Ponto dos Concursos www.pontodosconcursos.com.

br

Atenção. O conteúdo deste curso é de uso exclusivo do aluno matriculado, cujo nome e CPF constam do texto apresentado, sendo vedada, por

quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução, divulgação e distribuição. É vedado, também, o fornecimento de informações

cópia,

cadastrais

inexatas ou incompletas – nome, endereço, CPF, e-mail - no ato da matrícula. O descumprimento dessas vedações implicará o imediato

cancelamento da matrícula, sem prévio aviso e sem devolução de valores pagos - sem prejuízo da responsabilização civil e criminal do infrator. Em razão da presença da marca d’ água, identificadora do nome e CPF do aluno matriculado, em todas as páginas deste material,

recomenda-se a sua impressão no modo econômico da impressora.

CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO AULA 08: EXERCÍCIOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Colega concursando! Com a prorrogação da data da prova aproveite a oportunidade para revisar seus estudos ou conseguir assimilar conteúdos que ainda carecem de melhor entendimento. É a oportunidade para você fazer uma revisão com muita tranqüilidade e tentar fixar os tópicos importantes. Desejo-lhe uma mente ILUMINADA na hora das provas e que a sorte lhe acompanhe em todas as fases desse concurso, posto que até mesmo os candidatos preparados precisam de sorte, assim, espero, sinceramente, que ela esteja ao seu lado. Agradeço de coração a todos por estarmos juntos nessa empolgante jornada de concursos e tenham a certeza de que estou bastante grato pela convivência, mesmo virtual, de pessoas que procuram o seu espaço de forma democrática e através do MÉRITO. Vá tranqüilo(a) para a prova com a certeza de que fez a sua parte e que se não for desta vez é porque existem pessoas mais preparadas do que você, ou seja, outros colegas que estão nessa batalha há anos. O importante é não desistir porque existem bons concursos em vista, a exemplo da Polícia Federal. Assim, nunca desista no primeiro ou segundo tropeço! Levante e continue a caminhada de cabeça erguida, se assim fizer, cedo ou mais tarde seus objetivos serão alcançados. Conforme anunciado na aula anterior, esta nota de aula contempla só questões de concursos de 2007/2008 (TCU, TRE, TST etc.). Atenção! No fim desta nota de aula estamos apresentando a lista com todos os exercícios nela comentados, para que o aluno, a seu critério, os resolva antes de ver o gabarito e ler os comentários correspondentes. Vamos continuar o nosso estudo com o ânimo de sempre e “garantir” alguns preciosos pontos na prova do TCU? Lembrete! Antes de iniciar a resolução dos exercícios deixe ao seu alcance o material de consulta: livros, notas de aula, normas etc. Reflexão! www.pontodosconcursos.com.br 1

CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO
"Os ventos que as vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar.. Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e sim, aprender a amar o que nos foi dado. Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para sempre." (Bob Marley) "Aquele que pensa pequeno, sofre de falta de imaginação".

Bom estudo! 1. (CESPE – ACE/TCU – 2007) O princípio da legalidade orçamentária é uma projeção do princípio da legalidade visto sob a sua feição genérica e postula que o ordenador de despesas só pode fazer aquilo que a lei orçamentária permite. Resolução Perfeito! O princípio da legalidade orçamentária é uma projeção do princípio genérico da legalidade na administração pública. O Prof. Gustavo Barchet descreve com maestria e assertividade acerca do princípio da legalidade da seguinte forma:
O princípio da legalidade pode ser interpretado em dois sentidos: relativamente aos particulares (ou administrados) e relativamente à Administração. Para os administrados encontra-se ele estatuído no art. 5º, II, da Constituição, segundo o qual “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”. Interpretando o dispositivo, podemos concluir que o princípio da legalidade, para os administrados, significa que eles podem praticar quaisquer atos para os quais não haja expressa proibição em lei. Deve-se, pois, aqui, compreender o princípio numa perspectiva negativa, no sentido de que aos particulares são autorizados todos os comportamentos para os quais não exista expressa norma proibitiva, não tendo eles certa conduta impedida em virtude da inexistência de norma legal que explicitamente lhes permita atuar. Enfim, os particulares são livres para agir, salvo expressa vedação em lei, motivo pelo qual, para eles, o princípio da legalidade é também denominado princípio da autonomia da vontade. Para a Administração, ao contrário, o princípio tem uma conotação positiva, pois não basta esta ausência de norma proibitiva, é pressuposto de sua atuação a existência de lei que a autorize a agir (nas competências discricionárias) ou que determine que o faça (nas competências vinculadas). Ao contrário dos particulares, a Administração está impedida de agir em determinada situação quando não há norma legal que lhe outorgue competência para tanto. Isto se deve ao fato de que a Administração não tem vontade própria, autônoma e desvinculada da lei, constituindo a norma requisito indispensável para que os órgãos e entidades administrativas, por meio de seus agentes, possam praticar qualquer ato com conseqüências jurídicas. Podemos sintetizar a aplicação do princípio da legalidade, para a Administração, nos seguintes termos: a Administração Pública só pode atuar mediante expressa previsão legal. Um exemplo é útil para ilustrarmos a diferença quanto ao significado do princípio para a Administração e para os particulares. Imaginemos que dois particulares pretendem celebrar um contrato mediante o qual

www.pontodosconcursos.com.br

2

medidas provisórias etc. poderá ser também uma lei em sentido material. e o contrato de prestação de serviços. Por exemplo. lei é ato normativo. em contrapartida. em contrapartida. Uma lei em sentido formal. e apenas eles. podemos dizer que a Administração não pode atuar contra a lei ou além de seus dispositivos. quando incidir sobre situações e destinatários especificados. que podem outorgar à Administração competência para agir nas hipóteses que indicam. São eles também. também podem agir secundum legem. e este. simplesmente. o Código também não proíbe sua celebração.). e já que tal previsão inexiste quanto a esta espécie de contrato. leis). prevendo direitos e obrigações para os administrados. ou seja. porque não dependem da existência de uma norma autorizando-lhes a agir. significa que a atividade administrativa não pode ser contra legem (contra a lei) ou praeter legem (além da lei). Trata-se de um contrato de bens (o televisor) por serviços (a pintura). mas apenas segundo o que nela está disposto. porque aplicável a todos os indivíduos cuja conduta se enquadra na situação abstrata nela prevista (todos que tiverem interesse em se utilizar dos serviços do órgão deverão observar o horário previsto na portaria). bem como a www. repassa à primeira certo valor em dinheiro. veremos que ele prevê o contrato de compra e venda. no qual uma das partes transmite a outra a propriedade de um bem. Quanto ao contrato trazido no nosso exemplo (bens por serviços). posta a situação nestes termos.com. lei é todo ato produzido ou aprovado pelo Poder Legislativo segundo o processo previsto na Constituição Federal. ou seja. Logo. O princípio da legalidade reporta-se num primeiro momento e principalmente. geral (pois aplicável a um número indefinido e indefinível de pessoas) e abstrato (pois aplicável a um número indeterminado e indeterminável de situações futuras). qualquer que seja seu conteúdo (leis ordinárias. uma portaria que fixa o horário de funcionamento de um órgão é uma lei em sentido material. Pois bem.br 3 . Para a Administração. Em sentido material. Passando a lição para o latim. Colocando a matéria de outro modo. o Código não traz nenhuma palavra. qualquer que seja seu procedimento de elaboração. leis complementares. independentemente de qualquer norma expressa permissiva. quando veicular normas (disposições gerais e abstratas). apesar de não haver no Código Civil qualquer prescrição específica a respeito.pontodosconcursos. obriga-se perante aquele a transferir-lhe a propriedade de seu televisor. E isso basta para os particulares. pois.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO o primeiro obriga-se perante o segundo a pintar seu imóvel. apesar de não poderem se conduzir contra legem. desde que não violem norma expressa proibitiva). diploma geral que rege os acordos desta natureza. ele simplesmente não pode ser celebrado na esfera administrativa. Já que ela só age a partir de taxativa previsão legal. a conclusão é exatamente a oposta. podem fazê-lo praeter legem. Em sentido formal. o Poder do qual emane ou seu nível hierárquico. não mencionado em qualquer dispositivo no Código Civil. Se formos analisar o Código. aos atos que tem forma e conteúdo de lei. podem atuar além da lei (ou seja. porque produzida segundo o processo legislativo previsto na Constituição Federal. É importante se observar que podemos utilizar o vocábulo “lei” em dois sentidos. mediante o qual uma das partes é remunerada em dinheiro por um serviço prestado a outra. São estes os atos que podem inovar na ordem jurídica. entretanto. Os particulares. podemos concluir que é possível a celebração dessa espécie de contrato entre particulares. às leis em sentido formal e material (leis em sentido estrito ou. Logicamente. ou não. mas apenas secundum legem (segundo a lei). e esta.

