos. Entre as vantagens agregadas estão o menor custo, a maior durabilidade, a
facilidade de instalação em campo e a possibilidade de execução de kits hidráulicos, o que
induz à menor necessidade de mão de obra", comenta o engenheiro Carlos Tadeu
Colonese, gerente de engenharia da Porte Construtora.

Em especial no caso do policloreto de vinila (PVC) - termoplástico mais aproveitado pela


construção civil -, o avanço tem extrapolado os limites das paredes. Nesse sentido, quatro
aplicações se destacam, de acordo com o engenheiro de materiais Antônio Rodolfo Júnior,
diretor do Instituto do PVC: as telhas, os pisos vinílicos, as esquadrias e o sistema
construtivo concreto-PVC.
Classificação dos materiais plásticos

Termoplásticos
Amolecem quando aquecidos, sendo moldados e posteriormente resfriados. Não perdem suas propriedades
neste processo, podendo ser novamente aquecidos e moldados. Os mais conhecidos são o polietileno, o
náilon e o policloreto de polivinila (PVC).

Termofixos
Resultam da reação química irreversível entre as moléculas, tornando o material duro e quebradiço. Não
pode ser moldado duas vezes. A resina epóxi e as melaminas são alguns exemplos.

Elastômeros
Apresentam grande elasticidade e, por isso, recebem o nome de borracha sintética. Alguns exemplos são o
neoprene (policloropreno), o butil (isobutileno-isopreno), o teflon e os silicones (polisiloxano).

Com a ajuda do Sistema Nacional de Avaliações


Técnicas (Sinat), que harmoniza os procedimentos para
a avaliação de novos produtos para a construção, os
sistemas construtivos compostos por paredes de PVC
preenchidas com concreto ganham impulso. "Atualmente
temos três empresas que oferecem essa tecnologia.
Uma já tem a aprovação do Sinat e as outras duas estão
concluindo o processo de aprovação", conta Rodolfo.
Ainda de acordo com o engenheiro, as esquadrias de
PVC também vêm ganhando participação no mercado O polietileno "verde" produzido a partir do etanol

habitacional por conta da Norma de Desempenho (NBR de cana-de-açúcar já é utilizado na fabricação de

15.575:2013 - Edificações Habitacionais - Desempenho), grelhas e de cabos elétricos. A matéria-prima tem


como principais características ser de fonte
que impõe requisitos mais severos quanto ao conforto
renovável e absorver CO2 da atmosfera durante o
acústico das edificações.
seu processo produtivo

Dominando as fragilidades

"Os materiais termoplásticos, quando adequadamente formulados e processados, podem


ser usados da mesma maneira que os materiais que substituem, com a vantagem,
principalmente, do baixo peso, que facilita o transporte e a instalação", analisa Evelyne
Vaidergorin, consultora técnica da Tesis. Segundo ela, a evolução dos materiais
termoplásticos usados na construção civil tem se caracterizado por um aumento da
qualidade, com a maioria dos produtos disponíveis no mercado já cobertos por normas
brasileiras da Associação Brasileira de Normas Técnicas
(ABNT).

De modo geral, os materiais de matriz plástica


apresentam como vantagens, além do baixo peso
específico, o fato de serem isolantes elétricos, a
possibilidade de coloração como parte integrante do
material, o custo relativamente baixo, a facilidade de
adaptação à produção em série e o fato de serem
imunes à corrosão. Por outro lado, tendem a apresentar
pouca resistência aos esforços de tração, ao impacto, ao
calor e às intempéries.

A obtenção de vantagens associadas aos materiais de


matriz plástica dependem fundamentalmente de
especificação adequada. "Ainda há muito preconceito e
falta de informação entre os projetistas e construtores",
Além dos tubos e conexões, o uso do PVC tem
lamenta Rodolfo, reforçando que o problema maior é
ganhado espaço em materiais de acabamento,
tratar todos os materiais poliméricos como um plástico
como as carenagens plásticas para tubulações
genérico. Há especificidades e estas devem ser
aparentes
conhecidas por quem irá utilizar o material. "Quesitos
técnicos como temperatura e pressão máxima suportadas pelo material, assim como a
baixa resistência aos raios ultravioleta (UV) são fatores que podem impedir o uso de
termoplásticos em algumas situações", pontua Colonese.

Avaliações técnicas

O Sistema Nacional de Avaliações Técnicas (Sinat) do Ministério das Cidades tem diretrizes que norteiam
os ensaios de sistemas construtivos inovadores, em especial relacionados a quesitos como desempenho
estrutural, segurança contra incêndio, estanqueidade à água, desempenho térmico e acústico, entre outros.
Três documentos abordam tecnologias baseadas em materiais plásticos. Use seu celular para ler os códigos
a seguir e fazer o download dos documentos em PDF diretamente do site do Sinat, ou acesse os links
encurtados logo abaixo.
Na busca por termoplásticos com desempenho adequado mesmo quando expostos às
intempéries, a solução pode passar pela escolha de materiais de densidade mais elevada
e pela adição, na composição do polímero, de proteção contra os raios UV.

