Você está na página 1de 66
! ! " " #$ #$ % % & & '(($ '(($ Miguel Miguel Rodríguez
! !
" " #$ #$ % % & & '(($ '(($
Miguel Miguel Rodríguez Rodríguez Bugarín Bugarín
Prof. Prof. Dr. Dr. Ingeniero Ingeniero de de Caminos Caminos
Escuela Escuela Técnica Técnica Superior Superior de de Ingenieros Ingenieros de de
Caminos, Caminos, Canales Canales y y Puertos Puertos
UNIVERSIDAD UNIVERSIDAD DE DE A A CORUÑA CORUÑA
Introdução. Introdução. A A geometria geometria dos dos desvios desvios de de alta alta velocidade.
Introdução. Introdução.
A A geometria geometria dos dos desvios desvios de de alta alta velocidade. velocidade.
O O traçado traçado da da via via desviada. desviada.
A A melhora melhora do do traçado traçado em em agulhagem agulhagem e e cruzamento. cruzamento.
Novos Novos perfiles perfiles de de mecanização mecanização das das agulhas. agulhas.
Acionamento. Acionamento.
Travessas Travessas ocas. ocas.
Placas Placas corrediças corrediças sem sem manutenção. manutenção.
Movimento. Movimento.
Encerrolhamento. Encerrolhamento.
Assento Assento do do desvio. desvio.
Rigidez Rigidez da da via via no no desvio. desvio.
Travessas. Travessas.
Cruzamento Cruzamento
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à geometria
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
1796 1796 - - John John Curr Curr projeta projeta desvios desvios para para uma
1796 1796 - - John John Curr Curr projeta projeta desvios desvios para para uma uma exploração exploração mineira, mineira, no no
condado condado de de Norfolk. Norfolk.
Evolução Evolução
↑↑↑↑ ↑↑↑↑ Segurança Segurança
↑↑↑↑ ↑↑↑↑ Velocidade Velocidade de de circulação circulação
↑↑↑↑ ↑↑↑↑ Esperança Esperança de de vida vida do do aparelho aparelho
↓↓↓↓ ↓↓↓↓
Custos Custos
Entre Entre 20 20 e e 40% 40% do do orçamento orçamento para para a a manutenção manutenção da da via via é é investido investido
na na inspecção, inspecção, manutenção manutenção e e renovação renovação dos dos desvios desvios e e cruzamentos. cruzamentos.
ZWANENBURG, ZWANENBURG, W.-J. W.-J. Modelling Modelling degradation degradation processes processes of of switches switches & & crossings crossings for for
maintenance maintenance & & renewal renewal planning planning on on the the Swiss Swiss railway railway network. network. “6th “6th Swiss Swiss Transport Transport
Research Research Conference”, Conference”, Ascona, Ascona, 2006. 2006.
O O custo custo de de manutenção manutenção de de um um desvio desvio convencional convencional é é equivalente equivalente a a
300 300 a a 500 500 m m de de ferrovia. ferrovia.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à geometria
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à geometria
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
,,
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Geometria Geometria da da via via desviada desviada caracterizada caracterizada por por R R e
Geometria Geometria da da via via desviada desviada caracterizada caracterizada por por R R e e
à à tangente tangente do do desvio desvio 1:n. 1:n.
R R V V
max max
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
""
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
-- DDeessvviioo ssiimmpplleess ttaannggeennttee ccoomm ccoorraaççããoo ccuurrvvoo α t = p = R tan 0
--
DDeessvviioo ssiimmpplleess ttaannggeennttee ccoomm ccoorraaççããoo ccuurrvvoo
α
t
=
p
=
R tan
0
2
l
=
2
R
a
k
0
l
=
l
t
i
k
l
=
p
l
h
i
l = t +p = 2⋅ t
α
s = 2⋅p⋅sen
2
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
$$
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
-- DDeessvviioo ssiimmpplleess ttaannggeennttee ccoomm ccoorraaççããoo rreettoo α t = R tan 0 2 a
--
DDeessvviioo ssiimmpplleess ttaannggeennttee ccoomm ccoorraaççããoo rreettoo
α
t
=
R tan
0
2
a
l
=
i
α
2
tan
2
l
=
l
+
t
k
i
s
p =
α
2
sen 2
l
=
p
l
h
i
l = t + p ≠ 2t
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Determinação Determinação de de V V max max A A aceleração aceleração centrífuga centrífuga sem
Determinação Determinação de de V V
max max
A A aceleração aceleração centrífuga centrífuga sem sem compensar compensar (a (a
) )
CSC CSC
na na circulação circulação na na via via desviada. desviada.
