Você está na página 1de 50

1

2
3
Crédito aos colaboradores

Conteudistas

Elaboração de Conteúdo
Prof. Dra. Virginia de Carvalho Leal - Graduada em Direito pela Universidade Federal
de Pernambuco (1999), com Mestrado em Direito pela Universidade Federal de
Pernambuco (2004) e Mestrado e Doutorado em Direito pela Universidad de León,
Espanha (2015).
Prof. Dra. Maria Lucia Barbosa - Graduada em Direito pela Universidade Federal de
Pernambuco (2000), com Mestrado e Doutorado em Direito pela Universidade Federal
de Pernambuco (2007/2014) e Doutoranda em Direito na Universitat de València,
Espanha.
Prof. Rosa Maria Marques - Mestre em Ciências Sociais

Secretaria de Justiça e Direitos Humanos

Edição de Texto
Ana Lúcia Gusmão Brindeiro
Consultora de Direitos Humanos
Alessandra de Lima e Silva
Coordenadora do Centro Estadual de Apoio às Vítimas da Violência
Maria das Neves Cavalcante Chaves
Coordenadora do Programa Estadual de Proteção a Defensores de Direitos Humanos
de Pernambuco
Giovana Caldas Lustosa de Araújo
Supervisora dos Programas de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos

Apoio
UPE - Universidade de Pernambuco
Comitê para Educação em Direitos Humanos

Edição de Texto
Andréa Bandeira
Sônia Fortes

4
SUMÁRIO

1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS DIREITOS HUMANOS ........................................ 6


1.1 Normas Previstas de Direitos Humanos ................................................................ 10
1.2 Diferença entre Direitos Humanos e Direitos Fundamentais ........................... 10
1.3 Características Essencias dos Direitos Humanos .............................................. 11
1.3.1 Refletindo sobre uma das características dos direitos humanos — a
universalidade: como explicamos as diferenças culturais? Devem os
direitos humanos ceder frente a determinadas culturas? ................................ 13
1.4 Classificação dos Direitos Humanos ...................................................................... 14
2 CONCEITO .......................................................................................................... 15
2.1 Direitos Humanos ......................................................................................................... 15
2.2 Detentoras e Detentores dos Direitos Humanos.................................................. 17
3 BUSCA DE DIREITOS HUMANOS NO BRASIL ................................................ 19
3.1 O Papel dos Municípios no Desenvolvimento de Políticas Públicas de
Direitos Humanos ......................................................................................................... 23
3.2 Estrutura do Sistema Nacional de Direitos Humanos ........................................ 29
3.2.1 Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH) 33
3.2.2 Os eixos de Proteção de diretos humanos............................................................ 37
4 OS SISTEMAS INTERNACIONAIS E REGIONAIS DE PROTEÇÃO DOS
DIREITOS HUMANOS ........................................................................................ 38
4.1 Sistemas Regionais de Proteção dos Direitos Humanos .................................. 44
4.2 Sistema Americano ou Interamericano de Direitos Humanos ......................... 45
4.2.1 Programa Nacional em Direitos Humanos Brasileiro ......................................... 48
REFERÊNCIAS .............................................................................................................. 49

5
1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS DIREITOS HUMANOS

Não há um ponto exato que delimite o nascimento, ou o início do


reconhecimento dos direitos humanos, mas é possível perceber que a história é
marcada pela busca do bem-estar dos indivíduos e por lutas contra diversas formas de
opressão, as quais podem ser identificadas como movimentos em busca da afirmação
dos direitos humanos.
Os movimentos e lutas por justiça, igualdade e liberdade, cujo conteúdo
impregna a vida social desde o surgimento das primeiras comunidades humanas, são
identificados com os direitos humanos.
Nesse sentido amplo, a evolução histórica desses direitos essenciais passou por
fases que auxiliaram na sedimentação do seu conceito e tratamento jurídico. A contar
dos primeiros escritos das comunidades humanas, ainda no século VIII a.C., até o
século XX d.C., são mais de vinte e oito séculos rumo à afirmação universal dos direitos
humanos.
Porém, não se pode medir épocas distantes da história da humanidade com a
régua do presente. As diversas fases conviveram, em cada época, com institutos ou
posicionamentos que hoje são repudiados, como a escravidão, a perseguição religiosa,
a exclusão das minorias, a submissão da mulher, a discriminação contra as pessoas
com deficiências de todos os tipos e outras formas de organização do poder e da
sociedade ofensivas ao entendimento atual de proteção de direitos humanos.
Desse modo, devemos ser cautelosos e entender que os direitos humanos são
históricos e, como tal, necessitam ser vistos dentro do contexto das sociedades de cada
época.
Assim, para tratar da evolução dos direitos humanos no âmbito internacional e
também no contexto interno brasileiro, e assim compreendê-la, adotaremos o
paradigma dos processos históricos de lutas por direitos, sem que, para isso, tenhamos

6
que aceitar, por exemplo, que a origem da gramática de direitos humanos esteja fixada
em um marco temporal (século XVIII) e espacial (Europa) e seja de base iluminista. Na
realidade, a universalização dos direitos humanos é uma obra ainda inacabada, e talvez
jamais alcançada diante das particularidades regionais.
O resgate histórico ajuda-nos a entender os limites e as possibilidades de defesa
de direitos em cada momento e é indispensável para detectar as regras que já existiram
em diversos sistemas jurídicos e que expressaram o respeito a valores relacionados à
concepção atual de direitos humanos.
No âmbito internacional, e a partir das teorias abstratas e universalistas
eurocêntricas, comumente são apontadas as revoluções liberais inglesa, americana e
francesa, e suas respectivas declarações, como marcos de afirmação histórica das
primeiras declarações de direitos humanos.
A chamada Revolução Inglesa reconheceu a supremacia do parlamento e da lei
em oposição à vontade ilimitada do rei, enquanto a Revolução Americana correspondeu
ao processo de independência das colônias britânicas na América do Norte, em 1776, e
à criação da primeira Constituição moderna, a Constituição norte-americana de 1787.
Ambos os movimentos buscavam a defesa das liberdades públicas contra o
absolutismo do rei.
A Revolução Francesa é igualmente reconhecida como marco para a proteção
de direitos humanos no plano internacional. A declaração francesa ―dos Direitos do
Homem e do Cidadão‖ foi adotada pela Assembleia Nacional Constituinte francesa em
27 de agosto de 1789.
Costuma-se também identificar a criação, em um momento posterior, do Direito
Internacional dos Direitos Humanos, relacionado à nova organização da sociedade
internacional no pós-Segunda Guerra Mundial. Como ―marco‖ dessa nova etapa do
direito internacional, foi criada, na Conferência de São Francisco, em 1945, a
Organização das Nações Unidas (ONU). A reação às atrocidades do nazismo fez
nascer a Comissão de Direitos Humanos da ONU e, a partir dela, a Declaração
Universal dos Direitos Humanos, em 1948. A carta da ONU obrigava todos os
Estados e indivíduos a respeitarem e promoverem os direitos humanos para garantir
7
dignidade e respeito às liberdades de todos e todas.
As cartas e declarações europeias têm sua importância dentro do processo
histórico de lutas por direitos, mas não devem ser entendidas como marcos — iniciais
ou paradigmáticos — do surgimento dos direitos humanos propriamente ditos. Se assim
entendêssemos, estaríamos excluindo do contexto, como elementos ausentes e
desperdiçados, por exemplo, as inúmeras e importantíssimas lutas dos indígenas, que
até os dias atuais defendem seus direitos — que emanam do seu modo de vida —, mas
que não tiveram seus esforços contra os colonizadores europeus catalogados como
lutas por direitos humanos; ou ainda as das comunidades quilombolas ou as das
mulheres (SANTOS; CHAUÍ, 2013). É preciso também chamar atenção para o fato de
que as teorias liberais abstratas, universalistas e normativas dos direitos humanos
acabam por apresentar as normas e direitos como se fossem, em si, o próprio
fundamento — pronto e acabado, dado —, dissociado da dinâmica social e da história,
e não como produto ou resultado da ação humana, de lutas seculares dos mais
diversos povos e nações.
Além disso, como apontam Escrivão Filho e Sousa Junior (2016), as teorias
abstratas comumente disseminadas como conceito e origem dos direitos humanos
universais podem ainda gerar três consequências ou efeitos que, muitas vezes, são
ignorados: o (i) efeito encantatório ou ilusório; o (ii) efeito imobilizante; e o (iii) efeito de
ordem.
Resumidamente, por efeito ilusório, seria entendida a situação usual da distância
entre direitos previstos e direitos efetivados, ou seja, a situação em que o direito esteja
previsto na norma, mas não passe de verdadeira ilusão, sem real efetivação. Essa
ilusão de direito previsto gera também um efeito imobilizante, na medida em que pode
produzir uma sensação de satisfação, reforçado pelo discurso de ordem e justiça social.
Além dos efeitos ilusório e imobilizante, há o efeito de ordem, aquele que reduz a
justiça social aos estritos termos e limites do ordenamento jurídico, passando a ser os
direitos humanos aqueles ali contidos na lei, o que gera ilusão e, ao mesmo tempo,
imobiliza, sem que os indivíduos, grupos ou sociedades possam interferir na condição
de efetivação dos direitos humanos.
8
Escrivão Filho e Sousa Junior (2016, p. 56) resumem da seguinte forma esses
efeitos:

Por via de consequência a esses efeitos, os direitos humanos que ainda não
tiveram força econômica, política e social para emergir ante um sistema de
opressão em determinada sociedade, e dessa forma ainda estejam situados do
lado de fora de determinada ordem legal, não são sequer considerados direitos,
ao passo em que as lutas emergentes pela sua conquista passam a ser
consideradas ilegais. Desse modo, negando os processos históricos que
produziram, no embate de forças políticas, econômicas e sociais, os direitos
humanos hoje institucionalmente reconhecidos no ocidente, inverte-se o
fundamento pelo seu produto. Assim, o direito positivado assume a condição de
fundamento, enquanto os processos de lutas sociais que produziram a
positivação como resultado são retirados da história.

