Você está na página 1de 20

Apresentação

Seja bem-vindo(a) ao curso de Empreendedorismo – Como Elaborar um Plano


de Negócio!

Estudos no Brasil e no mundo mostram que os dois primeiros anos de atividade de


uma nova empresa são os mais difíceis, o que torna esse período o mais importante
em termos de monitoramento da sobrevivência. O plano de negócio, por ser um
instrumento de planejamento e de apoio à gestão, representa uma contribuição
para ampliar as chances de sucesso da empresa, pois permite traçar um retrato
realista do mercado e da estruturação necessária ao negócio, bem como das
atitudes empreendedoras que serão exigidas a cada momento. Elaborar um plano
de negócio propicia segurança para quem quer iniciar uma empresa com maiores
probabilidades de êxito e promover inovações em seu negócio. Após este curso,
você terá condições de elaborar seu plano de negócio, independentemente de estar
abrindo um novo empreendimento ou ampliando um já existente.

2
UNIDADE 1
Conceito de negócio e plano de negócio

Você sabia que empreendedores que planejam têm mais chances de obter sucesso em
seu negócio? O planejamento, no entanto, leva tempo e dedicação. Por isso, na Unidade
1, você conhecerá o que é um plano de negócio e a importância que esta ferramenta
representa para um empreendimento. Ao final, você deverá ser capaz de:

Compreender o que é negócio e o que é um Plano de Negócio.


Refletir sobre a importância do Plano de Negócio para o sucesso do empreendimento

• Compreender o que é negócio e o que é um Plano de Negócio.

• Refletir sobre a importância do Plano de Negócio para o sucesso do


empreendimento.

Conceito de negócio e plano de negócio


Embora, muitas vezes, seja definido como área de atuação, produtos, serviços,
comércio ou empresa, o negócio é a essência do que o empreendimento faz, ou seja, o
que a organização oferece de valor ao seu cliente. Podemos dizer então que negócio é
o âmbito de atuação do empreendimento.

O Plano de Negócio, descreve a forma como o negócio será construído, com etapas,
prazos, planilhas de custos, receitas etc.

Você sabia que existem duas formas de visão de um negócio?

Visão míope e a visão estratégica


Na visão míope, o empreendedor ainda não tem
conhecimento do âmbito de atuação do empreendimento
e se restringe aos produtos e serviços que podem ser
oferecidos.

Na visão estratégica, o empresário centra-se na análise


do valor. Ou seja, a primeira coisa que você precisa se
perguntar é:

3
O que você oferecerá de valor para o seu público-alvo?

Valor é a razão ou o motivo pelo qual pessoas adquirem seus produtos e serviços.
Você deve pensar se está atendendo a uma necessidade, resolvendo um problema
ou melhorando alguma situação existente.

Exemplo

Négocio
Empresa
Visão míope Visão Estratégica
Cacau Show Chocolate Presentes
Natura Cosméticos Beleza
Coca-cola Refrigerante Refrescar a vida

Refletindo sobre o que é realmente o negócio da minha empresa

Para tornar um negócio realidade, é preciso além de conhecer a realidade do


mercado, ter um perfil empreendedor e organizar bem seu plano de negócio. Comece
a pesquisar mais sobre o ramo que você pretendente atuar e procure o Sebrae da
sua cidade para obter ajuda.

Refletir sobre o que é realmente o negócio da sua empresa é um passo fundamental


dessa trajetória empreendedora e pode determinar o sucesso do seu negócio.

Como elaborar um plano de negócio

O Plano de Negócio é um instrumento vivo e dinâmico que visa planejar


detalhadamente a abertura, a expansão ou a manutenção de um negócio, sendo
também, uma importante ferramenta de comunicação.

Assim como é preciso planejar para construir uma casa, organizar uma festa, viajar
para o campo ou para o litoral, é necessário fazer um cuidadoso planejamento do
negócio, ou seja, a casa, a festa e a viagem não vão se realizar apenas pelo desejo ou
pelas ideias gerais estarem definidas mentalmente. Ideias nascem, porém, para que
elas se tornem realidade, é preciso construí-las passo a passo.

