Você está na página 1de 12

Parte 2

Fundamentos da Vibração

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

Energia Mecânica de um corpo (ou sistema de corpos)


EM = EPgrav + EC + EPelast

Energia Potencial Fc/peso = mg = peso do corpo


Gravitacional EP grav = mgh Sentido da força: vertical para cima
EPgrav deslocamento ∆d = h

Energia Cinética EC = ½mv2


EC

EPgrav = Wc/peso = mgh


Wc/peso = (mg).h
Energia Potencial elastica EP elas = ½kx2
EP Elast

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
Força sobre a bola: F Fc/mola = k.x
sentido da força: o mesmo do
x = deformação elástica
deslocamento;
k = constante da mola
deslocamento: ∆d

Trabalho sobre a bola


W = F.∆d Wc/mola = ½ kx2

EC = W = ½ mv2 Substituindo-se
F = m.a 1-A EPelast nunca pode ser Acumula na mola
negativa
a = v2/2∆d
EC pode ser nula, mas
2- É nula para x = 0 EPelast = ½ kx2
nunca negativa.

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

Dissipação de EM em forma de calor


Fdesloc e ∆d
EM = ½ mv2 + mgh + ½ kx2 mesmo sentido
Tende a aumentar
W>0 a EM
Trabalho motor
Corpo indeformável: EPelas = 0 W = Fdesloc · ∆d

EM = ½ mv2 + mgh Fdesloc e ∆d


sentidos opostos Tende a diminuir
W<0 a EM
Trabalho resistente
Variação da EM
∆EM = ∆EC + ∆EP
Trabalho da força de atrito
∆EM = [½mv22 – ½mv12] + [mgh2 – mgh1] Dissipa EM em forma de calor

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
Teorema da EM Wforças ext = ∆EC + ∆EP
Teorema da EM
ΣWforças ext = ∆EM = ∆EC + ∆EPgrav
Wpeso

Peso = mg
É força inerente a todos os corpos. Teorema da
Não é considerado “força externa” Energia Cinética W forças ext + Wpeso = ∆EC

O trabalho do peso
está contabilizado
como ∆EPgrav W todas as forças = ∆EC

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

Força
Massa
F = mg
m = 100kg
Aceleração

1º MOMENTO
W todas forças > 0 No início da queda → EC aumenta.
2º MOMENTO
W todas forças < 0 ↓
∆t após abertura do paraqueda → EC↓
3º MOMENTO
W todas forças = 0 ∆EC = 0 → v = invariável

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
EC = 0
W forças ext = ∆EM = ∆EC + ∆EP EP = 100 J

W forças ext = 0 ∆EM= 0 Se os atritos (com o


trilho e com o ar)
forem desprezíveis

O corpo ou sistema
não recebe nem
cede trabalho ∆EC + ∆EP = 0 Wforças ext = 0
Se EP = 20 J EC = 30 J
EC = ? EP=?
EM não aumenta nem A um aumento na EC
diminui. Permanece corresponde uma diminuição
inalterado. equivalente na EP. Ao longo do movimento, uma diminuição na
EM se conserva EP corresponde a um aumento equivalente
A EM se conserva. A EC transforma-se em EP e na EC e vice-versa.
Vice-Versa

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

EXERCÍCIO SOLUÇÃO 1
1) Um peso de 10 N é erguido, a partir do repouso,
por uma força de 30 N até uma altura de 5 m,
determinar:

a) O trabalho para erguer o


peso até a altura dada;
b) O trabalho da força peso;
c) A velocidade do corpo ao
atingir a altura dada.
Quando necessário adotar a
aceleração da gravidade
igual a 10 m/s2.

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
EXERCÍCIO SOLUÇÃO 2
2) Um bloco de massa igual a 5 kg é lançado com
velocidade constante de 0,4 m/s e choca-se com uma
mola de constante elástica 80 N/m.
Desprezando
o atrito entre
o bloco e a
superfície
determine a
máxima
compressão
sofrida pela
mola.

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

A onda é somente
energia, pois ela só faz
a transferência de
energia cinética da
fonte para o meio.

A definição de onda é qualquer perturbação (pulso)


que se propaga em um meio.
Ex: uma pedra jogada em uma piscina (a fonte),
provocará ondas na água, pois houve uma
perturbação.

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
Vamos supor que uma pessoa segure uma das Os movimentos da mão da pessoa irão provocar uma
extremidades de uma corda e que essa pessoa sucessão de ondas senoidais que passarão pela
passe a fazer movimentos para cima e para baixo corda com velocidade de intensidade V, conforme a
com a sua mão. ilustração abaixo:

Direção de propagação

Direção de vibração

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

PERÍODO DE UMA ONDA


A velocidade de uma onda pode, portanto, ser calculada com PERÍODO (T)
a seguinte fórmula:
O intervalo de tempo que é necessário para que um
ponto vibrante percorrer um ciclo completo.

