Você está na página 1de 29

Secretaria de Estado da Educação do Paraná

Superintendência da Educação
Diretoria de Políticas e Programas Educacionais
Programa de Desenvolvimento Educacional

MARIA ANGELA SCOLARO

Caderno Pedagógico
MATERIAIS DIDÁTICOS MANIPULÁVEIS

CURITIBA-2008
Materiais didáticos Manipuláveis

Caro professor

O implemento de novos paradigmas na educação é assunto muito debatido


nos dias atuais, objetivando a construção do conhecimento pelos próprios alunos, a
fim de prepará-los para melhor conviver em uma sociedade, que está em constante
movimento, neste viés eles devem estar preparados para conviver com as
mudanças, tornando-se, ao longo de sua escolaridade, sujeitos ativos do processo
em que a intuição e a descoberta são elementos privilegiados.
Nesta visão educacional, os professores deixam de ser os entregadores
principais da informação, passando a atuar como facilitadores do processo de
aprendizagem, no qual o aprender é privilegiado em detrimento da memorização.
Sabe-se que o ensino da Matemática vem acumulando, ao longo das últimas
décadas, uma série de problemas. Diversos exames nacionais e dados estatísticos
evidenciam que os alunos aprendem muito pouco do que se pretende ensinar nas
salas de aula. A experiência mostra que à distância entre o que se deseja e o que se
alcança é muito grande.
Depara-se, ainda, com professores que limitam suas aulas ao quadro-negro e
giz, ou seja, não foram incentivados a entrar no pensamento construtivista. Na sala
de aula, verifica-se a dificuldade que os alunos possuem em absorver e
compreender determinados conteúdos matemáticos, com a aplicação do método
tradicional de aprendizagem, apresentados apenas em aulas expositivas e
dialogadas.
Faz-se necessário, portanto, que estratégias facilitadoras de ensino, sejam
aplicadas com o objetivo de facilitar a aprendizagem do aluno, diminuindo as
dificuldades e até mesmo a aversão que alguns apresentam. Entregamos aos
professores da Rede Pública do Paraná este Caderno, cujo objetivo é propiciar-lhes
um conjunto de atividades e metodologias variadas, utilizando Material Didático
Manipulável (Blocos Algébricos e Tangram), também apresentar, através da
Resolução de Problemas, meios que desenvolvam habilidades para ler e interpretar
enunciados, fazendo a correta análise dos resultados obtidos, que, junto com o
material didático já existente na escola e a experiência dos professores, possa
melhorar o aprendizado dos alunos.

ANTONIO AMÍLCAR LEVANDOSKI


CHEFE DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MATEMÁTICA DA UTFPR

2
Materiais didáticos Manipuláveis

Sabe-se que ainda nos tempos atuais a matemática é uma disciplina pouco
agradável aos alunos, principalmente a partir da quinta série do ensino fundamental.
A maioria dos professores concorda que a finalidade da educação é desenvolver
alunos críticos e capazes de solucionar problemas. Portanto, o ensino da
matemática não pode estar desvinculado dessa realidade e não deve ser visto como
algo difícil de decifrar, como se fosse um idioma desconhecido ou a apresentação de
uma partitura para um leigo em música.

As contribuições das pesquisas de Piaget e sua influência educacional no


século XX são difíceis de serem negadas. Segundo Piaget, o conhecimento lógico-
matemático depende de uma construção por parte do indivíduo. Então, essa
aprendizagem deve estar embasada na estruturação do conhecimento pelo aluno,
não permitindo seu reducionismo à aplicação de fórmulas ou conceitos prontos.

Os estudos na área da educação vêm apresentando um avanço,


principalmente quando coloca o aluno como alguém ativo e não apenas reativo. As
diferentes abordagens da disciplina vêm confirmar essa preocupação com um
ensino mais dinâmico e com diferentes enfoques, podendo ser citado:
* História da Matemática;
* Modelagem Matemática;
* Etnomatemática e
*Resolução de Problemas.

Há muito tempo a Resolução de Problemas está presente nos currículos,


porém é necessário um processo de resignificação, ou seja, o problema precisa ser

3
Materiais didáticos Manipuláveis

o ponto de partida e orientação para a aprendizagem, não simplesmente o fecho de


um assunto. É necessário oportunizar aos alunos momentos de experimentação, de
troca de idéias, de refletir sobre as possíveis soluções ou caminhos a serem
seguidos para que tenham possibilidade de analisar o resultado obtido. Essa
abordagem não pode ser considerada apenas como “mais um exercício”, mas sim
como um instrumento para auxiliar no desenvolvimento da capacidade de
participação e crescimento do educando. O professor não deve esperar respostas
prontas, pois a capacidade do aluno em resolver ou não o problema deve ser
estimulada. Para isso faz-se necessário criar uma situação-problema que seja
desafiadora.