A A sobreaceleração, sobreaceleração, ou ou seja, seja, a a mudança mudança da da
aceleração aceleração transversal transversal ao ao longo longo do do tempo. tempo.
O O empellón empellón (empurrão) (empurrão)
Ruck Ruck (DE); (DE); jerk jerk (GB). (GB).
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//((
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
0 0 Aceleração Aceleração centrífuga centrífuga sem sem compensar compensar (a (a ) ) CSC
0 0
Aceleração Aceleração centrífuga centrífuga sem sem compensar compensar (a (a
) )
CSC CSC
2
v
a
=
V
=
12.96 ⋅ R
a
csc
csc
2
R
V
a
=
2
V
csc
V
12.96 R
R =
(
km / h
)
v
=
12.96 a
(
m / s
)
csc
3.6
Sobreaceleração Sobreaceleração (ψ) (ψ)
2
V
d
da
12.96 ⋅ρ
csc
ψ =
=
dt
dt
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
////
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
11 ∆ ∆ a a ∆ ∆ a a csc csc csc csc ψ ψ
11
∆ ∆
a a
∆ ∆
a a
csc csc
csc csc
ψ ψ
* *
= =
= =
∆ t t
E
E
v v
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//''
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
início da curva
início da curva
22 %% ψψψψ ψψψψ* Desvios a csc (m/s 2 ) (m/s 3 ) (m/s 3
22 %%
ψψψψ
ψψψψ*
Desvios
a csc
(m/s 2 )
(m/s 3 )
(m/s 3 )
DSIH-60-
10000/4000-0.026-
CM-D
(LAV Madrid-
Sevilla)
Normal: 0.51
Máximo: 0.65
Máximo: 0.40
Normal: 0.40
Máximo: 0.85
Excepcionais: 1.20
DSIH-60-
17000/7300-0.02-
CM-D
(LAV Madrid-
Barcelona)
0.50
0.6
1.1
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//))
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Traçado Traçado sempre sempre tangente. tangente. Traçado Traçado circular circular Rádio Rádio único único
Traçado Traçado sempre sempre tangente. tangente.
Traçado Traçado circular circular
Rádio Rádio único único 2 2 rádios rádios (composição (composição de de 2 2 curvas curvas circulares) circulares)
Abandonado Abandonado por: por:
Valores Valores elevados elevados do do empellón. empellón.
Valores Valores elevados elevados do do ângulo ângulo de de deflexão deflexão da da agulha. agulha.
Traçado Traçado com com curva curva de de transição transição
Incorporados Incorporados na na LGV LGV PSE. PSE.
Curva Curva de de transição transição (parábola (parábola cúbica), cúbica), R R = = 3000 3000 ó ó 6720 6720 m m - -
∞∞∞∞ ∞∞∞∞
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//**
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Traçado Traçado curva curva de de transição transição + + curva curva de de transição/circular
Traçado Traçado curva curva de de transição transição + + curva curva de de transição/circular transição/circular
Introduzido Introduzido pela pela SBB. SBB.
Clotóide ponta.
Clotoide de planalto.
2 arcos de clotóide
Arco clotóide + arco circular
1/ρρρρ
1/ρρρρ
L
L
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//++
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
3,(3/((((4*(((3(5(',3 3,(3/((((4*(((3(5(',3 3 3 80.543 89! 89! : : /,( /,( ;64 ;64 6 6
3,(3/((((4*(((3(5(',3 3,(3/((((4*(((3(5(',3 3 3
80.543
89! 89! : : /,( /,( ;64 ;64
6 6 7 7
291.300
65.112
0.4968
0.2428
ACELERAÇÃOES (m/s )
2
2
ACELERACIONES (m/s )
0.2428
CLOTÓIDE DE PLANALTO
CLOTOIDE DE MESETA
A = 500
A = 470
0.4968
3
3
SOBREACELERACIONES (m/s )
SOBREACELERAÇÃOES (m/s )
10 000/4 000/CC/4 000/
Lcc = 52.924 m
0.9416
0.9
416
0.3512
0.3512
0.3974
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//,,
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
-5.73
R= 10 000 m
0.00
R=
4 000 m
37.50
R=
4 000 m
90.42
R=
145.65
R= 4 000 m
8
200.88
8
R= 4 000 m
253.80
285.57
R= 10 000 m
291.30
297.06
3,(3/"(((4")((3(5('3 3,(3/"(((4")((3(5('3 3 3 89! 89! : : ''( ''( ;64
3,(3/"(((4")((3(5('3 3,(3/"(((4")((3(5('3 3 3
89! 89! : : ''( ''( ;64 ;64
6 6 7 7
414.794
4.700
0.51
ACELERAÇÃOES (m/s )
2
2
ACELERACIONES (m/s )
0.51
CLOTOIDE DE MESETA
CLOTÓIDE DE PLANALTO
SOBREACELERAÇÃOES (m/s )
3
3
SOBREACELERACIONES (m/s )
17 000/7 300/CC/7 300/
0.99
0.
