Você está na página 1de 7

ROTEIRO ORIENTADOR PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS

Este roteiro não se trata de um modelo fechado, mas de uma orientação para a
formulação de projetos. Um bom projeto escrito tem que mostrar-se capaz de comunicar as
informações necessárias e é por isso que, em geral, existem elementos básicos que compõem
sua apresentação:

- Ficha Técnica
- Sumário/Índice
- Apresentação

Um projeto deve ter em seu conteúdo as seguintes informações:

1) TÍTULO DO PROJETO

 Um bom nome esclarece e atrai. No entanto, deve-se observar que o nome tenha algo a ver
diretamente com o projeto identificando de imediato do que se trata;
 Deve-se dizer numa frase: o quê.
 Se a frase for bem construída de forma a não ficar muito extensa, pode-se dizer: para quê.

2) IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL

Fornecer o nome da entidade, descrever de forma sucinta os objetivos da entidade, área


de atuação, abrangência, experiência acumulada e estrutura organizacional. Essas
informações são fundamentais para se dar crédito quanto ao gerenciamento do projeto e
podem ser sistematizadas através dos seguintes tópicos:

 Entidade Solicitante:
Nome da entidade/Número de seu CNPJ, que está apresentando o projeto e que será
responsável por sua execução.
 Endereço da Sede da Entidade
 Pessoa responsável pelos contatos:
Nome, endereço completo, telefone, e-mail, etc.
Pode-se optar em fornecer os dados (acima) dos diretores.
 Descrição breve da entidade executora:
Sua estrutura, sua experiência na execução deste tipo de projeto.
 Referências Bancárias:
Nome do banco, número da conta, número da agência, Cidade e Estado (Observação: a
conta bancária deve ser em nome de pessoa jurídica).

3) INTRODUÇÃO

É o que se quer fazer, a natureza do projeto.


Deve-se fazer uma breve explanação do projeto como um todo.
4) JUSTIFICATIVA DO PROJETO:

POR QUE se quer fazer?


(Fundamentação – origem)

1º - Partindo da situação atual, devemos explicar qual a origem (como surgiu a


idéia, de quem partiu), como o projeto foi discutido, importância e urgência da resolução do
problema, citar os motivos porque se pretende resolver este problema e o que temos feito até o
momento para enfrentá-lo e o que falta conseguir;
2º - Explicitar o que se pretende com o projeto e porque ele pode contribuir com a
solução (parcial ou total) do problema;
3º - Síntese de informações e estudos prévios que justifiquem a realização do
projeto, citando uma breve previsão de transformação do problema que se pretende atingir com
a implementação do projeto.

Neste item inclui-se o HISTÓRICO, que em alguns projetos é um item a parte


além da JUSTIFICATIVA.

5) BENEFICIÁRIOS/LOCAL

A QUEM será dirigido? ONDE se vai fazer


(beneficiários, Público-alvo, onde se dará o projeto)

Quem será o beneficiado com o projeto? Onde ele será realizado? Devemos,
explicitar com clareza e precisão o público alvo através de informações sobre as suas condições,
ocupações, idade, onde moram/trabalham, além de deixar claro onde será realizado o projeto,
incluindo sua abrangência (localização geográfica, região, cidade, enfim, dados que possam
identificá-los claramente e possibilitar sua avaliação por parte das entidades apoiadoras. Para
entidades internacionais, é bom anexar um mapa especificando o local do projeto. Por motivos
didáticos, logo abaixo especificamos em tópicos quais as informações necessárias neste tópico:

 Dados sobre a realidade sócio-econômica da área de abrangência do projeto:


Região, área metropolitana, município, região administrativa, destacando informações
sobre a categoria (população) a ser contemplada.
 Dados sobre a(s) comunidade(s), grupos, associações, etc:
Trata-se da(s) Comunidade(s) que será(ão) envolvida(s) no projeto e onde se encontram
os beneficiários, destacando as principais características desses grupos e suas formas de
integração e organização.
 Beneficiários diretamente envolvidos no projeto:
Se possível citar o número de homens, mulheres, jovens , crianças etc.
 Beneficiários Indiretos:
Quantas pessoas se beneficiarão indiretamente com o projeto.
 Mudanças da realidade:
Situação esperada ao final do projeto.
Quais as principais mudanças que o projeto se propõe a realizar em relação a atual
situação dos beneficiários?
 Temporalidade:
Tempo de duração, quando começa e quando termina a execução do projeto.
 Estratégias (Parcerias e articulações, Relação com o Governo);
 Considerações Especiais.

