Você está na página 1de 35

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

Área de Formação 521. Metalurgia e Metalomecânica

Itinerário de Formação 52108. Maquinação e Programação

Código e Designação do 521052 - Técnico/a de Maquinação e Programação


Referencial de
Formação Nível de Formação: 3

Educação e Formação de Adultos – Tipologias de nível secundário


Modalidades de
Formação Contínua
desenvolvimento

Observações

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3


Índice

1. Introdução 3

2. Perfil de Saída 4

3. Organização do Referencial de Formação 5

4. Metodologias de Formação 7

5. Desenvolvimento da Formação 8

5.1. Formação de Base – Unidades de Competência 8


5.2. Formação Tecnológica – Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD) 16

6. Sugestão de Recursos Didácticos 33

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 2/35


1. INTRODUÇÃO

O sector da Metalurgia e da Metalomecânica é um importante sector de actividade na economia


portuguesa e com uma significativa expressão no total da Indústria Transformadora, quer ao nível do
emprego, quer ao nível do número de empresas. Caracteriza-se pela grande diversidade de âmbitos
produtivos, bem como pela multiplicidade de bens produzidos, desde bens intermédios e acabados,
destinados a actividades industriais dentro e fora do sector, até produtos destinados ao mercado de bens
e consumo.

Este sector constitui-se como um importante fornecedor de todo o sector industrial, desempenhando,
desta forma, um papel fundamental no processo de desenvolvimento e modernização da indústria
portuguesa, quer em sectores a montante (engenharia, serviços de apoio e administrativos, informática),
quer a jusante (construção civil, agricultura, construção automóvel, acessórios e outro material de
transporte).

É constituído por quatro grandes subsectores: a metalurgia de base (produtos intermédios); os produtos
metálicos; os bens de equipamento e o material de transporte (produtos acabados). Os produtos deste
sector são sobretudo utilizados em embalagens, áreas de habitat e ambiente, de energia e processos de
mobilidade, de mecânica e diversos.

As questões ambientais, de qualidade e de normalização têm-se imposto cada vez mais. Os problemas
ambientais estão intimamente ligados a este sector, já que a transformação de produtos tem impactes
sobre a natureza, através da poluição e consumo de recursos. A implementação de políticas ambientais
nem sempre é fácil e rapidamente rentável para as empresas do sector, mas o chamado marketing verde
começa a ser uma importante ferramenta comercial. A melhoria da qualidade, por outro lado, é uma
condição crescentemente exigida pelos consumidores, impondo-se como uma variável estratégica para a
maioria das empresas, designadamente via comprovação decorrente de processos de Certificação de
Qualidade. Também a normalização, ou seja, a aplicação e acompanhamento das normas
internacionalmente reconhecidas, tem-se mostrado como um factor importante para as empresas que
operam num mercado competitivo e exigente em termos de qualidade.

A grande maioria das empresas do sector é de pequena dimensão. O número de trabalhadores por conta
de outrem tem diminuído nos últimos anos. A maioria é pouco jovem e tem baixa escolaridade, mas a
estrutura de habilitações do sector tem vindo a revelar uma evolução positiva.

O sector revela algumas dificuldades de recrutamento em relação a algumas profissões qualificadas mais
específicas, bem como nas profissões que implicam uma maior componente de trabalho manual e de
saber tradicional. A baixa atractividade do sector junto de jovens, assim como alguma desadequação da
oferta de formação na área tem justificado estas dificuldades.

Neste contexto, revela-se fundamental uma oferta de formação profissional específica que permita, em
primeiro lugar, elevar os níveis de qualificação, reforçando um sector em evolução. É necessário,
também, o desenvolvimento de saberes-fazer tecnológicos, determinados pelo grau de sofisticação
tecnológica dos equipamentos e pela integração crescente das novas tecnologias nas tecnologias de
produção. Destacam-se, igualmente, as competências associadas à regulação e vigilância de
equipamento e à adopção de comportamentos adequados em matéria de ambiente, higiene, saúde e
segurança no trabalho.

(Fonte: INOFOR (2000) Metalurgia e Metalomecânica em Portugal. Lisboa: Instituto para a Inovação na Formação.)

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 3/35


2. PERFIL DE SAÍDA

Descrição Geral

O/A Técnico/a de Maquinação e Programação é o/a profissional que desenvolve as actividades


relacionadas com o fabrico assistido por computador, preparação, execução ou acompanhamento da
maquinação e controlo do processo produtivo com vista ao fabrico de peças unitárias ou em série, de
acordo com as especificações técnicas e qualidade definidas.

Actividades Principais

• Preparar o trabalho, consultando e analisando documentos técnicos e seleccionando as


máquinas ferramenta CNC e as ferramentas a utilizar na execução da peça.

• Elaborar programa de fabrico.

• Preparar, executar e acompanhar a programação e operação de máquinas ferramenta CNC.

• Acompanhar a execução do programa de fabrico elaborado, em colaboração com o Operador de


Máquinas Ferramenta CNC.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 4/35


3. ORGANIZAÇÃO DO REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

Educação e Formação de Adultos (EFA)


Formação de Base

Cidadania e
UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7 UC8
Profissionalidade
50h 50h 50h 50h 50h 50h 50h 50h
(CP)
DE
COMPETÊNCIAS - CHAVEÁREAS

Sociedade, Tecnologia e
UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7
Ciência
50h 50h 50h 50h 50h 50h 50h
(STC)

Cultura, Língua e
UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7
Comunicação
50h 50h 50h 50h 50h 50h 50h
(CLC)

Área de Carácter Transversal


PORTEFÓLIO REFLEXIVO DE APRENDIZAGEM - PRA
25 – 200 h

Código1 UFCD Horas

4902 1 Desenho técnico – leitura e interpretação 50

4903 2 Metrologia Dimensional 25

4904 3 CAD - desenho assistido por computador 2D - introdução 25

1036 4 Iniciação à programação 50

4905 5 Tecnologia e propriedades dos materiais 50

1037 6 Tecnologia dos equipamentos CNC 25


Formação Tecnológica2

1141 7 Qualidade, ambiente e organização do trabalho 50

1127 8 Desenho técnico - cotagem e toleranciamento 50

1038 9 Tecnologia de corte 25

1039 10 Pneumática e Hidráulica 25

1040 11 Preparação de trabalho em máquinas de apoio convencionais 25

1041 12 Operação com tornos CNC 50

1043 13 Programação em linguagem conversacional de tornos CNC 50

1044 14 Operação com fresadoras CNC 50

1046 15 Programação em linguagem conversacional de fresadoras CNC 50

1
Os códigos assinalados a laranja correspondem a UFCD transferíveis entre saídas profissionais da mesma área de formação
2
À carga horária da formação tecnológica podem ser acrescidas 210 horas de Formação Prática em Contexto de Trabalho
(FPCT), obrigatórias para os adultos que não exerçam uma actividade profissional correspondente à saída profissional deste
referencial.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 5/35


