Você está na página 1de 52

TRANSPORTES FERROVIÁRIOS

Carla Ferreira de Oliveira da Silva


Cristiane Aparecida Homan Razzini
Jociel Takeda
Nelson Chuitti Tanaka
Roberson Zanella Potrik
Sônia Mauro
TRANSPORTES?
• Os transportes são usados para deslocar pessoas
e cargas de um ponto a outro.

• Podem ser dividido em 3 vertentes:

➢ Terrestres,
➢ Aquáticos,
➢ Aéreos.
Transporte Terrestre
• Tipo de transporte onde ocorre o deslocamento
de pessoas ou cargas por terra através dos
meios:

➢ Rodoviário,

➢ Metroviário,

➢ Ferroviário.
Ferrovias
“Caminho de ferro”
• É um caminho formado por trilhos paralelos de
aço, assentados sobre dormentes de madeira,
concreto ou outros materiais.
Evolução do Transporte
Ferroviário
➢Caçambas de Madeira
Século XVII – Vagões de madeira, circulando em
trilhos de madeira, são utilizados em minas de
carvão do norte da Inglaterra.
➢Locomotiva (1812)
Foi criada em 1812, a primeira locomotiva a vapor
pela empresa Middleton Railway. A partir dela, foi
iniciada a construção de rodovias e novas
locomotivas pelo mundo.
➢Metrô (1863)
O primeiro metrô do mundo foi inaugurado em 10
de Janeiro de 1863. A primeira linha foi chamada
de Metropolitan Line, e ele circulava debaixo da
terra. Trecho de 6,5 Km e ele fazia muito barulho,
causando muita poluição.
➢ Trem-bala (1964)
Em 1964, foi criado pelo governo do Japão, o
primeiro trem-bala, chamado de Shinkansen,
ultrapassava a velocidade de 200 km/hora.
Levava quatro horas para levar passageiros de
Tóquio até Osaka (Cerca de 500 Km).
História no Brasil
• 1852: Barão de Mauá recebeu a concessão para
criar uma linha férrea no Rio de Janeiro.

• 1854: Primeira estrada de ferro do país foi


inaugurada.

• Ligava a Baía de Guanabara a Serra da Estrela.

• Foi na Estrada de Ferro Mauá que rodou a primeira


locomotiva a vapor do Brasil.
• 1950: Chegou a ter cerca de 37.000 km.

• A Rede Ferroviária Federal, criada em 1957,


operou por mais de 40 anos, até ser liquidada em
1999.

• Com a realização de concessões, a malha da


extinta RFFSA passou a ser operada por empresas
privadas e o patrimônio da estatal foi transferido
para o DNIT.
Situação do Modal no Brasil
• De acordo com o DNIT a nossa malha ferroviária
apresenta uma densidade de 3,35 km/km² de
território, enquanto que os Estados Unidos
possuem 22,87 km/km² e a Alemanha chega a
117,59 km/km².
• Todos estes dados demonstram a necessidade
que o Brasil tem em desenvolver o seu sistema
ferroviário.
• Necessário a criação de um Instituto de
Pesquisas dedicado ao setor.
• No mundo, diversos países que contam com
transporte ferroviário desenvolvido, possuem
institutos de pesquisa
• Alemanha – Institute of Railway and Transportation Engineering;
• Austrália – Australian Railway Research Institute;
• China – China Railway Engineering Machinery Research & Design
Institute;
• Coreia do Sul – Korea Railroad Research Institute;
• Estados Unidos – Transportation Technology Center, Inc.;
• Inglaterra – British Rail Research Division;
• Japão – Railway Technical Research Institute;
• Russia – Russian Railway Research Institute.
Denominação das Concessionárias
Modal Ferroviário
Dados Confederação Nacional do Transporte –
CNT Jan/2018
• Malha Ferroviária brasileira = 29.774 km de extensão.

Malha por concessionária em Km:


• ALL do Brasil S.A. (América Latina Logística ): 7.223 km

• FCA (Ferrovia Centro-Atlântica S.A.): 7.222 km

• MRS Logística S.A.: 1.609 km.

• VALEC é operacionalizada pela Vale = 1.411 km


Modal Ferroviário na Matriz de Transportes
0%
4%

14%

Rodoviário
Ferroviário
Aquaviário
21% Dutoviário
61%
Aéreo

Boletim Estatístico CNT - Janeiro 2018


(Confederação Nacional do Transporte)
Concessões – Estado Paraná
Convenção:
Principais Produtos transportados
• Segundo dados da Agência Nacional de Transportes
Terrestres – ANTT, em 2017 as ferrovias brasileiras
transportaram 538,8 milhões de toneladas de
produtos, um recorde nos últimos 12 anos.
• São cargas típicas do modal ferroviário:

➢ Produtos Siderúrgicos;
➢ Grãos;
➢ Minério de Ferro;
➢ Cimento e Cal;
➢ Adubos e Fertilizantes;
➢ Derivados de Petróleo;
➢ Calcário;
➢ Carvão Mineral e Clinquer;
➢ Contêineres.
O minério de ferro é o produto mais
transportado, totalizando um total de 416,4
milhões de toneladas. Onde ele é responsável
por 77% das cargas movimentadas por ferrovias
brasileiras.
Produção de transporte ferroviário de
cargas em Toneladas Úteis (tu) ANTT
Transporte de produtos
por concessionária
(Jan/2014 – Ago/2016 - ANTT)
Carga Transportada
em Tonelada Útil
(Jan/2006 – Jan/2017 – ANTT)
Vantagens
e
Desvantagens
• Vantagens

➢ Menor custo de transporte para grande distâncias.


