Você está na página 1de 4

ART 202 - Arte e História IV: Arte brasileira

Prof.ª Dr.ª Renata Zago

Ementa:
Estudo da história da arte brasileira do período colonial à atualidade. Arte colonial. Arte
Acadêmica. Modernismo. Concretismo e Neoconcretismo. Arte nos anos 60 e 70. Arte
nos anos 80 e 90. Estudo de artistas contemporâneos de relevância nacional e
internacional.

Conteúdo:
1. Arte Colonial
2. Academicismo
3. Modernismo
4. Abstracionismo informal
5. Abstração geométrica: Concretismo e Neoconcretismo
6. Arte e política/ Arte e conceito: as décadas de 1960 e 70
7. Poéticas avulsas das décadas de 1980 e 90
8. Novas mídias na arte brasileira

PROGRAMA:

1 - ARTE COLONIAL
O estatuto social do artista;
Preceptivas artísticas que orientaram o fazer artístico;
Manuel da Costa Ataíde e Aleijadinho.

2 - O ACADEMICISMO
A Missão artística francesa;
A Academia Imperial de Belas Artes e a pintura de história (Victor Meireles, Pedro
Américo, Araújo Porto Alegre);
A dissidência acadêmica: o Grupo Grimm e a pintura de paisagem.

3 - O MODERNISMO
A Semana de 22: o grupo dos Cinco e os paradoxos de uma modernidade nacional;
Portinari, Di Cavalcanti e Guignard: modernidades possíveis;
O modernismo à margem: Goeldi, Lasar Segall, Flávio de Carvalho, Ismael Nery.

4 e 5 - OS ABSTRACIONISMOS
O abstracionismo informal;
As tendências construtivas: Concretismo e Neoconcretismo
A fundação dos museus e as primeiras edições das Bienais de São Paulo.

6 - Arte e Política nos anos 1960 e 70


Tropicalismo e cultura marginal.
Anos 70 no Brasil: produzir em tempos de ditadura, arte conceitual brasileira.
O circuito de exposições “experimentais” e os Salões de Arte Contemporânea.

7 - Os anos 1980 no Brasil


O “retorno da pintura”. A geração 80: rótulo e superação.
A questão da autoria na arte e o início da curadoria autoral.

8 - Arte: novos meios e novas mídias na arte brasileira


A arte contemporânea brasileira a partir dos anos 1990.
As megaexposições e a curadoria contemporânea.
Arte e tecnologia, arte e ecologia, arte e geografia: novas discussões na arte
contemporânea.

Metodologia e desenvolvimento das aulas:

As aulas serão ministradas a partir dos recortes estabelecidos no programa. Para cada
aula será sugerida uma leitura para discussão em sala e serão apresentadas imagens
de obras para análise. Os textos sugeridos estarão no Xerox do IAD e/ou serão
enviados por e-mail (quando houver cópia digital) a partir da segunda semana de aula.
Os alunos serão avaliados constantemente por sua participação em aula. O calendário
final será apresentado na segunda semana de aula.

Avaliações:

Haverá duas provas e duas mesas redondas. As provas serão preparadas a partir de
questões dissertativas e análises de obras. As mesas redondas serão compostas por
apresentações de textos e discussões elaboradas pelos alunos. Os alunos serão
avaliados constantemente por sua participação em aula. A professora pode sugerir,
no decorrer do semestre, pequenos trabalhos como resenhas de textos e filmes ou
relatórios de palestras para compor a nota final.