Código UFCD (cont.) Horas

1047 16 Programação em linguagem ISO de fresadoras CNC 50

1048 17 Programação em electroerosadoras CNC 25


Formação Tecnológica

5230 18 Modelação de sólidos - introdução 25

1050 19 CAM 2D - maquinação assistida por computador 50

4907 20 CAM 3D - maquinação assistida por computador 50

4908 21 Maquinação de protótipos 50

4909 22 Maquinação em tornos CNC 50

4910 23 Maquinação em fresadoras CNC 50

4911 24 Operação e maquinação em electroerosadoras CNC 25

4912 25 CMM - controlo dimensional por coordenadas 25

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 6/35


4. METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO

A organização da formação com base num modelo flexível visa facilitar o acesso dos indivíduos a
diferentes percursos de aprendizagem, bem como a mobilidade entre níveis de qualificação. Esta
organização favorece o reingresso, em diferentes momentos, no ciclo de aprendizagem e a assunção por
parte de cada cidadão de um papel mais activo e de relevo na edificação do seu percurso formativo,
tornando-o mais compatível com as necessidades que em cada momento são exigidas por um mercado
de trabalho em permanente mutação e, por esta via, mais favorável à elevação dos níveis de eficiência e
de equidade dos sistemas de educação e formação.

A flexibilização beneficia, assim, a construção de percursos formativos de composição e duração


variáveis conducentes à obtenção de qualificações completas ou de construção progressiva,
reconhecidas e certificadas.

A nova responsabilidade que se exige a cada indivíduo na construção e gestão do seu próprio percurso
impõe, também, novas atitudes e competências para que este exercício se faça de forma mais
sustentada e autónoma.

As práticas formativas devem, neste contexto, conduzir ao desenvolvimento de competências


profissionais, mas também pessoais e sociais, designadamente, através de métodos participativos que
posicionem os formandos no centro do processo de ensino-aprendizagem e fomentem a motivação para
continuar a aprender ao longo da vida.

Devem, neste âmbito, ser privilegiados os métodos activos, que reforcem o envolvimento dos formandos,
a auto-reflexão sobre o seu processo de aprendizagem, a partir da partilha de pontos de vista e de
experiências no grupo, e a co-responsabilização na avaliação do processo de aprendizagem. A
dinamização de actividades didácticas baseadas em demonstrações directas ou indirectas, tarefas de
pesquisa, exploração e tratamento de informação, resolução de problemas concretos e dinâmica de
grupos afiguram-se, neste quadro, especialmente, aconselháveis.

A selecção dos métodos, técnicas e recursos técnico-pedagógicos deve ser efectuada tendo em vista os
objectivos de formação e as características do grupo em formação e de cada formando em particular.
Devem, por isso, diversificar-se os métodos e técnicas pedagógicos, assim como os contextos de
formação, com vista a uma maior adaptação a diferentes ritmos e estilos de aprendizagem individuais,
bem como a uma melhor preparação para a complexidade dos contextos reais de trabalho. Esta
diversificação de meios constitui um importante factor de sucesso nas aprendizagens.

Revela-se, ainda, de crucial importância o reforço da articulação entre as diferentes componentes de


formação, designadamente, através do tratamento das diversas matérias de forma interdisciplinar e da
realização de trabalhos de projecto com carácter integrador, em particular nas formações de maior
duração, que contribuam para o desenvolvimento e a consolidação de competências que habilitem o
futuro profissional a agir consciente e eficazmente em situações concretas e com graus de complexidade
diferenciados. Esta articulação exige que o trabalho da equipa formativa se faça de forma concertada,
garantindo que as aprendizagens se processam de forma integrada.

É também este contexto de trabalho em equipa que favorece a identificação de dificuldades de


aprendizagem e das causas que as determinam e que permite que, em tempo, se adoptem estratégias de
recuperação adequadas, que potenciem as condições para a obtenção de resultados positivos por parte
dos formandos que apresentam estas dificuldades.

A equipa formativa assume, assim, um papel fundamentalmente orientador e facilitador das


aprendizagens, através de abordagens menos directivas, traduzido numa intervenção pedagógica
diferenciada no apoio e no acompanhamento da progressão de cada formando e do grupo em que se
integra.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 7/35


5. DESENVOLVIMENTO DA FORMAÇÃO

5.1. Formação de Base - Unidades de Competência

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC1  Identificar direitos e deveres pessoais, colectivos e globais e compreender da sua


emergência e aplicação como expressões ora de tensão ora de convergência.

Competências

• Reconhecer constrangimentos e espaços de liberdade pessoal.


• Assumir direitos laborais inalienáveis e responsabilidades exigíveis ao/à trabalhador/a.
• Reconhecer o núcleo de direitos fundamentais típico de um Estado democrático contemporâneo.
• Elencar direitos e deveres na comunidade global.

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC2  Relacionar-se de modo confiante com a complexidade da informação, identificando


diferentes ângulos de leitura e diferentes escalas da realidade.

Competências

• Contextualizar situações e problemas da vida quotidiana e integrar as suas diferentes dimensões.


• Exercer iniciativa e criatividade em novos processos de trabalho.
• Identificar constrangimentos à construção de dinâmicas associativas e actuar criticamente face a esses
obstáculos.
• Reconhecer factores e dinâmicas de globalização.

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC3  Questionar e desconstruir preconceitos próprios e estereótipos sociais.

Competências

• Assumir preconceitos pessoais na representação dos/as outros/as e demonstrar capacidade de os desconstruir.


• Reconhecer os limites pessoais no desempenho profissional e seu questionamento à luz de uma cultura de rigor.
• Mapear diferentes modelos institucionais de escala local e nacional e reconhecer o seu conteúdo funcional.
• Identificar estereótipos culturais e sociais, compreendendo os mecanismos da sua formação e revelando
distanciamento crítico.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 8/35


Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC4  Valorizar a diversidade e actuar segundo convicções próprias.

Competências

• Reconhecer princípios de conduta baseados em códigos de lealdade institucional e comunitária.


• Exprimir sentido de pertença e de lealdade para com o colectivo profissional.
• Identificar e avaliar políticas públicas de acolhimento face à diversidade de identidades.
• Relacionar património comum da humanidade com interdependência e solidariedade.

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC5  Avaliar a realidade à luz de uma ordem de valores consistente e actuar em conformidade.