4
Para que uma viagem aconteça, é necessário escolher o local a ser visitado, decidir o
tempo da viagem, quanto dinheiro levar, comprar passagens, reservar hotel, arrumar
as malas, entre outras coisas. Assim, se para uma simples viagem é preciso planejar
e organizar tudo isso, imagine para abrir ou expandir um negócio. E empreender,
muitas vezes, é uma viagem para um lugar desconhecido, o que requer ainda mais
planejamento e preparação.

Para organizar as ideias é possível usar o plano de negócio, e eis um de seus benefícios
como ferramenta de planejamento. Nesta viagem ao mundo dos empreendedores, o
plano de negócio será como um mapa. O plano irá orientá-lo na busca de informações
sobre o ramo de atividade, os produtos e os serviços a serem oferecidos, bem como
os possíveis clientes, concorrentes, fornecedores e, principalmente, na identificação
e análise de pontos fortes e fracos do negócio, contribuindo assim para o estudo da
viabilidade da ideia e para a gestão da empresa.

Ao final, o plano de negócio ajudará a responder a seguinte pergunta:

Vale a pena abrir, manter ou ampliar o negócio?

Lembre-se de que a preparação de um plano de negócio é um grande desafio, pois


exige persistência, comprometimento, pesquisa, trabalho duro e muita criatividade.

O QUE É É PRECISO SABER PARA MONTAR UM PLANO DE


NEGÓCIO

Você sabe o que é um plano de negócio?

O plano de negócio é uma das ferramentas mais importantes para a carreira de um


empreendedor.

O plano irá orientá-lo na busca de informações detalhadas sobre o ramo, os produtos


e os serviços a serem oferecidos, bem como possíveis clientes, concorrentes,
fornecedores e, principalmente, sobre os pontos fortes e fracos do negócio,
contribuindo assim para a identificação da viabilidade da ideia e na gestão da
empresa.

5
Dados necessários
Conhecer o ramo de atividade, definir produtos e analisar o local de estabelecimento
constituem algumas medidas que o empreendedor tem de levar em consideração na
hora de montar o seu negócio.

Conhecer o ramo de atividade


É preciso conhecer alguns dados elementares sobre o ramo em que se pretende
atuar e as possibilidades de atuação no segmento. Exemplo: confecção é o ramo;
pode-se atuar com jeans, malha, linho, público infantil, adulto, feminino.

Conhecer o mercado consumidor


O estudo do mercado consumidor é importante para o empreendimento, pois abrange
as informações necessárias para a identificação dos prováveis compradores. O que
produzir, de que forma vender, qual o local adequado para a venda, qual a demanda
potencial para o produto. Essas são algumas indagações que podem ter respostas
mais adequadas quando se conhece o mercado consumidor.

Conhecer o mercado fornecedor


Para iniciar e manter qualquer atividade empresarial, a empresa depende de seus
fornecedores (mercado fornecedor). O conhecimento desse mercado se reflete nos
resultados pretendidos pela empresa. Mercado fornecedor é aquele que fornece à
empresa os equipamentos, máquinas, matéria-prima, mercadorias e outros materiais
necessários ao seu funcionamento.

Conhecer o mercado concorrente


O mercado concorrente compõe-se das pessoas ou empresas que oferecem
mercadorias ou serviços iguais ou semelhantes aos que você pretende oferecer.
Esse mercado deve ser analisado de maneira que sejam identificados: quem são
os concorrentes; quais mercadorias ou serviços oferecem; quais são as vendas
efetuadas pelo concorrente; quais os pontos fortes e fracos da concorrência;
fidelidade da clientela em relação à concorrência.

6
Definir produtos a serem fabricados, mercadorias a serem vendidas ou serviços a
serem prestados
É preciso conhecer detalhes do seu produto/serviço e oferecer produtos e serviços
que atendam às necessidades de seu mercado. Também é importante definir qual a
utilização do seu produto/serviço, qual embalagem será usada, tamanhos oferecidos,
cores, sabores etc.

Analisar a localização da empresa


Onde montar o negócio. Essa escolha pode significar a diferença entre o sucesso e o
fracasso de um empreendimento.

Conhecer o que é marketing


Marketing é um conjunto de atividades desenvolvidas pela empresa para que atenda
desejos e necessidades dos seus clientes. As atividades de marketing podem ser
classificadas em áreas básicas, que são traduzidas nos 4 “pês”: Produto, Pontos de
Venda, Promoção (Comunicação) e Preço. 

