Você está na página 1de 50

Teoria do Domínio do Fato

no Concurso de Pessoas

saraivajur.com .br
Visite nosso portal
OBRAS DO AUTOR

Código de Processo Penal anotado, Saraiva.

Código Penal anotado, Saraiva.

Comentários ao Código Penal (2 v.), Saraiva.

Crimes deporte de arma de fogo e assemelhados', anotações à parte criminal


da Lei n. 9.437, de 20 de fevereiro de 1997, Saraiva.

Crimes de trânsito, Saraiva.

Decisões anotadas do Supremo Tribunal Federal em matéria criminal,


Saraiva.

Direito penal, 1o volume, Saraiva.

Direito penal, 2o volume, Saraiva.

Direito penal, 3o volume, Saraiva.

Direito penal, 4o volume, Saraiva.

Imputação objetiva, Saraiva.

Lei Antitóxicos anotada, Saraiva.

Lei das Contravenções Penais anotada, Saraiva.

Lei dos Juizados Especiais Criminais anotada, Saraiva.

Novas questões criminais, Saraiva.

Novíssimas questões criminais, Saraiva.

O novo sistema penal, Saraiva.

Penas alternativas, Saraiva.

Prescrição penal, Saraiva.

Questões criminais, Saraiva.

Temas de direito criminal, 1a série, Saraiva.

Teoria do domínio do fato no concurso de pessoas, Saraiva.


DAMÁSIO E. DE JESUS

Teoria do Domínio do Fato


no Concurso de Pessoas

3a edição
2a tiragem

2009

Editora
B S araiv a
y— Edi tora ISBN 978-85-02-15626-5
Saraiva
Av. Marquês de Sõo Vicente, 1697 - CEP 01139-904 Dados Internacionais de Cotologoçõo no Publicação (CIP)
Borra Fundo - Sõo Poulo-SP (Cômoro Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Vendos: (11) 3613-3344 (tel.) / (11) 3611-3268 (fox)
SAC: (11) 3613-3210 (Grande SP) / 0800557688 (outras locolidodes) Jesus, Domásio E. de, 1935-
E m É soraM3jur@eitorQsaorra.coni.br — Acesse: www.soraivcijur.cori.bf Teoria do domínio do foto no concurso de pessoos / Domósio
FILIAIS
E. de Jesus. — 3. ed. — Sõo Poulo: Saraivo, 2002.

a m a z o n a s / r o n d ô n iv r o r a i m a / a c r e
Bibliografia.
Ruo Costa Azevedo, 56 - Centro 1. Concurso de pessoos (Direito penol) 2. Direito penol 3.
Fone: (92) 3633-4227 - Fax: (92) 3633-4782 - Monous
Foto juridico 4. Nexo cousol I. Título.
BAHIA/SERGIPE
Ruo Agripino Dóreo, 23 - Brotos
Fone: (7 1 )3 3 8 1 -5 8 5 4 / 3 3 8 1 -5 8 9 5 Editado tombém como livro impresso em 2002.
Fox: (71) 3381-0959 -S o to d o r L_

BAURU (SÃO PAULO) índice para cotólogo sistemático:


Ruo Monsenhor Cloro, 2-55/2-57 - Centro
1. Concurso de pessoos: Teoria do domínio do foto: Direito
Fone: (14) 3234-5643 - Fax: (14) 3234-7401 - Bouru
penol 343.237
CEARÃ/PIAUt/MARANHÃO
Av. Fíomeno Gomes, 670 - Jocorecongo
Fone: (85) 3 2 38 -2 32 3/3 23 8-138 4
Fox: (85) 3238-1331 -Fortoiezo
DISTRITO FEDERAL
SIG 0 0 3 BI. B - lojo 97 - Setor Induslriol Grófko
Fone: (61 )3 3 4 4 -2 9 2 0 / 3 3 4 4 -2 9 5 1
Fox: (61) 3344-1709 -B ro sS o
GOIÁSAOCAHTIHS
Av. Independendo, 5330 - Setor Aeroporto
Fone: (6 2 )3 2 2 5 -2 8 8 2 / 3 2 1 2 -2 8 0 6
Fox: (62) 3224-3016-GoiÔnio
MATO GROSSO DO SUL/MATO GROSSO
Ruo 14 de Juf», 3 1 4 8 -Centro
Fone: (67) 3382-3682 - Fax: (67) 3382-0112 - Canpo Grande
MINAS GERAIS
Ruo Além Poroíbo, 449 - Logoinho
Fone: (31) 3429-8300 - Fax: (31) 3 4 2 9 -8 3 1 0 - Belo Horizonte
PARÁ/AMAPÁ
Travesso Apinogés, 186 - Botisto Compos
Fone: (9 1 )3 2 2 2 -9 0 3 4 / 3 2 2 4 -9 0 3 8
Fox: (91) 32 41 -0 49 9-Belém
PARANÁ/SANIA CATARINA
Ruo Conselheiro lounndo, 2895 - Prodo Vefio
Fone/Fax: (41) 3332-4894 -C u ritto
PERNAMBUCO/PARAÍBA/R. G. DO NORTE/ALAGOAS
Ruo Corredor do Bispo, 185 - Boo Visto
Fone: (81) 3421-4246 - Fax: (81) 3 4 2 1 - 4 5 1 0 - Recife
RIBEIRÃO PRETO (SÃO PAULO)
Av. Francisco Junqueira, 1255 - Centro
Fone: (16) 3610-5843 - Fax: (16) 3 6 1 0 8 2 8 4 - Ribeirão Preto
RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO
Ruo Visconde de Santo Isabel, 113 o 119 - Vlo Isobel
Fone: (21) 2577-9494 - Fax: (21) 2 5 7 7 8 8 6 7 / 2577-9565
Rio de Joneiro
RIO GRANDE DO SU L
Av. A. J. Renner, 231 - Farrapos
Fone/Fox: (51) 3371-4001 / 3371-1467/3371-1567
Porto Alegre
Nenhumo porte desta publicoçõo poderó ser reproduzido por qualquer m e» ou formo
SÃO PAULO sem o prévio outorízoçõo do Editora Soroivo.
Av. Morquês de Sõo Vicente, 1697 - Borro Fundo A violoçõo dos direiras outorois é crime esfobetecido no Lei n. 9.610/98 e punido
Fone: FABX (11) 3613-3000 - Sõo Poulo pelo artigo 184 do Código Penol
ABREVIATURAS

art(s). — artigo(s)
cap. — capítulo
CF — Constituição Federal
cit. — citado
CP — Código Penal
Ed. — Editora
ed. — edição
loc. cit. — locus citatus (local citado)
n. — número(s)
op. cit. — opus citatus (obra citada)
P- — página(s)
PJ — Paraná Judiciário
RBCDP— Revista Brasileira de Criminologia
e Direito Penal
RF Revista Forense
RJTJSP — Revista de Jurisprudência do Tribunal
de Justiça de São Paulo
RT — Revista dos Tribunais
s. — seguintes
VI ABREVIATURAS

trad. — tradução
v. — vide
v. g. — verbi gratia (por exemplo)
v. — volume
SUMÁRIO

Abreviaturas................................................................. V
Nota do a u to r ................................................................. IX
1. Concurso de pessoas e relação de causalidade .... 1
1.1. Os requisitos do crime e o nexo de causalidade .. 1
1.2. O declínio do prestígio da exigência do nexo
causal ................................................................ 1
1.3. Responsabilidade penal e relação causal: nossa
posição............................................................... 4
2. Concurso de pessoas ............................................... 6
2.1. Autoria individual, autoria coletiva e partici­
pação .................................................................. 6
2.2. O nexo de causalidade como requisito da au­
toria e da participação...................................... 6
2.3. Nossa nova posição a respeito da exigência
da relação de causalidade material na partici­
pação................................................................... 10
3. Teorias sobre as formas de realização da conduta
típica: autoria e participação.................................. 13
3.1. As teorias mais importantes sobre o conceito
de autor.............................................................. 13
v in SUMÁRIO

3.1.1. Teoria extensiva...................................... 14


3.1.2. Teoria restritiva...................................... 15
3.2. Posição do Código Penal brasileiro............... 16
4. Teoria do domínio do f a to ....................................... 17
4.1. Introdução......................................................... 17
4.2. Espécies de autoria em face do domínio do fato . 18
4.2.1. Autoria propriamente d ita ..................... 19
4.2.2. Autoria intelectual................................. 19
4.2.3. Autoria m ediata...................................... 19
4.2.4. C o-autoria.............................................. 21
4.3. Formas de co-autoria ....................................... 22
4.3.1. Co-autoria d ire ta .................................... 22
4.3.2. Co-autoria parcial ou funcional ........... 22
4.4. Co-autoria e co-autor sob outras form as 25
5. Participação.............................................................. 25
6. Extensão da teoria do domínio do fato ................. 27
7. O Código Penal brasileiro e a teoria do domínio do
f a to ............................................................................ 27
Bibliografia nacional consultada pelo a u to r 29
Bibliografia estrangeira consultada pelo a u to r 33
NOTA DO AUTOR

Adotávamos a exigência do nexo de causalidade como


requisito da participação no tema do concurso de pessoas.
Assim, v. g., no induzimento, entendíamos que o indutor
só respondia pelo crime se causal sua conduta. Caso con­
trário, o fato seria considerado atípico.
Com o passar dos anos, depois de muito estudo e medi­
tação, as idéias amadurecem, os conceitos vão se sedimen­
tando, e o autor se descobre submetendo a revisão crítica
as suas próprias posições. Nílton Bonder, em O segredo
judaico de resolução de problemas, lembra que, de acordo
com a tradição cabalística “a realidade existe em camadas,
como uma cebola”*. Com efeito, em face de um tema tor­
mentoso como o da causalidade material, o desfazimento
uma a uma de suas camadas, pelo estudo de seu conteúdo,
aplicação a casos concretos e a outros institutos, permite o
surgimento e a visão de encobertos meandros jurídicos,
tomando, às vezes, incorretos e inadequados velhos e pa­
cíficos conceitos, exigindo a formulação de outros princí­
pios e a tomada de novas posições. Isso aconteceu conosco
na questão da relação de causalidade objetiva como condi­

* São Paulo: Imago, 1995, p. 12.


