Você está na página 1de 3

Teoria da polaridade

Eu li pela primeira vez o livro 'uma teoria de harmonia' por ernst Levy em 1998 ou 1999. Concordo que é
elegante, mas como a Levy afirma no seu livro, suas ideias são o resultado de uma longa linha de teóricos que Os
Estados Levy Apoiam ' Teoria da polaridade ' - que eu tenho chamado de ' Zona negativa ' ou ' harmonia negativa '
desde cerca de 1981 (um termo que recentemente ganhou muita popularidade nos últimos anos). A Levy chama estes
músicos que apoiam um pouco este conceito 'teórico da polaridade'.

Essas ideias na verdade voltam muito mais longe do que a Levy, explicitamente pelo menos centenas de anos de
volta, e implicitamente milhares de ano. A Levy enumera alguns teóricos que o influenciaram. Isso foi reconhecido
desde os tempos muito cedo, pelo menos tão longe como os gregos antigos (em uma forma reconhecível por gatos
modernos) e pelos egípcios, mesopotâmicos e chineses antigos (em formas mais explicitamente não harmônicas).

Aqui está uma lista parcial de teóricos ligados a estas ideia (Músico / teóricos estão marcados com um asterisco, mas
os músicos eram 'extremamente importantes', e eles demonstraram esses princípios no som):

* Marchetto da Pádua (1274 [?]- 1326 [?]) compositor e autor de 'Lucidarium'


* hein rico reflexo anus (1488 1563, ou seja, chamado glarean)
* Nicola Vicentino (1511-1576) compositor e autor de 'música antiga adaptada à prática moderna'
* Gioseffo (1517-1590)
João pierluigi de palestrina (1525-1594)

* Johannes Lippius (1585-1612, teoria da música alemã no início do século 17: os tratados de Johannes Lippius, por
Benito v. Rivera kkkkkkkkkkkk

Johann Sebastian Bach (1685-1750)


* Anton Reicha (1770-1836)
Ludwig Van Beethoven (1770-1827)
* Francisco José Fétis (1784-1871)
* Moritz Hauptmann (1792-1868)
* Albert Von Thimus (1806-1878)
Frederico Francisco Chopin (1810-1849)
Franz Liszt (1811-1886)
* Hugo Riemann (1849-1919)
* Sigfrid Karg-Elert (1877-1933) (escreveu extensivamente sobre polaridade, mas seu trabalho é difícil de encontrar)
Bela Bartok (1881-1945)

* Marcel Dupré (1886-1971, grande organista da escola de improvisação francesa que escreveu 'curso completo em
improvisação de órgãos : Volumes I E II')

* Walter Harburger (1888-1967) - há uma dissertação chamada 'Metalogik : a teoria da música de Walter Harburger'
de Ralph Martin

* Hans Kayser (1891-1964)


Paul Hindemith (1895-1963) (nascido em 16 de novembro, 2 dias antes da Levy)
* Ernst Levy (1895-1991) (nascido em 18 de novembro de 2, 2 dias após o hindemith)
* Howard Hanson (1896-1981)

* Hans Erhard Lauer (1899-1979, eu só encontrei um artigo escrito por lauer em um livro chamado 'Música Cósmica'
traduzido por joscelyn godwin)

Duque Ellington (1899-1974)


* Harry Partch (1901-1974)
* Marius Schneider (1903-1982)

* Alain Pretendo (1907-1994, escreveu vários livros interessantes, um é música e o poder do som: a influência da
afinação e do intervalo na consciência)

Olivier Messiaen (1908-1992)


Arte Tatum (1909-1956)
Don Byas (1912-1972)
Thelonious monge (1917-1982)
* Howard Boatwright (1918-1999) (estudante de hindemith)
* Ernest Mcclain (1918-2014)
* Rudolf Haase (1920-2013)
Charlie Parker (1920-1955)
Von Freeman (1923-2012)
* Carl Dahlhaus (1928-1989)
João Coltrane (1926-1967)
Sonny Rollins (1930-presente)
Por Nørgård (1932-presente)
* Easley Blackwood (1933-presente)

* Heiner Ruland (1934-presente, escreveu 'expandir a consciência tonal : uma exploração musical da evolução da
consciência - dos sistemas de tons antigos para novos tonalidades - guiados pelo monocórdio')