Já em relação ao comportamento em caso de incêndios, o grau de inflamabilidade varia de


acordo com a composição final de cada polímero. Os plásticos, em grande parte, são
materiais estáveis e inertes. O problema está na queima, que pode emitir gases tóxicos.
Mas o desempenho em caso de incêndios pode ser melhorado com o uso de polímeros
com retardantes de chama, que além de reduzir a capacidade de propagação do fogo,
podem elevar a tendência de autoextinção.

Entre as vantagens agregadas às


tubulações fabricadas com materiais
Com maior teor de cloro em sua composição, o CPVC é usado em materiais que exigem
plásticos está a possibilidade de
maior resistência a altas temperaturas. É o caso de tubulações de água quente e de redes
montagem de kits hidráulicos, que
de sprinklers
reduzem a necessidade de mão de
obra
Aspecto ambiental

A maioria dos plásticos pode ser reciclada, mas há casos em que o reaproveitamento não
é admitido porque o material resultante não apresenta o desempenho mecânico mínimo
exigido. A indústria de polímeros, de certa forma, vem se preocupando em avaliar o
impacto ambiental de sua produção e em desenvolver produtos a partir de fontes
renováveis.

Produtos à base de plástico, como o siding vinílico, também


Uma das características do polietileno usado em reservatórios é sua
podem ser usados como acabamento externo, desde que a matéria-
resistência a agentes químicos, sua tenacidade e a moderada resistência à
prima contenha adições que a tornem resistente a raios
tração
ultravioleta, por exemplo
Em especial sobre os
termoplásticos, as certificações
de sustentabilidade, como o
Leadership in Energy and
Environmental Design (Leed) e o
Alta Qualidade Ambiental (Aqua),
enfocam a sua abordagem nas
instalações hidrossanitárias,
sobretudo nas características de
condutividade térmica dos
materiais usados para a
condução de água quente. "A
ideia, nesses casos, é valorizar
os produtos que apresentem
O custo geralmente mais elevado do policarbonato faz com que o produto tenha
baixa condutividade, uma vez
aplicações em projetos que exigem estética mais apurada e aproveitamento da luz
que eles demandam menos
natural, normalmente em substituição ao vidro
isolamento e perdem menos
calor, exigindo menos aquecimento de água", explica Adriana Hansen, consultora de
Projetos Sustentáveis do Centro de Tecnologia de Edificações (CTE). Ela conta que,
nesse quesito, o PPR apresenta leve vantagem, em relação a outros termoplásticos,
justamente por apresentar menor condutividade.
PPR : polipropileno do tipo COPOLÍMERO RONDOM

Outros materiais de origem plástica podem impactar a avaliação de um edifício que almeja
um selo verde, mas de forma indireta. É o caso do poliestireno expandido (EPS), utilizado
para elevar as características de isolamento da envoltória, e das películas de baixa
emissividade (low-e), adicionadas às peles de vidro. "Esses materiais, que têm origem
plástica, acabam contribuindo para a redução de carga térmica do edifício, impactando
positivamente sua avaliação global", finaliza Adriana.
Termoplásticos mais utilizados em produtos e sistemas construtivos para edificações
PVC

O policloreto de vinila (PVC) é o termoplástico mais


utilizado na construção civil. Produzido pela combinação de
cloro e etileno, tratase de um material que pode ser rígido
ou flexível e é compatível com uma ampla variedade de
aditivos.
Propriedades: Leve, isolante, tem baixa inflamabilidade,
autoextinção à chama, resistência à corrosão. Longo ciclo
de vida de suas aplicações (entre 15 e 100 anos).
Limitação: Não pode ser usado em condições de exposição
a temperaturas maiores que 60ºC, sob o risco de ocorrer a
degradação do material. Tal característica inviabiliza seu
uso em tubulações de água quente, por exemplo.
Aplicações: Em instalações de água e esgoto e em
isolamento de fios e cabos. Forros, siding vinílico e esquadrias são outras aplicações
desse material, que também pode compor sistemas construtivos em combinação com o
concreto.

CPVC

O Policloreto de Vinila Clorado (CPVC) é um PVC que recebeu


maior teor de cloro. O principal efeito dessa adição é o aumento
das forças de atração intermoleculares, promovendo uma
melhora das propriedades térmicas. O maior teor de cloro
aumenta a densidade e o retardamento à chama do material.
Propriedades: leve, resistente a ácidos, álcalis, alcoóis e a
outros materiais corrosivos. Apresenta longa vida útil, baixo
coeficiente de dilatação e baixa condutividade térmica.
Limitação: Embora possam ser usados em instalações de água quente, esses materiais suportam um
limite de temperatura de 80ºC, o que exige a instalação de termoválvula com termoelemento nas
redes.
Aplicações: Condução de água quente, instalações industriais a vácuo, sistemas de combate a
incêndio (sprinklers).
Policarbonato

Polímero termoplástico facilmente moldável, o policarbonato


tem como principais características sua translucidez. Trata-se
de um termoplástico relativamente novo. O primeiro
policarbonato de relevância industrial foi desenvolvido em
1953. Pode ser encontrado sob diversas espessuras e formas.
As chapas planas alveolares e compactas e as telhas de
policarbonato são as mais utilizadas.
Propriedades: Resistente à abrasão e pouco inflamável. Leve,
1 m² do material de espessura 6 mm pesa 7,2 kg. Um vidro nas
mesmas condições pesa 15 kg.

