Você está na página 1de 47

®

Guia de Treinamento
CFTV Multi HD®
2
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Conteudista

Thaís Maçaneiro

Intelbras S .A .
Indústria de Telecomunicação Eletrônica Brasileira
Rodovia BR 101, km 210
Área Industrial – São José/SC
88104-800- São José - SC
Telefone: (48) 3281 .9500
Fax: (48) 3281 .9505
3

Índice
Índice
Apresentação
Apresentação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Unidade 1 | Câmeras
1.1 Câmeras superanalógicas - Principais características. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.2 Câmeras Multi HD® - Principais Características. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.2.1 Câmeras Multi HD® - Prinvcipais recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.2.2 Câmeras Multi HD® - Principais configurações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Funções do menu OSD. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Configurações de luz de fundo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Configurações de exposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Configurações do modo dia/noite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Principais opções do menu avançado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.3 Câmeras speed dome . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.3.1 Speed dome HDCVI - Principais recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.3.2 Speed dome HDCVI - Principais configurações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Configuração de preset . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Configuração de tour . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Configuração de patrulha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Configuração de auto-scan. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Configuração de pan automático e inatividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

Unidade 2 | Gravadores digitais de vídeo (DVR)


2.1 DVRs Multi HD® - Principais características. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.2 DVRs Multi HD® - Principais configurações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Recuperação de senha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Formatação do HD. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Configuração do modo de operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Adicionando um dispositivo IP/Remoto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Configuração do modo de gravação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Configuração do menu encoder. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Verificação do HD. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Menu rede . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Intelbras cloud . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
TCP/IP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Portas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
DDNS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Índice 4

Apresentação
Filtro IP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
E-mail. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
FTP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
SNMP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Menu Evento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Menu detectar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Movimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Perda de vídeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Mascaramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Inteligência de vídeo (IVS). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Linha virtual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Cerca virtual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Retirada/Abandono de objeto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .35
Detecção de face . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Menu Info. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Menu sistema - Estimativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Menu sistema - BPS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Menu evento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Menu rede - Usuário online . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Menu rede - Status. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Menu rede - Testar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Menu Registros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Menu Buscar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Menu Backup. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
5

Apresentação
Apresentação
Guia de treinamento CFTV Multi HD®

Olá,

Para nós, da Intelbras, é uma grande honra que você tenha escolhido a nossa
empresa para se capacitar em Sistemas de CFTV.

A área de CFTV, assim como a Segurança Eletrônica em geral, vem evoluindo


constantemente e é de grande importância nos mantermos atualizados,
acompanhando tal evolução. Portanto, ficamos muito felizes em ter vocês
aqui presentes e esperamos que sua experiência durante o treinamento seja
enriquecedora e que lhe agregue muito conhecimento.

Este guia foi especialmente desenvolvido para atender as demandas de quem


está no dia a dia do mercado de CFTV, e o objetivo é de elucidar dúvidas
frequentes e proporcionar um apoio técnico pós treinamento.

Desejamos um bom treinamento, e esperamos que ele sirva para aprimorar


seus conhecimentos e contribuir para sua carreira e seus negócios.

Muito Obrigada.

A autora.
7

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Câmeras Superanalógicas
1.1 Principais características
• Operam com 2 protocolos: AHD e analógico.

• Mudança de protocolo via jumper

• Resolução no modo analógico: 900 TVL ou 1.000 TVL

• Resolução no modo AHD: HD 720p

Câmeras Multi HD®


1.2 Principais características
• Operam com 4 tecnologias: HDCVI, AHD, HDTVI e analógica.

• Vêm com a tecnologia HDCVI como padrão de fábrica.

• Mudança de tecnologia via ferramenta VHD Control.

• Resolução no modo analógico: 600 TVL.

• Resolução no modo HDCVI, AHD e HDTVI: HD 720p ou Full HD 1080p


(depende do modelo).

• Possuem recurso de luz de fundo, ajuste de exposição, espelhamento,


mascaramento, IR inteligente com ajuste de nível, entre outras funções.

Câmeras Multi HD®


1.2.1 Principais recursos
• Ao habilitar o recurso de BLC (Back Light Compensation, no inglês),
compensação de luz de fundo, aumenta-se o brilho total da imagem. Esse
recurso é utilizado quando o ambiente que será monitorado está com a imagem
muito escura.

• Com o recurso DWDR (Digital Wide Dynamic Range, no inglês) habilitado,


a câmera se ajustará aos ambientes interno e externo, compensando a luz
tanto fora quanto dentro dos ambientes com alto contraste de luz, tornando a
iluminação de toda a imagem uniforme.

• O recurso HLC (High Light Compensation, no inglês) atenua a quantidade


de iluminação emitida por um foco de luz, como por exemplo os faróis de um
carro, reduzindo seu efeito prejudicial à imagem.

• O recurso Espelhamento permite realizar o espelhamento da imagem,


tanto de forma horizontal quanto vertical. O espelhamento horizontal
normalmente é utilizado quando a câmera está de frente para um espelho. Já
o espelhamento vertical, normalmente é utilizado quando a câmera está fixada
de cabeça para baixo, ou no caso de câmeras dome, quando não está fixada no
teto.
8
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

• O recurso Dia/Noite permite ajustar a sensibilidade da câmera em relação


à luminosidade, para que alterne do modo colorido para o preto e branco e do
modo preto e branco para o colorido, mais tarde ou mais cedo.

• O recurso IR inteligente permite que a câmera ajuste a potência do


infravermelho de acordo com a distância do objeto a sua frente, evitando
estouro de branco. Nas câmeras Multi HD® é possível determinar o nível de
atuação dessa função.

Câmeras Multi HD®


1.2.2 Principais configurações
Para utilizar os recursos das câmeras Multi HD®, basta acessar, no menu do
DVR, o caminho:
Barra de ferramentas > Menu da câmera > Enter (quando disponível) ou Barra de
ferramentas > Pan/Tilt/Zoom > Botão Menu Câmera > Enter.

Ao abrir o menu da câmera, o primeiro item informa o formato de vídeo, que


por padrão de fábrica é o NTSC. Caso a câmera seja instalada em um DVR que
trabalhe apenas com o formato de vídeo PAL, é possível alterar o padrão de ví-
deo da câmera.

