Você está na página 1de 12

Universidade Federal do ABC

Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas.

PRIMEIRA PROVA – MECÂNICA DOS FLUIDOS II


Cristina Tomazeti – 16 de novembro de 2015.

NOME:_________________________________________________

Questão 1 – Transporte de petróleo cru ( SG  0,86 e   980 kg / m 3 ) é feito através de uma


tubulação de aço de 100 km de comprimento, diâmetro de 500 mm e e  0 ,046 mm . Na metade do
comprimento desta tubulação, alguém perfurou a tubulação para extração ilegal de petróleo. Se a
queda de pressão observada nos manômetros a cada 2 km é de 3 kPa antes do ponto de extração e de
2,8 kPa após o ponto, quanto de petróleo está sendo extraído ilegalmente? (4,0 pontos).

Questão 2 – Na indústria de energia frequentemente os processos de produção e conversão de


energia necessitam de um meio de resfriamento para remoção de calor. Normalmente, por ser
abundante no nosso planeta, a água é bastante utilizada nos processos de troca térmica. Como
exemplo tem-se o resfriamento de reatores nucleares, resfriamento de descargas de turbinas de
instalações termelétricas, no processo de condensação de vapor em operações de destilação e em
evaporadores, no arrefecimento de mancais e partes móveis de rotores de inúmeras máquinas
rotativas, no resfriamento dos mais variados fluidos em trocadores de calor, entre muitas outras
aplicações. Porém, muitas vezes é necessário o resfriamento da água utilizada nestes processos
devido a necessidade de reuso ou da impossibilidade desta ser colocada no meio ambiente a
temperaturas elevadas. Basicamente existem três tipos de sistemas de resfriamento de água, sistema
aberto, sistema semiaberto e sistema fechado. Em um sistema semiaberto, denominado Open
Recirculating System, a água, após passar pelos equipamentos de troca térmica, é encaminhada para
uma instalação de resfriamento, que pode ser uma torre, lagoa, spray, etc., afim de reduzir sua
temperatura e poder ser reutilizada. Este tipo de sistema é frequentemente utilizado quando há
demanda elevada de água e baixa disponibilidade. Considere o sistema semiaberto mostrado na
figura, Qaq  500 L / s litros por segundo de água pressurizada e aquecida, oriunda dos equipamentos

onde ocorreu a troca térmica, é misturada com água fria na temperatura ambiente e pressão negativa
de 1,2 MPa medida no ponto de mistura M. Após a primeira etapa de resfriamento no ponto M a
mistura resultante tem temperatura de 75 °C,   970 kg / m 3 e   3,8.10 4 kg / m.s . A segunda
etapa consiste em pulverizar a água contra cinco jatos de ar frio através de um sistema de
pulverização composto por três tubos de 500 mm de diâmetro e 50 metros de comprimento através
de 900 micro furos com diâmetro de 2mm cada um dos tubos. A vazão em cada furo é de 0,05 litros
por segundo. A água que não é pulverizada é encaminhada para o reservatório 1 e misturada com
água a temperatura ambiente e então encaminhada para o reservatório 2, que recolhe a pulverizada.
Toda a tubulação possui diâmetro de 500 mm com rugosidade de 0,04mm. A bomba 2 fornece 48 m
de energia ao fluido oriundo do reservatório 2. Sabendo que a pressão a jusante da bomba 1 é de 1,2
MPa, calcule a potência da bomba 1. Dados:  água  1,0.10 3 kg / m.s (6,0 pontos).

Não serão aceitas soluções:

1) Sem a formulação das hipóteses simplificadoras.


3) Sem o tratamento das unidades.
Dados:

t C
ρ dV   ρ V  d A  0
SC


t C
V ρ dV   V ρ V  d A  F B  F S
SC

p 64
hl  Escoamento Laminar: f 
 Re

L 2 L 2
hl  f V  f V 1  e /D  1,11 6,9 
2D 2Dh Escoamento Turbulento:  1,8 log    
f 1/2  3,7  Re 

1 2
hlm  kV
2  QH p Q
Potência: P  ou P 
 
hlT  hl  h lm

2
h p V
H  lT Equação de Bernoulli: e   z
g  2g

VD V D
Re  
 

C Ad d
Medidores de Vazão m  2 ρ Δp β
1 β4 D
File:Questão 1 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:07:57 Page 1
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

Questão 1 da Prova 16112015

Dados

Da tubulação

L = 2.000 Comprimento da tubulação

D = 0,5 Diâmetro da tubulação

2
 · D
A = Área da tubulação
4

e = 0,000046 Rugosidade da tubulação

Do Fluido

SG = 0,86 Densidade do óleo

 = 980 Massa específica da água

 o = SG ·  Massa específica da óleo

 o = 0,00017 Viscosidade dinâmica ou absoluta do óleo

o
o = Viscosidade cinemática do óleo
o

Pressões

 p;M = 3.000 Diferença de pressão medida à montante do furo

 p;J = 2.800 Diferença de pressão medida à jusante do furo

Solução

Determinação do Quanto de Petróleo está Sendo Extraído Ilegalmente

Vazão de Fluido Antes do Ponto de Extração

Bernoulli Aplicado em um Trecho Antes do furo (Simplicada)

 p;M 2 L
= 1 / 2 · VM · fM ·
o D

2
1
fM =
1,11
e Fator de atrito à montante do furo na tubulação
1,8 · log
D · 3,7

QM = VM · A Vazão na tubulação à montante do furo

D · VM
Re M = Número de Reynolds à montante do furo
o

Vazão de Fluido Após do Ponto de Extração

Bernoulli Aplicado em um Trecho Após do furo (Simplicada)


File:Questão 1 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:07:57 Page 2
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

 p;J 2 L
= 1 / 2 · VJ · fJ ·
 D

2
1
fJ =
1,11
e Fator de atrito à jusante do furo na tubulação
1,8 · log
D · 3,7

QJ = VJ · A Número de Reynolds à jusante do furo

 · D · VM
Re J = Número de Reynolds à montante do furo
o

Vazão perdida

l/s
Q perdido = QM – QJ · 1.000 ·
m3/s
File:Questão 1 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:07:57 Page 3
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

SOLUTION
Unit Settings: SI K Pa J mass deg
A = 2,0E-01 [m2] D = 0,5 [m]
p,J = 2.800 [Pa] p,M = 3.000 [Pa]
e = 4,6E-05 [m] fJ = 0,01182
fM = 0,01182 L = 2.000 [m]
2
o = 1,7E-04 [kg/m-s] o = 2,0E-07 [m /s]
QJ = 0,06827 [m3/s] QM = 0,0762 [m3/s]
Qperdido = 7,9 [L/s] ReJ = 1,1E+06
3
ReM = 9,6E+05  = 980 [kg/m ]
3
o = 842,8 [kg/m ] SG = 0,86
VJ = 0,35 [m/s] VM = 0,39 [m/s]

No unit problems were detected.


File:Questão 2 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:10:55 Page 1
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

Questão 2 da Prova 16112015

Dados

Da tubulação

D = 0,5 Diâmetro da tubulação

d furos = 0,002 Diâmetro dos furos

2
 · D
A = Área da tubulação
4

2
 · d furos
Ad = Área dos furos
4

Al =  · D · L Área lateral da tubulação

L af = 30 Comprimento da tubulação de água fria

e = 0,00004 Rugosidade da tubulação

L = 30 Comprimento da tubulação lateral de água misturada

L tubo = 50 Comprimento da tubulação com furos

d furos
 = Razão de diâmetros dos duros e da tubulação
D

C d = 0,6 Coeficiente de descarga

Do Fluido

 = 970 Massa específica da água

 = 0,001 Viscosidade dinâmica ou absoluta da água


 = Viscosidade cinemática da água

 =  · g Peso específico da água

g = 9,81

Pressões

pM = – 1.200 Pressão no ponto M

p R1 = 0 Pressão manométrica do reservatório aberto 1

p R2 = 0 Pressão manométrica do reservatório aberto 2

p atm = 0 Pressão atmosférica

Velocidades

V R1 = 0 Velocidade na superfície do reservatório 1


File:Questão 2 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:10:55 Page 2
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

V R2 = 0 Velocidade na superfície do reservatório 2

VM = 0 Velocidade no ponto de estagnação M

VA = 0 Velocidade no ponto de estagnação A

VB = 0 Velocidade no ponto de estagnação B

Cotas

z R1 = 32 Cota z do reservatório 1

z R2 = 0 Cota z do reservatório 2

zM = 30 Cota z do ponto M

zA = 30 Cota z do ponto A

z A' = 30 Cota z do ponto A'

zB = 30 Cota z do ponto B

z B' = 30 Cota z do ponto B'

Energia Cedida Pela Sistema de Bombeamento 2

H B2 = 48

Fator de Correção da Energia Cinética

M = 1

A = 1

 A' = 1

B = 1

 B' = 1

Vazões de água Quente e nos Furos

m3/s
Q aq = 500 · 0,001 · Vazão de Água quente
L/s

m3/s
Q furos = 0,05 · 0,001 · Vazão de água misturada em cada microfuro
L/s

Solução

1) Cálculo das Vazões

Bernoulli entre o Reservatório 2 e o ponto M

p R2 1 2 pM 1 2 1 L af 2
+ · V R2 + z R2 = + · M · VM + z M – H B2 + · f af · · V af
 2 · g  2 · g 2 · g D
File:Questão 2 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:10:56 Page 3
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

2
1
f af =
1,11
e 6,9 Fator de atrito na tubulação da bomba 2
1,8 · log +
D · 3,7 Re af;c

7
Re af;c = 1,1 x 10 Reynolds estimado

V af · D
Re af = Reynolds calculado

Q af = A · V af Vazão de água fria

QT = Q aq + Q af Vazão total no sistema de bombeamento da bomba 1

Q tubo = 900 · Q furos Vazão de água pulverizada por tubo no sistema

L/s
Q p = 3 · Q tubo · 1.000 · Vazão de água pulverizada no sistema
m3/s

QT
Qe = Vazão em cada tubo antes da seção com furos
3

Q s = Q e – Q tubo Vazão em cada tubo após a seção com furos

2) Cálculo das Velocidades

Qe
V A' = Velocidade na tubulação entre A e A'
A

Qs
V B' = Velocidade na tubulação entre B e B'
A

3) Cálculo da Pressão em B

Bernoulli entre o Ponto B e o Reservatório 1

pB 1 2 p R1 1 2
+ · B · VB + zB = + · V R1 + z R1
 2 · g  2 · g

4) Cálculo da Pressão em B'

Bernoulli entre B' e B

p B' 1 2 pB 1 2 1 L 2
+ ·  B' · V B' + z B' = + · B · VB + zB + · f B' · · V B'
 2 · g  2 · g 2 · g D

2
1
f B' =
1,11
e 6,9 Fator de atrito na tubulação entre B e B'
1,8 · log +
D · 3,7 Re B'

V B' · D
Re B' = Reynolds na tubulação entre B e B'

5) Cálculo da Pressão em A'

Equação da Quantidade de Movimento entre A' e B'

–  · V A' · Q e +  · V B' · Q s = p A' – p B' · A –  w · Al Ver dedução em sala


File:Questão 2 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:10:56 Page 4
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

2
 w = 1 / 8 ·  · f A' · V A' Ver dedução em sala

2
1
f A' =
1,11
e 6,9 Fator de atrito na tubulação entre A e A'
1,8 · log +
D · 3,7 Re A

V A' · D
Re A = Reynolds na tubulação entre A e A'

6) Cálculo da Pressão em A

Bernoulli entre A e A'

pA 1 2 p A' 1 2 1 L 2
+ · A · VA + zA = + ·  A' · V A' + z A' + · f A' · · V A'
 2 · g  2 · g 2 · g D

7) Cálculo da Energia Cedida Pelo Sistema de Bombeamento 1

Bernoulli entre M e A

pM 1 2 pA 1 2
+ · M · VM + zM = + · A · VA + z A – H B1
 2 · g  2 · g

8) Cálculo da Potência do Sistema de Bombeamento 1

P B1 = Q T ·  · H B1

Segunda Parte

Supor que vc aplicou Bernoulli errado

1) Ajuste da Vazão devido à Aproximação para Placas de Orifício

p A' + p B'
p = – p atm
2

2 · p
Q furos;c = Cd · Ad · Vazão estimada por aproximação para placa de orifício
4
 · 1 – 

Ajuste da Vazão com relação à Medição da Diferença de Pressão

Q furos = Cte · Q furos;c Cte corrige a diferença entre o calculado e o estimado através da aproximação

2) Cálculo da Energia Cedida Pela Sistema de Bombeameto 1 (Valor Errado)

Bernoulli entre o Ponto M e o Reservatório 1

pM 1 2 p R1 1 2 1 L 2
+ · M · VM + zM = + · V R1 + z R1 – H B1;errado + · f A' · · V A'
 2 · g  2 · g 2 · g D
1 L + L tubo 2
+ · f B' · · V B'
2 · g D

3) Cálculo da Nova Pressão em A'

Bernoulli entre M e A'

pM 1 2 p A' 2 1 2 1 L 2
+ · M · VM + zM = + ·  A · V A' + z A' – H B1;errado + · f A' · · V A'
 2 · g  2 · g 2 · g D

4) Estimativa da Pressão Média Entre A' e B'


File:Questão 2 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:10:56 Page 5
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

p A' 2 + p B' 2c
 pc = – p atm
2

p B' 2c = 10.113 Estimativa inicial da pressão em B (base no exemplo anterior)'

5) Cálculo da Nova Vazão nos Tubos

2 ·  pc
Q furos;c;2 = Cd · Ad ·
4
 · 1 – 

Ajuste da Vazão

Q furos;2 = Cte · Q furos;c;2

6) Cálculo da Diferença de Vazão Pulverizada por Segundo (Analisar capacidade de refrigeração do fluido ou volume do
reservatório 2)

L/s
Q p;2 = 3 · 900 · Q furos;2 · 1.000 · Vazão de água pulverizada no sistema
m3/s

Q p;2
Dif = 1 – · 100
Qp

7) Cálculo do Nova Pressão em B'

Bernoulli entre B' e B

p B' 2 1 2 pB 1 2 1 L 2
+ ·  B' · V B' 2 + z B' = + · B · VB + zB + · f B' 2 · · V B' 2
 2 · g  2 · g 2 · g D

2
1
f B' 2 =
1,11
e 6,9 Fator de atrito na tubulação entre B e B'
1,8 · log +
D · 3,7 Re B' 2

V B' 2 · D
Re B' 2 = Reynolds na tubulação entre B e B'

Q e – 900 · Q furos;2
V B' 2 = Velocidade na tubulação entre B e B'
A
File:Questão 2 - 3Q2015.EES 08/04/2017 16:10:57 Page 6
EES Ver. 10.091: #4323: For use only by students and faculty, Centro de Engenharia, Fundação Universidade Federal do ABC

SOLUTION
Unit Settings: SI C kPa kJ mass deg
A = 0,1963 [m2] Al = 47,12 [m2]
A = 1 A' = 1
B = 1 B' = 1
M = 1 Ad = 3,14E-06 [m2]
 = 0,004 Cte = 4,1
Cd = 0,6 D = 0,5 [m]
p = 20.339 [Pa] pc = 28.329 [Pa]
Dif = 18 [%] dfuros = 0,002 [m]
e = 4,0E-05 [m] faf = 0,01169
fA' = 0,01196 fB' = 0,01198
fB',2 = 0,01198 g = 9,81 [m/s2]
3
 = 9.516 [N/m ] HB1 = 9,5 [m]
HB1,errado = 11,1 [m] HB2 = 48 [m]
L = 30 [m] Laf = 30 [m]
Ltubo = 50 [m]  = 0,001 [kg/m-s]
 = 1,03E-06 [m2/s] pA = 88.831 [Pa]
patm = 0 [Pa] pA' = 30.661 [Pa]
pA',2 = 46.544 [Pa] pB = 19.031 [Pa]
PB1 = 443.123 [W] pB' = 10.017 [Pa]
pB',2 = 10.113 [Pa] pB',2c = 10.113 [Pa]
pM = -1.200 [Pa] pR1 = 0 [Pa]
pR2 = 0 [Pa] Qaf = 4,42 [m3/s]
Qaq = 0,5 [m3/s] Qe = 1,64 [m3/s]
Qfuros = 5,0E-05 [m3/s] Qfuros,2 = 5,90E-05 [m3/s]
Qfuros,c = 1,2E-05 [m3/s] Qfuros,c,2 = 1,4E-05 [m3/s]
Qp = 135 [L/s] Qp,2 = 159 [L/s]
Qs = 1,60 [m3/s] QT = 4,92 [m3/s]
Qtubo = 0,045 [m3/s] ReA = 4,1E+06
Reaf = 1,1E+07 Reaf,c = 1,1E+07
ReB' = 3,9E+06 ReB',2 = 3,9E+06
3
 = 970 [kg/m ] w = 101,3 [Pa]
VA = 0 [M/S] Vaf = 22,52 [m/s]
V,A' = 8,36 [m/s] VB = 0 [M/S]
V,B' = 8,13 [m/s] V,B',2 = 8,09 [m/s]
VM = 0 [m/s] VR1 = 0 [m/s]
VR2 = 0 [m/s] zA = 30 [m]
zA' = 30 [m] zB = 30 [m]
zB' = 30 [m] zM = 30 [m]
zR1 = 32 [m] zR2 = 0 [m]

No unit problems were detected.