99
0.41
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//""
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
R= 17 000 m
0.000
R=
7 300 m
63.312
R=
7 300 m
130.356
R=
207.397
R= 7 300 m
8
284.438
R= 7 300 m
8
351.482
R= 17 000 m
414.794
< < Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução
< <
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//$$
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
= = > > Contra-agulha reta Agulha reta Contra-agulha curva Introdução à geometria dos aparelhos
= = > >
Contra-agulha reta
Agulha reta
Contra-agulha curva
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
//
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
0 0 Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução
0
0
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''((
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
0 0 Desgastes sobre o agulhagem, com especial incidência sobre a agulha reta. Impactos sobre
0
0
Desgastes sobre o agulhagem, com especial incidência sobre a
agulha reta.
Impactos sobre o agulhagem e nos órgãos de rolamento dos veículos.
Custos de manutenção mais elevados.
Ruído.
Perda de conforto.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''//
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
?? Solução Solução FAKOP FAKOP (FAhrKante (FAhrKante OPtimierung) OPtimierung) / / KGO KGO (Kinematic (Kinematic
??
Solução Solução FAKOP FAKOP (FAhrKante (FAhrKante OPtimierung) OPtimierung) / / KGO KGO (Kinematic (Kinematic Gauge Gauge
Optimization) Optimization)
Para facilitar a clareza da imagem,
é não traçada a agulha curva.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''''
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
SSoolluuççããoo CCAATTFFEERRSSAANN Para facilitar a clareza da imagem, é não traçada a agulha curva. Introdução
SSoolluuççããoo CCAATTFFEERRSSAANN
Para facilitar a clareza da imagem,
é não traçada a agulha curva.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''))
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à geometria
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''**
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Desplazamiento lateral del eje 11 Situación original 330000 kkmm//hh –– AAgguullhhaaggeemm CCrruuzzaammeennttoo
Desplazamiento lateral del eje 11
Situación original
330000 kkmm//hh –– AAgguullhhaaggeemm CCrruuzzaammeennttoo
FAKOP
CATFERSAN
x
10 -3
8
Lado direito (agulha reta + contra-agu
Lado direito (
agulha reta + contra-agulha curva)
lha curva)
6
4
2
AAvvaannccee
0
-2
Lado esquerdo (contra-agulha reta)
Lado esquerdo (contra-agulha reta)
-4
-6
-8
0
100
200
300
400
500
Distancia [m]
Velocidad: 300 km/h
Desplazamiento lateral inicial de ejes, bogies y caja nulo. Ángulo de lazo inicial de los ejes nulo.
''++
Desplazamiento [m]
Desplazamiento lateral del eje 11 Situación original FAKOP CATFERSAN 330000 kkmm//hh –– CCrruuzzaammeennttoo
Desplazamiento lateral del eje 11
Situación original
FAKOP
CATFERSAN
330000 kkmm//hh –– CCrruuzzaammeennttoo AAgguullhhaaggeemm
x
10 -3
7.5
5.0
Lado dire
Lado direito (contra-agulha reta)
ito (contra-agulha reta)
2.5
Avance
Av
ance
-0.0
-2.5
-5.0
-7.5
Lado esquerdo (agulha reta
Lado esquerdo (agulha reta
+ contra-agulha curva)
+ contra-agulha curva)
-10.0
-12.5
0
100
200
300
400
500
Distancia [m]
Velocidad: 300 km/h
Desplazamiento lateral inicial de los ejes, bogies y caja nulo. Ángulo de lazo inicial de los ejes nulo. Circulación por talón.
