Você está na página 1de 50

Instalação, Operação e Manutenção


Self New Generation
50B 06 a 16
ÍNDICE

1. NOMENCLATURA ............................................................................................................. 3

2.SEGURANÇA E TRANSPORTE ........................................................................................ 4

3. INSTALAÇÃO .................................................................................................................... 4
3.1. Recebimento e inspeção da unidade ............................................................................... 4
3.2. Colocação no local ........................................................................................................... 4
3.3. Instalação do Plenum (acessório) ..................................................................................... 5
3.4. Instalação dos dutos de insuflamento de ar ...................................................................... 5
3.5. Instalação das resistências para aquecimento (Instalação opcional em campo) ............... 5
3.6. Verificação dos filtros de ar .............................................................................................. 5
3.7. Conexões de refrigerante (Somente 50BZ) ...................................................................... 5
3.8. Conexões de água de condensação (Somente 50 BR) .................................................... 7
3.9. Conexões para dreno ....................................................................................................... 7
3.10. Conexões elétricas ........................................................................................................ 7

4. OPERAÇÃO ....................................................................................................................... 8
4.1. Verificação inicial ............................................................................................................. 8
4.2. Kits comando ................................................................................................................... 9
4.3. Carga de refrigerante ....................................................................................................... 9
4.4. Cuidados gerais ............................................................................................................ 10

5. MANUTENÇÃO ............................................................................................................... 10
5.1. Ventiladores ................................................................................................................... 10
5.2. Lubrificação ................................................................................................................... 11
5.3. Filtro de retorno de ar ..................................................................................................... 11
5.4. Quadro elétrico............................................................................................................... 12
5.5. Limpeza ......................................................................................................................... 12
5.6. Circuito frigorífico ........................................................................................................... 13
5.7. Bandeja de condensado ................................................................................................ 13
5.8. Isolamento térmico ......................................................................................................... 13

ANEXO I - Características técnicas ....................................................................................... 14


ANEXO II - Tabela de disponibilidade de itens ...................................................................... 17
ANEXO III - Dados dimensionais ........................................................................................... 18
ANEXO IV - Fluxograma frigorígeno ...................................................................................... 21
ANEXO V - Esquema elétrico ............................................................................................... 33
ANEXO VI - Cálculo de sub-resfriamento e superaquecimento ............................................. 41
ANEXO VII - Relatório de partida inicial (RPI) ........................................................................ 42
ANEXO VIII - Programa de manutenção periódica ................................................................ 44
ANEXO IX - Análise de ocorrências ...................................................................................... 46

2
1. NOMENCLATURA
NOMENCLATURA

50 BR E 06 22 6 P

S - STANDARD
SELF CONTAINED P - PREMIUM

BX - CONDENSAÇÃO A AR INCORPORADO 5 - 50 Hz
BZ - CONDENSAÇÃO A AR REMOTO 6 - 60 Hz
BR - CONDENSAÇÃO A ÁGUA

VERSÃO
06 - CAP. NOMINAL 5TR 22 - 220V/3Ph
08 - CAP. NOMINAL 7,5 TR 38 - 380V/3Ph
12 - CAP. NOMINAL 10TR 44 - 440V/3Ph
14 - CAP. NOMINAL 12,5TR
16 - CAP. NOMINAL 15TR

9 BX D 06 23 6

CONDENSADOR REMOTO

5 - 50 Hz
VENTILADOR DO TIPO CENTRÍFUGO 6 - 60 Hz

VERSÃO
23 - 220 e 380V/3Ph
44 - 440V/3Ph

06 - CAPACIDADE NOMINAL 5TR


08 - CAPACIDADE NOMINAL 7,5 TR
12 - CAPACIDADE NOMINAL 10TR
14 - CAPACIDADE NOMINAL 12,5TR
16 - CAPACIDADE NOMINAL 15 TR

9 AB B 08 22 6

CONDENSADOR REMOTO
5 - 50 Hz
VENTILADOR DO TIPO AXIAL 6 - 60 Hz

VERSÃO 22 - 220V - 1Ph

06 - CAPACIDADE NOMINAL 5TR


08 - CAPACIDADE NOMINAL 7,5 TR

3
2. SEGURANÇA E TRANSPORTE

As unidades de ar condicionado 50B 06 a 16 são projetadas


para oferecer um serviço seguro e confiável quando operadas
dentro das especificações do projeto. Todavia, devido à
pressão do sistema, componentes elétricos e
movimentação da unidade, alguns aspectos da instalação,
partida inicial e manutenção deste equipamento deverão
ser observados.

Somente instaladores e mecânicos credenciados pela


Springer Carrier devem instalar, dar a partida e fazer a
manutenção deste equipamento.

Quando estiver trabalhando no equipamento observe todos


os avisos de precaução das etiquetas presas à unidade,
siga todas as normas de segurança aplicáveis e use roupas
e equipamentos de proteção adequados.

PENSE EM SEGURANÇA!

ATENÇÃO

Nunca coloque a mão dentro da unidade enquanto o


ventilador estiver funcionando. Fig. 1 - Içamento
Proteja a descarga dos ventiladores centrífugos dos
condensadores remotos 9BX caso essa tenha fácil
IMPORTANTE
acesso a pessoas não autorizadas. Para evitar danos durante a movimentação e transporte,
Desligue a alimentação de força antes de trabalhar na não remova a embalagem da unidade até chegar ao lo-
unidade. Remova os fusíveis e leve-os consigo, a fim de cal definitivo da instalação.
evitar acidentes. Deixe um aviso indicando que a unidade Suspenda e deposite o equipamento cuidadosamente
no piso.
está em serviço.

3. INSTALAÇÃO
3.1. RECEBIMENTO E INSPEÇÃO DA UNIDADE

ATENÇÃO a) Confira a unidade pela nota fiscal de remessa.


Inspecione-a cuidadosamente quanto a
eventuais danos causados pelo transporte.
Verifique os pesos e dimensões das unidades para Havendo danos avise imediatamente à trans-
assegurar-se que seus aparelhos de movimentação portadora e à Springer Carrier.
comportam seu manejo com segurança.
b) Verifique se a alimentação de força do local está
de acordo com as características elétricas do
equipamento, conforme especificado na plaqueta
de identificação da unidade.
Para movimentação e transporte da unidade siga as A plaqueta de identificação está localizada
seguintes recomendações: externamente à máquina.

c) Para manter a garantia, evite que a unidade fique


a) Para içar a unidade utilize suportes conforme indicado exposta a intempérie ou a acidentes de obra,
na figura 1. providenciando seu imediato transporte para o
local de instalação ou outro local seguro.
b) Evite que cordas, correntes ou outros dispositivos
encostem na unidade. 3.2. COLOCAÇÃO NO LOCAL
c) Não balance a unidade durante o transporte nem incline- Antes de colocar o equipamento no local verifique os se-
a mais que 15° em relação à vertical. guintes aspectos (todos os modelos).
a) O piso deve suportar o peso da unidade em operação
(Ver Anexo I).
Consulte projeto estrutural do prédio ou normas aplicáveis
para verificação de carga admissível. Instale reforços se
4
necessário. 3.5. INSTALAÇÃO DAS RESISTÊNCIAS PARA
b) Prever suficiente espaço para serviço de manutenção AQUECIMENTO (INSTALAÇÃO OPCIONAL
conforme DADOS DIMENSIONAIS. A frente do EM CAMPO)
equipamento deve permanecer desimpedida para
permitir o livre fluxo de ar e o acesso ao interior da As unidades 50B 06 a 16 permitem a instalação no campo
unidade. de resistências elétricas para aquecimento do ar. A
c) Em caso de montagem de vários equipamentos na montagem deve ser feita retirando-se o painel traseiro da
mesma área, respeitar as distâncias mínimas e unidade antes de colocar a máquina na posição definitiva.
arranjos indicados. Toda manutenção dessas resistências pode ser feita pela
parte frontal da unidade.
d) Verificar se o local é isento de poeira ou outras partí-
culas em suspensão que não consigam ser retiradas ATENÇÃO
pelos filtros de ar da unidade e possam obstruir as
serpentinas de ar. Existe a necessidade de instalar dispositivo de segurança
para evitar o sobreaquecimento das resistências, tais
3.3 INSTALAÇÃO DO PLENUM (acessório) como o termostato de segurança com rearme manual
(ajustar e lacrar em aprox. 50°C) a chave de fluxo de ar.
Se a sua operação na instalação é com insuflamento Fica sob responsabilidade do instalador credenciado a
por plenum (acessório fornecido separadamente) prossiga garantia de um alto padrão de qualidade e segurança na
da seguinte maneira: integração destes acessórios à máquina de nossa
(1º) Para obtenção de pressão estática disponível zero na fabricação.
unidade condicionadora, e obtenção de condições Utilizar somente resistências blindadas. Os cabos e
adequadas de trabalho, substitua uma das polias e a proteções devem estar de acordo com a NB-3,
correia, se necessário, conforme tabela 2 abaixo, (ver procedimento 5410.
seção 5.1 deste manual, item c - “Alinhamento das
Polias”e d “Ajuste da tensão da correia”). 3.6. VERIFICAÇÃO DOS FILTROS DE AR
A nova polia e a correia que devem ser substituidas
são fornecidas juntamente com o plenum. Antes da partida inicial dos equipamentos assegure-se de
(2º) Retire a gelha de descarga e/ou painel traseiro do que os filtros de ar da unidade estão corretamente
plenum, possibilitando o acesso aos pontos de fixação posicionados.
do seu gabinete.

