Você está na página 1de 65

Trades About happen

Traders Sobre Acontecer

Fundada em 1807, a John Wiley & Sons é a mais antiga publicação independente companhia nos
Estados Unidos. Com escritórios na América do Norte, Europa, Austrália, e Ásia, Wiley está
globalmente comprometida com o desenvolvimento e marketing produtos e serviços impressos
e eletrônicos para o profissional de nossos clientes e conhecimento e compreensão pessoal.

A série Wiley Trading apresenta livros de traders que sobreviveram o temperamento em


constante mudança do mercado e prosperaram – alguns reinventando sistemas, outros
voltando ao básico. Se um novato comerciante, profissional ou em algum lugar intermediário,
esses livros fornecerão os conselhos e estratégias necessárias para prosperar hoje e no futuro.
Para uma lista de títulos disponíveis, visite nosso site em www.WileyFinance.com.

Traders Sobre Acontecer

Uma adaptação moderna do Método de Wyckoff


David H. Weis
Prefácio do Dr. Alexander Elder

Este livro é dedicado a minha esposa, Karen, e para a memória dos meus pais.

Pois os deuses percebem as coisas no futuro;

Coisas de pessoas comuns no presente;

Mas os sábios percebem as coisas prestes a acontecer.

- Philostratus, vida de Apolônio de Tiana

Prefácio xi

Agradecimentos xiii

Introdução 1

Capítulo 1 Onde Encontrar as Operações 7

Uma visão geral

Capítulo 2 Linhas de Desenho 11

Capítulo 3 A História das Linhas 27

Capítulo 4 A Lógica dos Gráficos de Barras de Leitura 47

Capítulo 5 Molas 73
Capítulo 6: Upthusts 95

Capítulo 7 Absorção 107

Capítulo 8 Estudos Gráficos 117

Capítulo 9 Leitura de fita Parte I 127

Capítulo 10 Leitura de fita Parte II 163

Capítulo 11 Ponto & Figura e Renko 179

Sobre o autor 199

Índice 201

”Quando você vai pescar em um lago, você não sai para o meio e jogue uma linha na água. Você
vai onde os peixes vivem - em volta as bordas e perto das árvores submersas. Mesma maneira,
você entra em negociações perto do bordas de zonas de congestionamento, onde os touros ou
ursos estão tão esgotados que um pequena quantidade de pressão pode reverter uma
tendência.”

Eu ouvi muitas vezes estes e outros pronunciamentos, proferidos em David Sotaque do sul, em
meus campos de traders. Agora é um prazer vê-los seu livro, disponível para você mesmo se
você não puder viajar para um acampamento de uma semana e estudar com David em pessoa.

David é um homem quieto que passa dia após dia em solidão em sua sala de negociação, mas
ele tem desempenhado um grande papel no desenvolvimento de muitos graves comerciantes.
Ao discutir mercados com amigos, muitas vezes ouço: “É aqui que David traçaria uma linha. ”Sua
maneira de ler gráficos foi aceita por centenas de seus alunos.

Expandindo obras clássicas de Richard Wyckoff, escrito quase um século atrás, David construiu
uma moderna superestrutura de análise de mercado.

A mudança das alturas das barras de preços, acompanhada de barras em ascensão ou queda de
volume são os elementos básicos irredutíveis a partir do qual David constrói sua análise de
mercado. Ele usa esses padrões para ler o comportamento das multidões todos os mercados e
prazos - e depois colocar suas ordens.

Todos os negócios deixam rastros indeléveis nos gráficos de preço e volume. David foca neles -
e esses gráficos falam com ele. Agora, neste livro, ele ensina você lê a língua deles.

O foco aguçado de David no comportamento preço / volume me faz lembrar de um professor


Eu tive na faculdade de medicina. Ela era tímida e um pouco surda, e geralmente ficava de pé

as costas durante grandes rodadas. Nós sabíamos que ela era tão observadora e tão

em sintonia com a linguagem corporal dos pacientes que quando os professores discordavam
sobre um diagnóstico, eles pedem sua opinião. Uma pessoa que observa atentamente, no

base de uma grande experiência e sem qualquer agenda oculta pode ver mais profundo do que
a maioria.
Uma leitura cuidadosa deste livro abrirá seus olhos para a enorme importância de falsos
rompimentos - o que David chama de molas (quando apontam para baixo) e upthrusts (quando
eles apontam para cima). Ele promete: “uma vez que você esteja sintonizado o comportamento
de uma mola e upthrust seus olhos serão abertos a uma ação sinal que funciona em todos os
períodos de tempo. A primavera pode fornecer o impulso para um pop curto prazo jogável por
day-traders ou servir como o catalisador para ganhos de capital de longo prazo. ”

Tendo sentado por horas no fundo da sala enquanto David estava dando palestras e mostrando
exemplos de comércio, falsas fugas tornaram-se um dos meus principais padrões para negociar.
Agora você pode ser guiado através de dezenas de gráficos por David, movendo-se para frente
barra por barra, como você aprende a ler suas mensagens e antecipar reversões de tendência.

O capítulo sobre absorção vai ensiná-lo a avaliar a força da tendência atual. Essa tendência está
avançando como "a falange grega marchando ao longo da planície de Tróia ”, como diz Davi - ou
seu avanço

sendo absorvido pela oferta crescente, que precede uma reversão? Agora, como seu olhos se
movem nos gráficos de David, você verá como o preço e o volume deles os padrões revelam
suas fraquezas ou forças secretas.

Não se apresse enquanto lê este livro. Para aproveitar ao máximo, você precisa

deixe suas muitas mensagens afundarem. Certifique-se de aplicar os conceitos de David aos
atuais gráficos, observe-os se abrir para você e tornar-se mais significativo antes Voltando ao
livro e estudando outra dúzia de páginas. Isso não é uma rapidinha livro - levou David anos para
escrever, e quanto mais atenção você dá, o mais profundo será o seu benefício.

Leitura feliz e troca feliz!

Dr. Alexander Elder www.elder.com New York City, 2013

Agradecimentos

Eu sou totalmente grato ao meu amigo de longa data, Dr. Alex Elder, que permitiu eu para
participar de seus campos de comércio exóticos. Ele tem sido a condução força por trás da
escrita deste livro. Ele sempre esteve disposto a oferecer apoio e sugestões úteis, e ele abriu as
portas para fazer a publicação por Wiley possível. Também sou grato à ajuda recebida de Alfred
Tagher e Bob Fulks. Eles têm sido fundamentais na programação das minhas ferramentas de
gráficos personalizados. Além disso, para meus muitos alunos cujas necessidades ajudou-me a
cristalizar diferentes abordagens para ensinar o material de Wyckoff.

Como ex-professora, considero seus sucessos a minha maior recompensa.

Introdução

Richard Wyckoff veio a Wall Street em 1888. Os detalhes de sua Carreira de 40 anos é narrada
em sua autobiografia, Wall Street Ventures e aventuras (1930). Os contos dos grandes
operadores que ele observou e os dentro da história de suas campanhas manipulativas fazem
uma leitura interessante. Mas sua busca para desenvolver um "julgamento treinado" para
negociação oferece o mais atraente e história inspiradora. Descrevendo seu progresso a partir
de 1905, Wyckoff

escrevi:

Eu já tinha passado a maior parte de dezessete anos em Wall Street – como um menino,
balconista, sócio silencioso e sócio gerente na Bolsa de Valores casas. Mas com tudo que eu
tinha visto, estudado e observado, eu ainda não tinha plano definido ou método para fazer
dinheiro no mercado de ações, seja para meus clientes ou para mim mesmo.1

1 Richard D. Wyckoff, Wall Street Ventures and Adventures (New York: Greenwood Press, 1968),
134.

Até este ponto de sua carreira, dois tópicos fluem através de suas experiências.

Primeiro, grandes traders gastam horas estudando transações de ações à medida que aparecem
na fita ticker. Em segundo lugar, ele viu a necessidade de uma faculdade ou educacional serviço
para ensinar o “funcionamento interno do mercado de ações”. Ele queria mostrar como o
público foi repetidamente derrubado pelos grandes manipuladores no mercado. No final de
1907, como Wall Street sofreu com o tremor de outro Em pânico, Wyckoff decidiu escrever uma
publicação educacional – uma revista chamada The Ticker - composta por artigos sobre o
mercado de ações.

A maior parte da escrita repousava nos ombros de Wyckoff e a pressão para encontrar novo
material levou-o em muitas facetas do estoque, títulos e commodities mercados. Ele testou
métodos mecânicos de negociação baseados em estatísticas e inúmeras teorias apresentadas a
ele pelos leitores. Enquanto ele finalmente mudou-se em uma direção diferente, ele percebeu
que os gráficos forneciam um registro melhor do histórico de preços do que estatísticas puras.
Como seu estudo de gráficos e estoque as técnicas do mercado progrediram, ele se virou para a
fita. “Eu vi mais e mais que a ação das ações refletia os planos e propósitos daqueles que
dominou-os. Comecei a ver possibilidades de julgar a própria fita o que estas mentes mestras
estavam fazendo ”. 2

2 Ibid., 168.

3 Ibid., 176.

Sob a orientação de um antigo andar comerciante na bolsa de valores, Wyckoff começou um


estudo sério de leitura de fita.

Suas observações se tornaram o ímpeto para uma série de artigos de leitura em fita O Ticker e
seus leitores clamavam por mais. Esta série original de artigos

forneceu o material para o primeiro livro de Wyckoff, Studies in Tape Reading, publicado em
1910 sob o pseudônimo de Rollo Tape. Sobre este livro, Wyckoff mais tarde escreveu em sua
autobiografia:

Curso de Instrução em Ciência e Técnica do Mercado Acionário; e Divisão Dois, A

Curso de Instrução em Leitura de Fita e Negociação Ativa. Wyckoff morreu em 1934.

Desde 1934, o "curso de Wyckoff", como é conhecido, preservou o conceito de Wyckoff. lugar
no panteão dos mestres do mercado. Milhares de traders e investidores Faça o curso, que ainda
é a hoje em dia na Bolsa de Valores Instituto em Phoenix, Arizona. Nos últimos 80 anos, o curso
foi modificado e atualizado para o adepto nas condições de mercado sem perturbando o
trabalho original de Wyckoff. Ele contém os detalhes específicos de Métodos comerciais /
analíticos de Wyckoff. Seu capítulo sobre "Determinando o Tendência do mercado pelo gráfico
de barras verticais da NY Times Average of 50 ações ”capta a essência de seu trabalho e fornece
uma luz orientadora para o meu livro.

Muitos estudantes que fazem o curso de Wyckoff hoje se concentram nos modelos de
acumulação e distribuição. Wyckoff nunca imaginou tal interpretação de acumulação e
distribuição. Eles foram adicionados após sua morte. Ele certamente discutimos algumas das
características do comportamento do mercado que foram incorporadas nesses modelos. A
acumulação e distribuição são ensinadas hoje comportamento revelado em gráficos de barras
com volume. No entanto, quando Wyckoff mencionou estes termos, foi principalmente em
relação aos gráficos de ponto e figura e nunca com componentes específicos. É minha opinião
que estes modelos foram criados por ele ex-associados para adicionar especificidade ao curso.
Como expresso em sua autobiografia, Wyckoff queria ensinar aos alunos como desenvolver a
sensação de um profissional intuição. A especificidade vende melhor que a intuição; é mais
tangível. Acredito há muita dependência em reconhecer padrões de comportamento em vez de
na arte de ler gráficos de barras. Esses padrões podem se tornar rapidamente um cookie
estampas, como formações geométricas, em que o movimento de preços é recheado por
aqueles que procuram uma solução rápida e sem pensar. Eles levam a rígidos ao invés de
criativos pensando. Eles muitas vezes frustram o novo aluno da análise de Wyckoff que pode
Não percebo que o mundo da leitura de gráficos é cinza, não preto ou branco. Uma tem a ter
uma mente aberta, em vez de se fixar em um ideal preconcebido. Enquanto o metáforas criadas
por Bob Evans, um famoso professor do curso de Wyckoff, descrevendo molas, empurrões para
cima, linhas de gelo (springs, up‐thrusts, ice lines), e assim por diante, são coloridos e instrutivos,
Wyckoff nunca usou tal terminologia; no entanto, isso não os torna proibido ou inútil. Pelo
contrário, eles são muito úteis. Wyckoff foi o primeiro e acima de tudo um leitor de fita. À
medida que os mercados se tornaram mais robustos e voláteis, ele aplicou suas habilidades de
leitura de fita para leitura de gráfico de barras, onde a ênfase é colocada na faixa de preço,
posição do fechamento e volume. Wyckoff obviamente conhecia o importância das linhas de
tendência, canais e linhas de suporte / resistência; Contudo, eles recebem uma cobertura maior
no curso moderno.

Eu pedi emprestado dos escritos originais de Wyckoff, bem como os conceitos de Bob Evans.
Minha abordagem, que incorpora faixa de preço (price range), fechar e volume, também utiliza
o que eu chamo de "a história das linhas", isto é, a história do comportamento preço / volume
enquadrado e interconectado por linhas desenhadas em gráficos. As linhas trazem o movimento
do preço em foco e guiam um para o comportamento que solicita ação no mercado. Assim, estou
tentando encontrar negocia em gráficos, em vez de descobrir se a acumulação ou distribuição é
tomando lugar. Uma verdadeira mina de ouro de informação está no método de Wyckoff leitura
de gráficos de barras. Tornou-se uma arte perdida.

O objetivo do meu livro é mostrar como se pode interpretar logicamente Gráficos e Gráficos de
Sustentabilidade para Negócios em Destaque a acontecer. Ao estudar o gráfico neste livro,
acredito que o leitor tenha uma visão tremenda lendo o que os mercados dizem sobre si
mesmos. Pode parecer tedioso no começo, mas, da prática e repetição, vai se uma segunda
natureza. Ele lhe permite localizar o giro pontos de diferentes graus.

Nos estudos que aparecem ao longo deste livro, nós iremos:


■ Comparar o esforço da compra ou venda com a recompensa (ou seja, volume

versus progresso ascendente ou descendente).

■ Preste atenção à facilidade de movimento ou falta de movimento (ou seja, barras de preço
amplas versus barras de preço estreitas).

■ Considere o significado do fechamento dentro do intervalo de uma barra de preço.

■ Preste atenção para encurtar o impulso para cima ou para baixo.

■ Observe o acompanhamento ou a falta de acompanhamento após penetrações

de suporte / resistência (isso inclui a noção de molas e upthrusts).

■ Observe os testes de áreas de alto volume ou “vertical”, onde o preço acelerou

para cima ou para baixo.

■ Considere a interação de preço com linhas de tendência, canais e linhas de suporte /


resistência, que muitas vezes destacam a história de preço / volume.

Na segunda metade deste livro, apresentarei as adaptações que fiz para Ferramentas originais
de fita de leitura de Wyckoff, que são mais adequadas para o enorme volatilidade dos mercados
de ações e futuros de hoje. Estes podem ser aplicados a movimento de preço diário e intradiário,
e software foi criado para uso em tempo real. Para encontrar negociações em qualquer tipo de
gráfico, seremos guiados pelos seguintes declaração, feita há muito tempo por Richard Wyckoff:

Leitura de fita bem sucedida [leitura de gráficos] é um estudo da Força. Isso requer capacidade
de julgar qual lado tem o maior poder de atração e um deve tenha a coragem de ir com esse
lado. Existem pontos críticos que ocorrem em cada balanço, assim como na vida de um negócio
ou de um indivíduo. Nestes momentos, parece que o peso de uma pena de cada lado
determinaria a tendência imediata. Qualquer um que possa identificar esses os pontos têm
muito a ganhar e pouco a perder.4

4 Rollo Tape [pseud.], Studies in Tape Reading (Burlington, VT: Fraser, 1910), 95.

Depois de ler este livro, garanto que você nunca mais voltará ao anterior maneira que você
visualizou gráficos. Eu não tenho segredos e vou ensinar tudo o que sei sobre Wyckoff e
comportamento de preço / volume. Confúcio disse: “Um verdadeiro professor é um quem sabe
(e divulga) o Novo, revitalizando o Velho. ”

Onde Achar Comércios

Capítulo 1

Encontrar negócios é como encontrar peixes. Os peixes podem ser capturados aleatoriamente
em qualquer parte de um lago, mas eles tendem a se reunir em áreas específicas em momentos
diferentes do ano. Da mesma forma, grandes negociações podem ser ligadas a qualquer ponto
de um gráfico, mas eles aparecem com maior frequência em torno das margens dos intervalos
de negociação. Intervalos de negociação não possuem padrões definidos. Os preços podem
torcer e entregar Uma miríade de maneiras antes de um intervalo de negociação ser resolvido.
Em geral, no entanto, faixas de negociação são retangulares com preços balançando para frente
e para trás entre os limites superior e inferior ou enrolando-se em ápices. Mas nós somos
preocupado com a dinâmica das faixas de negociação, em vez de qualquer forma. Quando as
faixas de negociação evoluem ao longo de muitos meses ou anos, elas expandir seus limites e
conter vários intervalos menores. Os limites de intervalos de negociação são repetidamente
testados e / ou penetrados como os compradores e os vendedores lutam pelo domínio. Sempre
que os limites são violados, follow-through (seguir até ) ou a falta de follow-through torna-se o
fator decisivo. Depois que surtos ou interrupções ocorrem, os preços muitas vezes reavaliam
essas áreas. Nos próximos capítulos, examinaremos as características do preço /
comportamento de volume nesses vários pontos. Tenha em mente que estamos lidando com
Intervalos de negociação de todos os tamanhos e não apenas em topos ou fundos. O
comportamento descrito aqui ocorre em todos os gráficos, independentemente do seu período
de tempo. Com prática, pode-se identificar prontamente as áreas de comportamento circuladas
na Figura 1.1. Uma visão geral

O primeiro passo envolve desenhar as faixas de negociação - uma tarefa aparentemente fácil
isso requer um olho para relações horizontais.

