Você está na página 1de 136

Parte Elétrica dos Caminhões

ACTROS 930-934
Redes de Bordo, Rede de Sistema

Treinamento de Especialistas em Instrumentação

2
Conteúdo

Prefácio .................................................................................................................................................................................................................................................................... 7
Anotações sobre o Treinamento Preliminar ................................................................................................................................................................................................................ 8
Visão Geral do Modelo .............................................................................................................................................................................................................................................................. 9
Basculamento da cabina........................................................................................................................................................................................................................................... 10
Componentes da Rede KontAct................................................................................................................................................................................................................................................ 14
Rede KontAct ...........................................................................................................................................................................................................................................................16
Módulos de Comando Virtual, Funções Integradas ...................................................................................................................................................................................................20
Tarefas de Rede........................................................................................................................................................................................................................................................21
Tour - Treinamento do Sistema Elétrico de Bordo, Actros, Modelos 930-934 ..............................................................................................................................................................23
Gabinete de Diagnóstico..........................................................................................................................................................................................................................................28
Funções GGVS - Interruptor de Desconexão da Bateria (BTS) .......................................................................................................................................................................................30
Tarefas <> Módulos Base, Dianteiro e Traseiro ............................................................................................................................................................................................................32
Painel de Instrumentos 2002 .................................................................................................................................................................................................................................33
Tarefas <> Operação do Painel de Instrumentos 2002 ..............................................................................................................................................................................................34
Atribuição do Conector no Painel de Instrumentos...................................................................................................................................................................................................37
Módulo de Som - Painel de Instrumentos 2002 ..................................................................................................................................................................................................... 40

3
Volante - Painel de Instrumentos 2002................................................................................................................................................................................................................... 41
Sistema de Informações ao Motorista - Painel de Instrumentos 2002 ..................................................................................................................................................................... 46
Prática <> Painel de Instrumentos 2002 ................................................................................................................................................................................................................. 48
Painel Modular de Interruptores (MFS) ...................................................................................................................................................................................................................... 57
Sistema de Subbus ASIC........................................................................................................................................................................................................................................... 59
Painel Modular dos Interruptores - Componentes...................................................................................................................................................................................................... 60
Painel Modular dos lnterruptores - Interruptores ....................................................................................................................................................................................................... 61
Ajuste da Faixa do Farol, Interruptor de Bloqueio do Diferencial ................................................................................................................................................................................ 63
Interruptores de Retro-Alimentação de Carga e de Sinal....................................................................................................................................................................................................... 64
Tarefas <> Painel Modular dos Interruptores............................................................................................................................................................................................................. 66
Tarefas <> Funções do Painel Modular dos Interruptores ........................................................................................................................................................................................... 68
Luzes Externas, Modelos 930-934 ......................................................................................................................................................................................................................... 71
Faróis Xenon - Design e Funções .............................................................................................................................................................................................................................. 72
Tarefa <> Iluminação no Actros, Modelos 930-934................................................................................................................................................................................................. 76
Prática <> Iluminação no Actros, Modelos 930-934 ................................................................................................................................................................................................ 79
Reconhecimento da Falha do Bulbo ......................................................................................................................................................................................................................... 80
Reconhecimento da Falha da Lâmpada .................................................................................................................................................................................................................... 81
Lâmpadas de Retro-alimentação ............................................................................................................................................................................................................................. 82
Soquete do Reboque .............................................................................................................................................................................................................................................. 83
Módulo Base (GM).................................................................................................................................................................................................................................................... 85
Variantes do Módulo Base ....................................................................................................................................................................................................................................... 87

4
Funções do Módulo Base........................................................................................................................................................................................................................................................ 88
Código do Plugue para o Módulo Base ..................................................................................................................................................................................................................... 89
Fusíveis, Relés e Diodos Adicionais........................................................................................................................................................................................................................... 90
Tarefas <> Módulo Base ........................................................................................................................................................................................................................................... 91
Tarefa<> Plugue X7 no Módulo Base .................................................................................................................................................................................................................................92
Memória de Dados Central (ZDS) ............................................................................................................................................................................................................................. 93
Tarefas <> Memória de Dados Central ...................................................................................................................................................................................................................... 94
Lógica Combinada no Módulo Base......................................................................................................................................................................................................................... 96
Pinos de Função no Módulo Base ........................................................................................................................................................................................................................... 97
Função de Tomada de Potência no Módulo Base no Modelo Actros 930 - 934 ........................................................................................................................................................ 98
Prática < Operações de Retro-alimentação no Veículo .........................................................................................................................................................................................100
Rádio de Duas Vias para Retro-Alimentação .........................................................................................................................................................................................................104
Telefone para Retro-Alimentação..........................................................................................................................................................................................................................105
Interface KOM no Módulo Base............................................................................................................................................................................................................................106
Funções dos Módulos Dianteiro e Traseiro ............................................................................................................................................................................................................107
Módulo Dianteiro (FM) e Módulo Traseiro (HM).........................................................................................................................................................................................................................108
Prática <> Módulos Base, Dianteiro e Traseiro.........................................................................................................................................................................................................110
Módulos de Comando do Módulo da Porta (TMF/TMB).........................................................................................................................................................................................115
Tarefas <> Módulo da Porta...................................................................................................................................................................................................................................117
Sistemas do CAN Bus no Actros, Modelos 930-934...............................................................................................................................................................................................118
Mensagens da CAN...............................................................................................................................................................................................................................................119
Prioridades da CAN..............................................................................................................................................................................................................................................120

5
Passagem da CAN................................................................................................................................................................................................................................................121
Módulo Base - Variantes....................................................................................................................................................................................................................................... 122
Pontos Principais no Módulo Base ........................................................................................................................................................................................................................124
Tarefas <> Rede no Actros, Modelos 930 – 934 .................................................................................................................................................................................................................126
Prática <> Diagnósticos no Veículo .......................................................................................................................................................................................................................130

6
Prefácio

Prezado participante,

Com o aperfeiçoamento do modelo no ACTROS, toda a arquitetura elétrica


foi modificada. Isto resultou em um sistema elétrico e eletrônico de bordo
totalmente novo, similar ao de um veículo de passeio moderno.
As funções já conhecidas do veículo, contudo, permanecem para o motorista
como antes, mas os sistemas de controle no veículo foram muito
modificados.

As modificações elétricas que resultaram deste aperfeiçoamento do modelo fazem


parte deste treinamento e são abordadas em detalhes para que você fique pronto para
trabalhar e possa oferecer um serviço otimizado aos veículos na oficina. Além disso,
você se familiarizará com as maneiras possíveis de retro-alimentação e de adaptação
ao novo sistema elétrico embutido. Ao final do treinamento, você verá que, apesar do
sistema eletrônico expandido no veículo, o diagnóstico e a resolução de problemas se
tornaram muito mais fáceis.

É suficiente, você deve estar ansioso para chegar aos detalhes técnicos. Aproveite e

esperamos que tenha um curso de treinamento bem-sucedido.

Mercedes-Benz ACTROS 1844 LS (BM 934.032)

7
Anotações sobre o Treinamento Preliminar

____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________________

8
Visão Geral do Modelo

Com o novo ACTROS, os códigos de modelo no número de identificação do veículo foram alterados de 950-954
para 930-934 para oferecer uma diferenciação mais clara. Os códigos de designação do modelo foram
mantidos.

ACTROS ACTROS MPII Motor Versão do veículo

950 930 OM 501 LA, OM 502 LA Veículos com plataforma

952 932 OM 501 LA, OM 502 LA Veículos basculantes

953 933 OM 501 LA, OM 502 LA Veículos com misturador de concreto

954 934 OM 501 LA, OM 502 LA Tratores semi-reboque

As cabinas ACTROS

Para satisfazer todas as exigências de aplicação de diferentes indústrias e negócios, o ACTROS é disponibilizado com versões de cabina diferentes e conhecidas
(cabinas S, M, L e HL).

9
Basculamento da cabina

Com o objetivo de abrir a portinhola de manutenção, as duas alavancas de liberação devem ser pressionadas para a direita,
na direção da seta.

A alavanca operacional e o cabo Bowden na cabina foram descartados.

1 Alavancas de liberação

Com a cabina LH, o transportador de carros e os veículos de cabine-baixa, a portinhola de manutenção deve
ser totalmente aberta antes de bascular a cabina, senão a portinhola de manutenção será danificada de maneira
irreparável.

Atenção: Consulte o manual do proprietário


Nota:
Para evitar situações agravantes, é sempre melhor abrir a portinhola de manutenção em todos os ACTROS,
Modelos 930-934.

10
Como um equipamento especial, um sistema basculante eletro-hidráulico da cabina pode ser solicitado.
O interruptor principal na cabina deve ser pressionado primeiro para bascular a cabina. Em seguida, o braço da válvula na bomba hidráulica deve ser movido para a
posição de inclinação. A
portinhola de manutenção deve ser aberta para dar acesso ao botão de controle.

KIPPEN FAHREN
CONDUÇÃO
CONDUIRE

CONSULTE O MANUAL DO
PROPRIETÁRIO

1 Interruptor principal para o sistema eletro- 1 Basculamento para a frente


hidráulico de basculamento da cabina 2 Retorno à posição original e posição
de condução Interruptor da bomba para basculamento
elétrico

11
Distribuidores de Potência

Nos veículos com extremidade traseira integral, o caminho do compartimento da bateria para o motor
de arranque dobrou.
Por este motivo, as linhas da bateria nestes veículos foram divididas em duas e as linhas de seções cruzadas
foram aumentadas para 95 mm². Um ponto de separação é fornecido na estrutura para uma montagem mais
fácil.

Em veículos com a extremidade traseira integral, se o veículo quebra, a partida forçada pode ser dada a
partir do distribuidor de potência (setas) porque não é possível realizar uma partida forçada diretamente a
partir das baterias quando o veículo está elevado.

Extremidade traseira integral

Local da instalação do distribuidor de potência Distribuidor de potência para a extremidade traseira integral

12
Distribuição na estrutura

Os distribuidores adicionais, que podem ser simplesmente conectados ao distribuidor de


potência existentemente, são fornecidos para a distribuição na estrutura. Positivo e base
são aplicados nesses distribuidores. O terminal positivo é protegido por meio de um
fusível. Se necessário, derivações adicionais múltiplas (1-3) podem ser usadas.

13
Componentes da Rede KontAct

Painel Modular de Módulo Traseiro


interruptores

Parte Eletrônica
da Transmissão
Módulo Base

Controle do
módulo da porta
Módulo Dianteiro

14
Novos componentes do sistema KontAct

Módulo dianteiro Localizado na parte dianteira do veículo, no lado do passageiro, embaixo da cabina. Todos os sinais de entrada e saída da área dianteira
FM do veículo são recebidos e enviados aqui. Em outras palavras, todos os sensores e atuadores localizados na área dianteira são
conectados ao módulo dianteiro.

Módulo traseiro Localizado à direita da área do eixo traseiro no chassis do veículo. O módulo traseiro assume todas as tarefas que devem ser controladas e
HM monitoradas na área traseira do veículo. Em outras palavras, todos os sensores e ativadores localizados na área traseira são conectados
ao módulo traseiro.

Módulo base GM Localizado na parte dianteira da cabina no compartimento elétrico. O módulo base forma a unidade central no KontAct e tem diversas
interfaces CAN. Os sinais de entrada e saída a partir da área da cabina são recebidos e enviados aqui.

Painel de O painel de instrumentos agora se tornou simplesmente um sistema eletrônico com display e possui apenas algumas tarefas na
Instrumentos rede.
INS

Módulo da porta do Localizado na porta do motorista. A unidade de controle do módulo da porta do motorista controla todas as funções na área da
motorista TMF porta do motorista.

Módulo da porta do passageiro Localizado na porta do passageiro. A unidade de controle do módulo da porta do passageiro controla todas as funções na área
TMB da porta do passageiro.

Painel modular de É um sistema de dados bus e se localiza na cabina. Todos os interruptores são interligados e transmitem mensagens CAN, que são
interruptores MSF então convertidas e executadas pelos módulos GM, FM e HM.

15
Rede KontAct

No novo ACTROS, a rede foi significativamente expandida se comparado ao ACTROS anterior. A partir da rede anterior (IES), foram adicionadas novas funções e tarefas.
A rede anterior forma a base para a KontAct e foi expandida por sistemas CAN bus adicionais.

A partir de então, é fácil diferenciar os sistemas CAN bus. Com o IES, eles foram divididos em CAN buses de alta e baixa velocidade. Com a rede KontAct expandida, são utilizados
agora 11 sistemas de CAN bus diferentes, que foram nomeados de acordo com o escopo determinado de tarefas, como CAN do chassis ou CAN interior.

