Você está na página 1de 23

ARTIGO CIENTIFICO

Maria Isata Baptista


Prof: Aníbal Simões
E-mail-mariaisata29@outlook.com

Estudo de caso Sobre a opinião dos Jovens na


Centralidade do kilamba face a
Delinquência Juvenil

Resumo: O nosso artigo científico teve como objetivo conhecer a opinião que os jovens
da Centralidade do Kilamba tem face a delinquência Juvenil. Sendo que a delinquência é a forma
mas negativa de uma sociedade. Em função dos objetivos utilizamos o método qualitativo numa
amostra de 5 estudantes do tipo caso múltiplos, as técnicas utilizadas foram: Entrevista
semiestruturada já os instrumentos foram o computador, caneta, papel, e o tratamento dos dados
foi feito pela analise de conteúdo com o programa Nvivo 12. Quanto ao referencial téorico
podemos destacar lembroso em que destaca a delinquência é entendida como uma patologia
analisada como sindrome mórbidos onde o criminoso insere numa tipologia ao mesmo tempo
natural e desviante”. Os resultados mostraram que os estudantes deram maior importancia aos
jovens como a forma motriz para mudar a centralidade e menos realce ao combate a
delinquencia. Em conclusão que o circulo de convivência em que muitos jovens estejam metido
é fundamental.

Palavras-chave: Delinquente, jovens, centralidade, combate, delinquência

Abstract: Our scientific article had as objective to know the opinion that the youths of the
Centrality of Kilamba have face to Juvenile delinquency. Being that delinquency is the most
negative form of a society. According to the objectives we used the qualitative method in a
sample of 5 students of the multiple case type, the techniques used were: Interview
semistructured already the instruments were the computer, pen, paper, and the data treatment was
done by the analysis of content with the program Nvivo 12. Regarding the theoretical reference,
we can highlight the fact that delinquency is understood as a pathology analyzed as a morbid
syndrome where the criminal inserts a typology that is both natural and deviant. " The results
showed that students gave greater importance to young people as the driving way to change the
centrality and less emphasis on fighting crime. In conclusion, the circle of coexistence in which
many young people are involved is fundamental.
Keywords: Delinquent, youth, centrality, combat, delinquency

Résumé: Notre article scientifique avait pour objectif de connaître l'opinion que les jeunes de la

Centralité de Kilamba font face à la délinquance juvénile. Être cette délinquance est la forme la

plus négative d'une société. En fonction des objectifs que nous utilisons la méthode qualitative

dans un échantillon de 5 étudiants Un plusieurs cas, les techniques utilisées sont les suivantes:

entrevue semi-structurée puisque les instruments étaient l'ordinateur, le stylo, le papier et le

traitement a été fait par l'analyse du contenu du programme 12. Nvivo que pour cadre théorique

peut mettre en évidence lembroso mettre en évidence le crime est compris comme une pathologie

analysée comme un syndrome morbide où le criminel entre une typologie à la fois le temps

naturel et déviants ». Les résultats ont montré que les élèves accordaient une plus grande

importance aux jeunes en tant que moyen de changer la centralité et de mettre moins l'accent sur

la lutte contre le crime. En conclusion, le cercle de coexistence dans lequel de nombreux jeunes

sont impliqués est fondamental.

Mots-clés: Délinquant, jeunesse, centralité, combat, délinquance


INTRODUÇÃO
O presente artigo científico tem como tema “Estudo de caso Sobre a Delinquência Juvenil
na Centralidade do Kilamba e está sendo realizado no âmbito do aperfeiçoamento e
melhoramento das técnicas qualitativas bem como na ilustração dos métodos para se fazer a
nosso trabalho monográfico, de salientar que é um tema corrente que visa destacar a opinião dos
estudantes a cerca de delinquência juvenil em Psicologia Criminal, Universidade Agostinho
Neto. A razão da escolha do tema consiste em ter noção da percepção que os estudantes da
faculdade tem e que significado eles atribuem aos comportamentos delinquentes

A delinquência está ligada a varios factores que abordam as suas áreas psicólogicas,
economicas, politicas, culturais, biologicas, emocionais, sociologicas, religiosas e outras mais.
As investigações sobre os estudos da Desestruturação familiar vêm sendo realizado no nosso
país, uma vê que a adolescência é uma fase considerada como sendo de capital importância para
o desenvolvimento do homem adulto.