Figura 1.1 Onde Encontrar Diagrama de Trades

Shortening of Thrust - Encurtamento de empulso

Upthrust – Empulso para cima

Breakout - Saida

Test Breakout - Teste de fuga


Absorption - Absorção

Test Spring - Mola de teste

Spring - Mola

Breakdown - Queda

Test Breakdown - Teste de Quada

Olhe para as seis faixas de negociação (TR1-TR6) na Figura 1.2 da Nasdaq futuros. Ao enquadrar
repetidamente as linhas de suporte e resistência, vemos como tendências consistem em
intervalos individuais e os pontos de viragem emergem de outro modo emaranhado de
movimento de preços. Esses pontos de virada - nascentes, upthrusts, absorção e testes de
breakout / breakdowns - servem como ação sinais.

Nos capítulos posteriores, o volume será incorporado ao entendimento deste comportamento


de preço. Mas, primeiro, nos concentraremos nas linhas. Lendo um gráfico sem linhas é como
estudar um mapa do mundo sem linhas de limite. É o assunto dos próximos dois capítulos e
serve como o primeiro passo no meu método para leitura de gráficos.

Figura 1.2 Gráfico diário de continuação do Nasdaq

Fonte: TradeStation.

Capítulo 2

Linhas de desenho
Muito de negociação e análise técnica parece fácil. Na Internet, por Por exemplo, você pode
encontrar todos os tipos de sistemas de negociação mostrando como foram iniciados no ponto
A e vendidos no ponto B para um lucro de 3.000 por cento em apenas quatro meses. Um livro
sobre análise técnica pode glorificar a compra de fugas ou a quebra de uma linha de tendência.
Tendências exigem fugas em ordem para persistir, mas, infelizmente, muitos falham. A
penetração de uma linha de tendência por se garante pouco. O que precedeu a quebra da linha
de tendência e a maneira como ela ocorreu revela mais. Então nós temos os céticos que
recorrem ao velho dizendo: "As linhas são desenhadas para serem quebradas". E daí?
Movimento de preço evolui e nós redesenhamos.

Suporte de desenho e linhas de resistência podem parecer o assunto de gráficos 101. Alguns
dizem que é para iniciantes. Mas você ficaria surpreso com quantas as pessoas não podem
adaptar o posicionamento de suas linhas para destacar o comportamento dentro de um
intervalo de negociação. Menos ainda aprenderam a reconhecer linhas em torno das quais os
preços giraram. Vamos primeiro olhar para uma negociação típica alcance e imagine que
estamos examinando a Figura 2.1 do Nível 3 de Comunicações do ponto de vista do dia mais à
direita (26 de dezembro de 2003). Nós vemos um grande movimentação lateral após a alta de
25 de setembro. Uma resistência linha é traçada através desta alta, e a baixa inicial em 2 de
outubro serve como o linha de apoio. Por que escolhi estes dois pontos para resistência e apoio
níveis? A alta e baixa em 15 e 24 de outubro poderiam ter funcionado igualmente bem, talvez
até melhor como o topo ocorreu em 15 de outubro. Em tempo real, eu pode ter enquadrado a
faixa de negociação com o máximo de outubro. Mas olhando Em retrospectiva, da direita para
a esquerda, as duas linhas arrojadas contam uma história melhor. Eles dramatize os fracassos
em outubro e novembro para subir ou descer.

Em dois desses pontos, os vendedores tentaram assumir o controle do estoque e baixar os


preços. Cada vez, no entanto, os compradores verificaram o declínio e preços recuperados. Esta
é uma informação importante. Diz-nos os compradores permanecer dominante. A linha de apoio
traz a luta entre os compradores e vendedores em foco. Durante a segunda quinzena de
dezembro, observe o levantamento de suportes à medida que os compradores superaram
gradualmente a pressão de venda. Tal aumento sustentado no preço com a maioria dos fecha
perto dos altos diários conta uma história mais otimista do que uma grande ação. Indica que o
estoque é em mãos fortes.
Figura 2.1 Gráfico diário das Comunicações de Nível 3 (LVLT)

Fonte: TradeStation.

A linha de resistência traçada ao longo da alta de 25 de setembro foi penetrada em 14 de


outubro, onde os preços registraram seu maior fechamento. Neste ponto, os compradores
estavam aparentemente no controle. No dia seguinte, no entanto, o vendedores voltaram o
avanço e levou os preços de volta para o comércio alcance. Esta ação de reversão ameaçou a
tendência de alta da baixa de agosto até que os preços se recusassem a quebrar em 24 de
outubro e 17 de novembro. a alta de outubro não desempenhou nenhum papel durante essa
faixa de negociação. Uma linha de resistência se formou em toda a alta de 4 de novembro, uma
vez que bloqueou os dois ralis em dezembro. Ele marcou a alta de uma faixa de negociação que
começou a partir de o 24 de outubro baixo. Não é incomum ver faixas de negociação dentro de
intervalos, especialmente quando se estendem por vários meses.

Desde que a faixa de negociação em LVLT abrangeu cerca de 20 por cento do pico de outubro
preço, temos que considerá-lo de tamanho intermediário. Nos gráficos horários, encontramos
muitos pequenas faixas de negociação que oscilam menos de 1% de alto para baixo. Estes
podem duram apenas alguns dias no máximo. Embora as linhas de suporte / resistência nem
sempre contar como uma história vívida sobre oportunidades fracassadas como vimos em LVLT,
elas mostram no caso de uma tendência de baixa) a progressão constante de baixas e altas
baixas.

Conforme demonstrado nas minas Agnico Eagle horária (Figura 2.2), as linhas revelam como os
preços interagem com as linhas traçadas anteriormente. Faixa de negociação AA » domina o
gráfico. Ele contém um intervalo menor, BC, que não suporta o mercado. A divisão para apoiar
a linha D leva a uma última reunião no maior faixa de negociação. Este rali termina com um
aumento no dia 17 de janeiro, 2012. O fraco nesta barra de preços revelou a presença de vendas.
A linha de suporte D também serve como uma linha de eixo, uma vez que os preços
repetidamente tentaram recuperar a partir de baixo. O último deles ocorreu na mudança do
suporte linha E. Ao desenhar essas linhas, o comerciante pode antecipar as oscilações de preços
para pico ou fundo em torno das linhas de suporte / resistência anteriores. Eles se tornam um
parte importante do arsenal de um profissional - especialmente quando combinado com linhas
de tendência, canais e comportamento de preço / volume.

Figura 2.2 Gráfico Horário das Minas Agnico Eagle

Fonte: TradeStation.

Algumas das linhas de eixo mais úteis aparecem nos gráficos diários. Na marcha Gráfico diário
das obrigações de 2006 (Figura 2.3), linha de resistência A, traçada Novembro de 2005 alta,
desde apoio em janeiro de 2006 e resistência duas vezes em fevereiro de 2006. Os dois ralis em
fevereiro foram os testes do colapso abaixo da linha A. A linha do eixo sozinha não revela força
ou fraqueza; nem sinaliza para comprar ou vender. Ele simplesmente mostra um nível que tem
repetidamente serviu como suporte e resistência. Os preços podem ter girado em torno de
várias semanas ou meses. Muitas vezes o rally final em uma formação superior ou o downswing
final em um fundo ocorrerá ao longo de uma linha de eixo. O que faz isso A linha mais
significativa é o comportamento preço / volume em torno dela. Mas um primeiro deve aprender
a ver as linhas. Com a prática, você será capaz de ver todos os relações lineares em um relance.
Figura 2.3 Gráfico Diário de Obrigações de Março de 2006

Fonte: TradeStation.

Quando desenhamos essas linhas horizontais, vemos repetidamente os movimentos falsos em


ambos os lados de um intervalo de negociação. Compare a fuga falsa em 15 de outubro em LVLT
(Figura 2.1) com o pico de janeiro nos títulos de março. Tudo isso comportamento se destaca
com o auxílio das linhas. Observe a pequena faixa de negociação LVLT no período de julho a
agosto de 2003. Como a liquidação de 17 de novembro, para uma reviravolta bullish depois de
um falso colapso. Faixas de negociação são horizontais Padrões Eles são resolvidos de três
maneiras: um longo período de movimento lateral que cansa os longos mais duros; pela
formação de 15 linhas de desenho um ápice em que a amplitude das oscilações de preços se
reduz a um ponto de equilíbrio; ou uma falsa quebra / avaria. Nos capítulos à frente, vamos
explicar muito mais desse comportamento.

Linhas de tendência descrevem o ângulo de avanço ou declínio. Eles são suporte dinâmico e
linhas de resistência, em oposição às linhas horizontais estáticas que enquadram intervalos de
negociação. Em uma tendência de baixa, uma linha de tendência é traçada sucessivamente
máximas baixas. Parece estranho que uma linha de tendência possa ser traçada através de altas,
exemplo, em janeiro e março, que mais tarde fornece resistência em julho e Setembro. Os
pontos de resistência em julho e setembro são conhecidos como toque pontos - isto é, coloca-
se dentro de uma tendência em que as altas são interrompidas contra a tendência linha. Pontos
de toque adicionam validade a uma linha de tendência. Em uma tendência de alta, uma linha de
tendência é desenhado através dos suportes ascendentes. É chamado de linha de demanda
(demand line), pois marca o ponto onde a compra surge repetidamente. Similarmente, a linha
de tendência de baixa através dos altos é chamado de linha de suprimento (supply line). Como
será discutido, estes são combinados para criar canais de tendência (trend channels).

Vamos começar com algumas amostras de linhas de tendência de alta. Normalmente, eles são
desenhados do ponto baixo de um declínio. Nós não queremos traçar uma linha de tendência
movimento dos preços para atingir o segundo ponto de ancoragem. Na continuação diária
gráfico da nota de 10 anos do Tesouro (Figura 2.4), vemos a mais simples linha de tendência de
alta. Os baixos de 4 de novembro e 5 de dezembro servem como âncora pontos (anchor point).
Esta linha forneceu suporte em três correções adicionais. Apesar os preços quebraram
ligeiramente abaixo da linha no ponto 3, eles rapidamente se recuperaram para faça uma nova
alta. Você pode ver imediatamente os riscos inerentes automaticamente indo curto apenas na
penetração de uma linha de tendência de alta. Como anteriormente afirmou, o comportamento
antes da quebra da linha de tendência e a maneira como ocorre a história. Depois de terminar
de ler este livro, o comportamento de baixa antes de o colapso de 25 de janeiro será aparente.
Dois meses depois, os 10 anos caiu abaixo de 10524.

Figura 2.4 Gráfico diário de continuação de nota de 10 anos

Fonte: MetaStock

Linhas de tendência são desenhadas a partir da perspectiva do último dia no gráfico. Um olha
através do gráfico como um agrimensor que vigia a terra para o desenvolvimento. Um segundo
gráfico LVLT diário (Figura 2.5) é mostrado até 1 de dezembro, 2005. Olhando para trás,
encaixamos uma linha de tendência menor no rally do Baixa de outubro. Nós não usamos o baixo
preciso como o primeiro ponto de ancoragem. Se nós A linha não se ajustaria ao ângulo de
avanço. Em vez disso, desenhamos a linha do baixo do quarto dia (ponto 1). Se uma linha de
tendência ascendente íngreme (“a”) for extraído desta baixa, passará pelo movimento de
preços. O baixo no ponto 2 é uma melhor segunda âncora para a linha é livre e clara de outros
preços e mais tarde fornece suporte no ponto 3. Mais um fator: no ponto 2, nós não sabemos
que os preços continuarão em alta. Ligar os pontos 1 e 2 cria um linha tentativa até que a alta
em "b" seja excedida. Um rally acima de “b” constitui uma tendência de alta. Eu não sou tão
terrivelmente rígido, pois a linha pode sempre ser redesenhada mais tarde. Se aplicássemos o
mesmo raciocínio ao gráfico de 10 anos (Figura 2.4), a linha de tendência de alta não seria
confirmada até o rally no final de dezembro excedeu a alta de novembro. Porque o toque de
dezembro aponta para 1 e 2 segure ao longo da linha, eu não hesitaria em desenhá-lo.

Figura 2.5 Gráfico diário do LVLT

Fonte: TradeStation.

Se o LVLT (Figura 2.5) tivesse subido imediatamente acima de 58.95 01 de dezembro, a linha de
tendência mostrada aqui não mais representaria o ângulo de antecedência. Uma nova linha
traçada a partir do ponto 1 não capturaria o ângulo de avançar. Isso também ocorre após longos
períodos de movimento lateral dentro de um maior tendência de alta. O gráfico mensal (Figura
2.6) do Dow do mês de março 2003 baixa fornece um bom exemplo. Aqui, temos uma linha de
tendência de alta desenhada nos mínimos de 2003 e 2004. Mas a correção do março de 2005
alta penetra nesta linha, e seis meses de movimento lateral seguem. Quando a tendência
recomeça, poderíamos redesenhar a linha de tendência dos anos 2003 e outubro 2005 baixos,
mas seria muito superficial. Uma melhor escolha envolve desenhar um segunda linha paralela e
ancorando-a na baixa de 2005. Isso mantém o ângulo de adiantamento original, mas não fez um
bom trabalho ao identificar Outubro de 2007 em alta.

Figura 2.6 Gráfico Mensal da Média Industrial Dow Jones

Fonte: TradeStation.

Referência a linhas paralelas nos leva ao assunto dos canais de tendência. Em um up-channel, a
linha de demanda é traçada através de baixos e uma linha de suprimento paralela é desenhado
através de um alto intervindo. A figura 2.7 descreve os pontos de ancoragem e a ordem na qual
eles estão conectados.
Figura 2.7 Diagrama Normal de Up-Channel

Você pode ver rapidamente esse padrão desenhando uma linha na parte superior ponto “b” no
gráfico LVLT (Figura 2.5). O up-channel ideal terá vários pontos de contato adicionais.

Deve capturar a maior parte do trabalho de preço dentro de seus limites.

Um rally acima do topo de um up-channel é geralmente uma melhor indicação de sobre compra
do que a maioria das ferramentas matemáticas.

Um mais interessante conjunto de canais aparece no gráfico diário de abril 2006 bois vivos
(Figura 2.8). Aqui temos pontos baixos em 1 e 2 nos estágios iniciais do avançar. O paralelo não
é desenhado através de uma alta intervenção. Em vez disso, é traçada através do início de
outubro alta em 90 centavos. Se a linha tivesse sido desenhada em toda a alta interveniente no
final de setembro, a linha de fornecimento teria passou por quase todo o trabalho de preço.

Nós temos que ser livres e criativos com a colocação de nossas linhas.

Ao mesmo tempo, não podemos forçar o colocação.

