Você está na página 1de 42

Universidade Estácio de Sá

Prática Simulada II

Exemplar do Aluno

2010
PRÁTICA SIMULADA II
(Currículo 406 - 6° Período)

Expediente
Curso de Direito — Coletânea de Exercícios

Coordenação do Curso de Direito no Estado do Rio de Janeiro


Profa. Marcia Sleiman

Organização da Coletânea
Profa. Camille Missick Guimarães

Professores Colaboradores

Andréa Cleto Mello


Carla Sendon Veloso
Francy Lacerda
Christiane Lofrano
Thiago Serrano Pinheiro de Souza
APRESENTAÇÃO

Caro Aluno

A Metodologia do Caso Concreto aplicada em nosso Curso de Direito é


centrada na articulação entre teoria e prática, com vistas a desenvolver o raciocínio
jurídico. Ela abarca o estudo interdisciplinar dos vários ramos do Direito, permitindo
o exercício constante da pesquisa, a análise de conceitos, bem como a discussão de
suas aplicações.
O objetivo é preparar os alunos para a busca de resoluções criativas a partir
do conhecimento acumulado, com a sustentação por meio de argumentos coerentes
e consistentes. Desta forma, acreditamos ser possível tornar as aulas mais
interativas e, consequentemente, melhorar a qualidade do ensino oferecido.
Na formação dos futuros profissionais, entendemos que não é papel do
Curso de Direito da Universidade Estácio de Sá tão somente oferecer conteúdos de
bom nível. A excelência do curso será atingida no momento em que possamos
formar profissionais autônomos, críticos e reflexivos.
Para alcançarmos esse propósito, apresentamos a Coletânea de Exercícios,
instrumento fundamental da Metodologia do Caso Concreto. Ela contempla a
solução de uma série de casos práticos a serem desenvolvidos pelo aluno, com
auxílio do professor.
Como regra primeira, é necessário que o aluno adquira o costume de
estudar previamente o conteúdo que será ministrado pelo professor em sala de
aula. Desta forma, terá subsídios para enfrentar e solucionar cada caso proposto. O
mais importante não é encontrar a solução correta, mas pesquisar de maneira
disciplinada, de forma a adquirir conhecimento sobre o tema.
A tentativa de solucionar os casos em momento anterior à aula expositiva,
aumenta consideravelmente a capacidade de compreensão do discente.
Este, a partir de um pré-entendimento acerca do tema abordado, terá melhores
condições de, não só consolidar seus conhecimentos, mas também dialogar de
forma coerente e madura com o professor, criando um ambiente acadêmico mais
rico e exitoso.
Além desse, há outros motivos para a adoção desta Coletânea. Um segundo
a ser ressaltado, é o de que o método estimula o desenvolvimento da capacidade
investigativa do aluno, incentivando-o à pesquisa e, consequentemente,
proporcionando-lhe maior grau de independência intelectual.
Há, ainda, um terceiro motivo a ser mencionado. As constantes mudanças
no mundo do conhecimento – e, por conseqüência, no universo jurídico – exigem
do profissional do Direito, no exercício de suas atividades, enfrentar situações nas
quais os seus conhecimentos teóricos acumulados não serão, per si, suficientes
para a resolução das questões práticas a ele confiadas.
Neste sentido, e tendo como referência o seu futuro profissional, consideramos
imprescindível que, desde cedo, desenvolva hábitos que aumentem sua
potencialidade intelectual e emocional para se relacionar com essa realidade.
E isto é proporcionado pela Metodologia do Estudo de Casos.
No que se refere à concepção formal do presente material, esclarecemos que
o conteúdo programático da disciplina a ser ministrada durante o período foi
subdividido em 15 partes, sendo que a cada uma delas chamaremos “Semana”. Na
primeira semana de aula, por exemplo, o professor ministrará o conteúdo
condizente a Semana nº1. Na segunda, a Semana nº2, e, assim, sucessivamente.
O período letivo semestral do nosso curso possui 22 semanas. O fato de
termos dividido o programa da disciplina em 16 partes não foi por acaso. Levou-se
em consideração não somente as aulas que são destinadas à aplicação das
avaliações ou os eventuais feriados, mas, principalmente, as necessidades
pedagógicas de cada professor.
Isto porque, o nosso projeto pedagógico reconhece a importância de
destinar um tempo extra a ser utilizado pelo professor – e a seu critério – nas
situações na qual este perceba a necessidade de enfatizar de forma mais intensa
uma determinada parte do programa, seja por sua complexidade, seja por ter
observado na turma um nível insuficiente de compreensão.
Hoje, após a implantação da metodologia em todo o curso no Estado do Rio
de Janeiro, por intermédio das Coletâneas de Exercícios, é possível observar o
resultado positivo deste trabalho, que agora chega a outras localidades do Brasil.
Recente convênio firmado entre as Instituições que figuram nas páginas iniciais
deste caderno, permitiu a colaboração dos respectivos docentes na feitura deste
material disponibilizado aos alunos.
A certeza que nos acompanha é a de que não apenas tornamos as aulas mais
interativas e dialógicas, como se mostra mais nítida a interseção entre os campos
da teoria e da prática, no Direito.
Por todas essas razões, o desempenho e os resultados obtidos pelo aluno
nesta disciplina estão intimamente relacionados ao esforço despendido por ele na
realização das tarefas solicitadas, em conformidade com as orientações do
professor. A aquisição do hábito do estudo perene e perseverante, não apenas o
levará a obter alta performance no decorrer do seu curso, como também
potencializará suas habilidades e competências para um aprendizado mais denso e
profundo pelo resto de sua vida.
Lembre-se: na vida acadêmica, não há milagres, há estudo com
perseverança e determinação. Bom trabalho.

Centro de Ciências Jurídicas


PROCEDIMENTOS DA DISCIPLINA DE PRÁTICA SIMULADA

Compete ao aluno:

1. Ler, antecipadamente, o caso concreto que será objeto da aula seguinte,


revisando a base conceitual necessária para o estudo do caso apresentado.

2. Levar para a aula o material de consulta necessário para a solução do


caso (códigos, doutrinas e jurisprudência) e o esboço da estrutura da peça
processual cabível.

3. Após a discussão do caso pelo grupo, elaborar, individualmente, a peça


processual, utilizando o material de consulta e solicitando, se necessário, a
orientação do professor.

4. Observar os seguintes critérios na elaboração da peça:

¯Forma

• estrutura da petição
• presença de todos os elementos necessários
• coesão e coerência no discurso
• observância da modalidade culta da língua
• uso competente do repertório vocabular

¯Conteúdo

• direito material em questão


• rito
• competência
• legitimidade ativa e passiva
• narrativa lógica dos fatos
• expressão jurídica escrita
• fundamentação jurídica
• pedido
• requerimento de provas
• valor da causa

5. Ao receber a peça corrigida, o aluno deverá proceder às modificações


sugeridas pelo professor, aprofundando sua fundamentação com doutrina e
jurisprudência pertinentes.

Observação: A peça refeita deverá ser entregue ao professor na aula


seguinte, juntamente com a peça original, para avaliação.

6. Arquivar as duas peças numa pasta própria identificada com nome,


turma, turno, que deverá ser entregue ao professor no dia da prova, para
atribuição de grau.

Critérios de avaliação:

As provas de prática jurídica (AV1, AV2 e AV3) serão compostas de uma


peça processual. O grau obtido na prova será somado aos pontos, até 2 (dois),
atribuídos com base na avaliação progressiva do aluno através dos trabalhos
semanais que constarão da pasta entregue, obrigatoriamente, na data da AV1 e da
AV2.

Sobre as provas:

As provas serão compostas de um caso concreto para avaliação e elaboração


da peça processual cabível, valendo 8 (oito) pontos nas AV1, AV2 e AV3.
• A correção das peças processuais pelo professor será baseada na
subtração dos pontos relativos aos erros.
• A participação do aluno nas aulas durante a discussão dos casos, a
apresentação oral dos casos, a expressão jurídica escrita, a reapresentação de
todas as peças já corrigidas, com a inclusão de citações doutrinárias e
jurisprudenciais, bem como o zelo e a boa apresentação da pasta com os trabalhos,
valerão até 2 (dois) pontos nas avaliações.
• O prazo para a entrega dos trabalhos para pontuação na AV3 termina na
data das AV1 e AV2, sendo o valor determinado para a AV3, a soma e divisão por
dois da pontuação obtida nas avaliações em questão.
SUMÁRIO 2010.1

Procedimentos da Disciplina de Prática Simulada II

AULA 1
Contrato de Honorários Advocatícios. Elaboração de Procuração.

AULA 2
Procuração. Elaboração. Outorgante e Outorgado.
Substabelecimento. Conceito. Tipos de transferência de poderes. Elaboração.

AULA 3
Articulação Teoria e Prática. Os elementos da Petição Inicial de Trabalho; Estrutura
de Petição Inicial.

AULA 4
Petição Inicial.

AULA 5
Petição Inicial.

AULA 6
Petição Inicial.

AULA 7
Petição Inicial.

AULA 8
Petição Inicial.