Processo operacional
Este item trata do “como fazer”. Devem ser abordadas questões como: que trabalho
será feito e quais as fases de fabricação/venda/prestação de serviços; quem fará;
com que material; com que equipamento; quando fará. É preciso verificar quem
possui conhecimento e experiência no ramo: o empreendedor, um futuro sócio, um
profissional contratado etc.

Projeção do volume de produção, de vendas ou de serviços


É prudente que o empreendedor ou empresário considere a necessidade e a procura
do mercado consumidor; os tipos de mercadorias ou serviços a serem colocados
no mercado; a disponibilidade de pessoal; a capacidade dos recursos materiais,
máquinas, instalações; a disponibilidade de recursos financeiros; a disponibilidade
de matéria-prima, mercadorias, embalagens e outros materiais necessários.

7
Projeção da necessidade de pessoal
Identifique o número de pessoas necessárias para o tipo de trabalho e que qualificação
elas deverão ter.

Análise financeira
É necessário fazer uma estimativa do resultado da empresa, a partir de dados
projetados, bem como uma projeção do capital necessário para começar o negócio,
pois há de fazer investimento em local, equipamentos, materiais e despesas diversas,
para a instalação e o funcionamento inicial da empresa.

Você sabe o que é um plano de negócio?

O plano de negócio é uma das ferramentas mais importantes para a atuação como
empreendedor. Ele irá orientá-lo na busca de informações detalhadas sobre o
mercado de atuação, os produtos e os serviços a serem oferecidos, bem como sobre
possíveis clientes, concorrentes, fornecedores e, principalmente, sobre os pontos
fortes e fracos do negócio, e as oportunidades e riscos identificados, contribuindo
para a identicação de estratégias e análise da viabilidade de oportunidade, assim
como para a gestão da empresa no dia a dia.

Momento de reflexão

Vale a pena abrir, manter ou ampliar o meu negócio?

Com certeza, sua intenção é que tudo dê certo, mas, para que isso ocorra, é
necessário fazer um cuidadoso planejamento. Elaborando um Plano de Negócio
você poderá responder a essa pergunta, pois se trata de uma ferramenta de
planejamento valiosa para quem quer maiores probabilidades de sucesso e
segurança na análise de informações para tomar decisões

Ter empreendedores de referência é uma fonte de inspiração para fazer mais e


melhor. Reflita sobre os empreendedores que você acabou de conhecer; eles
sonharam e abriram novas fronteiras para o empreendedorismo no Brasil.

8
Encerramento

Você concluiu a primeira unidade do curso. Aqui você conheceu que negócio é o que
define, de forma central, o foco de atuação do empreendimento, e que o Plano de
Negócio descreve como o negócio será construído ou expandido, com etapas, prazos,
planilhas de custos, previsão de receitas etc. Compreendeu que assim como é preciso
planejar para construir uma casa, organizar uma festa, viajar para o campo ou para o
litoral, também é necessário fazer um cuidadoso planejamento do negócio, seja para
sua abertura ou em momento de expansão

9
UNIDADE 2
O que preciso saber para montar meu plano de negócio?

Fazer um Plano de Negócio não é uma tarefa fácil, pois exige muita criatividade,
busca de informações e organização. Por isso, na Unidade 2, você conhecerá a
estrutura do Plano de Negócio e o que é necessário para sua elaboração. Ao final
você deverá ser capaz de:

• Conhecer a estrutura de um Plano de Negócio.


• Reconhecer o que é preciso para elaborar seu próprio plano.

Estrutura do plano de negócio

Se você pensa em abrir um negócio ou expandir sua atividade empreendedora, com


certeza sua intenção é que tudo dê certo, não é mesmo? Mas, para que isso ocorra,
é necessário fazer um bom planejamento.

Ao estruturar cuidadosamente seu Plano de Negócio você poderá concluir se


sua ideia é viável, e isso acontece pelo processo de buscar e analisar informações
sobre aspectos mercadológicos, técnicos, jurídicos e organizacionais, bem como
identificar os pontos fortes e fracos do seu empreendimento ou novo projeto.

Os tópicos que compõem a estrutura do Plano de Negócio são:

• Sumário Executivo
• Descrição da Empresa
• Plano de Marketing
• Plano Operacional
• Plano Financeiro

Um Plano de Negócio sempre começa pelo Sumário Executivo. Apesar de ser o


primeiro a ser apresentado, ele deve ser o último a ser elaborado.