'',,
Desplazamiento [m]
< < Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução
<
<
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''""
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
-- 00 Zona de defesa da ponta Zona exclusiva de guiada Zona de guiada e
-- 00
Zona de defesa da
ponta
Zona exclusiva de
guiada
Zona de guiada e
apoio compartilhado
Zona de guiada e
apoio exclusivo
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''$$
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
< < < < /3,( /3,( @A @A & & @ @ A! A! &B
< < < < /3,( /3,(
@A @A & & @ @ A! A! &B &B '/5(((/ '/5(((/ C C 0D5 0D5
Espessura
da agulha
Altura da
agulha
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
''
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
< < Perfil mecanização agulhas LAV Madrid - Sevilla Desenvolvimentos posteriores: Procedimento Delta
<
<
Perfil mecanização agulhas LAV
Madrid - Sevilla
Desenvolvimentos posteriores: Procedimento Delta Kappa.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))((
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à geometria
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))//
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
O O conjunto conjunto barras barras e e cerrolhos cerrolhos se se situa situa dentro
O O conjunto conjunto barras barras e e cerrolhos cerrolhos se se situa situa dentro dentro da da travessa travessa Maquina Maquina batiadora. batiadora.
Elas Elas facilitam facilitam a a instalação instalação de de todos todos os os tipos tipos de de cabos cabos e e tubos. tubos.
Fechada Fechada por por uma uma tampa tampa Proteção Proteção do do sistema sistema de de acionamento acionamento do do agulhagem, agulhagem,
prevenção prevenção neve, neve, água, água, poeira poeira e e areia areia de de entrar entrar e e danificando danificando equipamentos equipamentos
Se Se cierran cierran mediante mediante una una tapa tapa protección protección del del sistema sistema de de actuación actuación del del cambio. cambio. Ela Ela
evita evita de de entrar entrar neve, neve, água, água, poeira poeira e e areia areia e e que que danem danem os os equipamentos. equipamentos.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))''
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Tradicionalmente, Tradicionalmente, as as corrediças corrediças foram foram lubrificadas lubrificadas com com um um
Tradicionalmente, Tradicionalmente, as as corrediças corrediças foram foram
lubrificadas lubrificadas com com um um óleo óleo especial. especial.
Funcionamento Funcionamento incorreto: incorreto:
Varrido Varrido do do lubrificante lubrificante por por o o movimento movimento da da
agulha. agulha.
Em Em zonas zonas úmidas, úmidas, a a água água (chuva, (chuva, neve) neve)
lavagens lavagens o o lubrificante lubrificante e e torna-a torna-a perder perder as as
suas suas funções. funções.
Em Em certas certas áreas, áreas, poeira, poeira, areia, areia, etc. etc. misturam misturam
com com óleo óleo ou ou graxa, graxa, formando formando uma uma massa massa
abrasiva. abrasiva.
Com Com alguma alguma freqüência, freqüência, se se utilizam utilizam graxas graxas
inadequadas. inadequadas.
Lubrificante Lubrificante está está a a tornar-se tornar-se menos menos eficaz eficaz
aumenta aumenta a a força força necessária necessária para para mover mover a a
agulha agulha Necessário Necessário manutenção manutenção contínua contínua
das das corrediças. corrediças.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))))
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
SSOOLLUUÇÇÕÕEESS Sistemas de baixo atrito. Sistemas de rolamentos. Introdução à geometria dos aparelhos de
SSOOLLUUÇÇÕÕEESS
Sistemas de baixo atrito.
Sistemas de rolamentos.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))**
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
1 1 DESVIOS DESVIOS LAV LAV MADRID MADRID – – SEVILLA SEVILLA Acionamento Acionamento baseado
1 1
DESVIOS DESVIOS LAV LAV MADRID MADRID – – SEVILLA SEVILLA
Acionamento Acionamento baseado baseado em em motores motores elétricos. elétricos.
8 8 cerrolhos cerrolhos sobre sobre o o agulhagem agulhagem e e 3 3 no no cruzamento, cruzamento,
operados operados por por 11 11 motores motores elétricos elétricos individuais. individuais.
Funções: Funções:
Mover Mover a a agulha agulha ou ou a a ponta ponta do do coração coração a a uma uma posição posição
final final e e garantir garantir sua sua posição posição mediante mediante os os cerrolhos; cerrolhos;
Verificar Verificar a a boa boa disposição disposição das das partes partes móveis. móveis.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))++
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à geometria
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
)),,
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
E E FORTALEZAS FORTALEZAS Força Força de de acionamento acionamento reduzida. reduzida. Força Força pode
E E
FORTALEZAS FORTALEZAS
Força Força de de acionamento acionamento reduzida. reduzida.
Força Força pode pode ser ser regulada regulada melhor. melhor.