AULA 9
Petição Inicial.

AULA 10
Articulação – Teoria e prática.
Contestação (princípios do contraditório, da ampla defesa, da concentração, da
eventualidade), a preclusão; o ônus da impugnação especificada dos fatos; defesas
processuais e defesas de mérito. Estrutura da contestação.

AULA 11
Contestação.

AULA 12
Contestação.

AULA 13
Contestação.

AULA 14
Articulação – Teoria e Prática. Teoria Geral dos Recursos Trabalhistas – conceito,
princípios gerais, efeitos, classificação, finalidades, espécies, juízo de
admissibilidade e juízo de mérito. Estrutura dos recursos; ordinário e de revista.
AULA 15
Recurso Ordinário.

AULA 16
Recurso de Revista no procedimento Ordinário.
AULA 1

GISELDA VALÉRIA DA CRUZ, brasileira, casada, administradora de


empresas, portadora da carteira de identidade 111.111, inscrita no CPF
111.111.111-11, PIS 12345268, CTPS 1236 – série 126/RJ, residente e domiciliada
na Rua Marajó, 23, apto. 201, Realengo, Rio de Janeiro, RJ, CEP: 22.111-111
prestou serviços de forma subordinada para a EMPRESA DE CONSTRUÇÃO MÃO NA
MASSA, com sede na Rua Belém do Pará, 10, Realengo, Rio de Janeiro, RJ, CEP:
22.111-111 CNPJ 111.222 na função de gerente administrativa.
No dia 05 de Junho de 2009 a empresa decidiu dispensar sem justa causa a
empregada, não arcando com as verbas resilitórias pertinentes. Ocorre, todavia,
que até a presente data não houve a adimplemento dos haveres trabalhistas.
Insatisfeita com esta situação, Giselda procura o escritório SILVEIRA & SILVEIRA
Advogados Associados para ajuizar uma Reclamação Trabalhista.

Elabore o contrato de honorários advocatícios a ser celebrado entre Giselda


Valéria da Cruza e a advogada trabalhista, AMANDA SILVEIRA, OAB/RJ 100.333,
com escritório na Rua São José, 40, sala 901, Centro, Rio de Janeiro, RJ, CEP:
22.000-000. Cumpre esclarecer que o valor do pro labore será de R$ 5.000,00
(cinco mil reais) que serão pagos em cinco parcelas de R$1.000,00 (mil reais), com
vencimento a cada dia 05 dos meses subseqüentes à assinatura do contrato, que
deverão ser depositados na conta corrente 1.111-9, agência 0101, Banco Sul de
Minas, sendo a titular a própria advogada.
AULA 2

GISELDA VALÉRIA DA CRUZ, brasileira, casada, gerente administrativa,


portadora da carteira de identidade 111.111, inscrita no CPF 111.111.111-11, PIS
12345268, CTPS 1236 – série 126/RJ, residente e domiciliada na Rua Marajó, 23,
apto. 201, Realengo, Rio de Janeiro, RJ, CEP: 22.111-111 comparece ao Escritório
SILVEIRA & SILVEIRA Advogados Associados e informa que pretende ingressar com
Ação Trabalhista em face de sua ex empregadora, Empresa de Construção Mão na
Massa, com sede na Rua Belém do Pará, 10, Realengo, Rio de Janeiro, RJ, CEP:
22.111-111 CNPJ 111.222, tendo em vista que suas verbas resilitórias não foram
pagas até a presente data.
Elabore procuração com poderes da cláusula ad judicia e ad judicia et extra
para Dra. AMANDA SILVEIRA, OAB/RJ 100.333, com escritório na Rua São José, 40,
sala 901, Centro, Rio de Janeiro, RJ, CEP: 22.000-000.
Além disso, elabore substabelecimento com reserva ao Dr. Hilton Araújo Porto,
inscrito na OAB/RJ 123698, com escritório na Rua São José, 40, sala 901, Centro,
Rio de Janeiro, RJ, CEP: 22.000-000.
Por fim, elabore substabelecimento ser reserva para a Dra. Joana Almeida
Souto, inscrita na OAB/RJ 7896, com endereço à Rua de Santana, nº 133- sala
1001 – Centro – CEP. 20589-001.
AULA 3

Petição Inicial – Estrutura

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO


TRABALHO DA LOCALIDADE (ARTIGO 651, CLT)

RECLAMANTE, nacionalidade, estado civil, profissão, portador da


CTPS nº ______, série ______ , inscrito no CPF sob o n° ______________, PIS,
identidade, data de nascimento, filho de (nome da mãe), residente e domiciliado na
___________________________________________ , nº ______ , Bairro, Cidade,
UF, CEP:____________ , por seu (ua) advogado (a) com endereço profissional na
__________________________ , nº ______ , Bairro, Cidade, UF, CEP.:
___________ , onde receberá ulteriores intimações (art. 39, I CPC), vem, perante
V. Exª, propor a presente

RECLAMAÇÃO TRABALHISTA, pelo procedimento.......

NOTA: Rito ordinário - para valor da causa superior a 40 salários


mínimos.
Rito Sumaríssimo – para valor da causa superior a dois salários mínimos
e até 40 salários mínimos (artigos 852-A até 852-I, da CLT.
Rito Sumário – para valor da causa até dois salários mínimos – Lei
5584/70

Cuidado: Se indicar valor da causa até 40 salários mínimos (R$ 465,00


X 40 = R$18.600,00) a ação tramitará pelo rito sumaríssimo e o pedido
deverá indicar o valor correspondente, ou seja, terá que inserir ao lado
de cada pedido a expressão monetária. Ex. Aviso Prévio - R$...., Horas
extras – R$..., Férias – R$..., etc, como será demonstrado adiante.

em face da RECLAMADA, inscrita no CNPJ/CPF sob o nº ___________________,


com sede na _____________________________ , nº _____, Bairro, Cidade, UF,
CEP.: ___________ , o que faz com base nas razões de fato e matérias de direito a
seguir deduzidas.

NOTA: Se a questão informar a existência de grupo econômico ou


terceirização, deverá incluir a outra empresa no pólo passivo
(litisconsórcio) e os respectivos dados, inclusive o endereço.
DA GRATUIDADE DE JUSTIÇA (OPCIONAL)

Declara o Reclamante, sob as penas da lei, não ter condições de


custear as despesas processuais sem prejuízo do próprio sustento e de sua família,
a teor do disposto no art. 1º, da Lei 7.115/83, razão pela qual faz jus ao
deferimento da justiça gratuita nos termos do art. 790, §3º da CLT c/c art. 14, da
Lei nº 5.584/70.

NOTA: Na Justiça do Trabalho a gratuidade tem por finalidade dispensar


o Reclamante do pagamento das custas processuais, já que este não
será condenado ao pagamento de honorários advocatícios à parte
contrária (ônus da sucumbência)- S. 219 e 329, do C. TST. As custas
devidas na Justiça do Trabalho tem previsão no art. 789 da CLT e são
pagas pelo vencido, ou seja, havendo condenação o empregador paga a
totalidade das custas. Se não existir condenação, como no caso de
improcedência do pedido ou extinção do processo sem resolução do
mérito ou com resolução do mérito (prescrição), o Reclamante será
responsável pelo recolhimento das custas, hipótese em que poderá
requerer a gratuidade de justiça no prazo alusivo ao recurso, conforme
artigo 790, §3º da CLT e entendimento consagrado na OJ nº 269, da
SDI-I do C. TST.

NOTA: A gratuidade de justiça deverá ser requerida,


OBRIGATORIAMENTE, quando o advogado que representar o
Reclamante for do sindicato da sua categoria profissional. A
obrigatoriedade do requerimento de gratuidade é para que o advogado
tenha direito aos honorários advocatícios, conforme entendimento
contido nas Súmulas nº 219 e 329 do C. TST, uma vez que a
condenação da esfera trabalhista a honorários advocatícios esta
condicionada ao patrocínio por sindicato de classe e hipossuficiência do
reclamante.

DA COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA

Mister ressaltar, que o reclamante não se submeteu a Comissão de


Conciliação Prévia, tendo em vista liminar proferida pelo Supremo Tribunal Federal
em 13/05/2009 em Ações Direta de Inconstitucionalidade de números (ADIs 2139 e
2160-5).
Portanto, prevalece o artigo 5º, inciso XXXV, da Carta da República
que dispõe ser livre o acesso a Justiça.
DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

Requer o deferimento dos honorários advocatícios no percentual de


15% sobre o valor da condenação, eis que estão presentes os requisitos previstos
no art. 14, da Lei nº 5.584/70, quais sejam, a gratuidade de justiça e a tutela
sindical, conforme entendimento consubstanciado nas Súmulas nºs. 219 e 329, do
C. TST.

NOTA: Somente haverá requerimento de pagamento de honorários


advocatícios se presentes os pressupostos das Súmulas 219 e 239, do
C. Tribunal Superior do Trabalho.

NOTA: Após os requerimentos iniciais, descrever os fatos e


fundamentos jurídicos do pedido.

