Você está na página 1de 15

HISTÓRIA DA INFÂNCIA: CONCEITOS, DESENVOLVIMENTO E PESQUISAS EM

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

NASCIMENTO, Célia Siqueira Xavier


UFMG

INTRODUÇÃO
O propósito desta pesquisa é fazer um levantamento de trabalhos
apresentados em eventos de História da educação ocorridos de 1995 a 2005, onde
procurei sistematizar como vem se desenvolvendo a temática da infância e de sua
educação numa perspectiva histórica. São reflexões preliminares que pretendem
promover uma familiarização com o tema buscando também contribuir com outras
pessoas que estejam interessadas em pesquisar sobre a história da infância
relacionada com a educação.
De acordo com Alves-Mazzotti e Gewandznajder (1998), “É essencial que o
pesquisador adquira familiaridade com o estado do conhecimento sobre o tema para
que possa propor questões significativas e ainda não estudadas,” (p. 56). Esta citação
já nos deixa a par da importância do conhecimento da literatura sobre o tema
desejado. Este estudo é, portanto um primeiro contato, necessário a um
pesquisador(a) que queira propor questões significativas.
Usei como fontes os anais de encontros nacionais da ANPED (Associação
Nacional de Pesquisa em Educação), a partir de trabalhos apresentados no GT
História da Educação. Usei também os anais do Congresso Brasileiro de História da
Educação promovido pela SBHE (Sociedade Brasileira de História da Educação) e por
fim usei os anais do congresso de Pesquisa e Ensino em História da Educação em
Minas Gerais (COPEHE).
Selecionei os trabalhos a partir dos títulos e da leitura dos resumos, após este
momento fiz a leitura dos trabalhos selecionados. Além do levantamento dos trabalhos
procurei organizá-los a partir do enfoque historiográfico privilegiado das abordagens,
das fontes documentais e da problematização central da investigação.
Inicialmente neste trabalho busquei entender qual movimento proporcionou a
História a discussão de novos objetos, dentre eles o estudo histórico da infância. Em
seguida me voltei para o desenvolvimento da pesquisa sobre a infância no Brasil,
usando alguns autores como referência. Por fim fiz o levantamento dos trabalhos
buscando analisá-los.
A PRODUÇÃO DA INFÂNCIA COMO OBJETO DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA
Para falar sobre a produção da infância como objeto de investigação histórica
cabe antes fazer algumas considerações sobre a ciência histórica e seus objetos. Le
Goff (1984), ao fazer uma análise da história, seus objetos, problemas e
ambigüidades, parte inicialmente do significado da palavra em grego antigo trazendo a
idéia de que “aquele que vê é também aquele que sabe”, pois Historien é procurar
saber, informar-se, logo historie significa, pois procurar.
Marc Bloc, citado por Le Goff, propunha que se definisse história como “a
ciência dos homens no tempo” pretendia sublinhar alguns caracteres da história, como
por exemplo, o seu caráter humano, a história é a história humana. Lucien Febvre,
também citado por Le Goff, acrescenta ao pensamento de Marc Bloch, dizendo que
não o homem, mas as sociedades humanas, os grupos organizados. Esta concepção
de história humana convida muitos historiadores a pensarem que a parte central e
essencial da história é a história social.
A história clássica estava diretamente relacionada ao Estado, era
essencialmente a história política, outros tipos de história eram considerados
periféricos aos interesses dos verdadeiros historiadores. Uma das mais antigas
manifestações de renovação da ciência histórica foi o desenvolvimento da ciência
econômica e social. A sociologia e a antropologia desempenharam um papel
importante na mutação da história do século XIX. Considera-se a fundação da revista
"Annales" em 1929, obra de Marc Bloc e Lucien Febvre como ato que fez nascer a
nova história.
Le Goff (1984) resume as idéias da nova história dizendo que consistem em
uma crítica ao fato histórico e em especial da história baseada em grandes
acontecimentos, da história política, a procura duma colaboração com as outras
ciências sociais, a substituição da história-conto pela história problema. Segundo Peter
Burke (1992), uma definição categórica do que seja nova história não é fácil, o
movimento esta unido apenas naquilo a que se opõe e existe uma variedade de novas
abordagens.
A nova história começou a se interessar por toda atividade humana, ou seja,
tudo tem um passado que pode a princípio ser reconstruído. Sua base filosófica é a
idéia de que a realidade é social ou culturalmente construída. A nova história se
preocupa com a análise das estruturas e pretende dar voz aos sujeitos considerados
comuns e considera como fontes todos os vestígios deixados pela experiência
humana. O grupo dos Annales trabalha numa perspectiva interdisciplinar buscando
colaboração com outras ciências como Antropologia, Sociologia, Psicologia, dentre
outras.

2
A primeira metade do século XX testemunhou a ascensão de novas
abordagens em história, e a partir desse momento nos deparamos com várias histórias
notáveis de tópicos que anteriormente não se havia pensado possuírem uma história,
como por exemplo, o clima, a morte, a loucura, o corpo, os gestos, a leitura, a
feminilidade, e vários outros.

