Você está na página 1de 7

ITAV – INSTITUTO TEOLÓGICO ANGLICANO DE VOTORANTIM

DISCIPLINA: Liturgia Anglicana


PROFESSOR: Frei James OSF
ANO LETIVO: 2018.1

Oração Eucarística (Anáfora): o Para descrever a estrutura das anáforas à


medida que se tornou padronizada a partir do
coração litúrgico da igreja e seu ca-
século IV, podemos observar a estrutura das
ráter epiclético Anáforas na família de ocidental, que exibem
1 uma ordem e lógica que não encontra igual
Rev. Alcides Silva TOSF
em nenhum outro lugar. Esta estrutura ainda
é válida, com algumas variações significativas
É a parte mais solene da liturgia, durante
típicos de cada rito, para a Igreja Católica,
a qual as oferendas de pão e vinho são con-
Oriental e Igreja Ortodoxa Oriental, enquanto
sagradas como o corpo e o sangue de Cristo.
ele foi modificado, tanto no padrão e na teolo-
Este é o nome usual para esta parte da litur-
gia subjacente, durante a Reforma Protestan-
gia no cristianismo oriental de língua grega.
te. Começando com o Movimento de Oxford,
Nas tradições cristãs ocidentais que têm um
da década de 1840, e após o Movimento de
rito comparável, a Anáfora é mais frequente-
Reforma Litúrgica da década de 1950, um
mente chamada de Oração Eucarística. Aná-
exame sistemático de anáforas históricas co-
fora é uma palavra grega (ἀναφορά) que sig-
meçou e isso, por sua vez, provocou a refor-
nifica levar para trás (daí o seu significado em
ma de muitas orações eucarísticas nas de-
retórica e linguística) ou um carregamento, e
nominações protestantes principais.
assim uma oferta (daí o uso em referência à
A estrutura da anáfora antioquina padro-
oferta de sacrifício a Deus). Na linguagem
nizada do século IV, que é colocada após o
sacrificial da versão grega do Antigo Testa-
ofertório e o Credo e vêm antes da Oração do
mento conhecida como a Septuaginta, προσ-
Senhor, os ritos Elevação e Comunhão, pode
φέρειν (prospherein) é usado como o ofertan-
ser resumida da seguinte forma:
te trazendo a vítima para o altar, e ἀναφέρειν
 Sursum Corda ou Diálogo de abertu-
(anapherein) é usado como oferta do sacerdo-
ra: é o diálogo introdutório que se abre com
te conduzida até a parte selecionada sobre o
uma saudação litúrgica pelo sacerdote (por
altar (veja, por exemplo, Levítico 2:14, 2:16,
exemplo, "O Senhor esteja convosco" no Rito
3:1, 3:5).
Romano, ou "A graça de nosso Senhor Jesus
Cristo e o amor de Deus Pai e a comunhão do
Sacramentário2 Gelasiano3 do século
Espírito Santo sejam convosco” no Rito Bizan-
VIII
tino) e a resposta da congregação ou coro. O
1 chamado e a resposta clássicos unem a res-
É reverendo anglicano em Natal/RN, associado à Diocese Anglicana de Votoran-
tim/SP; Licenciado em Letras – UNP; Bacharel em Teologia – STEN; Convalidação posta do sacerdote e da congregação à Glória
de Teologia pelo IEP/FACEL Natal; Mestrado livre no NT; Especialização em Leitura de Deus. Então o sacerdote exorta os que
e Produção Textual – UFRN; Mestrando em Educação – UFRN; Professor de
Gramática e Redação para concursos; Professor de Grego, Hebraico e Exegeses do participam da liturgia a levantar seus cora-
AT e NT pelo STEN; Professor convidado da UNIASSELVI, FACEL E FAEL. ções. Quando expressam o seu acordo ("Nós
Prof.alcidesilva@hotmail.com

2 Nascido em Roma, Gelásio era de origem africana, culto, inteligente e dotado de


Livro litúrgico anterior ao missal que continha as orações usadas pelo sacerdote personalidade forte. Cristão fervoroso, era conselheiro do papa Félix III, que vinha
na Celebração Eucarística ou missa. Era costumeiramente usado na companhia de tentando conciliar as igrejas do Ocidente e do Oriente. Em 492, com a morte do
outros livros litúrgicos, como o gradual, o evangeliário e o epistolário. Na baixa Idade papa, ele foi eleito sucessor para dar continuidade a essa política, o que não conse-
Média esses livros começaram a ser combinados para possibilitar uma liturgia guiu por causa da oposição do imperador Anastácio I.
celebrada sem coro e sem ministros auxiliares. Esse foi o ensejo que precisava para Papa Gelásio I muito fez para a manutenção da doutrina recebida dos apósto-
o surgimento do Missal Completo ou Missale Plenum. los, combatendo e tentando eliminar as heresias dos sacerdotes Mane e Pelágio.
