Você está na página 1de 4

A Dona Baratinha em Versos

Era uma vez


Uma linda baratinha
Que encontrou cinco tostões
Quando varria a cozinha.

Comprou fitas pro cabelo


E foi pôr-se à janela
Para ver se encontrava
Quem quisesse casar com ela.

Primeiro chegou o cão


Com ar muito convencido
Mas a baratinha disse:
- Não te quero para marido.

Depois foi a vez do gato


Que estava sempre a miar
A baratinha respondeu:
- Contigo não vou casar.

A baratinha continuava
Com a sua voz meiguinha:
- Quem quer casar comigo
que sou formosa e boazinha?

Chegou então o cavalo


Que se pôs a relinchar
A baratinha, zangada
Mandou-o logo passear.

Depois veio o senhor galo


Muito gentil e cavalheiro
Mas a baratinha disse:
- Ficas melhor no galinheiro.

A baratinha já estava
A ficar impaciente
Mas continuou à janela
À espera de um pretendente.

Veio ainda o senhor porco


Todo contente e janota
A baratinha disse logo:

- Não quero comer bolota.

- Além disso cheiras mal.


Disse ela toda exaltada
- Não posso casar contigo
porque sou muito asseada.

Passou depois um burro


Que ao pé dela zurrou
A baratinha assustou-se
E ali mesmo desmaiou.

Para além do senhor carneiro


Também o boi ali passou
Mas a baratinha, teimosa,
Todos eles recusou.

Já estava a ficar triste


A nossa linda baratinha
Já pensava em desistir
E voltar para a cozinha.Apareceu então um rato
Pequeno mas jeitozinho
Que deixou a baratinha
Logo presa pelo beicinho.

A baratinha sorriu
Ele estendeu-lhe a mão
- Deixe-me apresentar,
Chamo-me João Ratão.

Deram um grande beijo


E começaram a namorar
Até que um dia decidiram:
- Está na hora de casar!

Foram então bem juntinhos


Os amigos convidar
E logo uma grande festa
Começaram a preparar.

A baratinha de vestido branco


E de lindo véu na cabeça
O João Ratão de fato novo
Estavam os dois uma beleza.

Já estavam quase a chegar


À igreja pro casamento
Quando diz o João Ratão
- Espera aqui só um momento.

- Deixei as luvas em casa,


ficaram em cima da mesa.
Afinal o que ele queria
Era cheirar a sobremesa.

Antes da sobremesa
Decidiu espreitar o feijão
Mas nesse exato momento
Deu um grande trambolhão.

Caiu dentro da panela


E ficou lá a gritar
A baratinha na igreja
Já não sabia o que pensar.
Decidiu voltar a casa
Para saber o sucedido
João Ratão já não gritava
Estava mais do que cozido.

Chorou então a baratinha


E o povo todo, comovido,
- Mas que triste sorte a minha
que já não tenho marido.

Desta simples história


Fique a seguinte lição
Ninguém seja tão guloso
Como era o João Ratão.