Você está na página 1de 62

1. Menu TRM.

Existe um menu somente para o TRM, para acessá-lo siga as intruções:

Digite TRM e dê um enter.

2. Criar um contrato em TRM.


2.1 1º passo é criar os parceiro de negócio:

Para isso você pode digitar e dar um enter ou pela árvore:


Ele deve estar cadastrado para Parceiro negócios Geral.
Para saber como está cadastrado o parceiro clicar na lupa

Abrirá o combo:

Importante TR0150 e TR0151, para sua utilização nos contratos.


Verificar se o parceiro está para a empresa que será usada, para isso clicar no ícone

Clicar no ícone , abrirá o combo com as empresas


cadastradas:
Marque uma e clique em , para marcar clique no bloco a frente do nome da
empresa.

Acesse na ABA autorizações e veja se o modulo está marcado.

Para produtos que tenham incidência de impostos ou algum tipo de movimento derivado, é
aqui que colocamos para aparecer no contrato, acesse a aba movimentos derivados:
Repare que cliquei no lápis para que fique como modificar , depois entro na aba
movimentos derivados, marco a transação no produto que tem os impostos e clico no ícone

Abrirá o combo, estes movimentos de impostos, são configurados na Localização Brasil.


Após clicar no check ou dar enter, ficará assim:
Só gravar .
Caso o parceiro de negócios seja um cliente ou um fornecedor podemos usar as
transações abaixo para agilizar o cadastramento:

2.2 Criar o contrato no TRM – MM


FTR_CREATE ou TM_51
Ou digitamos o nome da transação ou vamos pela árvore:
Preenchemos os campos conforme modelo:

Para sabermos quais campos são essenciais para o produto podemos definir na

transação financeira clicando :


Após dar enter:

Observando , significa que o contrato ainda não gravado,


após a gravação aparecerá um número.

Tipo de movimento está na parametrização, como CDB é uma aplicação o movimento é


o 1100 que está ligado a transação 100.
Montante, é o valor inicial do contrato, podemos colocar várias entradas ou

antecipações de pagamento, basta clicar em .


O tp. De arredondamento, pode ser o comercial, ele usará a regra que na terceira casa
se for cinco ou maior que 5 aumentará 1 na segunda casa, arredondar para baixo,
desprezará a 3 casa e arredondar para cima sempre aumentará 1.

Período de validade, Início, data em que foi fechada a aplicação (ou empréstimo)
Fim- data final para liquidação do contrato

Inclusive, quando começa a contar os juros, início – inclui o dia de início de validade e
não inclui a data fim, ou seja tem juro no primeiro dia mas não tem no dia do
pagamento.
Inclusive fim, não inclui o dia do inicio do contrato, mas inclui a data de vencimento, ou
seja não tem juro no primeiro dia do contrato mas tem no dia do pagamento.

Estrutura de juros

Forma de juros , fixo para quando só tem a taxa de juro ex. 2,3%
ao ano.
Variável, taxa de juro de 2% ao ano mais CDI.
Montante – valor em reais fixo que será pago todo o mês. (não utilizei até hoje).

Tipo de condição 1200 Juros nominais – quando o juro será pago em uma determinada
data.
Tipo de condição 1150 juros capitalizados – o juro não é pago, e é incorporando ao
capital aumentando o saldo devedor.
Percentual, é a taxa de juros do contrato, sempre ao ano.

Método de cálculo de juros

Aqui é o período da taxa de juro, se for 2% ao ano, e for ano comercial aqui fica
act/360;
Se for 2% aa por dias úteis aqui actw/252;
Se for por ano civil pode ser act/365 ou act/366;
Se for a taxa em ano comercial (360) e tiver que calcular por ano comercial 360E360 ou
360/360;
Se for a taxa ano comercial e o cálculo é pra ano civil 360E/365.
Se a taxa for por ano civil e o cálculo é por ano comercial usamos 365/360;
Se a taxa for ano civil e o cálculo é por ano civil usamos 365/365;
Se a taxa for para um ano de 364 usamos act/364;
Temos também - act / actY (ISDA) - A abreviatura ISDA significa International Swaps
and Derivatives Association. (não utiliza no Brasil).
act / actP (ICMA) - A abreviatura ICMA significa International Securities Market
Association. (não utiliza no Brasil).
act / actE (AFB) - A abreviatura AFB significa Association Francaise de Banques
(associação francesa de bancos). (não utiliza no Brasil).
Lembrando que act é o número de dias para o qual a taxa de juro deve ser convertida
para o cálculo;
Actw – é número de dias úteis para qual a taxa deve ser convertida.