10
Histórico da empresa

O histórico se encaixa na etapa de descrição da empresa e consiste


em relatar como surgiu a empresa ou oportunidade de negócio, em
que contexto, há quantos anos existe, as parcerias e os trabalhos já
realizados, se for o caso, de forma a aumentar sua credibilidade.

Ninguém tem interesse ou apoia um negócio que não conhece ou


não compreende sua origem, não é verdade?

Portanto, nesta etapa do plano não é necessário escrever todo o histórico em si,
mas a sua motivação maior para a criação ou expansão do negócio.

Missão da empresa
Você com certeza já entrou em uma empresa e viu um quadro ou uma placa na
parede com uma frase e título: Nossa missão.

A missão é o motivo pelo qual a empresa existe. Quando bem elaborada, permite
ao empreendedor definir a natureza e a direção fundamental do negócio, além de
definir a importância dada aos clientes.

Ela torna mais clara a compreensão do tipo de negócio no qual o empreendimento irá
operar. Por isso, é importante definir as responsabilidades que o empreendimento
assume perante as pessoas e instituições com as quais irá interagir.

Para estabelecer as motivações e definir a real missão de uma empresa, é necessário


responder algumas perguntas:

1 Por que seu negócio existe?


2 O que ele faz?
3 Qual é a sua função no mercado?
4 Quais são os pontos que o diferencia das demais?
5 Como pretende se posicionar no mercado?

A missão deve ser clara, com uma linguagem simples e objetiva, de forma que
qualquer pessoa de dentro ou fora da empresa consiga entendê-la.

11
Exemplo

McDonald’s
“Servir alimentos de qualidade, com rapidez e simpatia, num ambiente
limpo e agradável.”

Seara
“Atender e superar as expectativas dos nossos clientes e parceiros,
fornecendo produtos seguros e com qualidade diferenciada, através
de modernas tecnologias e elevada qualificação das pessoas, atuando
com responsabilidade social e ambiental e gerando valor para nossos
clientes, parceiros, empregados, acionistas e para a sociedade.”

Descrição legal da empresa

Na descrição legal o empreendedor deve informar a atividade, a forma jurídica e o


enquadramento tributário.

A forma jurídica determina a maneira pela qual a empresa será tratada pela lei, assim
como o seu relacionamento jurídico com terceiros.

As formas jurídicas mais comuns para Micro e Pequenas Empresas são:

Microempreendedor Individual Empresário Individual

Para ser um Microempreendedor Individual, É aquele que exerce, em nome próprio, uma
é necessário faturar no máximo R$ 60.000,00 atividade empresarial. É a pessoa física
ao ano e não ter participação em outra (natural) titular da empresa. O patrimônio
empresa como sócio ou titular da pessoa e o do empresário individual é o
mesmo, logo, o titular responderá de forma
ilimitada pelas dívidas.

12
Empresa Individual Sociedade Limitada
de Responsabilidade Limitada
É aquela que realiza atividade empresarial,
É aquela constituída por uma única pessoa formada por dois ou mais sócios que
titular da totalidade do capital social, contribuem com moeda ou bens avaliáveis
devidamente integrado, que não poderá ser em dinheiro para formação do capital
inferior a cem vezes o salário mínimo vigente social.
no país.

Sociedade Anônima

Também chamada de companhia, é a pessoa jurídica de direito privado composta por dois
ou mais acionistas, de natureza eminentemente empresarial, independente da atividade
econômica desenvolvida por ela (art. 13 da Lei nº6.404/1976), em que o capital social é dividido
em ações de igual valor nominal, que são de livre negociação, limitando-se a responsabilidade
do acionista ao preço de emissão das ações subscritas ou adquiridas.

O Empresário Individual, a Empresa Individual de Responsabilidade Limitada e a


Sociedade Limitada poderão se enquadrar como Microempresa ou Empresa de
Pequeno Porte, desde que atendam aos requisitos da Lei Complementar nº 123, de 14
de dezembro de 2006, e da Lei nº 12.441, de 11 de julho de 2011. O enquadramento
será efetuado mediante declaração para essa finalidade, cujo arquivamento deve
ser requerido em processo próprio.