X NOTA DO AUTOR

ção da participação. Há tempos estamos avaliando a se­


guinte hipótese: imagine um roubo praticado por diversos
sujeitos. Uns subjugam as vítimas; outros subtraem valores;
outros transportam o grupo, e um deles atua como sen­
tinela ou “olheiro”. Aplicando-se o pressuposto da exigên­
cia da causaüdade da participação, se esta fosse causal —
necessária, indispensável — , o vigia seria considerado
partícipe e, portanto, responsável também pelo assalto; caso
contrário, o evento não lhe seria atribuído. Nesta última
hipótese, para a teoria tradicional, incidindo o art. 13, caput,
do Código Penal, não seria partícipe do roubo por ausên­
cia do nexo de causalidade. Essa orientação, que sempre
defendemos, hoje não é aceitável. Passamos a entender que
o sentinela responde pelo crime de roubo nos dois casos,
ainda que não causal seu comportamento.
Na distinção entre autoria e participação, éramos par­
tidários da teoria restritiva, na modalidade objetivo-formal,
considerando executor somente quem realiza concretamen-
te o verbo típico. Diante disso, estávamos obrigados a con­
siderar mero partícipe o sujeito que, num homicídio, segu­
rasse a vítima a fim de ser esfaqueada ou, num roubo, fos­
se o chefe da quadrilha. Essa orientação, hoje, não nos
parece correta: os sujeitos, nos dois casos, devem ser tidos
como co-autores. Por isso, estamos também adotando a
“teoria do domínio do fato”, considerando que atende mais
adequadamente a solução de várias questões que envol­
vem um dos mais fascinantes institutos do Direito Penal, o
concurso de pessoas.
Procuramos ser o mais didático possível, dividindo os
assuntos em itens, de forma a permitir melhor compreen­
são da matéria.
Nosso trabalho não esgota o assunto. Não tivemos essa
pretensão. Na bibliografia serão encontrados artigos, livros e
NOTA DO AUTOR XI

monografias de grande extensão e profundidade, abordando


todos os aspectos do concurso pessoal. Aqui, em pequena
exposição singela, quisemos apenas deixar firmado nosso
novo posicionamento a respeito de dois pontos:
1Q) passamos a adotar a teoria do domínio do fato com
todas as suas conseqüências;
22) estamos desprezando o nexo de causalidade objeti­
va na participação, mantendo-o na autoria direta material.
Esperamos que nosso novo posicionamento provoque
debates e questionamentos, adesões e críticas, formas de
seguir no rumo do aperfeiçoamento da ciência penal.
Não se trata de simples “mudança de idéias”. É amadu­
recimento, avanço. Um passo a mais na busca de um Di­
reito Penal garantidor.

São Paulo, junho de 1999


Damásio E. de Jesus
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO
CONCURSO DE PESSOAS

1. Concurso de pessoas e relação de causalidade

1.1. Os requisitos do crime e o nexo de causalidade

Conceituamos crime, sob o aspecto formal, como fato


típico e antijurídico. O fato típico, nos crimes materiais de
ação, compõe-se, para efeito didático, de conduta dolosa
ou culposa, resultado, nexo de causalidade e tipicidade.
Assim, na hipótese de o sujeito, agindo dolosamente, des­
fechar tiros de revólver na vítima, matando-a, encontrare­
mos a conduta dolosa (disparo), o resultado (morte), a re­
lação causal entre a ação e o evento e a tipicidade (art. 121,
caput, do CP). Dessa maneira, o fato material, formado de
comportamento, evento e relação causal, aliado à tipicidade,
integra, para efeito de compreensão, o fato típico. E este,
acrescido da ilicitude, conduz à existência de crime.

1.2. O declínio do prestígio da exigência do nexo causal

Nos últimos tempos, alguns autores vêm recomendan­


do a eliminação da relação de causalidade como elemento
do fato típico, que passaria a conter, como requisitos do cri­
2 DAMÁSIO E. DE JESUS

me material e de ação, somente o comportamento doloso ou


culposo, o resultado e a tipicidade. Com o advento do Di­
reito Penal da Culpabilidade — ensinam — toma-se desne­
cessária a verificação da relação entre a conduta e o resulta­
do, uma vez que só pode sofrer o juízo de censurabilidade
(culpabilidade) quem concretiza o fato típico, dentro do qual
se encontra o evento, conseqüência da ação. Desse modo, o
juiz, na fase da verificação da culpabilidade, necessariamente
passa pela averiguação da prática do fato típico, em que se
acham o comportamento e o resultado. Se não estão conec­
tados ao agente, este deve ser absolvido.
Não é nova a idéia de excluir-se o nexo causal material
dos códigos penais. A Comissão Redatora do Código
Penal Tipo para a América Latina, em sua segunda reu­
nião, realizada no México (sessão de 20 de outubro de
1965), recomendou a não-inclusão de dispositivo a respei­
to do nexo de causalidade objetiva. Naquela oportunidade,
Heleno Cláudio Fragoso, Relator da Comissão brasileira,
anotou que “a matéria da causalidade provoca gravíssimas
discrepâncias doutrinárias e jurisprudenciais, conduzindo
a situações de grande confusão na aplicação da lei penal”1.
Em outro trabalho, afirmou que a matéria da relação de
causalidade é um “daqueles conceitos que devem ser dei­
xados à elaboração doutrinária, como o conceito de culpa­
bilidade. Esse é o caminho que vão seguindo todos os có­
digos e projetos mais recentes”2. No dizer de Bustos Rami-
rez, no estágio atual da teoria do deüto, “o dogma da cau-

1. Código Penal Tipo para Latinoamérica, México: Academia


Mexicana de Ciências Penales, 1967, p. 70.
2. “A reforma da legislação penal - 1”, RBCDP, Rio de Janeiro,
2:59, 1963.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 3

salidade não serve para nada e fica reduzido a um ‘puro


dogma’, vazio completamente de conteúdo”3. No mesmo
sentido: Alberto Silva Franco4. De acordo com os doutrina-
dores, o tema do nexo causal, relevante para a teoria natu-
ralística da ação, à medida que esta foi perdendo terreno
na doutrina, diminuiu de importância, substituído pelo prin­
cípio de que não há pena sem culpabilidade. Para outros, a
questão é de tipicidade, de amoldar-se ou não o fato mate­
rial ao modelo legal, de modo a poder ser atribuído ao su­
jeito, tema que supera, por inclusão, o nexo causal, poden­
do por isso ser excluído. Percebendo a função diminuta da
relação causal, José Frederico Marques, em trabalho espe­
cífico sobre o assunto, notou que, se a causalidade tivesse
importância absorvente, “a tipicidade estaria reduzida a um
papel subalterno, quando não inócuo”5. Além disso, a pre­
sença do nexo causal é apenas início da responsabilidade
penal, tanto que no próprio tipo se inclui o dolo, delimitador
subjetivo da imputação do resultado. Entre nós, acatado na
Reforma Penal de 1984 o princípio da culpabilidade e, por
isso, extinto todo resquício de responsabilidade penal ob­
jetiva, como se depreende do art. 19 do Código Penal, se­
gundo o qual o resultado só pode ser imputado a título de
dolo ou culpa, alguns doutrinadores afirmam que não há
mais necessidade de socorrer-se da relação causal objeti­
va. Como dizia Heleno Cláudio Fragoso em 1963, “excluí­
da a responsabilidade objetiva, já não há por que cuidar-
se, com tanta precisão, de estabelecer clara solução