Bom Bom comportamento comportamento em em resposta resposta a a situações situações de de corpos corpos estranhos estranhos entre entre
agulha agulha e e contra-agulha. contra-agulha.
FRAQUEZAS FRAQUEZAS
Porque Porque volume volume motor motor elétrico, elétrico, são são difíceis difíceis de de integrar integrar nas nas travessas travessas ocas ocas
localizados localizados lateralmente lateralmente complica complica manutenção manutenção da da ferrovia. ferrovia.
Motores Motores laterais laterais carga carga excêntrica excêntrica sobre sobre a a superestrutura. superestrutura.
Presença Presença de de 11 11 motores motores elétricos elétricos na na ferrovia ferrovia manutenção manutenção freqüente freqüente se se
querem querem garantir garantir a a fiabilidade fiabilidade do do sistema. sistema.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))""
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
- - 1 1 Sistema Hydrostar. Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via
-
-
1 1
Sistema Hydrostar.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))$$
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Desvios Desvios LAV LAV Madrid Madrid - - Sevilla Sevilla equipados equipados com com cerrolhos
Desvios Desvios LAV LAV Madrid Madrid - - Sevilla Sevilla
equipados equipados com com cerrolhos cerrolhos de de unha unha
Contra-agulhas
Biela de conexão
Cerrolhos Cerrolhos de de talão. talão.
Eles Eles aceitam aceitam uma uma grande grande
tolerância tolerância em em corridas corridas das das
barras barras impulsoras impulsoras (normalmente (normalmente
entre entre 185 185 e e 265 265 mm mm 220 220 mm, mm,
unificada unificada para para manobra manobra em em
acionamentos acionamentos elétricos). elétricos).
Tope
Agulhas
Unha do cerrolho
Possível Possível instalá-los instalá-los com com erros erros de de
montagem montagem no no agulhagem. agulhagem.
Eles Eles têm têm pouca pouca sensibilidade sensibilidade à à
variação variação temperatura. temperatura.
Custo Custo de de manutenção manutenção muito muito
baixo. baixo.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
))
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
& & & & Todos Todos os os movimentos movimentos do do cerrolho cerrolho são
& & & &
Todos Todos os os movimentos movimentos do do cerrolho cerrolho são são feitos feitos através através da da utilização utilização de de
rolamentos. rolamentos.
Menos Menos fricção fricção que que o o movimento movimento de de deslizamento deslizamento convencional. convencional.
Menores Menores esforços esforços de de manobra. manobra.
Acesso Acesso superior. superior.
Evita o levantamento da agulha no momento em que
é
encerrolhada contra a contra-agulha, graças à
componente vertical da força encerrojamiento.
Na abertura do movimento, a agulha é ligeiramente levantada, o que reduz
o
esforço de manobra.
Ajuste simples do cerrolho na posição.
Os rolamentos do cerrolho são fixados de maneira elástica, o que reforça
as características de absorção de esforços.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**((
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
& & & & Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta
& & & &
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**//
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
& & & & Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta
& & & &
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**''
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à geometria
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**))
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
<< Variações na rigidez lateral Agulhagem Agulha – contra agulha. Especialmente quando a sujeição
<<
Variações na rigidez
lateral
Agulhagem
Agulha – contra agulha.
Especialmente quando a
sujeição da contra-agulha
é feita através de
desenhos ou dispositivos
rígidos.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
****
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
< F < F F F Variações na rigidez lateral Cruzamento Nomeadamente na altura do
< F
< F
F F
Variações na rigidez
lateral
Cruzamento
Nomeadamente na altura do
coração.
Especialmente no caso dos
corações monobloco.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**++
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
< < Tal como no resto da via, a rigidez da via tem significado especial,
<
<
Tal como no resto da via, a rigidez da via tem significado especial,
no caso de desvios.
Baixos valores de rigidez vertical:
Menores solicitações sobre o balastro menos necessidade de
batio.
Menores vibrações das travessas menos falhas dos sistemas
de verificação.
Aumenta a deflexão vertical do carril É preciso limitar
fisicamente a possibilidade de movimentos diferenciais entre as
partes fixas e móveis do agulhgem e do cruzamento sistema
oneroso.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**,,
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
G> G> H H < < I I “A gama da rigidez vertical estática do
G> G> H H < <
I I
“A gama da rigidez vertical estática do desvio deve ser
entre 40 e 60 kN / mm. Entende-se este conceito como
a relação, em cada ponto de desvio, entre a força
estática aplicada e o movimento vertical absoluto do
carril.”