também às leis somente em sentido material. temos que vislumbrar que este ato.717/65. O decreto. tem que ser editado a partir de um ato que é simultaneamente lei em sentido formal (porque elaborado segundo o procedimento previsto na CF) e material (porque contém normas). será válida eventual multa por descumprimento da obrigação lavrada a partir de procedimento diverso daquele que foi especificado no decreto? Evidentemente que não. hierarquicamente inferior ao primeiro. Contudo. pudesse impunemente descumpri-los. alcança também às leis em sentido material. o princípio também alcança os atos que constituem leis somente em sentido material (leis em sentido amplo). num segundo momento. num segundo momento. no sentido de que somente tais atos podem autorizar à Administração atuar. Pois bem. também é condição de validade dos atos praticados pelos órgãos e entidades públicas. que regula a ação popular. mesmo não violada qualquer lei no duplo sentido. estando hierarquicamente a elas subordinados. Num segundo plano. Atende a regra www. A percepção de que o princípio da legalidade deve ser compreendido nesta perspectiva ampla possibilita-nos chegar a uma conclusão fundamental para fins de concurso público. parágrafo único. A sistemática pode ser assim exposta. no art.com. leis). e. especifica as regras procedimentais a serem observadas na atividade de fiscalização. a de que a Administração pode agir de forma inválida mesmo que o ato em questão não tenha violado nenhum princípio administrativo ou um dispositivo de lei. que a “ilegalidade do objeto ocorre quando o resultado do ato importa em violação de lei. os atos normativos editados pelos chefes de Poder Executivo e demais autoridades administrativas (ou jurisdicionais e legislativas no exercício da função administrativa). qual seja. que o princípio da legalidade. Temos. respeitados os marcos instituídos pela lei. Basta pensarmos numa lei que crie uma obrigação para os administrados sem detalhar o procedimento a ser adotado para a fiscalização de seu adimplemento. limitando-se a disciplinar somente suas regras mais gerais. enfim. Evidentemente. como os decretos e demais atos normativos administrativos. aplica-se num primeiro patamar às leis em sentido formal e material. outorgando-lhe competências. simplesmente. enquanto vocacionado à atividade administrativa. que constitui lei apenas em sentido material. regulamento ou outro ato normativo”. aplica-se principalmente às leis em sentido material e formal e. mas. como os decretos regulamentadores. em virtude desse regramento genérico. expressamente prevê este sentido amplo de legalidade. para a Administração. Com o que. confirmamos nossa afirmação anterior: o princípio da legalidade. ao determinar. no sentido de que sua observância. e isto que se deseja aqui enfatizar. criando Direito novo ao estabelecer os direitos e obrigações dos administrados e as competências da Administração. o princípio da legalidade orçamentária diz respeito às limitações ao poder de tributar do Estado. Num primeiro e principal patamar há as leis em sentido formal e material (leis em sentido estrito ou. A Lei 4.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO finalidade que deverá presidir sua atuação. após editá-los. então. 2º. Em síntese. c.br 4 . assim. De nada valeriam os atos normativos editados pela própria Administração se esta. um ato normativo editado pela própria Administração). com o objetivo de possibilitar a aplicação das leis (no duplo sentido) pela Administração. as portarias e instruções normativas. os atos normativos editados pela própria Administração. a exemplo das portarias e instruções normativas. que inovam na ordem jurídica. temos as leis em sentido material (ou em sentido amplo). como as leis ordinárias e complementares.pontodosconcursos. a matéria vem a ser detalhada em um decreto (lei tão somente em sentido material). mas somente um decreto ou uma portaria (enfim.

a receita é reconhecida www. para fins de discussão e aprovação por este.com. Assim. Em função desse princípio. 5º da CF. LDO e LOA) são preparados e encaminhados. pelo Poder Executivo. onde menciona que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei” (princípio da reserva legal). devam passar pelo exame e pela aprovação do parlamento. no todo. 2. O princípio da legalidade orienta a estruturação do sistema orçamentário. Quando o orçamento é aprovado pelo Poder Legislativo há garantia de que todos os atos relacionados aos interesses da sociedade. Geralmente os lançamentos executados no sistema são de primeira fórmula. (CESPE – ACE/TCU – 2007) O SIAFI somente validará. 3. Os registros efetuados no siafi são efetuados através dos códigos (eventos). completem partidas dobradas. completem partidas dobradas. O sistema SIAFI somente validará contabilmente os documentos de entrada de dados se eles se apresentarem com os eventos que. os documentos de entrada de dados. a arrecadação de receitas e a execução de despesas. todos os instrumentos de planejamento da administração pública (PPA. fica garantido ao povo que todos os atos relacionados aos interesses da sociedade devem passar pelo exame e pela aprovação do parlamento (Legislativo – legítimo representante do povo). se eles se apresentarem com os eventos que.br 5 . (CESPE – Analista Ambiental – MMA/2008) Na atividade de exploração de reservas florestais. LDO e LOA). Item CERTO. mediante consulta à tabela de eventos do plano de contas. Somente por meio de normas legais podem ser criadas obrigações aos indivíduos. cabendo ainda ao Parlamento fiscalizar a execução dos orçamentos. em especial. Atendendo a esse princípio. no todo. Item CERTO. do ponto de vista contábil. Esse princípio visa a combater as arbitrariedades emanadas do poder público. o planejamento e o orçamento são realizados através de leis (PPA. sujeitas a processo de crescimento natural ou acréscimo de valor vegetativo. ao Legislativo.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO estabelecida no inciso II do art. Resolução A lógica do sistema siafi é o EVENTO cuja Tabela é parte integrante do plano de contas da administração pública federal.pontodosconcursos.

Observe-se que o autor da questão quer uma resposta com base nos conceitos de contabilidade e nas disposições da Lei 4.320/64 e na LRF. em caráter complementar. De acordo com a 4ª Edição do Manual da Receita Pública a Contabilidade Pública constitui ramo da Ciência Contábil e deve observar os Princípios Fundamentais de Contabilidade.320/1964 e da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). consoante o entendimento predominante nos universos científico e profissional de nosso País. Com base nessa linha de entendimento. a receita é reconhecida antes mesmo da transferência dos respectivos produtos para terceiros.a despesa e a assunção de compromisso serão registradas segundo o regime de competência. entendo que ainda deve-se observar o disposto nas normas de Direito Financeiro que instituiu um regime contábil misto para receitas e despesas orçamentárias nos respectivos artigos 35 e 50 dessas normas.as receitas nele arrecadadas. conforme abaixo transcrito: Art.com. os clientes. o resultado dos fluxos www.pontodosconcursos.º 4. posto que se trata de receita de serviços. que representam a essência das doutrinas e teorias relativas dessa ciência. julgue os itens a seguir”. Art. 35. na atividade de exploração de reservas florestais. Observando o que estabelece o princípio da competência. Com base nos conceitos de Contabilidade Pública previstos na Lei nº.br 6 . Dentre esses princípios destacam-se os da Oportunidade e da Competência. as receitas consideram-se realizadas: Nas transações com terceiros. quer pela investidura na propriedade de bens anteriormente pertencentes à ENTIDADE. conforme o Manual da Receita Pública. Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública.320/64 e LRF. quer pela fruição de serviços por esta prestados. dos respectivos produtos para Resolução Entendo que em princípio a questão está correta porque o comando da questão informa inicialmente que: “Com base nos conceitos de contabilidade e nas disposições da Lei n. a escrituração das contas públicas observará as seguintes: -----------------II . II .as despesas nele legalmente empenhadas. sujeitas a processo de crescimento natural ou acréscimo de valor vegetativo.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO antes mesmo da transferência terceiros. apurando-se. quando estes efetuarem o pagamento ou assumirem compromisso firme de efetivá-lo. apesar da tendência de mudança cultural para que seja observado o regime de competência para determinados fatos na Contabilidade Pública. 50. 4. Pertencem ao exercício financeiro: I .

o fluxo econômico (receitas e despesas) é compreendido por dois conceitos distintos. que representam a essência das doutrinas e teorias relativas dessa ciência. porém integrados. Dentre esses princípios destacamos abaixo os da Oportunidade e da Competência. quer pela investidura na propriedade de bens anteriormente pertencentes à ENTIDADE.nas transações com terceiros. A Portaria Conjunta nº. patrimonial e industrial. Pertencem ao exercício financeiro: I . na Lei nº 4. que abrangem os resultados da execução orçamentária.” Ao mesmo tempo. necessitando de mudança cultural. fundamentado na tradição cameralista (gestão financeira) do ingresso de disponibilidade. além do registro dos fatos ligados à execução orçamentária. 89 . exigindo que os fatos modificativos sejam levados à conta de resultado e que as informações contábeis permitam o conhecimento da composição patrimonial e dos resultados econômicos e financeiros de determinado exercício: “Art.pontodosconcursos.A contabilidade evidenciará os fatos ligados à administração orçamentária. na qual se baseou o orçamento e se estabeleceu o regime de caixa para a Receita Orçamentária. a referida lei estabelece que: “Art. O segundo é o conceito patrimonial. no artigo 89. que por muito tempo não vem sendo observado tanto pela administração pública quanto pela contabilidade pública aplicada ao setor público e que.320/64.” Observa-se que. fundamentado na tradição patrimonialista. que instituiu um regime contábil misto para receitas e despesas orçamentárias no seu artigo 35. exige-se a evidenciação dos fatos ligados à execução financeira e patrimonial. quer pela fruição de serviços por esta prestados.com.br 7 .As alterações da situação líquida patrimonial. Na administração pública. de 08 de agosto de 2007 que aprova a 4a Edição do Manual de Procedimentos das Receitas Públicas assim estabelece acerca do assunto: Ressalta-se que a Contabilidade Pública constitui ramo da Ciência Contábil e deve observar os Princípios Fundamentais de Contabilidade. Além dos Princípios Fundamentais de Contabilidade.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO financeiros pelo regime de caixa. quando estes efetuarem o pagamento ou assumirem compromisso firme de efetivá-lo. § 3° As receitas consideram-se realizadas: I . financeira. vem demandando esforços para que seja cumprido.as receitas nele arrecadadas. a Contabilidade Pública deve seguir o disposto nas normas de Direito Financeiro. 35. com o advento da Lei de Responsabilidade Fiscal. O primeiro é o conceito financeiro. bem como as variações independentes dessa execução e as superveniências e insubsistências ativas e passivas. conforme abaixo: “Art. constituirão elementos da conta patrimonial.” www.as despesas nele legalmente empenhadas. 2. em especial. II . consoante o entendimento predominante nos universos científico e profissional de nosso País. 100 .

pontodosconcursos. resultantes ou independentes da execução orçamentária. observando os Princípios da Competência e da Oportunidade. as alterações patrimoniais e as alterações orçamentárias ocorridas nas entidades. e indicará o resultado patrimonial do exercício. Foi adotado pelo Estado da Geórgia (governo Jimmy Carter).320/64. por meio do registro do direito a receber no momento da ocorrência do fato gerador.A Demonstração das Variações Patrimoniais evidenciará as alterações verificadas no patrimônio. (CESPE – Analista Ambiental – MMA/2008) O orçamento base-zero caracteriza-se como um modelo do tipo racional. Resolução O orçamento de base zero teve sua abordagem orçamentária desenvolvida nos Estados Unidos da América. antes da efetivação do correspondente ingresso de disponibilidades. www.” Portanto. no orçamento de base zero cada item da despesa orçamentária é tratado como uma nova iniciativa dos gestores ou do governo. sua continuidade e possíveis alterações. Reconhecimento da receita pública É a aplicação dos Princípios Fundamentais de Contabilidade para reconhecimento da variação ocorrida no patrimônio. pela Texas Instruments Inc. Adota-se.320/64. como se cada item de despesa se tratasse de uma nova iniciativa do governo. 35 da Lei nº 4. 104 . como procedimento básico. Portanto.com. de maneira harmônica.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO “Art. deve haver o registro da receita em função do fato gerador. Observa-se que é possível compatibilizar e evidenciar. A metodologia do OBZ não é adotada no Brasil. demonstrando a visão orçamentária exigida no art. em confronto com novos programas pretendidos.br 8 . em nenhuma das unidades da Federação. Conceito O orçamento de base zero é uma metodologia orçamentária ou tipo de orçamento onde exige que todas as despesas referentes aos programas. no ano fiscal de 1973. em 1969. projetos ou ações governamentais dos órgãos ou entidades públicas sejam detalhadamente justificados a cada ano. os Princípios Fundamentais de Contabilidade e o disposto na Lei nº 4.. Item Certo. em que as decisões são voltadas para a maximização da eficiência na alocação dos recursos públicos. No momento da arrecadação da receita deve haver o registro em contas específicas. cumprindo assim. o questionamento de todos os programas em execução. 4. com o objetivo de evidenciar o impacto no Patrimônio.