Você pode ver rapidamente o intervalo de negociação no topo do gráfico. Isto consiste em uma
falsa fuga acima da alta e uma abertura bem aberta que penetrava a parte inferior do intervalo.
Estas foram algumas das pistas que os preços estavam se virando. Eu não posso omitir o íngreme
canal baixo até abril de 2006 baixo. Você vê os três pontos de ancoragem e o rally anêmico em
meados de março. Observe como os preços subiram acima da linha de suprimento menor
durante este pequeno movimento lateral. Em abril, os preços despencaram para a linha de
demanda e invertido para cima. Este é o maior rally dentro da down-move. eu espero você vê a
licença obtida com os pontos de ancoragem usados neste canal. Talvez em tempo real eu teria
começado de forma diferente, mas uma vez que o contrato quebrou abaixo de 90 centavos, o
melhor canal teria se tornado aparente.
Figura 2.8 Gráfico Diário de Boi Gordo em Abril de 2006

Fonte: MetaStock

Algo mais tem que ser mencionado em relação aos up-channels. Bob Evans, um dos professores
mais proeminentes e entusiastas da Curso Wyckoff, usado para preparar fitas cassete em que
ele discutiu aspectos da leitura de gráficos. Ele inventou metáforas coloridas para descrever
diferentes tipos de comportamento de mercado. Em uma de suas fitas mais famosas, ele
compartilhou com seus ouvintes, uma ferramenta de aprendizado desenvolvida por um ex-
aluno. Era Chamado "The Tragedy da Shell Diver" (A tragédia dos mergulhadores da Shell) e lidou
com o comportamento após o colapso abaixo da linha de demanda de um up-channel. Ele
comparou o mercado subir dentro do canal para um mergulhador que pega conchas do fundo
do oceano e retorna para a superfície (ou seja, linha de abastecimento), onde ele os coloca em
um flutuante cesta. Em algum momento durante esta atividade, ele cai abaixo de sua
profundidade habitual (linha de demanda) e desenvolve uma cãibra. Ele tenta valentemente
alcançar a superfície mas fica aquém e rola pela última vez. No gráfico de gado, aponte 1 marca
a tentativa final de alcançar o topo do canal up. Deste conto, aprendemos a observar o caráter
do rally após o rompimento a linha de demanda. Se os preços recuperarem e aumentarem para
novos máximos, as probabilidades favorecem uma retomada da tendência de alta.

No gráfico mensal do Índice do Commodity Research Bureau (CRB) (Figura 2.9), vemos o
aumento “não-inflacionário” da baixa de 2001. Este avanço íngreme se encaixa perfeitamente
no canal de origem originalmente desenhado dos pontos 1, 2 e 3. Observe os numerosos pontos
de contato em datas posteriores.

Após a baixa em janeiro de 2005, quando os preços da energia começaram a subir


exponencialmente, o avanço aumentou e os preços tenderam ao longo da oferta linha. Uma
segunda linha paralela é desenhada a partir da altura no ponto 4 e para os dois movimentos
seguintes. Como ilustrado no gráfico mensal da Dow (Figura 2.6), uma segunda linha paralela
amplia um canal e fornece um guia útil para visualizar o movimento dos preços. No caso do
índice CRB, as linhas não indicam que a tendência de alta terminou. Ele se inclinou e continuou
por mais alguns anos.

Figura 2.9 Gráfico Mensal do Índice CRB

Fonte: TradeStation.

Mais um tipo de linha merece atenção.

É a linha de tendência inversa e canal de tendência reversa.

A aparência básica é esboçada na Figura 2.10. Eles são normalmente desenhados com linhas
tracejadas para separá-los linhas / canais de tendência normais. Algumas tendências de alta não
se ajustam ao normal canais que discutimos anteriormente. Por causa de sua inclinação, eles
exigem desenhar uma linha de tendência inversa entre os máximos crescentes - pontos 1 e 2.
Para fazer um canal ascendente invertido, uma linha paralela é traçada através de um intervindo
baixo. No diagrama (Figura 2.10), o preço não interage com a linha inferior do up-channel; no
entanto, no futuro, poderia fornecer suporte. Muitas vezes, uma linha de tendência normal se
combinará bem com uma linha de tendência reversa para formar linhas convergentes. Alguns
técnicos referem-se a isso como uma cunha crescente. No caso de uma tendência de alta, a
convergência as linhas indicam frequentemente que um rali é cansativo ou perde o ímpeto.
Quando os preços estão dentro de um padrão de linhas convergentes, geralmente significa o
declínio está se aproximando de um ponto baixo.
Figura 2.10 Diagramas de canais de tendência reversa

Fonte: TradeStation.

A Figura 2.11 apresenta um gráfico sem nome com os três tipos de reversão linhas de tendência
/ canais mencionados acima. O declínio no lado esquerdo do gráfico se encaixa em um down-
channel (AA) inverso. Ele é desenhado conectando os dois baixos, e depois o paralelo é anexado
ao alto interveniente. O canal ascendente invertido CC 'é muito mais íngreme e os movimentos
de preço acima da linha C. Observe o sell-off deste alto suporte encontrado na linha paralela C
’. Um movimento acima ou abaixo de uma linha de tendência reversa geralmente marcará o fim
de balanço.

Eu conheço um comerciante engenhoso que desenvolveu software mostrando Quantas ações


por dia atingiram ou excederam as linhas de tendência reversa.

Numa tendência de alta, um grande aumento no número destes indica frequentemente


mercado está vulnerável a uma desaceleração. Linhas BB 'não formam um canal reverso. A linha
B é uma linha de tendência inversa que, quando combinada com a tendência normal linha B ’,
forma o padrão convergente ou cunha.

Eu nunca considerei padrões gráficos de qualquer significado, exceto para este, como é mais
associado com ação final.
Figura 2.11 Exemplos de canais reversos

Eu não posso enfatizar o suficiente com que frequência um movimento acima ou abaixo de uma
tendência inversa linha / canal levará a uma inversão de tendência. A Standard & Poor’s (S & P)
gráfico diário de continuação (Figura 2.12) mostra o movimento dos preços após a baixa de
agosto de 2011. A faixa de negociação volátil AB foi resolvida por um impulso para novas baixas
e uma reversão para cima. Observe que esta reversão ocorreu depois a quebra abaixo da linha
de tendência inversa dentro da cunha em declínio. Círculos são desenhados em torno do
overshoot (passar um ponto) na baixa de 4 de outubro e de outubro 27 alto.
Figura 2.12 Gráfico diário de continuação do S & P

Fonte: TradeStation.

Este último estava acima do canal de tendência reversa e resultou em um sell-off (liquidação)
de 142 pontos. A linha B serviu como resistência e suporte durante os meses mostrados aqui.
Esta linha foi a plataforma de lançamento para um grande movimento para cima da baixa de
dezembro.

O gráfico trimestral de gado vivo (Figura 2.13) mostra um canal de tendência reversa
abrangendo muitos anos. Olhando para trás a partir da alta de 2011, pode-se detectar a linha
de tendência reversa (A) traçada através dos máximos de 1993-2003. O O aumento vertical de
preços em 2011 pressionou os preços acima dessa linha. O paralelo (A ’) a esta linha de tendência
reversa é traçada através da baixa de 1996. Nesta situação, o linha passa por alguns dos
movimentos de preços, mas foi um paralelo bastante do que uma linha de partida. Você vê com
que freqüência o mercado respeitou o paralelo linha. Ainda não poderia ter sido desenhado até
depois da alta de 2003. Um normal canal acima é traçado através dos mínimos de 2002-2009 (B)
com um paralelo a alta de 2003 (B ’). Price subiu ao topo deste canal onde nós tem uma
confluência de linhas. Juntos, eles ressaltam a magnitude do extremidade potencial.
Figura 2.13 Gráfico trimestral de gado vivo

Fonte: MetaStock

O mercado de ações atingiu um pico importante em outubro de 2007, e a maioria das questões
recusado em conformidade. Uma exceção foi o aço dos EUA (Figura 2.14), que se consolidou ao
longo de 2007. entrou em erupção em abril de 2008 e ganhou quase US $ 70 por ação nos
próximos dois meses. O movimento acima excedeu os limites de qualquer canal normal. Depois
que o estoque subiu acima do reverso linha de tendência em junho de 2008, a tendência de alta
finalmente chegou ao fim e os preços desabou. Como você pode ver, as linhas de tendência de
reversão acima e abaixo coloque um em alerta para uma inversão de tendência. Nenhuma outra
quebra de linha de tendência tem Valor preditivo.
Figura 2.14 Gráfico mensal de aço dos EUA

Fonte: TradeStation.

Algumas tendências de preço desafiam os canais. Seu avanço ou declínio é muito íngreme para
se encaixar em um canal normal ou ampliado. A tendência de alta no mês de julho Gráfico de
açúcar de 2006 (Figura 2.15) entre maio de 2005 e fevereiro de 2006 o problema. Dê uma olhada
nos cinco pontos rotulados no gráfico semanal. As únicas linhas que posso conceber começam
com os pontos 3 e 5. Uma linha paralela o ponto 4 não se sustenta quando os preços sobem
além de seu limite. Se alguém tira um segundo linha paralela no ponto 2, o canal ampliado
contém a maior parte do movimento dos preços até a alta final. Isso pode não ser uma maneira
totalmente “legal” de desenhar um canal porque a alta do segundo paralelo ocorreu antes de
pontos 3 e 5. Mas funciona. Suporte de desenho / linhas de resistência, linhas de tendência, e
os canais (normal, reverso ou ampliado) exigem mentalidade aberta. É preciso sempre
considerar outras possibilidades. Bastante mecânica; agora nós estão prontos para a história das
linhas.
Figura 2.15 06 de julho Quadro Semanal de Açúcar

Fonte: MetaStock

Capítulo 3

A história das linhas

Eu não posso enfatizar o suficiente a importância de desenhar linhas em todos os seus gráficos.
Eles contam uma história e destacam o comportamento preço / volume. Eles definir o ângulo
de adiantamento ou declínio dentro de uma tendência de preço, quando um mercado atingiu
um ponto de sobre compra ou sobre venda dentro de uma tendência, faixas de negociação de
quadros, retratam os preços em espiral até um ponto de equilíbrio (ápice), e ajudar a prever
onde esperar suporte ou resistência nas correções. Nós começará com um estudo do óleo de
soja. A figura 3.1 mostra o movimento dos preços no gráfico diário de continuação do óleo de
soja entre dezembro de 2001 e 6 de maio de 2002. Vamos supor que hoje seja 6 de maio e
estamos começando a examinar o comportamento neste gráfico. Eu primeiro começo com o
apoio e resistência linhas. A linha de suporte A é desenhada ao longo do dia 28 de janeiro. Linha
de resistência B é traçada através de 5 de fevereiro de alta e linha de resistência C em todo o 15
de março Alto. Ao estender essas linhas horizontais pelo gráfico, vemos como mais tarde
correções em março e maio encontraram apoio ao longo da linha B.
Quando uma linha alternadamente serve como suporte e resistência, eu me refiro a ele como
uma linha de eixo.

Preços tendem a girar em torno dessas linhas de eixo.

Em seu trabalho monumental, Técnico Análise de Stock Trends, Edwards e Magee forneceram
um dos mais extensos discussões de linhas de suporte e resistência. Enquanto eles nunca
mencionaram linhas de eixo no contexto descrito acima, eles notaram o fenômeno de linhas
horizontais alternadas como suporte e resistência:

Mas aqui está o interessante e o fato importante que, curiosamente o suficiente, muitos
observadores de gráficos casuais parecem nunca entender: estes níveis críticos de preços
mudam constantemente de papéis de suporte para resistência e da resistência ao suporte. Um
ex-top, uma vez que tenha sido ultrapassado, torna-se uma zona de baixo em uma tendência de
queda subsequente; e um fundo velho, uma vez que tenha sido penetrado, torna-se um top num
futuro fase de avanço.1

Figura 3.1 Gráfico diário de continuação do óleo de soja

Fonte: TradeStation.

As linhas de suporte / resistência também enquadram as duas faixas de negociação parte do


gráfico. Ao desenhar as linhas, podemos observar melhor as tentativas de ambos os lados para
sair, como ocorreu durante a guerra de trincheira da Primeira Guerra Mundial.

As numerosas fugas falsas em ambos os lados de uma faixa de negociação são testes
importantes da força das forças opostas.

Como será discutido mais tarde, muitas oportunidades de negociação de baixo risco são
fornecidas por esses testes.

Apenas uma linha de tendência importante pode ser desenhada nesta fase do mercado.
desenvolvimento. Na Figura 3.2, a linha de tendência T é desenhada ao longo de Baixos de
fevereiro. Observe como os preços interagiram com essa linha no início de maio. A linha paralela
T 'é desenhada ao longo da alta de março. Este é um up-channel normal onde uma linha de
suporte (ou linha de demanda) é desenhada através de dois baixos e um paralelo linha de
resistência (ou linha de suprimento) é desenhada através de uma alta intervenção.

Neste caso, o alto interveniente seria no final de fevereiro. Dada a subsequente movimento de
preços, uma linha através do alto intervindo real seria ser sem sentido. Portanto, ele é
desenhado em um ponto mais alto no gráfico. O ângulo de avanço representado pelo canal “TT”
acima não é íngreme e não conter um rali maior. Dois up-channels secundários são mostrados
no TT '. A primeira delas, do final de fevereiro a 15 de março, é um canal normal. O aumento
mais lento dos preços, desde a baixa de março até a alta de abril, também é canal acima normal.

Figura 3.2 Gráfico Diário do Óleo de Soja 2

Fonte: TradeStation.

Observe como o mercado subiu acima do topo deste up-channel em abril e também acima da
linha de resistência C, sem seguir adiante.

O aumento acima da linha de abastecimento do canal criou uma condição de sobre compra que
é mais confiável que os fornecidos por indicadores matemáticos.

Sem ficar muito à frente de nós mesmos, a posição do fechamento no primeiro dia indicava
mercado havia atendido a oferta (venda).

O downswing da alta de abril também é íngreme para desenhar canais de modo que uma linha
de tendência de baixa simples seja desenhada. Em certos pontos na luta entre compradores e
vendedores, os preços muitas vezes chegam a nexo ou confluência de linhas. Muitas vezes, essas
áreas produzem importantes pontos de viragem. Na alta de abril, vemos a linha de suprimento
de um pequeno up-channel reunião linha de resistência C. Na baixa de maio, temos linha de
tendência T, resistência linha B e uma pequena linha de tendência descendente. Quando existe
essa confluência de linhas, deve se estar atento para a possibilidade de ponto.

Eu raramente estabeleço um comércio baseado apenas na evidência de linhas de tendência.


Como será discutido posteriormente, outros fatores são levados em conta; no entanto, se um
queria fazer negócios com base em apenas um tipo de fenômeno técnico, as linhas serviriam
como um excelente guia.

A Figura 3.3 mostra o movimento dos preços até a segunda semana de julho 2002. Nós vemos
imediatamente que o avanço da baixa de maio começou com um rápido aumento de quatro dias
e, em seguida, diminuiu para um caso ordenado de escada. De várias canais poderiam ter sido
retirados diferentes pontos de virada do mês de maio baixo, mas até 30 de maio (cinco dias a
partir da alta) o canal VV ’forneceu o melhor em forma. Esse rally superou em muito o topo do
canal TT ’. A partir da alta de 6 de junho, nova faixa de negociação formada. Observe como o
limite inferior dessa faixa se aproximou da antiga linha de resistência C. Depois que o mercado
subiu acima de maio alta, eu teria desenhado o canal rotulado XX ’. Ele é desenhado conectando
os baixos de maio-julho e colocando uma linha paralela através da intervenção alta em junho.

Figura 3.3 Gráfico Diário do Óleo de Soja 3

Fonte: TradeStation.

Antes de deixarmos o estudo deste mercado, uma última foto é fornecida na Figura 3.4. Aqui,
vemos como o rali da baixa de julho se moveu levemente acima do canal XX ’criando uma
condição de sobre compra. Linha de resistência E é desenhado em toda a alta de julho. A partir
desta alta, o mercado declina até encontra suporte ao longo da linha D. Depois que os preços
aumentam novamente, a linha de tendência Y é desenhada. Ele e a linha X formam uma cunha
crescente. Enquanto eu não estou interessado em procurar padrões geométricos, as linhas
convergentes mostram claramente o encurtamento do impulso para cima. Observe como os
preços continuam empurrando a linha de suprimento canal XX ’, mas não consegue iniciar um
ângulo de avanço mais acentuado. Após o sell-off da última alta acima do canal, eu desenhei
linha de resistência F. O sell-off encontrou apoio em torno da linha Y, e o mercado realmente
fez uma nova fração bem acima da linha F antes de reverter para baixo. Neste momento,
observe o confluência de linhas: linha de resistência F, linha de suprimento X ’e linha de suporte
Y convergem neste ponto. A linha de suporte G é desenhada na parte baixa entre o dois últimos
altos, e desempenha um papel importante nas próximas semanas.
Figura 3.4 Gráfico Diário do Óleo de Soja 4

Fonte: TradeStation.