GIF - Anejo 1. Pliego de Bases para el suministro de desvíos de Alta Velocidad de la
línea Madrid-Zaragoza-Barcelona-Frontera Francesa, tramo Madrid-Zaragoza.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**""
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
G G 1 1 < - < - *( *( J J ,( ,( ;
G G
1
1
< -
< -
*( *( J J ,( ,( ; ; 466I 466I
Placas elásticas bajo carril
Placas elásticas bajo carril especiales
Placas elásticas bajo
traviesa/longrinas
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**$$
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
G G 0 0 < < - - *( *( ,( ,( ? ? 4
G G 0 0
< < - - *( *(
,( ,( ? ? 4 4 I I
Placas elásticas baixo carril
Placas elásticas especiais baixo
carril
Placas elásticas baixo travessas
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
**
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Desenho de desvio de Alta Velocidade V directa : 350 km/h V desviada : 220
Desenho de desvio de Alta Velocidade
V directa : 350 km/h
V desviada : 220 km/h
Bitola: 1 435 mm
Tangente: 0,0215
Longitude aproximada: 213 m
Devido à diferença de deflexão do carril na via plena e nos desvios, ADIF força
a introduzir uma zona de transição de 50 m de longitude antes e depois do
desvio.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++((
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
8 8 K8A! K8A! 8 8 8! 8! A& A& /(( /(( ; ; 466
8 8 K8A! K8A! 8 8 8! 8! A& A& /(( /(( ; ; 466 466
125
120
115
110
105
100
95
90
85
80
75
70
65
60
Circulación por vía directa
Hilo interior
55
Hilo exterior
50
45
40
35
30
0
25
50
75
100
125
150
175
200
225
250
275
300
325
Distancia (m)
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++//
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Rigidez vertical (kN/mm)
8 8 K8A! K8A! 8 8 8! 8! A& A& /"L+ /"L+ ; ; 466
8 8 K8A! K8A! 8 8 8! 8! A& A& /"L+ /"L+ ; ; 466 466
6&8 6&8 A A 8! 8! !M !M : : @ @ 8 8 +( +( N N '+ '+ ; ; 466 466
125
120
Circulación por vía directa
115
Hilo interior
110
Hilo exterior
105
100
95
90
85
80
75
70
65
60
55
50
45
40
35
30
0
25
50
75
100
125
150
175
200
225
250
275
300
325
Distancia (m)
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++''
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Rigidez vertical (kN/mm)
Desvios Desvios LAV LAV línea línea Madrid Madrid – – Sevilla Sevilla Travessas Travessas de
Desvios Desvios LAV LAV línea línea Madrid Madrid – –
Sevilla Sevilla
Travessas Travessas de de concreto concreto
armado armado pretensão. pretensão.
Largura Largura do do desvio desvio vá vá
crescendo, crescendo, no no sentido sentido
agulhagem agulhagem – – cruzamento: cruzamento:
comprimento comprimento travessas travessas 2,40 2,40
m m 4,90 4,90 m. m.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++))
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Atualmente Atualmente pensa pensa que que é é mais mais sensato sensato limitar limitar o
Atualmente Atualmente pensa pensa que que é é mais mais sensato sensato limitar limitar o o comprimento comprimento das das travessas, travessas,
principalmente principalmente por por dois dois motivos: motivos:
Dois Dois travessas travessas curtas curtas
de de comprimento comprimento
equivalente equivalente a a uma uma
longa longa produzem produzem
vibrações vibrações em em menor menor
medida medida (efeito (efeito látego). látego).
Facilitasse Facilitasse a a carga carga e e
transporte transporte de de peças peças
pré-montadas pré-montadas do do desvio desvio
até até o o lugar lugar onde onde se se
instalará. instalará.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++**
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
<< Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à
<<
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++++
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
< F < F Por Por lo lo que que se se refiere refiere a
< F
< F
Por Por lo lo que que se se refiere refiere a a la la
problemática problemática asociada asociada a a la la
existencia existencia de de la la laguna, laguna, en en
cruzamientos cruzamientos para para Alta Alta
Velocidad, Velocidad, elevadas elevadas cargas cargas por por
eje eje o o con con gran gran intensidad intensidad de de
circulación circulación se se busca busca eliminarla. eliminarla.
