Você está na página 1de 3

ACIDENTES DA APLICAÇÃO DE INJEÇÃO

Tontura e desmaio são dois acidentes que ocorrem com certa freqüência após a aplicação de
injeção, em especial quando esta for endovenosa ou intramuscular, assustando tanto o cliente quanto o
aplicador. Por que isto ocorre?
Ambos, tontura e desmaio ocorrem por causas variadas que podem ser de menor ou maior gravidade,
como pancada na cabeça, medo, fraqueza, pressão arterial alta ou baixa, infarto, derrame.
Normalmente, quando não é ocasionada por causas mais sérias, é um mal-estar leve e passageiro. A
causa mais comum desta ocorrência na farmácia é o medo da injeção, ocasionado, pelo desconhecimento de
que vai se sentir durante e após a aplicação, ou por experiências anteriores nada agradáveis. Um cliente nervoso
e amedrontado, por exemplo, é facilmente identificável por expressar tensão, corpo contraído, respiração
acelerada, pele fria, transpiração excessiva. Além disso, ele pode ser calado ou excessivamente
falante.
Para tentar evitar este acidente é importante para o aplicador detectar estes sinais prévios e acalmar o
cliente antes da aplicação.
A tontura é uma sensação de desfalecimento, de flutuação acompanhada da visão de pontos
luminosos e palidez causada por diminuição da circulação cerebral.
A pessoa melhora rapidamente quando colocada sentada, com as pernas separadas e o tronco e a
cabeça bem abaixados. No desmaio ocorre também a perda da consciência, que se verifica quando a pessoa
não responde a toque e chamados. Neste caso ela deve ser deitada no chão, na falta de uma maca, com as
pernas elevadas, as roupas afrouxadas para facilitar a circulação.
Deve-se observar sua respiração cuidadosamente, pois quando o desmaio acontece todos os músculos
relaxam, o que favorece a queda da língua para traz, obstruindo a passagem de ar para os pulmões. Isto é
verificado pela observação da respiração fraca, ruidosa e irregular. Neste caso, inclina-se a cabeça para traz, o
que projetará o queixo e a língua para frente facilitando a abertura das vias respiratórias. A cabeça também
pode ser colocada de lado para evitar aspiração de vômito ou saliva.
Geralmente este mal-estar não dura mais que alguns minutos. Caso se prolongue, deve-se pensar em
algo mais sério como choque anafilático ou ataque cardíaco, por exemplo, que requer atendimento de outro
tipo e com a máxima urgência.
Não convém a esta pessoa levantar-se imediatamente após a recuperação, pois o esforço desprendido
pode causar nova tontura ou desmaio.
Toda aplicação deve ser feita lentamente, em volume adequado para o tamanho do músculo e em local
apropriado, evitando dor. Além disso, músculos contraídos também servem para causar mais dor.
Injeções feitas com agulha de tamanho menor que o indicado, ou introduzidas parcialmente, tornando
a injeção muito superficial, favorecem o aparecimento de nódulos. Também podem ser causados por
aplicação feita com grande inclinação principalmente no caso de medicamentos oleosos. Para se evitar este
problema, use apenas agulhas do tamanho indicado, introduzindo-a totalmente em ângulo reto e comprimindo
muito bem o local da aplicação após sua retirada. Observe ainda se há a presença de caroços na pele, antes da
aplicação, que podem ser causados também por injeções muito freqüentes no mesmo local.
Aplicações consecutivas em um mesmo local deixam a região empedrada ao toque. Existem casos
onde a aplicação da injeção se torna impossível ou o medicamento reflui total ou parcialmente. A absorção
do medicamento é altamente prejudicada. Nunca aplique injeções em áreas comprometidas. Nestes casos,
massagens e compressas quentes são eficazes.
Lesões nervosas podem ocorrer no caso de aplicações muito próximas de nervos profundos (nervos
motores) e podem causar problemas graves, que vão de dores intensas até o comprometimento temporário ou
permanente da movimentação do músculo atingido. O conhecimento dos locais exatos de aplicação evita este
acidente.
Manchas arroxeadas no local da aplicação são causadas pelo acúmulo de sangue sob a pele, por
traumatismo de vasos sanguíneos superficiais. Comprimir bem o local com algodão seco por alguns segundos
evita a formação destes hematomas.
Injeções aplicadas com falta de cuidado com a higiene podem ocasionar abcessos por
contaminação, com presença de pus e inflamação. Tenha muito cuidado no preparo da injeção e faça
completa anti-sepsia no local da aplicação.
Lembre-se de que todo medicamento injetável deve ser aplicado lentamente.
O bom atendimento prestado tornará seu cliente grato a você, além de projetar sua imagem
como profissional.
LEI N° 5.991 – DE 17 DE DEZEMBRO DE
1973
Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de
drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e
correlatos, e dá outras providências.
O Presidente da República,

Faço saber que o Congresso Nacional decreta a seguinte Lei:

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES
PRELIMINARES

Art.1º - O controle Sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos


e correlatos, em todo Território nacional, rege-se por esta Lei.