16
KontAct - Konzeption der Elektronikvernetzung im Actros
[Conceito para a rede eletrônica no Actros]

Diferenças principais da rede expandida

• Os componentes de rede são distribuídos por todo o veículo


• Agora, somente alguns componentes eletrônicos são acomodados de maneira central no compartimento elétrico
• Os componentes instalados são conectados por meio das linhas de dados
• Novos sistemas CAN bus foram integrados
• Tarefas importantes na rede foram reatribuídas aos componentes no veículo
• As funções dos antigos módulos de comando foram atribuídas a novos componentes
• As módulos de comando são completamente integradas a outros componentes e, assim, foram distribuídas como hardware, porém ainda são fornecidas como software
• A profundidade do diagnóstico foi aumentada

Nota
Os sistemas existentes, como PSM, retarder ou BS foram adotados o tanto quanto possível da mesma forma que o ACTROS anterior

Objetivos que vêm sendo buscados com os aprimoramentos posteriores

• redução posterior das linhas de conexão


• redução dos conectores dos plugues
• redução do espaço de instalação para chicotes de fios
• rede completa com todos os componentes eletrônicos
• todos os componentes eletrônicos são capazes de realizar o auto-diagnóstico
• caminhos para corrente e sinal mais curtos
• diagnósticos detalhados

17
Diagrama da rede KontAct

18
assistente de pista
AM modulador do eixo SPA controle de estabilidade
AG seleção automática de marcha SR sistema de retenção suplementar
ANH interface CAN eletrônica do reboque SRS tacógrafo
ART controle de navegação autônomo inteligente TCO módulo da porta do motorista
AUF Interface CAN eletrônica da carroçaria TMF módulo da porta do passageiro
BS sistema de freio TMB plataforma telemática
BTS interruptor de desconexão da bateria GGVS [normas alemãs de transporte TP controle de rolagem
mercadorias perigosas] WR sistema de manutenção
LWS sensor do ângulo do volante WS embreagem do conversor de torque
EAB interface CAN elétrica do freio do reboque WSK conector do link de dados
EDW sistema de alarme anti-furto X13 memória central de dados
FFB controle remoto via rádio ZDS aquecedor auxiliar
FLA sistema contra início de incêndios ZHE volante auxiliar
FM módulo dianteiro ZL ponto terminal 2
FR controle de direção Z2
GM módulo base
GS controle da transmissão versões especiais CAN bus a 500 kBaud
HM módulo traseiro A CAN bus do veículo a 500 kBaud
HZR controle do aquecedor 1 CAN bus interior a 125 kBaud
INS painel de instrumentos 2 CAN bus do chassis a 250 kBaud
KB operação da embreagem 3 CAN bus do motor a 125 kBaud
KDiag Diagnóstico K-line 4 CAN bus da transmissão a 250 kBaud
KNot Modo de operação de emergência K-line 5 CAN bus do freio a 500 kBaud
KOM interface de comunicações 6 Interface CAN para a parte eletrônica do reboque a 125 kBaud
KR controle da embreagem 7 Interface CAN para a parte eletrônica da carroçaria a 125 kBaud
LWS sensor do ângulo de esterçamento 8 CAN bus da telemática a 250 kBaud
MSF painel modular de interruptores 9 CAN bus do velocímetro a 125 kBaud
MR controle do motor 10 Interface CAN para EAB a 125 kBaud
NR controle do nível 11
PSM módulo especial parametrizável
RD sistema de monitoramento da pressão do pneu
RS controle do retarder

19
Módulos de Comando Virtual, Funções Integradas

Módulos de comando Como parte da nova rede no KontAct ACTROS, os módulos de comando foram combinados. Isto significa que eles não possuem mais seu
virtual próprio alojamento, e enquanto módulos de comando, agora estão disponíveis somente como softwares. Os componentes eletrônicos a
seguir são integrados ao módulo base:
* WS sistema de manutenção
* KOM processador de comunicações
* EDW sistema de alarme anti-furto
* FFB receptor do controle remoto via rádio
* ZDS memória de dados central

NOTA
Os módulos de comando virtuais não estão disponíveis como um componente, mas podem ser selecionados e processados utilizando
o módulo de diagnóstico e responder como verdadeiros módulos de comando.

Funções integradas Alguns módulos de comando anteriores foram integrados a outros módulos de comando. Eles não são módulos de comando virtual.

Elas não aparecem mais no DAS e não podem mais ser chamadas a partir dali. Suas atuações, seus códigos de diagnósticos de problemas e
seus valores reais
aparecem com novos números em outra unidade de controle. Os módulos de comando a seguir foram integrados:
* AG seleção automática de marcha foi incorporada na FR
* KR controle de embreagem foi incorporado na FR
* NR controle de nível distribuído entre os módulos dianteiro e traseiro.
* NR controle de rolagem distribuído entre os módulos dianteiro e traseiro.

NOTA
As funções integradas foram distribuídas entre outros módulos de comando e são encontradas no DAS. Portanto, o acesso às funções
foi incorporado no DAS

20
Tarefas de Rede

Para conhecer a nova rede do ACTROS, você deve examinar cuidadosamente o novo diagrama de rede e realizar as seguintes tarefas abaixo. Anote suas descobertas!

• Insira os números do diagrama correspondentes aos sistemas de CAN BUS.


•Tarefa 1
3 CAN BUS do chassis
1 CAN BUS do veículo
5 CAN BUS da transmissão
6 CAN BUS do Freio
4 CAN BUS do motor 2
2 CAN BUS interior
9 CAN BUS da Telemática
10 CAN BUS do Velocímetro

•Tarefa 2 •Quais módulos de comando participam do CAN BUS do chassis?

Módulo base, módulo dianteiro e módulo traseiro

BTS com equipamento especial

21
•Tarefa 3 •Quais módulos de comando participam do CAN BUS interior?

GM, TMF, TMB, MSF, HZR, ZHE, SRS, INS

•Tarefa 4 • Quais módulos de comando não estão mais presentes como componentes reais no veículo?

KOM, WS, FFB, EDW, NR, WR, KB, AG, KR

•Tarefa 5 •Quais as alterações você pode perceber ao olhar para a conexão do GS?

Não estão mais conectadas diretamente no CAN BUS do veículo, mas sim por meio de outro

módulo de controle. GS por meio da FR

integrado com a KS

K-line para o modo de operação de emergência para o painel de instrumentos

22
Tour - Treinamento do Sistema Elétrico de Bordo, Actros, Modelos 930-934

Giro dos 3 grupos no veículo. Tensão de Alimentação


dos Módulos

Objetivo:
Conhecer as modificações essenciais do sistema elétrico do veículo. 1

Tarefa:
Completar as folhas de tarefas abaixo nas 3 situações.
Anote suas descobertas.
Apresentação dos resultados por um grupo.
3 2

Tempo: Modificações/ Modificações/


25 minutos cada inovações no veículo inovações na cabina

23
Situação 1

Tarefa 1 • Observe o sistema elétrico de bordo do veículo.


Determine o fluxo da tensão para o terminal 30 e 31 do veículo, começando pela bateria.
Selecione a ilustração de acordo com o veículo do treinamento.
Veículo com extremidade
traseira integral

Alternador

Motor de arranque

24
Veículo sem extremidade traseira integral

Alternador

Motor de arranque

25
Situação 2

Tarefa 2 • Anote as modificações/inovações essenciais de acordo com os componentes relacionados e,


indique os locais de instalação.

Volante Gabinete de Diagnóstico


volante multifunção Qual o soquete de
diagnóstico
utilizado?
veículo de passeio, 1 6 pinos
piso do passageiro

Painel de
instrumentos
um display, Módulo base
somente um plugues codificados
manômetro espaço do piso do
passageiro

Interruptor para o ajuste do espelho


na porta do motorista

Painel modular de
interruptores
interruptores novos
Unidade de controle GS
claros
no descanso para o braço, funcionais
dobrando
sem modo de operação de
emergência disponível

26
Situação 3

Tarefa • Descreva os componentes relacionados e comente a função de cada um.


3

Módulo traseiro
Conector FF
Como os plugues estão
menos
codificados?
conectores
Os plugues são fornecidos em
diferentes
locais em cada plugue

Módulo base Distribuidor de


potência
acessível pela parte
externa Quais fusíveis se
substitui em parte o encaixam?
conector FF 60 A
80 A

Módulo de comando do Faróis


módulo da porta sistema de limpeza dos
Desconecte o plugue X2. vidros da lente equipamento
embaixo do painel da porta especial de xenônio
dos lados esquerdo e direito

27
Gabinete de Diagnóstico

O ACTROS possui um novo gabinete de diagnóstico. O gabinete de diagnóstico de 16 pinos pode ser facilmente
acessado do lado do passageiro, eliminando a necessidade de remover o painel.

Atribuição dos pinos: X13

Visão externa do gabinete de diagnóstico de 16 pinos

28
Pin 01 Pino 099 MR
Pin 02 Pino 10
Pin 03 Pino 11
Pin 04 Term. 31 base Pino 12 ativação do rádio na produção
Pin 05 Term. 31 base Pino 13
Pin CAN baixa no módulo base do
06 CAN alta para o módulo base Pino 14
Pin 07 K-line Pino 15
fornecimento de tensão para o
Pin 08 Term. 1 5 Pino 16
Term. 30

Vista externa do gabinete de diagnóstico de 16 pinos NOTA


O mesmo cabo conector é utilizado para conectar o Star Diagnosis como é utilizado nos modelos de
veículos de passeio (número de pedido 6511 1240 99 pela central de atendimento STAR Diagnosis).

29
Funções GGVS - Interruptor de Desconexão da Bateria (BTS)

O veículo GGVS [GGVS = normas alemãs para o transporte rodoviário de mercadorias perigosas] agora responde como qualquer outro veículo. O controle remoto via rádio e o
sistema de bloqueio de conveniência têm a mesma função que os veículos sem o equipamento GGVS. O tacógrafo é fornecido com alimentação pelo interruptor (K2) de
desconexão da bateria. O sistema elétrico de bordo não é isolado da bateria até que pelo menos um dos dois interruptores EMERGENCY-OFF (EMERGÊNCIA-DESATIVADO) seja
pressionado.
Se uma situação GGVS ocorrer, o módulo de comando sinaliza o fato para o módulo base (GM) por meio de um sinal PWM, e o módulo base então desativa o term. 15 para todos
os consumidores e, assim, desliga também o motor.
O interruptor de desconexão da bateria (K2) é conectado ao GM por meio do CAN bus do chassis, por meio do qual pode ser diagnosticado.

Sinal PWM para o módulo base 40 ms a 40 ms = 50 % 20


EMERGENCY-OFF (EMERGÊNCIA- ms a 60 ms = 25 %
DESATIVADO) não pressionado
EMERGENCY-OFF (EMERGÊNCIA-
DESATIVADO) pressionado

K2 - Interruptor de desconexão da bateria

Local da instalação na caixa da bateria Local de instalação nos veículos com extremidade traseira integral

30
Funções Conceito ACTROS Novo Conceito ACTROS

Operação O módulo de comando GGVS separado na caixa da bateria ativa o BTS quando o term. 15 é Se os interruptores não forem operados, o sistema eletrônico integrado no
ativado e há alimentação de energia para o sistema elétrico de bordo. Se um interruptor BTS ativa o BTS. Se um interruptor EMERGENCY-OFF (EMERGÊNCIA-
EMERGENCY-OFF (EMERGÊNCIA-DESATIVADO) é pressionado, o interruptor de desconexão é DESATIVADO) é pressionado, o interruptor de desconexão é liberado.
liberado.

Relé Relé mono-estável Relé bi-estável


Isola automaticamente a bateria a partir do sistema elétrico de bordo após um período de O relé permanece no estado estável por meio de dois ímãs permanentes. Ele
tempo específico. Os contatos abertos do relé permanecem fechados somente por meio de recebe um pulso e permanece nesta posição até que outro pulso seja aplicado.
sua atuação permanente.

Função de Ativando o módulo de comando por meio dos diodos, a liberação do BTS é evitada conforme a Não é mais necessária, porque o BTS ativa o relé somente após o interruptor
parada
necessidade. EMERGENCY-OFF (EMERGÊNCIA-DESATIVADO) ser pressionado.

Terminal 15 O sistema eletrônico de controle recebe a informação por meio do interruptor da unidade Term. 15 é necessário como um alimentador de tensão para os sistemas
que o term. 15 deve ser ativado e aciona o relé. Assim, o veículo recebe a tensão. eletrônicos.

Funções de A alimentação de tensão para os módulos FR e MR é fornecida por meio de um relé quando o O BTS transmite a informação "EMERGENCY-OFF" (EMERGÊNCIA-DESATIVADO) para o
parada do
motor term. 15R é ativado. O relé é ativado pela unidade de controle GGVS. módulo base por meio de um sinal PWM se um interruptor de emergency-off
(emergência-desativado) for ativado. O módulo GM desativa o term. 15 no módulo
base.
Diagnóstico O BTS é conectado ao módulo base por meio do CAN bus do chassis. Monitoramento
do interruptor EMERGENCY-OFF (EMERGÊNCIA-DESATIVADO) Monitoramento do
estado do interruptor de desconexão da bateria Display dos eventos no painel de
instrumentos

31
Tarefas <> Módulos Base, Dianteiro e Traseiro unções GGVS - Interruptor de Desconexão da Bateria (BTS)

Tarefa • O Sensores, interruptores e atuadores são conectados aos módulos e são interligados por meio dos
sistemas de CAN bus. Complete as tarefas a seguir para se familiarizar com as modificações resultantes.

Na tabela, indique o módulo para o qual os componentes relacionados são conectados.


Use o diagrama do circuito.

Componente FM GM HM Componente FM GM HM

Sensor de posição do eixo dianteiro para controle de nível Buzina

Sensor de posição do eixo traseiro para controle de nível Válvula do solenóide da buzina

Sensor condensado Válvula do solenóide do bloqueio do diferencial do eixo


dianteiro
Sensores de desgaste do freio Interruptor do indicador de bloqueio do diferencial do eixo
dianteiro
Interruptor do freio de mão Válvula do solenóide do bloqueio do diferencial do eixo traseiro

Sensor externo de temperatura Interruptor do indicador de bloqueio do diferencial do eixo


traseiro
Temperatura do eixo traseiro Secador de ar do aquecedor

Motor do limpador de pára-brisa Bloqueio da cabina

Farol alto Interruptor indicador do nível do óleo da direção


Lâmpadas traseiras Sensor do tanque de combustível
Lâmpadas do pisca lateral Luzes interiores

32
Painel de Instrumentos 2002 (FIS)

Um novo painel de instrumentos é utilizado no ACTROS Modelos 930-934.