Até agora, lidamos apenas com as linhas do gráfico como o movimento de preços desdobrado.
Na Figura 3.5, oito dos pontos mais importantes do gráfico de óleo de soja são numeradas para
discussão. Nestes pontos, discernimos terminando ação ou pistas sobre ação final iminente. O
ponto 1 é um falso fuga acima da linha C. Aqui, o mercado subiu acima da resistência mas fechou
abaixo da linha e perto da baixa do dia. Dois dias depois, a faixa estreita indicava a demanda
estava cansada e o preço recuaria. A venda subsequente realizada no topo da linha B. Observe
o estreitamento da faixa de preço no dia baixo do sell-off. Aqui, os vendedores aparentemente
tinham a vantagem. No ponto 2, no entanto, os preços se inverteram para cima, fechando acima
da alta do dia anterior e colocando o mercado em uma posição forte. Essa reversão impulsionou
os preços até o rali cansar no início de junho. Observe o intervalo estreito e o fechamento fraco
na alta de junho. Após um recuo e consolidação, o mercado retornou ao extremidade superior
da nova faixa de negociação. Marcou o tempo durante três dias em um apertado alcance antes
de acelerar para cima nas próximas duas sessões. O ponto 3 refere para a absorção dentro do
intervalo apertado antes da fuga. No ponto 4, ralis de preços acima do up-channel a partir da
baixa de maio e da posição do fechar venda indicada estava presente. O recuo para o ponto 5
testou a área onde os preços subiram verticalmente. A posição do fechamento no ponto 5
refletiu a presença de compra. Nos pontos 6 e 7, vemos como os preços estão lutando para
continue mais alto. Uma linha de tendência reversa (tracejada) poderia ter sido traçada a alta
dos pontos 4 e 6 para destacar a falta de progresso no mercado. A nova alta fraccionada no
ponto 8 juntamente com o fechamento fraco indica que a demanda está esgotada. O
comportamento cumulativo entre os pontos 4 e 8 (com excepção do ponto 5) indica que a
tendência de subida do óleo de soja é cansativa e aumenta a probabilidade de uma correção. A
quebra de alto volume (ver seta) abaixo da linha de apoio G indica a força da venda tinha
superado o força da compra. Os compradores tentaram recuperar o terreno perdido abaixo
linha de suporte G; no entanto, os ralis terminaram com fechamentos fracos como os
vendedores frustrou ambos os esforços. Todos esses pontos serão discutidos em capítulos
posteriores.
Figura 3.5 Gráfico diário do óleo de soja 5

Fonte: TradeStation.

O tipo de linhas que traçamos nos gráficos diários de óleo de soja pode ser aplicado a gráficos
de longo prazo também. Eles ajudam a concentrar a atenção nas linhas de batalha maiores, que,
em alguns casos, forneceram apoio e resistência por anos ou décadas. Uma consciência da
posição de um mercado dentro seu arcabouço histórico atende às necessidades do investidor
em ações, bem como as de um operador de posição ou trade que atua nos mercados futuros. A
linhas de suporte / resistência de longo prazo, linhas de tendência e canais em conjunto com o
intervalo das barras de preços (semanal, mensal, anual) e a posição seus fechamentos podem
ser interpretados da mesma maneira, como ilustrado no discussão anterior. Com o estudo dos
gráficos de longo prazo, o tempo a única diferença. O movimento de preços em um gráfico por
hora ou diário pode ser interpretado muito mais rapidamente do que com gráficos mensais ou
anuais. Ainda a maiores recompensas vêm de reconhecer quando as oportunidades de longo
prazo são em desenvolvimento. A partir dessa informação, podemos então nos concentrar no
gráfico diário.

O óleo de soja em 2002 foi uma grande oportunidade. Figura 3.6 mostra anualmente preços do
óleo de soja em dinheiro de 1931 a 2003. Ele conta a história de muitas commodities nos últimos
75 anos:

■ Os preços chegaram ao fundo no início da década de 1930, na profundidade da Depressão.

■ Os preços subiram para a alta do final da década de 1940 sob o estímulo do Plano Marshall.

■ Os preços entraram em um período de extremo embotamento até o despertar tardio Década


de 1960

■ Os preços subiram acentuadamente em meados da década de 1970 sob pressão inflacionária.

■ Os preços entraram em uma faixa de negociação extremamente volátil até o bottoming no

Período 1999-2002.
Figura 3.6 Gráfico Anual de Óleo de Feijão de Soja em Dinheiro

Fonte: MetaStock

Este tem sido o padrão geral de preços de muitas commodities agrícolas produzido nos Estados
Unidos. Linhas de resistência horizontais são desenhadas os altos de 1935, 1947 e 1956. Veja a
interação do mercado com esses linhas. Entre 1952 e 1972, o óleo de soja estabilizou no topo
da alta de 1935. A alta de 1956 foi levada pelo aumento meteórico em 1973, graças em parte
para exportar a demanda. Este rali explosivo realizado através do pico de 1947, mas os ganhos
foram de curta duração como os preços prontamente revertidos para a área de a alta de 1956.
Uma nova faixa de negociação desenvolvida aproximadamente no topo desta nível de
resistência. Depois de 1985, os preços subiram por 13 anos em um ápice. O repartição de 1998
a 2000 foi um abalo terminal da negociação maior alcance da baixa de 1975. Em 2001, pouco
antes do nosso estudo do gráfico diário começou, os preços se inverteram acima da alta de 2000
e fecharam perto da faixa média. Este Coloque o óleo de soja no trampolim para um movimento
ascendente muito maior. Um entendimento da posição do mercado no gráfico de longo prazo
no início de 2002 deu maior significado aos pontos de virada em maio e julho. Por cedo Em 2004,
os preços subiram para a área de 34 centavos. Os preços dobraram novamente no subir para a
alta de 2008 (71 centavos).

Na Figura 3.7, vemos a história dos preços do cacau em dinheiro até 1930. O principais pontos
de virada no cacau se alinham aos do óleo de soja: baixa no início Década de 1930, top em 1947,
longa faixa de negociação até a baixa da década de 1960, onda durante a década de 1970, e um
fundo no final do século XX. Em 1977, o cacau chegou a um preço 74 vezes maior que a baixa de
1933. A faixa de preço em 1977 equivale à distância de 1933 a 1973.
Figura 3.7 Gráfico Anual de Cacau em Dinheiro

Fonte: MetaStock

Apenas uma escala semilog permitiria ver o histórico de preços anterior. O up-channel
desenhado através dos baixos de 1940-1965 tem contido quase todo o trabalho de preço. Em
1977, no entanto, os preços excederam o canal. No ano seguinte, todos os ganhos de 1977 foram
apagados. A tendência de baixa de 24 anos da alta de 1977 progrediu de forma ordenada. Cada
nível de apoio forneceu resistência nos anos posteriores e espera-se que desempenhem um
papel importante no futuro. Eu achava que o cacau tinha chegado ao fundo em 1992. Aqui, o
impulso para baixo encurtou, os preços voltaram ao topo da linha de resistência de 1947, e eles
estavam testando a área vertical de 1973. Embora os preços quase tenham dobrado em 1998,
mover foi muito trabalhoso. Observe a falta de acompanhamento ascendente após a pequena
invasão em 1997. Em 1999, o cacau experimentou uma queda implacável que terminou perto
da baixa de 1992.

Uma mudança distinta no comportamento ocorreu em 2000. Aqui, vemos pouco progresso
descendente, mas não há disposição para se recuperar. Os preços se estreitaram na faixa anual
mais apertada desde 1971. (Lembre-se, a escala semilog atrai barras de preço maiores sempre
que os preços caem. Assim, um exame superficial do gráfico pode levar a crer que as faixas de
1987 e 1996 eram menores do que em 2000; isso não é verdade.) À luz de nossa discussão sobre
faixas estreitas, o comportamento em 2000 merece atenção especial. O mercado simplesmente
avançou a água logo abaixo da baixa de 1992 e da linha de tendência de alta de longo prazo.

A quebra de uma linha de tendência não é de grande importância por si só.

O que importa é como a linha de tendência é quebrada e a quantidade de follow-through


(continuação).

Como você vê, não há facilidade de movimento descendente. Se os vendedores ainda tivessem
a vantagem, os preços deveriam ter continuado mais baixos. No ano seguinte, quando os preços
se inverteram acima da alta de 2000, a mudança de tendência tornou-se óbvia. Após o aumento
acima da alta de 2000, pode-se ter comprado cacau com impunidade. Nos próximos dois anos,
os preços do cacau aumentaram mais de 200%. O comportamento durante 1992-2001 é típico
de fundos em gráficos construídos a partir de qualquer período de tempo.

Nos gráficos anuais de cacau e óleo de soja, a ação do preço em torno das principais linhas de
suporte / resistência contava a história principal. No gráfico de títulos mensais (Figura 3.8), a
história é diferente. Aqui, vemos um canal de tendência reversa (linhas tracejadas) que mais
apropriadamente representou o ângulo de avanço em futuros de títulos. Ele foi desenhado
através dos altos de 1986-1993 com uma linha paralela na baixa de 1987. Uma segunda linha
paralela foi traçada através da baixa de 1990, e forneceu apoio em 1994 e janeiro de 2000. Desde
que foi desenhada, a linha paralela inferior nunca interagiu com o preço. Os ralis em 1998 e
2003 penetraram na linha superior do canal de tendência reversa, criando uma condição de
sobre compra temporária. Uma linha de tendência reversa e / ou um canal de tendência
geralmente se ajustam melhor a essas tendências com o ângulo mais acentuado de avanço /
declínio. Um canal de tendência normal retirado das baixas de 1981 ou 1984 nunca teria contido
o trabalho de preço subsequente. Depois que os preços se recuperaram da baixa de 1994, no
entanto, um canal de tendência normal poderia ter sido traçado através das baixas de 1987-
1994, com uma linha paralela ao longo da alta de 1993. Ele se encaixa bem com o canal de
tendência reversa. Eu prefiro o canal de tendência reversa porque ele representa o ângulo de
avanço original; sua mensagem foi reforçada pelo canal normal. A confluência de três linhas de
canais superiores no topo de 2003 alertou que o mercado de títulos estava excessivamente
sobre comprado. Estas três linhas desempenharam um papel importante ao longo da tendência
de alta.

A dramática venda em 1987, coincidindo com a quebra do mercado de ações, encontrou apoio
no topo das altas de 1982-1983. Os preços mais tarde se consolidaram no topo da linha de
resistência traçada na alta de 1986. Pode-se facilmente visualizar o ápice de três anos que
chegou a uma conclusão em 1997. A linha de resistência superior traçada na alta de 1998
(causada pelo colapso no Long Term Capital Management) interrompeu a recuperação em 2001.
Os nove meses de ação de bombeamento entre Agosto de 2002 e abril de 2003 marcaram o
início de uma faixa de negociação de cinco anos. Em dezembro de 2008, quando o mercado
acionário entrou em parafuso, os títulos subiram para 143, um preço inédito até 2012. Os títulos
negociaram em uma faixa volátil de 26 pontos até a quebra em setembro de 2011 atingir 147.
Essa alta afetou o mercado. mesmas linhas de tendência reversa do topo de 2003.
Figura 3.8 Gráfico Mensal de Continuação de Obrigações

Fonte: MetaStock

No atual curso de Wyckoff, a linha de suporte na parte inferior de uma faixa de negociação é
comparada ao gelo que cobre uma lagoa congelada. É chamado a linha de gelo (ice line). Wyckoff
nunca usou este termo, mas fornece uma metáfora memorável. A tendência de baixa de 1977-
2000 no gráfico anual de cacau (Figura 3.7) demonstra o preço repetidamente interagindo com
linhas anteriores de suporte ou gelo. Um exemplo muito menor aparece na Figura 3.4 do óleo
de soja. A linha de apoio G desenhada entre os dois altos serviu como uma linha de gelo menor.
Houve numerosas tentativas de subir da linha G, mas nenhum avanço sustentado se
desenvolveu.

Um dos melhores exemplos de preço interagindo com uma linha de gelo ocorreu após o QQQ
(Figura 3.9) ter atingido seu máximo em todos os momentos. O QQQ experimentou uma quebra
acentuada e de grande volume em janeiro de 2000, mas conseguiu fazer uma série de novos
máximos. Após a decolagem de fevereiro, o QQQ passou 10 dias consolidando-se no topo da
faixa de negociação de janeiro. Atingiu este antigo nível de resistência e subiu para o topo do
up-channel em 10 de março (ponto 1), onde o alcance diário diminuiu e as ações fecharam perto
do mínimo do dia. Parecia cansada e caiu de volta no dia 16 de março. Anteriormente, no dia 15
(ponto 2), a ação quebrou a queda mais pesada de sua história. O volume falhou em expandir a
subida subsequente para o topo de 24 de Março (ponto 3) onde vemos a posição de
sobrecompra dentro do up-channel, o fecho das médias e o menor progresso ascendente (além
do máximo de 10 de Março). Os compradores fazem uma fraca tentativa de elevar os preços no
dia seguinte (faixa estreita, baixo volume e fechamento fraco) e o estoque cai por três sessões
consecutivas em direção à parte inferior da faixa de negociação atual. Em 3 de abril (ponto 4), o
QQQ cai com o aumento do spread de preços e aumento do volume através da linha de gelo
traçada em toda a baixa de 16 de março e abaixo da alta de janeiro. O tamanho do intervalo
diário e do volume estabeleceu novos recordes, mas os compradores, que se tornaram
condicionados a tirar proveito da fraqueza, correram para elevar os preços em direção à alta do
dia e acima da linha de gelo. Apesar da recuperação intradiária, a quebra de 32 pontos da alta
de 24 de março marcou uma mudança de comportamento abertamente pessimista. Foi seguido
por um rali de baixo volume que retraiu menos de 50% do declínio anterior. A reversão para
baixo em 10 de abril (ponto 5) encerrou o rali acima da linha de gelo, e os preços caíram 29
pontos em cinco dias. Observe como os preços se estabilizaram em abril em torno da linha de
suporte traçada na baixa de janeiro. Até então, no entanto, 35% do valor da ação foi perdido em
16 dias.

A velocidade e magnitude de sua queda anunciaram o início de uma grande mudança de


tendência. Embora o pico estivesse completo, a interação com a linha de gelo continuou por
mais seis meses.

As linhas mostradas na Figura 3.9 contam uma história maior quando estendidas no gráfico QQQ
semanal (Figura 3.10). Aqui, vemos a luta de ações por seis semanas durante abril e maio para
reunir a linha de apoio de janeiro.

Figura 3.9 Gráfico diário do QQQ

Fonte: TradeStation.

Os vendedores superam temporariamente os compradores e direcionam as ações abaixo desse


suporte, mas a falta de follow-through (sequencia / seguir até) produz uma grande reversão.
Isso leva a um teste da linha de gelo original. Depois de um segundo recuo, no final de julho, a
ação faz outra corrida na linha de gelo. O fechamento da semana que termina em 1 de setembro
de 2000, fica acima do gelo; no entanto, a falta de acompanhamento e a reversão na semana
seguinte reforçam o domínio dos vendedores.
Figura 3.10 Gráfico Semanal do QQQ

Fonte: TradeStation.

Os preços retornam à parte inferior da faixa de negociação (área circulada), onde os


compradores e vendedores travam em um slugfest (uma competição dura e desafiadora,
especialmente em esportes como boxe e beisebol) de cinco semanas. Isso marcou a última
esperança dos compradores. As compras vieram de posições liquidantes que se estabeleceram
em torno dos baixos de abril-maio, lucros tomados por traders que venderam no início de
setembro, e bottom picking (colheita inferior) por novos longs. Os vendedores absorveram a
compra, o processo de topping (cobertura) terminou e a tendência de baixa começou a sério.
Embora a baixa de março tenha sido rotulada de linha de gelo, a mesma metáfora pode ser
aplicada à linha traçada na baixa de janeiro. Na verdade, linhas de suporte traçadas na parte
inferior de qualquer faixa de negociação - em um gráfico anual ou de hora em hora - podem ser
vistas sob essa luz. No longo prazo, devemos esperar que a linha de gelo de janeiro de 2000
desempenhe um papel significativo em todos os índices do Nasdaq. De fato, o aumento da baixa
de 2009 parou em relação a essa linha em 2012.

Ao longo deste livro, veremos muitos outros exemplos de preço interagindo com vários tipos de
linhas e canais. Mas mais uma interação precisa ser descrita.

O homem que apresentou o curso de Wyckoff para mim sempre enfatizou a importância dos
ápices.

Ele não via os ápices como os chamados "padrões de continuação".

De fato, ele não se preocupava com o reconhecimento de padrões.