Um problema matemático é toda situação que requer a descoberta de


informações por parte de seu leitor para que possa resolvê-lo, através de
estratégias, com algoritmização ou não. Nesse contexto o papel do educador deve
ser de mediador, pois resolver uma questão não é o mesmo que simplesmente
achar a resposta correta.

As habilidades que os alunos adquirem, ao longo de sua vida, não aparecem


de repente. Elas vão surgindo a cada etapa vivida, e evoluindo do concreto para o
abstrato. A primeira experiência concreta pode acontecer na escola com materiais
apropriados, ou na família, em sua vivência do dia-a-dia.

A apropriação pelo aluno do saber concreto, de acordo com a professora


Maria Tereza Carneiro Soares (1992), se tornará possível pela superação da
dicotomia conteúdo – forma, tendo por base a realidade vivida pelo professor e pelo
aluno e o saber socialmente produzido, ambos pontos de partida e de chegada ao
conhecimento.

Então, pensar em ensinar matemática hoje, requer estabelecer, em primeiro


lugar, a quem se pretende ensinar e para que, tornando as aulas mais alegres e
fazendo com que os alunos passem a gostar da Matemática.

Na busca pela melhoria do processo ensino-aprendizagem, a manipulação


de materiais didáticos e associação destes com a teoria, surge como alternativa que
propicia a melhor compreensão dos conteúdos matemáticos.

4
Materiais didáticos Manipuláveis

Conforme Dante (2005, p.60) “Devemos criar oportunidades para as


crianças usarem materiais manipulativos(...),... A abstração de idéias tem sua origem
na manipulação e atividades mentais a ela associadas”.

Mas o que são materiais manipuláveis? Objetos reais que o aluno é capaz
de tocar, sentir, manipular e movimentar. Objetos que representam uma idéia. Para
muitos, uma atividade bem conduzida deve passar pela manipulação, representação
e simbolização, que seria o trampolim para atingir as abstrações. Não podemos
afirmar que o concreto é sinônimo de fácil e o abstrato, de difícil, mas sim que, o
concreto é tomado como o que se pode tocar, atribui-se aos objetos manipuláveis a
propriedade de tornar significativa uma situação de aprendizagem. Na construção do
conhecimento, existem muitos fatos que, mesmo sendo simbólicos, expressam tão
diretamente seu significado que não necessitam de qualquer tipo de mediação para
serem compreendidos.

Conforme Jesus e Fini (2005, p. 144)

Os recursos ou materiais de manipulação


de todo tipo, destinados a atrair o aluno
para o aprendizado matemático, podem
fazer com que ele focalize com atenção e
concentração o conteúdo a ser aprendido.
Estes recursos poderão atuar como
catalisadores do processo natural de
aprendizagem, aumentando a motivação
e estimulando o aluno, de modo a
aumentar a quantidade e a qualidade de
seus estudos.

Materiais para apoiar a aprendizagem dos números e das operações, como


ábacos, material dourado, discos de frações, cópias de cédulas e moedas ou outros
podem ser recursos didáticos eficientes, desde que estejam relacionados a
situações significativas que provoquem a reflexão dos alunos sobre as ações
desencadeadas.

5
Materiais didáticos Manipuláveis

Piaget afirma que o pensamento matemático não deve ser adquirido por
imagens estáticas, pois o pensamento é tido como um jogo de operações vivas e
atuantes. Pensar é operar. Para ele, a imagem é apenas um suporte de
pensamento, simboliza as operações. A operação é um elemento ativo do
pensamento. É uma ação qualquer, com origem motora, perceptiva ou intuitiva.

Para Piaget (2007) as operações lógico-matemáticas derivam das próprias


ações, pois são o produto de uma abstração procedente da coordenação das ações,
(é preciso ter capacidade de registrar esta ordem por meio de ações) e não dos
objetos.

