Você está na página 1de 21

1

PREGÃO DO JÚRI

Esta instalada a primeira reunião, seção única, onde será submetido a


julgamento pelo tribunal do júri, em data de hoje nos autos de processo crime
sob nº 01/2015, a que responde neste juízo
os réus:
1. Sr. Douglas Dordal
2. Sr. Edgar Elias Martins;
3. Sr.ª Eliane Silva Proença;
4. Sr.ª Geovana Assis Peres, pela prática do crime capitulado no
art.121caput do código penal, tendo como
Juiz Presidente a Excelentíssima Dra.: GREICE KELLY PADILHA OLIVEIRA
e Juízes auxiliares:
1. Excelentíssimo Dr. Aguinaldo Rodrigues dos Santos;
2. Excelentíssima Dr.ª Aline Terra Ribeiro Souza;
3. Excelentíssima Dr.ª Andressa Maia Ramos;
4. Excelentíssima Dr.ª Camila Amancio Romagnoli;
5. Excelentíssima Dr.ª Camila Leticia Castelari da Silva;
6. Excelentíssima Dr.ª Carolina Picinato;
7. Excelentíssimo Dr. Eliel Kariston Silva Vidal;
8. Excelentíssima Dr.ª Isabela Razalkiewicz Alves;
9. Excelentíssima Dr.ª Renata Cristina,

Estando a acusação a cargo dos PROMOTORES DE JUSTIÇA:


1. Dr. Alex Augusto de Assis Machado;
2. Dr.ª Amanda Nascimento Neves;
3. Dr. Anesio Francisquini Filho;
4. Dr. Antonio Marcos Bueno da Costa;
5. Dr.ª Beatriz Cugini Correa Lima;
6. Dr.ª Bianca Alves dos Santos;
7. Dr.ª Cintia Lorena de Carvalho Moraes;
8. Dr.ª Flavia Galvão Huida;
9. Dr. Flavia Hiorrana Libanare Silvia;
10. Dr. Gean Carlos de Souza Semchechem;
11. Dr. Guilherme Henrique Furlaneto Gheller,
2

e a DEFESA a cargo dos Doutores:


1. Dr. Adail Magin Martins;
2. Dr. Anderson Vale de Oliveira;
3. Dr.ª Bruna Fernanda Lepique Bueno;
4. Dr. Charles Antonio Vicente dos Santos;
5. Dr. Daniel Augusto Martins Gutierrez;
6. Dr.ª Dara Naiane Pereira da Siva;
7. Dr. Dhon Marcos Kolcheski de Lima;
8. Dr. Emerson Semchechem Fernandes;
9. Dr. Icaro Jacovassi;
10. Dr.ª Iraci Ianczen Rodrigues.

SENDO JURADOS OS SENHORES:


1. Sr. Allysson Rodrigo Dionisio;
2. Sr.ª Amalia Alves Leonel;
3. Sr. Andréia de Araújo Miguel;
4. Sr.ª Andressa Silva Gonçalves;
5. Sr.ª Cleide dos Santos Cavalheiro Pereira;
6. Sr.ª Helen Cristina de Oliveira;
7. Sr.ª Hevelin Harthman Pedro.

IRAO DEPOR em plenário as testemunhas:


Sr.ª Simone Cristina Ronquini Milhorini (médica)
Sr.ª Matheus Bernardes Rocha (amigo e colega de trabalho da vítima)

Toque da campainha plimmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm

OFICIAL DE JUSTIÇA: Francielli Karine de Paula


Solicito aos presentes que fiquem de pé para a entrada dos Juízes,
ainda que desliguem seus telefones celulares e mantenham silêncio.
3

A Oficial de Justiça Fracielli Karine de Paula chama os juízes.


NOMEIA UM A UM, CONFORME A ENTRADA:
como Juiz Presidente Excelentíssima Dr.ª: Greice Kelly Padilha Oliveira e
e Juízes auxiliares:
1. Excelentíssimo Dr. Aguinaldo Rodrigues dos Santos;
2. Excelentíssima Dr.ª Aline Terra Ribeiro Souza;
3. Excelentíssima Dr.ª Andressa Maia Ramos;
4. Excelentíssima Dr.ª Camila Amancio Romagnoli;
5. Excelentíssima Dr.ª Camila Leticia Castelari da Silva;
6. Excelentíssima Dr.ª Carolina Picinato;
7. Excelentíssimo Dr. Eliel Kariston Silva Vidal;
8. Excelentíssima Dr.ª Isabela Razalkiewicz Alves;
9. Excelentíssima Dr.ª Renata Cristina,

Em seguida entram os juízes.