ARIÈS E OS CONCEITOS DE INFÂNCIA


Dentro desse universo de novas abordagens se encontra a infância como
objeto de investigação histórica. Segundo Gouvêa (2003), a infância tem produzido
estudos, ainda que esparsos, desde o século XIX, porém é na década de 1960 com a
publicação do trabalho de Ariès “L´Enfant et la vie familiale sous I´ Ancien Regime”
(1962), que toma forma de maneira mais ordenada uma tradição de pesquisa sobre a
criança na produção historiográfica.
O trabalho de Ariès foi traduzido para o Brasil em 1973 em uma versão
abreviada do texto original, acrescido de um prefácio. O livro intitulado “História social
da criança e da família” contém integralmente somente as partes I e III, na parte II há
apenas as conclusões de sete capítulos e o capítulo “Do externato ao internato” foi
totalmente suprimido.
Na reedição de seu livro Ariès acrescenta um prefácio onde examina a
historiografia de seu tema. Ele reduz a tese que desenvolveu em duas, a primeira
segundo ele se refere à sociedade tradicional que não representava bem a criança e
muito menos o adolescente. O período da infância se reduzia a seu período mais frágil
e quando se desenvolvia se misturava rapidamente com os adultos com quem
compartilhava seus trabalhos e jogos.
Ariès segue dizendo que o bebê se convertia rapidamente em um homem
jovem sem passar pelas etapas da juventude. Diz então que sua primeira tese é um
ensaio interpretativo das sociedades tradicionais. Na segunda pretendeu demonstrar o
novo espaço ocupado pela criança na família e nas sociedades industriais. Segundo o
próprio autor sua segunda tese encontrou uma acolhida quase unânime, porém a
primeira foi recebida com reserva pelos historiadores.
A pesquisa de Ariès revelou não apenas originalidade temática, mas também
metodológica. Ele utilizou fontes habitualmente desconsideradas pela história
tradicional, como representações iconográficas, inscrições em túmulos, dentre outras.
Suas fontes são principalmente francesas e de famílias nobres ou abastadas.
Gouvêa (2003) diz que esta pode ser uma limitação em sua pesquisa, pois
centrou seus estudos na idéia moderna de infância das elites. Ela segue sua análise
citando Kuhlmann Jr. (1998), que aponta em Ariès uma visão de que o sentimento de

3
infância teria se desenvolvido inicialmente nas camadas superiores, indo do nobre
para o pobre.
Jacque Gélis (1991), diz que no final do século XIV sinais de uma nova relação
com a criança surgem nos meios abastados da sociedade, trata-se menos de uma
afetividade, como sugeriu Ariès, mas de uma vontade de preservar a vida da criança.
Gélis se contrapõe a Ariès ao relacionar o moderno sentimento de infância a
conformação de uma consciência linear, que progressivamente sucede a consciência
de um ciclo de vida mais circular.
É um outro olhar que o ser humano lança sobre si mesmo, onde não mais
apaga sua personalidade. Tal atitude permite compreender melhor porque a criança
passa a ocupar um lugar tão importante entre as preocupações dos pais. O autor
ainda afirma que o “interesse em relação à criança não é característica deste ou
daquele período da história. As duas atitudes coexistem no seio de uma mesma
sociedade... A indiferença medieval pela criança é uma fábula”, (p. 328).
Ainda sobre o sentimento de infância, Veiga (2004), diz que o tempo da
infância é uma produção sócio-cultural e em início do século XXI é possível observar
ainda ambigüidades nos sentimentos em relação à infância, enfatizando que a
presença de tais sentimentos não são suficientes para entender o lugar que esta
passou a ocupar nas sociedades ocidentais. Segundo Kuhlmann Jr. e Fernandes
(2004),
“Podemos compreender a infância como a concepção ou a representação que os
adultos fazem sobre o período inicial da vida, ou como o próprio período vivido pela
criança, o sujeito real que vive essa fase da vida. A História da infância seria então a
história da relação da sociedade, da cultura, dos adultos, com essa classe de idade, e a
história da criança seria a relação das crianças entre si e com os adultos, com a cultura
e a sociedade”.
Estes autores chamam ainda a atenção para os limites que restringem ou
alargam a abrangência do conceito de infância e o uso dos vocábulos criança e
infância. Kuhlmann Jr. (1998), analisa a palavra infância nos dicionários e língua
portuguesa, onde é “considerada como um período de crescimento do ser humano,
que vai da nascimento a puberdade”. De acordo com ele, no Estatuto da Criança e do
Adolescente (lei 8.069 de 13/07/1990), “criança é a pessoa de até 12 anos de idade
incompletos e adolescente aquela entre os 12 e 18 anos”.
Kuhlmann ainda diz que a palavra infância etimologicamente “refere-se a
limites mais estreitos, oriunda do latim, significa a incapacidade de falar. Esta
incapacidade, atribuída em geral ao período que se chama de primeira infância, às
vezes era vista como se estendendo até os 7 anos, que representariam a passagem

4
para a idade da razão.” O autor também nos alerta para os perigos da visão linear do
desenvolvimento histórico e ainda da unidirecionalidade do sentimento da infância,
proposta por Ariès. Ele também aponta para os problemas da transposição dessa
visão linear para os contextos sociais e históricos.
Apesar das muitas críticas recebidas por Ariès, sua obra torna-se
paradigmática no interior da história e tem influenciado uma série de estudos para
além dos domínios da produção historiográfica francesa. Segundo Gouvêa (2003), há
estudos sobre a infância analisando os diferentes processos históricos de inserção da
criança na vida social e de preparação para o mundo adulto, em diversos países,
dentre eles Portugal e Brasil.