Um aspecto importante a realçar nesta abordagem é a da importância que a sociedade tem


dado a desestruturação familiar, é bem verdade que sendo profissionais temos de ser cauteloso e
estudar com maior profundidade está temática e que serva como mecanismo no sentido de
combater a criminalidade e dar maior sugestão de modo a que toda sociedade possa viver em
harmonia.

ESTRUTURA DO ARTIGO

O presente artigo está constituído por dois (2) capítulos; começamos por apresentar a
introdução, seguido do problema, a importância do estudo, os objetivos,

Primeiro Capitulo:Aqui vamos apresentar a fundamentação téorica, a as definições da


delinquencia juvenil, as teorias que deram sustento ao trabalho e outros

Segundo capitulo: Iremos fazer o tratamento dos dados qualitativos.

No final teremos a conclusão e as devidas referencias bibliográficas.

1.Questões de Investigação:
Qual é a opinião que os jovens da Centralidade do Kilamba tem face a delinquência
Juvenil;

Objetivo Geral

Conhecer a opinião que os jovens da Centralidade do Kilamba tem face a delinquência


Juvenil;
Objectivos específicos:

1º Realizar uma análise temática,lexical sobre a opinião que os estudantes da


faculdade de ciências sociais a cerca Delinquencia Juvenil na Centralidade do Kilamba ;

2º Distribuir o referido sentido e significado pelas variáveis sócio-demograficas pré-


selecionadas;

3º Construir uma hipótese face a delinquência Juvenil;

IMPORTANCIA DO ESTUDO
O presente estudo teve como motivo o facto de que oíndice de delinquência juvenil está a
crescer a cada vez mais, na nossa sociedade visando contribuir para o aumento da
desestruturação familiar e com este estudo pretendemos mostrar que a família deve ter um papel
preponderante para se evitar a desestruturação.
O presente tema é importante ao nível da psicologia criminal em particular e da justiça
em geral, porque apresenta pistas que se forem consideradas, pode-se ajudar a prever o
surgimento de outros casos de desestruturação familiar,e a ponderar a necessidade de se criar um
programa de intervenção por forma a minimizar este fenómeno.

CAPITULO I: ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL E TEÓRICO


SOBRE A DELIQUȆNCIA
1.CONCEITOS DE DELINQUENCIA JUVENIL
Tendo em consideração as mais variadas abordagens no que concerne à delinquência, vamos
apresentar algumas definições.

De acordo com Carvalho (2005,p.15), “a delinquência pode ser ainda entendida por atos
perpetrados por crianças e jovens que violam ou quebram regras sociais estabelecidas em
quadros jurídicos”.
Deliquência segundo Leite( 2005,p.185) é fruto de uma evolução de um trajeto de mau-
estar psico-social que se associam a um comportamento antisocial”.

Born (2005, p.14), acrescenta ainda que o conceito de “delinquência juvenil diz respeito
ao fato de o adolescente cometer um ato qualificado como delituoso pela comunidade
prejudicando o outro no que se refere aos seus direitos e ordem social”.

Ilustração do mapa conceptual

1.2-Revisão Da Literatura Sobre A Delinquência Juvenil


É nossa intenção, neste subcapítulo, fazermos uma análise sobre a abordagem acerca da
delinquência no que concerne, bem como a sua breve resenha histórica de modo a que nos
conciliaremos com a nossa realidade social Angolana. Temos a demonstrar alguns teóricos que
muito enfatizaram está temática.
Historicamente a palavra Delinquência foi abordado pela primeira por Lombroso(
1885,p.166) na sua abordagem dizia que “a deliquencia é entendida como uma patologia
analisada como sindrome mórbidos onde o criminoso insere numa tipologia ao mesmo tempo
natural e desviante”.

Isto realça que a delinquência deve ser caraterizado como sendo ato praticado de forma
doentio e que é vista em perspectivas distintas quer seja adquirido quer seja fora das normas da
sociedade.

As ideias de Lombroso (1885), com as quais nós concordamos foram exposta por
Carvalho (2011, p 134) da seguinte forma“Lombroso considerava o delinquente
simultaneamente um ser primitivo e doente, o qual encontraria estigmatizado pela sociedade”.

