Você está na página 1de 58

FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA

TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA

CAROLINA ABREU NEVES DE OLIVEIRA

KAMILA BATISTA DA SILVA

MICHELLA REGINA PACHECO SAMPAIO

AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE RADIOPROTEÇÃO DOS PROFISSIONAIS


DO SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DO HOSPITAL OPHIR LOYOLA – PARÁ.

BELÉM-PA

2013
CAROLINA ABREU NEVES DE OLIVEIRA

KAMILA BATISTA DA SILVA

MICHELLA REGINA PACHECO SAMPAIO

AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE RADIOPROTEÇÃO DOS PROFISSIONAIS


DO SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DO HOSPITAL OPHIR LOYOLA – PARÁ.

Trabalho de conclusão de curso apresentado


ao curso de Tecnologia em Radiologia das
Faculdades Integradas Ipiranga como
requisito parcial para a obtenção do título de
Tecnólogo em Radiologia, na tipologia
Monografia.
Orientadora: MSc. Layse Gama.

BELÉM-PA

2013
CAROLINA ABREU NEVES DE OLIVEIRA
KAMILA BATISTA DA SILVA

MICHELLA REGINA PACHECO SAMPAIO

AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE RADIOPROTEÇÃO DOS PROFISSIONAIS


DO SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DO HOSPITAL OPHIR LOYOLA – PARÁ.

Folha de aprovação do Trabalho de


conclusão de curso apresentado ao curso de
Tecnologia em Radiologia das Faculdades
Integradas Ipiranga como requisito parcial
para a obtenção do título de Tecnólogo em
Radiologia, na tipologia Monografia.
Orientador: MSc Layse Gama.
RESUMO

Este trabalho foi desenvolvido com o intuito de avaliar se as práticas de radioproteção


dos profissionais envolvidos no serviço de radioterapia do Hospital Ophir Loyola, estão
em conformidade com as normas e exigências preconizadas nas normativas CNEN NN
3.01, NE 3.06 e NE 6.02, bem como a Portaria 453/98 do Ministério da Saúde. Os
dados foram obtidos e coletados através de questionários semi estruturados pelos
autores, sendo um, direcionado as práticas de radioproteção dos servidores e outro
direcionado ao Supervisor de Proteção Radiológica (SPR) do serviço em estudo, com
questões referentes às instalações radiológicas, licenciamento para funcionamento do
serviço, sinalização de áreas, entre outras. O trabalho buscou ressaltar a importância de
uma prática segura dentro do serviço de radioterapia, por parte dos profissionais
diretamente envolvidos, dando ênfase à educação continuada nos serviços que fazem
uso das radiações ionizantes, buscando assim, uma forma de evitar a exposição
desnecessária e deletéria dos profissionais do serviço de radioterapia do Hospital Ophir
Loyola – Pará. Para o presente trabalho foi utilizada, uma amostra populacional de trinta
(30) servidores, divididos em Técnicos e Tecnólogos em Radiologia, Técnicos em
Enfermagem e Enfermeiros, Físico Médico e Médicos Oncologistas.

Palavras Chaves: Radioterapia; Proteção Radiológica; Hospital Ophir Loyola.


ABSTRACT

This study was developed with the aim of evaluating whether the practices of
radioprotection of professionals involved in radiotherapy service Ophir Loyola
Hospital, are in accordance with the rules and requirement recommended in the
normative CNEN 3.01, NE 3.06 and NE 3.02, as well as the ordinance 453/98 of Health
Ministry. Data were obtained and collected through semi-structured questionnaires by
the authors, one directed to radioprotection practice of servers and other directed to
supervisor of radiological protection of service in study, with questions related to
radiological facilities, licensing for service operation, signaling of areas, and others. The
study sought to highlight the importance of a safe practice with the radiotherapy service,
from professionals directly involved, emphasizing the education continued on services
that make use of ionizing radiation, seeking a way to avoid unnecessary and harmful
exposure of professionals of radiotherapy services of Ophir Loyola Hospital-Pará. For
this study, was used a population sample of thirty (30) servers, divided into technicians
and technologists in radiotherapy, nursing technicians and nursing, medical physicists
and medical oncologists.
Key Words: Radioteraphy; Protection Radiologic; Hospital Ophir Loyola
Dedico este trabalho à minha família;
meus pais, irmãos e sobrinhos. Por seu
apoio, cada um a sua forma. Muito
obrigada.

Carolina Abreu Neves de Oliveira


AGRADECIMENTOS

Agradeço em primeiro lugar a Deus, por me fortalecer nos momentos de


fraqueza e me dar fé nos momentos de aflição. Em seguida, agradeço aos meus pais,
Carlos Edilson Silva de Oliveira e Ana Maria Abreu Neves de Oliveira, por serem
minha grande inspiração, meu maior apoio e minha fortaleza, aos meus primos, André e
Brenda Quadros, por em 2006, me darem um dos maiores presentes que um ser humano
pode receber, a oportunidade, sempre serie grata a vocês pela ajuda. Aos meus avós
paternos, agradeço pela doçura dos encontros e carinho das palavras, aos meus avós
maternos, saudades, muitas saudades, em especial da minha querida Adelaide: minha
avó amada, eu consegui.
Agradeço também ao Hospital Geral de Bragança - Pará, que em 2008, me
permitiu fazer parte desta família, desejo de coração muita saúde e felicidade ao Dr.
Guarany e a Sra. Walfira.
Agradeço ao Grupo Ipiranga, que ao longo destes anos me orientou e permitiu
ampliar meus conhecimentos e horizontes, ao meu Coordenador MSc.Dirceu Santos e
MSc. Sandra Ataíde Lima, pela Co-Orientação na pesquisa. Especialmente a minha
professora e Orientadora MSc. Layse Gama pela paciência e dedicação, por nos apoiar
no nosso projeto e batalhar por ele até o último momento. Aos Servidores do Hospital
Ophir Loyola, do Setor de Radioterapia, que foram os grandes colaboradores desta
pesquisa, e a toda Divisão de Ética em Pesquisa do Hospital Ophir Loyola, pelo apoio e
incentivo á pesquisa no nosso Estado.
A todos, minha gratidão.

Carolina Abreu Neves de Oliveira


“É melhor tentar e falhar, que preocupar-
se e ver a vida passar;
É melhor tentar, ainda que em vão,
que sentar-se fazendo nada até o final.
Eu prefiro na chuva caminhar,
que em dias tristes em casa me esconder.
Prefiro ser feliz, embora louco,
que em conformidade viver.”

Martin Luther King

“Cada pessoa deve trabalhar para o seu


aperfeiçoamento e, ao mesmo tempo,
participar da responsabilidade coletiva
por toda a humanidade.”
Marie Curie

Carolina Abreu Neves de Oliveira


Dedico este trabalho às pessoas mais
importantes da minha vida: minha
avó/mãe, meu marido e ao meu mais
novo amor, meu bebê.

Kamila Batista da Silva


AGRADECIMENTOS

Á Deus dirijo a maior das minhas gratidões. Com a saúde e força


proporcionadas por ele diariamente, pude chegar com fé em mais uma etapa difícil e
cansativa, mas por fim vencida. Ieshua é a minha vida e o meu refugio, tudo o que sou,
o que tenho e o que espero vem dele; tudo o que compõem minha simples vida aqui na
terra eu entrego a ele, inclusive, o segundo coração que bate dentro de mim, este que
chegou na etapa final da minha vida acadêmica, trazendo-me muita força para continuar
persistindo em alcançar o objetivo final.

Agradeço com amor a minha avó/mãe paterna, Terezinha Silva, esta que não
me trouxe ao mundo, mas me criou com muito amor e dedicação, fazendo de mim uma
pessoa com bom caráter e personalidade. Em todas as minhas escolhas, seja pessoal, nos
estudos ou profissional, sempre tive o grandioso apoio que merecia por parte desta
mulher; em muitas das vezes também, esta renunciou aos seus próprios sonhos, para que
eu pudesse realizar os meus. Serei eternamente grata por tudo, por sempre estar presente
na minha vida de uma forma indispensável, por todo o amor, carinho, dedicação e, pelo
incentivo de prosseguir essa jornada acadêmica tão cheia de obstáculos.

Ao meu marido, pai da minha maior riqueza, meu companheiro incondicional.


Em todo o caminho percorrido, ele se fez presente, principalmente nos momentos de
fraqueza e decepções momentâneas, este foi além de tudo, meu melhor amigo; sempre
me acalmava com palavras de incentivo, com conselhos e abraços espontâneos, além de
aturar quase que frequentemente os meus estresses causados pelos estudos.

Aos professores que contribuíram grandiosamente para o desenvolvimento


deste trabalho, em especial a MSc. Layse Gama e ao MSc. Dirceu Santos, que em meio
à vida pessoal e/ou profissional agitada, oferecendo um pouco do seu tempo para
esclarecer dúvidas e repassar conhecimentos. Sou grata ao orientador Stanley Xavier
que também contribuiu de forma muito significativa para a realização do mesmo.

Agradeço aos familiares e amigos que ajudaram de alguma forma, até com uma
simples palavra de incentivo, e aos colegas acadêmicos que diariamente
proporcionavam momentos de descontração em meio tanta tensão e estresse.

Kamila Batista da Silva


“Tudo o que fizerem, seja em palavra
seja em ação, façam-no em nome do
Senhor Jesus, dando por meio dele
graças a Deus Pai.”

(Bíblia – Colossenses 3:17)

Kamila Batista da Silva


Dedico este trabalho primeiramente ao
Autor da vida, Deus. A mulher da minha
vida, minha mamãe, e a todos os meus
familiares que são o suporte de Deus em
minha vida.