DA ANTECIPAÇÃO DE TUTELA (SE HOUVER)

O (A) Reclamante, mesmo tendo seu vínculo de emprego


reconhecido através da assinatura de sua CTPS, foi dispensado (a) imotivadamente,
sem receber nenhuma das verbas resilitórias, muito menos foi dada baixa em sua
CTPS, situação em que lhe traz sérios problemas, pois não teve como sacar o FGTS,
nem receber as parcelas do Seguro-Desemprego e, o mais agravante não possui
condições de conseguir um novo emprego, já que perante terceiros o (a)
Reclamante ainda é empregado da Reclamada.

O art. 273 do CPC tem a seguinte redação:

“Art. 273 – O Juiz poderá, a requerimento da


parte, antecipar, total ou parcialmente, os
efeitos da tutela pretendida no pedido inicial,
desde que, existindo prova inequívoca, se
convença da verossimilhança da alegação e:
I – Haja fundado receio de dano irreparável
ou de difícil reparação; ou
II – Fique caracterizado o abuso de direito
de defesa ou o manifesto propósito
protelatório do Réu...”

Com isso, para que o dano causado não repercuta com maior
intensidade que já vem provocando e, sendo relevante o fundamento da demanda
e havendo justificado receio de ineficácia do provimento final, outro caminho não
pode ser adotado, senão o da concessão da antecipação de tutela, inaudita altera
pars, notadamente para que a Reclamada proceda à baixa na CTPS do (a)
Reclamante, bem como entregue as guias para o saque do FGTS e as guias para o
recebimento do Seguro-Desemprego.

NOTA: Na hipótese de estabilidade do Dirigente Sindical deve requerer


a reintegração por meio liminar, com fundamento no art. 659, X da CLT,
e não antecipação de tutela, conforme arts. 273 e 461 do CPC, pois
nesse caso como a CLT tem regra própria, não seria tecnicamente
correto utilizar o CPC de forma subsidiária, já que não existe omissão na
CLT.
NOTA: Hipóteses mais comuns de antecipação de tutela na Justiça do
Trabalho:
(1º) Reintegração de empregado estável;
(2º) Guias para saque do FGTS e Seguro desemprego
(3º) baixa na CTPS

NOTA: A CLT prevê também a concessão de liminar para tornar sem


efeito a transferência disciplinada nos parágrafos do art. 469 da CLT,
prevista no art. 659, IX da CLT.

DA TERCEIRIZAÇÃO

NOTA: Se a prova informar que houve terceirização, verificar se a


terceirização é lícita ou ilícita. Será lícita quando ocorrer na atividade-
meio do tomador e não existir subordinação direta entre o trabalhador e
tomador dos serviços. Nesse caso, o tomador responderá
subsidiariamente a teor do entendimento consagrado na S. 331, IV do
TST, conforme demonstrado abaixo.

DA TERCEIRIZAÇÃO
(Modelo para terceirização lícita)

Apesar de o Reclamante ter sido contratado pela primeira Ré prestou


serviços para a segunda Reclamada, sob a forma de terceirização. Assim, a 2ª
reclamada, na qualidade de tomadora dos serviços, responde subsidiariamente
pelos créditos trabalhistas devidos ao Reclamante, conforme entendimento
consagrado na Súmula nº 331, IV do C. TST.

NOTA: No caso de terceirização lícita haverá litisconsórcio passivo, isto


é, ambas as empresas devem constar como reclamadas, sendo a
primeira ré a empregadora e a segunda a tomadora de serviços que
será responsável subsidiária.

NOTA: Se a terceirização for ilícita, terá que requerer o reconhecimento


do vínculo empregatício diretamente com o tomador dos serviços. Tal
situação não será possível quando o tomador de serviços for
administração pública, uma vez que violaria a Súmula 363, do TST c/c
artigo 37, II, CRFB.

DA TERCEIRIZAÇÃO

(Modelo para terceirização ilícita, com pedido em ordem sucessiva)

Apesar de o Reclamante ter sido contratado pela primeira Ré prestou


serviços para a segunda Reclamada, sob a forma de terceirização. Ocorre que a
função exercida pelo Reclamante insere-se na atividade-fim do tomador - OU -
Ocorre que o Reclamante estava subordinado diretamente ao tomador dos serviços,
razão pela qual impõe-se o reconhecimento do vínculo empregatício diretamente
como tomador em virtude da ilicitude da terceirização, a teor do entendimento
consubstanciado na Súmula nº 331, III do C. TST.
Ad cautelam, caso não comprovada a ilicitude da terceirização requer,
sucessivamente, a condenação subsidiária da 2ª Reclamada, na qualidade de
tomadora dos serviços, pelos créditos trabalhistas devidos ao Reclamante,
conforme entendimento consagrado na Súmula nº 331, IV do C. TST.

NOTA: Lembrar que é possível haver terceirização lícita na atividade fim


do tomador de serviços (artigo 10, parágrafo 2º, IN MTb 3/1997). Será
a hipótese do trabalhador temporário (Lei 6019/74). Nesta hipótese o
tomador será responsável solidário no caso de falência da devedora
principal (artigo 16, Lei 6019/74) ou subsidiário nas demais hipóteses
(S. 331, IV, TST)

DO GRUPO ECONÔMICO

O Reclamante foi contratado pela 1ª Ré que faz parte do mesmo


grupo econômico da 2ª Reclamada, razão pela qual responde a 2ª Ré de forma
solidária pelos créditos postulados na presente Reclamação, na forma do art. 2º,
parágrafo 2º da CLT.

NOTA: No caso de a questão mencionar a existência de grupo


econômico, requerer a condenação solidária da empresa pertencente ao
mesmo grupo econômico do empregador.

DOS FATOS

Narrativa dos fatos narrados pelo (a) Reclamante, respeitando a


ordem cronológica.

NOTA: No âmbito trabalhista, é comum elaborar a Reclamação


Trabalhista em tópicos, em virtude da cumulação de pedidos ser muito
utilizada. Isso facilita a localização dos fundamentos jurídicos do pedido
(causa de pedir). Por essa razão, deve iniciar a petição inicial
descrevendo os dados do contrato de trabalho, de acordo com as
informações fornecidas no problema, conforme demonstrado.

DO CONTRATO DE TRABALHO

João foi admitido para prestar serviços para o reclamado em


01/01/2000, na função de auxiliar de serviços gerais, sendo imotivadamente
dispensado em 10/2/2008, com aviso prévio indenizado, ocasião em que recebia o
valor mensal de R$ 600,00.

DO HORÁRIO DE TRABALHO

Vale asseverar que durante todo período contratual laborou no


horário de 7:00 às 17:00 h com intervalo de 30(trinta) minutos para refeição e
descanso, devidamente registrado nos controles de freqüência em poder da
reclamada.
DAS HORAS EXTRAS

Ocorre, todavia, que o reclamado jamais efetuou qualquer


pagamento pelo labor extraordinário, sendo o reclamante credor desta
parcela........

DOS FUNDAMENTOS JURÍDICOS

Após identificar os direitos trabalhistas que o (a) Reclamante faz jus,


você deverá elencá-los na sua fundamentação utilizando: LEI, DOUTRINA E
JURISPRUDÊNCIA.

NOTA: O aluno ao elaborar a petição inicial poderá narrar os fatos e


fundamentar em conjunto ou de maneira separada. O importante é
observar a ordem cronológica, bem como a correlação entre os fatos,
fundamentos jurídicos e pedidos.

DO PEDIDO

Pelo exposto, requer a V. Exa. a condenação da Reclamada, no seguinte:

a) __________________________
b) __________________________
c) __________________________
d) __________________________

NOTA: Na hipótese de terceirização licita, dever ser adotado o modelo


abaixo.

Pelo exposto, requer a V. Exa. a condenação das Reclamadas, sendo a 2ª de


forma subsidiária, no seguinte:

a) ____________________
b) ____________________
c) ____________________
d) ____________________

NOTA: Na hipótese de grupo econômico, dever ser adotado o modelo


abaixo.

Pelo exposto, requer a V. Exa. a condenação das Reclamadas,


solidariamente, no seguinte:

NOTA: Se adotar o rito sumaríssimo, terá que ao lado de cada pedido


indicar o valor, conforme abaixo demonstrado, não esquecendo que o
valor da causa terá que ser correspondente à quarenta salários
mínimos.

a) __________________________R$ ...
b) __________________________R$ ...
c) __________________________R$ ...
d) __________________________R$ ...
HIPÓTESE DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA OU LIMINAR

Diante do exposto, requer a V.Exª.:

1) a concessão da tutela antecipada inaudita altera pars para que seja


determinado à Reclamada proceder a baixa na CTPS do (a) Reclamante em
48 horas, bem como, entregar as guias para o saque do FGTS e as guias do
Seguro-Desemprego, sob pena de incorrer em multa diária de R$ 1.500,00
(mil e quinhentos reais);
2) que a Tutela Antecipada acima deferida, seja ao final transformada em
definitiva.
3)Aviso Prévio....