Juiz Presidente Excelentíssima Dr.ª GREICE KELLY PADILHA OLIVEIRA:


“Declaro instalados os trabalhos preparatórios da primeira sessão da
1ª reunião do TRIBUNAL DO JÚRI DA COMARCA DE IVAIPORÃ-PR,
na qual serão julgados os réus:
1. Sr. Douglas Dordal;
2. Sr. Edgar Elias Martins;
3. Sr.ª Eliane Silva Proença e
4. Sr.ª Geovana Assis Peres, nos autos de ação penal
número 01/2015 que lhe move o MINISTÉRIO
PÚBLICO como incurso nas sanções do art.121
Caput do Código Penal.”

Oficial de justiça: Francielli Karine de Paula


“Que ocupem seus lugares os Senhores Jurados convocados por esta corte,
1. Sr. Allysson Rodrigo Dionisio;
2. Sr.ª Amalia Alves Leonel;
3. Sr. Andréia de Araújo Miguel;
4. Sr.ª Andressa Silva Gonçalves;
5. Sr.ª Cleide dos Santos Cavalheiro Pereira;
6. Sr.ª Helen Cristina de Oliveira;
7. Sr.ª Hevelin Harthman Pedro,
4

Advirto-os ainda, que depois de convocados os jurados não poderão


comunicar-se com outrem, nem manifestar sua opinião sobre o processo,
sob pena de exclusão.
Que se façam presentes os réus:
1. Sr. Douglas Dordal
2. Sr. Edgar Elias Martins;
3. Sr.ª Eliane Silva Proença;
4. Sr.ª Geovana Assis Peres, Podem sentar-se.

Juiz Presidente Excelentíssima Dr.ª :GREICE KELLY PADILHA DE


OLIVEIRA: “ Os senhores jurados não poderão comunicar-se com outrem, nem
manifestar sua opinião sobre o processo, nem se comunicarem entre si, sob
pena de exclusão do conselho e multa.”

Oficial de justiça: FRANCIELLI KARINE DE PAULA


“Convoco a todos para que se ponham em pé para o juramento do CONSELHO
SENTENÇA.”

Juíza auxiliar Excetíssima Dr.ª CAMILA LETICIA CASTELARI DA SILVA:


“Srs: JURADOS:
Em nome da lei, concito-vos a examinar com imparcialidade esta causa e a
proferir a vossa decisão, de acordo com vossa consciência e os ditames da
justiça.”

Jurados (todos)
ASSIM EU PROMETO.

Juíza auxiliar Excetíssima Dr.ª CAMILA LETICIA CASTELARI DA SILVA:


“Podem sentar-se.”
5

Leitura da peça do processo pela juíza auxiliar Excelentíssima Dr.ª ALINE


TERRA RIBEIRO SOUZA: Peça em anexo.

Os quatro acusados são membros da Sociedade Espeleológica – uma


organização amadorística de exploração de cavernas. Em princípios de Março
do ano de 2015, adentraram eles, em companhia de Lucas Andrade de
Almeida na época também membro da Sociedade, no interior de uma caverna
de rocha de calcário do tipo que se encontra no Planalto Central desta
comunidade. Já bem distante da entrada da caverna, ocorreu um
desmoronamento de terra; pesados blocos de pedra foram projetados de
maneira que bloqueou completamente a sua única abertura. Quando os homens
aperceberam-se da situação difícil em que se achavam, concentraram-se
próximo a entrada obstruída, na esperança de que uma equipe de socorro
removesse o entulho que os impedia de deixar a prisão subterrânea. Não
voltando Lucas e os acusados à suas casas, o secretário da sociedade foi
notificado pelas famílias dos acusados. Os exploradores haviam deixados
indicações, na sede da Sociedade à localização da caverna que propunham
visitar. A equipe de socorro foi prontamente enviada ao local.
A tarefa revelou-se extremamente difícil. Foi penal suplementar as forças de
resgate originais mediante repetidos acréscimos de homens e maquinas, que
tinham de ser transportados à remota e isolada região, que demandava elevados
gastos. Um enorme campo temporário de trabalhadores, engenheiros, geólogos
e outros técnicos, foram instalados. O trabalho de desobstrução foi muitas vezes
frustrados por novos deslizamentos de terra. Em um destes, dez operários
contratados morreram. Os fundos da Sociedade Espeleológica exauriram-se
rapidamente e a soma de oitocentos mil frelares, obtida em parte por subscrição
popular, e em parte por subversão legislativa, foi gasta antes que os homens
pudessem ser liberados, o que só conseguiu no trigésimo segundo dia após sua
entrada na caverna.
6