Michella Regina Pacheco Sampaio


AGRADECIMENTOS

Agradeço a Deus por que Ele tem me sustentado até aqui, com sua graça
misericórdia e amor. Ele é o meu melhor amigo e consolador, quando estou triste Deus
está ao meu lado, quando estou feliz sei que é Ele o motivo da minha alegria. Os seus
ensinamentos me dão força para persistir e superar meus limites, Ele me trouxe até aqui.
Todas as etapas da minha vida são obras dEle, Ele é o meu refugio e minha fortaleza
sustento bem presente na hora da angustia, o meu salvador e redentor.
Como não agradecer a mulher mais importante da minha vida, minha mãe, minha
rainha, meu referencial de mulher, de honra, de louvor a Deus... o melhor presente de
Deus para a minha vida. Obrigada por cuidar de mim, obrigada por dedicar e investir o
seu tempo, a sua atenção e o seu amor em mim... Muito obrigada por ser minha MÃE,
em todos os sentidos dessa palavra. Obrigada por abri mão, muitas vezes, de si mesma e
de seus sonhos para investir em mim e em meus sonhos. Vovó Ray, muito obrigada por
estar ao meu lado me apoiando e me incentivando, você é maravilhosa! Agradeço
também aos meus familiares que me dão suporte e acreditam em mim, por me
mostrarem o caminho certo, por me fazerem rir, por me emocionarem com suas
conquistas, amo vocês... Vocês são o melhor de Deus para mim.
Agradeço ainda ao meu namorado, que por muitas vezes, durante este ano corrido,
teve que entender a minha ausência, por ser meu amigo, meu companheiro, meu anjo da
guarda, por me incentivar a estar cada vez mais perto de Deus... Muito obrigada por ser
este instrumento de Deus em minha vida. Sua paciência, seu carinho e sua dedicação me
fazem muito bem. Você é um presente de Deus em minha vida que chegou no tempo
certo.
Agradeço aos meus amigos da faculdade, que me suportaram por três anos, que
esta amizade não se perca com os anos mais que seja guardada e cultivada eternamente.
Vocês são incríveis, fizeram das minhas tardes de estudo uma loucura.
Aos professores que não ministraram apenas aulas mais que de alguma forma
transmitiram conhecimento e compartilharam um pouco da sua vida com cada aluno...
Obrigada pelo tempo, energia e sonhos que cada um de vocês depositou em nós alunos
em especial a professora Layse Gama, que nos inspirou com sua vida e aos professores
Dirceu dos Santos, Stanley Xavier, Guto e o professor Sleiman El Souk que nos
ajudaram na nesta corrida chamada TCC.
Muito obrigada a todos que de alguma forma contribuiu para que eu pudesse dar
mais um passo nessa longa jornada chamada: VIDA!

Michella Regina Pacheco Sampaio


“Porque dele e por ele, e para ele, são
todas as coisas; glória, pois, a ele
eternamente. Amém.”
(Bíblia – Romanos 11:36)

Michella Regina Pacheco Sampaio


LISTA DE FIGURAS

Figura 01: Primeira aplicação médica de raio X, Ciência Radiológica para tecnólogos
(Bushong, 2008)

Figura 02: Radiolesões típicas. Radiolesão típica na região palmar da mão esquerda
induzida por radiação ionizante em paciente exposto acidentalmente à radiação gama de
C137 (adaptado de Vasconcelos, 2006).

Figura 03: Exemplo de catarata subcapsular posterior induzida por radiação (adaptado
por Baptista, 2011).

Figura 04: Descoberta da Radioatividade, Estudo e Desenvolvimento de uma Nova


Metodologia para a Confecção de Sementes de Iodo-125 para Aplicação em
Braquiterapia (adaptado de Rostelato, 2005)

Figura 05: Fontes radioativas seladas, Comparação entre o Método de Fixação do Iodo
Radioativo em Substrato de Prata Para Confecção de Fontes Utilizadas em
Braquiterapia (adaptado de Souza, 2012)

Figura 06: Implante com sementes radioativas em câncer de próstata, adaptado da


Dissertação Estudo e Desenvolvimento de uma Nova Metodologia para a Confecção de
Sementes de Iodo-125 para Aplicação em Braquiterapia (adaptado de Rostelato, 2005)

Figura 07: Sala de tratamento e comando para a radioterapia (A); Aparelho de


braquiterapia guiado por controle remoto (B) (adaptado de Nandi, 2004).

Figura 08: Equipamento de raio X para uso em teleterapia, Estudo de funcionalidade e


Segurança para Aceleradores Lineares Utilizados em Radioterapia - Uma Contribuição
para a Gestão em Tecnologia Médico-Hospitalar (adaptado de Nandi, 2004)

Figura 09: Aparelho de telecobaltoterapia. Diagrama do cabeçote (A); Foto do


equipamento de telecobaltoterapia, Estudo de funcionalidade e Segurança para
Aceleradores Lineares Utilizados em Radioterapia - Uma Contribuição para a Gestão
em Tecnologia Médico-Hospitalar (adaptado de Nandi, 2004)

Figura 10: Acelerador Linear e mesa de tratamento, Estudo de funcionalidade e


Segurança para Aceleradores Lineares Utilizados em Radioterapia - Uma Contribuição
para a Gestão em Tecnologia Médico-Hospitalar (adaptado de Nandi, 2004)
LISTA DE SIGLAS

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária


CNEN - Comissão Nacional de Energia Nuclear
CNS – Conselho Nacional de Saúde
Gy – Gray
HOL – Hospital Ophir Loyola
ICRP – Comissão Internacional de Proteção Radiológica
IOE - Individuo Ocupacionalmente Exposto
KeV– Kiloeletronvolt
Kg–Quilograma
Kv - Quilovoltagem
Kvp- Kilovoltagem potência
mA - Miliamperagem
Mev - Megaeletronvolt
mm - Milímetro
mSv – Milissievert
Sv – Sievert
LISTA DE TABELAS

Tabela 01 – Limites de doses anuais retirado da CNEN NN3.01, 2011


Tabela 02 – Média e desvio padrão das variáveis tempo de serviço, tempo de trabalho
diário e tempo de trabalho semanal, 2013
Tabela 03 – Frequência absoluta e relativa das variáveis sexo e função,2013
Tabela 04 – Frequência absoluta e relativa da variável praticas de proteção radiológica,
2013
Tabela 05 – Frequência absoluta e relativa das variáveis sexo, função e praticas de
proteção radiológica do Grupo 01, 2013
Tabela 06 – Frequência absoluta e relativa das variáveis sexo, função e praticas de
proteção radiológica do Grupo 02, 2013
Tabela 07 – Frequência absoluta e relativa das variáveis sexo, função e praticas de
proteção radiológica do Grupo 03, 2013
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÂO .......................................................................................................................... 19
2 OBJETIVOS ............................................................................................................................... 21
2.1 OBJETIVO GERAL ................................................................................................................. 21
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS .................................................................................................... 21
3 METODOLOGIA ...................................................................................................................... 22
3.1 DESENHO DO ESTUDO ......................................................................................................... 22
3.2 TIPO DO ESTUDO .................................................................................................................. 22
3.3 POPULAÇÃO ALVO ............................................................................................................... 22
3.4 PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS ...................................................................... 22
4 REFERENCIAL TEORICA ..................................................................................................... 24
4.1 RADIOTERAPIA ..................................................................................................................... 27
4.2 BRAQUITERAPIA ................................................................................................................... 28
4.3 TELETERAPIA ........................................................................................................................ 31
4.4 PROTEÇÂO RADIOLOGICA DENTRO DA RADIOTERAPIA ............................................ 33
5 RESULTADOS E DISCUSSÃO................................................................................................ 41
5.1 AVALIAÇÃO GERAL DO SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DO HOSPITAL OPHIR
LOYOLA ........................................................................................................................................ 47
5.2 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DAS CONFORMIDADES NA PROTEÇÃO
RADIOLOGICA DOS SERVIDORES ATUANTES NO SETOR DE RADIOTERAPIA DO
HOSPITAL OPHIR LOYOLA ....................................................................................................... 49
5.2.1 GRUPO DE TECNÓLOGOS E TÉCNICOS EM RADIOLOGIA ........................................ 49
5.2.2 GRUPO DE ENFERMEIROS E TÉCNICOS EM ENFERMAGEM ..................................... 50
5.2.3 O FÍSICO MÉDICO ............................................................................................................... 51
5.2.4 GRUPO DE MÉDICOS ......................................................................................................... 51
6 CONCLUSÃO ........................................................................................................................... 52
REFERÊNCIAS ............................................................................................................................ 53
APÊNDICE A ................................................................................................................................ 56
APÊNDICE B ................................................................................................................................ 57
ANEXOS ............................................................................................................................................
19

1. INTRODUÇÃO

A radioterapia é uma modalidade de tratamento eficaz para a terapêutica do câncer. No


Brasil, ainda hoje, o câncer representa a segunda causa de óbito na população adulta, porém
avanços no que se refere a diagnóstico e tratamento tiveram expressivo aumento nos últimos
20 anos, permitindo diagnósticos precoces aliados a tratamentos terapêuticos, possibilitando
um aumento da sobrevida e qualidade de vida destes pacientes, e por muitas vezes alcançando
a cura de casos antes considerados incuráveis. (INCA, 2011)
O tripé de tratamento do câncer se baseia em cirurgia, quimioterapia e a radioterapia.
Porém, as cirurgias dependem de muitos fatores como: localização do tumor se é de fácil
acesso ou não e volume tumoral que também podem implicar na realização ou não de uma
cirurgia, a quimioterapia, por vezes, só se torna eficaz quando utilizada de forma conjunta a
outras terapêuticas, sendo a radioterapia a usualmente utilizada em combinação com a
quimioterapia. A radioterapia configura-se com o uso das radiações ionizantes para promover
a destruição ou redução do volume tumoral, tendo seu sucesso alcançado quando uma grande
energia é depositada no tumor alvo sem que órgãos vitais ou tecidos circunvizinhos ao tumor
sejam atingidos ou danificados, seguindo desta forma os limites de proteção radiológica
preconizados. Divide-se em braquiterapia, quando são utilizadas fontes de proporção diminuta
e seladas no tratamento, que serão inseridas no interior do corpo do paciente ou em contato
sobre a área de tratamento, e a teleterapia, onde a fonte de radiação esta localizada externa e
posicionada a uma determinada distância do volume alvo a ser tratado.
O INCA (Instituto Nacional do Câncer) estimou para o ano de 2012, no Estado do Pará,
pelo menos mais 9.670 novos casos, divididos entre homens e mulheres e destes, pelo menos
60% viriam a precisar dos serviços de radioterapia, onde grandes doses de radiação são
empregadas nos pacientes em tratamento, por isso, a necessidade do cumprimento das normas
de proteção radiológica, que vão desde o cuidado com o paciente, como também abrange a
necessidade de conhecer as formas de radioproteção em seu local de trabalho. No Estado do
Pará, a utilização dessa terapia vem aumentando nos últimos anos, possibilitando a muitos
pacientes evoluir de forma positiva diante de carcinomas, este tratamento exige a atuação
conjunta de um grupo de profissionais: médicos, físicos médicos, enfermeiros, tecnólogos,
técnicos, que podem ser ocupacionalmente expostos na execução do trabalho.
A CNEN é a instituição responsável por autorizar e fiscalizar a utilização de radiação
ionizante em procedimentos médicos e, inclusive, a radioterapia. Portanto, através da norma
NN- 3.01 e NE 3.06, o CNEN estabeleceu diretrizes básicas de proteção radiológica, com o
20

objetivo de controlar e diminuir a exposição dos profissionais envolvidos no tratamento,


diminuindo os efeitos biológicos causados pela radiação ionizante. O Hospital Ophir Loyola é
a referência em radioterapia para tratamento de câncer no Estado. Seu funcionamento está
regularizado pela matrícula CNEN n° 11.519. A pesar de a CNEN fiscalizar e regulamentar a
exposição nos serviços de radioterapia nenhum estudo científico, no Estado do Pará, avaliou,
até o momento, por meio de suas práticas cotidianas de radioproteção, a exposição dos
profissionais envolvidos diretamente nessa atividade.
Sabendo-se que pouco se tem descrito sobre a quantificação da exposição em nível
nacional, referentes a essa avaliação das práticas de radioproteção dos profissionais da
radioterapia, surgiu então, a necessidade desta observação sobre os mesmos, principalmente
na aplicação voltada para o Estado do Pará, baseando a pesquisa em autores como Bushong,
Flôr, Gelbeck, Okuno, Miranda, Souza, Giglioli, entre outros, os quais desenvolveram estudos
voltados para as questões da aplicação médica das radiações ionizantes e a educação
continuada no ambiente de trabalho, bem como as questões da radioproteção.
21