Art.2° - As disposições desta Lei abrangem as unidades congêneres que integram o serviço
público civil e militar da administração direta e indireta, da União dos Estados do Distrito Federal,
dos Territórios e dos Municípios e demais entidades paraestatais, no que concerne aos conceitos,
definições e responsabilidade técnica.

CAPÍTULO IV

Da Assistência e Responsabilidade Técnicas

Art.15 – A farmácia e drogaria terão, obrigatoriamente, a assistência de técnico responsável,


inscrito no Conselho Regional de farmácia, na forma da lei.

§ 1° - A presença do técnico responsável será obrigatória durante todo horário de


funcionamento do estabelecimento.
§ 2º - Os estabelecimentos de que trata este artigo poderão manter técnico responsável
substituto, para os casos de impedimento ou ausência do titular.
§ 3º - Em razão de interesse público, caracterizada da existência de farmácia e drogaria, e
na falta do farmacêutico, o órgão sanitário de fiscalização local licenciará os estabelecimentos sob
responsabilidade técnica de prático de farmácia, oficial de farmácia ou outro, igualmente escrito no
Conselho Regional de Farmácia na forma da lei.
Art.16 – A responsabilidade técnica do estabelecimento será comprovada por declaração de
firma individual, pelos estatutos ou por contrato social, ou pelo contrato de trabalho de profissional
responsável.
§ 1º - Cessada a assistência técnica pelo término ou alteração da declaração de firma
individual, contrato social ou estatutos da pessoa jurídica ou pela rescisão do contrato de trabalho, o
profissional responderá pelos atos praticados durante o período em que deu assistência ao
estabelecimento.
§ 2º - A responsabilidade referida no parágrafo anterior subsistirá pelo prazo de um ano a
contar da data em que o sócio ou empregado cesse vínculo com a empresa.
Art. 17 – Somente será permitido o funcionamento de farmácia e drogaria sem assistência
do técnico responsável, ou de seu substituto, pelo prazo de até 30 dias, período em que não serão
aviadas fórmulas magistrais ou oficinais, nem vendidos medicamentos sujeitos a regime especial de
controle.
Art.18 – É facultado à farmácia ou drogaria manter serviço de atendimento ao público
para aplicação de injeções a cargo de técnico habilitado, observada a prescrição médica.
LEI Nº 9.864 – 26 DE NOVEMBRO DE 1997

Faculta as farmácias e drogarias localizadas no


Estado de São Paulo a execução de Serviço de
inalação e medição de pressão arterial.

O presidente da Assembléia Legislativa.


Faço saber que a Assembléia legislativa decreta e eu promulgo nos termos do artigo 28 § 4º, da
Constituição do Estado, a seguinte lei:

Artigo 1º - É facultado às farmácias e drogarias localizadas no Estado de São Paulo a


realização de serviços de inalação e medição de pressão arterial.
Artigo 2º - A execução dos serviços aludidos no artigo anterior ficará sob supervisão e
responsabilidade do técnico responsável pela farmácia ou drogaria.
Artigo 3º - O serviço de inalação só poderá ser realizado mediante receita médica,
discriminando o medicamento a ser usado, sua respectiva dosagem e quantidade de aplicações,
responsabilizando-se o médico, pelos efeitos da utilização dos medicamentos no paciente, no
processo de inalação feito nas referidas farmácias ou drogarias.
Artigo 4º - O serviço de medição de pressão arterial só poderá ser realizado utilizando-se
aparelhos autorizados pelo órgão competente.
Artigo 5º - As farmácias e drogarias que prestarem os serviços aludidos nesta lei manterão
local apropriado para a realização dos mesmos, dentro das normas vigentes.
Artigo 6º - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação.

Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo aos 26 de novembro de 1997


(a) Paulo Kobayashi – Presidente
Publicada na Secretaria da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo aos 26 de novembro
de 1997.
(b) Auro Augusto Caliman – Secretário Geral Parlamentar