Você está na página 1de 9

LEI 9.

099/1995 e PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO

DISPOSIÇÕES GERAIS

60. O JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL é provido por juízes TOGADOS, ou TOGADOS e LEIGOS. Tem
competência para CONCILIAÇÃO – JULGAMENTO – EXECUÇÃO de infrações penais de menor potencial,
RESPEITADAS as regras de CONEXÃO e CONTINÊNCIA.

Trata-se de COMPETÊNCIA em razão da MATÉRIA. O STF entende que a competência é RELATIVA, ao


passo que o STJ entende que a competência é ABSOLUTA.

PU. Nas reuniões por CONEXÃO e CONTINÊNCIA com o juízo COMUM e o JÚRI, ainda serão observadas
as possibilidades de TRANSAÇÃO penal e COMPOSIÇÃO CIVIL dos danos.

A competência será do JÚRI. No entanto, serão possibilitadas a TRANSAÇÃO e a COMPOSIÇÃO CIVIL,


ainda que o processo não esteja no âmbito do JECRIM. O mesmo ocorre, por exemplo, com conexão ou
continência com crimes relacionados à lei de drogas.

61. IMPO: infrações cuja MÁXIMA privativa de LIBERDADE seja MENOR ou IGUAL a 02 (DOIS) anos,
cumulada ou não com multa.

STF: se a pena for MAIOR do que 02 anos, ainda que cominada ALTERNATIVAMENTE com MULTA, a
competência NÃO será do JECRIM.

62. (a) Processos perante o JEECRIM obedecerão aos seguintes critérios (princípios): ORALIDADE –
SIMPLICIDADE – INFORMALIDADE – ECONOMIA PROCESSUAL – CELERIDADE. (b) Sempre que POSSÍVEL,
ademais, objetivará a REPARAÇÃO dos danos sofridos pela VÍTIMA e a APLICAÇÃO de pena NÃO
PRIVATIVA de LIBERDADE.

(a) São os PRINCÍPIOS NORTEADORES.

(b) São os OBJETIVOS do JECRIM. A REPARAÇÃO vem por meio da COMPOSIÇÃO CIVIL, revelando uma
JUSTIÇA REPARADORA. A aplicação da pena NÃO PRIVATIVA vem por meio da TRANSAÇÃO PENAL.

ATENÇÃO: o mandamento do JECRIM de REPARAÇÃO dos danos causados amolda-se à TERCEIRA VIA do
DIREITO PENAL, defendida por ROXIN. Segundo o autor, trata-se de um aspecto que APROXIMA o direito
penal da REALIDADE SOCIAL, na medida em que promove uma medida penal INDEPENDENTE da sanção-
pena e da medida de segurança, baseada na SUBSIDIARIEDADE desse ramo jurídico. Com efeito, é uma
promoção que se adequa tanto aos FINS da pena como às NECESSIDADES da VÍTIMA.

COMPETÊNCIA E ATOS PROCESSUAIS

63. No JECRIM, a COMPETÊNCIA territorial é determinada pelo LUGAR da infração (teoria da ATIVIDADE).

Logo, a competência TERRITORIAL para o JECRIM se baseia na teoria da ATIVIDADE (local da AÇÃO ou
OMISSÃO).

CUIDADO: no CPP, a competência TERRITORIAL será a do local do RESULTADO (teoria do RESULTADO).

JECRIM: teoria da ATIVIDADE.


CPP: teoria do RESULTADO.
64. Os atos do JEECRIM são públicos e PODEM ser realizados em período NOTURNO, em QUALQUER dia
da SEMANA, segundo as normas de ORGANIZAÇÃO judiciária.

65. Sempre que preencherem as FINALIDADES para as quais foram praticados, os ATOS processuais serão
reputados VÁLIDOS.

P.1. NÃO se pronunciará NULIDADE sem que tenha ocorrido PREJUÍZO.

P.2. A prática de atos processuais a ocorrerem em OUTRAS COMARCAS poderá ser solicitada por
QUALQUER meio HÁBIL de COMUNICAÇÃO.

P.3. Serão objeto de registro escrito os atos exclusivamente reputados como ESSENCIAIS. Os atos da
audiência de instrução e julgamento PODERÃO ser gravados em fita magnética ou equivalente.