finalidade.com. vou pedir R$ 120 milhões para o próximo ano porque talvez consigamos pelo menos os mesmos R$ 100 milhões. medidas de desempenho. benefícios e as conseqüências de não executar as atividades. Exemplo: Ao realizar o planejamento de gastos o gestor deverá abandonar o seguinte pensamento: Este ano fui contemplado com R$ 100 milhões na lei orçamentária. e este pacote inclui uma análise de custo. Prioridades historicamente determinadas são abandonadas. ◊ Os gastos anteriormente realizados são questionados e as prioridades historicamente determinadas são abandonadas. ◊ O processo exige que cada administrador justifique detalhadamente todas as dotações solicitadas em seu orçamento. significa dizer que o gestor público deverá realizar seu planejamento de despesas justificando o gasto a ser realizado e não apenas se basear em dados históricos (do passado). www. alternativas. Assim sendo. parte-se da premissa do que precisa ser feito e não o que seria bom ser feito. revisão e avaliação de todas as despesas propostas em cada unidade orçamentária. ou seja. este (orçamento de custos) ocorre concomitante com o OBZ A elaboração do orçamento fica sob a responsabilidade de cada unidade orçamentária. portanto. O questionamento dos gastos anteriormente realizados é executado através dos procedimentos de avaliação e acompanhamento. Premissas básicas do orçamento de base zero: Redução de despesas e o aumento da eficiência do Estado O OBZ não é um orçamento de custos. buscando esforços e alternativas de maximizar os seus resultados e conseqüentemente os do Estado Cada gestor deve avaliar as atividades de sua área e as despesas decorrentes.pontodosconcursos. todos os valores constantes da base orçamentária são obtidos da escrituração contábil e nos balancetes dos exercícios anteriores O foco principal do orçamento de base zero é o controle das despesas de capital (investimentos).CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO Objetivo: o objetivo principal do OBZ é a justificativa do “gasto” de acordo com as necessidades e os recursos disponíveis e corresponde a um “meio de eliminar programas e projetos não econômicos”. ◊ Todos os programas de trabalho devem ser justificados cada vez que se inicia um novo ciclo orçamentário. Importante! Principais características do OBZ: ◊ Análise. cabendo-lhe justificar por que deve gastar os recursos. ou seja. o orçamento torna-se o mais próximo possível da realidade e das necessidades. ◊ Cada administrador é obrigado a preparar um "pacote de decisão" para cada atividade ou operação. propondo e justificando o nível de gastos previstos Linguagem basicamente contábil.br 9 .

Assim sendo. se deve ou não gastar esse ou aquele recurso e em qual programa ou projeto. A maior preocupação do OBZ é justificar o porquê da despesa. No OBZ não se enfatiza o objeto ou o objetivo do gasto e também não há preocupação com a categoria econômica da despesa (se é despesa corrente ou de capital). O OBZ tende a gerar. como subproduto. deve justificar por que deve gastar os recursos que estão sendo pleiteados. ao elaborar o orçamento e o Congresso Nacional. Aperfeiçoamentos posteriores: Ao contrário de certas inovações interessantes que depois perdem continuidade. Benefícios que poderão advir com a adoção do OBZ: Melhoria do processo orçamentário: O fato de cada programa ser questionado obrigaria as diversas Unidades Orçamentárias e Ministérios a envidarem esforços no sentido de apresentar programas de melhor qualidade técnica e mais justificados e fundamentados. os gestores precisam de relatórios detalhados das atividades desenvolvidas. promovendo uma espécie de seleção natural e criando uma forma de “filtro” que implicaria abandonar os programas tecnicamente inviáveis ou surrealistas. com vistas a uma maior eficácia na utilização dos recursos e no cumprimento das metas. e segundo.pontodosconcursos. avaliar até que ponto certa despesa é necessária ou não. o OBZ se caracteriza por ser um processo contínuo.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO Para se obter o máximo controle de seus gastos. onde a cada ano os programas devem ser avaliados. ao debatê-lo e aprová-lo ambos teriam os elementos de julgamento necessários para. a cada ano.br 10 . primeiro. Desenvolvimento de pessoal: A necessidade de se justificar cada programa de trabalho impõe às diversas unidades governamentais empenho no desenvolvimento de uma equipe técnica capacitada para atingir os fins da administração pública através de maior qualificação dos funcionários e da criação de uma cultura orçamentária. A idéia básica do OBZ é a de que cada unidade da administração pública.com. Este tipo de orçamento parte da premissa de que cada órgão ou entidade da administração pública. estabelecer uma hierarquia de prioridades para definir o que é mais importante o governo realizar. uma nova cultura favorável ao aperfeiçoamento sistemático dos procedimentos. os órgãos e Poderes. a cada ano. Conclusão: www. deve justificar por que deve gastar os recursos pleiteados.

sem necessidade de prévia autorização legislativa. (CESPE – Analista Ambiental – MMA/2008) As alterações da legislação tributária são parâmetros adotados para se definirem as estimativas de arrecadação. previsão www. 6. (CESPE – Analista Ambiental – MMA/2008) O veto do presidente da República a determinado programa contido no projeto de lei orçamentária aprovado pelo Congresso Nacional permite a superveniência de recursos que poderão ser utilizados mediante créditos suplementares. No Brasil a regra é a de que toda abertura de créditos adicionais deve ser autorizada pelo Legislativo (princípio da legalidade). em confronto com novos programas pretendidos. Na própria LOA – autorização genérica. é relevante levar em conta. Resolução A LDO Compreende as metas e prioridades (MP) da administração pública federal.pontodosconcursos.com. as desonerações fiscais e a concessão de créditos tributários. os quais visam a efetividade do princípio do planejamento e da responsabilidade na gestão fiscal. disporá sobre as alterações na legislação tributária e estabelecerá sobre a política de aplicação das agências financeiras oficiais de fomento. A LRF estabelece os parâmetros para a previsão da receita. 5. sem necessidade de prévia autorização legislativa. É característica desse tipo de orçamento o questionamento de todos os programas em execução. que constituem uma das etapas do processo orçamentário. Orienta a elaboração da lei orçamentária anual. Em lei específica ou especial – autorização específica. Essa autorização pode ser de duas formas: 1. Item CERTO. as alterações de alíquotas. entre outros aspectos. incluindo as despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente. sua continuidade e possíveis alterações. em que as decisões são voltadas para a maximização da eficiência na alocação dos recursos públicos. 2. posto que constituem requisitos essenciais da responsabilidade na gestão fiscal a instituição.br 11 . Item ERRADO. Nesse sentido.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO O orçamento base-zero caracteriza-se como um modelo do tipo racional. Resolução O veto do presidente da República a determinadas despesas ou programas de trabalho contido no projeto de lei orçamentária aprovado pelo Congresso Nacional NÃO permite novas incorporações de recursos que poderão ser utilizados mediante créditos suplementares.

a variação cambial. competência Dentro desse pensamento essa norma indicou parâmetros para a projeção das receitas orçamentárias da seguinte forma: Art. A média de arrecadação dos últimos meses do exercício. A base de cálculo pode ser: A arrecadação de cada mês (arrecadação mensal) do ano anterior. o aumento na arrecadação como função do aumento do número de fiscais no país. de forma mensal objetivando atender à execução orçamentária. o crescimento real das importações ou das exportações. 11 da LRF).com. da projeção para os dois seguintes àquele a que se referirem. considerarão os efeitos das alterações na legislação. 12. e da metodologia de cálculo e premissas utilizadas. da variação do índice de preços. a variação real na produção mineral do país. Projeção de recitas é o valor a ser projetado para uma determinada receita. Índice de quantidade . A média de arrecadação mensal do ano anterior (arrecadação anual do ano anterior dividido por doze).É obtida por meio da série histórica de arrecadação da receita e dependerá do seu comportamento mensal.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO e efetiva arrecadação de todos os tributos da constitucional do ente da Federação (art. Estes índices são divulgados mensalmente por órgãos oficiais como: IBGE.pontodosconcursos. do crescimento econômico ou de qualquer outro fator relevante e serão acompanhadas de demonstrativo de sua evolução nos últimos três anos. Está relacionado à variação física de um determinado fator de produção. Fundação Getúlio Vargas e Banco Central e são utilizados pelo Governo Central para projeção de índices futuros. o crescimento vegetativo da folha de pagamento do funcionalismo público federal. Como exemplos. podemos citar o Produto Interno Bruto Real do Brasil – PIB real. a variação real da produção agrícola. Índice de preços – É o índice que fornece a variação média dos preços de uma determinada cesta de produtos. A projeção da receita é calculada da seguinte forma: Projeção = Base de Cálculo x (índice de preço) x (índice de quantidade) x (efeito legislação). www. o IPCA. Base de cálculo . A média de arrecadação mensal dos últimos doze meses ou média móvel dos últimos doze meses (arrecadação total dos últimos doze meses dividido por doze).br 12 .É o índice que fornece a variação média na quantidade de bens de um determinado seguimento da economia. a variação da taxa de juros. As previsões de receita observarão as normas técnicas e legais. dentre outros. a variação real da produção industrial. cuja programação é feita mensalmente. a taxa de juros. o crescimento da massa salarial. o INPC. A média trimestral de arrecadação ao longo de cada trimestre do ano anterior. Existem diversos índices de preços nacionais ou mesmo regionais como o IGP-DI.