Assim, é importante, mais uma vez, ressaltar que a história e o conceito de


direitos humanos não se confundem com as declarações (de pretensão universal) ou
ainda com as instituições internacionais ou nacionais nas quais se busca representá-
los. É preciso ver os direitos humanos não como produto acabado, mas como lutas
sociais concretas com intensa participação de indivíduos que se empenharam e se
empenham por experiências reais de humanização.
Os direitos humanos devem ser entendidos (e aqui serão) como condição
eminentemente histórica e culturalmente construída — através de um processo
permanente de lutas sociais —, conscientizados, reivindicados e exercidos pelos mais
diversos povos, classes, grupos e indivíduos em permanente processo de libertação, de
combate à violação e pela efetivação dos seus direitos.
Assim, em relação à evolução histórica dos direitos humanos, podemos dizer que
se percebeu não só uma expansão de direitos ao longo dessa história — direitos que
foram conquistados —, mas também, e consequentemente, uma expansão dos sujeitos
de direitos e um evidente processo de especificação desses sujeitos.
Conforme visto anteriormente, na tentativa de universalização dos direitos
humanos clássicos, não havia a valorização das diferenças entre os indivíduos, fossem
essas diferenças representadas na raça, no gênero, na opção sexual ou em outras. O
indivíduo era então concebido de maneira genérica, enquanto na contemporaneidade a
tendência passa a ser tratá-lo de maneira particular, como indivíduo historicamente
9
situado e detentor de certas necessidades que o caracterizam. Assim, fala-se em
―direitos das mulheres‖, ―direitos das crianças‖, ―direitos dos portadores de
necessidades especiais‖ e ―direitos dos homossexuais‖, dentre outros.
Mas o que poderia justificar, então, essa ideia distorcida e disseminada em todo
o Brasil de que direitos humanos seriam ―direito de bandido‖, se em realidade vemos
que os direitos humanos são direitos conquistados através de um duro e longo
processo de luta pela dignidade e humanidade?
A explicação estaria exatamente nesses processos de construção através de
insurreições, revoltas, rebeliões, pelos quais se lutou contra uma estrutura secular e
predominante de dominação, a qual sempre imperou no nosso país e que até os dias
atuais ainda persiste, mas que se vê ameaçada pelas lutas contra a manutenção dessa
dominação e das desigualdades.
Assim, como a ideia de direitos humanos passa a ser vista como transgressora e
subversiva — valendo-se os movimentos sociais e populares de bandeiras de direitos
humanos para a transformação da ordem dominante —, a reação dos que se viram e se
veem ameaçados em suas posições de domínio é criminalizar a ação dos movimentos
sociais ou associá-los diretamente à defesa de pessoas que cometeram delitos,
disseminando a ideia de que, segundo Rabenhorst, direitos humanos defendem
bandidos, é coisa de bandidos.

1.1 Normas Previstas de Direitos Humanos

São normas que estão fincadas em nossa Constituição, bem como nos tratados
internacionais de defesa dos direitos humanos aprovados pelo Estado brasileiro e por
outros países no mundo. Os direitos humanos na Constituição são a norma
hierarquicamente superior a todas as demais leis do país.

1.2 Diferença entre Direitos Humanos e Direitos Fundamentais

Os direitos humanos são aqueles reconhecidos no plano internacional, ligados à


liberdade e à igualdade. Daí fala-se também em direito internacional dos direitos

10
humanos. Por sua vez, os direitos fundamentais são os reconhecidos no plano interno,
na Constituição Federal.
Diante disso, sabendo que os direitos humanos são reconhecidos no plano
internacional, é possível observar a presença de tratados e declarações abordando o
tema. Em contrapartida, como os direitos fundamentais estão relacionados ao plano
interno de cada país, eles serão observados, em regra, nas suas constituições.
Assim, não há diferença quanto ao conteúdo desses direitos, a diferença é
terminológica e consiste em que os direitos humanos são direitos previstos nos tratados
internacionais, e os direitos fundamentais são previstos na legislação de cada país, seja
na Constituição, seja nas demais leis. Por isso, no Brasil, o artigo 5º da Constituição
Federal de 1988 trata dos direitos e garantias fundamentais, mas estes não se
resumem ou se exaurem nesse artigo.

1.3 Características Essencias dos Direitos Humanos

a) Historicidade: os direitos humanos são construções históricas, fruto das lutas


sociais e emancipatórias dos povos; necessitam ser conquistados e reafirmados
constantemente ao longo do tempo;
b) Universalidade: consiste no reconhecimento de que os direitos humanos são de
todos em qualquer lugar do mundo, combatendo a visão de privilégios de classes ou
grupos sociais. Toda pessoa humana pode invocar a proteção desses direitos, que são
considerados mínimos e podem ser reclamados em qualquer país do mundo;
c) Essencialidade: implica que os direitos humanos apresentam valores
indispensáveis e que todos devemos protegê-los. Além disso, são superiores em
relação às demais normas jurídicas, tanto em razão da prevalência da dignidade da
pessoa humana (conteúdo material) quanto pela sua especial hierarquia normativa, já
que são direitos constitucionais;
d) Imprescritibilidade: ser imprescritível é não se perder com o tempo; assim, esta
característica implica o reconhecimento de que os direitos humanos não se perdem
pela passagem do tempo;
d) Irrenunciabilidade: revela a impossibilidade de o próprio ser humano abrir mão
11
de sua condição humana e permitir a violação de seus direitos à dignidade, liberdade e
imagem, direitos sociais que são irrenunciáveis. Não podemos abrir mão desses direitos
que são essenciais;
e) Inalienabilidade: é a impossibilidade de se atribuir uma dimensão econômica aos
direitos humanos para fins de venda. Não podemos vender ou comercializar os nossos
direitos à vida, honra, liberdade e outros. Mas em determinadas situações, alguns
direitos podem sofrer limitação voluntária, como nas questões ligadas ao uso da
imagem;
f) Inexauribilidade: os direitos humanos podem ser sempre expandidos, a eles
novos direitos podendo ser acrescidos, mas jamais retirados.
g) Vedação do retrocesso: consiste na proibição da eliminação de direitos já
alcançados, admitindo-se somente o aprimoramento e acréscimo de novos direitos. É o
que se denomina proibição do retrocesso social. Os Estados estão proibidos de
proteger menos do que já protegem, assim como os tratados internacionais por eles
concluídos estão impedidos de impor restrições que diminuam ou nulifiquem direitos
anteriormente já assegurados, tanto no plano interno, quanto no internacional;
h) Transnacionalidade: representa uma superação da ideia de que o Estado é a
última esfera de defesa de direitos humanos. Além do Estado Nacional, é possível
buscar proteção nos sistemas internacionais, na Organização das Nações Unidas
(ONU), ou nos sistemas regionais (que serão estudados neste curso). A
transnacionalidade justifica a proteção onde quer que o indivíduo esteja, abrangendo,
pois, os apátridas (sem pátria) e refugiados;
i) Indivisibilidade, interdependência e complementaridade: todos os direitos
humanos gozam de fundamental importância, não havendo prévia diferença de valor
entre eles. A dignidade da pessoa humana somente pode ser alcançada com a
conjugação de todos;
j) Primazia da norma mais favorável: deve ser aplicada, no caso concreto, sempre
a norma mais favorável ao ser humano; ou seja, quando houver duas ou mais normas
aplicáveis a uma mesma situação, o juiz está autorizado a aplicar aquela que for mais
favorável ao ser humano;
12
l) Reciprocidade: significa que todos, e ao mesmo tempo, somos detentores de
direitos e devemos respeitar os direitos humanos. Podemos reclamar tais direitos, mas
somos obrigados a respeitá-los em relação aos demais membros da sociedade.
Portanto, a reciprocidade corresponde a uma teia de direitos que une toda a
comunidade humana.

1.3.1 Refletindo sobre uma das características dos direitos humanos — a


universalidade: como explicamos as diferenças culturais? Devem os
direitos humanos ceder frente a determinadas culturas?

Para responder a esta pergunta, surgiram duas teorias:


Para a Teoria Relativista, os direitos humanos são relativos e, como tais, devem
ceder a determinadas práticas culturais, o que nos leva a refletir sobre os limites dos
direitos humano em face da cultura. Se entendermos que os direitos humanos são
construções históricas de países ocidentais, sobretudo europeus, estaremos reduzindo-
os a um conjunto de direitos eurocêntricos, que impõem sua lógica a todos os países do
mundo, o que revela a dificuldade de comunicação entre cultura e direitos humanos.
A segunda tentativa de solucionar a tensão entre direitos humanos e cultura vem
da Teoria Universalista.
A Teoria Universalista entende que os direitos humanos são universais e, assim
sendo, devem prevalecer em relação às condições regionais, culturais, políticas ou
econômicas de determinado Estado, sendo dever deste amparar e proteger os direitos
humanos, independentemente do sistema político-estatal, já que são direitos mínimos e
que a cultura não pode ser o argumento que justifique a violência aplicada a
determinados grupos sociais mais vulneráveis.
Na Conferência da ONU de 1993, em Viena, foram debatidas as tensões entre o
universalismo e o relativismo cultural em matéria de direitos humanos, e a Teoria
Universalista foi a adotada. O parágrafo 5º da ―Declaração e Programa de Ação de
Viena‖ (1993) traz os princípios dos direitos humanos e as regras do relativismo e do
universalismo cultural. Determina que ―embora particularidades nacionais e regionais
devam ser levadas em consideração [...] é dever dos Estados promover e proteger
13
todos os direitos humanos e liberdades fundamentais, sejam quais forem seus sistemas
políticos, econômicos e culturais‖.
A Conferência de Viena de 1993 estabeleceu uma ―Declaração e Programa de
Ação de Viena‖ com os seguintes princípios:
1- Princípio da Universalidade; os direitos humanos se propõem a ser direitos
mínimos observáveis universalmente.
2- Princípio da Indivisibilidade: os direitos humanos são indivisíveis, de modo que
apesar de surgirem em momentos diferentes, não há como separá-los em
compartimentos estanques. Desse modo, a liberdade tem relação direta com os direitos
econômicos e sociais, por exemplo.
3- Princípio da Interdependência: significa que os direitos sociais e as liberdades
se completam, não se excluem;
4- Princípio da Interrelacionariedade: significa que os sistemas internacionais de
garantia dos direitos humanos devem proteger o cidadão independentemente do
sistema político, econômico ou cultural do seu Estado de origem. Havendo violação de
direitos humanos, a vítima pode escolher o aparato mais benéfico para satisfação de
seu interesse, dentro dos sistemas global e regional.

1.4 Classificação dos Direitos Humanos

A literatura classifica os direitos humanos em dimensões, cada uma com


características próprias.
Partindo da visão eurocêntrica, cada dimensão foi associada a um dos direitos
reivindicados na Revolução Francesa: liberté, egalité et fraternité (liberdade, igualdade
e fraternidade). Assim, a primeira dimensão seria composta por direitos referentes à
―liberdade‖; a segunda dimensão retrataria os direitos que apontam para a ―igualdade‖;
e finalmente, a terceira dimensão seria composta por direitos relacionados à
solidariedade social (―fraternidade‖). Posteriormente, autores da atualidade defenderam
a ampliação da classificação para quatro ou até cinco dimensões:
• 1ª dimensão: engloba os chamados ―direitos de liberdade‖, aqueles pelos quais
o Estado deve proteger a autonomia e a liberdade do indivíduo. São denominados
14
também ―direitos de defesa‖, pois protegem o indivíduo contra intervenções indevidas
do Estado, o qual deve, na verdade, garantir a liberdade individual dos cidadãos.
• 2ª dimensão: são os direitos de igualdade. Representam uma modificação do
papel do Estado, que deve garantir direitos aos cidadãos, como o direito à saúde, à
educação, à previdência social, à habitação, entre outros. São denominados ―direitos de
igualdade‖ por assegurarem, justamente, a todas as camadas da sociedade a
concretização da sua dignidade. O Estado tem o papel ativo de assegurar condições
mínimas de sobrevivência a todos os seus cidadãos;
• 3ª dimensão: são os direitos de solidariedade. São aqueles de toda a
comunidade, como o direito ao desenvolvimento, à paz, ao meio ambiente equilibrado.
São assim chamados porque todos os indivíduos são seus detentores. Podemos incluir
o combate à miséria, às discriminações e às ameaças cada vez mais concretas à
sobrevivência da espécie humana como direitos de 3ª dimensão, cujo objetivo é garantir
o bem-estar de todos;
• 4ª dimensão (desenvolvida apenas no século XX): é fruto da globalização dos
direitos humanos, correspondendo aos direitos de inclusão digital (à internet) e de
participação democrática, relacionados também com a bioética e com os limites à
manipulação genética, fundados na defesa da dignidade da pessoa humana contra
intervenções abusivas de particulares ou do Estado.