Em vez disso, ele procurou o aperto de preços e, especialmente, no ponto de convergência de


duas linhas de tendência.

Por si só, um ápice tem pouco ou nenhum valor preditivo.

Simplesmente indica que a amplitude das oscilações de preços diminuiu para um ponto de
equilíbrio entre as forças da oferta e da demanda.
Esse equilíbrio não pode continuar indefinidamente; será despedaçado.

Procure-se por pistas de preço / volume que indiquem a direção futura.

Muitas vezes, a evidência entra em conflito até que algum aumento incomum de volume ou
ação de reversão derrube a escala em favor de um lado.

Wyckoff descreveu o comportamento que prediz a direção do mercado do embotamento. Ele


escreveu:

Quando um mercado monótono mostra sua incapacidade de realizar ralis, ou quando não
responde a notícias de alta, é tecnicamente fraco... Por outro lado, quando há um
endurecimento gradual nos preços; quando os ataques de urso não conseguem desalojar
quantidades consideráveis de estoque; Quando as ações não caem devido a notícias
desfavoráveis, podemos procurar um mercado em ascensão no futuro próximo.2

2 Rollo Tape [pseud.], Studies in Tape Reading (Burlington, VT: Fraser, 1910), 104.

Apexes (ápices) em gráficos de longo prazo (mensalmente, anualmente) podem ser


especialmente frustrantes, mas oferecem a maior recompensa. Entre o final dos anos 1960 e
1980, meu amigo / mentor procurou esse tipo de situação. Antes das mudanças no código
tributário em relação à negociação de futuros, ele ganhou ganhos de capital de longo prazo
mantendo contratos por seis meses ou mais. Isso exigia a compra de contratos diferidos e a
manutenção com grande tenacidade. Muitas vezes, as posições tinham que ser roladas várias
vezes antes que o movimento esperado do preço ocorresse.

Como Wyckoff, ele baseou grande parte de suas previsões de longo prazo em uma bateria de
gráficos de pontos.

Um dos apexes mais memoráveis e desenhados ocorreu nos futuros de prata (Figura 3.11) entre
1974 e 1977. Devido à tendência altista das commodities, poucos traders duvidavam que a prata
acabaria por subir da sua faixa de negociação, mas ninguém sabia qual up-move foi o “real”.
Com tal consenso de expectativas otimistas, o trabalho do mercado era desgastar o maior
número possível de longos. Cada ascensão atraiu um novo rebanho de especuladores que foram
prontamente eliminados no subsequente downswing (para baixo, balanço - o movimento
descendente de um taco quando o jogador está prestes a acertar a bola). No entanto, surgiram
pistas - principalmente no gráfico de barras diário - de que os compradores estavam superando
os vendedores. No gráfico mensal, o volume incomum apareceu em novembro-dezembro de
1976. Os preços não caíram abaixo dos mínimos deste período até muitos anos depois. Em 1977,
a prata encontrou apoio em junho. Embora esta baixa tenha sido eliminada em agosto, os preços
terminaram o mês em midrange (intervalo médio). O volume de agosto de 1977 foi o menor em
mais de um ano; disse que a pressão de venda estava esgotada. Os preços subiram gentilmente
por dois meses e se estreitaram de novembro a dezembro para o ponto do ápice.
Figura 3.11 Gráfico Mensal de Continuação de Prata

A “fuga” deste ápice ocorreu da maneira mais desinteressante possível: um mês estreito seguido
por outro mês de movimento lateral. Como um caminhão fortemente carregado, saiu da
garagem. A mudança em março de 1978 viu o aumento do spread de preços à medida que os
preços ultrapassavam a alta de 1975, mas não havia decolagem vertical. Compare a ação do
preço em janeiro-fevereiro de 1974 com o aumento de preços durante 1978.

O aumento vertical de preços nos dois primeiros meses de 1974 reflete a compra em pânico,
uma explosão especulativa - o que Wyckoff chamou de hipodermia (hypodermics).

Nenhuma fanfarra, nenhum entusiasmo acompanhou o aumento de preços em 1978. Produziu


mais dúvidas do que vontade de comprar. Os preços avançaram mais, testando e testando
novamente cada nível de suporte / resistência à medida que os compradores superaram
gradualmente a venda persistente.

As quantidades de prata oferecidas em cada nível de resistência foram constantemente


absorvidas à medida que a propriedade do metal passou de mãos fracas para mãos fortes. O
movimento lento dos preços na prata parecia, em muitos aspectos, a ação que se vê em um
gráfico de barras de um minuto ou cinco minutos.

Os leitores de fita reconheceram há muito tempo o significado de ralis lentos em oposição a


bolhas efervescentes, onde os preços levitam para cima.

Pense no "endurecimento gradual do preço" de Wyckoff.

Com esse comportamento, Humphrey Neill escreveu:

"Um avanço mais gradual com volume constante de transações, ao contrário de surtos e amplas
variações de preço, indica uma melhor qualidade de compra." 3

3 Humphrey B. Neill, Tape Reading and Market Tactics (Burlington, VT: Fraser Publishing, 1970),
118.

Devo acrescentar que os avanços graduais atraem vendedores a descoberto, que percebem o
ritmo lento como um sinal de demanda fraca e que, quando forçados a cobrir, fornecem a base
para ganhos adicionais de preço. Em suma, a fuga do ápice de quatro anos na tabela mensal de
prata não começou com um trovão alto anunciando o início de uma nova tendência de alta.

Em vez disso, começou como um rastejo e, eventualmente, se transformou em um dos maiores


mercados em alta da história dos mercados futuros.

Acabamos de examinar o clássico apex desdobramento ao longo de vários anos. Apexes


menores são abundantes. Eles são desenhados com uma simples triangulação de linhas de
tendência para mostrar os preços em um nexo. Às vezes a triangulação é significativa, outras
vezes não. Mas ajuda a destacar um ponto de contração, como os dois da Figura 3.12 da
Schlumberger (SLB).

O primeiro ápice (ponto 1) formou-se ao longo de alguns dias durante setembro de 1998 e não
requer contexto maior; fica sozinho. O ápice maior (ponto 2) durou quatro meses e entendemos
melhor sua importância quando vemos sua posição no gráfico semanal (Figura 3.13). Será que o
comportamento preço / volume dentro deste apex pressagia mais fraqueza ou o início de uma
nova tendência de alta? O volume total para a semana que termina em 4 de dezembro de 1998
é o maior no gráfico; é climático. No gráfico diário, vemos o enorme esforço para impulsionar
os preços abaixo da faixa de negociação.

Figura 3.12 Gráfico diário da Schlumberger

Fonte: TradeStation.
Figura 3.13 Gráfico de Barras da Schlumberger Semanal

Fonte: TradeStation.

No entanto, houve pouco follow-through, e o estoque rapidamente voltou para a faixa de


negociação. Todas as vendas que surgiram durante a semana de 4 de dezembro foram apagadas
no rebote que se seguiu. No gráfico semanal, um clímax de vendas ocorreu no início de
dezembro.

No contexto do gráfico diário, onde observamos os detalhes da faixa de negociação a partir da


baixa de setembro de 1998, a alta de volume em dezembro levou a uma reversão para cima.
Produziu um rali para o topo da faixa de negociação.

O menor volume no recuo para a baixa de janeiro foi um teste secundário de baixa.

Como os preços subiram a baixa de janeiro, pode-se ter reconhecido que os preços estavam se
estreitando em um ápice. As linhas teriam sido traçadas entre os máximos de novembro a
janeiro e as baixas de dezembro a janeiro para enquadrar o movimento dos preços. O rápido
aumento no início de janeiro e novamente no início de fevereiro reflete a ânsia dos
compradores. Em seguida, o estoque puxa de volta para a linha de tendência de alta e vem para
descansar acima da baixa de janeiro.

Nas últimas 8 semanas mostradas na Figura 3.14, os preços se estreitam em um intervalo de


2,25 pontos. Diz que algo está prestes a acontecer em breve. O estoque pode começar a se
levantar para fora do ápice e se inverter para baixo, ou pode quebrar para baixo e então inverter
para cima. Se comprarmos o breakout ou vendermos o breakdown, nosso risco aumenta e nos
tornamos vulneráveis a um whipsaw (uma serra com uma lâmina estreita e uma alça nas duas
extremidades, usada normalmente por duas pessoas). O clímax de vendas no início de
dezembro, a reversão da baixa de dezembro e a capacidade da ação de dar suporte mais alto,
tudo isso representa uma história de alta. Agora vamos ler a mensagem das últimas oito barras
de preço.

Figura 3.14 Gráfico diário da Schlumberger (ampliado)

Fonte: TradeStation.

Nos dias 1 a 4, os preços fecham em baixa e perto de suas mínimas. Aumenta o volume nos dias
3 e 4. Observe que os fechamentos nos dias 3 a 5 estão agrupados em uma faixa de 44 centavos,
indicando pouca recompensa, apesar do grande esforço de venda. O rali no dia 5 apaga a maior
parte dos últimos quatro dias de perdas, e o grande aumento no volume indica a presença de
demanda. Nos próximos três dias, os preços se estreitam dentro do intervalo do dia 5 e o volume
diminui. Os fechamentos nos dias 5 a 7 são agrupados dentro de um intervalo de 31 centavos à
medida que a ação chega ao centro. O gráfico diz que vai longo no dia 8 e protege abaixo da
baixa do dia 4. SLB abre em 25 de março 3, dando início a um rally para 44.

Comportamento de preço / volume no ponto de um ápice nem sempre é tão perfeito.

Muitas vezes, é preciso lidar com uma situação mais ambígua.

Nesses casos, o comportamento que precede o ponto do ápice geralmente determina o


resultado.

Como já mencionado, o aperto de preço é a marca registrada de um ápice. Quando ocorre em


gráficos anuais, o efeito pode ser mais dramático. Um dos maiores exemplos disso ocorreu no
gráfico anual de açúcar (Figura 3.15), onde os preços à vista subiram durante quatro anos dentro
do intervalo do ano 2000. Na época, achei que os preços futuros se recuperariam para 16
centavos, o máximo obtido na década de 1990. Acontece que o dinheiro e os futuros subiram
acima de 35 centavos alguns anos depois.
Figura 3.15 Gráfico Anual de Açúcar em Dinheiro

Fonte: MetaStock

Agora nos voltamos para um ápice incompleto na Figura 3.16, o gráfico semanal do Home Depot.

Como mostrado, quando eu me aproximo de um gráfico pela primeira vez, eu o disseco


desenhando as linhas apropriadas e destacando os recursos que mais se destacam.

Aqui, vemos os preços subiram no final de 1999, acima de um canal ascendente retirado da baixa
de 1998, e fazemos as seguintes observações:

1. O aumento vertical de preços durante as duas primeiras semanas de dezembro de 1999, onde
o volume na segunda semana é o mais pesado desde a baixa de 1998.

2. O sell-off (liquidação) na primeira semana de janeiro de 2000 é a maior semana de retração


em anos e é acompanhado pelo mais baixo volume de baixa desde a baixa de 1998.

3. A grande facilidade de movimento ascendente no rali de meados de março, onde a posição


do fechamento na área circulada alerta para problemas iminentes.

4. A pequena investida e enorme reversão durante a segunda semana de abril.

5. Formulários de apoio em maio, além da linha de resistência de abril a julho de 1999.

6. A pequena alta na alta de julho de 2000 é seguida por uma reversão de baixa no maior volume
diário durante a segunda semana de agosto.

Juntos, esses elementos contam uma história de baixa. Nas próximas semanas, os preços se
estreitam em um ápice entre a linha de tendência de baixa da alta e a linha de alta da baixa de
maio de 2000.
Figura 3.16 Gráfico Semanal do Home Depot

Fonte: TradeStation.

Os detalhes do ápice estão no gráfico diário do Home Depot (Figura 3.17). Aqui, vemos uma
faixa de negociação estreita que abrange 16 dias. Formou-se dentro do amplo intervalo (ponto
6) no gráfico semanal. No dia 9, os preços estão abaixo da faixa inferior, mas não surgem vendas
subsequentes. Esta baixa é testada no dia 13, onde o estoque fecha em baixa.

Mais uma vez, os vendedores não aproveitam a ação de preço de baixa.

O estoque sobe no dia 15 acima da faixa de negociação, mas cai um pouco no fechamento. Não
há mais poder de compra quando o estoque quebra no último dia e fecha abaixo da barra 15
baixa. O baixo volume no último dia é o maior desde a baixa de agosto. Agora temos uma
sequência de comportamento para agir. Ninguém sabe ao certo se a faixa de negociação
continuará e os preços se aprofundarão no ápice. Mas a menor pressão no contexto de um
gráfico semanal opressivamente pessimista aumenta a probabilidade de um colapso. Shorts são
estabelecidos no fechamento ou a abertura do dia seguinte e para colocado acima da alta do
dia 15. No dia seguinte, o estoque caiu para 51,12. Quatro dias depois atingiu 35, onde o enorme
volume sinalizou ação climática. Eu percebo que algumas das voltas e reviravoltas dentro da
pequena faixa de negociação pareciam otimistas às vezes.

Mas a paralisação do mercado na área onde a oferta superou a demanda (ponto 6) foi a
consideração primordial.

Deveria ter mantido a ideia de procurar uma oportunidade de curto prazo, em vez de fazer um
longo e rápido negócio.
Figura 3.17 Gráfico diário do Home Depot

Fonte: TradeStation.

No estudo da Schlumberger e da Home Depot, estou levando o leitor além da mera história das
linhas. Integrei a história das linhas com a leitura do gráfico de barra por barra que incorpora
uma comparação de faixa de preço, posição do fechamento e volume. Há muito mais pela
frente.

Capítulo 4

A lógica da leitura de gráficos de barras

Ao estudar um gráfico de barras, passamos por um processo de avaliação sequencial. Isso


normalmente consiste em comparar o movimento imediato dos preços com as barras de preço
mais recentes. A partir dessa comparação, fazemos deduções ou inferências sobre o que esperar
no próximo período de tempo. Naturalmente, sempre nos deparamos com a percepção de que
tudo pode acontecer. O mercado que estamos assistindo pode ter uma diferença
acentuadamente maior ou menor por causa de eventos inesperados. Esses são os extremos da
curva de probabilidade, mas eles devem ser aceitos como parte do território por qualquer um
que se envolva em especulação. O exercício abaixo é puramente abstrato. Não há dicas
contextuais, como linhas de tendência, canais, níveis de suporte / resistência e volume. Vamos
supor duas coisas: cada barra vertical representa um dia e os preços estão em tendência de
baixa. A primeira barra é o dia “a” e a segunda é “b”. A partir dessa informação mínima, o que
você espera que aconteça no dia “c”? Eu percebo que há sempre duas interpretações (o copo
está meio cheio ou meio vazio), mas qual é a sua melhor dedução? Pode haver alguns casos em
que a situação é muito ambígua. Considere a faixa de preço e a posição do fechamento. Não
considere estas sequências de dois bar como “impressões de cookies” para estudar o
movimento futuro dos preços. Estamos examinando o comportamento dos preços de dois dias
para construir um conjunto lógico de expectativas para o dia seguinte. Minhas observações e
deduções estão incluídas.
Figura 4.1 Leitura do Gráfico Sequencial

Figura 4.1, # 1: O tamanho da barra “a” reflete a facilidade de movimento para baixo e descreve
o significado de uma grande barra. Como o fechamento está no meio do intervalo, assumimos
que a compra emergiu nos níveis mais baixos do dia. No dia “b”, o alcance se estreita, refletindo,
assim, nenhuma facilidade de movimento para baixo. A baixa do dia é apenas ligeiramente
abaixo do mínimo do dia “a” quando o impulso encurta. Finalmente, o fechamento é novamente
médio, indicando que os compradores estavam presentes em níveis mais baixos.

Por dois dias consecutivos, os preços fecharam em midrange e o impulso para baixo encurtou.
O mercado está exibindo uma falta de disposição para se movimentar mais baixo. Portanto,
espere uma tentativa de recuperação no dia “c”. Se o rally exceder o topo do dia “b” e os preços
reverterem abaixo da baixa do dia “b”, espere fraqueza adicional.

Figura 4.1, # 2: Há facilidade de movimento descendente no dia “a”, e o fechamento na parte


baixa da faixa reflete uma vitória total dos vendedores. O intervalo estreito no dia “b” é mais
difícil de interpretar. Isso significa que os vendedores não conseguiram fazer muito progresso?
Isso significa que os compradores tomaram uma posição e aceitaram todas as ofertas dos
vendedores? A posição do fechamento nos dá uma pista melhor. Como o fechamento está no
dia “b” e abaixo do dia “a”, inferimos que os vendedores ainda estão no controle. Se o
fechamento estivesse no topo da faixa, o resultado teria se inclinado mais em favor dos touros.