3. Manual de derecho penal espanol, Madri, 1:174, 1984.


4. Código Penal e sua interpretação jurisprudencial, 5. ed., São
Paulo: Revista dos Tribunais, 1995, p. 131.
5. “Co-autoria”, RF, 173:507.
4 DAMÁSIO E. DE JESUS

legislativa para o dificílimo problema de causalidade. A


questão não tem, sob outro aspecto, a magnitude que se
imaginava: a causalidade somente surge nos crimes mate­
riais, apresentando dúvidas em número muito restrito de
casos”6. Por isso, Welzel observava que somente em pou­
cos delitos, como homicídio, lesões corporais e incêndio,
o tema da causalidade oferece maiores interesses7.
A Comissão Revisora do Anteprojeto de Código Penal
de 1969, de Nélson Hungria, atendendo às objeções que apa­
receram na época, suprimiu as disposições referentes ao
imputatio facti. O Código Penal de 1969, porém, de acordo
com o que informou a Exposição de Motivos, decidiu “man­
ter, com pequenas correções, o que se refere à relação de cau­
salidade, considerando que se trata de regra que jamais trouxe
qualquer dificuldade na aplicação da lei penal, sendo de fácil
compreensão pelos juizes. Suprimir esse dispositivo seria
ensejar a reabertura de largo debate que ainda hoje divide a
doutrina, entre as teorias fundamentais sobre o nexo causal, o
que haveria de conduzir a incertezas e dificuldades na aplica­
ção da lei” (n. 8). A Reforma Penal de 1984 seguiu essa orien­
tação, mantendo a disciplina do nexo de causalidade no art.
13 do Código Penal. Por isso incidiu na crítica da doutrina8.

1.3. Responsabilidade penal e relação causal: nossa posição

Realmente, acatada a responsabilidade pessoal e subje­


tiva, que tem como centro a culpabilidade, só pode ser conde-

6. “A reforma da legislação penal - 1”, cit., 2:59.


7. Derecho penal alemán\ parte geral, 11. ed., Jurídica de Chile,
1970, p. 66.
8. Franco, op. e loc. cits.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 5

nado, v. g., por homicídio doloso quem “matou alguém”, o


que pressupõe o nexo de causalidade. Ausente este, não se
pode considerar que o sujeito “matou alguém”. De ver-se,
contudo, que, adotada irrestritamente a teoria de que o Di­
reito Penal da Culpabilidade leva ao desprezo do nexo cau­
sal, por ser supérfluo, quando ausente este, opera-se a absol­
vição do agente por falta de censurabilidade, pressupondo-
se, então, que cometeu um fato típico e antijurídico. Ora, se
alguém, por exemplo, é acusado da prática de um crime de
homicídio e comprova-se que a morte não adveio de sua
conduta, não se pode dizer que realizou um fato típico, ten­
do em vista que o resultado não foi causado pela ação.
Absolvê-lo por ausência de culpabilidade é reconhecer que
praticou um crime, quando, na verdade, nem fato típico pode
ser-lhe imputado. Não se identificam os efeitos da ausência
de fato típico e de culpabilidade. Na primeira hipótese, o
fato não ingressa no campo do Direito Penal, ficando impe­
didos o inquérito policial e a ação penal; no segundo, como
há o cometimento de um delito, procede-se à persecução
criminal, beneficiando-se o acusado pela absolvição somente
no momento da análise do mérito da pretensão punitiva. Além
disso, em muitos casos, como de causas antecedentes,
concomitantes e supervenientes, absolutamente independen­
tes da conduta do sujeito, a exclusão do nexo de causalida­
de, afastando o fato típico e não a culpabiüdade, constitui
exigência de um Direito Penal garantidor. É certo que,
inexistindo nexo objetivo entre a conduta e o resultado, o
fato é atípico, pelo que se prescindiria da exigência da cau­
salidade, substituída pela tipicidade. Nos crimes materiais e
de ação, entretanto, a presença da regra de que o resultado
só é imputável a quem lhe deu causa constitui uma garantia
na solução dos casos que envolvem a autoria direta e material.
6 DAMÁSIO E. DE JESUS

Daí por que não concordamos com a tese da desnecessi­


dade do nexo causal como elemento do fato típico nos casos
de autoria direta e material, reconhecendo a conveniência de
sua subsistência e a manutenção do art. 13 do Código Penal,
que disciplina o tema.

2. Concurso de pessoas

2.1. Autoria individual, autoria coletiva e participação

Em regra, os crimes são cometidos somente por um


sujeito, hipóteses que podemos chamar de “autoria indivi­
dual”. O delito, entretanto, às vezes resulta da conduta de
mais de uma pessoa, sendo que algumas têm participação
meramente acessória na realização do fato, não podendo
por isso ser denominadas “autoras”, recebendo o nome de
“partícipes”. Se, em relação ao autor material direto, como
vimos, convém incidir o requisito do nexo de causaüdade,
de questionar sua exigência no tocante ao partícipe, o que
passaremos a analisar.

2.2.0 nexo de causalidade como requisito da autoria e da


participação

No Brasil, o concurso de pessoas, seja co-autoria, seja


participação, sempre esteve sujeito ao requisito do nexo de
causalidade9. Assim, a Exposição de Motivos do Código
Penal de 1940 já dizia que o antigo art. 25, que tratava do

9. Nilo Batista, Concurso de agentes, Rio de Janeiro: Liber Juris,


1979, v. 7.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 7

concurso de agentes, era “mero corolário” do art. 11, que


disciplinava o nexo causal objetivo (n. 22). Em face disso,
cuidando da participação, nossos penalistas, em sua qua-
se-unanimidade, seguindo a orientação da doutrina estran­
geira, especialmente a italiana, e aplicando a teoria exten­
siva, sempre exigiram sua relevância causal. Como dizia
José Frederico Marques, “sem um comportamento relevan­
te, sob o aspecto causal, não se pode falar em participação.
Não há participação no crime, relevante para o Direito Pe­
nal, sem ato exterior que se inclua na cadeia causal” 10. No
mesmo sentido, Heleno Cláudio Fragoso sentenciava: “se
falta contribuição causal inexiste participação”11. Da mes­
ma forma: Bento de Faria, Nélson Hungria, Roberto Lyra,
Costa e Silva, Magalhães Noronha, Baliseu Garcia, Salga­
do Martins e Aníbal Bruno; modernamente, Evandro Lins
e Silva, Celso Delmanto, Luiz Vicente Cem icchiaro,
Mirabete e Cezar Bitencourt. Doutrina italiana da necessi­
dade causal da participação seguida pelos autores brasilei­
ros: Guamieri, Ranieri, Frosali, Pedrazzi, Bettiol, Cavallo,
Pisapia e Morelli12. Vide sobre essa tradicional exigência
na doutrina italiana: Giovanni Fiandaca e Enzo Musco13.
Isso significa que a doutrina, no Brasil, orienta-se no senti­
do de que é aplicável às formas de concurso de pessoas o
art. 13, caput, do Código Penal, que adotou os princípios

10. Tratado de direito penal, Campinas: Bookseller, n. 7,1:407,


1997. Verbete: “relevância causal das condutas”.
11. Lições de direito penal: a nova parte geral, Rio de Janeiro:
Forense, n. 249, 1985, p. 268-9.
12. Relação de Antonio Pagliaro, in Principi di diritto penale,
Milão: Giuffrè, 1993, nota 13, p. 540.
13. Diritto penale; parte generale, Roma: Zanichelli, 1995, p. 448.
8 DAMÁSIO E. DE JESUS

da equivalência dos antecedentes e da consideração da causa


segundo o sistema da eliminação hipotética. A conduta do
partícipe, de acordo com essa orientação, só é típica quando,
sem ela, o delito não teria ocorrido. A jurisprudência não se
aparta da doutrina, inserindo a causalidade material como con­
dição da participação14. Esse entendimento, entretanto, não
convém que seja acatado, como procuraremos demonstrar.
Suponha-se um assalto cometido por diversos sujeitos.
Um deles atua como sentinela. Apücando-se o pressuposto
da exigência da causalidade da conduta, se esta fosse causal,
seria considerado partícipe e, portanto, responsável também
pelo roubo; caso contrário, o evento não lhe seria imputado.
Em outros termos, de acordo com a teoria da eliminação
hipotética da eventual conduta relevante, para ser apreciada
como indispensável ou não a contribuição, devemos excluí-
la da cadeia causal: se, eliminada, o assalto não se consu­
masse, seria causal, havendo responsabilidade pelo resulta­
do; se, retirada, ainda assim houvesse roubo, não se mostra­
ria causal, não se lhe podendo atribuir o evento.
Admita-se que a participação do vigia tenha somente
apressado a fuga dos meliantes. Excluída, haveria delito
da mesma forma, somente retardada a retirada do local.
Para a teoria tradicional, incidindo o art. 13, caput, do Có­
digo Penal, não seria partícipe do roubo por ausência do
nexo de causalidade. Tal solução não se sustenta. No caso,
o sentinela deve responder pelo assalto, indispensável ou
não sua conduta, desprezando-se o requisito da relação
causal. No sentido do texto: Paulo de Souza Mendes,
“Crítica à idéia de ‘diminuição do risco’ de Roxin”, RBCP,

