Você está na página 1de 2

PLANO DE AULA – EVANGELHOS SINÓTICOS – MEDDI 2018

TEMA: Inicio do Ministério de Jesus – Galileia Data: 18/03/2018


TEXTOS BÍBLICOS: Mateus 4.12-25; Marcos 1.14-20; Lucas 4.14-30 VERSO-CHAVE: Mateus 4.17b

Duração da Aula: 50-55 Minutos


40-45 minutos (previsão) + 10 minutos (bônus para perguntas e respostas)

1 – INICIO DO MINISTÉRIO DE JESUS - GALILEIA


INTRODUÇÃO: Duração: 5 minutos
Retomar brevemente a história da tentação de Jesus (fazer o link com esta aula).

MATEUS 4.12-25 Duração: 15 minutos


1 – verso 12. Um tempo passou desde o batismo de Jesus e, enquanto isso, João Batista tinha sido preso.
O encarceramento de João é contado em Mateus 14.3-12.
2 – verso 13. Qual a distância entre Nazaré e Cafarnaum (região de Zebulom e Naftali)? Havia certo
preconceito étnico-religioso por parte dos judeus de raça pura em relação a estas localidades.
O mar da Galiléia é o lago de Genesaré.
3 – versos 14, 15 e 16. Profecia de Isaias 8.22 e 9.1,2 acerca do reinado do Messias em um Reino futuro.
A Galileia fazia fronteira entre Israel e o mundo exterior.
4 – verso 17. Aponta para o começo do ministério de Jesus. Seu ministério se inicia com o imperativo
“arrependei-vos”. De fato, o arrependimento, é o inicio da vida cristã prática do convertido.
O Reino havia chegado, pois, o próprio Rei Jesus o havia inaugurado.
5 – versos 18-20. Jesus chama Pedro e André. Podemos dizer que Deus chama pessoas simples; usa as
nossas habilidades profissionais para a sua obra. Eles aceitaram o chamado na mesma hora (obediência).
7 – versos 21-22. Da mesma forma, Jesus chama Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão.
8 – verso 23. O ministério de Jesus se resume às três palavras deste verso: ensinando, pregando e curando.
Sinagoga (palavra do grego para assembleia)
9 – verso 24. Jesus também expulsava demônios. Sua fama correu por toda a Síria.
A parte da Síria que se limitava com a Galileia era a região Siro-Fenícia)
10 – verso 25. Galileia, Decápolis, Jerusalém, Judeia e dalém do Jordão.
Professor, pesquise sobre estas cidades, geografia, etc., e, se possível, reproduza alguma ilustração.

MARCOS 1.14-20 Duração: 5 minutos


1 – verso 14. Vide Mateus.
2 – verso 15. O reino de Deus está próximo ou já chegou? A ênfase, neste caso, está na consumação do Reino.
Arrepender e crer, apesar de serem atos humanos, são possibilitados somente pela graça.
3 – versos 16-20. Vide Mateus.
O evangelho segundo João, trata dos detalhes do chamado (talvez, precedente a esta situação). Neste contexto,
a empresa familiar, provavelmente, fez a melhor pesca de suas vidas. Os ganhos financeiros, por conta da pesca
realizada, seriam altamente significativos. A despeito disso, Pedro e os demais, decidiram seguir a Jesus.
Deus fez o milagre financeiro, mas eles decidiram pelo milagre que não tem preço!