TABELA 2 - TROCA DE POLIAS PARA OPÇÃO CAIXA PLENUM ATENÇÃO

UNIDADE POLIA A SER RPM CORREIA COM Nunca opere a unidade sem os filtros de ar.
SUBSTITUIDA PLENUM
06 Motor = 145mm 530 Muda para A26
08 Motor = 53mm 640 Permanece a mesma (A-25) 3.7. CONEXÕES DE REFRIGERANTE
12 Ventilador = 193mm* 670 Muda de B-32 para B-35 (somente 50BZ)
14 Ventilador = 193mm** 630 Muda de B-30 para B-32
16 Ventilador = 193mm* 670 Muda de B-30 para B-32 Os pontos de conexão para as linhas de descarga e líquido
estão indicados. As máquinas 50BZ podem ser interligadas
* Polia do motor deve ficar com 5 voltas abertas a partir da posição fechada por qualquer um dos lados.
** Polia do motor deve ficar com 6 voltas abertas a partir da posição fechada
As unidades 50BZ Standard (S) saem de fábrica com
(3º) Aparafuse o gabinete do plenum na unidade conexões para engate rápido de 1/2" nas linhas de descarga
condicioandora, utilizando os parafusos do kit de e líquido. Elas são fornecidas testadas, com vácuo
instalação qua acompanha o plenum. executado e pressão positiva de refrigerante. Adicionalmente
(4º) Reinstale a grelha de descarga e o painel traseiro do é fornecido um kit de tubos com o outro lado dos engates,
plenum. cabendo ao instalador a execução dessa parte do sistema.
Os equipamentos padrão Premium (P) são fornecidos com
válvulas de bloqueio e serviço nas linhas de descarga e
3.4. INSTALAÇÃO DOS DUTOS DE líquido em vez de conexões rápidas. Para obter um melhor
INSUFLA-MENTO DE AR
rendimento do aparelho, evite que a serpentina da unidade
As dimensões dos dutos de ar devem ser determinadas condensadora fique exposta ao sol. No caso de isto ser
levando-se em conta a vazão de ar e a pressão estática inevitável, recomenda-se a instalação de uma válvula de
disponível da unidade. retenção adequadamente selecionada na linha de descarga
Interligue os dutos às bocas de descarga dos ventiladores da unidade.
usando conexões flexíveis evitando transmissões de
vibração e ruído. As bitolas recomendadas para as linhas de interligação
Proteja os dutos externos contra intempéries bem como são indicadas na Tabela 1.1. Consulte o manual da Carrier
mantenha herméticas as juntas e aberturas. (System Design) sobre técnicas aconselhadas para projetos
Os dutos de insuflamento de ar do evaporador que passarem de tubulações refrigerantes bem como a tabela 2 (condições
por ambientes não condicionados devem ser termicamente limites de aplicação e operação). A figura 2 indica um
isolados. traçado padrão para as linhas de interligação entre as
unidades evaporadora e condensadora.
5
Tabela 1.1 - Bitolas Recomendadas por Circuito friamento, presença de gases não condensáveis ou
para as Linhas - (em polegadas) ainda restrição no filtro secador. Períodos de baixa
temperatura de condensação podem reduzir o subres-
Nº/Bitola Comprimento da linha em m
friamento, provocando a presença de bolhas no visor
Unidade das líquido.
sistema 0-10 10 - 30
Conexões
50BZ Fig. 2 - Linhas de interligação
L D L D L D
06, 08 1x1/2” 1x1/2” 1x1/2” 1x3/4” 1x5/8” 1x7/8” Caso 1 - Unidade condensadora acima da unidade
12, 14 e 16 2x1/2” 2x1/2” 2x1/2” 2x3/4” 2x5/8” 1x7/8”
evaporadora
Nota:
O comprimento indicado já inclui os comprimentos
equivalentes por válvulas, cotovelos, tês, reduções, etc...
D = Linha de descarga (diâmetro externo em polegadas)
L = Linha de líquido (diâmetro externo em polegadas)

Tabela 1.2 - Carga Adicional de Refrigerante para


Condensadores Remotos
Peso de R 22 nas tubulações de interligação
Diâmetro Líquido Descarga LINHA DE
externo saturado superaq. DESCARGA

55OC 86OC
Cobre g/m g/m
1/2” 100 -
5/8” 160 -
3/4” - 16
7/8” - 23
Nota:
Como uma primeira aproximação para acerto de carga de
refrigerante são fornecidos a seguir valores médios de carga
para as unidades 50BZ e seus respectivos condensadores.

Caso 2 - Unidade condensadora abaixo da unidade


Tabela 1.3. - Valores Médios de Carga de evaporadora
Refrigerantes por Unidades 50BZ
50BZ Circuitos com Circuitos com
com Compressor SR58 Compressor SR75

Com
condensador 9AB 3,0 Kg 4,5 Kg ( )

Com
condensador 9BX 4,0 Kg 6,0 Kg

Observar que:

— Valores não consideram a carga de refrigerante para


as tubulações de interligações (ver tabela 1.2)

— Valores foram obtidos para as condições normais de


operação.

— É imprescindível o cálculo do subresfriamento e do


superaquecimento para possibilitar o acerto da carga
do gás e obtenção do rendimento máximo do equi-
pamento. (Ver Anexo VI).

— Para os equipamento padrão Premium (P) pode ser


utilizado o visor de líquido como apoio a verificação
da carga de refrigerante. A formação de bolhas pode
ser devido a falta de refrigerante, baixo subres-
6
3.8. CONEXÕES DE ÁGUA DE CONDENSAÇÃO
(somente 50 BR)

O diâmetro das tubulações deve ser selecionado de acordo


com a vazão de água necessária à unidade, conforme dados
do Catálogo Técnico.
A torre de arrefecimento e a bomba de circulação de água
devem prover a temperatura e vazão de água requeridas.
Recomenda-se usar válvula-globo para ajuste de vazão
tomando como base a perda de carga nominal do
condensador (ver Anexo I)
A tubulação não deve transmitir nenhuma vibração a
unidade.

a) Padrão Premium (P) Condensador tipo casco e


tubos (shell and tube)
- As unidades saem da fábrica com as conexões de
água no lado direito.
Para inverter o lado da conexão basta trocar de lado
as tampas do condensador fazendo então as ligações
adequadas.
Fig. 3 - Linhas de drenagem
b) Padrão Standard (S) Condensador tipo placas
soldadas (Brazed Plate) 3.10. CONEXÕES ELÉTRICAS
- as unidades saem da fábrica com as conexões de
água do lado direito. a) Alimentação geral: instale próximo à unidade uma
Não há possibilidade de inverter o lado de hidráulica chave seccionadora com fusíveis ou disjuntor
em campo. termomagnético com características de ruptura
equivalentes, de acordo com as exigências da norma NBR
5410. Os esquemas elétricos das unidades estão indicados
3.9. CONEXÕES PARA DRENO no Anexo V.

Consulte um engenheiro eletricista ou técnico credenciado


a) As unidades 50B 06 a 16 possuem saídas para pelo CREA (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura)
drenagem de condensado em ambos os lados. Instale para avaliar as condições do sistema elétrico da instalação
as linhas de drenagem de condensado com sifões e selecionar os dispositivos de alimentação e proteção
adequados. adequados.
O conjunto de itens para conexão do dreno é fornecido A Springer Carrier não se responsabiliza por problemas
juntamente às máquinas para instalação no campo. decorrentes da desobservância desta recomendação.
Escolha o lado adequado para os drenos, montando
as peças fornecidas, tamponando o lado oposto. Aconselha-se a usar um cadeado para bloquear a chave
ou disjuntor aberto durante a manutenção do aparelho.
b) Em cada lado há duas (50BR e 50BZ) saídas para
dreno: interligue uma bandeja do evaporador, ligando a b) Fiação de força: Existe abertura para a entrada da
mangueira plástica à conexão do dreno. A outra pertence fiação. Instale a fiação a partir do ponto de força do cliente
à bandeja base. Nas 50BX há uma saida para dreno diretamente na borneira da unidade.
adcional que pertence à base da unidade. A bitola do alimentador da unidade deve ser dimensionada
para soma das correntes máximas, ou seja, igual a 125%
Faça linhas de drenagem individuais para cada uma das do maior compressor ou motor mais 100% de todos os
saídas e instale sifões adequados. outros compressores e motores. Os cabos deverão ser
classe 90 °C ou superior.
c) Visando uma perfeita drenagem do condensado
formado durante o funcionamento, instale o equipa- Não esqueça de instalar o condutor de proteção
mento com uma pequena inclinação para o lado de (aterramento). A voltagem suprida deve estar de acordo
saída da linha de drenagem (5 a 10 mm). com a voltagem na placa indicativa. A voltagem entre as
fases deve ser equilibrada dentro de 2% de
desbalanceamento e a corrente dentro de 10%, com com-
pressor em funcionamento. Contate sua companhia local
de fornecimento de energia elétrica para correção de
voltagem inadequada ou desequilíbrio de fase.

7
Cálculo de desbalanceamento de voltagem A contatora e o relé de sobrecarga necessários aos
condensadores 9BX são fornecidos junto aos mesmos.
— Desbalanceamento voltagem (%) = Maior diferença
Nesse caso, além das interligações de força e controle,
em relação a voltagem média ÷ Voltagem média deve ser procedida a instalação da contatora e do relé no
trilho do quadro elétrico, bem como as ligações
— Exemplo: — Suprimento de força nominal correspondentes, indicadas no esquema elétrico que
acompanha a unidade. Consulte também o manual de
380 V - 3Ø - 60 Hz
instruções para a interligação que acompanha os
condensadores 9BX.
— Medições: AB = 383 V
BC = 378 V
OBSERVAÇÃO:
AC = 374 V
Junto com os condensadores 9BX, 08 e 16 são enviados
dois relés de sobrecarga. Um é para ligação em 220 V e
— Voltagem média = 373 + 378 + 374 = 378V
outro para 380 V.
3
— Diferenças em relação a voltagem média: 4. OPERAÇÃO
AB = 383 - 378 = 5
BC = 378 - 378 = 0 4.1 VERIFICAÇÃO INICIAL
AC = 378 - 374 = 4
— Maior diferença é 5V. Logo, o desbalanceamento de A Tabela 2 define condições limite de aplicação e operação
voltagem % é: dos equipamentos 50B 06 a 16.

5 x 100 = 1,32% (OK)


378
ATENÇÃO
Obs.: O cálculo do desbalanceamento decorrente deve ser
feito da mesma forma que o de desbalanceamento de Os compressores saem de fábrica com os parafusos de
voltagem. base apertados, para transporte. É indispensável afrouxá-
los, sem retirá-los para funcionamento, deixando os
c) Fiação de Controle: consulte os esquemas elétricos compressores movimentarem-se livremente sobre os
para efetuar no campo as ligações de controle dos isoladores de vibração. Caso contrário poderemos ter
condensadores remotos (unidades 50BZ) ou do sistema problemas de trincamento da tubulação e considerável
de arrefecimento de água de condensação (unidades 50BR) vazamento de refrigerante.