∆S λ
V=
PERIÓDO

V= T
ALTERNAÇÃO

∆t
POSITIVA
AMPLITUDE

EIXO
TEMPO

v = velocidade da onda λ = comprimento de uma


∆S = distância percorrida onda sonora ou onda
∆t = intervalo de tempo electromagnética ALTERNAÇÃO
NEGATIVA
T = período da onda
UM SEGUNDO

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
FREQUÊNCIA DE UMA ONDA ONDAS PERIÓDICAS
λ1 Amplitude
FREQUÊNCIA (f) A1
Comprimento de
O número de ciclos feitos por um ponto vibrante na unidade de Onda grande
Frequência
tempo. baixa
V1

1 2 3
Amplitude
A2

Frequência
alta
V2

λ2
Amplitude
A3
Frequência
alta
V2

λ1 > λ2 , V1<v2 A1>A2

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

AMPLITUDE DAS ONDAS


AMPLITUDE (A)
EQUAÇÃO DA FREQUÊNCIA E PERÍODO
É a distância de uma crista ou um vale ao nível de equilíbrio.

F=1/T Y

F(Hz)- Frequência em Hertz


T(s)- Tempo em segundo Amplitude Amplitude

Uma revolução ou execução por segundo 0 X


Amplitude
corresponde assim a 1 Hertz.

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
ALTA E BAIXA FREQUÊNCIA
INTENSIDADE DO SOM

Frequência baixa – som grave


• Está relacionada
SOM FORTE
com a amplitude
da onda sonora.
A Frequência alta – som agudo
A SOM FRACO

• Quanto maior a A’
amplitude da onda t
sonora, maior a
intensidade do som.
• O som alto ou agudo corresponde a uma
maior frequência ao contrário de som
baixo ou grave.

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

COMPRIMENTO DE ONDA (λ)


EQUAÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA
COMPRIMENTO DA ONDA
Na onda, é a distância que a perturbação percorre durante um período. O comprimento de onda eletromagnética é igual à velocidade da
onda dividida pela frequência da onda.

λ
λ = c/f
C = Velocidade da luz
f = Frequência

λ
λ = Comprimento de onda

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
GRANDEZAS DAS ONDAS ELEMENTOS DAS ONDAS

λ = comprimento de onda, de onda sonora ou onda


eletromagnética;
λ crista
c = velocidade da luz no vácuo = 299.792,458 km/s ~ crista

300.000 km/s = 300.000.000 m/s


v = velocidade do som no ar = 343 m/s a 20 °C (68 °F);
f = frequência da onda 1/s = Hz.
vale λ vale
Ouve-se de 20 a 20.000 Hz.

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

ELEMENTOS DAS ONDAS


ESPECTRO DE FREQUÊNCIA SONORA
Construtiva:
Crista+Crista
ou
+ =
Vale+Vale Em fase Interferência
20000 Frequência (Hz)
Construtiva 10 20 100 1000 10000 100000 106 107
→ AR= A1+ A2
Infrassons Faixa de audição humana Ultrassons
Destrutiva: sentidos como
vibrações, por Frequência típica
Crista+Vale exemplo, nos
Frequência
típica do De ultrassons
terremotos
→ AR= A1 – A2 Interferência sonar Para fins médicos
Desconstrutiva
+ Oposição = Limite de audição superior de
de fase Morcegos e golfinhos

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
CÁLCULO DA VELOCIDADE E COMPRIMENTO DE ONDA CURIOSIDADES
•Depois que a onda é emitida, seu período e sua
d λ 1 frequência não mudam mais.
v= = = λ. = λ. f •A velocidade de uma onda só depende do meio onde
t T T ela está se propagando.
A luz é mais rápida em meios menos densos, já o som
propaga-se mais rapidamente em meios mais densos.
v = λ. f λ = v.T

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

EXEMPLO
ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Uma onda periódica se propaga com frequência de 20 Hz
em um certo meio. Um seguimento dessa onda aparece
na figura. Determine sua velocidade de propagação
Raios gama: são emitidos por materiais radioativos e
usados no tratamento de câncer e de muitas doenças de
9cm f = 20 Hz
pele.
Raios X: ajudam os médicos a tratar e a diagnosticar
λ
doenças. = 9cm λ = 18cm
Raios ultravioleta: são usados como desinfetantes. 2
Raios infravermelhos: são emitidos por corpos aquecidos
e usados para secar pinturas. v = λ. f
Ondas de rádio: são usadas pelas emissoras de rádio e
televisão. v = 18.20 v = 320cm / s

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
EXEMPLO 2 SOLUÇÃO
De uma torneira caem gotas idênticas à razão de 3 a 3gotas
f = = 3Hz
cada segundo, exatamente no centro da superfície livre y(cm) s
da água. Os círculos da figura representam cristas,
originadas pelas gotas. Determine a velocidade de f = 3Hz
propagação dessas ondas. ICAÇ
6 12 18
x(cm)
v = λ. f
v = 3.6
v = 18cm / s

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA

EXERCÍCIO SOLUÇÃO
1. O gráfico abaixo representa uma onda que se propaga com a) A Amplitude da onda é dada pela distância da origem até a crista da
velocidade igual a 300m/s onda, ou seja:

b) O Comprimento de onda é dado


pela distância entre duas cristas ou
entre 3 nodos, como a figura
mostra a medida de três "meios-
comprimento de onda", podemos
Determine: calculá-lo:
a) a amplitude da onda;
b) o comprimento de onda;
c) a frequência;
d) o período

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA
SOLUÇÃO
c) Sabendo a velocidade de propagação e o comprimento de onda,
podemos calcular a frequência:

logo

d) O Período é igual ao inverso da frequência

Centro Universitário Anhanguera de Niterói - Vibrações Mecânicas - PROF. LAERTE CORRÊA