Juiz Auxiliar: Excelentíssimo Dr. ELIEL KARISTON DA SILVA VIDAL,


(Leitura PARCIAL da peça do processo)

Desde que soube que os exploradores tinham levado consigo apenas escassas
provisões e se ficou também sabendo que não havia substancia animal ou
vegetal na caverna que lhes permitissem subsistir, temeu-se que eles
morressem de inanição antes que o acesso até o ponto em que se achavam que
se tornasse possível. No vigésimo dia a partir da ocorrência da avalanche,
soube-se que os exploradores tinham levados consigo para a caverna um rádio
transistorizado capaz de receber e enviar mensagens. Instalou prontamente um
aparelho semelhante no acampamento, estabelecendo-se deste modo a
comunicação com os desafortunados homens no interior da montanha. Pediram
estes que lhes informassem quanto tempo seria necessário para libertá-los. Os
engenheiros responsáveis pela operação de salvamento responderam que
precisavam de pelo menos dez dias, a condição que não ocorressem novos
deslizamentos. Os exploradores perguntaram então se havia algum medico no
acampamento, tendo sido postos em comunicação com a comissão destes, a
qual descreveram sua condição e as rações de que dispunham, solicitando uma
opinião acerca da probabilidade de subsistirem sem alimento por mais dez dias.
O presidente da comissão respondeu-lhes que havia escassa probabilidade de
sobrevivência por tal lapso de tempo. O radio dentro da caverna silenciou a partir
daí durante oito horas. Quando a comunicação foi restabelecida os homens
pediram novamente para fala com os médicos, e que conseguido, Lucas
Andrade de Almeida falando em seu próprio nome e em representação dos
demais, indagou-se eles seriam capazes de sobreviver por mais dez dias se se
alimentassem da carne de um dentre eles.O presidente da comissão respondeu,
a contragosto, em sentido afirmativo.
7

Juiz Auxiliar: Excelentíssimo Dr. AGUINALDO RODRIGUES DOS SANTOS,


(Leitura PARCIAL da peça do processo)

Lucas Andrade de Almeida inquiriu se seria aconselhável que tirassem sorte


para determinar qual dentre deles deveria ser sacrificado. Nenhum se atreveu a
enfrentar a questão, Lucas Andrade de Almeida quis saber então se havia
então um juiz ou outra autoridade governamental que se dispusesse a responder
á pergunta. Nenhuma das pessoas integrantes da missão de salvamento
mostrou-se disposta a assumir o papel de conselheiro neste assunto Lucas
Andrade de Almeida insistiu se algum sacerdote poderia responder aquelas
interrogações, mas não se encontrou nenhum que quisesse fazê-lo. Depois
disso não se recebeu mais mensagens de dentro da caverna, supondo
(erroneamente como depois se evidenciou) que as pilhas do radio dos
exploradores tinham descarregado. Quando os homens foram finalmente
libertados soube-se que, no vigésimo terceiro dia após sua entrada na caverna,
Lucas tinha sido morto e servido de alimento a seus companheiros.