Uma das questões mais pertinentes no conceito de Lombroso sobre a delinquência é o


facto de realçar a sociedade como influência para que o indivíduo seja delinquente. Isto traz
atona o verdadeiro papel que a sociedade tem diante da influência das pessoas no sentido de
contribuir para que seja alguém exemplar e modelo de várias gerações.
Isto quer dizer que Foucaut ( 1995, p.34) não destaca a delinquência como sendo fruto de
maus-tratos e desordem familiar, mas sim que a “desestruturação famíliar provoca deliquência”.

Arrieta, Grolli e Polins Apud ( 2000,p.71)Ferri “Adotou a posição contrária, afirmando


que o homem não nasce delinquente, mas que ele torna-se delinquente ao longo da vida, porque
o meio social, o meio ambiente, os factores externos os factores exogénos, que hoje
chamariamos de mosológicos ou simplesmente ecológicos, convergem no sentido de que essa
pessoa venha a ser violenta”.

Em suma temos a destacar que as contribuições de César lombroso foram de fato


importante na abordagem sobre a delinquência em que aponta os factores biológicos e sociais
pode influenciar o homem a ser delinquente. Por fim, temos a salientar que lombroso. Enfatiza a
delinquência como sendo praticada por pessoas com transtornos mentais. Outros autores
defendem a desestruturação familiar tem sobre tudo uma grande influência para que o indivíduo
torna-se delinquente.

1.3- TEORICAS SOBRE A DELINQUENCIA


Depois de termos apresentado as contribuições de César Lombroso no que tange à
Delinquência, destacando as suas ideias principais, vamos agora apresentar as respectivas teorias.
É, no entanto, importante referir que devemos observar sempre para as teorias com certa
relatividade, até porque a maioria das teorias tem pouco haver com a nossa realidade africana
bem como também está fora do nosso contexto social.

1.3.1-TEORIA SOCIAL COGNITIVA

Assim, vamos apresentar a teoria social cognitiva. Em que consiste a teoria social
cognitiva da delinquência?

Bandura (1979, p.166) diz que:

Segundo a teoria a social cognitiva é a influencia da estrutura familiar no comportamento


do adolescente e as transgressões comparativas, agressões em criança a delinquência juvenil
influéncia para que a pessoa virá deliquente.
Isto quer dizer que o seio famíliar em que o adolescente está enserido faz com ele adote
um comportamento correto ou que não compre com as normas implementadas. Isto implica
destacar a importancia famíliar no comportamento do indivíduo.

1.3.2-Teoria Do Autocontrole E Do Comportamento Social

Um dos motivos que nos faz abordar sobre essa teoria é a forma encarar as pessoas como
sendo capazes de cometerem crimes e porque que os adolescentes cometem crimes e que deve
estar na base de cometerem tais atos.

Crema(1984.p.87)aponta que o “Autocontrole refere-se á capacidade de suprimir as


próprias expressões e emoções. Neste caso a tendência de dominar os outros é retrofletida,
expressando-se atravéz de uma rígida autodisciplina, que suprime, com brutalidade, as próprias
necessidades naturais”.

Entende-se que a aptidão de fazer desapareçer as nossas ideias, e com isto torna-se
evidente que influência de certa forma aquilo que pensamos a cerca dos outros, implica-nos dizer
que demonstrando o ensinamento que temos faz com não praticamos violência e que a falta de
aprendizagem influência para que sejamos delinquentes.

ESTUDOS REALIZADOS
As investigações sobre o estudo da delinquência vêm sendo realizados no nosso país,
uma vê que a adolescência é uma fase considerada como sendo de capital importância para o
desenvolvimento do homem adulto.
De entre os vários estudos podemos referir os de David Leo (2007) A delinquência é um
fruto de um movimento criativo de uma forma de resgate da capacidade de busca. Este estudo
demonstrou que a natureza da delinquência é multidimensional. Por sua vez, Avanci, Assis e
Oliveira, (2008) realizaram um estudo sobre os sintomas depressivos na adolescência tendo em
consideração os factores psicossociais onde se constatou que as meninas têm mais que o dobro
de possibilidades apresentarem sintomas de depressão que os meninos, apelando-se deste modo a
intervenção de políticas públicas eficazes.
Outro estudo importante é o de Mtthew (2011) que afirma que a “ delinquência juvenil é
frequentemente utilizada para descrever os actosanti-sociais cometidos pelos jovens. O aspecto
particular deste estudo é o facto do mesmo ter sido feito partindo de uma base populacional.
Métodos
Tipo de Pesquisa

Descreve-se a metodologia utilizada para o estudo da delinquenci juveni. Dada à natureza


do problema que se pretendeu estudar, dentro da psicologia criminal, optou-se pela pesquisa
qualitativa e exploratória.