3 Este nome foi atribuído na França a uma coleção litúrgica romana, importada pelos
Foi o primeiro pontífice a expressar a máxima autoridade do bispo de Roma sobre
gauleses entre 628 e 731, bem depois de São Gregório Magno, mas bem antes do toda a Igreja. Deixou isso claro em uma carta escrita por ele a Anastácio I, na qual
pontificado de Adriano I. O original romano sofreu na França grandes modificações, se faz uma nítida distinção entre poder político e poder religioso.
e por esta razão que esta coleção exige uma crítica e uma seleção bem cuidada, a Também desenvolveu um grande trabalho de renovação litúrgica. Organizou e
fim de que seus documentos possam testemunhar os usos litúrgicos de Roma presidiu o sínodo de 494, no qual saiu aprovada a grande renovação litúrgica da
anteriores a Carlos Magno. A introdução do sacramentário gregoriano na França Igreja. Assim, ele instituiu o Sacramentário Gelasiano, para uniformizar as funções e
ameaçou, por um instante, obscurecer o renome da coleção gelasiana, mas tendo- ritos das várias igrejas. Trata-se do decreto que, levando o seu nome, contém cerca
se mostrado o livro de São Gregório insuficiente para o uso cotidiano das igrejas, ele de cinquenta prefácios litúrgicos, uma coletânea de orações para recitar durante a
foi aumentado e enriquecido com elementos emprestados àquele atribuído ao papa missa. Atualmente, esse e os outros decretos que assinou fazem parte do acervo do
Gelásio, o qual, graças a esta fusão, deixou numerosos traços mesmo na atual Museu Britânico.
liturgia romano-franca. FONTE: http://www.salvemaliturgia.com/2010/08/beato-cardeal-schuster-santa-liturgia_14.html
os levantamos para o Senhor"), ele então a- Ritos sírios do leste, a Epiclese é apenas an-
presenta o grande tema da ação de graças, tes da doxologia final e, em um caso, falta a
em grego εὐχαριστία (eucharistia), dizendo: narrativa da instituição; As Intercessões po-
"Dê graças ao Senhor nosso Deus". dem ser encontradas após o Prefácio no Rito
 Prefácio: é a grande oração de ação Alexandrino e mesmo antes do Sursum Corda
de graças pelo trabalho da Salvação ou por no Rito Moçárabe. Uma Epiclese4 pode ser
algum aspecto especial dele;
 Sanctus: é um hino de louvor, adapta-
4 A epiclese, do grego antigo: ἐπίκλησις"invocação" ou "chamar de alto", é a parte
do de Isaías 6: 3, iniciando o Santo, Santo, da Anáfora (Oração Eucarística) pela qual o sacerdote invoca o Espírito Santo (ou o
Santo imediatamente seguido pelo Benedictus poder de Sua benção) sobre o pão e o vinho eucarístico em algumas igrejas cristãs.
Na maioria das tradições cristãs orientais, a Epiclese vem após a Anamnese
tirado de Mateus 21: 9. Este hino geralmente (lembrança das palavras e ações de Jesus); no Rito Ocidental geralmente precede.
é introduzido pela expressão do desejo da Igrejas orientais: Enquanto na Igreja Católica Romana, as Palavras da Institui-
ção são consideradas como o momento da Transubstanciação (quando, de acordo
comunidade de unir-se com a liturgia angélica com a tradição religiosa, os elementos eucarísticos mudariam de pão e vinho para o
celestial; segue também as palavras de Cris- Corpo e Sangue de Cristo), as Igrejas Ortodoxas Orientais Não segure essa crença.
Em vez disso, acredita-se que o Epiclese seja o momento em que essa mudança é
to, tiradas de Mt 23:39: "Porque eu digo a vo- completada. No entanto, o processo real de mudança não é considerado para
cê, não me verá doravante até que você diga: começar neste momento, mas começa com a Liturgia de Preparação - é meramente
completado no Epiclese. Isto é ilustrado em uma das orações de abertura do Serviço
"Bem-aventurado aquele que vem em nome Preparatório usado na Liturgia da Igreja Ortodoxa Etíope: Quão cheio de admiração
do Senhor", sendo uma citação de Salmo é neste dia e quão maravilhosa é esta hora em que o Espírito Santo descerá do céu
e ofuscará e santificará esse sacrifício.
118: 26. A Epiclese é considerada essencial para a validade do Sacro Mistério (sacra-
 Post-Sanctus: é uma oração que une mento), e no século XX, quando as paróquias ortodoxas do Rito Ocidental começa-
ram a ser estabelecidas, era necessário adicionar uma Epiclese aos seus ritos
o Sanctus com a parte a seguir. Pode ser mui- eucarísticos, se não fosse Já estava lá (por exemplo, as paróquias que desejavam
to curto ou retomar o grande tema de ação de usar o Missal Anglicano).