De acordo com as Diretrizes Curriculares de Matemática para Educação


Básica do Estado do Paraná-DCE (2006), pesquisadores tornaram-se também
professores Matemáticos, e passaram a se preocupar mais diretamente com as
questões de ensino. Estes professores começaram a buscar fundamentação não
somente nas teorias matemáticas, mas em estudos psicológicos, filosóficos e
sociológicos. Era início de um movimento de renovação do ensino da Matemática,
que viria a ser conhecido como o Movimento da Matemática Moderna.

6
Materiais didáticos Manipuláveis

UNIDADE 1

CONSTRUÇÃO DE BLOCOS ALGÉBRICOS

 Conteúdo
Estudo das frações

 Objetivo
Observar através do material manipulável as diversas relações entre inteiros e suas
partições.
Propor aos alunos vivências diversificadas, para que possam explorar, fazer
tentativas, testar, argumentar e raciocinar logicamente.

 Introdução

Os blocos algébricos podem ser confeccionados com folhas de EVA. Essa


construção deverá ser feita pelos próprios alunos em sala de aula. Os blocos
algébricos têm uma importância muito grande para a compreensão do conjunto dos
números.

 Material
1. Folhas de EVA, papel, régua, compasso e transferidor.
OBS: Pode ser usado outro material ficando a critério do professor

7
Materiais didáticos Manipuláveis

 Organização do trabalho
Atividades em grupos

Professor:
Para que o aluno consiga confeccionar estes blocos algébricos, é muito importante
que primeiro seja trabalhado medida de ângulos, ângulo central
e o uso do transferidor com seus alunos.
Ângulo central: É todo ângulo cujo vértice coincide com o centro da circunferência

 Procedimentos
Desenhe sobre o material, nove circunferências
de mesmo raio;
Divida a circunferência em:
Duas partes iguais com 180 graus;
Três partes iguais com 120 graus;
Quatro partes iguais com 90 graus cada;
Cinco partes iguais de 72 graus;
Seis partes iguais de 60 graus;
Oito partes iguais de 45 graus;
Nove partes iguais de 40 graus;
Dez partes iguais de 36 graus;
Doze partes iguais de 30 graus;
Use material colorido para diferenciar as frações;
Corte as circunferências inclusive em suas divisões;
Com o material confeccionado, o professor pode partir para as atividades que
serão tratadas na próxima unidade.

 Sugestões de atividades:

Se o professor preferir, pode confeccionar retângulos e dividi-los de forma que se


possa trabalhar também com frações.

8
Materiais didáticos Manipuláveis

UNIDADE 2

 Conteúdo
Frações

 Objetivo
Destacar a utilização em situações problemas do material manipulável na
aprendizagem de frações presentes no dia-a-dia;
Mostrar aos alunos, um método alternativo, baseado na construção do
conhecimento por meio da construção de materiais didáticos manipuláveis;
Explorar, testar os materiais didáticos.

 Material
Papel, lápis, régua, compasso e folhas de EVA.

 Organização do trabalho
Atividades em grupos de 4 alunos cada grupo terá um kit de blocos algébricos já
confeccionados na aula anterior.

 Procedimentos
Fazer com que cada aluno do grupo participe, observando , questionando e
montando novamente as circunferências. Com este material pode-se explorar muitas
atividades.

Professor: Essas mesmas atividades, prontas para serem aplicadas ao


aluno, encontram-se no apêndice / Unidade 2.

 Atividades
1. Frações com mesmo denominador

9
Materiais didáticos Manipuláveis

Separar de um inteiro dividido em dez partes: uma parte, duas partes, três partes, e
assim sucessivamente.
Fazer o aluno comparar, para verificar qual a fração maior, e qual a fração menor.
Assim também com as demais peças das circunferências.

 Registro do aluno
O aluno deverá fazer o seguinte registro:
Retirar uma peça e escrever 1/10
Retirar a segunda peça, juntar com a primeira e escrever 2/10
Retirar a terceira peça, juntar com outras duas e escrever 3/10, e assim,
sucessivamente, com as demais peças.

Professor:
Com essa atividade o aluno deverá chegar a conclusão de que quanto maior o
numerador, maior a fração. Para que isso aconteça é necessário trabalhar com
diversas atividades semelhantes a esta e que o aluno seja questionado em relação ao
denominador e as peças separadas.

2. Frações com denominadores diferentes


Separar uma peça de cada circunferência que foi confeccionada e dividida na aula
anterior, para que o aluno consiga observar:
Qual fração é maior?
E qual fração é menor?

 Registro do aluno
O aluno deverá separar 1/2, 1/3, 1/4 e assim sucessivamente. Explorar as peças,
visualizar,sobrepor e comentar com os demais colegas suas conclusões.
.