Face ao posto, requer (a) Reclamante a notificação da Reclamada, para


comparecer a audiência a ser designada por este juízo, oportunidade em que
deverá oferecer sua defesa, sob pena incorrer nos efeitos da revelia e confissão da
matéria de fato, esperando ao final ver julgados procedentes os pedidos formulados
nesta reclamatória.

NOTA: No processo do trabalho o requerimento de notificação da parte


ré deve ser colocado no final dos pedidos. Isto se justifica, pois a
notificação possui caráter dúplice, isto é, servirá como citação para
ciência de que existe uma demanda em face dele e intimação para
comparecimento na audiência (artigo 841, CLT)

DAS PROVAS

Requer a produção de todos os meios de prova admitidos em direito,


na amplitude do art. 332, do CPC, em especial às de caráter documental,
testemunhal e depoimento pessoal do representante legal da Reclamada.

DO VALOR DA CAUSA

Dá à causa o valor de R$ ____________ (___________________).

NOTA: VERIFICAR O PROCEDIMENTO. SE FOR ATRIBUIDO VALOR


MENOR QUE 40(QUARENTA) SALÁRIOS MÍNIMOS OS PEDIDOS
DEVERÃO SER QUANTIFICADOS, POIS SERÁ AUTUADO SOB O
PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO, DEVENDO NESTE CASO OS PEDIDOS
SEREM LÍQUIDOS.

Pede Deferimento.

______________ , ___ de ________ de ______ .


______________________________
ADVOGADO
Nº DA OAB

NOTA: NÃO INVENTE DADOS OU INFORMAÇÕES. UTILIZE SOMENTE AS


QUE ESTIVEREM NO CASO APRESENTADO E NÃO INFORME DADOS
PESSOAIS EM PROVAS DE CONCURSO PÚBLICO, SOB PENA DE
ELIMINAÇÃO!
AULA 4

No dia 01 de dezembro de 2009, apresentou-se em um escritório de


advocacia o Sr. José Antonio Lins Júnior, brasileiro, casado, vigilante, residente na
Rua do Infinito, n.º 1.678, Recreio, Rio de Janeiro, RJ, CEP: 99.444-888, CPF
777.999.888.000-89, CTPS 1234 – série 001/RJ, identidade nº 12345698-7,
expedida pelo IFP/RJ, nascido em 01/04/1970, inscrito no PIS sob o n.º
333.444.555.666-89, filho de Ana Maria Lins e José Antonio Lins e após ser
cordialmente recebido, contou o seguinte caso ao advogado que o atendeu:
"Doutor, quero meus direitos. Fui admitido na empresa de Prestação de
Serviços Sorriso Feliz Ltda., para trabalhar como terceirizado na Empresa Milênio
Ltda., em 01/10/2007 na função de vigilante. Em 01/01/2009 usufrui trinta dias de
férias e recebi o respectivo pagamento acrescido de 1/3 Constitucional. Recebi
décimo terceiro referente aos anos de 2007 e 2008. Em 01/10/2009 fui demitido
sem justa causa e sem aviso prévio, ocasião em que recebia o salário mensal de R$
600,00. Ocorre, todavia que decorridos mais de trinta dias do término do meu
contrato de trabalho, meu ex empregador não se dignou a pagar minhas verbas
resilitórias. Terminou o Sr. José Antônio aduzindo o seguinte: "Doutor, eu não sou
de ficar 'botando' ninguém na justiça, não. Mas estou sem dinheiro e quero todos
os meus direitos. Não recebi nem o salário do último mês e obtive baixa em minha
CTPS.”
Ao final da entrevista, foram apresentados alguns documentos ao advogado,
como o contrato de trabalho, identidade, CPF, PIS, último recibo de pagamento e
CTPS.
Empresa de Prestação de Serviços Sorriso Feliz Ltda., CNPJ sob o n.º
11.345.777/0001-44, com sede na Rua da Felicidade, n.º 2, Bairro Alegre, Rio de
Janeiro, RJ, CEP: 33.444-999 e a Empresa Milênio Ltda., inscrito no CNPJ sob o n.º
22.345.888/0001-55, com sede na Rua do Adeus, n.º 3, Bairro Bela Vista, Rio de
Janeiro, RJ, CEP: 44.333-888. O nome do advogado é: J. Miranda de A. Delgado,
inscrito na OAB/RJ sob o n.º 1.234.222.

Formule a peça processual adequada para defender os interesses do Sr. José


Antonio. Apresente todos os fundamentos de fato e de direito, com base nas
informações dadas acima.
AULA 5

Maurício Cesar de Oliveira, brasileiro, desempregado, casado, CTPS 2136 –


série 258/RJ, PIS 236 897 569 7, CPF 123456789 64, Identidade nº 12589647 –
expedida pelo IFP/RJ, nascido em 01/05/1958, filho de Constança de Oliveira
Souza, residente e domiciliado a Rua Andrade Pertence, nº 52-apto. 205 – Catete –
CEP. 22221-000, comparece ao seu escritório e lhe narra os seguintes fatos:
Trabalhou no período de 01/06/1990 até 25/05/1995 na empresa Paraíso
Azul Ltda., com última localização na Rua das Palmeiras, nº 125 – loja 236 –
Inhaúma – CEP. 25987-526, CNPJ sob o n.º 11.345.777/0001-44, na função de
auxiliar de serviços gerais. Trabalhava de segunda à sexta-feira das 08h00min às
17h00min h com intervalo de 1(uma) hora para refeição e descanso No dia
25/05/1995 foi comunicado por sua empregadora que esta sendo demitido e que
deveria esperar em casa a designação de dia e hora para homologação da resilição
contratual no Sindicato de Classe. Decorridos 10 dias e sem nenhum contato por
parte da ex empregadora o Sr. Maurício retornou ao local em que prestava serviços
e constatou que a empresa havia encerrado suas atividades e desaparecido.
Durante algum período procurou sem êxito a localização da empresa, mas como
não conseguiu seu novo endereço, resolveu seguir com sua vida e obteve novos
empregos desde então. Agora completado o período para sua aposentadoria o Sr.
Maurício comparece com seus documentos profissionais no Posto do INSS e lá é
informado que o período em que trabalhou na empresa XYZ não será computado,
pois não há baixa em sua CTPS profissional.

Indignado com a situação, Sr. Maurício procura você em seu escritório e lhe
solicita uma solução para seu problema. Elabore a peça cabível para que o Sr.
Maurício obtenha a baixa em sua Carteira de Trabalho.
AULA 6

João Carlos Barbosa Albuquerque, brasileiro, solteiro, contador, CTPS 1236 –


série 123/RJ, PIS 2368529786, identidade 12598763, expedida pelo IFP/RJ, CPF
123654789, filho de Aparecida Barbosa de Araújo, nascido em 20/01/1962
comparece ao seu escritório e lhe narra os seguintes fatos:
Trabalha para a empresa A. C. Castro, CNPJ 159687369 0001, localizada na
Rua Graça Aranha, 263 – grupo 207 – Centro – Rio de Janeiro – CEP. 23897-000,
como “autônomo”, recebendo seus "salários" através de RPA (R$ 2.500,00),
mensalmente e ininterruptamente desde 01.01.1998. Vale ressaltar, que João
Carlos é obrigado a comparecer diariamente na empresa e lá permanecer na
jornada de trabalho de 8:00 as 17:00 com intervalo de 1 hora para refeição e
descanso de segunda a sexta-feira. É obrigado a prestar contas e recebe ordens de
um supervisor do departamento em regime de total subordinação.
Ocorre, todavia, que seu “empregador” alega que sua CTPS não deve ser
anotada, pois é autônomo e, em conseqüência, jamais gozou férias anuais, nem
recebeu o respectivo pagamento, bem como nenhum outro direito trabalhista
previsto em Lei.
O Sr. João Carlos Barbosa Albuquerque rescindiu o contrato de trabalho com
data de 02/10/2010, último dia do aviso prévio trabalhado. Até a presente data
não recebeu nenhum crédito trabalhista, razão pela qual requer que seja formulada
Reclamação Trabalhista, pleiteando as verbas do contrato de trabalho, nomeando
advogado José João, OAB/RJ 123654, com escritório na Av. Rio Branco, nº 155-sala
1002 – Centro – CEP. 25698-001.