Na Liturgia de São Tiago, de acordo com a forma em que se celebra na ilha
graças, dando lugar aos seguintes pedidos. de Zakynthos, na Grécia, a anáfora é a seguinte:
 A narrativa da instituição: é um relato Sacerdote (em voz alta): O teu povo e a Tua Igreja te imploram. (três vezes)
Pessoas: Tenha piedade de nós, Senhor Deus, o Pai, o Todo-Poderoso. (três vezes)
da Última Ceia, na qual são pronunciadas as O Sacerdote, em voz baixa: Tenha piedade de nós, Senhor Deus, o Pai, o Todo-
Palavras da Instituição faladas por Jesus Cris- Poderoso. Tenha piedade de nós, Deus nosso Salvador. Tenha piedade de nós, ó
Deus, de acordo com a sua grande misericórdia, e envie estes presentes sagrados,
to, mudando o pão e o vinho para o Seu Cor- aqui expõe: O seu todo-Espírito Santo, (curvando) o Senhor e doador da vida,
po e Sangue. entronizado com Ti, Deus e Pai e seu Filho unigênito, co-reinado, consubstancial e
coeterno, que falou pela Lei e pelos Profetas e pela Sua Nova Aliança, que desceu
 Anamnese: é a afirmação em que a I- sob a forma de uma pomba sobre o nosso Senhor Jesus Cristo no rio Jordão, e
greja se refere ao caráter memorial da própria descansou sobre ele, que desceu sobre os teus santos apóstolos sob a forma de
línguas ardentes no quarto superior no dia de Pentecostes. (Levantando-se) O
Eucaristia e/ ou à paixão, ressurreição e as- mesmo Espírito todo-santo, Senhor, envie-nos e sobre estes presentes aqui estabe-
censão de Cristo. lecidos,
(em voz alta): que, tendo vindo pela sua santa, boa e gloriosa presença, pode
 Oblação: é a oferenda ao Senhor do santificar este pão e torná-lo o corpo santo de Cristo,
sacrifício do pão e vinho eucarístico e das Pessoas: Amém.
Sacerdote: e este Copo (cálice) o precioso Sangue de Cristo,
orações e ação de graças dos fiéis. Pessoas: Amém.
 Epiclese: é a "invocação" ou "chamado O sacerdote assina os presentes sagrados e diz em voz baixa: para que se tor-
ne para todos aqueles que participam deles para perdão de pecados e vida eterna.
de alto" pelo qual o sacerdote invoca o Espíri- Para a santificação de almas e corpos. Para uma colheita frutuosa de boas obras.
to Santo (ou o poder de Sua benção ou Cristo Para o fortalecimento de sua Igreja santa, católica e apostólica, que você encontrou
na rocha da fé, para que as portas do inferno não possam prevalecer contra ela,
em alguns textos iniciais) sobre o pão e o vi- libertando-a de todas as heresias e dos escândalos causados pelos que praticam a
nho eucarísticos; iniquidade, e dos inimigos que surgem e atacam, até a consumação da era.
Na Divina Liturgia de São João Crisóstomo, uma epiclese está presente (ex-
 Intercessões: é a oração, por vezes plícita); o padre diz:
longa, na qual a Igreja pede a Deus que ajude Sacerdote: Mais uma vez oferecemos a Ti este culto espiritual e sem sangue; e nós
imploramos a Ti, nós te pedimos, nós te oramos: Mande o Teu Espírito Santo sobre
todos os seus membros, vivos e mortos, e nós e sobre estes presentes estabelecidos.
toda a humanidade por causa da graça dada (Diácono: [apontando com o seu orador para as partículas]: Abençoe, Mestre, o Pão
Sagrado)
pela Eucaristia. Nesta seção geralmente há Sacerdote: Faça deste pão o precioso corpo de seu Cristo,
pedido para Deus para conceder aos crentes (Diácono: [apontando para o cálice]: Amém. Abençoe, Mestre, a Sagrada Copa.)
Sacerdote: E o que está nesta Copa, o Precioso Sangue de Tua Cristo,
a mesma glória dada a Maria e aos santos. A (Diácono: [apontando para ambos]: Amém. Abençoe ambos, Mestre)
lista das pessoas vivas que são comemora- Sacerdote: Mudando pelo Teu Espírito Santo.