66. A CITAÇÃO será PESSOAL e, sempre que POSSÍVEL, será feita no PRÓPRIO JUIZADO. Também poderá
ser feita por mandado, claro.

PU. Se o acusado NÃO for ENCONTRADO, o juiz remeterá os autos ao juízo COMUM. CAI MUITO!!!

67. INTIMAÇÃO: por CORRESPONDÊNCIA, com AVISO DE RECEBIMENTO PESSOAL. Em se tratando de


PESSOA JURÍDICA ou FIRMA INDIVIDUAL, será por ENTREGA ao ENCARREGADO da RECEPÇÃO, que será
OBRIGATORIAMENTE IDENTIFICADO. Ainda, se necessário, será por OFICIAL de Justiça,
INDEPENDENTEMENTE de MANDADO ou carta PRECATÓRIA. Ou, ainda, por QUALQUER meio idôneo de
COMUNICAÇÃO.

PU. Quanto aos ATOS praticados em AUDIÊNCIA, serão considerados CIENTES, desde logo, as PARTES, os
INTERESSADOS e os DEFENSORES.

68. Do ato de INTIMAÇÃO do AUTOR, bem como do mandado de CITAÇÃO do acusado, constará a
NECESSIDADE de comparecimento ACOMPANHADO de seu ADVOGADO – com a ADVERTÊNCIA de que,
não o fazendo, será nomeado DEFENSOR PÚBLICO.

FASE PRELIMINAR

69. A autoridade POLICIAL que tomar CONHECIMENTO da ocorrência DEVERÁ lavrar TERMO
CIRCUNSTANCIADO, encaminhando o termo IMEDIATAMENTE ao JECRIM. Constarão o AUTOR e a
VÍTIMA, bem como as REQUISIÇÕES dos EXAMES periciais necessários. Obs.: é possível já haver a juntada
dos exames.

A instauração de IP ao invés de termo circunstanciado NÃO prejudica futura ação penal. É mera
irregularidade.

Obs.: nos PRÓPRIOS autos do TC, o delegado tomará o COMPROMISSO do acusado de comparecer ao
JECRIM em dia e horário designados previamente.

A doutrina recomenda lavrar INQUÉRITO se houver complexidade do caso, se a autoria não for conhecida
ou, ainda, se houver CONEXÃO ou CONTINÊNCIA com infração que não seja IMPO.

PU. Se o AUTOR do fato for IMEDIATAMENTE encaminhado ao JECRIM, ou ASSUMIR o COMPROMISSO


de ali comparecer, ele NÃO será preso em FLAGRANTE, e NEM se exigirá FIANÇA. Em se tratando de
violência DOMÉSTICA, o juiz poderá impor cautelares de afastamento do lar, domicílio ou local de
convivência com a vítima.

70. COMPARECENDO o autor e a vítima (em juízo), e não sendo possível a realização de audiência
PRELIMINAR naquele instante, será designada data PRÓXIMA, e AMBOS já sairão CIENTES.
71. Não comparecendo qualquer dos envolvidos, a SECRETARIA providenciará a INTIMAÇÃO destes, bem
como de seu RESPONSÁVEL CIVIL.

72. Audiência PRELIMINAR: deverão estar presentes o MINISTÉRIO PÚBLICO, o AUTOR, a VÍTIMA e, se
POSSÍVEL, o RESPONSÁVEL CIVIL. Todos devem estar acompanhados de seus ADVOGADOS. Na ocasião,
o juiz esclarecerá as possibilidades de (i) COMPOSIÇÃO DOS DANOS e (ii) aceitação da PROPOSTA de
aplicação IMEDIATA da pena NÃO PRIVATIVA de LIBERDADE (transação).

73. A CONCILIAÇÃO é conduzida por juiz ou por conciliador sob sua ORIENTAÇÃO.

PU. Os CONCILIADORES são AUXILIARES da Justiça, recrutados na forma da LEI LOCAL,


PREFERENCIALMENTE bacharéis em DIREITO. Excluem-se os que já exercem funções na administração da
JUSTIÇA CRIMINAL.