Das declarações dos acusados, aceita pelo júri, evidencia-se que Lucas
Andrade de Almeida foi o primeiro a propor que buscassem alimento na carne
de um dentre eles, sem o que a sobrevivência seria impossível. Foi também
quem primeiro propôs a forma de tirar a sorte, chamando a atenção dos
acusados para um par de dados que casualmente trazia consigo. Os acusados
inicialmente hesitaram adotar um comportamento tão desatinado, mas, após o
dialogo acima relatado, concordaram com o plano proposto. E depois de muita
discussão com respeito aos problemas matemáticos que o caso suscitava,
chegaram por fim a um acordo sobre o método a ser empregado para a solução
do problema: os dados.
Entretanto, antes que estes fossem lançados, Lucas Andrade de Almeida
declarou que desistia do acordo, pois havia refletido e decidido esperar outra
semana antes de adotar um expediente tão terrível e odioso. Os outros o
acusaram de violação do acordo e procederam a lançamento dos dados. Quando
chegou a vez de Lucas um dos acusados atirou-os em seu lugar, ao mesmo
tempo em que se lhe pediu para levantar quaisquer objeções quanto á correção
do lanço. Ele declarou que não tinha objeções a fazer. Tendo sido adversa a
sorte, foi morto.
Após o resgate dos acusados e depois de terem permanecido algum tempo em
um hospital onde foram submetidos a tratamento de desnutrição e choque
emocional, encontram-se aqui neste momento para responder pelo homicídio de
Lucas Andrade de Almeida.
8

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAROLINA PICINATO


(Leitura PARCIAL da peça do processo)

Procedo ao questionamento dos réus e advirto-os que não estão obrigados a


responder as perguntas, mas que seu silêncio poderá ser interpretado em
prejuízo para sua defesa. Além de advertir aos réus que falem auto, de maneira
que os jurados possam ouvi-los.

Interrogatório feito pela Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAROLINA


PICINATO.

1. Sr. Douglas Dordal: (Se Levanta)


“Quando na data do fato citada no processo, o Sr. tinha conhecimento de
que a atividade de explorar aquela caverna oferecia riscos?”
(Após a resposta.)
“pode sentar-se”

2. Sr. Edgar Elias Martis: (Se Levanta)


“Vocês tinham conhecimento do perigo que corriam, o porquê levaram tão
pouca comida? “
(Após a resposta...)
“ pode sentar-se”

3. Sr.ª Eliane Silva Proença: (Se Levanta)


“Mesmo para espeleólogos iniciantes, era de conhecimento do grupo o tipo
de rocha que ora era explorada? “
(Após a resposta...)
“ pode sentar-se”

4. Sr.ª Geovana Assis Peres :(Se Levanta)


“Qual eram as condições psicológicas, quando o grupo tomou a decisão de
por em prática o acordo proposto?”
(Após a resposta...)
“ pode sentar-se”

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAROLINA PICINATO


“SENHORES PROMOTORES TEM ALGUMA PERGUNTA PARA OS
RÉUS?”
9

Promotor: Dr. Alex Augusto de Assis Machado


Sim, Excelência.

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAROLINA PICINATO


“ É dada a palavra a Vossa Excelência: Dr. Alex Augusto de Assis Machado”

Promotor: Dr. Alex Augusto de Assis Machado


Sr. Douglas Dordal
(PERGUNTA DA PROMOTORIA).
Dr. Alex Augusto de Assis Machado, representante do Ministério Publico, Sr.
promotor que terá 2 minutos.

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAROLINA PICINATO


“Por favor, Sr. Douglas Dordal, queira responder à pergunta.”
(Depois que responde)
“Pode sentar-se.”

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAROLINA PICINATO


“Senhores advogados da defesa, têm alguma pergunta para aos réus?”

Advogado de Defesa: Dr. Dhon Marcos Kolcheski de LIma


Sim, Excelência!

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAROLINA PICINATO

É dada a palavra ao Senhor Dr. Dhon Marcos Kolcheski de LIma

Advogado de Defesa: Dr. Dhon Marcos Kolcheski de LIma


Sr. Edgar Elias Martins (PERGUNTA DA DEFESA)

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAROLINA PICINATO


“Sr. Edgar Elias Martins, queira responder à pergunta.”
(Depois que responde) “Pode sentar-se.”
10

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS


“Srs. Doutores advogados da promotoria gostariam de apresentar as
testemunhas agora?”

Promotoria: Dr. Guilherme Henrique Furlaneto Gheller


“SIM, Exma. Dr.ª Juíza gostaríamos de chamar o Sr. MATHEUS
BERNARDES ROCHA (amigo e colega de trabalho da vítima)

.
Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS
“Sr. MATHEUS BERNARDES ROCHA queira se apresentar.”

