Você está na página 1de 8

14/07/2018 Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja Católica – AUN – Agência Universitária de Notícias

ÚLTIMAS NOTÍCIAS  [ 04/07/2018 ] Ideias de governança predominaram na criação da Lei de Acesso à Informação  PESQUISAR …

AUN - AGÊNCIA UNIVERSITÁRIA DE NOTÍCIAS


ISSN 2359-5191

ARTE E CULTURA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ECONOMIA E POLÍTICA EDUCAÇÃO MEIO AMBIENTE SAÚDE SOCIEDADE

14/07/2018

POSTS RECENTES INÍCIO  SOCIEDADE  Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja
Católica

Novas dietas promovem benefícios na criação


de peixes marinhos Primeira penitenciária feminina do
Laboratório melhora a aprendizagem infantil
através de jogos
Brasil era administrada pela Igreja
Ritmo poético de Iracema pode ser inspirado na
Católica
Bíblia
SOB A GESTÃO DE FREIRAS, ESPAÇOS REPRODUZIAM LÓGICA DO TRABALHO DOMÉSTICO E
Método montessoriano tem alta no número de REFORÇAVAM PAPÉIS SOCIAIS ENTRE MULHERES E HOMENS

adeptos no Brasil
 02/10/2017  Mayara Paixão  Sociedade 0
Ideias de governança predominaram na criação
da Lei de Acesso à Informação 

http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/10/02/primeira-penitenciaria-feminina-do-brasil-era-administrada-pela-igreja-catolica/ 1/11
14/07/2018 Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja Católica – AUN – Agência Universitária de Notícias

ARQUIVOS

julho 2018

junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

dezembro 2017

novembro 2017

outubro 2017

setembro 2017
Internas com uniforme da penitenciária de Tremembé, anos 1960. Foto: Reprodução
agosto 2017

julho 2017     
junho 2017
No início da década de 1940, em meio ao processo de formação da metrópole paulistana, a
Maio 2017 cidade de São Paulo sediou a primeira penitenciária específica para mulheres no país. Por
trás da institucionalização da punição feminina pelo Estado brasileiro, há um fato curioso: o
Abril 2017
estabelecimento permaneceu, por mais de três décadas, sob a gestão de um grupo
Março 2017 religioso, a Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor.

Em plena vigência do Estado Novo de Getúlio Vargas, com ampla concentração de poderes
nas mãos do poder Executivo, qual seria a articulação de interesses por trás dessa união? O
que levava as religiosas a quererem assumir uma instituição punitiva e o que levava o
Estado a transferir esse controle? 

http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/10/02/primeira-penitenciaria-feminina-do-brasil-era-administrada-pela-igreja-catolica/ 2/11
14/07/2018 Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja Católica – AUN – Agência Universitária de Notícias

Essas foram as questões centrais que a historiadora Angela Teixeira Artur se dedicou a
estudar, de modo a reconstruir um pequeno capítulo da história que colaborou para o
cenário atual do encarceramento de internas no país. As respostas não foram isoladas. De
acordo com a pesquisadora, uma articulação de interesses foi pano de fundo para a
administração das irmãs do Bom Pastor.

Sediada em uma casa, a primeira penitenciária feminina do país previa, em seu decreto de
criação, que a pena das internas deveria ser executada com trabalho e instrução
domésticos. A essa determinação, Artur chamou de “domesticação do regime de execução
penal”.


Internas trabalhando no presídio. Foto: Reprodução

http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/10/02/primeira-penitenciaria-feminina-do-brasil-era-administrada-pela-igreja-catolica/ 3/11
14/07/2018 Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja Católica – AUN – Agência Universitária de Notícias

“É uma insistência de que a mulher era um ser doméstico, do lar, e que, se ela cometeu
algum desvio, foi porque não estava nesse lugar”, comenta Artur. “Dessa forma, a punição
sobre ela deveria ser treinada de modo a voltar para o lugar de onde ela nunca deveria ter
saído: uma casa, realizando as atividades domésticas.”

Ao ingressar nos presídios, a profissão das internas já estava pré-definida: se não tinham
uma ocupação, as mulheres eram chamadas, automaticamente, de domésticas, buscando
reforçar os papéis sociais, em especial no que dizia respeito à manutenção da mulher no
espaço privado.

“A institucionalização reforça, mantém e, pior, torna mais rígida, contundente, e inflexível


uma mudança de papéis sociais, que a é a domesticação das mulheres, a manutenção delas
no local de onde elas não deveriam ter saído segundo essa lógica”, defende Artur.

A pesquisa da historiadora compôs sua tese de doutorado nomeada Práticas do


encarceramento feminino: presas, presídios e freiras, defendida recentemente na
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

Articulação de interesses

Instituída pelo Código Penal de 1940, a primeira penitenciária para mulheres contava com
apenas sete internas. “Isso mostra que não é a quantidade de pessoas presas que
determina se uma ação política vai caminhar em uma direção ou em outra, mas, sim, os
interesses em jogo”, argumenta a historiadora.

