Você está na página 1de 6

Magia Elemental – Aprenda a manejar as forças da Natureza!

A natureza é um grande organismo vivente, em última síntese está dirigida por forças elementais. As classes de éter
estão densamente povoadas por inúmeras criaturas elementais da natureza, assim temos que:

Na água encontramos as Ondinas e Nereidas.

No elemento terra estão os Gnomos e Pigmeus, vivem na terra.

O ar em última síntese é elemental, o tatwa vayu é animado pelos Silfos e Sílfides (vivem nas nuvens).

O fogo elemental, o tatwa tejas está animado pelas Salamandras, que vivem no fogo.

No akash encontramos as Punctas.

Esses elementais atômicos, essas criaturas também povoam os mencionados elementos físicos em nosso organismo,
ou natureza interior.

De acordo com a lei das analogias, os elementos físicos presentes na natureza exterior, se manifestam também em
nosso organismo e possuem suas regiões específicas, ainda que seu trabalho alcance diferentes regiões do
organismo.

A localização destes elementos segundo a magia elemental é a seguinte:

Região da Terra: desde os pés até os joelhos.

Região da Água: entre os joelhos e o ânus.

Região do Fogo: entre o ânus e o coração.

Região do Ar: entre o coração e o entrecenho.

Região do Éter: desde o entrecenho até o alto da cabeça.

Os Mantrans usados na Magia Elemental para chamá-los, em ordem são:

* Punctas HÁ (JÁ) (J…A….)

* Silfos e SílfidesYA (Y…A…)

* Salamandras RA (R…A…)

* Ondinas e Nereidas VA (V…A…)

* Gnomos e Pigmeus LA (L…A….)

Retomando o ponto sobre os elementais que povoam a natureza exterior da terra podemos acrescentar que:

Os corpos físicos das Salamandras, são plantas, ervas e raízes influenciadas pelos signos zodiacais do fogo. (Áries,
Leão, Sagitário). Ex.: incenso, sálvia, mirra.

Os corpos físicos das Ondinas são as plantas influenciadas pelos signos zodiacais da água. (Câncer, Escorpião e
Peixes).

Os corpos físicos das Sílfides são os elementais das plantas influenciadas pelos signos do ar. (Gêmeos, Aquário e
Libra). Ex.: nardo.
Os corpos físicos dos Gnomos são as plantas sob a influência dos signos da terra. (Touro, Virgem e Capricórnio). Ex.:
pinho e salsa.

Em nossa anatomia interna, os elementais nos ajudam limpando nossos cilindros, conservando nossa saúde.

Para dominar e servir-se dos elementais da natureza de forma completa e definitiva, é indispensável eliminar o Ego.

“Nunca uma pessoa volúvel e caprichosa, dominará os silfos e sílfides do ar”.

“Jamais um sujeito mole, frio e volúvel, será amo absoluto das ondinas das águas ou das nereidas dos mares”.

“A ira irrita as salamandras”.

“A concupiscência grosseira converte em brinquedo dos Gnomos e Pigmeus do reino mineral a quem quer servir-se
deles”.

É preciso ser disposto e ativos como os Silfos, flexíveis e atentos às imagens como as Ondinas e Nereidas. Enérgicos e
fortes como as Salamandras. Laboriosos e pacientes como os gnomos.

“É necessário vencer os elementais em sua força, sem deixar-se dominar nunca por suas debilidades. Thelema
(Vontade Consciente) é nosso lema”.

Estes elementais atômicos de nossa natureza interior, possuem seus regentes particulares ou Deuses, aos quais
obedecem, é necessário portanto, que quando quisermos servir-nos das forças elementais, peçamos o auxílio a seus
correspondentes Reis.

Estes Deuses inefáveis e terrivelmente divinos, são homens perfeitos no sentido mais completo da palavra.

As operações elementais devem iniciar-se no Mundo das causas naturais, desde essa região devem ser controladas…
faltando esse controle, a Magia Negra surge de imediato.

Esta ordem angélica do mundo das causas naturais ou mundo da vontade consciente, é a dos Malachim ou Reis da
Natureza, que certamente constituem por si mesmos Os Legítimos Princípios Espirituais dos Elementos.

Quando as forças naturais se divorciam de seus princípios espirituais se convertem em algo diferente, ainda que não
se pretenda fazer mal algum, se produz inevitavelmente uma queda acompanhada pela degeneração.

O iniciado, ao oficiar a magia elemental, aborda aos seres elementais em nome de qualquer dos Reis que os
governam. O Mundo Causal ou da Vontade Consciente é a Região do Misticismo Religioso, é a Esfera dos Mestres, é
o Templo Eterno dos Céus.