Tabela 2 - Condições Limite de Aplicação e Operação

SITUAÇÃO VALOR MÁXIMO ADMISSÍVEL PROCEDIMENTO


1) Temperatura do ar externo 45°C Para temperatura superiores a 45°C, consulte
(Unidades com condensação a ar) o representante Springer Carrier.
2) Voltagem Variação de ± 10% em relação Verifique sua instalação e/ou contate a compa-
ao valor nominal nhia local de energia elétrica.
3) Desbalanceamento de rede — Voltagem: 2% Verifique sua instalação e/ou contate a
— Corrente: 10% companhia local de energia elétrica.
4) Distância e desnível do — Distância: 30m Para distância maiores, consulte o representante
condensador remoto — Desnível: 12m Springer Carrier
Antes de partir a unidade, verifique as condições c) Confirme que não há vazamento de refrigerante.
acima e os seguintes itens:
d) Confirme que o suprimento de força é compatível
a) Verifique a instalação e funcionamento de todos os com as características elétricas da unidade.
equipamentos auxiliares tais como condensadores
remotos, torre de arrefecimento e bombas de circulação e) Verifique se o sentido de rotação dos ventiladores
de água. está correto.

b) Verifique a adequada fixação de todas as conexões f) Verifique alinhamento entre as polias e as correias.
elétricas.
g) Assegure-se de que todas as válvulas de serviço
estejam na correta posição de operação.
8
R-22. Para seu adequado funcionamento é necessário, após
ATENÇÃO a interligação com o condensador remoto, completar a carga
de refrigerante.
Os equipamentos 50B 06 a 16 apresentam maior área O procedimento está representado de forma esquemática a
de troca térmica que os respectivos concorrentes, devido seguir.
à condição de projetos de seus trocadores de calor.
Com isso, mais calor é absorvido no evaporador, Fluxograma 1. Procedimento para carregamento de
aumentando a temperatura do refrigerante e refrigerante (unidades 50BZ)
conseqüentemente a pressão de evaporação.
Da mesma forma, no condensador mais calor é rejeitado,
diminuindo a temperatura e a pressão de condensação.
Nesse regime de operação, com pressões de
condensação menores, o compressor aumenta a sua
vazão mássica e sua capacidade, mantendo constante
o trabalho de compressão e o consumo.
Em resumo, temos as seguintes pressões usuais de
operação (valores médios para as condições nominais
ARI-210)
Baixa (psig) Alta (psig)
50BZ/BX 70-85 270-300
50BR 60-80 200-220

Novamente, salientamos que se torna imperativo o


cálculo do superaquecimento e subresfriamento para
acerto da carga de gás e obtenção do rendimento
máximo do equipamento.
4.2. KITS DE COMANDO
Visando oferecer ao usuário um maior número de opções,
os equipamentos não são fornecidos com termostato ou CONECTAR ENGATES RÁPIDOS (S) OU ABRIR
comando. VÁLVULAS DE SERVIÇO DAS LINHAS DE LÍQUIDO E
A Carrier disponibilizou os mesmos na forma de kits DESCARGA (P)
comercializados opcionalmente de acordo com a sua
necessidade específica.

-CKRSFR1A - Kit comando chave rotativa refrigeração


para 1 estágio.
-CKRSFR2A - Kit comando chave rotativa refrigeração
para 2 estágios.
-CKRSAQ1A - Kit comando chave rotativa refrigeração
& aquecimento para 1 estágio.
-CKRSAQ2A - Kit comando chave rotativa refrigeração
& aquecimento para 2 estágios.
- CKPBFA1A - Kit comando chave push button para 1
estágio.
- CKPBFA2A - Kit comando chave push button para 2
estágios.
- CK33CE2A - Kit comando Temp System com relógio
- CK33CW2A - Kit comando Temp System sem relógio
- CKDCST1A - Kit comando Digital Carrier Não
Programável para 1 estágio.
- CKDCST2A - Kit comando Digital Carrier Não
Programável para 2 estágios. ATENÇÃO
-CKDCPG1A - Kit comando Digital Carrier Programável
para 1 estágio. Nunca carregue refrigerante no estado líquido pelo lado
-CKDCPG2A - Kit comando Digital Carrier Programável
de baixa pressão do sistema.
para 2 estágios.

Estes Kits são amplamente descritos em literatura


específica. b) Unidades 50BR e 50BX— Essas unidades são
fornecidas de fábrica com carga completa de refrigerante
R-22 e prontos para operação.
4.3. CARGA DE REFRIGERANTE Caso seja constatada falta de refrigerante em algum
a) Unidades 50BZ — As unidades condicionadora 50BZ são equipamento já carregado, proceda conforme indicado a
embarcadas com vácuo e pressão positiva de refrigerante seguir:
9
Fluxograma 2. Procedimento para recarregamento de 11°C para as máquinas padrão Premium e 6OC e 7°C para
refrigerante (unidade 50BR e 50BX) as máquinas padrão Standard. Se ficar acima, retire
refrigerante, se ficar abaixo, adicione.

6) A bomba de vácuo pode ser conectada nas tomadas de


pressão das válvulas de serviço das linhas. Recomenda-se
fazer a evacuação simultaneamente pelos lados de baixa
e alta pressão.

4.4. CUIDADOS GERAIS

a) Mantenha o gabinete e a área ao redor da unidade os


mais limpos possíveis.

b) Periodicamente limpe as serpentinas com uma escova


macia. Se as aletas estiverem muito sujas, utilize-a no
sentido inverso do fluxo de ar comprimido ou de água
a baixa pressão. Tome cuidado para não danificar as
aletas. Se elas estiverem amassadas, recomenda-se
utilizar um ”pente” de aletas adequado para correção
do problema.

c) Verifique o aperto das conexões, flanges e demais


fixações, evitando o aparecimento de vibrações,
vazamentos e ruídos.

d) Assegure-se de que os isolamentos das peças metálicas


e tubulações estejam no local correto e em boas
condições.

e) Periodicamente verifique se a voltagem e o desba-


lanceamento entre as fases mantém-se dentro dos
limites especificados.

5. MANUTENÇÃO

c) Observações ATENÇÃO

1) Para os equipamentos padrão Standard (S) não conectar Desligue a força da unidade antes de efetuar qualquer
engates rápidos nessa fase. Recomenda-se que a serviço.
brasagem das tubulações de cobre seja feita com fluxo de
gás inerte (Nitrogênio) por dentro das mesmas, evitando a
formação de resíduos de oxidação (carepa) ou outras 5.1. VENTILADORES
impurezas no circuito frigorífico.
a) Geral: Os ventiladores saem de fábrica ajustados para
2) O teste de vazamento deve ser feito com pressão máxima a condição nominal de funcionamento, conforme
de 250 psig. Utilizar regulador de pressão no cilindro de indicado no catálogo técnico.
nitrogênio.
Antes de efetuar serviços de manutenção nos
3) Para fazer a evacuação das tubulações de interligação e compartimentos dos ventiladores observe as seguintes
do condensador remoto utilizar as tomadas de pressão recomendações:
encontradas nos engates rápidos (S) ou nas válvulas de
serviço das linhas de líquido e descarga (P). (1º) Desligue a força da unidade;

4) Recomenda-se efetuar a carga parcial de refrigerante (2º) Proteja as serpentinas, recobrindo-as com placas de
pela linha de líquido utilizando a tomada de pressão compensado ou outro material rígido;
existente na válvula de serviço.
b) Mudança de velocidade do ventilador: Caso seja
5) Adicionar R-22 até que o subresfriamento fique entre 8 e necessário modificar a rotação, prossiga conforme
segue:
10
(1º) Libere a correia do ventilador afrouxando o motor da
sua base. Não retire o motor da sua base, nem solte
a base do motor da sua fixação na unidade.

(2º) Afrouxe o parafuso de fixação da parte móvel da


polia do motor (veja Figura 4)

(3º) Gire a parte móvel da polia em direção à parte fixa


para aumentar a rotação do ventilador; afastando-as
a rotação diminui.

Consulte as Tabelas de Capacidade e a Curva de


Vazão de Ar 50B 06 a 16 constantes no Catálogo Técnico
para determinação das condições de operação.

CUIDADO
Com o aumento da velocidade, aumenta a carga sobre o
motor. Não ultrapasse a rotação máxima permitida do
ventilador ou a corrente máxima indicada na plaqueta do Figura 4 - Ajuste das polias.
motor.
(3º) Verifique o alinhamento das polias de acordo com
o item “c” anterior.
(4º) Aperte novamente o parafuso de fixação da parte
móvel da polia do motor, observando que o parafuso (4º) Aperte os parafusos de fixação do motor.
fique assentado sobre a superfície plana do cubo da
polia. (5º) Verificar novamente a tensão após 24 horas de
operação.
(5º) Verifique o alinhamento da polia e o ajuste da tensão
da correia conforme descritos nos itens “c” e “d” a NÚMERO DE VOLTAS ABERTAS DA POLIA DO MOTOR
seguir e fixe o motor na base. 0 5
UNIDADE (totalmente 1 2 3 4 (totalmente
(6º) Verifique o funcionamento do ventilador. repita o fechada) aberta)
006 1160 1025 965 900 - 840
procedimento acima necessário. 008 1080 1008 950 890 833 780
012 1150 1093 1030 1003 970 920
c) Alinhamento das polias: 014 1050 997 939 914 885 840
016 (padrão) 1150 1093 1030 1003 970 920
016 (opcional) 1350 1293 1230 1165 1102 1030
(1º) Afrouxe o parafuso de fixação da polia do ventilador.

