Você está na página 1de 157

RICARDO MOURA LOPES COELHO

A SUPERIORIDADE DE CRISTO NO EXERCÍCIO DE SEU TRÍPLICE


OFÍCIO EM RELAÇÃO AO REALIZADO PELOS OFICIAIS DO ANTIGO
TESTAMENTO

Dissertação apresentada ao Centro Presbiteriano

Andrew Jumper como parte dos requisitos para a

obtenção do título de Mestre em Teologia, com

concentração em Teologia Sistemática.

Orientador: Dr. Heber Carlos de Campos.

SÃO PAULO
2

2007
RICARDO MOURA LOPES COELHO

A SUPERIORIDADE DE CRISTO NO EXERCÍCIO DE SEU TRÍPLICE OFÍCIO EM


RELAÇÃO AO REALIZADO PELOS OFICIAIS DO ANTIGO TESTAMENTO

Dissertação apresentada ao Centro Presbiteriano

Andrew Jumper como parte dos requisitos para a

obtenção do título de Mestre em Teologia, com

concentração em Teologia Sistemática.

Orientador: Dr. Heber Carlos de Campos.

APROVADA EM ____/_____/______.

BANCA EXAMINADORA

_____________________________________________________
DR. HEBER CARLOS DE CAMPOS - ORIENTADOR
DOUTOR EM TEOLOGIA SISTEMÁTICA - CPAJ

_____________________________________________________
MS. JOÃO ALVES DO SANTOS
MESTRE EM ANTIGO E NOVO TESTAMENTO - CPAJ

_____________________________________________________
DR. DANIEL DOS SANTOS
DOUTOR EM ANTIGO TESTAMENTO - CPAJ
3

À minha esposa, companheira de espera, que

está naquele que disse: “Vinde a mim, todos os que

estais cansados e sobrecarregados, e eu vos

aliviarei”; e experimenta a segurança que só o nosso

perfeito Profeta, Sacerdote e Rei pode trazer.


4

AGRADECIMENTOS

Ao Deus trino que me cerca de cuidados revelando sua verdade a mim, me libertando do

jugo do pecado e me conduzindo Naquele que é o caminho, a verdade e a vida.

À minha esposa, Vanessa, pessoa mais importante para mim, que foi privada de minha

companhia e atenção diversas vezes, para que eu pudesse desenvolver este trabalho.

Aos meus pais, Maria de Fatima, Antonio Carlos e Reinaldo, que por toda a minha vida

me deram suporte e me ensinaram a enfrentar a vida e os seus desafios.

Aos meus avós, Joaquim (in memoriam), de quem me lembro todos os dias com muita

saudade, e Ida. Ambos se deram ao máximo para fazerem de minha vida a melhor possível.

Aos meus irmãos, Raphael e Anna Carolina, que sempre se preocuparam comigo com o

amor e o cuidado de irmãos mais velhos.

Ao Valdir Campos Lima, que como um pai intercedeu, proveu e esperou pelos resultados

de meu preparo para o pastorado, a quem também dediquei minha biblioteca particular.

Ao irmão João Noronha Neto (in memoriam), que sempre acreditou em meu chamado

pastoral, dedicando companheirismo e incentivo enquanto pôde.

À família Gomes, Wadislau e Beth, Daniel e Márcia, Davi e Adriana, que mesmo antes

de minha ida ao seminário já me influenciavam com a verdade divina, conforme vista nas

Escrituras.

Ao meu orientador, Dr. Heber, que desde os tempos de seminário me contagiou com a

paixão pela teologia, a qual me trouxe até o presente resultado.

À minha tia Isa, que com carinho me ajudou na correção.

À irmã Ana Maria Brito Sanches, que abdicou de parte de suas férias para revisar meu

trabalho de modo tão fraternal. Seu empenho é de valor inestimável para esse trabalho.
5

Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas

raízes, um renovo. Repousará sobre ele o Espírito do

SENHOR, o Espírito de sabedoria e de

entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza,

o Espírito de conhecimento e de temor do SENHOR.

Deleitar-se-á no temor do SENHOR; não julgará

segundo a vista dos seus olhos, nem repreenderá

segundo o ouvir dos seus ouvidos; mas julgará com

justiça os pobres e decidirá com eqüidade a favor dos

mansos da terra; ferirá a terra com a vara de sua boca

e com o sopro dos seus lábios matará o perverso. (Is

11.2-4)
6

RESUMO

A questão da superioridade de Cristo em relação aos oficiais e outros elementos do Antigo


Testamento foi diretamente trabalhada pelo autor de Hebreus. Dentro de suas linhas, ficou
evidente que a visão do autor era de que Jesus é o superior profeta, sacerdote e rei. A partir
desta constatação, busca-se expor sistematicamente de que modo as Escrituras apresentam
Jesus como sendo o profeta, sacerdote e rei superior no exercício desses ofícios em relação ao
realizado pelos oficiais do Antigo Testamento. O trabalho basicamente compara Jesus com os
oficiais mais centrais de cada ofício do Antigo Testamento: Moisés, Arão e Davi. Partindo do
ofício profético, investiga-se a superioridade de Jesus em relação a Moisés sob três aspectos
básicos encontrados nos profetas do Antigo Testamento: Jesus superior como revelador,
provedor e operador de milagres. Em seguida aborda-se o ofício sacerdotal, focando Jesus
como o sacerdote superior a Arão na qualidade de ofertor e quanto à sua oferta. Por último, o
ofício real foi trabalhado quanto à superioridade de Jesus em relação a Davi por seu domínio,
poder e tempo de reinado. Ao final, constatou-se que no exercício de seus três ofícios, Jesus
foi superior por seis pontos que se tornaram recorrentes por todo o trabalho.

Palavras-chave: Ofícios; oficiais; Profeta; Sacerdote; Rei.


7

ABSTRACT

The issue about Christ’s superiority over the officials and other elements of the Old
Testament had been directly approached by the author of the Epistle to the Hebrews.
Following his arguments, it became evident that the author’s vision was that Jesus is the
superior prophet, priest and king. From this point, Coelho tried to unfold systematically the
way through which the Scriptures present Jesus as the superior prophet, priest and king at the
exercise of those offices in relation to what has been done by the Old Testament’s officials.
The work’s aim was basically to compare Jesus to the Old Testament’s most prominent
officials: Moses, Aaron and David. Beginning with the prophetical office, it has been
searched the superiority of Jesus over Moses under in three basic aspects found in the Old
Testament’s prophets: Jesus is superior as a revelator, a provider and a miracle performer.
Following this, priesthood is analyzed, focusing Jesus as a priest superior to Aaron as a giver
and in his sacrifice. Finally, the kingly office was studied in relation to the superiority of
Christ over David in his domain, power and in his reign’s duration. At the end, it was realized
that there are six subjects that were in all offices, supporting Christ’s superiority.

Keywords: Offices; officials; prophet; priest; king.


8

SUMÁRIO
Introdução................................................................................................................................10
Revisão de Literatura...............................................................................................................13
A pessoa e obra de Cristo...............................................................................................................13
A encarnação de Cristo..................................................................................................................................14
As duas naturezas de Cristo...........................................................................................................................21
A ligação da pessoa e obra de Cristo.............................................................................................................25
A obra de mediação.......................................................................................................................................27
Os ofícios de Cristo.......................................................................................................................................30
Conclusão......................................................................................................................................................35
1. A Superioridade de Cristo no exercício do Ofício Profético, Jesus é Maior que Moisés. 37
1.1. Jesus é superior como revelador............................................................................................40
1.1.1 Superior devido o aspecto da perspicuidade.........................................................................................42
1.1.2. Superior devido à filiação de Jesus......................................................................................................44
1.1.3. Superior devido o aspecto definitivo da revelação feita por Cristo.....................................................46
1.1.4. Superior devido o propósito da revelação...........................................................................................51
1.1.5. Superior devido às implicações da ontologia do Filho na revelação...................................................54
1.1.6. Superior devido à ação ímpar do Espírito Santo (o Espírito de Cristo)...............................................59
1.2. Jesus é superior como provedor.............................................................................................62
1.2.1. Superior como provedor quanto às necessidades físicas.....................................................................63
1.2.1.1. Jesus é superior na provisão porque é Deus.................................................................................65
1.2.1.3. Jesus é superior na provisão porque tinha o Espírito sem medida...............................................67
1.2.1.3. Jesus é superior na provisão porque Deus abençoa por causa de seu nome................................68
1.2.2. Superior como provedor quanto às necessidades espirituais...............................................................71
1.3. Jesus é superior como operador de milagres.........................................................................74
2. A Superioridade do Ofício Sacerdotal de Cristo, Jesus é Maior que Arão.......................80
2.1. Jesus é superior na qualidade de ofertor ..............................................................................81
2.1.1 Superior quanto o amor........................................................................................................................81
2.1.1.1. Superior quanto o amor pelos homens.........................................................................................82
2.1.1.2. Superior quanto o amor pelo Pai..................................................................................................85
2.1.2. Superior por ser perfeito......................................................................................................................86
2.1.2.1. A perfeição de Jesus de fato satisfez o Pai..................................................................................86
2.1.2.2. A perfeição de Jesus fê-lo sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque.....................89
2.1.3. Jesus é superior quanto à aliança que estabeleceu ..............................................................................95
2.1.3.1. A aliança de Jesus é superior quanto ao santuário.......................................................................96
2.1.3.2. A aliança de Jesus é superior quanto aos ritos e sacrifícios para remissão de pecados...............97
2.1.3.3. A aliança de Jesus é superior quanto às promessas.....................................................................98
2.1.3.4. A aliança de Jesus é superior quanto ao mediador......................................................................98
2.2. Jesus é superior quanto o sacrifício entregue......................................................................101
2.2.1. Superior quanto à oferta feita............................................................................................................102
2.2.1.1. A oferta era superior por ter dupla natureza..............................................................................103
2.2.1.1.1. A oferta foi superior por ter natureza humana...................................................................103
2.2.1.1.2. A oferta foi superior por ter natureza divina......................................................................105
2.2.1.2. A oferta era superior por seu valor............................................................................................106
2.2.2. O sacrifício foi superior em seus Efeitos...........................................................................................107
2.2.2.1. Porque os efeitos trouxeram liberdade do jugo da lei................................................................108
2.2.2.2. Porque os efeitos proporcionaram reconciliação com Deus......................................................110
2.2.2.3. Porque os efeitos são permanentes............................................................................................112
3. A Superioridade do Ofício Real de Cristo, Jesus é Maior que Davi................................113
3.1. Jesus é superior em seu domínio..........................................................................................114
3.1.1. Jesus é superior devido à natureza do domínio.................................................................................116
3.1.1.1. O domínio superior de Jesus é de natureza espiritual................................................................116
9

3.1.1.1.1. Superioridade em relação à extensão do domínio espiritual..............................................119


3.1.1.1.2. Superioridade em relação à eficácia do domínio espiritual...............................................120
3.1.1.1.2.1. A obra do Espírito Santo na eficácia do domínio de Cristo.......................................123
3.1.1.2. O domínio superior de Jesus é de natureza física......................................................................124
3.1.1.2.1. Superioridade em relação à extensão do domínio físico....................................................124
3.1.1.2.2. Superior em relação à eficácia do domínio físico..............................................................125
3.1.2. Jesus é superior em seu domínio por tê-lo conquistado por seus méritos........................................127
3.1.2.1. Um domínio físico conquistado por graça.................................................................................127
3.1.2.2. Um domínio espiritual conquistado por graça...........................................................................128
3.1.2.3. Um domínio físico conquistado por mérito...............................................................................129
3.1.2.4. Um domínio espiritual conquistado por mérito.........................................................................130
3.2. Jesus é superior em seu poder..............................................................................................131
3.2.1. Superior devido ao limite do poder...................................................................................................132
3.2.2. Superior devido ao exercício do poder..............................................................................................134
3.2.2.1. Porque o exerceu com santidade................................................................................................135
3.2.2.2. Porque o exerceu com sabedoria................................................................................................136
3.2.2.3. Porque o exerceu com força.......................................................................................................137
3.2.2.4. Porque o exerceu com doçura e sutileza....................................................................................138
3.3. Jesus é superior devido ao tempo de reinado......................................................................139
Conclusão...............................................................................................................................141
Bibliografia............................................................................................................................147
glossário.................................................................................................................................153
10

INTRODUÇÃO

O tema que aqui será abordado tem sua importância ressaltada pelo autor da Epístola aos

Hebreus. Nessa epístola o autor ensinou a seus leitores que Jesus é superior a tudo que há no

Antigo Testamento, mesmo porque, ele é o cumprimento de todas as promessas e de todos os

objetivos ali anunciados. Nos propósitos de revelar a Deus, satisfazer sua justiça e guiar seu

povo a ele mesmo, Jesus, segundo o autor de Hebreus, é aquele que cumpre todos eles.

Nesta epístola a questão da superioridade foi utilizada pelo autor para dar confiança e

segurança a seus destinatários de que o caminho seguido em Cristo era o caminho correto para

a salvação. Contudo, uma observação mais aprofundada das Escrituras sobre este assunto leva

o leitor a ver em diversos outros momentos a pessoa de Cristo sendo exaltada, ou descrita

como sendo superior aos oficiais do Antigo Testamento. Daí surge: em que sentido Jesus era

superior a eles? Qual a importância deste fato para um maior entendimento teológico tanto da

pessoa de Cristo, quanto da obra de salvação? Desta última pergunta pode-se ainda inferir

sobre de que modo a investigação da superioridade de Cristo pode aprofundar o entendimento

da ligação entre a pessoa teontrópica do Redentor e sua obra. Ainda, de que forma o restante

das Escrituras abordam tal tema e como o mesmo foi trabalhado?

A relevância dessas perguntas está na importância do assunto para melhor compreensão

da obra de salvação de Cristo. Tal relevância fundamenta-se na ênfase dada pelo autor de

Hebreus ao assunto, quando ele mostrou como a superioridade de Cristo poderia acrescentar,

esclarecer e abalizar o entendimento de seus leitores sobre a própria salvação.

A hipótese aqui levantada é que os ofícios desempenhados pelos oficiais do Antigo

Testamento eram, na verdade, o próprio Cristo agindo por meio deles. Isso conduz ao

entendimento de que Cristo é superior por ser, antes de tudo, o próprio sustentáculo da obra
11

realizada no Antigo Testamento. Tal ação do Filho naqueles oficiais se dava tanto pelo

Espírito Santo, ou o Espírito de Cristo, como em sua manifestação como o Anjo do Senhor.

Além disso, Cristo é o oficial que realizou de modo definitivo a obra, não havendo

sucessores nos ofícios desempenhados por ele, no sentido de progressão. Se Cristo cumpriu o

que devia ser feito através dos ofícios, então aqueles que o sucederam faziam sua obra não de

modo progressivo, mas de modo Cristocêntrico, ou seja, voltados para trás. Somado a isso, e

conseqüentemente, Cristo é o oficial superior por manter-se eternamente no exercício de seu

tríplice ofício. Não obstante, para que tudo isso fosse possibilitado, Jesus tinha de ter a dupla

natureza em sua pessoa, conforme o que será demonstrado nos capítulos que se seguem.

Para o desenvolvimento desses temas argumentação seguirá a ordem mais comum dos

ofícios de Cristo encontrada na literatura: profeta, sacerdote e rei. Em cada passo será feita

uma comparação entre um importante representante veterotestamentário de cada ofício com

Cristo. O mesmo será feito tendo em vista que, se o exercício do ofício feito por Cristo é

superior ao realizado por este oicial considerado tão central, então, obviamente, ele é superior

aos outros.

Para tanto, esta pesquisa não tem a pretensão de ser um estudo pormenorizado dos

ofícios de Cristo, nem mesmo da continuidade dos ofícios na Igreja de Cristo. O que se

pretende é abordar, do ponto de vista da teologia sistemática, os aspectos que tornam o

exercício dos ofícios feito por Cristo superior aos feitos por seus antecessores do Antigo

Testamento.

Como profeta, Jesus será comparado a Moisés, como foi feito em Hebreus 3. Neste

propósito, será comparada a atividade profética de Jesus nos pontos principais vistos nos

profetas do Antigo Testamento: o profeta revelador, provedor e operador de milagres. Estes

três aspectos podem ser vistos em profetas como Elias, mas em Cristo os mesmos foram

desempenhados de modo superior, definitivo e perfeito.


12

De igual modo, o segundo passo irá comparar o ofício sacerdotal de Cristo ao de um

personagem do Antigo Testamento. Como sacerdote, Jesus é superior a Arão, que foi o

primeiro sumo sacerdote e pai de toda a linhagem levítica. Jesus é melhor ofertor, e fez uma

oferta melhor do que fizeram Arão e seus sucessores.

Por último, o ofício real de Cristo será comparado ao de Davi e outros reis do Antigo

Testamento. Davi foi um importante personagem e o rei símbolo do reinado de Israel, mas, se

comparado a Jesus, seu reino era menor em domínio, poder e duração. Como nos outros

ofícios será demonstrado que Jesus como rei é superior e insubstituível.

No decorrer do trabalho, ficará demonstrado que existe uma íntima ligação do assunto

com várias áreas da teologia. Dentro da própria cristologia, a superioridade de Cristo no

exercício de seu tríplice ofício se mostra intimamente relacionada à pessoa divino-humana de

Cristo, avultando a relação intrínseca entre a pessoa e obra de Cristo. Além disso, a

pneumatologia se mostra muito importante para esse estudo, há uma relação clara entre a obra

de Cristo e a obra do Espírito, o que infere também na eclesiologia. A igreja de Deus é

governada pela ação do Filho, seu eterno profeta, sacerdote e rei, e pela ação do Espírito que é

o Espírito de Cristo.

Por essas razões e por esses meios, este trabalho se mostra relevante. Sua leitura em

muito ajudará aqueles que almejam um conhecimento mais profundo e aplicado da pessoa e

obra de Cristo.
13

REVISÃO DE LITERATURA

A pessoa e obra de Cristo

O assunto deste trabalho aborda, diretamente, a pessoa e obra de Cristo. Encontrar

literatura interessante a este estudo não é difícil. Isso se deve ao fato de que a pessoa e obra de

Cristo foi matéria de discussão desde o início da igreja. Tal pode ser visto no Evangelho de

João, que já lutava contra uma forma de gnosticismo. Também na Primeira Epístola aos

Conríntios, na qual Paulo tratou de heresias sobre a obra de Cristo (a ressurreição de Cristo,

no capítulo 15), ou na história da igreja, como pode ser visto na controvérsia ariana. Portanto,

as questões a serem exploradas existem desde o início da igreja e são centrais para a

cristologia.

As obras aqui abordadas, que compreendem períodos bem distintos da história da igreja,

demonstram este fato. São elas: Irineu de Lião, Contra as Heresias,Agostinho de Hipona no

A Trindade, Anselmo, Por que Deus se fez Homem?, João Calvino, Institutas da Religião

Cristã, B. B. Warfield no The Person and the Work of Christ, G. C. Berkhouwer, The Work of

Christ, as Teologias Sistemáticas de Charles Hodge, Herman Bavinck, Augustus Hopkins

Strong e Louis Berkhof, Karl Barth, Dádiva e Louvor, Brunner, The Mediator, Heber Carlos

de Campos, As Duas Naturezas do Redentor.

A bibliografia selecionada ajudará a entender a discussão sobre a pessoa e obra de Cristo

através da história. Compreendendo as idéias de autores em diferentes momentos históricos,

esta revisão demonstra que os pontos aqui abordados são de vital importância para o

entendimento da pessoa e obra do Redentor, visto que os mesmos são contemplados e

debatidos há muito pela teologia cristã. Como há uma ligação muito profunda entre esses

assuntos, essa revisão abordará temas relativos às duas áreas, buscando estabelecer a
14

importância do estudo da superioridade do exercício dos ofícios feito por Cristo perante o que

fora feito pelos oficiais do Antigo Testamento.

A encarnação de Cristo

A encarnação de Cristo é tema central e inicial de toda discussão sobre sua pessoa. Dois

aspectos básicos são tratados aqui: a necessidade da mesma e o nascimento virginal. Ambos

são alvos de grande discussão e debates têm sido traçados tanto sobre se Cristo de fato teria de

se encarnar, o que o levou a isso e quanto a se seu nascimento se, de fato, se deu por uma mãe

virgem.

A Necessidade da Encarnação

A necessidade da encarnação, ou porque Jesus tinha de ser homem, é o primeiro aspecto

a ser abordado sobre a pessoa de Cristo. Foi em sua encarnação que ele passou a existir como

a pessoa do redentor, possuidora de duas naturezas. Segundo informou Berkhof, desde o

escolasticismo se discute se a encarnação tem a ver com a redenção ou com a criação.1 Esta

afirmação pode ser confirmada pela obra clássica de Anselmo de Cantuária, na qual ele fez

uma extensa defesa da encarnação de Cristo, sempre associando a mesma à obra de redenção

do homem.2 A questão é se Cristo teria encarnado mesmo se o homem não tivesse pecado.

Ainda antes de Anselmo, a associação entre a encarnação e obra de redenção era aceita

como a doutrina bíblica verdadeira. Ireneu de Lião, no Contra as Heresias, já havia feito uma

1
Cf. BERKHOF, Luis. Teologia sistemática. Campinas: Luz Para o Caminho, 1990, p.334.
2
Passim, ANSELMO de Cantuária. Por que Deus se fez homem?. São Paulo: Novo Século, 2003,.
15

grande defesa da realidade da encarnação, contrariando gnósticos e defendendo que a mesma

só poderia ser feita pelo verbo de Deus encarnado.3

Calvino entendeu que a encarnação era necessária para que ele se tornasse como aqueles

a quem representaria em vida e na morte, tornando os homens participantes de suas coisas, e

também o inverso, tornando-se ele participante das coisas dos homens.4 Ou seja, Calvino

entendia que o estado de queda do homem tornou necessária a encarnação de Cristo, para que

este representasse aquele. Para este reformador, a Bíblia sempre associou a encarnação com a

obra de mediação.5

Warfield também ligou a necessidade da encarnação de Jesus à obra a ser realizada.

Segundo sua análise da epístola aos Hebreus, Jesus seria humilhado na terra e então

glorificado no céu, ao remover as ofensas de seus seguidores.6 Bavinck pensava da mesma

forma, e enfatizou que “a Escritura sempre relaciona a encarnação do Filho à redenção do

pecado e ao cumprimento da salvação”.7

Karl Barth, em seu comentário da Epístola aos Romanos, seguiu esta mesma direção.

Para ele, Cristo era a manifestação da justiça de Deus para um homem que retinha a verdade

de Deus e ouvia deste Deus o constante não, mas que em Cristo passa a ouvir o sim.8

Emil Brunner caminhou no mesmo sentido, ligando a encarnação à obra redentora. Para

ele a encarnação e o eterno propósito de encarnação não estão baseados numa imperfeição

inerente da criação, mas baseia-se na pecadora humanidade caída.9 Contudo, ele acompanhou

Karl Barth e definiu a obra de salvação basicamente como a simples encarnação, que seria a

transposição feita por Deus do abismo existente entre ele e o homem, deixando o restante da

3
Cf. IRENEU de Lião. Contra as heresias. São Paulo: Paulus, 1995, p.328-329.
4
Cf. CALVINO, Juan. Insitución da religión cristiana. Barcelona: FELiRe, 1999,, II.12.2, p.342,343.
Doravante Inst..
5
Cf. Ibid, II.12.4, p.344.
6
Cf. WARFIELD, Benjamin Brekinridge. The person and work of Christ. Philadelphia: The Presbyterian and
Reformed Publishing Company, 1970, p.47ss.
7
BAVINCK, Hermann. Teologia sistemática. Santa Bárbara d’Oeste: SOCEP, 2001, p.356,357.
8
BARTH, Karl. Carta aos Romanos. São Paulo: Novo Século, 2000, p. 137-149.
9
Cf. BRUNNER, Emil. The Mediator. ?, Lutherworth, ?, p. 314.
16

obra para segundo plano, ainda que reconhecesse a necessidade da mesma.10 A razão para tal

é que o papel central de Jesus, tanto para Barth quanto para Brunner, era de revelar a Deus.

Brunner o definiu como a revelação especial de Deus, fato único da história, que se difere dos

demais, por não ser natural.11

Berkouwer entendeu que as Escrituras possuem passagens que “claramente lidam com a

conexão imediata entre a vinda de Cristo na encarnação da Palavra e da salvação de nosso

pecado e condição de perdido.”12 Para esse autor, o Emanuel tem de ser visto como o

cumprimento da profecia de salvação.13

Berkouwer também relatou autores que, segundo Van Oosterezee, defendiam a

encarnação do Verbo mesmo sem pecado: Ireneu, Tertuliano, Orígenes, Thomas de Aquino,

Duns Scotus e Osiander.14 Contudo, parece estranho incluir Ireneu, sendo que no Contra as

Heresias ele impreterivelmente liga a encarnação à necessidade de salvação, ou de

regeneração do homem. Ireneu defendeu que Cristo e Jesus são a mesma pessoa, contrariando

os gnósticos, dizendo: “que por nós sofreu, ressuscitou e voltará, na glória do Pai, para

ressuscitar todo homem, revelar a salvação e aplicar a regra do justo juízo a todos os que estão

submetidos ao seu poder.”15 Adiante, defendeu Ireneu:

Estas palavras (o que está no salmo 82.6,7) são dirigidas aos que recusam o dom da adoção filial,
desprezam este nascimento sem mancha que foi a encarnação do Verbo de Deus, privam o homem da sua
elevação a Deus e manifestam ingratidão para com o Verbo de Deus, que se encarnou por eles. Este é o
motivo pelo qual o Verbo de Deus se fez homem e o Filho de Deus Filho do homem: para que o homem,
unindo-se ao Verbo de Deus e recebendo assim a adoção, se tornasse filho de Deus. Nunca poderíamos
obter a incorrupção e a imortalidade a não ser unindo-nos à incorrupção e à imortalidade. E como
poderíamos realizar esta união sem que antes a incorrupção e a imortalidade se tornasse o que somos, a
fim de que o corruptível fosse absorvido pela incorrupção e o mortal pela imortalidade, e deste modo
pudéssemos receber a adoção de filhos?16

10
Cf. Brunner, op. cit., p. 314, 400 . Ver também BARTH, Karl. Dádiva e louvor, Artigos Selecionados. São
Leopoldo: Sinodal, 1996, p.394-398.
11
Cf. Brunner, op. cit., p. 26-30.
12
BERKOUWER, G. C. The work of Christ. Grand Rapids: William B. Eerdmans Poblishing Co., 1965, p. 29.
13
Cf. Ibid, p.29.
14
Cf. Berkouwer, The work of Christ, p.25. Ireneu também é citado como defensor da encarnação mesmo sem
pecado por GONZÁLES, Justo L. Uma história ilustrada do cristianismo vol. 1, a era dos mártires. São
Paulo: Vida Nova, 1998, p. 113.
15
Ireneu, Contra as heresias, p.321.
16
Ibid, p.336.
17

A citação acima parece indicar, à primeira vista, que o Verbo se encarnaria de qualquer

modo, para que houvesse a união entre Deus e o homem. Mas uma melhor análise dele e em

outros fragmentos de Contra as Heresias17, parece indicar o contrário. A queda é, na verdade,

um caminho inevitável do plano de Deus para que o homem, corruptível, pudesse ser unido a

Deus por meio do Verbo encarnado. De fato, o que Ireneu pareceu defender é que a

encarnação era indispensável para um homem criado com o plano de cair.

Apesar de discordâncias das motivações e das possibilidades quanto a encarnação da

Palavra de Deus, todos, até aqui, concordam em uma coisa: houve encarnação. Essa

afirmativa, no entanto, não se aplica a Paul Tillich, ou mesmo a Schleiermacher, a quem

Tillich citou constantemente. Para Tillich, Jesus não era o Logos encarnado, mas o possuidor,

ou melhor, o possuído pelo Logos.18 O Mediador, por esse fato, não é o Deus salvador, mas

um homem, com uma consciência religiosa plenamente desenvolvida que, por não precisar de

salvação, se torna salvador, sendo o arquétipo de tudo que o homem deve ser, tornado-se o

representante do homem essencial unido a Deus.19

A trindade, para Tillich, deve ser entendida, antes de tudo, a partir do Deus vivo que se

relaciona com o mundo através de suas personae, que nada mais são do que modos diferentes

de relacionamento com o mundo.20 Essa idéia de Tillich o conduz a uma forma de modalismo,

já combatida diversas vezes na história da igreja, e que se mostrou ineficiente para explicar as

evidências bíblicas de um Deus trino, que não apenas se manifesta, mas subsiste na pessoa do

Pai, do Filho e do Espírito.

17
Ibid, p.601.
18
Cf. TILLICH, Paul. Perspectivas da teologia protestante nos séculos XIX e XX. São Paulo: ASTE, 1986,
p.119.
19
Cf. Tillich, Perspectivas da teologia protestante nos séculos XIX e XX, p.117.
20
Cf. Ibid, p.118.
18

O nascimento virginal

O nascimento virginal é o tema subseqüente à discussão sobre a encarnação do Filho.

Além da veracidade da encarnação da Segunda Pessoa da Trindade, o modo como isso se deu

é alvo de muitos debates na teologia. Se antes os autores estudados se preocupavam com a

realidade e com o que era a encarnação do Logos de Deus, a questão agora é sobre a realidade

da afirmativa bíblica do nascimento virginal de Jesus.

Ireneu entendeu o nascimento virginal como parte da obra de mediação de Cristo. Jesus

teria de recapitular em si todas as condições de Adão, e como Adão foi gerado da terra

“virgem”, então o segundo Adão, o novo representante teria de nascer de uma virgem. 21 Maria

seria a provedora da semelhança humana e da imagem de Deus dada ao primeiro Adão, e sua

virgindade representava a da terra usada para modelar Adão.22

Berkouwer também defendeu o nascimento virginal de Cristo. Sua afirmativa nesse

sentido seguiu o caminho natural da interpretação que igreja deu às narrativas bíblicas do

nascimento do Senhor. Diante disto, Berkouwer enfatizou que as opiniões contrárias ao

nascimento virginal iniciaram-se com o questionamento da veracidade e autoridade das

Escrituras.23 Berkouwer entendeu que essa é justamente a importância do nascimento virginal:

os relatos bíblicos que o descrevem como o cumprimento do sinal anunciado pelo profeta

Isaías: “Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz

um filho e lhe chamará Emanuel.” (Isaías 7.14).

Brunner, mesmo diante dos argumentos escriturísticos como os mencionados por

Berkouwer, entendeu que o nascimento virginal não era biblicamente comprovável. Em sua

obra, The mediator, Brunner defendeu que a “teoria” da concepção virginal obscurece o

significado da mensagem que Deus quis transmitir com a encarnação.24 Ele viu dificuldade em

21
Cf. Ireneu, Contra as heresias, p. 349.
22
Cf. Ibid, p. 350.
23
Cf. Berkouwer, The work of Christ, p. 97.
24
Cf. Brunner, The Mediator, p. 322.
19

apoiar esta “teoria” por não ter visto nenhuma ênfase na mesma fora dos Evangelhos que a

mencionam (Mateus e Lucas). Por essa razão, Brunner atribui a doutrina ao dogma da igreja

visto no Credo Niceno.25 Este tipo de argumentação desconsidera o fato de que cada escritor

sagrado tinha a intenção de ensinar determinados assuntos e de dar ênfase a fatos que os

auxiliassem a comprovar as doutrinas por eles ensinadas.

Contudo, Brunner foi além. Partindo de um princípio que tem mais a ver com a biologia

do que com a teologia, Brunner argumentou que o nascimento virginal não faz jus à dupla

natureza de Cristo. Para que Cristo seja de fato homem, tem de ter tudo que o homem tem, ou

seja, receber o sêmen masculino; o contrário não é torná-lo grande, mas menor que todos os

outros homens, como se faltasse algo em Cristo que está presente em todos os outros

homens.26 Brunner concluiu que a “teoria” do nascimento virginal tinha mais a ver com o

helenismo e o ascetismo do que com a Bíblia.27

Por outro lado, Calvino, em tempos de pouco desenvolvimento da biologia e, mesmo

com grande influência católica ao seu redor, não se demonstrou ascético quanto ao

relacionamento sexual. Pelo contrário, Calvino não entendia que a relação entre homem e

mulher fosse pecado ou algo a ser rejeitado, ou mesmo que a mulher não contribuísse na

formação da criança, como foi costume se pensar assim. 28 Em seu entendimento o nascimento

virginal de Cristo não está ligado ao seu estado de homem sem pecado, pois este se deu pela

ação do Espírito Santo, e tem a ver com o cumprimento da promessa de Deus.29

De igual forma pensou Bavinck, acrescentando não só a ação do Espírito Santo na

encarnação, mas a do próprio Filho. Segundo o autor, Cristo foi ativo em sua encarnação, se

fazendo carne e eliminando a vontade da carne e do homem, preparando para si mesmo uma

natureza humana, de modo virginal em Maria, sem ação de homem. 30 Para Bavinck, de certo
25
Cf. Ibid, p.323,324.
26
Cf. Ibid, p.325.
27
Cf. BRUNNER, Emil. Dogmatik II, p. 421, in: Berkouwer, The work of Christ, p. 102.
28
Cf. Calvino, Inst., II.13.3, p.354.
29
Cf. Ibid, II.13.4, p.354,355.
30
Cf. Bavinck, Teologia sistemática, p. 357-359.
20

modo, existe uma relação entre o nascimento virginal e a santidade de Cristo, mas não como

causa, mas como um resultado de uma geração sobrenatural que não coloca sobre Cristo a

culpa de Adão. Aparentemente, o que tornou Cristo sem pecado foi sua concepção

sobrenatural, da qual ele mesmo participou, dando a impressão de que Bavinck via que a pré-

existência de Cristo unida à sua impecabilidade, aplicada à concepção pelo Filho e pelo

Espírito, era a causa da impecabilidade da pessoa divino-humana, que se consumou numa

concepção assexuada e, conseqüentemente, no nascimento virginal.

Berkhof, ao fazer referência a Lucas 1.35, defendeu o nascimento virginal de Cristo. Em

sua opinião, seguindo as Escrituras, Cristo recebeu a natureza humana com a ação direta da

sobrenatural paternidade de Deus.31 Conforme enfatizou Heber Campos, essa paternidade fora

anunciada anteriormente a Maria, que recebeu do anjo a informação de que o fruto de seu

ventre seria envolvido pela ação sobrenatural de Deus.32 Além deste importante detalhe que

reforça a realidade do nascimento virginal, Campos ressaltou que Maria é ligada à virgem de

Isaías 7.14, texto sobre o qual Campos realizou extenso estudo sobre a palavra hebraica para

virgem, chegando à conclusão de que o texto se refere a uma virgem que não teve relações

com homens.33 Somado a isso, Campos também chamou a atenção para o fato de que José

intentou deixar Maria quando soube de sua gravidez e que também recebeu a vista do anjo

que lhe anuncio a vinda de Cristo, e revelou-lhe o nome e ação miraculosa do Espírito Santo,34

mostrando que ele não participou da concepção de Jesus e que se aceitou a situação é porque,

de fato, foi convencido por Deus, através do anjo em sonho.

Ficou evidente que a discussão sobre o nascimento de Jesus é importante. O milagre da

concepção e no nascimento de Cristo é fundamental para a fé Cristã, que se sustenta sobre o

Filho de Deus encarnado, profetizado como o Messias que nasceria de uma virgem. O

31
Cf. Berkhof, Teologia sistemática, p. 314.
32
Cf. CAMPOS, Heber Carlos de. As duas naturezas do redentor. São Paulo: Cultura Cristã, 2004, p. 420.
33
Cf. Campos, As duas naturezas do redentor, p. 414-419.
34
Cf. Ibid, p. 420-425ss.
21

Redentor, ou Mediador, tem de ser aquele que cumpre todos os sinais anunciados pelos

profetas, ou não haveria motivo algum para que se confiasse nele.

As duas naturezas de Cristo

As duas naturezas de Cristo sempre foram alvo das mais acirradas lutas dentro da igreja

Cristã. Um simples estudo da história do cristianismo é o suficiente para se constatar quantas

heresias e quantas disputas foram travadas entorno do assunto. Houve quem negasse a

divindade de Jesus, e quem negasse sua humanidade, fazendo de Cristo um fantasma com

aparência de homem. Também houve aqueles que viam as duas naturezas de modo indistinto,

ou totalmente misturadas na pessoa do Redentor, e aqueles que viam a existência de Jesus de

uma forma esquizofrênica, que ora era o Cristo, o Logos divino, e ora era o homem Jesus. A

literatura, no passar desse tempo, não enfraqueceu a discussão, mas pareceu encontrar novas

versões para antigas idéias e novas formas de reafirmar o que foi decido como correto no

passado.

Ireneu de Lião já defendia a dupla natureza de Cristo no ano de 180 d.C. Ele já

identificava como heresia as teorias gnósticas que viam distinção entre o Verbo e Jesus, como

tendo o primeiro descido sobre o segundo num momento após o nascimento. 35 Agostinho de

Hipona, em sua obra A Trindade, defendeu a divindade do Filho, tomando como pressuposto

a sua humanidade, e afirmando ser Jesus um com Deus Pai.36 Ou seja, desde o início da Igreja

a divindade do filho é defendida.