10
Materiais didáticos Manipuláveis

Professor:
Após esse trabalho com os alunos, deverá ficar bem claro para eles que nesse caso,
quanto maior o denominador menor a fração.

3. Equivalência de frações

Separar uma peça da circunferência dividida em duas partes, e duas peças da


circunferência dividida em quatro partes. Colocar uma peça sobre a outra para que o
aluno descubra o que há de comum entre elas. Assim também, com as demais
circunferências.

Professor:
No final da atividade deve ser reforçado o conceito de frações equivalentes
Frações equivalentes são frações que representam a mesma parte do todo, ou seja,
1/2,2/4,4/8, compõem a mesma parte. Se multiplicarmos o numerador e denominador
pelo mesmo valor, obtemos uma fração equivalente.

4. Adição de frações com denominadores iguais

a) 1/4+2/4 = 3/4

 Registro do aluno:
O aluno deverá trabalhar com a circunferência que foi dividida em quatro partes,
separar uma peça, e depois, duas peças da circunferência. Após, deverá fazer a
contagem.

11
Materiais didáticos Manipuláveis

Professor:
Com outras atividades semelhantes a essa o aluno deverá perceber que somando
frações com denominadores iguais, o que muda é somente o numerador.

b) 1/2 + 1/2 = 2/2

Professor:
Você pode trabalhar de forma que o aluno também perceba que quando o resultado da
soma der igual ao denominador, ela representa um inteiro.

05. Adição com denominadores diferentes


1/2+ 1/3 =5/6

 Registro do aluno

O aluno deverá separar as peças de cada fração acima e procurar nas demais
circunferências, quais peças se sobrepõe sobre o 1/2 e sobre 1/3 ao mesmo tempo;
O aluno deverá perceber que as partes que se sobrepõe é da circunferência dividida
em seis partes, onde cabem duas peças no 1/3 e três peças no 1/2;
Após determinar as peças é só contar o número delas que foi necessário sobrepor, e
teremos o resultado.

12
Materiais didáticos Manipuláveis

UNIDADE 3

CONSTRUÇÃO DO TANGRAM (Quadrado Mágico)

Antigo jogo chinês formado por sete polígonos com os quais podem ser construídas
figuras variadas.

 Conteúdo
Geometria plana;
Frações.

 Objetivo
Propor maneiras diferentes de estudar frações e área de forma mais atraente.
Desenvolver o raciocínio lógico matemático voltado para geometria plana.
Aplicar a metodologia alternativa de trabalho para que possam testar argumentar e
explorar.

 Material
Papel cartão, lápis, régua.

 Organização do trabalho
Sugere-se organizar os alunos em grupos de quatro alunos, para que a troca
enriqueça a atividade.

 Procedimentos:

1º PASSO:
Construir um quadrado a partir de uma folha de sulfite A4, medindo cerca de
20 cm de lado. Seguir a esquematização dos desenhos:

13
Materiais didáticos Manipuláveis

2º PASSO:
Marque o vértice superior esquerdo com um quadradinho vermelho, o direito
superior com um quadradinho verde, o vértice inferior esquerdo com um
quadradinho amarelo e o vértice inferior direito com um quadradinho azul. Conforme
ilustração abaixo:

3º PASSO:
Faça uma dobra unindo o quadradinho vermelho ao azul de modo a obter
uma rasura que corresponda a uma ligação entre o quadradinho verde e o amarelo.
Com a ajuda da régua, passe uma reta com a caneta formalizando a união do
quadradinho verde ao amarelo no qual originará uma diagonal do quadrado maior.
Observe o modelo:

4º PASSO:
Agora faça a dobra unindo o quadradinho verde ao amarelo, obtendo uma
rasura que une o quadradinho vermelho ao azul, posteriormente, trace uma reta,
com o apoio da régua e da caneta, do quadradinho vermelho até a diagonal formada
na união do quadrinho verde com o amarelo. Ilustração a seguir:

14
Materiais didáticos Manipuláveis

5º PASSO:
Marque uma bolinha de cor preta no centro do quadrado. Ela deverá coincidir
com o ponto de intersecção (encontro) da reta traçada no passo anterior com a
diagonal obtida no 3º passo. Veja a demonstração:

6º PASSO:
Seguindo a montagem, encoste o quadradinho azul na bolinha preta que foi
feita no passo anterior, de maneira a obter uma rasura formando uma paralela
inferior a diagonal. Em seguida trace com a caneta sobre a rasura obtida, formando
o triângulo médio. Observe figura a seguir:

