Você está na página 1de 6

VESTIBULAR: RESUMOS

PROFESSOR: WALTER TADEU


MATEMÁTICA II

TRIGONOMETRIA
Triângulo Retângulo: Diversas aplicações trigonométricas relacionam-se os comprimentos dos lados de
um triângulo recorrendo a determinadas relações dependentes de ângulos internos. Assim, apresentam-se de
seguida algumas relações trigonométricas com esse fim.
a) Seno de : É o quociente do comprimento do cateto oposto ao ângulo 
pelo comprimento da hipotenusa do triângulo, ou seja,
catetooposto y .
sen()  
hipotenusa h

b) Cosseno de : É o quociente do comprimento do cateto adjacente ao


ângulo  pelo comprimento da hipotenusa do triângulo, ou seja,

catetoadjacente x
cos()   .
hipotenusa h
c) Tangente de : É o quociente dos comprimentos do cateto oposto pelo
cateto adjacente, ou seja,

catetooposto y/h y h y
tan()      .
catetoadjacente x / h h x x
x2 y2
Relação fundamental da trigonometria: x 2  y 2  h2    1.
h2 h2
Ângulos notáveis: Podemos determinar
seno, cosseno e tangente de alguns
ângulos. Esses ângulos chamados de
notáveis são: 30°, 45° e 60°. A partir das
definições de seno, cosseno e tangente,
vamos determinar esses valores para os
ângulos notáveis. Considere um triângulo
equilátero de lado l e um quadrado de
lado l.
ARCOS NA CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA

RELAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS NO CÍRCULO


Observe as semelhanças nos triângulos sombreados à esquerda e direita. As razões serão apresentadas
sempre dos lados opostos aos ângulos congruentes partindo do Triângulo OAP.
Tangente

Cotangente

Secante
Cossecante

Resumo das propriedades das principais funções trigonométricas


Seno de x: Função ímpar, positiva no 1º e 2º Quadrantes, negativa no 3º e 4º Quadrantes.
 Monotonia: crescente no 1º e 4º Quadrantes, decrescente no 2º e 3º Quadrantes.
 Domínio: ] –∞ , +∞ [
 Imagem: [–1 ; +1]
 Período: 2

Cosseno de x: Função par, positiva no 1º e 4º Quadrantes, negativa no 2º e 3º Quadrantes.


 Monotonia: crescente no 3º e 4º Quadrantes, decrescente no 1º e 2º Quadrantes.
 Domínio: ] –∞ , +∞ [.
 Imagem: [–1 ; +1].
 Período: 2

Tangente de x: Função ímpar, estritamente crescente em todo o domínio. Positiva no 1º e 3º


Quadrantes, negativa no 2º e 4º Quadrantes.
 Domínio: IR-{k+/2, k = 0, ±1, ±2,...}.
 Imagem: ]–∞ ,+∞[.
 Período: .

Cotangente de x: Função ímpar, estritamente decrescente em todo o domínio. Positiva no 1º e 3º


Quadrantes, negativa no 2º e 4º Quadrantes.
 Domínio: IR-{k, k = 0, ±1, ±2,...}.
 Imagem:] –∞ , +∞ [.
 Período: .

Secante de x: Função par , positiva no 1º e 4º Quadrantes, negativa no 2º e 3º Quadrantes. Os sinais


seguem os da função f(x) = cos x.
 Monotonia: crescente no 1º e 2º Quadrantes, decrescente no 3º e 4º Quadrantes.
 Domínio: IR-{k+/2, k = 0, ±1, ±2,...}.
 Imagem: ]–∞ , -1] U [1, +∞[ ou IR- ]-1, 1[
 Período: 2.

Cossecante de x: Função ímpar, positiva no 1º e 2º Quadrantes, negativa no 3º e 4º Quadrantes.


 Monotonia: crescente no 2º e 3º Quadrantes, decrescente no 1º e 4º Quadrantes.
 Domínio: IR-{k, k = 0, ±1, ±2,...}.
 Imagem: ]–∞ , -1] U [1, +∞[ ou IR- ]-1, 1[
 Período: 2

OBS: Uma função é par se f(-x) = f(x) e ímpar se f(-x) = - f(x).