Esta demanda trabalhista será distribuída no dia que for ministrada esta
aula.
AULA 7

(39◦ Exame de Ordem/CESPE)

José, funcionário da empresa LV, admitido em 11/5/2008, ocupava o cargo


de recepcionista, com salário mensal de R$ 465,00. Em 19/6/2009, José afastou-se
do trabalho mediante a concessão de benefício previdenciário de auxílio-doença.
Cessado o benefício em 20/7/2009 e passados dez dias sem que José tivesse
retornado ao trabalho, a empresa convocou-o por meio de notificação, recebida por
José mediante aviso de recebimento. José não atendeu à notificação e,
completados trinta dias de falta, a empresa LV expediu edital de convocação,
publicado em jornal de grande circulação, mas, ainda assim, José não retornou ao
trabalho. Preocupada com a rescisão do contrato de trabalho, com a baixa da CTPS,
com o pagamento das parcelas decorrentes e para não incorrer em mora, a
empresa procurou profissional da advocacia. Considerando a situação hipotética
acima apresentada, na qualidade de advogado(a) da empresa LV, elabore a peça
processual adequada a satisfazer-lhe judicialmente o interesse.
AULA 8

Felipe Fernando de Almeida ajuizou Reclamação Trabalhista pelo rito


ordinário em face de Engenharia Química Ltda., distribuída por sorteio à 57ª Vara
do Trabalho da Cidade do Rio de Janeiro (e atuado sob o nº 00001-1019-057-01-
00-0), embasando sua causa de pedir na existência de vínculo empregatício regido
pela CLT, bem como na ruptura abrupta do contrato de trabalho, sem justo motivo,
gerando assim dever sucessivo ao empregador de realizar o pagamento de todas as
verbas resilitórias com os devidos acréscimos legais ao empregado.
Nesse sentido, o empregado, ora reclamante, formulou todos os pedidos
relativos às verbas resilitórias (pagamento de saldo salarial, multa rescisória, FGTS,
13º salário, férias, baixa na CTPS) com os devidos acréscimos legais, tendo
inclusive pugnado pelo pagamento das horas extras, no importe de R$ 40.000,00
(quarenta mil reais), sendo que para tanto juntou farta documentação apta a
comprovar que efetivamente laborou extraordinariamente todos os dias, excedendo
1 (uma) hora, no período de 1 ano (de 2006 a 2007).
Ao final, sobreveio a sentença (às fls. 70 dos autos) na qual o magistrado
julgou procedente todos os pedidos formulados pelo reclamante para condenar o
reclamado ao pagamento de todas as verbas resilitórias (pagamento de saldo
salarial, multa rescisória, FGTS, 13º salário, férias, baixa na CTPS), deixando
contudo de se manifestar quanto ao reconhecimento e condenação ao pagamento
das horas extras.

Regularmente intimadas as partes acerca da sentença proferida, formule a


peça processual adequada, na qualidade de advogado do reclamante, para
defender os interesses do seu cliente.
AULA 9

Articulação – Teoria e prática.


Contestação (princípios do contraditório, da ampla defesa, da concentração, da
eventualidade), a preclusão; o ônus da impugnação especificada dos fatos; defesas
processuais e defesas de mérito. Estrutura da contestação.

Contestação - a contestação é a peça de defesa do réu mais importante,


assim como a petição inicial, porque é o primeiro momento em que o réu expõem
todos os argumentos de defesa que se contrapõe às pretensões que o autor aduz
na petição inicial.

Divide-se em:

A) defesa processual (preliminar):

2.1- peremptória

Seu acolhimento importa na extinção do processo. Exemplos: inépcia da inicial,


litispendência e coisa julgada.

2.2 - dilatória:

Seu acolhimento não extingue a ação, ao contrário, amplia ação, até ser superado
o impasse. Exemplos: argüição de nulidade de citação, deficiência de
representação, caso o vício apontado não seja saneado, essa defesa assume o
caráter peremptório, extinguindo-se o processo sem exame do mérito.

B) - defesa de merito:

Quando o réu investe contra a causa do pedido, podendo ser:

2.3 – indireta – (prejudicial) - o fato alegado pelo autor não é negado, mas o réu
invoca, para contrapor-se a pretensão, de um fato impeditivo, (exemplo, alega que
era absolutamente incapaz ao contratar), extintivo ou modificativo da pretensão do
autor, trazendo para si o ônus da prova do que alega. (alega que já pagou a divida,
ou que o autor a remitiu). Além disso, poderá ser argüida prescrição, decadência,
retenção e compensação.

2.4 – direta - quando o réu nega o fato constitutivo do suposto direito alegado pelo
autor ou admite o fato, mas nega que ele produza o efeito jurídico pretendido.
Peremptórias
Contra o processo
(Preliminares)
Contestação Dilatórias
(Art 847, CLT
c/c 301 CPC)

Indireta (prejudicial)
Contra o Mérito

Direta

INCOMPETÊNCIA –
ART. 799, CAPUT, CLT

EXCEÇÃO

IMPEDIMENTO –
ARTIGO 134, CPC

SUSPEIÇÃO -
ARTIGO 799, CAPUT, CLT

RECONVENÇÃO – CONTRA ATAQUE (ARTIGO 315, CPC)

DEFESAS PROCESSUAIS - PRELIMINARES

. PEREMPTÓRIAS – INÉPCIA/ COISA JULGADA/ LITISPENDÊNCIA...


. DILATÓRIAS – INCOMPETÊNCIA ABSOLUTA/ CONEXÃO...

DEFESAS CONTRA O MÉRITO

. INDIRETA - PREJUDICIAIS DE MÉRITO – DECADÊNCIA/ PRESCRIÇÃO/


COMPENSAÇÃO / RETENÇÃO / FATOS MODIFICATIVOS/ IMPEDITIVOS OU
EXTINTIVOS DO DIREITO

. DIRETA – IMPUGNAÇÃO ESPECIFICADA DOS FATOS


- SERÁ NECESSÁRIO IMPUGNAR TODAS AS PRETENSÕES ADUZIDAS PELO
RECLAMANTE EM SUA PETIÇÃO INICIAL, OBSERVANDO SEMPRE O ÔNUS DA
PROVA (ARTIGO 818, CLT C/C 333, CPC)

MODELO:

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO TRABALHO DA (número) VARA DO


TRABALHO DA ..(localidade).

NOTA: Indicar a Vara do Trabalho e o local que a Reclamação Trabalhista foi


distribuída.

Processo nº: .(colocar o número do processo)


xxxx-xxxx-xx-xx-xx-x = numeração única
1º número do processo
2º ano da distribuição
3º Vara do Trabalho
4º e 5º - códigos da ação
6º - digito

NOME DA RECLAMADA, (QUALIFICAR) nos autos da Reclamação


Trabalhista que lhe move (nome do reclamante), já qualificado, vem, por seu
advogado regularmente constituído, indicando para os efeitos do art. 39, I do CPC
o endereço sito na Rua ..., CEP: ...., apresentar sua

CONTESTAÇÃO

pelos fatos e fundamentos adiante aduzidos:

NOTA: é importante que se observe a seguinte ordem: preliminares, defesa


indireta de mérito (prejudiciais) e posteriormente defesa direta de mérito –
artigo 301, CPC.

PRELIMINARES:

DA PRECLUSÃO TEMPORÁRIA

A Reclamante deu causa a dois arquivamentos anteriores, razão pela


qual fica impedida de ajuizar a outra Reclamação Trabalhista pelo prazo de seis
meses, na forma do artigo 731 e 732, ambos da CLT. Portanto, requer a extinção
do processo sem resolução do mérito em virtude do acolhimento da perempção
trabalhista, nos termos do art. 267, V do CPC.

DA INÉPCIA DA PETIÇÃO INICIAL

Deverá ser observado os requisitos da petição inicial, isto é, causa de


pedir, pedidos..... O importante é analisar se é possível ou não contestar a peça
inicial.

Ex: Maria pleiteou horas extras, porém não discriminou horário de trabalho, nem
fundamentou sua pretensão. Neste caso você irá alegar inépcia e requerer a
extinção sem resolução mérito – artigo 267, CPC.
NOTA: Verificar as hipóteses insertas no artigo 301, do Código de Processo
Civil de aplicação subsidiária.

NOTA: Ao finalizar as preliminares deverá ser requerida a extinção sem


resolução do mérito para posteriormente adentrarmos ao mérito da questão.

MÉRITO

Se por absurdo, forem ultrapassadas as preliminares acima aduzidas,


no mérito, melhor sorte não assiste ao Reclamante.

NOTA: Não esquecer que quando alegar inépcia da petição inicial, deverá
também contestar no mérito o pedido considerado inepto, em observância do
princípio da eventualidade.

DA PRESCRIÇÃO

Requer, ad cautelam, o pronunciamento da prescrição nos termos do


artigo 7º, XXIX da CRFB/88, no que couber.

NOTA: Também é possível argüir em algumas hipóteses decadência, como por


exemplo, na ação rescisória (S. 259, TST), Inquérito para Apuração de Falta
Grave (art. 853, CLT).

DA COMPENSAÇÃO/DEDUÇÃO

Por cautela, requer a compensação / dedução dos valores pagos ao


Reclamante, para evitar o enriquecimento ilícito.

NOTA: a compensação poderá ocorrer com títulos idênticos ou diferentes e tal


fato deverá ser narrado na peça.
Ex. o reclamante postula horas extras e a reclamada já pagou um valor
referente a este título. Neste caso requer a compensação sob idênticos títulos.
o reclamante postula verbas resilitórias e o reclamado requer a compensação
do aviso prévio não trabalhado. Títulos diferentes.