2. OBJETIVOS

2.1 GERAL

Observar as práticas de proteção radiológica dos profissionais expostos à radiação


ionizante do serviço de radioterapia do Hospital Ophir Loyola – Pará,

2.2 ESPECÍFICOS

 Levantar o numero de servidores atuantes no serviço de radioterapia do Hospital Ophir


Loyola;
 Identificar os procedimentos de radioproteção utilizados no setor a partir da aplicação
de questionário semi estruturado;
 Avaliar se os procedimentos de radioproteção, descritos por cada grupo de
profissionais ocupacionalmente expostos do setor de radioterapia encontram-se em
consonância com as normas pré-estabelecidas pela CNEN e ANVISA;
 Ressaltar os riscos aos quais todos os profissionais envolvidos em serviços de
radioterapia, são expostos se negligenciarem as questões inerentes as práticas das diretrizes
básicas de proteção radiológica estabelecidas pela CNEN e ANVISA.
22

3. METODOLOGIA

3.1 DESENHO DO ESTUDO

A presente pesquisa foi realizada de acordo com os preceitos da Resolução 466/2012,


que trata da pesquisa envolvendo seres humanos, do Conselho Nacional de Saúde e submetida
à apreciação ética via Plataforma Brasil, no Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Ophir
Loyola e aprovado sob o parecer nº 385.922 de 05/09/2013 (CAAE: 19420713.7.0000.5550).
estudo fez a análise do questionário, aplicado aos funcionários da radioterapia do Hospital
Ophir Loyola-PA, indicando o nível de informação e atuação da prática de proteção
radiológica dos profissionais envolvidos no tratamento radioterápico.
A presente pesquisa não apresenta como risco, aos sujeitos da casuística, a quebra do
direito ao sigilo as informações médicas registradas em prontuários, para minimizar esses
riscos os dados coletados do prontuário serão registrados em um formulário de pesquisa sem a
identificação nominal dos participantes do estudo.
Os benefícios para os sujeitos da pesquisa e para a sociedade será a possibilidade de se
evidenciar, se práticas cotidianas de trabalho não estejam de acordo com as normas vigentes
nas normas CNEN NN3.01, NE 3.06, NE 6.02 e Portaria 453/98 e assim, fundamentar a
prestação de um cuidado melhor e mais focado os profissionais envolvidos no Setor de
Radioterapia do Hospital Ophir Loyola.

3.2 TIPO DE ESTUDO

Foi realizado um estudo analítico observacional de prevalência. A coleta de dados foi


realizada a partir de questionário realizado junto aso servidores envolvidos no serviço de
radioterapia do Hospital Ophir Loyola – Pará.

3.3 POPULAÇÃO ALVO

A população estudada compreendeu trinta (30) dos sessenta e quatro (64) servidores
envolvidos no serviço de radioterapia do Hospital Ophir Loyola – Pará, no período de
novembro de 2013.
23

3.4 PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS

A coleta de dados foi realizada em duas fases:


1) Questionário empregado aos servidores do setor de radioterapia do Hospital Ophir
Loyola, para a avaliação de suas práticas cotidianas de radioproteção (APÊNDICE A).
2) Questionário empregado ao Supervisor de Proteção Radiológica do setor de
radioterapia do Hospital Ophir Loyola – Pará. (APÊNDICE B).
As variáveis coletadas foram: idade, sexo, função, tempo de serviço, horas diárias e
semanais de trabalho, se tem filhos, se são saudáveis, trabalha em mais de um lugar, já
presenciou algum contratempo com os aparelhos de radioterapia, se utiliza dosímetro, se faz a
troca mensal do dosímetro, se participa de programas de treinamento na instituição, se já teve
o dosímetro com leitura alterada, concorda com os padrões de radioproteção da instituição, se
possui sistema audiovisual de comunicação entre a sala de comendo e a sala de tratamento, se
a porta da sala de exames abre por dentro, se o serviço tem autorização da CNEN para o
serviço, possui aparelho de aferição de área, se o aparelho de aferição é calibrado, com que
frequência ele é calibrado, existe um programa de radioproteção no serviço, se existe
sinalização luminosa fora da sala, sinalização com o símbolo da radiação no serviço.
24

4. REFERENCIAL TEORICO

A radiação X foi descoberta incidentalmente pelo físico Wilhelm Conrad Rontgen em 8


de dezembro de 1895, quando este realizava pesquisas com tubos catódicos em seu
laboratório. Ao realizar o experimento sobre a propagação dos raios catódicos fora do tubo,
ele observou que uma placa de platinocianeto de bário brilhava durante a exposição e que
mesmo ao pôr materiais densos entre o tubo e a placa, esta ultima continuava a ser
sensibilizada, ou seja, o tubo emitia algo capaz de atravessar barreiras e de sensibilizar a
placa. Sendo a imagem da figura 01 vista como a primeira imagem médica adquirida com a
utilização das radiações ionizantes experimento feito por Rontgen na mão de sua esposa.
(MARTINS, 1997; AFONSO & PIMENTEL, 2008)

Figura 1: Esta é a primeira indicação da aplicação médica de raios x


Fonte: Bushong, Ciência Radiológica para tecnólogos (2008)

Os avanços científicos e tecnológicos influenciaram diretamente para que o emprego


da atividade que envolve radiação ionizante fosse popularizado e o seu acentuado crescimento
implicou no emprego inadequado da radiação, mesmo sendo em prol da humanidade (LIMA
et al, 2009)
25

Bushong (2008) relata a primeira morte associada aos efeitos deletérios da radiação X
em 1904, quando Clarence Dally, assistente de Thomas Edison em seus experimentos sobre
os equipamentos de fluroscopia, teve primeiramente seus braços amputados e sua consequente
morte, surgindo, neste momento, os primeiros trabalhos referentes ao controle de exposição à
radiação X e seus efeitos biológicos.
Na década de 20 e 30, um técnico em radiologia, semanalmente, tinha o hábito de
visitar um laboratório de hematologia para testes sanguíneos de rotina. O que mostra a
preocupação com os possíveis efeitos nocivos da radiação ionizante aos indivíduos
ocupacionalmente expostos (IOE) (BUSHONG, 2008)
Evidenciando questões, que nos dias de hoje, estão inseridas na radiobiologia, pode-se
destacar os danos sofridos pelo DNA humano, em virtude da produção de íons e deposição de
energia resultante da interação das radiações ionizantes com o organismo. Este dano está
intimamente ligado à dose recebida e a região de entrada desta radiação, onde as células
podem ter por consequência, incapacidade de se reproduzir ou sofrer modificação
permanente, o que é visto como o primeiro passo para o surgimento de um câncer e até
mesmo a morte celular. (SORES & FERREIRA, 2002)
Quanto aos efeitos radioinduzidos, suas denominações/classificações, estão
intimamente ligadas à dose recebida, forma de sua resposta biológica, tempo de aparecimento
e ao nível do dano. Sendo assim, são classificados em: estocástico e determinístico, quando
ligado à dose e forma de resposta; imediatos ou tardios, quando referida ao tempo de
aparecimento das respostas biológicas e em somáticos e genéticos, quando estão em função
do nível de dano biológico. (HIRATA & FILHO, 2002)
Os efeitos determinísticos são aqueles que ocorrem a partir de um limiar de dose, são
resultantes de altas taxas de dose, causando a morte celular que, no tecido ou órgão atingido,
se refletirá em um mau funcionamento do mesmo, como por exemplo, queimaduras de pele,
cataratas e esterilidade temporária ou permanente. Nas imagens das figuras 02 e 03, estão os
exemplos do efeito deletério das radiações ionizantes, com a queimadura de pele e a catarata.
(OKUNO, 2013)
Já os efeitos estocásticos ocorrem sem um limiar de dose, porém, a probabilidade de
sua ocorrência aumenta com o aumento da dose e a frequência de exposições. As alterações
podem ocorrer nas células normais, através do surgimento de um câncer na pessoa irradia, ou
em seus descendentes, este último sendo classificado como efeito hereditário. (OKUNO,
2013)
26

Figura 2: Radiolesões típicas. Radiolesão típica na região palmar da mão


esquerda induzida por radiação ionizante em paciente exposto acidentalmente à
radiação gama de C137.
Fonte: VASCONCELOS, 2006.

Figura 3: Exemplo de uma catarata subcapsular posterior induzida por


radiação.
Fonte: BAPTISTA, 2011.

São classificados como efeitos biológicos imediatos, aqueles que surgem horas ou
semanas após a irradiação, tendo como exemplo a radiodermite. Os efeitos tardios surgem
anos ou décadas após a exposição, associados às doses baixas, porém regulares de radiação,
aumentando assim a probabilidade de sua ocorrência. São lesões em longo prazo como
câncer. (OLIVEIRA et. al. 2002)
27

Os efeitos somáticos e genéticos dependem de alguns fatores, sendo diferenciados a


partir do nível de dano biológico, podendo ocorrer na própria pessoa irradiada ou em seus
descendentes, respectivamente. (MIRANDA et al, 2005)
A dose absorvida, por exemplo, é definida como a quantidade de energia cedida à
matéria pelos fótons ou partículas ionizantes por unidade de massa, expressa em Gray (Gy) e
a dose equivalente como a relação entre a dose média no órgão ou tecido e o fator de
ponderação da radiação, ou seja, fator que leva em conta a radiossensibilidade do tecido ou
órgão, expressa em Sivert (Sv). (Tabela 01) (OKUNO, 2013).

Tabela 1. Limite de dose individual


Limites de doses anuais

Grandeza Órgão Indivíduo Indivíduo


ocupacionalmente do público
exposto

Dose efetiva Corpo inteiro 20mSv 1mSv

Dose equivalente Cristalino 20mSv 15mSv

Pele 500mSv 50mSv

Mãos e pés 500mSv ---

Fonte: CNEN 3.01.

4.1 RADIOTERAPIA

A radioterapia é uma modalidade de tratamento que utiliza radiação ionizante com a


finalidade de destruir células tumorais, visando à diminuição do volume do tumor ou erradicá-
lo, promovendo assim, qualidade de vida ao paciente, estancando hemorragias e até mesmo
aliviando as dores. O sucesso do tratamento depende da dose de radiação empregada no
tumor, sendo assim, quanto maior for à deposição de dose de radiação nas células tumorais e
quanto menos se atingir os tecidos sadios circunvizinhos, melhor é a resposta biológica ao
tratamento, seguindo assim os limites de proteção radiológica preconizados. (GIGLIOLI,
2012)
28

O tratamento radioterápico se apresenta sob duas formas, a Braquiterapia e a


Teleterapia, para o tratamento das neoplasias e ocupa importante posição na área da saúde. O
risco biológico, nela envolvidos, com o uso das radiações ionizantes, faz com que a prática
seja submetida e regulada não só por órgãos nacionais como a CNEN, ANVISA, como
também por princípios internacionais, Comissão Internacional de Proteção Radiológica
(ICRP) (EDUARDO & NOVAES, 2004).