Competências

• Distinguir as várias hierarquizações de valores, escolher e reter referentes éticos e culturais.


• Adoptar normas deontológicas e profissionais como valores de referência não transaccionáveis em contextos
profissionais.
• Identificar a convicção e firmeza ética como valores necessários para o desenvolvimento institucional.
• Elencar escolhas morais básicas para a comunidade global: dignidade vs. desumanidade, desenvolvimento vs.
pobreza, justiça vs. assimetria, …

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC6  Adoptar a tolerância, a escuta e a mediação como princípios de inserção social.

Competências

• Identificar exigências de tolerância e actuar em conformidade.


• Assumir princípios de negociação, escuta activa e respeito por intervenções e ideias diversas.
• Assumir o pluralismo como um valor da comunidade política.
• Relaciona-se com a diversidade cultural segundo uma lógica de interacção e mediação.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 9/35


Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC7  Capacidade de intervenção pública em contextos de antagonismo de pontos de vista.

Competências

• Calibrar a iniciativa argumentativa própria com o acolhimento de pontos de vista divergentes.


• Identificar e compreender a interacção dos vários âmbitos problemáticos do dia-a-dia.
• Participar activamente em instituições deliberativas de escala diversa.
• Intervir em debates públicos.

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC8  Conceber e desenvolver projectos pessoais e sociais.

Competências

• Pensar prospectivamente a vida pessoal.


• Mobilizar vários saberes para resolução de problemas profissionais complexos.
• Conceber, desenvolver e cooperar em projectos colectivos.
• Posicionar-se prospectivamente em contextos macro-sociais de incerteza e ambiguidade.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

 Intervir em situações de relacionamento com equipamentos e sistemas técnicos tendo


UC1 como base a identificação e compreensão dos seus princípios e o conhecimento das normas de
boa utilização, conducentes ao reforço de eficiência e de capacidade de entendimento das
relações sociais.
Competências

• Operar com equipamentos e sistemas técnicos em contextos domésticos, identificando e compreendendo as suas
normas de boa utilização e os seus diferentes utilizadores.
• Operar equipamentos e sistemas técnicos em contextos profissionais, identificando e compreendendo as suas
normas de boa utilização e seus impactos nas organizações.
• Interagir com instituições, em situações diversificadas com base nos direitos e deveres de utilizadores e
consumidores de equipamentos e sistemas técnicos.
• Mobilizar conhecimentos e práticas para a compreensão e apropriação das transformações e evoluções técnicas e
sociais.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 10/35


Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

 Identificar e intervir em situações de tensão entre o ambiente e a sustentabilidade,


UC2 fundamentando posições relativas a segurança, preservação e exploração de recursos, melhoria
da qualidade ambiental e influência no futuro do planeta.
Competências

• Promover a preservação e melhoria da qualidade ambiental através de práticas quotidianas que envolvam
preocupações com o consumo e a eficiência energética.
• Incluir processos de valorização e tratamento de resíduos nas medidas de segurança e preservação ambiental.
• Diagnosticar as tensões institucionais entre o desenvolvimento e a sustentabilidade face à exploração e gestão de
recursos naturais.
• Mobilizar conhecimentos sobre a evolução do clima ao longo do tempo e a sua influência nas dinâmicas
populacionais, sociais e regionais.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

 Compreender que a qualidade de vida e bem-estar implicam a capacidade de accionar


UC3 fundamentada e adequadamente intervenções e mudanças biocomportamentais, identificando
factores de risco e de protecção, e reconhecendo na saúde direitos e deveres em situações de
intervenção individual e do colectivo.
Competências

• Adoptar cuidados básicos de saúde em função de diferentes necessidades e situações de vida.


• Promover comportamentos saudáveis e medidas de segurança e prevenção de riscos, em contexto profissional.
• Reconhecer os direitos e deveres dos cidadãos e o papel da componente científica e técnica na tomada de
decisões racionais relativamente à saúde.
• Prevenir adequadamente patologias em função da evolução das realidades sociais, científicas e tecnológicas.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

 Identificar, compreender e intervir em situações de gestão e economia, desde o orçamento


UC4 privado e familiar até a um nível mais geral através da influência das instituições monetárias e
financeiras na economia em que se está inserido e tendo em conta princípios das ciências
económicas.
Competências

• Organizar orçamentos familiares tendo em conta a influência dos impostos e os produtos e serviços financeiros
disponíveis.
• Interagir com empresas, instituições e organizações mobilizando conhecimentos de gestão de recursos.
• Perspectivar a influência dos sistemas monetários e financeiros na economia e na sociedade.
• Diagnosticar os impactos das evoluções sociais, tecnológicas e científicas nos usos e gestão do tempo.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 11/35


Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

 Identificar, compreender e intervir em situações onde as TIC sejam importantes no apoio à


UC5 gestão do quotidiano, a facilidade de transmissão e difusão da informação socialmente
controlada, reconhecendo que a relevância das TIC tem consequências na globalização das
relações.
Competências

• Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais.


• Perspectivar a interacção entre a evolução tecnológica e as mudanças nos contextos e qualificações profissionais.
• Discutir o impacto dos media na construção da opinião pública.
• Relacionar a evolução das redes tecnológicas com as redes sociais.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

 Identificar, compreender e intervir em questões de relação entre habitação, meios de


UC6 subsistência, relacionamento social e mobilidade em ambiente rural ou urbano, na perspectiva da
contribuição para a harmonização e melhoria da qualidade de vida.
Competências

• Associar conceitos de construção e arquitectura à integração social e à melhoria do bem-estar individual.


• Promover a qualidade de vida através da harmonização territorial em modelos de desenvolvimento rural ou
urbano.
• Mobilizar informação sobre o papel das diferentes instituições no âmbito da administração, segurança e território.
• Reconhecer diferentes formas de mobilidade territorial – local e global – e sua evolução.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

UC7  Identificar, compreender e agir criticamente em questões relacionadas com a visão


científica do indivíduo, da sociedade e do universo.

Competências

• Mobilizar o saber formal para o reconhecimento do elemento como uma unidade estrutural e organizativa.
• Recorrer a processos e métodos científicos para actuação em diferentes domínios da vida social.
• Intervir racional e criticamente em questões públicas com base em conhecimentos científicos e tecnológicos.
• Mobilizar o saber formal na interpretação de leis e modelos científicos num contexto de coexistência de
estabilidade e mudança.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 12/35


Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

 Identificar e explorar as diversas funcionalidades dos equipamentos e sistemas técnicos,


UC1 mobilizando competências linguísticas e culturais, com vista ao seu máximo aproveitamento e a
obtenção de desempenhos mais eficazes e participativos.
Competências

• Lidar com equipamentos e sistemas técnicos em contexto privado acedendo à multiplicidade de funções que
comportam e reconhecendo a sua dimensão criativa.
• Agir perante equipamentos e sistemas técnicos em contexto profissional conjugando saberes especializados e
rentabilizando os seus variados recursos no estabelecimento e desenvolvimento de contactos.
• Utilizar conhecimentos sobre equipamentos e sistemas técnicos para facilitar a integração, a comunicação e a
intervenção em contextos institucionais.
• Relacionar transformações e evoluções técnicas com novas formas de acesso à informação, à cultura e ao
conhecimento proporcionado também pelos novos suportes tecnológicos de comunicação.

Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

 Intervir em questões relacionadas com ambiente e sustentabilidade, descodificando


UC2 símbolos, produzindo indicações claras a favor de práticas de defesa dos recursos naturais e
argumentando em debate, tendo em conta o papel dos mass media na opinião pública.
Competências

• Regular consumos energéticos aplicando conhecimentos técnicos e competências interpretativas.


• Agir de acordo com a percepção das implicações de processos de reciclagem em contexto profissional,
reconhecendo a mais-valia da sua utilização, recorrendo à comunicação de mensagens eficazes.
• Agir perante os recursos naturais reconhecendo a importância da sua salvaguarda e participando em actividades
visando a sua protecção.
• Agir de acordo com a compreensão dos diversos impactos das alterações climáticas nas actividades humanas.

Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

 Intervir em situações relacionadas com a saúde, aplicando capacidades de expressão,


UC3 descodificação e comunicação no desenvolvimento de uma cultura de prevenção, no
cumprimento de regras e meios de segurança e sendo receptivo à diversidade de terapêuticas na
resolução de patologias.
Competências

• Interpretar e comunicar conteúdos com objectivos de prevenção na adopção de cuidados básicos de saúde, em
contexto doméstico.
• Intervir em contexto profissional apreendendo e comunicando regras e meios de segurança e desenvolvendo uma
cultura de prevenção.
• Relacionar a multiplicidade de terapêuticas com a diversidade cultural, respeitando opções diferenciadas.
• Mobilizar saberes culturais, linguísticos e comunicacionais para lidar com patologias e cuidados preventivos
relacionados com o envelhecimento e o aumento da esperança de vida.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 13/35


Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

 Intervir em situações relacionadas com a gestão e a economia descodificando


UC4 terminologias, sabendo exprimir-se sobre diversos temas financeiros e aplicando em diversos
contextos competências culturais e procedimentos que contribuam para agilizar a organização do
trabalho e a gestão do tempo.
Competências

• Definir orçamentos familiares e preencher formulários de impostos dominando terminologias e aplicando


tecnologias que facilitam cálculos, preenchimentos e envios.
• Saber adequar-se a modelos de organização e gestão que valorizam o trabalho em equipa em articulação com
outros saberes especializados.
• Agir de acordo com a compreensão do funcionamento dos sistemas monetários e financeiros (como elemento de
configuração cultural e comunicacional das sociedades actuais).
• Identificar os impactos de evoluções técnicas na gestão do tempo reconhecendo ainda os seus efeitos nos modos
de processar e transmitir informação.

Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

 Intervir face às tecnologias de informação e comunicação em contextos diversificados,


UC5 mobilizando competências linguísticas e culturais no potenciar das suas funcionalidades,
identificando a relação entre estas tecnologias, o poder mediático e respectivos efeitos em
processos de regulação institucional.
Competências

• Operar com as comunicações rádio em contexto doméstico adequando-as às necessidades da organização do


quotidiano e compreendendo de que modo incorporam e suscitam diferentes utilizações da língua.
• Lidar com a micro e macro electrónica em contextos socioprofissionais identificando as suas mais valias na
sistematização da informação, decorrentes também da especificidade de linguagens de programação empregues.
• Relacionar-se com os mass media reconhecendo os seus impactos na constituição do poder mediático e tendo a
percepção dos efeitos deste na regulação institucional.
• Perceber os impactos das redes de internet nos hábitos perceptivos, desenvolvendo uma atitude crítica face aos
conteúdos aí disponibilizados.

Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

 Intervir em questões relacionadas com mobilidade e urbanismo, mobilizando recursos


linguísticos e comunicacionais no reconhecimento das funcionalidade dos diversos sistemas de
UC6 ordenamento, da existência de planeamento urbano, das oportunidades de trabalho em contextos
rurais e urbanos e do enriquecimento cultural que os fluxos migratórios geram, interpretando-os
como factores que reforçam a qualidade de vida.
Competências

• Participar no processo de planeamento e construção de edifícios recorrendo a terminologias próprias e procurando


garantir condições para as práticas de lazer.
• Intervir em contextos profissionais considerando a ruralidade ou urbanidade que os envolvem e procurando retirar
daí benefícios para a integração socioprofissional.
• Identificar sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados.
• Relacionar mobilidades e fluxos migratórios com a disseminação de patrimónios linguísticos e culturais e seus
impactos.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 14/35


Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

 Agir em contextos diversificados conseguindo identificar os principais factores que afectam


UC7 quer a mudança social quer a evolução dos percursos individuais e sendo capaz de mobilizar
saberes relativos à ciência e a dinâmicas institucionais de modo a poder formular opiniões críticas
perante variadas questões.
Competências

• Intervir tendo em conta que os percursos individuais são afectados pela posse de diversos recursos, incluindo
competências ao nível da cultura, da língua e da comunicação.
• Agir em contextos profissionais, com recurso aos saberes em cultura, língua e comunicação.
• Formular opiniões críticas mobilizando saberes vários e competências culturais, linguísticas e comunicacionais.
• Identificar os principais factores que influenciam a mudança social, reconhecendo nessa mudança o papel da
cultura, da língua e da comunicação.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 15/35


5.2. Formação Tecnológica - Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD)

Carga horária
4902 Desenho técnico - leitura e interpretação
50 horas

 Manusear os equipamentos e materiais utilizados em desenho.


 Executar traçagens das figuras geométricas mais usuais em desenho técnico.
Objectivo(s) • Executar representações de peças.
• Executar cortes e secções nas diversas vistas que compõem o desenho técnico.
• Ler e interpretar os desenhos técnicos de peças e de ferramentas de fundição.
Conteúdos

• Elementos de desenho
− Formato das folhas
− Legendas
− Traços – linhas
• Projecções ortogonais
− Cubo de projecções
− Selecção das vistas necessárias
− Exercícios práticos
 Cortes e secções
− Planos de corte
− Vistas e cortes parciais
− Exercícios práticos
• Escalas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 16/35


Carga horária
4903 Metrologia dimensional
25 horas

 Identificar instrumentos de medida.