Promotoria: Dr. Guilherme Henrique Furlaneto Gheller


(PERGUNTA DA PROMOTORIA)

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS


“Por favor, Sr. Matheus Bernardes Rocha queira responder à pergunta.”
(Depois que responde)
“Pode sentar-se.”

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS


“Srs. Doutores advogados da defesa tem alguma pergunta para a
testemunha da acusação?”

Advogado de Defesa: Dr. ª Dara Naiane Pereira da Silva


“Sim Excelência “
(Elaborar a Pergunta).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS


“Por favor, Sr.ª Matheus Bernardes Rocha, queira responder à
pergunta.”
(Depois que responde)
“Pode sentar-se.”

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS


“Sr. Matheus Bernardes Rocha, está DISPENSADO.”
11

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS


“Srs. Doutores advogados de defesa gostariam de apresentar as
testemunhas agora?”

Advogado de Defesa: Dr. Anderson Vale de Oliveira


“SIM, Exma. Dra. Juíza gostaríamos de chamar a Sr.ª SIMONE CRISTINA
RONQUINI MILHORINI (médica)“

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS


“Sr.ª Simone Cristina Ronquini Milhorini , queira se apresentar.”

Advogado de Defesa: Dr. Anderson Vale de Oliveira


(PERGUNTA DA DEFESA)

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ANDRESSA MAIA RAMOS


“Por favor, Sr.ª Simone Cristina Ronquini Milhorini , queira responder
à pergunta.”
(Depois que responde)
“Pode sentar-se.”

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAMILA AMANCIO ROMAGNOLI


“Srs. Doutores advogados da Promotoria têm alguma pergunta para a
testemunha da defesa?”

Promotoria: Dr. Antonio Marcos Bueno da Costa


“Sim Excelência”
. (PERGUNTA DA PROMOTORIA).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAMILA AMANCIO ROMAGNOLI


“Por favor, Sr.ª Simone Cristina Ronquini Milhorini , queira responder
à pergunta.”
(Depois que responder)
“ Pode sentar-se.”

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAMILA AMANCIO ROMAGNOLI


“Srª Simone Cristina Ronquini Milhorini está DISPENSADA.”
12

PROMOTORIA - Debates
Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES
(deverá controlar o tempo e avisar quando faltar 1 minuto e, quando o tempo
tiver encerrado).
“É dada a palavra a Dr.ª Bianca Alves dos Santos, representante do
Ministério Publico, Sr.ª promotora terá 1 minuto.”

Promotoria : Dr.ª Bianca Alves dos Santos


DISCURSO. (1 minuto).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra à Dr.ª Cintia Lorena de Carvalho Moraes que terá 1
minuto.

Promotoria: Dr.ª Cintia Lorena de Carvalho Moraes


DISCURSO. ( 1 minuto).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra a Dr.ª Flavia Galvão Huida que terá 1 minuto.”

Promotoria: Dr.ª Flavia Galvão Huida


DISCURSO. (1 minuto).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra a Dr.ª Flavia Hiorrana Libanare Silva que terá 1
minuto.”
Promotoria: Drª.Flavia Hiorrana Libanare Silva
DISCURSO. (1 minuto).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra ao Dr. Gean Carlos de Souza Semchechem, que terá
1 minuto.”
Promotoria: Dr. Gean Carlos de Souza Semchechem
DISCURSO. (1 minuto).
13

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra ao Dr. Guilherme Henrique Furlaneto Gheller que
terá 1 minuto.”

Promotoria: Dr. Guilherme Henrique Furlaneto Gheller


DISCURSO. (1 minuto).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra ao Dr. Alex Augusto de Assis Machado que terá 1
minuto.”

Promotoria: Dr. Alex Augusto de Assis Machado


DISCURSO. (1 minuto).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra a Dr.ª Amanda Nascimento Neves que terá 1 minuto.”

Promotoria: Dr.ª Amanda Nascimento Neves


DISCURSO. (1 minuto).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra ao Dr. Anésio Francisquini Filho que terá 1 minuto.”
Promotoria: Dr. Anesio Francisquini Filho
DISCURSO. (1 minuto).