Logo abaixo são apresentadas informações sobre a resolução da câmera, a taxa


de frames em que ela processa a imagem e o protocolo configurado atualmen-
9

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


te, que em nosso exemplo é o HDCVI, também definido como padrão de fábrica.
Ao acessar a opção Luz de fundo, você encontrará as seguintes opções: Off,
BLC, DWDR e HLC. Quando definida como Off, a câmera não utiliza nenhum
mecanismo para compensação de luz. Ao habilitar o recurso de BLC, aumenta-
-se o brilho total da imagem. Esse recurso é utilizado quando o ambiente que
será monitorado estiver com a imagem muito escura.
Com o recurso DWDR habilitado, a câmera se ajustará aos ambientes interno e
externo, compensando a luz tanto fora quanto dentro dos ambientes com alto
contraste de luz, tornando a iluminação de toda a imagem uniforme. Habilite
essa função somente em cenários onde há alto contraste, caso contrário, o ba-
lanço de branco pode ser afetado. Clicando na opção Entrar é possível definir o
nível de atuação do recurso, quanto mais alto, maior a atuação. Vamos clicar em
Voltar para termos acesso às demais opções.
O recurso HLC, atenua a quantidade de iluminação emitida por um foco de luz,
como por exemplo os faróis de um carro, reduzindo seu efeito prejudicial à ima-
gem. Vale salientar que essa função apenas atenua a iluminação total da imagem
e não cria máscaras nos focos de luz. Ao clicar em Entrar é possível definir o nível
de atuação do recurso; quanto mais alto, maior a atuação. Clicamos na opção
Voltar, para acessarmos o menu principal.
Agora aprenderemos sobre o recurso de exposição. Alterações nesse menu são
necessárias quando há algum problema na imagem, como por exemplo oscila-
ções ocasionadas pela frequência de operação de lâmpadas, ou problemas com
interferências. Nesses casos é necessário ajustar o nível de exposição até que o
efeito seja eliminado.

Em Modo de exposição existem 3 perfis com valores predefinidos e situações


específicas: Redução de borrões, Ruído reduzido e Auto. Na opção manual, é
possível alterar o valor do obturador e configurar o tempo de exposição do sen-
sor à luz. Por exemplo, se definirmos 1/60, o sensor ficará exposto à luz durante
o período de 1 segundo dividido por 60. Quanto menor o tempo de exposição,
mais quadros por segundo (FPS) serão capturados. Porém, como diminuirá a
incidência de luz no sensor, a imagem ficará mais escura. Além da configuração
do obturador, é possível definir os limites máximos e mínimos de ganho, alterar
o nível de exposição e configurar o Anti-flicker, de acordo com a iluminação
do ambiente. Salientamos que esses parâmetros devem ser alterados apenas se
necessário. Agora vamos clicar em Voltar para acessarmos novamente o menu
principal e conhecermos os outros recursos.
Outra configuração útil é a de Dia/noite, em que é possível definir quando a
câmera sairá do modo preto e branco e entrará no modo colorido e vice-versa.
Deixando-a no modo automático, o modo Dia/noite será alterado automatica-
mente, de acordo com o nível de luminosidade. Ao clicar em Entrar é possível
definir níveis, que vão determinar o comportamento da câmera. Sendo assim, a
opção Dia/noite está relacionada com o momento em que a câmera entrará no
modo Noturno automaticamente; quanto mais baixo esse ponto, mais tempo
a câmera permanecerá em modo Colorido. A opção Noite/Dia serve para con-
10
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

figurar o momento em que a câmera retorna para o modo Colorido e desliga


os LEDs; quanto mais baixo esse ponto, mais cedo a câmera retornará para o
modo Colorido. Dessa forma, se a câmera está entrando no modo preto e bran-
co muito cedo ou muito tarde, é possível alterar a configuração, adaptando-se
às necessidades de cada cenário. Quando definido o modo Preto e branco, a
câmera ativará os LEDs infravermelhos e consequentemente ficará sempre com
a imagem em preto e branco. Já ao definir o modo Colorido, a câmera sempre
permanecerá com a imagem colorida. Caso selecione essa opção, certifique-se
de que o ambiente onde a câmera ficará instalada sempre terá iluminação, caso
contrário, em locais com luminosidade baixa a imagem gerada pelo produto
poderá ficar muito ruidosa, prejudicando a qualidade da imagem.
Agora voltaremos ao menu principal e acessaremos o menu avançado, para co-
nhecermos outros recursos importantes.

Clicando sobre a opção de espelhamento temos as opções Horizontal e Vertical.


O espelhamento horizontal pode ser utilizado quando a câmera for posicionada
em frente a um espelho. Já a opção de espelhamento vertical pode ser utiliza-
da quando a câmera está fixada de cabeça para baixo, ou no caso de câmeras
dome, quando não está fixada no teto.
Outra configuração e um recurso muito útil nas câmeras Intelbras é o IR inteli-
gente, que permite que a câmera potencialize o nível de infravermelho gerado,
de acordo com a distância do objeto em relação à câmera. Com esse recurso
não há problemas de estouro de branco. Além de possuírem IR inteligente, as
câmeras Multi HD® permitem ajuste manual de nível do IR inteligente. Quando
o recurso está em atuação, é possível ver o objeto que se aproxima com grande
nitidez, mas o plano de fundo não poderá ser observado. Com o ajuste de nível,
pode-se obter um meio-termo e visualizar tanto o que está próximo quanto o
plano de fundo.
Outro recurso disponível é a máscara de privacidade, que permite mascarar de-
terminadas regiões, com uma tarja preta. Esse recurso normalmente é ativado
no DVR e não na câmera. Caso necessário, será possível criar até 8 máscaras de
privacidade, além de delimitar seu tamanho e sua posição.

