Você está na página 1de 2

Nanociência e Nanotecnologia: uma abordagem química

Prof. Marcos M. da Silva Paula

Trata-se de resumo da palestra realizada pelo Conselho Regional de


Química do Amazonas (CRQ/AM) no dia 18 de junho de 2018 no Manaus Plaza
Shopping ministrada pelo Prof. Dr. Marcos M. da Silva Paula (bacharel em
química, mestre em química biomecânica e doutor em ciências e engenharia dos
materiais).
Inicialmente foi feita homenagem aos alquimistas, os quais foram
precursores da química moderna. Ademais, também foi feita uma homenagem a
Lavoisier o qual sistematizou o conhecimento relacionado a química. Além disso,
também foram citados os responsáveis pela organização do conhecimento
relacionado a nanotecnologia e a nanociência.
Destaca-se que Richard Feynman (1959) disse que ainda havia muito
espaço a utilizar, o mesmo foi defensor da miniaturização e previu a criação de
dispositivos cada vez menores. Posteriormente, em 1974, Norio Taniguchi
introduziu o termo nanotecnologia.
Pode-se dizer que a nanotecnologia é uma tecnologia transversal e
disruptiva dedicada à compreensão, controle e utilização das propriedades da
matéria. Nesse contexto, a nanotecnologia pode ser considerada a química da
vida, ou seja, é a ferramenta que a natureza utiliza para criar tudo que precisa e
existe. Nesse sentido, pode-se citar como exemplos de nanoelementos as
células, aminoácidos e ribossomos, os quais estão intrinsecamente relacionados
a vida.
Classifica-se um material como nano quando: as três dimensões do
material são menores que 100 nm, apenas uma dimensão é menor que 100 nm,
duas dimensões são menores que 100 nm ou quando todas as dimensões são
maiores que 100 nm, porém o material é formado por um conjunto de estruturas
0D, 1D e 2D.
Destaca-se que ao atuarmos na área da saúde ganha mais notoriedade o
efeito do material que seu tamanho no sentido de caracteriza-lo como nano. Não
obstante, deve-se ressaltar que a nanotecnologia não é nova, bem como está
diariamente presente em nosso dia a dia, haja vista a mesma estar inserida, por
exemplo, no sabão, maionese, detergente, algodão-doce etc.
Nesse sentido, é importante ressaltar que os elementos em nanoescala
são regidos por uma física completamente diferente daquela que rege os
materiais em macroescala, o que enseja propriedades distintas entre os
elementos. Assim, por exemplo, o mundo macro é normalmente seco, possui
inercia dominante, baixa viscosidade, baixa entropia, bem como é regido pela
gravidade e pela química convencional. Por sua vez, o mundo nano não é seco,
é regido pelo movimento Browniano, possui alta viscosidade, não há inércia,
sofre o efeito casimir, possui alta entropia, assim como ocorre forças superficiais
e o efeito “Stickness”.
Nesse âmbito, para se mover em nanoescala, as nanomáquicas e
nanorrobos devem lidar com um ambiente bastante inóspito, enfrentar um
elevado nível de viscosidade e um eterno balanço frenético, o qual recebe o
nome de movimento Browniano.
Ademais, nesse sistema ocorre o efeito Casimir, o qual é causado pelo
espaço vazio nos materiais que resulta na não linearidade do movimento de seus
constituintes. Assim, a área superficial específica de uma partícula aumenta com
a redução de seu tamanho, bem como materiais de mesma massa pode possuir
características totalmente distintas, o que muitas vezes resulta na menor
quantidade de materiais para a produção do mesmo efeito.
Assim, a nanociência pode possibilitar, por exemplo, a redução de
infecções hospitalares por meio de soluções que evitem a aderência de bactérias
em cateteres e sondas, pode propiciar o estímulo ao sistema imunológico,
contribuir no tratamento epiléptico, tuberculose, doenças reumáticas, assim
como pode contribuir para o diagnóstico e terapia do câncer.
Ademais, a nanotecnologia pode possibilitar a confecção de calçados com
alta aderência e adaptáveis a diferentes tipos de pavimentos por meio do
desenvolvimento de adesivos baseados em princípios existentes no movimento
de animais como, por exemplo, a largatixa e a cobra.
Nesse ínterim, o grafeno cuja descoberta ocorreu em 2004 por Andre
Geim e Kostya Novoselov surge como possível alternativa ao desenvolvimento
de vários produtos em praticamente todas as áreas existentes, pois este material
é super fino (espessura de um átomo), é quase transparente, super forte (100x
mais forte que o diamante e 200x mais forte que o aço), é flexível e esticável.
Além disso, o grafeno conduz calor e eletricidade mais rápido em temperatura
ambiente do que qualquer outro material, bem como carrega e descarrega
eletricamente até 1000x mais rápido do que as baterias convencionais.
Este material que em 2010 rendeu o prêmio Nobel, desde sua descoberta
já possibilitou 8.413 patentes em áreas como: supercomputadores, eletrônicos,
armazenamento de energia, telecomunicações, geração de energia etc.
No tocante a caracterização das nanopartículas, ressalta-se que a mesma
muitas vezes demanda a utilização de várias técnicas dentre as quais:
microscópio de transição eletrônica, microscópio de força atômica, difração de
raio-X e espectroscopia.
Ao final ressaltou-se que apesar do grande potencial que a
nanotecnologia possui, são necessários maiores estudos no sentido de avaliar
as diferentes consequências destas propriedades em sistemas biológicos, pois
a maior área superficial e reatividade das nanopartículas pode causar efeitos
tóxicos severos, haja vista a possibilidade de reação com um grande número de
moléculas.