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“É dada a palavra ao Dr. Antonio Marcos Bueno da Costa que terá 1
minuto.”
Promotoria: Dr. Antonio Marcos Bueno da Costa
DISCURSO. (1 minuto).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª ISABELLA RAZALKIWICZ ALVES


“Encerrando a Dr. ª Beatriz Cugini Correa Lima que terá 1 minuto.”
Promotoria: Dr.ª Beatriz Cugini Correa Lima
DISCURSO. (1 minuto).
14

ADVOGADOS DE DEFESA - Debates

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


(deverá controlar o tempo e avisar quando faltar 1 minuto e, quando o
tempo tiver encerrado).
“É dada a palavra ao advogado de defesa, Dr. Daniel Augusto Martins
Gutierrez, que terá 1 minuto.”

Advogado de Defesa: Dr. Daniel Augusto Martins Gutierrez


DISCURSO. (1 minuto).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“É dada a palavra à Dr.ª Dara Naiane Pereira da Silva que terá 2
minutos.”

Advogada de Defesa: Dr.ª Dara Naiane Pereira da Silva


DISCURSO. (1 minutos).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“É dada a palavra a Dr.ª Iraci Ianczen Rodrigues que terá 1 minuto.”

Advogada de Defesa: Dr.ª Iraci Ianczen Rodrigues


DISCURSO. (1 minuto).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“É dada a palavra ao Dr. Anderson Vale de Oliveira que terá 1 minuto.”

Advogado de Defesa: Dr. Anderson Vale de Oliveira


DISCURSO. (1 minuto).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“É dada a palavra ao Dr. Charles Antonio Vicente dos Santos que terá
1 minuto”.
Advogado de Defesa: Dr. Charles Antonio Vicente dos Santos
DISCURSO. (1 minuto).
15

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“É dada a palavra ao Dr. Icaro Jacovassi que terá 1 minuto.”

Advogado de Defesa: Dr. Icaro Jacovassi


DISCURSO. (1 minuto).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“É dada a palavra ao Dr. Adail Magin Martins que terá 1 minuto.”

Advogada de Defesa: Dr. Adail Magin Martins


DISCURSO. (1 minuto).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“É dada a palavra ao Dr. Emerson Semchechem Fernandes que terá 1
minuto.”

Advogado de Defesa: Dr. Emerson Semchechem Fernandes


DISCURSO. (1 minuto).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“É dada a palavra ao Dr. Dhon Marcos Kolcheski de Lima que terá 1
minuto.”

Advogado de Defesa: Dr. Dhon Marcos Kolcheski de Lima


DISCURSO. (1 minuto).

Juiz Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª RENATA CRISTINA


“Encerrando ao Dr. Bruna Fernanda Lepique Bueno que terá 1 minuto.”

Advogado de Defesa: Dr.ª Bruna Fernanda Lepique Bueno


DISCURSO. (1 minuto).
16

PROMOTORIA – Debates - RÉPLICA

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª IZABELLA RAZALKIEWICZ ALVES


(deverá controlar o tempo e avisar quando faltar 1 minuto e, quando o tempo tiver encerrado).
“Querem os Senhores representantes do Ministério Público, Utilizar a

Réplica?”
Sim Excelência
(3 VOLTAM A FALAR).
 É dada a palavra a Dr.ª Bianca Alves dos Santos representante do
Ministério Público, Sra. promotora que terá 2 minutos.

 É dada a palavra a Dr.ª Beatriz Cugini Correa Lima que terá 2 minutos.

 É dada a palavra a Dr.ª Cintia Lorena de Carvalho Moraes que terá 2


minutos.
17

ADVOGADOS DE DEFESA – Debates -


RÉPLICA

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª IZABELLA RAZALKIEWICZ ALVES


(deverá controlar o tempo e avisar quando faltar 1 minuto e, quando o tempo
tiver encerrado).

“Querem os Doutores advogados de defesa, utilizar a Réplica? “

SIM EXCELÊNCIA
(3 VOLTAM A FALAR)

 É dada a palavra ao Dr. Anderson Vale de Oliveira que terá 2 minutos.

 É dada a palavra ao Dr. Charles Antonio Vicente dos Santos que terá
2 minutos.