74. A COMPOSIÇÃO dos danos CIVIS se reduz a ESCRITO e é HOMOLOGADA pelo juiz por SENTENÇA
IRRECORRÍVEL. Terá EFICÁCIA de TÍTULO a ser executado no JUÍZO CIVIL.

A composição APENAS produz EFEITOS depois de HOMOLOGADA. E a decisão que HOMOLOGA a


COMPOSIÇÃO é IRRECORRÍVEL.

PU. Se a ação for PRIVADA ou CONDICIONADA à representação, a HOMOLOGAÇÃO da composição CIVIL


acarreta RENÚNCIA ao direito de QUEIXA/REPRESENTAÇÃO.

75. Na audiência preliminar, se NÃO ocorrer a composição CIVIL, será oferecida ao OFENDIDO a
possibilidade de IMEDIATO oferecimento de REPRESENTAÇÃO VERBAL, a qual será reduzida a TERMO.

PU. O não oferecimento da representação por ocasião da audiência preliminar (bem como o não
comparecimento do ofendido) NÃO implica a DECADÊNCIA do direito de representação, o qual ainda
poderá ser exercido no PRAZO LEGAL (6 meses).

76. Havendo REPRESENTAÇÃO, ou sendo o caso de ação INCONDICIONADA, não sendo o caso de
arquivamento, o MINISTÉRIO PÚBLICO poderá propor aplicação IMEDIATA de PENA RESTRITIVA DE
DIREITOS OU MULTA (transação).

A TRANSAÇÃO é a proposta de aplicação IMEDIATA da pena RESTRITIVA de direitos ou de MULTA. Trata-


se de uma EXCEÇÃO ao princípio da OBRIGATORIEDADE da ação penal. Falamos, no JECRIM, em
obrigatoriedade MITIGADA ou discricionariedade REGRADA. Aqui, a DISCRICIONARIEDADE do MP é em
relação à PENA que será OFERECIDA.

Em se tratando de crime de ação CONDICIONADA, a REPRESENTAÇÃO é IMPRESCINDÍVEL para que o


promotor ofereça a proposta de TRANSAÇÃO. CAI!!!

Obs.: havendo oferecimento de QUEIXA, o MINISTÉRIO PÚBLICO, na audiência PRELIMINAR, poderá


oferecer a TRANSAÇÃO PENAL – depois do oferecimento, mas antes que a queixa seja recebida pelo juiz.
Por óbvio, aceita a transação pelo querelado, a queixa oferecida fica prejudicada.

A transação NÃO é um direito público subjetivo do autor, mas é um PODER-DEVER do MP, já que,
PREENCHIDOS os requisitos, o MP deve oferecê-la. Dessa maneira, caso o MP NÃO OFEREÇA, o juiz
poderá invocar o ART. 28 DO CPP.

P.1. Se a pena de multa for a ÚNICA aplicável, o juiz PODERÁ reduzi-la pela METADE.

P.2. NÃO se admite a TRANSAÇÃO PENAL se ficar COMPROVADO:


I. Que, em SENTENÇA DEFINITIVA, o autor já foi CONDENADO, por prática de CRIME, a pena PRIVATIVA
DE LIBERDADE. CAI PRA CARALHO!!!

II. Que, nos 05 (CINCO) anos anteriores, o autor foi BENEFICIADO pela aplicação imediata de pena
restritiva ou multa.

III. Se os ANTECEDENTES, a CONDUTA social e a PERSONALIDADE, bem como os MOTIVOS e


CIRCUNSTÂNCIAS da infração, indicarem NÃO ser SUFICIENTE a medida.

P.3. Se a PROPOSTA for ACEITA pelo AUTOR E por seu DEFENSOR, ela será SUBMETIDA à análise do JUIZ.

A aceitação da proposta não implica confissão de culpa. Para o STF, ademais, a transação NÃO gera efeitos
próprios da sentença condenatória (ex.: perda/confisco de bens usados na prática de crime).

P.4. ACOLHENDO a proposta, o JUIZ aplicará a RESTRITIVA DE DIREITOS ou a MULTA. Tal aplicação NÃO
gerará REINCIDÊNCIA. Será registrada APENAS para fins de IMPEDIR nova concessão do MESMO
benefício no prazo de 05 (CINCO) anos.