(2º) Deslize-a ao longo do eixo, alinhando-a com a polia 5.2. LUBRIFICAÇÃO


do motor. Use uma régua para verificação de
paralelismo entre as polias. Os motores elétricos e os ventiladores possuem rolamentos
com lubrificação permanente, não necessitando de
(3º) Os eixos do ventilador e do motor também devem lubrificação adicional.
estar paralelos.
5.3. FILTRO DE RETORNO DE AR
(4º) Aperte o parafuso de fixação da polia do ventilador.

d) Ajuste da tensão da correia: Inspecione os filtros de ar no mínimo uma vez por semana,
lavando-os conforme a necessidade. Em aplicações severas
(1º) Afrouxe o motor da sua base. Não solte a base do inspecione com maior freqüência.
motor da sua fixação na unidade. Não ponha a unidade em funcionamento sem filtros de ar
colocados no lugar.
(2º) Movimente o motor para a frente ou para trás até O 50B 06 a 16 é dotado de uma canaleta interna regulável,
alcançar a tensão adequada na correia (15 a 20mm capaz de conter um conjunto filtro 1”. É fornecido com filtros
de deflexão para uma força de 4 kg aplicada no centro de telas lavável (padrão por grelha) classe G1. Para a adição
da extensão da correia). em campo de filtro 1” em campo consulte as Curvas de
Vazão de Ar constantes no Catálogo Técnico para
determinar a nova pressão estática externa de forma a
garantir uma perfeita adequação do equipamento ao seu
projeto.
11
5.4. QUADRO ELÉTRICO 1-2 — Fonte de alimentação
2-3 — Contato normalmente fechado
a) Observações gerais

O quadro elétrico das unidades 50B 06 a 16 foi projetado


de maneira a simplificar os serviços de inspeção e
manutenção.

O acesso ao quadro elétrico é obtido com a retirada do


seu painel de fechamento. Todos os elementos de comando,
acionamento e proteção do equipamento estão ali
localizados.
Existe uma borneira única para as fiações de controle e
força que incorpora os fusíveis de proteção do circuito de
controle. Na borneira também está incluído o terminal “terra”.

b) Pressostatos Fig. 5 - Compressor Lock-Out

Os pressostatos nos equipamentos 50B 06 a 16 são do


tipo miniaturizados, individuais para os lados de baixa e d) Proteção dos Compressores
alta. Ambos são de rearme automático e são acoplados
diretamente nas linhas de sucção e descarga. — Compressores 220V, 380V e 440V Line Break (interno).
O Line Brek é um dispositivo de proteção contra sobrecarga
Independente do rearme ser automático ao desarmar, a e sobreaquecimento do motor do compressor que é
máquina fica bloqueada pelo CLO que somente pode ser instalado internamente (no estator do motor). Ele atua
rearmado manualmente. diretamente no circuito de força do motor, rearmando
automaticamente com o decréscimo da temperatura.
c) CLO (Compressor Lock-Out)
e) Relé de seqüência de Fase
O CLO é um dispositivo de proteção contra ciclagem
automática do compressor quando do desligamento por O Self 50B 06 a 16 utiliza compressor scroll e possui no
elementos de segurança (pressostato de alta ou baixa, Line quadro elétrico um relé de seqüência de fase que somente
Break, termostato interno do compressor ou relé de libera a tensão de comando se a seqüência de fase estiver
correta. Quando isso acontece, os compressores operam
sobrecarga). Está localizado dentro do quadro elétrico, um
normalmente. Caso os compressores não funcionem,
para cada circuito frigorífico.
inverta dois cabos de alimentação da unidade. Esse
procedimento garante que o relé de seqüência libere o
O CLO monitora a corrente que passa no laço sensor, funcionamento do compressor no sentido adequado de
acionando ou não um relé se a condição lógica for falsa ou operação.
verdadeira. Após o desligamento pelo dispositivo de
proteção, o CLO impede o religamento automático quando 5.5. LIMPEZA
da normalização da situação, evitando assim a ciclagem o
compressor. Uma corrente abaixo de 4A através do laço a) Serpentinas de Ar
sensor faz abrir o contato normalmente fechado entre os
terminais 2 e 3 do CLO. Os terminais 1 e 2 são de fonte de Remova a sujeira limpando-as com uma escova, aspirador
de pó ou ar comprimido. Use um pente de aletas com o
alimentação 230 V ± 10%.
número adequado de aletas por polegadas para corrigir o
espaçamento e eventuais amassamento das serpentinas.
Uma vez verificada e sanada a causa do desarme, o
religamento (RESET) pode ser feito desligando e religando b) Condensadores a Água Tipo Casco e Tubos
a unidade no painel de controle ou através da restauração
da força do laço sensitivo. A fim de remover a inscrustação eventualmente formada,
utilize escova de aço (condensadores tipo casco e tubos).

NOTA:
O diâmetro interno dos tubos de condensadores casco e
tubos é de 15,8mm.

12
c) Condensadores a Água Tipo Placas Soldadas e preferencialmente aquecida a 60°C.
No caso de aplicação à temperatura ambiente o tempo
A fim de remover incrustação eventualmente formada, utilize necessário para uma limpeza perfeita aumentará em
uma solução a 5% em massa (kg) de ácido fosfórico ou aproximadamente10 vezes.
ácido cítrico:
ATENÇÃO
5 kg de ácido para 95 kg de água ou
1 kg de ácido para 19 kg de água Para melhor eficiência da limpeza é imprescindível a
retirada dos filtros na entrada do trocador antes da
Esta solução deve ser aplicada ao sistema em contra fluxo
limpeza química.

LD

LS

LL

LD

LS

LL

Fig. 6 - Limpeza de 50BR com 2 Circuitos Padrão Standard (S)


— Visor de líquido com indicador de umidade (com
d) Drenos de Condensado conexões flangeadas)
— É utilizada uma válvula solenóide com função de bloqueio
Periodicamente verifique as condições das linhas de na linha de líquido (unidades 50BZ).
drenagem de condensado. Circule água limpa e verifique
seu funcionamento. Consulte os Fluxogramas Frigorígenos para a perfeita
localização de todos os componentes (Anexo IV deste
manual).
5.6. CIRCUITO FRIGORÍFICO
5.7. BANDEJA DE CONDENSADO
Todas as unidades 50B tem válvula de expansão
termostática e filtro secador com conexões flangeadas que Peça única de poliestireno de alto impacto foi projetada
permitem fácil remoção e elimina o processo de brasagem para permitir um perfeito escoamento do condensado,
das linhas. evitando os desconfortos causados pela estagnação da água
Os equipamentos possuem válvulas de serviço 1/4” para
e formação de mofos.
tomada de pressão, vácuo e carga de refrigerante nas linhas
de sucção e descarga.
5.8. ISOLAMENTO TÉRMICO
Para os equipamentos padrão Premium (P) os acréscimos
são os seguintes: Os painéis e a estrutura do gabinete são isolados térmica
e acusticamente com mantas de poliester. As linhas de
— Válvulas de serviço e bloqueio nas linhas de sucção, sucção são isoladas com polioretano expandido flexível.
descarga e líquido.

13
ANEXO I - CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Self New Generation BX BZ BR BX BZ BR


Modelo 06 08
Padrão de Especificação S P S P S P S P S P S P
Capacidade na Vazão de Ar Nominal (Kcal) (*) 16,171 18060 18,142 22,624 23798 24,298
Tensão de Força 220 ou 380 ou 440 V / 3 ∅ / 60Hz
Tensão de Comando 24 V / 1 ∅ / 60Hz
Nr. de Estágios de Capacidade 1
Nr. de Circuitos Frigorígenos 1
Gás Refrigerante R22
Carga de Gás Refrigerante (kg) 2,5 - 2,4 7,5 3,0 - 2,6 8,5
Carga de Gás Refrigerante para Transporte (kg) - 0,3 - - - 0,3 - -
Peso em operação (kg) 260 208 220 255 300 233 245 280
Peso do Plenum (kg) 18 20
Dreno - Qtd. O in / Tipo 2 / 3/4 / BSP
C Tipo Scroll
O
M Modelo SRY-T-H-58 SRY-T-H-75
P
R Quantidade 1
E
S Rotação (rpm) 3.500
S 1,6
O Carga de Óleo por Circuito (I)
R Óleo Recomendado Zerol 150 com 3% SYN - AD
A Área de Face (m2) 0,46 0,64
L Nr. de Filas
E 3
T O dos tubos (in) - Nr. de aletas/in 3/8 - 14
A
D Tipo Aletas de Alumínio corrugadas - Tubos de Cobre ranhurados internamente
O
Nr. de Circuitos 1
E V Tipo
E
Centrífugo Simples
V N Faixa de Rotação (rpm)
T 840 - 1.160 780 - 1.080
A I
P L Faixa de Vazão (m3/h) 2.720 - 4.250 4.080 - 6.375
A
O D Vazão de Ar nominal (m3/h) 3,400 5,100
O
R R P. E. D. na Vazão nominal (mmca) sem Plenum 3 - 16 1 a 22
A
MO- Qtd. - Nr. de Pólos 1 - 4 Polos
D TOR
O cv - carcaça 1,0 - 80 1,5 - 80
A 1 - A24 1 - A29 1 - A26 1 - A29
R C Correia “V” - Nr. / Tipo Padrão
I
O Correia “V” - Nr. / Tipo Insuflamento Frontal ND ND
N
M ∅ da polia do ventilador (mm)
A 132,1 144,8
N ∅ da polia do motor (mm)
E
68 a 94 65 a 90
T
O Nr. de voltas para regulagem 5
FIL- Tipo - classe Tela Lavável em PVC de alta Densidade - G0
TRO
Quantidade - dimensões (mm) 5 - 522 x 196 6 522 x 196
Qtd. - Tipo - 1 - BP 1 - ST - 1 - BP 1 - ST
A
Vazão nominal de água (m3/h) - 2,3 4,0 - 3,6 5,3
A
G Volume de água (I) - 2,3 21,0 - 2,3 21,0
U Perda de carga nominal (mca) - 0,7 5,0 - 1,6 8,7
A
Conexões: ∅ (in) - Tipo - 1 1/2 - BSP 1 1/4 - BSP - 1 1/2 - BSP 1 1/4 - BSP
A AR Nr. de entrada - saída - 1-1 - - 1-1 -
C RE- Linha de descarga / líquido: O (in) - 1/2 - - 1/2 -
O MO- Linha de descarga / líquido: Tipo
N TO - ER F - - ER F -
D
A A Área de Face (m2) 0,42 - 0,59 -
E L Nr. de Filas
N E 4 - 4 -
S A
R T O dos tubos (in) - Nr. de aletas/in 14 - 14 -
A A
D D Tipo Aletas de Alumínio corrugadas com pre-coated (Gold Fin) e tubos de Cobre ranhurados internamente
O I O
R N Nr. de Circuitos 1 - 1 -
C
O VEN- Tipo Centrífugo Simples - Simples -
R
P TI- Rotação (rpm) 1,050 - 1,100 -
O LA- Vazão de Ar Nominal (m3/h) 5.100 - 7.650 -
R DOR
A P. E. D. na Vazão nominal (mmca) 10 - 10 -
D
O MO- Qtd. - Nr. de Pólos 1 - 4 polos - 1 - 4 polos -
TOR cv. - carcaça ABNT 1,5 - 80 - 2,0 - 90S -
D Pressostato de alta (psi) de reame automático 395 280 395 280
I Pressostato de baixa (psi) de reame automático 27 27
S
P. Fusível de comando (A) 3,0
D RELÉ Motor Evaporador 220V 3,6 4,8
E
DE
380V 2,1 2,8
P 440V 1,8 2,4
R SO- 4,8 - 6,9 -
O BRE- Motor do condensador 220V
T CAR- 380V 2,8 - 4,0 -
E GA
Ç 440V 2,4 - 3,5 -
Ã
O Compressor Line Break Interno
Válvula de segurança (psi) - - - - - 370 - - - - - 370

