Você está na página 1de 3

A TRAVESSIA DO MAR VERMELHO:

Uma exposição em: Ex 13.17-15.19.

INTRODUÇÃO:

Dentre os muitos milagres registrados nas páginas da Bíblia, a travessia do Mar Vermelho pelo povo de Israel
ocupa um lugar de destaque, e é mencionado, tanto no Antigo como no Novo Testamento (Êx 14.15-31; 15.4; Sl
136.13-15; I Co 10.10.1; Hb 11.29). Nesta lição, veremos como se deu a saída dos filhos de Israel do Egito; como Deus
guiou o povo pelo caminho; e como ocorreu a passagem pelo meio do mar.

I. DEUS PRESENTE NO MEIO DE SEU POVO:

A. Deus sempre presente (Ex 13.21,22):


1. Desde a saída do Egito O SENHOR colocou diante do seu povo uma manifestação visível de sua presença. Durante o dia o povo
via uma nuvem, durante a noite uma coluna de fogo.( Ex 3.2-6; 13.21,22).
2. Em teologia chamamos isto de teofania:
(a) Do grego (theophánia), é uma palavra formada por (Theós = Deus) + (Phaínos = aparecer).
(b) Literalmente significa “alguma manifestação visível (perceptível) de Deus, na forma que Ele quiser”. (é
um termo teológico que indica qualquer manifestação temporária e normalmente visível de Deus).

B. Deus protege o seu povo (Ex 13.17,18):


1. Deus além de cuidar, também protege seu povo. A manifestação da presença de Deus tinha como um de seus propósitos: conduzir
seu povo pelo caminho em uma rota segura.
2. Deus leva seus escolhidos por uma rota mais longa, porém, com o propósito de livra-los de alguns perigos. Vejamos alguns deles:
(a) O povo poderia, e os relatos posteriores a Exodo 15 demonstram que o fariam, querer retornar ao Egito.
Um caminho mais extenso inibiria tal tentativa.
(b) Outro problema é que a rota mais curta passava por território filisteu, o que levaria a homens que eram
ex-escravos, que não sabiam manejar armas militares e muito menos tinham experiências em guerras, a
um enfrentamento inevitável com os filisteus,um povo que possuía soldados experientese hábeis na
guerra.
(c) Esta rota mais curta era também uma estrada militar utilizada pelos egípcios, o que levaria aos israelitas
a serem alcançados facilmente por faraó.
3. Era também desejo do Eterno conduzir s eu povo até o Sinai, como Ele havia prometido a Moisés que eles Oserviriam naquele
monte (Êx 3.12).

C. Deus cuida de seu povo no deserto (Ex 13.19-22):


1. Deus cuidou de seu povo nos mínimos detalhes. Vejamos algumas demonstrações deste cuidado:
(a) O deserto durante o dia, chega a temperaturas de extremo calor (certa de 40 graus celsius), assim uma
nuvem impedia que o sol castigasse ao povo de Israel, evitando desidratação, morte de animais e perda
de alimento, que pereciam mais fácil quando expostos a muito calor.
(b) Durante a noite o deserto também chega a temperaturas extremas, porém totalmente opostas as do dia.
A noite no deserto pode chegar a5 graus celsius abaixo de zero. Uma coluna de fogo era essencial para
manter o povo aquecido e longe do perigo de animais peçonhentos.
2. Deus cuidou também de cumprir o último desejo de seu servo José.
(a) Antes de sua morte, José havia solicitado aos filhos de Israel que,quando Deus os visitasse, eles levassem
os seus ossos do Egito para Canaã (Gn 50.25).
(b) E, centenas de anos depois,Moisés, por providência de Deus, não se esqueceu de honrar essa petição do
patriarca (Êx 13.19; Hb 11.22).
(c) Quando o povo herdou a terra deCanaã, os ossos de José foram enterrados em Siquém (Js 24.32).
(d) Simbolicamente, este evento representa a ressurreição dos justos, pois, nem mesmo os ossos dos salvos
ficarão neste mundo. Quando o Senhor Jesus vier buscar a Sua Igreja, os corpos dos justos ressuscitarão
e subirão, juntamente com os crentes arrebatados, para o encontro do Senhor nos ares, quando
estaremos, para sempre, com o Senhor (I Co 15.51-54; I Ts 4.13,14).