1.3 Câmeras Speed Dome


São excelentes aliadas no monitoramento de grandes perímetros, pois, com a
sua capacidade de zoom óptico e de movimentação horizontal e vertical, per-
mitem a obtenção de detalhes que uma câmera fixa não seria capaz de obter.
Além disso, possuem as funções PTZ (Pan-Tilt-Zoom), que tornam o monitora-
mento mais eficiente.
11

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Pan > Movimentação horizontal
Tilt > Movimentação vertical
Zoom > Zoom óptico
1.3.1 Principais recursos – Speed dome HDCVI:
• O Preset é utilizado para definir uma determinada posição de visualização,
e será salvo na memória da câmera com as coordenadas de Pan-Tilt- Zoom e
foco, permitindo que, ao ser selecionado o número correspondente, a câmera
seja redirecionada ao local definido.
• Um Tour permite realizar uma ronda de presets já configurados. Por exem-
plo, podemos criar o tour nº 1 e inserir presets dentro dele. Quando o selecio-
narmos, todos os presets serão acionados de forma sequencial. O sistema já
define um padrão de tempo de parada e velocidade entre os presets, para alterar
esses parâmetros é necessário acessar o menu OSD da câmera.
• A função de Patrulha permite memorizar uma série de comandos de Pan-
-Tilt-Zoom, para que sejam repetidas, é equivalente a desenhar uma espécie de
rota, para que a câmera execute sempre que necessário.
• A função de Auto-scan é utilizada para realizar uma varredura entre um limi-
te esquerdo e um limite direito de modo contínuo
• A função de Pan-automático habilita a rotação continua horizontal em 360°,
sendo possível definir a velocidade de rotação ao acessar o menu OSD da câ-
mera.
• A função de Inatividade é utilizada para que depois de um determinado pe-
ríodo inativa a câmera execute uma determinada ação, como por exemplo o
acionamento de um Tour.
1.3.2 Principais configurações – Speed dome HDCVI:
Para iniciar a configuração da speed dome, é necessário alimentá-la com trans-
formador 24 Vac/3 A e conectar o cabo de vídeo em um canal do DVR. Um dos
grandes benefícios em se utilizar speed domes HDCVI Intelbras em DVRs Intel-
bras é a facilidade de instalação, que dispensa cabo específico de comunicação
RS485, e configurações de protocolo, baud rate e endereço da câmera. Caso o
DVR não seja Intelbras, será necessário configurar esses parâmetros nele. Para
começar acessaremos o menu Pan-Tilt-Zoom e aprenderemos a utilizar as fun-
ções.
12
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Ao lado esquerdo desse menu temos os botões de posicionamento da câmera


com setas direcionais, que permitem movimentá-la. Quando a câmera possui o
protocolo Intelbras, também há a opção SIT disponível, que é o posicionamento
inteligente. Ao clicar nesse botão, você movimentará a câmera através de sele-
ções com o mouse. Também é possível movimentar a câmera com o auxílio do
mouse, por meio do botão Traçar PTZ (desenho de um mouse), e controlar o
zoom, o foco e a íris, lembrando que a câmera vem com foco e íris automáticos.
Ao lado direito temos os botões que acionam as funções PTZ, como preset, tour,
patrulha, entre outras. O botão com símbolo de uma câmera dome é utilizado
para acessar o menu OSD de câmeras speed dome, câmeras Multi HD e câmeras
HDCVI da série 5000. Já o símbolo da engrenagem é um botão auxiliar utilizado
para realizar algumas configurações.
A primeira configuração que aprenderemos é a de Preset. O preset é utilizado
para definir uma determinada posição de visualização, e é salvo na memória da
câmera, com as coordenadas de Pan-Tilt-Zoom e foco, permitindo que, ao ser
selecionado o número correspondente, a câmera seja redirecionada ao local
definido. O primeiro passo da configuração de um preset é definir o ponto de
visualização desejado, após isso, acessamos o menu Pan-Tilt-Zoom do DVR,
clicamos na seta para a direita e depois no símbolo da engrenagem. A primeira
aba é a de configuração de preset; vamos inserir o número do preset e clicar em
Definir.

Será exibida na tela de visualização a mensagem Preset. Para confirmar se a con-


figuração foi realizada corretamente, coloque a speed dome em outro ponto
de visualização e volte para o menu PTZ, insira o número do preset e clique no
ícone de preset para chamar a função.

Agora veremos como configurar a função Tour. Um tour permite realizar uma
ronda de presets já configurados. Para configurarmos, acessamos o menu Pan-
-Tilt-Zoom do DVR, clicamos na seta de próxima página e, em seguida, no sím-
bolo da engrenagem. A segunda aba é a de configuração de tour. Exemplifican-
do, configuraremos o tour número 1 e colocaremos 5 presets dentro dele. Para
isso, definiremos o número 1 na opção Tour número, e em Preset colocaremos
o número do preset desejado, um por vez. Em nosso exemplo colocaremos os
presets de 1 a 5 dentro do tour 1; para isso basta indicar o número do preset e
clicar em Incluir preset.
13

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Para confirmar se a configuração foi realizada corretamente, coloque a speed
dome em outro ponto de visualização e volte para o menu principal PTZ; insira
o número do tour e clique no ícone deste para chamar a função.

Outra função que vamos configurar é a Patrulha. A função de patrulha permite


armazenar uma série de comandos de Pan-Tilt-Zoom e desenhar uma espécie
de caminho, que poderá ser repetido sempre que necessário. Ao clicar em Ini-
ciar temos que sair do menu PTZ e então será exibido na tela o símbolo 000%,
indicando o início da programação.

Conforme os controles PTZ são realizados, o valor percentual aumenta, indi-


cando o progresso da tarefa. O limite da patrulha ocorre quando a porcenta-
gem atinge 100%. Para finalizar a patrulha é necessário acessar o menu PTZ
novamente e clicar na opção Finalizar. Para acioná-la, é só acessar o menu de
funções e clicar no botão correspondente.
A função de Auto-scan é utilizada para realizar uma varredura pela câmera entre
um limite esquerdo e um limite direito de forma horizontal e modo contínuo.
Para configurá-la é necessário acessar o menu PTZ, posicionar a câmera no seu
limite esquerdo e clicar no botão Limite esquerdo. Em seguida, posicionar a vi-
sualização da câmera no limite direito e clicar no botão Limite direito.
14
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Para ativar a função, acesse o menu principal PTZ e selecione o ícone Auto-scan.