7º PASSO:
Agora passe uma reta, iniciando-a no centro do triângulo (TM) que foi
caracterizado na atividade anterior, levando-a até o centro da diagonal, onde se
encontra a bolinha preta. Essa reta coincidirá com a rasura que teve origem na
atividade do 4º passo. Conforme ilustração:

15
Materiais didáticos Manipuláveis

8º PASSO:
Posteriormente, encoste o quadradinho amarelo na bolinha preta no centro do
quadrado. A partir da rasura obtida na dobra, faça uma reta dando origem a um
triângulo pequeno (TP) e a um quadrado (Q). Veja figura abaixo:

9º PASSO:
Finalmente, faça uma bolinha de cor alaranjada no vértice do triângulo (TM)
que se encontra no centro da reta que liga o quadradinho verde ao azul.
Posteriormente, encoste a bolinha alaranjada na bolinha preta ao centro. Com a
dobra realizada, obterá uma rasura que formará um outro triângulo pequeno (TP) e
um paralelogramo (P). Veja a ilustração abaixo:

Recorte os traçados e obtenha diferentes figuras planas para serem trabalhadas


na formação de inúmeras figuras de acordo com a imaginação do aluno.

 Se o professor preferir construir sobre uma folha de cartolina ou de papel


colorido:
1- Traça-se um quadrado com, por exemplo, 16 cm de lado.
2-Divide-se esse quadrado em dois triângulos congruentes traçando-se uma de suas
diagonais.
3- Determina-se um ponto médio de um dos lados do quadrado e por esse ponto
traça-se um segmento paralelo à diagonal; a seguir,

16
Materiais didáticos Manipuláveis

4- Determina-se o ponto médio deste último segmento traçado, o qual deve ser
ligado, por meio de um segmento perpendicular à diagonal, ao vértice mais distante
do quadrado.
5- Pode-se observar que com este traçado foram construídos dois triângulos
retângulos e dois trapézios retângulos. A seguir,
6- Determinam-se os pontos médios dos dois lados maiores dos trapézios.
7- Por um desses pontos traça-se uma altura de um dos trapézios;
8- Pelo outro ponto, traça-se um segmento unindo-o ao vértice oposto e cujos lados
formam um ângulo reto.

 Origem do TANGRAM:

Diz a lenda que um jovem chinês, ao despedir-se de seu mestre para uma
grande viagem pelo mundo, recebeu um espelho de forma quadrada e ouviu o
seguinte do mestre, que com aquele espelho iria registrar tudo o que iria ver durante
a viagem, para mostrar na volta. O discípulo ficou surpreso de como que um simples
espelho poderia mostrar o que encontraria durante a viagem.
No mesmo momento o espelho caiu de suas mãos e quebrou-se em sete peças
e então o mestre lhe disse que, com aquelas sete peças ele poderia construir figuras
e ilustrar toda sua viagem. E assim o jovem foi ilustrando as figuras que foi vendo e
formou o tangram.

 Construção do geoplano

Nas atividades que se seguem, além do Quadrado Mágico será utilizado um


geoplano de rede quadrada e uma rede quadriculada de pontos traçada sobre uma
folha de papel.

O geoplano consiste em uma placa quadrada de maneira onde são fixados


pregos de uma forma predeterminada. No geoplano, as figuras geométricas planas
são construídas por meio de anéis elásticos coloridos, que são passados por entre
os pregos.

Para se construir um geoplano de rede quadrada, utiliza-se uma folha de madeira


compensada com um centímetro de espessura, medindo 25X25 cm e, são

17
Materiais didáticos Manipuláveis

necessários 100 pregos sem cabeça de uma polegada de comprimento. Para se


formar a rede quadrada com pregos, deve-se traçar uma rede de quadrados com 2
cm de lado sobre a madeira, e então, deve-se pregar os pregos nos vértices dos
quadrados. Após os pregos terem sido fixados à madeira, deve-se pintar o geoplano
com tinta a óleo branca.

 Sugestões de vídeos:

http://www.youtube.com/watch?v=irjvYx43W3s&NR=1
http://www.youtube.com/watch?v=3E_EOLPOTvs

 Na próxima unidade vamos trabalhar com atividades usando os materiais


confeccionados nesta unidade.

18
Materiais didáticos Manipuláveis

UNIDADE 4

 Conteúdo
Figuras geométricas planas;
Frações.