2 CONCEITO

2.1 Direitos Humanos

Os direitos humanos são um conjunto de direitos considerados indispensáveis e


essenciais para a vida humana, com base na liberdade, na igualdade e na dignidade.
A sua identificação pode variar de acordo com o momento histórico e com a
sociedade, mas, na atualidade, eles correspondem a direitos econômicos, sociais,
culturais, ambientais, de liberdade e de participação política.

15
O conceito ou o que se entende por concepção de direitos humanos não deve
ser visto como algo dado ou imposto, mas sim como uma construção histórica e social,
de caráter progressivo e a partir de lutas permanentes.
Faz-se necessário chamar atenção para a importância de se falar em cidadania e
em direitos, pois ―viver em um mundo no qual as pessoas são vistas como detentoras
de direitos é uma grande conquista‖ (RABENHORST, 2016, p.14), já que, durante
séculos, em diversas partes do mundo e no Brasil, milhões de pessoas foram
escravizadas e subjugadas a categorias subumanas.
Até os dias atuais, falamos da necessidade de proteger, garantir espaços e
empoderar mulheres, crianças, negros, índios, imigrantes e todos os segmentos que na
maioria das vezes são expropriados de sua cidadania.
Reconhecer um direito é reconhecer algo que é devido, e falar de direito é
também falar de dever. Ter um direito é ser beneficiário igualmente de um dever
correlativo, seja este devido pelo Estado ou por outras pessoas. Assim, a um direito
sempre vai corresponder um dever.
Para esclarecer o alcance e o sentido de ―ter um direito‖ e da existência de ―um
dever correlato‖, utilizemos os ensinamentos de Rabenhorst (2016, p. 15):

Se vamos falar sobre direitos, é bom que tenhamos uma noção um pouco mais
precisa do que significa ―ter um direito‖. Um direito, de forma muito geral, é a
possibilidade de agir ou o poder de exigir uma conduta dos outros, em termos
de uma ação (um fazer) ou de uma omissão (um não fazer). [...] Na realidade,
quando digo, por exemplo, que ―tenho direito à vida‖, estou exigindo o direito de
não morrer injustamente, o que significa que os outros têm o dever de respeitar
a minha vida. [...] Para cada classe de direitos existentes, há pessoas ou
instituições com deveres correspondentes (RABENHORST, 2016, p. 14-15,
grifo nosso).

A categoria na qual incluímos os direitos humanos é aquela que mais estreita


relação guarda com a pessoa humana, ou seja, estes são aqueles direitos que
correspondem à dignidade do ser humano, que cada um e cada uma possui pelo
simples fato de ser pessoa humana e em decorrência de sua humanidade e dignidade.

16
Dessa forma, são conquistas e que o Estado determina na Constituição, ou
ainda porque os países assim pactuaram em um tratado internacional, mas são direitos
que cada ser humano possui pelo simples fato de ser pessoa humana.
No entanto, a admissão desses direitos por parte dos Estados ou mesmo da
ordem internacional custou a vida de muitas pessoas. A construção de sua afirmação, o
processo de conquista de reconhecimento dos seres humanos como detentores de
direitos inatos, só se deu através de muitas lutas sociais, que custaram e ainda custam
muito aos sujeitos envolvidos.
Exatamente por haverem sido conquistados — e no Brasil essa conquista de
direitos também custou muitas vidas e um esforço conjunto e sofrido de vários coletivos
—, os direitos humanos não podem ser vistos como favores, gentilezas ou mesmo
súplicas.
Os direitos humanos estão positivados nas constituições e em diversas outras
normas nacionais e internacionais, é algo devido e pelo que não se deve pedir, mas
lutar por sua integral implementação. Não é favor, mas direito garantido e dever do
Estado e da coletividade.
Entretanto, mesmo que exista um direito não significa que esse direito seja
eficaz, isto é, que ele consiga produzir todos os seus efeitos concretos.
Para que os direitos sejam respeitados e cumpridos e tenham eficácia, é
necessária não só a atuação do Estado através dos seus agentes e aparatos estatais
(juízes, promotores, defensor público, advogados, leis, etc.), mas também a atuação da
sociedade civil organizada, em forma de sindicato, de movimentos sociais, de
associação de moradores, de partidos políticos, conselhos de Direitos e outros. Além
disso, para que se possa exigir a efetivação de um direito, antes se faz necessário
conhecê-lo, ter a consciência de sua existência e a disposição de lutar por ele como
uma razão para agir.

2.2 Detentoras e Detentores dos Direitos Humanos

Todos nós, cidadãs e cidadãos, de qualquer gênero, classe social, raça, etnia e
crença, sem qualquer distinção, e pelo simples fato de sermos humanos, somos
17
detentores e detentoras dos direitos humanos e, ao mesmo tempo, responsáveis por
respeitar o direito de todas as pessoas.
Somos detentores de direitos humanos, e a capacitação e a educação em
direitos humanos (EDH) desenvolvem um papel primordial em desconstruir a errônea
(mas cada vez mais disseminada) concepção de que ―direitos humanos é coisa de
bandido‖.
Uma pesquisa feita pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgada no
Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2015, indica que nada menos do que 50%
(cinquenta por cento) dos residentes nas grandes cidades brasileiras concorda com a
frase Bandido bom é bandido morto. Esse número demonstra o forte descrédito da
sociedade nas políticas de concretização de direitos humanos e tem como
consequência a construção de um discurso negativo sobre tais direitos.
Assim, a educação em direitos humanos que se consolida em políticas públicas
de concretização de princípios constitucionais assume um papel de extrema relevância
no sentido do reconhecimento e empoderamento do cidadão e da cidadã em relação a
seus direitos fundamentais e do preparo para o exercício pleno de sua cidadania. Essa
educação em direitos humanos permite, também, que cada cidadão e cidadã
compreenda, dessa maneira, sua própria humanidade, já que falar de direitos humanos
é aceitar, em primeiro lugar, que todos e todas, pelo simples fato de serem pessoas
humanas, são merecedoras de um tratamento condizente com sua humanidade.
As ações de falar sobre direitos humanos, educar em direitos humanos e
implementar políticas públicas de direitos humanos são — todas elas — obrigações
dispostas no texto constitucional: fazer com que a população conheça e compreenda a
extensão e o alcance do conteúdo dos direitos humanos é uma obrigação do Estado
Federal, a qual deve ser cumprida e efetivada em todos os âmbitos, como dever
também dos estados e dos municípios.
A proposta do presente curso é formar educadores, educadoras e agentes
multiplicadores em direitos humanos, e também executar as políticas públicas de
concretização constitucionalmente previstas.

18
O desafio aqui presente é implementar uma agenda estadual e municipal de
políticas de direitos humanos, com objetivo não só de efetivação dos direitos
fundamentais previstos, mas também de instalação de uma nova cultura em direitos
humanos que ressignifique o papel que eles têm assumido no complexo cenário social
atual.

3 BUSCA DE DIREITOS HUMANOS NO BRASIL

A Europa e os Estados Unidos vivenciaram as revoluções burguesas que são


tomadas como antecedentes históricos das lutas pelos direitos humanos. Mas também
é possível encontrar, no passado das nações, registros de exploração e violência contra
certos povos. É o caso, por exemplo, do Brasil, que foi historicamente marcado pela
invasão portuguesa e pela escravização indígena e, posteriormente, africana. Desse
modo, os nossos antecedentes históricos são de extermínio e de escravidão dos povos
indígenas e da população negra, grupos sociais vítimas de marginalização e opressão
até os dias atuais. Assim, o grande desafio dos direitos humanos no Brasil ainda é a
inclusão e garantia de direitos, principalmente da população indígena e negra, mas
também das mulheres, dos pobres, dos deficientes, do grupo LGBTI.
Convivemos, no Brasil, com uma acumulação histórica de injustiças desde a
invasão do continente americano pelos europeus, a qual se constituiu em uma
acumulação de terras pelos colonizadores e uma crescente diferenciação social
promovida pela tentativa de escravização dos povos originários (denominados pelos
europeus de indígenas), a qual dizimou entre quatro e cinco milhões de pessoas. Trata-
se de um dos maiores genocídios da história da humanidade.
As dificuldades da escravização indígena (já que os povos originários conheciam
o território nacional, o que facilitava as fugas) fizeram com que a escravização de
cidadãos negros e cidadãs negras da África se tornasse um grande negócio. Os
africanos chegavam ao Brasil arrastados de seus territórios (reis, rainhas, príncipes,

19
lideranças, médicos, artesões, intelectuais, profissionais diversos), de algumas colônias
que Portugal havia estabelecido na África no final do século XV. A escravidão negra
durou oficialmente até o ano de 1888 e possuía previsão legal que legitimava um
processo violento de coisificação de seres humanos. Tratou-se de uma diáspora, já que
o afrodescendente foi capturado e obrigado a sair de suas terras e deixar sua
ancestralidade, seus costumes, sua língua para possibilitar a produção de recursos em
favor da elite colonial. Com a ―abolição formal‖ da escravidão negra, o Brasil investiu na
migração de trabalhadores europeus, contratados para trabalhar no campo.

Para pensar: por que os negros não foram contratados para o trabalho no campo, serviço já
realizado por eles durante anos, em condições desumanas? Por que trazer pessoas da
Europa?

Já os negros ―libertados‖, sem dinheiro e sem chances de trabalho, sem moradia


ou quaisquer outros direitos, foram abandonados à sua própria sorte e passaram a
constituir um segmento marginalizado da sociedade, marcada pelo racismo. Esses
indivíduos, sem oportunidades, passam a desenvolver atividades com menor
remuneração, ampliando o fosso das desigualdades sociais no Brasil.
As mulheres também estiveram à margem do processo político decisório do
Brasil. Nossa independência foi conduzida por uma elite econômica masculina
descendente de europeus, que tem se mantido ocupando os mesmos espaços de
poder até os dias atuais.
As constituições brasileiras legitimaram, em certa medida, as desigualdades e os
privilégios de classes. A Constituição de 1824 foi monárquica, absolutista e elitista, já
que validava a escravidão e restringia a cidadania aos proprietários de terra. A
Constituição de 1891 foi a primeira Constituição republicana e presidencialista, na qual
constava a igualdade formal e jurídica de todos os cidadãos, mas mantinha privilégios,
desigualdades e opressões, posto que a participação política era restrita à elite
oligárquico-coronelista. A Constituição de 1934 foi a primeira a incluir direitos sociais
20
como o voto feminino e os direitos trabalhistas, sindicais e previdenciários, mas durou
pouco tempo, pois em 1937 houve um golpe de estado promovido por Getúlio Vargas,
que impôs a ditadura do Estado Novo até 1945, com a Constituição
Redemocratizadora. O período de 1945 a 1963 foi de ampliação de movimentos de
resistência da classe trabalhadora urbana e rural e de ampliação de direitos sociais,
mas, em 1964, mais uma vez ocorreu um golpe, desta vez militar, com a implantação
de uma ditadura que se estendeu até 1985. A ditadura militar suprimiu as garantias de
direitos civis e de participação democrática, promovendo torturas, perseguições
políticas e mortes de opositores pelo Estado, além de arrochos salariais.
Na primeira metade da década de 80, graças à pressão de movimentos da
sociedade civil e à crise do regime militar, foi promulgada a Lei da Anistia, possibilitando
a volta ao Brasil dos exilados políticos que fugiram do país em razão das perseguições
políticas. A década de 1980 foi marcada pelo movimento das Diretas Já, que
reivindicava eleições diretas para presidente da república; apesar de não obter
sucesso, garantiu intensa participação popular e marcou a redemocratização do país.
Em 1987, foi convocada uma nova assembleia constituinte, com o objetivo de formular
uma nova Constituição, que restabelecesse o regime democrático e ampliasse direitos
políticos, sociais e individuais.
As lutas contra a ditadura possibilitaram o surgimento e crescimento de
movimentos sociais e partidos políticos preocupados com a defesa dos direitos
humanos que se afirmam na construção de uma sociedade livre, harmônica e justa. O
artigo 1º da Constituição Federal de 1988 dispõe que um dos fundamentos da
República Federativa do Brasil é a dignidade da pessoa humana. Todo o texto revela
uma preocupação com a ampliação de direitos coletivos, sociais, de liberdade e de
participação política. Dentre os princípios fundamentais da República Federativa do
Brasil previstos no artigo 3º da Constituição, constam: a construção de uma sociedade
livre, justa e solidária; a erradicação da pobreza e da marginalização e a redução das
desigualdades sociais e regionais; e a promoção do bem de todos sem preconceito de
origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