Frequência que deverá ser considerado o valor do juro.

No fim do período de validade – é no final do contrato;


No primeiro dia do mês, os juros serão somados sempre para o inicio do mês;
No último dia do mês, os juros serão somados pra o último dia do mês;
Mensalmente, todo o mês haverá um valor de juros a ser pago;
Diariamente, o juro será considerado todos os dias;
Entrada manual, permite períodos aleatórios para os juros.
Quando os juros forem variáveis deverá ter um calendário preenchido

.
Clicando no matchcode aparecem os calendários já configurados:

Usar o TR caso não tenha um próprio para a empresa.

Estrutura de amortização

Tipo de condição 1120 quando a amortização será feito somente no final do contrato;
Tipo de condição 1130 amortização por prestação, o valor da amortização será sempre
o mesmo valor até o final do contrato;
Tipo de condição 1140 amortização por anuidade, o valor da amortização é pelo
sistema price, a prestação será a mesma até o final do contrato.

Conclusão do contrato a data do contrato

Data do contrato não pode ser superior a data de inicio do contrato, senão dá erro ao
gravar o contrato.

Preenchido fica assim:


Para definir a taxa de juro há dois caminhos:

Clicar no ícone , ou no ícone ;


Nos dois casos irá para:
Colocamos a taxa de juro o tipo ou fórmula se for o caso:
Taxa de câmbio pagto aqui é quando a taxa de juro pro primeiro pagamento e diferente
dos demais.
Ex. a taxa do contrato é de 2% aa (sempre a taxa será ao ano) e no primeiro
pagamento é de 2,2% aa.

Primeiro Período clicando no ícone , temos as seguintes opções:

Calcular pro rata temporis, ele calcula proporcional até o final do mês e depois até o
primeiro vencimento;
Considerar na totalidade é o correto, pois ele calcula do inicio até o primeiro
vencimento;
Não consider, não não calcula para o primeiro período só a partir do segundo período.
O mesmo vale para o último período.

Aqui já foi explicado e para qual período deve ser transformada a taxa.

Cálculo sempre deve ser juros exponencial para capitalização composta, a liner é para
juro simples e não é utilizado no Brasil.

Abrirá um outro campo com a frequência do cálculo, sempre juros anual para que traga
o valor correto.

Compensação mensal é pra capitalização semestral de juros,


O mesmo para trimestrel, mensal, semanal, diária para 360, 365 e capitalização
continua, esta última não se utiliza mais.

Período do cálculo para somar os valores, quando forem iguais e consecutivas usa-se
Periódico e frequência 1 meses, para todo o mês, 2 para cada 2 meses e assim por
diante até 12 para de ano em ano, tem diária que segue de 1 até 30.
Ficará assim:

Quando for para o final do mês.

Se você clicou no ícone .


Aparecerá a tela:
Podemos também aproveitar para acertar a amortização do contrato:
Basta clicar

Na ABA administração:
Temos Atribuição de posição

Linha crédito, podemos estabelecer um limite para aquele parceiro de valores,


assim criamos um contrato de limite e vinculamos todos os contratos a ele,
assim que o limite for ultrapassado ele dará a mensagem que o valor deste
contrato excede o limite aprovado e não deixará gravar a operação.

Portfólio – podemos criar uma carteira de controle e assim através de relatórios


podemos controlar os ativos.
Avalista – segue o mesmo raciocínio para controlarmos um acionista quantos
avais ele possuí.

Projeto Financeiro – caso seja uma aplicação para uma determinada obra ou
empréstimos pra essa mesma obra podemos controlar com este dado.

Classe geral de avalição tem os eventos abaixo, também para controles em


relatórios.

Campos adicionais

São controles que podemos usar, criando referências para grupos de contratos.

