Você está na página 1de 3

COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

Componente Especializado da Assistência Farmacêutica

PALIVIZUMABE
ADEFOVIR

[Digite uma citação do documento ou o resumo de um ponto interessante. Você pode posicionar a caixa de texto em qualquer lugar do documento.
Use a guia Ferramentas de Desenho para alterar a formatação da caixa de texto de citação.]
Uso de palivizumabe para prevenção da infecção pelo vírus sincicial respiratório
Portaria SAS/MS nº 522, de 13 de maio de 2013 (Protocolo na íntegra)

Informações gerais

Apresentação: 50 mg e 100 mg, pó liofilizado estéril para reconstituição – frasco ampola + água para injetáveis –
ampola

Quantidade máxima mensal:


1 dose (15 mg/kg)
Máximo de 5 doses, com intervalo de 30 dias entre as doses, dentro do período sazonal.

Observações:
Idade máxima – menores de 2 anos
Conservar em temperatura de 2ºC a 8ºC
Sazonalidade do vírus sincicial respiratório (VSR) – março a julho
Período de recebimento dos documentos para solicitação do palivizumabe: 22/01/2018 a 25/07/2018.
Período de aplicação do palivizumabe: fevereiro a julho
Mais informações: Nota Técnica Conjunta nº 05/2015 – CGSAM/DAPES/SAS/MS, CGAFME/DAF/SCTIE/MS e
CGDT/DEVIT/SVS/MS

Documentos necessários para solicitação do medicamento

Para todos os pacientes:


1. Formulário de Solicitação de Palivizumabe original, preenchido de forma completa e legível pelo médico
responsável pelo atendimento ao paciente.
ATENÇÃO: Em “I - DADOS GERAIS DE IDENTIFICAÇÃO DA CRIANÇA”, os campos o “endereço” e
“telefones para contato” devem ser informados corretamente, para possibilitar o contato para agendamento
da aplicação do medicamento e/ou informações sobre a análise da solicitação.

PALIVIZUMABE – PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS SINCICIAL RESPIRATÓRIO (Atualizado em 04/01/2018)


COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA
Componente Especializado da Assistência Farmacêutica

2. Prescrição de medicamento original, em duas vias, elaborada de forma completa e legível, pelo médico
responsável pelo atendimento ao paciente.

3. Cópia de documentos pessoais do paciente


 Certidão de nascimento ou Declaração de Nascido Vivo (DNV);
 Comprovante de residência com CEP, com data inferior a 90 dias;
 Cartão Nacional de Saúde (CNS).

4. Cópia de relatório de alta hospitalar do recém-nascido, fornecido pelo hospital.

Para pacientes portadores de prematuridade E com doenças pulmonares relacionadas à prematuridade:


 Relatório médico com data inferior a 180 dias, elaborado pelo médico responsável pelo atendimento
ao paciente;
 Cópia de relatório de alta hospitalar do paciente, após internação por problemas respiratórios nos
últimos 6 meses (se internação).

A critério do médico prescritor:


 Cópia do laudo da tomografia de tórax.

Para pacientes portadores de cardiopatia:


Para pacientes não submetidos à cirurgia cardíaca:
 Relatório médico com data inferior a 180 dias, elaborado pelo médico responsável pelo atendimento
ao paciente, contendo a descrição do quadro clínico, o grau de hipertensão pulmonar e os
medicamentos em uso;
 Cópia do laudo do ecocardiograma mais recente.

Para pacientes submetidos à cirurgia cardíaca:


 Relatório médico com data inferior a 180 dias, elaborado pelo médico responsável pelo atendimento
ao paciente, contendo a descrição do quadro clínico, o grau de hipertensão pulmonar e os
medicamentos em uso;
 Cópia de relatório de alta hospitalar do paciente, após a cirurgia;
 Cópia do laudo do ecocardiograma mais recente, realizado após a cirurgia.

Atenção: Não é necessário apresentar Termo de Esclarecimento e Responsabilidade.

PALIVIZUMABE – PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS SINCICIAL RESPIRATÓRIO (Atualizado em 04/01/2018)


COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA
Componente Especializado da Assistência Farmacêutica

De posse dos documentos mencionados, o paciente ou seu representante deve dirigir-se a um dos locais de
dispensação de medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica do Estado de São
Paulo para entrega dos documentos.
Após entrega dos documentos, aguardar contato da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo para
agendamento da aplicação do medicamento, em até 60 dias.
Caso não receba retorno em 60 dias após a entrega dos documentos, entrar em contato com o Grupo de Vigilância
Epidemiológica (GVE/CCD) de referência para seu município para informações.

PALIVIZUMABE – PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS SINCICIAL RESPIRATÓRIO (Atualizado em 04/01/2018)