Objectivo(s)  Seleccionar o instrumento de medida em função da peça em causa.
 Utilizar instrumentos de medida.
Conteúdos

• Paquímetros
− Nónio
Aplicação do nónio nos instrumentos de medição
− Tipos de paquímetros
Analógicos
Digitais
De profundidades
De cremalheira
− Composição, manuseamento e interpretação de leituras
− Exercícios de prática de leituras com paquímetros analógicos
• Micrómetros
− Composição, manuseamento, limpeza, calibração e interpretação de leituras
− Tipos de micrómetros
De exteriores
De interiores com 2 contactos
De interiores com 3 contactos
De profundidades
Exercícios de prática de leituras com micrómetros analógicos
• Calibres tampão/calibres de roscas
− Vantagens na utilização destes, composição e manuseamento

Carga horária
4904 CAD- Desenho assistido por computador 2D - introdução
25 horas

Objectivo(s)  Operar com aplicações CAD 2D.


Conteúdos

• Introdução a aplicação CAD


• Vantagens do CAD em relação ao desenho convencional
• Noções de Coordenadas - relativas, absolutas, cartesianas e polares
• Comandos de desenho - linhas, arcos e círculos, elipses, polígonos, etc.
• Selecção de entidades
• Comandos de edição - mover, rodar, espelhar, cortar, estender
• Pontos notáveis (object snap)
• Cotagem
• Noção de layer e suas aplicações
• Noção de grupo e suas aplicações
• Noção de bloco e suas aplicações
• Criação automática de contornos

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 17/35


Carga horária
1036 Iniciação à programação
50 horas

 Estruturar um programa CN utilizando o desenho da peça.


Objectivo(s)
 Elaborar programas.
Conteúdos

• Definição de programação
• Tipos de linguagem de programação
• Geometria para a programação
Sistemas de coordenadas de 2 eixos
Ponto zero máquina
Ponto zero da peça
Ponto de referência da ferramenta
• Elementos geométricos
Transformação de cotas em coordenadas
Coordenadas absolutas e incrementais
Determinação do zero-peça
Divisão do contorno em segmentos
• Elementos para a programação
Funções preparatórias
Funções auxiliares
Ciclos fixos
• Estrutura de um programa C.N.
− Programação C.N.

Carga horária
4905 Tecnologia e propriedades dos materiais
50 horas

Objectivo(s)  Distinguir as diferentes propriedades e aplicações dos materiais metálicos.


Conteúdos

• Introdução aos materiais


• Propriedades dos materiais
• Propriedades mecânicas
• Ensaios mecânicos de caracterização
• Deformação plástica
• Tratamentos térmicos dos materiais metálicos
• Materiais metálicos - ligas ferrosas
• Processos de fabrico

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 18/35


Carga horária
1037 Tecnologia dos equipamentos CNC 25 horas

Objectivo(s)  Conhecer os elementos de máquinas ferramenta CNC.


Conteúdos

 Componentes de uma máquina CNC


 Elementos de comandos CNC
 Periféricos
 Eixos e sistemas de coordenadas
 Dispositivos de medição
 Sistemas de referência
 Tipos de teclados
 Tipos de controladores CNC

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 19/35


Carga horária
1141 Qualidade, ambiente e organização do trabalho
50 horas

 Identificar os principais requisitos da norma ISO 9001.


 Identificar a estratégia de actuação ao nível da gestão de resíduos.
Objectivo(s)
 Identificar comportamentos facilitadores do trabalho em equipa.
 Identificar os principais sistemas de organização de produção.
Conteúdos

Qualidade
 Normas do sistema de gestão da qualidade
 Princípios de gestão da qualidade
 Requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade segundo a Norma ISO 9001
 Certificação
 Auditorias da qualidade

Ambiente
 Principais problemas ambientais da actualidade
 Gestão de resíduos
 Efluentes líquidos
 Emissões gasosas
 Estratégia de actuação - reduzir, reutilizar, reciclar, recuperar e racionalizar

Trabalho em equipa
 Fases de desenvolvimento da equipa
 Características das equipas de sucesso

Organização da produção
 Produtividade
 Implantações (Lay-out)
 Polivalência / Flexibilidade dos trabalhadores
 Sistemas de produção:
− JIT (Just in Time)
− Kanban
− Kaizen
− Técnicas para mudanças rápidas de ferramenta (SMED)
− TPM (Manutenção produtiva total)
− 5S

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 20/35


Carga horária
1127 Desenho técnico - cotagem e toleranciamento 50 horas

 Ler, interpretar e executar representações de peças e proceder à respectiva cotagem.


Objectivo(s)  Interpretar e aplicar o toleranciamento dimensional.
 Calcular ajustamentos.
Conteúdos

• Cotagem
− Execução da cotagem
− Exercícios práticos
 Toleranciamento dimensional
− Furos e veios
− Posição
− Qualidade
− Cálculo dos desvios
− Consulta de tabelas
− Exercícios práticos
 Desenho de moldes
− Leitura e interpretação de desenho de componentes
− Leitura e interpretação de desenho de moldes
Placas moldantes
Saídas
Elementos normalizados
 Dimensionamento de zonas moldantes (contracção, tolerâncias)

Carga horária
1038 Tecnologia de corte 25 horas

 Identificar e caracterizar ferramentas de corte.


Objectivo(s)  Ler e interpretar catálogos técnicos de ferramentas.
 Identificar e distinguir os diferentes processos de maquinação.
Conteúdos

 Evolução dos métodos de fabrico e o aparecimento do CNC


 As vantagens do CNC
 Ambito de aplicação
 As máquinas ferramenta
 Conceito de máquina ferramenta
 Escolha da máquina ferramenta
 Dossier de fabricação
 Tecnologia de maquinagem em fresadora e tornos CNC
− Definição e movimentos característicos
− Operações realizáveis
− Parâmetros de corte
− Tipos e sistemas de fixação das peças
 Ferramenta e fluido refrigerante
 Tecnologia de electroerosão CNC
− Processo de electroerosão

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 21/35


− Fluido dieléctrico e as suas funções

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 22/35


Carga horária
1039 Pneumática e hidráulica 25 horas

 Caracterizar a base de um sistema hidráulico.