21
Pelo seu conteúdo, a Constituição de 1988 consigna os direitos fundamentais da
pessoa humana, bem como seus instrumentos de garantia e as responsabilidades dos
entes da Federação, fixando competências à União, aos estados e aos municípios, para
que promovam políticas públicas de garantia de direitos. O Ministério Público e demais
órgãos fiscalizatórios e a sociedade civil organizada têm o dever de acompanhar as
ações que buscam dar efetividade aos direitos fundamentais constitucionais.
Embora a ampliação dos direitos de liberdade individual e dos direitos sociais,
difusos e coletivos, além de econômicos e culturais, ainda corresponda a promessas e
desafios constituintes, há que se reconhecer que a Constituição de 1988 é a mais
democrática e preocupada com a justiça social que o Brasil já teve.
É claro que a simples existência do texto legal não é suficiente para transformar
uma sociedade marcada pela exclusão e pelos privilégios de elites políticas e
econômicas em uma sociedade igualitária. Muitos são os desafios ainda enfrentados
pelas instituições, pelos entes da Federação e pelos movimentos da sociedade civil
organizada no sentido de promover a dignidade humana para todos os cidadãos e
cidadãs brasileiros, o que aumenta a demanda por uma formação humanística da
sociedade.
A Emenda Constitucional nº 45, de 2004, trouxe uma importante modificação da
Constituição para assegurar que os direitos e garantias previstas nela não excluam
outros direitos provenientes de tratados internacionais com os quais o Brasil haja
pactuado. Incluiu, também, a possibilidade de tratados internacionais de direitos
humanos que forem aprovados pelo Brasil com o mesmo procedimento de aprovação
das emendas constitucionais sejam recepcionados com a hierarquia de norma
constitucional. Isso possibilitou a inclusão do tratado de proteção à pessoa com
deficiência, com hierarquia constitucional, na ordem jurídica nacional (o que confere
uma cláusula de abertura da Constituição para a inclusão de tratados de direitos
humanos posteriormente aprovados).
No Brasil, ainda hoje, a luta pela concretização dos direitos humanos é marcada
pela busca de atuação do Estado no sentido de dar oportunidades iguais a todos os
indivíduos. A nossa herança colonial permanece, em uma sociedade marcada pelo
22
racismo, pelo patriarcado, pelo machismo/sexismo e pelo extermínio indígena,
resultando em graves violações aos direitos humanos e colocando os povos e
comunidades tradicionais do Brasil, como negros, indígenas, quilombolas, ciganos,
pantaneiros, catingueiros, e as mulheres, em condição de pobreza e dificuldade
extrema. O Estado brasileiro tem o dever de incluir todos e de dar iguais oportunidades,
é o que diz a Constituição de 1988.
Um outro desafio ainda a ser vencido é a desconstrução da ideia dos direitos
humanos como sendo para bandidos, a qual desconsidera que as leis são o marco
legal para punir, banir quaisquer violações aos direitos de todas as pessoas.
Relembramos que todas as pessoas são detentoras dos direitos humanos e devem
respeitar os direitos humanos dos outros.

3.1 O Papel dos Municípios no Desenvolvimento de Políticas Públicas de


Direitos Humanos

No sentido de conferir efetividade aos direitos humanos, a Constituição impõe a


todos os entes federativos (União, estados e municípios) o dever de promover ações de
ampliação e instituição dos direitos fundamentais. O município assumiu o importante
papel de atuar na defesa dos interesses locais, prestando serviços públicos e
promovendo, em parceria com a União e os estados, serviços de saúde e de educação
e a proteção do patrimônio histórico, cultural e ambiental, além de outros deveres.
Por tal razão, importante é a capacitação de gestores municipais em direitos
humanos, com o objetivo de formar equipes multiprofissionais/multidisciplinares
dispostas a construir parcerias com a sociedade civil para fazer cumprir os direitos
fundamentais previstos na Constituição de 1988.
Historicamente, no Brasil, as políticas públicas sociais eram fragmentadas e
centralizadas. Essa tradição foi rompida por pressão dos movimentos sociais na década
de 1980, possibilitando a promulgação da Constituição de 1988, que confere ao
município poder e responsabilidade de prover a efetividade dos direitos fundamentais.
A Constituição de 1988 trouxe o princípio da descentralização, da
municipalização e da participação social; a articulação de ações ganhou um significado,
23
presente e necessário à vida pública, de construção e execução de políticas e defesa
dos direitos.
Os conselhos de direitos e de defesa, por exemplo, correspondem a
instrumentos de participação popular e comunitária na elaboração e no
desenvolvimento de políticas públicas prioritárias para os municípios, estados e União.
Assim, abre-se o Estado à democracia participativa. São formados a partir de áreas
específicas de atuação do Estado e voltados a grupos sociais também específicos,
sendo a articulação entre eles imprescindível.
O artigo 1º da Constituição de 1988 estabelece o princípio democrático segundo
o qual ―todo poder emana do povo, que o exerce por meio de seus representantes
eleitos ou diretamente‖. No artigo 37, parágrafo 3º, consta a previsão de participação
popular e cidadã nas administrações públicas, direta e indiretamente, o que confere e
possibilita a instituição dos conselhos municipais e estaduais de direitos humanos, com
vistas a fortalecer a participação democrática da população na execução de políticas
públicas de promoção de direitos humanos.
No mesmo sentido, na terceira versão do Programa Nacional de Direitos
Humanos – PNDH-3, consta que:

[...] aperfeiçoar a interlocução entre Estado e sociedade civil depende da


implementação de medidas que garantam à sociedade maior participação no
acompanhamento e monitoramento das políticas públicas de Direitos Humanos,
num diálogo plural e transversal entre os vários atores sociais e deles com o
Estado (BRASIL, 2009, p. 27).

De acordo com os dados da Pesquisa de Informações Básicas Municipais –


Munic, realizada pelo IBGE no ano de 2014, 5,8% dos municípios brasileiros têm
conselhos municipais de Direitos Humanos. Entretanto, apesar de baixo, a pesquisa
mostra que o percentual é bem melhor do que o de 2009, quando apenas 1,4% das
cidades tinham conselhos desse tipo. Dos 323 conselhos identificados, 266 (82,4%)
haviam se reunido nos últimos 12 meses. A condição de existência dos conselhos é
que haja a efetiva participação da sociedade na discussão das políticas públicas, o que
revela que se o conselho não se reúne, ele não é efetivo.

24
Outro conselho específico identificado é o da Criança e do Adolescente —
presente em 98,4% das cidades. O estudo revela que alguns conselhos dobraram em
quantidade no período de 5 anos, como os conselhos municipais do Direito do Idoso,
que existiam em 35,5% dos municípios em 2009 e, atualmente, estão presentes em
61,9% das cidades.
Dos 5.570 municípios brasileiros, 25 não têm conselho tutelar. Os conselhos
tutelares são responsáveis por garantir o cumprimento dos direitos das crianças e dos
adolescentes previstos em lei, em parceria com estado, comunidade e família. A
maioria dos municípios sem conselho tutelar tem até 20 mil habitantes e se concentra
no Maranhão e em Minas Gerais.
Nas unidades da Federação, os conselhos estaduais dos Direitos da Criança e
do Adolescente — ausentes apenas no Amazonas —, do Idoso e da Pessoa com
Deficiência são os mais frequentes. Já os conselhos de Direitos LGBTI só existiam em
12 unidades da Federação até o ano passado. Esse tipo de conselho foi o que teve
menor proporção de reuniões nos 12 meses anteriores à pesquisa.
A Pesquisa de Informações Básicas Municipais – Munic, investigou, no âmbito
municipal, o tema de direitos humanos nas suas edições de 2009, 2011 e 2014. A
Pesquisa de Informações Básicas Estaduais – Estadic, investigou o mesmo tema no
âmbito das unidades dos estados federados, em 2012 e em 2014. Houve um
diagnóstico de crescimento de estruturas específicas de gestão de direitos humanos.
Em 2014, 2.457 municípios apresentaram um crescimento significativo (44,1% do total),
em relação a 2009, quando 1.408 municípios tinham tal estrutura (25,3%). Também
houve um aumento de secretarias exclusivas (de 1,1% para 6,4%) e secretarias em
conjunto com outras políticas públicas (4,2% para 17,5%), enquanto decresceram as
estruturas diretamente subordinadas ao poder executivo. Assim, houve crescimento de
estruturas específicas como conselhos, centros e programas, com maior autonomia
institucional e maior representatividade social.
Em 2014, todos os estados da Federação apresentaram órgão específico
responsável pela política de direitos humanos.