É importante que os dados sejam concisos e objetivos. É bom evitar se alongar


muito em informações culturais, políticas e econômicas do país, pois o que for apresentado
precisa ser instrumento para se explicar melhor o que se quer com o projeto.
NA JUSTIFICATIVA ESTÁ A ALMA DO PROJETO!!!
6) OBJETIVOS:

PARA QUE se quer fazer (Propósitos)

1 – Os objetivos definem os efeitos que se quer alcançar;


2 – Evitar propósitos muito abrangentes e dependentes de outros fatores que fogem do
nosso controle.

Há dois tipos de objetivos, que são complementares:

A) OBJETIVO GERAL

É o propósito central do projeto, a finalidade última do projeto, ou seja, a


mudança que se pretende realizar. Deve ser claramente definido, compreendido e
aceito por todos os interessados e deve ser expresso pelos benefícios que pretende
gerar a longo prazo. Uma vez que o objetivo geral tenha sido formulado,
precisamos nos assegurar que:
- é consistente com os planos estratégicos da entidade;
- é consistente com a política de desenvolvimento da Região;
- é suficientemente justificável;
- não é muito ambicioso;
- o público alvo está definido;
- está clara a situação esperada ao fim do projeto;
- está expresso em termos verificáveis.

B) OBJETIVOS ESPECÍFICOS

COMO alcançar o Objetivo Geral

São as contribuições específicas, intermediárias ou imediatas, próprias do


projeto, na viabilização do objetivo geral. Eles explicam melhor como o Objetivo
Geral será alcançado, definindo atividades que serão promovidas pelo projeto e que
deverão ser atingidas. Uma vez que os objetivos imediatos tenham sido
formulados, precisamos nos assegurar que:

- o público alvo está especificado;


- podemos especificar uma contribuição significativa para o alcance do -
Objetivo Geral;
- é realístico;
- é preciso e verificável.

7) METAS

QUANTO se quer fazer


(Quantidade num determinado tempo)

1 – Indicam quanto se quer alcançar num tempo previsto;


2 – Através das metas poderemos avaliar se os objetivos foram alcançados;
3 – Complementam, esclarecem e tornam os objetivos operacionais;
4 – Precisam ser claras e realisticamente definidas;
5 – Podem ser uma apresentação numérica dos objetivos específicos.

Metas imprecisas, falsas, irreais e impossível de se atingir deixam a impressão


de que quem escreveu o projeto não possui domínio do assunto, da realidade ou quer passar uma
imagem ilusória para a entidade apoiadora.

As metas estão relacionadas aos Indicadores de Avaliação.

8) METODOLOGIA

COMO se vai fazer


(Que atividades, métodos, procedimentos...)

Como se fará para que se possa atingir os objetivos específicos definidos?


Como (atividades técnicas) com que (instrumentos) e com quem se fará as atividades?

É a descrição do processo de como cada objetivo específico será alcançado,


dando instrumental para definição das ações e sub-ações do plano de trabalho.

É preciso estimular ao máximo a participação dos envolvidos (Equipe técnica e


beneficiários) no Projeto!!!

9) CRONOGRAMA/CALENDÁRIO DE ATIVIDADES

QUANDO se vai fazer


(Cronograma, datas/períodos de implementação...)

O Cronograma é outro importante elemento do projeto. O cronograma é uma


representação gráfica do tempo de todas as atividades do projeto. O cronograma é um
instrumento gerencial que estabelece os parâmetros de tempo do projeto, tornando-se uma parte
efetiva do sistema de controle. Mas para um cronograma ser efetivo, ele precisa ser:

- completo, ter todas as atividades listadas;


- compreendido pela Equipe do projeto;
- capaz de identificar e destacar as atividades e o conjunto de atividades críticas;
- capaz de mostrar as interdependências entre atividades;
- claro ao definir o início e o fim de cada atividade;
- atualizado, modificado quando necessário e flexível em sua aplicação;
- substancialmente detalhado para fornecer bases para comprometimento, acompanhamento e
avaliação do uso dos recursos do projeto;
- baseado em estimativas de tempo realistas de acordo com a disponibilidade dos recursos
(humanos, financeiros e materiais).

O cronograma tem suas atividades em ordem seqüencial e pode ajudar em


antecipar fatos que podem afetar o projeto, em determinar a seqüência de atividades de controle
e em considerar as limitações dos recursos disponíveis.
Quanto as Atividades do Cronograma é importante observar que...