O juiz APENAS poderá HOMOLOGAR a transação se presentes os INDÍCIOS mínimos de AUTORIA e


PROVA da MATERIALIDADE delitiva.

P.6.A sanção também NÃO gerará ANTECEDENTES criminais. CUIDADO: tampouco terá efeitos CIVIS,
cabendo ao INTERESSADO propor a ação pertinente no juízo CÍVEL.

P.5. da SENTENÇA que ACOLHE a transação cabe APELAÇÃO, cf. art. 82. CAI PRA CARALHO!!!

A doutrina entende que, caso o juiz REJEITE, também caberá APELAÇÃO, além de HABEAS CORPUS ou
MS EM MATÉRIA CRIMINAL.

A HOMOLOGAÇÃO da transação apenas faz coisa julgada FORMAL. Assim, fato SUPERVENIENTE pode
DESCONSTITUÍ-LA.

SÚMULA VINCULANTE 35: a homologação da TRANSAÇÃO penal NÃO produz coisa julgada MATERIAL.
Descumpridas as suas cláusulas, RETOMA-SE a situação anterior, possibilitando-se ao MP o oferecimento
de DENÚNCIA ou a requisição de IP.

CUIDADO: se, no entanto, a transação consistiu apenas na aplicação de MULTA, a consequência não será
a mesma, em razão de que, hoje, a multa deverá ser executada como dívida fiscal (art. 51, CP, e súmula
521 STJ).

PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO

O procedimento SUMARÍSSIMO se divide em DUAS fases: (a) fase PRELIMINAR, que é pré-processual e
se desenvolve na audiência preliminar; (b) e fase PROCESSUAL propriamente dita, que se DESENVOLVE
ao longo da AUDIÊNCIA de INSTRUÇÃO E JULGAMENTO.

77. Se a ação for PÚBLICA, quando NÃO houver TRANSAÇÃO (em razão da AUSÊNCIA do autor na ou pela
NÃO OCORRÊNCIA das hipóteses que permitem a transação), o MP OFERECERÁ, de IMEDIATO, DENÚCIA
ORAL, caso NÃO haja a NECESSIDADE de DILIGÊNCIAS imprescindíveis.

P.1. A denúncia, que DISPENSARÁ o INQUÉRITO, PRESCINDE do CORPO DE DELITO, quando a


MATERIALIDADE for aferida por BOLETIM MÉDICO ou prova EQUIVALENTE.

A denúncia poderá, ainda, estar baseada no mero TC de ocorrência.


Eventual CONDENAÇÃO, porém, EXIGIRÁ o EXAME. Salvo se houverem desaparecido os VESTÍGIOS, caso
no qual caberá a prova TESTEMUNHAL.

P.2. Se a COMPLEXIDADE ou CIRCUNSTÂNCIAS do caso NÃO permitirem formular DENÚNCIA, o MP


poderá requerer ao juiz a REMESSA dos autos ao juízo comum (o qual irá adotar o procedimento
SUMÁRIO).

P.3. Em se tratando de ação penal PRIVADA (iniciativa do OFENDIDO), poderá ser oferecida queixa ORAL,
cabendo ao JUIZ verificar se a COMPLEXIDADE ou as CIRCUNSTÂNCIAS não determinam a adoção da
remessa ao juízo comum.

78. Oferecida a DENÚNCIA/QUEIXA, será ela reduzida a TERMO. Será entregue CÓPIA ao ACUSADO, que
ficará CITADO e imediatamente CIENTIFICADO da data da AUDIÊNCIA de INSTRUÇÃO, da qual também
tomarão ciência o MP, o ofendido, o responsável civil e os advogados.

P.1. Se o acusado NÃO estiver PRESENTE, será citado na forma dos art. 66 e 68, CIENTIFICADO da DATA
da AUDIÊNCIA de instrução e julgamento. Quando da AUDIÊNCIA, deverá TRAZER as suas TESTEMUNHAS
ou apresentar REQUERIMENTO para INTIMAÇÃO (caso apresente REQUERIMENTO, deverá ser NO
MÍNIMO com 05 – CINCO – dias de antecedência da audiência).