25
O Munic e o Estadic também investigaram os programas ou ações direcionadas
a públicos específicos por parte dos órgãos gestores de direitos humanos. Em 2014,
2.198 municípios (39,5% do total de 89,5% dos municípios que tinham estrutura de
direitos humanos) declararam desenvolver ao menos um tipo de programa ou ação
dessa natureza. E, dentre os estados, apenas Santa Catarina declarou que o órgão
gestor de direitos humanos não era responsável por promover programas de ação para
o público investigado.
Os programas de ações mais recorrentes são para: crianças e adolescentes
(37,6%), idosos (35,2%) e mulheres (31,8%). Nas unidades da Federação, os órgãos
de direitos humanos aparentemente desenvolveram políticas de forma mais abrangente
e também direcionadas a públicos específicos, o que indica uma condição
organizacional e financeira mais consolidada. As maiores incidências de políticas
específicas nos estados são para os seguintes públicos: LGBTI (25), indígenas,
quilombolas, ribeirinhos e outros povos de comunidades tradicionais (24) e crianças e
adolescentes (23). A política menos adotada foi a voltada a ciganos (12), da mesma
forma que no âmbito municipal, já que apenas 3,5% dos municípios declararam possuir
essa política específica.
Um dos grandes desafios em um contexto de exclusão e de ampliação dos
direitos de cidadania e, ao mesmo tempo, de políticas setoriais, é reconhecer e
aumentar o atendimento às demandas específicas necessárias e, concomitantemente,
às demandas universais, sem compartimentalizar a concepção de direitos humanos e
de políticas públicas.
Para o funcionamento dos conselhos, é fundamental a percepção dos interesses
e das necessidades de todos os segmentos sociais; é até uma ação pedagógica para
os/as conselheiros/as conhecer a realidade da questão social sob vários ângulos e
demandas. Por isso é tão importante a formação em direitos humanos para gestores e
conselheiros. O desafio para potencializar a atuação dos conselhos de direitos e de
defesa é construir um diálogo capaz de ampliar o reconhecimento das especificidades
de cada um e, ao mesmo tempo, apoiar-se mutuamente nas lutas e ações. Nesse
sentido, é relevante que cada área se articule internamente e se mantenha em contato
26
com outros conselhos na localidade. Conhecer a legislação e o regimento dos
conselhos nacionais e estaduais é uma condição para viabilizar possíveis articulações.
Nesse sentido, crescem as iniciativas para se romper com as ações
fragmentadas e promover a conexão entre sujeitos, ações, órgãos e políticas. Para
tanto, é necessário um diálogo de intersetorialidade, de transversalidade e de
integração de políticas e ações para defender e garantir direitos.
É fundamental a articulação das políticas dos conselhos e a integração das
ações do Estado. Por exemplo, para formular políticas para crianças e adolescentes
considerando a especificidade de raça/etnia, é essencial a comunicação entre os
conselhos dos direitos da criança e os conselhos de combate à discriminação e de
promoção da igualdade racial e ações da área de educação; para elaborar políticas de
educação, é imprescindível considerar as necessidades de crianças e de adolescentes
com deficiência e dialogar junto com os conselhos e órgãos de defesa das pessoas
com deficiência. As demandas de crianças e de adolescentes com deficiência física, por
exemplo, é maior do que a oferta de serviços e equipamentos adequados para sua
inclusão e acesso ao direito à educação. A mesma dinâmica deve ser considerada
quando se trata de políticas que envolvem a discussão de gênero, como, por exemplo,
a exploração sexual de crianças e de adolescentes ou o trabalho infantil doméstico: há
necessidade de se articular com os conselhos dos direitos das mulheres ou com os
órgãos governamentais e da sociedade civil que tratam especialmente desta temática,
como a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, os núcleos de pesquisa
sobre gênero das universidades, as organizações feministas, entre outros.
Os pactos intersetoriais e as agendas mínimas são também exemplos de ações
típicas da função potencializadora e estratégica dos conselhos, construídas a partir da
articulação entre conselhos junto aos órgãos governamentais, ao legislativo e judiciário,
às entidades sociais, aos sindicatos, às empresas de comunicação, entre outros.
Destacam-se os pactos pela erradicação do trabalho infantil, contra a exploração e o
abuso sexual e contra a violência, que ganharam destaque na mídia, engajamento dos
órgãos governamentais e não governamentais e a sensibilidade e apoio da população.

27
O diálogo e a integração entre conselhos podem potencializar resultados na
promoção dos direitos e no combate à violação deles. O município é o local de
realização das políticas de promoção de direitos fundamentais, dada a maior
proximidade entre a população e o ente federativo. Os programas e os conselhos que
tratam de políticas públicas constituem importantes redes de suporte para a redução de
violência e garantia de direitos. Por exemplo, um Centro de Referência de Combate à
Homofobia está diretamente relacionado ao Conselho Nacional de Combate à
Discriminação, mas pode ser um apoio importante nas ações dos conselhos de Direitos
Humanos, dos Direitos da Mulher, dos Direitos da Criança e do Adolescente, entre
outros. O Centro de Defesa do Consumidor pode ajudar, por exemplo, na situação de
uma pessoa com deficiência que tem seus direitos violados por não conseguir entrar em
um estabelecimento comercial ou instituição por falta de rampa de acesso.
Os programas de atendimento às políticas públicas vêm contribuindo para o
processo de promoção da igualdade e de garantia dos direitos. Nessa direção, as
políticas buscam reconhecer as especificidades, mas é necessário cuidado para não
cair no risco da fragmentação. O desafio que está posto é discutir políticas públicas com
o viés da transversalidade dos direitos humanos, considerando a sua indivisibilidade e,
ao mesmo tempo, valorizando suas especificidades.
Os municípios poderão criar conselhos, centros e programas em variadas áreas
de promoção de direitos humanos; dentre eles, podemos relacionar:
Conselho Municipal de Saúde;
Conselho Municipal de Educação;
Conselho Municipal de Assistência Social;
Centro de Apoio às Vítimas de Violência;
Centro de Referência e Combate à Homofobia;
Centro de Referência de Proteção à Pessoa Idosa;
Centro de Defesa dos Direitos da Mulher, da Criança e do Idoso;
Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente;
Programa de Proteção aos Adolescentes Ameaçados de Morte;
Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos; e
28
Programa de Educação em Direitos Humanos.

3.2 Estrutura do Sistema Nacional de Direitos Humanos

No âmbito federal, a política nacional de direitos humanos está estruturada


institucionalmente no Ministério de Direitos Humanos, cujos temas de atuação são:
crianças e adolescentes, pessoa com deficiência, pessoa idosa, LGBTI, adoção e
sequestro internacional, atuação internacional, mortos e desaparecidos políticos,
combate às violações, combate ao trabalho escravo, direitos para todos, prevenção e
combate à tortura e conferências conjuntas de direitos humanos.1
Quanto ao Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH) e ao Plano Nacional
de Educação em Direitos Humanos (PNEDH), antes de serem medidas
governamentais, são políticas de Estado, resultantes da história recente de
consolidações das organizações democráticas da sociedade brasileira, tendo por
referência a Constituição de 1988, conhecida como Constituição Cidadã, e importantes
de serem implementadas nos estados e municípios.
Em 1996, o governo Fernando Henrique Cardoso lançou, pela Presidência da
República e pelo Ministério da Justiça, o PNDH-1, com o propósito de promover uma
vinculação indissociável entre os direitos humanos e a forma política democrática. Esse
instrumento seria a via utilizada para conferir ao Estado papel absolutamente
indispensável na promoção, efetivação, valorização, proteção dos direitos humanos e
na repressão às suas violações.
O Programa tem como fonte as lutas desenvolvidas e condensadas pelos
movimentos sociais e entidades brasileiras atuantes no campo dos direitos humanos,
além de um extenso conjunto de preceitos pactuados em organismos internacionais dos
quais o Brasil é signatário.
PND é um vasto conjunto de propostas de aç es governamentais,
estruturado tematicamente. Um dos eixos temáticos organizativos intitula-se ―Educação
e Cidadania. Bases para uma Cultura de Direitos umanos‖, que comporta dois
subeixos: ―Produção e Distribuição das Informações e Conhecimento‖ e
1
Informações contidas no site: http://www.sdh.gov.br.
29
―Conscientização e Mobilização pelos Direitos umanos‖, isto é, a educação como
direito-fim e como direito-meio, respectivamente.

Sobre o PNDH-1:
• O maior foco residiu no combate às injustiças, ao arbítrio e à impunidade,
nomeadamente daqueles encarregados de aplicar as leis;
• O Programa cuidou da proteção do direito à vida, do direito à liberdade, do
tratamento igualitário das leis, dos ―direitos humanos para todos‖;
• Ele silenciou quanto aos direitos à livre orientação sexual e às identidades de
gênero.

Principais resultados do PNDH-1:


• No campo da segurança pública, com destaque: a transferência de
competência da Justiça Militar para a Comum para julgamento de policiais
militares, com fixação de penas severas;
• Criminalização do porte ilegal de armas e criação do Sistema Nacional de
Armas;
• Aprovação do Estatuto dos Refugiados;
• Criação da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos;
• Regulamentação da escuta telefônica.

Em 2002, ainda no governo Fernando Henrique Cardoso (2º mandato), é lançado


pelo Ministério da Justiça o PNDH-2 — simultaneamente substitutivo e complementar
do PNDH-1. eu car ter é nitidamente mais pragmático do que o do primeiro Programa,
e ele se constitui, quase que exclusivamente, em um extenso elenco de propostas de
aç es governamentais. ua organização tem tica é significativamente distinta da
contida no texto do PNDH-1: nele, aparece novamente a questão da educação como
direito-fim — embora separada da vertente cultural, a qual se faz presente associada ao
lazer —, e a dimensão da educação como direito-meio fica diluída nos âmbitos dos
diversos outros direitos específicos, na qualidade de instrumentos/mecanismos para a

30
sua promoção. No PNDH-2, ainda, a abordagem explícita da necessidade de um
planejamento próprio das ações educativas em direitos humanos não é feita, embora o
conjunto proposto induza (quase imponha) esse referido planejamento.

Sobre o PNDH-2:
• Ele manteve as orientações do PNDH-1 e ampliou o escopo de direitos a serem
protegidos;
• Em face das críticas que o anterior mereceu, este incorporou os direitos à livre
orientação sexual e identidade de gênero, assim como a proteção dos ciganos;
• Conferiu maior ênfase à violência intrafamiliar, ao combate ao trabalho infantil e
ao trabalho forçado e à luta dos cidadãos que demandam necessidades
especiais.

O PNDH-2 é reconhecido por dois enfoques:


1. Incorporação dos direitos econômicos, sociais e culturais, que, por razões
políticas, haviam sidos sombreados no anterior;
2. Respeito aos direitos de afrodescendentes. O Estado reconhece a existência do
racismo e aponta iniciativas visando promover políticas compensatórias para a
promoção da igualdade de oportunidades.

O PNDH-3 foi elaborado no governo do presidente Lula da Silva, instituído pelo


Decreto nº 7.037, de 21 de dezembro de 2009 e atualizado pelo Decreto nº 7.177, de
12 de maio de 2010. É produto de uma construção democrática e participativa,
incorporando resoluções da 11ª Conferência Nacional dos Direitos Humanos, além de
propostas aprovadas em mais de 50 conferências temáticas, promovidas desde 2003,
em áreas como segurança alimentar, educação, saúde, habitação, meio ambiente,
igualdade racial e direitos da mulher, da juventude, das crianças e adolescentes, das
pessoas com deficiência, dos idosos, etc., conforme dispõe o site2 do programa.

2
http://www.pndh3.sdh.gov.br/portal/sistema/sobre-o-pndh3.
31
O PNDH-3 concebe a efetivação dos direitos humanos como uma política de
Estado, centrada na dignidade da pessoa humana e na criação de oportunidades para
que todos e todas possam desenvolver seu potencial de forma livre, autônoma e plena,
e parte também de princípios essenciais à consolidação da democracia no Brasil:
diálogo permanente entre Estado e sociedade civil; transparência em todas as áreas e
esferas de governo; primazia dos direitos humanos nas políticas internas e nas relações
internacionais; caráter laico do Estado; fortalecimento do pacto federativo;
universalidade, indivisibilidade e interdependência dos direitos civis, políticos,
econômicos, sociais, culturais e ambientais; opção clara pelo desenvolvimento
sustentável; respeito à diversidade; combate às desigualdades; e erradicação da fome
e da extrema pobreza.
O PNDH-3 estrutura-se em torno dos seguintes eixos orientadores: I. Interação
Democrática entre Estado e Sociedade Civil; II. Desenvolvimento e Direitos Humanos;
III. Universalizar Direitos em um Contexto de Desigualdades; IV. Segurança Pública,
Acesso à Justiça e Combate à Violência; V. Educação e Cultura em Direitos Humanos;
e VI. Direito à Memória e à Verdade.
Entre os principais avanços trazidos pelo Programa, destacam-se a
transversalidade de suas diretrizes, objetivos e ações programáticas e o envolvimento
de diversos ministérios, partindo da perspectiva da indivisibilidade e interdependência
dos direitos humanos.