II. DEUS PRESENTE PARA LIVRAR O SEU POVO:

A. O propósito de Deus (Ex 14.1-4):


1. Em relação a Israel:
(a) Mostrar ao seu povo o seu poder e sua grandeza dando-lhes experiência com Ele.
(b) E mostrar a Israel, bem como a faraó, que: “Só o SENHOR é Deus”.
2. Em relação a Faraó:
(a) Julgar a Faraó, e mostrando que os deuses do Egito são vaidade e que o Senhor dos Exércitos não deve
ser desafiado.
(b) Quando Deus endurece o coração de um homem é porque este, de forma deliberada, já se rebelou contra
Deus e recusa-se a colocar-se sob o senhorio do Único e Eterno Deus. Quando o ser humano se rebela
contra Deus, o SENHOR o entrega aos seus próprios sentimentos como uma forma de juízo. É como o
seu o Eterno dissesse: “Você acha que consegue viver sem mim, então, fique sozinho e vejamos aonde
você chega”. O homem sem Deus tende a destruir-se por si só e, faraó é um bom exemplo disto (Rm 1.18-
26).
(c) É por isso que a Palavra de Deus diz que: “quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor,
para não sermos condenados com o mundo.”(1 Co 11.32).

B. O mar vermelho:
1. A tradução “Mar Vermelho” vem do grego: “erythrathalassa”, pois, o termo hebraico é “yamsup”, que quer dizer “mar de juncos”.
2. Hoje em dia, o Mar Vermelho tem cerca de dois mil quilômetros de extensão(incluindo, ao norte, os golfos de Aqaba e o canal de
Suez). Sua largura varia entre 200 e 250 quilômetros. Suaprofundidade média é de quase 500 metros, sendo que a mínima é de
180 metros e a máxima e de 2.500 metros.
C. A travessia do mar vermelho (Ex 14.5-31):
1. Vejamos como ocorreu este milagre:
(a) Faraó arrependeu-se de haver deixado o povo sair do Egito (Êx 14.5);
(b) O rei do Egito perseguiu os hebreus com seiscentos carros (Êx 14.6,7);
(c) Quando os filhos de Israel viram os egípcios, temeram muito e clamaram ao Senhor (Êx 14.10);
(d) Moisés exortou o povo a confiar no Senhor: “O Senhor pelejará por vós, e vos calareis” (Êx 14.13,14);
(e) O Senhor ordenou que os filhos de Israel não parassem: “Dize aos filhos de Israel que marchem” (Êx
14.15);
(f) Deus ordenou que Moisés levantasse a sua vara e estendesse sobre o mar (Êx 14.16);
(g) O anjo de Deus que ia na frente do povo de Israel passou para a retaguarda (Êx 14.19);
(h) A coluna de nuvem iluminava o caminho para os hebreus e escurecia para os egípcios (Êx 14.20);
(i) Moisés estendeu sua mão sobre o mar para que as águas fossem partidas (Êx 14.21);
(j) Os filhos de Israel entraram pelo meio do mar e as águas eram como muro à sua direita e à esquerda (Êx
14.22);
(k) O Senhor tirou as rodas dos carros dos egípcios, fazendo-os caminhar dificultosamente (Êx 14.24);
(l) Os egípcios reconheceram que o Senhor pelejava pelo seu povo (Êx 14.25);
(m) Deus ordenou que Moisés estendesse a sua mão sobre o mar para que as águas afogassem os egípcios
(Êx 14.26);
(n) O Senhor derrubou o exército egípcio no meio do mar e eles morreram afogados (Êx 14.27,28);
(o) Israel creu no Senhor e em Moisés (Êx 14.30,31).