Anselmo também defendeu a dupla natureza de Cristo. Para ele, como será visto adiante,

somente o Deus-homem poderia ter feito a obra que era necessária. Anselmo descreveu Jesus

como tendo duas naturezas, e que as mesmas não se misturavam, pois, nesse caso, formariam
35
Cf. Ireneu, Contra as heresias, p.314, 315.
36
Cf. AGOSTINHO de Hipona. A Trindade. São Paulo: Paulus, 1994, p. 33-37.
22

uma terceira que nem poderia ser homem para representar homem, nem poderia ser divina

para ter o valor necessário à oferta.37

Calvino entendeu que as Escrituras davam testemunho da dupla natureza de Cristo. Ele

defendeu o uso do termo homousios, que iguala a natureza do Filho com a do Pai, e repudiou

a doutrina de Sabélio que interpretou os termos Pai, Filho e Espírito como sendo apenas

títulos diferentes dados a Deus.38 Calvino ressaltou que o Verbo de Deus que criou todas as

coisas do Evangelho de João é o mesmo Filho de Deus que sustenta todas as coisas pela

palavra de seu poder de Hebreus.39 Adiante em sua obra, ao descrever o papel do Mediador,

Calvino defendeu que este deveria ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem.40

Por sua vez, Warfield mencionou diversos autores que eram contrários à doutrina das

duas naturezas de Cristo. Os autores, vistos em suas citações, rejeitavam a doutrina por causa

da dificuldade de explicá-la e por causa do conhecimento que o homem havia adquirido até

aquele momento.41 Para tais autores, entre os quais Warfield inclui Albert Schweitzer, a

doutrina das duas naturezas foi criação do Concílio de Calcedônia. Contudo, Warfield

remontou a existência da doutrina até os pais da igreja como Clemente de Roma, Mileto de

Sardes e Orígenes,42 finalmente ligando-a ao Novo Testamento, indicando que a doutrina

existe desde o início da igreja, sendo a perspectiva natural sobre a pessoa de Cristo.43

Neste ambiente do Novo Testamento, Warfield demonstrou que o Verbo encarnado do

Evangelho de João, ligado diretamente à natureza divina, é o mesmo Cristo mencionado por

Paulo em diversas passagens que o identificam como o Deus que encarnou (Fl 2): Jesus

37
Cf. Anselmo, Por que Deus se fez homem?, p. 107.
38
Calvino, Inst., I.13.4, p.68,69.
39
Cf. Calvino, Inst., I.13.7, p.71,72.
40
Ibid, II.12.1, p. 341,342.
41
Warfield, The person and the work of Christ, p. 211,212.
42
Cf. Ibid , p. 214.
43
Cf. Ibid, p. 215.
23

Cristo; que, com o Pai, é o único Deus.44 Esse é o mesmo do Evangelho de Marcos, que o

identifica como o “Filho de Deus” e o “Filho do homem”.45

Brunner aceitava a dupla natureza de Cristo, que era o grande paradoxo que tanto o

deslumbrou. Para ele, a presença de ambas em Jesus era um paradoxo que tornava o Redentor

o fato histórico único e central, pois ele derrubou as barreiras entre o homem e Deus, trazendo

a realidade da categoria não criada para a criada.46 Foi por essa transposição da barreira entre

Deus e o homem, que Jesus fez, que ele é chamado de Mediador. A figura do Mediador,

então, segundo Brunner, é daquele que, sendo Deus, encarna, atravessando o “golfo” entre

Deus e o homem, e se torna o Deus-homem.47

Barth não só aceitou a duas naturezas, pois as mesmas são necessárias para que Cristo

fosse o paradoxo do Deus totalmente outro, mas também homem,48 como as via unidas, porém

não misturadas. Ao descrever o papel das duas naturezas em Jesus, Barth viu que este era as

duas coisas, Deus e homem, inseparável e também inconfundível, ou seja, o que era divino

não se tornou humano e tão pouco o humano se tornou divino, ainda que tenha sido exaltado

por este.49

Hodge descreveu a pessoa de Cristo como tendo as duas naturezas. Ele afirmou que

Cristo tinha corpo verdadeiro, que pôde ser crucificado e tocado, bem como alma racional,

pois é descrito que Cristo nasceu, cresceu com o desenvolvimento natural de um homem,

tendo todas as fases próprias desse desenvolvimento.50 Augustus Hopkins Strong acompanhou

Hodge nessa mesma argumentação, enfatizando as sensações e limitações da humanidade de

Cristo.51 Hodge defendeu, inicialmente, a natureza divina apontando o fato de que foram

44
Cf. Warfield, The person and The work of Christ, p. 219-231.
45
Cf. Ibid, p. 234.
46
Cf. Brunner, The Mediator, p. 234-240, 242.
47
Cf. Brunner, The Mediator, p.404.
48
Cf. Barth, Dádiva e louvor, p.393-398.
49
Cf. Ibid, p. 394, 395.
50
Cf. HODGE, Charles. Teologia sistemática. São Paulo: Hagnos, 2001, p.766-767.
51
Cf. STRONG, Augustus Hopkins. Teologia sistemática. São Paulo: Hagnos, 2003, p.318-321.
24

atribuídos a Cristo os mesmos nomes, títulos e obras de Deus,52 e no mesmo sentido seguiu

Strong.53 Contudo, Hodge teve um grande cuidado em demonstrar que as duas naturezas de

Cristo não se misturavam, mas estavam presentes na pessoa do Redentor e comunicavam seus

atributos à pessoa, e não de uma natureza à outra, não havendo qualquer tipo de mistura ou

descaracterização de alguma delas.54

Strong distanciou-se de Hodge ao descrever a união das duas naturezas. De fato ele

entendeu que as duas naturezas estavam unidas, indivisivelmente e não misturadas, mas

defendeu que havia comunicação de atributos, ou melhor, a obras de Cristo deveriam ser

atribuídas a quaisquer das naturezas.55 No entanto, é difícil defender uma atribuição de obras a

qualquer das duas naturezas sem que isso signifique mistura entre elas. Se não se pode separar

as obras e entender a que natureza estão ligadas, é porque as elas estão misturadas. Berkhof

defendeu o contrário de Strong, afirmando que a obra deve ser aplicada à pessoa divino-

humana de Cristo e não a qualquer uma das naturezas, o que seria incorrer no erro da

communicatio idiomatum entre as naturezas e não entre cada uma das naturezas com a Pessoa

de Cristo.56

Por outro lado, Berkhof não entendeu que a união das duas naturezas não causasse

alguma influência entre elas. Além da communicatio idiomatum (comunicação de atributos

das naturezas à pessoa de Cristo), e da communicatio operationum (comunicação da obra

consumada), Berkhof defendeu a communicatio charismatum, que é a comunicação de dons, e

não de atributos, à natureza humana de Jesus por causa da natureza divina. 57 Esses dons

foram:

(1) a graça e a glória de estar unida ao Logos divino, pela qual a natureza humana é elevada acima de
todas as criaturas e até se torna objeto de adoração; e (2) a gratia habitualis… dons do Espírito, em

52
Cf. Hodge, Teologia sistemática, p. 767.
53
Cf. Strong, op. cit., p.330-332.
54
Cf. Hodge, op. cit., p.770-776.
55
Cf. Strong, Teologia sistemática, p. 335.
56
Cf. Berkhof, Teologia sistemática, p. 324.
57
Cf. Idem.
25

particular os do intelecto, da vontade e de poder, pelos quais a natureza humana de Cristo foi exaltada acima
de todas as criaturas inteligentes.58

Berkhof, contudo, ainda que tendo identificado tantas características e fatos das duas

naturezas, viu na união das duas um mistério ainda insolúvel. Ele constatou alguma

similaridade na antropologia quanto à união do corpo e da alma sem que estes se misturem,

mas ainda assim não como suficiente para se entender a profundidade da pessoa divino-

humana de Cristo.59

A ligação da pessoa e obra de Cristo

É neste ponto que a importância de se entender a realidade das duas naturezas de Cristo

se torna visível. Somente uma pessoa como ele, divino-humana, é quem poderia realizar a

obra que ele fez. Essa conexão entre a pessoa e obra de Cristo é largamente vista na literatura.

Berkouwer salientou que a pessoa e obra de Cristo são indivisíveis e que as Escrituras sempre

descrevem a pessoa de Cristo por sua obra, diante da qual a Igreja confessa em adoração ser

Cristo verdadeiro Deus e homem, reconhecendo a direta ligação entre a pessoa e obra de

Jesus.60 Segundo Berkouwer, toda dádiva de Cristo perde valor quando separada dele, pois ele

não pregou bênçãos em si mesmas, mas tudo a partir dele e com ele.61

Anselmo, buscando responder a pergunta: - por que Deus se fez homem?; debruçou-se

sobre a obra que deveria ser realizada. Partindo da incapacidade de um homem satisfazer a

vontade de Deus,62 ele mostrou que, mesmo assim, Deus queria que um homem satisfizesse

sua vontade, mostrando a necessidade de que o Redentor fosse humano.63 Considerando,


58
Berkhof, Teologia sistemática, p 324.
59
Cf. Ibid, p. 325.
60
Cf. Berkouwer, The work of Christ, p. 19.
61
Cf. Ibid, p. 20.
62
Cf. Anselmo, Por que Deus se fez homem?, p. 21 e 109.
63
Cf. Ibid, p.40.
26

então, o tamanho da dívida assumida pelo homem diante de Deus, Anselmo concluiu que

somente um homem com valor maior do que tudo que foi criado poderia pagar tal dívida, e

que somente Deus poderia providenciar tal valor e somente um ser divino poderia ter tal

valor.64 Por estas razões, concluiu Anselmo, é que somente um ser que fosse Deus-homem

poderia cumprir tal papel.65

Calvino, assim como Anselmo, ligou a pessoa divino-humana de Cristo com sua obra.

Cristo não poderia substituir homem sem ser homem, tão pouco obedecer a vontade de Deus

se não fosse servo.66 Ao mesmo tempo, Calvino admitiu que a obra realizada não poderia ter

sido feita por um mero homem, pois a mesma excede todas as faculdades humanas.67

Warfield, por sua vez, descreveu a teologia humanitária de Cristo, que defendia ser Jesus

apenas homem, ainda que acima da média.68 Contudo, Warfield considerou tal teologia anti-

bíblica e, levando em consideração toda a obra de Cristo e sua profundidade, bem como sua

dificuldade, não viu meios de que a mesma fosse realizada senão por uma pessoa divino-

humana.69 Segundo Warfield, Jesus teria afirmado que sua carreira era maior do que a que um

simples homem poderia suportar.70 Somente assumindo as duas naturezas como base para a

obra de Cristo é que, segundo Warfield, poder-se-ia explicar a vida singular de Jesus com sua

sabedoria, santidade, humilhação, amor, inteligência, dentre outros fatores que tornaram a

vida de Cristo mais do que a de um mero homem.71

Brunner deixou clara a ligação que a obra de Cristo tem com sua pessoa. Para ele, Cristo

era de fato homem para que pudesse, antes de tudo, tornar-se fato histórico, ou seja, teria de

entrar na categoria temporal para poder se tornar o evento histórico único.72 A necessidade de

64
Cf. Anselmo, Por que Deus se fez homem?, p. 104.
65
Cf. Ibid, p.107, 108.
66
Cf. Calvino, Inst., III.11.9, p. 564, 565.
67
Cf. Ibid, III.11.9.p. 565.
68
Cf. Warfield, The person and work of Christ, p. 189-208.
69
Cf. Ibid, p. 207, 256.
70
Cf. Ibid, p. 253.
71
Cf. Ibid, p. 261, 262.
72
Cf. Brunner, The Mediator, p. 26-28.
27

tal fato era a de que Deus se revelasse e, para tanto, Brunner entendeu que somente através de

Deus, Deus se revela, portanto, Cristo tinha de ser Deus, além de homem.73 A encarnação que

fez do Filho a pessoa divino-humana do Redentor, ao transpor o abismo entre Deus e os

homens, ligando-os novamente, é a obra de Cristo que, segundo Brunner, é a derrubada de

barreiras criadas pela culpa do pecado; uma exigência da santidade de Deus, e prometida pelo

pacto.74

De igual modo argumentou Barth. Cristo é o “diálogo no qual Deus e o ser humano se

encontram e estão lado a lado, trata-se da realidade do pacto firmado, mantido e cumprido por

ambos os lados.”75 Barth, portanto, descreveu a pessoa divino-humana do redentor como

sendo necessária para a obra de mediação entre Deus e os homens, garantindo o livre direito

de Deus frente o ser humano e deste perante Deus.76 A conclusão de Barth foi que Cristo se

tornou o revelador de Deus, aproximando-se de Brunner, e revelador do ser humano,

tornando-se em si mesmo o pacto.77

Strong ligou a dupla natureza de Cristo com sua obra, ressaltando a dupla representação

de Cristo: diante de Deus e dos homens.78 Sendo homem, Cristo poderia representar os

homens e fazer expiação e, como Deus, a oferta feita por Cristo, ele mesmo, teria valor

infinito.79 Strong ainda acrescentou que sendo Deus e homem Cristo poderia “mudar os

corações dos ofensores e constrangê-los à submissão e amor.”80

A obra de mediação

73
Cf. Ibid, p. 201, 212.
74
Cf. Brunner, The Mediator, p. 399-404, 428, 455-477.
75
Barth, Dádiva e louvor, p. 394, itálicos do autor.
76
Cf. Barth, Dádiva e louvor, p. 395.
77
Cf. Barth, Dádiva e louvor, p. 395.
78
Cf. Strong, Teologia sistemática, p. 353.
79
Cf. Ibid, p. 353.
80
Ibid, p. 353.
28

A obra de mediação de Cristo é o ponto culminante de tudo o que foi visto. Esse é o

objetivo de toda a história do nascimento e das naturezas de Cristo, como já pode ser visto.

Contudo, de que modo definem a obra de mediação, ou o que está englobado nesta obra? Os

aspectos da obra de Cristo estão ligados à obra de Mediação, mas esta revisão busca em linhas

gerais o que trouxe esses aspectos (redenção, reconciliação, justificação, santificação, o envio

do consolador, chamado e etc), ou o que, de fato, Cristo realizou para alcançar os mesmo.

Ireneu entendeu que a obra de mediação começa no nascimento virginal em si. Para ele,

Jesus fez uma recapitulação da origem de Adão, ou seja, da terra virgem, e diz ter sido o

nascimento virginal tal recapitulação.81 O passo seguinte seria o de levar seus discípulos à

comunhão com Deus, para tanto, não bastaria uma confissão de boca, mas a conduta dos

discípulos deveria condizer com tal, por isso Cristo foi o revelador da lei que complementa o

Antigo Testamento.82 Por último, Cristo se entregou como resgate de nossa dívida, para que,

então, o Espírito habitasse no homem estabelecendo a comunhão entre Deus e homens.83

Anselmo desenvolveu melhor a representação dos homens por Jesus. Ao explicar a

necessidade da encarnação, Anselmo deixou claro que Jesus deveria representar homens

sendo homem, para morrer pelos menos, e ser Deus para ter valor infinito para representar

mais do que apenas um homem.84

Calvino, basicamente, entendeu a mediação por duas frentes. A primeira, a da obediência

à lei, que trouxe os favores de Deus para os salvos.85 A segunda frente foi sua morte, que

pagou a dívida com Deus e desviou sua condenação de sobre os eleitos.86 Dentro destas

frentes, Calvino desenvolveu a teologia do tríplice ofício de Cristo 87, com a qual Hodge

descreveu a obra de mediação de Cristo; para isso, Cristo cumpriu em si mesmo todas as
81
Cf. Ireneu, Contra as heresias, p. 349.
82
Cf. Ireneu, Contra as heresias, p. 401.
83
Cf. Ibid, p. 519.
84
Cf. Anselmo, Por Deus se fez homem?, p. 105.
85
Cf. Calvino, Inst., II.17.3, p. 394-395.
86
Cf. Ibid, II.17.
87
Cf. Ibid, Profeta: II.15.1ss; Sacerdote: II.12.1, 4; Rei: II.6.2ss.
29

profecias e todas as figuras do Antigo Testamento. 88 Como profeta, Cristo era a manifestação

e fonte de todo conhecimento, dando instruções pessoais, que é continuado pelos apóstolos e

pelas Escrituras.89 Como sacerdote ele agiu em favor dos homens, oferecendo um sacrifício,

agindo assim, como intercessor do povo.90 Como Rei, Cristo é soberano sobre todos que estão

em qualquer parte da criação, e como Rei do Universo e do mundo espiritual, Cristo conduz

os seus para sua glória.91

Brunner tem uma definição do ministério do mediador, segundo ele, muito teocêntrica. 92

Antes de tudo, o Mediador é alguém que veio revelar a Deus, trazer o conhecimento

necessário para que os homens pudessem conhecer aquele que os criou, e para que Deus se

fizesse conhecer.93 O principal meio de Cristo mediar a relação entre Deus e o homem é

revelando, em si mesmo, a verdade, reaproximando o homem de Deus.94 Isso por ser a

verdade o bem absoluto, idêntico ao ser e a vontade do Deus pessoal.95 Essa revelação que

Cristo fez se deu na encarnação que possibilitou a comunhão do divino com o humano,

através de suas duas naturezas, a qual foi consumada pelo sacrifício de Cristo.96 Este sacrifício

tirou a culpa do homem que o separa de Deus; tal separação se deu, primeiro, por causa do

homem, que não esquece o passado, sempre remoendo seus pecados e, depois, porque Deus

não aceita pecado.97

Bavinck acompanhou a Calvino e Hodge ao descrever a obra de mediação. Ele descreveu

o Messias relatando sua obra a partir de seus ofícios de Profeta, Sacerdote e Rei. 98 Berkouwer

88
Cf. Hodge, Teologia sistemática, p. 826.
89
Cf. Ibid, p. 829.
90
Cf. Hodge, Teologia sistemática, p. 830.
91
Cf. Ibid, p. 926-938.
92
Cf. Brunner, The Mediator, p. 408.
93
Cf. Brunner, The Mediator, p. 26ss.
94
Cf. Ibid, p. 28-33.
95
Cf. Ibid, p. 212.
96
Cf. Ibid, p. 400.
97
Cf. Ibid, p. 443-482.
98
Cf. Bavinck, Teologia sistemática, p. 321-328.
30

também descreveu os ofícios de Cristo, contudo ele ressaltou os momentos cruciais da vida de

Cristo para descrever a obra do Mediador: sofrimento, ressurreição, ascensão e glorificação.99

Para Berkouwer cada um desses momentos foi singular e de grande significado, sendo

que os sofrimentos de Cristo eram a mão de Deus guiando o homem para conduzir Cristo em

seu martírio, suportando o que o homem não poderia suportar, sendo ele um inocente,

gerando o bem de um sofrimento.100 Na ressurreição, Cristo derrotou a condenação do pecado,

a morte, e manifestou efetivamente a salvação.101 Então, após a ressurreição, o foco recai

sobre a ascensão de Cristo. Esta é a manifestação do poder, da glória e da majestade de Jesus.

Em sua ascensão, Jesus como homem deixou a terra para viver à destra de Deus, reinando e

dominando sobre a terra e sobre sua igreja, através do Espírito.102

Os ofícios de Cristo

Os ofícios de Cristo estão presentes em diversas das obras até aqui tratadas. Todas os

tratam como aspectos da obra de sua obra, ou como a definição da mesma. Berkouwer

levantou uma pequena e antiga discussão sobre a realidade dos ofícios de Cristo e a definição

dos mesmos103, contudo, tal discussão não será abordada nesta revisão, pois as outras obras

aqui trabalhadas não o fazem, e a presente dissertação já parte do pressuposto da realidade dos

ofícios de Cristo.

Calvino foi um grande defensor do tríplice ofício de Cristo. Ele entendia que Jesus de

fato era um oficial a começar por ser o Cristo, e por ter sido enviado por Deus ao mundo, ou

seja, comissionado para uma missão.104 Em seu ofício profético, Jesus, segundo Calvino, era o
99
Cf. Berkouwer, The work of Christ, p. 135-241
100
Cf. Ibid, p. 135ss.
101
Cf. Berkouwer, The work of Christ, p. 186.
102
Cf. Berkouwer, The work of Christ, 202-232.
103
Cf. Berkouwer, The Work of Christ, p. 58-87
104
Cf. Calvino, Inst., II.15.1,2, 365,366.
31

cumprimento de todas as profecias, tanto no sentido de satisfazer o que elas anunciavam,

quanto no sentido de ser ele o clímax da revelação, pois ensinava todas as coisas,

esclarecendo o que fora ensinado sobre salvação pelos antigos profetas.105 Por este fato, Jesus

é o fim das profecias, pois se tornou o profeta acima de todos os outros, em quem se cumpre a

profecia de Deuteronômio 18.15, como pode ser visto em Mateus 3.17, 17.5.106

Além de profeta, Calvino viu Jesus como rei. Em seu reinado, segundo Calvino, Jesus

exerceria seu poder sobre sua igreja e sobre o indivíduo. 107 Por isso, seu reino é de natureza

espiritual, caso contrário pouco se aproveitaria aos súditos de Jesus se seu reino fosse deste

mundo, tendo em vista o estado de miséria em que o crente ainda vive. 108 Além disso, o poder

de Jesus é exercido por meio do Espírito Santo que dá dons à igreja, mantendo-a fiel, gloriosa

e firme eternamente.109

Quanto ao sacerdócio de Cristo, Calvino ressaltou o caráter mediatório do mesmo. O

pecador diante das portas cerradas do céu precisava de um mediador santo que o reconciliasse

com Deus.110 Devido à perfeição da obra e da pessoa de Cristo, o resultado é não só a

satisfação de Deus, como a confiança na morte e intercessão de Cristo.111

Charles Hodge concordou com Calvino quanto ao tríplice ofício. Ele viu inúmeras razões

bíblicas para tal, mas ressaltou que ainda que os ofícios ocorressem em pessoas distintas no

passado, ou mesmo que em algumas ocorresse mais de um ofício, os mesmos eram sempre

bem distinguidos. Em Cristo essa distinção era difícil, de forma que seus ofícios cumulavam

de forma mais cooperativa, pois enquanto ensinava agia como sacerdote cuidando do pecado

das pessoas e avançava com seu reino na alma daqueles que eram libertos da prisão do

105
Cf. Idem.
106
Cf. Ibid., II.15.2, p. 366.
107
Cf. Ibid., II.15.3, p. 367.
108
Cf. Ibid., II.15.4, p. 368.
109
Cf. Ibid., II.15.5, p. 369,370.
110
Cf. Ibid., II.15.4, p. 371.
111
Cf. Ibid., II.15.6, p. 371,372.
32

pecado.112 Ainda assim isso é estranho, pois a ênfase está, neste caso, em um ofício. Caso

contrário, todos os profetas poderiam ser chamados de sacerdotes e reis.

Quanto ao ofício profético, Hodge apresentou Jesus como “o grande órgão de Deus para

comunicar sua mente e vontade aos homens.”113 O funcionamento desse órgão foi executado

de quatro formas básicas, segundo Hodge.114 (1) Jesus é o logos divino, portanto, fonte de

todo conhecimento verdadeiro. (2) Sendo assim ele é o sustento de toda profecia, mesmo as

anteriores à sua encarnação. (3) Ele era a própria mensagem, ou seja, ele falava sobre si

mesmo. (4) E ainda continua profetizando por meio da operação de seu Espírito, que agiu nos

apóstolos tornando-os infalíveis quanto à revelação, da qual ainda se tem as Escrituras, as

quais ainda revelam por meio daqueles que são chamados ao ministério da palavra.

Hodge dedicou muito tempo ao sacerdócio de Cristo. Defendeu-o como sendo o

sacerdote que pode, verdadeiramente, aproximar o homem de Deus, algo que só foi feito

figuradamente pelos sacerdotes levíticos.115 E esse papel de fazer a obra de Deus em favor dos

homens é justamente a definição de sacerdote que Hodge retirou do Novo Testamento, para

ser mais exato de Hebreus, epístola essa que teria apresentado todas as provas do sacerdócio

de Cristo.116 Por fim, Hodge demonstrou a satisfação de Deus no sacerdócio de Cristo, como

sendo suficiente e final devido à perfeição de Jesus, portanto de sua oferta e obra, que de fato

salvam.117

Quanto o ofício régio de Cristo, Hodge reconhece-o como rei de toda a criação, 118

contudo coloca seu reino como sendo algo estabelecido antagonicamente ao de satanás,

criando um problema não só cronológico, como epistemológico.119 Sendo Deus o criador de

todas as coisas, como pode seu reino ser antagônico àquele que o sucedeu? Satanás foi quem
112
Cf. Hodge, Teologia Sistemática, p. 826.
113
Ibid., p. 828.
114
Ibid., p. 829.
115
Cf. Ibid., p. 831.
116
Cf. Idem.
117
Cf. Ibid., p. 842-844, 854-874.
118
Cf. Ibid., p. 931,932.
119
Cf. Hodge, Teologia Sistemática, p. 929.
33

ser revoltou, não o contrário. Apesar disto, porém, Hodge defendeu consistentemente o

reinado de Cristo mostrando, assim como Calvino, que Jesus possui um reino espiritual, que

se estende nos corações dos que crêem, tendo em vista que a fé e o arrependimento são os

termos de admissão para seu reino.120 No entanto, ao enfatizar a espiritualidade do reino de

Cristo, Hodge foi tão categórico que limitou este reino ao dizer que Jesus não possui “poder

sobre a vida, a liberdade ou propriedade de seus membros; e porque todas as questões

seculares estão além de sua jurisdição.”121 Ele escreveu de modo tão enfático, que restringiu a

prerrogativa de Cristo ao simples ato de declarar a verdade de Deus, excluindo qualquer

domínio sobre questões não religiosas deste mundo.122

Tal posição não é compartilhada por Strong, que defendeu que o domínio de Cristo se

estende sobre todo o universo, pois ele o sustenta, governa e julga o mundo.123 Além disto,

assim com Calvino e Hodge, Strong entendeu que o reino de Cristo é espiritual e se faz

presente em sua igreja militante, a qual recompensará com a plena contemplação de sua

revelação no dia do juízo.124

Quanto ao ofício profético, Strong entendia que esse era exercido por um homem que

seria a boca Deus.125 Para exercer tal função, segundo Strong, Cristo teria usado os três

métodos tidos por ele como sendo dos profetas: ensino, predição e operação de milagres.126

Além disto, esse autor dividiu a obra profética de Cristo em quatro estágios. (1) Antes da

encarnação, sustentando os antigos profetas. (2) Quando encarnou, pregando diretamente. (3)

Por meio do Espírito em sua igreja. (4) Por último, na eternidade, revelando o Pai aos santos

em glória para todo o sempre.127

Strong trabalhou extensamente o ofício sacerdotal de Cristo, por quase cem páginas,
120
Cf. Ibid., p. 932,933.
121
Ibid., p. 935.
122
Idem.
123
Strong, Teologia Sistemática, p. 467.
124
Cf. Ibid., p.467,468.
125
Cf. Ibid., p. 371.
126
Cf. Idem.
127
Cf. Ibid., p. 372-374.
34

mostrando a centralidade do mesmo na cristologia. O exercício de tal ofício foi realizado em

dois aspectos: pela entrega da oferta e fazendo intercessão.128 Quanto à obra sacrificial, Cristo

a fez afirmando a santidade de Deus obedecendo a lei, fazendo-se o homem que todos

deveriam ser, além disso, entregou esse homem diante de Deus, trazendo sobre si os

sofrimentos ao receber as penalidades dos pecadores.129 Como intercessor, Jesus age

garantindo as bênçãos ao seu povo através dos méritos de sua obediência e sacrifício.130 Disso

vêem dois objetivos da intercessão de Cristo: garantir bênçãos temporais e assegurar as

dádivas divinas necessárias para a salvação.131

Por último, Strong abordou o ofício real entendendo que o mesmo está firmado na

soberania do Redentor. No entanto, essa soberania é a pertencente ao ser divino-humano e só

passou a ser exercida a partir da sua entrada no estado de exaltação. 132 Ela tem de ser

distinguida da soberania pertencente ao Filho por ser Deus, pois lhe foi dada através de seu

ofício, a fim de dirigir todas as coisas no céu e na terra para a execução da salvação.133 Para

essa execução, Cristo dirige o universo, sustentando-o, governando e julgando o mundo,

revelando seu reino de poder.134 Seu reino de graça é revelado por meio de sua igreja

militante, a qual ele fundou, legisla e amplia na terra.135

Berkhof também trabalhou com esses aspectos de reino de poder e de graça, mostrando

justamente que o primeiro é o governo de Cristo sobre o universo e o segundo sobre sua

igreja.136 Porém, Berkhof ressaltou que mesmo em seu reino de poder, o Redentor o exerce

fazendo com que todas as coisas cooperem para o bem de sua igreja.137 Por sua vez, Strong

entendeu que a partir dessa igreja militante o Redentor fará a igreja gloriosa, a qual é seu povo

128
Cf. Strong, Teologia Sistemática, p. 375.
129
Cf. Ibid., p. 376-379.
130
Cf. Ibid., p. 464.
131
Cf. Ibid., p. 465.
132
Cf. Ibid., p. 466.
133
Cf. Ibid., p. 466,467.
134
Cf. Ibid., p. 467.
135
Cf. Ibid., p. 467.
136
Cf. Berkhof, Teologia Sistemática, p. 407-412.
137
Cf. Ibid., p. 411.
35

redimido e recompensado com a plena revelação do seu reino, o que ocorrerá na ressurreição

e no juízo.138

Berkhof ainda trabalhou com a natureza do reino de Cristo. Em seu texto, observa-se que

o reino de Cristo classificado como o reino de graça, conforme visto acima, é de natureza

espiritual, pois ocorre nos corações e nas vidas dos crentes. Além disso, é um reino espiritual

“porque leva direta e imediatamente a um fim espiritual, a salvação do Seu povo.”139[sic] Por

essa razão, além de espiritual, o reino de Cristo já é presente, pois já se manifesta nas vidas

dos crentes.140 Ademais, o reino de graça é futuro quanto à sua manifestação plena, a qual se

dará na volta de Cristo, quando tudo o que estive oculto for revelado a todos,

majestosamente.141 Apesar dessa descrição em termos de presente e futuro, para Berkhof, o

reino de Cristo é eterno, pois sempre existiu em meio à criação, pelo fato do Mediador ter

recebido na eternidade sua incumbência real, a qual não encontrará fim.142 Contudo, o reino de

poder não tem o mesmo caráter eterno, pois ele terminará com a consumação da obra

salvadora de Cristo.143 No entanto, tendo em vista que esse é o reino de Cristo com o fim de

conduzir todas as coisas para a salvação de seu povo, isso parece estranho, pois tendo

purificado a terra de todo o mal, o reino de poder e de graça deveriam fundir-se, já que os

efeitos de ambos os reinos se manteriam permanentemente.

Conclusão

Entender cada uma dessas partes tem grande importância. A obra do Mediador

desenvolve-se fundamentada em sua própria pessoa. Somente uma pessoa como ele poderia
138
Cf. Strong, op. cit., p. 468.
139
Berkhof, Teologia Sistemática, p. 407.
140
Cf. Ibid., p. 409.
141
Cf. Ibid., p. 410.
142
Cf. Ibid., p. 410,411.
143
Cf. Ibid., p. 412.
36

desempenhar o papel descrito nas Escrituras. A necessidade de sua encarnação está

diretamente ligada com a questão da representação dos homens diante de Deus. Também o

nascimento virginal é central para compreensão de que ele é o Messias prometido que cumpre

todas as promessas do Antigo Testamento, bem como os ofícios estabelecidos nele.

As duas naturezas do Redentor são muito centrais para entendê-lo e à sua obra. A mais

ninguém seria possível realizar o sacrifício necessário, com a santidade que Cristo alcançou,

por ter cumprindo toda a lei. Fica clara, portanto, a ligação entre a pessoa e a obra de Cristo.

Os autores acima deram, ao longo da história Cristã, importantes contribuições para o

entendimento e para a confiança que se deve depositar nesse binômio. O papel desta

dissertação será o de demonstrar como tudo isso resultou na superioridade de Cristo no

exercício de seu tríplice ofício, enfatizando, mais uma vez, a ligação de seu ser e de sua obra.

Isso significa dizer que nessa dissertação será vista a correlação entre a pessoa de Cristo e

seus ofícios.
37

1. A SUPERIORIDADE DE CRISTO NO EXERCÍCIO DO

OFÍCIO PROFÉTICO, JESUS É MAIOR QUE MOISÉS

Cristo era claramente um profeta que pregava a Palavra de Deus servindo de seu porta-

voz, assim como Moisés, Elias, Isaías e tantos outros. O objetivo deste capítulo é descrever a

superioridade do exercício do ofício profético desempenhado por Jesus em relação aos dos

profetas do Antigo Testamento, sobretudo por Moisés.

Moisés foi escolhido como referência por ser o profeta mais celebrado entre os judeus,

conforme pode ser visto nas diversas citações sobre ele nos evangelhos. Foi ele quem deu a lei

ao povo de Israel e o libertou, retirando-o do Egito e guiando-o pelo deserto. Moisés foi o

mediador entre Deus e os homens no sentido de que levava os anseios do povo diante de

Deus, e servia de boca de Deus no meio do povo.

Além de revelar a vontade de Deus e prover o que era necessário, Moisés operou

milagres para que essas atividades fossem desenvolvidas. No intuito de prover a liberdade do
38

povo, Moisés abriu o Mar Vermelho, transformou seu cajado em serpente, fez brotar água da

rocha, e tantos outros feitos que realizou com poder sobrenatural. O mesmo pode ser visto em

Elias, o qual, além de pregador, deu comida à viúva de Serepta e a seu filho, por meio de um

milagre. (1Rs 17.9-16)

Fatos como esses também fizeram parte da vida de Cristo, no entanto, como profeta, ele

foi maior. Na verdade, ele é o profeta esperado para cumprir o que está em Deuteronômio

18.15-18 está escrito:

O SENHOR, teu Deus, te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, semelhante a mim; a
ele ouvirás, segundo tudo o que pediste ao SENHOR, teu Deus, em Horebe, quando reunido o povo: Não
ouvirei mais a voz do SENHOR, meu Deus, nem mais verei este grande fogo, para que não morra. Então,
o SENHOR me disse: Falaram bem aquilo que disseram. Suscitar-lhes-ei um profeta do meio de seus
irmãos, semelhante a ti, em cuja boca porei as minhas palavras, e ele lhes falará tudo o que eu lhe ordenar.

Os versos acima revelam a certeza que Deus deu ao povo uma sucessão profética. Ainda

que o texto pareça indicar apenas um sucessor imediato de Moisés, uma avaliação mais

cuidadosa aponta para a sucessão profética. Segundo Walter C. Kaiser Jr., o texto apresenta

de forma genérica a promessa da sucessão profética, apenas dizendo que o sucessor seria um

israelita, semelhante a Moisés, autorizado a declarar a palavra de Deus com autoridade.144

Edward Young ressaltou que o contexto de Deuteronômio era o de preparação para a morte de

Moisés, dando instruções ao povo sobre o magistrado civil e sobre os sacerdotes, mas falando

destes não como indivíduos, e sim como instituições.145 Desta forma, não faria sentido pensar

em um indivíduo específico, mas numa sucessão.

Outro fator que aponta para a sucessão profética é o contexto de proibição da consulta

aos mortos, aos prognosticadores, aos feiticeiros, aos adivinhos, e a outras fontes que podem

ser vistas nos versos anteriores. O fato é que o povo entraria na terra prometida e encontraria

pessoas que praticavam todas essas abominações. Contudo, não há indicação de que tanto a

proibição, quanto o surgimento de tais pessoas no meio do povo estavam restritos a um

144
Cf. KAISER, Walter C., Jr. Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1999, p. 146.
145
Cf. YOUNG, Edward J. My servants the prophets. Grand Rapids: WM B. Eeddmans Publishing Co., 1955, p.
30, doravante: My Servants.
39

momento, de forma que a necessidade de se identificar um profeta verdadeiro seria contínua,

daí a descrição dada por Moisés. Em outras palavras, a contínua presença daqueles que fazem

o que é abominação diante de Deus, indica a permanente necessidade de um mediador como

porta voz de Deus e pregue a verdade.146

Este, porta-voz, diante do fato de que pessoas da terra prometida surgiriam no meio do

povo fazendo o que era abominação, seria um dos israelitas. De modo algum o profeta poderia

ser um não israelita, deixando claro para o povo que os prognosticadores de Canaã não

deveriam ser ouvidos em hipótese alguma.147

Além disto, diante dos artifícios usados pelos abominadores, o profeta seria como

Moisés: alguém que ouviria a voz de Deus, a qual causou temor no povo na entrega dos Dez

Mandamentos, e serviria de mediador entre o povo e Deus. Portanto, aqueles que fossem

profetas nos moldes dados por Deus nestes versos, deveriam ser ouvidos, e não os

necromantes, feiticeiros, prognosticadores e agoureiros.

Quando o texto menciona a semelhança com Moisés, a idéia implícita é a do seu caráter

de mediador. O povo havia ouvido a voz de Deus, chorado e, então, pedido para que nunca

mais a ouvisse (Dt 18.16). Diante disso, Moisés passou a ser a boca de Deus no meio do povo,

servindo de mediador entre o SENHOR e Israel.148 Jesus é semelhante a Moisés como

mediador, pois também é a boca de Deus no meio dos homens, porém, de modo superior,

como será abordado. Por este fato, Jesus é o profeta final da sucessão profética. Ainda que

após Moisés somente nos dias de Samuel houve um grande profeta proeminente,149 é fato que

o povo de Israel sempre necessitou daqueles que, ao receberem a revelação de Deus, a

entregassem ao povo e o guiassem no caminho correto – foi por esta ligação entre receber a

146
Cf. KIEL & DELITZSCH, Commentary on the Old Testament, the fith book of Moses, Deuteronomy in: e-
sword, arquivo eletrônico, copyright 2005.
147
Cf. Young, op. cit., p. 27.
148
Cf. Young, My Servants, p. 27,28.
149
Cf. GRONINGEN, Gerard Van. Criação e consumação. São Paulo: Cultura Cristã, 2002, p. 519.
40

revelação e cuidar para que o povo andesse segundo a mesma que o ofício profético era tão

intimamente ligado ao ofício real.150 Mas este aspecto será melhor abordado mais adiante.

O entendimento destes aspectos iniciais sobre o ofício profético é importante para o

entendimento do texto como um todo. Por sua vez, é essencial para a compreensão da

superioridade de Cristo no exercício do ofício profético vê-lo como o grande profeta

antecedido por aqueles que lhe preparavam o caminho. Para tal propósito, resta investigar

alguns aspectos que ajudam a elucidar em que sentido, ou de que forma Jesus foi superior no

exercício do ofício profético em relação ao realizado pelos profetas do Antigo Testamento.

1.1. Jesus é superior como revelador

Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas


maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou
pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual
também fez o universo. Ele, que é o resplendor da glória e a
expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra
do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados,
assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, tendo-se tornado tão
superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles.
(Hb 1.1-4)

A epístola aos Hebreus foi escrita em resposta a um contexto de dúvida e apostasia. 151

Muitos estavam deixando de lado a pregação dos apóstolos, cedendo às argumentações de

judaizantes que procuravam introduzir os costumes veterotestamentários no cristianismo.

Conclui-se deste fato que os olhares daqueles cristãos estavam se voltando para o Antigo

Testamento, o que levou o autor da epístola a enfatizar o foco correto da atenção de seus

leitores.

150
Cf. Ibid, p. 519.
151
Cf. CARSON, D. A., MOO, Douglas e MORRIS, Leon. Introdução ao Novo Testamento. São Paulo: Vida
Nova, 1997, p. 446-448.
41

Nesse intuito, Jesus foi apresentado como aquele por meio de quem tudo deveria ser

interpretado. O autor não desprezou o que fora dado até então no Antigo Testamento, mas

apenas colocou abaixo do Filho. Observando-se atentamente os quatro primeiros versos da

epístola, o autor quis mostrar que é pelo Filho que todos deveriam conhecer e chegar a Deus,

pois aquele é o modo de revelação superior a todos os outros.

Os dois primeiros versos, de modo comparativo, se desenvolvem da seguinte forma:152

Tempo do Antigo Testamento Tempo do Novo Testamento


Como? muitas vezes e de muitas maneiras -
Quando? no passado nestes dias
Para quem? aos nossos pais a nós
Por quem? pelos profetas por seu Filho

Kistemaker ressaltou que a falta de um paralelo no campo “como?” é devido ao caráter

“exclusivo, final e completo”153 da revelação no Filho. Isso é melhor entendido diante das

palavras de Jesus sobre si mesmo: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao

Pai senão por mim” (Jo 14.6). De nenhum profeta poder-se-ia dizer algo assim. Todos,

apoiados na verdade, indicavam o caminho e falavam da vida, mas não os eram. Enquanto

eles falavam de coisas que eram prometidas, Jesus as possuía.

Deste caráter definitivo da revelação feita por meio de Cristo depreendem-se três

aspectos do profeta-revelador, Jesus. O primeiro deles é o aspecto da perspicuidade da

revelação feita por Cristo. Cristo foi superior em suas palavras, no conteúdo de sua revelação,

não no sentido de acerto, pois tudo que fora revelado até ele estava correto, mas no sentido de

clareza e cumprimento, como será mais bem trabalhado a seguir.

Um segundo aspecto de Jesus como profeta-revelador é a questão ontológica. Suas

naturezas, divina e humana, são o fundamento de toda a sua obra, portanto, de sua

superioridade. Esse aspecto pode ser visto nos versos da Epístola aos Hebreus acima. Quando

152
Cf. KISTEMAKER, Simon. Comentário do Novo Testamento, Hebreus. São Paulo: Cultura Cristã, 2003, p.
44.
153
Cf. Kistemaker, Hebreus, p. 44.
42

o autor inspirado ressaltou que Jesus é o Filho de Deus, herdeiro de todas as coisas, por meio

de quem tudo foi criado, ele estava com o mesmo raciocínio dos judeus ao ouvirem Jesus

chamar Deus de Pai: “Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não

somente violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a

Deus” (Jo 5.18).

Um terceiro aspecto que pode ser depreendido do fato de Jesus ser o modo de revelação

definitiva é o caráter de sua atividade reveladora. Enquanto Moisés era conhecido por andar

com Deus, por tratar diretamente com ele, a revelação feita por Jesus levou os que o

rodeavam a identificá-lo como o Filho de Deus: “O centurião que estava em frente dele,

vendo que assim expirara, disse: Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus” (Mr

15.39). Essa declaração do centurião no momento da morte de Cristo é um exemplo de como

Jesus é um revelador único e inigualável, de quem foi dito ser ele a “expressão exata do ser de

Deus”, ou “resplendor da glória” de Deus.

1.1.1 Superior devido o aspecto da perspicuidade

A superioridade com relação à perspicuidade de Jesus sobre Moisés é clara. Moisés

jamais expôs os fundamentos da fé para o povo como Cristo o fez. A primeira e mais clara

razão para tal é o fato de que Moisés falava de um futuro Messias, apenas descrevendo-o, sem

poder mostrá-lo. Jesus era o tal Messias e podia pregar apontando para si mesmo, de tal forma

que as pessoas poderiam entender sua pregação com clareza, e não por meio das sombras dos

símbolos da Lei.