 Objetivo
Identificar as formas geométricas planas através do tangram
Explorar, testar e fazer tentativas com frações e área de cada figura

 Recursos
Tangram confeccionando nas aulas anteriores;
Geoplano;
Rede quadriculada.

 Procedimentos
O tangram é usado para que o aluno tenha noção de espaço,capacidade de
visualização, chegando a um pensamento mais analítico e dedutivo.Pode ser
trabalho em grupos, para que ocorra uma troca de experiências.

 Organização
Com a orientação do professor a turma terá diversas atividades, todas relacionadas
ao material manipulável.

Professor: Essas mesmas atividades, prontas para serem aplicadas ao


aluno, encontram-se no apêndice / Unidade 4.

 Atividades

01- Atividades com tangram e o geoplano


a) Construa sobre o geoplano os polígonos correspondentes a cada peça do
Quadrado Mágico.

19
Materiais didáticos Manipuláveis

b) Desenhe as construções encontradas sobre a folha de papel pontilhado.

c) Fazendo uso somente de três peças é possível se construir uma figura quadrada?
E se usar somente quatro peças?E somente cinco peças?
R. Para formar o quadrado com três peças utilizamos as duas peças triangulares
pequenas e a peça triangular média.
Para formar o quadrado com quatro peças existem três soluções. São elas:
- Utilizar duas peças triangulares pequenas, a peça triangular média e uma das
peças triangulares grandes;
- Utilizar duas peças triangulares pequenas, a peça que tem forma de um
paralelogramo e uma das peças triangulares grandes;
- Utilizar duas peças triangulares pequenas, a peça que tem forma de um quadrado
e uma das peças triangulares grandes;
Para formar o quadrado com cinco peças, utiliza-se as duas peças triangulares
pequenas, a peça triangular média, a peça quadrada e a peça que tem forma de um
paralelogramo.

d)Utilizado o geoplano, refaça os itens anteriores e desenhe as soluções


encontradas sobre a folha de papel pontilhado. Compare as suas construções com
as desenhadas.

e) Você é capaz de estabelecer relações entre os tamanhos da peça triangular


pequena e de cada uma das outras peças, isto é, superpondo as peças ou
observando quantos quadradinhos são ocupados por cada uma das figuras?
Observe quantas vezes a peça triangular pequena é menor do que as outras peças.
R. Superpondo-se as peças, pode-se observar que são necessárias:
- Quatro peças triangulares pequenas para cobrir uma peça triangular grande;
- Duas peças triangulares pequenas para cobrir a peça triangular média;

20
Materiais didáticos Manipuláveis

- Duas peças triangulares pequenas para cobrir a peça que tem forma de um
paralelogramo;
- Duas peças triangulares pequenas para cobrir a peça quadrada.
Por outro lado, o aluno pode contar quantos quadradinhos cada peça ocupa no
geoplano e comparar os resultados.

f) Você é capaz de estabelecer relações entre os lados da peça triangular pequena e


os lados de cada uma das outras peças?

g) Considerando cada quadradinho do geoplano como uma unidade de medida de


área, você é capaz de estabelecer relações entre a medida da área da peça
triangular pequena e a da área de cada uma das outras peças?
R. Considerando que cada quadradinho no geoplano representa uma unidade de
medida de área, nota-se que a área de uma peça triangular pequena é:
- Um quarto da área de cada peça triangular grande
- A metade da área da peça triangular pequena;
- A metade da área da peça que tem forma de paralelogramo;
- A metade da área da peça quadrada.

02- Utilizando todas as peças do tangram, construa uma figura quadrada. Realize as
transformações indicadas abaixo.
- Transforme a figura quadrada em uma retangular;
- Transforme a figura retangular em uma triangular;
- Transforme a figura triangular em uma que tenha a forma de um paralelogramo;
- Transforme a figura que tem a forma de um paralelogramo em uma que tenha a
forma de um trapézio;
- Utilizando o geoplano, refaça essa atividade observando quantos quadradinhos
são ocupados por cada uma das figuras;
- Considerando cada quadradinho do geoplano como uma unidade de medida de
área, você é capaz de estabelecer relações entre a medida das áreas das figuras
construídas?

21
Materiais didáticos Manipuláveis

Professor:
Após formar o quadrado do tangram com todas as peças, todas as demais figuras são
transformadas apenas movendo os dois triângulos grandes.