Aqui podemos criar autorizações para grupos determinados

Aqui podemos colocar observações de avaliação no mercado do parceiro para


enter os riscos que corremos (como dar notas aos títulos triplo A e assim por

diante):

ABA movimentos adicionais:


Aqui podemos criar tipos de movimentos como taxas impostos, gastos com
cadastros, que devem ser colocado dentro do custo do contrato.
Inclusive IOF e IR adicionais.

ABA detalhe de pagamento:


Terá a identificação do banco que movimentará a saída e a entrada de caixa da
operação.

ABA Fluxo de caixa:


Mostra o fluxo de pagamento ou recebimentos do contrato.
ABA Correção de juros:

Quando o contrato tem um índice CDI, TR, Selic etc. aqui aparece a taxa que está
para o período do juro, quando rodamos a TJ05 essa taxa é fixada.

ABA notas:

Aqui podemos colocar informações para termos um histórico do contrato.

ABA – Atribuição Parceiro:


Caso tenhamos outros parceiro vinculados com lastro neste contrato podemos
colocar aqui.

ABA Status:
Mostra o status do contrato.

Após preenchido os campos e só gravar o contrato .

Se faltar alguma informação ele dará mensagens como esta:

Como é está amarelo é só informativo não impede a criação:


Entrar na FTR_EDIT:

O contrato agora tem um número:

A opreção está 1, significa que não foi liquidado, ou seja não pode ser
contabilizado, só quando está com:

Se o contrato for estornado e reaproveitado a opreção não terá o “2” o importante


aqui é verificar se está a informação “Liquidação contratua”.
Podemos aumentar o valor da aplicação ou fazer resgates antecipados:

Para isso basta clicar no ícone


Abrirá a janela:

Clicar no matchcode do tpmov

Marcar a linha dar enter ou clicar no ícone .


Preencher as informações:
Dar enter ou clicar no ícone .

ABA fluxo de caixa:

Gravar .

3. Contabilização do contrato:
3.1 transação TBB1.
Podemos digitar ou ir pela árvore
Podemos rodar para todos os contratos de todos os módulos ou apenas para um
módulo uma empresa e um determinado contrato:

Para um só módulo:
Para uma só empresa:

Podemos ir filtrando, quanto mais dados mais rápida será a execução da


transação:

Até inclusive vencimento ele pega tudo o que não foi contabilizado até a data que
ali estiver.

Podemos lançar em 2 moedas e só flegar .

Verificar se tem liberação no contrato flegar .

Data lançamento, se estiver em branco assumirá a data de hoje, se quisermos


uma data especifica devemos preencher, porém o período contábil deverá estar
aberto:

Podemos lançar numa data e colocar que o documento foi gerado em outra data,
aqui se o período estiver fechado, lançamos hoje, mas identificamos que o
documento é do mês passado.

Podemos rodar em teste para verificarmos antes de efetivar o processo, evita


retrabalhos.
Podemos lançar de 2 formas:

Aqui podemos lançar apenas na área operacional da empresa, ou se ele tiver


mais de uma área de avaliação, 2 tipos de registros contábeis um nacional e
outro estrangeiro, flegamos o debaixo.
Contabilizando o contrato criado:

Primeiro rodar em teste e verificar as informações:

Verifique se as contas estão corretas. Volte a tela de seleção e tire o fleg


Criou-se uma chave de contabilização
Duplo clique na chave:

Estornar um lançamento contábil de um vencimento no contrato:

Clicar em modificar:

Na ABA fluxo de caixa, marcar a data ou movimento que deseja estornar. Clicar

no ícone
Marcar estornar, só aparecerá movimentos que podem ser estornados:

Marcar a linha que será estornada, clicar no botão direito do mouse e ir até
estornar movimento:
Aparecerá no rodapé:

Gravar .

Aparecerá no rodapé:

TPM10 – Fixar, lançar ou estornar transações – estornar contabilização do TRM:


Executando em teste, trará os documentos que podem ser estornados:
Executar:

Logs e mensagens:

Voltar tirar de teste , aparecerá a chave de lançamento

Duplo clique na chave:


No caso do estorno não ser contábil usamos a TBB3:

O preenchimento é igual a TPM10.


Executar .

Clicar em .