Nos livros de Êxodo, Números, Levítico e Deuteronômio, podem ser vistos os sinais

feitos por Deus através de Moisés, para indicar o caminho, para dar fé, e para dar esperança
43

de uma futura salvação. O povo se direcionava por meio destes sinais da Lei dada através de

Moisés. Mas, mesmo com a chegada na terra prometida, o povo ainda não havia atingido o

final da jornada. Como ensina a epístola aos Hebreus, capítulo 4, ainda havia mais um

descanso a ser alcançado por Cristo ao completar sua obra, fazendo os seus entrarem,

“confiadamente, junto ao trono de glória”. Ou seja, o descanso que foi apenas apontado por

Moisés tornou-se real e definitivo em Cristo.

Enquanto Moisés falou de uma salvação, de um descanso, Cristo os tornou realidade e

deixou claro o caráter dos mesmos. As pessoas não tinham total noção de como seria o

Messias, sobre o objetivo do plano de Deus com seu povo, e, conforme pode ser visto no

Sermão do Monte, da correta interpretação da Lei. Este fato pode ser verificado pela rejeição

de Jesus e pela interpelação final dos discípulos a ele, quando estes lhe perguntaram sobre a

hora em que Jesus iria restaurar o reino a Israel (At 1.6). Jesus era aquele que em nada

tropeçou na Lei, mas, mesmo assim, os escribas e fariseus, tão apegados ao que eles achavam

ser a lei, o perseguiram até a morte, demonstrando não terem reconhecido em Jesus o objetivo

da Lei.

É inegavelmente que Moisés foi o grande profeta do Antigo Testamento, sendo aquele

que inaugurou o período da Lei. Ele foi o legislador que deu ao povo de Israel o que recebera

de Deus: o parâmetro pelo qual se devia andar e seguir ao Senhor. Por outro lado, Jesus era o

próprio Deus encarnado, aquele que antes se revelara por meio de palavras e de sinais e que,

agora, se faz presente falando, não através de conceitos, idéias, ou de símbolos, mas com a

realidade plena e concreta, ou melhor, encarnada. O que era tipo em Moisés, passa a ser real

em Cristo. O que antes era a verdade divina em palavras e símbolos, adentra a realidade caída

dos homens, tornando-se tudo o que homem deveria ser. A mudança é tão radical que não
44

importa mais a simbologia do lugar de adoração que envolvia o culto e seu ambiente, mas,

sim, a realidade da adoração (Jo 4.24).154

1.1.2. Superior devido à filiação de Jesus

A segunda parte de Hebreus 1.2 diz: “a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo

qual também fez o universo”. Jesus não apenas falou da herança, mas a possuía para poder

distribuir. Cristo é um modo único e superior de revelação, pois ele não somente revelou, mas

efetuou sua palavra nos que creram – não há pregação mais clara do que aquela que vai além

das palavras, permeando as atitudes e até os mais simples gestos. Ele promete uma herança

própria, e não de terceiros. Tudo que existe pertence ao revelador Jesus, conforme o verso

enfatizou ao dizer que todas as coisas foram criadas por ele. 155 Ao contrário dos profetas,

Jesus é herdeiro e não co-herdeiro (Rm 8.17), não dependendo de ninguém para receber sua

herança, pois ele é o Filho.156 Logo, Jesus é o profeta que trouxe a herança consigo, realizando

o que os outros apenas profetizaram.

Na própria epístola aos Hebreus, essa questão da herança filial foi utilizada para mostrar

a superioridade de Jesus sobre Moisés. Em Hebreus 3.1-6, fala-se de Moisés com grande

consideração e valor, mas ele é definido como servo, possuidor de menor glória do que o

Filho, que dá melhor testemunho do que Moisés. Adiante, no fim do capítulo 3, e no capítulo

4, o autor de Hebreus mostrou que muitos não creram na pregação de Moisés e não entraram

no descanso da terra prometida. Mas em Cristo há outro descanso, superior, final, pois é

154
Cf. PLUMER, William S. The Rock of our salvation: a treatise respecting the natures, person, officies, work,
sofferings, and glory of Jesus Christ. Harrisonburg: Sprinkle Publications, 1995, p. 128. Doravante, Rock.
155
Cf. Ibid, p. 46.
156
Cf. Hagner, Hebreus, p. 33.
45

subseqüente ao primeiro e sem sucessores, que torna a incredulidade em Cristo mais séria do

que em Moisés.

Enquanto o testemunho de Moisés apenas indicava um descanso físico, sombra do que

viria, o de Cristo é o descanso definitivo, o descanso espiritual de conformidade com a lei.157

Certamente, a incredulidade nos tempos de Moisés na hora da entrada na terra prometida

poderia não só relacionar-se à entrada na terra, mas também com o próprio Messias, ou seja, o

próprio Cristo. Contudo, uma coisa não indicava necessariamente a outra, pois aqueles

condenados a não entrar na terra por causa da falta de fé poderiam, durante os trinta e oito

anos seguintes de caminhada no deserto, chegar ao arrependimento, indicando que apenas

Canaã foi perdida, mas não a Nova Jerusalém.

O Filho era aquele que pregava sobre si mesmo na casa de seu Pai. Jesus é o profeta

cheio de autoridade, nunca usando a expressão “assim diz o Senhor”, como o fez Moisés (Ex

4.22), ao invés disto, dizia: “eu vos digo” (Lc 13.24).158 Moisés recebia sua palavra da boca de

Deus, mas Cristo era aquele que inspirava os seus a pregarem. Moisés jamais inspirou, ou

serviu de fundamento para um profeta que o sucedeu. Jesus é aquele cujo Espírito se moveu

em seus apóstolos, os inspirando a pregar, curar e escrever, pois o que ele recebera do Pai,

entregou ao Espírito (Jo 16.14). Jesus é como um filho que conhece a intimidade do pai e

pode falar dele com maior propriedade e profundidade: Moisés era servo, que apenas pôde

falar o que lhe foi ordenado, sem conhecimento total daquele que o comissionou. Por esse

fato, também, a pregação de Jesus é, em muito, superior à de Moisés. Jesus tinha

conhecimento superior para revelar, pois somente ele viu o Pai (Jo 1.18), de forma que todos

os tesouros de sabedoria e conhecimento estão ocultos nele (Cl 2.3).159

157
Cf. Kistemaker, Hebreus, p. 150.
158
Cf. SANDERS, J. Oswald. The incomparable Christ, the person and work of Christ. Chicago:Moody Press,
1982, p. 97. Doravante The incomparable Christ.
159
Cf. Owen, Biblical theology, p. 601.
46

1.1.3. Superior devido o aspecto definitivo da revelação feita por


Cristo

Diante destes fatos, talvez o que mais evidencie a superioridade de Cristo sobre Moisés é

que o tempo deste último passou, enquanto o de Cristo permanece presente. Seja por meio do

seu Espírito, pelos escritos do Novo Testamento, e na esperança de seu retorno, quando ele se

manifestará em toda a sua glória, o tempo de Cristo jamais passou.160 Esse fato é devido ao

caráter de cumprimento da revelação de Jesus. Todos os seus antecessores anunciaram a sua

vinda como sendo a plenitude da ação de Deus sobre seu povo, e ao falar, agir, orar e mesmo

pensar Jesus mostrou ser o cumprimento de todas as promessas feitas. Ao instituir a Ceia, ele

mostrou que já realizou a obra de redenção, que ele permanece presente com os seus e que

ainda virá terminar o que iniciou.

Enquanto Deus usou os profetas do passado de formas variadas, o Filho se mostrou

definitivo, como visto acima. No passado, ou “aos nossos pais” (Hb 1.1), Deus usou teofanias,

oráculos, elementos da natureza, homens e mulheres que tinham estilos, métodos, até mesmo

línguas diferentes, já que o povo deixou o hebraico para o aramaico durante o exílio

babilônico.161 Em Cristo, todos esses modos de revelação se tornaram obsoletos, sendo ainda

utilizados apenas os registros nas Escrituras, pois a revelação progressiva de Deus chegou ao

seu clímax. Cristo inaugurou uma era única, fazendo chegar o “momento crucial do plano que

Deus havia traçado ao longo dos séculos e milênios, de modo que, por definição, chegamos

aos últimos dias”.162 Anthony Hoekema entendeu que o autor de Hebreus estava fazendo um

160
Cf. Ibid, p. 128.
161
Cf. ACHER, Gleason L., Jr. Merece confiança o Antigo Testamento?. São Paulo: Vida Nova, 1998, 3ª ed.,
p.48.
162
Cf. HAGNER, Donald A. Novo comentário bíblico contemporâneo, Hebreus. São Paulo: Vida, 1997, p. 32.
Doravante Hebreus.
47

contraste com os sumo-sacerdotes do Velho Testamento, pois eles eram provisórios, enquanto

Cristo é o cumprimento escatológico e de caráter final.163

Por outro lado, John Owen entendeu que a expressão “últimos dias” teria outro

significado, ou melhor, se referia a outro período. Para ele, essa passagem de Hebreus indica o

fim da igreja judaica que, segundo Owen, é descrito em Números 24.14. 164 Contudo, essa

passagem parece ter um fundo muito mais escatológico do que Cristológico, no sentido de

que aponta mais o fim dos tempos do que a vinda do Messias, o que seria o fim da igreja

judaica e o início da Cristã. Ainda que seja um bom argumento para o autor de Hebreus dizer

que Jesus é o fim do período dos patriarcas, ou dos judeus, parece mais natural à teologia do

pacto entender que a expressão “últimos dias” indica a vinda do Messias até o findar da

história. Isso confirma o fato de que as igrejas judaica e cristã são uma, que vivem sob o

mesmo pacto e que possuem o mesmo salvador. Outra razão é que, entender últimos dias

como a vinda do Messias até o fim da história, faz de Jesus o último grande profeta de toda a

história, tanto para judeus, como para cristãos, não o colocando apenas como o profeta da

Igreja Cristã.

Portanto, “últimos dias” tem seu início com a vinda do Filho, o Messias prometido no

Antigo Testamento e, por este ser insubstituível, tais dias se estenderão até “o último dia”. Foi

Deus quem iniciou toda a criação e ele mesmo, por meio do Filho, é quem inaugura sua

finalização, ou o cumprimento de seu propósito. Ele é o “alfa e o omega, o primeiro e o

último o princípio e o fim” (Ap 22.13), ele dá início ao conhecimento revelando-o, e o eleva

até o último patamar se tornando o Emanuel; é o clímax da revelação, portanto, do

conhecimento. Matthew Henry, comentando Provérbios 1.7, escreveu argumentando a favor

de que o conhecimento tem sua centralidade no próprio Deus:

Ele lançou esta verdade, que o temor do Senhor é o princípio do conhecimento; esta é a principal
parte do conhecimento; este é o conhecimento primário; que é: (1) De todas as coisas para serem

163
Cf. HOEKEMA, Anthony. A Bíblia e o futuro. São Paulo: Cultura Cristã, 1989, p. 27.
164
Cf. Owen, John, Biblical theology. Morgan: Soli Deo Gloria Publications, 1996, p. 598,9.
48

conhecidas, esta é a mais evidente, que Deus é para ser temido, para ser reverenciado, servido, e louvado;
este é o princípio do conhecimento, de modo que não conhecem nada aqueles que não conhecem isso.165

Contudo, é importante entender que os modos de revelação anteriores a Cristo é que se

tornaram obsoletos, e não a revelação em si. O que fora dito por meio dos profetas era Palavra

de Deus, assim como o que foi dito e mostrado pelo Filho. Calvino ressaltou que a forma do

primeiro verso estabelece uma concordância entre a lei e o evangelho, “por que Deus, que é

sempre o mesmo, cuja Palavra é imutável e cuja verdade é inabalável, falou em ambos

igualmente”,166 ou seja, não há desprezo, mas continuidade e progressão.

Cristo, portanto, encerrou a progressão da revelação, mas, além do visto até aqui, este

aspecto definitivo da revelação por meio de Cristo pode ser visto no sustento que ele mesmo

dava a toda atividade profética (Ef 2.20). Jesus, como profeta, é definitivo porque ele é o

sustento de tudo que fora dito pelos profetas até então e daqueles que o sucederam, portanto,

se ele é o sustento que agora se manifesta. Sua atividade profética é superior e definitiva, pois

é sustentadora. Aquele que sustenta é a fonte de tudo que se apóia nele, por isso, Jesus é a

revelação definitiva de Deus.

Os profetas falaram daquilo que lhes era dado, Jesus, por outro lado, era a própria

mensagem e aquele que sustentou os próprios profetas anteriores a ele, e continua sustentando

aqueles que dão testemunhos dele até os dias de hoje. Jesus é a verdadeira luz que ilumina o

homem (Jo 1.9), portanto, era ele quem direcionava e lançava luz sobre os profetas do Antigo

Testamento através de seu Espírito (Nm 11.17, 24.2; Ne 9.30; Is 48.16; Ez 2.2), e também,m

como o Anjo do Senhor, reconhecido como a segunda pessoa da trindade (Ex 3.2; Nm 22.35;

Zc 1.11,12, 3.1, 3.5). Além disto, o Filho era a sabedoria de Deus personificada que, segundo

a descrição de Provérbios 8, Deus a possuía antes que todas as coisas fossem criadas, e o

homem que a ela “acha, acha vida e alcança o favor do SENHOR” (Pv 8.35).

165
Cf. HENRY, Matthew. An exposition, with practical observations, of the proverbs, arquivo eletrônico de E-
Sword, v. 7.7.7.
166
Cf. CALVINO, João. Exposição de Hebreus. São Paulo: Paracletos, 1997, p. 30, doravante Hebreus.
49

Todo esse sustento dado aos profetas do Antigo Testamento tem a ver com o eterno

comissionamento do Filho. Antes mesmo de encarnar, o Filho já havia recebido o

comissionamento do Pai para exercer os ofícios através dos quais ele revelaria o Pai, satisfaria

sua justiça e guiaria o seu povo até o destino dele. Por isso é dito que Cristo foi conhecido

antes da fundação do mundo (1Pe 1.20) e, conseqüentemente, pela graça, foi dada aos eleitos,

antes da fundação do mundo, a certeza da adoção em Cristo (Ef 1.4).167 Além disto, Cristo é

chamado de “Cordeiro que foi morto antes da fundação do mundo” (Ap 13.8), mostrando que

o Filho sempre exerceu os ofícios que lhes foram confiados pelo Pai. Isso significa que os

ofícios dos profetas veterotestamentários eram, de fato, os ofícios de Cristo manifestados e

tipificados nos oficiais do Antigo Testamento.

Na encarnação do Filho, portanto, a sucessão profética encontra seu ápice e objetivo.

Aquilo que foi iniciado em Deuteronômio 18.15, é consumado em Jesus. Ele é o profeta

definitivo de quem se ouviu o Pai dizer: “Este é meu filho amado, em quem me comprazo; a

ele ouvi” (Mt 17.5). Ouvir Jesus é ouvir a mais clara e contundente revelação de Deus. Nele

se vê o amor do Pai pelos seus (Jo 3.16) e sua santidade em querer o justo pagamento pela

ofensa cometida contra ele. Jesus é o grande prazer do Pai, pois é um com ele. É interessante

notar que os profetas do Antigo Testamento, ainda que sustentados pela segunda pessoa da

trindade, a Palavra de Deus personificada, sempre diziam: “assim diz o SENHOR”; depois de

Cristo, aqueles que se encarregaram de pregar e registrar a Palavra de Deus, passaram a dizer

“Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei” (1Co 11.23), por exemplo. Pela

continuação deste texto, fica claro que “Senhor” é a forma de Paulo chamar Jesus, mostrando

que é deste que ele tem recebido a revelação da verdade. O fato de receber de Jesus indica que

depois dele não existem mais profetas como no Antigo Testamento, mas sim testemunhas

daquele que é o profeta por excelência, para quem, de Moisés até João Batista, os profetas
167
Cf. Bavinck, Teologia sistemática, p. 367.
50

preparam o caminho. Quando ele finalmente chegou, nunca mais deixou seu posto de profeta,

nem mesmo o deu a outro seu ofício.

Jesus, portanto, continua exercendo seu oficio profético após sua ascensão. Como já

mencionado, os apóstolos recebiam a revelação do próprio Cristo, cumprindo a ordem do

Senhor de serem suas testemunhas (At 1.8). Depois de ter sido tipificado e aguardado pelos

antigos profetas, Jesus se revela e não mais trará novos oficiais como aqueles, pois não faria

sentido ser tipificado depois de ser revelado claramente. Na igreja cristã, Jesus é o único

profeta, que tem como porta-vozes seus discípulos, os quais registraram nas páginas do Novo

Testamento todo o testemunho necessário à igreja para que conhecesse seu Noivo. No

entanto, Cristo não tem sucessores, pois ninguém pode revelar a Deus como ele, mas ele

possui testemunhas, que pregam a Palavra; portanto, são profetas num certo sentido, mas a

função destes não é a de porta-voz de Deus, mas de Cristo. Conforme elucidou Strong:

A inspiração dos apóstolos, a iluminação de todos os pregadores e cristãos a fim de entenderem e


desenvolverem o sentido da palavra que eles escreveram, a convicção dos pecadores; tudo isto faz parte
da obra profética de Cristo e da participação do Espírito Santo.
Em virtude da união deles com Cristo e da participação do Espírito de Cristo, todos os cristãos se
tornam, num sentido secundário, profetas, bem como sacerdotes e reis… Toda a verdadeira profecia
moderna, contudo, é apenas uma nova publicação da mensagem de Cristo – a proclamação da mensagem
de Cristo – a proclamação e exposição da verdade já revelada na Escritura.168

Havia progressão até culminar em Cristo, agora há apenas reafirmação do que fora dito

por Cristo. Não existem mais novas revelações, tendo em vista que o que há de mais profundo

e claro sobre o ser de Deus já foi revelado: o Filho. Não existem novos profetas ungidos e

comissionados da forma como os profetas do Antigo Testamento. Aqueles eram tipos do

grande profeta, dando sempre vislumbres de como ele seria e, na verdade, era ele quem agia

por meio deles. Depois de revelado, o Profeta Jesus não dá mais vislumbres desse seu ofício

por meio de uns pouco comissionados, mas revela de uma vez por todas uma nação inteira de

pessoas que, por estarem nele, viverem por ele e pregarem sobre ele, são feitas profetas (1Pe

2.9,10). Jesus é o profeta definitivo, pois ele revelou por meio dos profetas do Antigo
168
Strong, Teologia sistemática, p. 374.
51

Testamento, revelou ao encarnar-se, continuou pelos apóstolos e pela Igreja e permanecerá

revelando o Pai eternamente na glória (cf. Is 64.4; Jo 16.15, 17.24,26; 1Co 13.12).169

1.1.4. Superior devido o propósito da revelação

Tudo o que foi visto até aqui quanto ao aspecto definitivo está alicerçado na verdade de

que Jesus é o cumprimento do propósito de Deus em se revelar. É interessante o modo como

as Escrituras narram a criação, afirmando que Deus apenas por sua palavra fazia com que as

coisas surgissem do nada (Gn 1). Este fato aponta para o desejo de Deus se revelar, que, ao

que tudo indica, é o propósito dele ter criado todas as coisas. Como bem explicou Van

Groningen:

Não se afirma diretamente em Gênesis 1.1-25 o motivo pelo qual Deus decidiu criar e, desse modo,
fazer-se conhecido a outros além da própria Trindade. Em Gênesis , no entanto, a repetida declaração “e
Deus disse” indica seu desejo de falar, de expressar-se, e de fazer-se conhecido. Deus fez o que ele quis
fazer.170

O ato de criar, portanto, foi motivado pelo propósito de Deus dar-se a conhecer. Como

visto acima, Deus fez o que quis, portanto, expressou o que estava em seu ser, seu desejo. De

fato, tendo em vista a complexidade e a variedade da criação, o Criador quis manifestar

extensamente seu ser, dando a conhecer diversos atributos. O salmo 19, por exemplo,

contempla diversos desses atributos como a glória (v.1), a onipresença de Deus (v.6), dentre

outros. O salmista tornou a revelação de Deus algo tão básico, tão próprio à criação, que não

existem barreiras de linguagens,171 todos podem “ouvir a sua voz” (v.4), ainda que não haja

som, linguagem ou palavras (v.5). Na verdade, aquilo que fora dito por Deus, que foi a grande

força motriz de toda criação, continua ecoando em cada criatura, confirmando dia a dia seu

169
Cf. Strong, Teologia sistemática, p. 374.
170
Van Groningen, Criação e consumação, p. 26.
171
Cf. CALVINO, João. O Livro dos salmos. São Paulo: Paracletos, 1999, p. 412.
52

propósito de revelar aquele que a criou. Calvino também entendeu esse mesmo propósito para

a criação quando escreveu:

Quando miramos os céus, não podemos senão ser arrebatados, pela contemplação dos mesmos, para
Aquele que é seu grande Criador; e a bela ordem e maravilhosa variedade que distinguem os cursos e
estações dos corpos celestes, juntamente com a beleza e esplendor que se manifestam neles, não podem
senão fornecer-nos uma evidente prova de sua providência.172 [sic]

Mesmo aqueles seres que não possuem qualquer sombra de inteligência são parte de uma

vasta e complexa revelação do ser eterno e infinito que as criou. Contudo, quando Deus

terminou de criar, ele não alcançou completa satisfação em seu propósito de revelar-se, pois

ainda havia e há muito que revelar. Nas palavras de Van Groningen:

A motivação que fez com que Deus criasse, também o moveu por meio da história à medida que
sustenta ao cosmos, a despeito do pecado e de seus efeito. Essa motivação também o fez prosseguir no
seu alvo a ser completado na consumação. De fato, a motivação para a consumação primariamente se fez
evidente no princípio. Tão certo como Deus começou criando o cosmos, ele o trará à sua completa
consumação.173

Quando o homem é contemplado, verifica-se o clímax da criação. Tal ocorre, não porque

o homem tenha força, mente ou habilidades que o faça superar os animais, mas porque todas

estas coisas estão nele como fruto da imagem de Deus com a qual foi criado.

De forma bem resumida, a imagem de Deus no homem é ensinada em Gênesis 1.26,27.

Obviamente que esta questão deve abranger muitos outros textos das Escrituras para que seja

bem elucidada, contudo, para este momento, basta entender que o homem tem a imagem de

Deus para revelá-lo e representá-lo na terra.174

O homem revela a imagem de seu Criador no domínio sobre a terra.175 Também por ser

relacional. Quando o texto sagrado diz: “homem e mulher os criou” (Gn 1.27), está, na

verdade, mostrando um aspecto da imagem de Deus, e não enfatizando a diferença entre os

dois; pelo contrário, está enfatizando que o homem e a mulher se complementam. 176 Esta

172
Ibid, p. 413.
173
Ibid., p. 29.
174
Cf. HOEKEMA, Anthony. Criados à imagem de Deus. São Paulo: Cultura Cristã, 1999, p. 82.
175
Cf. Ibid., p. 26.
176
Cf. Ibid., p. 26.
53

forma de existência em dois sexos mostra o desejo de comunhão da parte de Deus.177 Este

mesmo desejo era evidenciado quando Deus andava no jardim com Adão e Eva.178 Este

propósito do homem ser um meio de revelação de Deus é resumido nas palavras de Bavinck:

Adão foi criado à imagem de Deus, em verdadeiro conhecimento, justiça e santidade, para que,
como profeta, proclamasse as palavras de Deus, como rei dominasse de forma justa sobre todas as outras
criaturas, e como sacerdote dedicasse a si mesmo e tudo quanto possuía a Deus como um sacrifício de
louvor.179

Porém, a imagem de Deus não gerou toda a revelação possível a seu potencial devido à

queda. Isso significa que o homem não foi, nem é, tudo que poderia ser, tanto como homem,

quanto como revelador de seu Criador. Cristo é aquele que veio ser tudo o que o homem

poderia ser e exercer perfeitamente todas as suas funções. Como visto no texto de Bavinck,

essas funções estão relacionadas ao tríplice ofício, de forma que Cristo veio ser o profeta,

sacerdote e rei que o homem não pôde ser.180

De fato, Jesus é a consumação do propósito revelacional de Deus, de modo que ele é a

completa satisfação do Pai. Não foi sem motivo que na ocasião do batismo de Jesus o Pai

disse: “Este é meu filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.17). Em Marcos 1.15 pode ser

vista uma declaração muito significativa, que demonstra que toda a história foi movida para

que tudo convergisse para o Filho: “O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo;

arrependei-vos e crede no evangelho”. A expressão “está cumprido”, no grego,

Peplh,rwtai,, é um verbo que está no indicativo perfeito, o que indica que toda uma ação foi

feita no passado para que seus efeitos fossem sentidos no presente daquele que faz a

declaração.181 Portanto, ao dizer que o tempo está cumprido, Jesus afirmou que o tempo foi

arranjado, ou foi feita uma ação no passado que conduziu todas as coisas até sua chegada, a

qual aproxima o Reino de Deus.

177
Cf. Van Groningen, Criação e consumação, p. 28.
178
Cf. Ibid., p. 28.
179
Bavinck, Teologia sistemática, p. 367.
180
Ibid. p. 367.
181
Cf. TAYLOR, William Carey. Introdução ao estudo do Novo Testamento grego. Rio de Janeiro: JUERP,
2001, p. 128.
54

Paulo entendeu da mesma forma. Em Efésios 1.15 ele diz que Deus fez todas as coisas

convergirem para Cristo, mostrando que nele o Criador satisfaz seu propósito de se revelar.

Não é difícil de aceitar e entender esse fato quando expressões como: “resplendor da glória” e

“expressão exata do ser de Deus” são usadas para definir a revelação sem igual feita através

do Filho. Se o propósito da criação é o de revelar, Jesus é a revelação máxima e definitiva de

Deus, pois quem o vê, vê o Pai (Jo 14.9).

1.1.5. Superior devido às implicações da ontologia do Filho na


revelação

Além de possuidor de todas as coisas, o Filho é um com o Pai. O autor de Hebreus

exaltou a revelação de Deus em Cristo ao máximo, defendendo que os dois são um. A frase

“resplendor de sua glória, expressão exata de seu ser” demonstra claramente que, para o autor

de Hebreus, todas as características que enalteceram a pessoa do Redentor, até aqui, estão

baseadas no fato de que o Filho e o Pai comungam da mesma essência, ou seja, a mesma

glória. Nenhum outro profeta revelou tão profundamente o ser de Deus, pois Cristo é o

“resplendor de sua glória”; ele é homoousios com o Pai, ou seja, possui a mesma essência.

Jesus é o modo de revelação que transforma a todos os seus em reveladores de sua

própria glória (2Co 3.13-18). Enquanto Moisés cobria o rosto para que ninguém visse sua face

desvanecendo da glória de Deus, em Cristo não há véu, pois não há desvanecimento da glória

de Deus, pois Cristo é o profeta superior em quem a glória de Deus é permanente. 182 Esse

simbolismo, conforme explicou Robertson, foi utilizado por Paulo para mostrar que os judeus

182
Cf. ROBERTSON, O. Palmer. Cristo dos pactos. Campinas: Luz Para o Caminho, 1997, p. 174.
55

de seu tempo ainda tinham o véu sobre a lei, pois não perceberam o caráter transitório de

Moisés, o que é permanente em Cristo.183

A natureza de Deus vista no Filho torna a pessoa do Redentor mais do que apenas um

revelador, mas todo o referencial de realidade. É a pessoa divino-humana do Filho que o

possibilita dizer de si mesmo ser o “caminho, a verdade e a vida” (Jo 14.6). É muito

significativo que o autor da epístola aos Hebreus tenha mencionado o fato de ser Cristo o

criador de todas as coisas com o Pai, pois se ele é criador, ele é a fonte da verdade, do

significado e da realidade de todas as coisas. Este fato, em Hebreus, conduz seus leitores a

entenderem suas vidas, sua salvação e toda a realidade por meio desta pessoa que é criadora,

um com o Pai e que realizou a obra de salvação. O Evangelho de João confirma esta verdade:

“a saber, a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem” (Jo 1.9). Como bem

lembrou Lloyd-Jones ao comentar esta passagem do Evangelho de João:

Ora, há uma luz à parte do evangelho. Tomem todo vislumbre humano de iluminação moral
inteligente, tomem tudo o que há no mundo que limita as trevas de satanás, de onde vieram? A Bíblia diz
que a luz que há em toda pessoa, quer seja não-regenerada, quer seja regenerada, vem de Deus, de Cristo.
Qualquer luz que exista tem vindo dEle.184 [sic]

Portanto, se Cristo é luz até mesmo para os incrédulos, os crentes não precisam mais

fixar seus olhos na lei e nas obras da lei para entenderem sua posição diante de Deus. Basta

olhar para Cristo, seu ensino e obra; basta olhar para seu Criador. Conforme disse Calvino:

“Por outro lado, é evidente que o homem nunca chegará ao conhecimento de si mesmo, se

primeiro não contemplar o rosto de Deus e, depois de havê-lo contemplado, decidir a

contemplar a si mesmo”.185 Contudo, isso não quer dizer que a lei seja inútil e não deva ser

seguida, mas sim, que em Cristo ela ganha todo o seu significado e obediência buscados por

Deus. Aos crentes resta seguí-la como ressurretos dentre os mortos, sendo esta obediência

uma oferta a Deus (Rm 6.13), e não como meio para alcançar a salvação.

183
Cf. Ibid, p. 175.
184
JONES, Martyn Lloyd. Deus o Pai, Deus o Filho. São Paulo: PES, 1997, p. 374.
185
Cf. Calvino, Inst., I.1.2, p. 4.
56

Portanto, Cristo é o único referencial. O intento dos judaizantes de introduzir os ritos

veterotestamentários, conforme pode ser visto na epístola aos Hebreus, não faria sentido

diante do Filho, que é Criador e, mais do que isso, é sustentador, de modo que ele é o

referencial, e não mais a lei. No Filho não só se tem conhecimento de si mesmo, como

também por ele se é sustentado através da ação do Espírito Santo, ou o Espírito de Cristo, pois

essa ação se dá de acordo com a obra do Filho (Jo 15.26, 16.7).

Cristo é tão superior aos outros modos de revelação que ele não só revela, como sustenta

o que revela, mesmo naqueles que vieram depois dele como testemunhas. Não pode haver

outro referencial de segurança que não o Filho, o mesmo que sustenta a salvação dos seus

fazendo a purificação dos pecados destes (Hb 1.3). A partir desse ponto, o autor de Hebreus

enfoca a natureza humana de Cristo de modo mais claro, não que a mesma não seja levada em

consideração nos outros versos, mas essa parte torna mais clara a necessidade das duas

naturezas de Cristo, pois ele tinha de ser Deus-homem, para revelar o Pai perfeitamente aos

homens e fazer purificação perfeitamente no lugar dos homens. Calvino explicou que a união

das duas naturezas na pessoa do Redentor era necessária à revelação de Deus, pois esse fato

trouxe à luz a majestade do Pai que estava oculta,186 ou seja, é o eterno sendo manifesto no

temporal.

Nessa manifestação, o Filho revelou a santidade de Deus, por exemplo, ao entregar-se

como propiciação pelos pecados dos homens. Nisto se vê que a glória de Deus não se

manifesta simplesmente pela divindade do Filho, mas sua humanidade é que a tornou tão

singular. Jesus, segundo sua natureza humana, era a luz do mundo (Jo 8.12), e, conforme

comentou Philip Edgcumbe Hughes: “não é tanto… a glória da deidade do Filho brilhando

por meio de sua humanidade, mas… a glória de Deus sendo manifesta na perfeição de sua

humanidade, completamente harmonizada com a vontade de Deus.”187

186
Cf. Calvino, Hebreus, p. 34. Mais detalhes sobre a ligação das naturezas de Cristo com sua obra podem ser
vistos na revisão de literatura acima.
187
Philip Edgcumbe Hughes, in: Kistemaker, Hebreus, p. 47.
57

Certamente que a perfeição da humanidade de Jesus estava ligada à sua deidade, mas o

foco é a glória de Deus manifesta no homem Jesus que revela aos homens a plenitude do ser

humano, portanto, o caráter perfeito e santo de seu Criador. Jesus não é simplesmente o Deus

perfeito, mas o homem perfeito, arquétipo daquilo que todos devem ser. Moisés jamais pode

revelar com sua própria vida o resultado da obra de salvação completada. Na verdade, em seu

tempo não havia revelação o suficiente que demonstrasse com profundidade e detalhes qual

era o intento final de Deus.

Ainda que Moisés fosse alvo dos olhares do povo, sendo ele um referencial, sempre

havia a Lei à sua frente. Elias também pregava por meio da Palavra de Deus, sempre

apontando para a revelação de Deus e não para o revelador. Em Cristo, a pregação aponta

para o revelador. Moisés pregou sobre o Messias (Ex: Gn 3.15), Elias pregou sobre o Messias

através de seu ministério de anunciar o julgamento de Deus188 (Ex: 1Rs 18.17-40). Por sua

vez, Cristo pregou sobre si como sendo o Messias de quem os profetas falaram. Pedro

enalteceu esta superioridade de Cristo como revelador de Deus ao dizer que os profetas

falaram dele (1Pe 1.10). Jesus revelou-se, enquanto os antigos o revelaram. O que era sombra

nos antigos, se tornou claro em Cristo. Os profetas apontavam para Cristo, a lei apontava para

Cristo, e este apontava para si mesmo. Como está escrito em 1 Pedro 1.10 e 11:

Foi a respeito desta salvação que os profetas indagaram e inquiriram, os quais profetizaram acerca
da graça a vós outros destinada, investigando, atentamente, qual a ocasião ou quais as circunstâncias
oportunas, indicadas pelo Espírito de Cristo, que neles estava, ao dar de antemão testemunho sobre os
sofrimentos referentes a Cristo e sobre as glórias que os seguiriam.

Jesus é o objetivo do ofício profético, pois ele é o grande profeta que cumpre todas as

profecias e desempenha perfeitamente seu ofício. Conforme bem explicou Bavinck:

Mas todos esses homens (os oficiais do Antigo Testamento) eram pecadores, portanto, não podiam
cumprir verdadeiramente seus ofícios, assim como o povo como um todo, eles apontavam para outro, que
seria profeta, sacerdote e rei ao mesmo tempo, e que seria chamado de Ungido do Senhor em um sentido
único (Is 6.1). Cristo é o cumprimento de toda a revelação do Velho Testamento. Ele é a contraparte de
todo o povo de Israel e de todos os seus profetas, sacerdotes e reis. De fato, é Cristo que através do

188
Cf. Van Groningen, Revelação, p. 399.
58

testemunho dos profetas, sacerdotes e reis de Israel dá testemunho de si mesmo e prepara a Sua vinda
(1Pe 1.11).189

Este texto mostra que, na verdade, Cristo não só foi o conteúdo da revelação, mas

também conduziu todos os profetas do Antigo Testamento para que tudo culminasse nele

mesmo. O Filho encarnado é superior, pois ele foi o sustentador de todos os que o

antecederam. De fato, era o próprio Cristo falando por meio destes homens, os quais nos

lugares e tempos determinados, anunciaram o advento do Filho em carne. 190 Nas palavras de

Louis Berkhof sobre os meios que Jesus exerceu seu ofício profético, este aspecto de

sustentador do ofício profético pode ser resumido da seguinte forma:

Ele exerceu Seu ofício profético imediatamente, como Anjo do Senhor do período do Velho
Testamento, e como o Senhor encarnado, por meio dos Seus ensinos e também do Seu exemplo, Jo 13.15;
Fp 2.5; 1Pe 2.22. E o exerceu mediatamente, através da operação do Espírito Santo, por meio dos ensinos
dos profetas do Velho Testamento e dos apóstolos do Novo, e o exerce agora mesmo, pelo Espírito que
Habita nos crentes, como também pela instrumentalidade dos ministros do Evangelho. Isto significa
também que ele dá continuidade à Sua obra profética objetivamente e externamente, e subjetivamente e
internamente mediante o Espírito, que é descrito como o Espírito de Cristo.191

Jesus, portanto, é profeta superior por ser quem é. Ele é a Palavra de Deus que se

manifestou por meio dos antigos profetas, sustentando, assim, toda a obra feita por eles. Além

disto, sendo a palavra encarnada (Jo 1.14), ele cumpriu tudo o que fora dito pelos profetas

sobre o Messias, mostrando ser ele o profeta mais importante de todos, o único que podia

pregar tendo a si mesmo como fonte, anunciando ser ele mesmo o “caminho, a verdade e a

vida” (Jo 14.6). Essa declaração de Cristo está apoiada no fato de ser ele o “Logos” divino,

fonte de toda a sabedoria, de forma que, enquanto Moisés pregava por inspiração divina,

Cristo pregava segundo a vontade de Deus tendo em si mesmo a Palavra a ser pregada.192 É

interessante este fato, pois, que Jesus recebia a ação do Espírito Santo é incontestável, tendo

em vista, por exemplo, seu batismo e sua ida para ser tentado no deserto. Contudo, ele referiu-

se ao Espírito como fonte da palavra somente em relação aos discípulos (Mt 10.20; Mr 13.11).
189
Cf. Bavinck, Teologia sistemática, p. 368.
190
Cf. Owen, Biblical theology, p. 843.
191
Berkhof, Teologia sistemática, p. 360.
192
Cf. Hodge, Teologia sistemática, p. 829. Conferir também Strong, Teologia sistemática, p. 373.
59

Quanto a ele vê-se: “Eu porém vos digo” (Mt 5.22,28,32,34,39,44, 19.9; Mr 9.13; Jo 4.35,

16.7); o que é óbvio, pois ele é a Palavra encarnada. Contudo, isso não quer dizer que o fato

de Jesus ser profeta não o fosse por meio do Espírito. Sendo Deus, ele mesmo era a fonte de

sua palavra. Mas como homem, ele escolheu ser como um servo (Fl 2.6,7), precisando,

portanto, para ser reconhecido em forma humana e como profeta ungido de Deus, da ação do

Espírito Santo.

1.1.6. Superior devido à ação ímpar do Espírito Santo (o Espírito


de Cristo)

A ação do Espírito Santo, como é claramente vista na Escritura, ocorreu de modo ímpar

em Cristo. Isso é assim por ele ser o Filho de Deus encarnado. 193 De fato, desde sua

concepção, vê-se a ação do Espírito Santo. Sendo Maria virgem, o próprio Espírito gerou em

seu ventre o Filho de Deus, e o protegeu para que a natureza caída de Maria não o

contaminasse com a culpa e a condenação de Adão (Rm 5.12-14).194

Além disso, a filiação divina de Jesus se confirmou pela descida do Espírito Santo em

seu batismo, evidenciando, além da filiação, a espontaneidade do Filho em sofrer como servo

do Senhor, já que, sendo filho, ele não precisava agir como servo.195 Foi pelo Espírito também

que Jesus foi levado e conduzido pelo deserto para ser tentado por Satanás e vencê-lo,

mostrando ter ele poder sobre as hostes malignas (Lc 4.1) e que sua relação com o Espírito era

sem medida (Jo 3.34), visto que todos os outros profetas eram pecadores; portanto, ainda

sofriam com o domínio de Satanás neste mundo.

193
Cf. Heber Campos, As duas naturezas do redentor, p. 106.
194
Cf. Sinclair Ferguson, O Espírito Santo, p. 53.
195
Cf. Ibid., p. 59.
60

Após a tentação no deserto, tendo vencido o príncipe deste mundo, Jesus voltou para a

Galiléia no poder do Espírito, e foi glorificado por todos ao pregar (Lc 4.15,22). O próprio

Senhor Jesus mencionou a profecia de Isaías sobre a presença do Espírito de Deus naquele

que iria apregoar o ano aceitável ao Senhor (Lc 4.19), e a deu como cumprida por ele. Logo,

ele é aquele sobre quem o Espírito repousa, e é através dele que o Espírito age. 196 Ainda que

Jesus seja a própria Palavra de Deus encarnada, é pelo Espírito Santo que toda essa glória se

manifesta por meio de sua humanidade. Há, portanto, uma cooperação e uma relação

inseparável na economia divina da ação do Filho encarnado e do Espírito, o que faz de Cristo,

por ser quem ele é, um profeta superior também na presença do Espírito em sua vida e obra.

