Você está na página 1de 8

Relatório do Trabalho de PRU – Parte 2 Renan Becker – MIEA 2012169275

Patrícia Coelho – MIEA 2012165554

Trabalho de Planeamento Regional e Urbano, Parte 2

Problema ID 65556W92S342

Renan Vinicius de Barros Becker – MIEA ID 2012167295

Patrícia Coelho – MIEA ID 2012165554

Página 1 de 8
Relatório do Trabalho de PRU – Parte 2 Renan Becker – MIEA 2012169275
Patrícia Coelho – MIEA 2012165554

SUMÁRIO DOS RESULTADOS

Questão 1.

Zona Sup. Logradouros [ha] Sup. Arruamentos locais [ha]


A 0 0
B 0,521999979 0,26099999
C 1,231333288 0,615666644
D 0 0
E 0,985142844 0,492571422
F 0,561333338 0,280666669
G 0 0
H 0,465142877 0,232571438
I 0,753999996 0,376999998
TOTAL 4,518952322 2,259476161

Densidade de população Bruta calculada


Zonas 2011 2026 (sem urbanizar) 2026 (urbanizando)
B 119,2084013 350,5057798 201,4780385
C 239,5976911 295,7961161 295,7961161
F 236,2661107 289,6464669 289,6464669
I 119,4334745 339,941802 199,2095228

Questão 2.

MATRIZ NORMALIZADA
EST 1 EST 2 EST 3 EST 4 PESO
Crit 1 0,904875 0,743914 1 0 40
Crit 2 0 0 0,3 1 30
Crit 3 1 0,89615 1 0 10
Crit 4 0,630657 0,03678 1 0 20
Vk 58,80815 39,45365 79 30

Questão 3.

VAL = -C0 + bl/a


C0 350.000,00
Benefícios 1.862.829,13
Custos 700,00
bl 1.862.129,13
a 0,05
VAL (opção B) 36.892.582,54

Opção A Opção B
Custo construção 0 350.000,00
Operação fixos 700 1.400,00
Operação variáveis 1.504.361,25 1.805.234
Custo transporte 2.456.621,92 593.793

Página 2 de 8
Relatório do Trabalho de PRU – Parte 2 Renan Becker – MIEA 2012169275
Patrícia Coelho – MIEA 2012165554

Questão 1.

A Análise Urbanística é realizada para descrever o estado de um dado território em


termos da ocupação e utilização do solo, de equipamentos, infraestruturas e serviços, e para
fornecer apoio técnico sobre as medidas e ações a se desenvolver para se alcançar objetivos
predeterminados.

A região considerada na primeira questão é constituída pela Cidade 1 (dados


populacionais já apresentados anteriormente) e, a partir dos dados nos fornecidos na folha de
enunciado e da planilha de Excel anterior, pode-se caracterizar da seguinte forma esta Cidade:
Zona Uso do Solo População (2011) Número de pisos Área de implantação
A Industrial 0 0 0
B Expansão 1783 1 5,21999979
C Dens.Baixa 12578 3 12,31333288
D Verde 0 0 0
E Dens.Alta 23424 7 9,851428441
F Dens.Baixa 5829 3 5,613333384
G Verde 0 0 0
H Dens.Alta 11179 7 4,651428768
I Expansão 2631 1 7,539999962
TOTAL 57424 - 45,18952322

Área Total de construção [ha] Area total [ha] Superfície de equipamentos [ha] Área coberta por habitantes [ha/hab]
0 100 0 0
5,21999979 200 2,69 0,00292765
36,93999863 200 23,56 0,002936874
0 200 0 0
68,95999908 200 48,19 0,002943989
16,84000015 100 11,48 0,002889003
0 200 0 0
32,56000137 100 24,54 0,002912604
7,539999962 300 4,31 0,00286583
168,059999 1600 114,77 0,002926651

Para podermos atender a demanda da segunda parte desta questão (alínea b), necessitou-se
aprimorar os parâmetros obtidos através de mais cálculos, como poder ser visto a seguir:
Porcentagem de ocupação do solo (%) Ára coberta por habitantes [ha/hab] Capitação de equipamentos [ha/hab] D pop liq [hab/ha] D pop bruta [hab/ha]
0 0 0 0 0
2,609999895 0,00292765 0,001508693 297,0181695 199,1288865
6,156666438 0,002936874 0,001873112 888,2559592 328,0989196
0 0 0 0 0
4,92571422 0,002943989 0,002057292 2067,588043 390,3237949
5,613333384 0,002889003 0,001969463 902,9742766 319,9934113
0 0 0 0 0
4,651428768 0,002912604 0,002195187 2089,867447 371,1276127
2,513333321 0,00286583 0,00163816 303,425212 196,9606235
2,824345201 0,002926651 0,001998642 1104,988712 339,7921538

Página 3 de 8
Relatório do Trabalho de PRU – Parte 2 Renan Becker – MIEA 2012169275
Patrícia Coelho – MIEA 2012165554