4.2 BRAQUITERAPIA

Em 1896, Becquerel descobre a radioatividade natural do urânio, em seguida, o casal


Curie faz a descoberta do rádio em 1898, iniciam-se então estudos e atividades voltados para
o seu emprego no tratamento do câncer. (Figura 04) (ROSTELATO, 2005)

Figura 4: Descoberta da Radioatividade.


Fonte: ROSTELATO, 2005

Após três anos de estudo, iniciaram-se os primeiros tratamentos através do implante de


pequenas substâncias radioativas em tumores. A ideia do seu uso para tratamento de lesões
surgiu da observação feita por Pierre Curie, que espalhou radio226 em seu braço por dez horas,
tornando sua pele vermelha, com aspecto de queimadura, levando cerca de cinquenta e dois
dias para se reconstituir, Pierre Curie, concluiu que o material poderia ser usado para o
tratamento de lesões. (SOUZA, 2012)
A braquiterapia é a modalidade de tratamento radioterápico que faz uso de fontes de
radiação pequenas e seladas. Estas fontes são inseridas no interior da lesão ou colocadas em
29

contato direto sobre a área de tratamento a dose de radiação é liberada continuamente, por um
curto período de tempo, implantes temporários, ou durante todo o decaimento da fonte
radioativa, são os implantes permanentes. Na figura 05, as sementes radioativas foram
colocadas ao lado de uma moeda de dez centavos, como parâmetro de comparação, onde
temos idéia de sua dimensão diminuta, porém de alto poder energético. (OLIVEIRA et al,
2004)

Figura 5: Fonte Radioativa Selada.


Fonte: SOUZA (2012)

Ainda que dentro do serviço de radioterapia não se tenha notificado a morte de uma
pessoa por exposição, os primeiros profissionais a trabalhar com radiação ionizante morreram
em consequência dos efeitos tardios desta exposição, já que a dose total de radiação era
altíssima em relação aos padrões atuais. (BUSHONG, 2008)
Com o objetivo de se obter maior precisão nas doses administradas nos pacientes, data
de 1901, que médicos e pesquisadores deram inicio as dosimetrias. Tendo em vista que as
primeiras exposições eram calculadas/medidas conforme a própria resistência do paciente, a
chamada dose eritema. (SOARES, 2006)
O primeiro implante de sementes radioativas para braquiterapia de próstata foi
registrado nos Estados Unidos no Memorial Hospital, em outubro de 1915, utilizando agulhas
de rádio colocadas através do períneo e guiadas por toque retal, o que na época, levou a uma
grande exposição ocupacional, tendo em vista que o decaimento deste isótopo produzia gases
tóxicos, hoje em dia a técnica é feita com agulhamento guiado por ultrassom e a exposição é
guiada por controle remoto. A imagem na figura 06 mostra o agulhamento feito na região do
30

períneo em paciente que iniciará radioterapia de próstata em seguida, o aparelho de


braquiterapia, guiado por controle, imagem da figura 07, irá introduzir neste agulhamento as
sementes radioativas para o tratamento. (ESTEVES et al, 2006)

Figura 6: Colocação das agulhas para tratamento de câncer de próstata.


Fonte: ROSTELATO (2005)

Figura 7: Sala de Tratamento e Comando para Braquiterapia (A); Aparelho


de Braquiterapia guiado por controle remoto (B).
Fonte: NANDI, 2004.

A larga utilização da braquiterapia, através de implantes de sementes radioativas é


percebida, principalmente na recuperação mais rápida do paciente, que após a aplicação,
recebe alta hospitalar e leva de um á três dias para se recuperar em casa, com pouca ou
nenhuma dor, podendo voltar as suas atividades normais e ainda preservação de tecidos sadios
circundantes á lesão. Difere assim do tratamento por irradiação externa (teleterapia), onde o
31

paciente tem que se deslocar ao local de tratamento diariamente, durante sete ou oito semanas,
para as sessões diárias de terapia. (ROSTELATO, 2005)

4.3 TELETERAPIA

A teleterapia é uma palavra de origem grega que significa terapia à distância, sendo
assim, é caracterizada pela fonte de radiação posicionada externa e a certa distância do
volume alvo a ser tratado. Anterior a 1950, os serviços de radioterapia faziam uso dos
aparelhos produtores de raios X com energia média entre 100 e 300Kvp, o que prejudicava
em muito os tratamentos de lesões mais profundas. A partir da década de cinquenta, os
aparelhos foram gradualmente perdendo espaço para as aplicações médicas dos aparelhos de
cobaltoterapia, com emissão de radiação gama. Neste tratamento são utilizados isótopos
radiativos produtores de radiação gama como o cobalto 60, ou raios X que podem ser
produzidos por equipamentos de kilovoltagem ou ainda raios X de magavoltagem e feixes de
elétrons produzidos em aceleradores lineares. (GIGLIOLI, 2012)
A teleterapia pode ser classificada em: superficial quando utiliza raios X de energia até
80KeV, destinando-se ao tratamento de neoplasias de pele, semi-profunda/ortovoltagem, esta
foi a principal modalidade dentro da radioterapia antes do advento da cobaltoterapia. A
cobaltoterapia, utiliza raios X entre 100 e 300KeV, tratando lesões mais avançadas da pele,
metástases superficiais e alguns processos inflamatórios. Por fim, a teleterapia profunda,
utiliza energia de megavoltagem e é destinada ao tratamento das neoplasias viscerais. Utiliza
fótons de energia superior a 1 MeV, produzidas em unidades de cobalto60 (Co60) e
aceleradores lineares, evidenciados nas figuras 08, 09 e 10, respectivamente.(SANCHEZ,
2006)
32

Figura 8: Aparelho de Raios X para uso em Radioterapia.


Fonte: NANDI, 2004.

Figura 9: Imagem A – Diagrama do Cabeçote do Aparelho de


Cobaltoterapia; Imagem B- Equipamento de Cobaltoterapia.
Fonte: NANDI, 2004.

Os aparelhos de cobaltoterapia surgiram em meados da década de 50, quando se tornou


possível produzir, por meio de reatores nucleares, um radioisótopo com alta atividade para
uso médico e de intensidade de energia de 1,25MeV. Neste equipamento a fonte esta
irradiando continuamente, porém sua aplicação no tratamento se da somente quando a fonte é
exposta para fora do compartimento que a envolve. (NANDI, 2004)
33

Figura 10: Acelerador Linear e Mesa de Tratamento.


Fonte: NANDI, 2004.

Os aceleradores lineares surgiram da necessidade em se tratar lesões com diferentes


profundidades, estes, foram desenvolvidos na década de 40 e só comercializados á partir da
década de 60. Além de apresentar vantagem em relação à profundidade do ponto máximo de
dose, sendo esta de 30 mm abaixo da pele, enquanto que na cobaltoterapia é de 10 mm abaixo
da pele. Os aceleradores lineares oferecem maior segurança aos trabalhadores envolvidos no
serviço, que deixam de operar equipamentos emissores de radiação para operar equipamentos
produtores de radiação. (NANDI, 2004)

4.4 PROTEÇÃO RADIOLÓGICA DENTRO DA RADIOTERAPIA

Configuram-se como profissionais atuantes em centros de tratamento radioterápico, uma


equipe multiprofissional, onde atuam médicos oncologistas, físicos médicos, enfermeiros,
técnicos em enfermagem, tecnólogos e técnicos em radiologia, daí a importância em se
conhecer e compreender os riscos físicos das radiações ionizantes e a prática dos princípios
radiológicos de proteção, diminuindo o risco ocupacional inerente á esta prática cotidiana.
(EDUARDO & NOVAES, 2009)
Defende-se assim, a implantação de programas de educação permanente que
consolidem práticas e estratégias pedagógicas no setor da saúde, tendo em vista a necessidade
de manter a atualização desses profissionais, através do controle e validação dos
procedimentos de proteção. (MACHADO et al, 2009)
34

Dentre os procedimentos de proteção radiológica, tem-se inserido tempo de exposição,


onde tempo e dose são diretamente proporcionais, quanto maior o tempo de exposição maior
será a dose recebida. À distância e a dose são inversamente proporcionais, compreendida da
seguinte forma: Na medida em que um indivíduo se afasta da fonte de radiação, a dose por ele
recebida diminui. E também a blindagem, procedimento de amplo emprego no setor
radioterápico, se constituindo como o principal método de proteção contra a radiação externa,
onde materiais de blindagem são utilizados entre a fonte e o meio a ser protegido, fazendo a
atenuação do campo de irradiação. (IPEN, 2013)
Diante destas questões, a Comissão Internacional de Proteção Radiológica (ICRP), em
1991, revisou suas recomendações no que se refere às doses ocupacionais, publicadas em
1990 através da Publicação 60. Nessas Recomendações da ICRP de 1990, determinou-se que
as doses ocupacionais seriam de 50 mSv em cinco anos e, com a revisão de 1991, baseada nos
resultados do Relato V do Comitê dos Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes(BEIR),
estabeleceu-se que os efeitos à saúde da exposição a baixas doses de radiação ionizante
deveria ser reduzido para 20mSv/ano. (ICPR, 1991).
Comissões internacionais, criadas com a incumbência de elaborar as normas de proteção
radiológica e de impor limites de doses às radiações ionizantes para indivíduos
ocupacionalmente exposto e o público em geral, se reúnem periodicamente e cada país tem a
sua instituição, que faz as adequações das normas internacionais e as introduzem para
regulamentar o uso das radiações ionizantes em seu país. (OKUNO, 2013).
No Brasil, o Órgão Federal responsável pelas Normas Básicas de Proteção Radiológicas
e controle no que se refere às aplicações médicas de medicina nuclear, radioterapia e
monitoração individual, é a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), criada em 1962,
através da lei 4.118. (NAVARRO et al.,2008).
A CNEN, por lei, exerce o papel de propor normas, regulamentos, métodos e sistemas
que assegurem os níveis de garantia de qualidade exigidos pela aplicação da energia nuclear
para o bem-estar da população, atuando no controle de instalações nucleares, licença de
operação e comércio de radioisótopos artificiais e substâncias radioativas. (NAVARRO et. al.,
2008)
Todo serviço que faz uso das radiações ionizantes, principalmente os voltados à prática
médica terapêuticas, devem possuir licença para suas instalações. A CNEN NN 6.02de julho
de 1998 se refere aos serviços que utilizam as radiações ionizantes, preconizando localização
do serviço, construção do espaço físico e modificações de instalações - Licenciamento de
Instalações Radiativas-. (CNEN-NN-6.02, 1998)
35

Nesse sentido, a partir da Resolução CNEN n° 27/2004, Norma NN 3.01, definiu-se os


requisitos básicos de proteção radiológica das pessoas em relação às radiações ionizantes, no
que se refere às práticas radiológicas. (CNEN-NN-3.01, 2004).