Em outras passagens as Escrituras mostram a dependência do homem Jesus do Espírito: Rm

6.4 e Hb 9.14 (na ressurreição); Lc 4.32 (autoridade por meio do Espírito); Mt 12.18

(milagres por meio do Espírito) e tantas outras passagens.

A obra do Espírito tem tamanha ligação com Cristo, que ele passou a ser chamado de o

Espírito de Cristo (Rm 8.9). Em Romanos 8.9-11, é possível ver que ter o Espírito é ter Cristo,

pois a vida conquistada por Cristo é aplicada por meio do Espírito. Nas palavras de R. C.

Sproul: “É ele (o Espírito) quem aplica a obra de Cristo às nossas vidas, levando-nos à plena

conformidade com a imagem de Cristo.”197 Calvino, em seu comentário do mesmo trecho da

Epístola aos Romanos, usou palavras fortes que demonstram a inseparável união econômica

do Cristo e do Espírito:

Aqueles em quem o Espírito não reina não pertencem a Cristo; portanto, aqueles que servem à carne
não são cristãos, pois os que separam Cristo de seu Espírito fazem dele uma imagem morta, ou um
cadáver. Devemos ter sempre em mente o conselho do apóstolo, ou seja: que a graciosa remissão de
pecados não pode ser desmembrada do Espírito de regeneração. Tal coisa seria o mesmo que fazer Cristo
em pedaços.198

196
Cf. CALVINO, João. Exposição de Romanos. São Paulo: Edições Paracletos, 1997, p. 270.
197
SPROUL, R. C. O ministério do Espírito Santo. São Paulo: Cultura Cristã, 1997, p. 115.
198
Calvino, Romanos, p. 270.
61

Essas palavras de Calvino ajudam a entender que a obra de Cristo está

indissoluvelmente ligada a do Espírito. Na atividade profética isso não era diferente,

conforme o próprio Senhor enfatizou:

O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar sobre os pobres; enviou-
me para proclamar libertação aos cativos restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os
oprimidos e apregoar o ano aceitável ao Senhor”(Lc 4.18,19).

O que Jesus disse em João 16.7-14 mostra que a atividade pneumatológica é, na verdade,

cristocêntrica. Nesta passagem Jesus conforta os discípulos quanto à sua ida, dizendo que o

Espírito viria na qualidade de consolador. Ao descrever a obra que este faria, Cristo revelou

aos discípulos que a mesma seria feita em torno dele. Em primeiro lugar, o Espírito só viria

quando Cristo subisse (v.7). Em segundo lugar, o Espírito faria uma obra de convencimento

do pecado, da justiça e do juízo (v.8). O convencimento do pecado seria porque o mundo não

crê em Jesus (v.9). Da justiça, pois Jesus iria para o Pai e não seria mais visto (v.10). Do juízo

porque o príncipe deste mundo já está julgado (v.11), o que foi feito pela consumação da obra

do Filho. O comentarista J. Ramsey Michaels resume a relação destes fatores com Cristo da

seguinte forma, ajudando na elucidação do texto:

Pecado se define não com quebra de um jogo de leis, mas como a rejeição de Jesus… Justiça se
define não em termos de obediência a um jogo de leis, mas como afirmação divina, a ressurreição de
Jesus Cristo dentre os mortos… Identifica-se o julgamento aqui, como em outras partes do Evangelho,
como sendo a vitória de Jesus sobre Satanás, de modo especial na paixão do Senhor.199

Esses três aspectos, de fato, foram cumpridos no dia do Pentecostes, e apontados por

Pedro.200 Isso comprova que a ação do Espírito é totalmente cristocêntrica, tendo em vista o

fato de que o sermão de Pedro naquela ocasião não enfatizou o Espírito, mas a Jesus Cristo.

Esse sermão, portanto, também era a comprovação do que está em João 16.13, que diz que o

Espírito guiaria os discípulos “a toda a verdade”. Além disso, é interessante lembrar as

palavras de Jesus, sobre ele mesmo, em João 14.6, quando afirma ser ele mesmo a verdade.

Isso significa que a ação do Espírito de guiar a toda a verdade é o mesmo que guiar a Cristo.
199
MICHAELS, J. Ramsey. Novo comentário bíblico contemporâneo, João. São Paulo: Vida, 1994, p. 291.
Destaques do autor
200
Cf. Hendriksen, João, p. 726.
62

Por último, a obra cristocêntrica do Espírito é ensinada por Jesus no verso 14 de João 16.

Cristo ensinou que seria glorificado pelo Espírito pelo fato deste anunciar o que receberia de

Cristo, ou seja, tudo “o que Cristo tiver feito, está fazendo, for fazer (para a Igreja) constitui o

tema do ensino do Espírito Santo.”201 Hendriksen lembrou que isso é assim, pois Jesus já

havia declarado que tudo que o Pai tinha era dele, portanto, o ensino da salvação pertencia a

Jesus.202 Por isso, é compreensível nestes versos que o Espírito Santo tem uma ligação ímpar

com o ministério de Jesus, continuando-o naqueles que são suas testemunhas.

Devido a essa operação única do Espírito em Jesus, ou entorno dele, é que ele ficou

sendo chamado de o “Espírito de Cristo” (Rm 8.9; Fl 1.19; 1Pe 1.11). Sendo Jesus quem ele é,

sua superioridade como profeta sobre Moisés também se deu pela ação do Espírito Santo.

Desde sua concepção até a continuidade de seu ministério pela ação do Espírito em suas

testemunhas, Jesus é o profeta que mostra ter o Espírito sem medida (Jo 3.34), sendo ele o

objetivo da pneumatológica, enquanto todos os outros profetas eram apenas instrumentos.

Como a Palavra de Deus encarnada, ele foi aquele que recebeu o Espírito de Deus sem

medida, tornando-se o possuidor do Espírito e um com ele;203 logo, distribuidor do mesmo.

Além disto, sendo quem era, Jesus foi o cumprimento de todo o propósito de Deus de se

revelar, pois ele é o “esplendor da glória” de Deus e “expressão exata de seu ser”. Isso tornou

Jesus não só o clímax da revelação de Deus, como a definição, ou o seu final, não havendo

mais novas revelações, apenas testemunhos sobre o Filho.

1.2. Jesus é superior como provedor

201
Ibid., p. 729.
202
Ibid., p. 729.
203
Cf. Sinclair Ferguson, O Espírito Santo, p. 70. É salutar que se entenda que possuir e ser um não tem
desdobramentos ontológicos, mas são resultados da economia divina na obra de salvação, conforme pode ser
visto na argumentação de Sinclair Ferguson.
63

Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito:


Deu-lhes a comer pão do céu. Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em
verdade vos digo: não foi Moisés quem vos deu o pão do céu; o
verdadeiro pão do céu é meu Pai quem vos dá. Porque o pão de
Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo. Então, lhe disseram:
Senhor, dá-nos sempre desse pão. (João 6.31-34)

O papel de provedor não é difícil de ser encontrado na atividade profética. Diversas

vezes Moisés foi procurado pelo povo, não só para revelar, mas para prover alimento e água,

ou outra coisa que fosse necessária para a peregrinação pelo deserto. Observando essa história

desde o início, pode-se aferir a importância do caráter provedor do profeta Moisés, bem como

em outros profetas. Como líder, Moisés era constantemente procurado pelos israelitas para

que lhes desse o que fosse necessário para o sustento. Porém, o fato de que outros profetas

também cuidaram de necessidades básicas de muitas pessoas, comprova que essa pode ser

considerada uma característica presente na atividade profética. Tal afirmação pode ser

apoiada no fato de que a multidão, no texto acima, menciona Moisés como provedor do maná,

e foi cobrado de Jesus um sinal semelhante que o identificasse como profeta de Deus, para

que a multidão cresse nele; ou seja, era esperado que um profeta agisse sobre as necessidades

das pessoas.

1.2.1. Superior como provedor quanto às necessidades físicas

No início, Moisés proveu libertação da escravidão. Ao encarar Faraó e ao conduzir o

povo na saída do Egito, Moisés já se mostrava como um profeta que provia o que fosse

necessário ao povo, desde a liderança – que além de profeta lhe dava o caráter do oficio de rei

– até mesmo o caminho pelo mar que se abriu para que o povo passasse (Ex. 5-14.31).
64

Portanto, mais do que revelar a vontade de Deus, Moisés deu ao povo o que lhe faltava para

sobrevivência, ou para que chegassem à terra prometida.

Durante o tempo no deserto, o povo pôde usufruir seu profeta-provedor diversas vezes.

Quando sentiram sede em Mara, Moisés clamou ao Senhor, que por sua vez lhes deu águas

doces, antes amargas e impróprias para o consumo (Ex 15.22-27). Após esse episódio, Moisés

ouviu mais uma vez o clamor do povo, pedindo que aquele providenciasse comida, e Deus

respondeu com o maná (Ex 16.1-10). Contudo, o povo ainda não estava satisfeito e pediu

carne a Moisés, o Senhor respondeu dando as codornizes (Ex 16.11-21).

Em Refidim, o povo pediu água novamente a Moisés, e Deus respondeu orientando a

Moisés que ferisse a rocha no Horebe (Ex 17.1-7), que passou a se chamar Meribá. Numa

segunda ocasião, Moisés feriu a rocha de Meribá duas vezes, quando deveria apenas ordenar

para que saísse água, buscando suprir a sede do povo (Nm 20.1-13).

Elias, sendo profeta, também proveu o que era necessário às pessoas que participaram de

seu ministério. Em Serepta, ele encontrou-se com uma viúva que tinha comida para apenas

uma refeição para si e seu filho, mas, sob a palavra do profeta, ela lhe deu de comer primeiro,

e não faltou mais alimento em sua casa (1Rs 17.9-16). Elias também pediu e trouxe chuva

para que o rei Acabe visse o poder de Deus e que Elias era seu profeta (1Rs 18.41-46).

O substituto de Elias, Eliseu, também proveu ao povo necessitado. Em Jericó, Eliseu

tornou as águas boas para o consumo, provendo a toda cidade (2Rs 2.19-22). Noutra ocasião,

Eliseu proveu azeite para que uma viúva pagasse sua dívida com seu credor (2Rs 4.1-7). No

episódio da morte na panela, Eliseu tirou o efeito das ervas venenosas e proveu alimento para

os profetas (2Rs 4.38-41).

Outros fatos poderiam ser citados, nos quais algum profeta proveu o que era necessário

ao povo, mas todos eles seriam pequenos diante da providência do profeta Jesus. Em todos os

casos acima, os profetas proveram aos que estavam à sua volta, porém não o fizeram por
65

conta própria. Tanto Moisés quanto Elias, ou Eliseu, eram apenas homens com a porção

limitada do Espírito, enquanto Jesus é o próprio Deus encarnado que teve a ação sem medida

do Espírito Santo em seu ministério e revelou uma nova realidade de relacionamento com

Deus baseada em seu nome.

Na multiplicação dos pães e dos peixes, ele, de uma vez, alimentou, com sobras, mais de

cinco mil pessoas, considerando que as mulheres e crianças não foram contadas no relato

bíblico (Mt 14.21). Numa segunda multiplicação, por volta de quatro mil pessoas comeram,

mostrando que a quantidade não era problema para o provedor Jesus (Mt 15.32-39).

Os discípulos continuamente viviam da providência do profeta Jesus. Numa

oportunidade, a da necessidade de pagar os impostos, Jesus providenciou o dinheiro da boca

de um peixe para que a taxa fosse paga (Mt 17.27). Tantas outras vezes os discípulos

comeram em lares que abriam suas portas segundo a palavra de Cristo, fazendo com que os

discípulos vivessem dependendo de seu mestre.

Somente assumindo as duas naturezas como base para a obra de Cristo é que, segundo

Warfield, poder-se-ia explicar a vida singular de Jesus, com sua sabedoria, santidade,

humilhação, amor, inteligência, dentre outros fatores que tornaram a vida de Cristo mais do

que a de um mero homem.204 Porém, essa realidade era operada no Espírito Santo, aquele

companheiro de Jesus responsável, desde a concepção, pela comunicação de atributos das

naturezas à pessoa do Redentor, como inteligência, sabedoria, vontade e poder (Is 11.1,2; Lc

1.35,80, 2.40,52).205 Portanto, o poder encontrado em Jesus para realizar a obra provedora se

dava por meio da ação do Espírito e por sua natureza divina.

1.2.1.1. Jesus é superior na provisão porque é Deus

204
Cf. Warfield, The person and work of Christ, p. 261, 262.
205
Cf. Berkhof, Teologia sistemática, p. 324. Ver também: Hodge, Teologia sistemática, p. 396.
66

Houve momentos na caminhada de Jesus nos quais ele desejava manter em oculto sua

identidade (Mt 8.4206). Em outros momentos, seu intento era de revelar sua verdadeira

identidade, muito maior do que a de um carpinteiro. Em Mateus 9.1-7 vê-se a narrativa da

cura de um paralítico, na qual Jesus buscou revelar mais profundamente sua identidade.

Antes mesmo de curar o paralítico, Jesus, vendo sua fé, declara que seus pecados estão

perdoados (v.2). Diante de tal declaração os escribas o acusaram de blasfêmia, já que somente

Deus poderia perdoar pecados (v.3). Aceitar Jesus como Deus seria inadmissível, contudo, era

o que ele iria mostrar ao dizer: “Pois qual é mais fácil? Dizer: Estão perdoados os teus

pecados, ou dizer: Levanta-te e anda? Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre

a terra autoridade para perdoar pecados -- disse, então, ao paralítico: Levanta-te, toma o teu

leito e vai para tua casa.” (Mt 9.5,6). Neste ponto, Jesus mostra ter poder divino para curar,

além de perdoar pecados.

Como visto acima, não se pode ver as ações de Jesus sem considerar sua natureza divina,

bem como a humana. No caso desta cura, Jesus mostrou que seu poder em prover a cura

àquele paralítico vinha do fato dele ser Deus. Ele demonstrou poder agir livremente na

realidade física e espiritual, provendo a cura física daquele paralítico e perdão à sua alma.207

Todo esse poder provinha do fato de ser ele Deus, o que trouxe benefícios muito maiores ao

paralítico do que qualquer outro profeta-provedor poderia trazer: um corpo são como símbolo

de uma alma sã.

Por ser Deus, Jesus se mostra muito mais abrangente em sua ação provedora do que

qualquer outro profeta. Todos dependeram do poder divino para agirem. Jesus era o próprio

Deus encarnado que a tudo sustenta (Hb 1.3). Na verdade, Jesus é o poder por trás de todas as
206
Cf. Hendriksen, Mateus, p. 554; Hendriksen entendeu que a razão pela qual Jesus não queria que o curado
falasse com outras pessoas sobre sua cura, mas só aos sacerdotes, para que esses não pudessem rejeitar a cura
por ter sido feita por Jesus e para que houvesse provas de que esse respeitava e seguia a lei Moisés, dando
argumento contra futuras acusações. Contudo, em Marcos 1.45, a continuação do texto parece indicar que
Jesus não queria a multidão cercando-o e impedindo-o de entrar nas cidades para pregar. O fato é que, por
algum motivo, Cristo queria discrição sobre sua pessoa.
207
Cf. Hendriksen, Mateus, p. 594.
67

ações provedoras dos profetas. Ele, o profeta por excelência, que não apenas concedia seu

ofício aos seus antecessores, para que fosse anunciado e esperado, mas que também lhes

concedia poder para sustentá-los em suas atividades (Nm 22.22-27; Jz 2.1-4; 1Rs 19.7; 2Rs

1.3).

Portanto, Jesus é superior como provedor por ser Deus. Sua provisão revela sua

divindade e traz benefícios ainda mais profundos do que os dos outros profetas – os quais

serão mais bem trabalhados na seção sobre as necessidades espirituais. Além disto, o fato de

ser ele o provedor divino e por toda a sua ação como Anjo do Senhor, fica evidente ser ele o

sustentador de toda a atividade provedora dos profetas.

1.2.1.3. Jesus é superior na provisão porque tinha o Espírito sem medida

O Senhor Jesus não pode ter sua ação dissociada da ação do Espírito Santo. Desde sua

concepção, como já foi visto, a ação de um está essencialmente ligada à do outro. Por esse

motivo, quando se pensa na superioridade de Jesus como provedor, não se pode ignorar a

ação do Espírito, o qual desceu sem medida sobre Jesus (Jo 3.34). Em Lucas 4.18-19 está

registrado o discurso de Jesus sobre o cumprimento da profecia de Isaías 61.1-3: “O Espírito

do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para

proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os

oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor.”

A profecia indica que o ungido do Senhor teria o Espírito Santo a fim de evangelizar,

libertar e curar. As necessidades físicas seriam atendidas pela operação do Espírito Santo

naquele que veio pregar o “ano aceitável do Senhor”. Jesus abriria os olhos dos homens cegos

pela prisão do pecado ao libertá-los, mas também traria cura em suas vidas, como já havia

realizado muitas vezes até o dia dessa pregação na sinagoga, e ainda faria outras vezes:
68

proclamação das boas novas aos pobres (Lc 6.20, 12.32); a libertação do pecado (Lc 13.16; Jo

8.31ss); a cura de cegos (Lc 7.21,22); a libertação de oprimidos (Mt 11.28ss; Jo 7.37).208

Pelo Espírito, Jesus seria o profeta que não só proveria ao povo, mas inauguraria uma

nova situação: o “ano aceitável ao Senhor”, o ano da reconciliação anunciado por suas

palavras e ações. A expressão, “ano aceitável ao Senhor”, é uma referência ao ano do jubileu,

no qual era declarada a liberdade a todo povo de Israel, ficando livres todos os que estavam

cativos.209 O uso feito por Jesus foi para falar da libertação do jugo do pecado. Contudo, essa

libertação não deixa de ser uma providência física, tendo em vista os efeitos do pecado no

corpo humano, mostrando que as curas e as providências de alimento que Jesus fez eram

símbolos de uma realidade espiritual. Por isso, Jesus era superior, pois sua provisão era não

somente um cuidado sobre o corpo, mas símbolo de uma realidade a qual só poderia ter sido

inaugurada pelo profeta ungido com o Espírito sem medida.

1.2.1.3. Jesus é superior na provisão porque Deus abençoa por causa de seu
nome

Não foram poucas as vezes que Jesus demonstrou ser o profeta provedor. Mas o grande

diferencial é o que Jesus disse aos discípulos sobre o pedido feito a Deus: “Naquele dia, nada

me perguntareis. Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes alguma coisa ao Pai, ele vo-la

concederá em meu nome.”210 (Jo 16.23). Nenhum profeta do Antigo Testamento tinha tamanha

importância diante do Pai. Todos eram homens escolhidos e usados por Deus, mas nenhum

poderia dizer aos seus seguidores que pedissem algo para Deus em seu próprio nome. Moisés,

208
Cf. Hendriksen, Lucas, p.345.
209
Cf. HENRY, Mathew. An exposition, with practical observations, of the gospel according to St. Luke, in:
arquivo eletrônico E-Sword, v. 7.7.7 copyright 2005.
210
A intenção deste ponto não é explicar o que é pedir em nome de Jesus, mas apenas demonstrar sua realidade e
peso para o aspecto de profeta provedor de Jesus.
69

Elias, Samuel, Isaías, todos eram porta-vozes de Deus, mas não deram a ninguém a instrução

para que se achegarem a Deus usando seus nomes.

Há uma relação profunda entre Deus, sua revelação feita pelo Filho encarnado e seus

discípulos. Após a vinda do Espírito de Cristo, a confusão na qual se encontravam os

discípulos ao ouvirem da partida de seu mestre iria se dissipar pela ação instrutora do Espírito

(Jo 14.26). Mais do que isso, o Espírito lhes concederia tudo o que seria necessário para que

realizassem a obra que lhes fora outorgada. Nas palavras do comentarista William

Hendriksen:

Agora aprendemos que não só pedir é em nome de Cristo, mas também dar. O Pai dará em
harmonia com sua inteira revelação redentora que se centra no Filho, e com base em seu amor pelo Filho
e no sacrifício deste. A união dos crentes com Cristo tem dois resultados práticos: de um lado, os amigos
de Jesus são perseguidos por causa dele (15.21); do outro lado, eles são abençoados por amor a ele.211

Qual profeta revelou a Deus tão profundamente que, por amor deste oficial, Deus ama e

concede contínuas dádivas em seu nome? Em Números 14.20 é possível ver Deus

considerando o clamor do mediador do povo de Israel, Moisés, ao pedir que Deus não os

destruísse por causa de seus pecados. Considerando este clamor, Deus mudou a direção de sua

ação, contudo, não poupou os pecadores e não permitiu que entrassem na terra prometida. Ou

seja, Deus teve grande consideração pelo mediador Moisés, mas isso em nada se compara

com a possibilidade de um crente pedir algo em nome de Jesus e receber de Deus por amor

desse nome. Israel não passou a pedir as coisas em nome de Moisés, mas através dele, para

que ele fosse diante de Deus no lugar do povo. Jesus é o profeta que revelou o amor de Deus

tão profundamente que, por amor desse nome, Deus atende o pedido.

Nenhum homem tem dignidade o suficiente para pedir algo a Deus diretamente. Todos

os pedidos humanos seriam rejeitados por Deus não fosse sua misericórdia e graça em

considerar os méritos do profeta Jesus como se fossem das próprias pessoas. Somente através

de Jesus é que o pecador pode entrar com confiança diante do trono de Deus (Hb 4.16). Desta

211
HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento, João. São Paulo: Cultura Cristã, 2004, p. 736.
70

forma, somente através de Jesus o homem pode ter esperança de alcançar o que pede a Deus,

pois somente pelo Filho se entra na presença do Pai.212

No Antigo testamento vê-se Jacó pedindo que sua posteridade invocasse seu nome (Gn

48.16). Contudo, esse pedido de Jacó nada tem a ver com a possibilidade do crente pedir algo

a Deus em nome de Jesus. Para aquele patriarca o ato de invocar seu nome não era uma

questão de alcançar algum mérito diante de Deus, mas de manter viva na mente do povo que

tudo o que fosse alcançado seria por meio da aliança estabelecida entre Deus e ele.213

Por outro lado, como pensava Calvino, usar o nome de Cristo é reconhecer ou declarar-

se filho de Deus. Ao comentar a oração do Senhor ele escreveu:

“Porque ao chamar Deus de Pai, nos dirigimos a ele em nome de Jesus Cristo; pois quem poderia
ter confiança para chamar Deus de Pai? Quem seria tão atrevido que usurpasse a honra do Filho de Deus,
senão houvéramos sido adotados como filhos pela graça em Cristo, o qual, sendo seu verdadeiro Filho por
natureza, nos tomou por irmãos para que, o que é seu por natureza, pelo benefício da adoção, seja nosso,
se com verdadeira fé aceitarmos essa tão grande magnificência.”214

Segundo essas palavras de Calvino, o simples fato de chamar Deus de pai é orar em

nome de Jesus. Por nenhum outro profeta o crente poderia se achegar a Deus na confiança de

se estar falando com seu Pai. Somente aquele que ensinou a seu povo a orar em seu nome

poderia levá-lo ao relacionamento filial. Somente pelo profeta Jesus pode o crente alcançar

boas dádivas diante de Deus, pois Cristo é seu filho em quem ele se compraz. É por esse

prazer no Filho que o Pai concede boas dádivas àqueles que usam o nome de Jesus.

Contudo, é necessário entender melhor o que é pedir em nome de Cristo. De forma bem

sucinta, Mathew Henry, comentando João 16.23, explicou que pedir em nome de Jesus é pedir

reconhecendo o próprio estado de indignidade para receber qualquer favor de Deus, o que

deve fazer o crente depender totalmente de Cristo e de sua justiça.215 Fica claro nessas

palavras que o simples uso do nome de Jesus nas orações não funciona como uma sentença
212
Cf. Juan Calvino, Inst., III.20.17, p. 685. Em pontos como este se vê claramente a ligação intrínseca dos três
ofícios de Cristo, de modo que, não há como isolá-los e ignorar a mútua influência entre eles.
213
Cf. Ibid., III.20.25, p. 692.
214
Cf. Juan Calvino, Inst., III.20.36, p. 705.
215
Cf. HENRY, Mathew. An exposition, with practical observations, of the gospel according to St. John, in: E-
Sword, v. 7.7.7, copyright 2005.
71

mágica que faz coisas acontecerem. O que traz os benefícios não são os fonemas do nome de

Jesus, mas sim, o fato de se estar verdadeiramente nele. Aquele que não tem a disposição

correta diante de Deus, que usa o nome de Jesus apenas como um meio de se alcançar algo e

não como o fundamento de uma vida levada diante de Deus (Hb 4.14-16), nada alcança e, de

fato, sequer está orando em nome de Jesus. Esse será como um estranho que chega a uma casa

pedindo permissão para entrar em nome de uma pessoa a qual nem sabe descrever. Assim são

aqueles que não se vêem dependentes de Cristo, por não o conhecerem, não têm consciência

de sua própria situação, pois ainda não viram a luz que revela a distância entre o pecador e

Deus.

Portanto, Jesus como profeta é superior aos demais no aspecto de provedor das

necessidades físicas. Além de dar o que foi necessário para o corpo, Cristo deixou uma nova

realidade aos seus seguidores, dando a estes a possibilidade de pedir em seu nome. Ele não só

revelou com maior profundidade, clareza e poder, mas também revelou uma nova realidade de

relacionamento com o Pai que, com base em seus méritos, concede benefícios àqueles que

pedem em nome do Filho e dele dependem.

1.2.2. Superior como provedor quanto às necessidades espirituais

Em sua atividade provedora, Jesus mostrou-se superior também quanto à provisão feita

as necessidades espirituais. Ao prover às necessidades físicas, Jesus constantemente provia às

necessidades espirituais, mostrando que, muito mais do que o sustento físico, ele dava o

sustento espiritual da vida eterna. Enquanto os profetas como Moisés deram o pão do dia a dia

e a água para matar a sede, cada vez que fora necessário, e, somado a isso, o ensino e a

revelação da vontade de Deus, Jesus disse de si mesmo: “aquele, porém, que beber da água
72

que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte

a jorrar para a vida eterna” (Jo 4.14); mais à frente no mesmo evangelho: “Eu sou o pão da

vida; o que vem a mim jamais terá fome” (Jo 6.35).

Moisés proveu muito diante as necessidades espirituais do povo; contudo, era apenas

sombras do que Jesus seria: o pão que dá a vida. Moisés recebeu a revelação da Lei e a

transmitiu ao povo, de modo que os israelitas tinham uma diretriz para relacionarem-se com

seu Deus. O culto, com todos os seus ritos e símbolos, também era uma importante

contribuição para a vida espiritual do povo, que precisava aprender o peso do pecado e o

conceito de substituição. Porém, tudo isso era apenas símbolo que, em si mesmos, não

satisfazia a justiça de Deus. Esses ritos eram importantes para ensinar o povo de que, pela

demonstração de obediência e fé na Palavra de Deus, haveria perdão dos pecados através dos

sacrifícios, que serviam de manutenção da aliança. Contudo, em Cristo, todos os ritos

alcançaram seu objetivo de satisfazer a justiça de Deus. O que Jesus fez foi tão superior que

nunca mais precisou ser repetido, pois ele supre de uma vez por todas às necessidades

espirituais.216 Cristo, finalmente, revelou a justiça de Deus, provendo a satisfação necessária

pela ofensa feita a ele, pagando os pecados que estavam impunes, suportados pela tolerância

divina, no lugar daqueles que viviam na fé do Messias (Rm 3.25,26).

Tal manifestação da justiça em Cristo revela ainda mais sua superioridade. Observando

bem o texto de Romanos, citado acima, percebe-se que Jesus não foi a manifestação da justiça

apenas àqueles que vieram após ele, mas a todos os que nele creram (Jo 3.16), o que inclui os

crentes do Antigo Testamento que criam na vinda do Messias e esperavam ansiosamente por

esse acontecimento.217 Como bem resumiu John Owen: “a fé dos santos sob o Antigo

Testamento dizia respeito principalmente a pessoa de Cristo – tanto pelo que era, quanto o

216
As questões sobre os ritos e o sacrifício de Cristo serão melhor abordadas no capítulo sobre o sacerdócio.
Neste momento elas são abordadas no sentido de ordenanças transmitidas pelo profeta, que visavam o
relacionamento espiritual com Deus.
217
Cf. HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento, Romanos. São Paulo: Cultura Cristã, 2001, p.
178,179.
73

que haveria de ser na plenitude dos tempos, quando ele tornara-se a semente da mulher”. 218

Aqui se vê o apóstolo Paulo lançando toda a confiança no Senhor Jesus, mostrando que o

homem nada pode sem ele. Por outro lado, Karl Barth chega a uma estranha conclusão de que

em Cristo o homem pode confiar em outro homem,219 contrariando a idéia central do texto. O

intento de Paulo, claramente, é de retirar todo o mérito do homem, que não pode satisfazer a

justiça de Deus com os símbolos do Antigo Testamento, e colocá-lo em Cristo. Dessa forma,

não há qualquer valorização do homem como um ser confiável. Pelo contrário, há sim a

afirmação de que o homem carece da glória de Deus (Rm 3.23) e que tudo o que ele consegue

por si só é a morte como salário de seu pecado (6.21-23).

As revelações feitas ao povo no Antigo Testamento eram importantes para as suas

necessidades espirituais, contudo não eram suficientes, pois precisavam ser suplementadas.

Jesus foi o profeta que ao revelar a vontade de Deus o fez de modo definitivo, não havendo

mais necessidade de acréscimos e repetições. Ao revelar o amor de Deus em seu próprio

corpo, Jesus deu o alimento espiritual que, ao ser provado, dá a vida eterna de uma vez por

todas (Jo 4.14, 6.35). Cristo é superior a Moisés, também, por ser aquele que sustentou a

necessidade da justificação diante de Deus tanto para os que o antecederam, quanto para

aqueles que o sucederam, sendo ele mesmo o sustento de tudo o que foi feito e ensinado por

Moisés, como meio de cumprir a aliança com os ritos e símbolos dados por Deus.

É interessante ressaltar, também, o fato de que, ao prover às necessidades físicas do povo

de Israel, Moisés estava também atendendo as necessidades espirituais. Ao ver o cuidado de

Deus, o povo teria sua fé alimentada e sua confiança fortalecida, mesmo que isso não tenha

sido uma regra, o que é devido ao pecado do povo, e não a uma falha de Deus. Quanto a isso,

as Escrituras lembram que todo alimento no deserto, como a água da Rocha de Meribá e o

maná, eram tipos, ou sombras do verdadeiro alimento: o pão Jesus (1Co 10.1-4). Desse modo,

218
Owen, The works, vol I, p. 101.
219
Cf. Barth, Romanos, p. 161.
74

Cristo esteve presente na providência sobre a Igreja e sobre o povo no deserto, ainda que de

modo figurado, mas sempre sendo o referencial do povo. A própria palavra “rocha” no

cântico de Moisés, como nos salmos, é uma alusão à obra redentora de Cristo. 220 Ainda hoje,

Jesus alimenta seu povo do mesmo modo como o fez desde o deserto: com seu sangue e com

sua carne (Jo 6.54).221

Cristo é profeta-provedor superior a todos os outros. Esteve no sustento de todo o povo

no deserto, alimentou multidões nas multiplicações de pães e peixes. Sustentou os discípulos

durante todo o tempo em que andaram juntos, e pelo período em que o povo caminhou pelo

deserto, como pode ser visto na figura da “rocha”, e continua alimentando sua igreja até os

dias de hoje. Ainda, deu o alimento que dá a vida incomparavelmente melhor do que tudo o

que pode ser visto nos profetas: seu sangue e sua carne. Nenhum profeta poderia dar a vida

através de seu corpo, somente o profeta-provedor, Jesus.

1.3. Jesus é superior como operador de milagres

“E tu, levanta o teu bordão, estende a mão sobre o mar e


divide-o, para que os filhos de Israel passem pelo meio do mar em
seco… Então, Moisés estendeu a mão sobre o mar, e o SENHOR,
por um forte vento oriental que soprou toda aquela noite, fez retirar-
se o mar, que se tornou terra seca, e as águas foram divididas.” (Ex
14.17,21)

“Alguém me tocou, porque senti que de mim saiu poder.”


(Lucas 8.46)

A realização de milagres sempre foi muito comum na vida dos profetas. Eles

testificavam que Deus enviara o profeta que pregava e operava milagres.222 Contudo, é

220
Cf. KISTEMAKER, Simon. Comentário do Novo Testamento, 1 Coríntios. São Paulo: Cultura Cristã, 2004,
p. 452, 453.
221
Cf. CALVINO, João. 1 Coríntios. São Paulo: Edições Paracletos, 1996, p. 295, 296. ver também, Groningen,
Revelação, p. 217.
222
Cf. PACKER,.James Inner Teologia concisa. São Paulo: Cultura Cristã, 1999, p. 55.
75

interessante observar que, na narrativa bíblica, o milagre está abaixo da verdade pregada. O

intuito não era de chamar a atenção para o milagre, mas para a mensagem que era confirmada

pelo milagre, que apenas mostrava que o pregador era um enviado de Deus.223 Esse

testemunho divino sobre o profeta, o apóstolo, ou outro enviado, é correntemente visto nas

Escrituras.

Moisés operou milagres em diversos momentos em sua carreira profética. Sob a palavra

de Moisés, Arão lançou seu bordão que virou serpente e comeu os bordões dos sábios e

encantadores do Egito, que também viraram serpente (Ex 7.8-13). Sob a palavra de Moisés

vieram as dez pragas (Ex 8-12.36). Moisés abriu o mar Vermelho diante do povo (Ex 14.21) e

transformou as águas amargas em água doce (Ex 15.22-27). Além desses, muitos outros

milagres na vida de Moisés poderiam ser expostos aqui, mas estes são suficientes para mostrar

que, como profeta, Moisés era um operador de milagres, assim como Elias o foi.

Elias fez com que aparecesse farinha e azeite na casa da viúva de Serepta (1Rs 17.12-16)

e, logo após este acontecido, ressuscitou o filho dessa viúva (1Rs 17. 21, 22). Ele mostrou ser

enviado de Deus ao clamar e fazer cair fogo do céu, que consumiu um novilho sobre um altar

encharcado (1Rs 18.20-40). Seu sucessor, Eliseu, ainda presenciou o último milagre na vida

de Elias, quando eles foram separados por cavalos de fogo, e, então, Elias subiu ao céu num

redemoinho (2Rs 2.9-11).

Como sucessor de Elias, Eliseu também operou muitos milagres. Logo após a subida de

Elias, Eliseu pegou seu manto e com ele tocou as águas do rio Jordão, que se dividiram (2Rs

2.13-14). Eliseu fez com que as águas de Jericó se tornassem boas para o consumo (2 Rs 2.19-

22) e fez um machado flutuar (2Rs 6.1-7). Naamã, o comandante do exército da Assíria,

também experimentou do poder dos milagres de Eliseu e, sob a palavra deste, ele mergulhou

sete vezes nas águas do rio Jordão, ficando livre de sua lepra (2Rs 5.1-14).

223
Cf. Hodge, Teologia sistemática, p. 473.
76

Voltando os olhos para Jesus, quando este estava com os discípulos, revelando-lhes que

iria para junto do Pai, para preparar-lhes lugar (Jo 14.1-3), Felipe pediu para que Cristo lhes

mostrasse o Pai (v.8). A resposta do Senhor foi vergonhosa para Felipe, pois aquele disse que

era um com o Pai, portanto, quem o visse veria o Pai (v.9). Ao dizer que era um com o Pai,

obviamente, Jesus estava deixando clara sua natureza divina, e isso ele o fez, segundo sua

resposta a Felipe, por meio de suas obras (v.11). Essas obras incluíam toda a revelação da

verdade, de modo perspícuo, mas também as operações de milagres, que sempre foram

demonstrações do poder de Deus agindo em seus servos, e que, em Cristo, o revelaram como

sendo um com o Pai. Charles Hodge explicou essa relação da operação de milagres com a

divindade de Cristo da seguinte forma:

Indubitavelmente, a mais elevada evidência da verdade é a própria verdade; como a mais elevada
evidência do bem é o próprio bem. Cristo é seu próprio testemunho. Sua glória o revela como Filho de
Deus a todos aqueles cujos olhos não se acham cegos pelo deus deste mundo. O ponto que os milagres se
destinam a demonstrar não é tanto a verdade das doutrinas ensinadas, mas a divina missão do Mestre.
Este último, aliás, cumpre o propósito do primeiro. Mas quando o homem se apresenta como mensageiro
de Deus, ser ele recebido ou não como tal depende primeiro das doutrinas que ensina, e, segundo, das
obras que concretiza. Se não apenas ensina doutrinas conformes à natureza de Deus e consistentes com as
leis de nossa própria constituição, mas também realiza obras que evidenciam o poder divino, então
sabemos não apenas que as doutrinas são genuínas, mas também que o Mestre foi enviado por Deus.224

Portanto, quando Jesus disse: “Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede ao

menos por causa das mesmas obras.” (Jo 14.11); ele estava afirmando que suas obras não

apenas mostravam ser ele enviado de Deus, mas, além disso, o fato dele ser o Filho encarnado

de Deus, o Emanuel. Certamente, tal conclusão era devido à superioridade de seus milagres.

Outro aspecto importante de Jesus como operador de milagres é que estes eram

acompanhados do perdão de pecados. Constantemente, Jesus recebia pessoas que se tornaram

crentes nele por verem seus sinais. Por tal atitude de confiança nesse Messias profeta-

operador de milagres, essas pessoas recebiam, além da cura, a solução para seu maior

problema, o pecado. Jesus, por exemplo, o fez diante da fé do paralítico (Mt 9.2; Lc 5.18-26)

e do choro da mulher que lhe enxugou os pés com os cabelos (Lc 7.48). Somente Jesus

concedeu o perdão divino, indo além de apenas o pregar.


224
Hodge, Teologia sistemática, p. 473.
77

Esse aspecto mostra claramente a ligação do ofício profético com o sacerdotal de Cristo.

Como profeta Jesus anuncia o perdão divino e como sacerdote ele o conquista e o garante.

Apesar da revolta dos escribas e fariseus (Lc 5.21), Jesus tem a prerrogativa divina para

perdoar pecados, algo que nenhum outro profeta tinha, podendo, no máximo, anunciar o

perdão de Deus (2Sm 12.13). Jesus, através do milagre, mostrou ter o poder para perdoar

pecados, quando ele disse aos escribas e fariseus: “Qual é mais fácil dizer: Estão perdoados os

teus pecados, ou: Levanta-te e anda?” (Lc 5.23); ele imediatamente ordenou ao paralítico que

levantasse, demonstrando que sua palavra tem poder, portanto, ele poderia conceder o perdão.

Craig Evans bem lembrou que o intuito de Jesus era mostrar que qualquer pessoa poderia

dizer que os pecados estão perdoados, mas realizar o prodígio de curar uma deficiência física

seria uma grande demonstração de poder.225 Jesus, mais do que anunciar o perdão, revelou por

seus milagres que veio conceder perdão.226 Com isto, ele mostrou ser muito mais do que um

simples profeta, mas o profeta que era um com o Pai, parte da Trindade.227

Nesse capítulo, portanto, procurou-se sustentar que Jesus é superior a todos os profetas.

Foram abordados aspectos básicos de sua atividade profética e comparados aos dos antigos

profetas, chegando-se à conclusão de que a obra feita por Jesus em muito superou a dos

outros. Num primeiro aspecto, a superioridade se deu por causa da superior perspicuidade da

revelação feita por Jesus, que trouxe à luz aquilo que Moisés e os outros só puderam fazer por

meio de sombras. Além disso, mostrou-se que Jesus foi superior no aspecto definitivo da

revelação feita por ele. Enquanto Moisés revelou a instauração de uma sucessão profética,

Jesus mostrou ser o objetivo da mesma, tendo em vista o fato de que, se o objetivo de Deus é

o de revelar-se, então Jesus é o clímax por ser ele o cumprimento de tudo que fora dito por

seus antecessores e por ser ele a mais perfeita revelação do Pai, conforme Hebreus 1.1-4.

225
Cf. EVANS, Craig A. Novo comentário bíblico contemporâneo, Lucas. São Paulo: Vida, 1996, p. 105.
226
Cf. HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento, Lucas, vol. I. São Paulo: Cultura Cristã,
2003, p. 400,401.
227
Cf. Berkhof, Teologia sistemática, p. 95.
78

Viu-se que do aspecto definitivo poder-se-ia depreender o aspecto ontológico de Jesus.