Além dessas 4 opções, temos o Pan-automático e a função de Inatividade. Va-


mos sair da tela PTZ e acessar o menu principal do PTZ. A função de Pan-auto-
mático habilita a rotação contínua horizontal em 360°, sendo possível definir a
velocidade de rotação ao acessar o menu OSD da câmera.

Já a configuração de Inatividade é utilizada para que depois de um determinado


período de inatividade, a câmera realize determinada ação. Essa configuração
deve ser habilitada acessando o menu OSD; para isso, clicamos no botão Menu
e acessamos as opções de configurações de função. Navegamos até a opção
de inatividade e clicamos em Entrar. Colocamos a função como On, definimos
o tempo que a câmera precisa ficar inativa para realizar uma determinada ação,
a ação que ela vai realizar e o número da função, como por exemplo, o preset
número 1.

2 Gravadores digitais de vídeo (DVR)


15

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


2.1 Principais características – DVRs Multi HD®
• Operam com 5 tecnologias: HDCVI, AHD, HDTVI, IP e analógica
• Intelbras Cloud – Serviço de acesso remoto via nuvem
• Busca avançada - Localização de gravações específicas, através de seleção
de região
• Inteligência de vídeo – Série 3000 e 5000
• Saídas de vídeo HDMI, VGA e BNC
• Acesso remoto via smartphone, navegador e software de monitoramento
• Tecnologia auto sense
• Estimativa de HD
• Verificação de HD
• Status de rede, HD e eventos
• Registros detalhados

2.2 Principais configurações – DVRs Multi HD®


Por motivo de segurança, quando o primeiro acesso ao DVR Multi HD é reali-
zado, é necessário trocar a senha do usuário-administrador e cadastrar as per-
guntas e respostas de segurança. Caso o proprietário do DVR perca a senha do
usuário-administrador, ele poderá recuperar a senha respondendo às perguntas
que foram definidas anteriormente.

E como fazer para recuperar a senha? Na tela de login haverá um cadeado cha-
mado Recuperar senha. Ao clicar sobre ele, você responderá às perguntas de
segurança, configurará uma nova senha e clicará em Modificar. Se as respostas
estiverem corretas será exibida a mensagem Atualizado com sucesso e você
voltará a ter acesso ao equipamento com o usuário em questão.
16
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Após configurar as perguntas de segurança, é importante formatar o HD do DVR


antes de iniciar a configuração de gravação. Esse procedimento deve ser realiza-
do em uma instalação nova, quando o DVR for substituído ou quando o HD for
novo. Vale salientar que, caso haja imagens no HD, ao formatá-lo, todas serão
apagadas.
Para realizarmos o procedimento acessamos o menu Armazenamento>Gerenciar
HD, selecionamos o HD em questão e, em seguida, a opção Formatar. Caso seu
DVR tenha mais de 2 HDs conectados, você pode selecioná-los individualmente
ou clicar em Formatar todos.

Depois de formatar o HD e confirmar se ele está definido para leitura e gravação,


vamos configurar o modo de operação do equipamento.

Menu Câmera
Os DVRs Multi HD trabalham com 5 tecnologias: HDCVI, AHD, HDTVI, IP e ana-
lógica e é no modo de operação que definimos os tipos de câmeras que serão
conectadas ao gravador e a forma em que irão operar. Para realizarmos esse
ajuste, acessamos o menu Ajustes>Câmera> Modo de operação.
17

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Dentro de Modo de operação temos a opção Auto, por meio da qual o equi-
pamento reconhece os protocolos de forma automática, com exceção das câ-
meras IP. Também temos os protocolos HDCVI, AHD, CVBS – que representa o
protocolo analógico –, HDTVI e IP. Os protocolos possuem diferentes versões,
sendo o protocolo HDCVI totalmente compatível; já o protocolo AHD possui 3
versões, AHD-L, AHD-M e AHD-H, as versões compatíveis são AHD-M e AHD-H.
Quando a câmera utilizada tiver protocolo AHD-M ou AHD-H, deve-se obriga-
toriamente selecionar o protocolo AHD, para garantir o funcionamento correto
entre o gravador e a câmera. Caso você conecte uma câmera com protocolo
analógico, deve-se selecionar manualmente o respectivo canal e a opção CVBS.
Caso a câmera utilize o protocolo HDTVI, confirme a versão, pois existem duas,
a versão 1 e a versão 2. Câmeras que possuem a versão 1 do protocolo não são
compatíveis. Caso você utilize câmeras IP Intelbras, terá compatibilidade garan-
tida; caso utilize câmeras IP de outro fabricante, confirme se ela possui protoco-
lo Onvif, perfil S, que garante o stream de vídeo e a gravação regular.
Nesse guia estamos utilizando um DVR Multi HD da série 5000, que possui in-
teligência de vídeo e canais adicionais IP. Ainda dentro do modo de operação,
há um botão chamado Ativar canais IP adicionais. Ao selecionar essa opção o
sistema desabilitará as funções de inteligência e incluirá canais IP adicionais após
a reinicialização, de acordo com o modelo do equipamento.
18
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Mas como utilizar esses canais se não há conexão física para as câmeras? As
câmeras IP e o DVR precisarão de conexão via rede. Com o DVR e as câme-
ras conectadas na mesma rede, por exemplo, em um mesmo switch, o DVR
será capaz de realizar uma varredura e localizá-las, ou você poderá adicioná-
-las manualmente se necessário. Para isso, vamos acessar a opção Dispositivo
remoto. Clicando na opção Buscar, o DVR realizará a varredura e listará todos
os dispositivos que utilizam o protocolo Intelbras. Ao selecionar o dispositivo e
adicioná-lo, é necessário editá-lo e cadastrar a senha correta, pois, quando um
dispositivo é adicionado de forma automática, é inserida a senha-padrão admin.

Caso o dispositivo não tenha sido localizado, clique em Adicionar manualmente


e informe os dados do dispositivo.
19

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Após adicionar os canais, sejam físicos ou IP, é hora de configurar o modo de
gravação. Para isso, acessamos o menu Armazenamento e configuramos a op-
ção Agenda.