(Diácono: Amém, Amém, Amém.)
das (dípticos) inclui geralmente o nome do Na Liturgia de São Basílio, o Grande de acordo com o recentismo grego das
atual papa, patriarca, bispo reconhecido pela orações, as ações litúrgicas descritas acima para a Liturgia de São João Crisóstomo
são as mesmas. A fórmula é a seguinte:
comunidade; Sacerdote: Portanto, ó Santíssimo Mestre, pecadores e os teus servos indignos,
 Doxologia: é um hino solene de louvo- tendo sido obrigado a ministrar no teu santo Altar, não por causa da nossa justiça,
pois não fizemos o que é bom na terra, mas por causa de Tuas misericórdias e as
res à Trindade. tuas compaixões, que derramarás ricamente sobre nós, se atrevem a aproximar-se
Esta estrutura pode ter variações em fa- do teu Sagrado Altar; e tendo apresentado os emblemas sagrados do Corpo e do
Sangue de Cristo, nós te oramos, e nós te invocamos: Ó Santo dos Santos, pelo
mílias litúrgicas diferentes do antioqueno: nos favor de Tua bondade, envia o teu Espírito Santo sobre nós e sobre estes presentes
aqui apresentados, e abençoe-os, santifique e manifeste-os.
encontrada antes da narrativa da Instituição rativa da Instituição até a doxologia são com-
no Ritual de Alexandria, e este lugar da Epi- pletamente variáveis.
clese é o padrão no Canon Romano e nos
ritos latinos. Exemplos remanescentes
As anáforas são dirigidas pela Igreja ao Muitos textos antigos de anáforas sobre-
Pai, mesmo que na antiguidade existissem viveram, e mesmo que não mais utilizados,
casos de orações eucarísticas dirigidas a são úteis para traçar a história das anáforas e,
Cristo, como a anáfora de Gregório Nazian- em geral, a história da Eucaristia durante os
zeno ou parcialmente a Terceira Anáfora de séculos. A maioria desses textos tornou-se
São Pedro. A maioria das partes da anáfora, partes de anáforas ainda em uso.
como o Prefácio, a narrativa da instituição, a Os textos litúrgicos anteriores relaciona-
Epiclese, são sempre reservadas ao celebran- dos à celebração da Eucaristia são os capítu-
te, um bispo ou um sacerdote, enquanto os los IX e X da Didakê, mesmo que não haja
fiéis geralmente cantaram o Sanctus e algu- consenso entre os estudiosos se estes textos
mas aclamações, que podem ser mais ou se destinem a ser uma Eucaristia ou não.
menos frequentes e longos de acordo com o Temos a próxima Anáfora da Tradição Apos-
rito específico. Em algum momento, particu- tólica, chamada também a anáfora de Hipóli-
larmente no passado, tanto no Oriente quanto to, a Liturgia do sétimo livro das Constituições
no Ocidente, o celebrante principal disse uma Apostólicas e a Liturgia do oitavo livro das
parte de suas orações inaudivelmente ou co- Constituições Apostólicas que se desenvolve-
bertas pelo coro. ram na famosa Anáfora Bizantina agora parte
Os Ritos Orientais conhecem muitas aná- da Liturgia de São João Crisóstomo, através
foras, mas cada uma delas é quase comple- da versão grega perdida da Anáfora dos Doze
tamente invariável. Pelo contrário, a Igreja Apóstolos (de que temos uma versão síria
ocidental tinha, durante séculos, apenas uma posterior).
anáfora, o Canon Romano, mas tem partes O texto mais antigo da família basileana
variáveis de acordo com o ano litúrgico, prin- de anáforas foi encontrado em 1960, em uma
cipalmente o Prefácio. Em outros ritos latinos, versão copta saídica, possivelmente um texto
como no Ritmo Moçárabe ou no Rito Galicio escrito pelo próprio São Basílio, e estudiosos
também o pós-sanctus e a oração após a nar- recentes acreditam que este texto, unido à
anáfora descrita em Os Catecismos de São
Cirilo de Jerusalém, tem sido a base da Aná-
Diácono: [apontando com o seu orador para as partículas]: Abençoe, mestre, o pão fora de São Tiago, incluída na Liturgia de São
sagrado. Tiago. O presente texto bizantino da Anáfora
Sacerdote: E faça deste pão o corpo precioso de nosso Senhor e de Deus e Salva-
dor Jesus Cristo, incluído na Liturgia de São Basílio é o desen-
Diácono: [apontando para o cálice]: Amém. Abençoe, Mestre, a Sagrada Copa. volvimento final desta família anafórica.
Sacerdote: E o que está nesta Copa, o precioso Sangue próprio de nosso Senhor e
de Deus e Salvador Jesus Cristo, No Oriente, o texto mais antigo é prova-
Diácono: [apontando para ambos]: Amém. Abençoe ambos, Mestre. velmente a forma antiga da Anáfora de Addai
Sacerdote: que foi derramado pela vida do mundo e pela salvação.