Dada a posição do fechamento no dia “b”, esperamos mais fraqueza no dia “c”. Se houver pouco
ou nenhum acompanhamento para baixo no dia “c” e os preços subirem acima da alta do dia
“b”, maior ganhos são prováveis.

Figura 4.1, # 3: O dia “a” personifica a fraqueza: facilidade de movimento para baixo e perto do
ponto baixo. Um pequeno intervalo inferior ocorre no dia "b", mas o intervalo diminui. O
fechamento no dia “b” está próximo do mínimo e abaixo do dia anterior, próximo e baixo.

Embora não tenha havido facilidade de movimento descendente no dia “b”, todas as
negociações ocorreram abaixo do mínimo do dia anterior. Não houve capacidade de
recuperação. Além disso, o dia terminou com um fechamento no mínimo. Os vendedores
permanecem no controle, então esperem preços mais baixos. Se o preço inverter acima do
fechamento do dia “a”, especialmente depois de cair abaixo da mínima do dia “b”, ocorrerá uma
reviravolta de algum grau desconhecido. Esta configuração de dois dias é mais baixa que # 1 ou
# 2.
Figura 4.1, nº 4: A faixa de preço é mais estreita no dia “a”, e o fechamento está próximo do
mínimo do intervalo. Assim, os vendedores estavam aparentemente no controle no final do dia
“a”. No dia “b”, o preço cai abaixo da mínima do dia anterior e reverte para fechar acima da alta
do dia anterior.

A ação de reversão no dia “b” é a inversão de chave clássica. Diz-nos que não havia mais juros
de venda abaixo da mínima anterior. A falta de pressão de venda criou um vácuo e os
compradores entraram em cena. Grande parte dessa compra pode ter sido uma cobertura a
descoberto. Mas o forte fechamento acima da alta do dia anterior sugere que o apoio tenha sido
formado pelo menos temporariamente. Seria de se esperar que o retorno ascendesse no dia
“c”. Uma reversão e fechamento abaixo do mínimo do dia “b” seria muito pessimista. A baixa
do dia "b" pode ser usada como um ponto de parada em qualquer novo longo.

Figura 4.1, nº 5: Há facilidade de movimento descendente no dia “a” e o fechamento está


próximo do nível baixo. No dia "b", um rali acima do máximo do dia anterior não se sustenta e
os preços voltam a cair perto do mínimo. Os fechamentos nos dois dias são praticamente iguais.
Você acha que o agrupamento desses dois fechamentos reflete forte apoio?

Como o rally no dia “b” não conseguiu segurar e 99% dos ganhos foram eliminados no
fechamento, esperaríamos mais fraqueza no dia “c”. Aqui, temos dois dias consecutivos de ação,
mas a posição do fechamento reflete fraqueza e incapacidade de sustentar um rali. Não, o
agrupamento desses dois closes normalmente não seria visto como um forte suporte. Parece
mais como suporte temporário em uma tendência de baixa.

Figura 4.1, nº 6: Embora haja facilidade de movimento descendente no dia “a”, a posição do
fechamento está bem abaixo da mínima e muito mais próxima da alta. O dia "b" é uma daquelas
barras inescrutáveis e estreitas, nas quais os preços quase não se movem desde o fechamento
do dia anterior.

A posição do fechamento no dia “a” indica que a compra apareceu no nível mais baixo da faixa.
Tem uma conotação de alta. O dia “b” mostra uma total falta de movimento. No léxico de
Wyckoff, esse tipo de dia é chamado de “dobradiça”, a partir da qual pode ocorrer uma oscilação
maior. No contexto desses dois dias, a dobradiça diz que os preços chegaram ao ponto morto.
Sozinho não revela direção, mas nos diz para estarmos muito alertas no dia “c” para algo
decisivo.

Figura 4.1, # 7: Como no exemplo anterior, há facilidade de movimento descendente no dia “a”,
e o fechamento está próximo da máxima da faixa. O dia “b”, no entanto, contém uma grande
lacuna entre a alta e o fechamento do dia anterior. O intervalo real é estreito e o preço fecha
perto do mínimo e abaixo do mínimo do dia anterior.

Embora o alcance real no dia “b” seja estreito, o verdadeiro toque - abreviando a lacuna - é bem
grande. Aqui, vemos todos os ganhos feitos no dia “a” completamente apagados. A lacuna
provavelmente decorre de eventos de baixa durante a noite ou de um relatório de pré-abertura.
Observe como pouco movimento ocorreu após a abertura da abertura. Isso reflete uma
condição de baixa, já que os compradores não estavam dispostos a fazer qualquer tentativa de
iniciar um movimento no lado positivo. Nem os vendedores estavam ansiosos para obter lucros.
A pressão de venda e a falta de compra mantiveram os preços deprimidos durante a sessão.
Espere mais fraqueza no dia "c".
Figura 4.1, nº 8: Aqui temos o reverso do nº 7. Vemos a facilidade de movimento descendente
no dia “a”, com um fechamento fraco perto do mínimo da faixa. No dia “b”, as diferenças de
preço aumentaram e aumentaram acima da alta do dia anterior; no entanto, o fechamento está
na mínima da faixa real e ligeiramente abaixo da máxima do dia "a".

A verdadeira variação do dia “b” começa no final do dia “a”. Algumas notícias inesperadamente
otimistas causaram uma diferença maior. A ação no dia "b" é decididamente otimista, pois apaga
toda a fraqueza do dia anterior. Exceto pela posição do fechamento, ele aumenta em alta ao
lado da reversão da chave em 4. Pode-se estar preocupado com o "fraco" próximo no dia "b".
Mas não é fraco quando consideramos o verdadeiro alcance.

Figura 4.1, nº 9: Os dois dias “a” e “b” têm intervalos estreitos e fecham perto de seus baixos.
No dia “b”, o preço abre abaixo do mínimo do dia anterior e fica abaixo do mínimo durante toda
a sessão.

Não vemos facilidade de movimento descendente em nenhum dos dois dias. Essas duas barras
de preço refletem um mercado em constante declínio, no qual os compradores estão recuando.
O volume é provavelmente baixo a moderado. Nenhuma ação selvagem, agitando-se e clímax
aqui. Em vez disso, temos dois dias de desaceleração lentos, constantes e discretos
(escorregamento) com os poucos avanços provavelmente causados por coberturas curtas ou
por alguns colecionadores de pedras imprudentes. Espere mais fraqueza no dia "c".

Figura 4.1, # 10: O intervalo do dia “a” não reflete grande facilidade de movimento descendente
e preço fecha no meio. No dia “b”, o preço sobe com uma facilidade um pouco maior, mas fecha
bem na alta do dia, abaixo da máxima do dia “a” e apenas uma fração maior.

O fechamento da faixa intermediária no dia “a” e a falta de um spread de preço amplo sugerem
que a compra está presente. No final do dia “a”, um rali teria parecido provável. Um rali robusto
ocorre no dia “b”, mas a posição do fechamento indica que a venda foi encontrada. O fim do dia
"b" marca o ponto médio dos dois dias de negociação. Podemos supor que a negociação tenha
sido rápida, possivelmente volátil; entretanto, pouco progresso ascendente é alcançado. Os
vendedores ainda aparecem no controle; portanto, espere fraqueza no dia “c”. Dependendo de
onde o dia “c” abre, as informações aqui poderiam se encaixar rapidamente em uma história
igualmente otimista ou pessimista. De muitas maneiras, o # 10 representa a situação mais
ambígua.

Na Figura 4.2, organizei as sequências de 10, 2 dias discutidas acima em um declínio de 20 dias.
O pedido permanece exatamente o mesmo. Enquanto esta é uma situação puramente
hipotética, criada aleatoriamente, tem um aspecto realista com uma mistura típica de clareza e
ambiguidade. Eu desenhei linhas de suporte / resistência e um canal normal de tendência
inferior conectando dois máximos e um mínimo intermediário. Juntas, estas linhas enquadram
o movimento de preços. Eles ajudam a contar a história sobre onde pequenas faixas de
negociação se formaram e onde as quebras ocorreram; eles destacam as faltas / rupturas e o
ângulo de declínio.
Figura 4.2 Movimento do Preço Hipotético

Quando visto em um contexto mais amplo, algumas das barras de preço adquirem um novo
significado. A ação do preço no fechamento da barra 1b apontou para uma alta. Como podemos
ver, o rali resultante subiu o topo de 1a. e o preço inverteu-se de forma descendente.
Reconhecemos as conotações bearish (grosseiro) para a barra 2b e aqui ela se torna mais
aparente, já que o mercado abraça sua baixa sem capacidade de recuperação. A facilidade de
movimento descendente em 3a mostra que os vendedores ganharam a vantagem e
permanecem dominantes em 3b e 4a. A reversão de chave em 4b interrompe temporariamente
a venda. A ação do preço em 5a e 5b apresenta uma imagem de baixa. Em 6a, no entanto, o
fechamento da empresa diz que os compradores estão tentando absorver as vendas indiretas.
O preço chega ao ponto morto em 6b e esperamos que o mercado mostre sua mão. Como de
costume, é complicado e volátil. Em 7a, a parte inferior da faixa de negociação imediata é
penetrada, mas o preço se inverte para cima. Essa ação primaveril tinha um potencial de alta
enquanto a mínima de 7a se mantinha. Como se viu, algum desenvolvimento de baixa durante
a noite causou uma abertura brusca na abertura do 7b. Mais uma vez a implicação foi muito
baixa e os preços aceleraram em 8a. Quando olhamos para o dia 8b como parte de um exercício
de dois dias, a recuperação pareceu otimista. Neste gráfico, no entanto, vemos 8b como uma
tentativa de se mover acima da linha de suporte anterior. A posição do fechamento em 8b avisa
que o esforço falhou. As faixas estreitas em 9a e 9b refletem pouca facilidade de movimento e
sugerem um teste secundário da baixa recente. O dia 10a, que parecia tão ambíguo na forma
abstrata, parece mais significativo aqui. O preço cai abaixo da baixa da faixa de negociação e há
pouco progresso descendente. Se pudéssemos medir a quantidade de terra coberta nas
descidas abaixo de 1b, 4b, 8a e 10a, seria óbvio que o impulso para baixo foi encurtado. A
posição do fechamento é midrange e acima do fim de 9b. Diz esperar mais ganhos. No dia final,
10b, o preço sobe pela linha de tendência de baixa; no entanto, isso não resolve a situação
porque o fechamento está próximo do menor intervalo do dia. Mas o preço conseguiu superar
as altas das três barras anteriores e fechar um pouco mais alto. Se houver pouca pressão
descendente em 11a, o preço estará no trampolim para uma alta maior.

Até agora, nos referimos a facilidade de movimento, molas, upthrusts (impulso (algo) para
cima), absorção e encurtamento do impulso. Eles serão discutidos ao longo dos capítulos
seguintes. O volume é o ingrediente que falta. Para incorporar o tema do volume nessa
discussão, plotei um histograma de volume hipotético abaixo das barras de preço. Como esses
gráficos são desenhados manualmente, o espaçamento entre os dias não é perfeitamente
equidistante. Embora o gráfico possa não ter muita precisão gráfica, o comportamento aqui
complementa os outros elementos que discutimos.

Mas primeiro algumas palavras sobre o volume, que mede a força.

Comparamos a força (ou esforço) da compra e venda contra a recompensa (ganho ou perda de
preço) para determinar qual lado é dominante e para identificar sinais de uma mudança
iminente na tendência.

A interpretação do volume é rotineiramente reduzida a um conjunto de fórmulas gerais: preço


e volume subindo = alta; aumento do preço e queda do volume = baixa; queda de preço e
aumento de volume = baixa, queda de preço e queda de volume = alta. Essas fórmulas são muito
simplistas. Eles não capturam a nuance do comportamento preço / volume. Eles servem apenas
como diretrizes aproximadas.

Por exemplo, há ocasiões em que os preços sobem em volume decrescente porque menos
traders querem apostar contra uma forte tendência de alta.

Por outro lado, muitas vezes os preços caem em volume reduzido porque os compradores
recuaram ou desistiram.

Ralis e vendas em volume muito alto podem indicar uma ação climática ou de parada.

Ralis e vendas em volume muito baixo geralmente significam exaustão.

Muitas tendências começam com uma explosão de volume, que serve como o principal motor,
o ímpeto para um balanço maior. Após esta explosão inicial de energia, o volume diminui
frequentemente.

A eloquente descrição de Wyckoff das forças de mercado é instrutiva:

O mercado é como uma roda girando lentamente: Se a roda continuará a girar na mesma
direção, ficar parado ou inverter depende inteiramente das forças que entram em contato com
o cubo e o piso. Mesmo quando o contato é rompido e nada resta para afetar seu curso, a roda
retém um certo impulso da mais recente força dominante, e gira até parar ou estar sujeita a
outras influências.1
1 Rollo Tape [pseud.], Studies in Tape Reading (Burlington, VT: Fraser, 1910), 13.

O volume é melhor interpretado em conjunto com a faixa de preço e a posição do fechamento.


Na Figura 4.3, a baixa do upthrust e da reversão para baixo em 2a é enfatizada pela forte pressão
de venda refletida no grande volume. O colapso em 3a, onde vemos facilidade de movimento
descendente e um fechamento fraco, conta uma história de baixa por si só. O grande volume de
preços abaixo do suporte indica que a força da venda superou a força da compra. Em 3b e 4a,
os preços baixam em volume modesto. Aqui, o baixo volume - como o fraco fecha - indica falta
de demanda. O volume pesado em 4b reforça a reversão chave. No entanto, o volume não
mostra uma demanda agressiva em 5a, 5b e 6a, à medida que os preços sobem e descem em
uma faixa pequena. Um grande esforço de venda no 7a é superado através da compra de
recuperações de preço. A falta de recompensa pelo esforço sugeriria que os compradores estão
ganhando vantagem. Então, as notícias pessimistas chegam ao mercado em 7b, e as diferenças
de preço abaixo da baixa anterior. A venda atinge um crescendo na 8a, mas o fraco ainda alerta
para preços mais baixos. Não há progresso para baixo na 8b, uma vez que as diferenças de
preços são mais altas; no entanto, ele não consegue limpar a linha de suporte anterior
desenhada na parte inferior de 4b. A linha de suporte anterior serve como resistência. Mas não
podemos ignorar o fato de que o volume neste dia é o segundo mais pesado de todos os dias no
gráfico.
Figura 4.3 Comportamento Hipotético

Pode-se construir uma história que os compradores possam ter começado a emergir ao abrigo
do volume climático no 8a. Quando um mercado está cheio de vendas, as compras muitas vezes
não são detectadas. A demanda apareceu no 8b, mas não foi suficiente para romper a
resistência de sobrecarga. É o comportamento preço / volume em 9a e 9b - faixas estreitas e
baixo volume - que sugere que a pressão de venda é cansativa. (Pode-se questionar por que 9a
e 9b não são interpretados bearishly como 3b e 4a. Os dois últimos dias estão em meio a um
declínio. Os dois primeiros dias estavam em reteste de um alto volume baixo.) Mas porque o
fecha em 9a e 9b permanecem perto de seus baixos, um washout (lavagem / fiasco) de 8a ainda
é possível. Isso ocorre no 10a. O volume diminuído em 10a é digno de nota. Desde que o down-
move inteiro começou, isso marca o menor volume em uma penetração de suporte. (Compare-
o com 3a e 8a.) A posição do fechamento na 10a é próxima da faixa média e, mais importante,
acima da mínima de 8a. Diz que a pressão de venda é gasta. Em um nível, a ação em 10a
representa uma mola menor de 8a. No contexto de toda a descida, vemos o encurtamento do
empuxo (SOT) em 10a. Muito do ganho em 10b é apagado no fechamento. Se esta fosse uma
situação real de negociação, alguém observaria o caráter do recuo da alta de 10b para ver se a
pressão de venda era gasta. Se o volume for contratado, existe uma oportunidade de compra
de baixo risco. Outra estratégia de compra seria parar muito acima da alta de 10b.

Agora, vamos olhar para o gráfico de continuação da Standard & Poors (S & P) em 2003. A Figura
4.4 mostra 17 dias de trabalho de preço começando no meio de uma tendência de alta. Qual
comportamento mais dominou o movimento de preços? Não estou me referindo a um dia em
particular. Não estou me referindo a linhas de tendência ou ao volume. Não estou me referindo
à capacidade do mercado de fazer altos e baixos mais altos. Que comportamento ocorreu
repetidamente para permitir que a tendência de alta continue? Subliminarmente, você sabe a
resposta. Você só precisa conhecer o conceito.