No menu Agenda é definida a forma de o gravador realizar as gravações. No


modelo MHDX 5016
São 4 opções de gravação: regular, por detecção de movimento (DM), por alar-
me e por inteligência de vídeo. Na gravação regular (verde), o dispositivo gravará
durante o período selecionado de forma ininterrupta. Na opção DM (amarelo),
os períodos definidos como DM serão gravados apenas quando ocorrer detec-
ção de movimento. De forma semelhante, na opção de gravação por alarme
(vermelho), o dispositivo será acionado quando ocorrer um evento de alarme,
e na opção de gravação por inteligência de vídeo (laranja), quando ocorrer um
evento de inteligência de vídeo. Ao habilitar mais de um modo simultaneamente,
não haverá duplicação de gravação, os arquivos apenas serão diferenciados no
menu de busca e reprodução de gravação.
Após configurar o menu Agenda de acordo com a necessidade do cenário, é
necessário confirmar a configuração do menu Gravação. Por padrão o menu já
vem configurado para gravar pelo modo Agenda, ou seja, ele seguirá a configu-
ração determinada no menu Agenda. Caso haja algum canal físico sem câmera
conectada a ele, cujo modo de operação esteja configurado para HDCVI, AHD,
HDTVI ou CVBS, e o DVR esteja configurado para gravar no modo regular, defina
o status do canal como Parar, para não ocupar espaço em disco sem necessida-
de, visto que não há câmera conectada e não há sinal de vídeo.
20
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Após definir o modo de gravação, é hora de configurar o menu Encoder. Den-


tro desse menu, teremos as configurações de stream principal, que são todos
os parâmetros definidos ao lado esquerdo da tela, e de stream extra, que são
os parâmetros definidos ao lado direito da tela. Tudo o que você configurar no
stream principal estará associado à qualidade da imagem gravada. Já o stream
extra é um stream de vídeo secundário, que utiliza configurações de imagens
mais baixas, que sobrecarregam menos a rede. É mais utilizado em em acesso
remoto em rede externa, ou em conexões mais lentas, como acessos via 3G.

Na configuração do stream principal temos que dar atenção a alguns parâme-


tros. O primeiro deles é o canal, cuja configuração de encoder é realizada de
forma individual e, caso você queira copiar um padrão de configuração para
outros canais, é só clicar no botão Copiar e selecionar os canais desejados.
21

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


O próximo parâmetro é o Tipo, que apresenta as opções: Regular, DM e Alarme.
Esse campo deve ser configurado de acordo com o modo de gravação do equi-
pamento, sendo possível definir diferentes qualidades de gravação, de acordo
com o modo de gravação. Os novos DVRs MHDX possuem codec inteligente,
que reduz a taxa de consumo quando não há movimento e se adaptam quan-
do ocorre movimento, sem que haja perda de qualidade, o que comprova que
vale a pena utilizar esse recurso, pois, com essa função ativa, há redução de
consumo de rede e de HD. Outro parâmetro importante de ser configurado é
a resolução. O campo Resolução deve ser configurado de acordo com a reso-
lução que a câmera possui, ou com o valor o mais próximo possível dela, para
que não haja perda de qualidade na gravação. Vale reforçar que o DVR Intelbras
possui tecnologia auto-sense e reconhece a resolução da câmera automatica-
mente. A taxa de frames se refere à quantidade de fotos por segundo em que o
gravador processará e codificará a imagem; quanto mais alta a taxa de frames,
maior a fluidez; quanto mais baixa a taxa de frames, menor a fluidez, podendo
gerar robotização na imagem e perda de detalhes importantes. Em Bit rate tipo,
recomendamos deixar selecionada a opção Constante, pois prioriza a qualidade
da imagem. Caso o DVR possua o recurso de codec inteligente, você poderá
habilitá-lo e configurar o campo Qualidade para 6, garantindo assim uma boa
qualidade de gravação, mesmo utilizando bit rate variável.
No campo Bit rate você deverá configurar a taxa de bit rate de acordo com
a resolução e a taxa de frames do canal em questão. Normalmente utiliza-se
pelo menos 1024 kbps de bit rate para câmeras 720p e 2048 kbps para câmeras
1080p. Após definir a configuração de stream principal, que se refere à qualidade
da imagem gravada, configure o stream extra. No menu Encoder, aba Foto, é
possível configurar a resolução da imagem.

Agora conheceremos um recurso útil do sub-menu Armazenamento, chamado


Verificação HD, utilizado para verificar se o HD está operando normalmente.
Esse recurso é compatível com discos rígidos que possuem a função Smart.
São dois tipos de verificação, a rápida e a global. A verificação rápida é feita em
alguns segundos, já a global pode demorar algumas horas, de acordo com o
tamanho do HD.
22
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Menu Rede
Intelbras Cloud – Serviço gratuito, disponibilizado pela Intelbras, para realização
de acesso remoto sem a necessidade de configurações de rede, como redire-
cionamento de portas e DDNS.
Para utilizar o Intelbras Cloud é necessário habilitar o serviço, clicando no item
Habilitar, confirmar se o status está como Conectado e anotar o ID do Cloud.
Existem 3 formas de acessar o DVR utilizando o serviço Intelbras Cloud: através
do hotsite www.intelbrascloud.com.br, através do aplicativo iSIC 6 e por meio
do software SIM Plus. Para acessar o DVR remotamente, é necessário que o DVR
e o usuário que fará o acesso possuam conexão com a internet. Além disso,
o usuário deve possuir o ID do DVR, o usuário e a senha. Acessando por meio
do hotsite www.intelbrascloud.com.br haverá duas opções: acesso por conta e
acesso por ID. O acesso por conta permite o gerenciamento de vários disposi-
tivos e funções adicionais, já o acesso por ID possui limitações, possibilitando
apenas visualização básica.
TCP/IP
No menu Rede, temos a opção TCP/IP, através da qual é feita a configuração
básica de rede do DVR. A opção DHCP vem habilitada por padrão de fábrica e,
caso a rede tenha DHCP, o DVR obterá todos os parâmetros de rede de forma
automática, dispensando a configuração manual. Para o correto funcionamen-
to do Intelbras Cloud, recomendamos a configuração do DNS primário e do
secundário com os servidores DNS do Google 8.8.8.8 e 8.8.4.4 ou o DNS da
operadora utilizada. Orientamos que a opção DHCP seja desabilitada após obter
os parâmetros de rede, selecionando o campo estático, para que o IP do equi-
pamento permaneça o mesmo.
23