A HISTÓRIA DA INFÂNCIA NO BRASIL


Segundo Gouvêa (2003), esse campo de investigação, no Brasil, necessita ser
melhor desvendado e desenvolvido. De acordo com ela podemos identificar algumas
produções esparsas sobre a história da criança brasileira até a década de 60 no
século XX, no entanto é Somente a partir da década de 1980 influenciados pela
tradução da obra de Ariès e tendo espaço principalmente em programas de pós-
graduação de história e de educação, vem se desenvolvendo no Brasil a infância
como temática histórica.
Mary del Priore buscando articular as investigações historiográficas existentes,
bem como aglutinar os pesquisadores da área organiza em 1991 o livro “História da
criança no Brasil” que procura, segundo ela, esclarecer como viveram ou eram vistas
as crianças em vários momentos da história do Brasil. Lembra que a história da
criança faz-se a sombra daquela dos adultos, procurando entre os grandes vislumbrar
o papel que desempenhou a infância numa sociedade vincada por contradições
econômicas, culturais e sociais.
O livro reúne nove artigos, escritos por diversos autores, incluindo Del
Priore.Os autores falam sobre a criança pobre e abandonada, trazendo-nos imagens
de uma infância marginalizada e maltratada. Na organização há certa linearidade dos
textos partindo do século XVI com os jesuítas e seu tratamento dispensado aos
indiozinhos, passando pela criança escrava, abandonada e enjeitada, sujeita a
violências e com muito pouco apreço por suas vidas, chegando ao final do século XIX
e com um tratamento tão desumano quanto foi a escravidão retratam o trabalho duro
das fábricas com novas histórias de abandono, o século XX traz o conceito de menor e
novamente a mesma história de violências e abandono.
Em 1999 Mary del Priore organiza um segundo livro na mesma perspectiva do
primeiro “História das crianças no Brasil” é também uma coletânea de textos bem mais

5
completo que o primeiro, também traz histórias de abandono e injustiças cometidas
contra crianças, mas traz diferentes olhares sobre a infância, o cotidiano da criança
pobre e também da criança de elite, os jogos, as brincadeiras, a saúde, a alimentação,
no entanto há um grande vazio no que diz respeito à educação. A obra reúne quinze
artigos versando sobre a história da infância em diferentes momentos históricos.
Depois de 1991 outros autores organizaram livros reunindo artigos que tratam
da questão da infância na história, e começaram a surgir livros que tratam da história
da infância levando em consideração sua educação e escolarização, onde procuram
analisar a construção e circulação de discursos sobre a infância, procuram também
desvelar processos históricos de socialização e disciplinação da criança em espaços
como a família, a escola e instituições de amparo.
No estudo das práticas e espaços sociais de cuidado e disciplinação da
infância destaca “Infância no sótão” (1999) de Cynthia Greive Veiga e Luciano Mendes
de Faria Filho, onde tratam da questão da infância pobre, mais propriamente de
meninos que viviam ou estavam nas ruas e eram recolhidos em abrigos. Os autores
nos mostram a relação entre a rua e a infância e nos mostra como as crianças vivam
nos abrigos em que eram recolhidas, como era o tratamento dispensado a esses
meninos.
O livro é ambientado nas primeiras décadas do século XX na recém
inaugurada capital mineira, onde segundo os autores, a ciência ordenava e organizava
a vida das pessoas combinando perspectivas políticas, econômicas, higiênicas e
morais. Esta construção foi apoiada nas idéias de higiene e eugenia. Destacam as
formas homogeneizadoras de educação das populações produzidas em torno do ideal
de civilizar ganhando destaque as idéias de reeducar e reajustar acrescentando-se a
isso a presença de práticas pedagógicas totalmente individualizadas e biologizada.
Gouvêa (2003) diz que outro ponto importante na história da infância é a
emergência de estudos comparativos da história da infância no Brasil e em outros
países, notadamente Portugal. Neste sentido destaca-se “História, infância e
escolarização” organizado por José Gonçalves Gondra em 2002. Gondra reúne nove
textos, versando sobre a história da infância no Brasil e em Portugal, mas também
trata de uma questão pouco estudada que é vínculo entre história da educação e
história da infância.
Marcos Cezar de Freitas faz a apresentação do livro, onde segundo ele, cada
um dos autores fala de um ângulo específico da história da infância. Diz também que o
amanhã historicamente tornou-se como expressam os vários capítulos do livro um
aspecto da “gestão da infância”, do tratamento dispensado aos rudes, da fala médica
nos debates educacionais, da relação família escola, da higiene como aparato da

6
intervenção médica na educação infantil. Observa que livros como esse nos ajuda a
perceber que as cidades e seus espaços, institucionais ou não, não devem ser
observados como se fossem canteiros esparramados e crescidos a própria sorte.
A respeito do vínculo sobre história da infância e história da educação destaca-
se o livro “A infância e sua educação – materiais, práticas e representações (Portugal
e Brasil)”, de 2004, organizado por Luciano Mendes de Faria Filho, porém não houve
tempo hábil para leitura deste e desta forma não possível analisá-lo.