Diácono: Amém, Amém, Amém. e Mari, seguida da Anáfora Maronita de São
Anglicanismo e Luterismo: Anglicanos nas orações, bem como os luteranos e Pedro (também chamada Sharar) e da Anáfo-
anáforas católicas antigas, tendem a seguir a prática oriental de tratar as Palavras
da Instituição como uma garantia para a ação, com a Epiclese após a anamne- ra de Mar Theodoro. Outra fonte importante é
se/oblação. Por exemplo, após as Palavras da Instituição, a epiclese na Oração a anáfora descrita nas Catequeses Mistagógi-
Eucarística B no Livro Americano da Oração Comum (que se encontra no Livro
Canadense de Serviço Alternativo e várias outras liturgias anglicanas) lê: "E ofere- cas de Theodoro de Mopsuestia.
cemos-lhe o nosso sacrifício de louvor e ação de graças, Senhor de todos, apresen- No Egito, temos a Anáfora de Barcelona,
tando-lhe, a partir da sua criação, este pão e este vinho. Nós rezamos, Deus gracio-
so, para enviar seu Espírito Santo sobre esses presentes para que sejam + o a Oração na Eucologia5 de Serapião, o Papiro
Sacramento do Corpo de Cristo e seu Sangue da nova Aliança. Uni-nos ao seu Filho
em seu sacrifício, para que possamos ser aceitáveis através dele, sendo + santifica-
do pelo Espírito Santo". 5 A Eucologia está intimamente ligada à outra disciplina teológica, a liturgia. É
Após as Palavras da Instituição no Livro de Adoração Luterano, por exemplo, a através dos textos eucológicos, da Liturgia da Palavra e dos próprios rituais que os
epiclese na Oração Eucarística III diz: temas teológicos emergem na Missa.
"E nós imploramos você com misericórdia para aceitar nosso louvor e ação de Cada celebração realça certo aspecto cristológico e teológico, respeitando tanto
graças e, com sua Palavra e Espírito Santo, para nos abençoar, seus servos, e o ano litúrgico como as várias e múltiplas ocorrências. Citando alguns exemplos,
estes seus próprios presentes de pão e vinho; que nós e todos os que compartilha- encontramos entre os temas teológicos do Mistério da Eucaristia, a encarnação de
mos o + corpo e o sangue do seu Filho pode ser preenchido com paz e alegria Deus, a paixão e morte de Jesus Cristo, a ressurreição, o Espírito Santo, a mariolo-
celestiais e, recebendo o perdão do pecado, pode ser + santificado em alma e gia - até que eles toquem a correlação entre Deus e homem com temas como
corpo, e tenha nossa porção com todos os seus santos". martírio, penitência, salvação, santidade etc.
Os teólogos luteranos e anglicanos também argumentaram que, em liturgias Mais explicitamente, os textos eucológicos são as orações chamadas "próprias"
anteriores das suas, em que uma Epiclese e uma unidade com o único sacrifício de presentes tanto na missa quanto na liturgia das horas. Tais orações são "partes
Cristo podem não ter parecido explícitas, foi declarado como o ponto da consagra- presidenciais", significando que elas devem ser recitadas ou cantadas apenas pelo
ção em outras partes do rito, notavelmente em requerido exortações. celebrante que preside o rito.
Dentro da Missa do Rito Romano, as orações apropriadas são:
Deir Balyzeh, o Papiro de Estrasburgo e a Santa Sé. Todas as novas Orações Eucarísti-
Anáfora antiga de São Marcos em grego, que cas seguem a estrutura antioquina com a no-
se desenvolveu na Liturgia Copta de São Ciri- tável diferença de que a Epiclese é colocada,
lo. de acordo com os usos da tradição romana,
Os estudiosos encontram semelhanças antes das Palavras da Instituição e não de-
estruturais entre as tradições Anáforas Ro- pois. As primeiras orações eucarísticas apro-
manas e egípcias, por exemplo, o Papiro de vadas são quatro:
Barcelona, bem como Deir Balyzeh Papyrus,  Oração Eucarística Nº. 1: É o antigo
incluem uma epiclese antes das Palavras de Canon romano com variações mínimas. Este
Instituição como no Canon Romano. O texto texto antigo é especialmente apropriado para
mais antigo semelhante ao Cânone Romano é os domingos, a não ser que, para as conside-
o citado em De Sacramentis de Ambrósio que rações pastorais, a Oração Eucarística III seja
incluem orações perto de orações da Canon, preferida.
como “Quam oblationem, Qui pridie, unde et  Oração Eucarística Nº. 2: Baseia-se
Memores, Supra quae - Suplices te”. O Canon na antiga Anáfora da Tradição Apostólica com
Romano as orações de comunicações, “Hanc algumas adaptações para ajustá-la às outras
igitur” e a pós-consagração “Memento etiam e orações. É bastante curto, por isso é apropri-
Nobis quoque” foram adicionadas no século ado para o uso do dia útil. Tem seu próprio
V, e alcançou praticamente sua forma atual Prefácio, baseado na Anáfora da Tradição
quando modificado por Gregório Magno (590- Apostólica, mas pode ser substituído pelo
604). Prefácio apropriado da Missa do dia;
 Oração Eucarística Nº 3: É uma nova
Oração Eucarística no Cristianismo O- composição que usa a estrutura antioquina
cidental preenchida com temas de Alexandrino e Ro-
Ao se referir aos usos cristãos do ociden- manos. Seu uso é preferido nos domingos e
te, o termo Oração Eucarística é mais usado dias de festa e deve ser usado com o próprio
do que anáfora, e em algum momento se refe- Prefácio do dia;
re apenas à porção da anáfora que começa  Oração Eucarística Nº. 4: É uma nova
após o Sanctus porque o Prefácio nos ritos composição com uma forte redação sacrificial
latinos é variável e segue o litúrgico ano. e um resumo mais completo da história da
Igreja Católica de Rito Romano Salvação. Tem seu próprio prefácio que não
Entre o Concílio de Trento e a reforma da pode ser substituído. Baseia-se em anáforas
Missa Católica (liturgia), realizada em 1969 orientais; especialmente a de São Basílio o
(ver Missa de Paulo VI), a única anáfora usa- Grande.