nestes casos. as desonerações fiscais. Deve-se verificar. (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TST/2008) O controle da destinação de recursos deve ser feito por todos os entes da federação. deve-se considerar este aumento com sendo o efeito legislação. O conteúdo da questão 7 acima foi exigido nos concursos do TCU/2007 (questão 149) e TST/2008 (questão 112).pontodosconcursos.com. haja vista a vinculação para todos eles. se uma taxa de polícia aumentar a sua alíquota em 30%. Porém. foi instituído pelo governo federal o mecanismo de destinação de recursos. A natureza da receita busca identificar a origem do recurso segundo seu fato gerador. Conclusão: As alterações da legislação tributária são parâmetros adotados na LDO para se definirem as estimativas de arrecadação. inciso III. decorrentes de ajustes na legislação ou nos contratos públicos. mas faço questão de alertá-los. as alterações de alíquotas. 7. alínea b). 150. isenções e concessão de créditos tributários.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO ou mesmo do incremento tecnológico na forma de arrecadação. Ou seja. Atenção! O CESPE repete questões de concursos! Sei que não é novidade. em geral. o aumento do número de alunos matriculados em uma escola. Nesse sentido. Item CERTO. Da mesma forma que o índice de preços. se o aumento obedecerá ou não o princípio da anterioridade.br 13 . existe a necessidade de se classificar a receita conforme a destinação legal dos recursos arrecadados. a escolha deste índice dependerá do fato gerador da receita e da correlação entre a arrecadação e o índice a ser adotado. e será parte integrante da projeção da taxa para o ano seguinte. Quanto a esse mecanismo. o CESPE repetiu o mesmo questionamento. deve-se considerar.Leva em consideração a mudança na alíquota ou na base de cálculo de alguma receita. Para que essa necessidade fosse atendida. julgue os seguintes itens. tarifas públicas e receitas tributárias. decorrente de alteração na legislação. Por exemplo. anistias. estabelecido na Constituição Federal (art. e assim por diante. mas. existe a necessidade de classificar a receita www. Efeito legislação . Observe a questão do TCU/2007: A natureza da receita busca identificar a origem do recurso segundo seu fato gerador. constituindo-se em uma das etapas do processo orçamentário.

para fins de aplicação orçamentária. O controle das destinações de recursos 149 (CESPE – ACE/TCU – 2007) deve ser feito por todos os entes da Federação. O objetivo da criação de vinculações para as receitas é o de garantir a despesa correspondente. Em virtude dessa situação foi instituído no Governo Federal um procedimento denominado de destinação da receita.pontodosconcursos. Outro tipo de vinculação é aquela derivada de convênios e contratos de empréstimos e financiamentos. órgãos. existe a necessidade de classificar a receita conforme a destinação constitucional ou legal dos recursos arrecadados. haja vista a existência de vinculações para todos eles. Resolução A Portaria Conjunta STN/SOF nº. em atendimento às finalidades específicas estabelecidas pela legislação vigente. desde o estágio da previsão da receita até o efetivo pagamento das despesas constantes dos programas e ações governamentais. Por isso.com. é dividida em ordinária e vinculada. cujos recursos são obtidos com finalidade específica. Destinação ordinária – é o procedimento de alocação livre de fonte parcial ou totalmente não-vinculada de receitas à aplicação de recursos para atender às finalidades gerais do Ente Federado.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO conforme a destinação legal dos recursos arrecadados. Destinação da receita pública é o procedimento pelo qual os recursos públicos são vinculados a uma ou determinadas despesas específicas ou a qualquer que seja a aplicação de recursos. A natureza da receita busca identificar a origem dos recursos segundo seu fato gerador. entidades e fundos. porém. Destinação vinculada – é o procedimento de vinculação de fonte de receita na aplicação de recursos. a exemplo dos convênios firmados entre a União e os Municípios.br 14 . seja para entes. A destinação de Receita Pública. De que forma se realiza o controle da destinação de recursos! O mecanismo utilizado para controle das destinações de recursos é a codificação denominada: DESTINAÇÃO DE RECURSOS (DR). Ela www. seja para funções essenciais. 2/07 que aprova a 4ª Edição do Manual de Procedimentos da Receita Pública versa acerca desse assunto no tópico “destinação da receita orçamentária”. 2. foi instituído no governo federal o mecanismo da destinação da receita. a exemplo dos recursos destinados ao fundo de participação dos estados e municípios. onde: 1.

Existe ainda outra classificação para as destinações de receitas. ainda. se pertence ao exercício corrente ou a exercícios anteriores e. Item Certo. Destinar recursos é reservar valores ou parcelas para determinado fim ou emprego. se é correspondente a contrapartidas de empréstimos ou financiamentos. no caso daqueles vinculados. regulamentado pela Lei de Responsabilidade Fiscal . 8. Esse mecanismo possibilita o atendimento do princípio da transparência no gasto público inserido na Lei de Responsabilidade Fiscal e o controle das fontes de financiamento das despesas. Destinação Não-Primária ou Financeira – fonte vinculada ou ordinária derivada de natureza de receita que tem caráter financeiro e características de endividamento ou de desmobilização (alienação de bens). Identifica também se o recurso é originário do Tesouro (Nacional. 2/07 que aprova a 4ª Edição do Manual de Procedimentos da Receita Pública versa acerca desse assunto no tópico “mecanismo de utilização das destinações de recursos”. haja vista a existência de vinculações para todos eles.RREO. Atenção! O controle das destinações de recursos deve ser feito por todos os Entes da Federação.pontodosconcursos. Observe os conceitos: 1. Destinação Primária ou Não Financeira – fonte vinculada ou ordinária derivada de natureza de receita que tem caráter não financeiro. conceitos importantes na elaboração do demonstrativo do resultado primário. devendo existir especificações de fontes para essas destinações. as destinações estão divididas em destinações primárias ou não-primárias. desde a previsão da receita até a fixação da despesa.br 15 .CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO identifica se os recursos são vinculados ou não e. Assim. indica a sua finalidade.com. Resolução A Portaria Conjunta STN/SOF nº. A destinação primária ou não primária de recursos também é denominada de não financeira ou financeira respectivamente. Todos os Entes possuem vinculações próprias. parte integrante do relatório resumido da execução orçamentária .LRF. 2. não possuindo características de endividamento ou de desmobilização e que compõe o cálculo do resultado primário. Estadual ou Municipal). (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TST/2008) A metodologia de destinação da receita constitui instrumento que interliga todo o processo orçamentário-financeiro. por www.

é feita a classificação por natureza de receita e destinação de recursos. de modo que os recursos vinculados a órgão. deve ser registrado em contas de controle do sistema orçamentário o total da receita prevista e da despesa fixada por destinação. sendo possível determinar a disponibilidade para alocação discricionária pelo gestor público. até a sua execução. Na elaboração da lei orçamentária.br 16 . abaixo transcritos: Art. Art. Os recursos legalmente vinculados a finalidade específica serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação. Os mecanismos de utilização das destinações de recursos encontramse inseridos no Parágrafo único do art. www.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO motivos estratégicos e pela existência de dispositivos legais que estabelecem vinculações para as receitas. as destinações dos valores. 50 – Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública. da LRF.pontodosconcursos. Na execução orçamentária. fundo ou despesa obrigatória fiquem identificados e escriturados de forma individualizada.com. programa de trabalho e outras classificações. Tratamento correspondente é dado às receitas. 8º – Parágrafo único. a codificação da destinação da receita indica a vinculação. incluindo ingresso. 8º e no art. a partir do ingresso. evidenciando. deve estar demonstrada qual a fonte de financiamento da mesma. ainda que em exercício diverso daquele em que ocorrer o ingresso. Portanto. conforme vinculações estabelecidas. Quando da realização da despesa. ao se fixar a despesa deve-se incluir. e aquela reservada para finalidades específicas. o controle das disponibilidades financeiras por fonte de recursos deve ser feito desde a elaboração do orçamento. a escrituração das contas públicas observará as seguintes: I – a disponibilidade de caixa constará de registro próprio. Assim sendo. no momento do recolhimento/recebimento dos valores. juntamente com a natureza da despesa. na sua classificação. No momento da contabilização do orçamento. comprometimento e saída dos recursos financeiros. estabelecendo-se a interligação entre a receita e a despesa. a destinação de Fonte de Recursos que irá financiá-la. cuja destinação é determinada pela combinação entre a classificação por natureza da receita e o código indicativo da destinação de recursos. 50.

as operações de crédito por antecipação de receita. e na saída desse recurso deve ser adotado procedimento semelhante.). denominadas de antecipações de receitas orçamentárias – AROs podem ser realizadas por todos os Entes Federados. Também.com.pontodosconcursos. “ferir” o princípio da exclusividade. com regras diferenciadas para os estados e municípios.br 17 . § 8º. Na liquidação da despesa deve ser registrada a transferência da disponibilidade a utilizar para a comprometida. Assim sendo. Resolução As operações de crédito por antecipação de receita destinam-se a atender insuficiência de caixa durante o exercício financeiro e deve cumprir diversas exigências da LRF. 9.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO Na arrecadação da receita. desde o estágio de previsão da receita até o estágio de execução da despesa. Julgue os itens seguintes. sem. em contas de controle o valor classificado na destinação correspondente (disponibilidade a utilizar). Importante! A metodologia de destinação da receita constitui instrumento que interliga todo o processo orçamentário-financeiro. no momento do empenho no sistema orçamentário. bem como o registro da realização da receita por destinação. deverá ser lançado. (CESPE – Procurador/ES – 2008) As operações de crédito por antecipação de receita realizada pelo estado-membro serão efetuadas mediante abertura de crédito junto à instituição financeira vencedora em processo competitivo eletrônico promovido pelo Banco Central do Brasil. contudo. no texto da lei orçamentária. acerca da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). além de seu registro e do respectivo ingresso dos recursos financeiros. Essa autorização pode ser inserida na LOA. porém. com o registro de baixa do saldo da conta de destinação comprometida e lançamento na de destinação utilizada. onde serão efetuadas mediante abertura de crédito junto à instituição financeira www. Item Certo. Só o Executivo pode realizar e depende de prévia e expressa autorização para a contratação. 165. na execução orçamentária da despesa. em créditos adicionais ou lei específica. haja vista que a Constituição Federal literalmente autoriza (art. deve haver a baixa do crédito disponível de acordo com a destinação.