A pesquisa qualitativa uma das formas utilizadas no processo de investigação social, parte
do entendimento de que a realidade é constituída pelos indivíduos interagindo em seus mundos
sociais.

E vimos que o método qualitativo segundo o Braga (2013, p.85) “é uma das vias
utilizadas nas investigações em ciências sociais.”

Modelo de pesquisa é exploratória, segundo com Braga 2013 (pg.16)“visa proporcionar


maior familiaridade com o problema estudado, tornando-o mais explícito ou favorecendo a
construção de hipóteses”.

AMOSTRA
• Amostragem teórica, por caso múltiplo.
Em função do conceito a estudar serão escolhidos 5 indivíduo( 3 masculino e 2
feminino).
Validação dos Estudos Qualitativos

Na investigação científica não basta chegar a determinados resultados. É de igual modo


importante saber até que ponto os mesmos são validos. Trata-se de um procedimento comum
quer na investigação quantitativa e quantitativa. (Simões, 2016,p.69).

Técnica de Amostragem: Amostragem por conveniência

Amostragem por conveniência não é apenas utilizada nos estudos qualitativos. De acordo
com Patton (2000) Apud Simões (2015), o critério por conveniência encontra-se estreitamente
ligado com o da acessibilidade dos participantes, ou seja estes são seleccionados em função da
facilidade de acesso aos mesmos. A mostragem por conveniência pode ser vista como um
critério mais geral, pelo facto de poder ser aplicada noutros tipos de amostragens.

Análise de conteúdos
Sendo que o nosso estudo é de natureza qualitativa como já afirmamos acima, para
analisar e tratar os dados usaremos análise exaustiva dos conteúdos que permitirá a generalização
das conclusões obtidas através das informações acumuladas. Utilizaremos o software Nvivo 10
(Silvestre 2012,p. 172).

Variáveis socio-demograficas

Idade:

Sexo:
Nivel de escolaridade

Participantes

5 Estudantes de ambos os Sexos

Local

Faculdade de ciências sociais, Avenida Ho-Chi-Min

Tratamento e processamento dos dados

Análise de conteúdo será efectuada com pacote informativo Nvivo 12

Método e instrumento

Utilizamos como técnica: o guião de entrevista

Os instrumento utilizamos são :caneta,papel,

Técnicas de Entrevista
A entrevista é a técnica por excelência dos estudos qualitativos. Utiliza-se sobretudo,
quando o investigador, para além de anotar e registar, pretende dialogar com os sujeitos para
alguns esclarecimentos adicionais ou para ampliar o seu conhecimento sobre o assunto em
estudo.

Utilizaremos a entrevista semi-estruturada como técnica privilegiada de comunicação e


colecta de dados, mais utilizada no trabalho de campo”.Marconi e Lakatos 2001 (p.208).

A entrevista é um instrumento privilegiado na investigação qualitativa pelo facto de


permitir conhecer o mundo subjectivo das pessoas. O tipo de entrevista a optar depende muito do
problema e dos objectivos do estudo.

Para se construir uma entrevista, para além da formulação do problema é necessário


conhecer o perfil dos entrevistados, o local aplicar e os meios a utilizar.
Na formulação das questões é recomendável partir do conceito, das dimensões e dos
indicadores para elaboração das perguntas. (Simões, 2015,p65).

CAPITULO II- INTERPRETAÇÃO DOS DADOS


QUALITATIVOS
RESULTADOS DAS ANÁLISE LEXICAL E TEMÁTICA
Modelo de Análise das entrevistas feita aos estudantes sobre a opinião da influência das
drogas

Tabela 1: Perfil dos estudantes participantes

Respondente Idade Género Nivel de Curso


escolaridade
S0001 30anos Feminino 3ºano psic
S0002 26anos Masculino Bacharel psic
S003 27anos Feminino 4ºano psic
S004 28anos Masculino 4ºano psic
S005 31anos Masculin0 4ºano Psic.
Fonte: Nvivo 12

2.Análise Lexical

Segundo Camlong (2002) a ”Análise lexical mostra, pois, que as escolhas lexicais não se
fazem ao acaso, mas em função da direcção que o locutor imprime ao seu discurso” (p.145).