Diferenças principais: • 5 de seus próprios botões de controle


• Design e disposição simplificados devido a displays maiores • 8 lugares para as lâmpadas indicadoras de retro-alimentação
• Leitura facilitada por meio de um monitor curvo do painel de instrumentos e • Nenhuma tarefa principal na rede
uma instalação mais profunda no suporte do painel
• Memória espelhada (128 kB) para memória de dados central (ZDS)
• Cores de fundo diferentes para o sistema de informação do driver (FIS)
• A função acústica substitui o alarme de advertência
• Display maior para o FIS
• Contador de tempo para o controle do aquecedor auxiliar
• Maior operacionalidade por meio dos botões no volante
• Despertador integrado

Há 4 versões diferentes que divergem, por exemplo, no display da velocidade de até 125 km/h ou até 140 km/h. Na área do tacômetro também há dois
recursos distintos: faixa de tacômetro variável ou impressa.

33
Tarefas <> Operação do Painel de Instrumentos 2002

Tarefa 1 • Atribua os termos no desenho para se familiarizar com o layout do painel de instrumentos.

1 Teclas de função
2 Sistema de informações do driver (FIS)
3 Lâmpada de parada e lâmpadas indicadoras padrão
4 Lâmpadas indicadoras do equipamento especial
5 Embreagem indicadora no FIS
6 Lâmpadas indicadoras adicionais para o fabricante da carroçaria
7 Medidor de combustível
8 Display de velocidade
9 Tacômetro
10 Pressão do reservatório dos circuitos de freio 1 e 2
(é comutado automaticamente para o circuito mais
baixo)

34
•O painel de instrumentos é operado pelas 5 teclas de função.
Tarefa 2 Com a ajuda de manual do proprietário, descubra o significado dos botões.

000.0 Reinicia o odômetro de disparo

Reconhecimento dos defeitos do sistema

Reinicia as configurações de serviço

Iluminação mais escura do painel de instrumentos

Iluminação mais clara do painel de instrumentos

35
Lâmpadas indicadoras no painel de instrumentos

Lâmpada indicadora
de direção
para a direita

Lâmpada indicadora Freio


Farol alto permanente
de direção Freio ASR / SR para AG
para a esquerda permanente ativo
Freio de Bloqueio da
mão Parada cabina

Controle da
Báscula Assistente de Freio de
partida a frio Conversor de
Posição de espera Parada
(FLA) Assistente Torque Auxiliar de Freio de Aclive Freqüente
de Pista (WSK) Direção Posição de espera
(SPA) (ZL)

36
Atribuição do Conector no Painel de Instrumentos

Para recursos adicionais, até 8 lâmpadas indicadoras podem ser fornecidas com tensão na parte traseira do painel de instrumentos no plugue X2 18/4. O painel de
instrumentos fornece a tensão. As lâmpadas são escurecidas por meio do painel de instrumentos. As lâmpadas indicadoras adicionais são fornecidas com símbolos por meio
de cartões inseridos.

37
Discos de símbolos para as lâmpadas indicadoras:

Estes símbolos estão disponíveis no Actros para retro-alimentação e modificações.

Os símbolos individuais são auto-adesivos e podem ser anexados aos cartões inseridos no
painel de instrumentos.

31

38
Microplugue quadlock (MQS)

A fiação do INS é fornecida por dois microplugues quadlock de 18 pinos (MQS).


As entradas e saídas são à prova de curto-circuitos em conformidade com MBN22100.

Ao conectar os plugues, os fechos do Para liberar o contato novamente, o fecho deve


plugue travam automaticamente e ser pressionado e o grampo de travamento deve
asseguram a conexão. ser movido para cima.

39
Módulo de Som - Painel de Instrumentos 2002

O módulo de som integrado ao painel de instrumentos gera sons de advertência e retorno


diferentes e relacionados ao conteúdo e controla sua emissão. Um som é disparado tanto
internamente pelo próprio painel de instrumentos quanto por outros módulos de comando
que se comunicam com o painel de instrumentos por meio do CAN bus.
Módulo de som

Toques de advertência
• Alarme de advertência
• Luzes do alarme de
advertência
• Toques de advertência para
ART
Sons de retorno
• Ruídos da alavanca de
câmbio
• Ruídos do sinal de mudança
de direção
• Confirmação do código
• Sinal do sistema de piloto
automático

Para reproduzir acusticamente o som gerado, o painel de instrumentos ativa a segunda bobina do
auto-falante central. Só é possível gerar um som por vez (de acordo com a seqüência de prioridade).

B28 Auto-falante central no teto


X124.1 Conector

40
Volante - Painel de Instrumentos 2002

O volante multifunção é um novo recurso no setor de veículos comerciais.

Informações gerais

O volante multifunção permite ao motorista controlar e consultar diversos sistemas


(dependendo do modelo e do equipamento). Todas as funções disponíveis são combinadas
no FIS (sistema de informações para o motorista): para chamar as funções, os menus a
seguir estão disponíveis, entre outros:

• "Check information" (Verificar informação), por exemplo, para consultar a


temperatura do refrigerante ou
o nível do óleo do motor.
• "Audio" (Áudio), para ajustar o volume ou para operar o
aparelho de CD ou cassete
• "Maintenance" (Manutenção), para consultar as datas de manutenção calculadas
• "Telephone" (Telefone)
• "Destination" (Destino), para operar o sistema de navegação
• "Trip computer" (Computador de bordo)
• "Settings" (Ferramentas), por exemplo para configurar a hora
• "New messages" (Novas Mensagens), em veículos com FleetBoard

1 Teclas de função

41
Rede do volante multifunção

As teclas de função são conectadas ao módulo


base.

O GM, por meio da CAN controla o:


• FIS no painel de instrumentos
• Rádio
• Telefone

Importante: observe as informações de


segurança ao remover/instalar o volante
com airbag:

AH46.00-N-0001-01A
AS91.00-Z-0001-01A
AH91.00-P-0004-01A
OS91.00-P-0001-01A
AR91.60-W-0660A

A7 módulo base (GM) 5144 grupo de botões do volante multifunção do lado


A9 rádio 24 V esquerdo
A87 caixa do sistema do piloto S144s1 botão de rolagem para frente/para trás
automático S144s2 botões de seleção do sistema
CAN1 CAN do veículo 5145 grupo de botões do volante multifunção do lado
CAN2 CAN interior direito
P2 Painel de instrumentos S144s1 botões + e - para obter funções específicas
P2p1 Sistema do display para S145s2 botão para aceitar/encerrar chamada
informação
do motorista (FIS)

42
Teclas de função

Tarefa 1 Descubra o significado das teclas de função no volante multifunção. Utilize as


instruções de operação.

Navegação no FIS Volume mais

Próximo menu Relacionar os menus acima,

Navegação no FIS Volume mais baixo, relacionar os


menus abaixo

Menu anterior

Navegação no menu Relacionar os menus abaixo,


fazer a seleção

Próximo nível no
menu

Navegação no menu Encerrar chamada

Nível anterior do menu

43
Navegação no sistema de informação ao motorista (FIS) 01 Actros-info 01
Para rolar pelos menus, use os botões no volante multifunção

para rolar para frente ou para trás. 01 Actros-info 01


Nota:
Os menus principais são exibidos dependendo do equipamento. 02 Actros-info 01

01 Actros-info 01
Usando os botões no volante multifunção, é possível navegar
01 Actros-info 02
para cima ou para baixo dentro do
menu selecionado.
Nota:
Os submenus são exibidos dependendo do equipamento.

As opções são selecionadas usando o botão ou


no volante multifunção ou o volume é ajustado.

44
Os menus a seguir podem ser selecionados usando as teclas de função:

45
Sistema de Informações ao Motorista - Painel de Instrumentos 2002

As informações sobre o estado operacional do veículo e suas


advertências são exibidas ao motorista no FIS.
Além disso, as funções de diagnóstico e as opções de configuração para a
configuração do display são fornecidas. O display, que possui recursos
gráficos , se localiza no centro do INS e é operado por meio dos botões do
volante.

Tela básica
A tela básica do FIS pode ser selecionada pelo motorista.
• uma tela com fundo preto
• um velocímetro digital
• a data atual
• a temperatura do aquecimento interior
Exceto pelo indicador de marcha, todas as informações podem ser
ocultadas ou exibidas.

Indicador de eventos
No caso de um defeito, uma mensagem de evento aparece no centro do
display. Dependendo da prioridade, o plano de fundo da mensagem do
evento é amarelo ou vermelho.

1 Indicador de status (vermelho)


2 Pressão do reservatório do
sistema de freio
3 Local do defeito
4 Limitação da função
5 Instruções para ação

46
O display multifunção é dividido em áreas fixas.

1 Orientação ao usuário
2 Tela básica selecionada, por exemplo, display de velocidade
3 controle do nível
4 Indicador de marcha com configuração distribuída e display da marcha pré-selecionada
5 Campo de lembrete para exibição de defeitos
somente defeitos graves do BS e de TCO são exibidos usando o símbolo do sistema
6 Janela de exibição para travas, tomada de potência, eixo principal, eixo deslizante e auxílio para partida
7 Janela de exibição para controle de navegação ou funções ART

Os módulos de comando recentemente desenvolvidos no ACTROS utilizam o sistema hexadecimal por tipo de
falha e o caminho da falha.
Os dados são exibidos no painel de instrumentos no formato hexadecimal. Todos os eventos podem ser
exibidos por meio do diagnóstico de bordo no menu de diagnóstico.

Redução do "excesso de informações" por meio da filtragem lógica de mensagens de evento.


Somente eventos relevantes para o motorista ou para os quais um dos seguintes critérios são atribuídos são
exibidos para o motorista:
• indicadores exigidos por lei
• indicador relevante à segurança
• o defeito poderá levar a danos resultantes

47
Prática <> Painel de Instrumentos 2002

Tarefas práticas em 3 grupos

Sistema de
Objetivo: informações para o
Realizar tarefas relevantes para a prática no painel de instrumentos.
motorista .(FIS)

1
Tarefa:
Complete as folhas de tarefas abaixo nas 3 situações.
Anote suas descobertas.
Apresentação dos resultados por um grupo.

Tempo: 3 2
45 minutos cada

Botões do volante Diagrama do circuito,


parametrização

48
Situação 1 <> Sistema de informações para o motorista

Situação 1 <> Sistema de informações para o motorista

Complete estas tarefas práticas para operar o FIS no painel de instrumentos do ACTROS. Utilize as instruções de operação. Anote seus
procedimentos.

•Tarefa 1 •O menu de diagnóstico deve ser habilitado.


Como o menu de diagnóstico pode ser ativado no FIS utilizando os botões do volante?
Selecione o item de menu "Settings" (Ferramentas) no FIS (botões de rolagem), selecione o submenu
"Configuration"
(Configuração) (botões de seta), selecione "Enable diagnosis menu" (Habilitar menu de diagnóstico) e
habilite usando o botão +.

•Tarefa 2 •Após ativar o menu de diagnóstico, como um código de evento é lido no FIS?

Selecione o item de menu "Diagnosis" (Diagnóstico) (botões de rolagem),

lista de chamada de módulos de comando (botão da seta para cima),

selecione a unidade de controle (botões de seta),

selecione o submenu "Events" (Eventos) (botão da seta para cima),

selecione o submenu "Events" (Eventos) (botões +/-),

exiba o evento usando o botão da seta para cima

49
•Em seu veículo, avalie o desgaste do freio.
•Tarefa 3
Módulo dianteiro Módulo traseiro
Eixo A1 do lado esquerdo_____ % MW2 EEixo A3 do lado esquerdo __ % MW2

Eixo A1 do lado esquerdo _____ % MW3 EEixo A3 do lado direito _____ % MW3

Eixo A2 do lado esquerdo_____ % MW4 EEixo A4 do lado esquerdo __ % MW4

Eixo A2 do lado direito % _____ % MW5 EEixo A4 do lado direito _____ % MW5

Nota:
O freio de mão deve ser liberado, senão serão exibidos valores improváveis no HM!

•Tarefa 4 •Verifique o nível de óleo do motor. Como você faz?


Selecione o item de menu "Check info" (Verificar informação) e pressione os botões de seta até que o nível de óleo
seja exibido.

•Tarefa 5 •Como as operações de manutenção são confirmadas no WS?

Selecione a mensagem de manutenção no display usando os botões do volante, pressione o botão "reset"

(restaurar)

com um objeto com ponta.

50
•Tarefa a) In which menu can the alarm be set?
Item de menu "Alarm" (Alarme)

b) Como é possível despertar o motorista?

Cam painha ou rádio

• Tarefa 7 •Que informações o motorista pode solicitar no menu "Trip computer" (Computador de bordo)?
Capacidade e área do tanque, direção e tempos de frenagem

• Tarefa 8

•Leitura dos circuitos de freio no painel de instrumento


Circuito 1 _________ bar

Circuito 2 _________bar

51
Situação 2 <> Parametrização

•Tarefa 9 • O Considere as opções para parametrização no painel de instrumentos. Em grupo, discuta sobre os
parâmetros que não estejam claros. Anote os itens exibidos no menu "Parameterization" (Parametrização).

Parametrização INS

Lista de módulo de comando

Equipamentos do veículo

Lâmpadas indicadoras

Tomadas de força

Funções do reboque

Configurações do computador de bordo

Controle de transmissão do modo de emergência

Carregar novos idiomas

52
•Tarefa 10

Função do reboque Computador de bordo

a) Quais as opções de parametrização que podem ser encontradas nos itens de menu "Trailer functions" (Funções do reboque) e "Trip

computer" (Computador de bordo)?