aplicará as sanções cabíveis à instituição credora. o Banco Central do Brasil deve manter sistema de acompanhamento e controle do saldo do crédito aberto e. Exigências básicas ou condições para as AROs: 1. Deverá ser liquidada. O www. desde que liquidadas até o dia dez de dezembro de cada ano. Ou seja.br 18 . A LRF impôs regras objetivando alterar este quadro de negligência. Governador ou Prefeito Municipal. (CESPE – Procurador/ES – 2008) A concessão de isenção tributária individual não caracteriza renúncia de receita e a sua instituição. 4. posto que essas receitas são apenas antecipações da previsão orçamentária. portanto. 2. até o dia dez de dezembro de cada ano. com juros e outros encargos incidentes. no caso de inobservância dos limites.com.pontodosconcursos. As AROs geram endividamento de curto prazo (até 365 dias) para os Entes Federados.2. No último ano de mandato do Presidente. 10. dispensa a adoção de medidas de compensação. Portanto. 3. cabendo ao Ministério da Fazenda verificar o cumprimento dos limites e condições relativos à realização de operações de crédito de cada ente da Federação.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO vencedora em processo competitivo eletrônico promovido pelo Banco Central do Brasil (art. obrigatoriamente prefixada ou indexada à taxa básica financeira. da LRF). ou à que vier a esta substituir. 32. Enquanto existir operação anterior da mesma natureza não integralmente resgatada.1. são receitas recebidas antecipadamente mediante empréstimos junto à instituição financeira. irresponsabilidade e favorecimento político com o dinheiro público. Item CERTO. 4. § 2º. Por fim. Resolução O comando dessa questão trata-se de renúncia de receita prevista na LRF. Poderá ser realizada somente a partir do décimo dia do início do exercício financeiro. Atenção! As AROs não serão computadas na Regra de Ouro. Atenção! É importante entender que as receitas arrecadadas provenientes de operações de crédito por antecipação da receita NÃO são inseridas na receita prevista da LOA. Estará proibida: 4. Não pode ser autorizada se forem cobrados outros encargos que não a taxa de juros da operação. para a sua realização devem-se cumprir tais limites estabelecidos na LRF.

além disso. quer decorrente de tributo. não se aplicando: . Estar acompanhada da estimativa do impacto orçamentário-financeiro no exercício em que deva iniciar a vigência da renúncia e nos dois seguintes. poderá privar o município de receber recursos financeiros (transferências voluntárias) enviados pelos Estados e União. Concessão de isenção em caráter não geral. Crédito presumido. É vedada a realização de transferências voluntárias para o ente que não observe o disposto no “caput”. majoração ou criação de tributo ou contribuição. dar como pago. A anistia é modalidade de exclusão do crédito tributário disposto no artigo 180 do Código Tributário Nacional. 180. onde assim disciplina: Art. ou seja. reduzindo substancialmente o ICMS a ser pago. Remissão. Pressupõe que tenha havido o lançamento tributário. Subsídio. dos bens e interesses públicos. E a pelo menos uma das seguintes condições: O que se entende por renúncia de receita! Conforme a LRF.subsídios aos produtos da Zona Franca de Manaus etc. o Estado concede um crédito “presumido” de até 99% e a Empresa só paga 1% do imposto devido. significa que alguma(s) categoria(s) de contribuintes fica(m) isenta(s) de pagar www. Constituem requisitos essenciais da responsabilidade na gestão fiscal a instituição. Garantias de preços mínimos. A anistia abrange exclusivamente as infrações cometidas anteriormente à vigência da lei que a concede. . pela administração. O crédito presumido é um incentivo fiscal oferecido pelo Poder Público (Estado) a setores que o Estado entende como importantes para o desenvolvimento industrial. Demonstração pelo proponente de que a renúncia foi considerada na estimativa de receita da lei orçamentária e de que não afetará as metas de resultados fiscais previstas no anexo próprio da LDO. Cabe registrar que o dispositivo acima transcrito está em perfeita sintonia com o princípio da indisponibilidade.com. mesmo sem essa qualificação. por meio do aumento de receita. a renúncia de receita compreende: Anistia. É forma de extinção do crédito tributário. Observe o que dispõe a LRF a respeito: Art.pontodosconcursos. dispensa. empréstimos a taxas favorecidas.salvo disposição em contrário.aos atos qualificados em lei como crimes ou contravenções e aos que.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO gestor ou agente político que não cumprir as regras de gestão da receita pública estará sujeito a sanções pessoais. no que se refere aos impostos. Estar acompanhada de medidas de compensação. 11. ampliação da base de cálculo. Geralmente concedida por lei.br 19 . 2. quer decorrente de penalidade. 2. 1. o qual integra o regime jurídicoadministrativo A LRF estabelece que a concessão ou ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária da qual decorra renúncia de receita deve: 1. Significa perdão. previsão e efetiva arrecadação de todos os tributos da competência constitucional do ente da Federação. proveniente da elevação de alíquotas. sejam praticados com dolo. fraude ou simulação pelo sujeito passivo ou por terceiro em benefício daquele. no período mencionado no caput. Atendimento ao disposto na Lei de Diretrizes orçamentárias. § único. às infrações resultantes de conluio entre duas ou mais pessoas naturais ou jurídicas.

operações de crédito e concessão de garantias. mesmo quando a alíquota aplicável ao tributo incidente sobre determinado fato. Operações de crédito. ampliação da base de cálculo. Alteração de alíquota ou modificação de base de cálculo que implique redução discriminada de tributos ou contribuições. portanto. Alteração ou redução da alíquota não se confunde com a isenção. em razão do desejo do Estado de fomentar certas atividades ou regiões do País. Ocorre exatamente ao contrário. www. a concessão de isenção tributária individual caracteriza renúncia de receita e na sua instituição deve ser adotada de medidas de compensação. Item ERRADO. (CESPE – Procurador/ES – 2008) Lei estadual pode fixar limites inferiores aos previstos na LRF para as dívidas consolidadas e mobiliária. de produtos nacionais ou nacionalizados – IE. dispensa a adoção de medidas de compensação”. A redução pode ter caráter transitório. II). Benefícios fiscais extensivos às micro empresas. Exportação. por meio do aumento de receita. majoração ou criação de tributo ou contribuição. § 3º. proveniente da elevação de alíquotas. ainda. O contribuinte continua sujeito às demais obrigações fiscais. aplicar-se apenas a determinado produto de uma categoria mais ampla ou limitar-se a operações realizadas em certas áreas geográficas.com. Produtos industrializados – IPI. Não se considera renúncia de receita: Importação de produtos estrangeiros . no período em que deva entrar em vigor e nos dois subseqüentes. ou relativas a títulos ou valores mobiliários – IOF. coisa ou transação é reduzida a zero. 14.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO determinado tributo.pontodosconcursos. inclusive ao pagamento dos tributos dependentes ou conexos com àquele cuja alíquota foi reduzida. câmbio e seguro. a Lei de Responsabilidade Fiscal não considera renúncia de receita a remissão total do crédito tributário cujo montante seja inferior ao dos respectivos custos de cobrança (art. determinados empreendimentos que atendam às condições fixadas na lei concessiva da isenção. ou. O cancelamento de débito cujo montante seja inferior ao dos respectivos custos de cobrança. Outros benefícios que correspondam a tratamento diferenciado.br 20 . e aplica-se na forma de lei votada pelo Congresso Nacional. Conclusão: O comando da questão afirma: “A concessão de isenção tributária individual não caracteriza renúncia de receita e a sua instituição. o benefício só entrará em vigor quando implementadas tais medidas. para o exterior. Atenção! Se o ato de concessão ou ampliação do incentivo ou benefício tributário estiver acompanhado de medidas de compensação.II. 11. Importante! Cabe ressaltar que em obediência à celeridade processual e ao princípio da economicidade.

inciso III. a inclusão. inciso III. 43. dívidas consolidada e mobiliária. estabelecido na LOA (art. 12. endividamento. No que se refere à abertura de créditos adicionais a Constituição Federal permite que seja incluída autorização só para os créditos SUPLEMENTARES. em decorrência de veto. emenda ou rejeição do projeto de lei orçamentária anual. § 1º. inciso II. O produto de operações de credito autorizadas. 43. a exemplo dos limites de despesa total com pessoal. operações de crédito. 166. 43. ficarem sem despesas correspondentes. Os recursos que.320/64). O princípio da exclusividade possui regramento constitucional e estabelece que a lei orçamentária anual não pode conter dispositivos estranhos à fixação das despesas e previsão das receitas. § 1º. Resolução O comando da questão apresenta dois erros: 1º. § 1º. posto que existem diversas fontes de recursos possíveis que podem ser utilizados para a abertura de créditos adicionais (suplementares.320/64).320/64). da Lei nº 4. Item CERTO. julgue os próximos itens. Não existe nenhuma norma que condicione a abertura de créditos adicionais à existência de excesso de arrecadação. da Lei nº 4. desde que haja prévia e específica autorização legislativa (art.pontodosconcursos. inciso I. da Lei nº 4. 2º. da Lei nº 4. § 8º. da CF).CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO Resolução Ao aprovar a LRF o legislador ordinário previu em suas disposições finais e transitórias diversas regras. encerrado em 31/12 (art. Os provenientes de excesso de arrecadação (art. autorizados em Lei (art. 5º. § 1º. alínea b. inciso IV. Os resultantes de anulação parcial ou total de dotações orçamentárias ou de créditos adicionais. na lei orçamentária. entre elas a de que lei estadual ou municipal pode fixar limites inferiores aos previstos na LRF. especiais ou extraordinários). AROs.br 21 . Com relação à administração orçamentária e financeira. Na lei orçamentária – LOA não pode haver autorização para abertura de créditos ESPECIAIS. em forma que juridicamente possibilite ao poder executivo realizá-las (art.com. As fontes de recursos possíveis são: Superávit financeiro apurado em balanço patrimonial do exercício anterior. Os resultantes da reserva para contingências. ressalvada a autorização para a abertura de créditos suplementares e www. de autorizações para abertura de créditos suplementares e especiais está condicionada à existência de excesso de arrecadação. 43.320/64). (CESPE – Analista Administrativo Financeiro – SEGER/ES/2007) Em decorrência do princípio da exclusividade. concessão de garantias etc. da LRF).