LUCAS 4.14-30 Duração: 15 minutos


1 – verso 14. Assim como Jesus venceu a tentação no poder do Espírito. Seu ministério se iniciou no poder do
Espírito. Ou seja, toda a obra de Deus só pode ser feita no poder do Espírito.
2 – versos 15-17. O serviço religioso da Sinagoga envolvia a leitura da Lei e dos Profetas com uma conexão
entre ambas as leituras. Por mais que a sinagoga pareça ser um lugar de provável religiosidade hipócrita, Jesus
nos dá o exemplo de congregar junto ao povo de Deus (“[...] segundo o seu costume”).
3 – versos 18-21. Jesus cita o texto de Isaias 61.1,2; 58.6 propositadamente. Ele estava ciente de sua missão
como o Messias. Os aspectos de sua missão, envolviam:
- evangelizar os pobres – Lc 6.20 (isto é um lembrete importante para não esquecermos desta categoria
econômica – porque será?)
- proclamar libertação aos cativos – Lc 1.68-74 (a libertação, neste, caso se refere à prisão do pecado)
- restauração da vista aos cegos – Lc 1.78-79 (a cura física, mas também espiritual – tem a ver com o aspecto
anterior)
- liberdade aos oprimidos (pessoas deprimidas, que sofrem amargamente por conta das questões
socioeconômicas, mas também pela prisão espiritual – tem a ver com o aspecto anterior)
- apregoar o ano aceitável do Senhor (não que aquele ano fosse o único ano aceitável, mas, em um contexto
judaico, Jesus faz referência ao ano do Jubileu, situação em que os débitos eram perdoados, os escravos eram
soltos, etc.) Ver Lv. 25.10.
Vale salientar que, ao contrário do que a Teologia da Libertação (marxismo travestido de teologia) apregoa, este
trecho de Lucas não se refere prioritariamente à libertação do estado de pobreza ou de opressões de ordem
econômica. O problema fundamental do ser humano não é de ordem material ou econômica, mas de ordem
espiritual, isto é, o pecado.
4 – verso 22. O espanto se dava no fato de Jesus, sendo filho de um carpinteiro, possuir tanta sabedoria em
graça em suas palavras.
5 – versos 23-27. Jesus expõe a incredulidade do povo, fazendo referência ao Antigo Testamento para afirmar
que um profeta não tem honra entre o seu próprio povo (Elias e a viúva de Sarepta-Sidom – 1 Reis 17.9 / Eliseu
e Naamã, o leproso – 2 Reis 5.10).
6 - versos 28-30. Esta é uma das primeiras ocorrências de ira dos religiosos contra Jesus, alegando blasfêmia.
Jesus então é levado para fora da cidade até o alto de um monte para ser jogado de lá. Entretanto, quando
chegou lá, Jesus conseguiu escapar ileso.
O ministério de Jesus ocorre inicialmente com liberdade e prestígio nas sinagogas. Com o passar do tempo, a ira
dos religiosos fechou as portas das sinagogas para Jesus.

2 – CONCLUSÃO/APLICAÇÃO Duração: 10 minutos


A ideia de Reino de Deus se traduz no ambiente e no modo de atuação dos discípulos do Cristo, seja na
sociedade (“ambiente secular”), seja na igreja. O discipulado cristão, assim como ocorria no tempo de Jesus,
também por influência grega, é tido como o contato diário e íntimo com o mestre, a fim de aprender por
observação. A condição para o discipulado reside em se arrepender e crer em Jesus.

Lemos no livro de Erich Fromm: “Escape from Freedom”, que as pessoas procuram deliberadamente entregar
suas personalidades a sistemas, a fim de escaparem da carga de terem de fazer escolhas. Por isso é que
milhões de alemães cederam ao nazismo fanático, e muitos milhões cedem atualmente ao comunismo, pois em
ambos os casos as pessoas podem seguir a “linha do partido”, livrando-se da carga de dirigirem os seus próprios
destinos, como deveriam fazer.

Prisões têm existido e continuam existindo em grande número, e são individuais e sociais; e nas Escrituras o
pecado é pintado como o pior de todos os carcereiros, porquanto por causa do pecado ficamos separados de
Deus e da busca espiritual apropriada pela verdade e por Deus. Jesus, pois, proclamou uma liberdade da qual
todos podem participar, porque esse é o sentido do seu ministério. George Matheson expressa a liberdade
oferecida por Cristo, ao dizer: “Toma-me um cativo, Senhor, E então serei livre”.

Por misericórdia e graça de Deus, foi o que aconteceu com Pedro e os outros discípulos. Enfim, foi o que
aconteceu a todos nós. Glórias a Deus por isso!

3 – OBSERVAÇÕES
Professor, não limite-se ao conteúdo proposto nesta aula.
Busque e utilize os recursos adicionais, bem como imagens, figuras, mapas, etc., da forma como achar
conveniente, a fim de que a aula fique mais dinâmica e atrativa. Caso possa, utilize o data-show para auxilio
visual.
Que o Espírito Santo te dê discernimento e sabedoria durante a ministração. Boa aula!

LEGENDA
Conteúdo Essencial Conteúdo Desejável Conteúdo Facultativo

[...] o que ensina, esmere-se no fazê-lo; Romanos 12.7b (ARA)