 É dada a palavra ao Dr. Dhon Marcos Kolcheski de Lima que terá 2


minutos.
18

PROMOTORIA – Debates - TRÉPLICA

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª IZABELLA RAZALKIEWICZ ALVES


(deverá controlar o tempo e avisar quando faltar 1 minuto e, quando o tempo tiver encerrado).

“Querem os Doutores o representante do Ministério Público, Utilizar a Tréplica?”


- (SOMENTE UM FALA).
PROMOTORIA: Dr.ª Beatriz Cugini Correa Lima
“Sim! Excelência.”

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª IZABELLA RAZALKIEWICZ ALVES


“É dada a palavra: Dr.ª Beatriz Cugini Correa Lima que terá de 2 a 5 minutos.”
19

ADVOGADOS DE DEFESA – Debates -


TRÉPLICA

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª IZABELLA RAZALKIEWICZ ALVES


(deverá controlar o tempo e avisar quando faltar 1 minuto e, quando o tempo tiver encerrado).

“Querem os Doutores Advogado da Defesa, Utilizar a Tréplica?”-


(SOMENTE UM FALA).

Advogado de Defesa: Dr. ?????????????????????????


“Sim! Excelência.” Ou Não Excelência

?????????????
Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª IZABELLA RAZALKIEWICZ ALVES
“É dada a palavra: ao Dr Adail Magin Martins que terá 2 a 5 minutos
20

Pronunciamento ao Júri

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAMILA AMANCIO ROMAGNOLI


(Pronunciamento ao Júri)
“Senhores jurados, Estão os Senhores habilitados a julgarem ou precisam
de mais esclarecimentos?”

[Jurados]
“SIM!”

Juíza Auxiliar: Excelentíssima Dr.ª CAMILA AMANCIO ROMAGNOLI


“Convoco o Ministério Público, a Defesa e os Senhores Jurados a me
acompanharem ao local indicado pela oficial Francielli Karine de Paula, mais
precisamente aos senhores jurados a manifestarem seus votos sob o art. 487 do
Código de Processo Penal.”

(ORDEM DE SAÍDA: Excelentíssimos Drs. Juízes, Srs. Jurados, Oficial de


Justiça, 01 Representante da Promotoria e 01 Representante da Defesa)
ENCERRADA A VOTAÇAO.

Oficial de Justiça: Francielli Karine de Paula


“Solicito aos Srs. PRESENTES, que fiquem em pé para o retorno dos
Excelentíssimos Doutores Juízes, Srs. Jurados e Doutores Representantes da
Promotoria e da Defesa, para a continuidade desta sessão.”
(APÓS A ENTRADA DOS JUÍZES)
“Podem Sentar-se”
“Que se levantem os réus para o pronunciamento da sentença.”
21

Juiz Presidente: Excelentíssima Dr.ª Greice Kelly Padilha de Oliveira


Se, VEREDITO – Culpados:
“Tendo em vista que os réus infringiram o art.121 do caput do Código
Penal, privado intencionalmente a outrem da vida, devo mencionar que a
atenuante Estado de necessidade “excludente”, incluindo na parte geral 84 do
Código penal, sob os artigos 23 inciso 1 e 24, não redimem os réus da prática
de homicídios simples.

DECLARO-VOS CULPADOS.
Serão, pois enquadrados por homicídio doloso, sob o art.121 do Código Penal,
pois agiram intencionalmente.
Os réus cumprirão pena de seis (6) anos de reclusão sob art.59 do Código de
Processo Penal.”

Se, VEREDITO – Inocentes:


“Tendo em vista que os réus praticaram homicídio culposo, ou seja,
possuem a culpa, mas não tiveram a intenção de matar, considera-se o
atenuante, pois, encontrava-se em estado de necessidade.
Estão incluídos na parte geral 84 do código Penal, artigos 23, inciso 1 e 24.
Os réus praticaram canibalismo para se salvar do perigo da morte, não o
praticaram por vontade própria, agindo assim em legitima defesa.
DECLARO–VOS INOCENTES.

Se finda esta sessão do Tribunal.


Agradeço a todos aos senhores jurados, às partes, força pública, serventuários
e a plateia pela presença e o cumprimento do dever.
Os senhores jurados estão dispensados.
Depois de encerrado os trabalhos, todos os advogados se cumprimentam...
...
...
(COMEMORAM)!!!!!!!