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE PESQUISAS APRESENTADAS EM


EVENTOS DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
Gouvêa (2003) chama a atenção justamente para esta relação da história da
infância com a história da educação, porque segundo ela, o campo acadêmico da
história é pouco voltado para o estudo da inserção da criança na escola, e a produção
da história da educação se volta principalmente para a instituição escolar sem dar
destaque a identidade geracional do aluno. Buscando desvelar tal questão me propus
levantar e analisar os trabalhos apresentados em congressos de história da educação
sobre a temática da infância, ou seja, pesquisas inseridas na produção histórica da
educação que destacam a temática da infância.
Pesquisei trabalhos do GT História da educação na ANPED (Associação
Nacional de Pesquisa em Educação). A ANPED é uma sociedade civil sem fins
lucrativos fundada em 1976, sua finalidade é a busca do desenvolvimento e da
consolidação do ensino de pós-graduação e da pesquisa na área da Educação no
Brasil. Os trabalhos foram destacados da Reunião Anual da Entidade. Selecionei os
textos a partir do grupo de trabalho – GT2 História da educação, do encontro nacional.
Dos congressos aqui pesquisados a ANPED é o único que aconteceu no período de
1995 a 2005.
Pesquisei inicialmente os títulos e resumos dos trabalhos, a partir destes li os
textos, na medida em que a leitura se desenvolvia percebia se o tema da infância
estava ou não presente nos trabalhos. De 1995 a 1999 encontrei somente 03
trabalhos. No período de 2000 a 2005 selecionei 10, entre comunicações e pôsteres,
totalizando 13 trabalhos, são eles:

CULTURA ESCOLAR, CULTIVO DE CORPOS: A GYMNASTICA COMO PRÁTICA


CONSTITUTIVA DE CORPOS DE CRIANÇAS NO ENSINO PÚBLICO PRIMÁRIO DE BELO
HORIZONTE. (1906-1920) - 2000
TARCÍSIO MAURO VAGO – UFMG

UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A HISTÓRIA DA INFÂNCIA: FESTEJOS COMEMORATIVOS DA


CRIANÇA.
CYNTHIA GREIVE VEIGA E MARIA CRISTINA SOARES DE GOUVÊA – UFMG 2001

7
O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM PROCESSOS DE TUTELA DE MENORES DESVALIDOS
ALESSANDRA DAVID MOREIRA DA COSTA

CRIANÇAS TRABALHADORAS: OS APRENDIZES MARINHEIROS NO PARANÁ


OITOCENTISTA.
VERA REGINA BELTRÃO MARQUES E SILVIA PADINI – UFPR

EDUCAÇÃO DA INFÂNCIA E DA MULHER E OUTROS TEMAS PRESENTES NO


PENSAMENTO E NA OBRA DE ANÁLIA FRANCO
ALEXANDRE RAMOS DE AZEVEDO – UERJ

HIGIENE E CUIDADOS COM A CRIANÇA: AS LIÇÕES DOS ALMANAQUES DE FARMÁCIA –


1920 A 1950
MARIA DAS GRAÇAS SÂNDI MAGALHÃES – USF

OS CORPOS PERFEITOS E SAUDÁVEIS QUE A PÁTRIA NECESSITA: O CONCURSO DE


ROBUSTEZ INFANTIL E A IMAGEM MATERNA (SÃO PAULO – 1928)
JANE SOARES DE ALMEIDA – UNIBAN/UNESP

AS PESQUISAS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO INFANTIL E A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: RE –


CONSTRUINDO A HISTÓRIA DO ATENDIMENTO AS CRIANÇAS PEQUENAS NO BRASIL
ALESSANDRA ARCE – USP

ASSOCIAÇÃO CASA DA CRIANÇA DE SANTOS NA PRIMEIRA REPÚBLICA: CONCEPÇÕES


DE INFÂNCIA.
MARIANA TUCUNDUVA B. VIEIRA – UNISANTOS

A EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS DE 0 A 6 ANOS NO ASILO DOS EXPOSTOS DA SANTA


CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO, 1896 – 1950.
MOYSÉS KUHLMANN JR. E JOSÉ FERNANDO TELES ROCHA

Pesquisei também os trabalhos do Congresso Brasileiro de História da


Educação promovido pela Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE),
fundada em 28 de setembro de 1999. O I Congresso Brasileiro de História da
Educação ocorreu em novembro de 2000. Nessa ocasião, ficou acordado que seus
congressos posteriores deveriam ocorrer de dois em dois anos e deveriam ser
realizados nas diferentes regiões do país.
Este congresso foi o mais trabalhoso, o que mais apresentou trabalhos e o que
mais tinha trabalhos sobre a infância. O encontro é dividido por eixo temático, não foi
possível selecionar um eixo temático específico. Sendo assim pesquisei, selecionei e
encontrei trabalhos na maioria dos eixos temáticos.Como dito acima o congresso
acontece de dois em dois anos, então selecionei os trabalhos dos anos 2000, 2002 e
2004, quando aconteceram os congressos. No Primeiro SBHE encontrei 06 trabalhos,
no segundo encontrei 12 trabalhos e no terceiro encontrei 22 trabalhos, totalizando 40
trabalhos, são eles:
I SBHE
O INSTITUTO DISCIPLINAR DO TATUAPÉ E A INFÂNCIA EM CONFLITO COM A LEI NA
CIDADE DE SÃO PAULO – 1890-1927
SÉRGIO FONSECA (CNPQ - MESTRADO EM EDUCAÇÃO – UNESP - FFC/MARÍLIA)

8
INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL: “EDUCAÇÃO DE ÓRFÃS DA FEBRE AMARELA(1889) E
DIREITOS SOCIAIS” ( 1870 – 1960 )
ANA MARIA MELO NEGRÃO
FACULDADE DE EDUCAÇÃO – UNICAMP

EDUCAR E REGENERAR: OS PATRONATOS AGRÍCOLAS E A INFÂNCIA POBRE NA 1ª.