São eles:
5.4.1. JUSTIFICAÇÃO.
5.4.1.1 Nenhuma prática ou fonte associada a essa prática será aceita pela CNEN, a
não ser que a prática produza benefícios, para os indivíduos expostos ou para a
sociedade, suficiente para compensar detrimento correspondente, tendo-se em conta
fatores sociais e econômicos, assim como outros fatores pertinentes;
5.4.1.2 As exposições médicas de pacientes devem ser justificadas, ponderando-se
os benefícios diagnósticos ou terapêuticos que elas venham a produzir em relação ao
detrimento correspondente, levando-se em conta os riscos e benefícios de técnicas
alternativas disponíveis, que não envolvam exposição;
5.4.1.3Com exceção das práticas com exposições médicas justificadas, as seguintes
práticas não são justificadas, sempre que, por adição deliberada de substâncias
radioativas ou por ativação, resultem em aumento da atividade nas mercadorias ou
produtos associados:
a) as práticas que envolvam alimentos, bebidas, cosméticos ou quaisquer outras
mercadorias ou produtos destinados a ingestão, inalação, incorporação percutânea ou
aplicação no ser humano;
b) as práticas que envolvam o uso frívolo de radiação ou substâncias radioativas em
mercadorias ou produtos, estando incluídos, desde já, brinquedos e objetos de
joalheria ou de adorno pessoal;
c) exposições de pessoas para fins de demonstração ou treinamento.
5.4.2 LIMITAÇÃO DE DOSE INDIVIDUAL

5.4.2.1A exposição normal dos indivíduos deve ser restringida de tal modo que nem
a dose efetiva nem a dose equivalente nos órgãos ou tecidos de interesse, causadas
pela possível combinação de exposições originadas por práticas autorizadas,
excedam o limite de dose especificado na tabela a seguir, salvo em circunstâncias
especiais, autorizadas pela CNEN. Esses limites de dose não se aplicam às
exposições médicas.
36

Limites de doses anuais[a]

Grandeza Órgão Indivíduo Indivíduo do


ocupacionalmente público
exposto

Dose Corpo 20mSv[b] 1mSv


efetiva inteiro

Dose Cristalino 20mSv[b] 15mSv[c]


equivalente
Pele[d] 500mSv 50mSv

Mãos e pés 500mSv ---

[a] Para fins de controle administrativo efetuado pela CNEN, o termo dose anual
deve ser considerado como dose no ano calendário, isto é, no período decorrente de
janeiro a dezembro de cada ano.
[b] Média aritmética em 5 anos consecutivos, desde que não exceda 50 mSv em
qualquer ano.
(Alterado pela Resolução CNEN 114/2011)
[c] Em circunstâncias especiais, a CNEN poderá autorizar um valor de dose efetiva
de até 5 mSv em um ano, desde que a dose efetiva média em um período de 5 anos
consecutivos, não exceda a 1 mSv por ano.
[d] Valor médio em 1 cm2 de área, na região mais irradiada.
Os valores de dose efetiva se aplicam à soma das doses efetivas, causadas por
exposições externas, com as doses efetivas comprometidas (integradas em 50 anos
para adultos e até a idade de 70 anos para crianças), causadas por incorporações
ocorridas no mesmo ano.

5.4.2.2 Para mulheres grávidas ocupacionalmente expostas, suas tarefas devem ser
controladas de maneira que seja improvável que, a partir da notificação da gravidez,
o feto receba dose efetiva superior a 1mSv durante o resto do período de gestação.
5.4.2.3Indivíduos com idade inferior a 18 anos não podem estar sujeitos a
exposições ocupacionais.
5.4.2.4Os limites de dose estabelecidos não se aplicam a exposições médicas de
acompanhantes e voluntários que eventualmente assistem pacientes. As doses devem
ser restritas de forma que seja improvável que algum desses acompanhantes ou
voluntários receba mais de 5 mSv durante o período de exame diagnóstico ou
tratamento do paciente. A dose para crianças em visita a pacientes em que foram
administrados materiais radioativos deve ser restrita de forma que seja improvável
exceder a 1 mSv.

5.4.3 OTIMIZAÇÃO

5.4.3.1 Em relação às exposições causadas por uma determinada fonte associada a


uma prática, salvo no caso das exposições médicas, a proteção radiológica deve ser
37

otimizada de forma que a magnitude das doses individuais, o número de pessoas


expostas e a probabilidade de ocorrência de exposições mantenham-se tão baixas
quanto possa ser razoavelmente exequível, tendo em conta os fatores econômicos e
sociais. Nesse processo de otimização, deve ser observado que as doses nos
indivíduos decorrentes de exposição à fonte devem estar sujeitas às restrições de
dose relacionadas a essa fonte.
5.4.3.2 Nas avaliações quantitativas de otimização, o valor do coeficiente monetário
por unidade de dose coletiva não deve ser inferior, em moeda nacional corrente, ao
valor equivalente a US$ 10000/pessoa. sievert.
5.4.3.3 A menos que a CNEN solicite especificamente, a demonstração de
otimização de um sistema de proteção radiológica é dispensável quando o projeto do
sistema assegura que, em condições normais de operação, se cumpram as 3 (três)
seguintes condições:
a) a dose efetiva anual média para qualquer IOE não excede 1 mSv;
b) a dose efetiva anual média para indivíduos do grupo crítico não ultrapassa 10Sv;
c) a dose efetiva coletiva anual não supera o valor de 1 pessoa Sv.
5.4.3.4 Como condição limitante do processo de otimização da proteção radiológica
em uma instalação, deve ser adotado um valor máximo de 0,3 mSv para a restrição
da dose efetiva anual média para indivíduos do grupo crítico, referente à liberação
de efluentes.
(alterado pela Portaria CNEN 07/2006, D.O.U. em 18/01/2006 )
5.4.3.5 Os efeitos cumulativos de cada liberação anual de qualquer efluente devem
ser restringidos de forma que seja improvável que a dose efetiva, em qualquer ano,
exceda o limite de dose aplicável. Devem-se levar em conta os indivíduos a qualquer
distância da fonte, abrangendo as gerações atuais e futuras, as liberações acumuladas
e as exposições decorrentes de todas as demais fontes e práticas pertinentes,
submetidas a controle.

O requisito 5.4.2 Limite de Dose Individual, diz que a exposição aceitável dos IOE,
deve ser restringida de tal modo que nem a dose efetiva (Gy) nem a dose equivalente (Sv),
nos órgãos ou tecidos de interesse, excedam os limites de dose, para corpo inteiro 20mSv,
sendo a média aritmética em cinco (05) anos, desde que não exceda 50mSv em qualquer ano.
(CNEN-NN-3.01, 2004).Ainda dentro da Normativa NN-3.01, tem-se estabelecidos requisitos
quanto às exposições dos IOE´S nos serviços que envolvam radiações ionizantes, suas
respectivas responsabilidades e de seu empregador, tais como na integridade das normas
subscritas:

5.7 EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL

5.7.1 Os titulares e empregadores de IOE são responsáveis pela proteção desses


indivíduos em atividades que envolvam exposições ocupacionais.
5.7.2 Os titulares e empregadores devem assegurar que os IOE ou indivíduos
eventualmente expostos à radiação cuja origem não esteja diretamente relacionada
38

ao seu trabalho, sejam tratados como os indivíduos do público e recebam o mesmo


nível de proteção.
5.7.3 O titular, ao terceirizar serviços que envolvam ou possam envolver exposição
de IOE a uma fonte sob sua responsabilidade, deve:
a) assegurar que o empregador esteja ciente de suas responsabilidades, em relação a
esses IOE, conforme estabelecidas nesta Norma;
b) assegurar ao empregador desses IOE, ou responsável pelos mesmos, que a
instalação atende aos requisitos de proteção radiológica desta Norma;
c) prestar toda informação disponível, com relação à conformidade a esta Norma,
que o empregador venha a requerer antes, durante ou após a contratação de tais
serviços.
5.7.4 Os titulares devem como condição prévia ao trabalho dos IOE terceirizados,
obter, dos empregadores, histórico de exposição ocupacional prévia e outras
informações que possam ser necessárias para fornecer proteção radiológica
adequada, em conformidade com esta Norma.

5.7.5 Os IOE devem:


a) seguir as regras e procedimentos aplicáveis à segurança e proteção radiológica
especificados pelos empregadores e titulares, incluindo participação em
treinamentos relativos à segurança e proteção radiológica que os capacite a conduzir
seu trabalho de acordo com os requisitos desta Norma;
b) fornecer ao empregador ou ao titular quaisquer informações sobre seu trabalho,
passado e atual, incluindo histórico de dose, que sejam pertinentes para assegurar
tanto a sua proteção radiológica como a de terceiros;
c) fornecer ao empregador ou ao titular a informação de ter sido ou estar sendo
submetido a tratamento médico ou diagnóstico que utilize radiação ionizante;
d) abster-se de quaisquer ações intencionais que possam colocá-los, ou a terceiros,
em situações que contrariem os requisitos desta Norma.
5.7.6 Os IOE devem comunicar ao empregador ou ao titular, tão logo seja possível,
qualquer circunstância que não esteja, ou possa vir a não estar, em conformidade
com esta Norma.
5.7.7 Os titulares e empregadores devem registrar qualquer comunicado recebido de
um IOE identificando qualquer circunstância que não esteja, ou possa vir a não
estar, em conformidade com esta Norma, e tomar as ações requeridas.
5.7.8 Os titulares devem relatar imediatamente à CNEN as situações em que os
níveis de dose especificados para fins de notificação forem atingidos.
5.7.9 Compensações ou privilégios especiais para IOE não devem, em hipótese
alguma, substituir os requisitos aplicáveis desta Norma.
5.7.10 Uma mulher ocupacionalmente exposta, ao tomar conhecimento da gravidez,
deve notificar imediatamente esse fato ao seu empregador.
5.7.11 A notificação da gravidez não deve ser considerada um motivo para excluir
uma mulher ocupacionalmente exposta do trabalho com radiação; porém o titular ou
empregador, nesse caso, deve tomar as medidas necessárias para assegurar a
proteção do embrião ou feto, conforme estabelecido na subseção 5.4.2.2 desta
Norma.
39