Figura 4.4 Gráfico de Continuação Diário da S & P

Fonte: TradeStation.

Qual é o comportamento mais baixista no gráfico S & P (Figura 4.4)?

Como você interpreta o significado dos dias 16 e 17 no contexto do gráfico geral?

O que você espera que aconteça no dia 18?

Qual nível de preço próximo teria que ser penetrado para indicar que os vendedores estão
ganhando vantagem?

Se você fosse longa, onde você colocaria uma parada de proteção?

Suponha que você tenha ido muito no dia 12.

Esses são os tipos de perguntas que fazemos a nós mesmos quando examinamos um gráfico.
Do meu ponto de vista, a tendência de alta na Figura 4.4 é sustentada pela capacidade repetida
dos compradores de superar todos os esforços de venda.

Expresso de outra forma, sempre que os vendedores tiveram a oportunidade de baixar os


preços, eles a perderam.

Houve pouco ou nenhum seguimento para baixo. Os dias 3 e 4 ilustram o ponto. O estreitamento
da faixa de preço e a posição do fechamento sugeriram que a demanda estava cansada após a
grande alta do dia 2. O mercado provavelmente encontrou lucros com longos. Assim, o dia 3
alertou para uma correção. O dia 4 aumentou a probabilidade de um recuo mais profundo. Aqui,
o mercado subiu acima da máxima do dia anterior, revertendo abaixo da mínima do dia anterior
e fechou com uma nota fraca. A vantagem aparentemente havia mudado para os vendedores.
No entanto, a falta de follow-through no dia 5 levou a novas compras e a tendência de alta foi
retomada. Depois de subir nos dias 5 e 6, os operadores voltaram a lucrar. Observe a posição do
fechamento no dia 6, que diz que o mercado encontrou vendas. A falta de vendas subsequentes
no dia 7 preparou o terreno para uma rodada adicional de compras. Novamente, vemos que o
mercado encontrou vendas no dia 10, como refletido na posição do fechamento. O
comportamento mais baixista ocorreu no dia 11, já que a maioria dos ganhos dos três dias
anteriores foi apagada; no entanto, os vendedores mais uma vez não conseguiram capitalizar a
vulnerabilidade do mercado. Finalmente, o ligeiro progresso ascendente e o pequeno ganho no
dia 14 alertaram que a demanda poderia ser cansativa. O mercado cedeu facilmente no dia 15,
mas nenhuma venda sustentada surgiu quando o preço subiu para uma nova máxima no dia 16.

Isso nos leva à questão sobre os dias 16 e 17, não no abstrato, mas no contexto de todo o gráfico.
A quebra abrupta nos dias 10 e 11 pode ser comparada à ferida de um soldado. Não é uma ferida
mortal, mas requer tempo para cicatrizar. Assim, o mercado se apoia ou se consolida em uma
faixa de negociação. O equilíbrio entre as forças de oferta e demanda muda no dia 16. Aqui, o
mercado exibe facilidade de movimento ascendente, fecha na alta e fecha ao preço mais alto do
gráfico. A bandeira de alta voa alto novamente; os touros reinam. O dia 17, no entanto, levanta
preocupações: pouco alcance ascendente, faixa de preço limitada e fechamento médio. Isso
adverte que a demanda pode ser gasta. Uma faixa de preço estreita em uma mudança para
novas máximas não deve ser desconsiderada, já que muitas vezes leva à fraqueza.

No dia 18 (Figura 4.5), o S & P não ultrapassou a alta do dia anterior e caiu abaixo do mínimo. O
fechamento suavizou a mensagem de baixa, terminando em midrange e ligeiramente abaixo.
Ainda assim, temos que nos preocupar com as faixas estreitas que sugerem que ocorreu um
upthrust.

O outro lado do argumento diz que o mercado está passando por absorção.

Em um novo teste de um nível de resistência anterior, os compradores devem absorver a


liquidação por parte dos fornecedores que compraram no dia 10, o lucro obtido pelos
comprados que compraram em níveis mais baixos e a nova venda a descoberto atraída pelo
preço alto. Portanto, temos que pesar o potencial upthrust contra a possibilidade de que a
absorção possa estar ocorrendo. Qualquer pessoa deve aumentar as paradas para abaixo da
mínima do dia 18.
Figura 4.5 Gráfico Diário S & P 2

Fonte: TradeStation.

A resposta se torna aparente no dia 19 (Figura 4.6). Após uma breve tentativa de reagrupar a
abertura, o S & P mergulhou abaixo dos baixos dos últimos dois dias. Muitos dos ganhos obtidos
no dia 16 são apagados. Observe como os volumes diários parecem todos iguais e falamos pouco
sobre a força da compra e venda.

Nós principalmente temos que confiar no tamanho do intervalo e na posição do próximo para
ler o gráfico.

Os vendedores agora ganharam a vantagem, e a fuga acima da faixa de negociação foi de fato
uma reviravolta.

A lição aqui é simples: sempre esteja atento quando um mercado se move acima dos máximos
anteriores e o alcance se estreita.

Determinar a resolução de um intervalo de negociação é facilitado por mais histórico de preços.


Por exemplo, a quebra da alta do dia 10 para a baixa do dia 11 marcou o maior declínio de dois
dias em três meses. Essa mudança de baixa no comportamento brilhou no gráfico diário. Calções
estabelecidos em uma parada abaixo do dia 18 teriam sido protegidos com uma parada acima
do dia 17 de alta. A parada deve então ser reduzida para a máxima do dia 19.
Figura 4.6 Gráfico diário S & P 3

Fonte: TradeStation.

A figura 4.7 mostra os próximos oito pregões. Depois do dia 21, o mercado faz pouco progresso
descendente. A ação de reversão no dia 23 parece bastante ameaçadora, pois os preços estão
abaixo do limite inferior da faixa de negociação. Embora não tenha havido vendas imediatas de
acompanhamento, o mercado não conseguiu se afastar do ponto de perigo.

Quando os preços persistentemente atingem a baixa de uma faixa de negociação, as


probabilidades favorecem pelo menos uma eliminação e muitas vezes uma queda acentuada.

(Observe como os dias 24 a 26 se mantêm dentro do intervalo do dia 23.) No dia 27, o mercado
caiu abaixo dos mínimos dos seis dias anteriores e reverteu para cima na faixa de negociação.
Isso criou uma potencial fonte da faixa de negociação que começou na alta do dia 10. A baixa
no dia 27 está na “área entrecruzada” entre a máxima do dia 4 e a mínima do dia 7 em torno da
linha 962. A demanda apareceu na mudança do dia 7 e ressurgiu no dia 27. Estamos vendo o
gráfico como um leitor de fita, com atenção para onde as lutas anteriores aconteceram e que
podem oferecer suporte às reações.
Figura 4.7 Gráfico diário S & P 4

Fonte: TradeStation.

Como mostrado na Figura 4.8, a primavera no dia 27 foi testada dois dias depois, onde o volume
diminuiu e o preço fechou bem abaixo do mínimo. A demanda retornou no dia 30, como
indicado pela facilidade de movimento ascendente e pelo forte fechamento. No dia 31, no
entanto, o intervalo diminuiu à medida que o mercado se aproximava do topo da faixa. Por causa
do fechamento da empresa, parecia que os compradores poderiam estar absorvendo o
suprimento de energia. Então, temos uma inversão de baixa externa bastante moderada no dia
32. O mercado deu mais espaço no dia 33, mas não há um acompanhamento para baixo no dia
34. Isso abre a porta para outro teste da resistência de sobrecarga. No dia 35, os preços sobem
acima do dia 32, mas dão alta e fecham perto da baixa da sessão. A oferta foi encontrada,
conforme indicado pela ação do preço fraco e pelo aumento do volume. O dia 36 sela o destino
do mercado. Aqui, outra tentativa de eliminar a resistência falha e o mercado fecha mais perto
da baixa do dia. As probabilidades favorecem outro downswing. Continua até 5 de agosto e
termina com uma primavera do dia 27 baixa. A partir daí, os preços sobem por seis meses.
Figura 4.8 Gráfico diário S & P 5

Fonte: TradeStation.

Uma parte da tendência de alta de seis meses é mostrada na Figura 4.9 do Dow Jones Industrial
Average. Começa em 21 de novembro de 2003, baixa, a fase mais íngreme da tendência de alta.
Para este estudo, eu incluí um histograma verdadeiro abaixo do preço do trabalho. Sua
configuração é uma comparação com as leituras de outros dias. Como você verá, as faixas diárias
podem ser interpretadas como volume; eles servem como um excelente proxy (representante)
para o volume. O volume real não forneceu tanta diferenciação entre leituras altas e baixas. Eu
me lembro do dia de 2 de janeiro de 2004, quando notei uma mudança de comportamento.
Neste dia, a Dow teve sua primeira reversão para fora, desde a baixa de novembro. Mais
notavelmente, seu alcance foi o maior de qualquer down-bar (barra de baixo) anterior. Eu pensei
que isso fosse uma mudança de baixa no comportamento; no entanto, o dia seguinte apagou
toda essa fraqueza. Cinco dias depois (1/9), o Dow vendeu outra grande variedade. Em 13 de
janeiro, vemos outra ampla reversão para baixo. Observe como os declínios de 9 e 13 de janeiro
testaram a faixa de 2 de janeiro. No entanto, a posição do fechamento no dia 13 indicou a
presença de compra. Nas oito sessões seguintes, o Dow subiu 340 pontos. O ritmo da mudança
foi mais difícil do que o avanço de dezembro. Mas o grande comício intradiário de 21 de janeiro
ficou em 153 pontos, o maior em vários meses. Outro forte desempenho ocorreu em 26 de
janeiro. À primeira vista, os compradores pareciam em total controle. No entanto, não houve
nenhum aumento no dia seguinte, e em 28 de janeiro o mercado sofreu a maior liquidação
intradiária desde abril de 2003, eliminando todos os ganhos obtidos entre 21 e 26 de janeiro.
Essa foi uma séria mudança de comportamento.

Bob Evans, o mais conhecido dos professores de Wyckoff, diria para colocar “um pedaço de
manteiga de amendoim” neste bar, de modo a mantê-lo em primeiro lugar em mente. (Um
amigo costumava escrever a palavra wad (capital / dinheiro)em negrito em seus gráficos.) Mas
a venda rapidamente diminuiu e os preços se mantiveram por seis sessões em uma faixa
estreita.

Figura 4.9 Gráfico diário médio industrial Dow Jones

Fonte: TradeStation.

A próxima alta culminou com um forte desempenho em 11 de fevereiro, onde o Dow ganhou
174 pontos em relação à baixa, fechou em alta e fez uma nova alta para o ano. Embora os
compradores tenham aparecido no controle, o rally ficou parado por cinco sessões consecutivas.
No quinto dia, 19 de fevereiro, os compradores levaram o mercado a uma nova alta fracionária
antes que ele se invertesse e fechasse perto da baixa do dia. Neste ponto, todo o
comportamento de 2 de janeiro entrou em foco e disse esperar uma venda maior. O esforço de
compra em 1º de março foi totalmente eliminado no dia seguinte, onde os preços fecharam
perto do mínimo do dia anterior. Nos dias 3 e 4 de março, a Dow realizou em faixas estreitas.
Sua importância não pode ser minimizada. Eles marcam o local, o centro morto no meio da faixa
de negociação, onde, se os touros estavam para recuperar o controle, o mercado deve se
recuperar. Na superfície, o dia 5 de março parece ambíguo: os preços subiram e desceram, se
estabilizaram na faixa intermediária e quase não se fecharam. Quem ganhou a luta - os
compradores ou os vendedores? Consideramos como o caráter do up-move mudou entre 13 e
26 de janeiro, o intervalo aberto de 28 de janeiro, as oportunidades perdidas dos compradores
após 11 de fevereiro e 1 de março, e a alta de 19 de fevereiro. A indecisão em 5 de março ressalta
a vulnerabilidade do mercado.
Na segunda-feira, 8 de março, o Dow recusou e fechou perto do mínimo do dia anterior. Não
deixou dúvidas sobre uma desaceleração maior nos índices de ações. Para o Dow, isso marcou
o início de um declínio de 600 pontos. A posição vulnerável da Dow após o dia 5 de março foi
reforçada pela ação em vários índices / médias. Por exemplo, até 5 de março, a Dow
Transportation Average teve sua maior venda em mais de um ano. O Nasdaq Composite sofreu
uma quebra semelhante. Em 5 de março, o caixa S & P e Russell 2000 subiram para os níveis
mais altos do ano. Quando eles se inverteram no dia 8 de março, seus protestos anunciaram a
mensagem de baixa.

Na discussão da Figura 4.9, os sell-offs intradia nos dias 2, 9 e 28 de janeiro se destacaram como
mudanças de baixa no comportamento. Em seu curso de leitura em fita, Wyckoff afirmou que
as tendências de alta acabam quando as “ondas de venda começam a aumentar no tempo e na
distância ou as ondas de compra encurtam”. Ele estava se referindo à tendência de alta ou ao
aumento nas tabelas de ondas intraday. Do ponto de vista de um leitor de fita, a ampliação dos
preços nesses três dias de inatividade pode ser vista da mesma forma. Intervalos estreitos são
igualmente importantes. Wyckoff e seus associados posteriores certamente reconheceram seu
significado. Com base em seus modelos de acumulação e distribuição, faixas estreitas
desempenham um papel importante na definição do ponto de inflexão final dentro de uma faixa
de negociação antes da marcação ou redução de preço. É claro que, conforme ilustrado na
discussão anterior, faixas estreitas nos dizem algo sobre a facilidade de movimento -
especialmente quando consideramos a posição do fechamento.

Intervalos estreitos desempenham um papel importante nos escritos analíticos de Toby Crabel,
o lendário comerciante / analista que, após publicar um livro tratando de suas descobertas sobre
a natureza dos mercados, tentou recomprar cada cópia do editor. Alguns deles escorregaram
pelas rachaduras e rapidamente se tornaram livros raros. Em seu livro Day Trading with Short
Term Price Patterns e Opening Range Breakout, Toby Crabel cita o trabalho de Arthur Merrill
como uma fonte de inspiração. Mas ele também demonstra um profundo entendimento dos
conceitos de Wyckoff sobre o Último Ponto de Suprimento e Último Ponto de Suporte como a
fonte para um padrão específico de faixa estreita. Crabel se aproxima de Wyckof da perspectiva
de um analista quantitativo. Ele testou os resultados de day trading com base na compra ou
venda de breakouts de intervalo de abertura de várias combinações de dias de intervalo estreito.
Em uma passagem particularmente importante, ele escreveu:

Deve-se esclarecer que, embora esses testes sejam apresentados em um formato de sistema
bruto, não é aconselhável que eles sejam negociados como tal. O objetivo de todo o meu
trabalho é determinar a natureza dos mercados. Este conceito de mercado me ajuda com isso.
Ao aplicar a 2Bar NR [faixa estreita] (ou qualquer conceito de mercado), o contexto completo
do mercado deve ser considerado. Eu defino contexto de mercado como a integração da
tendência, ação de preço, estudos de padrão de preço e suporte / resistência. A principal é a
tendência e [ela] substitui todas as outras particularidades do contexto de mercado.

2 Toby Crabel, Day Trading with Short Term Price Patterns and Opening Range Breakout
Greenville, South Carolina, Traders Press, 1990), 164.