REPÚBLICA
MILTON RAMON PIRES DE OLIVEIRA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

EXPLICAÇÕES PSICOLÓGICAS, CRIANÇA E EDUCAÇÃO MORAL NOS PERIÓDICOS


EDUCACIONAIS PAULISTAS DAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO XX.
LILIAN ROSE MARGOTTO - DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA – UNIVERSIDADE
FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO.

EDUCAÇÃO JESUÍTICA E CRIANÇAS NEGRAS NO BRASIL COLONIAL


AMARILIO FERREIRA Jr. E MARISA BITTAR – UFSCAR

HISTÓRIA DOS SABERES PRODUZIDOS SOBRE OS ALUNOS EM INSTITUIÇÕES DE


ASSISTÊNCIA A MENORES NA CIDADE DE SÃO PAULO
ANA LAURA GODINHO LIMA - FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA USP

II SBHE
IDÉIAS SOBRE A EDUCAÇÃO DA INFÂNCIA NO 1o CONGRESSO BRASILEIRO DE
PROTEÇÃO À INFÂNCIA, RIO DE JANEIRO, 1922.
MOYSÉS KUHLMANN Jr. - USF/FCC.

EDUCAÇÃO INFANTIL: HITÓRIA, CONTEMPORANEIDADE E FORMAÇÃO DE


PROFESSORES.
DENISE MARIA DE CARVALHO - UFRN
TÂNIA CÂMARA ARAÚJO DE CARVALHO - UFRN

A EDUCAÇÃO DE MENINAS E MENINOS NOS OITOCENTOS: OS CONVENTOS, OS


PALÁCIOS, AS CASAS E AS ESCOLAS.
MARIA CELI CHAVES VASCONCELOS - UERJ

A ESCOLARIZAÇÃO DA CRIANÇA: AS DIFERENTES INFÂNCIAS NO PROJETO


EDUCACIONAL NA PROVÍNCIA MINEIRA (1830 - 1892)
MARIA CRISTINA SOARES GOUVÊA - UFMG
FERNANDA MAURÍCIO SIMÕES – UFMG

DOMESTICAR E CIVILIZAR: CRIANÇAS INDÍGENAS E O ENSINO DE OFÍCIOS NO NORTE


DO BRASIL IMPERIAL
IRMA RIZZINI – UFRJ

“NEGRINHOS QUE POR AHI ANDÃO”: CRIANÇAS NEGRAS NA ESCOLA, NO FINAL DO


SÉCULO XIX NA CIDADE DE SÃO PAULO.
SURYA AARONOVICH POMBO DE BARROS – FEUSP

A ORGANIZAÇÃO E A DISCIPLINARIZAÇÃO DO LAZER DA INFÂNCIA OPERÁRIA NOS


PARQUES INFANTIS DA CIDADE DE SÃO PAULO, NA DÉCADA DE 1930.
ANA CAROLINA BONJARDIM FILIZZOLA – USP

IMAGENS DA INFÂNCIA BRASILEIRAA NA PRIMEIRA REPÚBLICA: UM DIÁLOGO ENTE


ICONOGRAFIA, DISCURSO HISTÓRICO E NARRATIVA LITERÁRIA.
ANA CRISTINA DUBEUX DOURADO – UFPE

INSTITUIÇÃO TOTAL POR FORÇA DA MISERICÓRDIA


ANA MARIA MELO NEGRÃO – UNICAMP

9
INSTITUIÇÕES DE ASSISTÊNCIA À INFÂNCIA NO BRASIL NAS DÉCADAS DE 1880 A 1960:
UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO FEDERAL
FLÁVIA SILVIA RODRIGUES – USP
ANA LAURA GODINHO LIMA – USP

EDUCAÇÃO, PROGRESSO E DISCIPLINA NA SALVADOR REPUBLICANA: A CRIANÇA


COMO PONTO DE PARTIDA.
JOSÉ AUGUSTO RAMOS DA LUZ – UEFS/UNIBAHIA

O PROJETO DE ESCOLARIZAÇÃO DA INFÂNCIA POBRE NA PROVÍNCIA DE MINAS


GERAIS (1825 – 1846).
MÔNICA YUMI JINZENJI – UFMG

III SBHE
AUTOS DE TUTORIA E CONTRATO DE ÓRFÃOS (1891-1920): FONTE PARA A HISTÓRIA
DA EDUCAÇÃO
ANA CRISTINA DO CANTO LOPES BASTOS – USF

CUIDAR DA INFÂNCIA RÚSTICA: UM ESTUDO COMPARADO SOBRE ESTRATÉGIAS


EDUCACIONAIS DIRECIONADAS ÀS CRIANÇAS DE LUGARES CONSIDERADOS
ARCAICOS (PORTUGAL E BRASIL).
MARCOS CEZAR DE FREITAS - PUC/SP- CNPq.