Pelo fato de Jesus ser quem ele é, o Deus-homem, a Palavra encarnada, a sabedoria

personificada de Deus, o Emanuel, o papel de revelador por ele desempenhado seria em muito

superior. Ele é o único referencial de verdade e aquele que sustentava e continuou a sustentar

aqueles que vieram a ser reconhecidos como profetas. Também na questão ontológica se viu

que Jesus tinha uma relação diferenciada com o Espírito Santo, fato este que o tornou o

Espírito de Cristo, fazendo de Jesus o doador do Espírito, enquanto os profetas simplesmente

experimentaram sua presença e ação em suas vidas.

Esses aspectos mostram também o caráter singular da obra de Cristo, deixando claro que

Jesus era o revelador final, alvo e conteúdo das profecias de seus antecessores, sendo que até

ele houve progressão da revelação, mas, após, apenas testemunho sobre ele mesmo. Isso

através da ação singular do Espírito que ficou tão intrinsecamente ligada a Jesus, de forma

que seus sucessores receberam poder para serem testemunhas do próprio Cristo, e não para

trazer novas revelações. Além disto, o revelador Jesus era singular por seu conhecimento total

de todas as coisas, enquanto os dos outros profetas era limitado à mensagem. Jesus revelava e

conhecia os desígnios de Deus e os fatos sobre a vida de todos que estavam à sua volta,

mostrando que o conhecimento era parte do caráter de sua revelação.

Como profeta, Jesus se mostrou superior também como provedor. Ele agiu de modo

muito semelhante ao feito por muitos profetas que proveram às necessidades daqueles que

estavam próximos. Contudo, Jesus revelou uma nova relação com o Pai, dando seu nome

como penhor diante de Deus, para que os seus seguidores pedissem bênçãos. Jesus alimentou

grande multidão e, mais do que isso, continua a alimentar seu povo dando seu nome como

meio de relacionamento com Pai, segundo o que foi visto na seção 1.2.1.3. Somado a isso,

Jesus foi superior como provedor das necessidades espirituais, dando aos seus a manifestação

da justiça necessária diante de Deus, bem como a revelação em seu próprio corpo do amor de
79

Deus. Estar em Jesus é estar com o grande provedor das necessidades espirituais, pois ele

atende a todas.

Cristo também deu grande demonstração de superioridade na operação de milagres. Ele

mostrou que por mais grandiosos que fossem os milagres feitos por Moisés e os outros

profetas, nenhum deles poderia ser reconhecido como sendo Deus, da forma como ocorreu

com ele. A conclusão daqueles que viam as obras de Jesus, era a de que ele era o Filho de

Deus, mostrando que, certamente, havia algo de superior em suas manifestações de poder.

O que foi visto até aqui lança luz sobre a superioridade de Cristo, mas muito ainda pode

ser visto. Jesus exerceu ainda os outros dois ofícios que o Antigo Testamento relatou:

sacerdote e rei. Nos próximos capítulos, portanto, serão abordadas, respectivamente, a

superioridade de Cristo no exercício do ofício sacerdotal e a superioridade de Cristo no

exercício do ofício real.


80

2. A SUPERIORIDADE DO OFÍCIO SACERDOTAL DE

CRISTO, JESUS É MAIOR QUE ARÃO

O autor de Hebreus fez uma descrição detalhada do ofício sacerdotal de Cristo. Suas

palavras iniciais referem-se à formação do Filho como homem que nasce e se desenvolve para

se tornar o sumo sacerdote que terá todas as coisas debaixo dos seus pés (Hb 2.5-9). Esse

desenvolvimento, segundo o autor de Hebreus, foi da vontade do Criador, a fim de

aperfeiçoar, quanto à sua humanidade, o autor da salvação de muitos filhos (v.10). Tal

aperfeiçoamento se deu através dos sofrimentos do salvador que participa de todas as

fraquezas da carne, para que seus irmãos se vissem livres do poder da morte e tivessem ao seu

lado o sumo sacerdote que, por ter vencido a tentação, mostra-se poderoso para socorrer a

outros tentados (v.10-18).

Essa descrição inicial oferece uma importante visão do sacerdote Jesus. Sua disposição

em se tornar semelhante aos homens, passando por seus sofrimentos, mostra, antes de tudo,

um sacerdote amoroso. Esse amor o levou às últimas conseqüências para livrar seus irmãos,

algo que nenhum outro sacerdote faria. Esse ato tornou possível entender porque Jesus é

superior aos seus antecessores, mesmo a Arão, quanto ao amor.

Certamente, Arão tem um grande e importante lugar na história da salvação do povo de

Deus. Contudo, tal importância no exercício de seu ofício nem se aproxima do que foi

realizado por Jesus. O objetivo deste capítulo é justamente o de mostrar essa superioridade de
81

Cristo sobre Arão, no exercício de seu ofício sacerdotal. Os próximos passos objetivam

investigar de que forma Jesus foi superior a Arão como ofertor e no sacrifício realizado.

2.1. Jesus é superior na qualidade de ofertor

“Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a


própria vida em favor dos seus amigos.” (Jo 15.13)

Na qualidade de ofertor, Jesus foi superior em diversos aspectos a Arão. Tudo o que este

oficial podia fazer era seguir as ordens da lei, mas que apenas, conforme Paulo, tornava

evidente o pecado e a miséria humana (Rm 5.20). Cristo foi o sacerdote tão superior a Arão,

que a lei deixou de ser um jugo, ou peso sobre o crente. E no exercício de tal obra Jesus

mostrou-se superior no amor, na perfeição e no pacto estabelecido.

2.1.1 Superior quanto o amor

Certamente, quando a pessoa de Jesus é contemplada sob a perspectiva de sua obra, o

amor salta aos olhos. Por ser ele quem é e por ter feito o que fez, Jesus não deixa dúvidas de

sua superioridade em amar. Ele amou os homens aos quais ele representou, mostrando ser um

sacerdote que intercede amorosamente pelos seus, e também amou ao Pai, por quem veio

realizar a obra de redenção, para satisfazer sua justiça. É sob esse dois prismas que se deve

olhar o amor superior do sacerdote Jesus.


82

2.1.1.1. Superior quanto o amor pelos homens

Algumas passagens do Pentateuco relatam atitudes de Arão que podem evidenciar seu

amor pelos homens. Em seu sonho de ver seu povo liberto e experimentar o cumprimento das

promessas de Deus feitas a Abraão, Arão expô-se a situações adversas. Ainda no início da

história da libertação do povo de Israel do Egito, Arão demonstrou amor por seus

compatriotas servindo de porta voz de Moisés diante do faraó, arriscando ofendê-lo e ser

morto (Ex 4.14, 5.1, 7.1). Arão também evidenciou seu amor pelo povo ao continuar em sua

posição de líder, importando-se com todos, mesmo depois do povo murmurar contra ele (Ex

16.2; Nm 16.41). No entanto, Essas demonstrações do amor de Arão pelo povo são pequenas

diante do que Cristo demonstrou.

No texto de Hebreus utilizado no início deste capítulo, ficou evidente o amor de Jesus

por seus irmãos. Levando em consideração o texto de Filipenses 2.5-8, segundo o qual Jesus,

sendo Deus, não se prendeu a esse fato e esvaziou-se ao tomar forma de servo não sendo

reconhecido como Deus que era, mas como homem, vê-se, então, que a atitude de se tornar o

sumo sacerdote de seus irmãos exigiu muito do Senhor.

Arão era um israelita da tribo de Levi e recebeu, juntamente com sua descendência, a

incumbência de cuidar do serviço religioso do povo de Israel. Para um homem que vivia

como escravo no Egito ser liberto e passar a dirigir o exercício mais importante de toda uma

nação é um ganho muito grande, mesmo com o peso da própria responsabilidade. No caso de

Jesus, conforme foi visto, ele é o Emanuel, o Deus que encarnou para ser reconhecido, em

primeiro lugar, como um servo, mas não um simples servo, e sim como o servo sofredor (Is

53). Ou seja, Arão deixou a escravidão para ser homem livre e líder no meio do povo; Cristo

deixou a glória no céu para fazer-se servo sofredor. Ele era “livre de toda essa desordem que

invadiu inteiramente nossa natureza (o pecado), e tornou toda obediência difícil e a perfeição
83

impossível (ao homem)”,228 mesmo assim, o Filho se encarnou, tomando forma para si esse

sofrimento. Tal sofrimento, conforme Mowinckel, já era esperado pelo servo na incumbência

de trazer expiação e paz entre Deus e seu povo.229 Isso significa que nem mesmo o sofrimento

destinado ao Messias fez com que Jesus retrocedesse de sua missão, demonstrando o maior

amor de todos: “o de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos” (Jo 15.13). Sobre

esse amor explicou Hendriksen:

Naturalmente é verdade que este amor de Cristo não pode em todos os sentidos ser um padrão para
nosso amor recíproco. No que diz respeito ao seu valor infinito, caráter substitutivo e gloriosas
conseqüências redentoras, seu ato de amor, pelo qual ele determinou entregar sua vida por nós, não pode
jamais ser um padrão para nosso amor pelos irmãos. Nesses aspectos, esse amor é absolutamente ímpar e
não pode ser copiado.230

Os resultados da obra de Cristo demonstram a singularidade de seu amor. Nenhuma

amor poderia produzir tais atitudes e resultados em pessoas que nem mereciam,

respectivamente: auto-negação total, sofrimento de cruz e reconciliação com Deus.231

Explicando a justificação pela obra de Cristo, Paulo escreveu aos romanos dizendo que

dificilmente por um justo alguém se animaria a morrer (Rm 5.7), mas Cristo foi aquele que,

com profundo amor, morreu por pecadores (v.8). Karl Barth lembrou bem que tal amor se

manifestou quando o homem se encontrava num estado de miséria, no qual ele não teria a

capacidade de receber-lo.232 Foi Deus amando o homem sem ser influenciado pelo amor do

próprio homem, mas pelo simples beneplácito de sua vontade.233

Hebreus 4.15 também evidencia o amor de Cristo ao dizer: “Porque não temos sumo

sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas

as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado.” Cristo, a fim de tornar-se o sumo sacerdote

que se compadece amorosamente de seus irmãos, lança-se ao sofrimento da tentação a fim de

cumprir todo o papel destinado a ele como homem, para que “Acheguemo-nos, portanto,
228
OWEN, John. The glory of Christ. Chicago: Moody Press, 1956, p. 119.
229
Sigmund Mowinckel, He that cometh, p. 209. Apesar de sua hermenêutica de crítica-literária, ele faz um bom
resumo da vida e importância do servo sofredor.
230
Hendriksen, João, p. 700, itálicos do autor.
231
Cf. John Owen, op. cit., p. 111.
232
Cf. Karl Barth, Carta aos Romanos, p. 253.
233
Cf. Calvino, Romanos, p. 184.
84

confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça

para socorro em ocasião oportuna” (v.16). Arão já era homem tentado e caído quando tornou-

se sumo sacerdote, não tendo havido mudança em sua vida ou pessoa. No Filho ocorreu uma

drástica mudança do Deus que se fez reconhecer como servo de pecadores. Ele vivia em seu

estado de eterna glória e encarnou, assumindo a natureza humana e suas limitações, de modo

que passou a sofrer o que era próprio dos pecadores (dores, aflições e temores humanos), mas

sem pecar.234 Jesus sofreu e não cedeu às tentações feitas por Satanás no deserto, apesar da

fome e da sede (Mt 4.2-11). Temeu a dor da morte quando pediu ao Pai que afastasse dele o

“cálice”, mas preferiu a vontade do Pai e manteve-se em sua missão (Mt 26.39). Sentiu-se

abandonado pelo Pai quando estava pregado na cruz; no entanto, sabia que o Pai estava com

ele, tendo clamado e entregado seu espírito a ele (Mt 27.46-50). O fato é que o Filho desceu

da glória de sua divindade para, sendo redentor, sofrer por pecadores, motivado apenas por

seu amor, já que os pecadores, em si mesmos, não possuem nada que motive tal atitude.

Em tudo isso se pode ver que a ação amorosa de Cristo foi em muito superior à de Arão.

Como um mero homem, o sacerdócio de Arão não lhe trouxe as exigências vistas em Cristo.

Pouco adiantaria a morte de um homem pecador, que em nada satisfaria a justiça de Deus.

Além disso, Arão tinha muito pouco a perder se comparado a Cristo. Para esse, a morte

significou a humilhação final do Deus que se fez homem, para ser reconhecido como servo.

Jesus foi rejeitado pelos seus (Mt 27.16-26), açoitado por aqueles que eram menores do que

ele (Mt 27.26), escarnecido por pecadores (Mt 27.28,29,44) e condenado junto com ladrões

(Mr 15.27). Quão profundo não é o amor daquele que é o ser absoluto e está acima de todos e

que, mesmo assim, assume a natureza de sua criação para se deixar humilhar, a fim de pagar a

dívida de pecadores e conduzir-los à comunhão com seu Deus. Por mais amor e dedicação

que Arão tivesse tido em seu ofício sacerdotal, ele seria apenas sombra do que veio a ser o

amor de Cristo.
234
Cf. Calvino, Hebreus, p. 118.
85

2.1.1.2. Superior quanto o amor pelo Pai

É necessário que se diga que, apesar da humilhação do Filho em se fazer de servo, isso

não significa que não houve prazer nele. Quando Jesus disse que a sua comida é fazer a

vontade daquele que o enviou (Jo 4.34), ele estava demonstrando sua profunda ligação com o

Pai; portanto, com a satisfação do mesmo. Ao encarnar, de fato, Jesus estava fazendo a

vontade do Pai, pois esse o enviara (Jo 4.34, 5.30, 6.38). Portanto, sua humilhação foi uma

atitude de amor não só pelo homem, mas também pelo Pai, o que dava grande prazer ao Filho,

já que cumprir a vontade do Pai lhe era tão essencial.

A obediência de Jesus ao Pai já é prova suficiente de seu amor, mas, somado a isso,

Jesus revelou com clareza que seu amor pelo Pai era sua motivação. No evangelho de João

14.31, encontra-se o discurso de Jesus no qual ele afirma amar o pai e que demonstra esse

amor ao mundo obedecendo-o. Sendo a obediência uma demonstração de amor, Jesus tem de

ser superior a Arão nesse sentido, pois esse diversas vezes desobedeceu a Deus e não cumpriu

perfeitamente com suas obrigações.

Até mesmo a demonstração de amor pelo homem foi uma demonstração de amor pelo

Pai. Como disse Owen: “Era um deleite inconcebível para ele ter um panorama da libertação

da humanidade para a glória de Deus”.235 O prazer de Cristo, como dito acima, era de fazer a

vontade do Pai, pois isso redundaria em glória ao Pai. De fato, o amor de Cristo pela

humanidade é a manifestação do amor do Pai pela humanidade 236, pois foi ele quem primeiro

235
John Owen, The glory of Christ, p. 112.
236
Idem, p. 112. Ver também: MURRAY, John. Collected writings of John Murray, vol. I, The claims of truth.
Endiburgh: The Banner of Truth Trust, 1976, p. 77.
86

amou o homem (1 Jo 4.16-19).

2.1.2. Superior por ser perfeito

A perfeição de Jesus foi um tema amplamente abordado pelo autor da epístola aos

Hebreus para demonstrar a superioridade de Jesus como sacerdote. Por isso, esse se mostra

um importante ponto da superioridade do sacerdócio de Jesus a ser tratado aqui. Tal perfeição

pode ser abordada, de acordo com o que apresentou o autor de Hebreus, por dois aspectos.

O primeiro aspecto é que a perfeição de Jesus satisfez o Pai. Essa satisfação se refere à

sua justiça e significa que, por ser perfeito, Jesus foi o único sacerdote que exercitou seu

ofício com perfeição, alcançando o objetivo de trazer redenção sobre os seus.

O segundo aspecto é que a perfeição de Jesus o fez sacerdote eterno. Esse está ligado

com o juramento do Salmo 110.4, no qual o Messias é identificado como um sacerdote

conforme Melquisedeque e que seria sacerdote para sempre. Nesse ponto serão abordados

tanto o significado de Jesus ser um sacerdote “da ordem de Melquisedeque”, através de uma

análise de Hebreus 7, quanto de que forma isso faz de Jesus o sacerdote eterno de seu povo.

2.1.2.1. A perfeição de Jesus de fato satisfez o Pai

Em Hebreus 5.1-9, o autor compara o sacerdócio de Jesus ao de Arão, mostrando que a

perfeição de Jesus o faz maior do que Arão. Nos versos de 7 a 10 fica evidente que a vida de

Jesus com todos os seus sofrimentos e, como já visto, sem pecado, fez dele o autor da

salvação, que significa dizer que há uma ligação direta entre a impecabilidade de Jesus e o

serviço sacerdotal que ele prestou.


87

Para Calvino não havia perfeição alguma no sacerdócio do Antigo Testamento. Ele

mostrou que até mesmo as vestimentas sacerdotais cheias de adorno eram símbolos de uma

santidade ausente no sacerdote, ou seja, o que era requerido para o adequado desempenho do

ofício estava ausente nos sacerdotes levíticos.237 Contudo, isso não quer dizer que os

sacerdotes não tinham serventia, pois os mesmos, como tipos de Cristo, conduziam o povo ao

conhecimento de que não se poderia achegar-se diante de Deus sem estar coberto. A própria

declaração do sacerdote de que o adorador estava “coberto”, quando a oferta era feita,

indicava essa verdade.238 A repetição de tal rito tinha o propósito de revelar o Messias que

viria e cobriria seu povo de uma vez por todas. Parece, portanto, que o propósito de Deus para

os sacerdotes do araônicos não era o de satisfazer sua justiça, mas o de apontar a necessidade

de um sacrifício superior que o fizesse. Isso por causa da imperfeição, tanto da oferta como do

ofertor. Nesse último caso é que se vê superioridade de Cristo como ofertor, devido sua

perfeição que satisfez a justiça divina.

Em Romanos 3.25 a perfeição do sacerdócio de Cristo é mais uma vez afirmada. O texto

diz que Deus deixou “impune” ou, como o termo grego “pa,resin” parece indicar, “deixou

passar” ou “omitiu-se” quanto ao pecado do povo antes de Cristo, tendo em vista o que esse

viria fazer. Como bem enfatizou Hendriksen: “Além disso, como amiúde em Romanos,

somos informados de que a maravilhosa bênção da justificação é para aquela pessoa, tão-

somente para ela, que tem fé em Jesus.”239 Ou seja, Deus tolerou a impunidade dos pecados

anteriores à morte de Cristo, tendo em vista a manifestação deste, que cumpriria cabalmente

as exigências do Pai quanto ao pagamento das ofensas cometidas. Arão era um devedor, assim

como todo o povo, não podendo satisfazer a Deus nem quanto à sua pessoa, tão pouco quanto

à sua oferta. Deus suportou a imperfeição de Arão e de seus sucessores, pois aguardava a

vinda de Cristo, fato garantido pelos decretos divinos.

237
Calvino, Hebreus, p. 198,199.
238
Cf. Van Groningen, Revelação messiânica, p. 213.
239
Hendriksen, Romanos, p. 179.
88

Alguns poderiam dizer que Deus não estava sendo justo ao manter os pecados

“anteriormente cometidos” impunes. Contudo, injustiça seria Deus dizer que traria salvação

ao povo e deixar que as pessoas tentassem resolver seus pecados diante dele através do

sacrifício de animais que, por si mesmos, não possuíam valor suficiente para representar

homens e pagar seus pecados. O que Deus fez foi aguardar a vinda do sacerdote prometido

desde a fundação do mundo, para que ele realizasse expiação pelo pecado.

Em Hebreus 7.27 e 28, o autor, mais uma vez, mostrou que a perfeição de Cristo faz com

que seu exercício do ofício sacerdotal seja superior ao de seus antecessores. Por serem

pecadores, os sacerdotes ofereciam sacrifícios por si mesmo e repetidas vezes, mostrando que

a enormidade de seus pecados não era superada pela expiação pretendida através de animais,

cujo valor era derivado da verdade ensinada sobre Cristo240, mas que não era o suficiente para

trazer a expiação necessária por si mesmos.241 Enfim, sendo imperfeito e tendo de apresentar

ofertas repetida vezes, Arão não poderia aplacar a ira divina, pois essa também pesava contra

ele.242

Também deve ser ressaltado que a imperfeição dos sacerdotes araônicos revelava a

necessidade de que alguém validasse suas obras, para que fossem aceitas por Deus. Tal

necessidade foi continuamente suprida por Cristo, pelo fato de que ele sempre foi o

fundamento do ofício sacerdotal. A Confissão de Fé de Westminster expõe muito bem esse

ponto:

Ainda que a obra da redenção não fora realmente realizada por Cristo senão depois de sua
encarnação, contudo a virtude, a eficácia e os benefícios dela, em todas as épocas sucessivas desde o
princípio do mundo, foram comunicados aos eleitos por meio das promessas, tipos e sacrifícios, pelos
quais ele foi revelado e significado como a Semente da mulher que devia esmagar a cabeça da serpente,
como o cordeiro morto desde o princípio do mundo, sendo ele mesmo ontem, hoje e para sempre.243

O trecho destacado elucida o fato de que tudo o que fora feito pelos sacerdotes levíticos

tinha sua eficácia ligada à verdade sobre Cristo representada por eles. O povo se via redimido
240
Cf. Calivno, Inst., III.4.30, p. 500. Ver também: Van Groningen, Revelação messiânica, p. 213.
241
Cf. Kistemaker, Hebreus, p. 294.
242
Cf. Calvino, Hebreus, p. 200.
243
MARRA, Cláudio Antônio Batista, editor. Confissão de fé de Westminster. São Paulo: Cultura Cristã, 1999,
VIII.VI, p. 54.
89

pelos sacrifícios, mas Deus os aceitava por ver a representação da obra do Redentor através

deles.

A superioridade de Jesus como sumo sacerdote, portanto, está relacionada com sua

perfeição. Por ser sem pecado, Jesus fez a obra que os sacerdotes não puderam fazer. O texto

bíblico diz que Jesus ofereceu o devido sacrifício, pois ele “fez isto uma vez por todas,

quando a si mesmo se ofereceu.” (Hb7.27). Aquela contínua oferta não era mais necessária,

pois Jesus foi o sacrifício final, de modo que a “expressão uma vez por todas revela que o

sistema levítico tinha chegado ao fim.”244 Por ser perfeito, Jesus tornou a figura do sacerdote

segundo a descendência de Arão obsoleta, pois a oferta final foi feita com base na perfeição

daquele que a fez, satisfazendo a justiça de Deus.

2.1.2.2. A perfeição de Jesus fê-lo sacerdote eterno, segundo a ordem de


Melquisedeque

A superioridade de Jesus como sacerdote eterno se dá, também, por outro fator.

Enquanto os sacerdotes seguiam a lei que estabeleceu a descendência de Arão como a

linhagem da qual deveriam vir os sacerdotes (Ex 29.8,9), Jesus foi feito sacerdote por

juramento (Sl 110.4). Esse aspecto da superioridade do sacerdócio de Cristo foi claramente

explicado por Kistemaker, quando disse:

Deus colocou sumos sacerdotes pecadores no ofício pela lei; ele nomeou seu Filho como sumo
sacerdote por meio de juramento. A superioridade do Filho em relação aos sumos sacerdotes araônicos é
demonstrada pelo escritor de Hebreus sucintamente, pois o juramento era de maior importância do que a
lei promulgada. Uma lei pode ser revogada; um juramento permanece para sempre. O Filho não está
sujeito à fraqueza ou mudança, porque ele “foi feito perfeito para sempre”.245 [sic]

Não só pela eternidade própria da divindade de Cristo, mas também pela intrasitoriedade

de um juramento é que seu sacerdócio permanece. Tal juramento refere-se ao que é

encontrado no salmo 110.4: “O SENHOR jurou e não se arrependerá: Tu és sacerdote para


244
Kistemaker, Hebreus, p. 295.
245
Kistemaker, Hebreus, p. 296.
90

sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.”; e a mudança na lei refere-se ao que foi dito no

verso 12 de Hebreus 7. O sacerdócio e a lei são intrinsecamente ligados de modo que, se há

mudança de sacerdócio, tem de haver mudança na lei.246 Tendo o sacerdócio saído da

linhagem levítica e passado a Cristo, aquele que tornou desnecessária a repetição de

sacrifícios, a lei cerimonial obviamente mudou. Portanto, prevaleceu o juramento de Deus. 247

É neste sentido que a lei é revogada e o juramento permanece.

O caráter do sacerdócio de Melquisedeque foi explicado em Hebreus 7, para que se

entendesse em que sentido Cristo é sacerdote de sua ordem. Nos versos 1 e 2, o autor de

Hebreus o apresenta, relembrando o que está em Gênesis 14. Ele foi identificado como o rei

de Salém e sacerdote de Deus a quem Abraão entregou o dízimo dos despojos de sua luta

contra os reis que capturaram seu sobrinho, Ló. Já houve muitas discussões sobre a identidade

de Melquisedeque, algumas especulando se de fato ele era um ser humano; contudo, não

existem evidências textuais para se pensar nele como sendo alguém além de um homem. 248

A partir do verso 3, vê-se a descrição da superioridade de Melquisedeque. Nesse verso, é

dito que ele não tem pai, mãe e nem genealogia. Tais expressões eram utilizadas para órfãos,

crianças abandonadas, ilegítimas ou rejeitadas ou para deuses que vieram a existir sem um pai

ou mãe.249 Neste texto elas devem ser interpretadas de acordo com o contexto da história de

Gênesis, e não atribuí-las à vida de Melquisedeque, de modo a pensar nele como sendo algo

além de um homem.250 O fato é que, num livro com tantas genealogias, contando a história de

um sacerdote – cujo ofício é essencialmente ligado à genealogia pela lei – sem nenhuma

genealogia atribuída, torna-se um caso único e digno de admiração. O que o autor de Hebreus

quis ressaltar foi que Melquisedeque não se tornou sacerdote por nenhuma sucessão legal,

246
Cf. Henry, Mathew. An exposition, with pratical observations, of the Epistle to the Hebrews. Arquivo
eletrônico, e-sword, v.7.9.8, 2008.
247
Cf. Ibid.
248
Para mais interpretações de quem seria Melquisedeque ver: GILL, John. Christ, a priest after the order of
Melchizadek,. Paris: The Baptist Standar Bearer, 1999, in: www.monergism.com, acessado em 02/10/2007.
249
Cf. Kistemaker, Hebreus, p. 263.
250
Cf. Ibid., p. 264.
91

mas, tão somente, pela vontade de Deus. O que deve ser entendido por “sem genealogia” é o

sacerdócio de Melquisedeque, ou seja, que ele não recebeu seu sacerdócio de seu pai, ou o

teve transmitido por uma mãe que nasceu numa família de sacerdotes.251

Dessa falta de genealogia o autor de Hebreus entendeu que Melquisedeque não

transmitiu seu sacerdócio, sendo ele o único. Portanto, se Melquisedeque não transmitiu seu

sacerdócio a um descendente, como ocorre no sacerdócio araônico, ele continua para sempre

como o sacerdote de sua ordem. Neste sentido, ele é semelhante ao Filho, ou seja, se torna um

tipo de Cristo, pois Jesus se tornou sacerdote sem ter ligação com a tribo de Levi, assim como

Melquisedeque. O Senhor não teve pai ou mãe ligados ao sacerdócio, tão pouco descendentes

que continuassem, ou substituíssem-no em seu sacerdócio.252 Por outro lado, Jesus também

não é substituto de Melquisedeque, pois os sacerdócios de ambos são distintos, sendo iguais

nas características, caso contrário, não se poderia dizer que o sacerdócio de Melquisedeque é

perpétuo, nem o de Cristo ser eterno; em Jesus Melquisedeque teria seu substituto e, neste,

Jesus teria alguém que o antecedera.

Além disso, o comentarista Leslie Allan fez uma tradução interessante do Salmo 110.4

para o assunto desta seção. Em sua tradução do hebraico para o inglês, o termo ytir'b.DI
foi traduzido para “pattern”, que significa padrão.253 Isso significa que não foi o sacerdócio

em si de Melquisedeque que foi comparado ao de Cristo, mas suas características. Isso nos

leva a entender que foram sacerdócios semelhantes, ainda que distintos.

Depois de ter apresentado Melquisedeque e explicar seu sacerdócio, o autor de Hebreus

demonstrou sua superioridade sobre Abraão. Tal superioridade é explicada a partir do dízimo

entregue por Abraão a Melquisedeque, proveniente dos despojos de sua batalha para libertar

seu sobrinho, Ló (Hb 7.4; Gn 14.20). A importância de tal fato está na atitude espontânea de

251
Cf. GILL, John. Hebrews, in arquivo eletrônico de E-Sword, v. 7.7.7, copyright 2005.
252
Cf. Kistemaker, op. cit., p. 262,263.
253
Cf. ALLEN, Leslie. Word biblical commentary, vol. 21, Psalms 101-150. Arquivo eletrônico, Logos Library
Sistem, v. 2.1e, 1998.
92

Abraão, o grande patriarca de Israel, em reconhecer o sacerdócio e a superioridade de

Melquisedeque sobre ele como representante de Deus, mesmo sem lei ou genealogia que o

indicasse. Diante disso, a conclusão do autor de Hebreus é simples, pois, tendo em vista que

os descendentes de Levi254 recolhiam o dízimo segundo o regimento da lei (v.5), que pode ser

quebrada, Melquisedeque recebeu o dízimo por reconhecimento de sua superioridade de

representante de Deus, pela qual ele não só recebeu o dízimo, como também abençoou a

Abraão (v.6). Ora, se Abraão deu o dízimo e ainda foi abençoado por Melquisedeque por ser

este superior (v.7), então, o sacerdócio de Melquisedeque é superior ao dos levitas, visto que

esses eram inferiores a Abraão, seu patriarca.

Pode-se somar a esta argumentação o que está escrito em Gênesis 14.18. Nesta passagem

está descrito que Melquisedeque era rei e sacerdote. Além desses títulos que lhe conferiam

grande pompa, sua atitude de oferecer, ou prover a Abrão pão e vinho, alimentos típicos da

realeza, demonstra sua superioridade sobre Abrão.255 Abrão havia conquistado paz para o rei

de Salém, agora, esse rei oferece hospitalidade e bênção, a qual não só é recebida por Abrão,

como também é retribuída com a décima parte, o que demonstra um tipo de pacto entre as

partes, no qual a maior abençoa a menor.256

Com essa construção, o autor de Hebreus entendeu que, se Abraão pagou dízimo a

Melquisedeque, de fato, seus descendentes levitas também o fizeram em sua pessoa (v.9), pois

eram representados por seu patriarca. Contudo, os descendentes de Levi recebem o dízimo

geração após geração seguindo o mesmo sacerdócio de Arão. Melquisedeque, por outro lado,

não teve substitutos, ele é “aquele de quem se testifica que vive” (v.8) – essa expressão segue

a mesma idéia da palavra “perpetuamente” do verso 3.

254
Kistemaker ressaltou que o nome de Levi foi tomado no lugar de Arão, pois aquele é mais próximo de Abraão
do que esse e para mostrar que o serviço de coleta de dízimo pertencia à toda a tribo de levi; ver Hebreus, p.
266.
255
Cf. WENHAM, Gordon J. Word biblical commentary, vol. 1, Genesis 1-15. Arquivo eletrônico, Logos bible
library system, 1998.
256
Cf. Ibid.
93

Depois de ter demonstrado a superioridade do sacerdócio de Melquisedeque sobre o

levítico, ao autor de Hebreus passou a focalizar a pessoa de Jesus mais diretamente. Ele inicia

essa seção com uma pergunta: “Se, portanto, a perfeição houvera sido mediante o sacerdócio

levítico (pois nele baseado o povo recebeu a lei), que necessidade haveria ainda de que se

levantasse outro sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque, e que não fosse contado

segundo a ordem de Arão?” (v.11), conforme o Salmo 110.4. A Imperfeição do sacerdócio

levítico ficou evidente no fato de que ele não recebeu o adjetivo “perpétuo” (dihnekh,j),

como foi feito com o sacerdócio de Melquisedeque.257 Devido a esta imperfeição, o autor de

Hebreus anuncia a mudança que deverá haver na lei, pois deveria haver mudança de

sacerdócio (v.12), para se alcançar a perfeição desejada.

As mudanças que iriam ocorrer eram profundas. A primeira foi apontada pelos versos 13

e 14: a mudança da tribo de onde viria o sacerdote. Pela lei o sacerdócio viria da tribo dos

levitas (Ex 29.8,9), o que, a partir de Jesus, não seria mais assim, pois, mesmo não

pertencendo à tribo de Levi, ele tem um sacerdócio superior, que não lhe foi dado por ordem

da lei, mas pelo poder de sua vida indissolúvel. Essa expressão, indissolúvel, mostra a

superioridade daquele que é tipificado sobre seu tipo. Melquisedeque é dito ser vivo (v.8) , ou

ter sacerdócio perpétuo (v.3) por não ter tido substitutos, ou seja, as expressões “vivo e

“perpétuo” referem-se unicamente ao seu sacerdócio. Contudo, a expressão utilizada para

Cristo indica que sua vida em si não tem fim, portanto, seu sacerdócio também não tem fim.258

Diante disso, o autor de Hebreus enfatizou mais uma vez a promessa do Salmo 110.4 (v.17)

para relembrar que o sacerdócio de Cristo não precisava ser segundo a descendência de Arão,

e nem seria temporário como foi o de todos os sacerdotes que vieram dessa descendência,

pois todos morreram.259

257
Cf. Kistemaker, Hebreus, p. 274.
258
Cf. Gill, Hebrews, arquivo eletrônico.
259
Cf. Kistemaker, op. cit., p. 278.
94

Diante dessas considerações, o autor de Hebreus descreve diretamente as mudanças que

ocorreram. Segundo ele, frente à “fraqueza e inutilidade” do sacerdócio levítico (v.18), esse

deveria ser deixado de lado em favor da esperança que o sacerdócio de Cristo traz, segundo a

ordem de Melquisedeque (v.19). A questão, conforme o verso 18, é que “a lei nunca

aperfeiçoou coisa alguma”, o que já foi visto anteriormente, valendo lembrar que o objetivo

fundamental dos sacrifícios, portanto do ofício sacerdotal, era pedagógico e o de ligar a

pessoa a Cristo, sem, de fato e por si mesmo, fazer a purificação desejada. Diante de tal

inutilidade da lei, o autor propõe a segurança do juramento divino (v.20,21), que traz o fiador

de superior aliança (v.22).

A segurança que essa superior aliança traz está no fato de que os antigos sacerdotes, a

começar de Arão, tiveram um sacerdócio passageiro, pois todos morreram (v.23). Contudo,

Jesus é o sacerdote que permanece para sempre. Essa descrição do sumo sacerdote Jesus

conduz o leitor ao fato de que, sendo perfeito, Jesus não poderia ficar sob o domínio da morte,

podendo exercer seu sacerdócio eternamente. Sendo a morte o salário do pecado (Rm 6.23),

Jesus não poderia ficar sob seu domínio por ser sem pecado e eterno, tendo em vista os

atributos comunicados à sua pessoa, provenientes de sua natureza Divina. O contraste entre os

versos 23 e 24 de Hebreus 7 é profundo, pois mostra de um lado muitos sacerdotes

temporários e, do outro, um único sacerdote permanente: Jesus.

Através desta comparação entre o sacerdócio de Arão e o de Jesus, o autor mostrou a

superioridade deste sobre aquele. Enquanto o sacerdócio de seus antecessores era passageiro,

o de Jesus é permanente. Diante do fato de todos terem sido pecadores e, portanto, sujeitos à

morte, Jesus venceu a morte e continua ao lado do Pai intercedendo.260 Cristo é o sacerdote

segundo a ordem de Melquisedeque que permanece para sempre, contudo não simplesmente

por não ter substitutos, mas por que vive parar sempre. Jesus é aquele que tem em suas mãos

o poder sobre a morte, conseguido ao completar sua obra sacerdotal, na qual ele se fez
260
Cf. Kistemaker, Hebreus, p. 288,289.
95

pecado, para fazer justiça por nós (2Co 5.21), e entregou-se à morte para ressuscitar e mostrar

em si mesmo o que aconteceria com aqueles que nele cressem.

2.1.3. Jesus é superior quanto à aliança que estabeleceu

Dentro da história da aliança Deus revelou-se progressivamente ao povo, como visto no

capítulo sobre o ofício profético. No período de revelação de Moisés, Deus deu diversas leis e

promessas para a atividade cúltica do povo. Dentre elas havia a vestimenta dos sacerdotes e

do sumo sacerdote, que eram cheias de adornos e simbologias. Também foi prescrita a

construção do Tabernáculo, o principal lugar onde Arão exercia seu ofício, o qual era usado:

nos ritos de sacrifícios; para a reunião do povo em torno da promessa de Deus de que haveria

remissão de pecados; como representação da habitação de Deus no meio de seu povo. E foram

prometidos uma terra que manaria leite e mel e um Messias para conduzir o povo. Tudo isso

eram ritos, sacrifícios, construções feitas pelo homem e promessas ainda não muito claras.

A narrativa bíblica mostra que, com o tempo, o povo progrediu em seu relacionamento

com Deus. Ele alcançou a terra prometida (Js 3), iniciando sua conquista e, no tempo de

Salomão, construiu o templo no qual Deus habitava no meio do povo. Contudo, todos os seus

líderes, em especial seus sacerdotes, foram falíveis e cometeram erros em relação às suas

responsabilidades.

Desde Arão essa imperfeição pode ser verificada. Quando o povo ainda estava no

deserto, por ocasião da ida de Moisés ao monte para receber de Deus a lei, Arão atendeu a

ansiedade e a incredulidade do povo e o liderou na fundição de um bezerro de ouro (Ex 32.1-

4). Além dele, vê-se Eli sendo condescendente com o erro de seus filhos, envergonhando o

sacerdócio (1Sm 2.22-28). Mesmo Samuel, que foi um grande servo de Deus, também não
96

obteve sucesso com seus filhos, pois os mesmos eram avarentos, aceitavam subornos e

pervertiam o direito do povo, motivando-os a pedir um rei para si (1Sm 8). Em Oséias 4.6, o

profeta do Senhor trouxe uma dura palavra contra os sacerdotes que não cumpriam seu papel

corretamente, mostrando que o que foi dito em Hebreus 7.26,27 era a dura realidade do

sacerdócio que era exercido por homens fracos, pecadores imperfeitos.

Em Cristo essa realidade mudou. Sem as imperfeições que seus antecessores possuíam,

Jesus pode dizer que seu sangue é o sangue da nova aliança (Mc 14.24). O Senhor realizou em

si todas as exigências do pacto, inaugurando um novo e permanente tempo, no qual aqueles

antigos símbolos não são mais necessários. Jesus trouxe mudanças quanto ao santuário, aos

sacrifícios, às promessas e à noção de mediação, conforme segue.

2.1.3.1. A aliança de Jesus é superior quanto ao santuário

Na nova aliança inaugurada por Cristo, tudo foi superior. O Santuário, que antes foi o

tabernáculo e, posteriormente, o templo construído por Salomão, em Cristo passou a ser o

verdadeiro tabernáculo, ou a casa construída por Deus, e não pelos homens (Hb 3.5,6, 8.2).