* William Alauddin Mathieu (1937-presente? ), escreveu um excelente livro chamado 'experiência harmônica :
harmonia tonal das suas origens naturais para a sua expressão moderna'

Na Europa havia teóricos musicais que tentaram chamar a atenção para isso, mas foram praticamente ignorados.
Músicos tão longe como gioseffo zarlino, e johannes lippius, e seguir em frente a alguns teóricos (com vários
entendimento) François-Joseph Fetis, moritz hauptmann, Albert Von Thimus, Walter Harburger, Hugo Riemann,
sigfrid karg-Elert, Hans Kayser, ernst Levy, Ernest Mcclain, Hans Lauer, heiner ruland, William Alauddin Mathieu,
etc.

E há muitos músico / teóricos modernos após a Levy; como Carl Friedrich Weitzmann, Richard Cohn, David Lewin,
David Kopp, etc.

Em entre os gregos antigos (aristoxenos de tarento, Ptolomeu, Aristides Quintiliano, etc.) e pessoas como guido de
Arezzo, algumas das pessoas do mundo islâmico mantiveram vivo esse conhecimento, como ikhwan al-Safa (os
irmãos da pureza) , quando a Europa estava nela é chamada de idade escura. E havia um bando de músicos de teclado
nos 200 anos antes de Bach.

Já falei com o grande compositor dinamarquês por nørgård sobre esta tradição. Ele não sabia do Ernst Levy
diretamente, mas ele estava muito familiarizado com a tradição dos gatos da polaridade que a Levy sai do (Hugo
Riemann, etc., ' Polaridade ' é a palavra que a Levy usa, a maioria das pessoas hoje diz ' Dualista ' , e fui eu que criei
o termo 'harmonia negativa'. E nørgård encontrou uma forma muito criativa de usar esses conceitos em sua música.
Há uma tradição italiana-Franco-Germânica deste pensamento de polaridade (veja minha lista de teóricos &
Músicos), e nørgård é familiar e estudou muitos deles. Isso não é só na música, ela se sobrepõe com astronomia /
Astrologia, matemática, física, etc.

Mas é bom que essas coisas sejam pelo menos sendo discutidas mais, como eu não vi muitas pessoas até começam a
falar sobre esse assunto. Se só o ritmo fosse discutido tanto quanto a teoria da música tonal, então o nosso
entendimento da música mundial seria todo o mais rico para isso.

De volta quando eu descobri pela primeira vez Levy (final dos anos 1990) não consegui encontrar ninguém que
tivesse ouvido falar dele. Eu ia mencionar ele em workshops quando mencionei a polaridade e as pessoas eram como
" né?" o que me atraiu a Levy foi que eu senti que as ideias dele explicaram algumas coisas que eu já sabia mais
sucintamente. Mesmo antes de descobrir a Levy, eu estava em muitos tipos diferentes de ideias de polaridade,
começando por alguns da minha própria invenção, e mais tarde percebendo que eu estava re-descobrindo coisas que
outros tinham feito já de diferentes formas.

Para mim, o verdadeiro negócio é como uma pessoa usa essa informação, pois é realmente apenas uma curiosidade, e
apenas mais uma nomenclatura para coisas semelhantes, até você entrar nas implicações de usar as informações,
particularmente (no meu caso) LIDANDO COM ESPONTÂNEA Composição.

Eu primeiro aprendi sobre isso de uma perspectiva de som (não uma perspectiva teórica), de uma tradição
completamente diferente de 'compositor espontâneo-Jogador', von Freeman, pássaro, trane, rollins, monge, Bud,
Duque, etc.

Especificamente, foi através do trabalho de músicos mestres como o saxofonista de Chicago Von Freeman (apenas
um exemplo) que eu fui introduzido a esses sons, muito antes de saber alguma coisa sobre ernst Levy ou polaridade.

No que diz respeito ao monge, as composições que estudei em profundidade são ruby minha querida, redonda meia
noite e off menor, e esta coisa está em todos eles. Assim como em duke / Strayhorn, e em músicas como stablemates,
junto veio Betty, etc. Mas o verdadeiro negócio está nas declarações espontâneas, as improvisações, que é uma
história totalmente diferente.

Eu discuto isso mais nos comentários a este blog:


http://www.polishookstudio.com/2014/02/the-patterns-of-barry-harris-arnold.html

Esse post é em parte uma resposta a um post por Arnold Hammerschlag.