Tirar de teste e executar novamente.

Executar . Refazer todos os passos que foram demonstrados acima:

.
Frt_edit olhar o contrato:

Constará como estornado.


Para lançar novamente use a TBB1_lc, pois não estornamos na contabilidade
apenas no contrato.
Tirar de teste e executar.

4. Criar um contrato em securities:


4.1. Criar a classe FWZZ:

Coloque o nome do fundo em

Clicar em :
Podemos criar com modelo em algum já existente.

Preencher e clicar .
Critérios pesquisas.
Dados básicos

Emitente é o administrador do fundo.


Valor nominal é o valor de face do título, valor pelo qual foi adquirido.
Moeda de emissão – em que moeda foi aplicado.
Preço de emissão – é o valor pelo qual foi emitido o título.

Tipo de título, usado mais para ações, assim como cotação:

Clicando nos combos podemos encontrar os tipos standard


Esta parte é para fundos:

Tipo Tipo

Volume, aqui podemos definir um montante para o fundo em sua moeda de origem.

Majoração de saída em porcentagem, o prêmio de reembolso em porcentagem


corresponde à diferença entre o preço de reembolso e o preço de emissão;
normalmente, é de 4% .

Fundos abertos - os investidores podem subscrever e resgatar as unidades de participação


em qualquer momento, sendo o número de unidades de participação em circulação
variável.

Fundos fechados - o número de unidades de participação é fixo, podendo os investidores


proceder à sua subscrição num determinado período e ao seu resgate apenas numa data
pré-definida para a liquidação do fundo.

Fundo especial é um patrimônio coletado, cujos recursos estão destinados ao cumprimento


de determinada finalidade específica (propaganda, pagamento de seguro-desemprego,
etc.) Os recursos que integram o fundo especial provêm integralmente do Estado, em
alguns casos, também há participação de recursos privados. O Estado somente pode criar
um fundo especial após aprovação legislativa, de acordo com a Constituição Federal, art.
167, IX.

Fundo de renda fixa é um termo que se refere a qualquer tipo de investimento que possui
uma remuneração paga em intervalos e condições preestabelecidas. Podem ser:
Pré-fixado: são aqueles cujo rendimento está associado a um valor previamente conhecido
(como um percentual de ganho) e uma data de vencimento. Nesse tipo de investimento, o
portador do título resgata o valor investido na data de vencimento acrescido da
remuneração previamente acordada. Exemplo.: Poupança e alguns títulos públicos, como
a LTN.
Pós-fixado: são, em essência, títulos de renda variável, no entanto, são classificados como
sendo de renda fixa pois seu rendimento está associado a indicadores do mercado (que
sofrem menos oscilações) além de poderem ter alguma forma de garantia fornecida pela
entidade emissora do título (como um percentual mínimo de ganho). Dessa forma, na data
de vencimento, o portador do título resgata o valor investido acrescido da remuneração
determinada pelo indicador no período do investimento e das garantias acordadas, quando
houver. Exemplo: Alguns títulos públicos, como a NTN-F.
Fundos de Investimento Imobiliário (FII) são constituídos como “condomínios fechados”.
São divididos em cotas que, uma vez adquiridas, não podem ser resgatadas. O patrimônio
de um fundo imobiliário pode ser composto de imóveis comerciais, residenciais, rurais ou
urbanos, construídos ou em construção, para posterior alienação, locação ou
arrendamento.

Fundos de mercado financeiro são fundos com os riscos do mercado.

Fundos misto ações investem o seu património de forma diversificada, mantendo


percentagens mais ou menos fixas do seu capital alocadas a instrumentos de mercado
monetário, obrigações e ações, neste caso em ações.

Fundo misto (TR) o mesmo que o fundo de ações, porém aqui o lastro de rendimento é em
TR.

Fundos de investimento em participações (FIP), também conhecidos como private equitiy,


têm por objetivo aquisição de ações, debêntures, bônus de subscrição e outros títulos e
valores mobiliários de companhias abertas ou fechadas. As cotas dos fundos de
investimento em participações são remuneradas com base no desempenho futuro de tais
empresas. São constituídos sob a forma de condomínio fechado e suas cotas são
negociadas em bolsa de valores.