Objectivo(s)  Identificar máquinas volumétricas.
 Reconhecer os princípios das forças hidráulicas.
Conteúdos

 Introdução à hidráulica
 Gerador elementar
 Máquinas volumétricas
 Princípios das forças hidráulicas
 Princípio da multiplicação de pressão
 Forma básica de um sistema hidráulico
 Normalização na representação de sistemas hidráulicos e pneumáticos
 Simbologia
 Elementos funcionais
 Actuadores hidráulicos
 Válvulas direccionais e manométricas
 Análise de circuitos
 Fluidos hidráulicos
 Pneumática

Carga horária
1040 Preparação de trabalho em máquinas de apoio convencionais 25 horas

 Preparar o material para apoio à fabricação em máquinas de apoio convencionais.


Objectivo(s)
 Preparar ferramentas de corte em máquinas CNC.
Conteúdos

 Furação em furadora de coluna


 Serragem manual
 Serragem mecânica
 Roscagem manual
 Identificação dos ângulos de corte das brocas
 Afiamento manual de brocas
 Mandrilagem manual
 Precaução e manutenção dos equipamentos
 Rectificação de superficies planas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 23/35


Carga horária
1041 Operação com tornos CNC 50 horas

 Descrever as características tecnológicas do torno CNC e do funcionamento dos sistemas


de fixação das peças e ferramentas de corte.
 Preparar a máquina para a mecanização das peças.
Objectivo(s)  Operar, controlar e corrigir as operações efectuadas no torno CNC, na fabricação de
peças.
 Controlar geométrica e dimensionalmente as peças fabricadas, utilizando instrumentos de
medição e verificação.
Conteúdos

 Identificação e introdução aos tornos CNC


 Sistemas de eixos
 Sistemas de coordenadas
 Sistemas de fixação de peças de revolução
 Identificação do controlador CNC
 Alinhamento e condução de tornos CNC
 Preparação de trabalho na máquina CNC
− Montagem de ferramentas na torreta
− Calibração de ferramentas
− Montagem dos sistemas de aperto das peças
− Regulação da pressão dos sistemas de fixação das peças
− Regulação do cabeçote contra-ponto
− Métodos de determinação e registo da origem das peças
 Simulação, otimização e validação de programas
 Ténicas de medição e verificação no controlo das peças
 Técnicas de correcção e ajuste de ferramentas
 Manutenção de tornos CNC

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 24/35


Carga horária
1043 Programação em linguagem conversacional de tornos CNC 50 horas

 Recolher dados necessários para a programação.


 Introduzir na máquina os elementos necessários à programação de tornos CNC.
Objectivo(s)
 Processar e validar os programas.
 Corrigir e optimizar os programas CN.
Conteúdos

 Leitura e interpretação de desenho para a programação


 Tipos de programação CNC
− Linguagem máquina
 Métodos de programação
− Programação directa no controlador da máquina
− Por cantos rectos
− Por segmentos
 Controlador CNC
− Eixos comandados em simultâneo
− Funções de programação
− Processos de introdução de dados
− Teclado de operação e programação
− Tabelas de ferramentas
 Dados para a programação directa no controlador
− Recolha de dados para elaboração de programas
− Determinação do zero peça
− Divisão do contorno em segmentos
− Calculo de pontos do contorno
− Escolha e selecção de ferramentas de corte
− Estruturação do programa
− Elaboração do programa
− Elaboração da tabela das ferramentas
 Programação directa no controlador
− Definição das medidas máximas da peça
− Definição do material a maquinar
− Definição da geometria da peça
− Definição das sequências de operação
− Ensaio e validação gráfica do programa
 Métodos de inserção das tabelas das ferramentas de corte
 Optimização, correcção e validação de programas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 25/35


Carga horária
1044 Operação com fresadoras CNC 50 horas

 Descrever as características tecnológicas da fresadora CNC e do funcionamento dos


sistemas de fixação das peças e ferramentas de corte.
 Preparar a máquina para a mecanização das peças.
Objectivo(s)  Operar, controlar e corrigir as operações efectuadas na fresadora CNC, na fabricação de
peças.
 Controlar geométrica e dimensionalmente as peças fabricadas, utilizando instrumentos de
medição e verificação.
Conteúdos

 Identificação e introdução às fresadoras CNC


 Sistemas de eixos
 Sistemas de coordenadas
 Sistemas de fixação de peças
 Identificação dos controladores CNC
 Alinhamento e condução de fresadoras CNC
 Preparação de trabalho na máquina CNC
− Selecçãodo porta ferramentas e respectivas ferramentas de corte
− Montagem e fixação das ferramentas de corte
− Montagem de ferramentas no magazine
− Calibração de ferramentas
− Montagem e comparação de sistemas de fixação das peças
− Método de posicionamento e fixação das peças a maquinar
− Métodos de determinação e registo da origem das peças
 Simulação, otimização e validação de programas
 Ténicas de medição e verificação no controlo das peças
 Técnicas de correcção e ajuste de ferramentas
 Manutenção de fresadoras CNC

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 26/35


Carga horária
1046 Programação em linguagem conversacional de fresadoras CNC 50 horas

 Recolher dados necessários para a programação.


 Inserir os dados necessários à programação na fresadora CNC.
Objectivo(s)
 Processar e validar os programas em linguagem conversacional.
 Corrigir e optimizar os programas.
Conteúdos

 Leitura e interpretação de desenho para a programação


 Geometria para a programação
− Sistemas de coordenadas de 2 e 3 eixos
− Ponto zero máquina
− Ponto zero da peça
− Ponto de referência da ferramenta
 Elementos geométricos
− Transformação de cotas em coordenadas
− Coordenadas absolutas e incrementais
− Determinação do zero-peça
− Divisão do contorno em segmentos
− Entradas e saídas de um contorno
 Os elementos para a programação
− Ciclos automáticos
− Ciclos de transposição de coordenadas
− Funções auxiliares
− Tipos de trajectórias
− Coordenadas cartesianas
− Funções de trajectória
 Complementos de programação
− Correctores de raio
− Movimentos com correcção de raio
 Tabelas
− Tabelas de ferramentas
− Tabelas de offsets
 Funções de espelho
 Funções de rotação do sistema de coordenadas
 Funções de escala
 Sub-rotinas
 Estrutura de um programa C.N.
 Programação C.N.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 27/35


Carga horária
1047 Programação em linguagem ISO de fresadoras CNC 50 horas

 Recolher dados necessários para a programação.