Sobre o PNDH-3:
 Ele é mais extenso e com organização distinta;
 Sua linguagem é mais direta;
 Há maior detalhamento das ações programáticas;
 Introduziu várias inovações polêmicas: a criação da Comissão Nacional da
Verdade; a descriminalização do aborto; a união entre pessoas do mesmo sexo;
o direito à adoção de casais homoafetivos; a interdição à ostentação de símbolos
religiosos em estabelecimentos públicos da União; o ―controle da mídia‖; e a
adoção de mecanismos de mediação judicial nos conflitos urbanos e rurais.
32
Nessa direção, compreende-se que todos os agentes públicos e todas as
brasileiras e brasileiros são responsáveis pela efetivação dos direitos humanos no país.

3.2.1 Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH)

Em dezembro de , j no governo Luiz Inácio Lula da Silva (1º mandato,


ltimo ano), é lançado o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos
(PNEDH), em uma parceria entre a Secretaria Especial dos Direitos Humanos da
Presidência da República (SEDH/PR), o Ministério da Educação (MEC) e o Ministério
da Justiça (MJ). Ele é voltado para a concretização da vertente da educação como
direito-meio e para o atendimento da educação como direito-fim. A competência para tal
concerne ao Plano Nacional de Educação (PNE) – Lei 10172/01. Assim sendo, o
PNEDH trabalha a partir de um recorte de espaços prioritários de atuação, quais sejam:
―educação formal‖; ―educação não formal‖; ―educação dos profissionais do sistema de
justiça e segurança‖; e, por fim, ―educação e mídia‖.
O Plano Nacional para a Educação em Direitos Humanos e as Diretrizes
Nacionais para a Educação em Direitos Humanos (homologadas em 2012) apontam
caminhos possíveis, pensados coletivamente. Portanto, apropiar-se dos princípios e
orientações expressos em tais documentos, no cotidiano, significa investir em uma
formação para a autonomia, para a solidariedade e para a cultura da paz; representa,
acima de tudo, a possibilidade de contribuir para a formação de uma sociedade mais
justa e inclusiva para todos (BRASIL, 2013).
No âmbito do estado de Pernambuco, temos a Secretaria de Justiça e Direitos
Humanos, criada por meio da Lei nº 15.452, sancionada pelo governador Paulo Câmara
e publicada no Diário Oficial do Estado no dia 16 de janeiro de 2015.
A Secretaria de Justiça e Direitos Humanos possui as seguintes competências:
articular, planejar, coordenar, controlar, propor e executar as atividades múltiplas
inseridas nas políticas públicas para as áreas de justiça, direitos humanos e promoção
da cidadania, com vistas ao desenvolvimento social do estado e à garantia dos direitos

33
fundamentais das pessoas; desenvolver políticas públicas e executar ações correlatas
de modo a garantir o acesso à justiça e à mediação de conflitos; promover a política
pública de promoção e defesa dos direitos humanos e da cidadania no âmbito do
estado, em articulação com a União e os municípios; planejar, apoiar, coordenar e
executar a política estadual de amparo e garantia de direitos aos idosos e às pessoas
com deficiência; coordenar, planejar e executar programas de proteção às pessoas
vítimas da violência, incluindo familiares, crianças, adolescentes e defensores dos
direitos humanos ameaçados de morte; desenvolver política de combate à tortura,
criando mecanismos de assistência aos anistiados e vítimas; controlar e manter em
funcionamento o Sistema Penitenciário do Estado, mediante a guarda e administração
dos estabelecimentos prisionais, buscando a ressocialização; prestar assistência
jurídica e social aos apenados e egressos do sistema prisional, assim como aos seus
familiares; fiscalizar o cumprimento das regras impostas como condição à liberdade
vigiada, ao livramento condicional e ao regime aberto de egressos de estabelecimentos
prisionais; desenvolver política pública estadual de medidas e penas alternativas;
promover a proteção ao consumidor; e atuar no relacionamento e na articulação com as
entidades da sociedade civil.3
Dentro da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, a Secretaria Executiva de
Direitos Humanos agrega o Sistema Estadual de Proteção a Pessoas (SEPP), com os
programas que integram a política pública de proteção e promoção dos direitos
humanos do Governo do Estado de Pernambuco, através de estratégias articuladas,
refletidas em uma intervenção que possibilita o desenvolvimento de ações que
legitimam a internalização dos direitos humanos fundamentais a qualquer cidadão ou
cidadã pernambucano que esteja em situação de risco e/ou vulnerabilidade social.
Através dessas iniciativas estruturadoras e articuladas, o SEPP pôde aprimorar o
conjunto de políticas, inicialmente capitaneadas pelo Governo Federal, e consolidadas
em Pernambuco, para atender pessoas ameaçadas (testemunhas e defensores de
direitos humanos) e determinados segmentos sociais historicamente vulnerabilizados

3
Informações contidas no site: http://www.sjdh.pe.gov.br/secretaria.
34
(tais como crianças e adolescentes, pessoas idosas, público LGBTI e vítimas de
violência de modo geral).
Ocorre que, de forma pioneira, o Estado de Pernambuco avançou na criação do
seu Sistema Estadual de Proteção a Pessoas (SEPP), que se reverbera na Lei
Estadual nº 13.371/07, que dispõe sobre a Política Estadual de Assistência e Proteção
a Vítimas e Colaboradores da Justiça, a qual, por sua vez, incorporou as propostas de
alteração da Lei Federal nº 9.807/99, em trâmite no Congresso Nacional.
Em Pernambuco, essa proposta ganha guarida e força no esteio da
implementação do Plano de Segurança Pública ―Pacto pela Vida‖, o qual, de maneira
inédita no estado, conjuga segurança pública com a temática dos direitos humanos e
conta, ainda, com o fundamental apoio do Ministério dos Direitos Humanos, parceiro na
execução de vários programas que integram o SEPP.
O SEPP também atua na perspectiva de integrar os eixos de Reparação,
Promoção e Proteção de direitos — por meio de um atendimento a vítimas de
violações de direitos humanos, com foco na articulação com os demais órgãos que se
relacionam com o SEPP, através do monitoramento dos equipamentos e redes
existentes no estado. Na Prevenção, atua com o Programa de Mediação Comunitária
de Conflitos e a Formação em Direitos Humanos.
Nos âmbitos da Promoção e da Prevenção, o SEPP conta com os seguintes
programas:
a) CEAV – Centro Estadual de Apoio às Vítimas da Violência;
b) CIAPPI – Centro Integrado de Atenção e Prevenção a Violência contra a
Pessoa Idosa;
c) CECH – Centro Estadual de Combate à Homofobia;
d) Programa de Mediação Comunitária de Conflitos;
e) Balcão de Direitos.

Os programas do eixo da Proteção são os seguintes:


a) PROVITA – Programa Estadual de Proteção a Vítimas e Testemunhas
Ameaçadas;
35
b) PPCAAM – Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de
Morte;
c) PEPDDH – Programa Estadual de Proteção aos Defensores dos Direitos
Humanos;
d) NAP – Núcleo de Acolhimento Provisório (porta de entrada para os
programas de proteção).

Trata-se de uma atuação integrada com o Sistema Nacional de Proteção a


Pessoas Ameaçadas, do Ministério dos Direitos Humanos; com o Comitê Intersetorial
de Proteção a Pessoas, que articula as secretarias do estado para garantir políticas
públicas para os sujeitos em proteção; e com o Mecanismo Estadual de Prevenção e
Combate à Tortura.
A estruturação do Sistema Nacional de Proteção a Pessoas Ameaçadas
encontra arrimo em toda a normativa internacional e é consolidada no Programa
Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), o qual, na sua Diretriz 15 — que trata da
garantia dos direitos das vítimas de crimes e de proteção das pessoas ameaçadas —,
no seu Objetivo estratégico I, prevê a instituição de sistema federal que integre os
programas de proteção.
Por fim, para garantir a interação democrática entre Estado e sociedade civil, a
Secretaria Executiva de Direitos Humanos acompanha o Conselho Estadual de
Direitos Humanos de Pernambuco, o Comitê Estadual de Prevenção e Combate à
Tortura e os Conselhos Deliberativos dos programas de proteção que fazem a gestão
da política no estado.
No âmbito municipal, tendo em vista que a verticalização da defesa dos direitos
humanos vincula todos os entes da Federação, deve haver uma estrutura institucional
com a finalidade de promoção de políticas públicas de defesa de direitos humanos.

36
3.2.2 Os eixos de Proteção de diretos humanos

A primeira responsabilidade na proteção dos direitos humanos recai sobre todos


os indivíduos e sobre o Estado Nacional. Todas as pessoas físicas e jurídicas
(empresas) têm o dever de respeitar e defender os direitos humanos. Além dos
indivíduos, o Estado brasileiro assumiu, na Constituição de 1988, o dever de defender e
promover os direitos humanos dos cidadãos, tanto garantindo as suas liberdades e a
sua segurança, como direitos sociais como saúde, educação, previdência e assistência
social, amparando a todos sem distinção.
Além de na esfera interna de cada país, a proteção dos direitos essenciais do ser
humano também deve ser realizada no plano internacional. Por isso, há três ramos de
direito internacional de direitos humanos: o Direito Internacional dos Direitos
Humanos (DIDH), o Direito Internacional Humanitário (DIH) e o Direito
Internacional dos Refugiados (DIR).
O objetivo desses sistemas é comum: o de proteção do ser humano. O Direito
Internacional dos Direitos Humanos tem essa mesma função, em todos os aspectos,
englobando direitos civis e políticos e também direitos sociais, econômicos e culturais
na esfera internacional; o Direito Internacional Humanitário busca igualmente a
proteção do ser humano na situação específica de conflitos armados, de guerras
internacionais ou locais; e o Direito Internacional dos Refugiados age na proteção
dos refugiados, desde a saída do seu local de residência, passando pelo trânsito de um
país a outro, até a concessão do refúgio no país de acolhimento e seu eventual retorno
ao país de origem.
Todos esses sistemas têm em comum a preocupação com a proteção de direitos
humanos básicos, como o direito à vida, à dignidade e à integridade física.

37
4 OS SISTEMAS INTERNACIONAIS E REGIONAIS DE PROTEÇÃO DOS
DIREITOS HUMANOS

Após saber como funciona e estrutura-se o sistema nacional de proteção de


direitos humanos no Brasil, neste capítulo vamos buscar brevemente entender e
responder às seguintes questões: o que são os sistemas internacionais de proteção dos
direitos humanos? Qual a sua origem? Qual o seu alcance e quais os princípios que os
norteiam? Qual a diferença entre sistemas internacionais e regionais de proteção?
Como atuam esses sistemas?
Neste primeiro momento, voltaremos a nossa atenção para o sistema
internacional de proteção dos direitos humanos, para, posteriormente, dedicar-nos
especificamente aos sistemas regionais de proteção.