Limites de advertência para exibição no painel de instrumentos podem ser parametrizados para a carga.

O escopo de exibição para o computador de bordo pode ser parametrizado.

b) Em qual item de menu os novos idiomas podem ser carregados, para que o texto seja exibido no instrumento?

Unidade de controle para adaptação/parametrização

53
Situação 3 <> Diagrama de circuito, botões do volante

•Tarefa 11

a) Usando o diagrama de circuitos, descubra informações

sobre os pinos

Alimentação de tensão para as lâmpadas indicadoras adicionais Auto-falante central de teto para o módulo de som K-emergency

para o modo de direção de assistência GS Sistema de piloto automático

b) Quais fusíveis do módulo base protegem o painel de instrumentos?

Term. 30 F17;term. 15 F30

•Tarefa 12

Os botões do volante são conectados ao módulo base por meio de 4 linhas. Atribua as tarefas às linhas correspondentes na ilustração.

__3__Fornecimento de massa ao volante para iluminação de segundo plano

__4__ Iluminação de segundo plano para os botões do volante como um sinal PWM

__1__Linha de sinais dos botões do volante do lado esquerdo e alimentação de tensão para o grupo de botões do lado direito

__2__Linha de sinais dos botões do volante do lado direito e alimentação de tensão para o grupo de botões do lado esquerdo

54
Aqui você pode ver o diagrama do circuito interno para os botões do volante. Agora
relacione as figuras na ilustração à tabela abaixo.

• Tarefa 13
__3__Fornecimento de base ao volante para iluminação de segundo plano

__4__Iluminação de segundo plano para os botões do volante como um sinal PWM

__1__Linha de sinais dos botões do volante do lado esquerdo e alimentação de tensão para o grupo de botões do lado direito

__2__Linha de sinais dos botões do volante do lado direito e alimentação de tensão para o grupo de botões do lado esquerdo

48

55
Tarefa 14

O Usando o multímetro, meça a linha de sinais para os grupos de botões do lado esquerdo e do lado direito no módulo base.
Em seguida, pressione os botões um após o outro e anote os valores da tensão. Pin

PIN GM X14 15/1 GM X14 15/4

Grupo de botões do lado Grupo de botões do lado


esquerdo não pressionado direito não pressionado
16 V 16 V

22,6 V 19,3 V

23,5 V 21,3 V

19,3 V 22,6 V

21,3 V 23,5 V

56
Painel Modular de Interruptores (MFS)

Como resultado da disposição dos botões no painel, a ergonomia foi melhorada para
o motorista. Os interruptores com funções importantes que devem ser realizadas ao
conduzir o veículo foram reunidos nos módulos que são fáceis de alcançar.

Os painéis adicionais de interruptores se localizam na parte superior


acima da área do motorista e na parede lateral.

Vantagens:
• número reduzido de linhas e conectores
• chicotes de fios e peso reduzido
• espaço de instalação e raio de roteamento otimizados
• adaptação individual melhorada
• retro-alimentação simplificada

57
Painel modular de interruptores

I Bus de dados ASIC A76 módulo do interruptor de suporte do painel 2 525 interruptor combinado
10 Área de suporte do painel do lado do motorista A77 módulo do interruptor de suporte do painel 1 526 ajuste do alcance do farol
I1 área de suporte do painel central A78 módulo do interruptor de suporte do painel 3
12 área de suporte do painel esquerdo A79 módulo do interruptor de suporte do painel 5
13 área do teto A80 módulo do interruptor de suporte do painel 7
14 área da parede traseira A81 módulo do interruptor de suporte do painel 8
A7 módulo base A82 módulo do interruptor da fechadura 6
A68 módulo do interruptor mestre 4 A83 módulo do interruptor do teto 10
A69 módulo do interruptor de suporte do painel 9 A84 módulo do interruptor da parede traseira 12
A70 módulo do interruptor da parede traseira 13 CAN2 CAN interior
A71 módulo do interruptor do teto 11 524 interruptor da luz

58
Sistema de Sub-bus ASIC

O painel modular de interruptores abrange uma unidade de controle (módulo mestre) que é conectada ao CAN bus interior. O interruptor do pisca-alerta é
permanentemente integrado ao módulo mestre. Além disso, dois interruptores de sinalização do lado esquerdo e do lado direito do interruptor do pisca-alerta
podem ser conectados. Painéis com diversos interruptores (módulos escravos) também são conectados ao módulo mestre. Interruptores adicionais podem ser
acomodados aqui.

Os interruptores com conexão individual podem ser simples interruptores de sinalização cuja informação é transmitida ao interruptor mestre como
telegramas de dados por meio do sistema de sub-bus integrado (ASIC = Application System Integrated Circuit). O sistema de sub-bus opera a aprox. 30
kBits foi projetado para uma extensão de 15 m. O módulo mestre transmite a informação para todos os outros componentes no veículo por meio da CAN
interior.

São transmitidas no telegrama de dados:

* identificação do interruptor
* posição do interruptor

Além disso, há interruptores de carga que podem acionar o consumo até no máx. 20 A. Estes interruptores de carga também são conectados ao sistema de - painel de controle
escravo tem quatro posições de plugues em cada caixa, em que podem ser encaixados tanto interruptores de sinalização ou de carga.
Com interruptores de carga, a carga a ser ativada pode ser conectada ao interruptor na parte posterior do painel de controle escravo por meio das aberturas
fornecidas com este objetivo.

59
Painel Modular dos Interruptores - Componentes

Módulo mestre

Função
* Leitura dos sinais do interruptor de todos os componentes conectados
* Leitura das mensagens da CAN de todos os interruptores de sinalização
* Acomodação de 2 interruptores de sinalização
* Interruptor do pisca-alerta integrado
* Transmissão dos sinais do interruptor no módulo base
* Ativação da iluminação do interruptor
* Monitoramento do interruptor

Módulo escravo

Função
* Leitura das mensagens de CAN de todos os interruptores de sinalização
* Acomodação máx. 4 interruptores de sinalização ou de carga
* Transmissão dos sinais do interruptor ao módulo mestre
* Ativação da iluminação do interruptor

60
Painel Modular dos Interruptores – Interruptores

Os interruptores ASIC (de sinalização) transmitem, ao serem operados ou sob solicitação, um telegrama de dados por meio do bus de dados ASIC
Ao painel do interruptor modular e, assim, retransmite a solicitação do interruptor em particular digitalmente ao painel do interruptor mestre.
Cada interruptor transmite seu próprio telegrama de dados e possui uma função atribuída permanentemente, bem como sua própria identidade e
seu próprio número de peça.

Função
• Transmitir sua própria identificação por meio do bus de dados ASIC
• Transmitir a informação do interruptor pelo bus de dados ASIC
• Receber a informação por meio do bus de dados ASIC
• Ativação da iluminação do interruptor
• Ativar a lâmpada indicadora do interruptor

Recurso especial
Funções individuais, como a lâmpada interior, podem ser ativadas a partir do banco do motorista e da área de descanso.
Para evitar problemas, não se deve encaixar um interruptor com o mesmo número de peça mais de uma vez no MSF!

Interruptores de carga
Os interruptores de carga, além de seus pinos conectores no bus de dados ASIC, têm outros pinos de carga para ativar as funções
específicas diretamente por meio do interruptor.

Função
• Os interruptores consomem energia diretamente por meio dos pinos de carga convencionais
• Receber a informação por meio do bus de dados ASIC
• Ativação da iluminação do interruptor
• Ativar a lâmpada indicadora do interruptor

Pinos de carga
• Interruptores com funções específicas, taxa máx. de 20 A

61
Braço da biela da engrenagem da direção

Funções

• Indicador do sinal da direção, esquerda/direita


• Farol baixo/alto
• Pica-pisca do farol
• Limpador de três estágios, limpeza intermitente, limpador/lavador de pára-brisa, limpador de um toque
• Buzina
• A posição do interruptor é indicada no MSF

O braço da biela da engrenagem de direção está conectado ao painel do interruptor mestre do MSF. Os
sinais do interruptor no braço da biela da engrenagem da direção são lidos a partir de lá, monitorados e
transmitidos para o módulo base por meio de CAN.

O braço da biela da engrenagem da direção não deve ser ativado com outros itens!

Interruptor de luz giratório

Funções
• Luz da lanterna
• Farol baixo
• Farol de neblina
• Farol de neblina traseiro

A posição do interruptor de luz giratório no painel do interruptor mestre é interpretada por


meio de microinterruptores internos, desta forma detectando a posição de determinado
interruptor.
O interruptor é monitorado pelo painel modular de interruptores, interpretado e a posição do
interruptor é transmitida ao módulo base.

O interruptor de luz giratório não deve ser carregado com outros itens!

62
Ajuste da Faixa do Farol, Interruptor de Bloqueio do Diferencial

Ajuste da faixa do farol (LWR) em veículos com molas de aço

A configuração solicitada pelo motorista no ajuste da faixa do farol é avaliada no módulo mestre.
O valor de resistência é digitalizado no módulo mestre e transmitido como um sinal de CAN para o módulo
dianteiro por meio do módulo base. O módulo dianteiro aciona os motores do ajuste da faixa do farol nos
faróis de maneira correspondente.

O equipamento do veículo com/sem o ajuste da faixa do farol é parametrizado no MSF.

Interruptor de bloqueio do diferencial

Dependendo do equipamento do veículo, interruptores giratórios diferentes são utilizados.

Funções do interruptor do lado direito


* bloqueio do diferencial para o eixo traseiro, eixo dianteiro, caixa de transferência

Funções do interruptor do lado esquerdo


* embreagem fora-de-estrada / embreagem rodovia

Diversos valores de resistência no interruptor giratório detectam a posição do interruptor.


O MSF avalia esta informação e transmite um sinal CAN para o módulo dianteiro por meio
do módulo base.

63
Interruptores de Retro-Alimentação de Carga e de Sinal

Interruptores de Reserva de Carga e de Sinal


1 - Interruptores de carga

Três interruptores de carga são fornecidos com objetivos de Interruptor de Interruptor de


reserva: reserva carga
• Reserva 1 alimentação reserva
• Reserva 2 geral eixos
• Reserva de carga do eixo

Os interruptores oferecem a opção de carregar e descarregar diretamente utilizando o interruptor.


Para que isto ocorra, é necessário anexar a fiação à carga a ser carregada ou descarregada
diretamente no interruptor.

Diagrama de circuitos interno:

• Grade
• Oscilador duplo
• 2 x normalmente abre os contatos
• Interruptor de carga
• 2 x FA (direto) indicador de função
• 2 x SB (iluminação do interruptor)

64
Interruptores de sinalização

Os interruptores de sinalização com finalidade de reserva Interruptor de


são chamados de: sinalização
• pino de função de reserva 1 e reserva
• pino de função de reserva 2

É fácil encaixar os interruptores em qualquer posição no painel modular de interruptores, assegurando assim a função do interruptor. Os
sinais destes interruptores são avaliados no módulo base (GM) e os pinos de função são acionados. No GM, estão disponíveis opções
de parametrização extensivas com este objetivo. Para os interruptores de retro-alimentação, o próprio fabricante da carroçaria pode
anexar os símbolos.

Há interruptores especiais para equipamento de retro-alimentação que também é fornecido pela fábrica como equipamento especial.

Operações necessárias ao retro-alimentar os interruptores no MSF:


1) Encaixe o interruptor
2) Interruptor de sinalização: o interruptor é inicializado automaticamente, o sinal é disponibilizado
imediatamente.
Interruptor de carga: conecte a fiação do interruptor corretamente.
3) Adaptar parametrização: uma lista de equipamentos pré-determinada com todos os interruptores é armazenada no módulo mestre. O novo interruptor deve ser inserido aqui
como "encaixado". Se
houver um desvio dos interruptores atuais, o módulo de comando armazena uma falha ("switch missing/too many") (interruptor faltante/há muitos). Atualmente, o
monitoramento é desativado para todos os novos interruptores de retro-alimentação e sobressalentes, ou seja, os interruptores podem ser encaixados de maneira
subseqüente sem gerar uma falha.

65
Tarefas <> Painel Modular dos Interruptores

No caso de uma falha no painel modular de interruptores, podem ocorrer limitações de função. Complete as tarefas a seguir para se familiarizar com o painel modular de
interruptores.

• Tarefa 1

O Quais são os efeitos no funcionamento do teto solar se a alimentação de tensão do painel modular do interruptor for interrompida?

(x) A - O interruptor é um interruptor de sinalização. Se ocorrer uma falha na alimentação da tensão, o sistema de subbus ASIC também falha e a função não é executada.
( ) B- O interruptor é um interruptor de carga, que não recebe sua alimentação de tensão do módulo mestre. A função não é prejudicada.

( ) C- O sinal é sobrecarregado e é desativado no módulo mestre. Toda a função não é mais executada.

( ) D- Não se deve esperar nenhum efeito sobre a função.

• Tarefas 2
Qual será o efeito se o sinal "High beam" (Farol alto) no interruptor da coluna de direção para os faróis auxiliares for interrompido?

(x) A - O interruptor é um interruptor de sinalização. Se ocorrer uma falha na alimentação da tensão, o sistema de subbus ASIC também falha e a função não é executada.
( ) B- O interruptor é um interruptor de carga, que não recebe sua alimentação de tensão do módulo mestre. A função não é prejudicada.
( ) C- O sinal é sobrecarregado e é desativado no módulo mestre. Toda a função não é mais executada.
( ) D- Não se deve esperar nenhum efeito sobre a função.