Nas atividades constantes do cronograma é importante destacar a participação dos


Grupos Beneficiários. Quando as atividades estão descritas, precisamos nos assegurar que:

- todas as atividades necessárias para se conseguir os produtos esperados e apenas estas estão
incluídas;
- apenas as atividades a serem realizadas pelo projeto estão incluídas;
- as atividades estão definidas enquanto atividades e não como produtos finalizados;
- o projeto é viável e realista;
- a atividade é adequada ao ambiente em que vai se desenvolver.

As atividades estão vinculadas ao Desembolso Financeiro.

10) RECURSOS

DEVE-SE TER:

 Uma total clareza quanto às despesas a serem realizadas, bem como as receitas do
projeto;
 Uma descrição dos gastos previstos com o Projeto na sua totalidade, mesmo os que não
venham a ser cobertos por este Fundo, identificando os itens de cada despesa;
 Distinguir, em colunas separadas, os valores de cada item solicitado a este Fundo. Os
valores provenientes de outras fontes (especificar quais são estas fontes), destacar a
contribuição dos prováveis parceiros.

QUEM VAI FAZER?


(Recursos Humanos)
COM QUE SE VAI FAZER?
(Recursos Materiais)
COM QUANTO SE VAI FAZER?
(Recursos Financeiros – Orçamento)

Uma vez que os recursos (orçamento) estejam concluídos, devemos nos assegurar que:

- os itens listados estão diretamente relacionados com as atividades;


- os custos orçados são necessários e suficientes para garantir as atividades planejadas;
- o nível de detalhe é adequado mas limitado a compreensão;
- os custos estão definidos de forma precisa e verificável.

Memória de Cálculo  Orçamento  Cronograma de Desembolso



Contrapartida

11) AVALIAÇÃO/PRESTAÇÃO DE CONTAS

- Esclarecer bem como se dará o acompanhamento do projeto;


- Citar quando será apresentado às entidades que comprarem o projeto, os relatórios e
prestação de contas.
O monitoramento:

a) Dados que permitem medir o progresso do projeto;


b) Cada indicador de avaliação corresponde a uma meta definida;
c) Definir: como o projeto será acompanhado (Monitoramento);
d) Que tipos de instrumentos serão utilizados?

A Avaliação:

a) Formas que serão usadas para refletir sobre os avanços, fracassos, resultados do
projeto etc;
b) Como se dará continuidade aos trabalhos?

12) PERSPECTIVAS

De que forma o projeto continuará?


Como se manterá?
Que outros resultados deverá proporcionar aos beneficiários e outros?

13) ASSINATURAS

Cidade, data e assinaturas dos responsáveis.

ANEXOS

Localização geográfica, fotos, recortes de notícias que tenham a ver com


a necessidade de aprovação do projeto, carta de apoio vinda de outras entidades,
dados estatísticos que ajudem a justificar o projeto e ações que já realizadas para
resolver o problema...

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Reflexão

É fundamental sabermos que nenhum programa/projeto convencerá se for mal


elaborado, argumentado e de má aparência. É preciso também saber que todos os
nossos programas/projetos visualizam o nosso grau de organização e nível de
responsabilidade que assumimos rumo a conquista dos nossos objetivos.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

APÓS A ELABORAÇÃO DO PROJETO...

Com o projeto pronto chegou o momento de nos preocuparmos com a VENDA


DO PRODUTO e com a IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO.
1 – VENDA DO PRODUTO

Esse é o ponto que mais cometemos falhas e o mais difícil de ser desenvolvido.
A venda de um projeto depende de muitos fatores.
Pontos que geralmente são analisados pelas agências financiadoras:

- se a proposta apresentada é clara;


- se a proposta é inovadora;
- se a organização tem experiência acumulada na área que pretende atuar;
- se a relação custo/benefício é satisfatória;
- se os custos são compatíveis com as ações previstas;
- quem são os demais parceiros nesse projeto.

A organização que pretende procurar parcerias para o seu projeto deve atentar
para alguns detalhes importantes sobre as agências. Informações importantes são:

- pessoas de contato;
- verificar se o seu projeto está dentro da área de atuação da agência;
- verificar se a sua organização está localizada no raio de ação da agência;
- verificar se existem prazos, formas de financiamento, valores de
financiamento, formulários de apresentação de projetos, quais os
documentos anexos exigidos etc;
- sempre que possível, entregar projetos em mãos;
- marcar sempre com antecedência a visita que deseja realizar na agência.