14
Self New Generation BX BZ BR BX BZ BR
Modelo 12 14
Padrão de Especificação S P S P S P S P S P S P
Capacidade na Vazão de Ar Nominal (Kcal) (*) 32,626 34235 35,692 38,984 40356 41,043
Tensão de Força 220 ou 380 ou 440 V / 3 ∅ / 60Hz
Tensão de Comando 24 V / 1 ∅ / 60Hz
Nr. de Estágios de Capacidade 2
Nr. de Circuitos Frigorígenos 2
Gás Refrigerante R22
Carga de Gás Refrigerante (kg) 4,9 - 4,8 15 5,5 - 5,0 16
Carga de Gás Refrigerante para Transporte (kg) - 0,6 - - - 0,6 - -
Peso em operação (kg) 440 326 350 420 490 406 430 500
Peso do Plenum (kg) 27 30
Dreno - Qtd. O in / Tipo 2 / 3/4 / BSP
C Tipo Scroll
O
M Modelo SRY-T-H-58 SRY-T-H-58 + SRY-T-H-75
P
R Quantidade 2
E
S Rotação (rpm) 3.500
S 1,6
O Carga de Óleo por Circuito (I)
R Óleo Recomendado Zerol 150 com 3% SYN - AD
A Área de Face (m2) 0,88 1,01
L Nr. de Filas
E 3
T O dos tubos (in) - Nr. de aletas/in 3/8 - 14
A
D Tipo Aletas de Alumínio corrugadas - Tubos de Cobre ranhurados internamente
O
Nr. de Circuitos 2
E V Tipo
E
Centrífugo Duplo
V N Faixa de Rotação (rpm) 920 - 1.150 840 - 1.150
T
A I
P L Faixa de Vazão (m3/h) 5.440 - 8.500 6.800 - 10.050
A
O D Vazão de Ar nominal (m3/h) 6.800 8,500
O
R R P. E. D. na Vazão nominal (mmca) sem Plenum 6 a 18 8 a 20
A
MO- Qtd. - Nr. de Pólos 1 - 4 polos
D TOR
O cv - carcaça 2,0 - 90 3,0 - 90L
A 1 - B32 1 - B39 1 - B35 1 - B39
R C Correia “V” - Nr. / Tipo Padrão
I 1 - B41
O Correia “V” - Nr. / Tipo Insuflamento Frontal ND ND
N
A
M
∅ da polia do ventilador (mm) 132,0 144,8
N ∅ da polia do motor (mm)
E 71 a 89 71 a 89
T
O Nr. de voltas para regulagem 5
FIL- Tipo - classe Tela Lavável em PVC de alta Densidade - G0
TRO
Quantidade - dimensões (mm) 7 - 522 x 196 5 - 522 x 196
Qtd. - Tipo - 2 - BP 2 - ST - 2 - BP 2 - ST
A
Vazão nominal de água (m3/h) - 4,5 7,8 - 5,9 9,1
A
G Volume de água (I) - 2x2,3 2x21,0 - 2x2,3 2x21,0
U Perda de carga nominal (mca) - 0,9 1 1/4 - BSP - 1,3 6,0
A
Conexões: ∅ (in) - Tipo - 1 1/2 - BSP - 1 1/2 - BSP 1 1/4 - BSP
A AR Nr. de entrada - saída - 2-2 - - 2-2 -
C RE- Linha de descarga / líquido: O (in) - 1/2 - - 1/2 -
O MO- Linha de descarga / líquido: Tipo - ER F - - ER F -
N TO
D
A A Área de Face (m2) 0,81 - 0,94 -
E L Nr. de Filas
N E 5 - 5 -
S A
A R T O dos tubos (in) - Nr. de aletas/in 14 - 14 -
A
D D Tipo Aletas de Alumínio corrugadas com pre-coated (Gold Fin) e tubos de Cobre ranhurados internamente
O I O
R N Nr. de Circuitos 2 - 2 -
C
O VEN- Tipo Centrífugo Duplo - Duplo -
R - -
P TI- Rotação (rpm) 880 950
O LA- Vazão de Ar Nominal (m3/h) 10.200 - 11.500 -
R DOR
A P. E. D. na Vazão nominal (mmca) 10 - 10 -
D - -
O MO- Qtd. - Nr. de Pólos 1 - 4 polos 1 - 4 polos
TOR cv. - carcaça ABNT 3,0 - 90L - 3,0 - 90L -
D Pressostato de alta (psi) de reame automático 395 280 395 280
I Pressostato de baixa (psi) de reame automático 27 27
S
P. Fusível de comando (A)

D RELÉ Motor Evaporador 220V 6,9 8,6


E
DE
380V 4,0 5,0
P 440V 3,5 4,3
R SO- 8,6 - 8,6 -
O BRE- Motor do condensador 220V
T CAR- 380V 5,0 - 5,0 -
E GA
Ç 440V 4,3 - 4,3 -
à Compressor
O Line Break Interno
Válvula de segurança (psi) - - - - - 370 - - - - - 370

15
Self New Generation BX BZ BR
Modelo 16
Padrão de Especificação S P S P S P
Capacidade na Vazão de Ar Nominal (Kcal) (*) 45,244 46608 47,271
Tensão de Força 220 ou 380 ou 440 V / 3 ∅ / 60Hz
Tensão de Comando 24 V / 1 ∅ / 60Hz
Nr. de Estágios de Capacidade 2
Nr. de Circuitos Frigorígenos 2
Gás Refrigerante R22
Carga de Gás Refrigerante (kg) 6,6 - 5,2 17
Carga de Gás Refrigerante para Transporte (kg) - 0,6 - -
Peso em operação (kg) 520 480 504 574
Peso do Plenum (kg) 33
Dreno - Qtd. O in / Tipo 2 / 3/4 / BSP
C Tipo Scroll
O
M Modelo SRY-T-H-75
P
R Quantidade 2
E
S Rotação (rpm) 3.500
S 1,6
O Carga de Óleo por Circuito (I)
R Óleo Recomendado Zerol 150 com 3% SYN - AD
A Área de Face (m2) 1,15
L Nr. de Filas
E 3
T O dos tubos (in) - Nr. de aletas/in 3/8 - 14
A
D Tipo Aletas de Alumínio corrugadas - Tubos de Cobre ranhurados internamente
O
Nr. de Circuitos 2
E V Tipo
E
Centrífugo Duplo
V N Faixa de Rotação (rpm) 920 - 1.150 / 1030 - 1350 (Opc.)
T
A I
P L Faixa de Vazão (m3/h) 8.160 - 12.750
A
O D Vazão de Ar nominal (m3/h) 10,200
O
R R P. E. D. na Vazão nominal (mmca) sem Plenum 6 a 22 / 14-36 (Opc.)
A
MO- Qtd. - Nr. de Pólos 1 - 4 polos
D TOR
O cv - carcaça 3,0 - 90L / 5,0 - 100L (Opc.)
A 1 - B30 / 1 - B34 (Opc.) 1 - B38
R C Correia “V” - Nr. / Tipo Padrão
I
O Correia “V” - Nr. / Tipo Insuflamento Frontal ND 1 - B44 (Opc.)
N
A
M
∅ da polia do ventilador (mm) 132,0 / 177,8 (Opc.)
N ∅ da polia do motor (mm)
E 71 a 89 / 106 a 140 (Opc.)
T
O Nr. de voltas para regulagem 5
FIL- Tipo - classe Tela Lavável em PVC de alta Densidade - G0
TRO
Quantidade - dimensões (mm) 9 - 522 x 196
Qtd. - Tipo - 2 - BP 2 - ST
A
Vazão nominal de água (m3/h) - 7,3 10,4
A
G Volume de água (I) - 2x2,3 2x21,0
U Perda de carga nominal (mca) - 1,9 8,0
A
Conexões: ∅ (in) - Tipo - 1 1/2 - BSP 1 1/4 - BSP
A AR Nr. de entrada - saída - 2-2 -
C RE- Linha de descarga / líquido: O (in) - 1/2 -
O MO-
N TO Linha de descarga / líquido: Tipo - ER F -
D
A A Área de Face (m2) 1,07 -
E L Nr. de Filas
N E 5 -
S A
A R T O dos tubos (in) - Nr. de aletas/in 14 -
A
D D Tipo Aletas de Alumínio corrugadas com pre-coated (Gold Fin) e tubos de Cobre ranhurados internamente
O I O
R N Nr. de Circuitos 2 -
C
O VEN- Tipo Centrífugo Duplo -
R 990 -
P TI- Rotação (rpm)
O LA- Vazão de Ar Nominal (m3/h) 12.750 -
R DOR
A P. E. D. na Vazão nominal (mmca) 10 -
D 1 - 4 polos -
O MO- Qtd. - Nr. de Pólos
TOR cv. - carcaça ABNT 4,0 - 90L -
D Pressostato de alta (psi) de reame automático
395 280
I Pressostato de baixa (psi) de reame automático 27
S
P. Fusível de comando (A) 3,0
D RELÉ Motor Evaporador 220V 8,6
E
DE
380V 5,0
P 440V 4,3
R SO- 11,6 -
O BRE- Motor do condensador 220V
T CAR- 380V 6,7 -
E GA
Ç 440V 5,8 -
à Copressor
O Line Break Interno
Válvula de segurança (psi) - - - - - 370