66
• Tarefa 3
Qual será o efeito sobre a função 'Switching tail lift on/off’ (Interruptor de levantamento traseiro ligado/desligado), se a alimentação de tensão do painel modular de
interruptores for interrompida?

( ) A - O interruptor é um interruptor de sinalização. Se ocorrer uma falha na alimentação da tensão, o sistema de subbus ASIC também falha e a função não é executada.
(x) B- O interruptor é um interruptor de carga, que não recebe sua alimentação de tensão do módulo mestre. A função não é prejudicada.
( ) C- O sinal é sobrecarregado e é desativado no módulo mestre. Toda a função não é mais executada.
( ) D- Não se deve esperar nenhum efeito sobre a função.

67
Tarefas <> Funções do Painel Modular dos Interruptores

Conceito de segurança

Se ocorrer um defeito no painel modular de interruptores, entra em funcionamento um conceito de segurança integrado.

• Como a iluminação do veículo responde se houver um defeito no sistema MSF?


a) Com esta finalidade, desconecte o plugue X3 para o interruptor de luz no módulo mestre. Dê a partida
no motor.

A lanterna, o farol baixo e a lanterna traseira, bem como as luzes laterais, são acionados automaticamente.

b) Com esta finalidade, desconecte o plugue X3 para o interruptor de luz no módulo mestre.Dê a partida no motor. Pressione os
indicadores de sinalização esquerdo e direito.
Os indicadores de direção são acionados.

• Como a iluminação do veículo responde se houver um defeito no sistema MSF?


a) Com esta finalidade, desconecte o plugue X1 para o módulo base no módulo
mestre. Dê a partida no motor.

A lanterna, o farol baixo e a lanterna traseira, bem como as luzes laterais, são acionados automaticamente.

b) Com esta finalidade, desconecte o plugue X1 para o módulo base no módulo mestre. Dê a partida no motor. Pressione
os indicadores de sinalização esquerdo e direito.

Os indicadores de direção não são ativados.

68
• Uma luz interna (com interruptor original) deve ser retro-alimentada no veículo do cliente. Com a abrangente rede ACTROS , o procedimento é simples. A
função é descrita no documento WIS GF82.10-W-3018MP.

Complete o diagrama de blocos e nomeie os módulos participantes.

Painel
modular do
interruptor

Módulo base
(GM)

Módulo
dianteirio
(FM)

69
•Realize a operação de montagem do interruptor e da luz interna e responda às questões.
a) Quais operações são necessárias se o interruptor "Work lamp" (Luz interna)no MSF for utilizado?

Conecte o interruptor que deve ser parametrizado.

b) Quais operações são necessárias para ativar a luz interna no FM?

Parametrize 'work lamp present' (luz interna presente) no FM para permitir que seja ativada.

c) Insira outro botão S30 como um botão duplicado em qualquer módulo escravo.
Pressione este botão. Qual resposta ou dano é possível determinar?

A luz interna responde à ativação dos dois botões

Não é possível determinar nenhum dano da função

• Todos os módulos escravos são conectados por meio do subbus ASIC ao módulo mestre por meio de 3 linhas. Descubra os pinos por meio dos quais a tensão é
fornecida e o pino que é usado como linha de dados. Anote as cores das linhas.

X1 3/1 - Alimentação de tensão 24 V azul

X1 3/2 - Linha de dados marrom/vermelho

X1 3/3 - Base amarelo

70
Luzes Externas, Modelos 930-934

No modelo ACTROS reestilizado, é utilizada uma nova geração de faróis. Nestes faróis de vidros claros, a distribuição de luz não é mais controlada por meio das lentes, mas é
alcançada pelo formato do refletor.

ACTROS até 2002 ACTROS a partir de 2003

1 farol baixo
2 farol alto Nota
3 luz da lanterna Devido à saída de luz alta do farol alto, não podem ser
4 farol de neblina operados faróis auxiliares adicionais no ACTROS!
5 lâmpada de sinalização de direção
6 farol adicional

71
Faróis Xenon - Design e Funções

Design

A unidade da lâmpada do farol xenon abrange:

1 alojamento de farol com refletor


2 farol de descarga de gás
3 módulo de ignição / módulo de comando
4 conexão elétrica (ao módulo dianteiro)

72
Função
Quando o farol baixo é ativado, o módulo de comando ativa o módulo da
ignição por meio da tensão de controle dentro de millisegundos. Como resultado de
um pico de alta tensão do dispositivo de ignição, aprox. 20 kV, um arco elétrico é
formado entre os eletrodos e a lâmpada xenon acende.

Se um arco elétrico de estabilidade suficiente é detectado, a parte eletrônica do


controle passa para a operação de limitação de energia. A energia elétrica é
regulada para 35 W. Um conversor de tensão gera uma tensão de aprox. 85 V
necessária para o funcionamento seguro da lâmpada xenon.

Módulo de comando do farol xenon

Sistema de limpeza do farol


As partículas de sujeira da superfície das lentes do farol desviam os feixes de luz e
ofuscam o trânsito em sentido contrário. Com os faróis xenon, este efeito ofuscante,
causado pela grande luminosidade dos faróis, é muito grande. Portanto, os sistemas
de limpeza dos faróis são estipulados por lei para sistemas de faróis com lâmpadas
de descarga de gás.

Os bicos são instalados em um telescópio acima da unidade com a lâmpada. O sistema


de limpeza dos faróis é ativado por meio de um interruptor separado.

73
Lâmpada de Descarga de Gás - Design e Função

Função
A câmara de combustão da lâmpada xenon é cheia de gás xenônio e de uma mistura de sais halóides metálicos.
Esta mistura é incendiada por uma alta tensão. A cor da luz é similar à da luz do dia.

As lâmpadas xenon têm uma seqüência de início programada devido à tecnologia utilizada. Após ser acesa, 50 % do
brilho é atingido dentro de 1 a 2 segundos e a iluminação total é atingida após aprox. 30 segundos.

Lâmpada de descarga
de gás xenon
Comparação da saída de luz:

Farol baixo halógeno (H7) Lux Xenon

74
Risco de morte devido à alta tensão nos faróis xenon

Medidas de segurança ao manusear faróis xenon


WIS: AS82.10-Z-0001-01A

Risco de morte

Os faróis xenon operam em uma faixa de energia perigosa. Devido às altas tensões, pode ser letal tocar as peças que conduzem (altas) tensões!
Choques elétricos podem levar à fibrilação ou parada cardíaca. Também, as conseqüências de um choque elétrico podem não ocorrer até alguns
minutos depois, portanto, sempre procure um médico.

Instruções/precauções de segurança

* Pessoas com implantes eletrônicos (por exemplo, marca-passos) não podem realizar nenhuma operação nos faróis xenon.
* Durante as operações com faróis xenon (por exemplo, troca de peças, conexão de dispositivos de teste, etc.) a iluminação deve ser
desligada
anteriormente.
* Quando os faróis xenon estão acesos, nunca toque as peças de condução de alta tensão.
* Use sapatos protetores (com solado de borracha).

75
Tarefa <> Iluminação no Actros, Modelos 930-934

• Tarefa 1 Responda às questões sobre a iluminação no ACTROS . Use a


literatura da oficina e o diagrama do circuito.

Insira os módulos nos quais as lâmpadas relacionadas são


conectadas.

Farol baixo
FM

Lâmpadas na entrada FM

Lâmpadas de entrada na porta TMF, TMB

Luzes de neblina traseiras HM

Luzes delimitadoras dianteiras GM

Lâmpadas do pisca lateral FM, HM

Lâmpadas de neblina dianteiras FM

Iluminação do reboque GM

Indicador de direção para o reboque GM

Luzes interiores da cabina GM

76
• Observe ativações posteriores da iluminação.
Qual o fluxo de sinais para a ativação da luz de freio com BS?

A partir do BS por meio da CAN do veículo para o GM, a partir dali para o HM e para o soquete do reboque.

77
•Observe ativações posteriores da iluminação.
Qual o fluxo de sinais para a ativação da luz de ré com BS?

A partir do GS por meio da CAN da transmissão para o FR por meio da CAN do veículo para o GM, a partir dali para o HM e

soquete do reboque.

78
Prática <> Iluminação no Actros, Modelos 930-934

Como a iluminação responde no caso de um fornecimento de tensão interrompido para o FM e o HM?

• Tarefa Com este objetivo, remova o fusível no distribuidor de energia para o módulo
dianteiro. Anote suas observações.

Veículo com lanterna Veículo As lanternas dianteiras e traseiras, bem como as luzes indicadoras laterais são acionadas. A lanterna, o farol baixo do

com o farol baixo lado esquerdo, a lanterna traseira e as luzes indicadoras laterais são acionadas.

Veículo com farol baixo e pisca-alerta O farol baixo e a lanterna traseira, bem como as luzes indicadoras laterais, são ativados.

Quando o pisca-alerta é ativado, a lanterna do lado direito é desativada.

Com este objetivo, remova o fusível no distribuidor de energia para o módulo


traseiro. Anote suas observações.
• Tarefa

Veículo com lanterna As lanternas


A dianteiras e traseiras, bem como as luzes indicadoras laterais são acionadas.

Luz de freio adicional e pisca-alerta Quando


l o pisca-alerta é ativado, as luzes de freio são desativadas.
u
Veículo com lanterna e luz de neblina traseira De neblina
z traseira é desativada com um consumo de energia maior que 8ª

Luz de freio adicional e pisca-alerta Quando o pisca alerta é ativado, as luzes de freio são desativadas.

Nota: Os módulos dianteiro e traseiro recebem o sinal wake-up (despertador) através do bus can . O consumo de energia é de 8 A máximo por módulo.

79
Reconhecimento da Falha do dos filamentos das lâmpadas

Como verificar o funcionamento do filamentos das lâmpadas?

Uma corretne elétrica pré-determinada passa pelos bulbos por meio do resistor R quando
o circuito é fechado.

Isto causa uma queda de tensão UR no resistor R, que é medido e salvo pelo amplificador OP.

Se a corrente mudar (por exemplo, falha de um bulbo), a queda de tensão no resistor R


também muda.

Isto é detectado pelo micro-controlador (u.C), avaliado e transmitido por meio da CAN para
o INS como uma mensagem de erro.

E como a falha do sistema de iluminação é exibida?

High beam
Defective (Farol
alto com defeito)

Replace bulb
(Trocar o bulbo)

80
Reconhecimento da Falha da Lâmpada

Resultados do módulo Designação Pino do plugue


dianteiro Lâmpada indicadora lateral, dianteira esquerda X5 21/9 parametrizável para LED ou bulbo
Lâmpada indicadora lateral, dianteira direita X5 21/11 parametrizável para LED ou bulbo

Designação Pino do plugue

Luz de freio, lado esquerdo X4 21/10 7 ou 2 bulbos parametrizáveis


Resultados do módulo Luz de freio, lado direito X4 21/4 1 ou 2 bulbos parametrizáveis
traseiro Luz indicadora de direção, traseira esquerda X4 21/1 1 ou 2 bulbos parametrizáveis
Luz indicadora de direção, traseira direita X4 21/3 7 ou 2 bulbos parametrizáveis
Lanterna traseira, lado esquerdo / luzes delimitadoras X4 21/5 7 ou 2 bulbos parametrizáveis
exteriores, lado esquerdo
Lanterna traseira, lado direito / luzes delimitadoras X4 21/11 7 ou 2 bulbos parametrizáveis
exteriores, lado direito
Lâmpada indicadora lateral, traseira esquerda X4 21/13 parametrizável para LED ou bulbo
Lâmpada indicadora lateral, traseira direito X4 21/8 parametrizável para LED ou bulbo
Luz de ré X4 21/6 /2 0, 1 ou 2 bulbos parametrizáveis
Farol de neblina traseiro X4 21/21 /9 0, 1 ou 2 bulbos parametrizáveis

Reconhecimento da falha do bulbo (usando o exemplo da uma lanterna traseira)


Quando a iluminação é ativada, a corrente é medida nos pinos de saída e o consumo de energia dos lados esquerdo e direito é comparado. Comparado
com o valor parametrizado de consumo de energia, pode-se determinar se um bulbo está com defeito.

Se os valores medidos foram encontrados em uma ordem de magnitude possível, eles são salvos. Uma diferença é avaliada como uma falha de um bulbo e é exibida
como falha.

81
Lâmpadas Piloto

Módulo dianteiro:

Na saída das lâmpadas indicadoras laterais X5 21/9 e X5 21/11, em cada receptáculo dois bulbos de 5 W ou três lâmpadas com LED

Módulo traseiro:

Na saída das limpadas indicadoras laterais X5 21/8 e X5 21/13, em cada receptáculo dois bulbos de 5 W ou três lâmpadas com LED

Módulo base:

Plugue X7 9/1 na maioria 2 amps ou


por meio dos pinos de função parametrizável a 0,5 amp

82
Soquete do Reboque

O soquete do reboque é fornecido com energia pelo módulo base.

Reconhecimento do reboque
Os reboques são reconhecidos por meio de uma corrente sem carga pela saída para a luz da lanterna do reboque do lado esquerdo e a saída para os indicadores de direção
direito e esquerdo. A detecção do reboque é realizada quando o term. 15 é ativado. Se uma carga for detectada em duas dessas saídas, o reboque é considerado detectado pelo
módulo base.