Lei invest,estrang. - Código, se o fundo de investimento é abrangido pela Lei de


Investimento Exterior.
LEI Nº 4.390, DE 29 DE AGÔSTO DE 1964.
Art. 1º Consideram-se capitais estrangeiros, para os efeitos desta lei, os bens, máquinas e
equipamentos, entrados no Brasil sem dispêndio inicial de divisas, destinados à produção
de bens ou serviços, bem como os recursos financeiros ou monetários, introduzidos no
país, para aplicação em atividades econômicas desde que, em ambas as hipóteses,
pertençam a pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no exterior.

Fundo público – O código indica que tipo de suprimento de capital é utilizado, isto é, se as
quotas são ou não vendidas em público.

Votação sócio - Este caractere indica se, para determinadas transações deve ser efetuada
uma reconciliação com, p.ex., grêmios administrativos.
Aba condições, aqui identificamos os bônus, juros, etc.. São todos os eventos que estão
relacionados a este título.

Acum.capitais - Característica que indica se a distibuição dos fundos é desembolsada ou


aplicada novamente.
Desc.reinvestim. - Em alguns fundos existe a possibilidade de conseguir um desconto,
quando os novos certificados são comprados aquando da distribuição.

Status – se já foi contabilizado ou não.


Denom.tipo condição – nome do evento que está sendo realizado.
Vál. Desde – inicio da validade do evento.
Montante – valor do mesmo.
Moeda – qual a moeda de câmbio.
Vencimento – quando vence.
FRM – e se tem uma frequência – se ocorre mensalmente, anualmente.
ABA Bolsas, aqui define o nome da bolsa que será usada para as cotações.

O código indica, se a taxa de câmbio do título é determinado na bolsa ou não (cotação na

bolsa). .

Além das standard, normalmente criamos uma bolsa para cadastrar as cotações do fundo.

Moeda de cotação.
Taxa câmbio fixo - sim/não
Aqui consta a indicação se a taxa de câmbio cotada é uma taxa de câmbio fixa, isto é, se
os juros provisionados a vencer já foram utilizados.

Bolsa nacional - sim/não


Este campo define se a bolsa é a bolsa nacional deste título.

Chave de cotação na bolsa


É determinado, para um título numa bolsa de valores, se este é tratado de forma oficial.

Desvio de câmbio em porcentagem


O desvio de câmbio em porcentagem indica, até que desvio de câmbio relativo da taxa de
câmbio antiga é autorizada a nova taxa de câmbio, sem que se verifique uma mensagem
do sistema.

Taxa de câmbio do título com cotação por unidade porcentual.

Icones de criar ou excluir linhas e navegar para as cotações (FW17)

.
4.2. Criar depósito transação TRS_SEC_ACC.
O depósito é o custodiante do título, nem sempre é o emissor, é em que cofre estão os
certificados.
Preencher os campos e clicar em criar .

Clicando em criar, dará a opção de criar com cópia, caso tenhamos um modelo.

Clicar no ícone , abrirá os campos para serem preenchidos


Denominação – nome do custodiante.

Tipo de depósito.

Categoria de depósito: depósito ativo:


Em depósitos desse tipo, é possível executar todos os montantes até aos montantes de
emissão ou montantes que pertencem a transações de empréstimo de títulos.
Categoria de depósito: depósito de emissão:
Os montantes de emissões de títulos só podem existir em depósitos de emissão. O
sistema garante que os montantes de emissão não possam ser transferidos para depósitos
ativos ou depósitos de empréstimo. Além disso, também é garantido que não seja lançado
nenhum montante ativo ou montante pertencente a transações de empréstimo de títulos
em um depósito de emissão.
Categoria de depósito: depósito de empréstimo:
Em uma transação de empréstimo de título, os títulos emprestados são lançados no início
do período de validade no depósito ativo, onde existem os títulos anteriores ao
empréstimo, no depósito de empréstimo. No final do período de validade, ocorre um
lançamento retroativo no depósito ativo original. O sistema garante que os montantes no
depósito de empréstimo não possam ser vendidos ou lançados de outra forma durante o
período de validade da transação de empréstimo.

