Você está na página 1de 11

Aeroelasticidade estática – Efeito da flexibilidade da

asa sobre efetividade do controle

É importante saber como reage a aeronave a aplicação de superfície de controle e que


cargas estão geradas.
Vamos considerar o efeito das deflexões aeroelasticas da asa sobre as superfícies de
comando ou efetividade ( effectiveness ), em relação à asa rígida.
Quando a velocidade aumenta a efetividade diminui até, a uma velocidade critica,
velocidade de reversão ( reversal speed ) a superfície de comando não responde mais.
Quando a velocidade aumenta alem da velocidade de reversão a resposta dos
controles se reverte e temos reversão de controle ( control reversal ).
Rolamento efetivo de uma asa flexível – caso de
raiz fixa
Consideramos uma asa flexível uniforme mostrada na figura abaixo, com semi
envergadura s, corda c, com uma seção simétrica (isto é, sem arqueamento),
incidência de raiz θ0 e um aileron rígido ao longo da toda envergadura cujo ângulo de
rotação é β (bordo de fuga para baixo).
Como antes vamos assumir uma variação linear do ângulo de torção, positivo com o
nariz pra cima. A torção ocorre em torno do eixo elástico, localizado a uma distancia ec
do centro aerodinâmico :
 y
   T
s
Os coeficientes da asa incluindo os controles são:

CL  a0  aW 0     aC 
CM  b0  bW 0     bC  bW  aW e
a0  b0 =0 para aerofólio simétrico
aW  1 aW
aC  cos 1  2E   2 E 1  E  bC   1  E   E 1  E  

     

E = corda da superfície de comando/corda total


A sustentação adicional devida
a aplicação do controle age em
volta de 2/3, 3/4 da corda.
Determinação de velocidade de reversão
A sustentação e o momento de arfagem sobre uma faixa dy com incidência da raiz θ0,
torção θ e rotação de controle β são
  y     y  
dL  qc dy  aW  0  T   aC   dM  qc dy bW  0  T   bC  
2

  s     s  
O trabalho feito pela sustentação é zero, porque a asa não é permitida rolar.
O trabalho feito pelo momento de arfagem através do ângulo incremental δθ, para
uma asa é

2   y  y
s
W  
wing
dM   qc 
0 
b


 W  0 s T  C  s T dy
 

 b 

A força generalizada em torção é

  W  2  bW bW bC 
QT   qc   0  T    s
 T   2 3 2 
A energia da deformação para uma asa é como antes

e aplicando as equações de Lagrange resulta

A torção da ponta de asa é dada por

qc 2 s qc 2 s
T   bW 0  bC     bW 0  bC  
 2GJ / s  2qc sbW / 3
2

2GJ  1 
q 

 qW 
Agora, consideramos o efeito devido ao controle de rotação, de forma isolada do
efeito da incidência de raiz. Desde bc é negativo, uma torção com nariz para baixo irá
resultar de um aumento do ângulo de controle ou da pressão dinâmica. A sustentação
por unidade de envergadura, devido a rotação de controle só pode ser determinada
como
dL  y 
 qc  aW T  aC  
dy  s 

Substituindo a expressão relevante da torção de ângulo da ponta, resulta

dL  qc 2 s 2 aW y 
 qc  bC  aC  
dy  2GJ 1  q / qW  s 

A sustentação total é
s
dL  qc 2 s 2 aW 
LW   dy  qcs  bC  aC  
0
dy  4GJ 1  q / qW  
O momento fletor na raiz devido a aplicação do controle é

s
dL  qc 2 2
s aW aC 
M Root  ydy  qcs 
2
bC   
0
dy  6GJ 1  q / qW  2
 qbC aC 
 qcs 
2
 
 2eqW 1  q / qW  2 

Na velocidade de reversão o momento na raiz é zero, então

qc 2 s 2 aW a
bC  C  0
6GJ 1  q / qW  2

Manipulando a álgebra, resulta:


qrev eaC

qW eaC  bC
e como bc é negativo, a pressão dinâmica na reversão é menor do que a pressão de
divergência da asa.
Efetividade de rolamento – caso da asa fixa
Uma medida da influência de flexibilidade da asa é fornecida por efetividade
(effectivness), que compara o comportamento de asas flexíveis e rígidas. Para uma asa
rígida engastada na raiz, a sustentação por unidade de envergadura devida a rotação
do controle é
dL
 qcaC 
dy

O momento fletor na raiz da asa rígida é

s
qcs 2 aC
M rigid   qcaC  ydy  
0
2
A efetividade do momento estático é definida como

momento fletor  flexível  1  q / qrev


C.E.satic moment  
momento fletor  rígido  1  q / qW

Caso raiz fixa: efetividade em rolamento e torção da ponta de asa/ângulo de controle vs. a
velocidade normalizada para a velocidade de reversão.
Próxima figura mostra por que a reversão de controle ocorra; a contribuição ao
momento de raiz devida a aplicação da superfície de controle aumenta linearmente
com a pressão dinâmica; no entanto, esta é cancelada na velocidade de reversão por
um momento de flexão na raiz que aumenta cada vez mais a torção do nariz da asa
para baixo.

Contribuição para o momento de flexão na raiz da asa pela superfície de controle e ângulo de
ataque.