A análise lexical mostra-nos que as escolhas lexicais não são feitas por acaso, mas sim,
em função do que o locutor imprime no seu discurso.
Portanto, a análise lexical permitiu-nos ter o conhecimento, das palavras mais frequentes,
no vocabulário das entrevistas feitas aos professores e alunos alvo do nosso estudo. Podem ser
identificados ou classificados as unidade de vocabulário, como afirma Bardin (2011), segundo a
distinção entre:
-Palavras plenas, isto é, palavras «portadoras de sentidos»:substantivos, adjectivos,
verbos;
-Palavras-instrumentos, isto é, palavras funcionais de ligação: artigos, preposições,
pronomes, advérbios, conjunções etc(p.78).
Quadro 3- Analise lexical dos estudantes a cerca da delinquencia Juvenil
Palavras plenas Número Palavras instrumentos Número
Jovens 19 p 1. Para 25c

Centralidade 16a 2. Porque 15, a

14 S 3. Como 8a
Delinquencia
9 4. Acção 7a
Violencia
10 V 5 Muito 5a
Entrevistadora
9s 6. Naquela 5a
Combate
9V 7.assim 4a
Maravilha
9s 8. mais 4a

9s
Polícia
9v
Rooubos
8p
Filhos

No quadro nº3, refroçado com a árvore de palavras, a lista indica por ordem decrescente
de frequência as 10 palavras plenas e as 10 palavras-instrumento mais frequentes utilizadas.
O pronome pessoal jovens aparece em primeiro lugar na lista das palavras plenas. O
adjetivo centralidade, pelo contrário, apenas surge em segundo lugar da entrevista, isto diz que
os jovens gostam da centralidade
Os estudante como sendo pronome pessoal aparecem com uma frequência significativa.
Os adjectivos, mais frequentes são para, adjectivos que correspondem a uma projecção
optimista no futuro.
2.1- Análise Semântica

Para fazermos um estudo de código de um texto segundo Bardin ( 2011) é necessário:

. Convenções- Quanto ao vocabulário, pode-se enumerar num texto

- O número total de palavras presentes ou «ocorrência»;

- O número total de palavras diferentes ou «vocábulos»; estes vocábulos apresentam o


vocabulário (ou repertório lexical, campo lexical) que o autor do texto utiliza;

- A relação ocorrências/vocábulos ou O/V, dá conta da riqueza (0u da pobreza) do


vocabulário utilizado pelo autor da mensagem, visto que indica o número médio de repetições
por vocábulo no texto. (p.78)
Quadro 2- Análise do vocabulário

O vocabulário da entrevista dos estudantes sobre a delinquencia

Frequência

Palavras Frequência Percentagem em relação ao


número total de vocábulo
Absoluta O O/V

Substantivos 30 0,3 30 30,03

Adjectivos 29 0,29 29 29,029.

Verbos 23 0,23 34 23,023

Pronomes 21 0,21 21 21,0,21

Palavras-
Instrumento
Totais 101 100% 101 .

Legenda: V= Vocábulo
O= Ocorrências
O/V = Relação ocorrências/vocábulos (riqueza/pobreza de repertório)

O estudo sistemático do vocabulário, da entrevista aos estudantes da FCS, é revelador do


seguinte:
Existem 101palavras, isto é, total das ocorrências, para um vocabulário de base
(vocábulos) de 71 palavras.
A relação O/V é igual 101 número maior porque traduz o número médio de repetições
por vocábulo do discurso.
Isto quer dizer que o repertório de base, é neste caso extremamente limitado. As palavras
utilizadas são sempre as mesmas: isto mostra que o vocabulário é, portanto muito pobre. Esta
pobreza em parte provém da elevada repetição das palavras-instrumento, o que é relativamente
normal. O registo dos verbos é proporcionalmente o mais rico, seguindo-se os substantivos. O
repertório dos adjectivos pelo contrário é pobre.
.3-Análise Categorial
No que se refere análise categorial, Gomes (2014) afirma que “ Utilizamos a análise
categorial, agrupando o discurso dos participantes em categorias e unidades de registo, segundo
critérios e agregados de acordo com as semelhanças e diferenças encontradas, procedendo-se à
categorização em categorias temáticas emergentes”(p.9).
Quadro 5- Análise categorial

Tema Categoria Sub- Indicadores/unidades Unidade de context


categoria de registo
…Não, O principio Estudante 3: Não, O
todo ser humano livre
principio todo ser humano
Delinquencia Jovens Os jovens mas a sociedade…
juvenil livre mas a sociedade comum
basta um
pelos jovens de centralidade
deslize.
não estáo isento disso e para
os jovens basta um deslize
para desviarem das boas
condutas.