2. A historicidade da travessia do Mar vermelho:


(a) Este grande milagre vem sendo questionado de diversas formas e por vários ângulos desde muito tempo.
(b) Com o surgimento do liberalismo teológico, corrente teológica que se insurge no início do século XX e
que busca tratar a Bíblia como um livro de mitos e fábulas, escrita por pessoas ignorantes e que se
deixavam por suas fantasias e superstições; estes argumentos ganharam força.
(c) Porém, como dizia Charles H. Spurgeon, famoso pregado inglês do século XIX: “A dúvida foi lançada
sobre elas aqui e ali, e algumas vezes com grande demonstração de razão: dúvida que foi impossível de
responder por algum tempo, porém tão somente deem suficiente espaço, e suficiente investigação, e as pedras
sepultadas na terra gritarão para confirmar cada letra da Escritura. Velhos manuscritos, moedas e inscrições,
estão do lado do Livro, e contra ele não há nada, somente teorias, e o fato de que muitos eventos na história
não possuem outro registro fora do que a própria Bíblia nos ministra. O Livro esteve recentemente no forno da
crítica – pois, muito desse forno se esfriou devido que a mesma critica é depreciada. “As palavras do Senhor são
palavras puras”: não há nenhum erro de nenhum tipo em toda sua extensão. Essas palavras proveem Daquele
que não pode cometer erros, e que não pode ter o desejo de enganar a Suas criaturas.”.(A bíblia provada e
comprovada, Sermão 2048 pregado na manhã de 5 maio de 1889).
(d) Pois bem, em nossos dias “as pedas estão gritando” e, já temos achados arqueológicos que nos
asseguram a veracidade da travessia do Mar Vermelho.

III. DEUS PRESENTE PARA SER ADORADO POR POVO:

A. O cântico de Moisés (Ex 15.1-19):


1. Diante de tão grande livramento, ninguém poderiaficar calado. O cântico de Moisés é um hino de louvor e ações de graças a
Deus por Sua majestade (Êx15.1,2,11), porSeu poderio nas batalhas (Êx 15.3-12) e por Sua fidelidade ao seu povo (Êx 15.13-17).
2. Este cântico era um memorial para Israel. A música é um ótimo recurso pedagógico para a memorização.
3. A primeira parte do cântico tratada vitória sobre os egípcios (Êx 15.1-12); e, a segunda, profetiza a conquista de Canaã (Êx
15.13-18).
4. A Bíblia estárepleta de cânticos de vitória, como:
(a) O cântico de Ana (I Sm 2.1-11);
(b) De Débora (Jz 5.1-31);
(c) De Paulo (Rm 8.31-39); além de outros.
(d) Mas, o cântico de Moisés será cantado também no futuro pelos redimidos no céu (Ap 15.3,4).
B. Lições do cântico de Moisés:
1. Deus deve ser adorado, não somente pelo faz, mas também pelo que é.
2. A verdadeira música a Deus, o que chamamos de hino, deve:
(a) Estar bem embasada na palavra de Deus.
(b) Ser produzida após uma experiência real com o Senhor.
(c) Enaltecer unicamente ao Eterno.
(d) Ser uma expressão da alma humana diante da grandiosa majestade de seu criador.

CONCLUSÃO:

A travessia do Mar Vermelho é um dos milagres mais extraordinários da Bíblia. Embora os céticos duvidem da autenticidade
do milagre, explicando a passagem dos hebreus pelo meio do mar como um fenômeno natural, a Bíblia revela claramente que se trata de
um fato real e sobrenatural. O caminho que o Senhor abriu no meio do mar serviu não só para a passagem dos filhos de Israel, mas,
também, de armadilha para o exército egípcio. Deus permitiu que eles entrassem pelo meio do mar, mas não deixou que eles chegassem
do outro lado, exercendo juízo sobre todos os males que egípcios haviam causado ao povo hebreu. Assim, o Senhor salvou a Israel e
puniu os egípcios. Que possamos, como fez Moisés, exalta e bendizer ao único e verdadeiro Deus por suas maravilhas em nossas vidas.

2 de Fevereiro de 2014 Pb. Tiago da Silva Xavier