P.2. Se o OFENDIDO e o seu RESPONSÁVEL não estiverem presentes na audiência preliminar, eles serão
INTIMADOS a comparecerem na audiência de INSTRUÇÃO, nos termos do art. 67.

Obs.: as TESTEMUNHAS também serão intimadas na forma do art. 67.

Lembrando: 67. INTIMAÇÃO: por CORRESPONDÊNCIA, com AVISO DE RECEBIMENTO PESSOAL. Em se


tratando de PESSOA JURÍDICA ou FIRMA INDIVIDUAL, será por ENTREGA ao ENCARREGADO da
RECEPÇÃO, que será OBRIGATORIAMENTE IDENTIFICADO. Ainda, se necessário, será por OFICIAL de
Justiça, INDEPENDENTEMENTE de MANDADO ou carta PRECATÓRIA. Ou, ainda, por QUALQUER meio
idôneo de COMUNICAÇÃO.

Embora não haja previsão expressa, a doutrina aplica, ANALOGICAMENTE, o NÚMERO de 05 (CINCO)
testemunhas para acusação e defesa, tal como ocorre no procedimento SUMÁRIO.

79. No dia da audiência de INSTRUÇÃO, caso NÃO tenha ocorrido possibilidade de CONCILIAÇÃO
(composição civil) ou de TRANSAÇÃO penal na fase PRELIMINAR, estas ocorrerão na própria audiência
de instrução.

80. NENHUM ato será ADIADO. Quando IMPRESCINDÍVEL, aliás, o juiz determinará a condução
COERCITIVA.

81. Aberta a AUDIÊNCIA de INSTRUÇÃO, primeiramente será dada a PALAVRA ao DEFENSOR. Após, o juiz
RECEBERÁ (ou não) a denúncia ou queixa. Caso RECEBA, serão OUVIDAS: (i) a VÍTIMA; (ii) as
TESTEMUNHAS de ACUSAÇÃO e DEFESA; (iii) o ACUSADO. Imediatamente, depois, ocorrerão os DEBATES
e a SENTENÇA.

Não há previsão para alegações por memoriais. Mas, caso o juiz permita, trata-se de mera irregularidade.

P.1. TODAS as provas serão produzidas na AUDIÊNCIA de instrução. O juiz poderá excluir as excessivas,
impertinentes ou protelatórias.

P.2. Do ocorrido, lavrar-se-á TERMO, assinado pelo juiz e partes, com BREVE RESUMO dos fatos e a
SENTENÇA.

P.3. A sentença DISPENSA RELATÓRIO. Mas deverá indicar os FUNDAMENTOS de CONVICÇÃO do juiz.
82. RECURSO CABÍVEL. Da decisão que REJEITAR a denúncia/queixa, bem como da SENTENÇA
DEFINITIVA, caberá APELAÇÃO. O prazo é de 10 (DEZ) dias, contados da CIÊNCIA da decisão. Nela, as
RAZÕES já devem ser juntadas JUNTAMENTE com a INTERPOSIÇÃO. A apelação será julgada por TURMA
composta de TRÊS juízes de PRIMEIRO GRAU, reunidos na SEDE do juizado. CAI PRA CARALHO!!!

OBS.: da decisão que HOMOLOGA a TRANSAÇÃO, bem como da SENTENÇA FINAL, também cabe
APELAÇÃO (10 dias). Juízo ad quem: Turma Recursal.

Homologada a COMPOSIÇÃO, porém, NÃO há RECURSO.

STF: se as RAZÕES não forem oferecidas conjuntamente, entende-se que NÃO HOUVE RECURSO.

P.2. O RECORRIDO será intimado para oferecer resposta em 10 (DEZ) dias.

P.3. As partes poderão requerer a transcrição da fita magnética.

P.4. As partes serão intimadas da DATA do JULGAMENTO do recurso via IMPRENSA.

P.5. Se a sentença for CONFIRMADA pelos PRÓPRIOS FUNDAMENTOS, a SÚMULA do julgamento servirá
de ACÓRDÃO.

83. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO: cabível quando houver OBSCURIDADE – CONTRADIÇÃO – ou


OMISSÃO.

