Você está na página 1de 5

1-Mostra como a dimensão social e cultural é determinante no processo de tornar-se

humano.
Para se tornar humano, este tem que passar por processos de aprendizagens de
formas partilhadas e reconhecíveis de ser e de se comportar.
A capacidade humana de continuamente transformar o meio em que vive,
adaptando-o a ele e adaptando-o a si, de aprender formas de lidar com o
ambiente e de inventar novas maneiras de o fazer, aumentou, ao longo do tempo
as hipóteses de sobrevivência dos seres humanos. Essa prática de capacidades
criou necessidades de coordenação e de coordenação entre seres humanos, bem
como o desenvolvimento de novas capacidades para o fazer.

2-Apresenta uma definição de cultura.


Segundo Edward B. Taylor, cultura é a totalidade dos conhecimentos, das crenças,
das artes, dos valores, leis, costumes, e de todas as outras capacidades e hábitos
adquiridos pelo Homem enquanto membro da sociedade.

3-“O Homem é produtor e produto de cultura”. Explica o sentido desta afirmação.


O Homem é produtor de cultura enquanto é um membro de uma civilização que
constrói cultura, ou seja, uma civilização nunca se rege por uma única cultura,
modificando-a aos seus costumes. O Homem é produto de cultura porque este
sem um processo de aprendizagem integrada numa cultura nunca apresentaria as
características que diferenciam o Homem dos outros animais, apresentando um
comportamento desumano.

4-Explica a diversidade/relatividade cultural.


A cultura varia no tempo e no espaço, varia com as épocas e momentos históricos,
assim como varia de lugar para lugar, pelo que não há nunca uma única cultura,
mas múltiplas culturas.
As diferentes culturas reflectem as diferentes maneiras como as diversas
comunidades organizaram e integraram, em formas de viver em conjunto. A
resposta às várias necessidades e situações não é uniforme, não há cultura mas
culturas.
São muitos os factores que ajudam a perceber como emergem as diferentes
culturas. Todos esses elementos concorrem para que as diversas culturas se
transformem e adquirem especialidades próprias.

5-Qual é a importância dos padrões culturais na vida dos seres humanos?


Os padrões culturais desempenham um papel importante papel no
enquadramento da construção de significados em muitos domínios da vida social.
Estes servem de referência e marcam presença enquanto interpretações
acessíveis às pessoas. Os padrões culturais influenciam as actividades, os modosde
relação entre as pessoas e os significados que lhes estão associados, ajudam a
determinar, para um dado grupo cultural, quais são as experiências comuns e o
que estas experiências podem significar.

6-Define socialização.
Socialização é o processo através do qual cada um de nós aprende e interioriza os
padrões de comportamento, as normas, as práticas e os valores da comunidade
em que se insere. Esta interiorização permite não apenas a integração de cada
pessoa no grupo sociocultural, mas também a reprodução deste mesmo grupo e
das suas funções de organização.

7-Distingue socialização primária de socialização secundária.


Socialização primária é responsável pelas aprendizagens mais básicas da vida em
comum. Traduz-se na aprendizagem dos comportamentos considerados
adequados e reconhecidos como formas de pensar, sentir, fazer e exprimir
próprias de um determinado grupo social: as regras de relacionamento entre as
pessoas, os hábitos de cuidado com o corpo, hábitos alimentares, as regras da
linguagem, etc.
A socialização secundária ocorre sempre que a pessoa tem de se adaptar e
integrar em situações sociais especificas, novas para o individuo. Ao longo de toda
a vida das pessoas, diferentes acontecimentos, e contextos, diferentes tipos de
relações implicam intensificações no processo contínuo de socialização.

8-Mostra como cada ser humano constrói uma história pessoal que marca a sua
identidade.
Cada ser humano constrói uma história pessoal com acontecimentos localizados
no tempo e no espaço como as brincadeiras de que mais gosta no jardim-de-
infância. O primeiro amigo, as festas de anos, a entrada na escola. Estas
experiências tornam um ser único e distinto de todos os outros.

9-Qual a importância dos significados atribuídos à experiência na construção da


história pessoal?
Cada ser humano íntegra a sua forma pessoal de ver, sentir e agir sobre o mundo
ao construir os significados para as suas experiencias relacionando-se com o
carácter subjectivo da forma como as situações e acontecimentos são vividos e
encarados.

10-Explica como a capacidade de auto-organização torna único cada ser humano.


Através dos processos de auto-organização. Estes constroem o ser humano agindo
no mundo e organizando-se no seu envolvimento com o mundo.

11-Caracteriza o ser humano como uma criação sociocultural que se individualiza pela
capacidade de auto-organização.
O ser humano é uma criação sociocultural. Através da acção dos processos de
auto-organização sobre o seu fluxo de experiências, os seres humanos constroem-
se agindo no mundo, organizando-se no seu envolvimento com o grupo. A
capacidade que temos de integrar as experiências na nossa história pessoal, de
organizar e de lhes atribuir um significado, permite-nos construir
permanentemente a continuidade e a coerência de um sentido de nós próprios e
do mundo. Cada um de nós age no seu ambiente de forma a manter a
continuidade de seu sentido de sie a compreensibilidade da nossa experiência faz
com que seja possível, dia após dia, reconhecer que continuamos a ser a mesma
pessoa e eu o mundo ainda é o nosso mundo.

12-Define os seres humanos como distintos geneticamente e distintos culturalmente.


O nosso património genético assegura que somos únicos, e que apresentemos
características humanas tais como a constituição física.
A partir do nosso nascimento faz-se sentir os efeitos do meio através das
diferentes expressões culturais. É no contexto das relações com o meio, com uma
determinada sociedade e cultura que cada ser humano se desenvolve com
características próprias.

13-“A diversidade individual é o resultado do cruzamento da diversidade genética,


cultural e da história de vida”. Justifica esta afirmação.
Cada individuo é o resultado de uma junção de um património genético com
outros factores externos tais como a cultura. Nós somos resultado de uma
fecundação entre um óvulo e um espermatozóide, o que já provoca uma
diversidade genética e logo após o nosso nascimento, vamos sendo introduzidos
aos poucos dentro de uma cultura à qual os nossos progenitores já pertencem na
maioria das vezes. A partir desse momento nós vamos moldando a nossa pessoa a
essa cultura aceitando as suas crenças e os seus costumes. Dentro dessa cultura
vai-se fazendo uma história de vida que vai tornando um individuo ainda mais
diferenciado dos outros indivíduos.

14-Mostra que a diversidade humana se manifesta na aparência física, nos


comportamentos, no modo de pensar e de ser.

O processo de integração numa sociedade e cultura particular, indispensável para todos


nós, faz com que a diversidade cultural, dos contextos socioculturais onde nos
inscrevemos, se traduza em formas distintas de estar, de pensar, de ser e de nos
comportarmos.
15-Explica como a diversidade humana constitui uma riqueza, um valor.
A diversidade humana constitui uma riqueza, um valor e tal leva-nos a tentar olhar
cada um tendo em conta as suas características próprias, as forças e competências
que essas características lhe conferem.
Para desenvolver as nossas capacidades e potencialidades enquanto seres
humanos autónomos e livres, necessita-se de crescer e de viver em meios que
permitam exercer e praticar essas capacidades de autonomia e liberdade. Precisa-
se de sentir apoiado e desafiado, compreendido e respeitado, estimulado nas
capacidades de aprender e de transformar, quer ao individuo quer à relação e aos
contextos onde vive.