na LOA. O que se considera como despesa obrigatória de caráter continuado? É a despesa corrente derivada de lei. passou a exigir a estimativa da margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado. (CESPE – Analista Administrativo Financeiro – SEGER/ES/2007) A Lei de Responsabilidade Fiscal. resultados nominal e primário e montante da dívida pública. Resolução O § 1º do art. O art. Item ERRADO.com. a constituição Federal autoriza que as matérias abaixo enumeradas podem ser inseridas na LOA: ► Autorização para a abertura de crédito adicional suplementar. medida provisória ou ato administrativo normativo que fixem para o ente a obrigação legal de sua execução por um período superior a dois exercícios. que correspondem a contratos anuais com período de execução que ultrapassa o final do exercício financeiro do respectivo orçamento. ainda que por antecipação da receita. especial e extraordinário. expansão ou aperfeiçoamento de ação governamental que acarrete aumento da despesa será acompanhado da estimativa do impacto orçamentáriofinanceiro no exercício em que deva entrar em vigor e nos dois subseqüentes. ► Contratação de operações de crédito por antecipação da receita orçamentária – ARO. excepcionando o princípio da exclusividade. Portanto. relativas a receitas.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO contratação de operações de crédito. 4º da LRF determina que a LDO contenha o Anexo de Metas Fiscais. 13. (autorização Legislativa) só a abertura de crédito adicional SUPLEMENTAR. Conclusão: www. 16 da LRF determina que a criação. em valores correntes e constantes. despesas. para o exercício a que se referirem e para os dois seguintes. ao incluir anexo de metas fiscais na lei de diretrizes orçamentárias.pontodosconcursos. em que serão estabelecidas metas anuais.br 22 . ► Contratação de qualquer operação de crédito. Cuidado! Crédito adicional é o gênero e suas espécies são: suplementar. A CF/88 autoriza que seja incluído. O inciso “V” do § 2º do artigo em comento determinada que o Anexo de Metas Fiscais deva conter o demonstrativo da estimativa e compensação da renúncia de receita e da margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado.

cuja ênfase é a consecução de objetivos e metas e. ser considerado uma concepção Esse tipo de orçamento é entendido como um elo entre o planejamento (PPA) e as ações executivas da Administração Pública. em vez de apontar o número de hospitais a serem construídos ou ambulatórios a serem instalados.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO Realmente a Lei de Responsabilidade Fiscal prevê que a LDO contenha o Anexo de Metas Fiscais. Também é verdade que o Anexo de Metas Fiscais deva conter o demonstrativo da estimativa e compensação da renúncia de receita e da margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado.ONU a partir do final da década de 50.com. NÃO é verdade que as despesas obrigatórias de caráter continuado correspondem a contratos anuais com período de execução que ultrapassa o final do exercício financeiro do respectivo orçamento. O orçamento-programa foi difundido pela Organização das Nações Unidas . 14. inspirado na experiência do orçamento de desempenho nos Estados Unidos da América. O tipo de orçamento utilizado atualmente no Brasil.br 23 . O orçamento-programa pode ser entendido como o plano de trabalho do governo no qual são especificadas as proposições concretas que se pretende realizar durante um exercício financeiro. Porém. Resolução O orçamento-programa é definido como um plano de trabalho expresso por um conjunto de ações a realizar e pela identificação dos recursos necessários à sua execução. estaria mais bem justificado se. indicasse o número de novos pacientes a serem atendidos ou de novos atendimentos a serem realizados. As despesas obrigatórias de caráter continuado correspondem a obrigação legal de execução de despesa por um período superior a dois exercícios financeiros. (CESPE – Analista Administrativo Financeiro – SEGER/ES/2007) A definição clara de objetivos é condição básica para o orçamentoprograma. Um programa na área de saúde.pontodosconcursos. são considerados os custos dos programas de ação e classificados a partir do ponto de vista funcional-programático. Item ERRADO. obrigatório para todas as unidades da federação é o orçamento-programa. O orçamento-programa pode gerencial de orçamento público. www. para tanto. por exemplo.

Atenção! Muito cobrado em concurso! O orçamento-programa foi implementado no Brasil mediante inclusão na Lei no 4. O orçamento-programa está intimamente ligado ao sistema de planejamento (PPA) e aos objetivos que o Governo pretende alcançar durante um determinado período de tempo.ações não integrantes do Orçamento Geral da União necessárias à consecução do objetivo. Apesar da concepção de orçamento-programa ser conhecida desde a década de 50. 2º Cada Programa deverá conter: I . sendo imediatamente colocado em prática.objetivo. toda ação finalística do Governo Federal deverá ser estruturada em Programas orientados para a consecução dos objetivos estratégicos definidos para o período do Plano.pontodosconcursos.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO A legalização do orçamento-programa na esfera federal foi efetivada em 1964 e está inserido na Lei no 4. V . VIII . VI .br 24 . III .órgão responsável. 1º Para elaboração e execução do Plano Plurianual 2000-2003 e dos Orçamentos da União. 2. em todas as esferas de governo. Entende-se por ação finalística aquela que proporciona bem ou serviço para atendimento direto a demandas da sociedade.com. Observe as regras estabelecidas no Decreto Federal nº.metas correspondentes aos bens e serviços necessários para atingir o objetivo.320/64. inclusive no Brasil. Foi a partir desse Decreto que os esforços para a implantação do orçamento programa na área federal tiveram efetivamente a sua concretização. que em cada ano será elaborado um orçamento-programa que pormenorizará a etapa do programa plurianual a ser realizado no exercício seguinte e que servirá de roteiro à execução coordenada do programa anual. § 3º A classificação funcional-programática deverá ser aperfeiçoada de modo a estimular a adoção. VII . do uso do gerenciamento por Programas. Parágrafo único.320/64 o Decreto-Lei no 200/67 reforçou a idéia de orçamento-programa ao estabelecer. a partir do exercício financeiro do ano 2000. II . Após a Lei no 4. IV . em seu art.prazo de conclusão.320. www. os avanços ocorridos para sua efetiva implementação em nosso País ocorreu somente depois da edição do Decreto Federal nº. 2. O Decreto supramencionado estabelece normas para a elaboração e execução do Plano Plurianual e dos Orçamentos da União.valor global. Os Programas constituídos predominantemente de Ações Continuadas deverão conter metas de qualidade e de produtividade. a serem atingidas em prazo definido.fonte de financiamento.829/98 e demais normas que disciplinaram a elaboração do PPA (2000-2003). Art.indicador que quantifique a situação que o programa tenha por fim modificar.829/98: Art.regionalização das metas por Estado Parágrafo único. IX . 16.

mas principalmente. O acompanhamento físico-financeiro.pontodosconcursos. LDO e LRF. Informações relativas a cada atividade ou projeto. Atribuir recursos para o cumprimento de determinados objetivos e metas. o www. objetivos e metas compatibilizados com o PPA. indicasse o número de novos pacientes a serem atendidos ou de novos atendimentos a serem realizados”.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO Atenção! O orçamento-programa é conceituado como sendo um plano de trabalho expresso por um conjunto de ações a realizar e pela identificação dos recursos necessários à sua execução.br 25 . quanto e para que vai gastar. Portanto. entretanto. estimativas reais de recursos e de diagnóstico das necessidades. Definição clara de objetivos. podemos observar que o orçamento-programa não é apenas um documento financeiro. em vez de apontar o número de hospitais a serem construídos ou ambulatórios a serem instalados. Na afirmação do comando da questão retrata perfeitamente a importância do objetivo do gasto ao informar: “Um programa na área de saúde. Elaboração através de processo técnico e baseado em diretrizes e prioridades. Conclusão: O orçamento-programa possibilita a definição clara de objetivos. A avaliação de resultados e a gerência por objetivos A interdependência e conexão entre os diferentes programas do trabalho. Podemos dizer que os orçamentos expressam uma realidade físicofinanceira e os programas de trabalho do governo.com. Identificação dos programas de trabalho. ou seja. As relações insumo-produto. um instrumento de concretização das ações do governo. estaria mais bem justificado se. A quantificação de objetivos e a fixação de metas. pelos conceitos e definições. As alternativas programáticas. Atribuir responsabilidade aos gestores públicos. O objeto do gasto no orçamento-programa é irrelevante em relação ao seu objetivo. O OBJETO do gasto seria apontar o número de hospitais a serem construídos ou ambulatórios a serem instalados e o OBJETIVO. o orçamento-programa possibilita. Ele viabiliza os objetivos governamentais em consonância com os planos e diretrizes estabelecidas. Identificar a duplicidade de esforços no planejamento e na execução. por exemplo. entre outros: A integração do planejamento (PPA) com o orçamento (LOA). a composição dos custos dos produtos ofertados.

www. para fim de realizar despesas que não possam subordinar-se ao processo normal de aplicação. Concretiza-se através da entrega de numerário a servidor. ou seja.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO número de novos pacientes a serem atendidos ou de novos atendimentos a serem realizados. ► Servidor que tenha a seu cargo a guarda ou utilização do material a adquirir. salvo quando não houver na repartição outro servidor.com. ► Servidor que não tenha prestado contas de suprimento de fundos de sua responsabilidade. O § 3º do art. o servidor responsável por dois suprimentos de fundos com prazo de aplicação não vencido está impedido de receber um terceiro. quando esgotado o prazo para fazê-lo. mediante empenho na dotação própria. é aplicável a qualquer tipo de despesa. Ao servidor que não tenha prestado contas de suprimento de fundos de sua responsabilidade. concedido pelo ordenador de despesa. a cada período. Resolução A Lei nº 4. admitido apenas em situações consideradas excepcionais. 45 do Decreto nº 93. Nesse momento. A despesa é considerada realizada no momento do seu empenho a favor do servidor suprido. Atenção! A importância aplicada até 31 de dezembro poderá ser comprovada até 15 de janeiro do ano seguinte. como determina a legislação de regência. O servidor responsável abre uma conta específica no Banco do Brasil onde será depositado o numerário a seu favor. Posteriormente o servidor presta contas (liquidação da despesa).br 26 . ocorre o adiantamento da despesa.320/64 estabelece que o regime de adiantamento é aplicável aos casos de despesas expressamente definidos em lei e consiste na entrega de numerário a servidor. quando esgotado o prazo para fazê-lo é denominado em alcance. Item CERTO. 15. ao setor contábil. (CESPE – Analista Administrativo Financeiro – SEGER/ES/2007) O pagamento da despesa por meio de adiantamento. sempre precedida de empenho na dotação própria. restringindo-se a um único servidor do órgão. especialmente designado.pontodosconcursos.872/86 proíbe expressamente a concessão de suprimento de fundos a: ► Servidor responsável por dois suprimentos. ► Servidor que esteja respondendo a inquérito administrativo – IN STN nº 10/91.