Especificamente aos serviços de radioterapia, a Norma, CNEN – NE - 3.06 de março


1990, estabelece regras de segurança e radioproteção referentes ao uso de fontes para fins
terapêuticos - Requisitos de Radioproteção e Segurança para os Serviços de Radioterapia.
(CNEN – NE – 3.06, 1990).
A Norma CNEN 3.06/90 tem por objetivo estabelecer os requisitos de radioproteção e
segurança ligados ao uso de radiações ionizantes, por fontes seladas e aceleradores de
partículas, utilizados na prática médica com fins terapêuticos. Estabelecendo e delimitando
áreas livre e restritas, dispositivos de blindagem, calibração de equipamentos de aferição,
dosimetria individual, monitoração de áreas, entre outras, sendo estes requisitos de
responsabilidade, primária, do Supervisor de Proteção Radiológica (SPR), que é pessoa física,
credenciada pela CNEN para supervisionar a aplicação das medidas de radioproteção, através
do serviço de radioproteção. (CNEN – NE – 3.06, 1990)
Sendo assim, ficam estabelecidos os seguintes requisitos:

5. REQUISITOS GERAIS DE RADIOPROTEÇÃO EM RADIOTERAPIA

Os seguintes requisitos gerais de Radioproteção em Radioterapia devem ser


atendidos:
a) Não é permitida a presença de acompanhantes na sala de irradiação e em quartos
destinados a braquiterapia;
b) Não é permitida a irradiação de pessoas para propósitos de treinamento ou
demonstração, a menos que exista também um objetivo terapêutico indicado por
recomendação médica;
c) Em tratamentos com feixes de radiações com energias superiores a 60keV
não é permitida a presença de qualquer pessoa na sala de tratamento; para energias
inferiores 60keV é obrigatório o uso de vestimentas de proteção com espessura
equivalente a 0,5mm de chumbo;
d) Possibilidade da observação e comunicação com os pacientes em condições
de tratamento a partir da sala de controle;
e) Possibilidade de abertura das portas das salas de tratamento pelo lado de
dentro;
f) Planejamento do tratamento radioterápico efetuado de forma a reduzir tão
razoavelmente quanto exequível a dose equivalente efetiva em pacientes,
especialmente a dose equivalente em fetos e em órgãos radiossensíveis que não
sejam objeto do tratamento tais como gônadas, medula óssea, seios femininos, etc;
g) Permanência de pacientes aguardando tratamento em áreas livres;
h) Adoção de cuidados especiais quando gônadas, particularmente de pacientes
jovens, estão dentro ou próximas do feixe útil de radiação, estas deve ser blindadas
tão efetivamente, quanto possível, a menos que a blindagem possa interferir nas
condições do tratamento;
i) Limitação do feixe útil de radiação à menor área possível do paciente
consiste com os objetivos do tratamento.
40

Além dos requisitos de radioproteção estabelecidos na Norma CNEN NN 3.01, todo


Serviço de Radioterapia deve possuir um Plano de Radioproteção que esta evidenciada na
Normativa NE 3.06, contendo nele as seguintes informações:

4.4 PLANO DE RADIOPROTEÇÃO

O Serviço de Radioterapia deve possuir um Plano de Radioproteção contendo, além


daquelas citadas na norma CNEN NN 3.01, as seguintes informações:
a) organização do Serviço, as atribuições específicas do Supervisor de
Radioproteção e da equipe médica;
b) treinamento específico ministrado à equipe médica do Serviço, incluindo
programas decursos e carga horária;
c) projeto das instalações, em escala, incluindo as áreas destinadas ao uso,
preparação, medida e armazenamento de material radioativo, inclusive locais
destinados à deposição de rejeitos radioativos e as áreas destinadas à internação de
pacientes em tratamento de Braquiterapia;
d) classificação das áreas das instalações, controle de acesso em áreas restritas e
sinalização específica;
e) instrumentação para medição da radiação, fornecendo a relação dos monitores de
área e dosímetros clínicos com os respectivos certificados de calibração em vigor;
f) plano para situações de emergência, fornecendo as possíveis condições de
acidentes, prováveis consequências, e os procedimentos que serão adotados para
controlá-las;
g) procedimentos de radioproteção utilizados durante as sessões de radioterapia,
incluindo em braquiterapia a monitoração de área com o paciente internado.
h) gerência de rejeitos radioativos, em conformidade com norma CNEN NE
6.05incluindoinventário dos rejeitos provenientes de braquiterapia (fontes de
cobalto60, rádio226, césio137, irídio192 e estrôncio90), e condições de armazenamento
dos mesmos;
i) controle físico das instalações;
j) procedimentos e resultados de monitorações radiológicas de todas as áreas onde
são manuseadas, utilizadas e armazenadas fontes de radiação;
k) dosimetria inicial completa das fontes de radiação e frequência de realização;
l) inventário das fontes de braquiterapia existentes;
m) procedimentos empregados para o transporte de material radioativo, interno e
externo ao Serviço, incluindo materiais adquiridos.

Quando se trabalha com radiações ionizantes, é importante que o trabalhador se


mantenha esclarecido e informado sobre os possíveis riscos inerentes ao seu dia-a-dia,
respeitando-se as ações preventivas preconizadas. (RAMOS et al., 2009).
A necessidade de programas educativos, específicos, voltados para a qualificação dos
profissionais envolvidos na radioterapia sobre proteção radiológica, buscar o cuidado como
uma ação de educação continuada, um produto em permanente reconstrução (FLOR &
GELBECK,2009).
41

5. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados apresentados neste estudo partiram de uma pesquisa de campo, onde se


objetivou, com a aplicação de trinta questionários, observar e analisar as práticas de proteção
radiológica dos profissionais envolvidos no setor da radioterapia. A partir do questionário,
obtivemos informações sobre os participantes da pesquisa, a saber, dados pessoais,
profissionais e, sobre a prática de radioproteção aplicada diariamente no local de trabalho dos
mesmos, a fim de proteger a si mesmo, e a sociedade dos efeitos nocivos da radiação
ionizante. Após a análise dos dados coletados através dos questionários, foi possível elaborar
os resultados deste estudo utilizando-se técnicas estatísticas.

Tabela 2. Média e desvio-padrão das variáveis: idade, peso, tempo de serviço, tempo de
trabalho diário e tempo de trabalho semanal de profissionais do setor da radioterapia do
hospital Ophir Loyola, 2013.

Variáveis Média Desvio-padrão


(n=29)

Idade (em anos) 36 ±7,2

Peso (Kg) 71,8 ±16,4

Tempo de serviço (anos) 6,4 ±6,0

Tempo de trabalho diário (em horas) 5,6 ±1,7

Tempo de trabalho semanal (em horas) 29,5 ±8,2

Trabalha em mais de um lugar 0,89 ±1,05


envolvendo radiação?

Tem filhos? 1 ±1

Filhos não saudáveis por consequência 0 ±0


da radiação

Fonte: Pesquisa de campo


42

Tabela 3. Frequência absoluta e relativa da variável sexo e função dos profissionais do setor
de radioterapia do hospital Ophir Loyola, 2013.

Variáveis n (n=29) %

Sexo
Masculino 15 51,7%
Feminino 14 48,3%

Função
Tecnólogo em Radiologia 6 20,7%
Técnico em Radiologia 8 27,6%
Técnico em Enfermagem 7 24,2%
Enfermeiro 2 6,9%
Físico 1 3,4%
Médico 5 17,2%

Fonte: Pesquisa de campo

Tabela 4. Frequência absoluta e relativa da variável práticas de proteção radiológica dos


profissionais do setor da radioterapia do Hospital Ophir Loyola, 2013.

Variáveis n %
(n=29)

Faz uso de dosímetro?


Sim 24 82,8%
Não 5 17,2%

Usa com que frequência?


Diariamente 20 83,3%
Esporadicamente 4 16,7%

Realiza troca de dosímetro?


Sim 24 82,7%
Não 5 17,3%

Já presenciou eventualmente contratempo nos


equipamentos de radioterapia?
Sim 10 34,5%
Não 19 65,5%

Qual contratempo?
Maior e/ou menor dose programada 3 30%
Problemas Técnicos 3 30%
Pane nos equipamentos 3 30%
Fonte de Braquiterapia não recolheu 1 10%

Concorda com os padrões de proteção


43

radiológica utilizado neste setor?


Sim 28 96,6%
Não 1 3,4%

Já teve relatório dosimétrico com valores de


leitura mensal alterado?
Sim 7 24,2%
Não 22 75,8%

Qual Justificativa para a alteração do dosímetro?


Caiu acidentalmente na sala de tratamento 5 71,4%
Não possui justificativa 2 28,6%

Participa de programas de treinamento sobre


proteção radiológica em radioterapia?
Sim 13 44,9%
Não 16 55,1%

Qual a frequência de participação nos


treinamentos?
Anualmente 2 15,4%
A cada dois anos 3 23%
Semestralmente 3 23%
Raramente 5 38,6%
Fonte: Pesquisa de campo.

Tabela 5. (Grupo 1) Frequência absoluta e relativa da variável sexo, função e práticas de


proteção radiológica dos técnicos e tecnólogos em radiologia do setor da radioterapia do
hospital Ophir Loyola, 2013.

Variáveis n (n=14) %

Sexo
Masculino 9 64,2%
Feminino 5 35,8%

Função
Tecnólogo em Radiologia 6 42,9%
Técnico em Radiologia 8 57,1%

Faz uso de dosímetro?


Sim 13 92,8%
Não 1 7,20%

Usa com que frequência?


Diariamente 10 76,9%
Esporadicamente 3 23,1%

Realiza troca de dosímetro?


Sim 13 92,8%
44

Não 1 7,20%

Já presenciou eventualmente contratempo


nos equipamentos de radioterapia?
Sim 5 35,8%
Não 9 64,2%

Qual contratempo?
Maior e/ou menor dose programada 3 60%
Problemas Técnicos 0 0%
Pane nos equipamentos 2 40%
Fonte de Braquiterapia não recolheu 0 0%

Concorda com os padrões de proteção


radiológica utilizado neste setor?
Sim 13 92,8%
Não 1 7,20%

Já teve relatório dosimétrico com valores de


leitura mensal alterado?
Sim 6 42,9%
Não 8 57,1%

Qual Justificativa para a alteração do


dosímetro?
Caiu acidentalmente na sala de tratamento 4 66,6%
Não possui justificativa 2 33,4%

Participa de programas de treinamento


sobre proteção radiológica em
radioterapia?
Sim 9 64,2%
Não 5 35,8%

Qual a frequência de participação nos


treinamentos?
Anualmente 2 22,2%
A cada dois anos 3 33,3%
Semestralmente 1 11,2%
Raramente 3 33,3%
Fonte: Pesquisa de campo
45

Tabela 6. (Grupo 2) Frequência absoluta e relativa da variável sexo, função e práticas de


proteção radiológica dos técnicos em enfermagem e enfermeiros do setor da radioterapia do
hospital Ophir Loyola, 2013.

Variáveis n (n=9) %

Sexo
Masculino 1 11,2%
Feminino 8 88,8%

Função
Técnico em Enfermagem 7 77,7%
Enfermeiro 2 22,3%

Faz uso de dosímetro?


Sim 5 55,5%
Não 4 44,5%

Usa com que frequência?