(DESENVOLVER OS TÓPICOS DE ACORDO COM OS DADOS DA QUESTÃO DO


CADERNO)

DAS HORAS EXTRAS

DA MULTA DO ART. 477, DA CLT

DO ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO E MULTA POR ATRASO SALARIAL

DAS DIFERENÇAS SALARIAIS

NOTA: sempre observar artigos, Súmulas e Orientações Jurisprudenciais dos


Tribunais para fundamentar a contestação.
Na hipótese de jurisprudência ou doutrina é obrigatório dizer a fonte da
mesma, sob pena de ser considerada inválida.
Não é válida contestação genérica, por esta razão é importante que o aluno
separe as pretensões e as conteste isoladamente. Desta forma evita o
esquecimento.

CONCLUSÃO

Por fim requer a V. Exa. seja(m) acolhida(s) a(s) preliminar(es)


acima aduzida(s) extinguindo-se o processo sem resolução do mérito, ou se assim
não entender, seja pronunciada a prescrição (ou decadência) e o pedido julgado
improcedente, pelas razões acima apresentadas.

Requer provar o alegado por todos os meios de prova em direito


admitidos, notadamente documental, pericial, testemunhal e depoimento pessoal
do Reclamante sob pena de confesso.

Termos em que,
Pede deferimento.

Local,.... data ...

ADVOGADO...
OAB...
AULA 10

(34◦ Exame de Ordem/CESPE)

Francisco moveu reclamação trabalhista contra a instituição filantrópica


Instituto Meninos da Vila. Na reclamação trabalhista, Francisco formulou pedido de
reconhecimento de vínculo empregatício e o pagamento de todas as verbas
decorrentes do reconhecimento do vínculo, vale dizer, aviso prévio, férias integrais
e proporcionais, 13º salário fracional e integral, FGTS, multa rescisória do FGTS e
multa prevista no artigo 477 da CLT.
Os representantes legais do Instituto procuraram um escritório de advocacia
e relataram ao advogado os seguintes fatos:
“O Instituto Meninos da Vila é uma entidade filantrópica, criada em outubro
de 2003, com o objetivo de auxiliar crianças carentes.
Francisco, fundador do Instituto, foi designado como presidente da entidade
no ato de fundação, tendo permanecido na mesma função até o seu afastamento
do Instituto, que ocorreu em agosto de 2006.
Francisco administrava o Instituto, ou seja, buscava doadores na
comunidade, controlava as finanças, contratava e demitia pessoal, determinava a
forma de aplicação dos recursos, estabelecia o horário de trabalho de todos os
funcionários.
Além de Francisco, outros dois diretores compunham a diretoria do Instituto.
Todos os diretores recebiam além de uma ajuda de custo, um pró-labore por
mês.
De acordo com o estatuto social do Instituto, os membros da diretoria
seriam eleitos a cada dois anos, após escolha, em assembléia, dos sócios da
instituição. Ainda conforme o estatuto, a destituição de qualquer membro da
diretoria também deveria ser referendada pela assembléia.
Francisco foi afastado da presidência e excluído do rol de sócios do Instituto
em agosto de 2006, após ter sido flagrado desviando dinheiro instituição."

Considerando a situação hipotética acima, elabore, na condição de advogado


contratado pelo Instituto Meninos da Vila, a contestação dessa instituição,
sustentando as teses de defesa cabíveis.
AULA 11

Antônio, engenheiro civil, trabalhava para a Construtora Alfa Ltda, onde


exercia a função de supervisor de equipamentos e manutenção, supervisionando 35
empregados, que estavam diretamente subordinados a ele.
Antônio recebia uma gratificação equivalente a 40% de seu salário, por exercer a
função de supervisor e não registrar sua jornada de trabalho.
Após ser demitido sem justa causa da Construtora, Antônio ingressou com uma
reclamação trabalhista, pleiteando o pagamento de jornada extraordinária,
alegando que cumpria jornada das 08h00min às 20h00min de segunda a sexta com
intervalo de uma hora para almoço, e das 08h00min às 15h00min aos sábados,
com intervalo de trinta minutos para almoço. Como prova oral de sua jornada de
trabalho, apresentou duas testemunhas.
Alegou Antônio que apesar do cargo de supervisor, não possuía poder de
mando nem autonomia, já que estava subordinado à direção da empresa,
cumprindo ordens, metas e determinações por parte da diretoria. Alegou ainda que
recebia salário maior que o salário habitualmente pago aos outros engenheiros civis
em razão de sua experiência profissional.

Considerando a situação hipotética acima com referência e com base na


CLT, elabore a contestação da Construtora Alfa, refutando a tese sustentada por
Antônio na inicial.
AULA 12

(36◦ Exame de Ordem/CESPE – Adaptado)

Marcelo Santos, brasileiro, solteiro, portador da CTPS 2.222 e do CPF


001.001.001-01, PIS 123654789, filho de Maria Amélia Santos, residente e
domiciliado na rua X, casa 1, cidade Nova, funcionário da empresa Chuva de Prata
Ltda. desde 20 de abril de 2002, exercia a função de vigia, cumprindo jornada de
trabalho das 19 h às 7 h do dia seguinte, e, em razão do trabalho noturno, recebia
o respectivo adicional.
A partir de 20/12/2009, a empresa, unilateralmente, determinou que
Marcelo trabalhasse no período diurno, deixando de pagar ao funcionário o adicional
noturno. Em fevereiro de 2010, Marcelo foi eleito membro do conselho fiscal do
sindicato de sua categoria profissional.
Em 10 de maio de 2010, a empresa Chuva de Prata Ltda. demitiu Marcelo
sem justa causa e efetuou o pagamento das verbas rescisórias devidas. Marcelo
ingressou com uma reclamação trabalhista em face da empresa, pleiteando, além
de sua imediata reintegração, sob o argumento de que gozava da estabilidade
provisória prevista nos arts. 543, § 3.º, da CLT e 8.º, VIII, da Constituição Federal,
o pagamento do adicional noturno que recebera ininterruptamente por mais de
cinco anos, bem como a nulidade da alteração de sua jornada.
Na condição de advogado(a) da empresa Chuva de Prata Ltda., localizada na
Rua Flores, nº 100 – Rio de Janeiro – CEP. 44526987, CNPJ 0125469870001, redija
a peça processual adequada à situação hipotética apresentada, expondo os
fundamentos legais pertinentes e o entendimento da jurisprudência do TST a
respeito do fato.
A inicial foi distribuída perante a 10ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro sob
o número 1234-2010-010-01-00-9 em 03/01/2010 e a audiência foi designada
para o dia 15 de junho de 2010 às 8:30h.
A empresa apresenta para o advogado, Dr. Araújo Silva, OAB/RJ 12345,
com escritório na Av. Rio Branco, 125- sala 101 – Centro – CEP. 21852-000, os
seguintes documentos: Controle de freqüência, recibos de pagamento, ficha de
registro do empregado, TRCT com a devida homologação e Atos constitutivos.
AULA 13

Articulação – Teoria e Prática. Teoria Geral dos Recursos Trabalhistas – conceito,


princípios gerais, efeitos, classificação, finalidades, espécies, juízo de
admissibilidade e juízo de mérito. Estrutura do recurso ordinário e de revista.

TEORIA GERAL DOS RECURSOS

É o meio processual estabelecido para provocar o reexame de


determinada decisão, visando à obtenção de sua reforma ou modificação ou é a
pretensão de novo exame da causa, em regra por outro órgão, diverso do anterior,
com o fim de que a sentença seja reformada no todo ou em parte ou tornada sem
efeito/nula.
A natureza jurídica do recurso é um direito subjetivo processual que nasce
no transcurso do processo quando proferida uma decisão (sentença ou acórdão).
Este direito de recorrer nasce do Duplo Grau de Jurisdição que decorre dos
Princípios do Devido Processo Legal e da Ampla Defesa (artigo 5º, LV, da Carta da
República)

OBS: 1 - a sistemática recursal das ações trazidas pela nova competência dada à
Justiça do Trabalho pela EC 45/04 “é a prevista na Consolidação das Leis do
Trabalho, inclusive no tocante à nomenclatura, à alçada, aos prazos e as
competências” (IN TST 27/05, art. 2º).
2 – Exceção para a possibilidade de interposição serão as ações distribuídas
pelo Rito Sumário (Lei 5584/70), também chamados de dissídios de alçada ou
Instância Única. Nesta hipótese somente será cabível a reforma da sentença pela
via recursal quando houver violação expressa à norma Constitucional. Caso haja a
violação o recurso cabível será o Extraordinário e será julgado pelo Supremo
Tribunal Federal (S. 640, STF)

2. JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE

Importante esclarecer que todo recurso se submete a dois exames de


admissibilidade, sendo o primeiro pelo Juízo a quo(que proferiu a decisão objeto do
recurso) e o outro pelo Juízo ad quem (que irá apreciar e julgar o recurso
interposto).
Existem os pressupostos extrínsecos e os pressupostos intrínsecos dos
recursos, quais sejam:

PRESSUPOSTOS OBJETIVOS/EXTRÍNSECOS:

 RECORRIBILIDADE DO ATO JUDICIAL IMPUGNADO – O ATO JUDICIAL TEM


QUE SER RECORRÍVEL.