da no Rito Romano era o Canon Romano (ou Nos anos que se seguiram à reforma do
Canon da Missa). Papa Paulo VI, outras orações eucarísticas
Com a introdução em 1969 da Missa de foram autorizadas:
Paulo VI, foi permitido ter múltiplas escolhas  Quatro Orações Eucarísticas para Vá-
da Oração Eucarística, porém a autorização rias Necessidades e Ocasiões propostas pelo
de novas Orações Eucarísticas é reservada à Sínodo Suíço (algumas vezes denominadas
de Orações Eucarísticas do Sínodo Suíço)
 A coleta (lat: super populum collectum), que é a oração que precede a primeira foram aprovadas pela Santa Sé em 8 de a-
leitura. Seu desenvolvimento decorre da lembrança de alguma ação realizada por
Deus para seu povo ou de algumas de suas características, e nele pede a Deus que
gosto de 1974. Essas quatro orações, cons-
continue seu trabalho. A conclusão da coleção é a fórmula trinitária, ou seja, muito truídas como uma única oração com quatro
"por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus e vive e reina contigo e o
Espírito Santo, pelos séculos dos séculos", ou fórmulas similar.
temáticas variações foram autorizadas a ser
 A oração sobre as oblatas, que é recitado após irmãos oração e também está usadas na França desde 1978, na Itália desde
incluído no Missal, porém, especialmente em dias de semana, pode ser tirada a 1980, e a versão em inglês foi aprovada em
partir de um repertório de orações comuns. A conclusão é curta: "por Cristo, nosso
Senhor" ou "Aquele que vive e reina para todo o sempre". Com esta oração, o 1995;
sacerdote associa as pessoas ao sacrifício que está prestes a ser realizado.  Duas orações eucarísticas para missas
 O prefácio, que segue imediatamente a oração sobre as ofertas e é uma ação de de reconciliação foram aprovadas provisoria-
graças mais elaborada. Comece com um diálogo entre o celebrante e os fiéis e
continua com as palavras "é realmente tudo muito bem para dar graças a Você" e mente (ad experimentum) em 1975;
desenvolve um tema de tempo litúrgico, a história da salvação ou santo que se
celebra. No missal romano existem 117 prefácios, além daqueles usados em rituais
 Três orações eucarísticas para missas
particulares. com crianças também foram aprovadas provi-
 A oração depois da Comunhão, o último dos textos eucológica. É recitado soriamente em 1975.
depois da comunhão dos fiéis pedirem que os dons espirituais recebidos na celebra-
ção frutifiquem na vida cotidiana.
Outros ritos latinos na Igreja Católica de graças, e a nós mesmos", refletindo a teo-
Uma característica típica dos ritos latinos logia do patrimônio anglicano de Thomas
diferentes do Rito Romano é a grande variabi- Cranmer e do Metodismo em geral.
lidade de porções do Canon Romano que
mudam de acordo com o ano litúrgico e a Ritos Antiocênios
Missa. O Rito Moçárabe tem como textos va- Esta importante família litúrgica inclui mui-
riáveis a Illatio (isto é, o Prefácio), o Post- tas anáforas históricas bem estudadas, como
Sanctus e o Post-Pridie, essa é a oração en- a Anáfora da Tradição Apostólica, a Liturgia
tre a narrativa da Instituição e a doxologia em do sétimo livro das Constituições Apostólica
lugar das Intercessões que são colocadas se a Liturgia do oitavo livro das Constituições
antes do Sursum Corda. No Rito Galicano, o Apostólicas. As principais anáforas atualmen-
Prefácio é chamado Contestatio ou Immolatio te utilizados nesta família são os seguintes,
e a narrativa da Instituição é chamada Secre- divididos por ritos:
ta ou Mysterium
O Rito Ambrosiano durante os séculos Anáfora no Rito Bizantino
perdeu sua variedade antiga, mesmo que O Rito Bizantino usa três anáforas, que
mantenha uma riqueza de escolhas para o são a parte central das Liturgias que tomam o
Prefácio e sua primeira Oração Eucarística é mesmo nome:
ligeiramente diferente do romano principal-  A Anáfora de São João Crisóstomo;
mente nas Palavras da Instituição. Recente-  A Anáfora de São Basílio, uma vez uti-
mente, duas antigas orações eucarísticas an- lizada ao longo do ano, e agora usada apenas
tigas típicas foram restauradas, para serem em alguns domingos e festas;
usadas principalmente na Páscoa e quinta-  A Anáfora de São Tiago
feira santa. A anáfora é introduzida com o diálogo i-
naugural entre sacerdote e coro / congrega-
Comunhão Anglicana e Rito Ocidental ção:
Ortodoxo O sacerdote canta: "A graça de nosso Senhor
A Ortodoxia do Rito Ocidental usa adap- Jesus Cristo e o amor de Deus Pai e a comu-
tações aos Ortodoxos do Canon Romano (Li- nhão do Espírito Santo sejam com vocês to-
turgia Divina de São Gregório) ou do Livro dos".
