Você está na página 1de 11

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II


Centro de Engenharias

Capítulo 4
Analogia de Mohr e Equação
dos 3 Momentos
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

4.1- Analogia de Mohr


Também conhecido como Método de Mohr ou Método da Viga Conjugada.
A analogia entre as equações diferenciais foi observada inicialmente por
Mohr (1835-1918)
d3 y d2 y dy
EI 3  V  x  EI 2  M  x  EI    x 
dx dx dx
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

Exemplo 1 -
Utilizando a analogia de Mohr, determinar os valores máximos de deflexão
angular e flecha para a viga bi-apoiada esquematizada na figura.
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

O traçado do diagrama de momentos fletores indica uma variação linear, à


esquerda e à direita do ponto de aplicação da carga P, onde atinge o valor
máximo Pab/L.
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

Invertendo o desenho, dividindo suas ordenadas pelo produto de rigidez


EI e encarando a figura formada como uma distribuição de carga virtual
(q*) com dois trechos lineares, atingindo o valor máximo Pab/LEI,
aplicada a uma viga também fictícia, de mesmas dimensões.
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

Vinculação
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

Exemplos de vinculação
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

4.2- Equação dos três momentos


O modelo do problema a ser resolvido é, a princípio, o mostrado abaixo,
uma viga hiperestática dita contínua, de eixo retilíneo e horizontal,
constituída de 2 ou mais vãos de comprimento quaisquer, cada um dele
podendo ter uma própria seção transversal (constante na extensão do vão)
e com todos os apoios capazes de oferecer reação vertical. Os
carregamentos devem ser constituídos de forças somente verticais
atuantes sobre o eixo da viga, e de momentos cujos planos de rotação é o
mesmo dessas forças.

No modelo adotado, além de não haver forças externas horizontais,


também não levamos em conta as reações horizontais que os apoios
possam apresentar, por qualquer que seja o motivo. Em outras palavras,
consideramos que a viga é indeformável quanto ao esforço axial.
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

Nossas incógnitas hiperestáticas adotadas nesse modelo serão os


momentos atuantes nas seções transversais situadas sobre os apoios
internos. Nos externos são nulos.
Regras para numeração dos apoios:
 vãos são numerados da esquerda para direita, a partir de 0, bem como
os respectivos vãos L e momentos de inércia I de suas seções transversais;
 os apoios são numerados da esquerda para a direita, a partir de 0.

Em princípio, todos os momentos fletores incógnitos são supostos


positivos, ou seja, tracionam a parte inferior das respectivas seções
transversais e comprimem a superior.
Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

Equação dos 3 momentos:

Li 1 Li R *i ' R *i ''
( Mi 1  2Mi )  (2Mi  Mi 1 )  6(  )
E i 1 Ii 1 E i Ii E i  1 Ii  1 E i Ii

No caso particular – que ocorre com frequência na prática – em que todos


os vãos possuem a mesma seção transversal (e portanto mesmo momento
de inércia) a expressão simplifica-se:

(Mi 1  2Mi )Li 1  (2Mi  Mi 1 )Li  6(R*i ' R*i '')


Universidade Federal de Pelotas
Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias

Momentos máximos:

qL2
Mmax 
8

PL
Mmax 
4

Pab
Mmax 
L