D pop glob [hab/ha] Sup. Liquida [ha] Sup. Bruta [ha] Sup. Global [ha] I Util Liq I Util.Bruta I Util. Global
0 0,00 0,00 0,00 0 0 0
119,2084013 6,00 8,95 14,96 0,8695652 0,582979667 0,349000465
239,5976911 14,16 38,34 52,50 2,6086957 0,96358512 0,703668181
0 0,00 0,00 0,00 0 0 0
328,339202 11,33 60,01 71,34 6,0869565 1,149108971 0,966627009
236,2661107 6,46 18,22 24,67 2,6086957 0,924462017 0,68257357
0 0,00 0,00 0,00 0 0 0
315,1601274 5,35 30,12 35,47 6,0869565 1,080947811 0,917936683
119,4334745 8,67 13,36 22,03 0,8695652 0,564455756 0,34227609
259,8778149 51,97 169,00 220,97 3,2339162 0,994452999 0,76057163

Com auxílio das normas do Regulamento de Salubridade das Edificações Urbanas -


RGEU (apresentadas abaixo), chegou-se na elaboração final das áreas de expansão da Cidade 1
devido a população crescente já prevista, no trabalho anterior, para o ano de 2026.

Apesar da importância destas normas nacionais de Portugal, foram utilizadas para fins
deste trabalho apenas as informações a cerca da empena e da altura dos pisos.

Todas as variáveis referidas até o momento foram obtidas a partir das fórmulas abaixo:

Página 4 de 8
Relatório do Trabalho de PRU – Parte 2 Renan Becker – MIEA 2012169275
Patrícia Coelho – MIEA 2012165554

RGEU
altura dos pisos (m) 2,7
empensa (m) 15

Densidade de população Bruta calculada


Zonas 2011 2026 (sem urbanizar) 2026 (urbanizando)
B 119,2084013 350,5057798 201,4780385
C 239,5976911 295,7961161 295,7961161
F 236,2661107 289,6464669 289,6464669
I 119,4334745 339,941802 199,2095228

Nota-se que se aumentarmos a população e deixando as áreas como áreas de expansão, as


mesmas terão densidade populacional bruta maior que as áreas de densidade baixa, assim se faz
necessário que as áreas sejam urbanizadas e transformadas de áreas de expansão para áreas de
densidade baixa.

Questão 2.

Nesta questão é proposto o estudo de implantação de um equipamento (um hospital) em


três locais diferentes da cidade, assim como o estudo a cerca da viabilização desta obra através de
uma análise multicritério.

Estas foram as estratégias propostas e os critérios determinados:


ESTRATÉGIAS CRITÉRIOS
EST 1 hospital na cidade 2 Crit 1 Acessibilidade a rede de hospitais
EST 2 hospital na cidade 3 Crit 2 Custo de construção
EST 3 hospital no nó 8 Crit 3 Número de utentes por hospital
EST 4 não construir hospital Crit 4 Tempo máx de viagem ao hospital

Para se compreender melhor as distâncias, elaborou-se a seguinte imagem (baseado nos


dados fornecidos no Excel):

Como é fácil de se perceber, a Cidade 3 é a mais distante da Cidade 1, por isto foi
escolhida como uma das estratégias.

Página 5 de 8
Relatório do Trabalho de PRU – Parte 2 Renan Becker – MIEA 2012169275
Patrícia Coelho – MIEA 2012165554

A partir disto pode-se facilmente estudar os quatro de critérios de forma independente:


ACESSIBILIDADE - Crit 1 (d/v)*População
POPULAÇÃO 2011
EST 1 EST 2 EST 3 EST 4 EST 1 EST 2 EST 3 EST 4
C1 0 0 0 0 Cidade_1 57424 0 0 0 0
C2 0 57,52 19,18 75,17 Cidade_2 19159 0 18367,09 6124,494 24003,03
C3 57,52 0 50,02 106,01 Cidade_3 16040 15377,01 0 13372,01 28340,01
C4 66,71 48,74 47,53 69,7 Cidade_4 14055 15626,82 11417,35 11133,9 16327,23
C5 28,94 28,58 37,27 93,26 Cidade_5 10081 4862,402 4801,916 6261,981 15669,23
C6 73,26 104,1 54,08 25,03 Cidade_6 8787 10728,93 15245,45 7920,016 3665,644
C7 36,09 66,93 16,91 39,08 Cidade_7 8175 4917,263 9119,213 2303,988 5324,65
TEMPO 0,385223 0,440851 0,352349 0,697944177 SOMA 133721 SOMA 51512,42 58951,01 47116,39 93329,79

CUSTO - Crit 2
EST 1 500
EST 2 500
EST 3 350
EST 4 0

UTENTES POR HOSPITAL - Crit 3


HOSPITAL 1 NOVO HOSPITAL
C1 - C6 C2 - C3 - C5 - C4 - C7
66211 67510
EST 1 0,495142872 0,504857128 -0,009714256
C1 - C6 - C7 C2 - C3 - C5 - C4
74386 59335
EST 2 0,556277623 0,443722377 0,112555246
C1 - C6 C2 - C3 - C4 - C5 - C7
66211 67510
EST 3 0,495142872 0,504857128 -0,009714256
C1 - C2 - C3 - C4 - C5 - C6 - C7
133721
EST 4 1 1

