Você está na página 1de 2

CURSO: DIREITO

ATIVIDADE DISCUSSIVA – Direito Internacional

O Direito Internacional Privado é considerado um ramo do direito interno, pois suas


normas são de natureza essencialmente nacionais. Tais normas são ainda de
natureza indicativa, se prestam a determinar à lei aplicável ao caso concreto e não a
resolução do mérito em si. Isso porque o objeto do Direito Internacional Privado é a
resolução de conflitos de leis estrangeiras no espaço decorrentes que relações
jurídicas que possuam conexão internacional.
Com base nisso, responda:

QUESTÃO 1.
No que consiste uma relação jurídica com conexão internacional? Explique e
exemplifique.
RESPOSTA.
Consiste em uma relação jurídica à qual é possível aplicar as legislações
de dois ou mais países, sendo necessário qualificar a relação e identificar o elemento de
conexão, para assim se definir a legislação a ser aplicada.
Exemplo: Uma ação é ajuizada no Brasil, envolvendo o direito de
propriedade referente a um veículo, contra um brasileiro que se encontra, com o veículo,
no Canadá.
Como a ação foi ajuizada no Brasil, a lei brasileira deverá nortear a
qualificação, e em seguida o juiz identificará o elemento de conexão e a legislação a ser
aplicada na resolução da lide.
Neste contexto, de acordo com o § 3º do Art. 8º da Lei de Introdução às
Normas do Direito Brasileiro, por tratar o caso do exemplo de uma demanda envolvendo
bem móvel, a legislação a ser aplicada é a do domicílio do proprietário, ou seja, a lei
brasileira.

QUESTÃO 2.
No que consiste um conflito de leis estrangeiras no espaço? Explique e exemplifique.
RESPOSTA.
Os conflitos de leis estrangeiras no espaço consistem naquelas situações
em que legislações de dois ou mais países podem incidir sobre uma relação privada que
extrapola os limites fronteiriços de um país, ou seja, que tenham conexão internacional.
Compete ao Direito Internacional a resolução destes conflitos, indicando
qual a norma a ser aplicada no caso concreto.
Exemplos: Pode existir dúvida acerca da legislação aplicável diante de um
contrato em que as partes tenham domicílios em países diferentes, ou no caso de uma
separação judicial em que o casal tenha bens a partilhar em mais de um país.

QUESTÃO 3.
No caso de um conflito entre leis estrangeiras que envolva uma relação jurídica que
tenha por objeto o direito de propriedade de um bem imóvel, como ele será
resolvido? Explique e fundamente.
RESPOSTA.
Por força da norma insculpida no Art. 23 do CPC/2015, compete à
autoridade judiciária brasileira, com exclusão de qualquer outra, conhecer de ações
relativas a imóveis situados no Brasil, o que já estava também previsto no § 1º, do Art.
12, da LINDB, que estabelece que “só à autoridade judiciária brasileira compete conhecer
das ações relativas a imóveis situados no Brasil.”
Estabelece ainda a LINDB, em seu Art. 8º, que “para qualificar os bens e
regular as relações a eles concernentes, aplicar-se-á a lei do país em que estiverem
situados”, de modo que um imóvel situado em um estado estrangeiro terá sua situação
regulada pela legislação estrangeira.
Desta forma, quando se tratar de demanda envolvendo imóveis utiliza-se
a Lei da situação da coisa (lex rei sitae ou lex situs).