Diariamente 5 55,5%
Esporadicamente 0 0%

Realiza troca de dosímetro?


Sim 5 55,5%
Não 4 44,5%

Já presenciou eventualmente contratempo nos


equipamentos de radioterapia?
Sim 3 33,4%
Não 6 66,6%

Qual contratempo?
Maior e/ou menor dose programada 0 0%
Problemas Técnicos 3 100%
Pane nos equipamentos 0 0%
Fonte de Braquiterapia não recolheu 0 0%

Concorda com os padrões de proteção


radiológica utilizado neste setor?
Sim 9 100%
Não 0 0%

Já teve relatório dosimétrico com valores de


leitura mensal alterado?
Sim 1 11,2%
Não 8 88,8%

Qual Justificativa para a alteração do


dosímetro?
Caiu acidentalmente na sala de tratamento 1 100%
Não possui justificativa 0 0%

Participa de programas de treinamento sobre


46

proteção radiológica em radioterapia?


Sim 1 11,2%
Não 8 88,8%

Qual a frequência de participação nos


treinamentos?
Anualmente 0 0%
A cada dois anos 0 0%
Semestralmente 0 0%
Raramente 1 100%
Fonte: Pesquisa de campo

Tabela 7. (Grupo 3) Frequência absoluta e relativa da variável sexo, função e práticas de


proteção radiológica dos médicos do setor da radioterapia do hospital Ophir Loyola, 2013.

Variáveis n (n=5) %

Sexo
Masculino 4 80%
Feminino 1 20%

Função
Médico 5 100%

Faz uso de dosímetro?


Sim 5 100%
Não 0 0%

Usa com que frequência?


Diariamente 4 80%
Esporadicamente 1 20%

Realiza troca de dosímetro?


Sim 5 100%
Não 0 0%

Já presenciou eventualmente contratempo nos


equipamentos de radioterapia?
Sim 2 40%
Não 3 60%

Qual contratempo?
Maior e/ou menor dose programada 0 0%
Problemas Técnicos 0 0%
Pane nos equipamentos 1 50%
Fonte de Braquiterapia não recolheu 1 50%

Concorda com os padrões de proteção radiológica


utilizado neste setor?
Sim 5 100%
Não 0 0%
47

Já teve relatório dosimétrico com valores de


leitura mensal alterado?
Sim 0 0%
Não 5 100%

Qual Justificativa para a alteração do dosímetro?


Caiu acidentalmente na sala de tratamento 0 0%
Não possui justificativa 0 0%

Participa de programas de treinamento sobre


proteção radiológica em radioterapia?
Sim 2 40%
Não 3 60%

Qual a frequência de participação nos


treinamentos?
Anualmente 0 0%
A cada dois anos 0 0%
Semestralmente 2 100%
Raramente 0 0%
Fonte: Pesquisa de campo

5.1 AVALIAÇÃO GERAL DO SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DO HOSPITAL OPHIR


LOYOLA

Dentro do serviço de radioterapia do Hospital Ophir Loyola foram analisadas


características gerais referentes aos requisitos de proteção radiológica estabelecidas pela
CNEN- NN- 3.01 e licença para funcionamento do serviço de radioterapia, especificado na
norma CNEN- NE- 6.02. Logo se pode constatar que dentro dos padrões pré-estabelecidos, o
serviço de radioterapia pesquisado se enquadra nas exigências destas normativas. Possuindo
licença para realização do serviço emitida e certificada pela Comissão Nacional de Energia
Nuclear (CNEN).
A medição de área é realizada com frequência anual através de câmara de ionização,
que é anualmente aferido, o que está de acordo com as normas estabelecidas pela CNEN e
ANVISA.
Pode-se constatar no que se refere às sinalizações luminosas que indiquem o uso da
atividade ionizante, que estão dentro dos padrões exigidos, bem como o símbolo internacional
da radiação ionizante, bem como a presença de comunicação e monitoração audiovisual entre
sala de comando e sala de tratamento. O sistema de travamento de portas permiti sua abertura
pelo lado de dentro da sala de tratamento sendo este um dos requisitos exigidos pela CNEN,
48

no que se refere ao sistema de segurança dentro das instalações radiológicas com fins
terapêuticos.
O plano de proteção radiológica é exigido pela CNEN à todos os serviços que envolvem
radiação ionizante tendo por objetivo o cumprimento de determinadas etapas necessárias a
uma prática segura dentro do serviço radioterapêutico, sendo este plano elaborado pelo
superviso de proteção radiológica (SPR), enviado a CNEN para analise e aprovação do
mesmo.
O SPR responsável pela instituição ao qual a pesquisa foi realizada relatou um plano de
proteção radiológica em conformidade e plenamente aprovado pela CNEN.
49

5.2 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DAS CONFORMIDADES NA PROTEÇÃO


RADIOLOGICA DOS SERVIDORES ATUANTES NO SETOR DE RADIOTERAPIA DO
HOSPITAL OPHIR LOYOLA

5.2.1 Grupo de Tecnólogos e Técnicos em Radiologia

O grupo de tecnólogos e técnicos em radiologia pesquisados e que compõe a equipe de


profissionais de radioterapia do HOL são 14, sendo 64,2% homens e 35,8% mulheres. A
PORTARIA 453/98 do Ministério da Saúde diz que todo individuo ocupacionalmente
exposto, deve possuir um medidor individual, dosímetro, para que o nível de radiação ao qual
esse profissional foi exposto seja medido e não ultrapasse os limites de dose estabelecidos
pela CNEN. Sendo assim, 92,8% fazem uso de dosímetro, sendo que destes 76,9% o utilizam
diariamente, o que está de acordo com a Portaria 453/98, 23,1% relatam que utilizam
esporadicamente. Por serem recém-contratados 7,2% não fazem uso diário de dosímetro,
justificando que aguardam o recebimento do mesmo. A não utilização de monitor individual
de exposição à radiação ionizante vai de encontra com as regras de proteção individual. Os
92,8% dizem que realizam a troca mensal de dosímetro e 7,2% não fazem por não possuir
dosímetro.
A partir da população estudada 64,2% disseram que nunca presenciaram nenhum
problema ou contratempo nos aparelhos, de acordo com as normas estabelecidas pelas
instituições responsáveis, e 35,8% relatam que já presenciaram problemas no aparelho, sendo
que dos problemas apresentados 60%falaram que o aparelho disparou maior e/ou menor dose
do que a programada, outros 40% relataram ainda que o equipamento parou de funcionar
temporariamente. O Supervisor de Proteção Radiológica, segundo a norma CNEN-NE- 3.06,
é responsável pela manutenção dos aparelhos e ainda identificar falhas do aparelho ou do
operador e tomar as medidas necessárias para evitar tais acontecimentos.
Quanto aos padrões de proteção radiológica 92,8% concordam com os padrões
estabelecidos no setor e 7,2% discordam, mas não justificam.
Os que nunca tiveram alteração nos seus relatórios dosimétricos são 57,1% e 42,9% já
tiveram relatório dosimétricos alterados, onde apenas 66,6% disseram que o dosímetro caiu
acidentalmente na sala de tratamento e 33,4% não justificaram o motivo da alteração da
leitura dosimétrica. Estando fora das conformidades de proteção radiológicas estabelecida
pela CNEN que diz na norma CNEN-NN-3.01 que os titulares e empregadores são
responsáveis pela proteção dos indivíduos ocupacionalmente expostos à radiação ionizante.
50

Quanto ao treinamento 64,2% dizem que participam de treinamentos sobre proteção


radiológica, 33,3% relatam que participam a cada dois anos, 22,2% dizem que participam
anualmente, 11,2% semestralmente, 33,3% raramente e ainda 35,8% afirmam que nunca
participaram de nenhum treinamento de proteção radiológica. A CNEN-NE-3.06 diz que o
Supervisor de Proteção Radiológica é responsável por desenvolver programas de educação
continuada, onde ele deve planejar, coordenar, implementar e supervisionar cursos onde seja
passado, para os profissionais da radioterapia, os requisitos básicos de proteção radiológica,
de modo que todo serviço esteja dentro das normas estabelecidas pela CNEN, além de
assessorar e informar a direção da instalação sobre todos os assuntos relativos à proteção
radiológica.

5.2.2 Grupo de Enfermeiros e Técnicos em Enfermagem

Foram entrevistadas nove pessoas que compõem a equipe de enfermeiros e de técnicos


de enfermagem, dessa amostra 88,8% são mulheres e apenas 11,2% homens, sendo que de
toda essa população 55,5% possuem, fazem uso diário e realizam mensalmente a troca de
dosímetro, de acordo com as normas vigentes da CNEN e 44,5%não possuem, por isso não
utilizam e nem realizam a troca do dosímetro como determina a CNEN, e não justificam a o
motivo pelo qual não possuem o dosímetro. Como rege a CNEN-NE-3.06 a proteção
radiológica de todos os indivíduos ocupacionalmente expostos é de responsabilidade do
empregador e do titular do serviço de radioterapia.
Assim como o grupo de tecnólogos e técnicos em radiologia referiram que presenciaram
contratempos nos aparelhos de radioterapia do HOL 33,4%dos técnicos de enfermagem e
enfermeiros presenciaram problemas técnicos nos aparelhos de radioterapia. Esses problemas
técnicos precisam ser relatados ao Supervisor de Proteção Radiológica, pois ele, perante a
CNEN, é o responsável pela manutenção e pelo bom funcionamento dos aparelhos de
radioterapia do setor. Ainda 66,6% afirmam nunca ter presenciado nenhum contratempo nos
aparelhos de radioterapia.
Todos (100%) estão de acordo com os padrões de proteção radiológica estabelecidos
para este serviço. No entanto 11,2% tiveram o seu relatório de dosímetro alterado e justificam
que o mesmo ficou na sala de tratamento enquanto os procedimentos radioterápicos eram
executados. Segundo a norma CNEN-NE-3.06 o supervisor de proteção radiológica deve
investigar as causas de tal acontecimento e tomar as medidas cabíveis para evitar a repetição
desta falha, além de comunicar a CNEN.
51

A norma CNEN-NN-3.01 diz ainda, que: o titular deve apresentar em seu programa de
proteção radiológica um programa de treinamento para IOE e demais funcionários,
eventualmente. Porém 88,8% afirmam que não participam de programas de treinamento sobre
proteção radiológica e apenas 11,2% referem que participam raramente de treinamentos de
proteção radiológica.

5.2.3 O Físico Médico

O físico médico relatou possuir, utilizar diariamente e trocar mensalmente o dosímetro.


Afirma ainda nunca ter presenciado nenhum contratempo nos aparelhos e que concorda com o
programa de proteção radiológica utilizado pelo setor. Nunca teve relatório dosímetro
alterado, porém relata que raramente participa de treinamentos, oferecidos pelo HOL,
voltados para proteção radiológica. Esse grupo é o que não possui nenhuma irregularidade,
demonstrando que as normas da CNEN são possíveis de ser empregados no serviço de
radioterapia.