Proteção eletrônica das saídas


A corrente que flui no pino conector é medida. Se esta corrente excede o valor pré-determinado pelo design por aprox. 20 ms, a conexão é desligada (proteção eletrônica).
O software detecta que o driver foi desativado e reverte a ativação deste driver. Com uma nova solicitação, o driver é ativado novamente se o term. 15 for desativado e
ativado outra vez antecipadamente.

Reconhecimento da falha do filamento (usando o exemplo de um indicador de direção)


Quando os indicadores de direção do lado esquerdo e direito são ativados pela primeira vez após o reconhecimento do reboque "Trailer present" (Reboque Atual), uma corrente é
medida a cada vez e
o consumo de energia é comparado para os dois lados.
Após a comparação com um valor armazenado para o consumo de energia de um bulbo, pode-se determinar se um ou dois bulbos estão presentes no reboque.

Se os valores medidos foram encontrados em uma ordem de magnitude possível, eles são salvos.
A partir da próxima operação de sinalização de direção, as medições de corrente são comparadas aos valores armazenados. Caso haja uma diferença, ela é considerada como
uma falha de um bulbo e
é indicada como uma falha.

O módulo base gera um pulso do clock para esta falha em duas vezes a freqüência.

83
Carga de corrente do soquete de 15 pinos do reboque:

Designação Pino corrente máx. Projetado para

Indicador de sinalização de direção, esquerda, relé 1 2A 2 x 2 1 W; 150 mA


Indicador de sinalização de direção, direita, relé externo 2 2A 2 x 2 1 W; 150 mA
Luz de neblina traseira, relé externo 3 2A 2 x 2 1 W; 150 mA
Term. 31 4 10 A
Soquete do reboque da lanterna do lado esquerdo, 5 4A 2x10W
term. 58 L Lanterna traseira do lado esquerdo Luz 2x10W
delimitadora esquerda Luz da placa do lado esquerdo 2x10W
Luzes sinalizadoras laterais do lado esquerdo Relé 7x 3W
externo 150 mA

Soquete do reboque da lanterna do lado direito, term. 6 4A 2x10W


58 R Lanterna traseira do lado direito Luz delimitadora 2x10W
do lado direito Luz da placa do lado direito Luzes 2x10W
sinalizadoras laterais do lado direito Relé externo 7x 3W
150 mA
Term. 54 luz de freio 7 7.5 A Fusível F23 1 5 A
Posição do plugue do relé
Luz de ré, relé externo 8 4A 4x21 W; 150 mA
Term. 30 9 10 A Fusível F5 20 A
Sobressalente 1,5 mm 10 FF5.1 18/5
Sobressalente 1.5 mm2 11 FF5.1 18/6
Sobressalente 1.5 mm2 12 FF5.1 18/7
Term. 31 13 10 A
CAN alta do CAN bus do Reboque 14 para PSM
CAN baixa do CAN bus do Reboque 15 para PSM

84
Módulo Base (GM)

O módulo base GM se localiza na cabina, no compartimento elétrico


e é acessível tanto de dentro quanto de fora.
O GM é parafusado à estrutura do conector FF do plugue.

As tarefas do GM podem ser divididas em dois grupos:

* distribuição atual
* acomodação de relé e fusíveis

* processamento de informações
* ativação de carga protegida eletronicamente

Os sinais de entrada e saída a partir da área da cabina são recebidos e enviados aqui.

Módulo base com conector de chassi/ cabina

85
Derivação de corrente no módulo base
Os prisioneiros contínuos são fornecidos no módulo
base para derivar a corrente dos componentes
colocados na fábrica.
1 Prisioneiro (M8) KL 30
2 Prisioneiro (M8)- KL 31

Taref de relés:
K1 luz de freio
K2 D+
K3 terminal 15.2
K4 terminal 15.1
K5 terminal 15.R

Parte traseira do módulo base

Devido à seção cruzada de linha limitada e ao fato de que a alimentação de tensão do módulo base não estar conectada ao distribuidor de energia, com as derivações > 10 A
as linhas adicionais devem ser roteadas à cabina.

Com este objetivo, o equipamento especial ED9 pode ser usado ou a linha pode ser grampeada por meio de caixas de junção adicionais no
distribuidor de potência. A linha positiva retro-alimentada deve ser conectada.

86
Variantes do Módulo Base

As seguintes variantes são fornecidas para o módulo base. O hardware difere dependendo dos requisitos para os veículos individuais. Os alojamentos são
idênticos, somente os componentes fornecidos nas placas de circuito impressas na parte interna são diferentes. Dependendo da variante, os módulos de
comando ilustrados são integrados.

Padrão Midi Alta


(Standart) (High)

87
Funções do Módulo Base

Como parte da rede KontAct, o módulo base assume as seguintes funções e tarefas:

Tarefas importantes para as quais o módulo base é usado como um módulo de comando:

EDW Sistema de alarme anti-furto


KOM Fornece dados telemáticos
WS Sistema de manutenção
FFB Controle remoto via rádio
ZDS Memória de dados central

Luzes exteriores Ativação e monitoramento


Luzes interiores Ativação e monitoramento

Limpeza do pára-brisa e do farol Ativação e monitoramento

Tomadas de força Ativação e monitoramento

Bloqueio da cabina Monitoramento

Alimentação para o reboque Alimentação de tensão

Interface para o plugue X7 do fabricante da carroçaria Plugue X7

Pinos de função Funções parametrizáveis armazenadas

Buzina Ativação e monitoramento

Indicador de sinalização de direção e pisca- alerta Ativação e monitoramento

88
Código do Plugue para o Módulo Base

ACTROS, Modelos 950-954 ACTROS, Modelos 930-934

21 pinos

18 pinos

15 pinos

12 pinos

9 pinos

6 pinos

cores diferentes cinza branco azul violeta

89
Fusíveis, Relés e Diodos Adicionais

Fusíveis, relés e diodos adicionais podem ser


instalados por meio de faixas auxiliares no módulo
base

Fusíveis adicionais A1,A2


Relés adicionais (micro) A31
Relés adicionais (grande) A32
Diodos D

90
Tarefas <> Módulo Base

Responda às questões sobre o módulo base do novo ACTROS. Utilize o manual do operador.

• Tarefa 1 No módulo base há 5 posições de plugues para os relés. Quais


as tarefas realizadas pelos relés?

K1 Luz de freio para o reboque e o plugue X7

K2 D+

K3 Term. 15.2

K4 Term. 15.1

K5 Term. 15. R

Observe os fusíveis no módulo base. O que os


• Tarefas 2 fusíveis relacionados protegem?

No. Term.... Designação No. Term.... Designação

F1 30 Unidade de controle da porta do motorista F15 30 Ventilador


F6 30 Painel modular de interruptores F21 15 Controle do motor, alternador
F9 30 ABS do Reboque F23 54 Luz de freio para o reboque e para a carroçaria
F10 15 Distribuição do term. 15.2 F25 15 Conector do link de dados
F12 30 Unidade de controle para o controle das marchas F31 15R Rádio

91
Tarefa<> Plugue X7 no Módulo Base

O plugue X7 no módulo base é fornecido para derivar os sinais mais


importantes para a conexão da carroçaria

• Tarefa

Usando o diagrama de circuitos, determine a atribuição do plugue do pino 9.


Nota: Pino 1: Term. 58 lanterna máx.2a
A derivação é limitada a 10 A no plugue X7. Pino 2: Term 30
Pino 3: Term 54 luz de freio
Pino 4: luz de ré máx. 2 A
Pino 5: Term. W
Pino 6: Term D+
Pino 7: Term.31
Pino 8: sinal v máx. 10A8 pulsos/m
Pino 9: Term 15

92
Memória de Dados Central (ZDS)

O módulo base tem uma memória de dados central (ZDS), em que todos os parâmetros da parte eletrônica fornecidos no veículo são armazenados. A ZDS
tem um tamanho de 2,048 kB.
A memória de dados central mantém os dados disponíveis para os módulos de comando permanentemente. Se necessário, por exemplo, um módulo de
comando é trocado; os parâmetros da memória de dados central podem ser gravados no novo módulo de comando.

Os dados a seguir são armazenados para cada unidade de controle na ZDS:


• Número de objeto MB
• Versão de hardware e software
• Versão de diagnóstico
• Dados de diagnóstico
• Data da última sessão de diagnóstico
• Dados de parâmetro
• Dados de registro do histórico de manutenção somente para WS

A cada vez que o term. 15 é ativado, a data da última alteração nos parâmetros nos módulos de comando é verificada e comparada com a ZDS. No caso
de alterações nos parâmetros ou nas versões de unidade de controle, a ZDS deve ser atualizada utilizando o dispositivo de diagnóstico.

No instrumento, é realizado um backup nos dados a partir da ZDS em uma memória espelhada (128 kB) como precaução. Isto também torna possível
substituir o módulo base e restaurar todos os dados novamente.

Nota Os parâmetros dos módulos de comando MR, FLA, TCO e ART não são armazenados
na ZDS.

93
Tarefas <> Memória de Dados Central

• Tarefa 1

Informação TR:
Usando a simulação DAS, consulte o ZDS e
Exiba funções específicas do menu por meio do projetor.

Acesse o sistema ZDS por meio da simulação DAS e adquira uma visão geral. Quais opções estão disponíveis na ZDS no menu "Special functions"
(Funções especiais)?

Comparação de conteúdo entre a ZDS e um módulo de comando


Comparação de conteúdo entre a ZDS e todos os módulos de comando
Atualização da ZDS
Gravação da ZDS em um módulo de comando

• Tarefa 2

O Após o dano resultante de um acidente, deve-se instalar um novo módulo dianteiro.


Quais estágios devem ser realizados com esta finalidade? Especifique a seqüência.

4 Gravação da memória de dados central no módulo


dianteiro após o reparo
3 Instalação de um novo módulo dianteiro
1 Atualização da memória de dados central antes do
reparo, se possível.
2 Remoção do módulo dianteiro antigo

94
• Tarefa 3

Por que a memória de dados central deve ser atualizada antes e depois da troca do módulo?

(x) a - Antes do reparo, os dados atualizados da unidade de controle devem ser armazenados na ZDS.

( ) b - Antes do reparo, os dados atualizados do módulo de comando armazenados na ZDS devem ser apagados.

(x) c - Após o reparo, o registro de dados armazenados na ZDS devem ser transferidos para a nova parte eletrônica.

( ) d - A ZDS no módulo base automaticamente armazena dados a cada 5 segundos. Portanto, não são necessárias operações.

• Tarefa 4

AR54.21-W-1245-01MP

Quais estados podem ser reconhecidos durante a verificação de compatibilidade de um novo componente eletrônico?

Quais as conseqüências para você na oficina ao trocar um módulo de comando?

(x) a - O módulo de comando é completamente compatível, não é necessária nenhuma outra parametrização.

(x) b - O módulo de comando é parcialmente compatível, todos os parâmetros armazenados são transferidos automaticamente, os parâmetros adicionais devem ser inseridos
manualmente no novo módulo de comando.

( ) c - O módulo de comando está irreparável, todos os parâmetros armazenados são excluídos automaticamente.

(a) d - O módulo de comando é compatível, em outras palavras, não podem ser inseridos parâmetros usando DAS.

(x) e - A unidade de controle é incompatível, DAS tenta transferir o maior número possível de parâmetros, todos os outros devem ser inseridos manualmente.

95
Lógica Combinada no Módulo Base

Operação OR (OU)

Com uma operação AND (E), todas as condições de inserção Com uma operação OR, é suficiente se pelo menos uma condição de
devem ser satisfeitas simultaneamente com o objetivo de entrada for satisfeita para ativar a função de saída.
ativar a função de saída.

Condição de entrada 1 A Função de saída


Condição de entrada 1
N Função de saída
O
D
Condição de entrada 2 R
Condição de entrada 2
Função de saída

Conexão combinada

Usando este exemplo, duas operações são combinadas.


O resultado da operação AND (E) é processado posteriormente
como um
sinal de entrada para a operação OR.
Esta função de saída é ativada se a condição de entrada 1 ou a Condição de entrada 1 Função de saída
operação AND (E) for satisfeita O

Condição de entrada 2 A R

Condição de entrada 3 D

96
Pinos de Função no Módulo Base

Três saídas são fornecidas no plugue X12 como pinos de função no módulo
base.
Condição de entrada 1
Estes pinos são fornecidos para funções especiais e para funções adicionais
O Função de saída
e são parametrizáveis para suas determinadas aplicações. A
as saídas podem ser carregadas a 0.5 amps.
R
Condição de entrada 2
O tipo de lógica AND / OR (E/OU) necessário pode ser parametrizado.

ANS/ OR
As saídas são monitoradas quanto a curto-circuitos para (positivo e negativo) e base,
Tipo de lógica
bem como para circuitos abertos.

Pré-tarefa dos pinos de função no módulo base:

X12 21/15 Condição de entrada : farol alto ativado interruptor


Condição de entrada 2: 1 ativado AND (E)
Tipo de lógica:

X12 21/18 Condição de entrada 1: lanterna ativada interruptor


Condição de entrada 2: 1 ativado AND (E)
Tipo de lógica:

X12 21/21 Condição de entrada 1 Interruptor 2 ativado

Nota: Mais exemplos sobre a utilização apropriada dos pinos potenciais e de função estão descritos no documento WIS SN54.21 -W-0006-03MP.

97
Função de Tomada de Força no Módulo Base no Modelo Actros 930 - 934

Solicitação NA somente possível com o interruptor de sinalização.

Eventos CAN podem ser usados.

98
Ativação do solenóide

Atenção. As velocidades do motor são configuradas aqui

Leve em conta as taxas das engrenagens

A Solicitação e a Ativação ADR são realizadas ao mesmo tempo. Não há

uma equação separada

disponível para a Ativação ADR. A Ativação é fornecida com

freio de mão e somente na posição neutra

Nota: A função PTO somente é ativada no Módulo Base se não houver

99
Prática <> Operações de Retro-Alimentação no Veículo

Tarefas práticas em 3 grupos

Faróis adicionais

Objetivo: 1
Realizar operações de retro-alimentação relevantes para a prática.

Tarefa:
Complete as folhas de tarefas abaixo nas 3 situações.
Anote suas descobertas.
Apresentação dos resultados por um grupo. 3 2

Módulo especial
Tempo: parametrizável Tomada de força
45 minutos cada

100
Situação 1 <> Faróis adicionais

• Tarefa 1 Um cliente gostaria de realizar a montagem de faróis adicionais em seu


veículo. Pré-requisitos do circuito:
Os faróis adicionais devem ser ativados por meio do módulo base se a lanterna for ativada e o interruptor de
faróis adicionais for ativado.

a) Implemente a solicitação desde cliente por meio de um pino de função no módulo base.
b) Anote seu procedimento no formulário de anotações.
c) Complete o diagrama do circuito.

101
Situação 2 <> Tomada de força

• Tarefas 2 a) No veículo de um cliente, a tomada de força deve ser ativado por meio do módulo base.
Energize a válvula solenóide e o interruptor de retorno para a tomada de força do veículo. Em que
plugue e em que pino estão os componentes conectados ao módulo base?

Válvula solenóide X23 12/3

Interruptor de retorno X23 12/4

Aterramento do pino

Insira o interruptor de tomada de força e


parametrize

b) Quais operações são necessárias para ativar a


tomada de força?

No módulo base, parametrize a equação de


tomada de força
Ative a saída X23 12/3

102
Situação 3 <> Módulo especial parametrizável (PSM)

• Tarefa 3 a) No veículo de um cliente, o módulo especial parametrizável deve ser instalado. Faça a
montagem dos componentes.

Instale o módulo especial parametrizável

Estabeleça a alimentação da tensão e a conexão à CAN do veículo no módulo base.

b) Quais operações são necessárias para ativar o módulo especial parametrizável?

Parametrize a lista do módulo de comando no módulo base

Atualize a memória de dados central

Adapte o instrumento

Explique sobre o ambiente FR CAN

103
Rádio de Duas Vias

No novo ACTROS, a conhecida instalação de rádio de duas vias é mantida. Ela foi O conceito da antena também não foi alterado até 07/2003. A partir
expandida para a parte superior esquerda do teto. Diagrama do circuito daí, as antenas de telefone no teto serão substituídas por uma antena
PE82.71-W-2000D GSM/GPS multifuncional. As antenas GSM/GPS nos espelhos serão
descartadas.

1 Local da instalação do rádio de duas vias 1 Antena para rádio CB


2 Local da instalação do alto-falante 2 Antena para rádio
3 Antena para o módulo GPS/de navegação
4 Antena para GPS/FleetBoard
5 Antena para GPS/FleetBoard
6 Antena para GSM/telefone

104
Telefone com conector de espera X63

No novo ACTROS, as conhecidas pré-instalações para telefone foram mantidas, somente sua
localização mudou.

Pré-instalação para telefone, fax (Código de equipamento especial EV5 Padrão para a Alemanha)

Com esta pré-instalação, pode-se instalar qualquer telefone. Os potenciais necessários são fornecidos
pelo conector X63 e isto está ilustrado nos diagramas de circuito de telefone PE82.70-W-2000D e
PE82.85-W-2005A. Uma antena com um transmissor de duas bandas já está pré-instalada no
teto.
As conexões podem ser encontradas no painel do compartimento elétrico.

Dispositivo viva-voz para telefone (Código de equipamento especial EV7)

Com esta pré-instalação, CTELs portáteis podem ser conectados ao veículo facilmente. Para isto há
um acessório (número de peça B6 e Mercedes star) em formato de concha que é conectado à pré-
instalação. O CTEL portátil pode ser inserido neste dispositivo. Estes dispositivos portáteis para
CTELs estão disponíveis para as marcas Nokia e Siemens. Para poder utilizar todas as funções, é
necessário usar um dispositivo da linha de acessórios Mercedes-Benz ACTROS MP II. Os outros
dispositivos podem não disponibilizar todas as suas funções!

105
Interface KOM no Módulo Base

Interface de comunicações KOM

No ACTROS, os módulos de comando são interconectados por meio do CAN bus. Com o objetivo de ler os dados dos módulos de comando, uma interface de comunicações (KOM) é
fornecida no módulo base, conector X5, como um equipamento especial. Esta passagem pode interpretar informações de manutenção e diagnóstico a partir do CAN bus como
parte do gerenciamento do grupo e da frota de veículos. A interface ao usuário é fornecida por meio do CAN bus telemático, em conformidade com a ISO 11898. Esta interface
permite que computadores de bordo processem dados do veículo ou transmitam dados remotamente usando os dispositivos de transmissão correspondentes, telefones GSM ou
modems sem fio. Assim, a KOM oferece uma opção de conexão confiável ao CAN bus para computadores de bordo.

CAN Telemática: CAN-alta X5 pino 6

CAN baixa X5 pino 14


Padrão cotel
Os dados telemáticos que estão em conformidade com o padrão COTEL (ISO 11898) podem ser emitidos neste CAN bus telemático.
Cotel - Cooperation Telematics (Telemática de Cooperação): grupo de fabricantes de veículos MAN; SCANIA; IVECO; VOLVO; DaimlerChrysler.
Objetivo: emitir dados telemáticos de todos os fabricantes de veículos em um formato uniforme em uma determinada interface.

Nota: Padrão Cotel e informações no site: http://www.fms-standard.com/

1. Interruptor da luz de freio 11. Carga do eixo


2. Velocidade (ABS) 12. Horas de funcionamento
3. Status do controle de navegação 13. Número do chassis
4. Interruptor da embreagem 14. Versão do software
5. Status da tomada de força 15. Distância geral exata
6. Sensor do pedal do acelerador 16. Próxima manutenção planejada
7. Quantidade de combustível consumido 17. Informação do tacógrafo
8. Nível de combustível 18. Velocidade (tacógrafo)
9. Velocidade rotacional 19. Temperatura do refrigerante
10. eixos

106
Funções dos Módulos Dianteiro e Traseiro

Como parte da rede KontAct, os módulos dianteiro e traseiro assumem as seguintes funções e tarefas: Funções importantes que são integradas ao módulo dianteiro:

Sensores de Ativação dos bulbos na área dianteira do veículo


Iluminação Leitura de todos os sensores na área dianteira Os sensores ABS ainda estão conectados ao BS
do veículo
Bloqueio Ativação e monitoramento de todos os atuadores na parte As válvulas solenóides do ABS ainda estão conectadas
dianteira do veículo ao BS
dos Ativação e monitoramento de todos os bloqueios de
diferencial entre as rodas e entre eixos
Atuadores

Funções importantes que são integradas ao módulo traseiro:

Sensores de Ativação dos bulbos na área traseira do veículo


Iluminação Leitura de todos os sensores na área traseira do Os sensores ABS ainda estão conectados ao BS
veículo
Atuadores Ativação e monitoramento de todos os atuadores na As válvulas solenóides do ABS ainda estão conectadas
parte traseira do veículo ao BS

Controle de nível e Ativação e monitoramento de todas as válvulas


rolagem solenóides e sensores para o sistema de controle de
nível e estabilidade

107
Módulo Dianteiro (FM) e Módulo Traseiro (HM)

O módulo dianteiro (A64) FM se localiza do lado do passageiro embaixo da cabina.


Todos os sinais de entrada e saída da parte dianteira do veículo são recebidos e enviados aqui.
Em outras palavras, todos os sensores e atuadores localizados na área dianteira são
conectados ao módulo dianteiro.

O módulo traseiro (A65) HM se localiza atrás do eixo traseiro na parte direita do chassis do
veículo. Todas as tarefas que devem ser controladas e monitoradas na parte traseira são
assumidas aqui. Em outras palavras, todos os sensores e atuadores localizados na área
traseira são conectados ao módulo traseiro.

108
Os módulos dianteiros e traseiros têm a mesma carcaça. Eles diferem somente em seus mecanismos internos.

Todos os componentes são conectados por meio dos plugues X1 - X6.


Os módulos não têm fusíveis. Todas as saídas são protegidas
eletronicamente com um bloqueio contra sobrecorrente. As entradas também
são à prova de curto-circuito.

A alimentação de tensão do term. 30 e do term. 31 é conectada ao


conector X7. O módulo dianteiro é fornecido com alimentação direta
por meio do distribuidor de energia e é protegido por um fusível de
80 A; o módulo traseiro, por um fusível de 60 A.

Debaixo de uma tampa, as conexões são totalmente acessíveis


• Os alojamentos dos conectores são codificados para evitar confusões. Esses alojamentos são protegidos contra erros.
• Cada linha individual é protegida no alojamento do conector contra a penetração de água e poeira por meio de um selo individual para cada cabo.

109
Prática <> Módulos Base, Dianteiro e Traseiro

Tarefas práticas em 3 grupos

Reconhecimento da Falha da Lâmpada


Objetivo:
Realizar operações relevantes à prática nos módulos base, dianteiro e 1
traseiro.

Tarefa:
Complete as folhas de tarefas abaixo nas 3 situações.
Anote suas descobertas.
Apresentação dos resultados por um grupo. 3 2

Ativações dos módulos


Tempo: DAS dos módulos base,
base, dianteiro e
45 minutos cada dianteiro e traseiro
traseiro

110
Situação 1 <> Reconhecimento da falha da lâmpada

Simule a iluminação do reboque conectando lanternas traseiras ao veículo do treinamento por meio do soquete
• Tarefa1
do reboque.
Ligue os indicadores de sinalização de direção.
Conecte primeiro um par de lâmpadas, depois dois e, finalmente, três pares de lâmpadas.
a) Observe as lâmpadas no reboque.
b) Observe as lâmpadas na parte rígida.
Anote suas observações.
Um par de lâmpadas
a) Não é possível notar nenhum dano

b) Não é possível notar nenhum dano


Dois pares de
lâmpadas a) Não é possível notar nenhum dano

b) Não é possível notar nenhum dano

Três pares de a) Foi detectada sobrecarga, o reboque falha após um curto espaço de tempo
lâmpadas e mais
b) A freqüência de reverberações aumenta automaticamente pelo módulo base e isto é indicado acusticamente

Simule a falha de uma lâmpada removendo a lâmpada da placa do veículo do treinamento. Em seguida,
• Tarefa 2
acenda as luzes e observe o que ocorre no instrumento. As falhas são indicadas no instrumento?

Aparece no instrumento exatamente qual a lâmpada com defeito

111
Situação 2 <> DAS nos módulos base, dianteiro e traseiro

Os parâmetros são opções de configuração importantes para adaptar os módulos de comando ao


• Tarefa 3
equipamento do veículo. Quais grupos de parâmetro estão nos módulos base, dianteiro e traseiro? Adquira
uma visão geral e anote se houver dúvida em quaisquer parâmetros.

Módulo base Iluminação, equipamento do veículo, veículo GGVS, atribuição dos eventos FCAN para

uma saída de interruptor, tomada de força, sinal v, sinal n, todos os parâmetros

Módulo Todos os parâmetros, grupos de parâmetros de controle de nível/rolagem, grupo


dianteiro de parâmetros WS

Módulo Todos os parâmetros, grupos de parâmetros de controle de nível/rolagem, grupo


traseiro de parâmetros WS,
iluminação

• Tarefa 4

Status do bloqueio do diferencial do eixo traseiro


Posição do sensor de posição esquerdo e direito para controle
do nível do eixo de acionamento

Botões do volante

112
Os valores reais são auxiliares importantes para o diagnóstico e resolução de problemas em um veículo em rede. Por meio de quais valores reais é possível
interpretar as seguintes informações?

Valor real: 77 no módulo dianteiro e 75 no módulo traseiro

Valores reais: 58 e 60 no módulo traseiro

Valores reais: 48 e 49 no módulo de base

113
Situação 3 <> Ativações nos módulos base, dianteiro e traseiro

• Tarefa 5

O item de menu "Actuation" (Ativações) é um auxiliar importante para a resolução de problemas.

Quais componentes do veículo podem ser ativados nos módulos base, dianteiro e traseiro por meio do DAS,
permitindo assim que seu funcionamento seja verificado? Realize as ativações.

Módulo base

Módulo dianteiro Iluminação, válvulas solenóides

Módulo traseiro Iluminação, secador de ar comprimido, válvulas solenóides NR, corrente especificada para os amortecedores WR

114
Módulo de Comando do Módulo da Porta (TMF/TMB)

Para reduzir a fiação e os conectores nas portas, os componentes são ativados e monitorados
por meio do módulo de comando das portas. As informações dos módulos de comando da porta
do motorista e do passageiro são trocadas por meio do CAN bus interior.
A função de bloqueio central é um equipamento padrão em todos os veículos. O
sistema de alarme anti-furto, o sistema de bloqueio de conveniência e o controle
remoto do rádio são disponibilizados como equipamento especial.

No ACTROS um módulo de comando é usado em cada uma das portas:

O módulo da porta do motorista é localizado no painel da porta do motorista. O módulo de


TMF(A66) comando do módulo da porta do motorista controla as funções
localizadas na área da porta do motorista.

O módulo da porta do passageiro TMB é localizado no painel da porta do passageiro. O módulo de


(A67) comando do módulo da porta do passageiro controla as
funções localizadas na área da porta do passageiro.

115
Há duas versões que diferem em termos de suas funções:

Há duas versões que diferem em termos de suas funções:

Linha de base
* Ajuste do espelho e aquecedor do espelho dos lados do motorista e do passageiro
* Ativação das luzes de entrada e do interior
* Bloqueio central
* Vidro elétrico

Linha alta
* Ajuste do espelho e aquecedor do espelho dos lados do motorista e do passageiro
* Ativação das luzes de entrada e do interior
* Fechamento de conveniência
* Vidro elétrico com sensor de obstrução (com KSA)

Lado do Motorista

Painel de controle da porta

Os painéis de controle são integrados aos painéis da porta e podem ser acessados
facilmente pelo motorista. A solicitação do usuário é sinalizada para o módulo de comando
por meio do painel de controle da porta.

As funções localizadas do lado do passageiro também podem ser ativadas pelo lado do
motorista.
Lado do Passageiro

116
Tarefas <> Módulo da Porta

• Tarefa 1 De acordo com qual princípio os painéis da porta operam? Use o diagrama do circuito.
Diferentes resistores são conectados por meio de microinterruptores.
O princípio dos interruptores de carga, como no painel modular de interruptores.
Cada microinterruptor tem uma linha de alimentação e uma linha de retorno para
cada função.
O princípio dos interruptores de sinalização, como no painel modular de
interruptores.

a) Por meio de qual pino a iluminação de fundo dos interruptores no painel de controle do motorista é ativada?
• Tarefas 2
X2 32/4; painel de controle do motorista X1 10/10

b) Por meio de qual pino e painel de controle do motorista recebe a base do módulo de comando TF?

X2 32/3; painel de controle X1 10/9

• Tarefa 3 Observe o diagrama de circuitos do módulo da porta do motorista. No interruptor S140s1 três resistores estão
ilustrados. Dois deles podem ser conectados como adicionais. O terceiro é conectado em paralelo. Qual a
função deste terceiro resistor?
É usado para limitar a corrente no módulo de comando.
É usado para limitar a tensão no painel de controle.
É usado para detectar falhas. Uma linha de corrente com um interruptor aberto pode não ser monitorada.
É usado como um resistor em série para a iluminação de fundo.

117
Sistemas do CAN bus no Actros, Modelos 930-934

Com KontAct, diversos sistemas CAN BUS são utilizados no ACTROS. Eles diferem essencialmente em termos de sua velocidade de transmissão de dados. A quantidade medida da
taxa de transmissão de dados é kilobits (k bits). Um k bits corresponde a uma transmissão de dados de 1.000 bits
K-line U fornecimento = 24 V interno por segundo.
U elevação « 22,0 V
U redução *2,0V Esta é a linha de dados com a velocidade de dados mais baixa, 9,6 k bits.
U percurso 20,0 V Ela é utilizada no ACTROS como uma conexão entre o módulo base e o soquete de diagnóstico, ou seja, como uma
CAN do chassis, veículo e U fornecimento interno 5 V linha de dados para diagnósticos sem conexão. Também é utilizada como uma linha de controle de emergência entre
freio U elevação *3,5V o instrumento e a transmissão.
U redução « 1,5 V Há 2 versões:
U percurso 2,0 V * CAN do chassis a 250 k bits
* CAN do veículo e do freio, cada uma a 500 k bits.
CAN do Tacógrafo U fornecimento 5 V interno 125 kbits
U elevação *3,5V
U redução « 1,5 V
U percurso 2,0 V
CAN interior U fornecimento 5 V interno 125 kbits
U elevação *4,8V
U redução *0,3V
U percurso 4,5 V
CAN do motor e U fornecimento 24 V UBat
125 kbits é usado para o CAN bus do motor
da transmissão U elevação = « 2/3 UBat 250 kbits é usado para o CAN bus da transmissão
U redução = « 1/3 UBat
U percurso 8V

Nota:
Anteriormente, os sistemas de CAN bus eram chamados de CAN bus de alta ou baixa velocidade. Agora, até 11 sistemas diferentes de CAN bus são utilizados no ACTROS. Por este
motivo, o sistema de CAN bus recebe um nome.
118
Mensagens da CAN

As mensagens abrangem um número de bits variável, porém não aleatório


(máx. 130 bits). Os conteúdos e a seqüência das informações contidas nelas
são estipulados.
Na primeira parte da mensagem, a ID, o endereço de destino ou o endereço da mensagem é transmitido (máx. 2032). Além de outras informações que
permitem a detecção de erros de transmissão, 0-8 bytes de dados são transmitidos, contendo os valores reais medidos ou um texto de erro.
O início e o final de uma mensagem também são identificados por uma combinação especial de bits.
Os endereços dos participantes são chamados de "System addresses" (Endereços de Sistema) (por exemplo, FR), e os endereços das mensagens são chamados
de "Identifier" (Identificador).

Início Início

Mensagem

Campo A (julgamento) Campo identificador (endereço da mensagem) Pausa mínima entre 2 mensagens: 3 bits
C (campo de controle) Campo D número de bytes de dados Extensão máxima da mensagem: 130 bits
(campo de dados) CRC (Código 0-8 bytes de dados Duração máxima da mensagem (a 500 kbits): 0,3 ms
de redundância cíclico) ACK 16 bits para detecção de falhas
(recebimento) Campo E (final da confirmação de recebimento de outros participantes
estrutura) final da mensagem

O tempo do ciclo, ou seja, o tempo entre as mensagens individuais, depende da prioridade e da freqüência da modificação do conteúdo.

119
Prioridades da CAN

Todas as mensagens tem uma prioridade (importância) atribuída de acordo com sua urgência e freqüência de sua Prioridade Identificador
ocorrência. O valor numérico do identificador estabelece a prioridade da mensagem.

Regra
Quanto mais alto o valor numérico, mais baixa a prioridade!

As mensagens são transmitidas de maneira cíclica, ou seja, em intervalos regulares. Isto assegura que a
versão dos dados atualizada esteja sempre disponível no bus.

Exemplo:
Em tempos de intervalo regulares o sistema eletrônico do FR transmite a mensagem que contém a velocidade
rotacional atualizada.

O tempo do ciclo, ou seja, o tempo entre a transmissão repetida de uma mensagem, depende de sua prioridade
e da freqüência da modificação do conteúdo desta mensagem.
Os valores medidos importantes que mudam freqüentemente devem ser transmitidos ao bus em intervalos
curtos.

A velocidade rotacional deve ser observada e processada pelo FR freqüentemente. Portanto, a mensagem em que a
velocidade rotacional é enviada tem uma alta prioridade, em outras palavras, um valor numérico pequeno 3 Bits 7 Bits
como P54.00-1038-01
identificador.
3 módulos de comando transmitindo
simultaneamente

120
Passagem da CAN

Cada mensagem da CAN tem seu próprio endereço, a ID identificadora. Um identificador somente pode ser usado uma vez em um sistema de CAN bus único. Portanto, o número de
mensagens possíveis é limitado. Os limites são predeterminados pelo tamanho do identificador.
Um identificador de 11 bits pode, assim, usar um máximo de 211 endereços de mensagem diferentes neste sistema de CAN bus.
Isto traz um rendimento possível de 2048 mensagens.
Com um identificador de 29 bits, 229 mensagens diferentes são possíveis. Este rendimento configura « 536 milhões de mensagens CAN bus possíveis.
Todos os módulos de comando recentemente desenvolvidas foram projetadas para sistemas de CAN bus com um identificador de 29 bits para obter os pré-requisitos para
futuras aplicações e funções no veículo. A compatibilidade entre as duas variantes é alcançada pela função de passagem no módulo base, durante o 'mapeamento' de
identificadores de 11a 29 bits e vice-versa. Isto possibilita continuar a utilizar o CAN bus do veículo utilizado até hoje no ACTROS e expandi-lo com novos sistemas de CAN bus.
No processo de mapeamento, as primeiras 18 posições nos identificadores de 29 bits são preenchidas com a informação de bits "0",
ou seja, apagadas. Ao mapear, os bytes de dados são transmitidas a 1:1, somente a ID é traduzida de 11 bits para 29 bits ou vice-
versa.

Passagem

Mapeamento

emitida como uma mensagem da


por exemplo, entrada como uma "traduzida" no módulo
CAN do chassis
mensagem da CAN do veículo base

121
Módulo Base - Variantes

CAN Bus do Chassis

Se, com o CAN bus do chassis, a conexão da CAN entre o módulo base e o módulo dianteiro ou entre o módulo base e o módulo traseiro for interrompida, a
mensagem é transmitida do módulo base por meio da linha redundante da CAN entre os módulos dianteiro e
traseiro.

Se, com o CAN bus do chassi, a conexão da CAN entre o módulo base e os módulos dianteiro e traseiro for interrompida, a mensagem é transmitida na forma de um sinal PWM
por meio da linha do despertador de maneira a assegurar a maioria das funções de iluminação necessárias.

122
O Insira os seguintes termos que não estão no quadro.
Use os diagramas de circuito.
• Tarefa

123
Pontos Principais no Módulo Base

Todos os módulos de comando são conectadas por


meio dos pontos principais. Esses pontos são
integrados no módulo base.

Pontos principais da CAN interior, CAN* do chassis e da CAN do veículo.

Há um ponto terminal externo Z2. Ele está encaixado no compartimento


Ponto elétrico na lateral. O ponto terminal Z2 é usado se forem necessários
principal Ponto principal para a can interior
para a CAN
diversos módulos de comando como equipamento especial, por exemplo,
de telemática ART e SPA.

Ponto É o mesmo componente que já foi utilizado anteriormente. Ele não possui
principal resistores terminais, somente elementos ferrosos para eliminar picos de
para a CAN
do chassis
tensão nas linhas de dados.

Ponto *
Ponto principal para a CAN do veículo Com a CAN do chassis, o ponto principal é distribuído por dois
principal
para a CAN conectores diferentes por motivos de segurança. Se um lado falhar, a
do chassis alimentação pode ser mantida por meio do segundo lado existente!

124
Ilustração com os módulos dianteiros e traseiros

Desenhe as linhas da CAN. Qual a dimensão específica da resistência geral entre a CAN alta e a CAN baixa?
CAN do chassis para o módulo dianteiro: 60 CAN do chassis para o módulo traseiro: 60 CAN redundante do chassis: 60

125
Tarefas <> Rede no Actros, Modelos 930 - 934

Conceito limp-home para a CAN do chassis


• Tarefa1 Desconecte a conexão da CAN do módulo base ao módulo dianteiro soltando o pino 2 do plugue X24 para
CAN alta no módulo base. Que funções podem ser executadas pelo módulo dianteiro por meio da conexão
redundante da CAN?

Sim Não
Indicador do sinal da direção, esquerda e direita x
Pisca-alerta x
Lanterna e luzes indicadoras laterais x
Farol baixo x
Farol alto x
Lâmpadas de neblina dianteiras x
Luz interna x
Buzina x

• Tarefa 2
Os dados do módulo dianteiro podem ser interpretados por meio da conexão da CAN redundante usando o STAR Diagnosis?
( ) Sim ( X ) Não

126
Medição do CAN bus

• Tarefa 3 Os sinais das diversas linhas de dados podem ser detectados utilizando-se o
osciloscópio.

Usando o osciloscópio, meça os diversos sistemas de bus do veículo.


Desenhe os sinais e anote as configurações no osciloscópio e seus resultados.

Medição 1 na CAN interior


Tensão medida:

CAN alta Nível alto 5 V


Nível baixo 1 V

CAN baixa Nível alto 0 V

Nível baixo 4,8 V

127
Medição 2 na CAN do chassis

Tensão medida:

CAN alta Nível alto 3,5 V


Nível baixo 2,5 V

CAN baixa Nível alto 1,5 V

Nível baixo 2,5 V

128
Medição 3 no CAN da transmissão

Tensão medida

CAN alta Nível alto 16,5 V


Nível baixo 8,5 V :

CAN baixa Nível alto 8,5 V

Nível baixo 16,5 V

129
Prática <> Diagnósticos no Veículo

Tarefas práticas em 3 grupos


Controle do nível

Objetivo:
Realizar operações relevantes para a prática para o diagnóstico no veículo.

Tarefa:
Complete as folhas de tarefas abaixo nas 3 situações. 3 2
Anote suas descobertas.
Apresentação dos resultados por um grupo.
ASR / SR - comutador
Temperatura exterior

Tempo:
45 minutos cada

130
Situação 1 <> Resolução de problemas no controle de nível

Situação 1 <> Resolução de problemas no controle de nível

• Tarefa 1

O controle de nível está com defeito em seu veículo de treinamento.


Determine a causa da falha.

a) Verifique o controle do nível e localize a função parcial com defeito.

b) Descreva em suas anotações como procedeu para resolver o problema. O que você verificou?

c) Quais ferramentas utilizou?

131
Situação 2 <> Temperatura externa

• Tarefas 2 Conecte a ferramenta decade ao módulo dianteiro em vez do sensor de temperatura exterior.

Determine os valores de resistência em que as temperaturas externas pré-determinadas são exibidas no


instrumento. Em seguida, transfira os valores para o diagrama e conecte os pontos para formar uma curva.

Temperatura Valores de resistência em kQ

132
Situação 3 <> Resolução de problemas no comutador ASR / SR

• Tarefa 3

Q ASR ou SR não podem ser desligados em seu veículo de treinamento.


Determine a causa da falha.

a) Verifique o comutador ASR / SR e localize a função parcial com defeito!

b) Descreva em suas anotações como procedeu para resolver o problema.


O que você verificou?

c) Quais ferramentas utilizou?

133
Global Training.
The finest automotive learning