Anglicano de Oração Comum (Divina Liturgia O coro / congregação responde: "E com o teu
de São Tikhon) ou reconstruções próprias de espírito".
antigas liturgias galicanas (Liturgia de São Sacerdote: "Vamos levantar nossos cora-
Germano ou A Liturgia de São João Divino). ções".
Coro / Congregação: "Nós os levamos ao Se-
Rito Metodista nhor".
A Igreja metodista unida tem vinte e duas Sacerdote: "Dê graças ao Senhor".
orações eucarísticas que são modeladas no Coro / Congregação: "É justo e justo adorar o
padrão do padrão antioquino; estes estão Pai, o Filho e o Espírito Santo, a Trindade em
contidos no livro de adoração. A noção de um essência e indivisa".
sacrifício de louvor e ação de graças, que re- Enquanto a resposta acima é cantada, o
monta a Ireneu, é enfatizada na anamnese e sacerdote começa a rezar a primeira parte da
oferta da Igreja Metodista Unida: “E assim, anáfora silenciosamente, embora em alguns
lembrando-se desses atos de sua força em lugares isso seja dito em voz alta. Esta seção,
Jesus Cristo, nos oferecemos como um sacri- correspondente ao Prefácio no Rito Romano,
fício santo e vivo, em união com a oferta de agradece a Deus pelos mistérios da criação,
Cristo para nós”, enquanto proclamamos o redenção e santificação. É seguido pelo coro
mistério da fé: “Cristo morreu..." O Rito Meto- e congregação cantando o Sanctus.
dista, como com a liturgia presbiteriana, colo- Depois que o Sanctus segue uma recapi-
ca a Aclamação Memorial após a anamnese e tulação da história da salvação, especialmen-
oferta. Tanto na Igreja Metodista da Grã- te a encarnação, e conduz às palavras de Je-
Bretanha como na Igreja Metodista Unida, o sus sobre o pão e o vinho na Ceia Mística,
pós-Sanctus passou quase imediatamente como os cristãos orientais frequentemente se
para a Narrativa da Instituição. Além disso, a referem à Última Ceia: "Pegue, coma, este é
"oferta foi o nosso sacrifício de louvor e ação meu corpo, que é quebrado para você, para o
perdão dos pecados" e "Beba tudo isto, este é As anáforas atualmente utilizadas pelo Ri-
o meu sangue do Novo Testamento, que é to Siro-Antioquino (ou Rito Sírio Ocidental)
derramado por você e por muitos para o per- são numerosos e os principais são:
dão dos pecados". O sacerdote sempre diz  Anáfora dos Doze Apóstolos;
estas palavras em voz alta, e a congregação  Anáfora de São Tiago, uma anáfora di-
e o coro respondem: "Amém!". ferente do Rito Bizantino;
O presbítero continua com a Anamnese  Anáfora de São Marcos, o Evangelista;
em que faz referência ao comando de Jesus,  Anáfora de São Pedro;
pelo menos implicitamente, para "fazer isso  Anáfora de São João Evangelista;
em memória de mim" e afirma que os presen-  Anáfora de São Xistus de Roma;
tes de pão e vinho são oferecidos a Deus em  Anáfora de São Julião de Roma;
memória da vida, a morte e a ressurreição de  Anáfora de São João Crisóstomo, uma
Jesus, e a segunda vinda. Ele culmina com a anáfora diferente do Rito Bizantino;
oblação em que o pão e o vinho são levanta-  Anáfora de São Cirilo de Alexandria;
dos enquanto o sacerdote exclama: "O seu  Anáfora de São Severo de Antioquia.
próprio de seu próprio, nós oferecemos a vo-
cê em nome de todos e para todos". Armênio
Enquanto as pessoas cantam um hino de O Rito armênio, usado principalmente pe-
ação de graças e súplica, o presbítero reza a la Igreja Apostólica Armênia, usa atualmente
epiclese. Deus, o Pai, é invocado para enviar a Anáfora de São Atanásio.
