Você está na página 1de 34

PROCESSOS DE

CONFORMAÇÃO

Processo de Colagem
Processo de Colagem
Dentre as técnicas de conformação fluida, a colagem de
barbotina se destaca pela facilidade de processamento e
baixo custo envolvido, sendo atualmente muito utilizada
na fabricação de refratários, louças sanitárias e
cerâmicas avançadas com grande variedade de formas.

Peças produzidas pelo processo de colagem


Processo de colagem
Processo de Colagem
Os moldes utilizados na colagem de barbotina
geralmente são de gesso de alta permeabilidade e
pequeno tamanho de poro de modo a absorver a água
da barbotina sem escoamento das partículas em
suspensão para dentro da parede do molde.

As vantagens deste tipo de


molde são:
Ø o custo relativamente baixo,
Ø simplicidade no manuseio,
Ø porosidade controlada,
Ø boa exatidão dimensional.
Processo de Colagem
Os métodos de conformação líquida de materiais
cerâmicos apresentam vantagens em relação aos
demais métodos de conformação, tais como:

Ø facilidade em conformar peças com geometrias


complexas,
Ø excelente homogeneidade microestrutural se
provenientes de suspensões defloculadas,
Ø facilidade em conformar peças com paredes finas e
uniformes,
Ø economia em pequenas produções,

Ø moldes mais baratos.


Processo de Colagem

Apesar da técnica de colagem de barbotina ser


antiga, é necessário o desenvolvimento de uma
formulação (pó cerâmico + aditivos de moldagem)
adequada, de acordo com as características de cada
pó cerâmico.

As matérias-primas são dispersas em um líquido,


geralmente água, com teor de sólidos elevado, a qual
é vertida em um molde de gesso, com porosidade
variando entre 40 e 50%.
Processo de Colagem
As características reológicas da suspensão têm grande
influência sobre o processo de formação do compacto a
verde e seus eventuais defeitos.

A microestrutura e, portanto, as propriedades do corpo


cerâmico, podem ser controlada através de três
parâmetros principais:

Ø o tamanho e distribuição do tamanho de partículas,


Ø a concentração de sólidos na suspensão

Ø e o estado de defloculação do sistema,

Todos os fatores citados acima influenciam na


viscosidade da suspensão.
Processo de Colagem

Ø Uma boa dispersão é necessária para assegurar a máxima


fluidez com um mínimo de água.

Ø As características reológicas da suspensão têm grande


influência sobre o processo de formação do compacto a
verde e seus eventuais defeitos.

Ø A reologia da suspensão depende dos aditivos, da


distribuição de tamanho de partículas e da área superficial.
Processo de Colagem

Fluxograma do processo de colagem de barbotina.


Processo de Colagem
A parte líquida, água, é retirada por meio de um molde
poroso, normalmente gesso.
Quando a água é absorvida pelo molde, ocorre a
aproximação das partículas de pó.
Após a formação da parede com a espessura desejada,
o eventual excedente de barbotina é drenado.
Processo de Colagem
a) vazamento da barbotina
no molde de gesso,
b) absorção da água
através das paredes do
molde de gesso,
c) drenagem do excesso de
barbotina,
d) retirada da peça. A
separação da peça da
parede do molde, ocorre por
retração do moldado durante
a secagem.
A peça (moldada) deve ter uma tensão de escoamento suficiente
para não sofrer deformações durante a desmoldagem.
Processo de colagem

Medida de densidade

Determinação da viscosidade
Viscosidade da barbotina

Viscosidade versus teor de defloculante


Processo de colagem

Comportamento reológico típico de uma suspensão usada no processo de


colagem de barbotina.
Processo de colagem

A Figura acima mostra a diferença entre a resistência ao escoamento da


suspensão usada para preencher o molde, da torta após a drenagem da suspensão
e da torta parcialmente seca, quando é destacada do molde.
Fluxograma geral
Processo de colagem

1) Matérias-primas
2) Preparação da barbotina 3) Moagem e Peneira

4) Tanques de armazenamento 5) Moldes de gesso 6) Preenchimento do molde


Processo de colagem
Processo de colagem
Processo de Colagem

Moldes de gesso
Processo de Colagem

Processo de conformação por colagem


Processo de Colagem

A taxa de crescimento da espessura da camada


depositada na parede do molde de gesso diminui com
o inverso da espessura da parede formada.

A velocidade de deposição varia com a quantidade de


água na suspensão: quanto mais água, mais
vagaroso o processo, pois a água deve ser filtrada
através do depósito formado.

Velocidade de deposição mais lenta produz melhor


empacotamento das partículas e melhor densidade a
verde.
Processo de Colagem
Processo de Colagem

Drenagem da barbotina Formação da parede


Deposição das partículas
em excesso da peça cerâmica
Processo de Colagem
Etapas envolvidas neste processo:

Ø preparação de uma suspensão fluida,


Ø moagem,
Ø peneiramento,
Ø eliminação de bolhas com aplicação de vácuo,
Ø preenchimento de um molde poroso,
Ø formação da torta na parede do molde,
Ø drenagem,
Ø secagem parcial (com o corpo ainda na matriz),
Ø separação da matriz,
Ø acabamento da superfície antes da secagem.
Processo de colagem
Processo de colagem de
barbotina sob pressão
Processo de colagem de
barbotina sob pressão
Processo de colagem de
barbotina sob pressão
Processo de colagem de
barbotina sob pressão
Processo de colagem de
barbotina sob pressão
Processo de colagem de
barbotina sob pressão
Os principais fatores que determinam a viabilidade econômica
do processo de colagem de barbotina sob pressão são:

Ø a possibilidade de se produzir diferentes tipos de peças num


mesmo equipamento;
Ø a uniformidade de espessura das paredes da peça
conformada;
Ø a homogênea distribuição da umidade residual, permitindo
ciclos mais rápidos de secagem;
Ø a estabilidade dimensional dos produtos após inúmeras
utilizações do mesmo molde;
Ø a maior densificação e resistência mecânica do corpo
cerâmico cru.
Processo de produção de
pratos cerâmicos
Processo de produção de
pratos cerâmicos
Processo de produção de
pratos cerâmicos