No caso de startups, ao se desenvolverem, elas precisam adequar-se a essas


formas jurídicas determinadas. As startups que se encontram em estágio inicial
de desenvolvimento dos negócios podem ser apoiadas por investidores-anjo. Já
para grandes investimentos (fundos de capital de risco), muitas vezes é pedido a
formalização na condição de Sociedade Anônima (S/A).

Seu negócio deve se enquadrar também em um regime tributário, sendo eles: Simples
Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real.

13
Regimes tributários
Simples Nacional
Se enquadram nesse regime, Microempresas com
faturamento de até R$ 360 mil ao ano e Empresas
de Pequeno Porte com faturamento anual de até R$
3,6 milhões. Empresas que estejam na classificação
nacional de atividades econômicas, como indústrias,
comércios e alguns serviços não técnicos. A
unificação de impostos é a principal vantagem do
Simples. As alíquotas para indústria e comércio
variam de 4% a 12%, de acordo com a categoria em
que a empresa está inserida.

Lucro Presumido
Nessa modalidade, o lucro da empresa é presumido de acordo com a atividade
da empresa. Assim, os impostos sobre o lucro incidirão sobre a porcentagem do
faturamento predefinida pelo governo – serviços 32%; comércio 16%; indústria 8%.

Lucro Real
Nesse caso, os impostos pagos sobre o lucro – Imposto de Renda Pessoa Jurídica
(IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) – são calculados de
acordo com o Lucro Real obtido pela empresa, ou seja, a receita debitada dos custos
e despesas.

A análise de mercado

A análise de mercado consiste, especialmente, no estudo dos clientes, fornecedores


e concorrentes.

O estudo dos clientes é uma etapa muito importante, pois sem


eles não há negócio. Os clientes não compram apenas produtos,
mas soluções para algo que precisam ou desejam.

14
O estudo dos concorrentes serve para acompanhá-los. Por meio
desse acompanhamento, você identificará as boas práticas que os
levaram ao sucesso, bem como as que os levaram ao fracasso,
permitindo que você consiga se diferenciar no mercado. No estudo
dos concorrentes é importante estar atento à qualidade, ao preço,
às condições de pagamento, à localização, aos serviços, aos clientes
e às garantias oferecidas.

O estudo dos fornecedores compreende analisar as pessoas ou


empresas que fornecerão equipamentos, máquinas, matéria-
prima, mercadorias e outros materiais e serviços necessários
ao funcionamento e desenvolvimento das atividades do
empreendimento no seu ramo de atuação

Plano de marketing

A promoção também tem um importante papel no plano de marketing, pois é ela que
trata de toda ação que tem como objetivo apresentar, informar, convencer ou lembrar
os clientes de comprar os seus produtos e serviços, e não os dos concorrentes.

A promoção tem a função de estimular a demanda relacionando serviços às


necessidades e aos desejos dos seus clientes. A informação que deve ser repassada
através dos corretos canais de comunicação deve basear-se nas necessidades deles.

Lembre-se que a chave do sucesso está em atrair e reter a atenção do consumidor!

Agora chegou o momento de aprender como ocorre o Plano Operacional, que se


refere à forma como as organizações produzem seus produtos e serviços.

Plano Operacional

O Plano Operacional descreve como a empresa é organizada, sua capacidade de


produzir, vender ou prestar serviços, infraestrutura, layout e os recursos humanos
necessários.

15
Layout

No layout (ou arranjo físico) você deverá ilustrar o modo como estão
organizados os equipamentos e a infraestrutura necessária para o
funcionamento da empresa. Nesta etapa é necessário considerar
os setores da empresa, os equipamentos necessários, os móveis e
outros recursos imprescindíveis conforme a atividade desenvolvida
como: matérias-primas, produtos acabados, estantes, gôndolas,
vitrines etc.

Capacidade produtiva

A capacidade produtiva consiste em estimar a capacidade instalada


da empresa, isto é, o quanto pode ser produzido ou quantos clientes
podem ser atendidos com a infraestrutura existente. Fique atento
à ociosidade e ao desperdício!

Processos operacionais

Os processos operacionais consistem no registro de como a


empresa irá funcionar. É importante descrever o passo a passo de
como será a fabricação dos produtos, a rotina administrativa, a
prestação de serviços etc.