A A menor menor ángulo ángulo del del desvío, desvío,
mayor mayor longitud longitud de de la la laguna laguna
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++,,
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
< < 1 1 Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta
<
<
1 1
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++""
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
< < 1 1 DDeesseennhhoo ffrraannccééss DDeesseennhhoo aalleemmããoo Introdução à geometria dos
<
<
1 1
DDeesseennhhoo ffrraannccééss
DDeesseennhhoo aalleemmããoo
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++$$
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
< 1 < 1 8 8 & & 6O& 6O& Desvios Desvios LAV LAV Madrid
< 1
< 1
8 8 & & 6O& 6O&
Desvios Desvios LAV LAV Madrid Madrid – – Sevilla Sevilla
Cruzamentos Cruzamentos tipo tipo pesados pesados
standard standard nos nos Caminhos Caminhos de de
Ferro Ferro alemão alemão (DB). (DB).
A A ponta ponta móvel móvel do do coração coração é é
protegida protegida pelos pelos contracarriles contracarriles
(similar (similar a a solução solução agulha agulha / /
contra-agulha). contra-agulha).
Para Para tornar tornar possível possível o o
movimento movimento de de acoplamento acoplamento
a a os os contracarriles contracarriles
“dispositivo “dispositivo de de dilatação”. dilatação”.
Transmissão Transmissão de de esforços esforços por por
parte parte do do CCS. CCS.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
++
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
<< 11 Desenho Desenho francês francês O O berço, berço, que que desempenha, desempenha, em
<< 11
Desenho Desenho francês francês
O O berço, berço, que que
desempenha, desempenha, em em
relação relação à à ponta ponta móvel móvel
do do coração, coração, o o papel papel da da
contra-agulha, contra-agulha, com com os os
seus seus placas placas corrediças corrediças
de de rolamentos. rolamentos.
A A ponta ponta móvel móvel flexível. flexível.
Nos Nos últimos últimos desenvolvimentos desenvolvimentos deste deste tipo tipo de de cruzamentos cruzamentos com com coração coração de de
ponta ponta móvel móvel simplificou simplificou o o desenho desenho do do berço berço moldado moldado em em uma uma única única
peça peça de de aço aço ao ao manganês. manganês.
Sua Sua união união com com os os carris carris permite permite a a transmissão transmissão segura segura de de esforços esforços devido devido
ao ao CCS. CCS.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
,,((
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
8899!!&&88 !! 33 99!! CC// ''DD Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via
8899!!&&88 !! 33 99!! CC//
''DD
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
,,//
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
&A&A!@& &A&A!@& 89!& 89!& A A C'(("D C'(("D ,,''
&A&A!@& &A&A!@& 89!& 89!& A A
C'(("D C'(("D
,,''
00 00 Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução
00 00
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
,,))
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
00 00 FF ZWANENBURG, ZWANENBURG, W.-J. W.-J. Modelling Modelling degradation degradation processes processes of of
00 00 FF
ZWANENBURG, ZWANENBURG, W.-J. W.-J. Modelling Modelling degradation degradation processes processes of of switches switches & & crossings crossings for for maintenance maintenance & &
renewal renewal planning planning on on the the Swiss Swiss railway railway network. network. “6th “6th Swiss Swiss Transport Transport Re-search Re-search Conference”, Conference”,
Ascona, Ascona, 2006. 2006.
YERSHKOW, YERSHKOW, O.P. O.P. Valeurs Valeurs admissibles admissibles des des accelerations accelerations non non compensees compensees et et leur leur varia-tion varia-tion en en
function function du du temps temps sur sur les les lignes lignes ferroviaries ferroviaries a a grand grand vitesse. vitesse. Rail Rail International, International, nº5, nº5, 1979. 1979.
GARCÍA GARCÍA DÍAZ-DE-VILLEGAS, DÍAZ-DE-VILLEGAS, J. J. M. M. Consideraciones Consideraciones sobre sobre la la geometría geometría de de los los desví-os desví-os para para Alta Alta
Velocidad. Velocidad. “Jornadas “Jornadas europeas europeas de de Alta Alta Velocidad Velocidad ferroviaria”, ferroviaria”, Madrid, Madrid, 1988. 1988.
MEGIERY, MEGIERY, J. J. “Eisenbahn-Bewegungsgeometrie”. “Eisenbahn-Bewegungsgeometrie”. Akadémiai Akadémiai Kiadó, Kiadó, 1993. 1993.
NASARRE, NASARRE, J.; J.; CUADRADO, CUADRADO, M.; M.; GONZÁLEZ, GONZÁLEZ, P.; P.; ROMO ROMO E. E. Analysis Analysis method method of of the the ride ride quality quality in in
railway railway alignment alignment with with geometrical geometrical singularities. singularities. “World “World Congress Congress on on Railway Railway Research”, Research”, Colonia, Colonia,
2001.