14. RT, 375:287,432:319,487:312,524:346 e 676:325; RJTJSP,


10:411 e 22:493.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 9

São Paulo, 74:106, nota 15, abr.-jun. 1996. Como dizia


Novoa Monreal, “é possível prestar ajuda à realização de
um delito mediante uma conduta que não seja indispensá­
vel para o resultado típico. Pode perfeitamente acontecer
que alguém somente favoreça uma atuação do autor: por
exemplo, acelerando a produção do resultado punível, que,
sem essa ajuda, de todo modo, teria chegado a ocorrer, ou
então facilitando uma atuação do autor, que, sem essa aju­
da, sempre se teria produzido. Com isso está cooperando
na atuação do delinqüente principal, porém mediante atos
secundários, que não são decisivos para a produção do de­
lito, mas que simplesmente tornam mais rápido e fácil o
resultado típico. Temos que entender, em conseqüência, que
a relação causal não é requisito indispensável para a atua­
ção do auxiliar ou cúmplice” 15.
Imagine-se uma hipótese de homicídio. Sabendo que
“A” pretende matar a vítima “B”, o armeiro “C”, também
seu inimigo, incentiva-o à prática do delito e melhora a mira
de sua arma de fogo, aderindo objetiva e subjetivamente ao
fato. “A” mata “B”. De acordo com a prova, ainda que a
mira não fosse melhorada e ausente a instigação, “C”, com
firme propósito, executaria a vítima. Aplicando-se a exigên­
cia causal, “C” não seria partícipe, não respondendo pelo
crime. Essa conclusão não é convincente, restringindo in­
devidamente a área do concurso de pessoas16.
Nós, já em 1971, não obstante inserindo também a rele­
vância causal como requisito do concurso de pessoas, dizía­
mos que a doutrina estava “exagerando na questão da in-

15. “Algumas considerações sobre o concurso de pessoas no


fato punível”, RBCDP, Rio de Janeiro, 16:11,1967.
16. Fiandaca e Musco, op. cit., p. 448.
10 DAMÁSIO E. DE JESUS

fluência do tema da causalidade no problema da co-delin-


qüência”17. Alertávamos sobre isso nas primeiras edições de
nosso Direito Penal18 e nos Comentários ao Código Penal19,
crítica que permanece até hoje20. Já tínhamos percebido que
a aplicação irrestrita da causaüdade na participação condu­
zia a soluções incorretas. Nesse sentido, analisando especi­
ficamente a participação, Esther de Figueiredo Ferraz afir­
mava que esse modo de encarar o concurso de pessoas “con­
vidava a um comodismo funesto em conseqüências”21. E,
fulminando o dogma causal, Nilo Batista criticava a sua con­
figuração como base conceituai do concurso de pessoas22.

2.3. Nossa nova posição a respeito da exigência da rela­


ção de causalidade material na participação

Estamos abandonando a relevância causal como re­


quisito da participação. Nesse sentido: Hippel, Engisch,
Mayer, Sauer, Merkel, Wessels, Weber, Camelutti, Gris-
pigni, Padovani, Pagliaro e Novoa Monreal23.

17. Damásio E. de Jesus, Da co-delinqüência em fa ce do novo


Código Penal, “Prêmio Costa e Silva de 1971”, São Paulo: Revista
dos Tribunais, 1976, p. 9.
18. Damásio E. de Jesus, Direito penal, São Paulo: Saraiva,
1:366, 1978.
19. Damásio E. de Jesus, Comentários ao Código Penal, 2. ed.,
São Paulo: Saraiva, 11:519, 1986.
20. Damásio E. de Jesus, Direito penal, 22. ed., São Paulo: Sa­
raiva, n. 5,1:406, 1999.
21. A co-delinqüência no direito penal brasileiro, São Paulo,
Bushatsky, 1976, p. 12.
22. Op. cit., v. 8, p. 30 e s. e 149.
23. V. discussão sobre o tema in Jescheck, Tratado de derecho
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 11

Como entende Nilo Batista, “a causalidade não pode


constituir um critério central para a imputação do fato em
caso de concursos de agentes”; assim, “nem a instigação
nem a cumplicidade devem ser necessariamente causais”24.
Nesse sentido, considerando que “a participação se insere
na cadeia causal, mas não é indispensável”: Paulo José da
Costa Júnior25. No mesmo sentido, dispensando a causali­
dade na cumplicidade (auxílio material): Pierangelli26 e
Wagner Brússolo Pacheco27.
Na verdade, o princípio do nexo causal só pode servir
à consideração do fato cometido pelo autor material. Mas
não se presta às outras formas do concurso de pessoas, que
devem ser regidas pelo dogma da tipicidade. A participa­
ção não precisa ser causal. Tanto é que, entre nós, a contri­
buição de somenos importância conduz à redução da pena
(art. 29, § Ia, do CP). Se é de “somenos” importância, que
significa de valor inferior, reles, vil28, não pode ser causal,
necessária. Se fosse “necessária”, por ser causal, não seria
de “somenos” importância. Nesse sentido: Antonio Paglia-
ro29. De observar que em nenhum lugar os arts. 29 a 31 do

penal-, parte general, trad. Mir Puig e Munoz Conde, Barcelona:


Bosch, 11:964e s., 1981; Pagliaro, op. cit., p. 541.
24. Op. cit., VIII: 149 e XXX: 154.
25. Curso de direito penai, parte geral, São Paulo: Saraiva,
1:113, 1991.
26. “O concurso de pessoas e o novo Código Penal”, RT, 680:304, b\
Escritos jurídico-penais, São Paulo: Revista dos Tribunais, 1992, p. 68.
27. “Concurso de pessoas: notas e comentários”, RT, 720:387.
28. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, Novo dicionário Au­
rélio da língua portuguesa, 2. ed., Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1986, p. 1610.
29. Op. cit., p. 542.
12 DAMÁSIO E. DE JESUS

Código Penal, que disciplinam o concurso de pessoas, men­


cionam o nexo causal como requisito do instituto. Ao con­
trário, o art. 29, caput, e § 22 recomendam a exigência do
dolo na delimitação do resultado e a consideração da cul­
pabilidade como critério informador da responsabilidade
penal. Note-se que a participação apresenta natureza aces­
sória: configura um comportamento que se agrega a uma
conduta principal de autoria. Esta, sim, deve revestir-se do
atributo do nexo de causalidade. Além disso, se a contri­
buição paralela necessitasse do requisito da causalidade
entre a conduta e o resultado naturalístico, não poderia ha­
ver participação nos delitos de mera conduta e na omissão
imprópria30. Em suma, para nós, alterando posição anterior,
o partícipe responde pelo fato ainda que sua contribuição
não seja causal. Se causal, como veremos, detendo o do­
mínio do fato, não é considerado partícipe, e sim co-autor.
A participação está ligada à tipicidade e à conduta e não ao
nexo de causalidade. Cuida-se de uma hipótese de adequação
típica de subordinação mediata, por extensão ou ampliação. Na
adequação típica de subordinação direta, como sabemos, o fato
amolda-se ao modelo legal de forma imediata, sem a interfe­
rência de outro dispositivo. Exemplo: “A” mata “B”, agindo
dolosamente. O fato enquadra-se na figura do crime de homicí­
dio (art. 121, caput, do CP), não havendo necessidade de outra
norma. Na adequação típica de subordinação mediata (amplia­
da ou por extensão), o fato não se enquadra imediatamente na
norma penal incriminadora, exigindo-se para isso o concurso
de outro dispositivo. E o que acontece na participação por
induzimento, instigação e auxílio (cumplicidade), uma vez que
a conduta do partícipe não se ajusta de forma imediata ao tipo,

30. Idem, p. 541


TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 13

exigindo o emprego de outra disposição para o perfeito


enquadramento: “quem, de qualquer modo, concoire para o
crime incide nas penas a este cominadas” (art 29, caput, do
CP). Assim, na participação existe ampliação espacial e pessoal
do tipo, pois a descrição delitiva, com o concurso da regra do
art 29, não abrange somente o comportamento que se amolda
imediatamente em seu núcleo, estendendo-se também às con­
dutas que, de qualquer modo, concorrem para a realização do
crime. Vê-se que nas formas de contribuição moral e material,
fora da autoria, há extensão do tipo incriminador, de maneira
que a concorrência acede à ação do executor material. Esta,
sim, não prescinde do nexo com o resultado.
A lei, para efeito de responsabilidade penal, equipara a con­
duta do partícipe à do autor material. Dessa forma, a causalida­
de, na participação, apresenta natureza normativa e não objeti­
va. E a norma do art 29, caput, que determina: responde pelo
crime não só o executor físico, que produz o resultado, mas
também o partícipe, que acede sua conduta à ação principal.
Em suma, nos crimes materiais exige-se nexo de cau­
salidade entre a ação e o resultado. Logo, o art. 13, caput,
só é aplicável ao autor direto (quem matou, lesionou etc.),
tendo em vista que a relação ali disciplinada é objetiva,
material, entre a conduta e o resultado. Já o art. 29, caput,
regula a extensão punitiva ao comportamento do partícipe,
é de ordem normativa e não material.