Em Cristo, todos os que crêem podem entrar no santo dos santos (Hb 10.19), o lugar que antes

era separado somente ao sumo sacerdote e, mesmo ele, tinha de se purificar antes de entrar

(Ex 26.31-35, 40.3). O sumo sacerdote Jesus rasgou o véu que separava o santo lugar do santo

dos santos (Hb 10.19,20), os quais eram parábolas, apenas “comidas, e bebidas, e diversas

abluções, impostas até ao tempo oportuno de reforma.” (Hb 9.9,10)

O tabernáculo era a representação de que Deus habitava com seu povo, o que confirmava

a aliança que dizia: “Tornar-vos-ei por meu povo e serei vosso Deus.” (Ex 6.7)261. Ao cumprir

de seu ofício sacerdotal, Jesus fez o que Arão e seus sucessores não puderam fazer, ou seja, a

261
Cf. Roberteson, Cristo dos pactos, p. 46.
97

purificação dos pecados (Hb 10.11-28), a despeito da contínua repetição dos sacrifícios (Hb

7.26-28; cf. Rm 3.25). Assim, a reforma de Cristo foi implementada e consistiu, quanto à

habitação de Deus, em que ele deixou de habitar no templo feito por mãos humanas e fez de

todos os crentes habitação de seu Espírito (1 Co 6.19). Hoje, o cristão vive a realidade de João

4.22-24 e adora o Pai sem que o lugar importe. O judeu ainda vive a realidade conforme

descrita por Mathieson: “Arão morreu e foi sepultado; o tabernáculo e sucessivos templos

desapareceram; Israel, hoje, está sem sacerdote e sem sacrifício; porque eles não conhecem

nosso grande Sumo Sacerdote, e não compreendem o significado do Calvário.”262

2.1.3.2. A aliança de Jesus é superior quanto aos ritos e sacrifícios para remissão
de pecados

A superioridade da aliança de Cristo em relação à habitação de Deus foi estabelecida

pela mudança nos ritos e sacrifícios. Anteriormente, como já visto, Arão e seus sucessores

tiveram de repetir continuamente os sacrifícios, pois os mesmos eram imperfeitos e sem valor

para substituir homens (Hb 7.26-28, 9.11,12). Cristo fez o sacrifício perfeito, ou seja, que não

pede repetição, pois alcança o objetivo de remir de pecados, ao substituir homens, a ponto de

Jesus fazê-lo apenas uma vez para, então, assentar-se à destra de Deus (Hb 10.11-18). A

mudança é tão drástica, que Jesus fez um chamado inimaginável num contexto onde somente

a lei estava clara: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos

aliviarei.” (Mt 11.28). Jesus oferece o descanso que somente a aliança firmada em seu sangue

pode trazer, pois não há mais o que ser ofertado a Deus a fim de satisfazer sua justiça e

reconciliá-lo com os homens, que Cristo já não tenha ofertado: obediência e sangue (Hb 5.8,

9.14).

262
MATHIESON, J. E. The supremacy and sufficiency of Jesus Christ our Lord. Edinburgh: William Blackwood
and Sons, 1897, p. 125,126.
98

2.1.3.3. A aliança de Jesus é superior quanto às promessas

As promessas feitas na lei também se tornaram pequenas diante das promessas firmadas

no sangue de Cristo (Hb 8.6). Kistemaker diz que: “As promessas da antiga aliança foram

feitas junto com a lei de Moisés; as promessas da nova aliança incluíam as leis de Deus

colocadas na mente e escritas no coração de seu povo, o ensino do conhecimento do Senhor e

o perdão de pecados (8.10-12)”.263 Isso significa que as promessas feitas na lei foram feitas

com base em ritos e santuários inúteis (Hb 7.18), com mediadores falhos, além de não serem

claras e, com o tempo, se mostraram distantes de um povo que não conseguia cumprir a lei.

Em Cristo essa realidade muda. A promessa de bênção e vida se torna uma realidade bem

visível e presente na vida dos que crêem no mediador perfeito (Hb 9).

2.1.3.4. A aliança de Jesus é superior quanto ao mediador

Um fato óbvio de todos os aspectos da superioridade da aliança estabelecida por Cristo é

a superioridade do Mediador da aliança. O que foi visto anteriormente está fundamentado no

fato de Jesus ser superior também como mediador. Todo ofertor, ou sacerdote, conforme pode

ser visto no glossário, era um mediador da aliança que tinha o papel de levar diante de Deus

as petições e as ofertas dos adoradores. Esse é um elemento claro e recorrente da aliança de

Deus com o homem, devido o fato de que o homem não é digno de se achegar diante de Deus;

ele sempre precisa de alguém que o cubra e o represente. Nesse papel, Jesus foi em muito

superior àqueles que, na verdade, eram seus tipos.

263
Kistemaker, Hebreus, p. 311.
99

Algo muito interessante que demonstra a superioridade do mediador Jesus é sua

independência quanto à oferta. Todos os sacerdotes do Antigo Testamento ofereciam algo

fora de si mesmos, os animais. Jesus foi o sumo sacerdote que ofereceu a si mesmo, seu

próprio sangue. A morte dos antigos sumos sacerdotes, ou de qualquer outro homem, nada

poderia fazer para a purificação de seus semelhantes, pois, devido ao pecado, seriam como a

ovelha manchada que não era aceita por Deus. Contudo, Jesus é o sumo sacerdote que teve

algo a oferecer de si mesmo, seu próprio corpo e sangue, tomando o lugar de todos os

crentes.264

Na qualidade de mediador, Arão realizava suas obrigações sacerdotais. Contudo, toda a

obra realizada por Arão e seus sucessores, não realizou a real purificação por si mesma.

Segundo Paulo, em Romanos 3.25, o que realizou purificação, mesmo na igreja do Antigo

Testamento, foi o fato de que Jesus viria fazer justiça sobre o pecado que ainda estava

impune. Portanto, se estava impune e foi punido em Cristo, em quem estava proposto fazer-se

a justiça, a purificação que o mediador Arão e seus sucessores faziam, era, na verdade,

dependente de Cristo. Disto se entende que o Mediador Jesus é o alicerce de todos os

mediadores-sacerdotes do Antigo Testamento.

A superioridade de Jesus na qualidade de mediador da aliança também pode ser vista

quanto ao seu exemplo. Como ficou claro no fato dele apresentar sua própria oferta por ser ele

quem era, ficou claro também que Jesus é o modelo de vida que todos devem seguir. Arão foi

um líder dentro do povo, o patriarca de todos os sumos sacerdotes e homem de grande valor;

contudo, não é visto em nenhum lugar no Antigo Testamento um ensino que o coloque, ou a

qualquer outro sumo sacerdote, como referência ou padrão a ser alcançado. No entanto, no

Novo Testamento vê-se Jesus tornando-se padrão de vida para todos os crentes. Em 1

Coríntios 11.1, Paulo pediu aos leitores de sua carta que o imitassem quanto à sua atitude: de

ser imitador de Cristo. Outros textos mostram como Jesus Cristo se tornou o padrão de vida
264
FLAVEL, John, The works of John Flavel, vol. I. Endiburgh: The Banner of Truth Trust, 1997, p. 156.
100

de todos os que crêem (Rm 8.29; Ef 5.1,2; Hb 12.1). Na verdade, o propósito da predestinação

de Deus foi o de tornar homens caídos em imagem de Cristo (Rm 8.29). Alister Mcgrath

resumiu bem esta idéia ao dizer:

Uma questão central da espiritualidade e ética cristã diz respeito à natureza da existência cristã, em
relação às dimensões ética e espiritual. O Novo Testamento é fortemente cristomórfico em sua visão em
relação à vida redimida, isto é, ele afirma que Jesus Cristo não apenas torna essa vida possível; mas
também a modela. A imagem do Novo Testamento de “ser segundo Cristo” expressa muito bem esta
noção. As questões envolvidas são de alguma importância, especialmente quanto à questão da maneira
pela qual Jesus Cristo pode ser um exemplo ético ou espiritual para os cristãos.265

Jesus, portanto, é o mediador que se tornou padrão de todos aqueles que querem viver a

vida que ele proporciona.

Outro fator que aponta para a superioridade de Jesus como mediador é que ele é o Filho

em sua casa (Hb 3.6). Moisés, por meio de quem Deus estabeleceu a aliança do sacerdócio

levítico, era o servo na casa de seu Senhor, mas Cristo é o Mediador e Filho, o que o torna

proeminente sobre Moisés.266 Na verdade, conforme pode ser visto no texto de Hebreus 3.6, a

casa a qual o autor se refere é a própria igreja: “a qual casa somos nós”. Tal verdade pode ser

confirmada pelo texto de 1Pedro 2.5, no qual se lê: “também vós mesmos, como pedras que

vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes

sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo.” A Igreja, ou o Corpo

de Cristo, é o lugar de sua atuação, sendo Moisés parte desse corpo, ou casa, ele está abaixo

de Jesus, recebendo a atuação deste.267 A imagem que se forma dessa verdade é a descrita por

John Murray: “Mas Cristo é o sacerdote sobre seu trono”.268 Ele é o sacerdote que reina sobre

seu povo, que está sentado à direita de Deus (Hb 1.3), mostrando, mais uma vez, a inter-

relação entre os ofícios de Cristo.269

265
MCGRATH, Alister E. Teologia sistemática, histórica e filosófica. São Paulo, Shedd Publicações, 2005, p.
406.
266
John Murray, Collected writings of John Murray, p. 46,47.
267
Ibid., p.46
268
Ibid., p. 47.
269
Oscar Cullman, Cristologia do Novo Testamento. São Paulo: Líber, 2001, p. 120.
101

2.2. Jesus é superior quanto o sacrifício entregue

“E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles


também sejam santificados na verdade. Não rogo somente por estes,
mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio
da sua palavra; a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em
mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia
que tu me enviaste”. (Jo 17.19-21)

Essas palavras da oração de Jesus antes de sua morte mostram bem o empenho desse

Sumo Sacerdote em oferecer a oferta cabal pelo pecado de seu povo. Conforme o texto, no

intuito de trazer salvação para este, Jesus andou em obediência, resistindo ao pecado,

aperfeiçoando-se para ser o sacrifício devido a Deus. Lloyd-Jones descreveu enfaticamente a

dedicação de Jesus para esse propósito: “Ele era plenamente devotado a Seu Pai. Ele Se deu,

Ele Se consagrou totalmente. Estava inteiramente à disposição do Seu Pai, e é por isso que o

Pai pôde usá-lo para realizar esta grande salvação que desfrutamos.”270. Na direção de ser o

salvador de seu povo, Jesus fez a vontade do Pai; foi homem com perfeito relacionamento

com o Pai, para que sua oferta pudesse ser aceita por ele no lugar dos homens. Jesus estava

trazendo a glória da perfeição à humanidade, ao tornar-se o único homem manteve perfeito.

Ao fazer-se oferta a Deus, Jesus mostrou ser superior ao sacerdócio levítico também na

oferta, conforme asseverou Oscar Cullman:

É precisamente sacrificando-se, indo, portanto, ao mais fundo da humilhação, que Jesus exerce a
função mais divina que se conhece em Israel: a de mediador sacerdotal. Daí o elo estreito que aparece na
Epístola aos Hebreus entre a idéia de Soberano Sacerdote e a de Filho de Deus. A dialética própria do
Novo Testamento, que descobre a majestade mais alta na humilhação mais profunda, se manifesta, graças
à noção de sumo sacerdote, na morte expiatória de Jesus. Aí reside a grande importância desta concepção
cristológica. Jesus realiza de uma vez o antigo sacerdócio judaico e, cumprindo-o, o torna supérfluo.271

Por melhor que fosse a oferta feita por Arão, ela não poderia ser comparada à feita por

Jesus. A oferta feita por aquele mostrava o quanto ele era pequeno e sem valor, tendo de

derramar sangue de animais, pois o dele mesmo não adiantaria nada. Jesus, por sua vez,
270
JONES, Martyn Lloyd. Santificados mediante a verdade. São Paulo: PES, 2006, p. 53.
271
Oscar Cullman, Cristologia do Novo Testamento, p. 124.
102

ofereceu um sacrifício superior que o mostrou como o único sacerdote capaz de realizar a

obra de reconciliação com Deus, mostrando com sua morte que, em sua humilhação, estava

presente a glória de seu ser perfeito e valioso, capaz de satisfazer a justiça de Deus. Portanto,

a superioridade deste sacrifício de Cristo pode ser vista em pelo menos dois aspectos: quanto

à oferta e quanto aos seus efeitos, conforme segue.

2.2.1. Superior quanto à oferta feita

Hebreus 7.26,27 fala sobra a superior oferta que Jesus fez. O texto sagrado diz:

Com efeito, nos convinha um sumo sacerdote como este, santo, inculpável, sem mácula, separado
dos pecadores e feito mais alto do que os céus, que não tem necessidade, como os sumos sacerdotes, de
oferecer todos os dias sacrifícios, primeiro, por seus próprios pecados, depois, pelos do povo; porque fez
isto de uma vez por todas, quando a si mesmo se ofereceu.

O texto é claro ao definir a superioridade da oferta feita por Jesus. Antes de tudo, o autor

da Epístola aos Hebreus identificou Jesus como a própria oferta, e, para mostrar sua

superioridade, ele o descreveu Jesus como sendo “santo, inculpável, sem mácula, separado

dos pecadores e feito mais alto do que os céus” (Hb 7.26). Por este motivo, o Senhor não

tinha necessidade de apresentar sacrifícios por si mesmo, como faziam os sumo sacerdotes

que o antecederam. Portanto, sua oferta foi perfeita, por ser ele o sacerdote perfeito.

A perfeição dessa oferta pode ser fundamentada em pelo menos dois aspectos: sua

natureza e seu valor. Ambos os aspectos estão intimamente ligados, mas podem ser visto por

dois lados diferentes. A natureza da oferta deve ser vista no sentido de sua instrumentalidade,

enquanto a questão do valor da oferta deve ser visto quanto à eficácia da mesma. Se por um

lado a oferta era cabal para os propósitos pretendidos devido sua natureza, a mesma era a

oferta eficaz para alcançar esses propósitos devido seu valor.


103

2.2.1.1. A oferta era superior por ter dupla natureza

A oferta feita por Jesus foi superior a entregue por Arão e seus sucessores por sua

natureza ímpar. Focalizando a dupla natureza de Jesus, pode-se entender essa superioridade.

Como já foi abordado na revisão de literatura, a dupla natureza da pessoa do Redentor é a

base de sua obra. Somente por ser Deus-homem é que Jesus poderia realizar sua obra. Como

explicou John Flavel:

Este é um ato do Deus-homem; nenhum outro foi capaz de satisfazer um erro infinito feito a Deus.
Mas pela união das duas naturezas em sua maravilhosa pessoa, ele pôde fazê-lo por nós. A natureza
humana fez o que era necessário em seu tipo: deu a matéria a ser sacrificada; a natureza divina estampou
a dignidade e o valor sobre a oferta, tornando-a uma compensação necessária.272

Portanto, toda a pessoa do Redentor foi dedicada a Deus, conforme também explicou

Plumer: “Sua divindade foi o altar, o qual santificou sua oblação (pois foi sua divindade, e a

obra do Espírito, que impediram a imputação da culpa de Adão). Toda a sua pessoa fez a

oferta, ou apresentou o presente. E toda a sua natureza humana foi sacrificada (pois a morte é

própria de sua humanidade).”273 Portanto, a superioridade da oferta feita por Cristo também

provém de sua dupla natureza.

2.2.1.1.1. A oferta foi superior por ter natureza humana

Em primeiro lugar, somente sendo homem é que Jesus poderia representar homens.

Animais não têm o mesmo valor que homens, tão pouco possuem a mesma posição diante de

Deus para poder substituí-los. Além disso, foi o homem quem pecou, portanto, era o homem

quem deveria sofrer as penalidades da lei.274 Conforme defendeu William Grudem: “a menos

que Cristo fosse plenamente homem, ele não poderia ter morrido para pagar a pena dos
272
John Flavel, The works of John Flavel, vol. I, p.179.
273
William S. Plumer, Rock, p. 152.
274
Cf. Berkhof, Teologia sistemática, p. 319.
104

pecados do homem.”275 Somente dessa forma Jesus poderia ser um sacrifício verdadeiramente

substitutivo.

Em segundo lugar, o fator que demonstra a superioridade da natureza da oferta feita por

Cristo quanto à humanidade dele, é o aperfeiçoamento da oferta. Os animais ofertados por

Arão e seus sucessores não haviam satisfeito a vontade de Deus em ter seus preceitos

obedecidos, portanto, não poderiam satisfazer plenamente a justiça de Deus. Como explicou

Charles Hodge:

A lei de Deus é imutável. Não pode nem ser anulada nem prescindida. Isso é assim tanto com
respeito aos seus preceitos quanto à sua penalidade. Tal é a natureza de Deus como santo, que ele não
pode deixar de exigir que suas criaturas racionais sejam santas. Nunca pode deixar de ser-lhes obrigatório
amar e obedecer a Deus.276

Jesus, portanto, tinha de ser homem para obedecer a lei como homem, algo que nenhum

animal das ofertas araônicas poderia fazer, e nem mesmo outro homem pôde fazê-lo. Tendo

feito isso, Jesus tornou-se a oferta que poderia representar o homem na obediência da lei,

satisfazendo plenamente a vontade de Deus, ele. As ofertas veterotestamentárias não

poderiam fazer o mesmo que Cristo fez, pois não tinham natureza humana para representar

homem e obedecer às ordens divinas; tão pouco natureza divina, para satisfazer plenamente a

Deus.

Assim como os animais ofertados sofriam, Jesus sofreu. Ele teve sua carne rasgada e seu

sangue derramado; contudo, seu sofrimento para tornar-se a oferta perfeita não se deu

somente no momento de seu martírio. Como visto em sua superioridade sobre os ofertores do

Antigo Testamento em relação ao amor, Jesus deixou sua glória divina para ser tratado como

homem caído, embora nunca houvesse pecado. Ele deixou de lado o conforto celeste para

tomar sobre si as enfermidades, dores e limitações humanas. Sua vontade era recriar a

275
GRUNDEM, William. Teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2002, p. 445.
276
Charles Hodge, Teologia sistemática, p. 852. Esse ponto de Hodge tem a ver com o relacionamento do
homem com a lei de Deus. Por sua vez, Deus pode considerar uma lei já cumprida e não mais necessária,
como ocorre com o sacerdócio araônico; Deus o considera obsoleto, pois Cristo é sacerdote perfeito,
consituído por força de um juramento e não da lei.
105

natureza humana, conforme ensinou Paulo em Efésios 4.22-24,277 tornando-a nele a oferta

perfeita. Já os animais ofertados não poderiam fazer o mesmo, podendo, no máximo, perder

suas vidas.

2.2.1.1.2. A oferta foi superior por ter natureza divina

Assim como por sua natureza humana, Jesus foi superior às ofertas entregues pelo

sacerdócio levítico devido à sua natureza divina. Sendo Deus, o Mediador pode representar

mais de um homem por ter valor infinito. Ainda que algum outro ser humano fosse aceito por

Deus, ele poderia apenas representar um único ser humano, pois esse seria todo o seu valor.

Contudo, a divindade de Cristo conferiu valor infinito à sua oferta, permitindo-lhe representar

a todos quantos desejasse.278

Outro aspecto do valor da natureza divina do Redentor é a abrangência temporal e

numérica dos efeitos do sacrifício. Se Jesus não fosse Deus, sua oferta teria pouco valor e não

poderia substituir todos os crentes em toda a história, tão pouco superar a multidão de seus

pecados (Rm 5.12-21): “foi a natureza divina do Redentor que tornou possível o sacrifício de

uma vida em favor e no lugar de muitas vidas, e as salvou todas”.279 Isso significa dizer que,

não existem limites temporais que não possam ser transpostos pelo infinito valor da divina

oferta feita por Jesus.

A divindade de Cristo também o fez oferta superior de modo que pode suportar toda a ira

de Deus sobre si. Ainda que um homem fosse aceito para representar outro morrendo por ele,

esse jamais poderia suportar o peso da ira de Deus devido à multidão de pecados, e isso de

277
Cf. RICHARDSON, Alan. An introduction to the theology of the New Testament. New York: Harper and
Row, Publishers, 1958, p. 242.
278
Cf. Strong, Teologia sistemática, p. 353,354.
279
CAMPOS, Heber Carlos de. A pessoa de Cristo, as duas naturazas do redentor. São Paulo: Cultura Cristã, p.
115.
106

apenas um único homem. Contudo, Jesus é o sacrifício que suportou o peso de todos os

pecados daqueles que lhe fora dado pelo Pai. “Por essa razão, a natureza humana que levou o

castigo sobre si teve que ter o apoio da natureza divina.”280

Mesmos os grandes personagens da história bíblica não puderam satisfazer a Deus.

Como já foi visto, todos pecaram e envergonharam o nome do Senhor, mas todos eles viviam

na aliança com Deus, o que os colocou em Cristo. Como escreveu Paulo: “nos predestinou

para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua

vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado”

(Ef 1.5,6); ou seja, a graça de Deus é concedida por causa de Cristo. É para Cristo que seu

povo deve voltar os olhos, a fim de ter as promessas de Deus cumpridas em suas vidas, 281 pois

somente ele pode alcançá-las, sendo o único capaz de satisfazer a Deus, pelo fato de que

nenhum outro tinha natureza divina.

2.2.1.2. A oferta era superior por seu valor

A questão do valor da oferta de Cristo está muito próxima da questão das naturezas,

porque é dependente da dupla natureza do Redentor. Como já foi visto, nenhuma outra oferta

feita pelos antigos sacerdotes poderia ter o valor da oferta de Jesus, pois não eram homens

para que pudessem representar homens, e não eram divinas para ter o valor infinito.

De modo muito simples, a divindade e a humanidade deram a Jesus valor superior a

todas as outras ofertas. Arão e seus sucessores só ofereceram animais. Cristo ofertou-se e, por

sua humanidade, fez-se um verdadeiro representante daqueles que ofenderam a Deus. Além

disso, por sua divindade, possui valor infinito, capaz de satisfazer a Deus. A oferta não só

280
Idem, p. 7.
281
Cf. Calvino, Inst., III.2.32, p. 436.
107

alcançou o valor ideal para o propósito de alcançar a redenção e a reconciliação entre Deus e

os homens, mas também satisfez a justiça de Deus.

Como já foi abordado anteriormente, as ofertas entregues pelos antigos sacerdotes

tinham um importante papel na vida do povo de Israel. Contudo, a contínua necessidade de

sacrifícios mostra que tais ofertas não pagavam a dívida diante de Deus, evidenciando o

pouco valor delas. Por outro lado, por ter satisfeito a justiça de Deus, a oferta de Cristo não

necessita de repetição. Em quatro momentos, o autor da epístola aos Hebreus usa a expressão,

“de uma vez por todas” (evfa,pax, a[pax), em contraste com a repetição de sacrifícios

araônicos: 7.27; 9.12; 9.26; 10.1-10. A repetição é por causa do valor ínfimo das ofertas feitas

desde Arão, enquanto a oferta de Jesus, feita “de uma vez por todas”, mostra-se como a mais

valiosa e cabível possível. Portanto, não só a oferta de Cristo tinha o valor necessário, como

ele foi efetivamente usado e aplicado para pagar a dívida dos eleitos diante de Deus.

2.2.2. O sacrifício foi superior em seus Efeitos

O sacrifício de Jesus, além ter sido superior quanto à oferta, também o foi quanto aos

efeitos produzidos. Certamente, quando algo mais apropriado e de maior valor é entregue para

um determinado objetivo, produzirá resultados proporcionalmente superiores aos produzidos

por aquilo que é inferior.

Neste sentido, a oferta de Jesus produziu efeitos muito superiores aos das ofertas

entregues pelos antigos sacerdotes. Pode-se mencionar que o sacrifício de Jesus trouxe

liberdade do jugo da lei, assim com proporcionou reconciliação com Deus e tudo isso de

modo permanente. Dentre os muitos efeitos que poderiam ser citados, esses parecem englobar
108

os principais aspectos, ou melhor, benefícios que demonstram a superioridade dos efeitos

produzidos pelo sacrifício de Cristo.

2.2.2.1. Porque os efeitos trouxeram liberdade do jugo da lei

Na epístola aos Gálatas 5.1, Paulo escreveu: “Para a liberdade foi que Cristo nos

libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.”

Segundo Hendriksen, os destinatários dessa carta haviam deixado o paganismo e suas muitas

exigências, mas estavam sendo tentados a aderir aos judaizantes e se colocar sob um novo

jugo: da lei de Moisés.282 Nos versos posteriores, Paulo mostra quão profundamente errada é

essa atitude: “De Cristo vos desligastes, vós que procurais justificar-vos na lei; da graça

decaístes.” (v.4). Tais palavras têm tanto peso devido ao efeito do sacrifício de Cristo de

libertar o pecador do jugo da lei.

Ao entregar-se como sacrifício a Deus, Jesus tirou toda a necessidade de cumprimento da

lei com a finalidade de se alcançar justiça, ou salvação diante da ira de Deus. A lei que

estabelecia o derramamento de sangue como pena pelo pecado já foi cumprida “de uma vez

por todas” (Hebreus), e agir como se ela tivesse de ser cumprida novamente era ignorar toda a

obra de Cristo. Por este motivo é que Paulo diz “decair da graça” aquele que voltar-se para as

exigências da lei e circuncidar-se, o que funciona, no texto de Gálatas, como um símbolo de

que a pessoa estava vivendo de acordo com as exigências da lei.283 Paulo não desmereceu o

papel da circuncisão. Ele apenas ensinou que tal prática já havia acabado com a vinda de

Cristo. Ela teve seu lugar, mas em Cristo circuncisão ou incircuncisão são iguais, pois o que

conta é a fé nele.284 Aqui há uma tensão entre o peso do jugo da lei, que escraviza o homem

282
Cf. HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento, Gálatas. São Paulo: Cultura Cristã, 1999, p.
278,279.
283
Cf. STOTT, John W. A mensagem de Gálatas. São Paulo: ABU, 2000, p. 122.
284
Cf. CALVINO, João. Gálatas. São Paulo: Paracletos, 1998, p. 156.
109

pois não consegue cumprí-la, e a graça de ter Cristo como justificador pessoal que cumpre

todas as exigências da lei e satisfaz a justiça divina no lugar do homem. John Stott dá uma

boa explicação para essa tensão quando escreveu:

Em outras palavras, devemos desfrutar a gloriosa liberdade de consciência que Cristo comprou para
nós através do perdão. Não devemos cair na idéia de que temos de ganhar a nossa aceitação junto a Deus
através da obediência. O quadro parece ser o de um boi arcado sob um pesado jugo. Uma vez libertado
desse jugo esmagador, ele tem a capacidade de erguer-se novamente (cf. Lv 26.13).
O mesmo acontece na vida cristã. Uma vez estivemos sob o jugo da lei, subjugados por exigências
as quais não tínhamos capacidade de atender, como também por sua terrível condenação por causa de
nossa desobediência. Mas Cristo atendeu às exigência da lei em nosso lugar. Ele ‘nos resgatou do jugo da
lei’ (Gl 3.13). E agora removeu o jugo de nossos ombros e nos libertou para que pudéssemos ficar de
cabeça erguida.285

Segundo Stott, o que crê em Cristo está livre da obrigação de seguir uma lei, para

alcançar a salvação, que lhe é impossível cumprir, mas também se vê livre da morte que é a

condenação prevista na lei para aqueles que a descumprem. Os sacrifícios araônicos não

podiam produzir tais efeitos. Como já foi visto, os animais não eram homens, de modo que,

nem mesmo a lei poderiam cumprir, portanto, não poderiam retirar esse jugo de sobre os

crentes. Tão pouco aqueles sacrifícios poderiam livrar o ofertante da morte, pois, como não

tinham o valor necessário, não satisfaziam a justiça de Deus, mantendo a necessidade de

derramamento de sangue.

Em Cristo, a morte perde seu domínio sobre aqueles que estão nele. Romanos 6.9 diz que

“a morte já não tem domínio sobre ele (Cristo)”, e pelo desenvolvimento do texto esse fato é

aplicado aos crentes mostrando que, em Cristo, eles não mais recebem o salário do pecado, a

morte (6.23a). Hendriksen salienta que a palavra “salário” (ovyw,nia) tem um sentido

militar, o que torna o salário como um soldo para aquele que serve o general, no caso, o

pecado.286 Tal idéia comunica bem a noção de que há um peso sobre aquele que recebe o

salário, mostrando que é dominado por algo. Contudo, tal domínio é dissipado por Cristo que,

contrastando com o salário que é a morte, provê o dom gratuito que é a vida eterna (Rm

6.23b).

285
Ibid., p. 121.
286
Cf. Hendriksen, Romanos, p. 276.
110

Sendo o sacrifício que morreu e ressuscitou, Jesus venceu a morte e aquele que tinha o

domínio sobre a morte, “à saber, o Diabo” (Hb 2.14). O aguilhão da morte, o pecado, aquele

que fere a todos, foi vencido por Cristo, e, unidos a ele, aquele aguilhão pode ser retirado,

juntamente com a servidão do pavor da morte.287 “Redenção – a morte de Cristo por nós – é,

portanto, fundamental, diz Paulo, para entrar na nova vida – Cristo vivendo em nós – a qual é

totalmente livre da penalidade do pecado e também significativamente livre de seu poder

dominador sobre nós.”288

Os sacrifícios de Arão e seus sucessores tinham sua importância. Contudo, seus efeitos

não podem ser comparados aos efeitos do sacrifício de Jesus. Somente ele com sua oferta de

vida, poderia dizer: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos

aliviarei.” Jesus é aquele que alivia do peso da lei e traz real salvação e esta, como defende

Alan Richardson, “é obtida apenas pela resposta obediente da fé à proclamação da ação de

Deus em Jesus Cristo.”289 A única obra que resta ao homem é crer, o que também é um dom

de Deus (At 11.18, 16.14; Fl 1.29, 2.12-13), o qual só pode ser usufruido por aqueles que

foram libertos do jugo da lei.

2.2.2.2. Porque os efeitos proporcionaram reconciliação com Deus

Um estudo superficial do Antigo Testamento levará a pessoa a entender que os

sacrifícios realizados pelos sumo sacerdotes aplacavam a ira de Deus. Contudo, relembrando

Romanos 3.25, vê-se que, na verdade, o que aplacava a ira de Deus era o fato dele já ter

determinado manifestar sua justiça em Cristo Jesus, ou na descrição de João: “Cordeiro que

foi morto desde a fundação do mundo” (Ap 13.8). O que significa que Jesus foi eleito para a

287
Cf. John Murray, Collected writings, p. 39.
288
Frank A. James III, The atonment in the life of the christian and the church, in: The glory of atonement.
Downers Grove, p. 411.
289
Alan Richardson, An introduction to the theology of the New Testament, p. 24.
111

missão de ser o cordeiro imolado já na eternidade, 290 o que foi levado em consideração por

Deus já no Antigo Testamento, devido à certeza da realização histórica de seu decreto.

John Murray fez uma boa explicação mostrando a relação do pecado, da ira de Deus, da

alienação de Deus e da reconciliação em Cristo:

O pecado envolve culpa e a morte de Cristo é a provisão por nossa culpa. Pecado evoca a ira de
Deus e propiciação é o que concilia a ira de Deus. Pecado aliena-nos de Deus e reconciliação é dirigida à
exigência surgida do pecado. O pecado nos confia à servidão dele mesmo e a de Satanás. Redenção é a
provisão para esta servidão, a morte de Cristo é nosso resgate.291

Para todas as necessidades e deficiências causadas pelo pecado, o sacrifício de Cristo é a

provisão correta para resolvê-las. Não há nada mais adequado para pôr fim à alienação entre

Deus e o homem causada pelo pecado do que Jesus. Em seu sacrifício ele trouxe paz entre

Deus e os justificados: “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de

nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5.1). É simples observar nesse verso que a paz não veio por

nenhum outro caminho que não Cristo, diante disto, ouvi-lo dizer: “Eu sou o caminho” (Jo

14.6); passa a ter muito mais sentido.

De fato, é somente por meio do sacrifício de Jesus que a paz com Deus pode ser

estabelecida na vida de homens que outrora estavam “mortos em seus delitos e pecados”, que

andavam “segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito

que agora atua nos filhos da desobediência” (Ef 2.1,2). Sem os efeitos do sacrifício de Cristo

em sua vida, o homem só pode andar segundo as “inclinações” da carne, fazendo sua vontade,

confirmando a natureza de filho da ira (Ef 2.3). Em Cristo a paz é estabelecida (Rm 5.1). As

inclinações, outrora segundo a carne, portanto contrárias a Deus, voltam-se a ele, a ponto de

levar os que eram inimigos de Deus – pois se há paz agora é porque houve guerra – a

assentar-se nos lugares celestiais, em Cristo (Ef 2.4-6).

Os efeitos da reconciliação produzidos pelo sacrifício de Cristo são tão profundos que,

além da paz com Deus, o pecador pode ser adotado por ele se estiver em Cristo. A Confissão
290
Cf. KISTEMAKER, Simon. Comentário do Novo Testamento, Apocalipse. São Paulo: Cultura Cristã, 2004,
p. 486.
291
John Murray, Collected writings, p. 38.
112

de Fé de Westminster ensina o seguinte sobre a adoção:

A todos os que são justificados, Deus se digna fazer participantes da graça da adoção em e por seu
único Filho Jesus Cristo. Por essa graça, eles são recebidos no número e gozam liberdade e privilégios
dos filhos de Deus, têm sobre si o nome dele, recebem o Espírito de adoção, têm acesso, com ousadia, ao
trono da graça, e são habilitados a clamar: “Abba, Pai”; são tratados com piedade, protegidos providos e
corrigidos por ele, como por um pai; nunca, porém, abandonados, mas selados para o dia da redenção, e
recebem as promessas como herdeiros da eterna salvação.292

A Confissão de Fé acertadamente relaciona a justificação com a adoção, pois essa só

pode existir se aquela se estabelecer. Dentro do estabelecimento da reconciliação, além da paz

com Deus, Cristo proporciona a adoção de seus justificados, que passam a ser seus irmãos,

tornando-o o primogênito entre muitos irmãos (Rm 8.29). Não há outro meio para ser adotado

por Deus senão estar em Cristo. Em Efésios 1.5 Paulo deixou claro que a adoção está

predestinada desde a eternidade a ser realizada em Cristo. O período dos sacrifícios araônicos

passou e somente o sacrifício de Cristo traz justificação.

Mais uma vez, a superioridade de Cristo quanto sua relação com o Espírito Santo pode

ser aplicada, pois também na adoção se vê sua ação. É por meio da ação do Espírito que os

filhos de Deus podem clamar “Abba Pai” (Rm 8.12-17), e como já visto, é

cristocentricamente que o Espírito age nos servos de Deus. Por mais este fato, portanto, vê-se

a superioridade do sacrifício de Cristo, pelo qual há reconciliação com Deus, resultando na

adoção, aplicada pelo Espírito da adoção.

2.2.2.3. Porque os efeitos são permanentes

Os efeitos do sacrifício de Cristo também são superiores aos de Arão e seus sucessores

por serem permanentes. A declaração do autor de Hebreus ao descrever a contínua

necessidade de sacrifício do sacerdócio levítico, contrastada com o sacrifício de Cristo feito

de uma vez por todas (Hb 7.26-28), o que evidencia mais esta superioridade dos efeitos do

sacrifício de Cristo.

292
CFW, XII,I, p. 70.
113

O sacerdócio levítico foi caracterizado pela constante necessidade de apresentar

sacrifícios. Os sacerdotes eram imperfeitos, pecadores, e suas ofertas eram igualmente

inadequadas para alcançar a justiça divina, sendo assim, o derramamento de sangue era

constante e ineficaz. Jesus ofereceu o sacrifício que não precisou de repetição, pois seus

efeitos duram eternamente, pois são eficazes no propósito de satisfazer a justiça de Deus. Em

Hebreus 9.12, o autor diz que Cristo não derramou sangue de bodes e bezerros, mas o seu

próprio, o qual alcançou de uma vez por todas a redenção, sendo esta caracterizada como

eterna, ou seja, um único sacrifício obteve efeitos eternos. Por outro lado, os sacrifícios

ineficazes para estabelecer justiça, tinham o papel de conduzir a pessoa a Cristo,293 mas,

mesmo nesse propósito, eles foram falhos, ou insuficientes, tendo em vista que Cristo veio e

foi rejeitado por seu próprio povo. Portanto, Jesus é superior em seu sacrifício também por ter

esses efeitos permanentes por toda a eternidade.

3. A SUPERIORIDADE DO OFÍCIO REAL DE CRISTO,

JESUS É MAIOR QUE DAVI

Diversas declarações bíblicas apontam para o ofício real de Cristo. Contudo, para a

correta abordagem deste ofício é necessário que se diferencie o Filho como rei, devido sua

divindade, e devido à sua humanidade. Strong disse que o ofício real

293
Cf. João Calvino, Hebreus, p. 231.
114

deve ser distinto da soberania que Cristo possuía em virtude da sua natureza divina. O reinado de
Cristo é a soberania do Redentor divino-humano que lhe pertencia por direito desde o momento do seu
nascimento, mas que foi exercido plenamente a partir da sua entrada para o estado de exaltação.294

Por outro lado, Berkhof lembrou que o reinado do Filho como Deus e seu reinado

outorgado por ser o Redentor sempre pertenceram a ele. Ele explicou que esse último é parte

do primeiro, mas como uma nova forma, sendo administrado para um novo fim.295 Isso

significa dizer que o Filho sempre teve o mesmo poder. Contudo, ao ter se encarnado, o

Redentor teve de ser aperfeiçoado em sua natureza (Hb 2), tanto para que pudesse ser o

profeta e sacerdote perfeitos, quanto para ser o rei perfeito.

O fruto desse aperfeiçoamento, visto no reinado de Cristo, é que será comparado com o

reinado de Davi. Este foi um valoroso rei de Israel, que estabeleceu um reinado de obediência

e busca da glória de Deus. Mesmo assim, em muitos momentos demonstrou que só poderia

ser sombra do grande rei de Israel, o qual conduziria seu povo a Deus.

Para esclarecer tal comparação, serão abordados três aspectos do reinado de Jesus em

comparação com o de Davi. Essa comparação será feita quanto ao domínio, o poder e o

tempo de reinado de Cristo com os de Davi.

3.1. Jesus é superior em seu domínio

“Toda autoridade me foi dada no céu e na terra” (Mt 28.18)

Por domínio deve-se entender o reino de Cristo. Portanto, o que será abordado nesta

seção são as fronteiras ou o alcance do governo de Jesus. Para tanto, esse verso do evangelho

de Mateus apresenta de forma simples e abrangente tais fronteiras. De acordo com o texto,

294
Strong, Teologia sistemática, p. 466,467. Ver também Berkhof, Teologia sistemática, p. 407.
295
Cf. Berkhof, op. cit., p. 407.
115

não há fronteiras; Cristo declara-se senhor de toda a criação. Diante do tamanho de seu

domínio já é possível ver sua superioridade sobre Davi.

Lembrando da promessa de Deus para Abraão, portanto, a Israel, quanto à terra

prometida (Gn 15.18), a mesma tinha fronteiras definidas. Elas limitaram o reinado de

qualquer um que viesse a se tornar rei de Israel. Nenhum rei teria um reinado maior do que o

prometido por Deus. Na verdade, nem mesmo o rei Davi, que foi um grande líder militar,

conseguiu conquistar toda a terra que fora prometida por Deus. Nesse sentido, portanto, vê-se

que o domínio de Cristo é em muito superior ao de Davi.

Por outro lado, algumas situações na vida de Jesus parecem contradizer o que o texto de

Mateus 28.18 diz. Sendo o rei que domina sobre tudo e todos, Jesus diversas vezes pediu para

que seu poder não fosse revelado por aqueles que experimentaram algum milagre realizado

por ele. Foi assim com o leproso (Mt 8.4), também com os cegos (Mt 9.30), e ainda com ele

mesmo, ao abster-se de pedir ao Pai que enviasse legiões de anjos para socorrê-lo (Mt

26.53).296 Parece estranho que aquele que diz de si mesmo ter todo o poder não queira que o

mesmo seja visto por todos. Contudo, segundo Hendriksen, é exatamente isso que Jesus

desejou a fim de esperar o momento certo: “É a investidura de Cristo ressurreto com essa

soberania sem restrições e universal que Jesus agora reivindica para si e que especialmente

dentro de uns poucos dias, depois de sua ascensão ao céu, começa a exercer.”297 O momento

certo, então, seria após a ressurreição de Jesus, quando ele completaria sua vitória sobre

aquele que tinha o poder sobre a morte, o Diabo, e ascenderia ao céu para assentar-se à direita

de Deus (Rm 8.34; Cl 3.1; Hb 1.3).

Diante disto, então, vê-se que a única restrição do domínio de Cristo foi a auto-imposta,

e, mesmo assim, passageira. Jesus sempre teve todo poder em suas mãos, visto que é Deus,

mas queria cumprir seu papel como Mediador da aliança como um homem, para então exercer

296
Cf. HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento, Mateus, vol. II. São Paulo: Cultura Cristã,
2001, p. 698.
297
Hendriksen, Mateus, vol. II, p. 699.
116

todo o poder que era dele por direito e outorgado a ele por comissão, ao ter cumprido sua

missão quanto aos seus ofícios profético e sacerdotal e, então, ascendido aos céus.