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Portas
Dentro da aba Portas, temos o limite máximo de conexões, que se refere à
quantidade de usuários conectados ao equipamento, a porta de serviço, a porta
HTTP, utilizada para aplicação web, a porta HTTPS, que permite o acesso via
navegador utilizando criptografia, e a porta RTSP. Para o funcionamento básico,
o DVR utiliza duas portas, a HTTP para a aplicação web, e a porta de serviço,
utilizada tanto no acesso via navegador quanto no acesso via software. Reco-
mendamos que os números que representam essas portas sejam alterados, por
questões de segurança.
24
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

DDNS
O DDNS é utilizado quando a rede não possui IP válido fixo. Vale salientar que o
acesso via Intelbras Cloud dispensa o uso do DDNS.
Dentro da aba DDNS é possível criar um DDNS Intelbras, configurar um DDNS
No-IP ou um DynDNS previamente criado. Quando o DDNS é criado/configu-
rado, o DVR fica responsável por informar ao servidor qual o IP válido da rede a
cada 5 minutos.
Para criar um Intelbras DDNS, basta selecionar o item Habilitar, definir um en-
dereço de e-mail válido ao qual se tenha acesso, definir o nome de domínio
desejado e clicar em Aplicar/Ok.

Filtro IP
O recurso de Filtro IP é utilizado para bloquear ou permitir acesso ao equipa-
mento de determinados endereços IP. Ou seja, é equivalente a uma lista de con-
trole de acesso. Cabe destacar que, ao definir um endereço IP como permitido,
todos os demais serão bloqueados, e, ao definir um endereço como bloqueado,
todos os demais serão permitidos. Também é possível definir ranges de endere-
ço, em vez de adicionar um por um.
E-mail
Na guia E-mail, é possível configurar uma conta de e-mail para enviar e receber
e-mails quando ocorrerem eventos. Na opção Agendar e-mail é possível definir
o horário em que o envio de e-mail será realizado. Trata-se de uma agenda indi-
vidual, independente da agenda de gravação. No campo SMTP você deverá ca-
dastrar o servidor SMTP do e-mail que será utilizado para enviar as notificações
de evento, por exemplo, o Gmail, smtp.gmail.com. A porta varia de acordo com
a criptografia utilizada, caso a criptografia seja SSL, utilize a porta 465, caso seja
TLS, defina a porta 587. Vale salientar que esses parâmetros são definidos pelo
servidor do e-mail utilizado e podem sofrer alterações. Após definir os campos
do servidor, é necessário inserir o endereço de e-mail que será utilizado para
enviar as notificações, a senha da conta do e-mail, o destinatário, o remetente,
que é o mesmo e-mail definido no campo Usuário, e os demais parâmetros, que
podem ser personalizados se necessário.
25

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Para que o e-mail seja enviado é necessário definir uma estratégia. Vamos supor
que você queira receber uma foto por e-mail quando ocorrer uma detecção de
movimento em um determinado canal do DVR. Para isso, você deverá acessar o
menu Evento>Detectar, selecionar o canal desejado, habilitar o campo E-mail, e
habilitar o campo Foto. No caso de envio de foto por movimento, é necessário
habilitar a detecção de movimento no menu Agenda > Foto.
26
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

FTP
O recurso FTP (do inglês, File Transfer Protocol), protocolo de transferência de
arquivo, é utilizado para transmitir fotos e/ou gravações para um servidor FTP
via rede.

SNMP
Outra função disponível é o SNMP, que é um protocolo de monitoramento e
gerenciamento de rede. Caso a rede em que o DVR seja instalado possua esse
tipo de gerenciamento, é possível cadastrar o DVR no servidor SMTP disponível
na rede e assim monitorar seu status.
27

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Menu Evento
No submenu Detectar, temos as opções Movimento, Perda de vídeo e Masca-
ramento de vídeo. Veremos com detalhes as principais funções do menu Movi-
mento.

Na aba Movimento, há a configuração de região, sendo no total são 4 regiões


programáveis. Por padrão vem configurada a região vermelha, com sensibilida-
de alta e limiar baixo. Quanto maior a sensibilidade e menor o limiar, maior será
o nível de reconhecimento de um movimento. Caso a sensibilidade seja redu-
zida ou o limiar seja aumentado, menor será o nível de reconhecimento de um
movimento e, dependendo do movimento gerado, poderá não ser identificado.
O ideal é deixar o limiar baixo e a sensibilidade alta nas regiões em que se deseja
28
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

detectar movimento e diminuir a sensibilidade e aumentar o limiar nas regiões


em que se deseja ignorar pequenos movimentos. Em nosso caso manteremos a
configuração-padrão de fábrica, que atende grande parte dos cenários.

Ainda no menu Movimento, há várias ações que podem ser realizadas quando
ocorrer um evento de movimento, como por exemplo, o acionamento de uma
saída de alarme, uma mensagem de pop-up, o envio de um e-mail, o aciona-
mento de uma função PTZ de uma câmera speed dome, um tour canal para que
o canal selecionado seja exibido em tela cheia, a captura de foto para envio via
e-mail ou FTP, e o acionamento do buzzer interno e alarme sonoro, com uma
mensagem de áudio personalizada.

Existem outros eventos que também podem gerar ações no sistema, como a
perda de vídeo, que ocorre quando o cabo da câmera é desconectado, cortado,
quando há falta de alimentação na câmera ou quando a câmera está inoperante.
29

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Também há o evento de mascaramento, em que o gravador reconhece quando
alguém tenta mascarar o sinal de vídeo da câmera, por exemplo, pichando sua
lente ou colocando um pano preto sobre ela.