 Inserir os dados necessários à programação na fresadora CNC.
Objectivo(s)
 Processar e validar os programas em linguagem normalizada.
 Corrigir e optimizar os programas.
Conteúdos

 Leitura e interpretação de desenho para a programação


 Geometria para a programação
− Sistemas de coordenadas de 2 e 3 eixos
− Ponto zero máquina
− Ponto zero da peça
− Ponto de referência da ferramenta
 Elementos geométricos para a progração
− Transformação de cotas em coordenadas
− Coordenadas absolutas e incrementais
− Determinação do zero-peça
− Divisão do contorno em segmentos
 Os elementos para a programação
− Funções preparatórias
− Funções auxiliares
 Complementos de programação
− Offsets de raio
− Offsets de comprimento
 Tabelas
− Tabelas de ferramentas
− Tabelas de offsets
 Funções de espelho
 Funções de rotação do sistema de coordenadas
 Funções de escala
 Sub-programas
 Estrutura de um programa C.N.
 Programação C.N.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 28/35


Carga horária
1048 Programação de electroerosadoras CNC 25 horas

 Descrever as características tecnológicas das electroerosadoras CNC.


 Recolher dados necessários para a programação.
Objectivo(s)  Inserir os dados necessários à programação na electroerosadora CNC.
 Processar e validar os programas em linguagem normalizada.
 Corrigir e optimizar os programas.
Conteúdos

 Leitura e interpretação do desenho para a programação


 Identificação dos processos de maquinagem
 Selecção dos regimes de erosão do metal
 Desgaste do electrodo
 Determinação da sobre-espessura de corte
 Graus de acabamento
 Recolha de dados para a programação
 Elaboração das tabelas das condições de maquinação
 Estrutura de um programa C.N em linguagem ISO
 Programação C.N.
 Ensaio e validação de programas

Carga horária
5230 Modelação de sólidos - introdução 25 horas

Objectivo(s)  Utilizar uma aplicação de modelação de sólidos.


Conteúdos

 Introdução ao modelador de sólidos


 Definição de Sketchs
− Linhas, circunferências, arcos, elipse e curvas
− Operações - mover, rodar, cortar, estender, fillet, chanfro etc.
 Restrições e dimensões paramétricas
 Features - Extrusão, Revolução, Sweep, Loft, fillet, chanfro, nervura, shell etc.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 29/35


Carga horária
1050 CAM 2D - maquinação assistida por computador
50 horas

 Utilizar aplicações CAM 2D.


Objectivo(s)
 Criar e optimizar os percursos de maquinação de modelos CAD 2D.
Conteúdos

 Importação de ficheiros DWG ou DXF


 Tipos de figuras - cavidade postiço ranhura, furo, cavidade circular, postiço circular
 Estratégias offset, contorno, raster
 Escolha do ponto mais apropriado a entrada
 Controlo de entradas e saídas, entradas e saídas em arco
 Escolhe a opção sem compemsação, vantagens
 Criar programas NC Individuais

Carga horária
4907 CAM 3D - maquinação assistida por computador 50 horas

 Utilizar aplicações CAM 3D.


Objectivo(s)
 Criar e optimizar os percursos de maquinação de modelos CAD.
Conteúdos

 Introdução a aplicação de CAM - conceitos


 Manipulação e orientação do modelo CAD
 Planos de trabalho
 Escolha e definição da ferramenta
 Definição do bloco
 Movimentos rápidos
 Estratégias de desbaste - offset, perfil e raster, redesbaste.
 Estratégias acabamento raster, radial, espiral, padrão, corner, 3D offset, Z constante, projecção, etc.
 Programas NC
 Fronteiras
 Edição e cópia dos percursos de maquinagem
 Verificação de colisões
 Entradas / saídas e ligações
 Padrões
 Furação
 Simulação e verificação.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 30/35


Carga horária
4908 Maquinação de protótipos 50 horas

 Preparar a máquina para a mecanização de peças.


Objectivo(s)  Simular e corrigir programas CNC com auxílio de uma aplicação CAM de modelos CAD.
 Mecanizar peças em modo CNC.
Conteúdos

 Alinhamento de um centro de maquinagem


 Montar as ferramentas adequadas para as operaçãos de maquinagem
 Selecção do porta-ferramentas e respectivas ferramentas de corte
 Regular e calibrar as ferramentas de corte
 Técnica de calibração e regulação das dimensões das ferramentas
 Regulação e condução de um centro de maquinagem CNC
 Cálculo das velocidades de rotação e avanço
 Métodos de determinação do ponto-zero da peça
 DNC em MS-DOS
 DNC em ambiente windows
 Parâmetros de comunicação no computador
 Parâmetros de comunicação na máquina CNC
 Verificação e correcção dos programas
 Ensaio e validação dos programas
 Ligação DNC
 Maquinação em modo DNC

Carga horária
4909 Maquinação em tornos CNC 50 horas

 Preparar a máquina para a mecanização de peças.


 Simular e corrigir programas CNC.
Objectivo(s)  Executar operações de torneamento de peças de revolução com tornos CNC.
 Controlar geometrica e dimensionalmente as peças executadas utilizando instrumentos de
medição e verificação.
Conteúdos

 Preparação da máquina
 Selecção das ferramentas de corte
 Montagem e calibração das ferramentas de corte
 Controlo do posicionamento da troca automática das ferramentas na torreta
 Regulação e fixação dos dispositivos de aperto das peças
 Ensaio e validação dos programas
 Simulação, maquinagem e validação das peças
 Fabricação de peças de revolução de acordo com as especificações do desenho
 Controlo dimensional e geométrico
 Medição e leitura da rogusidade das peças
 Utilização de instrumentos no controlo e verificação das peças
 Controlo da maquinagem durante o fabrico
 Técnicas de verifição na abertura de roscas
 Manutenção dos tornos CNC

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 31/35


Carga horária
4910 Maquinação em fresadoras CNC 50 horas

 Preparar a máquina para a mecanização de peças.


 Simular e corrigir programas CNC.
Objectivo(s)  Executar operações de mecanização de peças com geometrias varáveis com fresadoras
CNC.
 Controlar geometrica e dimensionalmente as peças executadas utilizando instrumentos de
medição e verificação.
Conteúdos

 Preparação da máquina
 Selecção das ferramentas de corte
 Calculo dos dados de corte das ferramentas
 Montagem e calibração das ferramentas de corte
 Ensaio e validação dos programas
 Simulação, maquinagem e validação das peças
 Identificação, analize e correcção de erros de programação
 Fresagem de peças de perfis e contornos variados
 Fresagem de peças em superficies opostas
 Fabricação de peças de diferentes formas de acordo com as especificações do desenho
 Controlo dimensional e geométrico
 Medição e leitura da rogusidade das peças
 Utilização de instrumentos no controlo e verificação das peças
 Controlo da maquinagem durante o fabrico
 Manutenção dos fresadoras CNC

Carga horária
4911 Operação e maquinação em electroerosadoras CNC 25 horas

 Identificar os componentes mecânicos e electrónicos das electroerosadoras CNC.