P.1. A partir da CIÊNCIA da DECISÃO, os EMBARGOS poderão ser propostos no prazo de 05 (CINCO) dias,
por ESCRITO ou ORALMENTE. CAI PRA CARALHO!!!

Obs.1: os EMBARGOS de declaração INTERROMPEM o prazo para a INTERPOSIÇÃO de outros RECURSOS.

Obs.2: meros ERROS MATERIAIS podem ser corrigidos DE OFÍCIO.

EXECUÇÃO

84. Se for aplicada EXCLUSIVAMENTE a pena de MULTA, o seu CUMPRIMENTO será feito mediante
pagamento DIRETO na SECRETARIA do JUIZADO.

PU. Uma vez efetuado o pagamento, o juiz EXTINGUIRÁ a PUNIBILIDADE, determinando que a
condenação NÃO CONSTE dos registros criminais, EXCETO para fins de REQUISIÇÃO JUDICIAL.

Em caso de MULTA não paga, a súmula 521 do STJ: “a legitimidade para execução de multa não paga é
EXCLUSIVA da FAZENDA PÚBLICA”. Novo art. 51 do CP. Embora o MP não tenha legitimidade para propor
a execução da multa não paga, PODERÁ propor medida CAUTELAR ASSECURATÓRIA para o pagamento
(STJ).

86. PORÉM: será processada perante ÓRGÃO COMPETENTE (juízo de EXECUÇÃO PENAL) a execução da
pena PRIVATIVA, RESTRITIVA, ou a de MULTA, se CUMULADA com estas.

DESPESAS PROCESSUAIS

87. Caso haja HOMOLOGAÇÃO da COMPOSIÇÃO civil ou da TRANSAÇÃO penal (aplicação direta da
restritiva de direitos ou multa), as DESPESAS processuais serão REDUZIDAS, na forma da lei ESTADUAL.
DISPOSIÇÕES FINAIS

88. Além das hipóteses do CP e da legislação especial, estão sujeitos a REPRESENTAÇÃO os crimes de
LESÃO CORPORAL LEVE e CULPOSA.

89. ATENÇÃO quanto à SUPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO:

(a) Quando a pena MÍNIMA cominada for IGUAL ou INFERIOR a 01 (UM) ano, abrangido ou não pela lei
9.099.

(b) Em regra, o MP oferece a SUSPENSÃO no ato da DENÚNCIA.

(c) Requisitos: (i) NÃO esteja sendo PROCESSADO por outro CRIME; (ii) ou NÃO tenha sido condenado
por qualquer outro CRIME; (iii) presentes os requisitos que AUTORIZARIAM a SUSPENSÃO da PENA
(sursis).

Suspensão condicional DA PENA (CP, art. 77):

i. o condenado não seja REINCIDENTE em crime DOLOSO.


ii. a CULPABILIDADE, os ANTECEDENTES, a CONDUTA social, bem como os MOTIVOS e CIRCUNSTÂNCIAS
do crime indiquem cabível o benefício.
iii. NÃO seja indicada ou cabível a suspensão do art. 44 do CP (pena privativa de liberdade por restritiva
de direitos).

P.1. A condenação ANTERIOR a pena de MULTA não impede a CONCESSÃO do benefício.

Como a suspensão do PROCESSO se pauta pela pena MÍNIMA, entende-se que ela TAMBÉM pode ser
oferecida em processos que NÃO sejam do JECRIM.

A JURISPRUDÊNCIA admite suspensão do PROCESSO para pessoas condenadas por outros crimes, DESDE
que já tenha passado o período DEPURADOR (ou seja, mais de 05 – CINCO – anos, entre a data da
EXTINÇÃO da pena anterior e o cometimento do novo delito).

P.1. A proposta DEVE ser ACEITA pelo ACUSADO e por seu DEFENSOR, na PRESENÇA do JUIZ. Daí, o juiz
poderá SUSPENDER o PROCESSO, submetendo o acusado a período de PROVA, mediante as seguintes
CONDIÇÕES:

I. REPARAÇÃO do dano, salvo IMPOSSIBILIDADE.


II. PROIBIÇÃO de frequentar DETERMINADOS lugares.
III. Proibição de se AUSENTAR da COMARCA em que reside, sem que haja AUTORIZAÇÃO do JUIZ.
IV. COMPARECIMENTO MENSAL e OBRIGATÓRIO ao juízo, para informar e justificar as suas ATIVIDADES.

