Você está na página 1de 19

Poluição do Solos

(Meio Rural)

CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA

Gerenciamento Ambiental

Prof: Thiago Edwiges


2

MEIO RURAL

FERTILIZANTES NATURAIS

• Revolução Industrial
Disponibilidade de fertilizantes produzidos localmente;
Características orgânicas;
Salitre do Chile (NaNO3);
Depósitos de guano.

• Imediata biodegradação dos produtos naturais;


• Alta incorporação às cadeias alimentares;
• Sem ocorrências de desequilíbrios ou danos ambientais.
3

MEIO RURAL

FERTILIZANTES SINTÉTICOS

• Macronutrientes – (N, P e K) e (Ca, Mg e S);

• Micronutrientes – (Fe, Mn, Cu e Zn);

• Queda da barreira física e econômica limitante;

• Riscos de acumulação ambiental;

• Aumento de nutrientes e de impurezas no solo;

• Aumento de concentrações tóxicas de metais pesados;


4

MEIO RURAL

APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES

• Eficiência de aplicação;

Modo e local de aplicação;

Momento da aplicação;

Ocorrência de agentes que carregam ou lixiviam.

• Criação de excedentes que se incorporam ao solo;

• Fixação da fração sólida;

• Solubilização da fração líquida;


5

MEIO RURAL

DEFENSÍVOS AGRÍCOLAS

FUNGICIDAS

• Sais de cobre: Uso mais antigo;

• Organomercuriais: Uso restrito às sementes.

HERBICIDAS

• Derivados de arsênico: Uso decrescente e limitado;

• Derivados de ácido fenoxiacetico: 2,4D; 2,4,5T; Picloram.


6

MEIO RURAL

DEFENSÍVOS AGRÍCOLAS

2,4 D (Ácido 2,4 Diclorofenoxiacético)

Primeiro herbicida descoberto.

2,4,5 T (Ácido 2,4,5 Triclorofenoxiacético)

Agente laranja utilizado na Guerra do Vietnã;

Os EUA espalharam maiss de 80 milhões de litros;

Causa malformações congênitas.


7

MEIO RURAL

AGENTE LARANJA
8

MEIO RURAL

DEFENSÍVOS AGRÍCOLAS

INSETICIDAS

• Organoclorados: DDT, Aldrin, Heptacloro etc.

Extretamente persistentes;

DDT apresenta até 40% de sua concentração após 15 anos;

Heptacloro apresenta 15% de sua concentração após 15 anos;

Produção e consumo proibidos em diversos países.


9

MEIO RURAL

DEFENSÍVOS AGRÍCOLAS

DDT

• Surgiu em 1939;

• Primeiro inseticida organoclorado de elevada resistência;

• Preconizou a produção de outros inseticidas;

• Atualmente a objetivo é:

Especificidade quanto aos organismos afetados, e

Menor durabilidade no meio ambiente.


10

MEIO RURAL

DEFENSÍVOS AGRÍCOLAS

INSETICIDAS

• Organofosforados: Parathion, Malathion, Phosdrin etc.

Apresentam uma certa seletividade em sua toxidez para os insetos;

Degradam-se mais rapidamente que os organoclorados.


11

MEIO RURAL

DEFENSÍVOS AGRÍCOLAS

INSETICIDAS

• Carbamatos ou eratanos

Ésteres do NH2COOH;

Extremamente tóxicos;

São específicos em sua toxidez para os insetos

Baixa toxidez para os vertebrados de sangue quente.


12

MEIO RURAL

DEFENSÍVOS AGRÍCOLAS

BIOMAGNIFICAÇÃO OU AMPLIFICAÇÃO BIOLÓGICA: Ocorre quando

substâncias persistentes ou cumulativas (organoclorados) migram do

mecanismo de alimentação de um organismo para os seguintes da cadeia

alimentar.

BIOACUMULAÇÃO x BIOCONCENTRAÇÃO
13

MEIO RURAL

MANIPULAÇÃO GENÉTICA

• Meio alternativo para conseguir plantas mais resistentes;

• Melhoramento tradicional: Cruzar uma planta com uma outra qualquer

para obter características desejáveis à nova variedade;

• Técnica Modificada: Inserir um ou mais genes específicos, cujas

características são conhecidas com antedecência.


14

MEIO RURAL

SALINIZAÇÃO
• A franja capilar formada pela ação da tensão superficial, atuando em um

lençol freático, eleva com sais em solução até o nível do terreno.


15

MEIO RURAL

SALINIZAÇÃO

• Salinização primária: Intemperização dos minerais fonte indireta de sais

presentes no solo;

• Salinização secundária ou antrópica: Principal meio de aporte de sais no

solo pelas águas de irrigação;

• Os sais, que são transportados pelas águas de irrigação e depositados

no solo, acumulam-se neste após se concentrarem, à medida que a água

se evapora ou é consumida pelas plantas.


16

MEIO RURAL

Salinização por irrigação


17

MEIO RURAL

Salinização pela elevação do lençol freático


18

MEIO RURAL

TOLERÂNCIA À SALINIDADE

ALTA MÉDIA BAIXA

Palmeira Trigo Ervilha

Cevada Tomate Feijão

Beterraba Aveia Cana-de-açúcar

Algodão Cenoura Pera

Aspargos Arroz Maçã

Espinafre Milho Laranja


Fonte: FAO, 1985
19

DÚVIDAS?? PERGUNTAS??