Ainda que o domínio de Cristo seja sem fim sobre toda a criação, não é evidente para

todos que ele exerce esse domínio. Mesmo estando à destra do Pai por ter cumprido toda a sua

missão (Hb 1.3), Jesus ainda não é reconhecido por todos como o senhor de todas as coisas

(Cf. Hb 2.8). Esse fato está relacionado, como se segue, com a natureza espiritual do domínio

de Cristo. As seções seguintes visam abordar os aspectos pormenorizados de seu domínio,

mostrando que, devido à sua natureza, à forma de sua ascensão ao poder e ao exercício desse

poder, o domínio de Jesus é superior ao de Davi.

3.1.1. Jesus é superior devido à natureza do domínio

Por natureza entende-se aquelas características mais básicas que definem o domínio de

Cristo. No caso, o domínio do Redentor se estende tanto espiritual, quanto fisicamente.

Dentro dessas características, o domínio de Jesus se revela superior ao de Davi devido a

alguns aspectos que abrangem a extensão e a eficácia do ofício real sobre seus domínios.

Portanto, segue-se uma investigação sobre os aspectos que mostram a superioridade de Cristo

sobre Davi em seu domínio espiritual e físico.

3.1.1.1. O domínio superior de Jesus é de natureza espiritual

O primeiro aspecto quanto à natureza do reino de Cristo em comparação ao de Davi é

que o reino de Cristo é espiritual. Os méritos de Cristo, que o levaram a ser o rei de seu reino,

estão ligados à realidade espiritual da vida humana, enquanto o reino dado graciosamente a
117

Davi só lhe deu soberania limitada sobre seus súditos. O domínio espiritual de Jesus lhe

possibilitou conduzir verdadeiramente seus súditos de acordo com sua vontade. Por mais

poderoso que Davi pudesse se tornar, ele não teria poder pleno sobre a vida espiritual de seu

povo, ainda que como líder tivesse alguma influência.

Os reis de Israel tinham o papel de conduzir o povo de Deus em seus caminhos,

conforme pode ser visto no glossário. A influência destes sobre a vida espiritual do povo era,

basicamente, a de manter a lei de Deus como o regimento do reino e de manter uma conduta

compatível com essa lei, a fim de ser exemplo. Sendo assim, Davi poderia fazer muito pouco

quanto à vida espiritual de seus súditos, se comparado com Cristo, podendo, no máximo,

buscar manter o pacto com Deus como a lei reguladora de seu reino. Isso, no entanto, não

garantia que ele estivesse conduzindo seus súditos a Deus, pois servia como um controle

puramente externo, já que Davi jamais teve acesso ao interior de seus súditos.

Por sua vez, Cristo é aquele que tem um domínio espiritual. De acordo com Berkhof,

esse reino espiritual “é o governo mediatário [sic] estabelecido nos corações e nas vidas dos

crentes. Ademais, ele é espiritual porque leva direta e imediatamente a um fim espiritual, a

salvação do Seu povo.”298 Isso significa que, no intuito de manter o pacto e conduzir o povo

de Deus a ele mesmo, Jesus tem a melhor situação e condições de fazê-lo, pois seu reino é de

natureza espiritual e alcança áreas da vida de seus súditos as quais Davi não alcançou, pois

este é limitado por sua pecaminosidade e pela natureza puramente física de seu reino.

Um aspecto interessante do reino espiritual de Cristo é o seu relacionamento com as

coisas materiais. Diferentemente dos os reis terrenos, Jesus não se valeu dos tesouros da terra

para tornar-se rei. Observando bem os dias do Redentor na terra, é possível ver que ele não

tinha nenhum tesouro ou bens, nem mesmo onde reclinar a cabeça (Mt 8.20). Ele nasceu num

estábulo e foi colocado numa manjedoura que não eram dele (Lc 2.1-7); comia na casa de

seguidores (Lc 19.5); usou uma jumenta emprestada para sua entrada triunfal em Jerusalém
298
Berkhof, Teologia sistemática, p. 407.
118

(Mt 21.2-10) e até foi sepultado num túmulo que não era dele (Mc 15.45,46). Ninguém diria

que tão miserável vida era a de um rei. No entanto, Jesus mostrava-se como o rei de um reino

poderoso que iria julgar a todos (Lc 22.29,30), um reino que não é deste mundo, do contrário

seu poderio bélico teria tentado libertá-lo das mãos dos judeus (Jo 18.36). Jesus nunca buscou

os meios terrenos para estabelecer seu reino, pois este é espiritual.

A superioridade de tal reino mantém-se até os dias de hoje. O poderio de Davi já passou,

e não fosse a Bíblia não se teria muitas notícias de sua existência, pois foi sobrepujado por

outros reinos deste mundo. Por outro lado, o reino de Jesus, por ser de natureza espiritual, é

superior, pois pode ser visto desde o primeiro homem que creu e viveu no pacto de Deus,

Adão, e mostra-se ainda mais claramente no clamor daqueles que disseram: “Hosana ao Filho

de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas maiores alturas!” (Mt 21.9); e

ainda pode ser visto em sua igreja hoje, a qual ele governa.

Através desse governo também se pode ver o domínio espiritual de Jesus. Ele governa

sua igreja não por meio da força de armas, ou por decretos escritos à pena, ou ainda pela

posse de muitos tesouros, mas subordinando as almas dos eleitos ao seu governo espiritual e

dirigindo todas as coisas para o bem deles (Rm 8.28).299 Ele conquista essas almas não por um

poder bélico, mas lutando contra as fortificações internas da mente de um pecador, que lutam

contra o avanço do evangelho.300 Porém, se ele conduz todas as coisas para o bem dos seus,

então seu domínio também inclui a esfera física da existência – o que será exposto adiante.

Por sua vez, Davi, por ter um governo quase que exclusivamente civil, ou físico, que não

diferenciava os crentes dos incrédulos, ou os circuncisos de coração dos incircuncisos, não

pôde alcançar os melhores resultados no intuito de conduzir seu povo na aliança. Ele não

conseguiu conduzir-se perfeitamente na aliança, quanto mais a seus súditos. A superioridade

do reino espiritual de Jesus se vê no fato dele agir nos corações dos pecadores, podendo unir

299
Cf. Flavel, The works of John Flavel, vol. I, p. 199.
300
Cf. Ibid., vol. I, p. 199.
119

todo o seu povo, onde quer que esteja, expandindo seu domínio até o ponto desejado, por ter

ele cumprido todas as postulações da aliança, da qual ele é o Mediador. Para isso, ele usa tudo

o que existe para que gere o bem à sua igreja (Rm 8.28).

3.1.1.1.1. Superioridade em relação à extensão do domínio espiritual

Dentro de suas atribuições reais, Davi exercia algum domínio espiritual sobre Israel. O

mesmo, no entanto, definia-se apenas em sua influência sobre seus súditos, seja na

manutenção do pacto, ou ao registrar a revelação de Deus vista nos salmos. Ainda que Davi

pudesse obrigar a nação a ser reconhecida como o povo do pacto, isso não garantia que seus

súditos se vissem como povo da aliança, ou que a aceitassem como padrão de vida. Isso

significa dizer que o fato de seus súditos serem externamente identificados com o pacto não

implicava serem eles internamente seguidores do pacto.

Em sua própria vida Davi demonstrou fraquezas espirituais. Essas fraquezas trouxeram

grandes problemas ao seu reino. Na ocasião de seu adultério com Bate-seba, enquanto seu

exército estava na batalha, Davi estava em seu palácio e, tendo acordado tarde, viu a esposa

de Urias, cobiçou-a e consumou seu desejo pecaminoso (2Sm 11.1-4). Outra ocasião foi a

revolta de seu filho Absalão (2Sm 15). Nesse caso, a fraqueza de Davi em deixar de perseguir

um assassino (2Sm 13.39) lhe impediu de fazer valer a lei de Deus. Em tudo isso se vê que o

rei Davi, mesmo tendo experimentado muitas vitórias, possuía fraquezas espirituais que o

tornavam inapto para ter um governo espiritual plenamente eficaz.

Esse fato restringia muito o domínio espiritual de Davi sobre seu povo, definindo-o

como uma simples influência, ainda que de muito valor. Por sua vez, Jesus exerceu um

domínio espiritual muito mais extenso sobre seus súditos. Ele exerce domínio total sob seus
120

súditos, de modo que os conduz pelo caminho correto. Ele faz muito mais do que

simplesmente influenciar, ele efetivamente controla a seus discípulos e domina sobre todos os

aspectos de suas vidas. Esse domínio, contudo, será mais bem abordado na seção sobre o

exercício do poder, mas para esta seção pode-se entender que Jesus é superior a Davi na

extensão de seu domínio espiritual pois governa áreas da vida de seu povo as quais Davi

jamais teve alcance, como será descrito na seção seguinte.

3.1.1.1.2. Superioridade em relação à eficácia do domínio espiritual

Cristo é aquele que alcança todo o território que lhe está proposto. Lembrando do que foi

trabalhado na seção anterior, seu território é essencialmente espiritual; portanto, seu domínio

se dá no coração dos crentes. Para aferir o alcance do domínio de Cristo é necessário, então,

avaliar sua obra de conquista de território, ou de alcance de vidas. Quanto a esse alcance Jesus

disse: “Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o

lançarei fora… Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o

ressuscitarei no último dia.” (Jo 6.37,44) Nesses versos fica evidente que o território a ser

alcançado por Jesus são pessoas. Além disso, essas pessoas lhe são dadas pelo Pai e todas

chegam às suas mãos, e ele não perde nenhuma delas (Rm 8.38,39).

O domínio de Jesus é superior ao de Davi, pois, sendo espiritual, reúne todos aqueles que

são verdadeiros súditos. Na história de Davi é possível encontrar momentos em que pessoas

se levantaram contra ele, inclusive dentro de sua própria casa (2Sm 15). Contudo, por ser

espiritual, o domínio de Jesus não possui traidores, pois todos os seus súditos são sustentados

por ele, sendo afastados da iniqüidade, impedidos de andarem em seus próprios caminhos e

ajudados diante da tentação (1Co 10.13).301


301
Cf. Flavel, The works, vol. I, p. 204. Doravante The works.
121

Como um governador espiritual, Jesus foi, e é eficazmente perfeito. Todos os que lhe são

dados chegam às suas mãos e tornam-se governados por esse Rei perfeito. Além disso, seu

domínio, mesmo naqueles que já estão sob seu governo, progride tornando-se ainda mais

abrangente. Essa progressão é o desenvolvimento da salvação por meio da santificação até a

glorificação. Portanto, Cristo está aumentando seu domínio a cada avanço de sua obra na vida

de um súdito. O avanço do domínio de Jesus em um súdito é de tal forma que a vida deste é a

vida de seu Rei, conforme descreveu Paulo: “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou

eu quem vive, mas Cristo vive em mim” (Gl 2.19b,20a).

Como foi abordado anteriormente, o rei era o responsável por conduzir o povo da aliança

em seus termos. Isso era feito através de seu exemplo em seguir as leis de Deus e em

estabelecer a justiça em seu reino por meio dessa mesma lei. Contudo, houve reis que foram

retos diante de Deus, mas que não conseguiram evitar que no meio de seu povo existissem

ímpios. Também houve reis que não andaram em retidão, agravando o estado de pecado no

meio do povo. Seja como for, nenhum deles poderia proclamar-se um vitorioso em conduzir o

povo de Deus nos caminhos do pacto.

A fidelidade que não foi possível ser implantada no povo de Deus por meio dos reis do

Antigo Testamento, o foi pela ação de Cristo. Há muito pouca participação de qualquer rei ou

oficial do Antigo Testamento na fidelidade do povo a Deus. Por mais que tenham se

esforçado, eles não tinham o alcance e a eficácia de Jesus. Somente através do Rei dos reis é

que o objetivo real de conduzir o seu povo a Deus se concretiza. Como já foi abordado, o

próprio rei Davi demonstrou suas fraquezas e sua incapacidade em manter-se perfeito no

cumprimento da lei de Deus.

Além de Davi, o grande rei Salomão, conhecido por sua sabedoria, e por sua riqueza,

também não conseguiu andar perfeitamente nos caminhos do Senhor. Ele adulterou (1Rs

11.3), e abriu as portas do reino à idolatria (1Rs 11.4-8). Tudo isso mostra a fraqueza dos
122

antigos reis, que, em muitas situações não conseguiram se manter nas leis de Deus, muito

menos conduzir seu povo nelas. Isto aponta para a pequena ou mesmo nula eficácia do seu

governo espiritual sobre o povo.

Jesus, no entanto, é o rei que conduz seu povo de modo a não perder nenhum súdito.

Somente ele foi capaz de cumprir totalmente o pacto, satisfazendo a Deus e garantindo a

salvação daqueles sobre os quais ele estende seu reino espiritual. O catecismo de Heidelberg

diz: “Como Rei, ele nos governa por sua Palavra e Espírito e nos protege e guarda na salvação

que conquistou para nós”302 Jesus é o rei santo tratado como pecador, para que seus súditos

fossem tornados justiça diante de Deus (2Co 5.21). Nenhum outro rei poderia ter feito isso,

pois nenhum tinha justiça própria a ser dedicada a Deus. Todos eram pecadores e apenas

sombras do grande Rei dos reis.

Jesus é o rei que ressuscitará no último dia todas aqueles que o Pai lhe deu, não perdendo

ou lançando fora nenhum deles. Isso significa dizer que aqueles sobre os quais Jesus

estabelece seu reino jamais se desviam do caminho que lhes foi proposto. Essa verdade tem a

ver com a doutrina da perseverança dos santos, conforme é descrita pela Confissão de Fé de

Westminster: “Os que Deus aceitou em seu Bem-amado, eficazmente chamados e santificados

pelo seu Espírito, não podem cair do estado de graça, nem total nem finalmente; mas com

toda a certeza hão de perseverar nesse estado até ao fim, e estarão eternamente salvos.”303

Adiante continua a CFW:

Esta perseverança depende, não do próprio livre-arbítrio deles, mas da imutabilidade do decreto da
eleição, precedente do livre e imutável amor de Deus Pai, da eficácia do mérito e intercessão de Jesus
Cristo, da permanência do Espírito e da semente de Deus neles, da natureza do pacto da graça e de tudo o
que gera também a sua exatidão e infalibilidade.304

Cristo preserva seu povo de várias outras formas.305 Ele é o rei que o liberta do peso de

ter de obedecer a lei para alcançar a salvação, e o coloca sob a direção do Espírito (Gl 5.18).

302
BRÈS, Guido de. Confissão de fé e catecismo de Heidelberg. São Paulo: Cultura Cristã, 1999, p. 48.
303
CFW, XVII,I, p. 89.
304
Confissão de fé de Westminster,, p. 89,90, XVII,II.
305
Cf. John Flavel, The works, p. 206,207.
123

Também liberta seu povo do domínio do pecado e de seu salário: a morte (Rm 6.14,23). Além

disso, ele dá proteção nos perigos (Jo 17.12), carrega as cargas e enfermidades de seus súditos

(Is 42.11; Mt 11.29), traz paz sobre a vida deles (Rm 14.17) e, finalmente, faz tudo cooperar

para a salvação deles.

Por todas essas razões Jesus foi superior a Davi quanto à eficácia de seu reinado. Davi

foi um rei valoroso, com o coração convertido ao Senhor, porém, sua conduta mostrou que

não tinha como dirigir seu povo até seu Deus. Ainda que em seu tempo o povo fosse dedicado

às coisas de Deus, somente Jesus pôde dizer que nenhum súdito do reino seria perdido, que

todos seriam conduzidos ao Senhor, como era seu objetivo.

3.1.1.1.2.1. A obra do Espírito Santo na eficácia do domínio de Cristo

Dentro deste governo sobre sua igreja há outro fator que aponta para a natureza espiritual

do reino de Cristo como sendo superior ao reino de Davi, que é a ação do Espírito Santo sobre

seus súditos.306 Conforme já foi exposto, Jesus foi ungido com o Espírito sem medida e isso

estabelece uma ligação intrínseca entre a obra do Redentor e a obra pneumatológica. Dentre

as ações do Espírito como sendo o Espírito de Cristo estão aquelas que estabelecem o reino de

Cristo nos corações de seus súditos (At 2.41, 5.14, 6.7, 8.14, 11.24; Rm 8.2,7-9,15; 2Ts

2.13,14). Além disso, ele intercede diante da debilidade dos crentes (Rm 8.26), dá dons a eles

para que edifiquem o corpo de Cristo (Rm 12.3-8; 1Co 12; Ef 4.7-14) e abre-lhes o

entendimento das coisas espirituais (1Co 2.14) e, principalmente, habita neles (1Co 6.19). Por

ser o Espírito de Cristo, seu trabalho é manter o reino do Filho operante no coração dos

súditos do grandioso Rei.

306
Cf. Berkhof, Teologia sistemática, p. 407.
124

Por esta razão, é que Jesus ainda não é reconhecido como sendo o Senhor de toda a

criação. Pela ação pneumatológica, o domínio espiritual do Redentor não possuir traidores, de

modo que seu reino se desenvolve e avança de modo sutil, através da soberania do Redentor

que move o mundo por meios plausíveis, ou razoáveis, que não causam espanto ou chamam a

atenção para seu avanço.307 Isso significa dizer que, Cristo exerce seu controle sobre as coisas

sem violentar a ordem natural delas, ou mesmo sem forçar as volições humanas, orientando

tudo de acordo com sua vontade, governando as situações, o que inclui as escolhas das

pessoas.308 O avanço do Reino de Cristo, então, parece ser algo puramente humano, um

simples fenômeno social. Esse domínio espiritual só irá manifestar-se a todos os seres

humanos como o governo definitivo e soberano de toda a criação no fim, quando todo joelho

se dobrar e toda língua confessar que Jesus Cristo é o Senhor (Fl 2.10).

3.1.1.2. O domínio superior de Jesus é de natureza física

O reino de Cristo (que é o reino de Deus) não tem preocupação territorial, pois ele diz

respeito mais ao modo de Deus governar. Todavia, a extensão territorial não pode ser

desprezada, porque o universo tem conotações territoriais. Portanto, não é errado mencionar a

superioridade do domínio físico de Jesus sobre o de Davi.

3.1.1.2.1. Superioridade em relação à extensão do domínio físico

Em termos de extensão, ou simplesmente de tamanho, o reino de Cristo também superou

ao de Davi, bem como ao de qualquer outro rei. Mais uma vez vale a pena lembrar que

nenhum rei de Israel conseguiu conquistar toda a terra que foi prometida por Deus a Abraão.

307
Cf. Ibid., p. 206.
308
Cf. PERMAN, Matt. The consistency of divine soverignty and human accountability. Disponível em
www.monergism.com, acessado em 18/09/2003.
125

Ainda que nos tempos de Josué Deus tenha cumprido sua promessa de dar a Israel a terra de

Canaã (Js 21.43), a infidelidade do povo o fez perder territórios. Nem mesmo Salomão, que

teve um reino ainda maior que o de seu pai, conseguiu alcançar todo o território descrito na

promessa a Abraão (Gn 15.18-21). Ainda que qualquer rei de Israel, incluindo Davi, tivesse

conquistado todo o território prometido, a extensão do domínio seria menor que o de Cristo.

O domínio de Cristo em termos físicos é parte seu plano de conquista, pois ele precisa ter

domínio sobre toda a criação, para que ele seja concretizado. Como Rei, Jesus demonstrou

que seu domínio atinge esferas não atingíveis por Davi, ou seja, o seu domínio é absoluto

sobre os elementos da natureza (Mt 8.26), sobre as doenças que ele curou, sobre os reis da

terra e seus domínios, e todas as outras potestades, incluindo as espirituais. Por isso, pode-se

dizer que o domínio de Cristo se estende sobre territórios jamais alcançáveis para Davi, ou a

seus sucessores. Nenhum deles pode curar, habitar o interior de um homem ou controlar os

elementos da natureza, ou mesmo dominar todos os reinos da terrra, muito menos as

potestades espirituais no cumprimento do seu ofício. Portanto, Jesus é rei superior a Davi por

ter um domínio de extensão jamais imaginada por seus antecessores do Antigo Testamento.

3.1.1.2.2. Superior em relação à eficácia do domínio físico

É interessante também abordar a questão da eficácia do domínio físico de Davi em

comparação ao do Redentor. Davi foi um rei de muitas vitórias, alcançou grande parte do

território prometido por Deus, mas, ao ser comparado com Jesus, seu domínio físico é

inferior. Por melhor rei que fosse, Davi não pôde evitar revoltas dentro de seu reino, inclusive

dentro de sua própria casa. Ele, claramente, não tinha pleno domínio absoluto sobre seu

território.
126

Por outro lado, Jesus o tem. A Bíblia é repleta de declarações clara sobre o total controle

de Cristo sobre seu reino. Em particular, Romanos 8.28 mostra esse domínio de modo bem

abrangente: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus,

daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. A segurança do apóstolo Paulo de que

todas as coisas cooperam para o bem dos que amam a Deus está no fato de que Jesus é o rei

que domina sobre todas as coisas, e mostrou esse domínio ao realizar toda a obra de redenção

de forma tão definitiva e segura que nenhum ser da criação pode mudar o que foi feito por ele

(Rm 8.31-39).

Além disso, Jesus é o rei que domina in loco. O fato de Davi não ter domínio pleno sobre

seu território está intimamente ligado à limitação espacial de sua presença. Ele não poderia

estar em todos os lugares de seu reino, junto a seus súditos, observando e controlando o que

acontecia. Por sua vez, Jesus, por dominar internamente em seus súditos, pode estar em todos

os lugares por onde se estende seu reino. Desta forma, Jesus é superior a Davi na eficácia de

seu domínio físico por estar em todos os seus súditos, pela habitação do Espírito.

Além disso, Apocalipse o descreve como o rei vitorioso sobre seus inimigos: “Pelejarão

eles contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis;

vencerão também os chamados, eleitos e fiéis que se acham com ele.” (Ap 17.14). Nenhum

rei ou potestade poderá sobrepor-se a Jesus. Todos os que se lançarem contra seu reino sairão

derrotados, pois ele é o Rei dos reis. Seu governo é eficaz a tal ponto que não existem

opositores, todos já estão condenados e com a derrota decretada desde a eternidade. Somente

um poderá ter em seu manto e em sua coxa a inscrição: “REI DOS REIS E SENHOR DOS

SERNHORES” (Ap 19.16; capitais presentes na ARA). A Bíblia não descreve nenhum outro

rei tão eficaz em estabelecer e manter seu reino como Cristo.


127

3.1.2. Jesus é superior em seu domínio por tê-lo conquistado por


seus méritos

Outro aspecto da natureza do domínio de Jesus em comparação ao de Davi é que o de

Cristo foi conquistado por mérito, enquanto que o de Davi lhe foi dado por graça. Jesus,

portanto, revelou-se superior a Davi também quanto à forma como alcançou seu governo,

tanto no aspecto físico, quanto no aspecto espiritual.

3.1.2.1. Um domínio físico conquistado por graça

Davi recebeu seu reino pela graça de Deus. Assim como todo pecador, Davi não poderia

ter mérito diante de Deus. Portanto, para tornar-se rei isso teria de ser-lhe concedido. Em 1

Samuel 16 está descrita a história da unção de Davi como rei de Israel. Samuel foi à casa de

Jessé para ungir aquele que Deus havia escolhido como substituto de Saul, que havia se

desviado dos caminhos de Deus. Depois de ver todos os filhos de Jessé, Samuel viu a Davi e,

contrariando suas expectativas (1Sm 16.6,7), Deus ordenou que fosse ungido. Davi em nada

era superior a seus irmãos, nem mesmo possuía características que o tornassem elegível como

rei, pelo menos diante dos homens. Mas, curiosamente, Samuel, mesmo após ter

acompanhado a derrocada de um homem tão impressionante na estatura e na beleza,

continuou olhando a aparência, ao estranhar a escolha de Deus por Davi.

Deus não segue os padrões humanos, os quais ele já mostrara não serem os corretos.

Enquanto Samuel só podia ver o que estava por fora, a aparência, Deus conhecia a cada um

dos filhos de Jessé.309 Isso não pode ser entendido de modo a dar algum mérito a Davi por ser

quem ele é. Seu bom coração não era fruto de seu esforço, pois o homem tem um coração

desesperadamente corrupto (Jr 17.9). Contrariando a possibilidade de mérito, o próprio Davi


309
Cf. HENRY, Mathew. An exposition, with practical observations, of the first book of Samuel, in: arquivo
eletrônico de E-Sword, v. 7.7.7, copyright 2005.
128

escreveu no Salmo 7.9, “Cesse a malícia do ímpio, mas estabelece tu o justo”. A palavra

usada para “estabelece” (!nEAkt.W), foi escrita no imperfeito piel, na 2ª pessoa do

singular. Tal palavra quer dizer, portanto: aquele que faz, cria ou prepara;310 e por estar no piel

ela significa que seu agente, no caso Deus, é o causador de algo,311 e, por estar no imperfeito,

significa uma continuidade, ou uma repetição na ação,312 no caso, de estabelecer o justo. Ou

seja, segundo Davi, é o próprio Deus quem continuamente forma, cria ou estabelece o justo,

tirando deste o mérito de ser quem ele é. Significa dizer que quando Deus olhou o coração de

Davi e quis ungi-lo, ele estava olhando para sua própria obra no coração de Davi. Portanto,

não há mérito na conquista do reinado de Davi.

3.1.2.2. Um domínio espiritual conquistado por graça

Além de seu domínio físico, Davi teve um certo domínio espiritual sobre Israel. Como é

sabido, o rei de Israel tinha o dever de conduzir seu povo na aliança, o que é essencialmente

uma atividade espiritual. Nesse sentido, Davi foi um rei convertido ao Senhor e submisso à

sua Palavra, não obstante suas demonstrações de possuidor de natureza caída. Sendo assim,

ele tinha o poder de estabelecer as diretrizes da espiritualidade do povo.

Em seu reinado ele manteve a lei de Deus como a lei de Israel, conforme pode ser

inferido em seu conselho ao seu filho Salomão (1Rs 2.3,4). Isso tinha grande importância,

pois influenciava o povo a observar a verdade divina e andar em conformidade com a mesma.

Contudo, esse tipo de domínio sobre o povo de Israel, sendo fruto de sua posição de rei

ungido por Deus, pertenceu a Davi pela graça de Deus. Foi o próprio Senhor quem,

graciosamente, o colocou e o conduziu como governador sobre Israel, como pode ser visto no

início de seu reinado em Hebrom (2 Sm 2.1).

310
Cf. John N. Oswald, verbete !wK. kûn,, in: DITAT, p. 708.
311
Cf. KELLEY, Page H. Hebraico Bíblico, Uma Gramática Introdutória. São Leopoldo: Sinodal, 1998, p. 140.
312
Cf. ibid., p. 173.
129

Também como escritor inspirado Davi influenciou seus súditos. Além de manter as leis

de Deus e de ser fiel ao pacto, Davi influenciou e governou a vida espiritual de Israel por

meio de seus escritos inspirados, que o ajudavam a conhecer melhor a Deus e a cultuá-lo.

Neste caso, novamente, se vê a mão graciosa de Deus, pois todos esses escritos foram dados a

Davi por inspiração. Davi não escreveu baseado em conclusões próprias, mas pela ação do

Espírito Santo (2 Tm 3.16).

Enfim, em todos os aspectos de seu domínio espiritual sobre seus súditos, Davi os

alcançou por graça. Seja como o rei que governa sobre a terra, ou sobre os padrões espirituais

de seu povo, Davi só pôde exercer domínio por tê-lo recebido pela graça de Deus.

3.1.2.3. Um domínio físico conquistado por mérito

Diferentemente do que ocorreu com Davi, Jesus alcançou seu domínio físico por mérito

próprio. Como homem, o Mediador foi comissionado por Deus, mesmo assim, seu poder

como rei sobre todas as coisas, tão distinto de qualquer outro, só foi alcançado após ter ele

cumprido perfeitamente sua obra sacerdotal. Isso implica que Jesus alcançou seu poder por

mérito próprio. Na verdade, ele havia recebido seu poder do Pai (Mt 28.18), porém, não no

sentido de receber algo que não possuía, pois Jesus tem poder derivado de si mesmo,313 mas,

sim, em sua natureza humana. Para exercer o poder como Deus-homem, Cristo teve de fazer a

purificação dos pecados (Hb 1.3) e passar pela ressurreição.314

Enquanto os antigos reis recebiam poder para um ministério específico e passageiro,

Jesus o recebeu para ser o soberano rei sobre todas as coisas e ser reconhecido como tal

eternamente (Fl 2.10; Jd 4). Toda a sua obra realizada como o Redentor divino-humano era

uma preparação de sua humanidade para ser exaltada junto com sua divindade, a fim de ser o
313
Cf. John Flavel, The works, p. 212.
314
Cf. Hendriksen, Mateus, vol 2, p. 698,699.
130

glorioso Redentor em toda a sua pessoa. Como homem, Jesus tinha de cumprir seu papel para

que pudesse usufruir o que lhe estava proposto e o que já era seu como Deus (Fl 2.5-11; Hb

1.3).

Davi e seus sucessores acumulavam bens e tesouros a fim de enriquecerem e fortalecer

seus reinos. Isso se fazia necessário devido à dependência que o homem tem de coisas

materiais para sobreviver. Contudo, Jesus foi superior na origem de seu poder, de tal forma

que não tinha necessidade de coisas materiais que lhe dessem riqueza e poder. Sendo de

origem humilde, usando tudo que lhe foi possível por empréstimo, Jesus exerceu um poder

que em muito excedeu a seus antecessores. Ele não tinha tesouros, mas podia manipular a

matéria, expulsar demônios e curar a quem desejasse. Jesus exercia seu poder concedido pelo

Espírito, realizando a obra de salvação, através da qual ele pôde assentar-se à destra da

Majestade. Isso significa dizer que em sua pessoa divino-humana Jesus exerce soberania real

sobre todas as coisas através de seus próprios méritos.

3.1.2.4. Um domínio espiritual conquistado por mérito

Em Hebreus 1.3 está escrito: “depois de ter feito purificação dos pecados, assentou-se à

destra da Majestade, nas alturas”. Conforme a expressão “depois” indica, “assentar-se à

destra da Majestade, nas alturas”, ao que parece, é conseqüência de “ter feito purificação dos

pecados”. Há, portanto, uma relação de mérito com o domínio alcançado por Jesus com seu

ofício sacerdotal, pois o domínio lhe foi plenamente dado, de acordo com o indicado pela

ação de assentar-se à destra da Majestade, após ter completado sua obra mediatória.315

Para Calvino o mesmo poder de Jesus que lhe permitiu purificar os pecadores, lhe

permitiu assentar-se à destra de Deus.316 Isso leva ao entendimento de que somente após
315
Cf. Kistemaker, Hebreus, p. 49.
316
Cf. Calvino, Hebreus, p. 37.
131

revelar seu poder sobre o pecado é que Jesus pôde exercer seu poder de realeza acima de

todos. O que parece é que Cristo estava conquistando seus súditos, para então assumir seu

reinado sobre o universo. Segundo John Flavel, Cristo, de fato, reina retirando a influência do

pecado em seus servos,317 o que é parte da obra de seu ofício sacerdotal – vê-se aqui, mais

uma vez, a intrínseca relação entre os ofícios de Cristo.

O reino de Cristo, conseqüentemente, é superior ao de Davi por ser de natureza

meritória. “Ele não está no trono por um ato de graça, mas por seus incríveis méritos”. 318 Ele é

digno do lugar onde está, pois além de ser Deus, é o homem que realizou toda a obra de

redenção por seus súditos.

3.2. Jesus é superior em seu poder

“Vi e ouvi uma voz de muitos anjos ao redor do trono, dos


seres viventes e dos anciãos, cujo número era de milhões de milhões
e milhares de milhares, proclamando em grande voz: Digno é o
Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e
força, e honra, e glória, e louvor.” (Ap 5.11, 12)

Essa revelação que João teve dos últimos dias impressiona pela descrição do poder do rei

Jesus. Ainda que João se refira a ele como “o Cordeiro”, fica evidente que esse Cordeiro tem

status de rei, a ponto de ser ovacionado por uma multidão que proclama suas virtudes. Diante

disso, fica evidente que aquele que teve de morrer no lugar de muitos fê-lo para se tornar o rei

que conquistou os seus súditos com seu sangue – o que mais uma vez evidencia a ligação

entre os ofícios de Cristo.

O texto de Apocalipse transcrito acima forma um interessante contraste com aqueles que

mostram Jesus pedindo para que as pessoas não contassem que haviam sido curadas. Por

algum tempo ele pediu sigilo sobre seu poder. Mesmo assim, ele foi reconhecido como rei por

muitos, mas de modo muito modesto diante do quadro visto por João na ilha de Patmos,
317
Cf. John Flavel, The works of John Flavel, vol. I, p. 204.
318
Cf. Plumer, Rock, p. 170.
132

descrito no texto supracitado. Quando este dia chegar, todo o poder de Jesus será revelado a

todos, de modo que muitos correrão de sua presença, ainda que multidões de remidos ficarão

de pé diante dele (Ap 6 e 7).

Contudo, antes desse dia, as Escrituras anteciparam com muitos exemplos o poder do rei

Jesus, o qual é sem comparação. Nenhum rei teve tanto poder ou soberania sobre o que quer

que fosse. Jesus foi superior a todos em seu poder devido a diversos aspectos, conforme se

segue.

3.2.1. Superior devido ao limite do poder

Uma simples leitura da história de Davi mostra que, apesar de rei, seu poder era limitado.

Em diversas situações Davi mostrou ser um simples homem cujas fraquezas estavam à mostra

para que todos pudessem ver. Nem ele, nem seus sucessores, conseguiram conquistar toda a

terra prometida por Deus a Abraão. Ele, como já foi visto, não conseguiu vencer o pecado

dentro de si, nem manter a união em seu lar. Sem poder para dirigir as questões pessoais, Davi

também teve pouco poder como rei. Ainda que ele tivesse feito várias conquistas, em sua

missão de guiar o povo a Deus, ele foi falho a partir de sua própria família.

Além de suas imperfeições, a mortalidade limitou o poder de Davi, e de seus sucessores.

Todos um dia morreram, colocando um fim a seus reinados. Em Cristo, esse quadro é

totalmente diferente. Em primeiro lugar, como rei ele tinha domínio sob si mesmo, de modo

que nem mesmo nas mais adversas situações, como no deserto (Mt 4.1-11), ele se desviou de

seu caminho. Davi, nem mesmo estando descansado, casado e em seu palácio, resistiu ao

pecado do adultério (2Sm 11.1-4).


133

Em segundo lugar, nada impede que Jesus alcance e continue a alcançar seus objetivos.

Enquanto Davi e seus sucessores não conseguiram tomar posse de toda a terra prometida,

Jesus conquista com seu sangue todas as almas que lhe foram dadas pelo Pai e as mantém no

caminho, governando suas vidas. Essa ação se dá por meio do Espírito de Cristo, que, como já

foi visto, é quem convence o homem da verdade e é por ele que a igreja é governada (1Co

12). Por mais que se esforçasse, Davi era limitado em poder, não podendo fazer tudo que lhe

estava proposto como guia do povo de Deus.

Em terceiro lugar, Jesus demonstrou ter poder sobre os elementos da natureza. Mesmo

que tenha contado com alimento oferecido em lares nos quais ele foi recebido, Jesus

demonstrou ser capaz de alimentar a quem desejasse quando multiplicou os pães e os peixes

(Mt 14.17-19). Ele, na tranqüilidade de quem pode manipular os elementos da natureza,

mandou que a tempestade e o mar se acalmassem (Mt 8.23-27). Curou por diversas vezes,

fazendo, assim, grandes demonstrações de poder sem limites. Davi, por sua vez, teve de ir

atrás de alimento em quantidade suficiente para si e para seus homens (1Sm 25.4-8), pois não

tinha poder para multiplicar o pouco que possuía.

Em quarto lugar, Jesus não só podia manipular a natureza, como, em seu estado de

exaltação, tem todas as coisas debaixo de seus pés.319 No salmo 8.6 vê-se a abrangência do

poder de Cristo que lhe estava prometido desde o Antigo Testamento: “Deste-lhe domínio

sobre as obras da tua mão e sob seus pés tudo lhe puseste: ovelhas e bois, todos, e também os

animais do campo; as aves do céu, e os peixes do mar, e tudo o que percorre as sendas dos

mares.” Ainda que Davi não tenha feito uma referência direta ao Ungido de Deus, ou ao

Messias, ele apresenta um tema inerente ao conceito messiânico, que é o conceito da

realeza.320 Em princípio Davi se referiu ao domínio que Deus deu aos homens sobre as obras

de sua criação, porém, este conceito só se viu em sua plenitude em Cristo, aquele que de fato

319
Cf. John Flavel, The works, p. 212.
320
Cf. Van Groningen, Revelação, p. 312.
134

dominou sobre todas as coisas. Como já foi visto, ele manipulou a matéria, curou e deu

ordens à natureza, o que revela seu domínio sobre todas as coisas, o qual ficará ainda mais

evidente em seu retorno, quando será finalmente revelado como o grande rei da criação.

Em quinto lugar, Jesus é o rei que tem poder superior, capaz de proteger seus súditos.

Davi lançou-se em grandes batalhas e quando ainda muito moço lutou com Golias. Contudo,

quando já era rei e desfrutava de toda a glória do seu reinado, matou Urias para ficar com sua

esposa. Ao invés de defender a vida de seus súditos, Davi tirou a vida de um deles por

motivos egoístas, a fim de esconder seu pecado e satisfazer seus desejos carnais. Por outro

lado, o rei Jesus é aquele que entregou sua vida para que seus súditos a tivessem (Rm 5). Ele

mostra-se como o grande rei abnegado, capaz de sofrer até a morte pelos seus. E esse

sofrimento de fato gerou livramento sobre seu povo, que não teme mais a morte e a ira de

Deus, podendo estar seguro que permanecerá firme até o fim, pois é o seu grande rei quem vai

adiante dele (Rm 8.26-39).

Essa proteção dada por Jesus a seus súditos não é uma simples questão carnal. Seu poder

sem limites protege os seus não só dos perigos, mas livra-os do pecado (Rm 5.12-21; 1Co

10.13), e também dos problemas internos que tiram a paz (Cl 3.15).321 Seus súditos podem

sentir-se seguros em todas as áreas da vida, pois o poder de seu rei não encontra limites. Jesus

é o todo poderoso rei que domina sobre terra e céu.

3.2.2. Superior devido ao exercício do poder

Ainda quanto ao poder, Jesus se mostrou superior a Davi, e a seus sucessores, também

no seu exercício. Por várias razões que serão abordadas aqui, Jesus mostra-se ser o grande rei

321
Cf. John Flavel, The works, p. 205,206.
135

de Israel, enquanto seus antecessores eram apenas sombra. Ele exerce seu poder de modo

santo, sábio, forte e afável a seu povo.322

3.2.2.1. Porque o exerceu com santidade

Quando se olha a história de Jesus, vê-se que em nenhum momento ele usou de algum

subterfúgio, até mesmo diante das maiores dificuldades. Em toda a sua caminhada, até os dias

de hoje, Jesus reina de modo santo. Como disse Plumer:

Nosso Rei não pode errar. Ele nunca errou com ninguém. Tendo ele posto em seu coração salvar
pecadores, ele não poderia abrir as portas do paraíso para nenhum deles até ele ter se confinado pelo
juramento e pelo pacto para satisfazer todas as suas exigências de justiça, e trazer eterna justiça.323

No propósito de ser o rei que conduz seu povo a Deus, Jesus tinha de ser santo. Ele

jamais poderia cumprir a aliança e satisfazer a Deus por meio do pecado; isso colocaria a

perder toda a sua obra. Portanto, ele não errou em nenhuma situação e nenhuma falta lhe pode

ser imputada de modo justo. Pilatos, ao interrogar Jesus, chegou a essa conclusão (Lc 23.22).

Por diversas vezes os inimigos de Jesus também tiveram de admitir sua retidão, sem poder lhe

imputar falta alguma (Lc 6.6-11, 11.53-12.1ss; Jo 8.1-11).