16
ANEXO II - TABELA DE DISPONIBILIDADE DE ITENS

ÍTEM PADRÃO
STANDARD - S PREMIUM - P
COMPRESSORES SCROLL D D
FILTRAGEM GO D D
FILTRAGEM 1 " (Outra especificação) O O
BANDEJA EM POLIESTIRENO DE ALTO IMPACTO D D
KIT COMANDO O O
50BZ - ENGATES RÁPIDOS D N
PRESSOSTATOS MINIATURIZADOS D D
VALV. SERV. E BLOQUEIO - SUCÇÃO, DESCARGA E LIQ. N D
VISOR DE LíQUIDO N D
50BZ - VÁLVULA SOLENÓIDE N D
MANÔMETROS N N
QUADRO ELÉTRICO INCORPORADO D D
VÁLVULAS 1/4" SERVIÇO D D
FILTRO SECADOR / VÁLVULA DE EXPANSÃO TERMOSTÁTICA D D
TEMPORIZAÇÃO DE PARTIDA D D
CLO D D
DAMPER PARA CONTROLE DE CONDENSAÇÃO 9BX O O
FILTROS DE AR PARA 9BX C C
RELÉ DE SEQUÊNCIA DE FASE D D
50BR - TROCADOR DO TIPO PLACAS SOLDADAS D N
50BR - TROCADOR DO TIPO CASCO & TUBO N D
CAIXA PLENUM O O

D - DISPONÍVEL

N - NÃO DISPONÍVEL

O - OPCIONAL
C - INSTALAÇÃO EM CAMPO

17
ANEXO III - DADOS DIMENSIONAIS (Espaços mínimos requeridos para instalação)

50BXE16 1804 198.5 434 261 434 11 361 572 510 1937.5 700 314 136 432 314 432 361 660 126.5 63 335 700
50BXE14 1613 109.5 402 223 402 11 361 572 510 1937.5 700 314 136 432 314 432 361 660 126.5 63 335 700
50BXE12 1422 64.5 344 193 344 11 345 572 510 1937.5 700 314 136 400 276 400 361 660 126.5 63 335 700
50BXE08 1231 402 431 - - 11.5 360 461 552 1928 580 367.5 284.5 483 - - 406 560 115 63 295 580
50BXE06 1040 402 381 - - 11.5 320 461 552 1928 580 367.5 204.5 438.5 - - 361 560 115 162 295 580
MAQUINA A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T U V X

50BX 06 à 16 S ou P

50BZE16 1804 196 437 259 437 30 361 567 699 1821 700 475 55 108 152 108 225
50BZE14 1613 104 405 221 405 30 361 567 699 1821 700 475 55 108 152 108 225
50BZE12 1422 76 347 191 347 30 345 567 699 1821 700 475 55 108 152 108 225
50BZE08 1231 460 428 - - 53 357 583 552 1716 580 300 141 108 - - 220
50BZE06 1040 440 378 - - 50 317 583 552 1716 580 300 141 108 - - 220
MAQUINA A B C D E F H I J K L M N O P Q R

50BZ 06 à 16 S ou P

18
50BRE16 1804 196 437 259 437 30 361 567 699 1821 700 547 43 43 159 95 415 475 225 55 108 152 108
50BRE14 1613 104 405 221 405 30 361 567 699 1821 700 547 43 43 159 95 415 475 225 55 108 152 108
50BRE12 1422 76 347 191 347 30 345 567 699 1821 700 547 43 43 159 95 415 475 225 55 108 152 108
50BRE08 1231 460 428 - - 53 357 583 552 1716 580 551 43 43 - 154 245 300 220 55 108 - -
50BRE06 1040 440 378 - - 50 317 583 552 1716 580 551 43 43 - 154 245 300 220 55 108 - -
MAQUINA A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T U V X Y

50BR 06 à 16 S ou P

50BR/BZE16 1804 196 437 259 437 30 361 567 699 1821 700
50BR/BZE14 1613 104 405 221 405 30 361 567 699 1821 700
50BR/BZE12 1422 76 347 191 347 30 345 567 699 1821 700
50BR/BZE08 1231 460 428 - - 53 357 583 552 1716 580
50BR/BZE06 1040 440 378 - - 50 317 583 552 1716 580
MAQUINA A B C D E F H I J K L

50BZ E 50BR 06 à 16 S e P

19
ESPAÇOS MÍNIMOS RECOMENDADOS

1.800 mm (mínimo)
Circulação de ar
somente 50BX

50 BR STANDARD
O espaço mínimo requerido é de 500 mm (cota B). Não é
necessário reservar espaço na cota A.

50 BR PREMIUM
O espaço mínimo requerido é de 500 mm para conexões
de água (cota B) e de 1000 mm para a limpeza do
condensador (cota A). Caso seja necessário a inversão
das conexões de água para o lado oposto ao fornecido de
fábrica, o espaço mínimo requerido passará a ser 500 mm
na cota A e 1000 mm na cota B.

50 BZ STANDARD E PREMIUM
O espaço mínimo requerido é de 500 mm. Será em A ou B
dependendo do lado da unidade usado para conexões de
linha de refrigerante.

20
ANEXO IV - FLUXOGRAMA FRIGORÍGENO

50BR 006 / 008 - STANDARD

LD

LL
LS

CE

21
50BR 012 / 014 / 016 - STANDARD

CE CE

LS

LS
LL

LD

LL

LD

22
50BX 006 / 008 - STANDARD

LL
LD

LS

CE

23
50BX 012 / 014 / 016 - STANDARD

CE CE

LS

LS
LL

LD

LL

LD

24
50BZ 006 / 008 - STANDARD

OU
LD

LL
LD

LL
LS

CE

25
50BZ 012 / 014 / 016 - STANDARD

LS
CE CE

LS
LL

LL
LD

LD

26
50BR 006 / 008 - PREMIUM

LD

LL
LS

CE

27
50BR 012 / 014 / 016 - PREMIUM

CE CE

LS

LS
LL

LL
LD

LD

28
50BX 006 / 008 - PREMIUM

LD

LL
LS

CE

29
50BX 012 / 014 / 016 - PREMIUM

CE CE

LS

LS
LL

LL
LD

LD

30
50BZ 006 / 008 - PREMIUM

LL
LD
LD

LL
LS

CE

31
50BZ 012 / 014 / 016 - PREMIUM

CE

LS

LS
LL

LL
LD

LD
LL
LD

LD
LL

32
ANEXO V - ESQUEMA ELÉTRICO

50BR 006 / 008 - STANDARD / PREMIUM

33
50BR 012 / 014 / 016 - STANDARD / PREMIUM

34
50BX 006 / 008 - STANDARD / PREMIUM

35
50BX 012 / 014 / 016 - STANDARD / PREMIUM

36
50BZ 006 / 008 STANDARD

37
50BZ 012 / 014 / 016 - STANDARD

38
50BZ 006 / 008 PREMIUM

39
50BZ 012 / 014 / 016 - PREMIUM

40
ANEXO VI - CÁLCULO DE SUB-RESFRIAMENTO E SUPERAQUECIMENTO
SUBRESFRIAMENTO SUPERAQUECIMENTO
1. Definição: 1. Definição:
Diferença entre temperatura de condensação saturada (TCD) Diferença entre temperatura de sucção (TS) e a temperatura
e a temperatura da linha de líquido (TLL) de evaporação saturada (TEV)
SR = TCD - TLL SA = TS - TEV
2. Equipamentos necessários para medição: 2. Equipamentos necessários para medição:
• Manifold • Manifold
• Termômetro de bulbo ou eletrônico (com sensor de • Termômetro de bulbo ou eletrônico (com sensor de
temperatura) temperatura)
• Filtro ou espuma isolante • Filtro ou espuma isolante
• Tabela de conversão Pressão-Temperatura para R-22 • Tabela de conversão Pressão-Temperatura para R-22.

3. Passos para medição: 3. Passos para medição:


1º) Coloque o bulbo ou sensor do termômetro em contato
1º) Coloque o bulbo ou sensor do termômetro em contato com a linha de sucção, o mais próximo possível do
com a linha de líquido próxima do filtro secador. Cuide bulbo da válvula de expansão. A superfície deve estar
para que a superfície esteja limpa. Recubra o bulbo limpa e a medição ser feita na parte superior do tubo,
ou sensor com a espuma, de modo a isolá-lo da para evitar leituras falsas. Recubra o bulbo ou sensor
temperatura ambiente. com a espuma, de modo a isolá-lo da temperatura
2º) Instale o manifold nas linhas de descarga (manômetro ambiente.
de alta) e sucção (manômetro de baixa). 2º) Instale o manifold nas linhas de descarga (manômetro
de alta) e sucção (manômetro de baixa)
3º) Depois que as condições de funcionamento
estabilizarem leia a pressão no manômetro da linha de 3º) Depois que as condições de funcionamento
descarga. estabilizarem-se leia a pressão no manômetro da linha
de sucção. Da tabela de R-22 obtenha a temperatura
NOTA: de evaporação saturada (TEV).
As medições devem ser feitas com o equipamento
operando dentro das condições de projeto da 4º) No termômetro leia a temperatura de sucção (TS). Faça
instalação para permitir alcançar a performance várias leituras e calcule sua média que será a
desejada. temperatura adotada.