 ADEQUAÇÃO – O RECURSO DEVE SER ADEQUADO PARA ATACAR O ATO


IMPUGNADO

 TEMPESTIVIDADE: A PARTE DEVE INTERPOR O RECURSO NO PRAZO LEGAL

 PREPARO: PAGAMENTO DAS CUSTAS


PROCESSUAIS E, QUANDO FOR O CASO,
DEPÓSITO RECURSAL.
 REGULARIDADE DE REPRESENTAÇÃO: PRÓPRIA PARTE OU ADVOGADO
DEVIDAMENTE CONSTITUÍDO.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS/INTRÍNSECOS:

 LEGITIMIDADE - RECURSO PODE SER INTERPOSTO PELA PARTE VENCIDA,


TERCEIRO INTERESSADO OU MINISTÉRIO PÚBLICO (ART. 499 DO CPC)

 CAPACIDADE – PARA ESTAR EM JUÍZO

 INTERESSE RECURSAL – O RECURSO DEVE SER ÚTIL E NECESSÁRIO À


PARTE (SUCUMBÊNCIA TOTAL OU PARCIAL)

SEMPRE AD QUEM SUPREMO


DO RECURSO TRIBUNAL FEDERAL
EXTRORDINÁRIO

A QUO DO RECURSO
EXTRAORDINÁRIO
TRIBUNAL
SUPERIOR DO
TRABALHO

AD QUEM DO
RECURSO DE
REVISTA

A QUO DO
RECURSO DE
REVISTA

TRIBUNAL
AD QUEM DO REGIONAL DO
RECURSO TRABALHO
ORDINÁRIO

VARA DO TRABALHO
1ª INSTÂNCIA
SERÁ SEMPRE
TRABALHISTA
A QUO
4. EFEITOS DA INTERPOSIÇÃO

Efeito meramente devolutivo – permite a execução provisória do julgado até


a penhora (art. 899 da CLT).
É possível ser deferido o efeito suspensivo, bem como ser requerido em
casos excepcionais através de mandado de segurança (ex. Súmula 414, I, TST)

5. ESPÉCIES

No processo trabalhista existe a possibilidade de serem interpostos alguns recursos,


dentre os quais destacamos:

DO RECURSO ORDINÁRIO

O recurso ordinário é o recurso sucedâneo da apelação no processo civil. É


cabível contra as sentenças terminativas ou definitivas do feito, em processo de
conhecimento proferidas pelas Varas do Trabalho (artigo 895, alínea a, CLT).

Também possuem cabimento contra os acórdãos proferidos pelos Tribunais


Regionais do Trabalho em dissídios individuais de sua competência originária (artigo
895, alínea b, CLT)

O prazo para interpor o recurso Ordinário é de oito dias e também para


contrarrazoar (artigo 900, CLT), sendo que a matéria deduzida neste apelo pode
ser de fato, provas ou de direito.

O recorrente pode limitar o alcance da devolutividade, desde que indique


expressamente os pontos que pretende recorrer, sendo então recurso parcial, o que
determina o trânsito em julgado do restante da sentença (tantum devolutum
quantum apelatum).

No Dissídio Individual de competência originária da Vara do Trabalho o


primeiro Juízo de Admissibilidade será procedido pelo Juiz do Trabalho e, se negado
seu seguimento, caberá a interposição de agravo de instrumento (artigo 897, alínea
b, CLT).

Quando o recurso Ordinário for interposto de decisão de Regional, face a sua


competência originária, o primeiro Juízo de Admissibilidade será procedido pelo
Presidente do Tribunal Regional do Trabalho e a competência para julgar o recurso
Ordinário será o Tribunal Superior do Trabalho.

Assim, o juiz Presidente do Tribunal Regional do Trabalho exerce o juízo de


admissibilidade "a quo" e o Ministro Relator o juízo de admissibilidade "ad quem" no
Tribunal Superior do Trabalho.

DO RECURSO DE REVISTA

Recurso restrito aos aspectos da LEGALIDADE e da INTERPRETAÇÃO DO


DIREITO.
A Revista é um recurso extraordinário, sendo que a devolutividade é restrita
ao aspecto jurídico, ou seja, somente cabe devolver ao juízo "ad quem" a matéria
de direito, não devolvendo a matéria fática ou probatória.

Seu cabimento irá depender do rito processual ou fase processual que o


processo trabalhista, ou seja:
• Procedimento Sumaríssimo (artigo 896, parágrafo 6º, CLT) –
somente será cabível quando houver violação da Súmula do TST ou a
norma Constitucional;
• Procedimento Ordinário (artigo 896, CLT, alíneas “a”, “b”, “c”) –
violação da Norma Constitucional, Lei Estadual, Federal, Súmula e
Orientação Jurisprudencial do TST, jurisprudência de outro Tribunal
Regional, Norma Coletiva, Sentença Normativa e Regulamento de
Empresa;
• Fase de Execução (artigo 896, parágrafo 2º, CLT) – somente quando
houver violação de norma Constitucional.

A finalidade do recurso de Revista, como os de Embargos de Divergência, é


orientar a jurisprudência especializada para a uniformização.

Caberá recurso de revista nos termos do caput do artigo 896, CLT, para as
Turmas do Tribunal Superior do Trabalho das decisões proferidas em grau de
recurso ordinário, em dissídio individual, pelos Tribunais Regionais do Trabalho.

TST

RECURSO DE REVISTA – ART. 896, CLT

TRT - ACÓRDÃO

RECURSO ORDINÁRIO
ART. 895, a, CLT

SENTENÇA

VARA DO TRABALHO –
DISSÍDIO INDIVIDUAL

O prazo é de oito dias para interposição do recurso, como também para O


Juiz Presidente do Tribunal Regional que prolatou a decisão em recurso Ordinário
(ou em Agravo de Petição) atuará como juízo de admissibilidade que será repetido
pelo Ministro Relator de uma das Turmas do TST.

A competência das Turmas do Tribunal Superior é julgar o Recurso de


Revista; o Agravo de Instrumento quando o Presidente do Regional denegar
seguimento ao recurso de Revista; o Agravo Regimental quando o Ministro Relator
denegar prosseguimento ao recurso de Revista e Embargos de Declaração opostos
aos acórdãos proferidos nesses três recursos.

Do despacho do Juiz Presidente do Regional que nega seguimento ao


recurso de Revista cabe Agravo de Instrumento, e do despacho do Ministro Relator
do TST que não admite a Revista cabe Agravo Regimental, sendo que ambos os
Agravos (Instrumento e Regimental) serão julgados pela Turma do TST a qual
competia proferir a decisão do recurso obstruído (segunda admissibilidade)

No tocante ao efeito que o recurso de Revista é recebido, prevalece a regra


geral dos recursos trabalhistas, que é o efeito devolutivo, todavia, o Art. 896, § 1º,
da CLT, atribui à autoridade recorrida (Presidente do Regional), emprestar o efeito
suspensivo ao recurso de Revista.
MODELO DE RECURSO ORDINÁRIO

(Peça de Interposição)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DO TRABALHO DA xxª VARA DO TRABALHO DO
LOCALIDADE

Ref. Processo: RT XXX-XXX-XXX-XX-XX-X

(RECORRENTE), nos autos do processo em epígrafe que lhe


move (ou que move em face de) (RECORRIDO) , não se conformando, data venia,
com a respeitável sentença de fls. , vem, respeitosamente, tempestivamente, com
escopo na letra a, do artigo 895, da Consolidação das Leis do Trabalho, interpor o
presente

RECURSO ORDINÁRIO

calcado nas razões em anexo, requerendo, pois, se digne V. Exa. em determinar a


juntada, aos aludidos autos, das mesmas, e o seu processamento na forma da Lei.

Requer, outrossim, a juntada das inclusas guias de depósito


recursal e custas judiciais, comprovando o preparo da presente medida processual.

O empregado jamais pagará depósito recursal e somente arcará com o valor


das custas judiciais quando for totalmente sucumbente e não tiver o benefício
da Justiça Gratuita.
Terá que ser observado para efeito de cálculo do depósito recursal o valor da
condenação atribuído na sentença/acórdão, bem como o teto máximo
estabelecido pelo Tribunal Superior do Trabalho (www.tst.gov.br).

Termos em que,
pede deferimento.

Data.

ADVOGADO
OAB
(Razões do Recurso)
RAZÕES DO RECORRENTE

RECORRENTE:
RECORRIDO:

EGRÉGIA TURMA

DA TEMPESTIVIDADE :

Preliminarmente, cabe salientar, encontrar-se tempestivo o presente


recurso ordinário, eis que postada notificação para ciência da decisão em _______,
recebida _________, iniciou-se o prazo em ________, vencendo-se o octídio legal
em ________, data em que esta sendo protocolado o presente apelo.