Banco depositante é o banco que está cadastrado como TR0152 no parceiro de negócio.
Conta compens. É uma conta para os Estados Unidos.
Nº depósito é um código de identificação no banco, apenas para controle.
ID ext.depósito - Identificação externa do depósito
A identificação de depósito designa o número, por exemplo, um IBAN, com que é efetuado
o depósito na posição que administra o depósito.
ImpSbBensPatrm. - Código: imposto sobre patrimônio, se esta posição está sujeita ao
imposto sobre o patrimônio.

Normalmente não preenchemos nada aqui, nem o Bnc.deps.

Moeda de pagamento – qual a moeda que será pago.


Validade - Quando começa a pagar nesta moeda.
Tipo atualização – aqui podemos definir uma ou mais atualizações que deverão ser
consideradas na operação.
Banco empresa – quando colocamos aqui vai direto pra ABA detalhe de pagamento no
contrato.
ID conta – é o mesmo caso do Banco empresa.

Demais itens ligados ao pagamento.


Na ABA – outros.
Tem campos que podemos utilizar para maior controle.

ABA – Dados usuário.


Mostra quem criou quando e qual a última modificação que foi feita.

4.3. Colocar as cotações dos fundos transação FW17.


Posso só exibir ou modificar, quando quero mudar ou lançar uma nova cotação para o
fundo.
Aqui temos um exemplo de como fica as cotações.

5. Relatórios para analises


5.1. TPM13 – Fluxo de caixa do Livro auxiliar.
Aqui você tem todas as movimentações feitas no contrato, todos os eventos.
Na tela de seleção podemos marcar o que queremos, por tipo de produtos:

Um determinado contrato ou classe:


E quais tipos de lançamentos queremos analisar.

Podemos moldar o relatório as informações que queremos analisar:

Basta inserir ou tirar colunas


O primeiro ícone nos ajuda a inserir ou tirar as colunas, marcar onde queremos totais e
subtotais e qual será a ordenação.
Marque as linhas e clique nas setas de direção, para colocar totais basta ir na coluna e

colocar um x na linha .

Na ABA ordenação, podemos escolher como deve ser ordenado as informações do relatório.

Ordem crescente e ordem decrescente , repare que posso definir quais ordenações posso ter, no
exemplo: primeiro por área contábil, dentro da área contábil por área de avalição, dentro da área avaliação
por classe de avaliação e assim por diante.

Aba Filtro, aqui posso escolher qual coluna desejo colocar o filtro pra pegar uma
determinada informação:
Aba Representação, posso definir mais detalhes da visualização do relatório:

Uma vez definido o leioute eu posso salvá-lo .


Basta definir um nome

Se é só para o meu usuário , e;

Se é pra toda vez que eu entrar no relatório venha este leioute.


Quando determino que uma linha tenha um total, na Aba SeleçãoColunas

Abrirá na Aba ordenação o campo de sutotal.


Podemos usar este caminho, ou, basta um clique nas linhas com o botão direito do mouse
e nos dará opções:

Para chamar o leioute gravado

Podemos navegar pra outros relatórios:

Podemos atualizar o relatório sem sair do mesm, basta clicar no ícone .

Basta marcar um linha e escolher nos ícones acima


No caso TPM20.

Podemos daqui ira para o transação que originou o lançamento. Marque a linha e clique no
ícone .

Para voltar ao relatório clique na seta ou (F3).


E assim por diante em todas os icones.
Isso vale pra todos os relatórios
5.2. TPM12 – Posições de livro auxiliar

Igual ao TPM13 na sua tela de seleção:

Um determinado contrato ou classe:

E quais tipos de lançamentos queremos analisar. A data de fixada é o mais importante,


pois mostrará o saldo nesta data.
A idéia deste relatório é mostra a evolução e saldo atual dos contratos:

Este relatório e mais apropriado para Títulos SWAP e Derivativos, para Mercado Monetário
não tem muito efeito.

5.3. TPM20 – Diário de lançamentos.


A seleção segue como a TPM13.
Executando, teremos os lançamentos feitos na contabilidade e os lançamentos de fixação,
que não tem documento contábil.

5.4. TMR1 – Comércio Financeiro: lista de posição.


Este relatório é um cabeçalho das operações.
Executando