4º) Da tabela de R-22, obtenha a temperatura de 5º) Subtraia a temperatura de evaporação saturada (TEV)
condensação saturada (TCD) da temperatura de sucção, a diferença é o
superaquecimento.
5º) No termômetro leia temperatura da linha de líquido
6º) Se o superaquecimento estiver entre 4,5°C a 6,5°C, a
(TLL). Subtraia-a da temperatura de líquido de con-
regulagem da válvula de expansão está correta. Se
densação saturada; a diferença é o subresfriamento.
estiver abaixo, muito refrigerante está sendo injetado
6º) Se o subresfriamento estiver entre 5°C e 6°C no no evaporador e é necessário fechar a válvula (girar
equipamento 50BR S a carga está correta. parafuso de regulagem para a direita - sentido horário).
Se o superaquecimento estiver alto, pouco refrigerante
7º) Nos demais se o subresfriamento estiver entre 8° a 11°C está sendo injetado no evaporador e é necessário abrir
carga está correta. Se estiver abaixo, adicione a válvula (girar parafuso de regulagem para a esquerda
refrigerante se estiver acima, remova refrigerante. - sentido anti-horário).
4. Exemplo de cálculo: 4. Exemplo de cálculo:

— Pressão da linha de descarga — Pressão da linha de sucção (manômetro) ......... 75sig


(manômetro) ................................................ 260 psig — Temperatura da linha de sucção (termômetro) ... 15°C
— Temperatura de condensação — Temperatura de evaporação
saturada (tabela) ................................................ 49°C saturada (tabela) ................................................. 7°C
— Temperatura da linha de líquido — Superaquecimento (subtração) ............................ 8°C
(termômetro) ...................................................... 45°C
— Superaquecimento alto: abrir a válvula de expansão
— Subresfriamento (subtração) ................................ 4°C
• OBS.: Após fazer o ajuste da V.E.T. não esquecer de
— Adicionar refrigerante! recolocar o capacete.
41
ANEXO VII - RELATÓRIO DE PARTIDA INICIAL (RPI)

1. IDENTIFICAÇÃO DO EQUIPAMENTO:
MODELO: ___________________________ Nº SÉRIE: ____________________ DATA DA PARTIDA: _____ / _____ / ____
CLIENTE: ____________________ CONTATO: ______________ INSTALADOR: ______________
ENDEREÇO: __________________________________________ FUNCIONÁRIO: _____________
CIDADE: _____________________ ESTADO: ________________ FUNÇÃO: __________________

2. CARACTERÍSTICAS DA UNIDADE
DADOS DO COMPRESSOR CIRCUITO 1 CIRCUITO 2
Modelo

Capacidade TR TR
Tensão Nominal V V
Corrente Nominal A A
3. LEITURA DOS TESTES
CIRCUITO 1 CIRCUITO 2
Tensão de Alimentação do Compressor V V
Corrente de Consumo do Compressor A A
Cosseno ϕ do Compressor kW kW
Pressão da Linha de Descarga (Alta) psig psig
Pressão da Sucção (Baixa) psig psig
Temperatura da Linha de Líquido °C °C
Temperatura da Sucção do Compressor °C °C
Subresfriamento °C °C
Superaquecimento °C °C

Tensão do Evaporador V Corrente do Motor do Evaporador A


Cosseno ϕ do Motor Evaporador Potência Calculada Evaporador kW
Rotação do Motor do Evaporador rpm Vazão de Ar do Evaporador m3/h
Temperatura Bulbo Seco Entrada Evapor. °C Temperatura Água Entrada do Cond. °C
Temperatura Bulbo Seco Saída Evapor. °C Temperatura Água Saída do Cond. °C
Pressão Água Entrada do Cond. psig Pressão Água Saída do Cond. psig
Vazão de Água do Condensador m3/h Temperatura Bulbo Seco Entrada Cond. °C
Temperatura Bulbo Úmido Entrada Evap. °C Temperatura Bulbo Seco entrada Cond. °C
Temperatura Bulbo Úmido Saída Evap. °C Velocidade de Face Evaporador m/s
P. Estática Disponível Descarga mmca Carga de Gás C1 / C2 kg
Rotação do Motor Cond. C1 / C2 rpm Corrente Motor Condensador A
Oscilação V.E.T. Circuito 1 °C Oscilação V.E.T. Circuito 2 °C
Pressostato de Alta: Entra psig Desarma psig
Entra psig Desarma psig
Entra psig Desarma psig
Pressostato de Baixa: Entra psig Desarma psig
Entra psig Desarma psig
Entra psig Desarma psig
42
4. VERIFICAÇÕES CIRCUITO 1 CIRCUITO 2
4.1 SIM NÃO SIM NÃO
- Vazamento
- Visor Borbulhando
- Superaquecimento Normal
- Subresfriamento Normal
- Tensão Normal
- Corrente Normal
- Relé de Sobrecarga Regulado

4.2 ACESSÓRIOS E CONTROLES: SIM NÃO


- Tensão do Motor do Ventilador do Evaporador Normal
- Tensão do Motor do Ventilador do Condensador Normal
- Corrente do Motor do Ventilador do Evaporador Normal
- Corrente do Motor do Ventilador do Condensador Normal
- Sentido de Rotação dos Ventiladores Correto
- Polias Alinhadas e Fixadas
- Tensão nas Correias Adequada
- Relés de Sobrecarga Regulados
- Pressostatos de Baixa Atuando na Faixa Normal
- Pressostatos de Alta Atuando na Faixa Normal
- Termostato de Controle Atuando na Faixa Normal
- Vazão de Ar/Água para o Condensador Regulada
- Os drenos p/Água Condensada estão adequadamente instalados
- Chave Seccionadora com Fusíveis
- Descarga dos Condensadores obstruídas
- Temperatura de Entrada de Ar/Água nos Condensadores Normal

5. MEDIÇÕES (Indicar Unidade das Leituras)

a) Antes da Partida ____________ / ____________ / _________ V


ELÉTRICA: (Desbalanceamento da voltagem nos Bornes de Cada Compressor Parado)
Compressor 1 - Nº/s: ________ Compressor 2 - Nº/s: _______
L1 - L2 = _______________ V L1 - L2 = ______________ V
L2 - L3 = _______________ V L2 - L3 = ______________ V
L3 - L1 = _______________ V Vm = ____ V L3 - L1 = ______________ V Vm = ___ V
MAIOR DIFERENÇA = ______ V MAIOR DIFERENÇA = ____ V
(Compressor 1) (Compressor 2)
(V)% = MD x 100 = _____________ (V)% = MD x 100 = ____________
VM VM
b) Partida da Unidade _________ / ____________ / _________ V
Compressor 1 - Nº/s: ________ Compressor 2 - Nº/s: _______
L1 - L2 = _______________ V L1 - L2 = ______________ V
L2 - L3 = _______________ V L2 - L3 = ______________ V
L3 - L1 = _______________ V Vm = ____ V L3 - L1 = ______________ V Vm = ___ V
MAIOR DIFERENÇA = ______ V MAIOR DIFERENÇA = ____ V
(Compressor 1) (Compressor 2)
(V)% = MD x 100 = _____________ (V)% = MD x 100 = ____________
VM VM
6. CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO
- Visor Líquido — Sem Bolhas e/ou Umidade
- Superaquecimento — 4,5°C a 6,5ºC
- Subresfriamento — 8°C a 11ºC ou 5ºC a 6ºC na 50BR S
- Tensão — de Placa ± 10%
- Correntes — Vide C.T. dos Equipamentos
- Pressostatos — Vide C.T. dos Equipamentos

7. OBSERVAÇÕES

Assinatura do Instalador Assinatura do Cliente

43
ANEXO VIII - PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PERIÓDICA

CLIENTE:
ENDEREÇO:
LOCALIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO:
UNIDADE MOD.: Nº DE SÉRIE

CÓDIGOS DE FREQÜÊNCIAS: A - Semanal B - Mensal C - Trimestal D - Semestral E - Anual

FREQÜÊNCIA
ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS A B C D E

01 INSPEÇÃO GERAL Verificar fixações, ruídos, vazamentos,


isolamentos •
02 COMPRESSOR (es)
02a Pressão sucção - Medição •
02b Pressão descarga - Medição •
02c Bornes - Conexões - Verificar aperto e contato •
02d Verificar pressostatos - Atuação (todos) •
02e Verificar dispositivos de proteção (sobrecarga/sobreaquecimento) •
02f Correntes - Medição •
02g Tensão - Medição •
02h Verificar elasticidade dos coxins de borracha dos compressores •
03 CIRCUITO REFRIGERANTE
03a Visor de líquido - Controlar carga de gás (borbulhamento - sujeira -
unidade) - disponível somente no padrão P •
03b Vazamentos - verificar •
03c Verificar filtro secador - Trocar se necessário •
03d Válvulas expansão - Verificar funcionamento •
03e Superaquecimento - Medir - Ajustar se necessário •
03f Subresfriamento - Medir - Corrigir se necessário •
03g Verificar isolamento das tubulações •
04 VENTILADORES DO EQUIPAMENTO
04a Verificar correias - Tensão •
Verificar correias - Desgate •
04b Verificar rolamento e mancais •
04c Verificar fixação das polias •
04d Verificar alinhamento das polias •
04e Correntes dos motores - Medição •
04f Limpeza dos rotores •
05 SERPENTINA - EVAPORADOR
05a Limpeza do aletado •
05b Limpeza dreno •
05c Limpeza bandeja •
44
FREQÜÊNCIA
ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS A B C D E

06 SERPENTINA CONDENSADOR - AR
06a Limpeza do aletado •
06b Limpeza bandeja •
06c Limpeza dreno •
07 CONDENSADOR A ÁGUA
07a Limpeza •
07b Medição - Temperatura de entrada e saída de água de condensação •
08 FILTROS DE AR
08a Inspeção e limpeza •
09 AQUECIMENTO (caso instalado em campo)
09a Verificar resistências •
09b Verificar “Flow-Switch” •
09c Verificar termostato de segurança •
09d Verificar conexões - bornes •
10 UMIDIFICAÇÃO (caso instalado em campo)
10a Verificar resistências •
10b Chave de bóia - “Flow Switch” •
10c Bóia d’água •
10d Nível d’água •
11 COMPONENTES ELÉTRICOS
11a Inspeção geral - Verificar aperto, contato e limpeza •
11b Regulagem de relés de sobrecarga •
11c Controles/Intertravamentos - Verificar funcionamento •
11d Termostato - Verificar atuação e regulagem •
11e Painel de comando - Verificar atuação e sinalização •
11f Verificar tensão, corrente, desbalanceamento entre fases e
seqüência das mesmas (Relé de seqüência de fase) •
11g Verificar aquecimento dos motores •
12 GABINETE
12a Verificar e eliminar pontos de ferrugem •
12b Examinar e corrigir tampas soltas e vedação do gabinete •
13c Verificar isolamento térmico do gabinete •

45
ANEXO IX - ANÁLISE DE OCORRÊNCIAS

OCORRÊNCIA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÕES

1. Unidade não parte - Fases R, S, T, não estão na sequência correta (re- - Inverter dois cabos da entrada de alimentação
lé de sequência de fase atua). da unidade.