Estes regentes são:

Éter – Sudashiva

Ar – Ishwara

Fogo – Rudra

Água – Narayana

Terra – Bragma

Na magia elemental combina-se a meditação e a oração para estabelecer contato objetivo com os Deuses da
Natureza para que nos ajudem no despertar dos chakras, rodas ou discos do corpo astral.
A base da Magia Elemental são uma vontade de aço e uma fé inquebrantável, a fé real, é óbvio que se tem que
fabricá-la mediante o estudo analítico profundo e a experiência direta.

Prática com os Elementais.

Elemento Éter Ar Fogo Água Terra

Tatwa Akash Vayu Tejas Apas Prithvi

Cor Preto Azul Vermelho Branco Amarelo

Deus Sudashiva Ishwara Rudra Narayana Bragma

Alimento Transmutação Vinho (de Carne Peixe Cereais


uvas)

Planeta Saturno Mercúrio Marte Vênus, Lua Sol

Rege Coroa ao Entrecenho Coração ao Sexo aos Joelhos aos


entrecenho ao coração sexo joelhos pés

Elemental Punctas Silfos e Salamandras Ondinas e Gnomos e


Silfides Nereidas Pigmeus

Mantram HÁ (JÁ) YA RA VA LA

Para realizar a Magia Elemental com os elementais de nossa natureza interna, não se necessita de uma fórmula
exclusiva, cada um de nós tem sua particularidade e maneira de orar, de pedir, somente há que se levar em conta
não violar a Lei Divina, ou seja, realizar o trabalho de acordo aos legítimos princípios espirituais, de acordo à ordem
angélica do mundo das Causas Naturais ou da Vontade Consciente.

Em continuação vamos ilustrar como deve realizar-se esta prática:

Disposição: Sentados comodamente, relaxamo-nos totalmente, procurando que nossa respiração seja rítmica e
concentrados profundamente no que vamos realizar.

Oração: Nos comunicamos com nosso real Ser, nosso Deus interno, pedindo-lhe a ajuda necessária para termos
êxito na prática e por sua vez interceda por nós ante os Regentes elementais da natureza interior, da seguinte forma:

“Meu Pai, meu Senhor, meu Deus, tu que és meu Real Ser, te suplico com minha alma e com meu coração, em nome
do Cristo, pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo invoque ao Glorioso Deus dos Elementais do Éter.
Sudashiva, Sudashiva, Sudashiva, Deus do elementais do Éter, vos peço, vos rogo, que me concedam a graça de
ordenar e mandar aos Punctas do Éter.

Punctas do Éter, Punctas do Éter, Punctas do Éter, trabalhai intensamente, em nome do Cristo, pelo poder do Cristo,
pela majestade do Cristo, em meus corpos, físico e internos, sanando-os, limpando-os de tudo aquilo que cause
dano a minha saúde e a minha superação espiritual.

Punctas do Éter, trabalhem intensamente desde a coroa até o entrecenho, limpando e curando tanto no físico como
no interno, nosso cérebro, cerebelo, o sistema cérebro espinhal; melhorem nossa capacidade de memória, nosso
Centro Intelectual; ativem todos os nossos neurônios; limpai nossos vórtices frontal e occipital.

Punctas do Éter trabalhai, em nome do Cristo, pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo.

(Imaginamos uma energia de cor preta com muitos pontos dourados que envolve nossa cabeça e vocalizamos o
mantram HÁ (JÁ três vezes). Sempre alongando as vogais.)

Meu Pai, meu Senhor, meu Deus, tu que és meu Real Ser, meu Deus Interno, te suplico com minha alma e com meu
coração nos invoques, em nome do Cristo, pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo, ao Glorioso Deus dos
Elementais do Ar.

Ishwara, Ishwara, Ishwara, Deus dos elementais do ar, te rogo, que me dês a graça de invocar, ordenar e mandar aos
Silfos e Sílfides do Ar.

Silfos e Sílfides, Silfos e Sílfides, Silfos e Sílfides, em nome do Cristo, pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo,
trbalhai intensamente, sanando, limpando e purificando meus corpos físico e internos, desintegrando tudo aquilo
que cause dano a minha saúde e a minha superação espiritual.

Internem-se na região compreendida do entrecenho ao coração, sanando e fortalecendo meu sentido da visão, da
audição, do olfato, da gustação e do tato e também em nossos sentidos internos pondo em atividade os chakras de
nosso corpo astral, trabalhai em nossas glândulas, no centro motor, trabalhai intensamente ajudando-no a lograr o
equilíbrio da consciência, levem oxigênio a todos os nossos átomos, moléculas, células, órgãos e tecidos de nosso
corpo.

Silfos e Sílfides, trabalhai, em nome do Cristo, pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo.