3. Teorias sobre as formas de realização da conduta típi­


ca: autoria e participação

3.1. As teorias mais importantes sobre o conceito de autor

Existem várias teorias sobre o conceito de autor, que


envolve o de partícipe:
14 DAMÁSIO E. DE JESUS

Ia) teoria extensiva;


2a) teoria restritiva, subdividida em:
a) teoria objetivo-formal;
b) teoria objetivo-material;
3a) teoria do domínio do fato (de origem restritiva).

3.1.1. Teoria extensiva


Com fundamento na doutrina causal da equivalência
das condições, conceitua autor como todo aquele que, de
qualquer forma, produz o resultado. É uma doutrina cau­
sal. Adotando um critério objetivo, não distingue autor de
partícipe. Assim, no homicídio, são autores mandante e
executor. Autor não é só quem concretiza o comportamen­
to típico, como também aquele que, mediante as formas de
participação, realiza conduta sem a qual o resultado não
teria ocorrido. Reconhece, entretanto, haver diferença, no
plano subjetivo, entre quem concretiza o núcleo do tipo e
quem contribui para o delito por induzimento, instigação
ou auxílio, preconizando, neste caso, tratamento punitivo
mais suave. A pena abstrata, do ponto de vista objetivo, é a
mesma para todos. Subjetivamente, contudo, quem não
realiza a conduta típica deve receber pena menor. Daí so-
correr-se esta doutrina da “teoria subjetiva da participação”,
para a qual autor é quem age com dolo de autor (animus
auctoris) e deseja o fato como próprio; partícipe, quem re­
aliza o comportamento com dolo de partícipe (animus socii)
e quer o fato como alheio31. Assim, tendo contribuído para

31. Günter Stratewerth, Derecho penal, parte general, trad.


Gladys Romero, Madri: Edersa, 1982, p. 231; Cezar Roberto
Bitencourt, Manual de direito penal, parte geral, 5. ed., São Paulo:
Revista dos Tribunais, 1999, p. 431-2.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 15

o resultado mediante qualquer conduta, a consideração do


sujeito como autor ou partícipe depende da direção e con­
teúdo de sua vontade32. Daí também denominar-se “teoria
subjetiva causal”.
A teoria extensiva de autor, com seu complemento
subjetivo de participação, foi refutada pela doutrina, uma
vez que permitiria, segundo a vontade do sujeito, ser con­
siderado autor quando, não tendo realizado a conduta tí­
pica, quisesse o fato como próprio, e partícipe se, efeti­
vando o comportamento do núcleo do tipo, desejasse o
crime como alheio.

3.1.2. Teoria restritiva

Autor é quem realiza a conduta típica expressa no ver­


bo. E o executor material do fato33: quem mata, ofende, sub­
trai, constrange etc. Esta teoria, em sua conceituação origi­
nal, justamente por não poder ser aplicada a comportamen­
tos que deveriam ser considerados de autor, é completada
por uma teoria objetiva de participação, com duas facetas:
Ia) Teoria objetivo-formal: distingue autoria de partici­
pação, considerada esta na hipótese de o sujeito realizar
uma ação ou omissão que não se enquadra no verbo cen­
tral, concorrendo para o crime mediante induzimento, ins­
tigação ou auxílio. A conduta do partícipe, em princípio, é
atípica, uma vez que não se amolda ao núcleo da figura
penal, tomando-se típica em face de norma de ampliação
temporal (art. 29, caput, do CP). Aparecem nítidas e dis-

32. Jescheck, op. cit., n. IV, 11:894.


33. Franco, op. cit., p. 344.
16 DAMÁSIO E. DE JESUS

tintas as imagens do autor (ou executor) e do partícipe. Se


“A” empresta a arma para “B” matar a vítima “C”, “A ” é
partícipe e “B”, autor ou executor. Era a doutrina que adotá­
vamos, sem o socorro à teoria do domínio do fato.
2a) Teoria objetivo-material: distingue autor de partí­
cipe pela maior contribuição do primeiro na causação do
resultado.
A teoria restritiva recebeu críticas, tendo em vista que,
não obstante reconhecer a diferença entre autor e partícipe,
não resolve a questão da denominada “autoria mediata” ou
“autoria de escritório”, em que o sujeito serve-se de outra
pessoa, como instrumento executório, para a prática deli­
tuosa34. Além disso, sob o aspecto da teoria objetivo-for-
mal, em um delito de estupro, se um sujeito aponta a arma
e outro mantém conjunção carnal com a vítima, o primeiro
seria autor e o segundo, partícipe, uma vez que o verbo
típico é “constranger” (art. 213 do CP); o chefe de uma
quadrilha de assaltantes que não participasse materialmente
dos roubos seria considerado mero partícipe. Nesses ca­
sos, o senso comum que informa o princípio da natureza
das coisas indica o estuprador e o chefe da quadrilha como
verdadeiros autores e não simples partícipes.

3.2. Posição do Código Penal brasileiro

Nosso Código Penal adotou a teoria restritiva, já que os


arts. 29 e 62 fazem distinção entre autor e partícipe. Assim,
o art. 62, IV, agrava a pena em relação ao agente que “execu­

34. Munoz Conde e Mercedes García Aran, Derecho penal, parte


general, Valencia: Tirant lo Blanch, 1996, p. 450.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 17

ta o crime, ou nele participa, mediante paga ou promessa de


recompensa” (destaques nossos). Quem executa o crime é
autor; quem induz, instiga ou auxilia considera-se partícipe.
Isso, entretanto, não resolve certos problemas, como o da
autoria mediata, em que o sujeito se vale de outrem para
cometer o delito. Daí a necessidade de a doutrina socorrer-
se da teoria do domínio do fato, que, aliada à restritiva, dá
adequação apropriada aos casos concretos.

4. Teoria do domínio do fato

4.1. Introdução

Welzel, em 1939, ao mesmo tempo em que criou o


finalismo, introduziu no concurso de pessoas a “teoria do
domínio do fato”, partindo da tese restritiva e empregando
um critério objetivo-subjetivo: autor é quem tem o controle
final do fato, domina finalisticamente o decurso do crime e
decide sobre sua prática, interrupção e circunstâncias (“se”,
“quando”, “onde”, “como” etc.). É uma teoria que se assen­
ta em princípios relacionados à conduta e não ao resultado.
Agindo no exercício desse controle, distingue-se do partícipe,
que não tem o domínio do fato, apenas cooperando, indu­
zindo, incitando etc.35.
Constitui tese restritiva, aplicando critério objetivo-sub­
jetivo. Não é inteiramente objetiva nem subjetiva. É mista.
Por isso é denominada “objetivo-subjetiva”. Além disso,
exige apreciação caso a caso em face da descrição do crime.

35. Batista, op. cit., p. 77; Teresa Pizarro Beleza, Direito penal,
Lisboa: AAFDL, 11:394, 1997.
18 DAMÁSIO E. DE JESUS

Apresentando a finalidade como fundamento, como na


teoria finalista da ação, é amplamente adotada pela doutri­
na: Welzel, Stratenwerth, Maurach, Wessels, Roxin, Schrõder,
Jescheck, Gallas, Blei, Zaffaroni, Munoz Conde, Córdoba
Roda, Rodríguez Devesa, Mir Puig, Bacigalupo, Enrique
Cury e Bockelman; no Brasil: Manoel Pedro Pimentel,
Alberto Silva Franco, Nilo Batista, Luiz Régis Prado, Cezar
Bitencourt, Pierangelli e Luiz Flávio Gomes.
A

E a teoria que passamos a adotar. Em outras palavras, nossa


posição adere à teoria do domínio do fato, que é uma tese que
complementaadoutrinarestritivaformal-objetiva,aplicandocri-
tério misto (objetivo-subj etivo). De notar, pois, que a teoria do do­
mínio do fato não exclui a restritiva. E um complemento. Unem-
se para dar solução adequada às questões que se apresentam en­
volvendo autores materiais e intelectuais de crimes, chefes de
quadrilha, sentinelas, aprendizes, motoristas, auxiliadores,
indutores, incentivadores etc. Sob rigor científico, é mais um re­
quisito da autoria que uma teoria do concurso de pessoas35 A.

4.2. Espécies de autoria em face do domínio do fato


Na teoria do domínio do fato, a autoria abrange:
l 2) autoria propriamente dita (autoria direta individual
e imediata);
22) autoria intelectual;
32) autoria mediata; e
42) co-autoria (reunião de autorias).