- Falta de alimentação elétrica. - Verificar suprimento de força.


- Verificar fusíveis, chaves seccionadoras e
disjuntores.
- Verificar contatos elétricos.

- Voltagem inadequada ou fora dos limites - Verificar e corrigir o problema.


permissíveis.

- Fusíveis de comando queimados. - Verificar curto circuito no comando, ligação er-


rada ou componente defeituoso. Corrigir e substi-
tuir fusíveis.

- Dispositivos de proteção abertos. - Verificar pressostatos, chaves de fluxo , relés e


contatos auxiliares.

- Contatora, motor ou compressor. - Testar e substituir.

2. Ventilador não opera - Contatora ou relé de sobrecarga defeituosos. - Testar e substituir.


- Motor defeituoso. - Testar e substituir.
- Correia rompida. - Substituir.
- Conexões elétricas com mau contato - Revisar e apertar.

3. Compressor “ronca” mas - Baixa voltagem. - Verificar e corrigir o problema.


não parte
- Motor do compressor defeituoso. - Substituir o compressor.
- Falta de fase. - Verificar e corrigir o problema.
- Compressor “trancado”. - Verificar e substituir o compressor.

4. Compressor parte, mas não - Compressor ou contatoras defeituosos. - Testar e substituir.


mantém seu
funcionamento contínuo - Falta de refrigerante. - Verificar e corrigir vazamentos. Adicionar
refrigerante se necessário.
- Carga térmica insuficiente. - Verificar condições de projeto.
- Sobrecarga ou sobreaquecimento no motor do - Verificar atuação dos dispositivos de proteção.
compressor. Substituir se necessário.
- Verificar voltagem ou falta de fase. Corrigir
problema.
- Verificar regulagem da válvula de expansão.
- Verificar temperatura (ou pressão) na sucção e
na condensação.

46
OCORRÊNCIA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÕES

5. Unidade com ruído - Compressor com ruído. - Verificar regulagem da válvula de expansão.
- Verificar ruído interno. Substituir se necessário.
- Vibração nas tubulações de refrigerante ou água - Verificar e corrigir.
de condensação.
- Painéis ou peças metálicas mal fixadas. - Verificar e fixar.

6. Unidade opera continuamente - Carga térmica excessiva. - Verificar condições do projeto.


mas com baixo rendimento - Falta de refrigerante. - Verificar e corrigir vazamentos. Adicionar refrigerante
se necessário.
- Presença de incondesáveis no sistema. - Verificar e corrigir.
- Sujeira ou inscrustação nos condensadores. - Verificar e corrigir.
- Compressor defeituoso. - Verificar pressões e correntes do compressor.
Substituir se necessário.
- Insuficiente alimentação de refrigerante no - Verificar obstrução no filtro secador, no distribuidor
evaporador ou nas linhas. Substituir ou corrigir.
- Verificar obstrução na válvula de expansão .
Substituir se necessário.
- Verificar regulagem no superaquecimento da válvula
de expansão. Ajustar se necessário.
- Verificar perda de carga excessiva nas linhas de
refrigerante devida à distância, desnível ou
diâmetro das tubulações. Corrigir se necessário
(somente unidades 50BZ)
- Verificar posição do bulbo e do tubo equalizador
da válvula de expansão. Corrigir de acordo com
especificação de fábrica.
- Baixa vazão de ar no evaporador. - Verificar sujeira nos filtros de ar. Limpar ou substituir.
- Verificar sujeira na serpentina. Limpar e providenciar
filtragem adequada.
- Verificar registros de regulagem da rede de dutos.
- Verificar rotação do ventilador. Ajustar se necessário.
- Verificar funcionamento do motor. Substituir se
necessário.
- Óleo no evaporador. - Verificar e drenar.
- Compressor opera com rotação invertida - Verificar as pressões de sucção e descarga.
Caso se verifique a inversão, inverter dois cabos
de alimentação da borneira de força da unidade.

7. Pressão de descarga elevada - Baixa vazão de ar no condensador (50BZ) - Verificar rotação do ventilador. Ajustar se necessário.
- Verificar funcionamento do motor. Substituir se
necessário.
- Verificar desgaste da correia. Substituir se
necessário.
- Verificar sujeira na serpentina. Limpar e providenciar
filtragem adequada.
- Baixa vazão de água no condensador (50BR) - Verificar suprimento de água. Corrigir.
- Verificar funcionamento da bomba e torre de resfria-
mento. Corrigir.
- Verificar válvulas e filtros de água. Ajustar e limpar.
- Condensador com incrustação ou sujeira - Verificar e limpar.
- Temperatura elevada de entrada do ar ou água - Verificar curto circuito do ar de condensação ou
de condensação. tomada de ar insuficiente. Corrigir.
- Verificar componentes da instalação de arrefecimento
de água. Corrigir.
- Excesso de refrigerante. - Verificar e remover excesso, ajustando o subresfria-
mento.
- Presença de incondensáveis no sistema. - Verificar e corrigr.

47
OCORRÊNCIA POSSÍVEL CAUSA SOLUÇÕES

8. Pressão de descarga elevada - Tubulação de entrada e saída de água montadas - Verificar e colocar na posição correta.
invertidas (entrada deve estar na conexão de baixo)
- Pressostato de alta desarmado sem causa aparente - Verificar regulagem e atuação.
Substituir se necessário.

9. Pressão de descarga reduzida - Baixa temperatura do ar exterior. - Instalar damper para controle de capacidade.
- Excessiva vazão de ar ou água no condensador. - Verificar e ajustar.
- Falta de refrigerante. - Verificar e corrigir vazamentos. Adicionar refrigerante
se necessário.
- Compressor defeituoso. - Verificar pressões de sucção e descarga.
Substituir se necessário.
- Compressor opera com rotação invertida. - Verificar as pressões de sucção e descarga.
Caso se verifique a inversão, inverter dois cabos de
alimentação da borneira de força da unidade.

10. Pressão de sucção reduzida - Pressão de descarga reduzida - Vide ocorrência 9.


- Carga térmica insuficiente. - Verificar condições de projeto.
- Falta de refrigerante. - Verificar e corrigir vazamentos. Adicionar refrigerante
se necessário.
- Baixa vazão no ar do evaporador. - Verificar sujeira nos filtros de ar. Limpar ou substituir.
- Verificar sujeira na serpentina. Limpar providenciar
filtragem adequada.
- Verificar registros de regulagem de rede de dutos.
- Verificar rotação do ventilador. Ajustar se necessário.
- Verificar funcionamento do motor. Substituir se
necessário.
- Verificar desgaste da correia. Substituir se
necessário.
- Verificar obstrução no filtro secador, no distribuidor
ou nas linhas. Substituir ou corrigir.
- Insuficiente alimentação de refrigerante no - Verificar obstrução na válvula de expansão.
evaporador. Substituir se necessário.
- Verificar regulagem do superaquecimento da válvula
de expansão. Ajustar se necessário.
- Verificar perda de carga excessiva nas linhas de
refrigerante devida à distância, desnível ou diâmetro
das tubulações. Corrigir se necessário (somente
unidades 50BZ)
- Verificar posição do bulbo e do tubo equalizador da
válvula de expansão. Corrigir de acordo com
especificação de fábrica.
- Pressostato de baixa desarmado sem - Verificar regulagem e atuação.
causa aparente.

11. Pressão de sucção elevada. - Carga térmica excessiva. - Verificar condições de projeto.
- Compressor defeituoso. - Verificar as pressões de sucção e descarga.
Substituir se necessário.
- Compressor opera com rotação invertida. - Verificar as pressões de sucção e descarga.
Caso se verifique a inversão, inverter dois cabos de
alimentação da borneira de força da unidade.

12. Vazamento de água - Conexões de água de condensação defeituosas. - Verificar e corrigir.


- Drenos de condensado obstruídos. - Verificar e limpar bandejas e drenos.
- Linhas de drenagem instaladas incorretamente. - Verificar conexões e sifões. Corrigir se necessário.

48
49
Você é o Foco de nossa Atenção
Matriz
Unidade Industrial
Vendas
Carrier Service
Pós-Vendas

Canoas - RS
Rua Guilherme Schell, 10100
CEP 92420-030
Tel.: (051) 477-2244
Fax: (051) 477-9444 Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (051) 477-9414 Rua Senador Alencar, 33
Fax: (051) 477-9415 CEP 20921-430
Tel.: (051) 477-9000 Tel.: (021) 589-9565
Fax: (051) 477-9463 Fax: (021) 589-9151
Tel.: (051) 477-9004
Fax: (051) 477-9451
Recife - PE
Rua Marquês do Amorim, 356
CEP 50070-330
São Paulo - SP Tel.: (081) 421-3188
Av. Indianópolis, 2840 Fax: (081) 421-3561
CEP 04062-003
Tel.: (011) 55852199
Fax: (011) 55852199 Ramal: 2244 Manaus - AM
Rua Al. Barão de Limeira, 643 Rua Iça, 145
CEP 01202-001 CEP 69075-090
Tel.: (011) 223-8233 Tel.: (092) 237-7316
Fax: (011) 222-4959 Fax: (092) 237-3286

A critério da fábrica, e tendo em vista o aperfeiçoamento do produto, as características daqui constantes poderão ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio.

IOM 50B E 06 a 16 . B. 06.99 256.10.010 www.springer.com.br


50