(Imaginando nosso corpo envolto em uma cor azul se vocaliza o mantram YA (três vezes), assim: YAAAAA, YAAAAA,
YAAAAA.)

Meu Pai, meu Senhor, meu Deus, tu que és meu real Ser, meu Deus Interno, te suplico, com minha alma e com meu
coração, nos invoques em nome do Cristo, pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo, aos Deuses dos
elementais do Fogo.

Rudra, Rudra, Rudra, Deus dos elementais do fogo, te rogo, te suplico, com minha Alma e com meu coração, me dês
a graça de trabalhar com as Salamandras do Fogo.

Salamandras do Fogo, Salamandras do Fogo, Salamandras do Fogo, trabalhai, em nome do Cristo, pelo poder do
Cristo, pela majestade do Cristo, intensamente, curando, sanando meus corpos físicos e internos, preparando-nos
para o despertar de nossa consciência.
Salamandras do Fogo, trabalhai desde o coração até o sexo queimando tudo aquilo que produz enfermidade no
fígado, pâncreas, vesícula, próstata (útero), rins, glândulas suprarenais, estômago e vias circulatórias, ajudando-nos a
equilibrar nossas emoções, a controlar a ira, dando-nos a capacidade da serenidade e da paciência.

Salamandras do Fogo, ajudai-me a por em atividade todos os chakras de meus corpos internos para despertar o
poder da consciência neles encerrados.

Salamandras do Fogo, trabalhai, pelo Cristo, pelo Cristo, pelo Cristo.

(Imaginando nosso corpo envolto em chamas, vocalizamos o mantram RA (três vezes).)

Meu Pai, meu Senhor, meu Deus, te peço e te suplico com minha Alma e com meu coração que nos invoques, em
nome do Cristo, pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo, ao Deus dos elementais da Água.

Narayana, Narayana, Narayana, Deus dos elementais da água, te suplico com minha Alma e com meu coração, em
nome do Cristo, pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo, nos dês a graça de trabalhar com as Ondinas e
Nereidas.

Ondinas e Nereidas, Ondinas e Nereidas, Ondinas e Nereidas, trabalhai intensamente em nosso corpo físico e
veículos internos, curando-os, sanando-os de toda enfermidade, preparando-os para o despertar da consciência;
Ondinas e Nereidas, trabalhai desde os órgãos sexuais até os joelhos eliminando tudo aquilo que está causando dano
tanto no físico como no interno, sanem nosso centro sexual pondo-o em equilíbrio para a Grande Obra, ponham em
atividade os chakras dos joelhos para adquirir o poder da humildade.

Ondinas e Nereidas trabalhai, pelo Cristo, pelo Cristo, pelo Cristo.

(Imaginando o corpo envolto por uma cor branca, vocalizamos o mantram VA, (três vezes) assim: VAAAAA, VAAAAA,
VAAAAA.)

Meu Pai, meu Senhor, meu Deus, te peço com minha alma e com meu coração, nos invoques, em nome do Cristo,
pelo poder do Cristo, pela majestade do Cristo, ao Deus dos elementais da Terra.

Bragma, Bragma, Bragma, Deus dos elementais da terra, te suplico, em nome do Cristo, pelo poder do Cristo, pela
majestade do Cristo, me dês a graça ordenar e mandar aos Gnomos e Pigmeus da Terra.

Gnomos e Pigmeus, Gnomos e Pigmeus, Gnomos e Pigmeus da terra, trabalhai em nosso corpo físico e corpos
internos, curando-os, sanando-os de toda enfermidade e preparando-os para o despertar de nossa consciência.

Gnomos e Pigmeus da terra, trabalhai em nossa musculatura, sistema ósseo, ajudando-nos a desalojar a inércia e a
preguiça.

Depositai as forças prânicas da natureza para que nossos corpos respondam às exigências da Grande Obra. Gnomos
e Pigmeus ajudai-nos a desenvolver o poder da vontade para controlar os instintos; ponham em atividade os vótices
dos pés para adquirir a inocência perdida.

Gnomos e Pigmeus, trabalhai, pelo Cristo, pelo Cristo, pelo Cristo.

(Imaginemos ao corpo envolto em uma cor amarela enquanto vocalizamos o mantram LA (três vezes). LAAAAA,
LAAAAA, LAAAAA.)
Damos graças aos Deuses elementais da natureza e a nosso Real Ser pela ajuda que se dignou a nos prestar. Cada
um de nós fará esta ação de graças de acordo com sua particularidade terminando-a com: Que seja de acordo com a
Lei Divina. Assim seja, Assim seja, Assim seja.”

*Malachin: (Heb.) Malakim. Anjos mensageiros virtuosos; Raios de proteção. Virtudes.

Você também pode gostar