03- Considerando o tangram (Quadrado Mágico) formado com as sete peças, e que
o triângulo maior equivale um quarto do quadrado, represente a fração que
corresponde a cada peça.
a) Triângulo pequeno
b) Triângulo médio
c) Paralelogramo
d) Quadrado pequeno

 Registro do aluno
O aluno deverá observar que o tangram é composto por 4 triângulos grandes, e se,
em cada um deles cabem 4 triângulos pequenos, então o aluno deverá concluir que
no tangram cabem 16. Portanto, um triângulo equivale a 1/16.
O mesmo deverá registrar na segunda questão com o triângulo médio, porém, são
dois triângulos médios em cada triângulo grande. Então, no total, são 8 que
equivalem a 1/8. E assim também nas demais atividades.

04- Sobreponha às peças do tangram e responda:


Quantos triângulos grandes são necessários para formar o quadrado do tangram?
Quantos triângulos médios são necessários para formar o quadrado do tangram?

22
Materiais didáticos Manipuláveis

E se fossem todos triângulos pequenos, quantos seriam necessários para formar o


quadrado do tangram?

05- Se unirmos os dois triângulos de um quarto teremos um meio do quadrado


maior.
Logo: 1/4 + 1/4 = 1/2
Discutam no grupo e encontrem outras peças que unidas deem 1/2.

 Sugestões de atividades:
Para que o aluno reconheça, interprete e analise, seria interessante o professor
entregar algumas figuras do tangram construídas, e através da silhueta, trabalhar
com sobreposição, e também, deixá-lo construir figuras com sua imaginação.

Professor:
Além do tangram tradicional, há outros quebra cabeças igualmente curiosos que
incitam ao conhecimento.É o caso, por exemplo, do tangram circular, coração e oval.

23
Materiais didáticos Manipuláveis

24
Materiais didáticos Manipuláveis

Unidade 2

1. Frações com mesmo denominador


a) Separar de um inteiro dividido em dez partes: uma parte, duas partes, três partes,
e assim sucessivamente.

2. Frações com denominadores diferentes


a) Separar uma peça de cada circunferência que foi confeccionada e dividida na
aula anterior, para que o aluno consiga observar:
Qual fração é maior?
E qual fração é menor?

3. Equivalência de frações
a) Separar uma peça da circunferência dividida em duas partes e duas peças da
circunferência dividida em quatro partes colocar uma peça sobre a outra para que o
aluno descubra o que há de comum entre as peças. Assim também com as demais
circunferências.

4. Adição de frações com denominadores iguais


a) 1/4+2/4 =

b) 1/2 + 1/2 =

05. Adição com denominadores diferentes


1/2+ 1/3 =

25
Materiais didáticos Manipuláveis

Unidade 4

01- Atividades com tangram e o geoplano

a) Construa sobre o geoplano os polígonos correspondentes a cada peça do


Quadrado Mágico.

b) Desenhe as construções encontradas sobre a folha de papel pontilhado.

c) Fazendo uso somente de três peças é possível se construir uma figura quadrada?
E se usar somente quatro peças?E somente cinco peças?

d)Utilizado o geoplano, refaça os itens anteriores e desenhe as soluções


encontradas sobre a folha de papel pontilhado. Compare as suas construções com
as desenhadas.

e) Você é capaz de estabelecer relações entre os tamanhos da peça triangular


pequena e de cada uma das outras peças, isto é, superpondo as peças ou
observando quantos quadradinho são ocupados por cada uma das figuras observe
quantas vezes a peça triangular pequena é menor do que as outras peças;

f) Você é capaz de estabelecer relações entre os lados da peça triangular pequena e


os lados de cada uma das outras peças?

g) Considerando cada quadradinho do geoplano como uma unidade de medida de


área, você é capaz de estabelecer relações entre a medida da área da peça
triangular pequena e a da área de cada uma das outras peças?

02- Utilizando todas as peças do tangram, construa uma figura quadrada. Realize as
transformações indicadas abaixo.
- Transforme a figura quadrada em uma retangular;
- Transforme a figura retangular em uma triangular;

26
Materiais didáticos Manipuláveis

- Transforme a figura triangular em uma que tenha a forma de um paralelogramo;


- Transforme a figura que tem a forma de um paralelogramo em uma que tenha a
forma de um trapézio;
- Utilizando o geoplano refaça essa atividade, observando quantos quadradinhos
são ocupados por cada uma das figuras;
- Considerando cada quadradinho do geoplano como uma unidade de medida de
área, você é capaz de estabelecer relações entre a medida das áreas das figuras
construídas?