O 2Bar NR representa o intervalo de dois dias consecutivos mais estreito quando comparado a
qualquer intervalo de dois dias durante as últimas 20 sessões de mercado. Ele representa o que
ele chama de Princípio de Contração / Expansão, que explica como os mercados alternam entre
períodos de atividade e períodos de descanso. Ao prescrever um tamanho relativo em vez de
um tamanho especificado, o conceito de 2Bar NR funciona em condições de mercado voláteis
ou sem graça. Na Figura 4.9, uma NR de 2Bar ocorreu de 3 a 4 de março. Antes da abertura, em
5 de março, sabíamos que o mercado estava em uma posição a partir da qual tinha que se
recuperar. Que a mudança em 5 de março não conseguiu aumentar nossa compreensão da
vulnerabilidade do mercado. Eu também circulei dois outros exemplos de 2Bar NR. A ação de 9
a 10 de fevereiro produziu uma reação de alta de um dia. A Crabel quantifica várias outras
configurações estreitas de preço. Um padrão notável, o 3Bar NR, é definido como a menor faixa
de preço de três dias nos 20 dias anteriores do mercado. Em relação a esse padrão, ele faz alguns
comentários perspicazes:

As implicações psicológicas de um padrão desse tipo [3Bar NR] são interessantes. Em geral,
conforme o padrão está se formando, os especuladores estão ausentes. Na verdade, eles
tendem a ignorar um mercado que se contraiu a tal ponto. Este é o ponto em que o mercado
está mais pronto para se mover e apresenta uma oportunidade explosiva. É irônico que tão
pouco interesse inicial seja dado à saída desse padrão. São comerciantes bem treinados que
reconhecem essas oportunidades e fornecem a força que leva o mercado a uma tendência.
Sugiro que os padrões sejam examinados com muito cuidado à medida que eles se formem, a
fim de antecipar a ação futura. Mais uma vez, a quantificação desse padrão permite que você
faça exatamente isso. Os testes mostram várias coisas: 1) Existe uma tendência de mercado para
o mercado se apresentar intraday no dia seguinte à formação do padrão; 2) Que a tendência
geral do mercado tem impacto na capacidade do padrão de continuar a tendência de 2 a 5 dias
após a formação do padrão. Isso é diferente do 2Bar NR, que mostra a tendência na direção da
fuga, independentemente da tendência. ”3

3 Ibid., 177.

No gráfico da Dow, um 3Bar NR foi formado entre 3 e 5 de fevereiro. Esses três dias estreitos se
formaram no intervalo de 2 de fevereiro. Como Crabel considerou que os Dias Internos eram
“precursores da ação de tendências”, essa NR de 3Bar em particular tinha um potencial maior,
conforme comprovado pelo rali de 250 pontos resultante. Wyckoff referiu-se a essa rigidez de
preço como uma dobradiça. Pode ser comparado à dobradiça que permite que uma porta se
abra. Uma dobradiça é o precursor de um balanço de preços. Uma dobradiça em um gráfico
semanal ou mensal geralmente leva a muitas das maiores oscilações. Crabel testou outro padrão
de faixa estreita chamado NR4. Consiste em um dia com um intervalo diário que é mais estreito
que cada um dos intervalos anteriores de três dias. Resultados de testes favoráveis também
foram observados quando o NR4 ocorreu como um dia interno (ID / NR4). Esse padrão aparece
com menos frequência do que o NR4. Um ID / NR4 ocorreu em 24 de dezembro, mas as
condições comerciais de férias diluíram seu impacto. Os dias 21 e 28 de novembro são típicos
de um NR4. A primavera menor e a posição do fechamento em 21 de novembro deram à NR4
uma história mais convincente. Como vimos, o método de Wyckoff integra faixa de preço,
posição de fechamento, volume e a interação com linhas de suporte / resistência e tendência
para explicar o que está ocorrendo em um gráfico.

Crabel, no entanto, concentra-se em uma configuração que produzirá um dia de tendência para
permitir um dia comercial bem-sucedido ou um balanço de 2 a 5 dias. Muitas vezes aumenta o
imediatismo da abordagem mais intuitiva de Wyckoff.

A Crabel se esforça para regras específicas de negociação diária. Wyckoff lê a luta entre
compradores e vendedores sem regras rígidas. Por exemplo, os quatro dias entre 12 e 18 de
fevereiro ocorreram dentro do intervalo do 11º. 12 de fevereiro é o único ID / NR4. mas não
produziu nenhum dia de tendência. Cumulativamente, esses quatro dias dentro colocam o ônus
da prova nos ursos. Esse aperto disse que o mercado não está dando terreno; os compradores
estão tentando absorver a sobrecarga de suprimentos; observe o personagem do próximo
movimento. O fraco desempenho no dia seguinte mudou a história para o lado pessimista. É
assim que prefiro combinar o trabalho de Crabel com os métodos de Wyckoff.

Com esses pensamentos em mente, nos voltamos para a U.S. Steel no meio de uma tendência
de alta (Figura 4.10). No final de outubro de 2003, esse estoque subiu acima da maior resistência
em 22. Quando a demanda superou a oferta (D / S), as faixas de preço aumentaram e o volume
aumentou. O progresso ascendente diminuiu acima de 24. Em 5 de novembro (ponto 1), a ação
de reversão alertou para uma correção. Dois dias depois (ponto 2), o estoque tentou testar o
alto; no entanto, o intervalo foi mais estreito do que qualquer um dos seis dias anteriores (NR7)
e o preço fechou inalterado no meio. O colapso no dia seguinte exigiu mais fraqueza. Nos últimos
quatro dias do declínio, os preços variam de acordo com contratos de volume e estreito -
comportamento ideal em um teste de fuga. As posições longas devem ser estabelecidas na
abertura do dia seguinte com uma parada abaixo de 20,95, a mínima das barras onde a demanda
superou a oferta. Os últimos três dias também atendem à definição de um 3Bar NR. Aqui
chegamos a um ponto em que ambos os métodos de negociação exigem ação. O
comportamento preço / volume nos dá o pullback ideal para testar um breakout (cf. Figura 1.1,
Onde Encontrar Trades), e o 3Bar NR indica ir longo (curto) em um determinado número de
pontos acima (abaixo) do intervalo de abertura . Dada a tendência de subida subjacente, uma
posição longa seria preferida.

Figura 4.10 Gráfico diário de aço dos EUA

Fonte: TradeStation.
Como você pode ver na Figura 4.11, a U.S. Steel fez altos, baixos e fechamentos mais altos por
seis sessões consecutivas. No sexto dia (1/12), a faixa ampliou-se para 1,64 pontos, a maior
desde 30 de outubro, quando a variação real alcançou 1,97 pontos. Esta facilidade de
movimento ascendente ocorre no breakout acima da alta de novembro. O up-move parou
durante as próximas três sessões enquanto os tempos levaram lucros. Normalmente, espera-se
que a ação recue e teste a fuga. A correção superficial, no entanto, não dá a ninguém a
oportunidade de comprar mais barato em fraqueza; Isso atesta a força subjacente da tendência.
Como mencionado, Crabel considera que dentro de alguns dias será “precursor da ação de
tendência”. Esses 3 dias podem ser confundidos com um 3Bar NR, exceto que 3 dias mais
estreitos ocorreram nos últimos 20 dias (na baixa de novembro). Novamente, dada a
superficialidade das faixas e o agrupamento dos closes, as chances favorecem o progresso
ascendente. À primeira vista, o dia 3 parece decepcionante. Aqui, o estoque sobe acima dos
máximos das quatro sessões anteriores e reverte para fechar inalterado e perto da baixa de seu
alcance. De muitas maneiras, parece o comportamento do Dow em 19 de fevereiro (Figura 4.9).
Mas o comportamento cumulativo nesse caso indicava uma desaceleração; não é assim em U.S.
Steel. Dentro da curva de probabilidades em forma de sino em relação à performance do dia
seguinte, o dia 3 alerta para uma possível ascensão. Em vez disso, as faixas de ações subiram no
dia seguinte (8 de dezembro) - quase acima da máxima do ponto 3 - e aumentaram com o
aumento do spread de preços (intervalo verdadeiro de 1,99 ponto) e um fechamento firme. A
forte abertura do gap está no extremo das probabilidades. No entanto, um operador de alerta
deve reagir imediatamente à situação. Como as corridas de ações estão acima da alta do dia
anterior, um operador agressivo deve comprar mais ações e proteger com uma parada
imediatamente abaixo do fechamento do dia anterior. Não há garantia de sucesso, mas a
sequência de comportamento favorece a continuação da tendência de alta. Embora eu não
tenha feito nenhum estudo estatístico dessas decolagens de alta, minha experiência diz que a
grande maioria ocorre em tendência de alta. Embora a ação no dia 3 sugira um upthrust, não é
incomum que eles falhem dentro de uma tendência de alta, assim como as tendências de baixa
estão cheias de springs falidos. Mais sobre isso depois.

O Princípio de Contração / Expansão pode ser visto em funcionamento na Figura 4.12. Depois
de 8 de dezembro, o estoque permanece por dois dias em um intervalo estreito. O segundo
deles se mantém dentro do primeiro. No entanto, comparado com o volume nos down-bars
anteriores desde a baixa de novembro, aqui o down-volume é o mais pesado. Indica a presença
de demanda, pois o grande esforço de vendas não faz nenhum progresso para baixo.
Finalmente, observe como os preços mantiveram os dois dias em cima da alta de 8 de dezembro.
Mais uma vez, vemos correções superficiais que bloqueiam possíveis compradores. A tendência
recomeça (11 de dezembro) com uma faixa de preço crescente igual a 1,97 pontos. Aqui, o
volume aumenta para o nível mais alto desde abril. Pode sinalizar uma ação climática ou o início
de um aumento mais acentuado. Nós sabemos que o estoque atingiu um ponto de sobrecompra
dentro do up-channel. Em 12 de dezembro (ponto 4), o volume aumenta para um nível ainda
mais alto. O volume combinado de dois dias pode ser indicativo de um clímax de compra. Um
sell-off abaixo do mínimo desses dois dias (28,11) pode ameaçar a tendência de alta, portanto
as paradas em posições longas são elevadas para 28,09.

A US Steel ficou mais elevada em 15 de dezembro (Figura 4.13), com uma variação real de 1,26
pontos, a quarta maior desde 21 de novembro. No dia seguinte (ponto 5), a ação fecha 55
centavos abaixo, a maior perda desde a alta. movimento começou. Inacreditavelmente, isso
também marca a primeira vez que a ação fechou abaixo do mínimo do dia anterior. No entanto,
em 17 de dezembro, a ação se inverteu para cima, para fechar acima dos máximos dos últimos
dois dias. Após o forte desempenho em 18 de dezembro, as paragens podem ser aumentadas
alguns centavos abaixo de 30,51, a baixa da sessão anterior. Um canal mais íngreme é retirado
das mínimas de 11 de dezembro (28/11) e 17 de dezembro. Conforme a tendência de alta
avança, notamos dois dias dentro de 23 e 24 de dezembro (ponto 6). Este último é um NR7 e o
estoque detém em cima da alta de 18 de dezembro. Condições comerciais de férias explicam o
baixo volume no dia seguinte. Em 29 de dezembro, o estoque tem outro intervalo de 1,97 ponto
e chega ao topo do canal up.

Figura 4.12 Diagrama Diário de Aço dos EUA 3

Fonte: TradeStation.

Em seguida, ele se move lateralmente por cinco sessões, mantendo-se no topo da alta anterior.
Dois dos cinco dias alertam para uma correção maior. Primeiro e mais importante é a ação de
preço em 30 de dezembro. Esta se destaca como a mudança de comportamento mais baixista
desde 21 de novembro. Aqui o estoque teve sua maior quebra intradiária e sua maior perda -
tudo em um dia interno. Compare a ação do preço nesse dia com a Dow em 2 de janeiro de 2004
(Figura 4.9). Em segundo lugar, o último dia no gráfico faz um ligeiro novo recorde, mas não
consegue manter seus ganhos, criando assim um potencial upthrust. Estas são pequenas
alterações no comportamento e apenas apontam para uma correção. Um comerciante de swing
iria ter lucros, enquanto o comerciante de posição iria manter paradas em 30.51. A liquidação
resultante terminou nove sessões mais tarde em 33.19. O aumento maior ocorreu em março de
2004, dois meses após o término do nosso estudo, com 40,15. Uma grande base se formou na
U.S. Steel entre novembro de 2000 e março de 2003. A contagem de pontos e números feita
nessa base projetou um aumento máximo para 43.

Com base nas informações já apresentadas sobre leitura de gráficos de barras, observe o
aumento de preço em açúcar de outubro de 2012 (Figura 4.14) e faça o máximo de observações
possíveis em relação às linhas e ao comportamento preço / volume. Eles explicam bem o que
aconteceu e constroem um argumento sólido para a direção futura do mercado.
Figura 4.13 Gráfico diário de aço dos EUA 4

Fonte: TradeStation.

A partir do início do dia 2 de junho, tenho numerado a cada cinco dias para os pontos de
referência. O último dia mostrado é o número

34. Imagine que você está examinando este gráfico após o fechamento no dia 34, e você começa
enquadrando o movimento do preço com linhas horizontais e diagonais. Aqui estão minhas
anotações:

1. Linhas horizontais são traçadas ao longo dos dias 2 (20.29), 12 (21.14), 24 (23.05) e 32 (23.99).
Eles descrevem o encurtamento do impulso nas sucessivas ondas ascendentes. Linhas
horizontais menores são desenhadas ao longo do dia 3 e 26 pontos baixos. Uma primavera
ocorre no pequeno sell-off abaixo do dia 3.

2. A linha de tendência reversa é a que mais se aproxima da localização da alta; é desenhado na


parte alta do dia 2 e 21.

3. Uma linha paralela desenhada ao longo do dia 8 cria um canal de tendência inversa. Observe
a baixa no dia 30 detém nesta linha.

4. Uma segunda linha paralela pode ser traçada ao longo do dia 14. 5. Como vimos na Figura 4.4,
a tendência de alta foi perpetuada porque as barras de preço ameaçadoras não produziram
maior fraqueza. Em outras palavras, falta de seguir para baixo. A ação do preço ameaçador
ocorreu nos dias 2, 13, 17, 21, 24 e 26. Com a exceção do dia 26, cada um desses dias de
inatividade foi acompanhado por grande volume. Com exceção do dia 2, todos eles tinham
amplos intervalos.
Figura 4.14 Diagrama Diário de Açúcar de outubro de 2012

Fonte: TradeStation.

6. O volume no dia 32 se destaca como o maior no gráfico. Seu alcance é o terceiro maior dos
dias em alta. Sinaliza um comportamento climático.

7. Quando visto em conjunto, o movimento do fundo do dia 30 para o máximo do dia 32 é o


aumento mais acentuado de três dias no gráfico (179 pontos), ressaltando assim a ação
climática.

8. No dia 33, o mercado tentou recuar, mas os preços recuperaram para fechar perto da alta e
apenas ligeiramente inferior. A falta de acompanhamento ascendente após o dia 33 aumenta a
imagem de baixa.

Neste ponto, deve-se ter entendido os fatores que prolongaram a alta da baixa de junho e
reconhecer a vulnerabilidade do mercado no fechamento do dia 34. As próximas oito sessões
são mostradas na Figura 4.15. O intervalo estreito no dia 35 certamente deu aos compradores
outra chance de elevar os preços à medida que o mercado se mantinha no topo do dia 24. Não
poderíamos saber que o mercado teria seu maior down-bar no dia seguinte, mas aconteceu. O
dia 36 é uma mudança de comportamento abertamente pessimista por causa de seu verdadeiro
alcance, alto volume e fechamento fraco. Aumenta a probabilidade de um down-move muito
maior. Durante as próximas três sessões, no entanto, o açúcar permanece acima da linha traçada
na baixa do dia 26. Uma reversão para baixo, no exterior, ocorre no dia 39, mas a posição do
fechamento diminui a mensagem de baixa para aquela sessão. No dia 40, os preços caem abaixo
da linha de suporte, mas se recuperam para fechar perto da alta e apenas 0,08 pontos a menos.
Aqui, temos uma potencial primavera e mais uma vez não podemos descartar outra tentativa
de recuperação. O dia 41 é o golpe de misericórdia: nenhum acompanhamento ascendente com
o fechamento abaixo do mínimo do dia anterior. Neste ponto, sabemos com quase certeza que
os preços estão caindo. A remarcação deve começar a sério. Em vez disso, o alcance diminui, o
volume diminui e o contrato fecha apenas quatro carrapatos abaixo no último dia. Imagine que
você falhou no dia 34 ou no dia 41. Acredita que a ação do último dia nega a preponderância do
comportamento de baixa que o precedeu? Ela garante o fechamento da posição vendida? Aqui,
temos um desses momentos na evolução de um comércio em que temos que estar dispostos a
nos expor ao desconhecido. Eu chamo isso de "descobrir despesas". A partir do fechamento do
dia 42, o açúcar de outubro caiu 183 pontos nas nove sessões seguintes. Todos os dias, nesse
declínio, eles eram mais altos, baixos e próximos. Cada fechamento se estabeleceu abaixo do
mínimo do dia anterior.

Figura 4.15 de outubro de 2012 Quadro de Açúcar 2

Fonte: TradeStation.

Dos exemplos apresentados neste capítulo, você deve estar mais bem preparado para ler
qualquer gráfico de barras - intradiário a mensal - com muito mais facilidade. Em vez de analisar
uma série de indicadores ou algoritmos, você deve ser capaz de ouvir o que qualquer mercado
diz sobre si mesmo. Esse conhecimento poderoso vem da observação repetida da história das
linhas e do comportamento preço / volume juntos.

Capítulo 5

Molas