872/96). serviços de engenharia na modalidade 150. Quadro exemplo de limites para concessão de suprimento de fundos e pagamento de despesas de pequeno vulto.000. aquelas cujo valor não ultrapasse os limites estabelecidos em Portaria do Ministério da Fazenda (art. inciso II.25% X compras em geral.25% do valor máximo para outros 0.648 de 27/05/98).00 I do art.25% do valor máximo para obras e 0.648 de 27/05/98). alterada pela Lei nº 9. 23 da Lei nº 8.872/96).pontodosconcursos. Pode-se realizar quaisquer tipo de despesas com suprimento de fundos? Nos termos da legislação supracitada as principais despesas que poderão ser atendidas por meio de suprimento de fundos são: ► Com serviços que exijam pronto pagamento em espécie (despesas de viagens e serviços especiais) ((art.00).000. inciso III.00 e 7. 23 da lei 8. Ou seja. os comprovantes de despesas deverão ser atestados por outro servidor que tenha conhecimento sobre o assunto. por meio da modalidade convite. do Decreto nº 93.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO Na prestação de contas. 45. no nível federal. assim entendidas. do art. Limites para concessão de suprimento de fundos: Objeto Limite Valor R$ = Obras e serviços de 5% do valor máximo para obras e 5% X engenharia. do Decreto nº 93. do Decreto nº 93.872/96).00 modalidade de licitação "convite" (alínea 4. adotando-se o mesmo grau de sigilo.00.00 = R$ R$ www. serviços e compras em geral na 80. conforme se classificar em regulamento (art. inciso I 7. serviços e compras em geral na 80. inciso I.500. 45. Outros serviços e 5% do valor máximo para outros 5% X compras em geral.com. esses valores seriam.666/93.00 = de licitação "convite" (alínea “a”. Outros serviços e 0.000.500. inciso II do art.666/93. respectivamente: R$ 4. ► Que devam ser feitas em caráter sigiloso.000.00.alterada pela Lei nº 9.648 de 27/05/98). alterada pela Lei nº 9. ► De pequeno vulto.000.25% x engenharia. R$ = Limite para pagamento de despesas de pequeno vulto: Objeto Limite Valor R$ R$ Obras e serviços de 0. 23 da Lei n 8.666/93 .br 27 . serviços de engenharia na modalidade 150. inciso 375.00 de licitação "convite" (alínea “a”. Atualmente os valores máximos permitidos são: (5% dos limites de compras e serviços e 5% do limite de execução de obras – estabelecidos em processo licitatório.000. 45. “a”.

a exemplo do MPOG/STN/SOF estabelecem as regras orçamentárias para que sejam adotadas pelos órgãos de execução (unidades orçamentárias) na elaboração de suas propostas e posterior envio ao órgão técnico central de planejamento (Secretaria de Orçamento federal – SOF). O limite a que se refere este último quadro é para subitem da despesa.648 de 27/05/98).alterada pela Lei nº 9. e finanças públicos. Resolução A política orçamentária é estabelecida (traçada) pelo Executivo. julgue os itens 16. posto que geralmente limita-se a gastos com bens de consumo. Em princípio não é aplicável a qualquer tipo de despesa. haja vista que qualquer servidor público não impedido pode ser suprido. inciso II do art.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO modalidade de licitação "convite" 200. A política orçamentária é formalmente estabelecida através dos instrumentos de planejamento (PPA. especialmente designado. Item ERRADO. LDO e LOA) aprovados através de leis ordinárias que de fato são “meros atos administrativos formais”. Conclusão: O pagamento da despesa por meio de adiantamento em princípio só se admite em situações consideradas excepcionais.pontodosconcursos. Não se restringe a um único servidor do órgão. 23 da Lei nº 8. os órgãos centrais de planejamento.666/93 . Quanto a orçamento subseqüentes.00 (alínea “a”.br 28 . A partir daí. (CESPE – Analista Econômico. depois de acordado com a cúpula dos três Poderes.com. Administrativo e Contábil – IEMA/ES/2007) A política orçamentária constitui uma forma de planejamento da aplicação dos recursos públicos. Observe o fluxo da elaboração e execução do orçamento: www.

Atende a regra estabelecida no inciso II do art. o da publicidade. ressalvando-se as peculiaridades dessa disciplina. www. seja com ou sem fins lucrativos. seus Princípios Fundamentais de Contabilidade . como.br 29 . onde menciona que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei” (princípio da reserva legal). conservando validade em qualquer circunstância. revestindo-se dos atributos de universalidade e veracidade. a exemplo do regime de caixa para as receitas. Os princípios constituem sempre as vigas-mestras de uma ciência. o da trimestralidade e o da legalidade. 5º da CF. Resolução O comando da questão versa acerca dos princípios orçamentários. O princípio da legalidade diz respeito às limitações ao poder de tributar do Estado. independentemente das entidades a que pertencem. por exemplo.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO ÓRGÃO CENTRAL DE PLANEJ Distribui Orientações (Projeto da LDO) ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO UNIDADES GESTORAS Prepara Proposta Orçamentária ÓRGÃO SETORIAL DE PLANEJ Consolida Propostas dos Órgãos ÓRGÃO CENTRAL DE PLANEJ Elabora a proposta da LOA CHEFE DO EXECUTIVO Encaminha PLO para o Legislativo LEGISLATIVO CCJ Verifica constitucionalidade da PLO ÓRGÃO SETORIAL DE PLANEJ Distribui Orientações Orçamentária s (LDO) LEGISLATIVO CMPOF Examina e consolida as Emendas à PLO LEGISLATIVO PLENÁRIO Aprova a LOA CHEFE DO EXECUTIVO Sanciona a LOA ÓRGÃO CENTRAL DE PLANEJ Prepara o Detalhamento de Despesa por Elemento 30 ÓRGÃO CENTRAL DE CONTAB Registra na Contabilidade e prepara decreto de Prog Financ UNIDADES GESTORAS Executa o Orçamento Controle externo Controle interno EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO Movimentação de recursos orçamentários Execução do Orçamento Programação Financeira e Orçamentária Movimentação de recursos financeiros Detalhamento de Despesa por Elemento . 17. sempre que possível aplicam-se os princípios fundamentais de contabilidade. No caso da contabilidade.com. (CESPE – Analista Econômico.PFC valem para todos os patrimônios. presente seu objeto.pontodosconcursos. Para a contabilidade pública.DDE Descentralização do Crédito Empenho Liqüidação Cronograma de desembolso Liberação de cotas de recursos Repasses/sub -repasses Pagamento Item CERTO. Administrativo e Contábil – IEMA/ES/2007) A elaboração do orçamento público deve seguir alguns princípios básicos.

Assim. LDO e LOA) são preparados e encaminhados. Em função desse princípio. portanto. indireta ou indireta. a arrecadação de receitas e a execução de despesas. fica garantido ao povo que todos os atos relacionados aos interesses da sociedade devem passar pelo exame e pela aprovação do parlamento (Legislativo – legítimo representante do povo). Atendendo a esse princípio. LDO e LOA). Esse princípio visa a combater as arbitrariedades emanadas do poder público. ao Legislativo. ou seja.com. A publicidade faz-se através do Diário Oficial. teori camente não se cogi ta de uma administração públ ica sem publi cidade de seus atos. O princípio da publicidade é aplicável a toda à administração pública. devam passar pelo exame e pela aprovação do parlamento. dispensa maiores comentários. Assi m sendo. haja vi sta que este é um princí pi o fundamental de administração em um estado democráti co de di rei to. etc. o planejamento e o orçamento são realizados através de leis (PPA. Quando o orçamento é aprovado pelo Poder Legislativo há garantia de que todos os atos relacionados aos interesses da sociedade. todos os atos e fatos públicos. 37 da CF. para fins de discussão e aprovação por este. em princípio devem ser acessíveis à sociedade. início e eficácia de seus efeitos. Somente por meio de normas legais podem ser criadas obrigações aos indivíduos.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO Esse princípio orienta a estruturação do sistema orçamentário. A Constituição Federal de 1988 inovou em termos de constitucionalização dos princípios regentes dos atos administrativos www. Esse princípio é bastante difundido nos livros de direito administrativo. para conhecimento. em especial. todos os instrumentos de planejamento da administração pública (PPA. contratos e outros instrumentos celebrados pela Administração Pública direta. pelo Poder Executivo. jornais. ressalvados aqueles que comprometem a segurança nacional. O princípio da publicidade torna obrigatória a divulgação de atos. controle. para conhecimento do público em geral e da produção de seus efeitos – eficácia da norma. Editais.pontodosconcursos. A publicidade é um dos princípios que regem a administração pública. conforme previsto no art. cabendo ainda ao Parlamento fiscalizar a execução dos orçamentos.br 30 .