03- Considerando o tangram (Quadrado Mágico) formado com a sete peças, e que
o triângulo maior equivale um quarto do quadrado, represente a fração que
corresponde a cada peça
a) Triângulo pequeno
b) Triângulo médio
c) Paralelogramo
d) Quadrado pequeno

04- Sobreponha às peças do tangram e responda:


Quantos triângulos grandes são necessários para formar o quadrado do tangram?
Quantos triângulos médios são necessários para formar o quadrado do tangram?
E se fossem todos triângulos pequenos, quantos seriam necessários para formar o
quadrado do tangram?

05- Se unirmos os dois triângulos de um quarto teremos um meio do quadrado


maior.
Logo: 1/4 + 1/4 = 1/2
Discutam no grupo e encontrem outras peças que unidas dêem 1/2.

27
Materiais didáticos Manipuláveis

REFERÊNCIAS

ANDRINI, Álvaro; Zampirolo,Maria José C.de V. Novo Praticando Matemática. 1ª


ed.São Paulo: Editora do Brasil, 2002.

BONJORNO, J. R.; Bonjorno, R. A.; Olivares, A. Matemática – fazendo a diferença


/ 5ª série. 1.ed. São Paulo. Editora FTD, 2006.

BIGODE, A. J. L. Matemática hoje é feita assim / 5ª série. São Paulo. Editora FTD,
2000.

D’AMBROSIO, B. Como ensinar matemática hoje? Temas e debates. SBEM. Ano


11, n° 2, Brasília, 1989. Disponível em:
http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/arquivos/File/conteudo/artigos_t
eses/MATEMATICA/Artigo_Beatriz.pdf, acesso em 30.05.2008.

DANTE, L. R. Didática da resolução de problemas de matemática. 12 ed. São


Paulo: Ática, 2005.

GIOVANNI, J. R.; Giovanni Jr, J. R. Matemática: Pensar e Descobrir-Desafios / 5ª


série. São Paulo. Editora FTD.

HAYDU, V. B.; COSTA, L. P. da ; PULLIM, E. M. M. Resolução de problemas


aritméticos: efeito de relações de equivalência entre três diferentes formas de
apresentação dos problemas. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/prc/v19n1/31291.pdf, acesso em 02.07.2008.

KALRFF, Ana Maria M.R. Quebra-cabeças geométricos e formas planas/Ana Maria M.R.
Kaleff, Dulce Monteiro Reis, Simone dos Santos Garcia. Niterói:EDUFF em convênio com a
coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, 1996.

28
Materiais didáticos Manipuláveis

KRULIK, S.; REYS R. E. (orgs) A resolução de problemas na matemática


escolar. São Paulo. Atual, 1997.

MIGUEL, A.; MIORIM, M. A. O ensino de matemática no primeiro grau. São


Paulo: Atual, 1986.

MODERNA, Editora. (org.). Projeto Araribá – Matemática – 5ª série. 1. ed. São


Paulo. Editora Moderna, 2006.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes curriculares de


matemática para a educação básica. Curitiba, 2006.

PIAGET, J.. Seis Estudos de Psicologia. Tradução por Maria Alice M. D’Amorime
Paulo S.L. Silva. 24ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007

POLYA, G. A arte de resolver problemas: um novo enfoque do método


matemático. 2 ed. Rio de Janeiro: Interciência, 1994.

ROSSETTO,J. J. Rivais do Videogame. Curitiba. Educarte, 2000.

SEPÚLVEDA, J. C.; ORMACHEA, C del P. Resolución de problemas y contextos


matemáticos. Revista iberoamericana de educacion matemática. Nº 12, dezembro,
2007. Disponível em: http://www.fisem.org/paginas/union/info.php?id=253, acesso
em 30.05.2008.

SOARES, Maria Tereza Carneiro. O que ensinar de Matemática hoje? Apostila da


secretaria de educação do Paraná, 1992. http://educar.sc.usp.br /experimentoteca /
matematica/matematica_fundamental/4f_representacao_das_fracoes_p.pdf acesso
em 06/11/08.

As imagens foram gravadas a partir de sites visitados. Desconheço a existência de


quaisquer restrições do seu uso não comercial. Caso alguma delas tenha registro de direitos
autorais, solicito o detentor entrar em contato:
mariangelascolaro@hotmail.com - Materiais Didáticos Manipuláveis

29