A Lei 9.099 NÃO traz a quantidade de tempo que o processo ficará suspenso. No livro, fala-se que será de
2 a 4 anos (mesmo período da suspensão condicional da PENA).

STJ: a aceitação da SUSPENSÃO, pelo acusado, NÃO prejudica a ANÁLISE de HABEAS CORPUS impetrado
para o TRANCAMENTO da ação penal. Isso porque, ora, durante o período de prova, o acusado ainda fica
sujeito ao cumprimento das condições impostas.

A SUSPENSÃO apenas produz efeitos após a HOMOLOGAÇÃO. Se o juiz NEGA a homologação, tal decisão
desafia RESE.

P.2. O juiz PODERÁ especificar ainda OUTRAS condições, se adequadas ao FATO e à condição PESSOAL
do acusado.
P.3. REVOGAÇÃO OBRIGATÓRIA. A SUSPENSÃO SERÁ REVOGADA se, no período de prova, o acusado
FOR PROCESSADO ou NÃO EFETUAR, sem justificativa, a REPARAÇÃO do DANO. CAI PRA CARALHO!!!

P.4. REVOGAÇÃO FACULTATIVA. A suspensão PODERÁ (FACULDADE do juiz) ser revogada se, no período
de prova, o acusado for processado por CONTRAVENÇÃO ou DESCUMPRIR qualquer das CONDIÇÕES
impostas. CAI PRA CARALHO!!!

P.5. Expirado o prazo sem revogação, o juiz EXTINGUIRÁ a PUNIBILIDADE.

O TÉRMINO do período de PROVA NÃO enseja AUTOMATICAMENTE a EXTINÇÃO da punibilidade. Antes,


será preciso verificar se o acusado não foi denunciado por outro delito, bem como se cumpriu as
condições impostas pelo juízo. Aliás, é possível a revogação da suspensão APÓS o período de prova,
DESDE que os fatos ensejadores da revogação tenham ocorrido nesse período.

CUIDADO: a SUSPENSÃO condicional do processo NÃO é um direito SUBJETIVO do acusado. É, ao revés,


um PODER-DEVER do MINISTÉRIO PÚBLICO, que, preenchidos os requisitos legais, deverá oferecê-la. Não
oferecendo, o juiz APLICARÁ o 28 do CPP.

P.6. Durante o prazo da SUSPENSÃO do PROCESSO, a PRESCRIÇÃO fica SUSPENSA.

P.7. Caso o acusado não aceite a proposta de suspensão, o processo seguirá normalmente.

90-A. A lei 9.099 NÃO se aplica à justiça MILITAR.

SÚMULAS:

696, STF: reunidas as condições da SUSPENSÃO do processo, mas recusando-se o promotor a propô-la, o
juiz aplicará o 28 do CPP.

723, STF: em se tratando de crime CONTINUADO, NÃO se admite a SUSPENSÃO do PROCESSO se a soma
da pena MÍNIMA da infração MAIS GRAVE com o aumento MÍNIMO de 1/6 for SUPERIOR a UM ano. CAI
PRA CARALHO!!!

243, STJ: a SUSPENSÃO do processo NÃO se aplica em concurso MATERIAL, FORMAL ou em


CONTINUIDADE quando a pena MÍNIMA, seja pelo SOMATÓRIO ou pela MAJORANTE, ultrapassar UM
ANO.

337, STJ: é CABÍVEL a SUSPENSÃO do processo na procedência PARCIAL da pretensão punitiva e na


DESCLASSIFICAÇÃO do crime.

536, STJ: a SUSPENSÃO e a TRANSAÇÃO não se aplicam à MARIA DA PENHA.