5.2.4 Grupo de Médicos

A amostra do grupo médico foi de cinco pessoas sendo 80% homens e apenas 20%
mulheres, sendo que 100% possui dosímetro e realiza a troca mensal do mesmo, o que está
em conformidade com as normas da CNEN. 80% relata que utiliza diariamente o dosímetro e
20% utiliza esporadicamente, não justificando o motivo pelo qual o uso do dosímetro é
negligenciado. Cem por cento afirmam não ter tido nenhum relatório dosimétrico alterado e
que concordam com os padrões de proteção radiológica realizados no setor. Sendo assim,
40% afirma participar semestralmente de treinamentos de proteção radiológica oferecidos
pelo hospital e 60% afirmam nunca ter participado de nenhum programa de proteção
radiológica, oque concorda com os resultados encontrados nos outros grupos. 40% dizem
ainda, já terem presenciado eventuais contratempos nos aparelho de radioterapia do HOL,
sendo que 50% relata que o aparelho parou de funcionar temporariamente e os outros 50%
dizem que a fonte de braquiterapia não recolheu. A norma CNEN-NN-3.01 afirma que esses
contratempos devem ser evitados para que não haja uma superexposição dos pacientes e
principalmente dos indivíduos ocupacionalmente expostos.
52

6. CONCLUSÃO

Mediante a analise dos questionários realizada junto aos servidores do Hospital Ophir
Loyola envolvidos na radioterapia, observou-se que a maioria dos servidores realiza os
procedimentos de uma pratica segura de proteção radiológica, demonstrando responsabilidade
com a própria proteção e com a segurança do serviço, estando o mesmo em conformidade
com as normas de proteção radiológica estabelecidas pela CNEN e ANVISA.
Entretanto, pode-se perceber que alguns profissionais envolvidos na radioterapia, por
estarem habituados na realização dos procedimentos inerentes ao serviço, acabam por
negligenciar algumas etapas de proteção radiológica estabelecidas na CNEN-NE-3.06. Além
destes, foram relatadas pelos servidores do serviço de radioterapia a ocorrências de problemas
técnicos nos aparelhos, bem como: disparo de maior e/ou menor dose de radiação durante o
procedimento radioterápico, fonte radioativa de braquiterapia que não recolheu e aparelho de
teleterapia que parou de funcionar sem motivo aparente.
Diversas são as maneiras de se evitar e/ou minimizar os riscos associados ao uso das
radiações ionizantes em condições similares às que foram verificadas nos questionários, tais
como: constante supervisão quando se refere à aferição e/ou manutenção dos equipamentos de
radioterapia, assim como constante supervisão das praticas de radioproteção realizada
diariamente pelas pessoas que compõem o serviço de radioterapia e ainda um programa de
educação continuada, onde palestras que possuem o objetivo de reforçar e estimular o
cumprimento das normas estabelecidas pela CNEN e ANVISA serão ministradas aos
servidores periodicamente.
53

REFERÊNCIAS

BAPTISTA M., Avaliação da exposição à radiação ionizante de profissionais e pacientes


em procedimentos de cardiologia de intervenção. 2011.
BRAND C., FONTANA R., SANTOS A.; A saúde do trabalhador em radiologia: algumas
considerações. 2011.
BUENO G., Proposta de procedimentos para evitar erros em radioterapia baseados em
lições aprendidas de exposições acidentais. 2007.
BUSHONG S.; Ciência radiológica para tecnólogos: física, biologia e proteção / Stewart
Carlyle Bushong; tradução Sandro Martins Dolghi. et al. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
CNEN. Comissão Nacional de Energia Nuclear. NE 3.06: Requisitos de radioproteção e
segurança para serviços de radioterapia. Diário Oficial da União, Brasília. Março de 1990.
http://www.cnen.gov.br/seguranca/normas/mostra-norma.asp?op=306 acessado em: 6/8/2013.
CNEN. Comissão Nacional de Energia Nuclear. NE 6.02: Disposições sobre o licenciamento
de instalações radiativas. Diário Oficial da União, Brasília. Julho de 1998.
http://www.cnen.gov.br/seguranca/normas/cons-pub/602-projeto-de-norma.pdf acessado em
8/8/2013.
CNEN. Comissão Nacional de Energia Nuclear. NN 3.01: Disposições sobre as diretrizes
básicas de proteção radiológica. Diário Oficial da União, Brasília. 14 nov. 2005.
http://www.cnen.gov.br/seguranca/normas/mostra-posreg.asp?op=301&np=03 acessado em
7/8/2013.
EDUARDO M., NOVAES H.; Análise de conformidades às normas técnicas de proteção
radiológica dos serviços de radioterapia no Estado de São Paulo, Brasil. 2004.
ESTEVES S., Braquiterapia de alta taxa de dose no tratamento do carcinoma da
próstata: Análise da toxicidade aguda e do comportamento bioquímico. São Pulo 2006.
FLÔR R., GELBECKE F.; Tecnologias emissoras de radiação ionizante e a necessidade
de educação permanente para uma práxis segura da enfermagem radiológica. 2009.
GASPARINI D.; Efeitos biológicos da radiação ionizante. 2010.
GIGLIOLI M., Avaliação da distribuição da dose absorvida em radioterapia com campos
irregulares e alargados, São Paulo 2012.
BIBLIOTECA HIRATA M., FILHO J., Manual de biossegurança, Mario Hiroyuki Hirata &
Jorge Mancini Filho. 1° Edição. 2002.
ICRP. Comissão Internacional de Proteção Radiológica. 1990. Recomendações da Comissão
Internacional sobre Proteção Radiológica. SI. Pergamon Press. 1991.
54

INCA. Instituto Nacional do Câncer, Estimativa da Incidência de Câncer no Estado do


Pará. 2012.
http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/2011011_relatorio_capitulos.pdf acessado em
20/10/2013.
LIMA A., AFONSO J., PIMENTEL L.; Raios-x: Fascinação, Medo e Ciência. 2009.
LORENÇO S., SILVA T., FILHO S.; Estudos sobre as condições de risco que os
profissionais da área da radiologia estão sujeitos. 2007.
MACHADO, Educação permanente: uma estratégia para dar visibilidade aos riscos
físicos e biológicos. 2009.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria n° 453.
Brasília, 1998.
MIRANDA, Acidente de Goiânia: O tempo cura todos os males? 2005.
NANDI D., Estudo de funcionalidade e segurança para aceleradores lineares utilizados
em radioterapia – Uma contribuição para a gestão de tecnologia médico-hospitalar.
2004.
NAVARRO M., HEITE H., ALEXANDRINO J., COSTA E.; Controle de riscos à saúde em
radiodiagnóstico: uma perspectiva histórica. 2008.
OKUNO E.; Efeitos biológicos das radiações ionizantes : Acidente radiológico de Goiânia.
2013.
OLIVEIRA A., Braquiterapia intersticial para recidivas de câncer de colo uterino pós-
radioterapia. 2004.
OLIVEIRA, Estimativa de riscos das radiações ionizantes no cérebro, sistema nervoso e
cristalino em pacientes odontopediátricos. 2002.
RAMOS F., BERTONCINI J., MACHADO R., FLÔR R., PIRES D., GELBECKE F.;
Trabalho, educação e política em seus anexos na produção bibliográfica sobre cuidado.
2009.
ROSTELATO M. Estudo e desenvolvimento de uma nova metodologia para confecção de
sementes de iodo – 125 para aplicação em braquiterapia. São Paulo 2005.
SANCHES A., Projeto de confecção de simuladores oftalmológicos para aplicação em
clínicas. São Paulo 2006.
SOARES A., Doses ocupacionais devido a nêutrons em salas de aceleradores lineares de
uso médio. Rio de Janeiro 2006.
SOUZA C., Comparação entre métodos de fixação do iodo radioativo em substrato de
prata para confecção de fontes utilizadas em braquiterapia. 2012.
55

SUS. Sistema Único de Saúde. Portaria n° 67 do Ministério da Saúde. 2011.


VASCONCELOS P., Avaliação das proporções das células T, B, NK e NK/T em
indivíduos expostos a radiação ionizante de 137Cs. 2006
56

APÊNDICE A

Idade:________________ Sexo:_________________ Peso:__________________

Função:___________________________ Tempo de Serviço:__________________

Horas Diárias:______________________ Horas Semanais:____________________

1 Trabalha em mais de um lugar envolvendo radiação? ( ) Sim ( ) Não


Se sim, em quantos? _____________________________________________________.
2 Tem filhos? ( ) Sim ( ) Não
Se sim, quantos? ________________________________________________________.
3 Todos os seus filhos são saudáveis? ( ) Sim ( ) Não
Se não, a doença está relacionada à radiação?
______________________________________________________________________.
4 Faz uso de dosímetro? ( ) Sim ( )Não
Com que frequência? ____________________________________________________.
5 Realiza a troca de dosímetro? ( ) Sim ( ) Não
Com que frequência? ____________________________________________________.
6 Já presenciou eventualmente contratempo nos equipamentos de Radioterapia?
( ) Sim ( ) Não
Se sim, quais? _________________________________________________________.
7 Concorda com os padrões de proteção radiológica utilizado neste setor?
( ) Sim ( ) Não
Se não, por quê? ________________________________________________________.
8 Já teve relatório dosimétrico com valores de leitura mensal alterado? ( ) Sim ( ) Não
Se sim, qual a justificativa para tal alteração?
______________________________________________________________________.
9 Participa de programas de treinamento sobre proteção radiológica em radioterapia?
( ) Sim ( ) Não
Com que frequência? ____________________________________________________.
57

APÊNDICE B

Idade:________________ Sexo:_________________ Peso:__________________

Função:___________________________ Tempo de Serviço:__________________

Horas Diárias:______________________ Horas Semanais:____________________

1 Há licença de funcionamento para a realização do serviço? ( ) Sim ( ) Não


Se sim, onde fica e quais são os responsáveis que tem os seus nomes anexados à licença?
_______________________________________________________________
2 Há realização da medição de área? () Sim ( ) Não
Com que frequência? ____________________________________________________.
3 Qual equipamento de medição de área é utilizado?
______________________________________________________________________.
4 O medidor de radiação de área é aferido? ( ) Sim ( ) Não
Com que frequência? ____________________________________________________.
5 Há sinalização luminosa, fora da sala, que indique para os profissionais que está ocorrendo
procedimentos que envolvem radiação ionizante? ( ) Sim ( ) Não
6 Há sinalização, com o símbolo internacional de radiação ionizante, em áreas controladas?
( ) Sim ( ) Não
7 Há comunicação audiovisual entre a sala de terapia e a sala de comando?
( ) Sim ( ) Não
8 Há um plano de proteção radiológica? ( ) Sim ( ) Não
Se sim, foi submetido à aprovação e atende aos requisitos básicos da CNEN?
_____________________________________________________________________.
9 A porta abre por dentro da sala? ( ) Sim ( ) Não