Necessidade de pessoal

A necessidade de pessoal consiste na projeção de pessoal necessário


para o funcionamento do negócio, ou seja, o empresário precisa
saber quantas pessoas são necessárias para o bom funcionamento
do negócio, o que inclui sócios, familiares e pessoas a serem
contratadas.

16
Custos que são calculados no plano financeiro

A estimativa dos custos para elaboração do Plano Financeiro consiste no


levantamento dos custos fixos, da matéria-prima, dos materiais diretos e
terceirização, comercialização, mão de obra e depreciação.

Conheça quais custos deverão ser calculados no plano financeiro:

Custos fixos Custos variáveis

Custos fixos são todos os gastos que não se Os custos variáveis se alteram de acordo
alteram em função do volume de produção ou com a produção ou as vendas realizadas.
da quantidade vendida em um determinado Estão relacionados com matéria-prima,
período. Exemplo: aluguel, contador etc. materiais diretos e terceirização.

Custos de comercialização Custos com mão de obra

Os custos de comercialização são registrados Os custos com mão de obra incluem os


como gastos com impostos e comissões de salários das pessoas que serão contratadas,
vendedores ou representantes. se necessário, para a operacionalização
do negócio. Deve incluir os custos com
encargos sociais – Fundo de Garantia do
Tempo de Serviço (FGTS), férias, 13º salário,
Instituto Nacional do Seguro Social (INSS),
horas extras, aviso prévio etc.

Custo de depreciação

O custo de depreciação refere-se à perda de valor sofrida pelos objetos com o decorrer
do tempo e em função da sua utilização, tais como máquinas, equipamentos, veículos,
ferramentas, imóveis e outros. O cálculo da depreciação é feito da seguinte forma:

Depreciação = valor de mercado – valor residual

vida útil

Valor de mercado = valor atualizado do bem.


Valor residual = valor pelo qual o bem será vendido ao final da sua vida útil.
Vida útil = estimativa em anos da vida do bem.

17
Análise de Cenários e Análise Estratégica
Após a finalização do seu plano de negócio, simule valores e situações diversas para a
empresa. Prepare cenários em que o negócio obtenha resultados pessimistas (queda
nas vendas e/ou aumento dos custos) ou otimistas (crescimento do faturamento e
diminuição de despesas). A partir daí, pense em ações para evitar e prevenir-se frente
às adversidades ou então para potencializar situações favoráveis. Faça quantas
simulações julgar necessário e tenha sempre alternativas de ações (plano B).

Na construção de cenários é fundamental considerar algumas possibilidades:

• Nos primeiros meses, as vendas podem ser menores que o previsto.


• O início das atividades pode ser um pouco mais demorado que o programado.
• Estratégias de marketing podem não surtir os efeitos esperados em um curto
prazo.
• Pode haver a necessidade de obter mais recursos financeiros que o planejado.
• Possíveis reações de concorrentes.

Planejar estrategicamente significa conciliar as oportunidades oferecidas pelo ambiente


externo às condições internas, favoráveis ou não, da empresa, de modo a satisfazer os
objetivos futuros.

Momento de reflexão

Exercite seu comprometimento e persistência na elaboração do plano de negócio,


afinal quanto mais você conhecer sobre o mercado e sobre o ramo no qual pretende
atuar, possivelmente melhor e mais completo será seu plano.

Encerramento
Nesta unidade você conheceu a estrutura de um Plano de Negócio e quais as etapas
para elaborá-lo. Compreendeu que o Sumário Executivo, apesar de ser o primeiro
conteúdo a ser apresentado no Plano, deve ser o último a ser elaborado. Você
entendeu também que fazem parte do Plano de Negócio os planos de marketing,
financeiro e operacional, bem como que ao final da sua elaboração é necessário fazer
uma análise de diferentes cenários e uma análise estratégica.

18
Encerramento

Você chegou ao final do curso!

Para conquistar a vitória nos esportes coletivos, os técnicos planejam suas


estratégias antecipadamente. Visualizam as oportunidades nas áreas mais fracas
dos adversários e ficam atentos às habilidades dos seus craques, ao local do jogo, à
torcida, à situação na tabela do campeonato e cuidam dos pontos fortes e fracos da
sua equipe.

Da mesma maneira, você deve aprender a planejar a sua empresa.

Boa sorte, ou melhor dizendo, bom trabalho! E tenha claro que começar já é a
metade de toda a ação.

19