• O que são?
Os sistemas internacionais de proteção dos direitos humanos são formados por
um conjunto de normas, mecanismos e órgãos internacionais que nascem com o
objetivo de garantir e promover a proteção dos direitos em todos os seus âmbitos e em
todo o mundo.
Os direitos humanos desenvolvem-se tanto no âmbito internacional como dentro
de cada ordem jurídica, ou seja, como direitos positivos particulares no momento em
que cada Constituição de cada país incorpora as declarações de direito. Assim, os
direitos humanos estão em constante evolução e aprimoramento, além de em crescente
processo de internacionalização.

• Qual a sua origem?


A crescente internacionalização dos direitos humanos ganhou força
principalmente após a 2ª Guerra Mundial e a criação da Organização das Nações
Unidas em 1945, como resposta direta às atrocidades cometidas pelo nazismo,
buscando reconstruir a dignidade perdida da pessoa humana e garantir os direitos que
foram amplamente ignorados naquele período.
38
A nova ordem internacional inaugurada no período pós-guerra, que buscava a
paz e a união de todos os povos, tinha como proposta a reconstrução dos direitos
humanos, fortalecendo-se a ideia de que a proteção dos direitos humanos deveria ir
além da ordem interna de cada país, deixando de ser assunto exclusivo de um Estado a
forma como ele tratava seus nacionais, passando a revelar-se como tema de legítimo
interesse internacional.
Terminada a 2ª Guerra Mundial em 1945, cinquenta países reuniram–se em São
Francisco, nos EUA, e com o objetivo de promover e garantir a paz no mundo,
formaram a Organização das Nações Unidas (ONU).
A Organização das Nações Unidas (ONU) nasceu com seis corpos principais: a
Assembleia Geral; o Conselho de Segurança; o Tribunal Internacional de Justiça; o
Secretariado, e, em relação aos direitos humanos, o próprio Conselho de Direitos
Humanos e o Conselho Econômico e Social (ECOSOC), que nascia com poderes de
estabelecer ―comissão para assuntos econômicos e sociais e para a proteção dos
direitos humanos‖. Assim, uma delas foi a Comissão de Direitos Humanos das Nações
Unidas, presidida na época por Eleanor Roosevelt e que iniciou a elaboração do
documento que mais tarde tornar-se-ia a Declaração Universal dos Direitos Humanos,
em 1948, instrumento que proclamou os direitos básicos de que deve gozar cada ser
humano pelo simples fato de ser humano, independentemente de sua origem,
nacionalidade, credo, raça, etc.

Para pensar: Tivemos, ao longo da história, a dizimação dos indígenas norte-americanos e


a escravização dos africanos, transportados nos navios negreiros para diversos lugares do
mundo. Por que isso não foi visto como atrocidade ou violação aos direitos humanos?

No seu preâmbulo e no artigo 1º, a Declaração proclama inequivocamente os


direitos inerentes a todos os seres humanos: que todos são livres para falar e para crer,
libertos do terror e da miséria e que ―todos os seres humanos nascem livres e iguais em
dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com
os outros em espírito de fraternidade.‖
39
Ainda que a Declaração dos Direitos Humanos seja defendida pela maioria dos
universalistas como o instrumento de direitos humanos mais universal, em praticamente
todos os países da Terra indivíduos são vítimas de violência, injustiça, fome,
discriminação, tortura e diversos outros abusos contra os direitos humanos. Há um
amplo vazio entre os objetivos descritos na Declaração e a execução desses objetivos
na prática, existindo uma violação generalizada dos direitos humanos no âmbito global
e local. Assim, fazer com que as pessoas conheçam seus direitos é um passo
importante para a sua efetivação.

Por outro lado, a Declaração dos Direitos Humanos da ONU não possui força
normativa, apesar de ser um padrão comum sustentado por várias nações do mundo
inteiro. Fez-se necessário, pois, buscar mecanismos para efetivar e fazer cumprir as
determinações.
Em 1966, a Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas, depois de
quase duas décadas de trabalho, criou um corpo de lei de direitos humanos
internacionais baseado na Declaração e com força executória. Foram elaborados dois
documentos principais: o Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos (1966) e
o Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (1966),
tornando-se ambos leis internacionais em 1976.
Enquanto o primeiro enfoca questões relacionadas com o direito à vida, à
liberdade de expressão, à religião e ao voto, o segundo enfoca a alimentação, a
educação, a saúde e o refúgio. Ambos os pactos destinam-se a todos os seres
humanos indiscriminadamente.
A Declaração Universal dos Direitos Humanos e estes dois pactos constituem o
que é conhecido como a ―Lei Internacional de Direitos umanos‖, ou seja, são os
principais instrumentos do sistema internacional de proteção dos direitos humanos.
Para que houvesse funcionamento e observância do cumprimento dos direitos
humanos por parte dos países que assinaram o Pacto Internacional dos Direitos Civis e
Políticos, formou-se a Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos para

40
examinar os relatórios que os países enviariam a cada cinco anos e assegurar-se que
eles estariam cumprindo o pacto, devendo emitir igualmente conclusões sobre o
funcionamento do país.

• Alguns documentos internacionais de proteção dos direitos humanos:

Além da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e dos


mencionados Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos (PIDCP – 1966) e o
Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (PIDESC –
1966), as Nações Unidas adotaram mais de vinte tratados principais com temáticas de
proteção de direitos humanos. Entre eles, podemos citar os para prevenir e proibir
abusos específicos, tais como tortura e genocídio, e para proteger populações
vulneráveis, como os refugiados (Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados,
1951), as mulheres (Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de
Discriminação Contra as Mulheres, 1979), e as crianças (Convenção sobre os
Direitos da Criança, 1989).
Além desses, outros tratados mais cobrem a discriminação racial, a prevenção
de genocídios, os direitos políticos das mulheres e a proibição de escravidão e
tortura, sendo tratados que exigem aos países signatários a implementação de
políticas públicas direcionadas a tais objetivos. Trabalharemos alguns deles nos
módulos seguintes.
O processo de universalização dos direitos humanos permitiu a formação de um
sistema internacional de proteção de direitos no âmbito das Nações Unidas, chamado
de sistema normativo global, ou internacional, de proteção dos direitos humanos.
Este sistema é formado por tratados internacionais de proteção, que invocam o
consenso internacional acerca de temas centrais aos direitos humanos.
Para que esse sistema internacional de direitos humanos funcione ou surta os
efeitos desejados, faz-se necessária a celebração de um consenso que estabeleça o
cumprimento de parâmetros mínimos de proteção dos direitos humanos no âmbito
global, além da definição de direitos e deveres entre os Estados e seus indivíduos e da
41
criação de um aparato institucional ou de órgãos que façam a proteção e guarda
desses direitos — papel que exercem hoje os comitês, as comissões e as relatorias da
ONU e as Cortes Internacionais (a exemplo da Corte Interamericana de Direitos
Humanos ou do Tribunal Penal Internacional).
É ao lado desse sistema normativo internacional que surgem os sistemas
regionais de proteção, levando a internacionalização aos planos regionais,
particularmente os sistemas europeu, americano e africano.
Em resumo, o que se consolida na ordem internacional é a convivência do
sistema global da ONU e seus instrumentos com os sistemas regionais de proteção
europeu, americano e africano.
Esses sistemas não são incompatíveis e convivem harmonicamente no âmbito
internacional, e mais do que isso: complementam-se. Todos eles são inspirados nos
princípios e nos valores da Declaração Universal da ONU e somam-se em torno da
dignidade da pessoa humana.
Importante aqui observar que o sistema internacional de proteção não consegue
obter bons níveis de efetividade, o que faz com que dependa do seu nível de interação
com o sistema nacional de proteção de cada país, ou do seu englobamento a ele, para,
dessa forma, agir localmente e proporcionar a maior efetividade possível da tutela dos
direitos humanos.

• Esses tratados internacionais têm aplicabilidade jurídica direta em todos


os países? Qual o alcance de cada um deles?

A resposta fundamental a essa pergunta está na regra primeira dos tratados


internacionais: eles só são obrigatórios e se aplicam aos Estados signatários, ou seja,
àqueles Estados que concordaram com os termos dos tratados estabelecidos e
aderiram expressamente a eles, e de boa fé. Assim, o Estado ou Estados que

42
livremente consentiram com um determinado tratado não podem tomar a ordem ou o
direito interno para descumprir o referido tratado4.
Se um Estado que livremente ratificou5 um tratado internacional não o cumpre ou
obsta o seu cumprimento, viola o princípio da boa fé, segundo a Convenção de Viena
sobre tratados internacionais, e pode ser responsabilizado no âmbito internacional.
Importante estabelecer também a relação entre o direito interno, de um país, e a
ordem internacional. Ela baseia-se no princípio anteriormente comentado da
prevalência da norma mais benéfica, ou seja, no fato de que se deve sempre aplicar
a norma mais favorável, seja ela do direito internacional, seja do direito interno. A
primazia não seria, assim, dos direitos nem internacional nem interno, mas da norma
que estabeleça o tratamento mais benéfico para o ser humano, visando, dessa forma, a
aprimorar e fortalecer — nunca a restringir ou debilitar — os direitos que foram
consagrados na Constituição.
Devem os instrumentos nacionais de direitos humanos, pois, incorporar ao
ordenamento interno os instrumentos internacionais de proteção dos direitos humanos,
sendo imprescindível essa interação entre os direitos nacionalmente previstos e o
catálogo de direitos internacionais que se apresentam através dos diversos tratados
internacionais de direitos humanos.
No momento em que o Estado aceita e ratifica um tratado internacional, ele
permite o monitoramento internacional da forma como passa a implementar os direitos
fundamentais e, ao mesmo tempo, consente que as comissões e comitês internacionais
vigiem e fiscalizem sua atuação de forma suplementar à ordem interna. Ou seja, os
Estados têm sempre primazia de atuação e controle sobre sua ordem e seu
ordenamento, e apenas de maneira suplementar à ordem interna é que a ordem
internacional — no caso em que aquela mostrou-se falha ou omissa ou quando se
esgotaram os recursos internos para o seu acionamento — atuaria através dos comitês

4
É o que estabelece expressamente o artigo 27 da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados.
5
―Ratificação: processo de incorporação pelo qual o corpo legislativo de um estado confirma a ação de
um governo ao assinar um tratado; procedimento formal pelo qual um estado se obriga a um tratado
depois de sua aceitação‖ — definição oferecida no Manual do Professor publicado e distribuído pela
United For Human Rights, Los Angeles, USA, 2012.
43
e comissões da ONU e do próprio Tribunal Penal Internacional na defesa do direito
violado.
Além disso, se um Estado sofrer uma condenação ou for chamado a atenção no
âmbito internacional, também em todos os canais de comunicação, isso já é, por si só,
um constrangimento político e moral, levando a tal Estado buscar a reparação daquela
prática através de políticas públicas positivas e imediatas de defesa do direito por ele
violado, procurando retomar a confiança e imagem internacional.
Assim, as medidas de proteção internacional atuam tanto como parâmetro de
proteção mínimo de direitos humanos quanto como instância suplementar de proteção
diante da ausência ou omissão dos Estados em relação à garantia de determinados
direitos.
Em relação ao indivíduo, este passa à condição de sujeito de direito na ordem
internacional, ou seja, deve ter seus direitos protegidos não só pelo Estado ao qual está
relacionado (como nacional, cidadão, residente, etc.), mas também na esfera
internacional, podendo inclusive — quando lhe seja permitido — demandar perante
cortes e tribunais a defesa dos direitos violados. Assim, as relações internacionais
deixam de ser estritamente entre Estados para incluírem também o indivíduo.
Em resumo: busca-se propiciar não só avanços à proteção dos direitos humanos
em âmbito internacional, como também fiscalizar e incentivar os países em relação às
suas políticas protecionistas e impedir retrocessos e arbitrariedades na ordem interna
dos Estados. Dessa maneira, deve haver sempre uma harmonização entre a ordem
internacional e a ordem interna dos Estados.