…o combate da Estudante 5: Sim, a acção da


delinquencia… policia tem sido viável o
Centralidade a acção da
combate da delinquencia com
policia
a presença da polícia tem
ajudado bastante no combate
da delinquencia

Estudante 2: Em certa
medida sim, pois o combate a
Delinquencia combate a …Em certa medida
sim.. delinquencia em acção
delinquencia
conjunta um combate
colectivo entre os agentes e a
sociedade em geral porque o
crime deve ser banido e
queremos viver em harmonia.

…peças apresentadas
em programas
Combate Tem sido televisivos não… Estudante 4: De acordo com
viável os relatos de algumas peças
apresentadas em programas
televisivos…não tem sido
viável, motivo é que ainda
existe certas debilidades na
interação polícia-população
no papel da comunicação (
Informação). Também a falta
de mais posto de
policiamento e mais
operações da polícia de modo
a deixar as pessoas mais
tranquilas.

2.4-ANÁLISE TEMÁTICA
Tema 1: JOVENS
Jovem é alguém maduro e responsável do que faz.

Estud. 5: disse que: Sim, porque este meio ajuda muito para o indivíduo vulnerável ao
consumo de drogas devido a influência que o grupo representa, e nas festas esses jovens gostam
consumir muito álcool.

Entendemos que o circulo de convivência em que muitos jovens e adolescentes estejam


metidos motiva ao comportamento delituoso na centralidade, uma vez quando existe festas o
consumo de álcool é abusivo.
Estud. 3: Enfatiza que: Não, há jovens que mesmo sem a utilização de drogas já apresentam
comportamento desviante o seu modo de ser é devido algumas influencias do meio sem a ausência de
drogas

Os feitos de muitos jovens nem sempre é por motivo de drogas, alguns já nascem perturbados e
com uso de drogas pioram o seu modo de convivência com os outros e daí passam a cometer
variadíssimos crimes.

Estudante 1: Lembra que: Sim, o consumo de drogas influencia o modo de ser de certos
jovens, a droga sendo uma substancia que altera o estado emocional do indivíduo.

As substâncias quando engerada mudam o comportamento dos indivíduos quer seja da


forma interna que é a sua conduta, quer seja externa no meio onde convive, é sim uma mudança
quando são motivados pelo uso de drogas.

Tema 2: Centralidade
Centralidade :área ou parte central de (bairro ou cidade) onde se concentram atividades
comerciais, burocráticas e de serviços de uma cidade ou região onde se concentram empresas
dedicadas a atividades industriais de grande porte.( Martins, 2009,p.55)
Estud.2: Não, na centralidade a convivencia com outros jovem tem sido boa pelas boas
atitudes apresentada pelos mesmos e não só, é importante conversar com eles porque muitos
andam frustrado por não terem emprego.

Notamos que o dialogo com os jovens podem ser saúdaveis e que muito ajuda na relação
e no ambient com os outros, normalmente quando alguns tém ideias diferentes é importante nos
unirmos e procurar a melhor forma de interação.

Estud.3: Não, O principio todo ser humano livre mas a sociedade comum pelos jovens de
centralidade não estáo isento disso e para os jovens basta um deslize para desviarem das boas
condutas.

Tudo parte do berço e temos que ter em conta que as vezes a família não ajuda na
educação muitos não tiveram a educação de berço porque foram nascidos no meiop distorcido
mas alguns tem atitudes.
Estud. 4: Não considero raro os mesmos terem atitudes positivas porque é assim que os
jovens devem se comportar no meio social e ambiental e fazer sempre um papel de caracter
positivo e benefico e so assim vamos ter uma centralidade positiva.