Inteligência de vídeo (IVS)


Agora vamos aprender sobre inteligência de vídeo, recurso disponibilizado nas
séries 3000 e 5000 de DVRs MHDX, compatível com canais que utilizem câme-
ras de tecnologias analógica, HDCVI, AHD e HDTVI. Antes de iniciarmos, vamos
conhecer alguns aspectos de seu funcionamento. A quantidade de canais que
suportam a inteligência de vídeo poderá variar de um modelo para outro; as fun-
ções de linha e cerca virtuais funcionam simultaneamente; as opções de linha e
objeto, seja retirado ou abandonado, também funcionam simultaneamente; as
opções de cerca e objeto não funcionam simultaneamente. Salientamos que,
para utilizar as funções de inteligência, os canais IP adicionais devem estar desa-
30
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

bilitados dentro do menu Modo de operação.


Em IVS teremos as opções de linha virtual, cerca virtual e objeto abandonado,
sendo também possível configurar a opção de objeto retirado. Para configurar a
linha virtual é necessário selecionar o canal desejado, habilitar a função e clicar
na opção de configurar regra.

Na tela de configuração de regra você poderá definir o nome da linha, desenhá-


-la, configurar o tamanho mínimo e o máximo do objeto que será reconhecido
ao ultrapassá-la e definir a direção que será reconhecida, sendo:
31

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


1- Da direita para a esquerda
2- Da esquerda para a direita
3- Ambos os lados

A detecção acontecerá quando o objeto passar no sentido definido e for menor


que o tamanho definido como máximo e maior que o tamanho definido como
mínimo. A ação realizada pelo DVR dependerá da estratégia estabelecida. Após
definir o funcionamento do recurso, é necessário definir as ações que o DVR
realizará caso ocorra algum acionamento. As opções de ação são semelhantes
às disponibilizadas no menu Detectar, como por exemplo, acionamento de uma
saída de alarme, envio de e-mail, acionamento de função PTZ de uma speed
dome, captura de foto, gravação de um ou mais canais, acionamento de buzzer,
entre outras.
Cerca virtual
A função Cerca virtual poderá ser aplicada em diversos cenários e ambientes e
permite detectar movimentos que ultrapassam uma determinada região definida
como cerca, possibilitando a criação de estratégias na ocorrência do evento.
Uma aplicação para o recurso de cerca virtual é utilizá-lo em vagas exclusivas
de estacionamento, onde, no momento em que um carro estacionar no local, o
DVR fará a identificação e realizará uma ação, como por exemplo, o acionamen-
to de um alarme sonoro, informando que alguém estacionou na vaga.
32
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Para configurar uma cerca virtual, selecione o canal desejado, clique em Habili-
tar e, em seguida, selecione o botão Configurar.

Na tela de configuração de regra você poderá definir o nome da cerca, desenhá-


-la, configurar o tamanho mínimo e o máximo do objeto que será reconhecido
ao ultrapassá-la e definir a ação que será reconhecida, sendo:
Ação: entrar
Ação: sair
Ação: entrar e sair
Clicando no botão Ajuste alvo é definido o tamanho mínimo e o máximo do
objeto que será reconhecido.

A detecção acontecerá quando o objeto passar no sentido determinado e for


menor que o tamanho definido como máximo e maior que o tamanho definido
como mínimo. Quando isso ocorrer, o DVR realizará uma ação, de acordo com
a estratégia estabelecida. Após configurar o funcionamento do recurso, é ne-
cessário definir as ações que o DVR realizará caso ocorra algum acionamento.
33

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Retirada/Abandono de objeto
A função de retirada e abandono de objeto poderá ser aplicada em diversos
cenários e ambientes. Ela permite detectar quando um objeto foi retirado de
um determinado local ou quando foi abandonado, possibilitando a criação de
estratégias na ocorrência do evento.
Para configurar esse recurso, selecione o canal desejado, clique em Habilitar e
depois selecione o botão Configurar.

Ao clicar em Configurar regra você poderá definir o nome do objeto, desenhá-


-lo, configurar o tamanho mínimo e o máximo do objeto que será reconhecido
e definir a ação que será reconhecida. Nas imagens a seguir, podemos visualizar
as áreas que serão identificadas pela câmera no caso de retirada (primeira ima-
gem) ou abandono de objeto (segunda imagem):

Retirado
34
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Abandonado

Clicando no botão Ajuste alvo é definido o tamanho mínimo e o máximo do


objeto que será reconhecido.

A detecção acontecerá quando o objeto passar no sentido determinado e for


menor que o tamanho definido como máximo e maior que o tamanho definido
como mínimo. Quando isso ocorrer, o DVR realizará uma ação, de acordo com
a estratégia estabelecida. Após definir o funcionamento do recurso, é necessário
definir as ações que o DVR realizará caso ocorra algum acionamento.
Detecção de face
Dentro da opção Evento temos a aba Detecção de face. Esse recurso poderá ser
aplicado a diversos cenários e ambientes e permite detectar faces nas imagens,
possibilitando a criação de estratégias quando ocorrer a detecção e o arma-
zenamento das imagens de forma individual no momento em que a face foi
35

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


detectada.
A assertividade e o alcance dessa função dependem do correto posicionamento
da câmera utilizada e da qualidade da imagem fornecida. O posicionamento da
câmera é essencial para garantir uma detecção adequada, devendo-se conside-
rar três pontos:

Para melhorar a assertividade da detecção recomenda-se um ângulo menor em


relação ao alvo, ou seja, a câmera deve ser posicionada reta em frente ao alvo.
O primeiro passo para configurar a detecção de face é habilitá-la e definir o
ajuste de alvo, clicando em Configurar.

Em Ajuste alvo você definirá o tamanho mínimo e o máximo da face que será
detectada. A detecção acontecerá quando a face for menor que o tamanho do
objeto definido como máximo e maior que o tamanho do objeto definido como
mínimo.
Caso a face esteja muito distante e seja menor que o tamanho mínimo, não será
reconhecida. Por outro lado, se porventura a face for maior que o tamanho de-
finido como máximo, também não será reconhecida.
Quando a função de detecção de face está habilitada, é exibida uma tela de
visualização com as faces capturadas. Ao clicar sobre a face, será reproduzida a
gravação referente ao momento em que ela foi detectada. Para ocultar a tela de
visualização de face temporariamente basta clicar no botão verde. Para voltar a
exibi-la, basta clicar novamente no botão verde novamente.
36
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Para ocultá-la definitivamente, basta acessar, no menu principal, o item


Ajustes>Geral>Tela e definir o campo Visualizar modo como Geral.