4.1 Sistemas Regionais de Proteção dos Direitos Humanos

Além do sistema global ou universal de proteção dos direitos humanos que


acabamos de ver (pactos e convenções internacionais da Organização das Nações
Unidas – ONU), a proteção internacional se dá também através dos já mencionados
sistemas regionais de proteção integrados, que são: o sistema interamericano; o
sistema europeu; e o sistema africano.

44
Os sistemas regionais, como dito, não são antagônicos nem conflitam com o
sistema global ou universal; pelo contrário. Os sistemas regionais e o sistema global
são harmônicos e complementares, buscando aqueles refletir as peculiaridades dos
Estados, regiões e continentes correspondentes, complementando, dessa forma, as
normativas de caráter mais geral estabelecidas pelo sistema global.
São sistemas regionais exatamente para setorizarem o interesse, ou seja,
envolver um menor número de Estados-membros e direcionar a atenção para as
necessidades regionais desses países-partes, além de buscar facilitar as negociações,
o consenso e também o controle e a fiscalização das políticas de proteção e promoção
dos direitos humanos nessas regiões.
Além disso, amplia-se também a possibilidade de os valores regionais serem
levados em conta, sem que haja uma padronização ou tentativa de ―universalidade‖ a
partir do padrão europeu patriarcal e branco ao se definirem as normas de direitos
humanos. Permite-se, igualmente, estabelecer mecanismos de cumprimento e
estabelecimento de direitos-deveres que se coadunam muito melhor com as condições
locais do que um sistema global.
Quanto à lógica de implementação e aplicação, segue-se a mesma aplicada ao
sistema global: tem validade para todos os Estados que aderiram voluntariamente aos
tratados e convenções celebradas, além de criar um sistema de monitoramento para
assegurar o cumprimento das normas nos Estados que as adotaram.
Os sistemas regionais cobrem três partes ou regiões do mundo: a África, as
Américas e a Europa.

4.2 Sistema Americano ou Interamericano de Direitos Humanos

O sistema interamericano surge com a Carta da Organização dos Estados


Americanos (OEA) e com a Declaração Americana dos Direitos e Deveres do
Homem, de 1948 e tem, como principal norma, a Convenção Americana de Direitos
Humanos de 1969, que estabeleceu como mecanismos de proteção a Comissão
Interamericana de Direitos Humanos e a Corte Interamericana de Direitos Humanos.

45
Como principais instrumentos de proteção do sistema americano, estão: (i) a
Carta da Organização dos Estados Americanos, conhecida como Carta de Bogotá,
assinada na Colômbia, em 1948; e (ii) a Convenção Americana de Direitos
Humanos, conhecida como Pacto de São José da Costa Rica, por haver sido aberta
à assinatura na conferência de direitos humanos que ocorreu naquela cidade em 1969;
foi incorporada pelo Brasil através do Decreto Legislativo nº 56, de 1995 e promulgada
pelo Decreto nº 3.321, de 30 de dezembro de 1999.
Outros importantes instrumentos são (iii) o Protocolo de San Salvador, de
1988, em matéria de direitos econômicos, sociais e culturais e (iv) a Convenção
Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher,
adotada pela Assembleia Geral da OEA em 1994 e ratificada pelo Brasil em 1995.
O Pacto de São José da Costa Rica, ou Convenção Americana de Direitos
Humanos, merece destaque por sua importância neste sistema de proteção de direitos
humanos. Somente Estados que pertençam à Organização dos Estados Americanos
podem fazer parte dessa Convenção, tendo o Brasil aderido a seus termos apenas em
1992, através do Decreto Legislativo nº 27, de 25 de setembro.
Esse Pacto trata essencialmente dos direitos civis e políticos, semelhante ao
firmado em 1966, para dar efetividade jurídica à Declaração da ONU.
Entre outros direitos, o Pacto de São José assegura: direito à liberdade pessoal,
à residência, consciência, religião, pensamento, locomoção e expressão; direito a não
ser submetido à escravidão; igualdade perante a lei; garantias judiciais; nacionalidade;
proíbe o restabelecimento da pena de morte para delitos políticos e comuns conexos
com delitos políticos; e proíbe a prisão por dívida, salvo aquela proveniente do
inadimplemento da obrigação alimentar.
A Corte Interamericana de Direitos Humanos tem competência contenciosa e
consultiva. Podem apresentar petição apenas os Estados-partes e a própria Comissão
Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). A sentença proferida pela Corte tem efeito
definitivo e inapelável, com execução supervisionada pela Assembleia Geral da
Organização dos Estados Americanos (OEA).

46
No âmbito contencioso, a competência da Corte está condicionada aos Estados-
partes da Convenção que a reconheçam expressamente (artigo 62). Depois de admitida
a demanda, as vítimas e seus familiares ou representantes legalmente reconhecidos
poderão apresentar suas solicitações, argumentos e provas de forma autônoma durante
todo o processo.
A partir de 2001, ficou permitida a participação da vítima e dos seus
representantes em todas as fases do processo judicial, podendo manifestar-se em
igualdade de condições com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos e o
Estado-réu.
Os casos que cabe à Corte Interamericana de Direitos Humanos investigar são
aqueles relacionados com a violação, por parte dos Estados-partes, de direito protegido
pela Convenção. A Corte pode determinar a proteção e o gozo do direito, caso decida
que houve direito ou liberdade violada, ou ainda que seja reparada a consequência ou
consequências da violação do direito, bem como o pagamento de indenização à parte
que suportou o prejuízo.
O Brasil reconheceu a competência da Corte Americana de Direitos Humanos
através do Decreto Legislativo nº 89, de 1998, para todos os casos relacionados à
interpretação ou aplicação da Convenção e ocorridos a partir do reconhecimento da
autoridade da Corte, de acordo com o artigo 62.
Já a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (COIDH) tem função
consultiva e de promover a observância e a defesa dos direitos humanos, além de
―estimular a consciência dos direitos humanos nos povos da América; formular
recomendações aos governos dos estados-membros quando considerar conveniente,
no sentido de que adotem medidas progressivas em prol dos direitos humanos no
âmbito de suas leis internas e seus preceitos constitucionais‖, entre diversas outras.
Quanto ao oferecimento de denúncia, a Comissão Interamericana de Direitos
Humanos faz um juízo de admissibilidade, mas caberá à Corte Interamericana fazer o
juízo de mérito que caiba, com a determinação do pagamento de uma indenização, se
assim for devido.

47
4.2.1 Programa Nacional em Direitos Humanos Brasileiro

Diante das violações ainda presentes no mundo, em 1993, na cidade de Viena,


Áustria, uma convenção orientou que os Estados-membros das Nações Unidas
criassem programas sociais de direitos humanos. O Brasil foi um dos pioneiros a
formular o primeiro Programa Nacional de Direitos Humanos, o PNDH-1. Sua versão
inaugural foi realizada em 1996, porém não trazia todos os direitos garantidos em sua
construção. Na segunda versão, do ano de 2002 — o PNDH-2 —, foram incorporadas
ações específicas no campo de garantia dos direitos à educação, saúde, previdência,
trabalho e moradia, por exemplo, porém era ainda incompleto. Em 2009, foi aprovado o
Programa Nacional de Direitos Humanos – PNDH-3, polêmico — por enfrentar as alas
mais conservadoras e elitistas do país, por inserir as questões sobre racismo, respeito à
diversidade, opção pelo desenvolvimento sustentável e erradicação da fome — e
também o mais democrático, diante da participação popular na sua construção.

48
REFERÊNCIAS

ADORNO, Sérgio. História e desventura: o 3º Programa Nacional de Direitos


Humanos. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 3, p. 5-20, 2010.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Cidadania em preto e branco: discutindo as relações


sociais. 3. ed. São Paulo: Ática, 2000.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de


Educação em Direitos Humanos. 2. ed. Brasília: Secretaria dos Direitos Humanos,
2013. Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/bibliotecavirtual/promocao-e-
defesa/publicacoes-2013/pdfs/PNEDH.pdf>. Acesso em: 24 ago. 2017.

_______. Decreto nº 7.037, de 21 de dezembro de 2009. Versa sobre o Programa


Nacional de Direitos Humanos – PNDH-3.

CHAUI, Marilena; SANTOS, Boaventura de Sousa. Direitos humanos, democracia e


desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2013.

COMPARATO, Fábio K. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo:


Saraiva, 2010.

ESCRIVÃO FILHO, Antônio Sérgio; SOUSA JUNIOR, José Geraldo de. Para um
debate teórico-conceitual e político sobre os direitos humanos. Belo Horizonte:
D’Pl cido, 1 . (Coleção Direito e Justiça).

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. 9º Anuário Brasileiro de Segurança


Pública. 2015. Disponível em: <http://www.forumseguranca.org.br/publica/>.

MOORE, Carlos W. Racismo e sociedade: novas bases epistemológicas para


entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza, 2007.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional


versus identidade negra. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

_________. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e


etnia. In: BRANDÃO, André A. P. (Org.). Programa de Educação sobre o Negro na
Sociedade Brasileira. Niterói: Ed. UFF, 2003. (Cadernos PENESB, n 5). Disponível
em: <https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/04>. Acesso em: 05 nov.
2003.
49
PESQUISA de Informações Básicas Estaduais – ESTADIC: o que é. Disponível em:
<https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/habitacao/16770-pesquisa-de-
informacoes-basicas-estaduais.html>.

PESQUISA de Informações Básicas Municipais – MUNIC: o que é. Disponível em:


<https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/protecao-social/10586-
pesquisa-de-informacoes-basicas-municipais.html>.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. São


Paulo: Saraiva, 2012.

RABENHORST, Eduardo R. O que são direitos humanos. In: FERREIRA, L.; ZENAIDE,
M.; NÁDER, A. (Orgs.). Educando em direitos humanos: fundamentos histórico-
filosóficos e político-jurídicos. João Pessoa: Ed. UFPB, 2016. v. 1.

A , André de Carvalho. Teoria geral dos direitos humanos na ordem


internacional. ão Paulo araiva, 11.

SARLET, Ingo W. A eficácia dos direitos humanos: uma teoria dos direitos
fundamentais na perspectiva constitucional. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

SILVA, Carmen; CAMURÇA, Silvia. (Org). Feminismo e movimentos de mulheres.


Recife: SOS Corpo, 2010.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. "Chegou a hora de darmos a luz a nós


mesmas": situando-nos enquanto mulheres e negras. Cadernos CEDES, Campinas, v.
19, n. 45, 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=
S0101-32621998000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 26 jun. 2017.

SILVEIRA, Rosa Maria Godoy et al (Org.). Educação em direitos humanos:


fundamento teórico-metodológico. João Pessoa: Ed. UFPB, 2007.

ZENAIDE, Maria de Nazaré T.; FERREIRA, Lúcia de Fátima G.; NÁDER, Alexandre
Antonio G. (Org.). Direitos humanos: capacitação de educadores. João Pessoa: Ed.
UFPB, 2008. 2 v.

50