PRELIMINARES:

COMO NO PROCESSO DO TRABALHO NÃO É POSSÍVEL RECURSO DE DECISÃO


INTERLOCUTÓRIA (ART. 893, PARÁGRAFO 1º, CLT C/C S. 214, TST) E SIM O
PROTESTO PARA EVITAR A PRECLUSÃO. ESTA MATÉRIA QUE FOI OBJETO DO
PROTESTO PODERÁ SER LEVANTADA COMO PRELIMINAR DE NULIDADE NA
INTERPOSIÇÃO DO RECURSO ORDINÁRIO.
OUTRA HIPÓTESE SERIAM AS DE NEGATIVA DA PRESTAÇÃO JURISDICIONAL. O
RECORRENTE INGRESSOU COM EMBARGOS DE DECLARAÇÃO E O JUIZ AO JULGAR
NÃO ESCLARECEU A OMISSÃO, OBSCURIDIDADE E CONTRARIEDADE, O QUE
CERCEIA A DEFESA DO MESMO. TAL SITUAÇÃO PODERÁ SER ARGUIDA COMO
PRELIMINAR DE NULIDADE NO RECURSO.
OUTRA SITUAÇÃO SERIA A SENTENÇA CITRA PETITA QUE O JUIZ SE NEGA A SANAR
OMISSÕES ATRAVÉS DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO, O QUE ACARRETA O PEDIDO
DE NULIDADE DA SENTENÇA.
NAS HIPÓTESES DE SENTENÇA ULTRA E EXTRA PETITA POR ECONOMIA PROCESSUAL
SOMENTE SERÁ REQUERIDA A NULIDADE DA PARTE AQUÉM OU ALÉM DA SENTENÇA.

DO MÉRITO

Vencidas as preliminares, o que se admite por amor ao debate, merece


reforma a r. Sentença, eis que não foi observado a Lei, as provas dos autos e a
uníssona jurisprudência, senão vejamos.
DOS FATOS E FUNDAMENTOS

(Apresentar as razões do recurso)

OBS: como se pode constatar, o recurso ordinário tem por objetivo a reforma da
sentença, no todo ou em parte, por isso, há que analisar com profundidade a prova
dos autos, ressaltando os pontos favoráveis ao recorrente, inclusive utilizando-se
de acórdãos que abordem questões semelhantes e, eventualmente, podendo citar,
também, autores, assinalando as respectivas obras.

Diante do exposto, requer o Recorrente que esta Egrégia Turma, conheça


deste recurso ordinário e dê provimento ao presente recurso, para julgar
procedente ou improcedente a demanda, medida com a qual se estará praticando a
indelével

J U S T I Ç A.

Data.

ADVOGADO
OAB

NECESSÁRIO QUE O RECORRENTE ASSINE AS DUAS PARTES DO RECURSO,


ISTO É, A PRIMEIRA QUE É DIRIGIDA PARA O JUÍZO A QUO E A SEGUNDA
PARA O JUÍZO AD QUEM. A FALTA DE ASSINATURA LEVA AO NÃO
CONHECIMENTO DO APELO, POR SE TRATAR DE DOCUMENTO
APÓCRIFO/INEXISTENTE.
SEMPRE QUE FOR UTILIZADO JURISPRUDÊNCIA, ACÓRDÃOS, DOUTRINA,
SERÁ NECESSÁRIO DEMONSTRAR A FONTE DAS MESMAS.
MODELO DE RECURSO DE REVISTA

(Peça de Interposição)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO
TRABALHO DA XXXXX REGIÃO

PROCESSO RO XXXX
(XXª TURMA)

(RECORRENTE), não se conformando, data vênia, com


o respeitável acórdão prolatado pela Egrégia XXª Turma, nos autos do processo que
lhe move (ou que move em face de) (RECORRIDO), interpõe com fundamento nas
alíneas XX e XXX, do artigo 896, da Consolidação das Leis do Trabalho (nova
redação dada pela Lei n.º 7.701, de 21.12.88), RECURSO DE REVISTA, para o
Colendo Tribunal Superior do Trabalho, eis que a decisão violentou norma jurídica,
desconheceu letra de lei e dissentiu da jurisprudência, conforme se demonstra nas
inclusas Razões.

REQUER a juntada das razões ora oferecidas e, após


observadas as formalidades legais, sejam os autos remetidos à V. Instância ad
quem, recebido o recurso em ambos os efeitos.

Termos em que,
P. deferimento.

Data.

ADVOGADO
OAB
(Razões do Recurso)
RAZÕES DO RECORRENTE

RECORRENTE:
RECORRIDO:

Colenda Turma

PRELIMINARES

HIPÓTESE SERIAM AS DE NEGATIVA DA PRESTAÇÃO JURISDICIONAL. O


RECORRENTE INGRESSOU COM EMBARGOS DE DECLARAÇÃO E O JUIZ AO
JULGAR NÃO ESCLARECEU A OMISSÃO, OBSCURIDIDADE, CONTRARIEDADE
E/OU PREQUESTIONAMENTO, O QUE CERCEIA A DEFESA DO MESMO. TAL
SITUAÇÃO PODERÁ SER ARGUIDA COMO PRELIMINAR DE NULIDADE NO
RECURSO.

DO MÉRITO

SERÁ NECESSÁRIO QUE O RECORRENTE DEMONSTRE A VIOLAÇÃO DE


DIREITO, POIS COMO JÁ NARRADO ACIMA NESTE APELO NÃO É ADMITIDO
DISCUSSÃO DE MATÉRIA DE FATO OU PROVAS.
VERIFICAR O RITO PROCESSUAL OU A FASE PARA ELABORAR COM
CLAREZA O RECURSO DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR.
É PRESSUPOSTO DE ADMISSIBILIDADE DESTE RECURSO O
PREQUESTIONAMENTO. LOGO É FUNDAMENTAL SE OBSERVAR SE O
ACÓRDÃO FOI CLARO SOBRE A TESE QUE SERÁ ARGUMENTADA NO
APELO. CASO CONTRÁRIO SERÁ NECESSÁRIA ELABORAÇÃO DE
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO PRELIMINARMENTE (S. 297, TST)

Comprovada, pois, a violação a texto de lei federal, as Súmulas do Tribunal


Superior do Trabalho, bem como mansa e pacífica jurisprudência caso de
conhecimento e provimento deste recurso, acolhidas as razões acima expendidas,
para que seja reformado o v. acórdão, conheça e de provimento ao presente
recurso, com o que estará fazendo a costumeira

J U S T I Ç A.
Data.
ADVOGADO
OAB
AULA 14

Luiz Araújo Souza ajuizou contra a empresa A, ação Trabalhista, distribuída


à 1.ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro – RJ, sob o número 1234-2009-001-01-
00-1, pertencente à 1ª Região. No processo, o reclamante declarou que manteve
vínculo de emprego com a referida empresa de 3/3/2008 a 15/3/2009, tendo
exercido a função de vendedor de livros. Em seu pedido, o reclamante alegou não
ter recebido as verbas rescisórias de forma correta, pois teria sido infundada a sua
demissão por justa causa por motivo de desídia. Mesmo tendo restado provadas,
pelos cartões de ponto e pelos recibos de pagamento, as constantes faltas de Luiz
ao trabalho - mais de dez faltas em cada um dos dois últimos meses de trabalho,
sempre de forma consecutiva e sem qualquer justificativa —, o juízo condenou a
reclamada a pagar todas as verbas rescisórias, sob o argumento de que não houve
prova cabal para aplicação da justa causa. Em face dessa situação hipotética, na
condição de advogado(a) contratado(a) pela empresa A, redija a peça processual
cabível para a defesa de sua cliente, expondo os argumentos legais pertinentes
para impugnar a decisão proferida, considerando incabível a hipótese de embargos
declaratórios.
AULA 15

LEONARDO CASQUEIRA ingressou com reclamação trabalhista em face de


seu antigo empregador, Empresa Sol e Lua Ltda. requerendo a nulidade da
dispensa e conseqüente reintegração no emprego por ser detentor de estabilidade
no emprego como dirigente sindical, atribuindo a causa o valor de R$ 20.000,00,
razão pela qual a mesma foi autuada no procedimento ordinário. O MM. Juízo da 5ª
Vara do Trabalho do Rio de Janeiro julgou improcedente o seu pedido, negando-lhe
direito à estabilidade provisória, como dirigente sindical, pois entendeu que o
registro da candidatura ocorreu no curso do aviso prévio. Inconformado o
reclamante ingressou com recurso ordinário sob o argumento de que seu registro
foi efetuado um dia antes do comunicado de dispensa, o que demonstra data
anterior a concessão do aviso prévio. Alegou nas razões do recurso violação a Lei,
jurisprudência e provas que comprovam
as suas alegações.
O Tribunal Regional do Trabalho negou provimento ao recurso ordinário
mantendo na integralidade a sentença primária por seus próprios fundamentos.
Sabedor de seu direito e não compreendendo o porquê da negativa de seu pleito, o
reclamante objetiva ingressar com recurso contra o acórdão proferido pelo TRT da
1ª Região.

Assim, no prazo a que alude a Consolidação das Leis Trabalhistas,


apresentar o recurso apropriado, impugnando o acórdão, principalmente o
acrescido, abordando todas as formalidades legais, nomeando, para a interposição
do apelo o advogado GUILHERMO RICQUES. Advogado: Guilhermo Ricques, OAB/RJ
nº 1000 – Rua da Cancela, 20 – Rio de Janeiro.