No caso de Davi isso foi diferente. Ele, sim, teve muito do que ser culpado e do que se

arrepender, como visto anteriormente. No exercício de seu poder, Davi não pôde ser santo

como o foi Jesus. O máximo que Davi pode ter tido foi o coração convertido ao Senhor, o que

era evidenciado pelo arrependimento de seus maus caminhos, o que não lhe tirava a culpa por

seus pecados.

322
Cf. Ibid., p. 217ss.
323
Plumer, Rock, p. 166.
136

3.2.2.2. Porque o exerceu com sabedoria

Além de santo, Jesus é sábio no exercício de seu poder. Em nenhum momento as atitudes

de Jesus ameaçaram ou atrapalharam sua missão. Suas atitudes e seu raciocínio foram os

melhores possíveis, sempre o conduzindo ao cumprimento de seus planos. Plumer descreveu

da seguinte forma a sabedoria do rei Jesus:

De acordo com a profecia, ele procedeu com prudência em todas as coisas (Is 52.13). Ele jamais se
enganou. Ele ordenou e estabeleceu seu reino com o saber da onisciência. Ele liderou os seus pelo
caminho direito, para que fossem à cidade em que habitassem (Sl 107.7). Ele os ensinou a todos no
caminho da sabedoria; ele os liderou nos caminhos corretos. Quando eles fossem, seus passos não
poderiam ser restringidos; e quando eles corressem não tropeçariam.324

Portanto, ele é o rei que conduz seus súditos da melhor forma, demonstrando toda a sua

sabedoria. John Flavel também viu a sabedoria de Cristo ao reinar, em sua providência aos

seus súditos. Ele destacou, corretamente, que a obra de salvação que se deu pelos sofrimentos

do Medidor é uma grande demonstração de sabedoria. Alguém que atravessou tanto

sofrimento produzir benefícios tão profundos como a salvação, só pode ser fruto da

sabedoria.325 Essa também se manifesta na providência de fazer todas as coisas caminharem

para a salvação, ou para o bem daqueles que amam a Deus (Rm 8.28).326

Mas quando se olha para o grande rei Davi, esse quadro é diferente. Mesmo que tenha

sido um bom rei, e agido com grande sabedoria em diversos momentos, ele foi falho e muito

estulto em outros momentos. O caso mais claro de sua falta de sabedoria, foi quando ele foi à

Baalá levar a arca da aliança de volta para seu lugar (2Sm 6). Para cumprir esse propósito ele

a colocou para ser puxada por carro de bois, mesmo tendo a lei especificando que o modo

correto era que duas varas fossem colocadas em suas argolas, para que fosse carregada pelos

levitas (Ex 25.12-15; Nm 1.50). Devido a esta atitude, num determinado momento, os bois

tropeçaram e Uzá amparou a arca para que não caísse, sendo morto pelo Senhor (2Sm 6.6,7).

A morte de Uzá passou a ser uma grande demonstração de falta de sabedoria da parte de Davi,

324
Ibid., p. 166, itálicos do autor.
325
Cf. John Flavel, The works, p. 217.
326
Cf. Ibid., p. 217.
137

que conhecia o modo correto descrito por Deus em sua lei. Mas ele, em sua estultícia, preferiu

seus próprios meios. Por melhor rei que fosse, Davi não se viu livre de seus erros que

demonstravam sua sabedoria limitada.

3.2.2.3. Porque o exerceu com força

O Senhor Jesus também se mostra como um rei de grande força.327 As declarações

bíblicas sobre ela são impressionantes. Ele é o rei que sustenta a tudo em seu reino, de quem

todas as coisas dependem (Jo 5.17; Hb 1.3). Além disso, é capaz de conduzir todas as coisas

para que redundem no bem de seu povo (Rm 8.28). Ele controla até mesmo o inimigo para

que sirva a seus propósitos (Ap 2.10). Em tudo isso o Redentor se mostra como o soberano

Senhor de todas as coisas (Ap 19.16; Pv 8.15,16), punindo a seus inimigos (Sl 110.2) e

recompensando providencialmente aqueles que o servem (Mt 19.29).

Davi, por outro lado, mostrou-se fraco. Como já foi visto, ele se deixou dominar pelo

pecado, e essa falha o atrapalhou no propósito de conquistar a terra prometida. Ainda que

Deus tenha dado grande poder a seu reinado, através de muitas vitórias, Davi não cumpriu

cabalmente seu papel como rei. Mesmo diante de tantas batalhas, ele não conseguiu todo o

território prometido por Deus, pois ocupou-se muito com suas fraquezas morais.

Jesus não é vencido por nenhuma fraqueza. Ele não deixa de conquistar nenhum

território que lhe fora proposto. Seu reino não é prejudicado por suas falhas em resistir ao

pecado. Suas atitudes não trazem problemas internos ao bom andamento de seu reino. Aquela

perfeição moral necessária ao seu ofício sacerdotal, também se mostra imprescindível para o

bom estabelecimento e para a boa administração de seu reino. Ele é o rei sem fraquezas que

venceu o inimigo e não deixa seu trono desguarnecido por problemas causados por suas

327
Cf. John Flavel, The works, p. 213-216.
138

atitudes. Ele tem força na luta contra aqueles que se levantam buscando impedir o avanço de

seu reino, e teve força para vencer as tentações internas, que poderiam enfraquecer seu reino.

3.2.2.4. Porque o exerceu com doçura e sutileza

Mesmo tendo tamanha força, Jesus mostra-se um rei dócil e sutil. Enquanto Davi tinha

mãos sujas de sangue de seus inimigos, e também de inocentes, como é o caso de Urias, Jesus

mostra-se como um rei que dirige todas as coisas sem causar espanto ou escândalo. Mesmo

diante do inimigo, seu ensinamento foi de amor: “Ouvistes que foi dito: Amarás o teu

próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos

que vos perseguem;” (Mt 5.43,44). Jesus nunca ensinou o uso da violência ou da força contra

os inimigos, ao contrário, ensinou a dar a outra face diante da agressão (Lc 6.29). Por sua vez,

Davi foi chamado por Deus de homem de sangue (2Sm 16.8).

Essa docilidade vista no Senhor em muito é explicada pelo fato de Jesus reinar com

sutileza. Diferentemente de qualquer outro rei, Jesus pode fazer com que toda a sua vontade

seja cumprida sem forçar ninguém a nada. Ele dirige todas as coisas sutilmente e de modo

plausível, ao ponto das pessoas pensarem que fazem tudo por si mesmas.328 Esse poder que o

Pai deu a Jesus é descrito, por exemplo, em Provérbios 21.1: “Como ribeiros de águas assim é

o coração do rei na mão do SENHOR; este, segundo o seu querer, o inclina”. Ou ainda no

Salmo 115.3: “No céu está o nosso Deus e tudo faz como lhe agrada.” Sendo assim, Jesus

pode conduzir a tudo e a todos da forma como quiser, usando toda a sua criação para cumprir

sua vontade. É a forma dócil, sutil e soberana de Cristo exercer seu poder.

328
Cf. John Flavel, The works, p. 206.
139

3.3. Jesus é superior devido ao tempo de reinado

“Então, ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra,


debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estava
dizendo: Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o
louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos.”
(Ap 5.13)

Esse texto de Apocalipse traz uma verdade sobre o reinado de Jesus que também o

mostra como sendo superior ao de Davi. A expressão grega tou.j aivw/naj tw/n

aivw,nwn significa claramente “para todo o sempre”, o que indica a óbvia intenção de João

de descrever Jesus como rei que reina para sempre, cujo reino jamais terá fim.

Essa característica o mostra Jesus como um rei superior a todos os outros, pois Davi e

seus sucessores terminaram seu reinado quando morreram, passando o poder para o seguinte.

Jesus, ao contrário, não possui sucessores, pois não morre. Ele é o grande rei eterno, tipificado

pelos reis temporários do Antigo Testamento. Nele se cumpre a promessa feita a Davi:

“Porém a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti; teu trono será

estabelecido para sempre.” (2Sm 7.16). Jesus é o rei que sempre terá seu trono estabelecido

sobre toda a criação.

Contudo, esse reino de Cristo teve um começo. Ainda que os premilenistas

dispensacionalistas entendam que o reino mediatário de Cristo só irá começar quando ele

inaugurar o milênio,329 a posição geralmente aceita pela igreja é a de que Jesus é rei desde a

eternidade e age como tal desde a queda (Pv 8.23; Sl 2.6).330 Isso significa que Cristo é o rei

por detrás de todos os reis do Antigo Testamento. Por meio deles, e também dos juízes, o

Filho “levou a cabo a Sua obra como Rei”.331 Porém, esse reinado não se tornou público, tão

pouco foi inaugurado espiritualmente nos corações de seus súditos antes de sua ascensão,

329
Cf. HOYT, Herman A. em: CLOUSE, Robert G. Milênio, significado e interpretações. Campinas, Luz Para o
Caminho, 1990, pp. 75-83.
330
Cf. Berkhof, Teologia sistemática, p. 410.
331
Cf. Ibid., p. 410.
140

quando ele assentou-se à destra de Deus como o Rei que realizou a obra de resgate de seu

povo (Hb 1.3).

Quanto ao término deste reino não há divergências entre as correntes teológicas. Todas

entendem que a duração do reino de Cristo é de fato eterna,332 como vinha sendo enfatizado

no início desta seção. Essa verdade é amplamente ensinada pelas Escrituras (Sl 45.6, 89.36,

37; Is 9.7; Dn 2.44; 2Sm 7.13,16; Lc 1.33; 2Pe 1.11), que mostram que Jesus é superior a

Davi por ter um reino sem fim, além de ser ele o rei por detrás de Davi.

Diante de tudo o que foi exposto neste capítulo, Jesus é o rei superior a Davi. Ainda que

este tenha sido um grande rei, quando comparado a Jesus, seu reino passageiro se torna

pequeno. Na verdade, ele é parte do reino de Cristo, ainda por ter suas fronteiras alargadas.

Isso significa dizer que Jesus é o rei que sempre reinou sobre seu povo, e ele deixou isso claro

ao ascender aos céus, para assentar-se à “destra da Majestade” (Hb 1.3).

332
Cf. Ibid., p. 410.
141

CONCLUSÃO

Os oficiais do Antigo Testamento eram homens valiosos diante de Deus. O propósito

desta dissertação não foi menosprezá-los. Porém, por mais valiosos que eles tenham sido,

Jesus é superior a todos eles com tamanha distância que, ao ser feita a comparação, o que fica

evidente neles são suas imperfeições. Certamente, eles tiveram sua importância e foram

grandemente usados por Deus em sua obra, cumprindo o propósito de Deus para seus ofícios.

Contudo, esse propósito não era o mesmo visto em Cristo, pois somente este poderia

satisfazê-los perfeitamente.

Através de alguns temas recorrentes essa verdade ficou evidenciada. Em primeiro lugar,

a relação de Cristo com o Espírito Santo se mostrou um dos alicerces de sua superioridade.

Como foi amplamente visto, Cristo foi ungido com o Espírito sem medida. Tal fato tornou a

obra de ambos tão ligada que o Espírito Santo passou a ser chamado o Espírito de Cristo.

Toda a sua obra passou a ser exercida cristocentricamente, mostrando que a pessoa do

Redentor é única e superior a de todos os oficiais do Antigo Testamento. Enquanto todos


142

dependiam do Espírito para realizarem suas obras, Cristo é aquele que tem o Espírito sem

medida, enviando-o como o continuador de sua obra (Jo 15.26,27).

Profetas como Elias foram conhecidos pela presença do Espírito Santo em suas vidas.

Mas em Cristo a presença do Espírito fez de sua obra profética muito superior a todos os

outros. Enquanto o Espírito inspirava os antigos profetas, fazendo progredir a revelação de

Deus e tornando-a mais clara, após a vinda do Messias, ele passa a guiar todos a Cristo e

convencê-los de sua verdade, apontando agora não por meio de sombras, mas pela clara

presença do Emanuel.

Como sacerdote, Cristo também teve de contar com o Espírito. Foi por meio dele que sua

santa concepção foi realizada, de modo a tornar Jesus uma oferta sem mancha de pecado. Foi

por ser perfeito que Jesus pôde ser a oferta cabal a Deus, o que foi garantido pela concepção

santa de Jesus.

Somado a isso, o Espírito é aquele que faz o reino de Jesus avançar nos corações dos que

crêem. É por meio de sua ação que o reino de Cristo se torna presente no interior dos que

crêem. O Espírito de Cristo é aquele que inaugura, ou leva o reino de Jesus para o coração da

pessoa, intercede diante da debilidade dos crentes, dá-lhes dons para que edifiquem o corpo

de Cristo e abre-lhes o entendimento das coisas espirituais. Portanto, a obra de mediação de

Jesus por meio de seus ofícios é superior a de seus antecessores pela ação de seu Espírito.

Além do Espírito Santo, um segundo tema recorrente, que ajuda a sustentar a

superioridade de Jesus no exercício de seu tríplice ofício, é sua perfeição. Tal fator foi

preponderante para que, como profeta, Jesus pudesse revelar o Pai. É inconcebível que algum

pecador, ou seja, alguém que é imperfeito seja chamado de “expressão exata do ser de Deus”

ou “resplendor de sua glória”.


143

Jesus foi o homem perfeito, tentado em todas as coisas mas sem pecar. Não por acaso,

ele, sendo homem, pôde dizer: “Quem me vê a mim vê o Pai” (Jo 14.9). De fato, em sua

perfeição, Jesus revelou o Pai, e tudo o que lhe fora ordenado revelar, de modo inigualável.

Também em seu ofício sacerdotal essa perfeição foi uma condição indispensável. Por ter

sido o homem perfeito, Jesus se fez a oferta aceitável a Deus. Diferentemente dos outros

sacerdotes que ofertavam pelos próprios pecados, Jesus podia ir diante de Deus sem despertar

sua ira e representar outro homem, satisfazendo cabalmente a justiça divina.

Além disto, como o rei perfeito, Jesus cumpre devidamente seu papel. Ele não se perde

em meio aos seus pecados, deixando súditos se perderem e territórios por conquistar. Ele é o

rei perfeito que governa perfeitamente seu reino, sem que nada interfira. Ele, certamente,

conduzirá seu povo à vitória final, levando-o ao gozo eterno de seu Pai.

Um terceiro tema recorrente aqui abordado, e que sustenta a superioridade de Jesus em

seu tríplice ofício, é o caráter de cumprimento. Jesus é o messias prometido no Antigo

Testamento, e, como tal, diversos aspectos de sua obra foram anunciados. Jesus foi anunciado

como profeta (Dt 18.15), sacerdote (Sl 110.4; Is 53) e rei (Zc 14.9). Porém, o caráter de

cumprimento não foi visto como uma simples questão de cumprir as profecias sobre ele, mas

de cumprir de uma vez por todas as exigências dos ofícios de profeta, sacerdote e rei.

Conforme foi visto, Jesus é o profeta definitivo. Nele a revelação alcançou seu clímax.

Jesus cumpriu o papel de profeta a tal ponto que, após ele, não houve profeta como foram os

antigos: Moisés, Isaías, Jeremias, Miquéias e outros. Jesus não teve substitutos no papel de

profeta, pois seria uma regressão, já que ninguém poderia revelar a Deus tão perfeitamente

como ele. Aqueles que sucederam a Jesus apenas elucidaram seus ensinos e apontavam para

ele diretamente. Não houve mais progressão na revelação de Deus, apenas desenvolvimento

do que já havia sido revelado por Cristo. Portanto, Jesus é o profeta definitivo.
144

Além de ser o profeta definitivo, Jesus é o sacerdote definitivo. Como ficou bem

aparente no estudo de sua semelhança com Melquisedeque, Jesus é o “sacerdote para sempre”

(Hb 7.21). Ele cumpriu de uma vez por todas as obrigações dos sacerdotes, ao apresentar a

oferta definitiva que de fato satisfez a justiça divina, representando os seus como o sacerdote

contra quem Deus não tinha nada. Ademais, o Senhor é um sacerdote que não morre, jamais

abandonando, ou necessitando de alguém que o substitua em seu posto de sacerdote.

Como rei, Jesus também se mostra definitivo. Jesus é o rei eterno, ou seja, ele sempre

ficará no trono de Davi, não havendo sucessores. Jesus é o rei que cumpre cabalmente todas

as obrigações e expectativas lançadas sobre ele.

Intimamente ligado à questão de Jesus ser definitivo está o quarto tema recorrente, que

foi a questão da permanência. Jesus não apenas cumpriu todas as obrigações que seus ofícios

exigiram dele, mas permanece cumprindo com elas. Isso significa que Jesus não deixou seus

ofícios, mas continua sendo o profeta que fala e revela com e através de seu povo, pois, em

Cristo, todos são profetas por pregarem e revelarem sua verdade ao mundo. Além disto, Jesus

é o sacerdote eterno, tendo não só satisfeito a justiça divina, como continua a interceder junto

ao Pai pelos seus. E essa posição de intercessor é exercida à destra do Pai, de onde ele não só

intercede pelos seus, como também governa seu povo, mantendo-se eternamente em seu

trono, de onde virá e se revelará como rei de toda a criação, mas que, por enquanto, revela

essa verdade àqueles seus súditos já conquistados.

Um quinto tema recorrente é o de Jesus como o grande oficial por trás de todos os

outros. Todos os rei, profetas e sacerdotes o foram por que Jesus os sustentou na pessoa do

Filho ainda não encarnado. Jesus era o Anjo do Senhor que sustentou a progressão da

revelação de Deus. Também foi o cordeiro imolado na fundação do mundo; a garantia de que

as ofertas apresentadas pelos antigos sacerdotes tinham seu efeito alcançado pela promessa de

que seu sangue seria derramado no espaço e no tempo. Ele é o rei que sempre teve todo o
145

poder em suas mãos, concedendo-o a quem queria para reinar sobre seu povo. Na verdade,

toda autoridade dos antigos reis era fundamentada na majestade de Cristo, o rei eterno, que

sempre reinou e sempre reinará, mas cujo poder só será evidente a todos na ocasião de seu

retorno.

O sexto e último tema recorrente foi a dupla natureza do Redentor. A superioridade de

Cristo mostrou-se fundamentada também sobre o fato de Jesus ser o Deus-homem. Não fosse

sua existência misteriosa, Jesus não poderia ser o profeta que foi, ao ponto de ter dito: “Quem

me vê a mim vê o Pai” (Jo 14.9). Tão pouco poderia ter ele todo o conhecimento que tinha e

ser, ainda, a própria verdade encarnada. Portanto, se ele é o profeta definitivo e permanente, é

porque ele é o Deus-homem.

Também para ser o sacerdote que foi, Jesus teve de ter duas naturezas. Por ser o Deus

encarnado, ele foi concebido por obra do Espírito, ficando livre da imputação da culpa de

Adão, que viria através de sua natureza humana. Portanto, Jesus nasceu santo, e permaneceu

santo, podendo ser a oferta perfeita em sua humanidade, sendo digna de ser apresentada

diante de Deus para satisfazê-lo finalmente, e tendo valor infinito em sua divindade para

poder cobrir todos a quantos desejasse.

Em seu ofício real, Jesus também mostrou que sua dupla natureza era necessária.

Somente sendo o Deus-homem é que Jesus poderia ter realizado toda a sua obra que lhe

conduziu à sentar-se à destra da Majestade (Hb 1.3). Somente tendo essa insondável

existência é que o Redentor poderia assentar-se em tão sublime trono e ter o reino espiritual,

como foi visto ser o dele. Só sendo assim, Jesus poderá voltar e revelar-se como o Rei dos reis

e Senhor dos senhores, como aquele que têm todas as coisas debaixo de seus pés (Hb 1.13).

Por tudo isso depreende-se a superioridade de Cristo no exercício de seu tríplice ofício

em relação ao que foi realizado pelos oficiais do Antigo Testamento. Jesus é o Redentor de

seu povo, pois somente ele poderia realizar e cumprir todas as obrigações que seus ofícios
146

exigiam. Somente ele poderia ter toda a glória em suas mãos para realizar essa obra. Isso não

só torna Jesus o centro da soteriologia, como também lança luz sobre a doutrina da

depravação total do homem, mostrando que este, de forma alguma pode salvar-se, já que

nunca teve a capacidade de cumprir as obrigações da lei.

Mais do que isso, o Redentor Jesus mostra-se como o seguro caminho. A doutrina da

perseverança dos santos tem muito a ganhar com este estudo, pois pode fundamentar-se,

também, na superioridade de Cristo, para mostrar o competente e firme salvador que o crente

possui. A falta de auto-confiança para a salvação que a depravação total traz encontra solução

na total confiança num Redentor superior, inigualável, até mesmo para os mais valorosos

heróis da fé.

Essas implicações que o estudo da superioridade de Cristo tem sobre outras doutrinas,

como a pneumatologia, a depravação total e a perseverança dos santos, são enriquecedoras

para o estudo teológico. Isso mostra não só a riqueza da teologia e sua utilidade para o

exercício da fé, como também sua consistência, sustentando o fato de que o estudo teológico

não é uma falsa ciência, mas uma verdade concisa e abrangente.

Também para a teologia calvinista, especificamente, esse tema mostra-se muito

importante. Sendo Cristo superior a todos os oficiais do Antigo Testamento, a ênfase

reformada Solo Christo mostra-se não só verdadeira, mas também fundamental, pois serve de

ponto de partida para o estudo de todo o restante da teologia. Entendendo a superioridade de

Cristo, diversos temas como os já citados, mais ainda a graça, a expiação, a pneumatologia, a

eclesiologia, e todos os outros, podem e devem ser estudados cristocentricamente, para que o

lugar do homem e Deus fiquem claros em cada uma delas.

Enfim, pretendeu-se mostrar nesse trabalho de que forma as Escrituras revelam Jesus

como superior aos oficiais do Antigo Testamento. Também buscou-se evidenciar como esta

superioridade ajuda a entender o papel único de Jesus na salvação de seu povo, além de
147

mostrar que não só seu papel era único, mas sua pessoa era a única para tal papel. O que foi

feito por Jesus não poderia ter sido feito por nenhum outro.

Resta, portanto, o desejo do autor desta dissertação de que este trabalho sirva de

edificação para os súditos dos grande Rei Jesus. Mais do que isso, e antes disso, que sirva de

proclamação da glória do Redentor, tanto de sua pessoa, como de sua obra, para que, pela

loucura da pregação, outros possam ouvir e serem feitos súditos e parte do reino de Deus pela

ação do Espírito de Cristo.

BIBLIOGRAFIA

ACHER, Gleason L., Jr. Merece confiança o Antigo Testamento?. São Paulo: Vida

Nova, 1998, 3ª ed.

AGOSTINHO de Hipona. A Trindade. São Paulo: Paulus, 1994).

ANSELMO de Cantuária. Por que Deus se fez homem?. São Paulo: Novo Século, 2003.

BARTH, Karl. Carta aos romanos. São Paulo: Novo Século, 2000.

____________. Dádiva e louvor, artigos selecionados. São Leopoldo: Sinodal, 1996.

BAVINCK, Hermann. Teologia sistemática. Santa Bárbara d’Oeste: SOCEP, 2001.

BEEKE, Joel R. A busca da plena segurança. São Paulo: Puritanos, 2003.

BERKHOF, Luis. Teologia sistemática. Campinas: Luz Para o Caminho, 1990.

BERKOWER, G. C. The work of Christ. Grand Rapids: William B. Eerdmans

Poblishing Co., 1965.

BRÈS, Guido de. Confissão de fé e catecismo de Heidelberg. São Paulo: Cultura Cristã,

1999.

BRUNNER, Emil. The mediator. Londres, Lutherworth Press, 1942.

CALVINO, Juan. Institucion de la religión cristiana. Barcelona: FELiRe, 1999.


148

CALVINO, João. A verdadeira vida cristã. São Paulo: Novo Século, 2003.

_____________. 1 Coríntios. São Paulo: Paracletos, 1996.

_____________. exposição de Hebreus. São Paulo: Paracletos, 1997.

_____________. exposição de Romanos. São Paulo: Paracletos, 1997.

_____________. Gálatas. São Paulo: Paracletos, 1998.

_____________. O livro dos salmos. São Paulo: Paracletos, 1999.

CAMPOS, Heber Carlos de. As duas naturezas do redentor. São Paulo: Cultura Cristã,

2004.

______________. Cristologia, ou soteriologia objetiva, apostila de aula.

CARSON, D. A., MOO, Douglas & MORRIS, Leon. Introdução ao Novo Testamento.

São Paulo: Vida Nova, 1997.

CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de bíblia, teologia e filosofia, vol 1 A-C.

São Paulo: Hagnos, 2001.

COSTA, Hermisten Maia Pereira da. Inspiração e inerrância das escrituras. São Paulo:

Cultura Cristã, 1998.

CULLMAN, Oscar. Cristologia do Novo Testamento. São Paulo: Líber, 2001.

EATON, Michael A. No condenation, A New Theology of Assurance. Downers Grove:

InterVarsity Press, 1997.

EVANS, Craig A. Novo comentário bíblico contemporâneo, Lucas. São Paulo: Vida,

1996)

FERGUSON, Sinclair. O Espírito Santo. São Paulo: Os Puritanos, 2002.

FLAVEL, John. The works of John Flavel, vol. I. Endiburgh: The Banner of Truth Trust,

1997.

GEORGE, Timothy. Teologia dos reformadores. São Paulo: Vida Nova, 1993.

GILL, John. Hebrews, in arquivo eletrônico de E-Sword, v. 7.7.7, copyright 2005.


149

GRONINGEN, Gerard Van. Criação e consumação, vol. I. São Paulo: Cultura Cristã,

2002.

_________________. Revelação messiânica no Antigo Testamento. Campinas: Luz Para

o Caminho, 1995.

GRUNDEM, William. Teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2002.

HARRIS, Laird R., ARCHER, Gleason L. e WALTKE, Bruce K. Dicionário

internacional de teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998.

HAGNER, Donald A. Novo comentário bíblico contemporâneo, Hebreus. São Paulo:

Vida, 1997.

HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento, Gálatas. São Paulo: Cultura

Cristã, 1999.

_____________. Comentário do Novo Testamento, João. São Paulo: Cultura Cristã,

2004.

_____________. Comentário do Novo Testamento, Lucas, vol. I. São Paulo: Cultura

Cristã, 2003.

_____________. Comentário do Novo Testamento, Mateus, vol. I. São Paulo: Cultura

Cristã, 2001.

_____________. Comentário do Novo Testamento, Mateus, vol. 2. São Paulo: Cultura

Cristã, 2001.

_____________. Comentário do Novo Testamento, Romanos. São Paulo: Cultura Cristã,

2001.

HENRY, Mathew. An exposition, with practical observations, of The First Book of

Samuel, in: arquivo eletrônico de E-Sword, v. 7.7.7, copyright 2005.

_______________. An exposition, with practical observations, of The gospel according

to St. John, in: arquivo eletrônico de E-Sword, v. 7.7.7, copyright 2005.


150

_______________. An exposition, with practical observations, of The gospel according

to St. Luke, in: arquivo eletrônico E-Sword, v. 7.7.7 copyright 2005.

______________. An exposition, with practical observations, of the Proverbs, in:

arquivo eletrônico de E-Sword, v. 7.7.7, copyright 2005.

HILL, Charles E. & JAMES, Frank A., editors. The glory of the atonement. Downers

Grove: InterVasity Press, 2003.

HODGE, Charles. Teologia Sistemática. São Paulo: Hagnos, 2001.

HOEKEMA, Anthony. A Bíblia e o futuro. São Paulo: Cultura Cristã, 1989.

____________. Criados à imagem de Deus. São Paulo: Cultura Cristã, 1999.

____________. Salvos pela graça. São Paulo: Cultura Cristã, 1997.

IRENEU de Lião. Contra as heresias. São Paulo: Paulus, 1995.

JONES, Martyn Lloyd. Santificados mediante a verdade. São Paulo: PES, 2006.

KAISER, Walter C. Jr. Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1999.

KELLEY, Page H. Hebraico Bíblico, uma gramática introdutória. São Leopoldo:

Sinodal, 1998.

KIEL, Carl & DELITZSCH, Frederik. Commentary on the Old Testament, the fith book

of Moses, Deuteronomy in: in: arquivo eletrônico de E-Sword, v. 7.7.7, copyright 2005.

KISTEMAKER, Simon. Comentário do Novo Testamento, Apocalipse. São Paulo:

Cultura Cristã, 2004.

___________________. Comentário do Novo Testamento, Hebreus. São Paulo: Cultura

Cristã, 2003.

___________________. Comentário do Novo Testamento, 1 Coríntios. São Paulo:

Cultura Cristã, 2004.

___________________. Comentário do Novo Testamento, 2 Coríntios. São Paulo:

Cultura Cristã, 2004.


151

LLOYD-JONES, Martyn. Deus o Pai, Deus o Filho. São Paulo: PES, 1997.

LUTERO, Martinho. Da liberdade do cristão. São Paulo: Unesp, 1998.

MACKINTOSH, H. R. The doctrine of the person of Jesus Christ, New York: Charles

Scribner’s Sons, 1912.

MARRA, Cláudio Antônio Batista, editor. Confissão de fé de Westminster. São Paulo:

Cultura Cristã, 1999.

MATHIESON, J. E. The supremacy and sufficiency of Jesus Christ our Lord. Edinburgh:

William Blackwood and Sons, 1897.

MEISTER, Mauro Fernando. Uma breve introdução ao estudo do pacto in: Fides

Reformata vol. 3 n° 1, 1998.

MICHAELS, J. Ramsey. Novo Comentário bíblico contemporâneo, João. São Paulo:

Vida, 1994.

MCGRATH, Alister E. Teologia sistemática, histórica e filosófica. São Paulo, Shedd

Publicações, 2005.

MOREY, Robert A. The saving work of Christ: studies in the atonement. Sterling: Grace

Abounding Ministries, 1980.

MORRIS, Leon. Teologia do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2003.

MOWINCKEL, Sigmund. He that cometh. Oxford: Basil Blackwell, 1956.

MURRAY, John. Collected writings of John Murray, vol I: the claims of truth.

Endiburgh: The Banner of Truth Trust, 1976.

OWEN, John. A declaration of the glorious mystery of the person of Christ, the works of

John Owen, vol. I. London: The Banner of Truth Trust, 1987.

____________. Biblical theology. Morgan: Soli Deo Gloria Publications, 1996.

____________. The glory of christ. Chicago: Moody Press, 1956.

PACKER, James Inner. Teologia concisa. São Paulo: Cultura Cristã, 1999.
152

PERMAN, Matt. The consistency of divine soverignty and human accountability.

Disponible em www.monergism.com, acessado em 18/09/2003.

PLUMER, William S. The rock of our salvation. Harrisonburg: Sprinkle Publications,

1995.

RICHARDSON, Alan. Introduction to the theology of the New Testament. Nova York:

Harper & Row, Publishers, 1958.

ROBERTSON, O. Palmer. Cristo dos pactos. Campinas: Luz Para o Caminho, 1997.

SANDERS, J. Oswald. The incomparable Christ, the person and work of Christ.

Chicago:Moody Press, 1982.

SCHAFFER, Francis. A obra consumada de Cristo. São Paulo: Cultura Cristã, 2003.

SPROUL, R. C. O ministério do Espírito Santo. São Paulo: Cultura Cristã, 1997.

STOTT, John W. A mensagem de Gálatas. São Paulo: ABU, 2000.

STRONG, Augustus Hopkins. Teologia sistemática. São Paulo: Hagnos, 2003.

TAYLOR, William Carey. Introdução ao estudo do Novo Testamento grego. Rio de

Janeiro: JUERP, 2001.

TILLICH, Paul. Perspectivas da teologia protestante nos séculos XIX e XX. São Paulo:

ASTE, 1986.

VAN TIL, Cornelius. A survey of Christian epistemology. Phillisburg: Presbyterian and

Reformed Publishing Co., 1969) arquivo eletrônico.

VANHOYE, Albert. Old Testament priests and the new Priest according to the New

Testament. Petersham: St. Bede’s Publications, 1986.

VOS, Geerhardus. Biblical theology, Old and New Testaments. Endiburgh: the Banner of

Truth Trust, 1996.

WARFIELD, Benjamin Breckinridge. The person and work of Christ. Philadelphia: The

Presbyterian and Reformed Publishing Company, 1970.


153

YOUNG, Edward J. My servants the prophets. Grand Rapids: WM B. Eeddmans

Publishing Co., 1955.

GLOSSÁRIO

Ungido: Os oficiais do Antigo Testamento iniciavam, ou eram eleitos, para o exercício de

seus ofícios, a partir da unção (Ex 29.7; 1Sm 10.1, 16.3; 1Rs 19.16-21). Não somente pessoas

eram ungidas, mas, também, objetos (Ex 29.36, 30.26-29; Nm 7.84-88), a fim de que fossem

utilizados no exercício do ofício sacerdotal, mantendo a estreita ligação entre unção e os

ofícios. Portanto, mesmo que o termo “ungido” fosse utilizado referindo-se quase que

exclusivamente ao rei,333 (1Sm 2.10; 2Sm 22.51; Sl 2.2; 18.50), ele também possui ligação

direta com os outros dois ofícios. Segundo Van Groningen, o termo “ungido” e seus

correlatos “referem-se à pessoa divina, real, sagrada, reveladora, representada por vários

ofícios e personalidades, que têm tarefas especificamente designadas, metas determinadas e os

meios para atingi-las.” Para que tudo isso fosse realizado, Van Groningen apontou quatro

aspectos da unção: designar, apontar ou eleger; separar ou consagrar; ordenar ou atribuir;

qualificar ou equipar para o ofício e suas tarefas.334 A unção, portanto, é o princípio dos três

ofícios.

333
Cf. HAMILTON, Victor P. in: HARRIS, Laird R., ARCHER, Gleason L. e WALTKE, Bruce K. Dicionário
internacional de teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998, p. 885, doravante DITAT. Ver
também MOWINCKEL, Sigmund. He that cometh. Oxford: Basil Blackwell, 1956, p.4-6.
334
Cf. GRONINGEN, Gerard Van, Revelação messiânica no Antigo Testamento. São Paulo: Luz Para o
Caminho, 1995, 22-27; doravante Revelação.
154

Ofício: Os ofícios de Cristo são os descritos por Calvino: Profeta, Sacerdote e Rei; através

dos quais Cristo desempenhou sua obra.335 Ofício é o comissionamento dado a uma pessoa por

iniciativa de outra, sendo que, no Antigo Testamento, o símbolo deste comissionamento era a

unção.336 O ofício é algo externo à pessoa, de modo que seu significado e autoridade são

dados apenas indiretamente à pessoa, para que esta cumpra seu comissionamento, sempre

ficando clara a noção de dependência de Deus.337

Profeta: Essa palavra tem um significado amplo e tem como idéia essencial a noção de que o

profeta é o porta-voz de Deus.338 Eles eram membros do povo, separados para uma íntima

relação com Deus, de forma que suas palavras eram consideradas a própria Palavra de Deus.

Essa idéia de porta-voz está mais ligada à palavra hebraica aybin" (nabhi), que faz mais
referência à proclamação do que o recebimento da revelação de Deus.339 As palavras

utilizadas para descrever o profeta como aquele que recebe a revelação de Deus por meio da

visão é ha,ro (ro’eh)340 e hz<xoh; (hozeh).341 Além de receber e transmitir a

revelação de Deus, os profetas, como explicou Van Groningen, eram responsáveis por repetir,

explicar, aplicar a Palavra de Deus e, também, deviam guiar o povo para que respondessem

corretamente à palavra, e, ainda, eram os agentes no ritual de unção (2 Sm 23.1-7).342

Sacerdote: A palavra hebraica para sacerdote é !h,Ko (kœhen). Em muitos textos

se referem ao oficial-mor, ou, como no caso de Ira, o Jerita, de “conselheiro confidencial”

(Ex.: 2Sm 8.18) ou os primeiros nas mãos do rei (Ex.:1Cr 18.17).343 Exceto por estes casos,

esta palavra usada para descrever o “ministro das coisas sagradas, especialmente dos

335
Cf. Calvino, Inst., Profeta: II.15.1ss; Sacerdote: II.12.1, 4; Rei: II.6.2ss; 15.3ss; 16.15ss.
336
Cf. Berkouwer, The work of Christ, p. 63.
337
Cf. Ibid, p. 64.
338
Cf. Robert D. Culver, in: DITAT, p. 905.
339
Cf. Idem, p. 1384.
340
Cf. Ibid, p. 1384, 1385.
341
Cf. Ibid, p. 447.
342
Cf. Van Groningen, Revelação, p. 34.
343
Cf. J. Barton Payne, in: DITAT, p.704.
155

sacrifícios”.344 No princípio, todos eram seus próprios sacerdotes (Gn 4.3, Jó 1.5), mas no

tempo de Noé este papel passou a ser exercido pelo patriarca da família (Gn 8.20, 12.8). Com

a saída do povo de Israel do Egito e sua reestruturação como nação que retoma sua própria

liderança, Israel recebe sua primeira legislação escrita que define e restringe como sacerdotes

a Arão e seus descendentes (Lv 8 e 9). Eram obrigações dos sacerdotes:345 fazer expiação,

sacrificando animais (Lv 3.16, 4.26,31,35, 5.6,10, 14.31, 17.6); purificar do povo, declarando

impuro o que se encontrava nesta condição, inspecionando-se até mesmo os lares (Lv 13.11,

14.15) e colocando à prova os casos de adultério (Nm 5.11-31); ouvir a confissão de fé dos

adoradores e receber suas ofertas (Dt 26.1); ajudar homicidas quando não intencionais (Dt

19.1-13) e auxiliar forasteiros (Ex 23.9); instruir e supervisionar a instrução do povo (Ml 2.7);

preservar e manter o livro da lei ao alcance do rei (Dt 17.18; 2Rs 22.11, 23.2); servir de juiz

nas desavenças dentro do povo de Israel (Dt 17. 8-13).

Rei: A palavra hebraica para rei, %l,m, (melek), era utilizada para toda pessoa de grande

autoridade, imperador e governantes (Jr 46.2 imperador Nabucodonosor, Dn 5.30 governador

Dario, subalterno de Ciro),346 desta forma, sua simples ocorrência não indica a pessoa que

recebeu o ofício real. Para que tanto seja identificado, a ação da pessoa denominada “melek”

deveria ser voltada para a manutenção do pacto, portanto, deveria atender as prescrições

pactuais para tal ofício. O rei era ungido libertador do povo por meio de lutas e a quebra de

jugo de servidão, buscando a paz (1Sm 9.16).347 Além disso, o rei deveria governar sobre o

povo (1Sm 10.1), regulando sua própria vida e a do povo pela vontade revelada de Deus (Dt

17.18; 1Rs 3.8,9).348 Assim, o rei era um pastor sobre o povo de Deus, alimentando-o,

cuidando e conduzindo dentro da aliança (Sl 78.71,72; Ez 34.1; Cf. Jz 21.25). O Rei era

344
Cf. Ibid, p. 705.
345
Cf. Van Groningen, Revelação, p. 33, todas as oito funções foram descritas com base neste mesmo texto.
346
Cf. Robert D. Culver, in: DITAT, p. 842.
347
Cf. Van Groningen, Revelação, p. 34.
348
Cf. Ibid, p. 35.
156

aquele que representava o poder soberano de Deus, zelando para que o povo seguisse a

palavra dada pelo profeta e fosse diante do sacerdote levar sua oferta e cultuar a Deus.

Superioridade: A superioridade de Jesus deve ser entendida no sentido de que no exercício

dos ofícios ele o fez com maior profundidade, maior clareza, com caráter definitivo e como

cumprimento de expectativas trazidas pelas promessas do Antigo Testamento quanto ao

Messias. Por outro lado, estes aspectos da superioridade do Filho não podem ser entendidos

como se o que fora feito pelos oficiais do Antigo Testamento fosse menos obra de Deus, ou

menos necessário, na verdade, era justamente a preparação para que Jesus pudesse realizar seu

papel de profeta, sacerdote e rei no meio de um povo que já aprendera a ter essas figuras

como essenciais. Num sentido denotativo da palavra superior, Jesus o foi por ser o Filho na

casa do Pai, e não o servo (Hb 3), por isso ele tinha mais autoridade e era melhor no exercício

de seus ofícios, pois o fez sem pecar, dando melhor testemunho daquele que o enviara (Hb

4.15).
157