Isto quer dizer que os jovens devem sim ter responsabilidade visto que são adultos e
sabem o caminho a seguir e as pessoas que devem lidar, logo podemos dizer que será de grande
valia se tivermos jovens com mentes brilhantes.

TEMA 3: Delinquência

Salientar que a delinquência é a forma mas negativa de uma sociedade. David Leo
(2007,p.34) A delinquência é um fruto de um movimento criativo de uma forma de resgate da
capacidade de busca.

Com isso o Estud. 4: Sim determinavam porque tudo começa-se apartir de casa e
quando os jovens não encontram afecto ou amor no seio familiar logo ele senti essa carencia na
família e encontra no grupo de pares, surgem logo influencias negativas e sub-grupos
delinquencias praticando ondas de crimes e criando dependencia do crime e uso constante de
drogas.

Entende-se que se tudo começa de casa, logo a responsabilidade é de casa e assim


destacamos que nem tudo éa família que deve fazer devemos reconhecer que os jovens quando
estão dentro dos amigos apresentam outras atitudes e em cas outro comportamento, isto porque
não gostam se inferiorizar perante aos amigos logo adoptam o consumo de substancias.

Estud. 5: Dependendo da forma como é que os pais lidam com a situação dos filhos para
que os jovens torna delinquente.

Quer isto dizer se os país não lidarem e não procurar o melhor termo de educação para os
filhos alguns realmente envergam para o mundo da delinquencia e outros sentem-se capazes de
superar sem um paí.

Estud. 2: Não, se assim fosse todos que lhes faltou em alguns momentos de suas vidas
seriam delinquentes, muitos são porque acompanham os seus e acham que é a via fácil para
terem dinheiro logo preferem roubar os outros.
Entendemos que nem todos jovens devem dar o luxo de falta de acompanhamento, visto
que os filhos dos pobres são os que tem maior responsabilidade.

Estudante 3: Sim, porque a medida que os jovens estão desatentos se deixam influenciar
por outros jovens de má conduta e levam-nos para caminhos não adequados depois ficam
viciado com as tais praticas de delinquencia.

Vimos que enquanto os jovens preucuparem-se com o mundo da drogas vão acabar mal,
e devem deixar desta vida da droga se realmente pretendem ser alguém na vida, estás substancias
prejudicam a vida de qualquer indivíduo.

TEMA 4: COMBATE

O combate:é um conflito violento cuja intenção é estabelecer dominância sobre o oponente. Ou


refere-se às artes marciais, sistemas de práticas e tradições para treinamento de combate,
geralmente, sem o uso de armas de fogo ou outros dispositivos modernos. O combate pode ser
útil como um mecanismo de defesa contra um indivíduo.( Norton, 2004.p.80)

O Estud.5 disse que : Sim, a acção da policia tem sido viável o combate da delinquencia
com a presença da polícia tem ajudado bastante no combate da delinquencia.

Queremos salientar que o trabalho dos militares é benefico isto porque vimos nos últimos
meses a grande massa de força de muitos militares e alguns denúnciamo os tais atos.

Para o Estud.2: Em certa medida sim, pois o combate a delinquencia em acção


conjunta um combate colectivo entre os agentes e a sociedade em geral porque o crime deve ser
banido e queremos viver em harmonia.

É importante refereir que o combate a criminalidade não é um trabalho comjunto que


envolve quer seja a família, psicólogo e tantos membros da sociedade civíl sendo que
pretendemos viver em paz.
Logo o Estud. 3: Razoavel porque o trabalho que a polícia faz nem sempre é
proximidade com os moradores daquela zona, tornando afastamento entre a população e a
policia, mas podemos considerar que tem havido melhoria no combate a delinquencia.

Destaca-se que se tivemos maior proximidade com os moradores a bandidagem diminui e


consequentemente as denúncias nas zonas perigosas, mais sabemos que nas zonas perigosas a
polícia não entra, mas confio no trabalgo da corporação.

Estud. 4 enfatiza que: De acordo com os relatos de algumas peças apresentadas em


programas televisivos…não tem sido viável, motivo é que ainda existe certas debilidades na
interação polícia-população no papel da comunicação ( Informação). Também a falta de mais
posto de policiamento e mais operações da polícia de modo a deixar as pessoas mais tranquilas.