35-A. No mesmo sentido, adotando nosso entendimento: José


Francisco Cagliari, Concurso de pessoas — Os conceitos de autoria
e participação e a teoria do domínio do fato, in Teoria da imputação
objetiva e teoria do domínio do fato, Caderno Jurídico, São Paulo:
Escola Superior do Ministério Público, 7:167, abr. 2001.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 19

4.2.1. Autoria propriamente dita

Na autoria propriamente dita (autoria direta individual


e imediata), o autor ou executor realiza materialmente a
conduta típica (executor material individual), age sozinho,
não havendo indutor, instigador ou auxiliar. Ele tem o do­
mínio da conduta.

4.2.2. Autoria intelectual

Na autoria intelectual o sujeito planeja a ação delituosa,


constituindo o crime produto de sua criatividade. É o caso
do chefe de quadrilha que, sem efetuar comportamento tí­
pico, planeja e decide a ação conjunta36. A Constituição da
Repúbüca refere-se ao autor intelectual quando, determi­
nando a inafiançabiüdade dos crimes hediondos e asseme­
lhados, emprega a expressão “mandante”37. O Código Pe­
nal agrava a pena do autor intelectual, referindo-se ao su­
jeito que “promove, ou organiza a cooperação no crime ou
dirige a atividade dos demais agentes” (art. 6 2 ,1).

4.2.3. Autoria mediata

Na autoria mediata, uma pessoa, o “sujeito de trás”,


serve-se de outrem para praticar o fato38, podendo a ele

36. Enrique Cury, Derecho penal, parte general, Santiago do Chile,


11:245, 1985; Franco, op. cit., p. 345; Fragoso, op. cit., n. 243, p. 264.
37. Luiz Vicente Cemicchiaro e Paulo José da Costa Júnior,
Direito penal na Constituição, São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990,
n. 4.1 e 4.2, p. 173-4.
38. Jescheck, op. cit., p. 898-9; Germano Marques da Silva, Direi­
to penal português', parte geral, Lisboa: Editorial Verbo, 11:285, 1998.
20 DAMÁSIO E. DE JESUS

ser atribuída a “propriedade” do crime39. Ele possui o


domínio da vontade do executor, chamado de “instrumen­
to”. Exemplos: o hipnotizador sugere ao hipnotizado a
prática de um delito; o sujeito constrange alguém, medi­
ante grave ameaça, a assinar documento falso. Nesses
casos, não há participação, uma vez que o autor mediato
tem o domínio do comportamento e da vontade de seu
executor material. E autor.
A autoria mediata inclui as seguintes hipóteses:
a) ausência de capacidade penal do instrumento por
menoridade penal, embriaguez ou doença mental (art. 62,
m, do CP);
b) coação moral irresistível ou obediência hierárquica
(art. 22 do CP);
c) erro de tipo escusável determinado por terceiro, em
que o instrumento age sem dolo (art. 20, § 22, do CP);
d) erro de proibição invencível (art. 21, caput, do CP).
No primeiro caso (a), o autor mediato determina a um
inimputável por menoridade ou doença mental a prática de
um crime. No segundo (b), incidem sobre o “instrumento”
coação moral irresistível ou ordem de superior hierárquico
(art. 22 do CP). Na terceira hipótese (c), o autor mediato
conduz o instrumento humano a incidir em erro de tipo
invencível. Exemplos: o sujeito, mediante comunicação fal­
sa de crime, provoca erro da autoridade policial, que efe­
tua a prisão de um inocente; o caçador induz o companhei­
ro a atirar naquilo que aponta como animal, sabendo que
na verdade é uma pessoa. Nesses casos, o innocent agent,

39. Santiago Mir Puig, Derecho penal, parte general, 3. ed.,


Barcelona: PPU, 1995, p. 396. Vide sobre o tema: Carolina Bolea
Bardon, Autoria mediata en derecho penal, Valência: Tirant lo Blanch,
2000.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 21

como é denominado o instrumento pelos autores de língua


inglesa, é induzido a realizar uma conduta que supõe pe­
nalmente irrelevante, quando, na verdade, é criminalmente
punida40. Por fim, no erro de proibição (d) o instrumento
incide em erro sobre a ilicitude da conduta. Nesse tema,
dá-se o nome de “instrumento” ao “executor imediato”,
que concretiza materialmente o crime sem dolo ou sem
culpabilidade, não possuindo o domínio final do fato. De
observar que a expressão “instrumento” é reservada à pes­
soa humana e não a animais ou coisas41. Vide sobre a auto­
ria mediata: Emilio Moreno y Bravo42, Estebam Juan Pérez
Alonso43 e Nilo Batista44.

4.2.4. Co-autoria
Na co-autoria (reunião de autorias), que constitui for­
ma de autoria, o co-autor realiza o verbo típico ou concre­
tiza parte da descrição do crime, ainda que, no último caso,
não seja típica a conduta perante o verbo, desde que esteja
abarcada pela vontade comum de cometimento do fato. É
a prática com unitária do crim e, segundo Johannes
Wessels45. Cada um dos integrantes possui o domínio da

40. Gianville Williams, “Principals and acessories”, in Crimi­


nal law, general part, 2. ed., Londres, 1953, p. 350, § 120.
41. José María Luzón Cuesta, Compendio de derecho penal,
parte general, Madri: Dykinson, 1998, p. 209.
42. Autoria en la doctrina dei Tribunal Supremo, Madri:
Dykinson, 1997, p. 73 e s.
43. La coautoría y la complicidad (necesaria) en derecho pe­
nal, Granada: Editorial Cornares, 1998, p. 172 e s.
44. Op. cit., p. 103.
45. Direito penal, parte geral, trad. Juarez Tavares, Porto Ale­
gre: Sérgio A. Fabris, Editor, 11:117, n. 1, 1976.
22 DAMÁSIO E. DE JESUS

realização do fato conjuntamente com outro ou outros au­


tores, com os quais tem plano comum de distribuição de
atividades46, e quer realizar como próprio o fato comum
com a cooperação dos outros47. Há divisão de tarefas, de
maneira que o crime constitui conseqüência das condutas
repartidas, produto final da vontade comum. E nenhum
deles é simples instrumento dos outros. Não é necessário,
portanto, que haja hierarquia ou subordinação de uma von­
tade a outra48.

4.3. Formas de co-autoria


A co-autoria pode ser:
l 2) direta; e
22) parcial ou funcional.

4.3.1. Co-autoria direta

Na co-autoria direta todos os sujeitos realizam a con­


duta típica. Exemplo: diversas pessoas agridem a vítima
produzindo-lhe lesões corporais.

4.3.2. Co-autoria parcial ou funcional

Há divisão de tarefas executórias do delito. Trata-se


do chamado “domínio funcional do fato”, assim denomi­

46. Juan Bustos Ramirez, op. cit., p. 331.


47. Luiz Carlos Perez, Tratado de derecho penal, Bogotá: Ed.
Ternis, 11:15, 1967.
48. Enrique Bacigalupo, Princípios de derecho penai, parte ge­
neral, 3. ed., Madri, 1994, p. 228.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 23

nado porque alude à repartição de atividades (funções) en­


tre os sujeitos49. Os atos executórios do iter criminis são
distribuídos entre os diversos autores, de modo que cada
um é responsável por uma parte do fato, desde a execução
até o momento consumativo. As colaborações são diferen­
tes, constituindo partes e dados de união da ação coletiva,
de forma que a ausência de uma faria frustrar o delito. É
por isso que cada um mantém o domínio funcional do fato50.
Exemplos: no roubo, são divididas as ações de apodera-
mento do dinheiro, constrangimento dos sujeitos passivos
mediante ameaça, vigilância e direção do veículo; no ho­
micídio, um sujeito segura a vítima e outro a esfaqueia51;
no estupro, um a ameaça com emprego de arma e outro
mantém com ela conjunção carnal.
Na co-autoria (parcial ou funcional), como ficou con­
signado, parte da doutrina exige que a contribuição seja cau­
sal, isto é, que a conduta de cada um dos autores seja de tal
modo necessária que, sem ela, o crime não seria cometido.
Nessas hipóteses, ensina Munoz Conde, só pode haver
co-autoria se, a par do acordo, a conduta constitui uma parte
essencial da concreta realização do delito52. Caso contrário,
há participação. Assim, no exemplo do sentinela (“campana”)

49. Gomez Benitez, ‘Teoria jurídica dei delito”, in Derecho penal,


parte general, Madri, 1992, p. 128; Moreno y Bravo, op. cit., p. 57.
50. Manoel Pedro Pimentel, “A teoria do crime na reforma pe­
nal”, RT, 591:293; Pacheco, op. cit., p. 383.
51. Exemplo de Eugenio Raúl Zaffaroni e Pierangelli, Manual
de direito penal brasileiro; parte geral, São Paulo: Revista dos Tribu­
nais, 1997, p. 675. No mesmo sentido: Teresa Pizarro Beleza, op.
cit., p. 402; André Luiz Callegari, “Concurso de pessoas — Teorias e
reflexos no Código Penal”, Revista Ibero-Americana de Ciências
Penais, Porto Alegre: Centro de Estudos Ibero-Americano de Ciên­
cias Penais, 0:26, maio-ago. 2000.
52. Op. cit., p. 455.
24 DAMÁSIO E. DE JESUS

do crime de roubo, será co-autor ou partícipe, segundo a sua


contribuição causal. Se, caso estivesse ausente, não se con­
sumaria o assalto, é co-autor; se a sua ação apenas permitiu
fuga mais rápida, deve ser considerado partícipe53.
Esse critério, entretanto, com base na teoria da rele­
vância causal, não pode ser acatado pela nossa posição,
como vimos, uma vez que só aceitamos o dogma da causa­
lidade na autoria direta. No caso do vigia, como também
nas hipóteses do motorista, do “aprendiz assistente” e do
“informante”, sua consideração como co-autor ou partícipe
depende da presença do domínio final do fato e não do
requisito da causalidade material. No sentido parcial desse
entendimento, afirmando que na cumplicidade não é ne­
cessário que a intervenção seja causal: Pierangelli54.
A contribuição do sentinela, v. g., é penalmente rele­
vante, ainda que não causal, desde que tenha facilitado “ou
tomado mais expedita a execução do fato”, mesmo “que
pudesse ser dispensada pelo autor”55. É também co-autor o
motorista que aguarda os assaltantes nas proximidades do
estabelecimento bancário ou que transporta a vítima de
seqüestro (co-autoria fracionada)56. No sentido de que é
partícipe não só quem realiza conduta que tomou possível
a prática delituosa, como também quem facilita o cometi­
mento do crime: Fiandaca e Musco57.
Assim, ainda que não causal, a contribuição do partícipe
é criminalmente relevante se facilitou ou reforçou a conse-

53. Zaffaroni, Teoria dei delito, Buenos Aires: Ediar, 1973, p.


648; Zaffaroni e Pierangelli, op. cit., p. 675.
54. “O concurso de pessoas e o novo Código Penal”, cit., p. 304, b.
55. Idem, p. 304-5.
56. André Luiz Callegari, “Concurso de pessoas — Teorias e
reflexos no Código Penal”, cit., 0:27, n. 2.2.3.
57. Op. cit., p. 451.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 25

cução do objetivo final, características que se aproximam da


teoria italiana da “causalità agevolatrice o di riforzo”58.

4.4. Co-autoria e co-autor sob outras formas

A co-autoria ainda pode ser:


l 2) simples: dois executores da conduta típica, por
exemplo;
22) complexa: um executor e outro co-autor intelectual
ou funcional, por exemplo.
O co-autor pode ser:
l2) direto ou material: ele é um dos sujeitos que executa
o verbo do tipo. A Constituição Federal refere-se ao autor di­
reto quando, determinando a inafiançabilidade dos crimes
hediondos e assemelhados, emprega a expressão “executor”59;
22) intelectual: na repartição de tarefas, é autor da idéia
delituosa (caso do mandante, que detém o domínio do fato) ou
se lhe incumbe organizar o plano criminoso. No sentido de que
o mandato é forma de determinação: Alberto Silva Franco60;
3*)funcional: cabe-lhe, na missão criminosa, executar
parte do comportamento típico.

5. Participação

Partícipe, na doutrina do domínio do fato, é quem efetiva


um comportamento que não se ajusta ao verbo do tipo e não tem
poder de decisão sobre a execução ou consumação do crime.

58. V. o tema in Fiandaca e Musco, op. cit., p. 448-9.


59. Cemicchiaro e Costa Júnior, op. cit, n. 4.1 e 4.2, p. 173-4.
60. Op. cit., n. 1.03, a2, p. 348.
26 DAMÁSIO E. DE JESUS

São, pois, características da participação:


Ia) a conduta não se amolda ao núcleo da figura típica
(o verbo);
2a) o partícipe não tem nenhum poder diretivo sobre o
crime, isto é, não possui o domínio finalista do fato.
Nesse sentido: Alberto Silva Franco61, Manoel Pedro
Pimentel62, Pierangelli63, Nilo Batista64, Luiz Régis Prado65
e Wagner Brússolo Pacheco66.
Contribui, por intermédio de conduta acessória, para a
concretização do com portam ento típico, m ediante
induzimento (determinação), instigação ou auxílio material
(a chamada cumplicidade). No sentido da sinonímia, na dou­
trina brasileira, entre auxílio e cumplicidade: Heleno Cláu­
dio Fragoso67 e Wagner Brússolo Pacheco68.
Distinguem-se autor, co-autor e partícipe. O autor de­
tém o domínio do fato; o co-autor, o domínio funcional do
fato, tendo influência sobre o “se” e o “como” do crime; o
partícipe só possui o domínio da vontade da própria condu­
ta, tratando-se de um “colaborador”, uma figura lateral, não
tendo o domínio finalista do crime. O delito não lhe perten­
ce: ele colabora no crime alheio. Nesse sentido: Manoel Pedro

61. Op. cit., n. 1.01, p. 345.


62. Op. cit., p. 293.
63. “O concurso de pessoas e o novo Código Penal”, cit., p. 311.
64. Op. cit., p. 77.
65. Curso de direito penal brasileiro, São Paulo: Revista dos
Tribunais, 1999, p. 267.
66. Op. cit., p. 387.
67. Heleno Cláudio Fragoso e Nélson Hungria, Comentários ao
Código Penal, Rio de Janeiro: Forense, v. 1, t. 2, 1978, p. 635 e 637.
68. Op. cit., p. 387.
TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO NO CONCURSO DE PESSOAS 27

Pimentel69; Luiz Régis Prado e Cezar Roberto Bitencourt70;


Pierangelli71. 0 mandante é autor intelectual e não partícipe,
uma vez que detém o domínio do fato. No sentido de que o
mandante é autor intelectual: Luiz Carlos Perez72. 0 indutor
ou determinador, o instigador e o auxiliador são meros
partícipes, desde que, não dominando subjetivamente o fato,
restrinjam sua contribuição ao simples induzimento,
encorajamento ou auxílio secundário.

6. Extensão da teoria do domínio do fato

Só é aplicável aos crimes dolosos, sejam materiais,


sejam formais ou de mera conduta73. Nos culposos, inexiste
distinção entre autoria e participação: é autor todo aquele
que, mediante qualquer conduta, produz um resultado típi­
co deixando de observar o cuidado objetivo necessário.

7 .0 Código Penal brasileiro e a teoria do domínio do fato

O Código Penal, na reforma de 1984, adotou a tese fi­


nalista, como pode ser demonstrado pela introdução do dolo
na estrutura da conduta e na conceituação do erro de tipo e
de proibição. Por coerência lógica, admitimos, como faz

69. Op. cit., p. 293.


70. Código Penal anotado, São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997,
n. 3, p. 244.
71. “O concurso de pessoas e o novo Código Penal”, cit., p. 311.
72. Op. cit., p. 23.
73. José Ulises Hemández Plasencia, La autoria mediata en derecho
penal, Granada: Editorial Cornares, 1996, p. 79, mencionando crimes
materiais e de mera conduta.
28 DAMÁSIO E. DE JESUS

Alberto Silva Franco, que nosso estatuto penal também aco­


lheu a teoria do domínio do fato74. No sentido de que o Có­
digo Penal vigente adota a teoria do domínio do fato: Manoel
Pedro Pimentel75; Nilo Batista76; Pierangelli77; Luiz Régis
Prado e Cezar Roberto Bitencourt78; Wagner Brússolo
Pacheco79.
Note-se que o art. 6 2 ,1, do Código Penal determina a
agravação da pena daquele que “promove, ou organiza a
cooperação no crime ou dirige a atividade dos demais agen­
tes”, referindo-se, obviamente, ao sujeito que possui o do­
mínio do fato. No mesmo sentido: Nilo Batista80.

74. Op. cit., p. 345.


75. Op. cit., p. 294.
76. Op. cit., p. 56.
77. “O concurso de pessoas e o novo Código Penal”, cit., p. 297.
78. Op. cit., n. 2 e 3, p. 243-4.
79. Op. cit., p. 381.
80. Op. cit., p. 80.
BIBLIOGRAFIA NACIONAL
CONSULTADA PELO AUTOR

ALVES, Roberto Barbosa. A nova maneira de observar o


nexo causal e seus reflexos na questão da autoria. Dis­
ponível na Internet: http:/ibccrim.com.br, 9-11-2001.
BATISTA, Nilo. Concurso de agentes. Rio de Janeiro: Liber
Juris, 1979.
. “Co-autoria”. In: Decisões criminais comentadas.
Rio de Janeiro: Liber-Juris, 1976 (p. 20).
BITENCOURT, Cezar Roberto. Lições de direito penal.
Porto Alegre: Acadêmica, 1992 (cap. II).
. Manual de direito penal; parte geral. 5. ed. São
Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.
CAGLIARI, José Francisco. Concurso de pessoas — Os
conceitos de autoria e participação e a teoria do domí­
nio do fato. In: Teoria da imputação objetiva e teoria
do domínio do fato. São Paulo, Caderno Jurídico, São
Paulo: Escola Superior do Ministério Público, 7:157,
abr. 2001.
CALLEGARI, André Luiz. “Concurso de pessoas — Teo­
rias e reflexos no Código Penal”. Revista Ibero-Ame­
ricana de Ciências Penais, Porto Alegre: Centro de
30 BIBLIOGRAFIA NACIONAL

Estudos Ibero-Americano de Ciências Penais, 0:21,


maio/ago. 2000.
CERNICCHIARO, Luiz Vicente & COSTA JÚNIOR, Pau­
lo José da. Direito penal na Constituição. São Paulo:
Revista dos Tribunais, 1990 (n. 4.1, p. 173).
COSTA JÚNIOR, Paulo José da. Comentários ao Código
Penal. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1986.
. Curso de direito penal, parte geral. São Paulo: Sa­
raiva, 1991. v. 1.
DOTTI, René Ariel. “O concurso de pessoas”. Ciência Pe­
nal, Rio de Janeiro, 1:19 e 129,1981.
. Reforma penal brasileira. Rio de Janeiro: Foren­
se, 1988.
ELEUTERIO, Fernando. “Concurso de pessoas na nova lei
penal de 1984”. PJ, 29:221.
FERRAZ, Esther de Figueiredo. A co-delinqüência no Di­
reito Penal brasileiro. São Paulo: Bushatsky, 1976.
FRAGOSO, Heleno Cláudio. “A reforma da legislação pe­
nal — I”. RBCDP, Rio de Janeiro, 2:59 e 70-3, 1963.
. Lições de direito penal, a nova parte geral. Rio de
Janeiro: Forense, 1985.
FRAGOSO, Heleno Cláudio & HUNGRIA, Nélson. Co­
mentários ao Código Penal. Rio de Janeiro: Forense,
1978. v. 1, t. 2.
FRANCO, Alberto Silva et al. Código Penal e sua inter­
pretação jurisprudencial. 5. ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 1995.
JESUS, Damásio E. de. Código Penal anotado. São Paulo:
Saraiva, 1999.
. Comentários ao Código Penal. 2. ed. São Paulo: Sa­
raiva, 1986.
BIBLIOGRAFIA NACIONAL 31

--------- . Da co-delinqüência em face do novo Código Pe­


nal. “Prêmio Costa e Silva 1971”. São Paulo: Revista
dos Tribunais, 1976.
. Direito penal, parte geral. 22. ed., São Paulo: Sa­
raiva, 1999. v. 1.
. O novo sistema penal. São Paulo: Saraiva, 1978.
JESUS, Damásio E. de et al. Curso sobre a reforma penal.
São Paulo: Saraiva, 1986.
KARAM, Munir. “Os novos caminhos da reforma penal
— A medida da culpabilidade no concurso de agen­
tes”. RT, 555:278,1984.
LEIRIA, Antônio José Fabrício. Autoria e participação
criminal. São Paulo: David Ed., 1986.
LETTERIELLO, Rêmolo. “Considerações sobre a parte
geral do Código Penal”. RT, 572:438.
MARQUES, José Frederico. “Co-autoria”. RF, 775:507.
. Tratado de direito penal. Campinas: Bookseller,
1997. v. 1.
MENDES, Paulo de Souza. “Crítica à idéia de ‘diminui­
ção do risco’ de Roxin”. RBCP, São Paulo, 74:102,
abr./jun. 1996.
MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal', par­
te geral. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1.
NOVOA MONREAL. “Algumas considerações sobre o
concurso de pessoas no fato punível”. RBCDP, Rio de
Janeiro, 76:17, 1967.
PACHECO, Wagner Brússolo. “Concurso de pessoas: no­
tas e comentários”. RT, 720:380 e 387.
PIERANGELLI. Escritos jurídico-penais. São Paulo: Re­
vista dos Tribunais, 1992.
32 BIBLIOGRAFIA NACIONAL

--------- . “O concurso de pessoas e o novo Código Penal”.


RT, 680:304.
PIMENTEL, Manoel Pedro. “A teoria do crime na refor­
ma penal: do concurso de pessoas”. RT, 597:293,1985.
PRADO, Luiz Régis. Curso de direito penal brasileiro. São
Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.
PRADO, Luiz Régis & BITENCOURT, Cezar Roberto.
Código Penal anotado. São Paulo: Revista dos Tribu­
nais, 1997.
SANTOS, Juarez Cirino dos. Teoria do crime. São Paulo: Livr.
Acadêmica, 1993.
ZAFFARONI, Eugenio Raúl & PIERANGELLI, José
Henrique. Manual de direito penal brasileiro; parte
geral. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.
BIBLIOGRAFIA ESTRANGEIRA
CONSULTADA PELO AUTOR

Código Penal Tipo para Latinoamérica. México: Academia


Mexicana de Ciências Penales, 1967.
BACIGALUPO, Enrique. Princípios de derecho penal,
parte general. 3. ed. Madri, 1994.
BARDON, Carolina Bolea. Autoria mediata en derecho
penal. Valencia: Tirant lo Blanch, 2000.
BELEZA, Tereza Pizarro. Direito penal. Lisboa: AAFDL,
1997. v. 2 (p. 394 e 402).
BUSTOS RAMIREZ, Juan. Manual de derecho penal
espanol. Madri, 1984.
CURY, Enrique. Derecho penal, parte general. Santiago
do Chile, 1985.
DIAS, Jorge de Figueiredo. Questões fundamentais do di­
reito penal revisitadas (verbete “autoria e participa­
ção na criminalidade organizada”). São Paulo: Revis­
ta dos Tribunais, 1999.
FLANDACA, Giovanni & MUSCO, Enzo. Diritto penale;
parte generale. Roma: Zanichelli, 1995.
GOMEZ BENITEZ. “Teoria jurídica dei delito”. In:
Derecho penal, parte general. Madri, 1992.
34 BIBLIOGRAFIA ESTRANGEIRA

HERNÁNDEZ PLASENCIA, José Ulises. La autoria


mediata en derecho penal. Granada: Ed. Cornares, 1996.
JESCHECK. Tratado de derecho penal, parte general. Trad.
Mir Puig e Munoz Conde. Barcelona: Bosch, 1978.
LUZÓN CUESTA, José María. Compendio de derecho
penal, parte general. Madri: Dykinson, 1998.
MAURACH. Tratado de derecho penal. Trad. Juan Cor­
doba Roda. Barcelona, Bosch, 1962.
MIR PUIG, Santiago. Derecho penal, parte general. 3. ed.
Barcelona: PPU, 1995.
MORENO Y BRAVO, Emilio. Autoria en la doctrina del
Tribunal Supremo. Madri: Dykinson, 1997.
MUNOZ CONDE & GARCÍA ARÁN, Mercedes. Derecho
penal, parte general. Valencia: Tirant lo Blanch, 1996.
PAGLLARO, Antonio. Principi di diritto penale. Milão:
Giuffrè, 1993.
PÉREZ ALONSO, Estebam Juan. La coautoria y la
complicidad (necesaria) en derecho penal. Granada:
Ed. Comares, 1998.
PEREZ, Luiz Carlos. Tratado de derecho penal. Bogotá:
Ed. Temis, 1967. v. 2.
ROXIN, Claus. Autoria y dominio del hecho en derecho
penal. Trad. Joaquin Cuello Contreras e José Luis Ser­
rano Gonzâlez de Murillo. Madri: Marcial Pons, 1998.
------------ . Sobre la autoria y la participación en el derecho
penal, problemas actuales de las ciencias pénales y la
filosofia del derecho en homenaje al Profesor Luiz
Jiménez de Asúa. Buenos Aires: Ed. Pannedile, 1970
(p. 55).
BIBLIOGRAFIA ESTRANGEIRA 35

SÁNCHEZ, Bernardo José Feijóo. Homicídio y lesiones


imprudentes: requisitos y limites materiales. Madri:
EDIJUS, 1999.
SERRA, Teresa. “A autoria mediata através do domínio de
um aparelho organizado de poder”. Revista Portugue­
sa de Ciência Criminal, Lisboa, 3/4:303 e s., jul./dez.
1995.
SILVA, Germano Marques da. Direito penal português;
parte geral. Lisboa: Editorial Verbo, 1998. v. 2 (p. 285).
STRATEWERTH, Günter. Derecho penal, parte general.
Trad. Gladys Romero. Madri: Edersa, 1982.
VALLEJO, Beatriz de la Gandara. Consentimiento, bien
jurídico e imputación objetiva. Madri: Editorial Colex,
1995.
WELZEL. Derecho penal alemán: parte geral. 11. ed. Ed.
Jurídica de Chile, 1970.
WESSELS, Johannes. Direito penal, parte geral. Trad.
Juarez Tavares. Porto Alegre: Sérgio A. Fabris, Editor,
1976.
WILLIAMS, Gianville. “Principais and acessories”. In:
Criminal Law, general part. 2. ed. Londres, 1953.
ZAFFARONI. Teoria dei delito. Buenos Aires: Ediar, 1973.