EDUCAÇÃO, SAÚDE E ASSISTÊNCIA NO ESTADO NOVO: O DEPARTAMENTO NACIONAL


DA CRIANÇA.
GUSTAMARA FREITAS VIEIRA - FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ

INFÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONCEPÇÕES PRODUZIDAS NO


INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS NAS DÉCADAS DE 1930 E 1940.
ANA CLAUDIA DA SILVA/UFSC

“TRABALHO INFANTIL E O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO NO BRASIL (1820/1950)”


VANESSA ALEXANDRINO OLIVEIRA SANTOS e LUCIANO MENDES DE FARIA FILHO
UFMG

A INFÂNCIA E SUA ESCOLARIZAÇÃO: UM DIÁLOGO ENTRE O BRASIL E PORTUGAL


ELIZABETH POUBEL E SILVA - USP

“SOB A DEFESA DA REPÚBLICA”: A PRODUÇÃO DA INFÂNCIA POBRE NOS DEBATES


JURÍDICO-EDUCACIONAIS NO BRASIL E EM PORTUGAL NAS DÉCADAS DE 1910-1920.
SÔNIA CÂMARA – USP

A INFÂNCIA NOS ALMANAQUES DE FARMÁCIA. HIGIENE E DIETÉTICA ENTRE AS


DÉCADAS DE 1920 A 1940.
MARIA DAS GRAÇAS SANDI MAGALHÃES - USF

A INFÂNCIA NA PAUTA DA REPÚBLICA: MORALIDADE, CIVISMO E EUGENIA NAS


CANÇÕES ESCOLARES EM MINAS GERAIS NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX.
FLÁVIO COUTO E SILVA DE OLIVEIRA – UFMG

INFÂNCIA E EDUCAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DA VILA OPERÁRIA MINEIRA PRÓSPERA EM


CRICIÚMA SC: 1945-1961.
MARLI DE OLIVEIRA COSTA/UFRGS-UNESC.

PRÁTICAS DE REPRESENTAÇÃO: VISÕES DE INFÂNCIA EM MANUAIS PARA O ENSINO


DAS PRIMEIRAS LETRAS.
MARIA APARECIDA JUNQUEIRA VEIGA GAETA
CENTRO UNIVERSITÁRIO MOURA LACERDA-RIBEIRÃO PRETO

10
ENSINANDO MENINOS E MENINAS: A CO-EDUCAÇÃO DOS SEXOS NA CORTE CARIOCA
NO FINAL DO IMPÉRIO
CARLA SIMONE CHAMON – UFMG/CEFETMG

A INSTRUÇÃO ELEMENTAR E OS CASTIGOS ESCOLARES EM MINAS GERAIS NO


SÉCULO XIX.
MARCILAINE INÁCIO SOARES e FABIANA DA SILVA VIANA – FAE/UFMG

ALUNOS NEGROS EM SÃO PAULO NO FINAL DO SÉCULO XIX


SURYA AARONOVICH POMBO DE BARROS – USP

ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS EXPOSTAS EM SABARÁ/MG (1832 – 1854)


MARILEIDE LOPES DOS SANTOS - UFMG

CRIANÇAS NEGRAS E MESTIÇAS NO PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DA


INSTRUÇÃO ELEMENTAR, MINAS GERAIS, SÉCULO XIX.
CYNTHIA GREIVE VEIGA - UFMG

ESCOLAS PARA CRIANÇAS NEGRAS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO CONGRESSO


AGRÍCOLA DO RIO DE JANEIRO E DO CONGRESSO AGRÍCOLA DO RECIFE, EM 1878
MARCUS VINÍCIUS FONSECA – USP

A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL NO BRASIL REPÚBLICA E SUA RELAÇÃO COM


A QUESTÃO DO GÊNERO: UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA.
MARCIANO DE ALMEIDA CUNHA/PUCPR
CASSIANO ROBERTO NASCIMENTO OGLIAR – PUCPR

IMPLANTAÇÃO DO PRIMEIRO JARDIM DE INFÂNCIA EM SERGIPE: CONTRIBUIÇÃO AO


ESTUDO SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL
RITA DE CÁSSIA DIAS LEAL – UFS

O GOVERNO DA FAMÍLIA E DA INFÂNCIA: UM ESTUDO A PARTIR DA LEGISLAÇÃO E DA


LITERATURA PEDAGÓGICA
ANA LAURA GODINHO LIMA - BOLSISTA CAPES/FULBRIGHT-USP
FLÁVIA SÍLVIA RODRIGUES - BOLSISTA CNPQ- BRASIL-USP

PRIMEIRAS INICIATIVAS DE JARDINS-DE-INFÂNCIA PÚBLICOS NO PARANÁ NOS ANOS


10 E 20 DO NOVECENTOS
GIZELE DE SOUZA – UFPR

VIVENDO E APRENDENDO: PRÁTICAS SOCIAIS E PEDAGÓGICAS NO ASILO DOS


EXPOSTOS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO 1896-1950.
JOSÉ FERNANDO TELES DA ROCHA – USF

Por fim pesquisei o Congresso de Pesquisa e Ensino em História da Educação


em Minas Gerais (COPEHE), ocorrido em 2001 em Belo Horizonte. Nasceu com o
intuito de se criar um espaço no qual, grupos de pesquisa já instituídos, estudiosos e
professores da História da Educação pudessem dialogar, expor e aprofundar seus
conhecimentos sobre a área. Esse congresso também acontece de dois em dois anos
em diferentes cidades de Minas Gerais.
Este congresso é um encontro regional de história da educação, como o
congresso brasileiro, o COPEHE também está dividido em eixos temáticos. Da mesma
forma do SBHE, procurei em todos os eixos temáticos e encontrei trabalhos em vários
deles. O encontro aconteceu nos anos de 2001, 2003 e 2005, os trabalhos de 2005