165 determina que o Poder Executivo deva publicar. tributária e creditícia. inclusive em meios eletrônicos de acesso público: os planos. 48 da LRF estabelece os instrumentos de transparência da gestão fiscal.pontodosconcursos. O § 6º prevê que o projeto da lei orçamentária venha acompanhado de demonstrativo regionalizado do efeito. subsídios e benefícios de natureza financeira.com. Agora. 165. as prestações de contas e o respectivo parecer prévio. a LRF regulamentou essa matéria estabelecendo quais são os instrumentos de transparência na gestão fiscal: Os planos. sobre as receitas e despesas. O art. Incentivo à participação popular (art. elevando em nível constitucional o princípio da publicidade (art. A LRF ampliou enormemente esse princípio ao determinar obrigações ao poder público acerca da transparência da gestão fiscal. no respectivo Poder Legislativo e no órgão técnico responsável pela sua elaboração. o Relatório Resumido da Execução Orçamentária e o Relatório de Gestão Fiscal. aplicando-os à matéria orçamentária. O parecer prévio dos Tribunais de Contas. arrecadação de receitas e prestação de contas. anistias. § 3º e 6º). O art. aos quais terão ampla divulgação. www. 48. O relatório resumido da execução orçamentária – RREO. remissões. para consulta e apreciação pelos cidadãos e instituições da sociedade. parágrafo único). o relatório resumido da execução orçamentária. decorrentes de isenções. O relatório de gestão fiscal – RGF. 49 da LRF determina que as contas apresentadas pelo Chefe do Poder Executivo ficarão disponíveis. e as versões simplificadas desses documentos. Verifica-se que existem diversas regras que garantem a aplicação do princípio da publicidade em matéria orçamentária ou de finanças públicas. parágrafo único). até trinta dias após o encerramento de cada bimestre. durante todo o exercício. Os orçamentos.br 31 . O § 3º do art. Cabe à sociedade o exercício desse direito mediante o acesso às informações sobre a execução das despesas. As Leis de Diretrizes Orçamentárias. As versões simplificadas do RREO e do RGF. As prestações de contas.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO em geral. é questão de exercício da cidadania. Realização de audiências públicas (art. orçamentos e leis de diretrizes orçamentárias. Portanto. 48. os instrumentos estão à nossa disposição.

a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna e fundada na harmonia social. exerce várias atividades e funções.com. Assim sendo. jurídicas. especificação etc. a liberdade. financeira etc. Esse princípio fica por conta do elaborador da questão (pegadinha!). exclusividade. fica condicionada à prévia publicação.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO A LDO/2007 da União incorporou definitivamente o princípio da publicidade à execução orçamentária ao estabelecer: Art. cujos créditos orçamentários não identifiquem nominalmente a localidade beneficiada. Dessa forma.br 32 . Resolução A Constituição brasileira estabelece que o Brasil é uma República Federativa formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal e constitui-se em Estado democrático de Direito. Art. A execução orçamentária e financeira. deverá assegurar ao seu povo o exercício dos direitos sociais e individuais. Assim. entende-se que a www. os quais podemos citar: Legalidade. de modo que possa concretizar os seus fins. dos critérios de distribuição dos recursos. de segurança. assim como o homem. culturais etc. Deve-se entender que o Estado. a segurança. o federalismo. totalidade. das transferências voluntárias de recursos da União. publicidade. tais como: sociais. A atividade financeira do Estado constitui-se na busca de meios para satisfazer as necessidades públicas. indicarse-á o município e a unidade da federação beneficiados pela aplicação dos recursos. (CESPE – Analista Econômico. inclusive aquelas destinadas genericamente a Estado. Porém. 51. pelo concedente. Nos empenhos da despesa referentes a transferências voluntárias. A atividade financeira é uma função comum entre o estado e a sociedade. O Brasil é um Estado democrático de direito onde o poder emana do povo e tem a cidadania como um dos seus fundamentos básicos. de lazer. o desenvolvimento. em órgão oficial de imprensa.pontodosconcursos. 18. não vinculação da receita de impostos. O Estado exerce atividades políticas. anualidade. Item ERRADO. Conclusão: A elaboração do orçamento público realmente deve seguir alguns princípios básicos. 52. Administrativo e Contábil – IEMA/ES/2007) As finanças públicas incluem a atividade de obtenção e aplicação dos recursos para o custeio dos serviços públicos e para o atendimento das necessidades da população. o Poder Constituinte originário adotou como forma de governo a República e de Estado. o homem exerce inúmeras atividades. o bem-estar. nenhuma norma e nem a doutrina reconhecem o princípio da trimestralidade. no exercício de 2007. de maneira similar.

(CESPE – ACE/TCU – 2007) O SIAFI somente validará. Dessa forma. os documentos de entrada de dados. econômicas e organização política adequada. do ponto de vista contábil. posto que o papel do estado deverá ser orientado para o cumprimento de suas funções clássicas de agente regulador da economia e definidor de normas. se eles se apresentarem com os eventos que. Inegavelmente esse processo de desenvolvimento não é fomentado somente pelas leis de mercado. despender. ampla. respectivamente. (CESPE – ACE/TCU – 2007) O princípio da legalidade orçamentária é uma projeção do princípio da legalidade visto sob a sua feição genérica e postula que o ordenador de despesas só pode fazer aquilo que a lei orçamentária permite. por meio da produção e fornecimento de bens e serviços públicos. à receita pública. o crescimento e desenvolvimento de uma nação dependem de estruturas sociais.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO atividade financeira do Estado constitui-se.pontodosconcursos. 3. despesa pública. regras e padrões para a promoção do bem estar. gerir e criar recursos indispensáveis às necessidades. pode-se dizer que a atividade financeira do Estado resume-se em: obter. de forma basicamente na procura de meios para atingir os seus fins. 2. cuja satisfação o Estado assumiu ou confiou a outras pessoas de direito público ou privado. orçamento e crédito público. correspondendo. LISTA DAS QUESTÕES COMENTADAS NESTA AULA 1. redistribuindo renda e estabilizando a economia. (CESPE – Analista Ambiental – MMA/2008) Na atividade de exploração de reservas florestais. sujeitas a processo de crescimento www. gerir e criar. despender. no todo. atuando como agente regulador na promoção do desenvolvimento nacional. Assim.com. Item CERTO. política e social.br 33 . conforme demonstrado abaixo: ATIVIDADE FINANCEIRA OBTER DESPENDER GERIR CRIAR CORRESPONDÊNCIA RECEITA PÚBLICA DESPESA PÚBLICA ORÇAMENTO PÚBLICO CRÉDITO PÚBLICO Para que o Estado moderno cumpra com suas finalidades básicas há necessidade de interferência nas atividades econômica. Os meios pelo qual o Estado procura atingir seus fins correspondem em obter. completem partidas dobradas.

existe a necessidade de se classificar a receita conforme a destinação legal dos recursos arrecadados. os clientes. (CESPE – Procurador/ES – 2008) As operações de crédito por antecipação de receita realizada pelo estado-membro serão efetuadas mediante abertura de crédito junto à instituição financeira vencedora www. 9. em confronto com novos programas pretendidos.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO natural ou acréscimo de valor vegetativo. acerca da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). em que as decisões são voltadas para a maximização da eficiência na alocação dos recursos públicos. as desonerações fiscais e a concessão de créditos tributários. (CESPE – Analista Ambiental – MMA/2008) As alterações da legislação tributária são parâmetros adotados para se definirem as estimativas de arrecadação. 8. Julgue os itens seguintes. 4. 7.br 34 . Nesse sentido. entre outros aspectos. a receita é reconhecida antes mesmo da transferência dos respectivos produtos para terceiros. (CESPE – Analista Ambiental – MMA/2008) O veto do presidente da República a determinado programa contido no projeto de lei orçamentária aprovado pelo Congresso Nacional permite a superveniência de recursos que poderão ser utilizados mediante créditos suplementares. desde a previsão da receita até a fixação da despesa. é relevante levar em conta. 5. (CESPE – Analista Ambiental – MMA/2008) O orçamento base-zero caracteriza-se como um modelo do tipo racional. julgue os seguintes itens. que constituem uma das etapas do processo orçamentário. A natureza da receita busca identificar a origem do recurso segundo seu fato gerador. Porém.com. sua continuidade e possíveis alterações. Para que essa necessidade fosse atendida. haja vista a vinculação para todos eles.pontodosconcursos. sem necessidade de prévia autorização legislativa. o questionamento de todos os programas em execução. Quanto a esse mecanismo. (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TST/2008) O controle da destinação de recursos deve ser feito por todos os entes da federação. (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TST/2008) A metodologia de destinação da receita constitui instrumento que interliga todo o processo orçamentário-financeiro. as alterações de alíquotas. como procedimento básico. Adota-se. 6. foi instituído pelo governo federal o mecanismo de destinação de recursos.

15. especialmente designado. 11. 14. (CESPE – Analista Administrativo Financeiro – SEGER/ES/2007) O pagamento da despesa por meio de adiantamento. (CESPE – Analista Administrativo Financeiro – SEGER/ES/2007) A Lei de Responsabilidade Fiscal. 10. operações de crédito e concessão de garantias. a cada período. dispensa a adoção de medidas de compensação. é aplicável a qualquer tipo de despesa. Administrativo e Contábil – IEMA/ES/2007) A política orçamentária constitui uma forma de planejamento da aplicação dos recursos públicos. por exemplo. estaria mais bem justificado se. (CESPE – Procurador/ES – 2008) A concessão de isenção tributária individual não caracteriza renúncia de receita e a sua instituição. ao incluir anexo de metas fiscais na lei de diretrizes orçamentárias. na lei orçamentária. a inclusão. (CESPE – Analista Administrativo Financeiro – SEGER/ES/2007) Em decorrência do princípio da exclusividade. e finanças públicos. julgue os itens 16. 12. portanto.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO em processo competitivo eletrônico promovido pelo Banco Central do Brasil.pontodosconcursos. como determina a legislação de regência. (CESPE – Analista Econômico. (CESPE – Procurador/ES – 2008) Lei estadual pode fixar limites inferiores aos previstos na LRF para as dívidas consolidadas e mobiliária. indicasse o número de novos pacientes a serem atendidos ou de novos atendimentos a serem realizados.com. que correspondem a contratos anuais com período de execução que ultrapassa o final do exercício financeiro do respectivo orçamento. (CESPE – Analista Administrativo Financeiro – SEGER/ES/2007) A definição clara de objetivos é condição básica para o orçamentoprograma. em vez de apontar o número de hospitais a serem construídos ou ambulatórios a serem instalados. de autorizações para abertura de créditos suplementares e especiais está condicionada à existência de excesso de arrecadação. restringindo-se a um único servidor do órgão. www. admitido apenas em situações consideradas excepcionais. passou a exigir a estimativa da margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado.br 35 . Quanto a orçamento subseqüentes. Com relação à administração orçamentária e financeira. julgue os próximos itens. 13. Um programa na área de saúde.

(CESPE – Analista Econômico.br 36 . 18. Administrativo e Contábil – IEMA/ES/2007) A elaboração do orçamento público deve seguir alguns princípios básicos. o da publicidade. Gabarito: 1C 2C 3C 4C 5E 6C 7C 8C 9C 10E 11C 12E 13E 14C 15E 16C 17E 18C www. o da trimestralidade e o da legalidade. por exemplo.CURSOS ON-LINE – AFO EM EXERCÍCIOS PARA O TCU PROFESSOR DEUSVALDO CARVALHO 17. Administrativo e Contábil – IEMA/ES/2007) As finanças públicas incluem a atividade de obtenção e aplicação dos recursos para o custeio dos serviços públicos e para o atendimento das necessidades da população.com.pontodosconcursos. (CESPE – Analista Econômico. como.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful