Você está na página 1de 1

A Importância de Conselhos na Governança Corporativa

Carlos Airton Rodrigues

Governance Solutions

15, MAI, 12

Conselheiros podem ajudar (muito) na gestão e nas estratégias de negócio de uma empresa.

Se você acha que a prática de instituir um Conselho de Administração (CA) no sistema de Governança da empresa é
privilégio das sociedades anônimas, é bom ler este artigo. Muitos têm esse conceito porque nas sociedades anônimas a
instituição de um CA é uma obrigação legal. Mas é importante saber que, independentemente da forma societária da
companhia, ou ainda se ela tem ou não fins lucrativos, a prática de conselhos traz inúmeros benefícios para os negócios.
Quando bem estruturado, o CA melhora muito a qualidade das decisões estratégicas e contribui para mitigar riscos, entre
outros benefícios.

Mas, afinal, qual é o papel de um CA? Para responder essa questão precisamos antes entender que um bom sistema de
Governança é aquele que reconhece claramente as diferenças entre propriedade e gestão. Dessa forma, acionistas,
cotistas, mantenedores, etc. são os agentes principais. Fornecem os recursos para a organização, remuneram os serviços
de gestão e cobram resultados e informações sobre os negócios. Já conselheiros e executivos formam o sistema de gestão
e, juntos, têm por objetivo principal satisfazer as expectativas dos acionistas. Os conselheiros, entretanto, eleitos pelos
acionistas, têm um papel muito distinto dos executivos. Sua missão inclui acompanhar e estimular um melhor desempenho
da gestão executiva, aprovar e coordenar a execução das estratégias de negócio, gerenciar riscos de alto nível, zelar pelos
princípios, valores e padrões éticos da organização e por sua aplicação nas decisões da empresa, entre outros.

Em síntese, sua missão é proteger e valorizar o patrimônio e maximizar o retorno do investimento com vistas à perenização
do negócio. Para que funcione bem, o CA tem que ter a máxima independência em relação à gestão executiva. Assim, deve
promover mudanças quando os resultados dos negócios indicarem essa necessidade, incluindo até a substituição do
executivo principal, por exemplo. Há, também, outros conselhos que podem contribuir para os resultados. Para empresas
em estágios iniciais de maturidade, a implantação de um Conselho Consultivo, ao invés de um CA, pode trazer benefícios
semelhantes aos de um CA, ainda que não tenha o poder formal para tomar decisões. Pode ainda custar menos se os
empreendedores convidarem profissionais experientes, de seu relacionamento próximo, para a sua composição. Da mesma
forma que num CA, os membros de um Conselho Consultivo, com sua experiência, podem ajudar a gestão executiva a
maximizar resultados e mitigar riscos.

Carlos Airton Pestana Rodrigues é Diretor Presidente da Governance Solutions.

Leia mais:

Leia mais em Endeavor @ https://endeavor.org.br/a-importancia-de-conselhos-em-governanca-corporativa/