Ela pontua que, durante o século 20, o Estado brasileiro operava uma grande tentativa de
institucionalizar as relações humanas, em especial no que dizia respeito às camadas
populares. A formação de um estabelecimento penitenciário específico para a população
feminina foi exemplo disso.

“O Estado, diante da discussão de modernização do país, de institucionalização das práticas,


não tem, a pronta entrega, um grupo de profissionais com experiência e que possa atender 

http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/10/02/primeira-penitenciaria-feminina-do-brasil-era-administrada-pela-igreja-catolica/ 4/11
14/07/2018 Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja Católica – AUN – Agência Universitária de Notícias

a essa demanda rapidamente”, explica Angela Artur. “As freiras se colocam como quem pode
fazer isso. Há essa articulação de interesses”, completa.

Nessa intrínseca relação entre a origem das penitenciárias modernas e a questão religiosa
— como caracteriza Artur —, os interesses por parte das irmãs do Bom Pastor não eram
poucos. Para além do que pode parecer, o desejo das religiosas de converter as pessoas ao
cristianismo praticante não era o único presente. Questões econômicas e políticas também
foram essenciais.

Irmãs do Bom Pastor nas escadarias do presídio de mulheres. Foto: Reprodução


http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/10/02/primeira-penitenciaria-feminina-do-brasil-era-administrada-pela-igreja-catolica/ 5/11
14/07/2018 Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja Católica – AUN – Agência Universitária de Notícias

“É uma ampliação de poderes e de status”, explica a pesquisadora. “A possibilidade de ter


controle de uma instituição empodera a Congregação no sentido da influência, da
diferenciação com outras congregações, de ter mais voz dentro da própria Igreja e poder se
posicionar frente a ordens que vêm de cima.”

Outro interesse desse “empoderamento” da Congregação é que, no momento em que se


estabelece um contrato com o Estado, as irmãs são remuneradas por isso e dispõem de
uma renda fixa mensal, que permite planejamentos de organização do grupo religioso.

Em meio a uma instituição com forte presença masculina, como a católica, esse jogo de
interesses também busca fortalecer as freiras. “Isso as empodera, porque elas têm um lugar
definido dentro de uma instituição junto ao Estado”, diz a pesquisadora.

Posto à margem

Angela Artur tem se dedicado a estudar a institucionalização da punição de mulheres desde


2007. O trabalho da historiadora em sua dissertação de mestrado, por exemplo, deu início a
essa investigação estudando o momento em que surgiram os primeiros presídios femininos.
Além de disponível online, a pesquisa virou o livro Institucionalizando a punição: as origens
do Presídio de Mulheres do Estado de São Paulo, lançado pela editora Humanitas.

http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/10/02/primeira-penitenciaria-feminina-do-brasil-era-administrada-pela-igreja-catolica/ 6/11
14/07/2018 Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja Católica – AUN – Agência Universitária de Notícias

Interna em uniforme utilizado no estabelecimento penitenciário. Foto: Reprodução

O estudo, no entanto, não foi fácil. Ao falar de seus passos iniciais, a pesquisadora conta
que a motivação principal era uma dúvida: “Por que mulheres que cometiam crimes ou atos
de violência não eram alvo de informação?”. Essa escassez de uma bibliografia prévia sobre
o assunto, em especial no Brasil, foi uma das dificuldades iniciais que a historiadora
encontrou.

A isso se somou a resistência com a qual a Artur se deparou para acessar os arquivos das
penitenciárias. Por anos, a administração afirmou que as fontes não existiam mais, até que, 
somente em 2014, Artur conseguiu autorização para acessar os arquivos internos e

http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/10/02/primeira-penitenciaria-feminina-do-brasil-era-administrada-pela-igreja-catolica/ 7/11
14/07/2018 Primeira penitenciária feminina do Brasil era administrada pela Igreja Católica – AUN – Agência Universitária de Notícias

encontrou grande parte do material que solicitava acesso — com exceção das folhas que
haviam se deteriorado com o passar dos anos.

A historiadora também priorizou a investigação nos arquivos da própria Congregação do


Bom Pastor e chegou, inclusive, a pesquisar nos arquivos da Maison Mère, casa central do
grupo religioso localizada na França.

Para além de todas as considerações alcançadas pela pesquisadora em seu trabalho, ela
ressalta a constatação de que o assunto foi posto à margem da história brasileira: “Ao
mesmo tempo em que o trabalho traz essa constatação incômoda de que a historiografia
ignorou uma certa camada da sociedade, já que a população carcerária não foi um sujeito
histórico privilegiado nas pesquisas de historiadores, você percebe que tem uma série de
sujeitos que não foram mapeados.”

Share this:

   69

Curtir isso:

Curtir
Seja o primeiro a curtir este post.

Relacionado

Irmão vota em irmão?: Pesquisadora estuda obra Debate internacional


pesquisa investiga relação de cineastas brasileiras influencia políticas de
entre eleições e durante a ditadura militar saúde para mulheres no
pentecostalismo 18/04/2017 Brasil
15/06/2018 Em "Arte e Cultura" 15/12/2017
Em "Economia e Política" Em "Saúde" 

http://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/10/02/primeira-penitenciaria-feminina-do-brasil-era-administrada-pela-igreja-catolica/ 8/11