Objectivo(s)
 Operar, controlar e corrigir as operações efectuadas em electroerosadoras CNC, na
mecanização de peças.
Conteúdos

 Identificar os comandos e as técnicas da máquina


 Identificação dos mecanismos de comando da máquina
 Tipos de operações realizáveis
 Montagem do eléctrodo e da peça a fabricar em posição de trabalho
 Regulação e condução da máquina
 Controlo da maquinagem durante o fabrico
 Controlo dimensional e geométrico da peça
 Medição e leitura da rogusidade das peças
 Fabricação de peças de diferentes formas de acordo com as especificações do desenho
 Manutenção das electroerosadoras CNC

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 32/35


Carga horária
4912 CMM - controlo dimensional por coordenadas 25 horas

 Calibrar ferramentas.
 Executar o alinhamento da peça.
Objectivo(s)
 Realizar a medição em modo manual.
 Realizar a medição em modo CNC.
Conteúdos

 Introdução à medição
 Sistemas de coordenadas
− Sistema de coordenadas para a máquina
− Sistema de coordenadas para a peça
 Alinhamento
 Sistemas de eixos
 Tradução
 Rotação
 Caracteristicas medidas e construidas
 Compensação volumétrica
 Compensação dos sensores
 Projecções
 Introdução a aplicação CMM
− Modos de operação
− Interface
− Barra de ferramentas
− Criação de novo programa
− Modo manual e DCC
− Calibração da ponteira
− Medição de caracteristicas
− Processo de medição
− Alinhamento
− Construção de caracteristicas
− Dimensionamento
− Executar
− Elaboração de relatório de medição

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 33/35


6. SUGESTÃO DE RECURSOS DIDÁCTICOS

 Ar comprimido – óleo- hidráulica - Emanuel Eduardo Pires Vaz e outros, Edições Lopes da Silva, Porto, 1989
 Automação pneumática - Adriano Almeida e Silva, António Ferreira Santos, Publindústria, Edições Técnicas, Porto, 2002
 Comando numérico CNC – torneamento: programação e operação - EPU – Editora Pedagógica e Universitária Lda, S. Paulo
 Controlo automático de processos industriais, instrumentação - Luciano e Nishinari, Akiyoshi Sighieri, Editora Edgard
Blucher, Lda.
 Controlo numérico computorizado – conceitos fundamentais - Carlos Relvas, Publindústria
 Curso de geometria - P. Araújo, Gradiva, 1998
 Desenho de construções mecânicas – desenho técnico básico - José Manuel Simões Morais, Porto Editora, Lda
 Desenho técnico - Luís Veiga Cunha, Fundação Calouste Gulbenkian
 Desenho técnico moderno - Arlindo Silva, Carlos Ribeiro, João Dias, Luís Sousa, Ed Lidel, 2004
 Desenvolvimento de chapas - C. H. Lobjois, Hemus Editora
 Dinâmica - Arthur P. Boresi, Editora Dinternal Livro
 Electricidade 1 e 2 - José Vagos Carreira Matias, Didáctica Editora
 Elementos de máquinas - Gustav Nieman, Volume I, mmEditora, 1995
 Elementos de mecânica - Ana Roseira, Porto Editora, 1993
 Elementos de mecânica - António Roseira, Ensino Técnico Profissional, Porto Editora
 Ensino da geometria no virar do milénio - E. Veloso, et al. , Departamento da Educação da FCL da UL, Lisboa, 1999
 Estruturas metálicas: cálculos, detalhes, exercícios e projectos - António Carlos Fonseca, Edgard Blucher/Dinalivro, 2002
 Geometria – temas actuais - Eduardo Veloso, Instituto de Inovação Educacional
 Gestão da produção - A. Courtois, Lidel
 Introdução à pneumática - Festo Didatic
 Ligações metálicas - L. Simões da Silva
 Manual de corte e quinagem de chapa metálica - Polleri Pires de Campos, Cetop
 Manual de higiene do trabalho na indústria - R. Macedo
 Máquinas – formulário técnico - A. L. Casillas, Editora Mestre Jou, 1987
 Matemática 9.º ano - A. Salvador, E. Mendes, L. Santos, Porto Constância, 2000
 Matemática em acção 7.º ano: a teoria e a pratica - I. Passos, N. Amado, Lisboa Editora
 Mecânica dos materiais: tecnologia mecânica - J. Sobral Pires, M. Carvalho Pires, 2ª edição, Edições Asa
 Método sequencial para automatização electropneumática - Fundação Calouste Gulbenkian
 Metrologia e qualidade - Silvestre Dias Antunes, Instituto Português da Qualidade
 Metrologia na indústria - Francisco Adval de Lira, Infobook, 2002
 Metrologia: método e arte de medição - Jorge Henrique Machado, Instituto Português da Qualidade, 1993
 Modern metal cuting - Sandvisk
 Normas portuguesas - Direcção Geral de Qualidade.
 Óleo-hidráulica - Rexroth
 Organização do trabalho - Luís Barros, Modulforme
 Organização e administração de empresas - Viegas da Silva, H. Adelaide Matos, Texto Editora
 Soldagem – processos e metalurgia - Emílio Wainer, Sérgio Duarte Brandi, mmeditora
 Tecnologia da soldadura - J. F. Oliveira Santos, Modulform
 Tecnologia mecânica – processos de fabricação e tratamento, volume II - Vicente Chiaverini
 Tecnologia mecânica II - Acácio Teixeira da Rocha, Coimbra Editora
 Torneiro e fresador mecânicos - Thomaz Bordallo Pinheiro, 2.ª edição, Biblioteca de Instrução Profissional
 Mecânica técnica - Emanuel Pires Vaz, Livraria Lopes da Silva
 Mecânica técnica – soldadura e cálculos técnicos - E. Pires Vaz, Editora Lopes da Silva
 Metalurgia da soldadura - E.M. Dias Lopes, Instituto de Soldadura e Qualidade, 1992
 Tecnologia mecânica - Livros Plátanos de Formação Profissional
 Administração da produção - James L. Riggs, Atlas Editora
 Aplicações e utilização dos fluidos de corte nos processos de rectificação - Eduardo Carlos Bianch, Paulo Roberto
Aguiar, Bruno Amaral Piubeli, mm Editora

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 34/35


 Metalurgia e metalomecânica em Portugal – Carla Rocha, Maria José Sousa, Pedro Santos, Susana Luis
 Tecnologia mecânica - Livros Plátanos de Formação Profissional
 Tecnologia mecânica – processos de fabricação e tratamento, volume II - Vicente Chiaverini
 Torneiro e fresador mecânicos - Thomaz Bordallo Pinheiro, 2.ª edição, Biblioteca de Instrução Profissional

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Maquinação e Programação  Nível 3 35/35