Fórmulas de adição e subtração

Sejam OA e OB dois vetores com origem no ponto O e


extremidade no ponto A e B, respectivamente, e que fazem ângulos
 e  com o eixo dos X, respectivamente.
Os triângulos assinalados são semelhantes e temos as relações:

 DE
sen  OE  DE  OE.sen
i)
  DE  sen. cos
cos  OE  (OB  1)  OE  cos
 OB

 BE
sen   (OB  1)  BE  sen
ii) 

OB  BF  sen. cos
cos  OD  BF  BF  BE. cos

 OE BE

 BC
sen(  )   (OB  1)  BC  sen(  )
iii)  OB  sen(  )  sen. cos  sen. cos
BC  BF  FC  (FC  DE)  BC  BF  DE

Para calcular o seno da diferença, basta utilizar o fato que: sen( )  sen e cos( )  cos  .

Temos: sen(  )  sen(  ())  sen.cos()  sen().cos  sen.cos  sen().cos .

Para calcular a fórmula para o cosseno da soma, observamos na figura que:

OD  OE. cos


i)   OD  cos. cos
OE  OBcos  (OB  1)  OE  cos
 FE CD
 sen   (CD  FE)   sen  CD  BE.sen
ii)  BE BE  CD  sen.sen .
BE  sen

 OC
Logo, 
cos(  )   (OB  1)  OC  cos(  )
 OB  cos(  )  cos. cos  sen.sen .

OC  OD  CD  (CD  FE)  OC  OD  FE
Temos: cos(  )  cos(  ())  cos.cos()  sen().sen  cos.cos  sen.sen .

Para o cálculo de tg(   ) dividindo sen(   ) e cos(   ) por (cos. cos  ) :


sen. cos sen. cos

i) tg(  )  sen. cos  sen. cos  cos. cos cos . cos  tg   tg .
cos. cos  sen.sen cos. cos sen.sen 1  tg  tg 

cos. cos cos. cos
sen. cos sen. cos 

ii) tg(  )  sen. cos  sen. cos   cos . cos cos . cos  tg   tg  .
cos . cos  sen.sen cos . cos  sen.sen 1  tg   tg 
cos . cos cos . cos

sen. cos  sen. cos tg   tg 2 tg


iii) Se   , tg(  )  tg(2)    .
cos. cos  sen.sen 1 tg  tg  1 tg2 
OUTRAS FÓRMULAS TRIGONOMÉTRICAS

Fórmulas de duplicação Fórmulas de bissecção


sen2  2sen.cos 1  cos 
sen( / 2)  
2
cos2  cos2   sen2 1  cos 
cos( / 2)  
2
2  tg  1  cos 
tg(2)  tg( / 2)  
1  tg2  1  cos 
Fórmulas de transformação
             
sen  sen  2  sen   cos  sen  sen  2  sen   cos 
 2   2   2   2 
             
cos   cos  2  cos   cos  cos   cos  2  sen   sen 
 2   2   2   2 
sen(  ) sen(  )
tan   tan  tan   tan 
cos   cos cos   cos

Exercícios Resolvidos
1) Simplifique a expressão: cos(x + y).cos y + sen(x + y).sen y
Solução. Desenvolvendo as operações de acordo com as relações fundamentais e simplificando, temos:

cos(x  y) cos y  sen( x  y)seny  cos x cos y  senxseny.cos y  senxcos y  senycos x.seny 
 cos x cos2 y  senxsenycos y  senxcos yseny  sen2 y cos x  cos x(cos2 y  sen2 y)  cos x. .
 cos(x  y) cos y  sen( x  y)seny  cos x

2) Calcule o valor: a) cos 105º b) tg 75º


Solução. Aplicando as fórmulas da soma e diferenças de arcos, temos:
1 2 3 2 2 6
a) cos(105º )  cos(60º45º )  cos60º cos 45ºsen60º sen45º  .  .  .
2 2 2 2 4

3 3 3
1 3 3  9  6 3 3
b) tg(75º )  tg(30º45º )  tg30ºtg45º  3  3 .   3 2.
1  tg30º.tg45º  3 3  3  3  3  93
1   .(1)

 3  3

3) Sendo senx = 4/5 e cosy = 12/13, em 0  x  /2 e 0  y  /2, determine: a) sen (x + y) b) tg (x – y)


Solução. Sabendo que sen2x + cos2x = 1, calculamos as raízes positivas de cosx e seny.

16 9 3 144 25 5
i) cos x  1  sen2 x  1    ii) seny  1  cos2 y  1    .
25 25 5 169 169 13
4 12 5 3 48  15 63
a) sen( x  y)  senxcos y  senycos x  .  .   .
5 13 13 5 65 65
33
sen( x  y ) 33 65 33 .
b) tg( x  y)   65  . 
cos(x  y) 56 65 56 56
65