11
não foram possíveis pesquisar porque estes ainda não foram divulgados. Do primeiro
congresso encontrei apenas um trabalho e no II encontro encontrei 04 trabalhos, num
total de 05 trabalhos, são eles:
I COPEHE
OS SABERES SOBRE A INFÂNCIA NO “CURSO NORMAL PARA PROFESSORES DE
PRIMEIRAS LETRAS” DO BARÃO DE GÉRANDO (1839)
MÔNICA YUMI JINZENJI – UFMG

II COPEHE
AUDIÊNCIA DO SILÊNCIO: A INFÂNCIA E A EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA PREVENTIVA
DOS
SALESIANOS EM MINAS GERAIS (SÉC. XIX-XX)
MAURO PASSOS - UFMG

SENTIMENTOS DE VERGONHA E EMBARAÇO: NOVOS PROCEDIMENTOS


DISCIPLINARES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DA INFÂNCIA EM MINAS GERAIS
NO SÉCULO XIX.
CYNTHIA GREIVE VEIGA - UFMG

DE ALMAS INOCENTES A ADULTOS CIVILIZADOS: A ESCOLARIZAÇÃO


DA INFÂNCIA POBRE NA PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS (1825-1846)
MÔNICA YUMI JINZENJI – CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE

MÓDULOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA HISTÓRICA


ANA BEATRIZ MUGNATO PACHECO e GERALDO INÁCIO FILHO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

Alguns trabalhos apesar de estar nos títulos as palavras infância, criança,


meninos, meninas não tratam da questão da infância, ou seja, não discutem a questão
da infância historicamente. A possível causa pode ser que muitos trabalhos
apresentados em congressos estão em andamento, as pesquisas ainda não estão
concluídas. Em alguns textos o próprio autor (a) coloca que a pesquisa está em
desenvolvimento. A maioria dos trabalhos é de pesquisadores do mestrado, doutorado
ou da iniciação científica, tem também trabalhos de professores de faculdade.
Dos três congressos aqui analisados selecionei 58 trabalhos, deste total 24,
quase metade, são da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG e da
Universidade de São Paulo – USP ou seja, os trabalhos estão concentrados na região
sudeste, como também a temática. Várias outras instituições apresentaram trabalhos,
mas em números bem menores, inferiores a cinco e várias destas universidades
também são da região sudeste, como a UNICAMP, UERJ, UNISANTOS, dentre
outras.
O período mais pesquisado é a partir da década de 30 do século XIX até a
primeira metade do século XX, seguindo esta ordem: século XIX 16 trabalhos, final do
século XIX início do XX 19 trabalhos e século XX até a década de 50/60 19 trabalhos.
Sobre o Brasil Colonial há apenas um trabalho e encontrei um estado da arte sobre o
vínculo da história da educação com a educação de crianças de 0 a 6 anos. Sobre a

12
história da infância na atualidade encontrei 02 trabalhos, estes falam sobre políticas
públicas para a educação infantil.
Gouvêa (2003), destaca que no conjunto de produções no campo da história da
educação, o referencial teórico metodológico, inserem-se em termos gerais, na
perspectiva da nova história. Considero que as pesquisas selecionadas para este
trabalho também se inserem neste campo teórico metodológico, muitas usam fontes
tradicionais como a legislação ou documentos oficiais, mas fazem uma leitura com
base em uma temática que não é clássica em história, ou seja a infância.
Além da legislação e documentos oficiais como relatórios do governo, os
autores usaram várias outras fontes como: discurso educacional, textos de periódicos,
manuais escolares, almanaques, anais de congressos, livros escritos na época, dentre
outros. Usaram como referência o discurso médico higienista, a idéia do estado
propondo um processo civilizador através da educação, o conceito de cultura escolar.
Citaram diversos autores, dentre eles: Kuhlmann Jr., Veiga, Faria Filho, Pilloti, Prado
Maia, Ariès, Kramer, Norodowski, Chartier.
Ao abordar o tema da infância os autores usam diversos objetos para se falar
como vivia a criança no passado. De acordo com as abordagens dos textos e da forma
como os congressos, SBHE e COPEHE dividem os trabalhos, usando eixos temáticos,
subdividi os trabalhos selecionados usando também eixos temáticos, não os mesmos,
mas seguindo a mesma linha de pensamento. Há três textos que não foi possível
encaixar nesses eixos, um estado da arte e outros dois que fazem uma abordagem
atual do tema infância pequena de 0 a 6 anos na contemporaneidade.
Usaram como objeto de estudo a análise de instituições que trabalhavam com
assistência a crianças órfãs, 14 trabalhos, destes 03 falam sobre crianças infratoras e
desvalidas em instituições de assistência do governo, já no início do século XX. Outros
14 trabalhos analisam o pensamento educacional, jurídico e político sobre a infância,
destes, 02 fazem um diálogo entre Brasil e Portugal e 02 tratam da questão de gênero.
10 trabalhos usam os processos e práticas educativas, geralmente em escolas, destes
02 falam sobre os castigos escolares, e 03 sobre crianças negras livres nas escolas,
sendo que 02 são da mesma autora e são muito parecidos e 01 fala sobre crianças
negras educadas por Jesuítas.
Oito trabalhos usam os impressos educacionais e almanaques, usam manuais
escolares, literatura pedagógica, material para o curso normal, 02 faz uso da
mensagem veiculada pela literatura infantil e 01 usa almanaques de laboratórios e
produtos alimentícios para crianças. 05 trabalhos usam festas e lazer da infância
sempre associado a criança e o trabalho, 02 falam sobre onde crianças filhas de
operários se divertiam, 01 fala sobre o trabalho infantil feminino, 01 sobre a mulher