Pelo que temos visto em todas cadeias de comunicação social, podemos dizer que sim
tem sido fundamental os meios no processo de denúncia e divulgação de determinados atos
delinquentes, e se tivermos mais brigadas especialidades e maior número de polícia a noite posso
confiar que teremos pouca violencia e os tais aventureiros terão o tratamento devido.
CONCLUSÕES

A faculdade de ciências sociais foi os locais escolhidos que achamos pertinente para
realizarmos o nosso artigo. Em que a questão científica, deste estudo foi de saber: “Qual é a
opinião que os jovens da Centralidade do Kilamba tem face a delinquência Juvenil.Para termos
uma resposta satisfatória, utilizamos a pesquisa qualitativa. O instrumento de investigação
utilizada foi a entrevista semi-estruturada.

Para que qualquer estudante fizesse parte da amostra, utilizamos a amostragem téorica,o
que nos permitiu ter uma amostra constituída por 5 estudantes de ambos os sexos.Tivemos como
objectivos específicos: Realizar uma análise temática,lexical sobre a opinião que os estudantes
da faculdade de ciências sociais a cerca Delinquencia Juvenil na Centralidade do Kilamba.
Notamos a importância que os estudantes dão aos jovens como sendo o futuro da nação e o
começo do bom comportamento e a centralidade como zona onde cada cidadão quer viver em
harmonia e com bom relacionamento entre vizinhos, e o combate delinqu os dias a polícia tem
feito dentro do país esses comportamentos, através do instrumento de investigação que foi o
papel e o bloco de notas, utilizadou-se é a entrevista semi-estruturada.
Segundo, distribuir o referido significado pelas variáveis demográficas e sociais (idade,
género e nivel de escolaridade). A distribuição do significado pelas variáveis socio-
demográficas permitiu-nos verificar, as categorias com maior relevância que foi os jovens e
menor ocorrência que foi o combate, conforme consta nos quadros e gráficos por nós
referenciados.
O terceiro que é construir um modelo explicativo sobre a opinião e significado que os
jovens dão a delinquência juvenil. Para que este objectivo fosse concretizado construimos um
modelo explicativo com a análise de conteúdo, que foi feito com o pacote informático Nvivo12.
Portanto, concluimos que os estudantes deram pouca ou quase nenhuma importância ao
combate, e deram maior importância aos jovens. Logo podemos concluir que o circulo de
convivência em que muitos jovens estejam metido é fundamental.

BIBLIOGRAFIAS RELEVANTES

Amélia,p. (2010), A criança em desenvolvimento. Portugal Ed 1º porto Editora.


Eduardo A

Avanci e Assis (2008). A criança em desenvolvimento. Portugal Ed 1º porto Editora.

Bardin, L (2011). Análise de conteúdo: Lisboa. Edição 70, LDA

Braga (2013, p.85). Metodologia Qualitativa. São Paulo: casa do psicólogo.

Bandura,A. (1979, p.166). Teoria Social Cognitiva: Ed 1º Conceitos básicos: casa do psicólogo.
Papers.

Born, M. (2005). Psicologia da Delinquência. (1ªed.). Lisboa: Climepsi Editores

Carvalho, M. J. L. (2005). Jovens, Espaços, Trajectórias e Delinquências. Sociologia,


Problemas e Práticas.

Crema, R. (1984). Analise transacional centrada na pessoa... E mais além, são paulo: Agora.

David. L (2007). Condutas Anti-sociais e Delitivas Relações Familiares em Duas áreas, Palmas:
Universidade paraiba.

Ferri, E. (1926) Teoria delinquências.

Lakatos, E. M. e M. A. Marconi( 2000) Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo:


Atlas.
Leite, F. (2005). Drogas Concepções Imagens: São Paulo: casa do psicólogo

Lombroso. C. (1885). O homem delinquente.

Mtthew T. Huss(2001) Psicologia Forense,Pesquisa,Pratica clinica e aplicações.


Fernando,A. E Carvalho, N.(2011) Análise dos fatores que levam os jovens a delinquir.Ed 2º
Portugal

Focault (1926) A prisão e a delinquência em Focault. Ed 4º A analise psicossocial do jovem


delinquencia; Uma revisão da literatura: Rio de Janeiro: papers

North Atlantic Treaty Organization, Nato Standardization Agency AAP-6 - Glossary of


terms and definitions, p. 80

Simões. A (2016), Metodologia Qualitativa: Luanda. Mulemba