Você está na página 1de 2

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.

JORGE AUGUSTO CORREIA


Direção de Serviços da Região do Algarve
ES/3EB Dr. Jorge Augusto Correia; EB 2,3 D. Paio Peres Correia; EB1 Horta do Carmo; EB1/JI Conceição; EB1 Cabanas

Flexibilização curricular – Ano letivo 2017/2018


Domínio de Autonomia Curricular – 10ºB
(Despacho n.º 5907/2017 de 5 de julho)

1. Tema - “Viagens e comércio – da antiguidade ao mundo atual”

O tema pretende ser suficientemente abrangente para permitir integrar diferentes disciplinas do
currículo. Sendo uma turma da área de economia, pretende-se tratar um tema que permita
abordar conceitos ligados à área científica e de interesse dos alunos. A História local será
integrada, naturalmente, de acordo com os subtemas escolhidos e o interesse dos alunos,
sempre relacionada com a História Nacional, Europeia e Universal.

Nos termos do n.º 2 do art.º 16 do despacho supramencionado, é apresentada esta proposta para
a prossecução das opções inscritas no projeto educativo, considerando as especificidades
curriculares e ajustando ao perfil da turma do 10.º ano do ensino secundário de Ciências
Socioeconómicas. No plano de trabalho da turma será definido o contributo específico de cada
disciplina, enquadrado no presente projeto de domínio de autonomia curricular que será
desenvolvido de acordo com o planeamento curricular e estabelecendo prioridades de acordo
com os objetivos definidos no Art.º 13º.

2. Disciplinas envolvidas – Economia A, História B, Língua Estrangeira (Inglês) e Português


3. Método de trabalho- Pretende-se aplicar as etapas do Trabalho de Projeto
4. Número de Horas – até 100 horas (cerca de 15% do currículo das disciplinas envolvidas)
5. Contribuição horária por disciplina- (a definir em setembro)

6. Etapas

A. Planificação
Os alunos distribuem-se em grupos de trabalho, entre 3 e 5 elementos, dependendo do
número de alunos da “turma-piloto”; escolhem um subtema de trabalho que contribua para o
tema geral do projeto. Seguidamente serão orientados no planeamento, isto é, pesquisa de
bibliografia, apresentação de um compromisso de trabalho e de produto final. O projeto
poderá ser reformulado em função da recolha.

B. Execução
Sob orientação dos professores envolvidos, os alunos serão acompanhados na concretização do
projeto, em abordagens multidisciplinares.

C. Avaliação
Será efetuada auto, co e heteroavaliação, por disciplina envolvida, sendo os seguintes os
parâmetros:
i) Avaliação técnica formal
Avaliar-se-á a conceção, apresentação e rigor formal do trabalho. Em paralelo, será
avaliada a “honestidade intelectual” com vista a combater o plágio e a fomentar a
aplicação da norma 2 da citação bibliográfica
ii) Correção científica
Cada disciplina envolvida avaliará a correção científica de cada projeto
iii) Cidadania/Atitudes e valores
Avaliar-se-á a autonomia, o espírito crítico, a inteligência emocional/ contribuição para a
resolução de problemas, a capacidade de liderança
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. JORGE AUGUSTO CORREIA
Direção de Serviços da Região do Algarve
ES/3EB Dr. Jorge Augusto Correia; EB 2,3 D. Paio Peres Correia; EB1 Horta do Carmo; EB1/JI Conceição; EB1 Cabanas

Para o efeito serão desenvolvidos descritores com 5 níveis para cada um dos parâmetros i),
ii) e iii). Estes descritores serão divulgados aos Encarregados de Educação e distribuídos aos
alunos. Assim, a correção científica do projeto determinará uma diferenciação nas
classificações de cada professor.

D. Divulgação
Cada projeto será divulgado através dos meios existentes na escola e/ou na localidade, a saber,
biblioblogue, jornal ecoestudantil, redes sociais, plataforma moodle, rádios locais, etc.

E. Produtos Finais
Os produtos finais serão da responsabilidade de cada grupo de trabalho, podendo ser, uma
apresentação multimédia, uma obra de artesanato, um filme, uma peça de teatro, etc.

F. Recursos
Biblioteca escolar e municipal;
Sala de informática
Poder-se-ão realizar visitas de estudo sendo que as mesmas implicarão guiões de exploração
dos locais a visitar que necessariamente estarão relacionados com os conteúdos do projeto.

7. Considerações Finais
Pretende-se com a flexibilização curricular melhorar a motivação dos alunos, desenvolver o
trabalho prático, transformar a informação em conhecimento e, em paralelo, desenvolver
competências sociais úteis para a vida ativa. Assim, fará parte do projeto o rigor e a exigência.

8. Riscos
Consideram-se como possíveis riscos os seguintes:
- Falta de recursos: Biblioteca ocupada com aulas; ausência de computadores;
- Falta de envolvimento dos Encarregados de Educação: frequentemente os Encarregados de
Educação desvalorizam os trabalho em equipa, por morarem longe, ou por outras razões.
Frequentemente continuam com a ideia de que a escola é uma fonte de conhecimento livresco,
sem outras competências associadas, desconfiando de quaisquer variáveis introduzidas
(autonomia, espírito crítico, etc.).
- Absentismo dos alunos, o que compromete o trabalho em equipa

9. Situações a evitar
- Transformar o projeto numa atividade lúdica, destituída de rigor e de exigência;
- Permitir a interferência dos Encarregados de Educação em aspetos do foro científico e
pedagógico. A participação dos Encarregados de Educação será fundamental em cooperação com
os professores e nunca interferindo em aspetos fundamentais do ensino aprendizagem.

Tavira, 18 de julho de 2017

Os proponentes, professores:

Anna Alba Caruso


António Viegas da Silva
Fátima Pires

Você também pode gostar