o Espírito Santo para que, de acordo com a
Divina Liturgia de São João Crisóstomo, "faça Outros
deste pão o corpo precioso de seu Cristo... e A Igreja copta, mesmo que seu próprio ri-
o que está nesta taça o Sangue precioso de to seja o Rito de Alexandria, usa duas anáfo-
seu Cristo... mudando-os pelo seu Espírito ras que pertencem à tradição literal dos ritos
Santo". Este é o ponto mais solene da anáfo- antioquinos:
ra, pois é a partir desse ponto que o pão e o  Anáfora de São Basílio, uma anáfora
vinho são considerados o corpo e o sangue diferente do Rito Bizantino, mesmo que rela-
de Cristo e não das Palavras da Instituição cionada e provavelmente maior;
como em outras tradições.  Anáfora de São Gregório
O resto da anáfora consiste em um longo A Igreja Católica Maronita Antioquina é
conjunto de intercessões para a Igreja, seus uma das mais ricas senão a mais rica do nú-
bispos e outros clérigos, os líderes das na- mero de anáforas contidas em sua Liturgia, a
ções, os fiéis afastados e a Igreja como um maioria delas pertencem à tradição dos ritos
todo, bem como as comemorações dos san- antioquenos. Há pelo menos setenta e duas
tos, especialmente a Santíssima Virgem Mari- anáforas maronitas.
a, João Batista, o santo que se comemora
naquele dia, e "Antepassados, Pais, Patriar- Rito Alexandrino
cas, Profetas, Apóstolos, Pregadores, Evan- A principal anáfora atualmente utilizada
gelistas, Mártires, Confessores, Ascéticos e do Rito Alexandrino é a Liturgia de São Cirilo
para todo espírito justo na fé, perfeito". No rito o Grande, que é uma revisão da primeira Li-
bizantino, a anáfora, seja a de São João Cri- turgia de Alexandria composta por São Mar-
sóstomo ou São Basílio, termina com a se- cos. A Igreja Ortodoxa Etíope faz uso de nada
guinte doxologia cantada pelo sacerdote: "E menos do que 14 anáforas oficiais. Alguns
conceda-nos com uma boca e um coração mosteiros etíopes usam Anáforas adicionais
para glorificar e cantar o nome todo honroso e como prática local.
magnífico do Pai, e do Filho, e do Espírito
Santo, agora e sempre e nos séculos dos sé- Rito do Leste Siríaco
culos". As mais importantes anáforas atualmente
utilizadas do Rito Sírio Oriental são os seguin-
Siro-Antioquina tes:
Uma liturgia do Rito do Sírio Ocidental da  Anáfora de Addai e Mari, usada hoje
Igreja Ortodoxa Siríaca que possui paterissa6. por diferentes Igrejas em diferentes versões
devido a muitas adições;
6 Báculo encimado por uma pequena cruz de cuja base duas serpentes
 Anáfora de Theodoro de Mopsuestia,
usada no tempo do Advento;
 Anáfora de Nestorius, usada em algu-
mas festas.

Referências
Bradshaw, Paul. Origem eucarística. Oxford:
Oxford University Press. p. 25, 2004.
Folsom, D. Cassian, O.S.B. O que não te
contaram sobre as Orações Eucarísticas.
Artigo originalmente publicado em Inglês na
Revista Adoremus Bulletin, 1966.
J. Doresse e E. Lanne. Uma testemunha ar-
caica da liturgia de S. Basílio, São Paulo:
Paulus, 1996.
Jasper, Ronald Claud Dudley; Cuming, G. J.
Orações da Eucaristia: cedo e reformada.
São Paulo: Paulinas, 1990.
Liddell, Henry George e Scott, Robert, 1940.
Um léxico grego-inglês. Ed. Revisada, 2005.
Mazza, Enrico. As Orações Eucarísticas do
Rito Romano.1997.
O Livro de Serviço do Sacerdote. (Arcebispo
Dmitri, trans.). Dallas: Diocese do Sul, Igreja
Ortodoxa na América, 2003.
O Mistério da Oração Eucarística do Sínodo
Suíço
Ordens Eucarísticas I - IV
Recursos da Liturgia Siríaca Ortodoxa: Aná-
foras, 2017.
Senn, Frank C. Liturgia cristã, católica e
evangélica. Augsburgo publicações, 2015.
Tonneau e Devréesse. As homilias catequé-
ticas de Theodore de Mopsueste. São Pau-
lo: Paulus, 2010.
Varghese, Baby. Teologia litúrgica da Síria
Ocidental. Ashgate Publishing.pp. 62-63,
2004.
Witvliet, John. A Anáfora de São Tiago. In
Bradshaw, Paul F. Essays Sobre orações
eucarísticas orientais do início. São Paulo:
Paulus, p. 153, 1997.