Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE DO MINHO

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA


DEPARTAMENTO DE METODOLOGIAS DA EDUCAÇÃO

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA EM


CONTEXTO ESCOLAR

ACTIVIDADE Nº 10
Desenvolvimento Sexual Biológico – Morfologia do Sistema Reprodutor Feminino

Extraído de: Participação Genuína dos Alunos na Educação Sexual: Actividades para uma Aprendizagem Orientada para a
Acção. Braga: Universidade do Minho (anexo10 da tese de doutoramento não publicada).

Compare o esquema do seu grupo sobre o aparelho reprodutor feminino com a figura 2.6A e a figura
2.6B, respondendo às questões abaixo.

Figura 2.6A: Aparelho


reprodutor feminino visto de
frente. Fonte: Adaptado de
www.schering.pt

Figura 2.6B: Aparelho


reprodutor feminino
visto de perfil e visão da
vulva de frente (grandes
lábios, pequenos lábios
e clitóris).
Fonte: Adapatado de
www.schering.pt
1 — Faça da legenda da figura 2.6 B.

2 — Indique o que faltou desenhar no seu esquema:


2.1 — na vulva;

Teresa Vilaça (2008) 10 CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES


2.2 — nas vias ou condutas genitais;

2.3 — outros aspectos que faltaram desenhar.

3 — Descreva qual é a constituição do sistema reprodutor feminino.

4 — Observe o tamanho e a forma do útero, das trompas de Falópio e do ovário do seu esquema.
4.1 — Use uma régua e registe o tamanho do útero, das trompas de Falópio e do ovário do teu
esquema.

4.2 — Use uma régua e desenhe novamente o útero, as trompas de Falópio e o ovário, aplicando os
dados seguintes.

DADO 1 — O útero é um órgão muscular oco em forma de pêra invertida, algo aplanado da frente para traz e
com fortes paredes musculosas. Está ligado às trompas de Falópio e à vagina através do colo do útero. Tem
aproximadamente 7,5 cm de comprimento e 5 cm de largura. A função do útero, que tem uma enorme
elasticidade, é poder garantir, durante uma gravidez, o desenvolvimento do feto até ao seu nascimento. Quando
não se está grávida o revestimento do interior do útero, o endométrio, passa mensalmente por um conjunto de
transformações que culminam no aparecimento da menstruação. O colo do útero ou cervix, é uma passagem
estreita do útero para a vagina, onde existem pequeninas glândulas que todos os meses, em determinada
altura, segregam o muco cervical. Este muco lubrifica e facilita a passagem dos espermatozóides para o interior
do útero, de modo a deslizarem até às trompas para fertilizarem o óvulo (oócito de 2ª ordem).

DADO2 — As trompas do Falópio ou oviductos, são dois tubos que começam no útero, têm cerca de 10-12
cm de comprimento e 4mm de diâmetro. A parte terminal dos tubos de Falópio é em forma de funil e termina
numa estrutura franjeada, designada Pavilhão da Trompa, destinada a receber o óvulo (oócito de 2ª ordem).
Posteriormente este mesmo óvulo desliza na direcção do útero. O interior da trompa é constituído por células
com cílios, que vibram na direcção do útero para que os óvulos (oócitos de 2ª ordem) deslizem para o seu
interior.

DADO 3 — Os ovários são duas pequeninas massas em forma de amêndoa e estão localizados um de cada
lado do útero. Medem 3 cm de comprimento e 1,5 a 2 cm de largura.

DADO 4 — A vagina é um canal alongado de fortes paredes musculares, que liga o útero ao exterior do corpo,
mais propriamente à vulva. Como é muito elástica pode contrair e distender-se para que possa ocorrer o
nascimento de um bebé ou uma relação sexual. É também o canal que conduz o fluxo menstrual para o exterior.
Numa mulher que nunca teve um bebé a vagina mede cerca de 8 cm de comprimento na parede de traz e cerca
de 6 cm na da frente. A abertura da vagina está coberta por uma membrana fina, o hímen. Durante a puberdade
o hímen torna-se mais flexível e tem tipicamente perfurações que permitem que o fluxo menstrual passe.

Teresa Vilaça (2008) 11 CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES


ESQUEMA

Teresa Vilaça (2008) 12 CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES