Você está na página 1de 16

Teoria Musical – I

Eusébio Kohler

Propriedades do Som

A música é a arte do som. É a combinação horizontal e vertical do som.


O som possui quatro características principais.
A. ALTURA: é a propriedade de o som ser mais grave ou mais agudo, ou ainda grave,
médio ou agudo. Ela é determinada pela freqüência das vibrações sonoras.
B. DURAÇÃO: é o tempo de produção do som; a extensão do som.
C. INTENSIDADE: é a propriedade de o som ser mais fraco ou mais forte. É a
amplitude das vibrações. É o grau de volume sonoro.
D. TIMBRE: é a qualidade do som que permite reconhecer a sua origem. É a “cor” do
som.
Na escrita musical, os elementos acima são assim representados.
A. ALTURA: notas no pentagrama e claves.
B. DURAÇÃO: figuras da nota e andamento.
C. INTENSIDADE: sinais de dinâmica.
D. TIMBRE: indicação dos instrumentos utilizados para executar a música.

Altura
Para ouvir com consciência é preciso antes de qualquer coisa perceber a direção do
som; estabelecer a relação entre dois mais sons.

Agudo

Médio

Grave

Exercício com três sons. Grafar os sons nos quadrados abaixo, estabelecendo a relação
entre eles.

1
A

Usando Linhas e curvas, grafar os sons ouvidos.

a)

b)

c)

d)

Duração
É o tempo de produção do som. Variação da duração do som: sons longos e curtos.
Pulsação: é o movimento contínuo sobre o qual se organizam as durações dos sons.
Ritmo: é a combinação das durações do som organizadas sobre as pulsações.

Exercício de duração: leitura


A) ____ __ __ ____ ____ ____ __ __ __ __ __ ____ __
B) __ __ __ __ ____ __ __ __ ____ __ __ ____ __ ____
C) ____ ____ ____ __ ____ ____ ____ __ __ ____ __ __

Exercício de pulsação e duração: leitura

A) | | | | | | | | | | | |
_______ _____________
B) | | | | | | | | | | | |
__ __ ____ _______
C) | | | | | | | | | | | |
____ ____
D) | | | | | | | | | | | |

2
__ __
E) | | | | | | | | | | | |
__________________
F) | | | | | | | | | | | |
__ __ __ __ __
G) | | | | | | | | | | | |

Ditado rítmico

A) | | | | | | | |

B) | | | | | | | |

C) | | | | | | | |

D) | | | | | | | |
Duração e altura: leitura

Intensidade
Os sons atingem nossa audição com maior ou menor força.
É a propriedade de o som ser mais forte ou mais fraco.

3
Observação: tanto a Altura quanto a Duração e a Intensidade do som devem ser
entendidos sob o ponto de vista relatividade. O que prevalece é uma relação entre sons
médios, graves e agudos entre sons longos e curtos e entre sons fortes, meio-fortes e
fracos (pianos).

Timbre
Refere-se às diferentes fontes de produção de som.
É a qualidade do som que permite reconhecer a sua origem (fonte de produção).

Criativamente interprete os sinais gráficos abaixo. Lembrar que a partir da escolha do som
do primeiro sinal os demais deverão manter entre si uma relação de altura, duração
intensidade e timbre conforme os gráficos.

Música: 01

Música: 02 Criar um exercício nos moldes do exercício acima.

Grafar através de gráficos a duração e a direção do som das canções infantis.


• Atirei o pau no gato.
• Marcha soldado.

4
Elementos de Notação Musical

Determinados eventos musicais necessitam de uma precisão maior para sua realização do
que apenas sinais imprecisos de um gráfico como acorreu nos exercícios anteriores.
A evolução histórica da escrita musical aconteceu graças a essa necessidade.
A altura dos sons na Idade Média, por exemplo, era indicada através de desenhos que
demonstravam aproximadamente o perfil da melodia.

5
Com o passar do tempo foram adotadas o uso de linhas para uma maior precisão da grafia
dos sons. Inicialmente com uma linha e posteriormente com o acréscimo de outras até
chegar ao formato utilizado em nossos dias: pentagrama (cinco linhas e quatro espaços).

A manuscript page in the Beneventan notational genre, single line

[Benevento (Italy), Biblioteca capitolare, MS 21 f. 235v]

6
32
Hino Veni Creator

7
É interessante observar que os compositores, a partir do início do século XX, passaram
novamente a utilizar gráficos para grafar algumas de suas composições.

Trenodia para as vítimas de Hiroshima (1960)

8
Notas Musicais

Grande parte do desenvolvimento da notação musical deriva do trabalho do monge


beneditino Guido d'Arezzo (aprox. 992 - aprox. 1050).
Foi o idealizador do solfejo e para isso criou os nomes pelos quais as notas são conhecidas
atualmente (Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá e Si) em substituição ao sistema de letras de A, B, C,
D. E. F e G que eram usadas anteriormente. A saber: A = Lá; B = Si; C = Dó; D = Ré;
E = Mi; F = Fá e G = Sol.
Os nomes foram retirados das sílabas iniciais de um Hino a São João Batista, chamado Ut
queant laxis.

UT queant laxis
REsonare fibris
MIra gestorum
FAmuli tuorum,
SOLve polluti
LAbii reatum,
Sancte Ioannes

Tradução: Para que os servos possam, com suas vozes soltas, ressoar as maravilhas de
vossos atos, limpa a culpa do lábio manchado, ó São João!

Treinamento
Falar o nome das notas acentuando de quatro em quatro ou de tres em tres.

Pentagrama ou Pauta

Conjunto de cinco linhas horizontais e quatro espaços utilizados na grafia musical. No


início do uso da pauta usava-se apenas uma linha colorida, data do século IX. O
pentagrama que é amplamente usado até hoje, estabelecido no século XI, foi
definitivamente utolozado a partir do século XVII. As linhas e espacos sao contadas de
baixo para cima. (Fonte: Bucher, 2003, p.10)

As notas musicais junto com o pentagrama ajudam a estabelecer com precisão a Altura do
som.
A colocação das notas, seguindo a ordem estabelecida (dó, ré, mi, fá, sol, lá e si), é feita
em linhas ou espaços do pentagrama.

9
Linhas suplementares: utlizadas para grafar notas mais agudas ou mais graves do que
aquelas permitidas pelo pentagrama.

Exercício de Leitura.

Uma Linha

10
Duas Linhas

Tres Linhas

11
Cinco Linhas

Claves
Para nominar as notas dentro de um de um pentagrama é preciso estabelecer um ponto de
referência.
É papel das claves dar esta referência definindo a posição da nota correspondente ao seu
nome.
Claves utilizadas: clave de sol, clave de fá e clave de dó.

A clave de Sol indica que a nota localizada na segunda linha é o SOL 3 (aproximadamente
392 Hz).

A partir desse ponto de referência as de mais notas são localizadas no pentagrama

12
Esta clave é utilizada para representar sons agudos e é usada pela grande maioria dos
instrumentos musicais ( violino, flauta, clarinete, oboé, trompete...) bem como as vozes
mais agudas (vozes femininas e infantis).

A clave de fá pode aparecer escrita na terceira ou na quarta linha. Na nossa prática musical
usaremos a clave de fá na quarta linha.
A clave de Fá quarta linha indica qua a nota localizada na quarta linha é o FÁ2
(aproximadamente 175 Hz).

A partir desse ponto de referência as de mais notas são localizadas no pentagrama

Esta clave é utilizada na escrita da mão esquerda dos instrumentos de teclado,


instrumentos de registro grave ( violoncelo, o contrabaixo, o fagote , o trombone ...) bem
como as vozes mais graves (vozes masculinas).

A Clave de Dó determina a localização da nota Dó e pode ser anotada na primeira,


segunda, terceira e quarta linha. A mais usada é na terceira linha.
A Clave de Dó terceira linha indica que a nota localizada na terceira linha é o Dó 3
(aproximadamente 262 Hz).

A partir desse ponto de referência as de mais notas são localizadas no pentagrama

Originalmente a clave de dó foi criada para representar as vozes humanas. Cada voz era
escrita com a clave de dó em uma das linhas.

13
Este uso se tornou cada vez menos frequente e esta clave foi substituída pelas de sol para
as vozes mais agudas e a de fá para as mais graves.

Hoje em dia, a posição mais frequente é a mostrada na figura, com o dó na terceira linha,
representando uma tessitura média, exatamente entre as de sol e fá.

Um dos únicos instrumentos a utilizar esta clave na sua escrita normal é a viola. Esta clave
também pode aparecer ocasionalmente em passagens mais agudas do trombone. Seu uso
vocal ainda é utilizado quando são utilizadas partituras antigas.
( http://pt.wikipedia.org/wiki/Clave)

Clave de percussão
Usada para instrumentos sem altura definida, em geral instrumentos de
percussão. Cada linha ou espaço representa um instrumento diferente em
um conjunto de percussão, tal como uma bateria. Dois estilos de clave de
percussão são mostrados aqui.

Tipos de clave
As várias claves existem para permitir a escrita em cinco linhas e quatro espaços
(pentagrama) do som musical mais grave utilizado (Dó -2 aproximadamente 16,352Hz) até
o mais agudo (Dó 7 por volta de 5000Hz) percebido pelo ouvido humano. A escala geral,
que é o conjunto de todos os sons musicais, possui noventa e sete sons. Utilizando apenas
as cinco linhas e quatro espaços da pauta só é possível representar nove notas musicais. A
maioria dos instrumentos possui uma extensão (todas as notas fisicamente realizáveis)
muito maior, exigindo a utilização de uma quantidade grande linhas e espaços
suplementares acima ou abaixo da pauta o que dificulta a leitura. Ao utilizar claves
diferentes podemos fazer com que a maior parte das notas utilizadas pelos instrumentos e
vozes sejam representadas dentro da pauta com a utilização mínima de linha
suplementares.
(http://junioromusico.wordpress.com/2007/10/05/tipos-de-clave/)

Formas Antigas de Clave

14
Dó Central
Para definir a relação entre as notas grafadas em diversas escalas, foi preciso escolher uma
só nota para servir de referência. Esta nota é o Dó Central (dó 3): o dó da “chave do
Piano”

Diapasão

É um padrão de altura absoluta, utilizado para a afinação dos instrumentos.


A definição do número de vibrações da nota Lá em 440 Hz foi regulamentada por um
tratado internacional em 1953.

15
Leitura Melódica

16