TEMPO DE VIAGEM - Crit 4


Dist. Tempo (h)
EST 1 C6 ao hospital 2 73,26 1,221
EST 2 C6 ao hospital 3 104,1 1,735
EST 3 C6 ao nó 8 54,08 0,901333333
EST 4 C3 ao hospital 1 106,01 1,766833333

Por fim, fora construída a matriz de estratégias e feita a sua normalização:


MATRIZ NÃO NORMALIZADA MATRIZ NORMALIZADA
EST 1 EST 2 EST 3 EST 4 TIPO EST 1 EST 2 EST 3 EST 4 PESO
Crit 1 0,385223 0,440851 0,352349 0,697944177 Custo Crit 1 0,904875 0,743914 1 0 40
Crit 2 500 500 350 0 Custo Crit 2 0 0 0,3 1 30
Crit 3 0,009714 0,112555 0,009714 1 Custo Crit 3 1 0,89615 1 0 10
Crit 4 1,221 1,735 0,901333 1,766833333 Custo Crit 4 0,630657 0,03678 1 0 20
Vk 58,80815 39,45365 79 30

Após estes cálculos chegamos à conclusão de que sim, um novo hospital é viável, e que
sua melhor localização (dentre as opções fornecidas) se dá no Nó 8 (Estratégia 3 com Vk mais
alto). Isto ocorre principalmente por esta localização ser central na região de estudo e pelo custo
de construção ser reduzido neste ponto (quando em comparação com a Cidade 2 e 3), e isto
acabou por se refletir nos seus valores excelentes obtidos na matriz normalizada.

Como este equipamento deu-se por alojar com melhor desempenho no Nó 8, de forma
natural, não foi preciso alterar os valores de custo para que tal resultado fosse obtido.

Página 6 de 8
Relatório do Trabalho de PRU – Parte 2 Renan Becker – MIEA 2012169275
Patrícia Coelho – MIEA 2012165554

Questão 3.

Nesta última análise, realizamos o estudo de viabilidade econômica do empreendimento


comparando-o como uma situação aonde apenas a Cidade 1 continuaria possuindo um Hospital
para atender a toda a região. Empregaram-se novamente os dados em relação as distâncias entre
as cidades, estes obtidos na questão anterior.

Este estudo se deu em duas fases, a Opção A (apenas um hospital) e a Opção B (dois
hospitais).

OPÇÃO A - Hospital em 1

Cidades População 2011


1 57424
2 19159
3 16040
4 14055
5 10081
6 8787
7 8175
TOTAL 133721

Cálculo - Custos variáveis


total de consultas anuais 60174,45
> 50000 25
Cvar. 1.504.361,25

Cálculo - Custo Transporte


Cidade 1 Cidade 2 Cidade 3 Cidade 4 Cidade 5 Cidade 6 Cidade 7
distância (ida e volta) Cidade 1 0 150,34 212,02 139,4 186,52 50,06 78,16
Dist. TOTAL 816,5
Ctrans. 2.456.621,92

CUSTOS
Cconst. 0
Cfixos 700
Cvar. 1.504.361,25
Ctrans. 2.456.621,92

Conforme se percebe pelos dados abaixo, o cálculo do VAL reafirma a escolha de se


implementar um Hospital no Nó 8. Assim os custos que são reduzidos com transporte fazem
compensar o empreendimento, além do fato deste novo equipamento otimizar o tempo levado até
o atendimento médico e fornecer à população um serviço de saúde regional que atenderá a mais
de 50% da população.

Página 7 de 8
Relatório do Trabalho de PRU – Parte 2 Renan Becker – MIEA 2012169275
Patrícia Coelho – MIEA 2012165554

OPÇÃO B - Hospital em 1 e 8

Cidades População 2011


1 57424
2 19159
3 16040
4 14055
5 10081
6 8787
7 8175

Cálculo - Custos variáveis


População que vai pra 1 66211
População que vai pra 8 67510
Consultas anuais em 1 29.795
Consultas anuais em 8 30.380
< 50000 30
Cvar.1 893.849
Cvar.2 911.385
Cvar. Total 1.805.234

Cálculo - Custo Transporte

Cidade 1 Cidade 6
distância (ida e volta) Cidade 1 0 50,06
Dist. Total 50,06
Ctrans. 1 74.577

Cidade 2 Cidade 3 Cidade 4 Cidade 5 Cidade 7


distância (ida e volta) Nó 8 38,36 100,04 95,06 74,54 33,82
Dist. Total 341,82
Ctrans. 8 519.216

Ctrans. Total 593.793

CUSTOS
Cconst. 350.000,00
Cfixos 1.400,00
Cvar. 1.805.234
Ctrans. 593.793

VAL = -C0 + bl/a


C0 350.000,00
Benefícios 1.862.829,13
Custos 700,00
bl 1.862.129,13
a 0,05
VAL (opção B) 36.892.582,54

Opção A Opção B
Custo construção 0 350.000,00
Operação fixos 700 1.400,00
Operação variáveis 1.504.361,25 1.805.234
Custo transporte 2.456.621,92 593.793

Página 8 de 8