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

Lei 9.605/1998 (Crimes Ambientais), art. 27: em crimes AMBIENTAIS, a TRANSAÇÃO apenas será admitida
quando houver PRÉVIA COMPOSIÇÃO do DANO ambiental, SALVO comprovada IMPOSSIBILIDADE.
Inclusive, a lei permite que, visando à REPARAÇÃO do dano AMBIENTAL, o prazo da suspensão seja
EXTRAPOLADO. CAI BASTANTE!!!

ESTATUTO DO IDOSO, art. 94: muito CUIDADO: para o Estatuto do IDOSO, crimes com pena MÁXIMA de
04 (QUATRO) anos já podem ser considerados IMPO (JECRIM). No entanto, a TRANSAÇÃO e a
COMPOSIÇÃO CIVIL obedecem à Lei 9.099: apenas podem ser aplicadas se a pena MÁXIMA for de 02
(DOIS) anos.
Lesão CULPOSA praticada no TRÂNSITO: presentes as hipóteses do art. 291, § 1º, do Código de Trânsito,
NÃO será admitida a TRANSAÇÃO ou a COMPOSIÇÃO. Será de ação pública INCONDICIONADA. Além
disso, será instaurado INQUÉRITO POLICIAL (e não TC).

ABUSO DE AUTORIDADE: o STJ entende que é POSSÍVEL o oferecimento de TRANSAÇÃO penal.

QUESTÃO que já caiu (CESPE): promotor ofereceu suspensão do processo de 04 anos a réu que, embora
JÁ TENHA SE BENEFICIADO da suspensão em processo anterior há 03 anos, cumpria os outros requisitos.
A alternativa foi considerada CORRETA, justificando-se pela DISCRICIONARIEDADE REGRADA do
MINISTÉRIO PÚBLICO para o oferecimento. (Discordo!).

No JECRIM, NÃO se admite NENHUMA espécie de citação FICTA!

Sendo a ação condicionada ou incondicionada, uma vez DESCUMPRIDOS os requisitos da TRANSAÇÃO, o


MP PODERÁ requerer a INTIMAÇÃO do réu para que ele JUSTIFIQUE o descumprimento.

O promotor pode oferecer a TRANSAÇÃO, ainda que tenha havido a COMPOSIÇÃO CIVIL dos danos.

Em se tratando de TENTATIVA, o cálculo para se aferir a possibilidade de SUSPENSÃO do processo deverá


ser: REDUÇÃO MÁXIMA (2/3) sobre a pena MÍNIMA, devendo o resultado ser igual ou menor a 01 (UM)
ano.

INDIOSSINCRASIAS: (a) para o MPSP, o TC, em se tratando de crime CONDICIONADO, NÃO precisa de
representação do ofendido para ser instaurado; (b) para o MPPR, por um outro lado, é IMPRESCINDÍVEL
a REPRESENTAÇÃO da vítima para a INSTAURAÇÃO do TC.

A COMPOSIÇÃO de danos civis é cabível em QUALQUER tipo de ação penal. Lembretes: (a) a celebração
da COMPOSIÇÃO civil, em se tratando de ação INCONDICIONADA, NÃO acarreta a EXTINÇÃO da
punibilidade – possibilita-se ao MP ainda oferecer a TRANSAÇÃO penal e, em última caso, até DENÚNCIA;
(b) em se tratando de ação CONDICIONADA, prévia COMPOSIÇÃO há de IMPEDIR a TRANSAÇÃO penal.

O juiz não pode aplicar suspensão ou transação de ofício, hein.

Embora outras INTIMAÇÕES possam ser realizadas por QUALQUER meio IDÔNEO, a CITAÇÃO do acusado,
no JECRIM, será SEMPRE pessoal (tanto que não cabe citação ficta!).

Na audiência, o advogado apresenta a defesa oral ANTES do recebimento da denúncia. Veja: a audiência
de instrução começa com o juiz dando a palavra à defesa.

As causas AGRAVANTES de pena NÃO são consideradas para a SUSPENSÃO condicional do processo.

É POSSÍVEL a TRANSAÇÃO para aqueles que foram beneficiados por ela nos CINCO anos anteriores. Como,
para esse caso, o legislador NÃO estabeleceu requisito TEMPORAL, é possível contar com essa
possibilidade. CAI BASTANTE!!!

PREVENÇÃO NÃO é capaz de firmar competência do JECRIM.