Limitação: Em função do custo mais elevado (em comparação com outros termoplásticos), é usado
apenas em situações de maior exigência estética e aproveitamento da luz natural, normalmente em
substituição ao vidro. Quando não conta com aditivos de proteção contra raios UV em sua
composição, podem sofrer amarelecimento com o passar do tempo.
Aplicações: Coberturas e fechamentos de piscinas, claraboias, jardins de inverno, pátios internos ou
passarelas de interligação entre edifícios.

Polietileno

O polietileno é pertencente ao grupo dos polímeros


poliolefínicos. Nesse grupo enquadram-se materiais com
propriedades variáveis em função da temperatura e das
condições de pressão em que a reação ocorre. Há diferentes
tipos de polietileno, entre eles, os de alta densidade, PEAD.
Propriedades: O polietileno tem baixo custo e é de fácil
trabalhabilidade. De forma geral, apresenta boa resistência
química, tenacidade e moderada resistência à tração. Os
polietilenos são resistentes à maioria dos produtos químicos.

Limitação: Este tipo de material não é resistente à oxidação de ácidos, cetonas e hidrocarbonetos
clorados. Também não deve ser exposto diretamente à luz solar.
Aplicações: Proteção de pisos e isolação de ruídos (mantas), preenchimento de juntas de dilatação
(tarugos), isolante térmico e impermeável para telhados (subcobertura aluminizada), redes e ramais
de distribuição de água, de gás, adutoras e emissários (tubos PEAD).
Polietileno reticulado

Conhecido pela sigla PEX, é um polietileno de alta densidade


submetido a um processo de reticulação, que consiste na
eliminação do hidrogênio do sistema fazendo com que as novas
ligações espaciais sejam formadas apenas por carbono.
Propriedades: flexibilidade, alta resistência, interior liso,
baixa condutividade térmica, memória térmica.

Limitação: Preço mais elevado, em comparação com outros materiais plásticos. Pouca
disponibilidade em algumas praças. Quando instalado em kits hidráulicos junto a paredes de
alvenaria, exige algumas adaptações no projeto.
Aplicações: Os tubos de polietileno reticulado (PEX) têm sido usados em instalações hidráulicas
(água quente e fria e gás) em obras que buscam racionalização de recursos e acessibilidade à rede,
bem como em sistemas de aquecimento. Disponíveis nas versões monocamada (convencionais) e
multicamada (com alma de alumínio).

Poliestireno expandido

Facilmente moldável sob a ação do calor, é um material


bastante utilizado em construção civil devido à sua leveza,
capacidade de isolamento térmico e baixo custo.
Propriedades: De modo geral, os poliestirenos têm boa
estabilidade dimensional, baixa retração na moldagem e são fáceis de processar a baixo custo. Fáceis
de cortar, são duráveis, apresentam baixa condutividade térmica e baixo peso.

Limitação: Baixa resistência à radiação solar. Não é biodegradável e, embora possa ser reciclado, na
prática o reaproveitamento do EPS ainda é raro no Brasil. Quando empregado em construções, deve
ser revestido por camadas de materiais não combustíveis. Sempre que não for revestido por materiais
incombustíveis e resistentes ao fogo, deverá ser do tipo F, ou seja, não inflamável.
Aplicações: Estabilização de aterros, fôrmas para lajes nervuradas, enchimento de piso, isolamento
térmico em telhados, dutos de ar-condicionado e câmaras frigoríficas, como recheio em painéis, na
composição do chamado concreto leve.
Polipropileno

Desde a sua introdução em 1954, o polipropileno (PP) se


tornou uma das mais importantes resinas termoplásticas. É o
terceiro termoplástico mais vendido no mundo (abaixo do
polietileno baixa densidade e do PVC). Pode ser dividido em
três tipos principais: homopolímero, copolímero alternado e o
copolímero random (esse último também conhecido como
PPR).
Propriedades: Alta rigidez, baixo peso específico (especialmente quando orientado), baixa
condutividade térmica. Facilmente moldado por injeção. Tubos de PPR são atóxicos e livres de
incrustações e podem ser conectados por termofusão, sem rosca, soldas, anéis de borracha ou cola.

Limitação: Pouca resistência ao impacto em baixas temperaturas, faixa reduzida da temperatura de


fusão.
Aplicações: O polipropileno é usado na produção de fôrmas plásticas, telhas e distanciadores. As
fibras de polipropileno podem ser adicionadas ao concreto e à argamassa para combater a fissuração
por retração. Tubos de PPR podem ser usados na condução de água quente e fria.