Bibliografia:
AMARAL, Aracy. Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira 1930-1970.
São Paulo: Nobel, 2003.
_______, Artes plásticas na Semana de 22. São Paulo: Editora 34, 1998.
_______, (coord.), Projeto Construtivo Brasileiro na Arte (1950-1960). Rio de
Janeiro/São Paulo:MEC/FUNARTE/MAM do Rio de Janeiro/Secretaria da Cultura
Ciência e Tecnologia de São Paulo/Pinacoteca do Estado de São Paulo, 1977.
Anos 80: o palco da diversidade – Coleção Gilberto Salvador, São Paulo: SESI;
Rio de Janeiro: Museu de Arte Moderna, 1995. Textos: Armando Mattos & Marcus de
Lontra Costa.
ARANTES, Otília B. Fiori, Depois das Vanguardas. In Arte em Revista, no. 7, São
Paulo, CEAC, agosto de 1983.
________, (org.) Modernidade: cá e lá: textos escolhidos III/ Mário Pedrosa. São
Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000.
________, (org.) Modernidade: cá e lá: textos escolhidos IV/ Mário Pedrosa. São
Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000.
BAEZ, Elizaeth Carbone. A Academia e seus modelos. In: Projeto Arte Brasileira:
Academismo. Rio de Janeiro: FUNARTE/ Instituto de Artes Plásticas, 1986.
BASBAUM, Ricardo (org.). Arte Contemporânea Brasileira. Rio de Janeiro:
ContraCapa, 2001.
BAZIN, Germain. A arquitetura religiosa barroca no Brasil. Rio de Janeiro, Record,
2v, 1984.
BRETT, Guy. Brasil Experimental. Arte/vida: proposições e paradoxos. Contra
Capa, 2005.
BRITO, Ronaldo. Neoconcretismo: vértice e ruptura do projeto construtivo
brasileiro. São Paulo: Cosac & Naify, 2a edição, 2000.
_____. Experiência crítica. São Paulo: Cosac Naify, 2005.
CAMPOS, Augusto de, & Campos, Haroldo de, & Pignatari, Décio. Teoria da Poesia
Concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. São Paulo: Livraria Duas
Cidades, 1975.
CANONGIA, Ligia. O legado dos anos 60 e 70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,
2005.
CANTON, Katia. Novíssima arte brasileira. São Paulo: Iluminuras/MAC, 2000.
CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos editorial, 1999.
COCCHIARALE. Fernando & GEIGER, Anna Bella (org.). Abstracionismo
geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos cinqüenta. Rio de Janeiro:
FUNARTE/Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1987.
COLI, Jorge. Como estudar a arte brasileira do século XIX? São Paulo: Senac São
Paulo, 2005.
COUTO, Maria de Fátima M.. Por uma vanguarda nacional: a crítica brasileira em
busca de uma identidade artística (1940-1960), Campinas: Editora da Unicamp,
2004.
FABBRINI, Ricardo N.. A arte depois das vanguardas. Campinas: Editora da
Unicamp, 2002.
FARIAS, Agnaldo. Arte Brasileira Hoje. São Paulo: Publifolha, 2002.
FAVARETTO, Celso F. A Invenção de Hélio Oiticica. São Paulo: Editora da
Universidade de São Paulo/Fapesp, 1998.
FERREIRA, Glória e COTRIM, Cecília (Orgs.). Escritos de artistas anos 60/70. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
FREIRE, Cristina. Arte Conceitual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.
________. Poéticas do Processo – Arte conceitual no Museu. São Paulo:
Iluminuras, 1999.
GULLAR, Ferreira. Etapas da arte contemporânea: do cubismo ao
neoconcretismo. São Paulo: Nobel, 1985.
_______. Argumentação contra a morte da arte. Rio de Janeiro: Revan, 1993.
_______. Cultura posta em questão/Vanguarda e Subdesenvolvimento: ensaios
sobre arte. Rio de Janeiro: José Olympio, 2a. edição, 2002.
HERKENHOFF, Paulo. Arte brasileira na coleção Fadel: da inquietação do
moderno à autonomia da linguagem. Rio de Janeiro: Andréa Jakobsson Estúdio,
2002.
LOURENÇO, Maria Cecília França. Museus acolhem o moderno. São Paulo: Edusp,
1999.
MORAIS, Frederico. Artes plásticas: a crise da hora atual. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1975.
________ (org.). Depoimento de uma geração: 1969-1970. Rio de Janeiro: BANERJ,
1986.
________(org.). Opinião 65. Rio de Janeiro: BANERJ, 1985. (Catálogo de exposição).
OITICICA, Hélio. Aspiro ao Grande Labirinto (org. Luciano Figueiredo, Lygia Pape e
Waly Salomão). Rio de Janeiro: Rocco, 1986.
PECCININI, Daisy V. Machado (coord.). Objeto na arte: Brasil anos 60. São Paulo:
Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado, 1978.
_________. Figurações Brasil anos 60: neofigurações fantásticas e neo-
surrealismo, novo realismo e nova objetividade. São Paulo: Itaú Cultural, Edusp,
1999.
PEDROSA, Mário. Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo:
Ed. Perspectiva, 1981.
________. Mundo, homem, arte em crise. São Paulo: Perspectiva, 1986.
PEREIRA, Sônia Gomes. Arte brasileira no século XIX. Belo Horizonte: C/ Arte,
2008.
PIFANO, Raquel Quinet. O estatuto social do artista na sociedade colonial
mineira. Juiz de Fora: LOCUS: revista de história.
SALZSTEIN, Sônia (org.). Mira Schendel: no vazio do mundo. São Paulo: Marca
D`Água, 1996.
ZANINI, Walter (coord.). História Geral da Arte no Brasil. vol. 2. São Paulo: Instituto
Walter Moreira Sales/Fundação Djalma Guimarães, 1983.
ZÍLIO, Carlos. A Querela do Brasil. A questão da identidade na arte brasileira: a
obra de Tarsila, Di Cavalcanti e Portinari/ 1922-1945. Rio de Janeiro: Edição
Funarte, 1982.