➢ Sem problemas de congestionamento.
➢ Terminais de carga próximo das fontes de produção.
➢ Adequado para produto de baixo valor acrescentado
e alta densidade.
➢ Adequado para grandes volumes.
➢ Possibilita o transporte de vários tipos de produtos.
➢ Independente das condições atmosféricas.
➢ Eficaz em termos energéticos.
• Desvantagens

➢Não possui flexibilidade de percurso.


➢Necessidade maior de transbordo.
➢Elevada dependência de outros transportes.
➢Pouco competitivo para pequenas distâncias.
➢Horários poucos flexíveis.
➢Elevados custos de manuseamento.
Principais desafios para o
crescimento
Estimativas da Confederação Nacional do
Transporte (CNT), de 2009, indicam que o Brasil
necessita, no mínimo, de 52 mil km de ferrovias
para a adequação da matriz de transportes, ou seja,
aproximadamente 24 mil km adicionais. Falta maior
conectividade entre as regiões Sul e Sudeste e o
Norte e Nordeste do País, para permitir o melhor
aproveitamento do modal ferroviário e, também,
otimizar o escoamento da produção pelos portos
nas diversas regiões.
O grande desafio será, em prazos relativamente
curtos, desenvolver projetos básicos e executivos
adequados para as novas linhas, o que nem sempre
tem sido feito nas implantações de novas
infraestruturas no Brasil, e implantá-las com a
qualidade necessária, em prazos compatíveis com a
enorme e inadiável necessidade do país. Isso
certamente aumentará a competitividade do Brasil,
permitindo uma redução substancial dos custos
logísticos e, seguramente, ampliará nossa
capacidade exportadora a patamares compatíveis
com o porte de nossa economia.
DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

• INVESTIMENTOS

• MARCO REGULATÓRIO

• TRÁFEGO MÚTUO
• INVESTIMENTOS
Mapeamento Ipea (Instituto de Pesquisa
Aplicada) de Obras Ferroviárias, o setor precisa,
de R$ 112,6 bilhões para investimentos em 141
obras de construção, recuperação e ampliação da
malha ferroviária para melhorar a eficiência
operacional e a competitividade. Investimentos
previsto pelo governo federal não passa de 25%
das demandas.
• MARCO REGULATÓRIO
Três problemas:
➢ Os contratos não deixam claro quais
investimentos cabem às concessionárias e quais
cabem ao poder público;
➢ As metas de produção e segurança previstas nos
contratos não garantem o aumento dos
investimentos privados;
➢ Como os investimentos realizados pelas
concessionárias são reversíveis ao poder
concedente, o seu limite de investimento é a
capacidade da via férrea.
• TRÁFEGO MÚTUO

A utilização da mesma rodovia por trens de


empresas diferentes, e o direito de passagem,
quando a um trem de uma empresa é
assegurado o acesso para passar em
determinado trecho de ferrovia, podendo ser
solucionados a partir de contratos que ofereçam
mais facilidade de acordo comercial entre as
empresas.
FROTA TOTAL DE VAGÕES EM
OPERAÇÃO - ANTT
Tempo de reposição dos componentes
CNT – Confederação Nacional do Transporte (2012)
Transporte Metroviário
O QUE É TRANSPORTE METROVIÁRIO?
• É chamado metrô, metropolitano ou ainda metro;

• Sistema de transporte subterrâneo de


passageiros em área urbana com alta capacidade e
frequência.

• Tal sistema é normalmente localizado em túneis


e/ou viadutos e segmentado em linhas designadas
entre estações.
• Utilizam como mecanismo propulsor múltiplas
unidades elétricas sobre os trilhos ou ainda usam
pneus de borracha alinhados, levitação magnética,
ou monotrilho.

• O metrô está geralmente integrado a outros


sistemas de transporte público e é muito utilizado,
graças à sua rapidez, eficácia e capacidade em
transportar milhões de pessoas todos os dias.
• As desvantagens associadas a este meio de
transporte são a lotação, pouco conforto, preço
alto, e ocasionalmente problemas derivados da
falta de manutenção.
Mapa da rede Metrô de São Paulo
Previsão de 100 km em 2018
Companhia Paulista de Trens Metropolitanos - CPTM
Mapa da rede Metrô de Tóquio
Cerca de 330 km de extensão
VLT
Veículos
Leve sobre
Trilhos
Veículo Leve sobre Pneus (VLP)
• Estes veículos circulam com pneus;
• Semelhante aos ônibus atuais;
• São guiados por um trilho central;
• Corredores para garantir o funcionamento sem
interferências;
• Sistema de comando semelhante ao do metrô;
• Podem ser montados com até seis carros;
• São movidos a eletricidade, portanto, não
poluem.
VLP
Veículo
Leve sobre
Pneus
Levitação
Magnética
Monotrilho
Fim da linha!