Ao acessar a opção Menu principal, em Operação, há o campo Buscar face;


através dele é possível visualizar todas as faces detectadas, reproduzir os vídeos
referentes a cada captura, além de exportá-las para um dispositivo USB forma-
tado em FAT 32.
37

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Menu Info
O menu Info traz informações essenciais sobre o status do equipamento.

Sistema – Estimativa
Dentro de Info>Sistema, há uma opção muito útil, chamada Estimativa. Dentro
de Estimativa há duas opções, Espaço conhecido, que apresenta informações
sobre a capacidade do HD e, de acordo com a configuração de cada canal e
período de gravação, é estimado o tempo de gravação, e a opção Tempo co-
nhecido, que informa o tempo necessário de gravação e, de acordo com a con-
figuração dos canais, apresenta uma estimativa da capacidade de HD necessária.
38
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

O parâmetro Tempo conhecido também permite calcular a capacidade de ar-


mazenamento necessária para gravação por determinado período. Para isso,
basta clicar em Tempo conhecido e definir a quantidade de dias de armazena-
mento. A partir daí, de acordo com a configuração de cada canal, o DVR gerará
uma estimativa do armazenamento necessário. Salientamos que esse recurso
serve apenas como referência e as informações de encoder de cada canal de-
vem ser precisas, para que a estimativa tenha uma maior exatidão.

BPS
Na opção BPS podemos ver em tempo real a taxa de consumo individual por
canal.
39

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Evento
Na opção Evento podemos visualizar em tempo real os eventos que estão ocor-
rendo no sistema. Para isso, basta clicar no botão Atualizar.

Rede – Usuários online


Na opção de rede, temos alguns recursos úteis, como Usuários online, que
permite ver os usuários que estão conectados ao equipamento. Vale salientar
que os usuários conectados via Cloud não aparecem nessa listagem, devido ao
modo em que a conexão é estabelecida.
40
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

Rede – Status
Na opção Status temos uma visão geral dos tráfegos de entrada e de saída da
porta de rede do equipamento, informação fundamental para identificar se o
equipamento não está extrapolando o limite máximo de throughput suportado.

Rede – Testar
Já na opção Testar, podemos realizar um teste de ping para um site ou endere-
ço de IP, definindo o endereço desejado e clicando em Teste para verificar se a
conectividade está ok.

A opção de backup de análise de rede serve para identificar os pacotes trafega-


dos na interface de rede do DVR, para análise posterior. Uma ferramenta muito
41

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


utilizada para esse tipo de análise é o software Wireshark.

Registros
Em Registros encontramos todos os eventos armazenados pelo equipamento,
e conceitualmente o recurso é semelhante a um log. Em Tipo é possível filtrar
o tipo do evento, e em Início e Fim são definidas as datas de busca. O menu de
registro traz informações essenciais sobre o equipamento, como por exemplo,
a data em que uma conta foi criada, em que uma permissão foi alterada ou até
mesmo em que uma configuração foi mudada. Ao clicar duas vezes sobre o
evento é possível obter informações mais detalhadas. Ao clicar na opção Backup
é possível salvar os registros em um dispositivo USB formatado em FAT32.

No menu de operação temos a opção Buscar, utilizada para reproduzir as ima-


gens gravadas.

Por padrão o DVR exibirá os períodos de gravação em uma linha do tempo.


42
Guia de Treinamento CFTV Multi HD®

No menu situado ao lado direito é possível realizar um filtro de busca, definindo


se esta será realizada no HD do DVR, em um dispositivo USB, como por exemplo
um HD externo, ou se serão exibidos os arquivos editados. A opção mais utili-
zada é a busca no HD do DVR. O campo Multi-playback permite a reprodução
simultânea das imagens de um mesmo canal com intervalos de 5 minutos. Para
iniciar a reprodução é necessário definir o dia desejado no calendário mensal
e o mosaico. Um novo recurso que auxilia na reprodução é a possibilidade de
personalizar os canais que serão reproduzidos na linha do tempo. A linha do
tempo exibirá os arquivos gravados de acordo com o modo de gravação. As
áreas marcadas na cor verde são gravações regulares, as marcadas em vermelho
são gravações geradas por alarme, as áreas amarelas são gravações geradas por
movimento e as áreas laranja são gravações geradas por inteligência de vídeo.

Além da exibição pela linha do tempo, é possível listar as gravações através do


botão Lista, em que, ao selecionar o arquivo desejado, este será reproduzido au-
tomaticamente. Quando visto no modo lista, é possível bloquear o arquivo para
que ele não seja sobrescrito quando não houver mais espaço no HD. Por padrão
da tecnologia os arquivos iniciais do disco não podem ser bloqueados. Ainda
dentro da opção Buscar, há a opção de Busca avançada, utilizada para localizar
gravações que possuem movimento em uma determinada região. Vamos supor
que você queira reproduzir todos os momentos em que pessoas passaram por
uma determinada região. Para isso você deverá colocar o canal desejado em tela
cheia, clicar na linha do tempo no horário inicial desejado, selecionar o campo
de busca avançada, definir a região desejada e clicar novamente no campo de
busca avançada. Dessa forma todas as gravações em que houve movimento na
região selecionada serão reproduzidas sequencialmente.
43

Guia de Treinamento CFTV Multi HD®


Backup
No tópico anterior, vimos como reproduzir as gravações. Agora veremos como
realizar o backup delas, utilizando um dispositivo USB. Lembre-se de que o dis-
positivo deve estar formatado em FAT 32. Após conectá-lo, basta definir o tipo
do arquivo que você deseja utilizar para a realização do backup, a data, a hora
inicial e a final o canal desejado, e clicar em Buscar. Após isso observe se o
dispositivo possui espaço livre e defina o formato desejado. As gravações arma-
zenadas no HD do DVR são salvas em formato .DAV, sendo possível optar por
gravar os arquivos já

convertidos no formato AVI. Depois de verificar se todas as informações estão


de acordo, é só clicar em Backup, para que as imagens sejam salvas no dispo-
sitivo USB.