2001.
OECONOMOS, OECONOMOS, J. J. Les Les appareils appareils de de voie voie de de très très petit petit angle angle de de la la Ligne Ligne à à Grande Grande Vitesse Vitesse de de Paris Paris à à
Lyon. Lyon. Rail Rail International, International, nº1, nº1, 1983. 1983.
BUGARÍN, BUGARÍN, M. M. R. R. Y Y DÍAZ-DE-VILLEGAS, DÍAZ-DE-VILLEGAS, J. J. M. M. G. G. Improvements Improvements in in railway railway switches. switches. Proceedings Proceedings of of
the the Institution Institution of of Mechanical Mechanical Engineers Engineers - - Journal Journal of of Rail Rail and and Rapid Rapid Tran-sit, Tran-sit, vol. vol. 216, 216, nº4, nº4, 2002. 2002.
GARCÍA GARCÍA DÍAZ-DE-VILLEGAS, DÍAZ-DE-VILLEGAS, J. J. M. M. y y RODRÍGUEZ RODRÍGUEZ BUGARÍN, BUGARÍN, M. M. “Desvíos “Desvíos Ferro-viarios”. Ferro-viarios”. Incan, Incan,
S.A., S.A., 1995. 1995.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
,,**
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
00 00 FF HAASE, HAASE, J. J. Neues Neues Zungenrollsystem Zungenrollsystem BWG-S. BWG-S. EI EI
00 00 FF
HAASE, HAASE, J. J. Neues Neues Zungenrollsystem Zungenrollsystem BWG-S. BWG-S. EI EI – – Eisenbahningenieur, Eisenbahningenieur, nº11, nº11, 2005. 2005.
SÁNCHEZ SÁNCHEZ DOBLADO, DOBLADO, M. M. Desvíos. Desvíos. Informes Informes de de la la Construcción, Construcción, vol. vol. 44, 44, nº420, nº420, 1992. 1992.
QUANTSCHNIGG, QUANTSCHNIGG, R. R. HYDROSTAR® HYDROSTAR® Switch Switch operating operating system system for for main main track track applica-tion. applica-tion. Signal Signal + +
Draht, Draht, vol. vol. 96, 96, nº5, nº5, 2004 2004
SCHNEDL, SCHNEDL, K. K. HYDROSTAR® HYDROSTAR® HB HB – – Point Point Operating Operating System System for for Movable Movable Crossings. Crossings. Signal Signal + + Draht, Draht,
vol. vol. 97, 97, nº7+8, nº7+8, 2005. 2005.
GARCÍA GARCÍA NAVARRO, NAVARRO, A. A. La La problemática problemática de de la la maniobra maniobra y y encerrojamiento. encerrojamiento. Revista Revista AIT, AIT, nº30, nº30,
Septiembre Septiembre - - Octubre Octubre 1979 1979
GARDAVSKY, GARDAVSKY, K. K. y y STEINMANN, STEINMANN, M. M. Klinkenverschluss Klinkenverschluss für für innovative innovative Weichenstellsysteme. Weichenstellsysteme. Signal Signal + +
Draht, Draht, vol. vol. 96, 96, nº7+8, nº7+8, 2004. 2004.
MAURER, MAURER, T. T. y y DIETZE, DIETZE, H.-U. H.-U. Neuer Neuer Weichenstandard Weichenstandard für für Hochgeschwindigkeit Hochgeschwindigkeit - - Erhöhte Erhöhte vertikale vertikale
Elastizität. Elastizität. ETR ETR - - Eisenbahntechnische Eisenbahntechnische Ründschau, Ründschau, vol vol 45, 45, nº12, nº12, 1996. 1996.
BUGARÍN, BUGARÍN, M. M. R.; R.; MARTÍNEZ, MARTÍNEZ, F.; F.; ORRO, ORRO, A. A. y y NOVALES, NOVALES, M. M. Track Track stiffness stiffness in in turnouts. turnouts. “World “World
Congress Congress on on Railway Railway Research Research 2003”, 2003”, Edimburgo, Edimburgo, 2003. 2003.
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
,,++
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade Introdução à geometria
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
Introdução à geometria dos aparelhos de mudança da via para Alta Velocidade
,,,,
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08
CICLO DE FORMAÇÃO AVANÇADA NA FERROVIA - Universidade do Porto – Fac. de Engenharia – 7/8.07.08