13
como educadora da infância e 01 sobre as festas do dia da criança. Três trabalhos
falam sobre a criação de instituições de jardim de infância e 02 abordam a questão da
infância retratada na literatura infantil. Intelectuais na educação são usado por 01
trabalho, outros trabalhos citam e abordam o tema, mas não exclusivamente.
É possível perceber um grande aumento dos trabalhos que relacionam história
da infância e história da educação. Na ANPED, que aqui foi o único congresso que
aconteceu no período de 1995 a 2000, apresentou poucos trabalhos, mesmo assim é
possível perceber uma evolução. Tanto na ANPED como nos dois outros congressos,
SBHE e COPEHE, a partir do ano 1999/2000 os trabalhos foram se avolumando. Há
também uma releitura das fontes para se constatar a temática da infância e as
pesquisas se aprimoram, começam a tratar, mesmo timidamente, de questões de
gênero e etnia.
O aumento de trabalhos confirma que está é uma temática importante para a
escola e para todos os setores da sociedade num momento em que a infância ocupa
todos os espaços da vida contemporânea. A mídia, diversas políticas públicas são
voltadas para ela, e dada a dificuldade de fontes, a escola, as instituições e os
processos educativos escolares e não escolares aparece como uma alternativa para
se estudar a infância historicamente, o que é possível confirmar com a análise destes
trabalhos apresentados em congressos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Foi um exercício muito válido buscar conhecer as diversas concepções sobre
infância e criança enquanto sujeito histórico, o movimento de renovação historiográfica
que proporcionou tais estudos e reconhecimento da obra de Ariès para a história da
infância. Muito importante também foi poder observar de perto como a história da
infância se desenvolveu no Brasil e o pouco vínculo dessa história com a história da
educação.
A análise das pesquisas me proporcionou a constatação de como está se
desenvolvendo a história da infância com relação a história da educação, como
também uma maior aproximação com o tema. Percebi que estes trabalhos se
avolumam e se tornam cada vez mais especializados, pela releitura das fontes e
também pelas novas fontes encontradas.
Enfim muitos autores falam da dificuldade de fontes no tratamento do tema
histórico da infância, mas é também fascinante poder estudá-la, não só o que
pensavam sobre elas, mas como viviam mesmo. Também é um estudo importante
para a sociedade, pois através dele percebemos permanências no tratamento

14
dispensado a crianças e pode-se desencadear a possibilidade de reflexão deste
tratamento.

FONTES
Anais dos congressos: ANPED (Associação Nacional de Pesquisa em Educação),
Congresso brasileiro de história da educação (SBHE) e Congresso de Pesquisa e
Ensino EM História da Educação em Minas Gerais (COPEHE).

BIBLIOGRAFIA
ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith e GEWANDSZNAJDER, Fernando. O Método nas ciências
naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa - São Paulo: Editora Pioneira, 1998.

LE GOFF, Jacques. “História” in: Enciclopédia Einaudi, vol. 1, Rio de Janeiro: Imprensa
Nacional, Casa da Moeda, 1984.

BURKE, Peter. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In: BURKE, Peter (org.) A
escrita da história: novas perspectivas. Trad. Magda Lopes – São Paulo: Ed. Da universidade
Estadual Paulista, 1992.

ARIÈS, Philippe. El niño y la vida familiar en el antiguo régimen. Tradução Naty Garcia
Guadilla. Madrid, Espanha: Taurus, 1987.

_____________ História Social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. Rio de Janeiro:
Guanabara, 1981.

GOUVÊA, Maria Cristina Soares de. A escolarização da “meninice” nas Minas oitocentistas: a
individualização do aluno. In: FONSECA, Thais Nívea de Lima e VEIGA, Cynthia Creive.
História e historiografia da educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

GONDRA, José G. História, infância e escolarização. 1ª edição. Rio de Janeiro: 7letras, 2002.

GÉLIS, Jacques. A individualização da criança. In: CHARTIER, Roger (org.). A história da vida
privada 3: da Renascença ao século das luzes. Trad. Hildergad Feist. São Paulo: Companhia
das letras, 1991.

PRIORE, Mary del.(org.) História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 4ªed., 1996
(Coleção caminhos da história).

PRIORE, Mary del. (org.) História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.

VEIGA, Cynthia Greive. Infância e modernidade: ações, saberes e sujeitos. In: FARIA FILHO,
Luciano Mendes, (Org.) A infância e sua educação – materiais, práticas e representações
(Portugal e Brasil). Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

KUHLMANN JR, Moysés e FERNANDES, Rogério. Sentidos da infância. In: FARIA FILHO,
Luciano Mendes, (Org.) A infância e sua educação – materiais, práticas e representações
(Portugal e Brasil). Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

KUHLMANN JR, Moysés. Infância e educação infantil: uma nova abordagem histórica. Porto
Alegre: Mediação. 1998.

15